terça-feira, 7 de setembro de 2010

Ildo Musskopf é o novo superintendente de Marketing do Banrisul

Ildo Musskopf assumirá interinamente a superintendência de marketing do Banrisul. Musskopf era gerente-geral da agência Parcão, em Porto Alegre, e já havia também chefiado a Agência Central do banco. Ele assume no lugar de Walney Fehlberg, que foi preso durante operação da Polícia Federal deflagrada na quinta-feira passada, que apura desvio de recursos na área de marketing.

Lula vai à TV e acusa Serra de "partir para a baixaria", e logo chega ao topo no Twitter o "cala boca Lula"

O presidente Lula ocupou na noite desta terça-feira parte do programa eleitoral da candidata petista Dilma Rousseff para atacar a candidatura de José Serra (PSDB) por conta das críticas que se sucederam à quebra de sigilo de dados fiscais, na Receita Federal, de pessoas ligadas ao tucano. A fala de Lula (de cerca de dois minutos e pouco mais de 300 palavras) segue estratégia definida pela campanha de Dilma de poupar a candidata do PT e deixar que o presidente faça ataques diretos ao adversário tucano e à oposição. Nos últimos dias, a cúpula da campanha petista chegou à conclusão de que havia uma escalada nos ataques e provocações da oposição no horário gratuito da TV e rádio, que não poderiam ficar sem resposta. Disse Lula: "Infelizmente, nosso adversário, candidato da turma do contra, que torce o nariz contra tudo que o povo brasileiro conquistou nos últimos anos, resolveu partir para os ataques pessoais e para a baixaria. Tentar atingir, com mentiras e calúnias, uma mulher da qualidade de Dilma Rousseff é praticar um crime contra o Brasil. E, em especial, contra a mulher brasileira", disse Lula. No Twitter, imediatamente, começou uma enorme reação, que rapidamente alcançou o primeiro lugar nos trends, com a tag "cala boca Lula". Dezenas de milhares de postagens passaram a recordar que Lula defende a candidatura ao Senado Federal do cantor Netinho, em São Paulo, notório por agressão a sua ex-mulher. As postagens criticavam Lula por defender a mulher, e não defender a filha de José Serra, que teve seu sigilo fiscal devassado por petralhas da administração pública federal.

Serra deixa implícito que Dilma virou cristã para conquistar votos

Em visita a uma feira evangélica, em São Paulo, o candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, fez críticas indiretas à postura religiosa de sua adversária Dilma Rousseff (PT). "Eu vim hoje aqui porque os valores de Cristo são os meus valores. Eu não sou cristão de boca de urna para agradar eleitores, conquistar voto e no dia seguinte esquecer o assunto. Eu sou cristão por convicção e eu pratico cristianismo na minha vida pessoal e na vida política". Serra fazia referência indireta à mudança de discurso de Dilma. Em 2008, durante sabatina no jornal Folha de S. Paulo, a candidata petista disse duvidar da existência de Deus. Em abril deste ano, em outra entrevista, disse acreditar em uma "força superior" e afirmou ser "católica".

Vala comum da Segunda Guerra Mundial com até 700 corpos é achada na Eslovênia

Uma vala comum com os restos de até 700 pessoas, do final da Segunda Guerra Mundial, foi encontrada na Eslovênia. A vala de 21 metros de extensão foi descoberta em uma floresta perto da cidade de Prevalje (norte da Eslovênia). O governo esloveno informou que os restos de homens e mulheres foram encontrados na vala na semana passada com as mãos amarradas nas costas. Alguns parecem ter sido baleados, outros podem ter sido golpeados até a morte. Acredita-se que os corpos encontrados pertenciam às vítimas das atrocidades cometidas logo depois do fim da guerra, possivelmente mortas por grupos antifascistas que queriam se vingar dos eslovenos que colaboraram com os nazistas durante a guerra. Informações divulgadas na Eslovênia afirmam que alguns dos corpos podem ser de cidadãos do país vizinho, a Áustria. Se os promotores eslovenos decidirem pelo início de um inquérito, os restos serão exumados. Nos últimos anos várias outras valas comuns da época da Segunda Guerra Mundial foram descobertas na Eslovênia.

Roriz recorre ao Supremo contra decisão que impediu sua candidatura por "ficha suja"

O ex-governador Joaquim Roriz (PSC) entrou na segunda-feira com uma reclamação no Supremo Tribunal Federal contra a decisão que barrou sua candidatura ao governo do Distrito Federal. No dia 30 de agosto, o Tribunal Superior Eleitoral manteve a decisão que negou o registro de candidatura de Roriz com base na Lei da Ficha Limpa. A defesa argumenta que a nova lei é inconstitucional. Os advogados também afirmam que ela não pode retroagir e não poderia ser válida para as eleições de outubro, já que foi promulgada há menos de um ano. No entanto, para o Tribunal Superior Eleitoral, Roriz é "ficha suja" e não pode concorrer já nas eleições deste ano. Ele entenderam que a Lei do Ficha Limpa vale para quem já renunciou, inclusive para alguém como Roriz, que o fez antes da promulgação da legislação. Roriz foi alvo de impugnação por ter renunciado ao cargo de Senador, em 2007, para escapar de processo de cassação. Ele era acusado de ter quebrado decoro parlamentar, após ter sido flagrado em conversa telefônica, discutindo a partilha de cheque de R$ 2 milhões. Roriz alega que se tratava de uma discussão para comprar uma bezerra. Até o julgamento do Supremo, ele continua na disputa eleitoral. Se eleito, ele poderá ser cassado já no exercício de seu mandato, caso o tribunal não julgue o possível recurso até lá.

Vale quer se tornar líder em fertilizantes e planeja investir US$ 12 bilhões

A mineradora Vale planeja se tornar a líder mundial em fertilizantes, segundo informações do jornal The Wall Street Journal. Na sexta-feira, a empresa pretende iniciar seu plano de consolidar um império na área por meio da reestruturação de algumas operações que irão formar uma nova companhia, a Vale Fertilizantes. A companhia reservou US$ 12 bilhões para investir em novos projetos e aquisições em fertilizantes nos próximos três anos, de acordo com a reportagem que ouviu o diretor Mario Barbosa. No início deste mês, fracassou a tentativa da Vale de comprar o controle da Paranapanema, empresa líder na produção de cobre refinado no País. A Vale informou, em nota, que não obteve a adesão necessária para o êxito da oferta. A oferta pública estava condicionada à aquisição de, no mínimo, 50% mais uma ação da empresa. O valor inicial da oferta era de R$ 6,30 por ação, o que representaria desembolso de R$ 2 bilhões caso houvesse adesão de 100% dos acionistas. A Vale chegou a elevar o valor da oferta para R$ 6,75 por ação, mas mesmo assim só atingiu o patamar de 38,28%, abaixo das condições mínimas exigidas. A operação era interessante para a Vale por conta dos ativos em cobre e fertilizantes.

Chefe de gabinete de Lula diz que ligação entre PT e envolvidos em quebra de sigilos é "tênue"

Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Lula, disse nesta terça-feira que os petistas Gilberto Souza Amarante, servidor da Receita Federal de Formiga (MG), e Antonio Carlos Atella Ferreira, envolvidos com a quebra do sigilo fiscal de tucanos, têm "tênue ligação com o partido." "São filiados na base, lá em baixo, que nunca participaram de nenhuma direção e um deles nem lembrava que era filiado ao PT. Transformar isso em petista, querer contaminar o partido com isso é no mínimo má vontade, má-fé", disse Gilberto Carvalho, após assistir ao desfile do Sete de Setembro, em Brasília, ao lado do presidente Lula. Entretanto, ele defendeu a expulsão dos dois do partido caso seja confirmado que cometeram crime. Ele disse ainda que é "absolutamente dentro da possibilidade" que "algum católico, algum membro de outro partido ou do PT" cometa algum erro. A direção do PT havia informado que a filiação de Atella, pivô da quebra de sigilo fiscal de Veronica Serra, filha do candidato tucano à Presidência, José Serra, não tinha sido efetivada por erro de grafia de seu nome. Porém, documentos de cartórios eleitorais desmentiram cabalmente a versão apresentada pelo PT. Familiares de Atella são militantes históricos do PT. Sua irmã, Neuza Maria Ferreira Jaroletto, é filiada desde 1981 e casada com um dos fundadores do PT em Mauá (SP). Gilberto Carvalho também criticou a campanha do adversário José Serra (PSDB) por imputar, sem provas, o mando das violações ao comando da campanha da petista Dilma Rousseff. Atacou também a imprensa por, segundo ele, tratar de maneira "desigual" casos de quebra de sigilo que tiveram como vítimas tucanos e petistas. "Tem um tratamento absolutamente desigual do que se faz. Nós estamos tranquilos porque nunca, nunca, pela luz dos olhos dos meus filhos, passou pela cabeça da campanha de Dilma qualquer tipo de montagem dessa natureza", disse ele. O chefe de gabinete qualificou de "armadilha" a tática dos adversários tucanos de explorar eleitoralmente a violação do sigilo, mas apontou que os eleitores não vão cair nela porque têm "juízo e bom-senso". Ele também disse que Serra e o PSDB cometem "crime" ao atribuir o ato à campanha petista: "Isso é um crime, uma irresponsabilidade, o que estão fazendo com Dilma e conosco. Não vamos levar essa pecha para casa, de jeito nenhum. E a verdade vai aparecer. Se houve petistas da base envolvidos, que paguem. Mas não pode imputar à campanha da Dilma".

Ministro do TSE cassa registro da socialista Janete Capiberibe pela Lei da Ficha Limpa

O ministro Arnaldo Versiani, do Tribunal Superior Eleitoral, indeferiu o registro de candidatura da socialista Janete Capiberibe (PSB-AP) para a Câmara dos Deputados. O Ministério Público Eleitoral e um adversário de Janete Capiberibe questionaram a candidatura, alegando que ela está inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá havia julgado improcedente a impugnação apresentada pelo Ministério Público e, por unanimidade, deferiu o registro de Capiberibe. Eles, então, recorreram ao Tribunal Superior Eleitoral, afirmando que ela está inelegível por oito anos por ter sido condenada por captação ilícita de votos nas eleições gerais de 2002. A conduta ilícita resultou em pena de cassação do diploma de deputada federal e ao pagamento de multa. A condenação, contudo, ainda não transitou em julgado, uma vez que tramitam no Supremo Tribunal Federal recursos dela contra a condenação.

Nelson Jobim diz que decisão sobre caças ficará para logo depois das eleições

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou na manhã desta terça-feira que a decisão sobre a renovação dos caças da Força Aérea será feita logo depois das eleições. Segundo o ministro, o processo de análise técnica já está encerrado e falta apenas a palavra final do presidente Lula. "Antes das eleições não acontecerá nada. O presidente deseja tomar a decisão ainda este ano", disse Jobim, afirmando que, depois das eleições, é uma "questão de semanas" para o presidente decidir. Jobim fez o comentário ao participar do desfile de 7 de Setembro, em Brasília.

Aécio Neves chama de "risível" tese de que partiu dele a quebra de sigilo de tucanos

O ex-governador mineiro Aécio Neves (PSDB), que concorre ao Senado, chamou de "risível" a tese de que partiu dele ou de seus aliados a quebra de sigilo de políticos e pessoas ligadas ao PSDB e ao candidato tucano à Presidência, José Serra. A versão, dada por petistas e fontes ligadas ao Palácio do Planalto, dá conta de que os acessos a dados fiscais ocorreram no contexto da disputa interna entre Serra e Aécio Neves, que em 2009 disputavam a candidatura a presidente. A idéia foi insinuada pela própria candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, que sugeriu que se questionasse o jornal Estado de Minas sobre a razão de o jornalista Amaury Ribeiro Júnior ter investigado supostas irregularidades de Serra. "É risível, parece que estão contando uma piada. O PT tem uma grande oportunidade de tratar questões sérias com responsabilidade. De, ao invés de tergiversar, investigarem internamente", afirmou Aécio Neves, acrescentando que "temas dessa gravidade são recorrentes no PT".

Delegada Elisangela Reghelin cotada para chefia da Polícia Civil gaúcha

A delegada Elisangela Melo Reghelin é candidata forte para chefiar a Polícia Civil do Rio Grande do Sul se o peremptório candidato petista Tarso Genro vencer a eleição no dia 3 de outubro. Durante a gestão de Tarso Genro no Ministério da Justiça, a delegada Elisangela Melo Reghelin foi nomeada para uma vaga no Conselho Nacional de Entorpecentes. Ela também foi diretoria de Ensino da Academia de Polícia Civil do Rio Grande do Sul.

Governadora Yeda Crusius pede espaço no horário de Luciana Genro

A deputada federal Luciana Genro (PSOL), filha do peremptório candidato petista ao governo do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, foi notificada nesta segunda-feira para se defender em 24 horas em uma ação movida pela governadora Yeda Crusius (PSDB) na condição de candidata à reeleição. Yeda Crusius invoca a condição de Luciana de “filha do candidato Tarso Genro”e pede um minuto do tempo do PSOL na propaganda de rádio e TV para contestar uma manifestação da deputada federal. Na propaganda questionada, Luciana Genro reproduz um discurso de 2009, no qual pede o impedimento da governadora “porque politicamente ela já está condenada”. Em seguida, entra uma gravação atual da deputada federal do PSOL afirmando: “É contra isso que nós do PSOL nos rebelamos. Dizem que somos radicais, e somos mesmo. Radicalmente contra a falta de vergonha e e a roubalheira”. Na ação, Yeda Crusius reclama que a deputada a acusou de “corrupção, locupletamento ilícito ou, no seu dizer, de roubalheira”.

Serra diz que autores de violação são petistas "sem conserto"

O presidenciável José Serra (PSDB) afirmou nesta segunda-feira que os responsáveis pela quebra do sigilo de tucanos em Minas Gerais e nas cidades paulistas de Santo André e Mauá são petistas "sem conserto", que cometem atos delituosos e, para se defender, começam culpando as próprias vítimas e depois procuram notícias para tirar o foco do assunto. Esta é a especialidade do PT, eu disse outro dia, parece que está no DNA", disse Serra. Ele ainda insistiu que a Polícia Federal deveria investigar "crime de estelionato" do secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, além de dirigentes da campanha da candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff. Para Serra, o governo tem a obrigação de esclarecer os fatos: "Cometeram um ato errado, um ato delituoso, um crime contra a Constituição, então, que pelo menos se indignem, que pelo menos reconheçam que foi uma coisa grave, que pelo menos, já que tem o governo na mão, promovam uma investigação para punir os responsáveis". Aécio Neves complementou: "A democracia não pode ser tratada no Brasil da forma que vem sendo tratada até aqui por alguns dirigentes do PT".