segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Milhares de pessoas homenageiam mortos nos ataques de terrorista islâmico em Copenhague


Cerca de 30 mil pessoas participaram de uma manifestação nesta segunda-feira em Copenhague em homenagem às duas vítimas dos ataques de terrorista islâmico no fim de semana, em vigílias que se repetiram em outros pontos do país. Os ataques foram realizados na noite de sábado e tiveram como alvo um debate sobre liberdade de expressão e uma sinagoga na capital dinamarquesa. Cantando “Imagine”, de John Lennon, dinamarqueses desafiaram o terrorismo e prometeram manter o país como uma sociedade livre. Eles manifestaram ainda apoio à minoria muçulmana, depois de ser divulgado que o atirador era um dinamarquês de família palestina. Identificado pela imprensa como Omar El-Hussein, o homem de 22 anos abriu fogo no sábado em um centro cultural onde ocorria o debate “Arte, blasfêmia e liberdade de expressão”, organizado pelo cartunista sueco Lars Vilks. No ataque, um homem morreu e três guardas ficaram feridos. Horas mais tarde, ele atacou uma sinagoga a três quilômetros de distância, matando um segurança e ferindo mais duas pessoas. O atirador foi morto numa troca de tiros com a polícia em Norrebro, um bairro habitado em grande parte por imigrantes.


Líderes judeus fizeram nesta segunda-feira um apelo por calma e tolerância, enquanto a comunidade muçulmana temia represálias. "Combatemos juntos (com os muçulmanos) pelos direitos religiosos. Somos moderados. Combatemos juntos contra o extremismo e o radicalismo", declarou Dan Rosenberg Asmussen, presidente da Comunidade Judaica Dinamarquesa. Milhares de pessoas deixaram flores diante da sinagoga atacada, numa procissão silenciosa, com muitos levando as bandeiras da Dinamarca e de Israel. Uma passeata convocada pela Pegida, o movimento anti-islâmico nascido na Alemanha, atraiu apenas cerca de 50 pessoas. 

SEADRIL CORTA 1,1 BILHÃO DE DE DÓLARES DE SEU BALANÇO E NÃO SABE SE VAI RECEBER DA PETROBRÁS


Não é só com um rastro de demissões de milhares de trabalhadores e quebras de dezenas de empresas brasileiras que os escândalos da Petrobrás vai deixando suas marcas. Aos poucos vão chegando as notícias de outras consequências no exterior. A Seadrill, terceira maior empresa de perfuração offshore do mundo, cortou 1,1 bilhão de dólares em encomendas da Petrobrás de sua carteira de pedidos devido às dificuldades da estatal brasileira. A Seadrill, que tinha uma carteira de pedidos de 20 bilhões de dólares ao fim do terceiro trimestre, anunciou as extensões de contrato em novembro, sem saber se irá receber este valor da Petrobrás. Em nota nesta sexta-feira ( 13), a empresa declarou: “Devido aos recentes acontecimentos dentro da Petrobras, a companhia não mais acredita que os contratos serão concluídos dentro do prazo ou segundo as condições comerciais previamente aprovadas . Consequentemente, a Seadrill irá remover US$ 1,1 bilhão da carteira de pedidos que informou na sua divulgação de resultados do terceiro trimestre". As taxas de equipamentos de perfuração para as principais unidades de águas ultraprofundas despencaram de um pico de 650 mil dólares ao dia há menos de dois anos para abaixo de 400 mil dólares. Analistas dizem que as taxas podem continuar a cair, com companhias de energia contendo gastos com exploração e dezenas de novos equipamentos chegando ao mercado. Em 2010, o grupo norueguês de serviços petrolíferos Seadrill obteve com a Petrobrás contratos de até 4,1 bilhões de dólares que incluíam três plataformas em águas profundas.

ACORDO DE "LENIÊNCIA" DAS EMPREITEIRAS, MONTADO PELO GOVERNO DO PT, É MAIS ESCANDALOSO DO QUE O PETROLÃO

O Antagonista (www.oantagonista.com.br) teve acesso à parte da moldura legal que o governo do PT criou para legitimar os acordos de leniência entre a Controladoria-Geral da União e as empreiteiras do Petrolão. É um escândalo dentro de outro escândalo. Nela, há um dispositivo que impede a Justiça de proibir empréstimos subsidiados pelo BNDES. Isso quer dizer que, além de continuar a celebrar contratos com o governo, as empreiteiras do Petrolão poderão ter acesso a um crédito barato que é financiado pelo Tesouro Nacional.Traduzindo: financiado por você e pela torcida do Flamengo. É isso mesmo: as empreiteiras que ajudaram a depenar a Petrobras ainda contarão com dinheiro a juros baixíssimos porque a diferença sai do bolso dos contribuintes. Para se ter um idéia, nos últimos seis anos, o total dos repasses do Tesouro ao BNDES saltou de 10,7 bilhões de reais para 514,6 bilhões. E boa parte das circunstâncias dos empréstimos concedidos com esse dinheiro - o seu dinheiro - permanece sob sigilo do BNDES. É o caso dos empréstimos dados ao grupo JBS/Friboi, o maior financiador da campanha de Dilma Rousseff, que auditores do Tribunal de Contas da União querem esquadrinhar e o BNDES e a JBS não quer deixar. Em resumo, esse foi o preço fixado pela empreitera para, por meios dos acordos de leniência, afastar Lula e Dilma da sujeira do Petrolão. Dança, Brasil.

Inflação na Venezuela foi de 68,5% em 2014


A inflação na Venezuela acumulou alta de 68,5% em 2014, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central do país. Em 2013, o indicador foi de 56%. O resultado foi influenciado principalmente pelo aumento de 102,2% dos preços dos alimentos e das bebidas não alcoólicas. Os preços das bebidas alcoólicas e tabaco subiram 90,8%, seguidos por restaurantes e hotéis (81,4%), educação (60,8%) e transporte (59,7%). Os venezuelanos queixam-se frequentemente dos preços elevados e de dificuldades para conseguir alguns produtos básicos como leite, óleo, café, açúcar e margarina, entre outros. Na Venezuela, um café custa 45 bolívares (20,22 reais), uma maçã está em torno de 40 bolívares (17,98 reais), um quilo de queijo ou de presunto cozido sai por 490 bolívares (220,21 reais) e uma sopa ronda 160 bolívares (71,91 reais). Dados do Banco Central também apontaram que várias regiões da Venezuela apresentaram valores inflacionários superiores à média nacional. Valência destacou-se como a cidade mais cara do país (78,6%), seguida por Barquisimeto e Maturín (72,4%), San Cristobal (71,6%) e Cidade Guayana (71,1%). Já Caracas e Barcelona tiveram inflação de 64,7% e 62,2%, respectivamente.

Brasileiro será transferido nesta semana para ilha em que será executado na Indonésia


Autoridades indonésias informaram que oito condenados à morte por tráfico de drogas, dentre eles o brasileiro Rodrigo Gularte, serão transferidos nesta semana para uma prisão na ilha onde serão executados. Dentre os condenados estão também os australianos Andrew Chan e Myuran Sukumaran, além de homens da Indonésia, França, Gana e Nigéria e de uma mulher filipina. Segundo o governo indonésio, todos já esgotaram as opções legais e serão levados de suas celas na ilha de Bali para a prisão insular de Nusa Kambangan. A data das execuções não foi anunciada. Os condenados serão executados por pelotões de fuzilamento e serão alvejados em pares. 

Petrolão: engenheiro relata pressão para fraudar licitação


Em depoimento à Polícia Federal em um dos inquéritos da Lava Jato, oo relata o engenheiro eletricista Luiz Antônio Kalil Horta, da Petrobras,  relatou ter sido pressionado por subordinados do ex-gerente de serviços da estatal Pedro Barusco para negociar licitações muito acima do valor estipulado. Ele afirmou que chegou a ser deslocado da comissão de licitações da Refinaria de Paulínia (Replan), no interior de São Paulo, após cancelar certames com preço maior que o previsto. Barusco admitiu ter recebido 97 milhões de dólares em propinas na estatal. Segundo o engenheiro, o menor lance dado pelas empresas convidadas em uma licitação para ampliação da casa de força da refinaria em 2007 foi de 919 milhões de reais. O valor ficou muito acima da previsão inicial de 506 milhões de reais estimados pela área técnica da Petrobras, o que motivou o cancelamento da licitação. Contudo ao mencionar que iria adotar a medida, ele disse que foi procurado por seu chefe Jairo Luiz Bonet e pelo funcionário do serviço de engenharia da Petrobras (Segen, que faz as estimativas de preços das licitações da estatal) Fernando de Almeida Biato. Na ocasião, ambos falaram para Kalil Horta não cancelar o certame e negociar com as empresas. A sugestão não foi acatada por ele, que acabou cancelando e realizando outra licitação, vencida por um preço dentro da estimativa inicial da área técnica da Petrobras. Segundo o engenheiro, foram feitas outras licitações a preços muito mais elevados. O depoimento foi dado em 14 de janeiro, em um dos inquéritos da Lava Jato conduzido pela Polícia Federal que apura o esquema de desvios e lavagem de dinheiro que se instalou na Petrobrás.

Acusado de atentados terroristas em Copenhague é identificado como Omar El Hussein


O acusado de ser o autor dos dois atentados a tiros em Copenhague, que deixaram dois mortos, foi identificado em vários órgãos de imprensa dinamarqueses como Omar El Hussein, de 22 anos, nascido e criado na Dinamarca. O tablóide dinamarquês Ekstra-Bladet informou que o jovem, do qual a polícia diz ter cadastro por “infrações à legislação sobre armas e violência”, tinha saído da prisão há duas semanas depois de ter cumprido pena por ofensas corporais graves. “O possível autor dos fatos está identificado. É um jovem de 22 anos, nascido na Dinamarca, conhecido da polícia por vários delitos, entre os quais infrações à legislação sobre armas e violência e também pelas suas ligações com grupos de delinquentes”, informou a polícia de Copenhague em comunicado. O jovem foi morto por agentes da polícia na madrugada desse domingo (15), depois de ter disparado contra eles. Os investigadores disseram que os trabalhos estão voltados para o itinerário do jovem, antes, durante e depois dos tiroteios, o primeiro ocorrido na tarde de sábado (14), em um centro cultural onde era realizado um debate sobre islamismo e liberdade de expressão. O segundo foi na noite de domingo, em frente à grande sinagoga de Copenhague. No total, os atentados deixaram dois civis mortos e cinco policiais feridos. Os serviços de informação indicaram que trabalham com “a hipótese de o suspeito ter se inspirado nos fatos ocorridos no jornal satírico francês Charlie Hebdo, em Paris”.

Acusados de ajudar autor de atentados em Copenhague são formalmente indiciados

A polícia confirmou hoje (16) que os dois homens detidos sob acusação de terem ajudado o autor dos ataques do fim de semana em Copenhague foram formalmente acusados de cumplicidade. “Os dois homens foram formalmente acusados de cumplicidade”, disse um porta-voz da polícia, Steen Hansen. Segundo informou a polícia anteriormente, os dois homens, detidos no domingo (15) de manhã, são suspeitos de ter “ajudado com palavras e com atos” o autor dos ataques contra um centro cultural em Krudttonden e uma sinagoga em Krystalgade, em que duas pessoas foram mortas e cinco ficaram feridas. A polícia não divulgou as identidades dos dois acusados de serem cúmplices. Segundo a imprensa dinamarquesa, o autor dos ataques é Omar El Hussein. No sábado (14), o suspeito disparou dezenas de tiros contra um centro cultural onde se realizava um debate sobre islamismo e liberdade de expressão, matando um cineasta de 55 anos e ferindo três policiais. Oito horas mais tarde, o terrorista atacou uma sinagoga no centro de Copenhague, matando um jovem judeu. O suposto autor dos ataques foi morto pela polícia no domingo.

Nove presos fogem do presídio em Florianópolis

Nove detentos fugiram na manhã de hoje (16) do Presídio Masculino de Florianópolis, no Complexo Penitenciário da Agronômica, na região metropolitana da capital catarinense. Em dezembro, do ano passado 14 presos fugiram do local. De acordo com a assessoria de imprensa do Departamento de Administração Prisional não se sabe ainda a hora exata da fuga, que pode ter ocorrido durante a madrugada. Este é o primeiro episódio registrado na unidade prisional, em 2015. Esse presídio é um descaso total, chegando a ficar com apenas um agente de segurança para cuidar de toda a massa carcerária. Resumindo, é um presídio dominado pelos presos, que entram e saem na hora em que querem. 

Japão fecha embaixada na capital do Iêmen

O Japão anunciou hoje (16) a suspensão temporária da atividade da sua embaixada no Iêmen, assim como outros países têm feito. As operações na missão diplomática de Sana foram suspensas no domingo (15) devido “a uma deterioração da situação de segurança”, informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros. O pessoal diplomático foi retirado para a embaixada no Catar. Tóquio pediu a seus cidadãos que abandonem o país. Várias embaixadas – como a da Espanha, Grã-Bretanha, dos Estados Unidos, da França, Itália e Holanda – foram fechadas nos últimos dias no Iêmen na sequência da deterioração da situação política e da insegurança no país. O Conselho de Segurança das Nações Unidas exigiu, no domingo (15), que os rebeldes xiitas deixem o poder no Iêmen e negociem com as outras forças uma saída para a crise, advertindo que está disposto a “medidas adicionais”. Esta foi a primeira resolução aprovada pelo Conselho de Segurança desde que a milícia terrorista, braço da Al Qaeda, decretou, em 6 de fevereiro, a dissolução do Parlamento e anunciou a formação de um conselho presidencial de transição. O país – localizado no Oriente Médio, e aliado dos Estados Unidos no combate à Al Qaeda – está em convulsão desde a tomada do poder pela organização terrorista Huthi.

Bolsa família bateu recorde no ano da reeleição

Nunca se gastou tanto com o programa Bolsa Família quanto no ano em que a presidente Dilma Rousseff foi eleita pela segunda vez. Em 2014, quando o governo gastou R$ 21 bilhões a mais do que permitia a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), foram destinados ao Bolsa Família quase R$ 27,2 bilhões, quase o dobro dos gatos do programa no último ano do governo Lula, que totalizaram R$14,3 bilhões. Em comparação a 2011, primeiro ano do governo Dilma, em 2014 a despesa aumentou em R$ 10 bilhões ao longo de quatro anos.

Solidariedade quer o petista Bendine e a socialite Val Marchiori depondo na CPI da Petrobras


A direção do partido Solidariedade vai aproveitar a CPI da Petrobras para requerer a convocação do presidente da estatal, Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil, e de sua amiga Val Marchilori, que obteve no banco empréstimo de R$ 2,7 milhões, de lastro duvidoso. O partido acha útil expor o relacionamento de Bendine com Marchiori, que estaria na origem de outro negócio milionário com recursos do Banco do Brasil. O Banco do Brasil, na gestão de Bendine, teria emprestado R$ 150 milhões ao frigorífico Big Frango, de Evaldo Ulinski, atual marido de Val Marchiori. Para a cúpula do partido, a filha de Guido Mantega, Marina, e Paulo Cafarelli, ex-secretário-executivo, podem explicar o caso Big Frango. Val Marchiori ofereceu a editoras um livro-bomba sobre suas relações com Bendine, políticos e Ulinski, com quem depois se casaria. Desistiu. Explicações de Bendine sobre as relações com Val Marchiori, inclusive de negócios, não convenceram o partido.

Aviões caça do Egito atacam posições da organização terrorista Estado Islâmico na Líbia após divulgação da decapitação de 21 egípcios cristãos coptas


Aviões de guerra do Egito atacaram alvos do Estado Islâmico na Líbia nesta segunda-feira, algumas horas depois de o grupo extremista divulgar um vídeo macabro mostrando a decapitação de vários cristãos coptas egípcios que eram mantidos reféns por semanas. Um porta-voz das forças armadas anunciou a ocorrência dos ataques na rádio estatal, marcando a primeira vez que o Egito reconhece publicamente uma ação militar na vizinha Líbia, onde grupos terroristas considerados como uma ameaça para ambos os países têm explorado o caos após um levante em 2011 contra o ditador Muamar Kadafi. O comunicado afirmou que os aviões de guerra atacaram esconderijos de armas e campos de treinamento antes de retornarem com segurança. Segundo o comunicado, os “ataques intensos” tinham por objetivo “a vingança do derramamento de sangue e contra os assassinos”. O Egito já está lutando contra uma insurgência islâmica crescente centrada na península do Sinai, que é estratégica, onde os terroristas declararam recentemente sua lealdade ao Estado Islâmico e dependem fortemente de armas contrabandeadas através da fronteira do deserto entre o país e a Líbia. Os ataques foram realizados um mês antes de o Egito receber uma grande conferência de doadores em um resort no Sinai para atrair o investimento estrangeiro necessário para reanimar a economia após mais de quatro anos de turbulência. O comandante da força aérea da Líbia, Saqr al-Joroushi, disse à TV estatal egípcia que os ataques aéreos foram coordenados com o lado líbio e mataram cerca de 50 militantes. Separadamente, um oficial de segurança da Líbia disse que os aviões de guerra egípcios atingiram quatro posições do Estado Islâmico na cidade oriental de Darna, uma fortaleza extremista que foi tomada por um braço do grupo no ano passado. Dois funcionários de segurança da Líbia disseram que civis, incluindo três crianças e duas mulheres, foram mortos nos ataques.