terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Jair Krischke sofre ameaça de morte no Uruguai

Uma organização clandestina intitulada “Comando general Pedro Barneix” anunciou que reagirá violentamente caso algum outro militar morra no âmbito das investigações sobre terrorismo de Estado no Uruguai, depois que foi registrado o suicídio do general Pedro Barneix. A ameaça do comando foi feita contra 12 personalidades locais e estrangeiras. Todas elas serão assassinadas, segundo a ameaça. A lista inclui o gaúcho Jair Krischke, do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul. Eis a ameaça: "Por cada suicídio de ahora en más, mataremos a tres elegidos azarosamente de la siguiente lista". A ameaça de morte foi registrada em matéria do jornal esquerdista uruguaio Brecha. Leia a reportagem:
A casi un año del robo de la sede del Giaf, una nueva amenaza bajo la firma del “Comando general Pedro Barneix” llegó a la justicia. La intimidación está dirigida al ministro de Defensa, Jorge Menéndez, al fiscal de Corte, Jorge Díaz, y al menos a una decena de personas que tienen como denominador común haber contribuido al esclarecimiento de hechos ocurridos durante el terrorismo de Estado. El suicidio del general Pedro Barneix no quedará impune, no se aceptará ningún suicidio más por injustos procesamientos. Por cada suicidio de ahora en más, mataremos a tres elegidos azarosamente de la siguiente lista. Con este texto se encontró el fiscal de Corte, Jorge Díaz, en su casilla de correo hace tres semanas, y con una lista de al menos 12 personas, entre las que también se encuentra su nombre, de acuerdo a las fuentes de Brecha. El viernes pasado Tnu informó que el e-mail estaba firmado por un tal “Comando general Pedro Barneix”. Por el momento, Brecha pudo constatar el nombre de 12 personas (véase recuadro). Entre los amenazados se encuentra Óscar López Goldaracena, abogado que patrocinó la causa de Aldo Perrini, por cuyo asesinato se procesó con prisión al general retirado Pedro Barneix, quien se suicidó minutos después de que un policía le notificara que debía acompañarlo al juzgado. También se encuentra Mirtha Guianze. La actual directora de la Institución Nacional de Derechos Humanos fue la fiscal que presentó un recurso contra la ley de caducidad por el asesinato de Nibia Sabalsagaray: en 2009 la Suprema Corte de Justicia declaró inconstitucional la norma por primera vez. El abogado de esta emblemática causa, Juan Errandonea, está en la lista. También figura Pablo Chargoñia, abogado del Observatorio Luz Ibarburu, que hace un seguimiento de las causas penales vinculadas al pasado reciente, y su colega brasileño Jair Krischke, una de las personas clave para la extradición a Argentina del prófugo militar uruguayo Manuel Cordero. Para la mayoría de los amenazados con los que Brecha tomó contacto, el motivo del mensaje no está nada claro. Desde el entorno del ministro de Defensa, Jorge Menéndez, prefieren no hacer especulaciones. Pero lo cierto es que hace varios meses – incluso antes de la muerte en agosto pasado de su antecesor, Eleuterio Fernández Huidobro – personas designadas por el Grupo de Trabajo Verdad y Justicia trabajan en los archivos de inteligencia del Fusna. Además está instalada la comisión parlamentaria para investigar las actividades de espionaje militar en democracia (véase especial “Infiltrados”de Brecha, publicado en esta edición),y se negocia una reforma de la Caja Militar que, de prosperar, haría que los militares retirados perdieran privilegios económicos. El asunto está en manos de la jueza Julia Staricco y de la fiscal Mónica Ferrero, quienes se encuentran trabajando junto con la Dirección General de Información e Inteligencia policial para rastrear el origen del correo. Fuentes de la investigación consultadas el martes por Brecha sostienen que, por el momento, esto parece “imposible”. El mensaje fue enviado a través de un sistema llamado Tor, que es conocido por su capacidad de mantener en el anonimato a sus usuarios y esconder la ubicación de los mensajes enviados. El miércoles al mediodía la magistrada concurrió al despacho del ministro de Defensa a tomarle declaraciones. Hoy concurrirán al juzgado otras de las personas de la lista, quienes en su mayoría tomaron conocimiento de la amenaza a través de policías que realizaron la notificación en forma personal. A algunos se les dejó, a modo ilustrativo, un impreso en hoja A4 con el texto de la amenaza transcrito y su nombre (no el de toda la lista), sin más detalles. A otros aún no se les ha notificado ni han sido citados a declarar. En marzo de 2016 desconocidos entraron sin autorización a la sede del Grupo de Investigación de Arqueología Forense (Giaf), robaron discos duros y dejaron amenazas a sus integrantes. Un año después de este hecho la justicia no ha podido determinar quiénes fueron los responsables. Algunos de los nombrados en la nueva amenaza interpretan que la del supuesto “Comando general Barneix” es una manera de remarcar —para que nadie se olvide— que “están ahí”, que “están activos”. Los nombres que aparecen en la lista confirmados por Brecha son: el ministro de Defensa, Jorge Menéndez, el fiscal de Corte, Jorge Díaz; la ex fiscal Mirtha Guianze; la ex vicecanciller Belela Herrera; los abogados Óscar López Goldaracena, Pablo Chargoñia, Juan Errandonea, Federico Álvarez Petraglia y Juan Fagúndez; la abogada Hebe Martínez Burlé; el activista brasileño Jair Kirschke; y el jurista francés Louis Joinet.jai".

Presidente do Santander diz que economia do Brasil já voltou a crescer


O presidente do Santander, Sérgio Rial, disse acreditar que a economia brasileira já voltou a crescer e que há sinais de melhora no varejo e também no segmento de financiamento de veículos. "Eu recomendo que a gente saia da agenda de achar que o Brasil não voltou a crescer, porque isso já tá acontecendo. A gente tem que entrar numa agenda de qual é esse crescimento, para onde vai, estamos indo rápido o suficiente?", afirmou em entrevista após reunião com investidores. "A agenda de discutir se vamos voltar a crescer já passou, está olhando no retrovisor", complementou. O Santander espera que a economia brasileira vá crescer 0,7% neste ano. O banco registrou retomada do crescimento nos empréstimos no fim do ano passado. Questionado sobre os primeiros meses deste ano, Rial disse que há sinais de crescimento no varejo, apesar da base de comparação negativa.

Rial afirmou que a medida de liberação do saldo das contas inativas do FGTS é um grande avanço, porque transfere a decisão de alocação de recursos para as pessoas. O próximo passo, afirma, é a discussão do que ele chama de "assimetrias" no sistema financeiro com o crédito direcionado e com taxas de juros baixas. "Boa parte do que acontece no Brasil é crédito direcionado. Alguém determinou o que os cinco grandes bancos têm que fazer", critica. Ele acrescenta que isso impede os bancos de concorrer entre eles e baixar a taxa de juros. Para ele, há disposição dos bancos e do governo de conduzir uma agenda ordenada neste tema.

Cientistas esperam que supertelescópio capte a primeira imagem de um buraco negro

Um telescópio virtual do tamanho da Terra está pronto para conseguir a primeira fotografia de horizonte de eventos a 26 mil anos-luz de distância e de mais de 20 milhões de quilômetros de diâmetro. Cientistas acreditam estar prestes a obter a primeira imagem de um buraco negro. Eles construíram um "telescópio virtual" do tamanho da Terra ao ligar transmissores de rádio a partir de Boston, nos Estados Unidos, para pontos no Pólo Sul, no Havaí, nas Américas e na Europa. Há um grande otimismo de que as observações, a serem conduzidas entre 5 e 14 de abril, possam finalmente revelar a tão aguardada imagem. Na mira do chamado "Event Horizon Telescope" (Telescópio de Horizonte de Eventos ou EHT) estará o monstruoso buraco negro no centro da nossa galáxia. O objeto, catalogado como Sagittarius A, nunca foi diretamente observado. Mas acredita-se na sua existência devido ao movimento de estrelas próximas. Elas se movimentam em torno de um ponto no espaço a uma velocidade de milhares de quilômetros por segundo, sugerindo que o buraco tenha uma massa quatro milhões de vezes a do Sol. Porém, por mais gigante que pareça ser, o "horizonte de eventos" - ou a "borda" do buraco onde a força gravitacional é tão forte que nem a luz consegue escapar - não deve ter mais que 20 milhões de quilômetros de diâmetro. A uma distância de 26 mil anos-luz da Terra, o Sagittarius A é apenas um minúsculo ponto no céu. A equipe do EHT está, mesmo assim, bastante otimista. "Há uma grande emoção", disse o diretor do projeto, Sheperd Doeleman, do Centro para Astrofísica de Harvard-Smithsonian, em Cambridge, Massachusetts. "Estamos trabalhando no telescópio virtual há quase duas décadas e, em abril, vamos fazer as observações que esperamos ser as primeiras a trazer o horizonte de eventos do buraco negro em foco", disse ele. O truque do EHT é uma técnica chamada Interferometria de Longa Linha de Base (VLBI). Ela combina uma rede bastante ampla de radiotelescópios de vários pontos da Terra criando um telescópio virtual gigante capaz de produzir a resolução necessária para observar o buraco negro distante no espaço. O EHT tem como objetivo inicialmente chegar a uma precisão de 50 microarco-segundos. Segundo a equipe, isto significa que o telescópio conseguiria capturar a imagem de uma laranja na superfície da Lua vista da Terra. Eles ressaltam que ainda haverá anos de intenso trabalho, mas vêem pela frente a perspectiva de uma iminente descoberta. Os cientistas fazem uma idéeia do que esperam ver. Simulações baseadas nas equações de Einstein prevêem um anel brilhante no entorno de uma forma escura. A luz seria produzida por partículas de gás e poeira aceleradas em alta velocidade e destruídas pouco antes de desaparecer no buraco. Já a área escura seria a sombra que o buraco lança nesse turbilhão. "Agora, pode ser que vejamos algo diferente", disse Doeleman: "Nunca é uma boa idéia apostar contra Einstein, mas se observarmos algo muito diferente do que esperamos, talvez tenhamos que reavaliar a teoria da gravidade. Não acredito que isto vá ocorrer, mas qualquer coisa pode acontecer e esta é a beleza disso tudo". Ao longo dos anos, cada vez mais instalações de radioastronomia foram acrescentadas ao projeto. A última instalação estratégica a ser incluída foi o Observatório Alma (ou Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), no Chile. Inaugurada em 2013 no Deserto do Atacama, a estação abriga 66 antenas da sete metros de diâmetro cada. Esta tecnologia aumentou a sensibilidade do EHT em um fator de 10 - uma das razões para o otimismo dos cientistas. Mesmo assim, cientistas tiveram que instalar equipamentos especiais em todos os radiotelescópios envolvidas nas observações. Isto inclui grandes discos rígidos para armazenar volumes gigantescos de dados, e relógios atômicos para registrar tudo isso com precisão. Mas, antes, os discos rígidos precisam ser transportados para um grande centro de computação no Observatório Haystack, do Massachusetts Institute of Technology (MIT) , localizado próximo a Boston, nos Estados Unidos. "Nossos módulos de disco rígido têm uma capacidade de cerca de 100 laptops padrão", diz Vincent Fish, do observatório. "Temos vários módulos em cada telescópio e temos numerosos telescópios na matriz. Então, no total, estamos falando de algo em torno de 10 mil laptops em quantidade de informação". É num computador complementar de Haystack que toda a informação será reunida. Foram desenvolvidos avançados algoritmos para interpretar dados das observações do EHT e transformá-los em imagens. Mas os resultados não virão rápido. Poderia levar até o final do ano, ou talvez até o início de 2018, para que a equipe divulgue a primeira imagem do buraco negro. Olhando para o futuro, os cientistas já pensam em como estender essas técnicas. Por exemplo, a matéria mais próxima ao "horizonte de eventos" e prestes a desaparecer no Sagittarius A deveria levar cerca de 30 minutos para completar a órbita. Katie Bouman, do Laboratório de Inteligência Artificial de Computação Científica do MIT, acredita que seria possível capturar esse movimento. "Queremos forçar a fronteira e tentar fazer filmes com essa informação", disse ela. "Talvez possamos ver o gás fluindo no entorno do buraco negro. Essa é realmente a próxima etapa do que estamos tentando alcançar com esses algoritmos de geração de imagens". Mas, antes de tudo, a equipe precisa de tempo bom em abril nas estações participantes. Se houver muito vapor d'água, o EHT vai ter dificuldade de enxergar através da atmosfera da Terra. Conseguir uma imagem do Sagittarius A seria um triunfo em si, mas o objetivo real é usar a capacidade de imagem para testar aspectos da Teoria da Relatividade. Se existem falhas a serem encontradas nas idéias de Einstein - e os cientistas suspeitam que existam explicações mais complexas para a gravidade esperando serem descobertas -, é no buraco negro que as limitações devem ser expostas. (BBC)

Ministério Público do Rio de Janeiro entra com ação contra governador Luiz Fernando Pezão por improbidade administrativa

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro ajuizou ação civil pública contra o governador Luiz Fernando Pezão por ato de improbidade administrativa. A ação foi ajuizada ontem (20) pelo procurador Ricardo Ribeiro Martins, decano do Conselho Superior do Ministério Público. A ação foi ajuizada no mesmo dia em que o Tribunal Regional Eleitoral publicou a decisão em que pede a cassação do governador e de seu vice, Francisco Dornelles, por abuso de poder econômico nas eleições passadas. Em nota, o Ministério Público esclarece que o pedido se deu a partir de representação feita pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), sob o argumento de “falhas nos investimentos na área de saúde por parte do governo do Estado, que não teria repassado as cotas financeiras obrigatórias para o setor, como determina a Constituição Federal". Na representação do Cremerj, feita no dia 26 de janeiro deste ano, a entidade argumenta que o governo fluminense não cumpriu a Constituição Federal ao gastar apenas 9,74% da receita ativa do Estado na área da saúde. A ação ajuizada pelo Ministério Público pede a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos do governador pelo período de três a cinco anos; o pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente; a proibição de contratar com o Poder Público ou de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios - direta ou indiretamente - ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos; além do pagamento de danos morais difusos, em valor a ser arbitrado pelo Juízo. Em nota, o Palácio da Guanabara afirma que “as exigências de repasses para a Saúde foram integralmente cumpridas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro” e que “as contas do Estado referentes aos anos de 2014 e 2015 foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado”. 

Quase 7 milhões de trabalhadores têm seus depósitos atrasados no FGTS


Cerca de 7 milhões de trabalhadores não tiveram depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), incluindo contas ativas e inativas, feitos corretamente pelos seus empregadores. São 198.700 empresas devedoras de depósitos do fundo, segundo informações da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, órgão vinculado ao Ministério da Fazenda. Com isso, muitos trabalhadores que quiserem sacar o saldo do FGTS de uma conta inativa podem ter problemas. Só em São Paulo são 52.800 empresas devendo depósitos no FGTS de seus empregados e ex-empregados, em um total de 8,69 bilhões de reais em débitos. No Rio de Janeiro as dívidas chegam a 4,1 bilhões de reais, distribuídos entre 27.700 empresas inadimplentes. De acordo com a procuradoria, só em inscrições de empresas na dívida ativa existe um débito de 24,5 bilhões de reais. Contudo, nem todas as empresas listadas entre as devedoras estão inscritas na dívida ativa, ou seja, o valor desse débito é maior. Uma empresa só é inscrita na dívida ativa quando não fizer acordo com o Ministério do Trabalho ou fizer o acordo mas não cumpri-lo. Entre 2013 e 2016, a procuradoria conseguiu recuperar 466,9 milhões de reais , efetuando a cobrança junto às empresas. O trabalhador deve fiscalizar os depósitos e, em caso de atraso poderá apresentar denúncia ao sindicato representante da categoria profissional ou comparecer às Superintendências Regionais do Trabalho. As empresas são obrigadas a recolher mensalmente 8% do salário na conta do FGTS do trabalhador. Esse dinheiro é uma espécie de reserva financeira que cresce a cada mês e que pode ser sacado pelo trabalhador com carteira assinada se a conta estiver inativa, em caso de demissão sem justa causa ou em situações especiais, como aposentadoria, compra da casa ou doenças graves.

Peemedebista Sérgio Cabral quer contar o que sabe apenas à Procuradoria Geral da República


O peemedebista Sérgio Cabral já foi informado de que precisará entregar tudo e todos para se tornar delator. Pois bem, mas o ex-governador tem outra certeza: como é alvo de um emaranhado de processos, o acordo só fará sentido se for fechado com a PGR, em Brasília. Caso contrário, ele teme entregar suas informações aos procuradores federais no Rio de Janeiro, por exemplo, e continuar preso por condenações assinadas por Sérgio Moro, ou vice-versa.

Polícia gaúcha prende delegado e comissário por suspeita de ligação com quadrilhas de bandidos

O delegado Omar Abud e o comissário de polícia aposentado Luís Gonaçves, foram presos em ação conjunta do Ministério Público e da Polícia Civil na manhã desta terça-feira, em Porto Alegre, suspeitos de financiar grupos criminosos envolvidos com roubo de cargas, receptação e estelionatos. Os dois foram presos preventivamente. Eles são investigados pelos crimes de lavagem de dinheiro, violação de sigilo funcional e organização criminosa. 

O delegado Omar Abud, responsável pela 17ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, e o comissário aposentado Luis Armindo de Mello Gonçalves foram presos preventivamente em ação do Ministério Público e da Polícia Civil. Eles são suspeitos de envolvimento com uma quadrilha de roubo de cargas. A operação “Financiador” apura crimes de lavagem de dinheiro, violação de sigilo funcional e organização criminosa. Conforme a investigação, os suspeitos utilizavam contas correntes de terceiros e de empresas de fachada para financiar grupos criminosos que praticavam roubo de cargas, receptação e estelionato. O Ministério Público confirmou que os investigados, em contrapartida, recebiam parte dos lucros da atividade. Até o momento foi apurado que a lavagem de dinheiro alcançou aproximadamente R$ 1,1 milhão. A investigação começou em novembro do ano passado, quando o Ministério Público denunciou integrantes de uma organização criminosa que utilizava um supermercado de Alvorada para lavagem de dinheiro. Segundo o subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Fabiano Dallazen, os policiais financiavam "uma importante facção criminosa do Rio Grande do Sul". Mais três pessoas são investigadas, no entanto, respondem em liberdade. De acordo com o sub-procurador, entre eles está um familiar de Abud:."O papel do delegado era de elo nessa organização. Financiava e controlava o sistema de proteção ao grupo criminoso". Foram apreendidos quatro veículos de luxo e apartamentos em Porto Alegre, Capão da Canoa e Xangri-Lá. O objetivo, segundo o chefe da Polícia Civil, Emerson Wendt, é ressarcir os cofres públicos ao fim da investigação. "Um dos imóveis, pelo que me foi passado, chega a R$ 3 milhões", disse Emerson Wendt, sobre um dos apartamentos adquiridos pelo delegado investigado. Ele explicou que a apuração criminal é paralela à situação funcional dos servidores. Um processo administrativo pode resultar no desligamento dos investigados da Polícia Civil. O delegado Abud era responsável pela delegacia que atende o Centro de Porto Alegre. 

Rede recorre de decisão do STF que manteve nomeação de Moreira Franco

O partido Rede Sustentabilidade entrou, na noite de ontem (20), com recurso no Supremo Tribunal Federal contra a decisão do ministro Celso de Mello que manteve Moreira Franco no cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República. No último dia 14, Mello negou pedido de liminar feito pela Rede, partido de oposição ao governo, para que o STF barrasse a nomeação. Um dia depois, o ministro afirmou que, se houvesse recurso, deveria levar o caso ao plenário da Corte. Não há prazo para que isso seja feito. No recurso, a Rede rebate ponto a ponto os argumentos usados por Celso de Mello para negar a liminar. Na ocasião, por exemplo, o ministro afirmou que o andamento de investigações e o julgamento de ações penais no STF não resultam, necessariamente, em atraso na tramitação dos processos. Para rebater o argumento, a Rede traz dados da Fundação Getulio Vargas (FGV) segundo os quais 68% das ações penais concluídas no Supremo entre 2011 e março de 2016 não tiveram desfecho, pois prescreveram ou foram repassadas a instâncias inferiores. No caso de inquéritos, apenas em 5,8% de 987 casos o investigado se tornou réu. “Os números mostram que é mais vantajoso para os réus serem julgados no Supremo”, disse o advogado Márlon Reis, que assina o recurso da Rede e é conhecido por ter sido um dos autores da Lei da Ficha Limpa. Segundo Marlon Reis, os dados “indicam a baixa exequibilidade criminal e investigativa do Supremo diante de sua estrutura e excesso de processos, o que pode retardar ou frustrar o andamento das investigações e apurações em desfavor de Moreira Franco em atentado à moralidade”. No recurso, um agravo regimental, Reis menciona ainda um despacho proferido na semana passada pelo ministro Luiz Roberto Barroso, em que ele sugere maior restrição do foro privilegiado, diante do que seria uma aparente ineficácia do Supremo em tramitar investigações criminais. Celso de Mello é relator de dois mandados de segurança em que foram pedidas liminares para barrar a nomeação de Moreira Franco, um da Rede e outro do partido PSOL, que na última sexta-feira (17) também entrou com recurso no STF. Moreira Franco tomou posse como ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República no dia 3 de fevereiro, em cerimônia no Palácio do Planalto. Logo em seguida, sua nomeação foi alvo de uma guerra de liminares, com decisões de diferentes partes do país barrando sua nomeação, todas posteriormente derrubadas. PSOL e Rede foram ao Supremo. Os partidos de oposição alegam que o objetivo real da nomeação seria livrar Moreira Franco de eventuais investigações da Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal em Curitiba, após ter sido citado na delação premiada de um ex-executivo da Odebrecht. Ministros só podem ser indiciados e investigados pelo STF. Como argumento, a Rede e o PSOL fazem um paralelo com a decisão do STF que barrou a nomeação do poderoso chefão da orcrim petista e ex-presidente Lula para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, em março do ano passado. Na ocasião, o ministro Gilmar Mendes suspendeu a nomeação de Lula por entender que a medida foi tomada para conceder foro privilegiado ao ex-presidente e evitar que ele fosse julgado pelo juiz federal Sérgio Moro nas ações da Lava Jato. A Advocacia-Geral da União defende a nomeação de Moreira Franco e afirma que o envolvimento dele com a Lava Jato são “ilações”, uma vez que a delação premiada em que Moreira Franco teria sido citado encontra-se em segredo de Justiça e não pesa contra ele nenhuma investigação no âmbito da operação. Para a AGU, as situações são distintas, porque Moreira Franco, diferentemente do ex-presidente, já exercia funções no atual governo, como secretário do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), e a transformação do cargo teve como função fortalecer o programa governamental.

Henrique Meirelles assegura que a recessão no Brasil já terminou, mas ainda se sente as consequências dela

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (21) que a recessão no Brasil já terminou. Entretanto, o País ainda sente as consequências geradas pela crise econômica que, segundo ele, é a “maior da história”. “O Brasil hoje já está crescendo. Isso é muito importante porque todos nós passamos por um momento muito difícil quando o Brasil enfrentou a maior recessão de sua história. Mas a mensagem aqui importante é que essa recessão já terminou. Vivemos ainda as consequências dela em muitos aspectos. Ela foi longa, difícil, dura, gerou esse número de desempregados, mas o Brasil já começou a crescer”, disse Meirelles. A declaração foi dada durante uma reunião no Palácio do Planalto com a presença do presidente Michel Temer, ministros e parlamentares, para discutir a proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo ao Congresso Nacional. Na semana passada, o Banco Central divulgou que o seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado uma "prévia" do resultado do Produto Interno Bruto (PIB), aponta que a economia brasileira encolheu 4,34% em 2016. O resultado oficial do PIB só será divulgado em 7 de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com Henrique Meirelles, o Brasil não só voltou a crescer, mas também entrou em um rota de crescimento sustentável no longo prazo. Como argumento, citou que a confiança dos empresários e consumidores está se recuperando, o que não acontecia desde 2011, disse. Henrique Meirelles falou ainda que o Brasil vai sair do “padrão” de ter uma crise econômica de “tempos em tempos”, o que tem gerado insegurança em investidores e na própria população, para ter “períodos prolongados de crescimento". “Começando a crescer devagar, mas é um crescimento que vai subindo ao longo do ano e cada vez vamos ter um crescimento que vai se acelerando”, acrescentou. Em seguida, ele defendeu propostas do governo Temer, como a limitação do teto de gastos públicos e a reforma da Previdência. 

Racionamento de água na área central do Distrito Federal começa na próxima segunda-feira

A Caesb anunciou nesta terça-feira (21) que vai começar a fazer racionamento de água nas regiões centrais do Distrito Federal, abastecidas pelo reservatório de Santa Maria, a partir da próxima segunda-feira (27). De acordo com a Caesb, um cronograma de como vai funcionar a restrição deve ser divulgado até quinta-feira (23). Entre as informações que ainda precisam ser publicizadas está a definição se os moradores vão ficar um ou mais dias sem água. As regiões afetadas se concentrariam principalmente no Plano Piloto, atingindo aproximadamente 557 mil pessoas. A previsão é de que o corte ocorra nestes locais: Asa Norte, Asa Sul, Lago Norte, Lago Sul, Noroeste, Sudoeste, Varjão, Taquari, Jardins Mangueiral, Paranoá, Itapoã, Setor de Oficinas Sul, Park Sul, Cruzeiro, Octogonal, Setor Militar Urbano, Setor de Indústria e Abastecimento e Estrutural. Do total de 2,97 milhões de moradores do Distrito Federal, 20% vivem ou trabalham nestas áreas. Na prática, os imóveis da área central de Brasília – incluindo prédios públicos na Esplanada dos Ministérios e na Praça dos Três Poderes – podem ficar sem água. A restrição também deve afetar as 127 embaixadas que têm representação diplomática na capital federal. Escolas e hospitais têm previsão de serem abastecidas por caminhão-pipa. Na segunda-feira (20), a Caesb reconheceu que preparava um plano para adotar o rodízio de água nas regiões abastecidas pela bacia de Santa Maria, onde a pressão da água está reduzida desde 30 de janeiro. O anúncio foi feito após a Agência Reguladora de Água (Adasa) determinar que a Caesb reduza a captação nos de Santa Maria e do Descoberto – onde já há racionamento desde 16 de janeiro. Para o pesquisador em hidrologia e coordenador do curso de engenharia ambiental da Universidade Católica de Brasília, Marcelo Resende, o fato de a Caesb ter que retirar menos água de Santa Maria significa que o Grande Distrito Federal não tem outra alternativa, senão implementar o racionamento. "Reduzir 66% da geração de água tratada na Bacia do Santa Maria, só com o racionamento. Hoje em dia se gasta duas vezes mais do que estão tirando", explica. Nesta segunda-feira, o volume de água do reservatório do Descoberto chegou a 37,49%, maior índice desde novembro de 2016. O racionamento para regiões abastecidas por essa bacia começou em 16 de janeiro. Já o reservatório de Santa Maria marcava 45%, tendo subido menos de um ponto percentual em uma semana. Com a experiência de quem ajudou a resolver a crise hídrica em mais de 40 países, o especialista em gestão de água José Galizia Tundisi afirma que o governo errou ao submeter apenas parte da população ao racionamento. Segundo ele, o modelo adotado acaba poupando os mais ricos e não divide os impactos da crise por igual. O governo aponta "critérios técnicos", e diz que levou em conta o estado de cada reservatório de água. “O plano vigente do racionamento em Brasília acaba poupando os mais ricos. O recomendado seria fazer o racionamento para toda a cidade.” Já o governo afirmou que o critério adotado para o racionamento é “puramente técnico” e que “a questão econômica das regiões não foi considerada”. A estimativa é de que o modelo atual do corte afete cerca de 1,8 milhão de pessoas – 57% da população total medida pela Codeplan, de 2,9 milhões. Dos moradores afetados, a maior parte mora em regiões carentes da capital. 

Marine Le Pen se recusa a usar véu e reunião com líder islâmico no Líbano é cancelada

A líder da direita e candidata presidencial francesa, Marine Le Pen, cancelou um encontro nesta terça-feira (21) com o grão-mufti do Líbano, principal clérigo para muçulmanos sunitas do país, após se recusar a usar um véu para o evento. Marine Le Pen, uma das principais candidatas à presidência da França, usa a visita de dois dias ao Líbano para impulsionar suas credenciais de política externa a nove semanas do primeiro turno, em 23 de abril, e pode ter como alvo possíveis eleitores franco-libaneses. Após encontro na segunda-feira com o presidente cristão Michel Aoun, seu primeiro encontro público com um chefe de Estado, e o primeiro-ministro sunita Saad al-Hariri, ela iria se encontrar com o grão-mufti Abdul Latif Derian. Na chegada, na manhã desta terça-feira, a presidente da Frente Nacional (FN) recebeu um véu antes de se reunir com o xeque Abdul Latif Derian em seu gabinete de Aicha Bakkar. No entanto Le Pen se recusou a usá-lo. "A mais alta autoridade sunita do mundo não havia feito esta exigência, consequentemente não tenho nenhuma razão para... Mas não importa, transmita ao grande mufti minha consideração, mas não usarei um véu", disse Marine Le Pen, que deixou o local imediatamente. A presidente da FN se referia a sua visita em maio de 2015 ao Egito, onde se reuniu com Ahmed al-Tayeb, o grande imã de Al Azhar, no Cairo, a principal instituição teológica no mundo do islã sunita. "Ontem (segunda-feira) indiquei que não colocaria um véu. Não cancelaram o encontro. Acreditei, portanto, que aceitariam que não usasse um véu. Tentaram me impor isso", disse Marine Le Pen aos jornalistas. Dar al-Fatwa, a maior autoridade sunita no Líbano presidida pelo mufti, declarou nesta terça-feira em um comunicado que "seu gabinete havia informado a candidata presidencial sobre a necessidade de cobrir a cabeça durante a reunião com sua eminência (o mufti), segundo o protocolo de Dar al-Fatwa". A instituição se declarou "surpresa por esta rejeição", pois é "uma norma bem conhecida" e lamenta este "comportamento inadequado". 

Recuperados mais US$ 12 milhões do peemedebista Sérgio Cabral

A força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro acaba de repatriar quase US$ 12 milhões (US$ 11,748 milhões mais precisamente) da fortuna que o ex-governador Sérgio Cabral mantinha em contas no Exterior. Com a chegada da nova remessa de dinheiro, cerca de R$ 34,5 milhões, a Lava Jato fluminense soma quase R$ 300 milhões recuperados em dinheiro do esquema de corrupção liderado por Cabral, como sustenta o Ministério Púbico Federal. Outros R$ 265 milhões já estavam depositados na Caixa Econômica Federal. (O Antagonista)