segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Livros de escolas islâmicas britânicas têm conteúdo antissemita

Escolas frequentadas por crianças da comunidade saudita no Reino Unido estão usando livros escolares com conteúdo antissemita e homofóbico. Um dos livros, direcionado a crianças com 12 e 13 anos de idade, diz que judeus se parecem com porcos e pede às crianças que façam uma lista com as más qualidades dos judeus. O livro também traz ensinamentos islâmicos segundo os quais a homossexualidade seria um crime a ser punido com a morte. As publicações foram produzidas pelo Ministério da Educação da Arábia Saudita. O governo britânico disse que não vai tolerar que crianças muçulmanas na Grã-Bretanha recebam ensinamentos com conteúdo antissemita e homofóbico. Uma rede com cerca de 40 escolas frequentadas por em torno de 5.000 crianças muçulmanas nos fins de semana usa esses livros. As instituições, em funcionamento no Reino Unido há cerca de 30 anos, se propõem a ensinar o currículo oficial adotado em escolas da Arábia Saudita. Muitos dos alunos esperam um dia serem aceitos em universidades do país árabe. Uma das lições ensina às crianças a forma correta de se cortar as mãos e os pés de ladrões: uma mão para a primeira infração, um pé para a segunda. Outra pede a alunos que enumerem as más qualidades dos judeus e diz que os sionistas estão fazendo um complô para conquistar o mundo. Os alunos também são ensinados que a punição para o crime de sodomia é a morte. O livro explica que nesse campo há opiniões divergentes sobre a forma da punição: apedrejamento, atirando o infrator do topo de um penhasco ou queimando-o em uma fogueira. Um outro livro, direcionado a crianças mais novas, pergunta o que acontece a alguém que morre mas não é um seguidor do Islã. A resposta, segundo o livro, é "o fogo do inferno".

Quércia está internado após sexto ciclo de quimioterapia

O ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia (PMDB), foi internado na última quinta-feira no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para seu sexto ciclo de quimioterapia. A ida de Quércia ao hospital tem sido rotineira, para continuar o tratamento contra um câncer na próstata, recidiva de um tumor que ele já combateu há mais de 10 anos. Durante o período eleitoral, Quércia passou 36 dias internado. Teve alta no dia 6 de outubro, um mês após renunciar à candidatura para senador. Desde então, ele passou por seis ciclos de quimioterapia. Outra possibilidade é estender a internação para fazer a sétima sessão de quimioterapia. Ao desistir de concorrer a senador, Quércia beneficiou Aloysio Nunes Ferreira, tucano que começou mal nas pesquisas e acabou sendo eleito para a segunda vaga paulista. Com o peemedebista fora da disputa, Aloysio viu seu espaço na TV crescer para 5min29s, disparado o maior entre os candidatos. Logo após a desistência, Quércia pediu votos ao tucano. Sua filha Andreia apareceu diversas vezes no horário eleitoral para declarar apoio da família ao aliado.

MPX, de Eike, compra projeto de termelétrica de Seival por R$ 37 milhões

A MPX, braço de energia do grupo EBX do empresário Eike Batista, informou na segunda-feira que comprou da Tractebel Energia o projeto da usina termelétrica de Seival por R$ 37 milhões. Em comunicado enviado ao mercado, a MPX disse que o projeto da usina possui licença de instalação de 600 megawatts a carvão mineral no município de Candiota, no Rio Grande do Sul. Segundo a empresa, R$ 24 milhões foram pagos antecipadamente e R$ 13 milhões serão desembolsados após a efetiva transferência das ações. "A MPX fortalece sua posição no sul do País, uma região que tipicamente necessita importar energia para atender à sua demanda e tem reduzido potencial hidrelétrico adicional", disse o presidente-executivo da MPX, Eduardo Karrer, em nota.

Polícia Federal e Força Nacional prendem acusados de extrair madeira de reserva indígena no Mato Grosso

Uma operação conjunta da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança prendeu em flagrante seis pessoas que extraíam madeira de uma reserva indígena em Brasnorte (na região oeste de Mato Grosso, a 562 quilômetros de Cuiabá). Denominada Fazenda Brasil 2, a operação foi realizada entre os dias 18 e 19 na terra indígena Irantxe, que abriga as etnias irantxe e manoki, e apreendeu quatro tratores, seis motosserras, um caminhão, uma espingarda e seis motocicletas. A Polícia Federal disse que representantes da Funai e líderes das duas etnias colaboraram com a operação. Homologada em 1990, a área tem 45 mil hectares e é considerada uma das mais preservadas do Estado.

Oito índios são presos pela Polícia Federal no interior do Maranhão

A Polícia Federal do Maranhão prendeu oito índios da etnia guajajara nesta segunda-feira para cumprir mandados de prisão emitidos pela Justiça há mais de um ano. Os crimes são distintos e envolvem casos como estupro, homicídio e tráfico de drogas, em algumas das aldeias situadas nas cidades de Grajaú (a 572 quilômetros de São Luís) e Barra do Corda (a 456 quilômetros). O delegado que coordenou a operação, Luís André Almeida, disse que alguns dos presos estavam envolvidos na agressão a um delegado da Polícia Civil, que tentou passar por uma barreira na BR-226, foi atingido por cinco tiros e teve o dedo anelar decepado no dia 7. A ação, batizada de Barra Limpa, tinha 36 mandados de prisão. Os oito presos foram levados a São Luís.

Pesquisa revela que 49% dos americanos não quer reeleição de Obama

Uma pesquisa da Universidade Quinnipiac revelou que 49% dos eleitores americanos considera que o presidente Barack Obama não merece um segundo mandato. "Apenas 39% dos homens, 34% dos brancos, 35% dos independentes e 38% dos maiores de 35 anos considera que Obama merece" ser reeleito, destacou Peter Brown, do instituto de pesquisas da universidade, ao divulgar nesta segunda-feira os resultados. No entanto, segundo os resultados, a ex-governadora do Alasca, Sarah Palin, perderia para Barack Obama se as eleições presidenciais fossem hoje. De acordo com a pesquisa, Obama teria oito pontos de vantagem sobre a ex-governadora (48% contra 40%), uma margem que ela tem dois anos para reverter se lançar-se candidata para as eleições de 2012. "Praticamente todos os eleitores têm uma opinião formada sobre (Sarah) Palin, ao contrário do que ocorre com outros possíveis adversários, mas essa opinião não encoraja sua candidatura" às eleições, destacou Brown. Entre os democratas consultados, 64% prefere que seu partido não apresente outro candidato que desafie Obama nas eleições presidenciais.

Henrique Meirelles usa tom de despedida e faz autoelogio de sua gestão no Banco Central

Em tom de despedida, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que está "gratificado" com seu trabalho no governo Lula e elogiou o próprio desempenho no cargo. Ele evitou comentar a pressão contra sua permanência e disse que anunciará "na hora certa" seu destino após a posse da presidente eleita, Dilma Rousseff. "Muitos me perguntam o que espero do futuro, da vida pública. Espero terminar este mandato com o presidente Lula concluindo o trabalho de presidente do Banco Central, que é zelar pela estabilidade macroeconômica do País e prover as condições básicas para o crescimento". Em um recado à equipe de transição, Henrique Meirelles elogiou o regime de metas de inflação, que é criticado por aliados próximos de Dilma, e disse que a estabilidade permitiu a recuperação da economia após a crise mundial: "É um momento de gratificação para todos nós, um momento de celebração da economia brasileira". A empresários ele disse que a economia precisa de "previsibilidade" para continuar a crescer de forma sustentada. Henrique Meirelles fez as declarações ao receber prêmio do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento, em São Paulo.

BNDES diz que Brasil precisa crescer mais com crédito privado

O Brasil precisa elevar sua taxa de investimento para garantir um crescimento anual sustentado acima de 5% e o governo prepara medidas para que o setor privado tenha uma participação maior no financiamento de longo prazo já a partir de 2011, disse nesta segunda-feira o presidente do BNDES, economista petista Luciano Coutinho. Segundo ele, a taxa que hoje gira em torno de 19% do PIB (Produto Interno Bruto), precisa subir para algo em torno de 23% a 24%, sem que o BNDES amplie sua participação nos empréstimos. "Nossa expectativa é que todo incremento possa ser financiado pelo setor privado", afirmou ele, acrescentando que o banco está pronto para anunciar medidas nesse sentido. Coutinho disse que o BNDES é hoje o "único financiador de longo prazo", mas mudanças sobre impostos e depósitos compulsórios podem ajudar a criar as condições para que o setor privado aumente seus financiamentos. Poderiam ser concedidos benefícios fiscais para o investidor que o incentivassem a procurar aplicações de prazos mais longos, em detrimento dos papéis vinculados à Selic. Desde 2009, o governo já repassou cerca de R$ 200 bilhões em empréstimos ao BNDES para aumentar a capacidade do banco de conceder financiamentos. Os investimentos de longo prazo no País mapeados pelo BNDES consumiram cerca de R$ 1 trilhão no período 2006-09, disse ele, e esta conta deve subir para cerca de R$ 1,6 trilhão entre 2011 e 2014. Os desembolsos do BNDES, contudo, devem parar de crescer. Para 2011, a estimativa do petista Luciano Coutinho é de que o banco ofereça um volume de financiamento similar ao deste ano, de cerca de R$ 146 bilhões.

Bispo que nega o Holocausto será defendido por advogado ligado a neonazistas

O bispo Richard Williamson, condenado por "incitação ao ódio racial" por negar a morte dos judeus no Holocausto, será defendido em umanuma corte de apelação por advogado ligado a grupos neonazistas, informou nesta segunda-feira o tribunal de Regensburgo, no sul da Alemanha. A organização católica integrista Fraternidade São Pio 10, do qual Williamson é membro, ameaçou exclui-lo se não renunciar aos serviços do advogado nazista Wolfram Nahrath. A justiça de Regensburgo confirmou que Nahrath defenderá o bispo na próxima segunda-feira. Se mudar de advogado, o processo poderá ser adiado para fevereiro ou março de 2011, disse um porta-voz do tribunal. Nahrath é membro do partido de extrema-direita NPD. Fez parte de associações como Heimattreue Deutsche Jugend (a juventude patriótica alemã), proibida em março de 2009. A Fraternidade manifestou descontentamento com o bispo em comunicado publicado no site de sua seção alemã. O superior general Bernard Fellay "pediu com insistência" ao bispo Williamson que não mantivesse "um advogado com um tal passado", para não "se deixar instrumentalizar por teses políticas". Caso contrário, "se exporá à exclusão da Fraternidade de São Pio 10". Nos anos 80, Williamson foi excomungado junto a outros três bispos da fraternidade, por terem sido ordenados sem a permissão do papa João Paulo 2º. Em janeiro de 2009, o papa alemão Bento 16 (ex-membro da Juventude Nazista e do exército nazista) suspendeu as excomunhões para acabar com o cisma dos tradicionalistas, que não aceitam as reformas eclesiásticas do Concílio Vaticano 2º, dando origem a uma polêmica. Depois de anunciado o perdão papal, foi ao ar uma entrevista em que Williamson negou a extensão do Holocausto. Williamson disse acreditar que não existiram câmaras de gás e que não mais do que 300 mil judeus pereceram em campos de concentração nazistas, em vez do total de 6 milhões afirmado pelos historiadores. Em meio a uma forte reação internacional, o papa exigiu que Williamson se retratasse, dizendo que negar o Holocausto é "totalmente inaceitável". Em março de 2009, após ser expulso da Argentina, Williamson pediu perdão pelas declarações sobre o Holocausto, mas não rejeitou o que dissera. Nem o Vaticano, nem grupos judaicos, aceitaram o pedido.

Justiça Federal reduz penas de condenados na primeira Operação Portocred

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal no Rio Grande do Sul, composta pelo juiz federal Sebastião Ogê Muniz, que funcionou como relator, e pelos desembargadores federais Luiz Fernando Wowk Penteado (presidente), Paulo Afonso Brum Vaz e Victor Luiz dos Santos Laus, no julgamento de apelação criminal no processo nº 2001.71.00.032678-9/RS, que trata de crimes financeiros cometidos por pessoas vinculadas à Portocred, aceitou os pedidos de redução de penas de réus na ação. Diz o acórdão: “Certifico que o(a) 8ª Turma, ao apreciar os autos do processo em epígrafe, em sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão: Prosseguindo o julgamento, após o voto-vista do desembargador federal Paulo Afonso Brum Vaz, a Turma, por unanimidade, decidiu negar provimento à apelação do Ministério Público Federal; dar parcial provimento às apelações de José Alexandre Guilardi de Freitas, João Batista Urrutia Jung, Leo Ismar Lewgoy, Julio Cesar Carvalho da Fonseca e Luiz Carlos Fagundes Junior, reduzindo as penas que lhes foram aplicadas, relativas aos delitos capitulados nos artigos 288 do Código Penal, 16 da Lei nº 7.492/86 e 1º, VI, da Lei nº 9.613/98, e, de ofício, pronunciar a prescrição da pretensão punitiva, com base nas penas concretamente aplicadas, em relação aos delitos capitulados no artigo 288 do Código Penal e no artigo 16 da Lei nº 7.492/86, nos termos do voto do Relator. Há um segundo processo envolvendo personagens ligados à Portocred, que foi ajuizado em 2007 e ainda tramita na Justiça Federal de primeiro grau em Porto Alegre. 

Justiça federal condena empresária socialite Tânia Bulhões por crime contra sistema financeiro

O juiz federal Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, condenou nesta segunda-feira a empresária socialite Tânia Bulhões Grendene Bartelle a quatro anos de reclusão, convertidos em duas penas restritivas de direito, mais pagamento de multa, pelos crimes de falsidade ideológica, descaminho, formação de quadrilha e crimes contra o sistema financeiro nacional. Pela sentença ela está proibida de viajar ao Exterior, por mais de dez dias, sem autorização judicial, decisão que vale por quatro anos, e terá que prestar serviço à comunidade junto à entidade Fundação Dorina Nowill para cegos. Tânia Bulhões confessou à justiça fraudes na importação de artigos de luxo. Ela optou pelo acordo de delação premiada, em que o acusado fornece informações sobre o esquema de fraude em troca de redução de pena. Ela admitiu que, em 2004, resolveu expandir seus negócios, como ocorreu com a Daslu, para que fosse montado um esquema de importação de artigos de luxo que permitisse a redução de impostos. Em sua delação premiada a empresária socialite deu informações sobre a participação de outros acusados e afirmou que seus sócios, a irmã Kátia Bulhões e Ivan Ferreira Filho, acusados de participação no caso pelo Ministério Público Federal, junto com Tânia e outras dez pessoas, são inocentes.

PT, PMDB e PSDB teriam bancada maior se não fizessem coligações

Se os três maiores partidos brasileiros não tivessem se coligado a nenhum outro na eleição deste ano para obter vagas na Câmara dos Deputados, suas bancadas somadas chegariam a 282 cadeiras. Como se coligaram, PT, PMDB e PSDB conquistaram juntos apenas 220 deputados para a legislatura que começa em 2011. A diferença de 62 deputados (12% da Câmara) se dividiu entre partidos pequenos. Seis dessas agremiações só têm deputados eleitos por causa dessa "sobra" de cadeiras das siglas maiores. O sistema de coligação livre em eleições proporcionais no Brasil (Câmara, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais) permite aos partidos se aliarem para que os votos sejam divididos entre todos os candidatos de uma mesma aliança. Trata-se de uma troca. Os partidos grandes se juntam aos pequenos para aumentar seus tempos de TV e rádio na propaganda gratuita (o PT fez isso para dar mais exposição à candidatura presidencial de Dilma Rousseff). Já as agremiações menores têm a vantagem de eleger um número maior de deputados com base na votação das siglas mais tradicionais.

Controladoria-Geral da União investiga convênio espacial brasileiro

A Controladoria-Geral da União investiga irregularidades em um convênio entre a AEB (Agência Espacial Brasileira) e um instituto em Manaus. A parceria envolve consultoria beneficiando a empresa montada por Brasil e Ucrânia para lançar satélites da base de Alcântara (MA). O convênio foi cancelado pelo presidente da AEB, Carlos Ganem, na mesma semana em que ele soube que o contrato estava sendo investigado pela empresa. Mas a AEB já repassou R$ 6,6 milhões, de um total previsto de R$ 40,7 milhões, ao Isae (Instituto Superior de Administração e Economia da Amazônia). Ligado à Fundação Getúlio Vargas, o órgão deveria produzir estudos sobre o "desenvolvimento e acompanhamento do modelo de gestão para a complementação da infraestrutura do complexo espacial de Alcântara". O complexo consiste na base do foguete ucraniano Cyclone-4 dentro do Centro de Lançamentos de Alcântara, o CLA, da Aeronáutica. O centro seria gerido pela Alcântara Cyclone Space, empresa binacional cujo diretor brasileiro é Roberto Amaral, vice-presidente do PSB. O partido controla o Ministério da Ciência e Tecnologia, ao qual a AEB é ligada. O convênio foi firmado em 22 de dezembro de 2008. O dinheiro foi empenhado e liquidado no mesmo dia, algo pouco comum para esse tipo de dispêndio. Três dias antes, porém, o procurador da AEB, Ivan de Almeida Ferreira Júnior, enviara a Ganem um parecer apontando problemas. No texto, o procurador afirma que não havia sequer um projeto básico para os estudos e estranha o valor do serviço, sugerindo mais pesquisas de preço. Para custar esse valor, os estudos demandariam quase 20 anos de trabalho de um consultor, a US$ 500,00 por hora, e trabalhando 12 horas ao dia. Ganem, contudo, formalizou o convênio e designou uma comissão para acompanhá-lo. A comissão apontou irregularidades, mas os desembolsos (mais três) continuaram acontecendo. Em 16 de setembro de 2010, o presidente da AEB prorrogou o convênio, para cancelá-lo em 12 de novembro. Desde que foi constituído, em 2006, o programa Cyclone-4 já teve uma licitação cancelada e uma escalada de custos. O lançamento inaugural, que ocorreria neste ano, só deve acontecer em 2012. O projeto custará quase R$ 1 bilhão ao Brasil, dez vezes mais do que o previsto inicialmente. O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, diz que o gasto vale a pena, já que é estratégico ter um foguete próprio para lançamento de satélites. Mas especialistas dizem que o Brasil está subsidiando o programa espacial da Ucrânia.

Filiais brasileiras no Exterior enviam volume recorde de remessas para o País

O caixa das empresas brasileiras tem sido reforçado por um fluxo recorde de remessas de dinheiro de suas filiais no Exterior para o País, o que vem contribuindo para manter o real valorizado. Essa tendência é nova e tem sido impulsionada por dois movimentos distintos. Desde 2009, as subsidiárias de empresas brasileiras no Exterior vêm aproveitando para quitar dívidas contraídas no passado com suas matrizes. Mas as filiais têm ido além de pagar o que devem. Há cerca de três anos, iniciaram um movimento até então incomum no mundo dos negócios globais e vêm fornecendo empréstimos às suas próprias matrizes no País. Somados todos os fluxos financeiros de matrizes para filiais e vice-versa, entre janeiro e setembro deste ano, restou um saldo positivo de US$ 11,4 bilhões para o Brasil.

Embrar entrega primeiro jatinho Legacy 650

A Embraer entregou na última sexta-feira o primeiro jato executivo Legacy 650, da categoria large, para a Amsair Aircraft Limited, de propriedade do Lord Alan Sugar. A aeronave certificada recentemente terá como base o Aeroporto London Stansted, no Reino Unido, e será operada pela Titan Airways Executive, uma empresa de fretamento VIP, e os serviços de suporte e manutenção serão realizados pela Inflite, um centro autorizado de serviços da Embraer no Reino Unido. “É com muita alegria que entregamos o primeiro Legacy 650 à Amsair Aircraft Limited”, disse o diretor de Marketing e Vendas da Embraer para a Europa, África e Oriente Médio – Aviação Executiva, Colin Steven. “Os clientes da Titan Airways apreciarão a combinação única de desempenho e conforto da aeronave com o alcance de 3.900 milhas náuticas e três ambientes distintos de cabine, característica única nesta categoria de jatos executivos". Lançado há um ano, na NBAA 2009, o Legacy 650 pode voar até 7.223 km (3.900 milhas náuticas), sem escalas, com quatro passageiros, ou 7.112 quilômetros (3.840 milhas náuticas) com oito passageiros.

Fraldas descartáveis representam 5% de todo o lixo urbano em Portugal

As fraldas descartáveis representam cinco por cento de todo o lixo urbano que é produzido em Portugal, segundo dados revelados nesta segunda-feira na apresentação de um projeto que promove o uso de fraldas reutilizáveis. Segundo Rui Berkemeier, especialista em resíduos da associação ambientalista Quercus, um bebê produz entre 800 quilos a uma tonelada de fraldas durante a sua vida. “Normalmente vão para incineração e, sobretudo, para aterros. O balanço ambiental entre fraldas descartáveis e reutilizáveis é claramente favorável às reutilizáveis. Além disso é uma solução que permite poupar a longo prazo muito dinheiro”, afirmou. No entanto, inicialmente a opção pelas fraldas reutilizáveis exige dos pais um investimento grande: 24 fraldas podem custar 280 euros. Representantes de marcas destas fraldas garantem que elas são suficientes para todo o tempo que o bebê precisa delas e, além disso, compensa. Estima-se uma poupança de 1900 euros para casais com um filho e de 3400 euros para casais que venham a ter dois filhos. “Com este sistema, os pais poupam e o ambiente ganha”, resumiu a ministra portuguesa do Ambiente, Dulce Pássaro, que se juntou à iniciativa, entregando um kit de fraldas a uma jovem mãe na Maternidade Alfredo da Costa. Esta semana, em que se comemora a prevenção de resíduos, os bebês nascidos em 24 hospitais e maternidades portuguesas vão receber um kit de fraldas reutilizáveis, para que os pais experimentem esta solução. Também a ministra do Ambiente reconhece que as fraldas reutilizáveis representam um investimento inicial pesado para os pais, mas acredita que o mercado se organizará para vir a oferecer soluções menos caras. Do ponto de vista ambiental, Dulce Pássaro sublinha que cerca de cinco por cento dos resíduos urbanos são fraldas: “Vamos poupar uma quantidade significativa de resíduos com os quais não vamos gastar dinheiro no tratamento”. Só no sistema de tratamento da Valrosul são recebidas 3,5 toneladas de resíduos de fraldas por hora. A empresa estima que a opção pelas reutilizáveis preveniria a produção de uma tonelada por bebê. “A Valosul recebe 100 toneladas de fraldas por dia. Se imaginarmos um campo de futebol que vamos enchendo com fraldas, no final de um ano teríamos o equivalente a 15 metros, ou um prédio de cinco andares”, comparou o presidente do conselho de administração da empresa, João Figueiredo. As fraldas reutilizáveis, feitas em algodão, bambu ou outros produtos naturais, podem ser lavadas na máquina juntamente com a roupa, mesmo a 40 graus, e suportam cerca de 800 lavagens, segundo os fabricantes.

César Maia prevê crise grande e comenta saída de Henrique Meirelles do Banco Central

1. Com a experiência acumulada de Henrique Meirelles no setor privado, onde aprende disciplina, em sua candidatura vitoriosa a deputado federal pelo PSDB de Goiás em 2002 e nesses oito anos de governo Lula, onde adquiriu até status de ministro, não se concebe uma atitude juvenil como essa, criando constrangimento à presidente pelos jornais. "Só fico com autonomia", disse. Então por que vazou para a imprensa essa "exigência"? 2. Elementar a dedução. 2011 será um ano difícil. A inflação pelo IPCA aponta para 7% a 8%. Pelo IGP-FGV já passou disso, e com todo o câmbio valorizado, o que não é comum. A taxa de juros terá que subir. O crescimento do PIB vai cair para 3%, ou menos. Um juro maior atrai capital de curto prazo. O câmbio é pressionado para ficar como está. Mas a balança comercial - especialmente para o setor industrial - não resiste mais a esse câmbio. O déficit em conta corrente vai para pelo menos para 60 bilhões de dólares. Mas desvalorizar o real por intervenção empurra ainda mais a inflação para cima e afeta a expectativa do mercado no novo governo. Ou seja: se ficar o bicho pega; se correr o bicho come. 3. Meirelles quer continuar com sua imagem pessoal sem mácula e forçou sua saída para que não tenha que enfrentar 2011 como presidente do Banco Central e ser cogestor de um ano de recessão, inflação alta, juro crescente, problemas cambiais e na conta corrente do balanço de pagamentos. E assim, promoveu um golpe esperto: criou um incidente e sai sem pedir, mas por decisão do novo governo. Esse jogo só agrava a expectativa que se tem sobre 2011. Sinal mais claro não poderia ocorrer.

Decepcionados com Brasil, dekasseguis retornam ao Japão

Depois de morar por quatro anos no Japão, a jornalista Thassia Ohphata, de 27 anos, resolveu voltar para Suzano (SP), em junho de 2009. Animada com o que ouvia dos familiares e amigos sobre o país natal, ela esperava dar um salto na qualidade de vida. "Mas não foi nada disso que encontrei", lamenta. Thassia está entre muitos dekasseguis que viveram no Japão e haviam decidido voltar ao Brasil por causa da crise, mas acabaram decepcionados com o mercado de trabalho e do suposto bom momento que vive a economia do País.  Apesar da qualificação profissional, Thassia encontrou, no Brasil, uma situação difícil: tinha de fazer jornada dupla para garantir um bom salário no fim do mês. Após seis meses, recebeu uma proposta para voltar ao Japão. Não pensou muito. Fez as malas e, em menos de um mês, já estava trabalhando numa revista voltada à comunidade brasileira no Japão. "Fiquei desanimada com o mercado de trabalho no Brasil. Se tivesse um bom emprego, não teria deixado o país; mas o fato é que a bondade da economia brasileira não chega a todos", diz. Segundo dados do Ministério da Justiça do Japão, entre janeiro de 2008 e junho de 2009, no auge da recessão econômica, 87.574 brasileiros entraram no país. Apesar de o saldo ser negativo (142.238 brasileiros voltaram ao país natal no mesmo período), o número é significativo, e bate com a média deste ano - em 2010, 5 mil brasileiros têm entrado no arquipélago por mês. "O Japão ainda está em crise, mas emprego não falta", afirma Ricardo Minoru Koike, presidente de uma empresa de recrutamento. Ele explica que as fábricas, desde 2008, não estão mais contratando funcionários fixos, mas sempre precisam de trabalhadores temporários conforme a produção aumenta. "Recebemos um pedido esta semana de uma fábrica de pães que precisa urgente de 30 pessoas para a semana que vem. Não temos como atender, pois falta mão de obra", conta. Koike diz que, hoje, todos os setores - como alimentação, autopeças e eletrônicos - têm vagas de trabalho. "Muitos dos nossos funcionários voltaram ao Brasil, mas não deram certo e tiveram de regressar ao Japão", conta.

Comissão Eleitoral denuncia golpismo nas eleições do DCE da Ufrgs e pede ajuda do MPF

A Comissão Eleitoral que administra as eleições para o DCE/UFRGS pediu a intervenção nesta segunda-feira do Ministério Públco Federal para cancelar o pleito em todo o Estado. A comissão alega que a reitoria da Ufrgs implementou total desordem às eleições, já que marginalizou-a totalmente do processo. Os estudantes não sabem onde se localizam as urnas e nem conhecem os mesários escolhidos. Quatro chapas disputam os cargos, sendo uma do PT, outra do PSOL e duas independentes. A reitoria faz o jogo do PT e do PSOL. A reitoria tem alma petista e corpo petista. O presidente da comissão eleitoral, o estudante Adrio Dias (fone 91447070), confirmou coletiva para esta tarde, mas defende legalidade e transparência para as eleições marcadas para hoje, amanhã e quarta-feira. "Conclamamos a sociedade civil para que repudie o golpe", conclamou Adrio Dias.

PMDB gaúcho quer profissionalizar quadros dirigentes

O PMDB do Rio Grande do Sul quer profissionalizar alguns dos seus quadros dirigentes a partir da eleição do novo presidente, no dia 16 de dezembro. Isto começará pelo presidente José Fogaça, se ele for eleito. Se isto acontecer, o PMDB estará adotando prática que foi comum nas organizações comunistas, cujos dirigentes viviam na clandestinidade e precisavam ser pagos pelo partido. Resta sabe se o PMDB gaúcho já se considera um partido clandestino. No Rio de Janeiro, o DEM também já adotou a prática e paga salário mensal para o ex-prefeito Cesar Maia. A decisão de DEM e PMDB, na realidade, está mais parecendo medida para dar salário a político desempregado pelos eleitores.

Paulinho e Força Sindical são condenados a pagar R$ 706,5 mil; em 2014, patriota é inelegível

A Justiça Federal condenou o sindicalista e deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, e a Força Sindical, presidida pelo próprio deputado federal, a ressarcir R$ 235,5 mil aos cofres públicos, além de arcar com multa de R$ 471 mil. O valor total da condenação é de R$ 706,5 mil. A 25ª Vara Federal Cível julgou parcialmente procedente ação movida pelo Ministério Público Federal em São Paulo por irregularidades cometidas por Paulinho da Força e pela central na gestão de R$ 40 milhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para a execução do Plano Nacional de Qualificação do Trabalhador (Planfor), no ano de 2001. O Tribunal Regional Federal manteve a condenação do deputado federal em segunda instância. Foi determinado, também, que tanto o sindicalista quanto a Força Sindical sejam proibidos de contratar com o Poder Público ou que recebam incentivos ou benefícios fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, por um período de cinco anos. Segundo a Procuradoria da República, as irregularidades cometidas envolvem a contratação de escolas e cursos sem licitação, pagamentos antecipados, ausência de relatórios de fiscalização de execução dos contratos e utilização dos recursos do FAT de modo diferente do previsto na legislação. A ação civil foi proposta pelo Ministério Público Federal em 2003, apontando a contratação do Instituto Paulista de Ensino e Cultura (Ipec), pela Força Sindical, por R$ 20,3 milhões, sem licitação. Além disso, o Ministério Público Federal detectou outras irregularidades, como listagens com inscrições simultâneas de um mesmo CPF em cursos realizados em Estados diferentes e na prestação de contas. Se a Justiça tivesse agido com um pouquinho mais de rapidez, esse probo cidadão já teria ficado impedido de concorrer na última eleição. Mas, não poderá concorrer em 2014.

Projeto quer suspender dívida de mutuário desempregado

Um projeto de lei do governador eleito em Santa Catarina, Raimundo Colombo (DEM), em trâmitação no Senado Federal, quer suspender o pagamento das prestações de financiamentos imobiliários pela Caixa Econômica Federal nos casos em que o mutuário fica desempregado. Para Colombo, não faz sentido o Estado pagar um seguro-desemprego e, ao mesmo tempo, cobrar prestações financiadas pelo próprio governo. Não há previsão para a aprovação do projeto de lei. Para financiamentos pelo programa Minha Casa, Minha Vida, o Fundo Garantidor já permite que o contratante que perde o emprego deixe de pagar e refinancie a dívida ao fim do contrato. Hoje, fora do programa, o mutuário que deixa de pagar por mais de dois meses pode perder o imóvel. Nesse caso, uma opção é refinanciá-lo -rever o valor da dívida ou o prazo para saldá-la.

Ditador Chavez acusa Estados Unidos de quererem extradição de traficante para atacar seu governo

O ditador venezuelano, Hugo Chávez, afirmou neste domingo que o governo dos Estados Unidos pediu a extradição do traficante venezuelano Walid Makled, detido na Colômbia e também solicitado por Caracas, para atacar seu governo e a "revolução bolivariana". "O império pretende que Makled seja extraditado aos Estados Unidos", escreveu o ditador da Venezuela em seu artigo dominical "Las Líneas de Chávez". "Washington quer usá-lo para que vomite todo tipo de acusações contra a Revolução Bolivariana, contra sua liderança política e militar, e assim incluir a Venezuela na lista negra de países que apóiam o narcotráfico", completou Chávez. "A canalha midiática, nacional e internacional, vem posicionando a imagem da Venezuela como um Estado delinquente, obedecendo à estratégia imperial de criar as condições para uma intervenção militar", afirma ainda. Segundo Chávez, o objetivo é levá-lo à Corte Penal Internacional. "Fracassarão, não vão poder reeditar o trágico cenário do Panamá em 1989", disse Chávez em referência à invasão americana a este país. Esta semana, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, afirmou que deu a palavra a Chávez sobre a extradição a Caracas de Mackled, que é acusado na Venezuela de homicídio, narcotráfico e lavagem de dinheiro. Makled, detido em agosto na Colômbia, já citou a proteção militar da qual teria desfrutado na Venezuela e o pagamento de subornos milionários a altos funcionários do governo. As acusações foram negadas pelo governo Chávez, mas Makled deu a entender que possui provas.

Chávez declara-se novamente candidato a presidente

O ditador da Venezuela, Hugo Chávez, declarou-se novamente candidato para as eleições presidenciais de 2012, garantindo que "não há marcha ré" no processo que lidera há quase doze anos e reiterando que não fará nenhum pacto com opositores. "As eleições de dezembro de 2012 estão logo ali e pode-se dizer que a campanha já começou. Vocês sabem que se Deus me der vida e saúde, serei candidato presidencial", afirmou Chávez diante de centenas de estudantes reunidos neste domingo em um evento oficial. "E vocês decidirão se este soldado seguirá à frente da revolução ou permitirão que a burguesia entre para arruinar com os sonhos de um povo", continuou o presidente, no poder desde 1999. "Eu conto com vocês e estou certo de que faremos uma grande batalha e teremos uma grande vitória nas eleições de 2012", insistiu, advertindo que a "burguesia seguirá acariciando a idéia de desestabilizar o país".

Brasil tem 63 mil inquéritos sem conclusão há mais de 2 anos

Existem hoje no Brasil pelo menos 63.106 inquéritos relativos a homicídios instaurados antes de 31 de dezembro de 2007 e ainda sem conclusão. É o que diz um levantamento feito pelo Ministério Público e coordenado pelo Conselho Nacional do Ministério Público, que utilizou dados de 20 Estados. A meta da Enasp (Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública) é concluir esses inquéritos até julho de 2011. Os números do levantamento são parciais e podem mudar, pois o Ministério Público ainda não concluiu a coleta de informações. Há dificuldades na apuração dos dados, principalmente no interior, por conta da falta de informatização, de acordo com o Conselho Nacional do Ministério Público. O levantamento ainda aguarda dados sobre os seguintes Estados: Amapá, Amazonas, Distrito Federal, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Sergipe.

Instituto Lula planeja buscar verba no Exterior

Após deixar o poder, o presidente Lula planeja pedir recursos a organismos internacionais, como o Banco Mundial, para financiar ações de seu futuro instituto na África e na América Latina. Ele deseja envolver a ONG em grandes projetos de infraestrutura, que dependerão de ajuda externa para sair do papel. A idéia é fomentar o desenvolvimento de países pobres em setores como transporte e energia. O presidente tem dito a auxiliares que o Instituto Lula não se limitará a coordenar estudos e formular políticas públicas, como se discutiu inicialmente. Ou seja, o que Lula quer mesmo é fazer grandes negócios. Como seu partido e sua sucessora, criada por ele, estarão no poder no Brasil, isso será um poderoso reforço na busca de recursos para a ong lulista. Isso significa que a entidade terá pouco a ver com o antigo Instituto Cidadania, que ele comandou antes de assumir o governo. "Lula pegou gosto pelo papel de empreendedor e vai usar o instituto para dar continuidade a isso. Ele quer acompanhar obras, aproximar os governos do setor privado", conta um ministro que acompanha os debates. Na lata: se alguém tinha dúvidas sobre a solidariedade de trabalhador de Lula, pode tirar o cavalinho da chuva, o negócio dele é fazer negócios. No front interno, emissários de Lula já conversam com empreiteiras em busca de doações para erguer a sede da ONG, em São Paulo. Parte dessas empresas pode se beneficiar dos projetos no Exterior. Apontado como responsável por captar dinheiro, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, disse que a entidade ainda "não está formalmente constituída nem tem sede alugada". Segundo aliados, Lula já descartou a primeira opção de sede que lhe foi oferecida, um prédio próximo ao Ibirapuera, e busca em sigilo um terreno para construir.

Embraer entrega primeiro jato Phenom 100 na Índia

A Embraer informou na semana passada que entregou o primeiro jato Phenom 100, da categoria "entry level", para um cliente na Índia, a Invision Air Services Pvt. Ltd., empresa de fretamento de vôos sob demanda com sede em Mumbai. O avião é o primeiro de 18 Phenom 100 encomendados pela Invision Air há três anos, junto com outros dois jatos Phenom 300. Para apoiar as operações dos jatos Phenom que entram em serviço na Índia, a Embraer conta com a Indamer Co, com sede em Mumbai, um centro de serviços autorizado no país, que fornecerá manutenção, reparos e serviços gerais para estas aeronaves, além do Legacy 600. O Phenom 100 tem capacidade para até oito ocupantes e sete opções de interior, projetadas em parceria com o BMW Group. Com alcance de 2.182 quilômetros (1.178 milhas náuticas), incluindo reservas de combustível NBAA IFR, é capaz de voar de São Paulo para Montevidéu sem escalas. O jato foi certificado em dezembro de 2008.

Irã descobre novo campo de petróleo no Golfo Pérsico

A companhia nacional iraniana de petróleo e gás Pars Oil anunciou neste domingo a descoberta de um novo campo de petróleo perto do litoral do Golfo Pérsico, que poderia ter uma reserva estimada em 34 bilhões de barris. Segundo o diretor-geral, Ali Vakili, as reservas se encontram no campo de Firouzi, onde os especialistas ainda realizam operações de perfuração para conhecer sua riqueza com exatidão. Em outubro, o ministro do petróleo, Massoud Mir-Kazemi, já havia antecipado que o Irã estava prestes a fazer uma nova descoberta no sul do país. Ele anunciou também que tinha encontrado uma nova reserva de gás natural na província de Hormozgan com cerca de "70 bilhões de metros cúbicos de gás". O Irã é um dos cinco maiores exportadores de petróleo do mundo, com aproximadamente 3,8 milhões de barris vendidos por dia.