segunda-feira, 15 de julho de 2019

Inadimplência do consumidor cresce 0,9% no primeiro semestre de 2019

O volume de consumidores com contas sem pagar cresceu 9% no primeiro semestre de 2019, na comparação com o final do ano passado. Segundo a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) é a segunda menor variação nos atrasos, desde 2012, quando a inadimplência havia crescido 5,8% no primeiro semestre. Quando analisado só o mês de junho, o volume de consumidores com contas sem pagar, e registrados em listas de inadimplentes, teve alta de 1,7% ante o mesmo mês de 2018. Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, a inadimplência apresentar crescimento mais modesto é fator positivo, que acompanha a lenta recuperação da economia. Mas o número de pessoas com atraso nas contas e dificuldade de voltar ao mercado de crédito ainda é muito elevado. Até abril deste ano, eram 62,6 milhões de pessoas nessa situação, o que representa quase 41% da população adulta. Segundo ele, o ano de 2019 vem frustrando as expectativas de que haveria uma consolidação no processo de retomada econômica, com reflexo positivo no dia a dia dos consumidores. Embora os juros estejam menores e a inflação dentro da meta, o desemprego ainda é elevado e acaba reduzindo tanto a capacidade de pagamento das famílias, quanto ao apetite às compras. “A recuperação está mais lenta que o esperado e as projeções mostram que teremos um segundo semestre ainda tímido para as finanças do brasileiro, mesmo com o avanço de reformas estruturais, cujos efeitos serão sentidos no longo prazo. A expectativa é que a inadimplência comece a apresentar recuos a partir de 2020”, afirmou.

O indicador mostrou alta no número de inadimplentes em três das cinco regiões do país. Na Região Sudeste ocorreu maior crescimento em junho, na comparação com junho do ano passado (3,4%). Em segundo lugar, ficou a Região Norte, com alta de 2,2%, seguida da Região Sul (1,79%). Com exceção da Região Norte, todas também apresentaram desaceleração nos atrasos. Já no caso das regiões Nordeste e Centro-Oeste, foram observados recuos de -0,6% e -0,3%. O levantamento também indicou que na faixa dos 18 aos 24 anos, houve queda de -22,7% e na faixa dos 25 aos 29 anos, de -9,1%. Na faixa que abrange pessoas de 30 a 39 anos, a inadimplência ficou praticamente estável (-0,8%). O maior crescimento no atraso de contas foi observado na população idosa, que varia de 65 aos 84 anos, cuja alta foi de 7,5%. Em seguida, aparecem os consumidores de 50 a 64 anos (3,9%) e de 40 a 49 anos (2,8%).

De acordo com a pesquisa, somando todas as pendências, cada consumidor inadimplente deve, em média, R$ 3.252,70, valor 0,4% inferior ao constatado no mês anterior (R$ 3.239,48). O valor representa quase três vezes e meia o salário mínimo no país (R$ 998,00). Em média, cada devedor tem duas contas em aberto. Com relação às dívidas contraídas em nome de pessoas físicas em junho deste ano, na comparação com 2018, houve queda de 1,0%. As despesas básicas para o funcionamento do lar, como contas de água e luz foram as que mais cresceram em junho de 2019, com alta de 17,2% na base anual de comparação. 

As dívidas bancárias, como cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos tiveram alta de 2,7%. Já as compras feitas no carnê ou crediário, em estabelecimentos comerciais, caíram -5,2%, enquanto os atrasos em contas de internet, TV por assinatura e serviços de telefonia despencaram -20,3% no período. De acordo com o indicador do SPC Brasil, mais da metade das dívidas pendentes (53%) de pessoas físicas no país têm como credor algum banco ou instituição financeira, seguido do comércio, que concentra 17% do total de dívidas não pagas e do setor de comunicação (11%). Os débitos com as empresas concessionárias de serviços básicos como água e luz representam 10% das dívidas não pagas no Brasil.

“Para evitar o chamado efeito "bola de leve", o consumidor deve priorizar o pagamento de dívidas com juros mais elevados, que, geralmente, são as dívidas bancárias. É preocupante que o segmento represente a maior fatia das contas em aberto no país. Uma opção que pode ser analisada em certos casos é a substituição da dívida por uma outra que cobra juros mais baixos, como é o caso do consignado”, disse o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

sábado, 13 de julho de 2019

TSE propõe voto distrital para eleições municipais de 2020

Um grupo de trabalho coordenado pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, também vice-presidente do TSE, quer mudar a forma de eleger vereadores no ano que vem. Em documento entregue no mês passado para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o tribunal defendeu adotar o sistema distrital misto em cidades com mais de 200 mil habitantes. A idéia é separar os município em distritos, que elegeriam seus representantes isoladamente. Esta é uma idéia positiva para início da reforma política no País, mas com ela também deveria vir a criação do mecanismo do "recall". Assim, moradores de uma determinada região de um município, que não se sentissem corretamente representantes por seu eleito, poderiam solicitar  a cassação de seu mandato e eleição de um novo representante.  

Presidente do Grêmio dá ultimato ao come-e-dorme Diego Tardeli, um milhão de reais sem nenhum futebol



O time do Grêmio sofreu neste sábado para ganhar de virada do Vasco, por 2 a 1, com gols marcados por Pepê, no segundo tempo, promovendo a virada do time gaúchos. Após a partida, o principal assunto nas entrevistas coletivas. E o Grêmio, rompendo com sua atitude tradicional de não trazer a público divergências internas, deixou explícito o confronto com o atacante Tardelli, contratado no início do ano, recebendo um milhão de reais por mês, e não jogando absolutamente, recusando-se a entrar no time em posição de centroavante, sem condições físicas para jogar pela ala direita devido à falta de fôlego, por sua idade de 34 anos. Tardelli, conforme revelou o presidente Romildo Bolzan Jr, recebeu um ultimato da direção do clube: ou apresenta futebol, dá resultado para atender à expectativa de sua contratação, ou então arruma as malas e vai embora. Romildo Bolzan Jr, não falou exatamente nestes termos, mas o recado é esse. Significa que acabou a paciência com o joguinho de come-e-dorme do veteranos que quer só explorar o time gaúcho e está criando problema com todo o elenco do clube com suas atitudes. Mas, Bolzan Jr. foi claro e preciso sobre sua conversa com o come-e-dorme Tardelli: "Precisa nos dizer o que ele quer”. 

Romildo Bolzan Junior continuou: “Fizemos um grande investimento pelo Tardelli e esperamos que ele possa resolver. Tudo que podia ser feito por ele, foi feito. Agora, ele é que tem que definir se quer ficar. Conversei com o Tardelli e me pareceu que ele quer permanecer. A questão é se vai ficar focado nas questões do clube, engajado com o clube. A bola está com ele. Esperamos definir isso logo”. Mais preciso é impossível. Existe uma especulação a respeito de uma possível insatisfação de Tardelli para com o Grêmio e uma vontade do atacante em retornar ao futebol da China, local por onde atuou nas últimas quatro temporadas. Certamente, o local mais indicado para ele é mesmo a China. 

Operação conjunta mata traficante e destrói depósitos de maconha na fronteira com Paraguai


Uma operação conjunta de forças policiais do Brasil e do Paraguai resultou na prisão de um dos chefes do tráfico e na destruição de nove campos de produção e três depósitos de maconha em Capitán Bado, na fronteira entre os dois países. Um segundo traficante foi morto durante o intenso tiroteio travado com os policiais. Dois helicópteros foram usados na operação, um deles da Polícia Federal brasileira. O ministro da Justiça do Brasil, Sergio Moro, visitou a região em junho para discutir parcerias no combate ao tráfico. O traficante preso, Fredy Ariel Irala Fernandez, conhecido como “Lico’i”, era um dos principais fornecedores de drogas para facções brasileiras que agem na fronteira. Ele não era o principal alvo da operação. Os policiais pretendiam recapturar o narcotraficante Felipe ‘Barón’ Escurra Rodrigues, de 39 anos, considerado um dos principais fornecedores de maconha para o Brasil.

Escurra foi preso com grande quantidade de drogas em 2016, mas foi liberado da prisão pelo juiz Leonjino Benitez Caballero, que acabou destituído do cargo em março deste ano, acusado de má conduta. A identidade do traficante morto não havia sido divulgada até a tarde deste sábado, 13. Também não havia informação sobre o paradeiro de Escurra que, mais uma vez, teria escapado ao cerco policial. O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benitez, comentou em sua conta no twitter a operação conjunta com o Brasil. Ele citou ter sido destruído um grande complexo de drogas, composto por 9 campos de produção e 3 depósitos de processamento totalmente equipados, além de 12 toneladas de maconha pronta. Ele considerou a ação “um forte golpe logístico e financeiro” contra o tráfico de drogas na fronteira entre os dois países.

A fronteira entre Brasil e Paraguai no Estado de Mato Grosso do Sul vive uma situação de guerra desde que facções brasileiras como o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital (PCC) passaram a disputar as rotas de tráfico na região. Após a execução do chamado "rei da fronteira", Jorge Rafaat, em 2016, a disputa entre as duas facções tornou-se aberta, produzindo mortes dos dois lados. Conforme a polícia de Capitán Bado, apenas no lado paraguaio da fronteira houve 83 execuções este ano. Na tarde de sexta-feira, 12, o integrante do PCC, Yder Ricardo Porto, foi executado a tiros de pistola 9 mm pelos ocupantes de uma moto, em Sanga Puitã, distrito paraguaio localizado a 13 km da brasileira Ponta Porã. Ele estava em liberdade provisória, após ser preso pela participação em um plano de resgate de membros do PCC presos em Capitán Bado. Na madrugada deste sábado, 13, dois jovens paraguaios ligados ao tráfico foram executados em Pedro Juan Caballero, na mesma região da fronteira com o Brasil. O veículo em que as vítimas estavam foi atingido por dezenas de tiros de fuzil disparados do interior de caminhonete. Robinson Giovanni Acosta Pereira, de 25 anos, e Pablo Augusto Ramirez Bareiro, de 22, morreram na hora.

Janaína Paschoal recomenda que Eduardo Bolsonaro rejeite convite para se embaixador do Brasil nos Estados Unidos

Janaina Paschoal, deputada estadual paulista, a mais votada entre todos os parlamentares brasileiros até hoje, com 2.060.786 (9,88% dos válidos do eleitorado de São Paulo), foi ao Twitter na madrugada deste sábado para defender que Eduardo Bolsonaro, deputado federal mais votado por São Paulo e no Brasil inteiro, com 1.843.735 votos (8,74% dos votos válidos), recuse o convite para assumir a embaixada do Brasil em Washington. Disse Janaina Paschoal: “Será certo o Deputado Federal mais votado abandonar o mandato, para ir para os Estados Unidos? Onde Eduardo Bolsonaro é mais útil para a Nação? Na Câmara, ajudando a aprovar medidas necessárias, ou no Exterior?” - questionou a jurista, grande responsável pela elaboração do requerimento de cassação do mandato da mulher sapiens petista Dilma Rousseff, e principal artífice do fim do regime da organização criminosa do PT. Janaína Paschoal acrescentou: "Muito se está a falar sobre eventual nepotismo, sobre capacidade, sobre ser necessário (ou não) integrar a carreira diplomática. Mas eu analiso a questão sob outro ângulo. O que pensam os quase dois milhões de eleitores do Deputado? Eduardo tem muito a fazer na Câmara e na Presidência Estadual do PSL. Sei que o convite é muito tentador. Mas o certo é recusar. Ele assumiu responsabilidades no Brasil. Precisa cumprir. Basta agradecer a deferência e declinar".

Janaína Paschoal tem toda razão ao fazer o apelo a Eduardo Bolsonaro para rejeitar a idéia. Tanto ela quanto ele, ambos eleitos pelo PSL, representam integralmente a vontade popular brasileira de mudança. Isso ficou expresso nas votações que fizeram. Concorreram por um partido praticamente inexistente, sem história, sem importância, servindo como uma sigla de aluguel, para capitanear e capitalizar a vontade de mudança do povo brasileiro. Portanto, essa vontade do povo não pode agora ser traída, abandonada, pela renúncia ao mandato de Eduardo Bolsonaro para ser embaixador nos Estados Unidos. Ele pode perfeitamente continuar ajudando a construção da nova política de relacionamento estrangeiro do governo de seu pai na presidência da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. E, na Câmara, também participar de tantas outras iniciativas do governo para mudar a história do País, condenado nas últimas três décadas a ficar sob o maléfico domínio do populismo esquerdista, do estatismo, da hegemonia das corporações estatais e de uma classe empresarial muito vagabunda, corrupta, que se aliou vergonhosamente à proposta de capitalismo páraestatal do petismo.

Shopping do Rio de Janeiro constrói parque solar em Minas Gerais para reduzir conta de luz

O shopping VillageMall, na Barra, zona oeste do Rio de Janeiro, passará a ser totalmente abastecido com energia elétrica vinda de um parque solar fotovoltaico instalado no norte de Minas Gerais, informou nesta sexta-feira,12, a Multiplan, que administra 19 shoppings no País com faturamento anual de R$ 15,5 bilhões entre seus lojistas. Construído pela companhia de energia EDP, o parque solar possibilitará uma economia de mais de 40% na conta de luz, o correspondente a cerca de R$ 5,5 milhões ao ano. A construção do sistema evitará a emissão de 227.655 toneladas de gás carbônico no meio ambiente ao longo de 25 anos de operação, o que corresponde ao plantio de mais de 418 mil árvores.


Com 25.440 módulos fotovoltaicos, o parque solar abrange uma área de 240 mil metros quadrados, o equivalente a 24 campos de futebol, e contará com a tecnologia tracking - estrutura que se move de acordo com as mudanças no ângulo dos raios solares, permitindo a maior absorção possível de radiação. O projeto conta com uma linha de transmissão de 9,5 km de extensão conectada em 13,8 kV. Projetada para gerar 17,520 GWh por ano, a energia é suficiente para abastecer cerca de 9,7 mil casas. O shopping VillageMall segue uma tendência que vem crescendo no Brasil, com a adoção de parques solares para reduzir a conta de luz a partir da Geração Distribuída. A operadora Claro, L'Oreal e Petrobrás são algumas das empresas que já aderiram ao sistema.

Bolsonaro quer apresentar ‘logo’ projeto por voto impresso

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira, em transmissão ao vivo em rede social, pelo Facebook, que pretende enviar “logo” ao Congresso um projeto de lei para que seja implantado o voto impresso nas eleições. O presidente afirmou que o voto é importante e defendeu “transparência”. Para ele, o eleitor deve ter a comprovação de em quem votou. Bolsonaro também lembrou que o voto impresso é reivindicação antiga sua. “Foi derrubado no ano passado pelo STF na reta final o voto impresso, que era de autoria minha. No meu entender, não justificou, da minha parte, as críticas e a derrubada do projeto”, disse o presidente.

Argentina cumpre meta fiscal acertada com FMI

A Argentina registrou um superávit fiscal primário de 30 bilhões de pesos (US$ 719 milhões) no primeiro semestre desse ano. O valor é maior que a meta estabelecida pelo FMI, de 20 bilhões de pesos. O ministro da Fazenda do país, Nicolás Dujovne, anunciou hoje os números e destacou o forte contrate em comparação com os resultados fiscais do primeiro semestre do ano passado, um déficit primário de 105 bilhões de pesos (US$ 2,5 bilhões). “É a primeira vez em oito anos que o setor público nacional não financeiro tem um primeiro semestre com superávit”, comemorou.

Associação de procuradores quer prisão do hacker

A associação MP Pró-Sociedade, que reúne a ala mais conservadora do Ministério Público, divulgou nota nesta sexta-feira defendendo a imediata prisão dos invasores dos celulares dos procuradores da Lava Jato. A entidade aponta uma “sórdida armação criminosa contra as instituições responsáveis pela Operação “Lava-Jato”, por ser uma das formas de cessar a habitualidade criminosa e, assim, evitar a reiteração da violação de direitos dos agentes públicos e da coletividade”.

Colômbia oferece US$ 1 milhão por terrorista narcotraficante ex-chefe das Farc


A Colômbia ofereceu uma recompensa de cerca de US$ 1 milhão por Jesús Santrich, ex-chefe da organização comunista e narcoterrorista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), procurado por narcotráfico. O governo acredita que ele pode ter fugido para a Venezuela. Santrich, de 52 anos, passou a ser um dos homens mais procurados da Colômbia após descumprir, na terça-feira, uma intimação para ser interrogado pela tentativa de traficar cocaína após a assinatura do acordo de paz, em 2016. A Suprema Corte ordenou sua captura e pediu à Interpol para emitir um alerta vermelho para prendê-lo.  Santrich era um dos principais negociadores das Farc no diálogo que resultou na assinatura do acordo. Em troca de encerrar a luta armada, os guerrilheiros ganharam uma anistia, seriam inseridos na sociedade civil, formariam um partido político e receberiam cinco cadeiras no Senado e cinco na Câmara nos dois ciclos legislativos seguintes – assim, Santrich se tornou senador, após as eleições do ano passado. 

O acordo tinha ainda uma cláusula importante: a anistia não se aplicava a guerrilheiros desmobilizados que cometessem crimes após a assinatura do acordo. Foi exatamente o que ocorreu com Santrich. Em 2018, ele teria sido flagrado em conversas grampeadas tentando enviar dez toneladas de cocaína para Miami.  O ex-terrorista narcotraficante, que passou a enfrentar um pedido de extradição para os Estados Unidos, rejeita as acusações. Ele afirma que as acusações são parte de um “complô” elaborado por Washington e pela Procuradoria colombiana contra ele. Em maio, Santrich obteve uma vitória nos tribunais. A Justiça colombiana considerou não haver provas suficientes de que o crime tenha sido cometido depois de 2016. 

A batalha jurídica, porém, nunca terminou e o ex-guerrilheiro vivia entrando e saindo da prisão. Mas, desde o dia 30 de junho, ele sumiu. Ele foi visto pela última vez no Departamento de Cesar, perto da fronteira com a Venezuela. Hoje, o chefe de polícia, Óscar Atehortua, anunciou no Twitter a “recompensa de até 3 bilhões de pesos” para quem der informações que permitam capturá-lo. O presidente da Colômbia, Iván Duque, disse que o ex-terrorista narcotraficante pode ter fugido para a Venezuela. “Essa probabilidade é real porque está perto da zona onde ele fugiu e nós estamos monitorando isso com todas as autoridades”, afirmou o presidente, que pediu ao Conselho de Segurança da ONU que supervisione por mais um ano o andamento do pacto de paz.

O caso de Santrich não é isolado. A decisão de ex-terroristas de se manterem à margem do processo de paz tem manchado o acordo que levou ao desarmamento de cerca de 7 mil rebeldes. Outros negociadores como Iván Márquez também desapareceram. Com o respaldo da ONU, o acordo com as Farc reduziu sensivelmente a violência em várias regiões do país, embora persistam a polarização política e outras ameaças à segurança em razão do narcotráfico. Eleito com o apoio dos mais severos críticos das negociações de paz, Duque tentou revisar os compromissos assumidos por seu antecessor, Juan Manuel Santos (2010-2018), com o argumento de que pretendia evitar a impunidade para os responsáveis por delitos de sangue. Suas tentativas de modificar os termos do acordo, no entanto, fracassaram nos tribunais. 

As Farc – que fundaram um partido político com o mesmo nome – denunciam atrasos, violações e falta de garantias legais e de segurança. Desde novembro de 2016, foram assassinados 140 ex-guerrilheiros e 31 parentes. Esse tem sido o argumento de ex-comandantes como Santrich e Márquez para se manterem à margem do processo de paz. Outro problema que ameaça o acordo são os grupos de terroristas dissidentes das Farc. O Exército colombiano informou hoje que dois militares morreram e nove ficaram feridos em uma emboscada atribuída a um desses grupos. Eles permanecem ativos por várias razões, entre elas a lucrativa indústria da cocaína, na qual muitos estão envolvidos.

Operação Thipon apreende 500 quilos de cocaína

Cerca de 500 quilos de cocaína foram apreendidos pela Operação Thipon, da qual participou a Polícia Federal, no arquipélago de Açores, em Portugal. A Polícia Federal integrou a operação conjunta com as polícias de Portugal, Espanha e Holanda. A droga foi apreendida em um veleiro que, segundo as investigações, fazia o transporte desde a América do Sul até a Europa. A Polícia Federal foi a responsável pelo acompanhamento da embarcação por dois anos. O veleiro partiu de Itajaí (SC), em maio, declarando o Uruguai como suposto destino. No Twitter, Sergio Moro comemorou o resultado da ação: “Cooperação internacional e trabalho integrado”.

Pesquisa mostra que sete em cada dez brasileiros apoiam reforma da Previdência

A tomar como base pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e SPC Brasil, a maioria dos brasileiros apoia a reforma da Previdência. A proporção, segundo os organizadores do levantamento, é de sete apoiadores em cada grupo de dez consultados. A pesquisa ouviu 800 pessoas com idades a partir de 18 anos nos 26 Estados e Distrito Federal. A abertura da pesquisa mostra que 40% dos consultados consideram correta a equiparação entre trabalhadores dos setores público e privado. Do total de entrevistados, 44% acreditam que a reforma previdenciária será totalmente aprovada ainda este ano. Tema de discussão na Câmara dos Deputados e nas ruas, a Previdência somou um rombo total de R$ 290,3 bilhões apenas em 2018, segundo dados oficiais. Os brasileiros não estão indiferentes ao problema. Tanto que 78% estão acompanhando, em alguma medida, as discussões a respeito das novas regras para aposentadoria, sendo que 31% estão totalmente por dentro do assunto e 47% acompanham apenas em parte. 

Previdência deve manter economia acima de R$ 900 bilhõoes


Embora as negociações da última quinta-feira, 11, tenham levado a novas exceções nas regras para aposentadoria, integrantes do Ministério da Economia que acompanham as tratativas na Câmara ainda trabalhavam com cenário de que o impacto dos destaques - propostas de mudança no texto-base - na economia da reforma da Previdência ficaria "bem abaixo dos R$ 100 bilhões". Cálculos preliminares indicavam que o texto votado na quarta-feira, 10, poderia sofrer desidratação de R$ 50 bilhões a R$ 60 bilhões - o que garantiria economia acima de R$ 900 bilhões em dez anos. A economia original seria de R$ 987,5 bilhões. A conta considera quatro grandes alterações: os dois acordos fechados na quarta-feira e aprovados na quinta, 11, que modificam as regras de aposentadoria para mulheres e policiais; e o entendimento costurado quinta-feira para mudar as condições para professores e para homens. O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, não quis falar em números, argumentando que seria necessário verificar o que exatamente seria aprovado ao fim da sessão. Sua secretaria chegou a emitir nota dizendo que, como uma medida poderia influenciar no impacto de outras, as estimativas sem o texto final não eram "fidedignas".

Parlamentares enviam carta a embaixadores europeus defendendo Fundo Amazônia


Uma carta assinada por 21 deputados e três senadores foi encaminhada na quinta-feira, 11, aos embaixadores da Noruega, Nils Martin Gunning, e da Alemanha, Georg Witschel, em defesa do Fundo Amazônia. O programa de combate ao desmatamento, que tem os dois países europeus como seus únicos doadores, tem sido alvo de críticas do governo, que quer alterar as regras de gestão e as estruturas das iniciativas, que contam com o apoio de organizações socioambientais. "Expressamos nossa profunda preocupação em relação aos compromissos do Brasil para a implementação do Fundo Amazônia, inclusive ameaças de extinção desse importante fundo", declaram os parlamentares, no documento. Os congressistas afirmam que estão à disposição para contribuir com "a busca de soluções que assegurem que não haja ruptura e retrocessos nesta importante cooperação internacional no marco da ambiciosa e necessária agenda ambiental e climática global que todos queremos ver efetivada". Na semana passada, o ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen, declarou que não vai aceitar a proposta do governo brasileiro de alterar a estrutura de gestão do Fundo Amazônia, programa que já alocou R$ 3,4 bilhões em ações de proteção da Amazônia, sem aval prévio. A posição do governo da Noruega, país que responde por 94% das doações totais feitas ao programa brasileiro até agora, foi manifestada diretamente por Elvestuen por meio de um comunicado internacional. O governo da Alemanha decidiu reter uma nova doação de 35 milhões de euros, o equivalente a mais de R$ 151 milhões para o Fundo Amazônia. O país já repassou R$ 193 milhões para o programa.

PT tinha conta corrente com a OAS, diz ex-diretor da Petrobras, o petista Renato Duque

O ex-diretor da Petrobras, o petista Renato Duque, afirmou, em interrogatório na quarta-feira, 10, que o PT tinha uma conta de propinas com a OAS. O depoimento do ex-diretor corrobora com os relatos de executivos da empreiteira. No mesmo relato, ele afirma ter ficado com R$ 1,5 milhão que iria para o PT, em troca de não retardar a construção e o aluguel da Torre de Pituba, sede da Petrobras em Salvador. Ele é um dos réus em ação penal referente à 56ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Sem Limites, que aponta fraudes e propinas de R$ 67,2 milhões na construção do edifício. Segundo a Procuradoria, os desvios teriam abastecido campanhas petistas. O fundo de pensão Petros se comprometeu a realizar a obra, e a Petrobras a alugar o prédio por 30 anos. Duque afirmou que o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, o procurou para tentar inserir a OAS nas obras, e que teria pedido ajuda. "Quando essa discussão não caminhava bem, o Vaccari interferiu e disse para Leo (Pinheiro): 'Leo, faz o contrato com ele e se for o caso desconta da conta que vocês têm com o PT'", afirmou. "Pelo que eu entendi eles tinham uma conta corrente, várias obras da OAS no Brasil inteiro, não só a Petrobras, entendi assim, e tinha um montante a ser pago para o partido, então o Vaccari pediu que o Leo fizesse o contrato e descontasse esse dinheiro desse montante à receber", relatou.