quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Senado aprova voto distrital misto para eleições de 2020


O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira a adoção do voto distrital misto para eleições proporcionais. Por 40 votos 13, os senadores aprovaram dois projetos de lei de que tramitavam conjuntamente (86/2017 e 345/2017), que agora serão encaminhados para análise da Câmara. Se referendado pelos deputados, o voto distrital misto valerá a partir das eleições municipais de 2020. 

Durante a tramitação da reforma política ao longo deste ano, alguns deputados tentaram adotar esse sistema, mas os parlamentares rejeitaram a proposta. Para que valesse já nas eleições do ano que vem, a regra deveria ter sido aprovada até o início de outubro nas duas Casas do Congresso. 

O modelo distrital misto é uma combinação do sistema majoritário e proporcional. O eleitor vota duas vezes: uma vez em um candidato de seu distrito e outra no partido de sua preferência. Metade das vagas seria destinada aos candidatos mais bem votados nos respectivos distritos, que seriam regiões menores delimitadas pela Justiça Eleitoral dentro dos Estados e cidades. A outra metade das vagas seria distribuída aos partidos, sendo ocupadas pelos candidatos inscritos nas listas pré-ordenadas, de acordo com o quociente eleitoral. 

Atualmente, o sistema adotado é o proporcional. Os eleitos são escolhidos por um cálculo, o quociente eleitoral, que considera a quantidade de vagas no Parlamento e os votos válidos: individuais dos candidatos e os votos nas legendas dos partidos. O eleitor vota apenas uma vez, ou no candidato ou na legenda. 

De acordo com os projetos aprovados, os candidatos poderão, ao mesmo tempo, disputar a cadeira de mais votado num distrito e figurar na lista fechada de seu partido. O projeto de lei prevê a adoção do sistema distrital misto apenas nas cidades com mais de 200.000 eleitores, nas quais a Justiça Eleitoral admite a realização de segundo turno. Nas demais, seguirá valendo o sistema proporcional. 

Segundo o senador José Serra (PSDB-SP), um dos defensores do modelo, o modelo distrital misto reduzirá de cinco a dez vezes os custos das campanhas. Ele baseou seus cálculos em custos médios informados por deputados paulistas. 

Raquel Dodge diz ao Supremo que o Rio de Janeiro está dominado por "clima de terra sem lei"


No mesmo dia em que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região restabeleceu as prisões do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB), e dos deputados estaduais Paulo Melo e Edson Albertassi, ambos também do PMDB, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou ao Supremo Tribunal Federal que o Rio de Janeiro é “dominado” por um “clima de terra sem lei”. 

A afirmação da procuradora-geral se deu na ação em que ela pede ao STF a anulação da votação da Assembléia fluminense que havia derrubado as prisões dos peemedebistas, na sexta-feira passada. A decisão do TRF2, nesta terça-feira, reverteu o entendimento dos deputados estaduais fluminenses, que, por 39 votos a 19, haviam determinado a soltura de Picciani, Melo e Albertassi e o retorno deles aos mandatos. Depois da nova prisão decretada pelo tribunal, os três se entregaram à PF na tarde desta terça e voltaram à cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, Zona Norte do Rio. 

Para os cinco desembargadores da 1ª Seção Especializada do TRF2, a liberdade dos peemedebistas foi ilegal porque não passou pelo tribunal, que deveria ser notificado oficialmente e então emitir alvarás de soltura. “O fato de a Resolução legislativa ter sido cumprida por ordem direta da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, sem expedição de alvará de soltura pelo Poder Judiciário, é prova eloquente do clima de terra sem lei que domina o Estado. O Tribunal Regional Federal da 2ª Região foi ostensivamente desrespeitado pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro”, afirma Raquel Dodge. Para ela, o cumprimento da ordem sem conhecimento da Justiça “não encontra respaldo ou paralelo em nosso ordenamento, aproximando-se, pura e simplesmente, de um ato de força ilegal”. 

Além do “clima de terra sem lei” pela execução da decisão da Assembléia sem ordem judicial, a procuradora-geral da República entende que a votação no plenário da Casa “afrontou o princípio da separação dos poderes e o sistema federativo” e “caracteriza crise institucional e descrédito do Poder Público”. Isso porque, para ela, o recente entendimento do STF de submeter à Câmara e ao Senado o afastamento de deputados federais e senadores não se aplica no caso do trio de peemedebistas fluminenses. “A decisão do Supremo Tribunal Federal não pode ser aplicada por analogia aos Deputados Estaduais, nem a Suprema Corte autorizou a extensão de seus efeitos aos Estados e Municípios. A Corte Constitucional não ampliou sua decisão a ponto de abarcar todas as Casas Legislativas do País”, sustenta. 

Raquel Dodge ainda delineia as carreiras políticas de Picciani, Melo e Albertassi e afirma que eles poderiam exercer influência sobre colegas, que tenderiam a continuar anuindo com “o estado de flagrância de crimes comuns” do trio. “O simples fato de a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, por ampla maioria, ignorar o quadro fático de crimes comuns descrito acima indica a anomalia e a excepcionalidade do quadro institucional vivido nesse momento, a exigir resposta imediata e firme do Supremo Tribunal Federal, apta a indicar ao País que a Constituição será respeitada, seja qual for a circunstância”, conclui.

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro anula sessão da Assembléia que mandou soltar os deputados peemedebistas presos


O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu nesta terça-feira os efeitos da sessão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro da última sexta-feira que determinou a soltura dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB, presos no dia anterior pela Polícia Federal. A liminar do desembargador Heleno Ribeiro Pereira Nunes atendeu a um mandado de segurança apresentado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro que pedia a anulação da votação por desrespeito a uma ordem judicial que determinava a abertura das galerias do plenário para o público. A suspensão vale até o julgamento do mérito pelo Órgão Especial que definirá se a sessão será anulada ou não. 

No pedido, o Ministério Público argumentou que, ao impedir a entrada do público nas galerias da Assembléia, o presidente em exercício da Casa, deputado Wagner Montes (PRB), e a Mesa Diretora, não obedeceram aos “princípios mais basilares do Estado Democrático de Direito, vedando o livre acesso de cidadãos fluminenses às galerias da Assembleia, de forma a camuflar a sessão pública”.  Na decisão desta terça-feira, o desembargador deu prazo de dez dias para que Montes e a Mesa Diretora da Alerj prestem informações sobre o episódio. 

No começo da tarde, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região expediu uma nova ordem de prisão e afastamento do cargo para os deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. Os três já se apresentaram à Polícia Federal. O TRF2 entendeu que a Aassembléia extrapolou suas atribuições constitucionais ao ordenar a libertação dos três parlamentares após votação sem comunicar o tribunal, que havia decretado a prisão.

Ataque americano com aviões mata mais de 100 terroristas do Al Shabab na Somália


As forças militares dos Estados Unidos informaram ter matado mais de 100 terroristas islâmicos na Somália nesta terça-feira quando realizaram um ataque aéreo contra o Al Shabab, grupo ligado à Al Qaeda e que busca derrubar o governo apoiado pela ONU. O Comando dos Estados Unidos para a África informou que o ataque foi realizado em um acampamento a 200 quilômetros da capital, Mogadíscio, e que os americanos irão continuar mirando os terroristas. O ataque foi feito em coordenação com o governo da Somália, segundo o Pentágono. Ataques aéreos dos Estados Unidos com drones matando um número tão alto de terroristas na Somália são raros, mas não inéditos. Em março de 2016, um ataque aéreo americano matou mais de 150 terroristas do Al Shabab na Somália. 

O ataque com aviões americanos e soldados somalis foi realizado nas bases do Al Shabab na área de Bur Elay, na região de Bay. O Al Shabab luta para derrubar o governo federal de transição da Somália, apoiado pelo Ocidente, e impor seu próprio regime no país do Chifre da África. Mais cedo neste mês, os Estados Unidos alertaram sobre uma ameaça a seus funcionários diplomáticos em Mogadíscio e direcionaram todos os funcionários não essenciais a deixarem a capital. O Al Shabab perdeu controle da maior parte das cidades da Somália desde que foi afastado de Mogadíscio em 2011, mas o grupo ainda possui uma forte presença em partes do sul e do centro e realiza ataques a tiros e bombas. O governo acusa o grupo de ser responsável pelo ataque que deixou mais de 300 mortos na capital em outubro.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Aneel suspende aumento da luz da falida CEEE


A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) suspendeu, nesta terça-feira (21), o reajuste tarifário previsto pela falida Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) para as contas de luz no Rio Grande do Sul. Conforme a agência reguladora, a distribuidora não poderá aplicar o aumento porque está inadimplente com o pagamento de encargos do setor elétrico. A decisão prevê que a CEEE prorrogue a correção no valor até pagar o que deve. De acordo com a Aneel, o aumento estava previsto para entrar em vigor a partir desta quarta-feira (22). Porém, não foi informado qual o percentual da correção nem mesmo a quantia que a companhia está devendo. A CEEE atende 1,562 milhão de clientes em 72 municípios do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre e na Região Metropolitana, além do Sul, Campanha e Litoral do Estado.

A dívida da CEEE já levou o governador do Rio Grande do Sul, o muito incompetente peemedebista José Ivo Sartori, a Brasília, para discutir a situação da companhia com o Ministério das Minas e Energia. O temor do governo do Estado é que a distribuidora perca a concessão por conta de uma dívida, que até o meio deste ano chegava a R$ 527 milhões. À época, o secretário estadual de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior (sobrinho da senadora Ana Amélia Lemos), disse que as contas da companhia no vermelho não deveriam gerar um processo automático de rompimento do contrato, e deveriam ser discutidas alternativas para que a CEEE não perdesse a concessão. "Em hipótese nenhuma nós queremos perder a concessão, porque o que há de mais valoroso hoje na companhia é a sua concessão. Então, queremos manter a concessão, agora sabemos que a longo prazo nós não mantemos por não aportar recursos financeiros na companhia", disse ele na época. 

Os peemedebistas Picciani, Melo e Albertassi voltam à cadeia no Rio de Janeiro


Depois de a 1ª Seção Especializada do Tribunal Regional Eleitoral da 2ª Região restabelecer, por unanimidade, as prisões do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB), e dos deputados estaduais Paulo Melo (PMDB) e Edson Albertassi (PMDB), os três peemedebistas se entregaram na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro na tarde desta terça-feira. A decisão do TRF2 considerou que a soltura de Picciani, Melo e Albertassi, após votação na Assembléia, foi ilegal porque não passou pelo tribunal. 

Os três parlamentares fluminenses se entregaram separadamente. O primeiro foi Edson Albertassi, seguido por Paulo Melo e, por último, Jorge Picciani. Por volta das 17 horas, eles foram levados ao Instituto Médico Legal, onde passaram por exame de corpo de delito. Às 17h50, o trio chegou à cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, onde estão detidos os investigados pelo braço da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. 

Picciani, Melo e Albertassi são os principais alvos da Operação Cadeia Velha, deflagrada na semana passada, e suspeitos dos crimes de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas no recebimento de propinas de empresas de ônibus do Rio de Janeiro e de empreiteiras, como a Andrade Gutierrez e a Odebrecht. 

Eles haviam se entregado à Polícia Federal na última quinta-feira, mesmo dia em que o TRF2 decretou, também por unanimidade, a prisão deles pela primeira vez. O trio passou apenas uma noite no presídio de Benfica e na sexta-feira, por 39 votos a 19, a Assembléia derrubou as prisões e o afastamento deles de seus mandatos parlamentares. 

A decisão da Casa, no entanto, foi encaminhada diretamente à unidade prisional e não passou pelo TRF2, ao qual caberia expedir mandados de soltura. A falta de comunicação ao tribunal gerou uma questão de ordem, debatida no colegiado em sessão extraordinária nesta terça-feira, na qual se decidiu decretar as prisões novamente. 

Na sessão de hoje na 1ª Seção Especializada do tribunal, o desembargador relator, Abel Gomes, afirmou que “só pode expedir alvará de soltura quem determina prisão”. Para Gomes, “o ato de revogação da prisão só poderia ser expedido por órgão competente, o Judiciário, que portanto somos nós. Por óbvio, só expede alvará de soltura quem expede alvará de prisão”. Abel Gomes ainda declarou que, até aquele momento, o tribunal não havia sido sequer informado oficialmente sobre o resultado da votação no plenário da Assembléia. 

Os outros quatro membros do colegiado seguiram o entendimento dele. Para o desembargador Paulo Espírito Santo, a Assembleia fluminense “escreveu uma página negra em sua história” e “eles foram resgatados sem nenhuma ordem judicial”. “As pessoas precisam acreditar no Judiciário e como vão acreditar vendo isso? O Ministério Público está fazendo esforço para recompor o País à sua normalidade, tentando acabar com a corrupção”, completou. 

O advogado Nélio Machado, que defende Jorge Picciani, classifica a decisão do TRF2 de restabelecer a prisão do peemedebista como “ilegal, inconstitucional e infeliz” e afirma que vai recorrer às instâncias superiores, em Brasília.

O bandido petista mensaleiro e petroleiro José Dirceu já pode voltar para a cadeia, basta Moro ordenar

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) julgou no início da manhã de hoje (21/11) os embargos de declaração interpostos pelos réus da Operação Lava Jato do núcleo da Engevix, sendo também réus nesse processo o bandido petista mensaleiro e ex-ministro José Dirceu, e o ex-diretor de Serviços da Petrobras, o petista Renato de Souza Duque. A 8ª Turma negou os recursos de José Dirceu, Gerson de Mello Almada e Luiz Eduardo de Oliveira e Silva (irmão do bandido petista mensaleiro), mantendo-se assim a integralidade do acórdão julgado em 29 de setembro.

José Dirceu alegava as seguintes omissões ou obscuridades no acórdão: violação à ampla defesa, ilegitimidade na utilização do depoimento de réus colaboradores, ausência de participação de seu irmão Luiz Eduardo nos crimes de corrupção, equívocos nos critérios de progressão de regime e temas referentes à dosimetria da pena. 

O colegiado deu parcial provimento ao recurso do petista Renato Duque e corrigiu erro material, reconhecendo erro de cálculo no valor individual de cada dia-multa, passando o valor de 540 dias-multa para 448 dias-multa, no valor unitário de três salários mínimos. 

Não foram conhecidos os embargos de declaração do ex-sócio de José Dirceu, Júlio César Santos, por ajuizamento do recurso fora do prazo. Também não foram conhecidos os embargos de declaração do lobista Fernando Antônio Guimarães Houernaux de Moura e do ex-assessor de José Dirceu, o carregador de malas Roberto Marques, por inadequação da via processual eleita, ou seja, o pedido feito não pode ser analisado em embargos de declaração. A Turma também negou provimento ao recurso do ex-sócio da Engevix, o empresário propineiro José Antunes Sobrinho. O processo é o de nº 5045241-84.2015.4.04.7000/TRF .

TRF4 confirma condenação de Eduardo Cunha, mas diminui a pena para 14 anos e 6 meses de cadeia

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, TRF4, em Porto Alegre, rejeitou hoje a apelação criminal do ex-deputado federal Eduardo Consentino Cunha e decidiu, por maioria, vencido o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, diminuir a pena de 15 anos e 4 meses para 14 anos e 6 meses de reclusão. A 8ª Turma confirmou a condenação de primeira instância pelos crimes de corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, mas excluiu um dos crimes de lavagem de dinheiro. Conforme a sentença, Eduardo Cunha recebeu aproximadamente 5 milhões de dólares a título de propina envolvendo a venda de um campo de exploração de petróleo em Benin, África.

TRF 4 nega absolvição para Marisa Letícia no processo do triplex do Guarujá

Os desembargadores do TRF4, em Porto Alegre, decidiram hoje que os advogados de Lula não têm razão no recurso que apresentaram para considerar a finada galega italiana Marisa Letícia absolvida no processo do caso do triplex do Guarujá. Lula já tinha perdido o caso no primeiro grau e agora sofre nova derrota. Na ação movida pelo Ministério Público Federal, na qual Marisa Letícia também era ré, o juiz Sérgio Moro julgou extinto o caso em relação a ela (extinção de punibilidade em razão de morte), mas não a absolveu. O processo segue em relação aos demais réus.

Governador Sartori apresenta de novo à Assembléia gaúcha o seu pacote inservível de recuperação fiscal, é só lorota política


O governo do Rio Grande do Sul, do muito incompetente e inapetente governador peemedebista José Ivo Sartori, apresentará na manhã desta terça-feira (21) o projeto de lei que busca a autorização para o Rio Grande do Sul aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Em seguida, o texto deverá seguir para apreciação da Assembleia Legislativa. Além dessa proposta, o Piratini informou que encaminhará aos deputados, separadamente, outros três projetos que retiram a exigência de plebiscito para privatização de Sulgás, CEEE e Companhia Riograndense de Mineração (CRM). O projeto é o chamado "mais do mesmo", um trololó inútil, uma lorota política para engabelar otários.  

Neste mês, o incompetente governador peemedebista  José Ivo Sartori foi a Brasília para entregar ao presidente Michel Temer o pedido de pré-acordo para adesão ao plano. A documentação enviada ao governo federal no dia 17 de novembro de 2017 foi publicada, nesta segunda-feira (20), no site do Tesouro Nacional.  Para que o pedido do Piratini avance, é necessário parecer favorável da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). A avaliação técnica apontará se o plano do Estado apresenta os requisitos básicos exigidos pela União, além da documentação necessária. Não é preciso ninguém ter feito escola de Contabilidade, nem de Economia, ou Direito, para se dar conta, lendo a extensa documentação, que tudo não passa de lorota dos auditores da Secretaria da Fazenda, acompanhada pelos procuradores do Estado, "comprada" na totalidade pelo incompetente e inapetente peemedebista José Ivo Sartori. É um amontoado de sandices, de contos da carochinha, de fantasias delirantes, e essa gente no comando do governo do Estado do Rio Grande do Sul acham que com esse trololó inútil irão enganar os técnicos do Tesouro Nacional e dar um drible nas exigências da Lei de Recuperação Fiscal dos Estados, aprovada pelo Congresso Nacional. Definitivamente, as corporações públicos e a classe política do Rio Grande do Sul estão em estágio de delírio permanente. 

Com a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, além de assegurar por três anos a carência na dívida com a União, o Estado busca a autorização para um novo financiamento de R$ 3 bilhões. Em troca, compromete-se a adotar uma série de medidas, como a privatização de Sulgás, CEEE e CRM. Não terá nem uma coisa nem outra. 

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Balança tem superávit de US$ 700 milhões na terceira semana de novembro

A balança comercial registrou superávit de US$ 700 milhões na terceira semana de novembro. As exportações ficaram em US$ 3,705 bilhões e importações em US$ 3,004 bilhões. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (20) pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Em novembro, as exportações somam US$ 9,952 bilhões e as importações, US$ 7,435 bilhões. O saldo positivo é de US$ 2,517 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 193,418 bilhões e as importações, US$ 132,439 bilhões, com saldo positivo de US$ 60,980 bilhões.

De acordo com o ministério, a média das exportações da terceira semana ficou 3,8% acima da média até a segunda semana, em razão do aumento nas exportações de produtos semimanufaturados (5,9%), com destaque para açúcar em bruto, ferroligas, alumínio em bruto, ouro em formas semimanufaturadas, catodos de cobre; e de produtos básicos (6%), por conta de petróleo em bruto, farelo de soja, minério de ferro, café em grãos, carnes de frango e bovina. 

Já as vendas de produtos manufaturados registraram queda de -0,9%, em razão, principalmente, de aviões, automóveis de passageiros, suco de laranja não congelado, veículos de carga, etanol e polímeros plásticos. Por sua vez as importações apontaram crescimento de 18,7%, sobre igual período comparativo (média da terceira semana sobre média até a segunda semana), explicada, principalmente, pelo aumento nos gastos com adubos e fertilizantes, farmacêuticos, equipamentos mecânicos, veículos automóveis e partes, combustíveis e lubrificantes.

Nas exportações, comparadas as médias até a terceira semana de novembro de 2017 com a de novembro de 2016, houve crescimento de 11,6%, em razão do aumento nas vendas de produtos básicos (38,1%), por conta, principalmente, de soja em grãos, milho em grãos, minério de ferro, carne bovina e de frango, farelo de soja; e semimanufaturados (14,9%), por conta de celulose, semimanufaturados de ferro e aço, ferroligas, ouro em formas semimanufaturadas e alumínio em bruto. Por outro lado, caíram as vendas de produtos manufaturados (-8,4%), por conta de açúcar refinado, tubos flexíveis de ferro e aço, gasolina, obras de mármore e granito, medicamentos para medicina humana e veterinária. 

Relativamente a outubro de 2017, houve crescimento de 0,6%, em virtude do aumento nas vendas de produtos manufaturados (8,5%), enquanto decresceram as vendas de produtos básicos (-5,1%) e de semimanufaturados (-0,3%). 

Nas importações, a média diária até a terceira semana de novembro de 2017 ficou 17,9% acima da média de novembro de 2016. Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (49,2%), equipamentos eletroeletrônicos (27,8%), veículos automóveis e partes (20,2%), químicos orgânicos e inorgânicos (19,9%), plásticos e obras (18,3%). Ante outubro de 2017, houve crescimento de 3,8%, pelo aumento em farmacêuticos (35,1%), plásticos e obras (14,6%), adubos e fertilizantes (11,9%), equipamentos mecânicos (10,2%) e equipamentos eletroeletrônicos (9,5%).

Toffoli suspende convocação de ex-chefe de gabinete de Janot para depor na CPI da JBS

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu a convocação do procurador Eduardo Pelella, ex-chefe de gabinete do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, na CPI da JBS. Ele determinou que a CPI preste esclarecimentos em dez dias. "(...) Pelo exposto, concedo a medida liminar pleiteada, para suspender qualquer ato tendente à convocação do membro do parquet, o Procurador Regional da República Eduardo Botão Pelella, perante a Comissão Mista de Inquérito instituída pelo requerimento nº 01, de 2017. Notifique-se a autoridade coatora para que, no prazo de 10 dias, preste as informações", escreveu o ministro na decisão desta segunda-feira (20). Toffoli atendeu pedido feito pela Procuradoria-Geral da República na semana passada. Pelella foi convocado para depor na próxima quarta-feira (22).

ESPN diz que Grêmio usou um drone para espionar treinos do Lanus em Buenos Aires


O Grêmio usou um drone para espionar treinos de seus rivais durante a temporada, de acordo com a ESPN Brasil. A emissora afirma que a pessoa é contratada pelo clube. Reportagem exibida nesta segunda-feira (20) conseguiu flagrar o espião no momento em que ele instalava o drone próximo ao CT do Lanús, na Argentina, na última sexta-feira (17). O clube do distrito de Buenos Aires é o rival do time gaúcho na decisão do torneio sul-americano. O nome da pessoa não foi revelado. De acordo com a reportagem, o profissional estava há mais de uma semana na Argentina e teve hotel, carro e passagens aéreas pagas pelo clube e já havia filmado outras atividades fechadas. Ele costuma controlar as filmagens dos treinos de dentro do carro. Assim que foi flagrado, o espião foi levado para prestar esclarecimentos na delegacia de polícia de Lanús e lá ficou por duas horas. Após prestar depoimento, ele foi liberado. O suposto funcionário do clube gaúcho disse à ESPN Brasil que não trabalha para o Grêmio e que usa o drone apenas para fazer fotos. A reportagem afirma que tudo era de conhecimento da comissão técnica e também dos jogadores que assistiam às imagens feitas pelo espião antes dos confrontos. Além de chegar à final da Libertadores, o Grêmio é o atual segundo colocado do Campeonato Brasileiro e foi semifinalista da Copa do Brasil.

Advogados da "Riqueza", a Garota do Leblon, Adriana Ancelmo, dizem que ela mantém a fé na absolvição.


A defesa da ex-primeira dama do Rio de Janeiro, a "Riqueza" de Sérgio Cabral, a "Garota do Leblon, Adriana Ancelmo, entregou recurso ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região em que apela contra a pena de 18 anos de cadeia por lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. No documento de 13 páginas, os advogados afirmam que a ex-primeira-dama “mantém a fé, com muita dificuldade, diante do quadro de publicidade opressiva que assolou sua família, sobremodo os seus filhos – em um julgamento do apelo acusatório “à luz da prova e do direito”. Ela deveria ter pensado nos filhos antes de fazer tudo o que fez junto com seu marido ladrão. Adriana Ancelmo foi condenada pelo juiz Marcelo Bretas, que cuida da primeira instância da Lava-Jato no Rio de Janeiro, em setembro. Segundo a sentença, ela ocultou e movimentou cerca de R$ 6,5 milhões em jóias nas joalherias Antonio Bernardo e H.Stern. Outros R$ 1,5 milhões foram gastos em suas despesas pessoais. 

Policia Federal prende estagiário de Direito que vazava informações sobre processos sigilosos para traficantes


A Polícia Federal prendeu, na manhã desta segunda-feira, Gabriel Barioni de Alcântara e Silva, ex-estagiário da Justiça Federal em Londrina (PR), acusado de vazar informações sigilosas para uma quadrilha suspeita de tráfico de drogas. Barioni, que pediu demissão do estágio no dia 23 de setembro, também é alvo de um mandado de busca e apreensão e outro de violação do sigilo telemático de e-mail, todos determinados pelo juiz federal Nivaldo Brunoni, da 23ª Vara Federal de Curitiba. 

Segundo o despacho do magistrado, em dias anteriores ao pedido de demissão do estagiário, sua senha ao e-proc, o sistema digital de processos da Justiça, foi utilizada em Assunção, no Paraguai, em Catanduvas (PR) e Ponta Porã (MS), para consultar as investigações envolvendo a organização criminosa comandada por Luiz Carlos da Rocha. Ainda não está claro se Gabriel emprestou o seu acesso para pessoas ligadas a Rocha ou se ele mesmo o utilizou, como associado à quadrilha. 

O juiz Nivaldo Brunoni anota, em sua decisão, uma informação obtida pela Polícia Federal de que o ex-estagiário da Justiça seria namorado de uma filha do traficante. “No caso, há fortes elementos indicando quebra de sigilo funcional em benefício de organização criminosa voltada ao tráfico de entorpecentes e à lavagem de dinheiro, havendo evidências, inclusive, de que Gabriel integre referido grupo”, escreveu o magistrado ao justificar a prisão do jovem 

Inicialmente, a prisão do estudante de Direito é temporária, isto é, com o prazo pré-estabelecido de cinco dias. Ao final desse período, caberá ao magistrado, a partir das provas coletadas pela PF, decidir se o jovem terá a detenção convertida em preventiva, sem prazo para acabar, ou se será solto. Outros dois envolvidos com a quadrilha, que estariam hospedados no hotel onde a senha de Gabriel foi utilizada em um dos acessos, também são alvos de mandados de busca e apreensão.