segunda-feira, 4 de agosto de 2014

FIRJAN DIZ QUE A INDUSTRIA TEME GASTAR US$ 1 BILHÃO DE DÓLARES AO ANO COM EVENTUAL FIM DO INCENTIVO AO GÁS

As indústrias brasileiras terão que pagar pelo menos 1 bilhão de dólares por ano a mais pelo gás natural que consomem caso a Petrobras retire totalmente descontos concedidos ao combustível no mercado doméstico desde 2011, segundo estimativa da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Desde setembro do ano passado até agora, a Petrobras já reajustou em 6,5% o preço médio do gás natural nacional para uso não termelétrico, segundo a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás). Os reajustes ocorrem depois de a Petrobras ter adotado, em 2011, uma política de incentivo ao consumo do gás produzido no País que, ao dar descontos nos contratos de venda às distribuidoras, evitava a escalada de preços do combustível. "Esse incentivo é tão crucial que mesmo com ele o preço já é muito alto", disse o gerente de competitividade industrial e investimentos do Sistema Firjan, Cristiano Prado. O especialista destacou que o preço médio do gás natural consumido pela indústria brasileira em maio foi de 17,45 dólares por milhão de BTU, enquanto nos Estados Unidos o preço era quase 70% mais baixo, a 5,62 dólares. A alta do insumo no Brasil ocorre em um momento em que ausência de reajustes dos preços do diesel e da gasolina pressiona fortemente os resultados financeiros da Petrobras. O cenário aumenta o temor da indústria de que a estatal faça uma retirada completa dos descontos. "Se tirasse todo o desconto, passaria de 17,45 dólares para 20,37 dólares por milhão de BTU", disse o especialista.

PETROBRAS NÃO DEVE ATINGIR META PARA PRODUÇÃO NO ANO

A Petrobras não deverá atingir sua meta de elevar a produção de petróleo no Brasil em 2014 em 7,5%, estimativa que inclui uma margem de tolerância de 1% para mais ou para menos, disse nesta segunda-feira uma fonte do governo federal a par do assunto. Segundo a fonte, o atraso da entrada em operação de algumas plataformas impedirá a Petrobras de atingir a meta de aumento da produção neste ano. "Vai haver um aumento importante na produção nos próximos meses. Mas só se as plataformas entrassem antes seria possível atingir essa meta", disse a fonte. No primeiro semestre, a produção da Petrobras no país cresceu 1,4% ante o mesmo período do ano passado, para 1,947 milhão de barris de petróleo por dia (bpd), levantando dúvidas sobre o cumprimento da meta por parte de especialistas do setor privado. Em todo o ano passado, a média de produção da empresa no Brasil foi de 1,931 milhão bpd. Assim, a Petrobras teria que produzir entre 2,057 milhão e 2,095 milhão de bpd para cumprir a meta deste ano, considerando a faixa de sua estimativa. O aumento de produção esperado, mesmo que não atinja as metas, ocorrerá após dois anos seguidos de queda na extração do Brasil e num momento em que a estatal investe dezenas de bilhões de dólares no setor. A alta prevista na produção para este ano está baseada principalmente no crescimento da produção do pré-sal, que tem recebido grande parte dos investimentos, uma vez que a Petrobras lida com o declínio da extração em campos maduros, especialmente na Bacia de Campos, que respondem pela maior parte do petróleo produzido no Brasil.

BANCO JPMORGAN AVISA O MERCADO QUE ESTÁ COM UMA EXPOSIÇÃO DE US$ 4,6 BILHÕES JUNTO À RUSSIA

O JPMorgan informou que está exposto em US$ 4,6 bilhões à Rússia e afirmou que vai acompanhar de perto os acontecimentos na região, o impacto das atuais e potenciais novas sanções ao país, além das incertezas que a situação está gerando no mercado financeiro. Em relatório, o banco pontuou que em 30 de junho contava com US$ 4,6 bilhões em reservas para perdas judiciais.

PARA FRANCISCO BOTA ORDEM NA ESCULHAMBAÇÃO DAS MISSAS

Uma das coisas que a "vermelhização" da Igreja Católica conseguiu foi a deformação das missas. Primeiro, proibiram que as missas fossem em latim. Depois começaram a introduzir músicas vulgares e vagabundas, com violãozinho, guitarrinha, baixo, bateria...... E inventaram - quando o padre diz "A paz esteja convosco" - que isso era sinal para sair todo mundo se abraçando dentro da igreja, e o padre abandonando o altar para cumprimentar o último fiel no fundo da nave. O Papa Francisco colocou ordem nessa esculhambação, proibindo essas manifestações. E fez imperar de novo o verdadeiro significado de "A paz esteja convosco". Isso se refere à comunhão com a palavra de Deus. não tem nada a ver com abracinho com quem quer que seja dentro das Igrejas. Para meu gosto, o Papa deveria reinstalar o latim e o canto gregoriano nas missas. A missa é um lugar de recolhimento, não é salão de baile.

UNIDADE DE GÁS DA PETROBRAS NA AMAZÔNIA ENTRA EM OPERAÇÃO

A Petrobras informou nesta segunda-feira ter iniciado a operação de nova Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN-IV), localizada no Amazonas. A previsão é de que a unidade processe, em um primeiro momento, 1,8 milhão de metros cúbicos de gás natural na base de Urucu, localizada no município de Coari. A nova unidade representará, segundo a estatal, um acréscimo de 12% na produção total de Liquido de Gás Natural (LGN), o equivalente a 2 mil barris por dia. Ainda de acordo com o comunicado da Petrobras, a ampliação da unidade vai ampliar a oferta de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo, ou gás de cozinha) e reduzir suas importações, aliviando o déficit em seu balanço. "Com isso, a Petrobras reforça sua contribuição para o atendimento ao mercado nos Estados da região Norte e parte da Nordeste". A nova unidade foi instalada com equipamentos transferidos de uma unidade em Catu, na Bahia. A transferência e implantação levou 18 meses, com o custo de US$ 137 milhões.

RELATOR DIZ QUE NÃO SE AFASTARÁ DA CPI DA PETROBRÁS NO SENADO FEDERAL

O relator da CPI da Petrobrás do Senado, José Pimentel (PT-CE), divulgou nesta segunda-feira, 4, nota em que afirma ter decidido não se afastar da condução dos trabalhos da comissão e que tomou uma série de providências para apurar a suspeita de fraude nos trabalhos. Reportagem do jornal O Estado de São Paulo de domingo, 3, revelou a pressão de integrantes do governo e da campanha da presidente Dilma Rousseff para que ele se afastasse da CPI após a reportagem, publicada neste final de semana pela revista Veja, na qual é relatado que perguntas e respostas de depoentes da CPI da Petrobras da Casa teriam sido combinadas entre integrantes da comissão e da cúpula da estatal. Na tarde desta segunda-feira a pressão pela saída aumentou após pedidos de representantes da oposição. Eles querem investigar Pimentel por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética do Senado. Pimentel negou as acusações. Disse na nota não ter se reunido com pessoas sob apuração e nem orientou o depoimento dos investigados. No texto, destacou que o plano de trabalho da comissão aprovado no dia 14 de maio por unanimidade continha uma relação de perguntas a serem respondidas pelos depoentes em seus depoimentos. Segundo o relator, as perguntas a cada depoente foram formuladas com base em critérios como o "denso material" resultante da participação dos executivos da Petrobrás em recentes audiências públicas. Mesmo assim, Pimentel decidiu protocolar na tarde desta segunda-feira dois requerimentos na CPI da Petrobras do Senado. O primeiro pede a abertura de uma apuração para esclarecer os fatos e, se for o caso, atribuir responsabilidades. O segundo quer que o presidente da CPI, Vital do Rêgo (PMDB-PB), requeira à revista Veja a íntegra do vídeo que deu origem à matéria, sob o compromisso de preservação do sigilo.

MMX SE COMPROMETE A TRANSFERIR 10,52% DAS AÇÕES

A MMX informou que, no contexto da reestruturação do investimento do Mubadala Development Company no Grupo EBX, que o acionista controlador, Eike Batista, assinou contratos com a Mubadala nos quais se comprometeu a transferir ao fundo 17.065.162 ações ordinárias do capital social da companhia, representando 10,52% das ações. De acordo com comunicado ao mercado da mineradora, a transferência das ações está sujeita a condições precedentes usuais e está prevista para ocorrer no terceiro trimestre. O Mubadala é um fundo soberano de Abu Dhabi. Eike Batista estava em negociações intensas com o fundo, ao qual deve cerca de US$ 2 bilhões. A idéia de Eike Batista era pagar parte da dívida com ativos que ainda possui - considerando que a capacidade de levantar recursos com a venda de ações diminuiu. O Mubadala aceitou, em 2012, aportar US$ 2 bilhões e comprar 5,6% da holding EBX. Em julho do ano passado, o negócio foi reestruturado. O Mubadala avaliava na época os ativos que mais lhe interessam. Entre eles, estavam participações de Eike Batista na Eneva e na Prumo (antiga LLX). A fatia na MMX e na OGX (rebatizada de Óleo e Gás Participações) também estavam no radar.

CERVERÓ NEGA QUE SABIA DE PERGUNTAS DA CPI DA PETROBRAS NO SENADO FEDERAL ANTES DE SEU DEPOIMENTO

O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, apontado pelo Tribunal de Contas da União como um dos responsáveis por prejuízos à União com a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), negou que tenha tido acesso prévio ao questionário de senadores da CPI da Petrobras, que ocorre no Congresso. A denúncia foi feita pela revista Veja, em sua última edição. Ele afirma ter passado apenas por uma espécie de "media training", exercícios de postura e discurso, comumente realizado com executivos de grandes empresas, nesse caso, patrocinado e a convite da Petrobras, dias antes de audiência no Senado. Cerveró evita falar diretamente com a imprensa. Toda comunicação ocorre no Congresso, ou por meio de seu advogado, Edson Ribeiro, em notas oficiais. Com isso, diz o advogado, pretende evitar que o caso de Pasadena e acusações feitas a Cerveró sejam utilizados para fins políticos e eleitoreiros. O texto divulgado após a última denúncia envolvendo a Petrobras informa que "Nestor Cerveró foi convidado e participou de um media training comportamental, oferecido pela Petrobras, realizado no Rio de Janeiro, em hotel no bairro da Barra da Tijuca, não tendo recebido nenhum questionário com perguntas e respostas sobre o processo de aquisição da Refinaria de Pasadena", informa. Questionado sobre o dia e local do media training pela reportagem, Ribeiro disse que Cerveró, questionado por ele, não soube informar. Assinado por Ribeiro, a defesa do ex-diretor alega ainda que Cerveró está sendo colocado como "bode expiatório" no caso Pasadena e que, por isso, o seu trabalho é demonstrar à Comissão de Ética da Presidência da República e à Comissão Interna da Petrobras que Cerveró agiu de "boa fé".

PSDB PEDE INVESTIGAÇÃO DE SENADORES PETISTAS POR ATUAÇÃO NA CPI DA PETROBRAS

O PSDB anunciou nesta segunda-feira que entrará com representações contra os senadores petistas Delcídio Amaral (MS) e José Pimentel (CE) junto à Procuradoria Geral da República e ao Conselho de Ética do Senado Federal, por conta de denúncias publicadas na mídia envolvendo a CPI da Petrobras. O PSDB quer que o Ministério Público investigue se foram cometidos os crimes de advocacia administrativa - defesa de interesses particulares por servidor contra os interesses públicos -, falso testemunho, violação de sigilo funcional e improbidade administrativa. "É algo absolutamente grave, porque foi, na verdade, montada uma farsa, e nós queremos saber até onde isso foi", disse o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, em São Paulo. O deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), coordenador jurídico da campanha de Aécio Neves, anunciou a representação contra Delcício e Pimentel, além de representações na Procuradoria da República do Distrito Federal contra a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, e o ex-presidente da estatal José Sérgio Gabrielli. Também serão alvos de representações servidores da estatal, da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência e do Senado que foram mencionados na reportagem da revista Veja. “As investigações sobre os atos de improbidade merecem especial atenção do Ministério Público para apurar a participação de todos os envolvidos, pois a maior beneficiária da trama denunciada é, em última instância, a presidente Dilma Rousseff”, disse Sampaio, segundo nota divulgada pela liderança do PSDB na Câmara. A CPI da Petrobras no Senado foi criada com o objetivo, entre outros, de apurar denúncias de irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006 ,quando a presidente Dilma Rousseff (PT), que busca a reeleição, era presidente do Conselho de Administração da estatal.

VENDA DAS PLATAFORMAS EMPERRA AS NEGOCIAÇÕES DA OSX

Uma piora no cenário de venda das plataformas da OSX emperra as negociações da empresa de construção naval com seus principais credores. A dez dias da assembléia que votará seu plano de recuperação judicial, a companhia de Eike Batista ainda tenta fechar um novo financiamento para viabilizar sua reestruturação, em troca de benefícios aos que assumirem o risco. A perspectiva de obter menos dinheiro para antecipar pagamentos, entretanto, dificultou o acordo. A expectativa é que o plano não seja aprovado no dia 14 e que os credores suspendam os trabalhos a fim de ganhar tempo nas negociações. O melhor quadro traçado por avaliadores independentes indicava que a companhia poderia levantar US$ 2,35 bilhões (R$ 5,3 bilhões) com a venda das plataformas de petróleo OSX-1, OSX-2 e OSX-3. Ao longo das negociações com potenciais compradores nos últimos meses, entretanto, esse valor se mostrou inatingível. A depreciação é um reflexo da crise de credibilidade do grupo OSX. Os sindicatos de bancos e "bondholders" estrangeiros que financiaram a construção das plataformas terão preferência no recebimento dos recursos obtidos com a alienação das plataformas. A dívida com essas instituições é de cerca de US$ 1,2 bilhão (R$ 2,7 bilhões). Descontados esses pagamentos, o excedente será usado para antecipar o pagamento de parte das dívidas com os demais credores, dando preferência àqueles que aceitarem injetar dinheiro novo para desenvolver a Unidade de Construção Naval do Açu, em São João da Barra, litoral norte do Rio de Janeiro. O problema é que vendendo as plataformas por um valor bem abaixo do esperado sobrará muito pouco para pagar os credores brasileiros, com quem busca os novos recursos. O grupo com que a OSX negocia o novo aporte é formado por Prumo (ex-LLX), Caixa Econômica Federal, Votorantim, Santander e a fornecedora Acciona. Juntos, têm cerca de R$ 2 bilhões em créditos a receber. Sem poder contar com o dinheiro vindo das plataformas, travam uma queda de braço em torno da receita com a operação do Açu. A moeda de troca na negociação de um novo aporte de capital na OSX é justamente acelerar o pagamento de quem assumir um maior risco na reestruturação. A proposta do plano de recuperação apresentado em maio é pagar as dívidas do grupo OSX em até 25 anos, um prazo muito longo. Pelo acordo que se desenha agora, quem financiar um maior valor nessa etapa receberá seus créditos na frente e num porcentual proporcional ao montante aportado. Diante da disputa acirrada, porém, há expectativa real de que a assembleia não se resolva na primeira chamada, no dia 14.

REGISTROS DA CPMI E DA CPI DA PETROBRAS NO SENADO FEDERAL COMPROVAM FRAUDE E MOSTRAM QUE RELATORES PETISTAS FIZERAM AS MESMAS PERGUNTAS PARA GRAÇA FOSTER

A presidente da Petrobras, Graça Foster, respondeu a 15 perguntas idênticas elaboradas pelos relatores petistas das duas CPIs que investigam a estatal no Congresso. É o que indica levantamento feito pela oposição ao governo Dilma no Senado, que comparou as listas de questionamentos. No dia 27 de maio, Graça Foster respondeu às perguntas do senador José Pimentel (PT-CE), relator da CPI exclusiva do Senado. Em 11 de junho, foi a vez de o deputado federal Marco Maia (PT-RS) fazer praticamente os mesmos questionamentos à presidente da Petrobras. Entre elas, perguntas sobre a compra das refinarias San Lorenzo, na Argentina, e Okinawa, no Japão, o "interesse da Petrobras pela refinaria Pasadena, nos Estados Unidos". Em todas elas, usa-se as mesmas estruturas, palavras ou expressões. O senador oposicionista Álvaro Dias (PSDB-PR) afirma que esse é um indício de que houve uma combinação. Ele acredita que a Petrobras pode estar por trás das perguntas. Reportagem da "Veja" do último fim de semana afirma que representantes da Petrobras que deram depoimentos à CPI receberam previamente as perguntas que seriam feitas e as respostas que deveriam ser dadas. De acordo com a publicação, a presidente da Petrobras, Graça Foster, seu antecessor, José Sérgio Gabrielli, e o então diretor da área internacional, Nestor Cerveró, tiveram acesso às perguntas antes de serem sabatinados. A assessoria de Marco Maia confirmou que usou como referência as perguntas feitas pelo senador e também as formuladas por outra comissão do Senado, onde Graça Foster prestou esclarecimentos antes de ser ouvida pela CPI mista. Negou, no entanto, ter discutido previamente as perguntas com a Petrobras. Informou ainda que o deputado tinha mais de 140 perguntas nas mãos e fez apenas 68. O senador José Agripino (DEM-RN), por sua vez, observou uma semelhança em relação às respostas do ex-presidente da estatal, Sérgio Gabrielli, e do ex-diretor Nestor Cerveró. Ambos apresentaram um discurso padronizado em relação à responsabilidade da presidente Dilma Rousseff na decisão de comprar metade da refinaria Pasadena por um preço considerado acima do mercado.Dilma presidia o Conselho Administrativo da estatal quando a aquisição foi autorizada. Tanto Gabrielli quanto Cerveró disseram não ser possível individualizar condutas. O advogado Edson Ribeiro, que representa Nestor Cerveró, negou que o ex-diretor da Petrobras tenha recebido antecipadamente as perguntas que seriam feitas durante seu depoimento em uma CPI. Ele, porém, afirmou que Cerveró, que foi demitido da empresa por ser apontado como o responsável pela falha na compra da refinaria de Pasadena, participou de um treinamento promovido pela estatal dias antes de ir à CPI que investiga irregularidades na empresa. (Folha)

JUSTIÇA DETERMINA O BLOQUEIO DE BENS DO DEPUTADO FEDERAL RODRIGO BETHLEM

A Justiça do Rio de Janeiro determinou na última sexta-feira o bloqueio dos bens e a quebra dos sigilos bancário e fiscal do deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ), de sua ex-mulher Vanessa Felippe, da ONG Casa Espírita Tesloo, e do major reformado da Polícia Militar, Sérgio Pereira de Magalhães Junior, ex-presidente da entidade. O pedido foi apresentado na sexta-feira pela promotora Gláucia Santana, da 5ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania e atendido, por meio de liminar (decisão provisória) pela juíza Alessandra Cristina Tufvesson Peixoto, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro. A partir de conversas gravadas e divulgadas por Vanessa, nas quais o deputado admite receber propina, a promotora investiga se houve desvio de dinheiro nos contratos firmados entre a ONG Tesloo e a Secretaria Municipal de Assistência Social. Quando alguns desses contratos foram firmados, em 2011, Bethlem era o secretário da pasta. Os contratos assinados durante a gestão dele somam R$ 17 milhões - ao todo, a prefeitura repassou à ONG cerca de R$ 80 milhões, calcula o Ministério Público. A entidade cuidava do cadastro de famílias de baixa renda e da assistência a usuários de crack. O Ministério Público investiga ainda se a pensão paga por Bethlem a Vanessa após a separação do casal foi paga com propina da ONG. Por isso os bens de Vanessa também foram bloqueados.

CHEFE DA CEPAL AFIRMA QUE ECONOMIA DA ARGENTINA DEVE ENCOLHER EM 2014

A economia da Argentina muito provavelmente encolherá neste ano pela primeira vez em mais de uma década, pressionada por um consumo menor, inflação elevada e os efeitos do fracasso das negociações entre o governo e seus credores sobre a dívida, disse nesta segunda-feira a secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena. A chefe da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), organismo dependente da Organização das Nações Unidas (ONU), afirmou que a Argentina tomou medidas, como elevar as taxas de juros e conter o agregado monetário, para desligar os "motores do consumo". Além disso, também há o menor dinamismo da sua indústria afetada pela queda da demanda do Brasil, um dos seus principais consumidores. A última vez que o Produto Interno Bruto (PIB) argentino caiu foi em 2002, quando recuou 10,9%, em meio a uma forte crise que levou a um calote bilionário. Analistas esperam que o PIB recue 1% neste ano. A Cepal já reduziu a sua estimativa de crescimento do PIB da Argentina para 0,2% em 2014, ante estimativa inicial de alta de 1%, mas "nossa projeção não é adequada. Nós a fizemos em julho. Realmente a situação hoje em dia é completamente diferente", disse Bárcena. "Nos acreditamos que o mais provável é que a Argentina tenha crescimento negativo em 2014", acrescentou. A Cepal projeta crescimento da América Latina no ano de 2,2%.

DEM QUER EXPLICAÇÃO DO PETISTA BERZOINI SOBRE USO DE FUNCIONÁRIO DO MINISTÉRIO EM FRAUDE DA CPI DA PETROBRÁS

O líder do DEM na Câmara, deputado federal Mendonça Filho (PE), protocolou na tarde de segunda-feira três requerimentos de convocação para que o ministro das Relações Institucionais (SRI), Ricardo Berzoini (PT), compareça ao Congresso para explicar o envolvimento de um funcionário da SRI nas denúncias de fraude na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás no Senado Federal. A edição desta semana da revista Veja apresentou uma gravação na qual o chefe do escritório da Petrobras em Brasília, José Eduardo Sobral Barrocas, o chefe do departamento jurídico do mesmo escritório, Leonan Calderaro Filho, e o advogado da estatal Bruno Ferreira debatem o envio prévio de um "gabarito" dos questionamentos aos diretores da companhia que prestaram depoimentos à CPI, entre eles a presidente Maria da Graça Foster, o ex-diretor da área internacional Néstor Cerveró e o ex-presidente Sergio Gabrielli. A filmagem abriu uma crise no Congresso e a oposição acusa parlamentares e o Palácio do Planalto de fraudarem a investigação. Os citados pela reportagem negam a combinação de depoimentos. Na gravação, os presentes à reunião mencionam o nome de Paulo Argenta, assessor especial do ministério comandado por Berzoini. "Tem funcionário graduado dele (Berzoini) envolvido na denúncia, com indícios muito fortes de estar envolvido numa operação abafa e interferindo na independência do Legislativo e nas prerrogativas e na instituição", alega o deputado da oposição. Em nota divulgada neste final de semana, a SRI afirma que, questionado sobre o caso, Argenta disse que não elaborou as perguntas. Os requerimentos foram apresentados nas comissões de Fiscalização Financeira e Controle, de Minas e Energia e no próprio Plenário da Casa. Neles, Mendonça Filho classifica as denúncias como graves e argumenta que a reportagem da revista aponta que o objetivo da reunião filmada era antecipar perguntas que seriam feitas aos convocados pela CPI, "com o intuito de convergir as respostas dos depoentes de forma a afastar qualquer hipótese de contradição ou resposta antagônica aos dos interesses dos investigados".

CHEFE DA POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO CONVOCA TODO EFETIVO PARA DIZER: "A POLÍCIA FEDERAL É UMA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO, NÃO DO GOVERNO". AGORA É QUE ELE DIZ ISSO?

O delegado Roberto Troncon, superintendente regional da Polícia Federal em São Paulo, declarou nesta segunda feira, 4, que a instituição “é uma organização de Estado e não de governo”. Ele convocou todo o efetivo da corporação em São Paulo a retomar suas atividades, depois da Copa do Mundo, sem se deixar afetar pelo clima pré eleitoral. Agora é que ele diz isso, após uma década em que a Polícia Federal foi utilizada como polícia política pelo petismo. Ele propôs “uma breve reflexão” sobre o momento em que os federais se encontram: “Normalmente, em trocas de governo, grandes eleições, seja uma continuidade do governo atual, seja um outro governante em nível federal que assuma, que vença as eleições de outubro próximo, nesses períodos há muita expectativa, de modo geral, na administração pública, estadual ou federal, que é o nosso caso. Bom, haverão trocas, possivelmente, então é o momento da gente sentar e esperar o que vai acontecer”, disse, em hipótese, o superintendente da Polícia Federal". Essa fala deixa evidente que ele, os funcionários, a corporação toda, já está em processo de reposicionamento político: “Na verdade, é exatamente o contrário o que nós devemos fazer. Se a nossa instituição é uma organização de Estado, e não de governo, é uma consequência natural que essas influências de ordem política ou do período eleitoral sejam as menores possíveis". Esta última frase deve ser entendida como a ponte lançada para os novos detentores do governo. O chefe da Polícia Federal quis dizer que ele e sua corporação estão fazendo o trânsito para o outro lado. Troncon foi enfático para se apresentar aos prováveis novos detentores do Poder: “Como nos orgulhamos de dizer, e cremos nesta natureza da nossa instituição, nós não servimos a governos, nós servimos ao Estado brasileiro. Somos uma polícia republicana, de Estado. Devemos, então, retomar, e já estamos retomando, as nossas atividades ordinárias , os nossos planejamentos". Fica bem claro, parece, que ele está colocando o seu futuro na mesa. Ele advertiu que alterações no comando da instituição, se ocorrerem, são normais: “As mudanças eventuais que sucedam em 2015 de chefias, da alta chefia da administração, se ocorrerem, elas são rotineiras". Sua fala também foi um recado aos seus comandados. Ele lembrou aos federais que a rotina se mantém, seja qual for o resultado das eleições: “Na verdade, quem ocupa um cargo público de livre nomeação pode ocupa-lo por um dia apenas ou por vários anos e não é o período eleitoral que altera essa condição".

FRAUDE NA CPI - GRAÇA FOSTER QUE DE SE DEMITIR OU DE SER DEMITIDA. OU: UM DOS "TRÊS PORQUINHOS" FOI COLETAR PESSOALMENTE AS QUESTÕES

Graça Foster: da estirpe de pessoas cujo ar enfezado passa por competência técnica
Graça Foster: da estirpe de pessoas cujo ar enfezado passa por competência técnica
Ainda que Graça Foster fosse, do ponto de vista moral e intelectual, uma mistura de Catão, Madre Teresa de Calcutá e Schopenhauer e, do ponto de vista técnico, a encarnação da competência e da racionalidade, ainda que assim fosse, teria perdido a condição de presidir a Petrobras. Como ela não é nem uma coisa nem outra e é apenas Graça Foster, tem de ser demitida. Ou de se demitir. E não apenas porque deve ficar logo mais com os bens indisponíveis, tão logo o Tribunal de Contas da União volte a apurar a sua responsabilidade no imbróglio de Pasadena.
Graça tem de deixar o cargo porque está, infelizmente, no centro da tramoia contra a CPI da Petrobras — que é uma conspiração contra o Congresso, contra o Estado e contra a democracia. Como vocês sabem, reportagem da VEJA desta semana prova que as perguntas elaboradas pelos senadores foram previamente passadas aos depoentes — e com gabarito! A própria Graça foi beneficiada pelo expediente, além de José Sérgio Gabrielli e Nestor Cerveró.
Para lembrar: integram a conspiração, com graus variados de participação, além da presidente da Petrobras, o relator da CPI no Senado, José Pimentel (PT-CE); José Eduardo Dutra, diretor Corporativo e de Serviços da estatal; o senador Delcídio Amaral (PT-MS); Paulo Argenta, assessor especial da Secretaria de Relações Institucionais; Marcos Rogério de Souza, assessor da liderança do governo no Senado; Carlos Hetzel, assessor da liderança do PT na Casa; o chefe do escritório da Petrobras em Brasília, José Eduardo Sobral Barrocas; Leonan Calderado Filho, que responde pelo departamento jurídico desse escritório e Bruno Ferreira, advogado da empresa.
Pois bem: Lauro Jardim informa em sua coluna que Dutra, que é ex-senador e ex-presidente do PT, foi pessoalmente ao Senado fazer a coleta das perguntas. Os partidos de oposição decidiram recorrer à Procuradoria-Geral da República, à Comissão de Ética do Senado e à Comissão de Ética da Presidência para que apurem o escândalo.
Mas voltemos a Dutra e Graça. É evidente que ele não teria se lançado nessa empreitada sem a autorização de sua chefe imediata — ela própria beneficiária da falcatrua política. Um vídeo que veio a público deixa claro que a presidente da Petrobras teve acesso prévio às perguntas. Notem: estamos falando de algo mais do que o simples envio das questões em razão, sabe-se lá, do mau comportamento de um funcionário ou de outro. É mais do que isso. Tudo foi meticulosamente planejado.
Dutra, cumpre lembrar, era um dos três homens fortes da campanha de Dilma, ao lado de Antonio Palocci e José Eduardo Cardozo. A então candidata os apelidou, com aquela sua maneira muito particular de ser carinhosa, de “Os Três Porquinhos”. Eles todos devem saber por que o apelido era adequado. Nesta segunda-feira, a presidente deu uma de Valesca Popuzada, deu um beijinho no ombro e disse que o assunto é do Congresso. Errado! Há servidores públicos envolvidos até o pescoço no imbróglio, como se vê. E são pessoas de sua confiança pessoal.
Sim, eu sei que Graça vai continuar onde está, até porque pertence àquela estirpe de pessoas que conseguem fazer com que seu ar enfezado passe por competência técnica, a exemplo de sua chefe, Dilma Rousseff. Eis o estado de degradação a que chegou a República. Por Reinaldo Azevedo

CONSULTOR DO PT CHAMA CANDIDATO TUCANO DE "SATANÉCIO" E AFIRMA QUE PESSOAS QUE SE OPÕEM A DILMA LATEM

Há dias, a presidente Dilma Rousseff afirmou que faria uma campanha sem ofensas e xingamentos, ainda que tenha acusado a oposição de apostar no “quanto pior, melhor”, o que é, claro!, umas das piores formas de… xingamento! Desde a campanha de 2010, o PT adotou o perfil “Dilma Bolada”, criado por um tal Jeferson Monteiro, como uma espécie de voz oficiosa da presidente — é, assim, a sua versão bem-humorada. Jeferson chegou a anunciar a morte do perfil, alegando que estava cansado de apanhar dos adversários da petista. O PT correu em seu socorro, e o rapaz foi contratado como “consultor do partido” — segundo ele, sem dinheiro. É… Vai ver os companheiros estão interessados apenas na sua inteligência… Pois bem, o agora “consultor” do PT publicou a seguinte mensagem no Twitter na noite de domingo, informa a Folha: “O pai do menino deveria ter levado o Aécio Neves pra fazer carinho no tigre e não o filho”.

Dilma Bolada 1
Como se vê, o cara se aproveita de uma tragédia para fazer o que deve considerar uma coisa engraçada. Pessoas que já fizeram piada com o fato de Lula não ter o mindinho da mão esquerda foram esmagadas pelas patrulhas petistas. Era como se tocassem num figura santa. Fazer blague, no entanto, com uma criança que perdeu um braço, que mal há, não é mesmo? O dito consultor achou que era pouco. Diante da reação negativa, emendou: “As forças das trevas reclamando porque eu disse que o tigre tinha que comer o Satanécio. Não vai pq o tigre não merece. Podem latir!!!”
Dilma Bolada 2
Entenderam? O PT contratou um consultor que considera os adversários “forças das trevas”, que associa o nome de um candidato de oposição a “Satã” e que afirma que milhões de eleitores da oposição “latem”. Alguém poderia dizer que não é o caso de se dar grande importância a esse cara, que está longe de ser a voz do partido etc. Será mesmo? Ora, por que ele recorre a tais baixarias? Porque lhe disseram que pode, ora essa! Porque foi informado que esse é o caminho. Porque esse é o ambiente no partido ao qual ele serve. Tudo bem pensando, acusar a oposição de defender o “quanto pior, melhor” não é muito distinto de afirmar que ela late. São considerações que estão na mesma frequência. Eis o alto nível…  Por Reinaldo Azevedo

EDUARDO CAMPOS DIZ QUE A PETISTA DILMA TEM TUDO A VER COM A CRISE DA PETROBRAS

O candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, criticou nesta segunda-feira a fala da presidente Dilma sobre a fraude na CPI da Petrobras. Reportagem de VEJA desta semana revela que governistas engendraram esquema para treinar os principais depoentes à comissão de inquérito, repassando a eles previamente as perguntas que seriam feitas pelos senadores e indicando as respostas que deveriam ser dadas. Questionada sobre o episódio, Dilma tentou se esquivar do problema e disse que esse é um assunto do Congresso. Campos lembrou que a presidente já esteve à frente da estatal e que foi sua base aliada que combinou as perguntas e respostas. "A presidente Dilma tem tudo a ver com a crise da Petrobras. Ela comanda o setor elétrico brasileiro há doze anos. Ela comandou a presidência do Conselho e depois, como presidente, nomeou a presidente da estatal, Graça Foster", disse. "Há uma CPI para apurar malfeitos, é feita uma articulação da base dela com gente do governo para treinar perguntas e respostas, ela diz que não tem nada a ver com isso. Quem que tem a ver então?", criticou. Campos também diz que vai reduzir os ministérios para cerca da metade do quadro atual, mas considera prematuro especificar quais seriam cortados. "Apresentar a forma antes do conteúdo, sinceramente, é mais coisa para marketing do que para quem tem responsabilidade de mudar o Brasil", disse.

MST INVADE FAZENDA PRÓXIMA A BRASÍLIA

Um grupo de militantes da organização terrorista clandestina Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem terra (MST) invadiu e acampou desde a manhã de na Fazenda Três Pinheiro, localizada no km 8 da DF-110, em Planaltina, no Distrito Federal. Antes, o grupo tinha invadido outra propriedade na mesma região, mas teve que sair após uma decisão judicial. A área fica a cerca de 40 quilômetros de Brasília. De acordo com Edmar Tavares, integrante da coordenação do MST-DF, o grupo chegou ao local por volta das 2 horas desse domingo e permanecerá ao local até haver alguma negociação. “Há uma grande possibilidade desta área ser da Terracap e há uma série de irregularidades. Queremos a desocupação das terras para a reforma agrária. Ainda não fomos procurados para a negociação, só uma pessoa chegou ao local dizendo ser o dono da terra, mas não apresentou nenhuma documentação”, contou. Segundo Tavares, há cerca de 400 pessoas na área ocupada. Já Batalhão da Polícia Militar Ambiental, que acompanha, diz que são 50 as famílias acampadas no local. De acordo com a corporação, a ação segue tranquila até o momento e não há nenhuma operação especial na área ocupada pelo movimento, apenas patrulhamento diário local.

AUTORIDADE EGÍPCIA ANUNCIA ACORDO DE CESSAR-FOGO DE 72 HORAS EM GAZA

Israelenses e e terroristas do Hamas chegaram a um acordo na noite desta segunda-feira relativo a uma trégua de 72 horas na Faixa de Gaza que vai entrar em vigor nesta terça-feira às 2 horas de Brasília. Os contatos do Egito com as diferentes partes levaram a uma trégua de 72 horas em Gaza a partir das 5 h GMT de terça-feira e o restante das delegações irá ao país para negociações mais amplas, disse uma autoridade egípcia. O governo do Cairo, habitual mediador dos conflitos entre Israel e o movimento palestino Hamas — que controla a Faixa de Gaza —, havia convidado na semana passada israelenses e terroristas islâmicos a enviar delegações para negociar uma trégua. Apenas a delegação palestina, composta principalmente por chefetes terroristas do Hamas e da Autoridade Palestina, está no Cairo. Os israelenses tinham se negado a ir à cidade, acusando principalmente o Hamas de ter frustrado uma outra trégua na sexta-feira, que havia sido aceita pelas duas partes. — Os palestinos concordam com o cessar-fogo proposto pelo Egito — confirmou Azzam al-Ahmed, que lidera a delegação palestina. Israel não confirmou a informação do alto funcionário egípcio até o momento.

PETISTA TARSO GENRO SACA MAIS R$ 320 MILHÕES DOS DEPÓSITOS JUDICIAIS, ELE JÁ SACOU R$ 5,4 BILHÕES PARA TAPAR SEU DÉFICIT

Este dinheiro não tem nada a ver com o dinheiro do caixa único, que também é esgualepado a todo momento. O que sai do caixa único precisa voltar para seus legítimos proprietários. Os números do Tribunal de Contas e da secretaria da Fazenda pesquisados pelo editor nesta segunda-feira a tarde, revelam que o governador Tarso Genro já meteu a mão em R$ 5,4 bilhões dos depósitos judiciais, tudo para cobrir déficits cada vdez mais oceânicos. As contas públicas gaúchas estão em estado terminal. Para este ano, o governo estadual registrará o maior déficit da sua história, algo como R$ 4 bilhões, conforme informou o editor neste final de semana. Como a arrecadação despencou em julho e as despesas aumentam geometricamente, o cenário para o próximo governador é de terra arrasada. O valor é dez vezes maior do que o total sacado por Yeda Crusius em 4 anos e representas qutro vezes mais do que o total abiscoitado pelo governo Rigotto. A fatia do governo petista em relação aos dois governos anteriores é de 72,7%. No mês passado, Tarso Genro raspou o tacho dos depósitos judiciais, retirando R$ 320 milhões. O dinheiro dos depósitos judiciais pertencem a pessoas e empresas privadas, não se referem a qualquer tipo de condenação, mas apenas a valores depositados em juízo para discutir demandas que elas disputam em juízo. O dinheiro não é público. Quando desatado o nó judicial, o governo precisa devolver tudo ao Poder Judiciário, seu verdadeiro depositário.(Políbio Braga)

TIRO PELA CULATRA, CENSURA PETISTA LEVA CONSULTORIA ECONÔMICA A QUASE DUPLICAR SUA BASE DE CLIENTES

O tiro da presidente-candidata Dilma Rousseff contra as "análises pessimistas" do mercado saiu pela culatra. A despeito do que almejava o PT ao cercear anúncios de análises da consultoria Empiricus no Google, a "punição" se converteu em ganhos — ao menos para os sócios da consultoria. Desde a segunda-feira passada, quando a firma se viu forçada pelo Tribunal Superior Eleitoral a retirar do Google dois anúncios de suas análises prevendo cenário ruim para a economia em caso de reeleição de Dilma, o número de investidores que assinam seus serviços quase duplicou. Segundo dados fornecidos pela Empiricus, a base de clientes que paga por pacotes de análises passou de cerca de 9 000 para 16 500. A consultoria possui ainda um mailing de 200 000 clientes em potencial que recebem boletins financeiros gratuitamente, após fazerem inscrição no site. Essa carteira específica ganhou em torno de 7 000 novos nomes diariamente na semana passada. A derrapada do PT fica mais evidente quando se analisa os números da Empiricus antes do episódio. Os anúncios que foram alvo de representação no TSE tiveram cerca de 40 000 cliques, sendo que apenas 5% dessa cifra se converteu em assinantes do mailing que distribui boletins gratuitos. Nesse universo de cerca de 2 000 interessados que, de fato, leram o texto taxado pelos petistas de "terrorismo eleitoral", nenhum se tornou cliente dos pacotes pagos — cujos preços variam de 10 reais a 200 reais ao mês. Ou seja, até a representação ser protocolada, a divulgação dos anúncios ainda não havia garantido qualquer retorno. O marketing trazido pelo partido foi providencial para a empresa, que prevê faturar 10 milhões de reais este ano. O sócio da Empiricus responsável pelas análises retiradas do Google, Felipe Miranda, afirmou que os ganhos não são oportunistas, e sim resultado do maior interesse dos brasileiros pelas análises de cenário econômico após a intervenção no PT também no trabalho dos analistas. "Ainda que haja mais desdobramentos de marketing, o episódio é lamentável demais para ser celebrado. O governo quis desviar o debate, colocando o mercado como vilão. Mas não poderá fazer isso para sempre. Pode calar os bancos agora. Contra nós, não podem fazer nada além desse cerceamento momentâneo que pode, aliás, ser retirado a qualquer momento pelo TSE", afirmou Miranda.

ONU DIZ QUE BRASIL TEM 77 MILHÕES DE PESSOAS COM ÁGUA DE MÁ QUALIDADE

Abastecimento de água regular e de qualidade ainda é uma realidade distante para 77 milhões de brasileiros - equivalente à população da Alemanha. O alerta é da Organização das Nações Unidas (ONU), que ainda aponta que 60% da população - 114 milhões de pessoas - "não têm uma solução sanitária apropriada". O informe que traz esses dados foi preparado pela relatora da ONU, Catarina de Albuquerque. Ela não hesita em alertar que o crescimento econômico dos últimos anos ainda não se traduziu em uma melhora em termos de acesso à água no País. Em junho de 2013, a representante das Nações Unidas teve sua primeira inspeção para realizar o levantamento vetada pelo governo. A ONU considerou que o veto tinha uma relação direta com os protestos que, em 2013, tomaram as cidades brasileiras. A viagem só aconteceria em dezembro de 2013, o que impediria que o informe produzido fosse apresentado aos demais governos da ONU e à sociedade civil antes da Copa do Mundo. O raio X reflete uma crise que o País enfrenta no que se refere ao acesso à água e saneamento. "Milhões de pessoas continuam e viver em ambientes insalubres, sem acesso à água e saneamento", indicou o informe, apontando que o maior problema estaria nas favelas e nas zonas rurais. Catarina deixa claro que o crescimento da economia brasileira nos últimos anos não foi traduzida em ganhos nesse setor. "Nos últimos anos, o Brasil experimentou um desenvolvimento significativo, com crescimento econômico e uma melhoria dos indicadores sociais. Mas esses ganhos ainda não foram refletidos nos serviços de água e saneamento", alertou. Segundo a ONU, o baixo investimento em saneamento no Brasil está tendo "custos elevados para a saúde pública". Em apenas um ano, 400.000 pessoas teriam sido internadas no País por diarréia, com um custo para o Serviço Único de Saúde (SUS) de 140 milhões de reais. O informe aponta que, para cada dólar que fosse investido em saneamento no Brasil, o retorno seria de cinco dólares em custos evitados e ganhos de produtividade. As diferenças regionais são profundas. No Norte, 31% da população ainda vive sem um fornecimento adequado de água. No Nordeste, essa taxa chega a 21,5%. Um dos aspectos mais graves, segundo a entidade, é a "privação de água e saneamento" nas favelas. "O direito à água não pode ser negado a ninguém com base no status legal de sua moradia", alertou a relatora. Para ela, nem o governo e nem os provedores dos serviços tem o direito de negar o abastecimento. O abastecimento também tem uma relação direta com a renda dos habitantes de uma região. "Em locais onde a população ganha um quarto de um salário mínimo, o déficit de água é de 35%", indicou a ONU. Em locais onde a renda é de cinco salários mínimos, 95% da população tem acesso adequada ao abastecimento de água. "O Brasil tem ainda um longo caminho para garantir acesso universal a esse direito", afirmou a ONU. Para contornar esse problema, a ONU sugere um teto para o preço da água e alerta que os padrões internacionais apontam que o abastecimento não pode representar mais que 5% do orçamento de uma família.

CURSO DE MEDICINA DA USP PREVÊ MUDANÇAS PARA 2015

Com foco em internacionalização e carga horária reduzida em 30%, o curso de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) deve mudar o seu currículo em 2015. A proposta é aumentar convênios com escolas estrangeiras, para receber e enviar alunos, e passar por avaliações periódicas de especialistas americanos, além dos exames internos. Já a grade flexível reflete a aposta no aprendizado fora da sala de aula. O total de horas da graduação passará de quase 11.000 para 7.200, com o objetivo de dar mais tempo para que alunos tenham outras atividades, como iniciação científica, projetos de extensão ou esportes. "O curso estava inchado. Vamos liberar tempo para outras atividades, com avaliação e acompanhamento", diz Edmund Baracat, presidente da Comissão de Graduação da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). Não haverá divisão por disciplinas, mas por unidades curriculares, para facilitar a integração entre conteúdos e departamentos. Especialistas de escolas americanas e canadenses, que serviram de inspiração para a nova organização de disciplinas, visitaram a FMUSP nos últimos dois anos para ajudar na mudança. Outra novidade é um "mini-college", período no início do curso que servirá de transição do ensino médio para o superior. "O aluno não deve ir para o laboratório de fisiologia logo depois que entra", explica o vice-diretor José Otávio Costa Auler. Segundo ele, a tendência é que outros cursos sigam os passos da USP. "Sempre tivemos esse perfil de pioneirismo, que influencia outras escolas", diz. A demanda por mais treinamento na atenção básica e saúde da família também foi levada em consideração: "Vai ser aprimorado, com maior integração desse conteúdo ao longo do curso. Mas já tínhamos um trabalho importante nesse sentido". A avaliação permanente será outra característica do novo currículo. Além das provas comuns, haverá exames internos semestrais e bianuais para medir o nível dos alunos e do ensino. Os estudantes também passarão por provas externas, aplicadas pela International Foundation of Medicine, dos Estados Unidos, ao fim do segundo, quarto e sexto ano. Outra das metas para a nova fase do curso é enviar pelo menos 25% dos alunos para intercâmbios reconhecidos. A diretoria tem aumentado o número de convênios com faculdades do Exterior para facilitar a validação das disciplinas cursadas fora. Já para a oferta de bolsas não há mudanças: os alunos poderão concorrer nos editais do Ciência sem Fronteiras, programa de intercâmbios do governo federal, ou tentar os auxílios pagos pela própria USP. A crise financeira da universidade, porém, fez a reitoria dar prioridade neste ano à oferta de bolsas para os cursos de Humanas, área não contemplada pelo programa. (Veja)

FARSA NA CPI É PROBLEMA DO CONGRESSO, DIZ DILMA ROUSSEFF

Numa agenda de campanha (disfarçada de agenda oficial) em São Paulo, a presidente-candidata Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira que "o PSDB pode fazer a representação que quiser em Brasília" sobre a farsa montada pelo governo e pelo PT na CPI da Petrobras no Senado. Reportagem de VEJA desta semana revela que governistas engendraram esquema para treinar os principais depoentes à comissão de inquérito, repassando a eles previamente as perguntas que seriam feitas pelos senadores e indicando as respostas que deveriam ser dadas.  A oposição anunciará nesta tarde ações cobrando investigações e punições aos responsáveis por fraudar os depoimentos à CPI tanto no âmbito do Congresso Nacional quanto representações à Procuradoria-Geral da República. A resposta de Dilma faz parte da estratégia traçada pela campanha petista e pelo Palácio do Planalto para tentar empurrar o caso para o Legislativo – apesar de a cúpula da Petrobras e um assessor da pasta de Relações Institucionais estarem diretamente envolvidos na farsa. "É uma questão que deve ser respondida pelo Congresso", esquivou-se Dilma. Nesta segunda-feira, a presidente-candidata visitou uma Unidade Básica de Saúde (UBS) em Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, que recebeu profissionais do Mais Médicos. A viagem foi preparada às pressas e chegou a aparecer nesta manhã na agenda oficial do Palácio do Planalto, mas foi retirada horas depois porque o evento ganhou ares de campanha. Dilma, no entanto, está em horário de expediente. A comitiva da presidente levou para as dependências da UBS Jardim Jacy uma equipe para registro de imagens de campanha para a propaganda na TV. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, também participou do ato.

OPOSIÇÃO VAI AO MINISTÉRIO PÚBLICO CONTRA SENADORES E DIRIGENTES DA PETROBRAS DEVIDO A FRAUDE NA CPI

O PSDB e o DEM anunciaram nesta segunda-feira que vão recorrer à Procuradoria-Geral da República para que investigue os senadores Delcídio Amaral (PT-MS) e José Pimentel (PT-CE) por participação na farsa montada pelo governo e pelo PT na CPI da Petrobras no Senado. Reportagem de VEJA desta semana revela que governistas engendraram esquema para treinar os principais depoentes à comissão de inquérito, repassando a eles previamente as perguntas que seriam feitas pelos senadores e indicando as respostas que deveriam ser dadas. De acordo com o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), há indícios de que os dois parlamentares praticaram os crimes de advocacia administrativa, falso testemunho e violação de sigilo funcional. Os dois senadores serão alvo também de representação no Conselho de Ética por quebra de decoro nesta terça-feira. Para a oposição, o teatro encenado na CPI exige que seja aberta investigação para que se apure também se os parlamentares e servidores do Senado e do governo praticaram crime de improbidade administrativa por violação do dever de honestidade e de lealdade para com a administração. A oposição já começou a colher informações sobre o advogado Leonan Calderaro Filho, chefe do departamento jurídico da Petrobras, que, segundo o jornal O Estado de S. Paulo, é o terceiro personagem do vídeo que revela a extensão da fraude. Obtida por VEJA, a gravação mostra uma reunião entre o chefe do escritório da Petrobras em Brasília, José Eduardo Sobral Barrocas, o advogado da empresa Bruno Ferreira e Calderaro Filho para tramar a fraude no Congresso. Barrocas revela no vídeo  que um gabarito foi distribuído aos depoentes mais importantes para que não entrassem em contradição. Paulo Argenta, assessor especial da Secretaria de Relações Institucionais, Marcos Rogério de Souza, assessor da liderança do governo no Senado, e Carlos Hetzel, secretário parlamentar do PT na Casa, são citados como autores das perguntas que acabariam sendo apresentadas ao ex-diretor Nestor Cerveró, apontado como o autor do “parecer falho” que levou a estatal do petróleo a aprovar a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, um negócio que impôs prejuízo de pelo menos 792 milhões de dólares à empresa. Segundo conta Barrocas, Delcídio Amaral (PT-MS), ex-presidente da CPI dos Correios, encarregou-se da aproximação com Cerveró. Relator da comissão, José Pimentel (PT-CE), a quem respondem Marcos Rogério e Carlos Hetzel, formulou 138 das 157 perguntas feitas a Cerveró na CPI e cuidou para que o gabarito chegasse ao ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli. “Altos funcionários da Petrobras foram gravados em um conluio para fraudar a CPI do Senado e se referem inclusive a funcionários do governo. Esse fato deixa claro que o governo tem pavor da verdade em relação às falcatruas que foram cometidas na Petrobras nos governos Lula e Dilma. Eu não sei mais o que essa CPI vai fazer. As denúncias são tão graves que qualquer decisão a que se chegue será motivo de suspensão. O mais correto seria suspender o trabalho da CPI até esses fatos serem apurados”, afirmou o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP). Fica claro que houve um combinado para desmoralizar o Congresso Nacional e blindar a presidente Dilma. Houve um adestramento de ponto de vista, para que os três depoentes ficassem bem e a presidente fosse liberada da responsabilidade”, disse o senador José Agripino (DEM-RN). Entre as medidas anunciadas pelos partidos de oposição também estão representações contra o ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, contra a atual presidente, Graça Foster, contra os servidores Paulo Argenta, Marcos Rogério de Souza e Carlos Hetzel e contra o ex-diretor da estatal Nestor Cerveró, além de recursos para que órgãos disciplinares da Secretaria de Relações Institucionais, da Petrobrás e do Senado apurem a responsabilidade dos servidores públicos na farsa da Petrobras. Da tribuna, o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) cobrou do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a “profunda apuração” da farsa da CPI.

COMITÊ RIO 2016 DIZ TER VENDIDO R$ 2,4 BILHÕES EM PATROCÍNIOS

O Comitê Rio 2016 anunciou nesta segunda-feira ter vendido até o momento 2,4 bilhões de reais em patrocínios para a organização dos Jogos Olímpicos. O valor representa cerca de 70% dos 3,5 bilhões de reais que a entidade espera arrecadar junto a empresas para pagar as contas do comitê, orçadas em 7 bilhões de reais. Pelo planejamento, metade dos recursos precisa vir de patrocínios, enquanto o restante será arrecadado com a venda de ingressos, serviços e doações do Comitê Olímpico Internacional (COI). O volume arrecadado até o momento é considerado positivo. Segundo Renato Ciuchini, diretor executivo comercial do Comitê Rio 2016, "quem não participou da Copa quer participar da Olimpíada". Ele disse ainda que depois da Copa quatro novos patrocínios foram assinados e outros três estão sendo negociados. No mesmo evento, Marcus Vinicius Freire, superintendente executivo de Esportes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), disse que a mudança do nome da entidade para Comitê Olímpico do Brasil ocorre, por enquanto, apenas somente na marca - "no nome fantasia". "Fizemos uma pesquisa e o torcedor se acha bem mais próximo da palavra 'Brasil' do que da palavra 'brasileiro' ", afirmou Marcus Vinicius: "Fizemos outra pesquisa, de neurolinguística, e a nossa marca, das várias que testamos, a que mais atraiu é o nome do Brasil". A mudança de nome deverá ser oficializada até a Olimpíada.

CHEFE JURÍDICO DA PETROBRAS PARTICIPOU DA REUNIÃO PARA FRAUDAR CPI NO SENADO FEDERAL

Leonan Calderaro Filho, chefe do departamento jurídico do escritório da Petrobras em Brasília, participou da reunião gravada em vídeo para fraudar depoimentos à CPI da Petrobras no Senado. Reportagem de VEJA desta semana revela que governistas engendraram esquema para treinar os principais depoentes à comissão de inquérito, repassando a eles previamente as perguntas que seriam feitas pelos senadores e indicando as respostas que deveriam ser dadas.  Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Leonan Calderaro Filho é o homem de cabelos brancos que aparece no vídeo gravado no dia 21 de maio, ao lado do chefe do escritório da Petrobras em Brasília, José Eduardo Sobral Barrocas, e do advogado da empresa Bruno Ferreira. É Calderaro quem questiona o chefe de gabinete da Petrobras no vídeo sobre a forma mais segura de encaminhar para a sede da petroleira no Rio de Janeiro o gabarito de perguntas e respostas que seriam feitas pelos senadores aos executivos investigados da empresa. "O que é melhor, fax? O que é mais seguro?", indagou na gravação, referindo-se ao envio dos gabaritos à atual presidente da companhia, Graça Foster, que chegou a prestar esclarecimentos à CPI, mas não na condição de investigada. Ele também comenta sobre o depoimento de Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras, que ocorreu um dia depois da gravação.Cerveró foi acusado pela presidente Dilma Rousseff de ter elaborado o "parecer falho" que pautou sua decisão favorável à compra da refinaria de Pasadena, no Texas, num negócio que deixou prejuízo de quase um bilhão de dólares ao país. "A gente vai aguardar a demanda dele (Cerveró). A gente não vai tomar nenhuma iniciativa? (...) Eu recebi um input (sinal) de falar com ele e recomendar que ele não faça apresentação", afirma no vídeo. E complementa: "Será que o Delcídio (Amaral, senador pelo PT)." (vEJA)

PRESIDENTE DA RBS ANUNCIA EM VIDEOCONFERÊNCIA QUE VAI PROMOVER UM SUPER CORTE DE JORNALISTAS E OUTROS FUNCIONÁRIOS NESTA QUARTA-FEIRA

O presidente do grupo RBS, Duda Melzer, reuniu seus funcionários nesta segunda-feira à tarde para comunicar que, a partir de quarta-feira, demitirá 130 trabalhadores dos seus jornais. Foi tudo por videoconferência. Duda Melzer falou em renovação, mas não explicou o que entendia por renovação. O grupo RBS está cada vez mais dependente de seus "investidores". A tal ponto que, embora seja um grupo gaúcho, com atuação restrita aos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, está trabalhando com a idéia de levar a direção para São Paulo.

MTST - COMO SE CONSTRÓI EM SÃO PAULO A FARSA DE GUILHERME BOULOS, O COXINHA EXTREMISTA QUE SE QUER PENSADOR UNIVERSAL E CAIU NAS GRAÇAS DOS IDIOTAS

Guilherme Boulos (de vermelho), o coxinha radical, com Dilma e Haddad: só uma das faces do petismo
Guilherme Boulos (de vermelho), o coxinha radical, com Dilma e Haddad: só uma das faces do petismo
Guilherme Boulos, o coxinha extremista metido a pensador universal, em quem a ignorância de manual só é superada pela arrogância dos que se consideram acima da lei, comanda o MTST. Trata-se, como vocês verão abaixo, de uma mistura de leninismo tardio, meritocracia militante e estelionato político. O resultado é uma farsa. Leiam a reportagem de Eduardo Gonçalves, na VEJA.com. As fotos que ilustram o texto são de Felipe Cotrim.
*
Militante do MTST faz a lista de chamada para ver se invasor compareceu à tarefa do dia
Militante do MTST faz a lista de chamada para ver se invasor compareceu à tarefa do dia
Na tarde do dia 29 de julho, a vendedora Maria Lúcia Gomes da Silva, de 48 anos, era uma das poucas pessoas no terreno invadido pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) na Estrada do M`Boi Mirim, na periferia da Zona Sul de São Paulo – o maior acampamento do grupo, montado numa área de 1 milhão de metros quadrados, batizado Nova Palestina. Por sofrer de hipertensão, Maria Lúcia teve um mal-estar no último protesto do MTST, dia 23 de julho, após esperar sete horas até o fim da passeata que travou o trânsito da cidade para assinar a lista de presença. A persistência de Maria Lúcia e dos outros 2.500 sem-teto que compareceram ao ato tem um único motivo: acumular pontos na planilha dos líderes do MTST para furar a fila dos programas públicos de financiamento habitacional. “Sem muitos pontos, nós somos impedidos de fazer o cadastro. Quem não luta, não ganha. Esse é o lema deles”, explica Maria Lúcia.
No modelo montado pelo MTST, o comparecimento nos protestos semanais vale cinco pontos. Para quem frequenta os acampamentos, prepara a comida, patrulha a área invadida ou recolhe o lixo rende um ponto. “O Guilherme [Boulos, líder do MTST] falou para a gente que a principal luta é na rua, que não adianta ficar parado nas ocupações. Foram 34 atos, quem não apareceu em pelo menos cinco entrou na lista de repescagem. E eles sabem de tudo, anotam tudo”, afirma Maria Lúcia.
É com base nessa tabela de pontos que o MTST determina quem será contemplado, por exemplo, pelo programa federal Minha Casa, Minha Vida, cujo cadastro é controlado pela prefeitura de São Paulo. “O movimento cadastra e encaminha para a prefeitura. Todos os dias tem que ter presença, mas ganha mais pontos quem participa dos protestos. Mas, no começo, eram 15.000 pessoas na ocupação, agora são 4.000. Não é todo mundo que aguenta essa rotina”, afirma Francisco Silva, de 44 anos.
Entrada do suposto acampamento Vila Nova Palestina: é tudo um cenário
Entrada do suposto acampamento Vila Nova Palestina: é tudo um cenário
A maioria dos que aderem ao MTST diz acreditar que somente com a indicação do grupo conseguirá o financiamento de uma casa — há casos de sem-teto que já estavam cadastrados em programas habitacionais há anos, mas recorreram ao grupo para agilizar o processo. E o pensamento, infelizmente, não está errado. O Ministério Público do Estado de São Paulo acionou na Justiça a prefeitura paulistana por privilegiar o MTST. “Trata-se de privilegiar o absurdo dos absurdos. Aceitar-se o descontrole em nome de política rasa de privilégio a grupos em troca de votos ao invés de respeitar o direito de milhares”, escreveu o promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes na ação civil pública apresentada à Vara da Fazenda Pública da capital. Um dos exemplos do favorecimento foi a liberação de um terreno invadido pelo grupo no Campo Limpo, na Zona Sul, para o MTST por meio do Minha Casa, Minha Vida Entidades – nessa modalidade do programa, o governo federal repassa verbas para movimentos sociais destinadas à construção de moradias e são eles que indicam os beneficiários. Na mesma ação, o promotor afirma que não existe “justiça social” em “atos, ocupações e toda sorte de atividades que geram pontos ou créditos na visão do movimento”.
Na última quarta-feira, ao encerrar uma passeata no Centro, os líderes do MTST reuniram os participantes para entregar uma filipeta indicando o dia em que eles deveriam ir à prefeitura para se cadastrar em programas habitacionais. Questionada pelo site de VEJA, a prefeitura admitiu que fez um acordo com os sem-teto que estavam no acampamento batizado Portal do Povo, na Zona Sul, para cadastrá-los no Minha Casa, Minha Vida, mas afirmou que a fila dos programas habitacionais é respeitada. “Em reunião com o MTST, a Secretaria Municipal de Habitação disponibilizou senhas aos integrantes do movimento para que eles se organizem em diferentes dias e horários para fazer o cadastro nos programas habitacionais. A Sehab busca cadastrar assentamentos que são considerados prioritários, a partir de determinação judicial. São casos de moradores que estão em áreas de risco ou apresentam alta vulnerabilidade social”, disse em nota a Sehab.
Barracos só servem para demarcar território: não mora ninguém ali
Barracos só servem para demarcar território: não mora ninguém ali
“Indústria de ocupações”
O Ministério Público define o MTST como uma “indústria de ocupações urbanas”. Quem adere ao movimento é identificado com um número, o mesmo pintado em sua barraca na data da invasão do terreno. Ao final de cada protesto ou assembleia, formam-se filas divididas conforme os blocos de cada área invadida para o registro de presença em cadernos. Quando o movimento não organiza assembleias nem atos, a lista é passada no final da tarde nos terrenos – nesse horário, as invasões costumam ficar cheias e, ao cair da noite, esvaziam.
As barracas, feitas de madeirite, lona e bambu, são montadas apenas para demarcar território e não para abrigar os sem-teto, já que a maioria paga aluguel ou mora em cômodos de familiares e conhecidos. O movimento proíbe os chamados “gatos” feitos em favelas para ter acesso à rede elétrica.
Uma serventia, ao menos, os barracos têm: viram garagem
Uma serventia, ao menos, os barracos têm: viram garagem
O MTST está estruturado em uma hierarquia piramidal. Segundo a cartilha publicada no site do movimento, os coordenadores das ocupações são subordinados aos coordenadores regionais, que por sua vez respondem aos estaduais. No topo, está o coordenador nacional, Guilherme Boulos. O grupo também conta com um núcleo de comunicação, responsável pela confecção de bandeiras e camisetas e por elaborar os gritos de ordem.
A invasão de imóveis privados é feita por meio de comboios que levam os sem-teto recrutados em outros terrenos invadidos. Com exceção da cúpula do MTST, os sem-teto não são informados previamente do endereço e devem manter os celulares desligados. São convocados pelo menos cem pessoas, incluindo idosos e crianças, para impedir uma ação de reintegração de posse imediata da Polícia Militar. Nos dias seguintes à invasão, militantes distribuem folhetos e carros de som circulam pela região convocando pessoas a aderirem à invasão.
Vista do bairro Nova Palestina: uma invasão sem gente, só com barracos de mentirinha
Vista do bairro Nova Palestina: uma invasão sem gente, só com barracos de mentirinha
Por Reinaldo Azevedo

AÉCIO NEVES DIZ QUE, SE ELEITO, CRIARÁ OS MINISTÉRIOS DA INFRAESTRUTURA E DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA; AS 39 PASTAS ATUAIS SERIAM CONVERTIDAS EM 23

O candidato a presidente da República pelo PSDB, o senador Aécio Neves (MG), anunciou nesta segunda-feira (4) durante entrevista ao vivo ao G1 que, se eleito, criará o Ministério da Infraestrutura e extinguirá o Ministério da Pesca. Segundo ele, a pasta da Infraestrutura reunirá setores como transporte e energia, que atualmente têm ministérios específicos.

Perguntado sobre qual pasta deixaria de existir em eventual governo tucano, ele afirmou: “Daria o exemplo do Ministério da Pesca. Não se justifica de forma nenhuma até porque precisamos fortalecer o Ministério da Agricultura. [...] Em primeira mão, posso dizer que estamos estudando a criação de um forte Ministério da Infraestrutura. Não quero entrar em tantos detalhes. Ele trataria de investimentos em rodovias, ferrovias, energia. Não vou entrar em detalhes, mas fica essa primeira sinalização". 
O Ministério da Infraestrutura existiu durante dois anos do governo Fernando Collor – foi criado em 1990, extinto em 1992 e teve três ministros. Confrontado pelos jornalistas com essa informação, Aécio afirmou: “Não tenho esse governo como parâmetro para o meu governo. O que posso apresentar para o Brasil é a minha história”.
Durante cerca de 45 minutos, o presidenciável tucano respondeu a perguntas de internautas e do portal, em três blocos, conduzidos pelos jornalistas Tonico Ferreira, da TV Globo, e Nathalia Passarinho, do G1. A ordem dos entrevistados foi definida por sorteio na presença de representantes dos partidos de todos os candidatos. A candidata sorteada para o primeiro dia (28 de julho), a presidente Dilma Rousseff, não compareceu por problemas de agenda, segundo a assessoria do Palácio do Planalto. No último dia 31, foi entrevistado o candidato Zé Maria (PSTU). O próximo, na quinta-feira (7), será Mauro Iasi (PCB).
Aécio Neves reafirmou a proposta de redução para quase a metade do número de ministérios, atualmente em 39. Para o tucano, que mencionou estudo da Universidade de Cornell (EUA), “22 ou 23 ministérios” é o número “adequado”.
Segundo ele, o formato final da proposta de diminuição do número de pastas será resultado do trabalho do ex-governador de Minas Gerais Antonio Anastasia e de um grupo de especialistas, que, segundo ele, estão “redesenhando o estado brasileiro”. Aécio afirmou que a criação do Ministério da Infraestrutura permitiria uma “ação estratégica” para o país, que precisa ter “marcos regulatórios claros”. “Precisa ser algo que planeje, tenha interlocução com o setor privado”, completou. De acordo com o presidenciável, o governo e os PT “demonizaram” as parcerias com o setor privado, mas agora “se curvam a elas com atraso enorme”.
Ainda sobre reforma na estrutura ministerial, afirmou que, caso eleito, pretende reestruturar o Ministério da Justiça, transformando a pasta em Ministério da Justiça e Segurança Pública. O tucano disse também defender o fim da reeleição, com a fixação de mandatos de cinco anos. Ele reafirmou ainda a intenção de apresentar logo nos primeiros dias do mandato uma proposta de simplificação do sistema tributário “porque nós precisamos declarar guerra ao custo Brasil”.
Indagado em pergunta de um internauta se seria possível governar sem o apoio de José Sarney, Renan Calheiros e outras lideranças do PMDB – “todos adversários meus nesta campanha” –, atualmente aliados do governo, Aécio Neves respondeu que sim, mas disse que, se “quadros” do partido decidirem apoiar um eventual governo tucano, aceitará.
“Da forma como se estabelecerem as relações políticas, sim [é possível governar sem o PMDB], eu farei isso. Não há mais como manter essa relação mercantilista com o PMDB e outras forças partidárias [...]. Essa talvez seja uma das heranças malditas, perversas, desse governo, que nivelou por baixo as relações politicas”, declarou. (…) Por Reinaldo Azevedo

ATAQUES MATAM UM E FEREM SEIS EM JERUSALÉM

Dois ataques foram registrados em Jerusalém nesta segunda-feira, deixando um israelense morto e seis feridos, no que parece ser uma reação à ofensiva israelense na Faixa de Gaza. Os episódios de violência, descritos pela polícia como atos terroristas, ocorrem após o Hamas acusar Israel de violar uma trégua unilateral de sete horas e levaram ao reforço do policiamento na cidade. Imediatamente após o início do cessar-fogo temporário, um bombardeio sobre um campo de refugiados na Cidade de Gaza matou uma menina de 8 anos e deixou 29 pessoas feridas. Horas depois, Israel retomou a ofensiva contra Gaza, antes do fim do período estabelecido para a trégua humanitária. Enquanto foguetes continuam sendo disparados contra Israel, o Egito pressionou os palestinos para decretarem um cessar-fogo de três dias.

Em um bairro de judeus ultraortodoxos em Jerusalém, um homem dirigindo uma escavadeira atropelou um pedestre e virou um ônibus antes de ser baleado e morto por policiais. O pedestre morreu e mais cinco pessoas ficaram feridas — o motorista do ônibus, três passageiros e um policial. O motorista do trator foi identificado como Mohammed Naif Ja’abis, um árabe por volta dos 20 anos, morador de Jerusalém Oriental. Ja’abis deixou a área de construção, andou cerca de 50 metros e atingiu o israelense e o ônibus.
Militantes palestinos realizaram investidas semelhantes no passado usando veículos de construção civil. Mas embora a polícia afirme que ele já tivesse se envolvido em um problema de segurança anteriormente, a família negou que ele fosse um terrorista e considerou o episódio um acidente.
Algumas horas depois, perto da Universidade Hebraica de Jerusalém, um atirador abriu fogo ferindo um soldado gravemente no estômago. As forças de segurança realizam uma caçada na tentativa de deter o agressor, que fugiu em uma moto. “Suspeitamos que este foi um ataque terrorista”, disse Yossi Parienti, chefe de polícia de Jerusalém, ao Canal Dois. O caso levou a um reforço do policiamento em Jerusalém, com agentes de outras cidades sendo enviados para o local. A segurança será aumentada em bairros árabes e judeus onde possam ocorrer atritos. As autoridades alertaram para os moradores tomarem cuidado.
A área do porto de Tel Aviv também teve a segurança reforçada, após um homem ameaçar por telefone explodir uma bomba. O interlocutor, que não se identificou, afirmou que estava prestes a realizar um atentado, mas teria decidido recuar e voltar para sua casa, em Hebron.