sábado, 31 de julho de 2010

Senadores e ministros marcam almoço para discutir "base de governo" para Dilma

Senadores dos partidos da base do governo e praticamente toda a equipe ministerial participarão, na terça-feira, de um almoço na casa do vice-líder do governo e líder do PTB no Senado, Gim Argello (DF). Existe no Executivo a preocupação de garantir a candidata à Presidência, Dilma Rousseff (PT), caso eleita, uma base de sustentação no Senado maior que a dos últimos oito anos de governo do presidente Lula. "Esse é um gesto para afinar o discurso em torno da campanha política", afirmou Argello. Ele acrescentou que o próprio Lula está preocupado em garantir para Dilma uma base governista com margem de folga mais ampla que a atual, o que daria mais tranquilidade na aprovação de matérias de interesse do Executivo. Assim, os ministros ficarão à disposição dos senadores para eventuais gravações nos programas de rádio e televisão e, também, prestar todos os esclarecimentos sobre projetos em andamento ou a serem implementados pelas diferentes pastas nos Estados dos candidatos "Queremos aumentar as chances dos senadores", ressaltou o vice-líder do governo, que também atua na equipe de coordenação de campanha de Dilma, para mediar as conversas entre ministros e parlamentares.

Felipe Massa diz que não aceitará mais ordens para deixar passar Alonso

O piloto brasileiro Felipe Massa chegou ao circuito de Hungaroring, na sexta-feira, e logo revelou que havia recebido as notícias sobre a péssima repercussão à sua atitude de atender ordens da Ferrari e deixar passar seu colega de equipe, Fernando Alonso, no Grande Prêmio da Alemanha. Massa, com um sorriso no rosto, disse: "No meu trabalho eu sei o que faço e sei que devo ficar calado". Mas também deixou claro que não mais aceitará ordens para deixar passar Alonso, e se recusou a comentar que a Ferrari, em vez um aviso, havia feito quatro avisos no Grande Prêmio da Alemanha.