sábado, 26 de julho de 2014

EMPRESÁRIO ISRAEL KLABIN ENVIA INCISIVA CARTA DE CRÍTICA AO MINISTRO PETISTA DAS RELAÇÕES EXTERIORES

O empresário brasileiro Israel Klabin, de família judaica, mandou uma incisiva carta de protesto ao ministro das Relações Exteriores, o anão diplomático petista Luiz Alberto Figueiredo Machado, pela indigna e infame nota oficial do Itamaraty contra Israel,  sem qualquer referência ao terrorismo do Hamas, e pela ofensa boçal à nação israelense com a retirada do embaixador brasileiro em Tel Aviv. Klabin mostrou grande coragem, ao contrário de outros empresários anões morais, que renegam sua origem e liberam microfones, câmeras e páginas de veículos de comunicação para a manifestação antissemita de jornalistas petistas antisssemitas. A operação militar atual em curso na Faixa de Gaza diz respeito à democracia e à civilização ocidental e suas bases. Leia a íntegra da carta de Israel Klabin, que Videversus subscreve: "Ao Excelentíssimo Senhor Ministro das Relações Exteriores - Luiz Alberto Figueiredo Machado - Sempre tive, bem como a minha família, íntima relação com o Itamaraty através de dois chanceleres, Horácio Lafer e Celso Lafer, ambos judeus, que honraram não apenas o nome da família, mas o Brasil e sua política externa. Não preciso lembrá-lo também da importância de Oswaldo Aranha, quando Embaixador junto a ONU, na criação do Estado de Israel, trazendo com isso o agradecimento de todos os judeus do mundo. É, portanto, com estranheza que acabei de ler a séria ofensa feita ao Estado de Israel e a todos nós judeus, pelo Itamaraty, quando “chamou o Embaixador para consulta”. Tanto meus pais quanto eu, fazemos parte das gerações que atravessaram o holocausto e herdaram a missão de prestar serviços à humanidade e aos países que agasalharam os judeus na fuga milenar das perseguições oriundas de preconceitos, de ódios raciais e religiosos. A nota do Itamaraty demonstra claramente um retrocesso da política fracassada de levar o Brasil para um envolvimento errado e desnecessário, antagônico ao princípio de não intervenção, o que tem sido um dos pilares da política externa brasileira através dos tempos.

CARVAJAL, O OPERADOR DE CHAVEZ E NICOLAS MADURO NO TRÁFICO DE COCAÍNA E LAVAGEM DO DINHEIRO DO TRÁFICO DAS FARC, PRESO EM ARUBA, JÁ ESTÁ NÃO MÃOS DOS AMERICANOS

Carvajal era um dos principais elementos do núcleo duro do chavismo bolivariano, razão pela qual Nicolás Maduro e seus sequazes estão enlouquecidos.
Na foto acima a empáfia de Carvajal, o ex-poderoso General do Exército da Venezuela, homem de confiança do finado caudilho Hugo Chávez e do tiranete Nicolás Maduro, que operava o narcotráfico em conluio com as FARC, no momento em que foi fichado pela polícia de Aruba.
EN ESPAÑOL - El mayor general retirado Hugo Carvajal, ex director de Inteligencia Militar y uno de los hombres más temidos de Venezuela, fue arrestado la tarde del miércoles en el aeropuerto internacional Queen Beatrix de Aruba por su presunta participación en operaciones de narcotráfico, dijeron fuentes cercanas a la operación. Carvajal, quien en el 2008 había sido incluido en la lista negra del Departamento del Tesoro por su presunta participación en las operaciones de narcotráfico de las Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia (FARC), fue detenido tras llegar a la isla en un avión privado. La detención se produjo por solicitud de las autoridades estadounidenses, que esperan trasladarlo a suelo norteamericano a la mayor brevedad posible. Según las fuentes consultadas, Carvajal era uno de los engranajes más importantes en la participación del Ejército venezolano en las operaciones del narcotráfico. “Esta es la joya de la corona. Este es el Pablo Escobar de esta historia”, dijo una de las fuentes vinculadas con la operación que habló bajo condición de anonimato. “Es el hombre que controla los movimientos [del narcotráfico], controla la operación, controla las entregas y controla el lavado de dinero. Tiene el control de todo el proceso”, agregó. Pero el traslado de Carvajal podría demorarse, en vista de los esfuerzos legales para evitarlo emprendidos por el régimen de Nicolás Maduro, que envió un equipo especial a Aruba para que asumiera la tarea de asegurar su liberación, dijeron las fuentes. Desde Caracas, el régimen manifestó su rechazo a la detención del mayor general, conocido en Venezuela con el sobrenombre de “el Pollo Carvajal”. “Venezuela rechaza enérgicamente la detención ilegal y arbitraria del funcionario diplomático venezolano, portador de pasaporte que lo acredita como tal; Hugo Armando Carvajal Barrios, llevada a cabo en la isla de Aruba por parte de autoridades holandesas”, indicó la Cancillería venezolana en un comunicado. “Venezuela hace un llamado firme al Reino de los Países Bajos (del que depende esta zona insular) para que rectifique este hecho injusto e improcedente, y para que sus autoridades en el vecino territorio procedan a la inmediata liberación del funcionario diplomático venezolano Hugo Carvajal”, continuó. La detención de Varela se produce a los pocos días de que el ex juez venezolano Benny Palmeri-Bacchi fuese arrestado en el Aeropuerto Internacional de Miami, cuando se disponía a llevar a su familia a pasar unas vacaciones de dos semanas en Disney World. Palmeri-Bacchi y el ex director de la Interpol en Venezuela, Rodolfo McTurk, son acusados de ayudar a transportar a través de Venezuela miles de kilos de cocaína destinados a Estados Unidos. Palmeri-Bacchi compareció el jueves ante un juez federal de Miami y se declaró inocente. Las autoridades creen que McTurk se encuentra en Venezuela. Los fiscales de Miami dijeron que los casos contra Palmeri-Bacchi, Mc Turck y Carvajal son los primeros que vinculan a funcionarios prominentes del chavismo con operaciones del narcotráfico. Carvajal, jefe de la Dirección de Inteligencia Militar entre el 2004 y el 2009, había sido nombrado cónsul de Venezuela en Aruba en enero pasado. Pero las fuentes dijeron que el mayor general llegó a Aruba con un pasaporte falso. Cuando se dio cuenta de que lo estaban arrestando, Carvajal trató de zafarse del problema entregando el pasaporte diplomático que tenía y negando que el primero que había entregado era suyo, aún cuando también tenía su fotografía. Las autoridades de Aruba lo arrestaron de todas maneras y confiscaron los dos pasaportes. Hombre cercano al fallecido presidente Hugo Chávez, Carvajal enfrenta varios procesos judiciales llevados en paralelo por distintas jurisdicciones legales de Estados Unidos, incluyendo la corte federal de Miami. Según el caso llevado en ese tribunal, Carvajal y “otros militares y funcionarios venezolanos de alto cargo”, asistían las operaciones del narcotraficante colombiano Wilber Arilio Varela Fajardo, también conocido como “Jabón”, antes de que éste apareciera muerto en la ciudad venezolana de Mérida en el 2008. La acusación elaborada contra Carvajal señala que éste y los otros funcionarios del régimen asistían a Varela al permitir que su organización exportara cocaína desde Venezuela, protegiendo a la banda de ser capturada y suministrando información sobre las actividades de las fuerzas armadas y de las organizaciones policiales. “Tras la muerte de Varela, integrantes de su agrupación continuaron pagándole a Hugo Carvajal Barrios, alias “Pollo”, y a otros militares y funcionarios de los cuerpos de seguridad venezolanos de alto nivel para que siguieran asistiéndoles en sus actividades de narcotráfico”, resalta la acusación. El documento de la corte también acusa a Carvajal de vender “cientos de kilos de cocaína a los integrantes de la organización de Varela”. El mayor general retirado fue implicado públicamente en el 2010 por el presunto narcotraficante venezolano Walid Makled, quien en una entrevista concedida a la cadena Univisión declaró que Carvajal formaba parte de su nómina. En la entrevista, Makled aseguró que la participación de las autoridades venezolanas en los envíos es total. “Es de 100 por ciento, hermano, claro, porque es territorio venezolano… En San Fernando de Apure, diariamente de ahí salen cinco o seis aviones cargados con cocaína hacia Honduras, de Honduras hacia México, y de México hacia Estados Unidos”, declaró Makled en la entrevista. 

ESCÂNDALO DE CORRUPÇÃO NA PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO - FLAGRADO EM GRAVAÇÃO, BETHLEM AGORA DIZ QUE SUA EX-MULHER É LOUCA

O deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ), ex-secretário do prefeito Eduardo Paes, no Rio de Janeiro, publicou nota em sua página no Facebook negando denúncias de corrupção feitas por sua ex-mulher, a ex-deputada Vanessa Felippe Bethlem, e reveladas pela revista VEJA. Gravações mostram a participação do deputado, que deixou a Secretaria de Governo da prefeitura do Rio de Janeiro para tentar se reeleger, em um esquema de corrupção na administração municipal. Nos áudios, ele afirma que recebeu mensalmente propina da ONG Tesloo, contratada para administrar o cadastro único de programas sociais da prefeitura, que é usado para pagamento de programas como o Bolsa Família e o Cartão Família Carioca. Na publicação no Facebook, o parlamentar diz que as acusações são infundadas e usa a imagem de um documento, que ele diz ter ser registrado em cartório, no qual Vanessa afirma se arrepender. "São infundadas essas acusações e a própria autora delas adiantou-se em desmenti-las, alegando tê-las feito num momento de grave confusão mental, que resultou em três tentativas de suicídio. A última há poucos dias", escreveu Bethlem. Contudo, as conversas reveladas por VEJA não deixam dúvida de que Bethlem confessa operar o esquema de corrupção. Para tentar se livrar das acusações, o deputado também divulgou imagens de uma declaração assinada pela ex-mulher e um atestado médico assinado pela psiquiatra Rosaria Gomes sobre o tratamento ao qual Vanessa estaria sendo submetida há duas semanas. O atestado, reproduzido no perfil de Bethlem na rede social, afirma que Vanessa sofre de "transtorno de personalidade borderline". A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou que vai investigar os contratos assinados por Bethlem. Em nota, a administração afirmou que "não possui mais convênio com a Tesloo". "Apesar de Rodrigo Bethlem não ocupar mais cargo na prefeitura, o município espera que o deputado preste os esclarecimentos necessários sobre as denúncias em questão." A ONG era administrada pelo major da reserva Sérgio Pereira de Magalhães Júnior, suspeito de integrar uma milícia. Em uma das conversas entre Bethlem e Vanessa reveladas por VEJA, depois de relatar que tipo de despesa ele estaria disposto a bancar após o divórcio dos dois, Bethlem afirma que sua principal fonte de renda era um convênio da prefeitura chamado Cadastro Único. "Eu tenho de receita em torno de 100.000 reais por mês", afirma na gravação com a maior naturalidade do mundo, explicando que do contrato retirava entre 65.000 e 70.000 reais por mês. Nomeado secretário de Eduardo Paes, Bethlem ocupou as pastas de Ordem Pública e Assistência Social antes da secretaria de Governo, e optou pelo salário maior de deputado – ou seja, só deveria ter direito a um rendimento bruto de 26.723,13 reais, equivalente a cerca de 18.000 reais mensais líquidos. O deputado era um dos cotados para substituir Paes na prefeitura. Veja a degravação de conversa:
Bethlem - Minha principal fonte de receita hoje na prefeitura, que é um convênio do Cad único... O cara simplesmente não prestou contas...
Vanessa -  Por que você está falando baixo? Não tem ninguém aqui.
Bethlem - Porque eu simplesmente tô (sic) paranoico.
Vanessa - Paranoico por quê?
Bethlem - Telefone. Você sabe que os caras entram no telefone e vira um autofalante
Vanessa - E você tem motivo para ficar paranoico?
Bethlem - Como todo mundo. Você acha que alguém vai te denunciar no MP, por quê?
Vanessa - Por quê?
Bethlem - Porque eu sou alvo, Vanessa.
Bethlem - (...) Este mês infelizmente furou porque o cara não prestou contas e eu efetivamente não vou colocar meu rabo na janela (...) Por isso eu tô (sic) f* desse jeito... É a minha principal receita. (...)
Vanessa - Qual o nome do negócio?
Bethlem - É um convênio que eu tenho, o Cadastro Único.
Vanessa - O que é que tem isso?
Bethlem - É a minha principal fonte de renda hoje. O cara não prestou contas direito, o cara é um idiota, um imbecil. Não pude pagar o cara este mês, não recebi. (...) É uma receita que eu tenho certa até fevereiro, até março. Porque é um convênio de sete meses. (...)
Vanessa - E quanto dá isso?
Bethlem - Eu tenho de receita em torno de 100 mil reais por mês.
Vanessa - Quanto dá o CAD Único por mês?
Bethlem - Em torno de uns 65, 70.000. Depende do que ele receber, entendeu? (...)
Bethlem - Fora isso, tem o lanche e o meu salário.
Vanessa - Lanche? Que lanche?
Bethlem - O lanche que é servido... pelo cara que vende lanche para todos nas ONGs... é meu amigo.
Vanessa - Quanto é de lanche?
Bethlem - Em torno de 15.000 reais. O cara tá vendendo metade do que deveria vender
Vanessa - Até quando?
Bethlem - Até quando existir convênio. (...)
Vanessa - E salário?
Bethlem - Cerca de 18.000 líquido.

MORRE NO RIO DE JANEIRO O ASTRÔNOMO RONALDO MOURÃO

O astrônomo e físico Ronaldo Mourão morreu na sexta-feira, aos 79 anos. Ele estava internado no hospital Quinta D'or, no Rio de Janeiro, com pneumonia. Era considerado o maior nome da astronomia brasileira. Fundou o Museu de Astronomia e Ciências Afins em 1985 e elaborou os verbetes sobre o tema em edições dos dicionários Aurélio Buarque de Hollanda e da Enciclopédia Britânica do Brasil. Trabalhou pela democratização desse campo do conhecimento, produzindo artigos para jornais e programas de rádio.

GERALDO ALCKMIN LEVA AÉCIO NEVES ÀS ZONAS NORTE E LESTE DE SÃO PAULO

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, foi levado neste sábado pelo governador Geraldo Alckmin às zonas Norte e Leste de São Paulo. Em uma agenda tipicamente paulistana – que incluiu cafezinho, pastel e garoa – os tucanos visitaram a Biblioteca de São Paulo, no Parque da Juventude, em Santana, por onde caminharam na sequência. A comitiva conheceu a Feira Tecnológica, promovida pelo instituto social Dom Bosco, em Itaquera. Sempre colado em Alckmin, Aécio fez corpo a corpo, e posou para dezenas de fotos e selfies com o público. Aproveitou, também, para criticar o governo da presidente Dilma Rousseff: “O governo Dilma fracassou”, afirmou, referindo-se à situação econômica no País. A visita à Zona Leste não estava na agenda do presidenciável. O mau tempo, contudo, acabou por abreviar a caminhada pelo Parque da Juventude – em um dia com frio e garoa, o local estava esvaziado. Em meio à crise hídrica que São Paulo atravessa, Alckmin comemorou o tempo chuvoso: “Aécio é mesmo um cara de sorte, trouxe até a chuva”, brincou. A visita ao Parque da Juventude teve ainda a presença do ex-governador José Serra, candidato tucano ao Senado por São Paulo: os três começaram o dia com um café em uma lanchonete. Com a ajuda de Alckmin, Serra apresentou Aécio às obras do PSDB na região – não faltaram menções às Etecs e Fatecs. Lembraram que o local que hoje abriga 1,6 hectare de mata atlântica já foi o presídio do Carandiru. Serra e Alckmin eram reconhecidos pelo público o tempo todo, e traziam consigo Aécio na hora das fotografias. Sem Serra, o presidenciável e o governador seguiram, então, para Itaquera. Lá, finalmente, se deu o corpo a corpo mais efetivo. Ciceroneados pelo padre Rosalvino, à frente da obra social Dom Bosco, Aécio e Alckmin atravessaram os stands da feira e conversaram com os presentes. O governador cumprimentava a todos e, na sequência, introduzia Aécio. Houve até pausa para o pastel. Quando Aécio descolava-se de Alckmin, era recebido em tom menos acalorado. Até que o governador aparecia: “Ah, esse ai eu já conheço”, comemorou a vendedora de fogazza ao avistar Alckmin. Na saída, Aécio e Alckmin concederam entrevista coletiva. O presidenciável elogiou as Fatecs e Etecs, marcas do governo tucano em SP: “Precisamos estender as Fatecs e Etecs para o Brasil. Essas escolas são referência para o País”, afirmou: “Esse é o Brasil que precisa ser construído, o do empreendedorismo”. Questionado sobre as pesquisas de mercado que atrelam a eventual reeleição de Dilma a uma piora no cenário econômico, afirmou: “Essas pesquisas apontam na mesma direção: o fracasso da política econômica do governo Dilma Rousseff”. E prosseguiu: “O governo perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas, o que impacta fortemente no crescimento do Brasil”. Sobre a crise diplomática provocada com Israel por uma declaração do Brasil acerca do conflito no Oriente Médio, Aécio afirmou que faltou equilíbrio ao governo – e que o documento deveria ser mais enfático na exigência de um cessar-fogo, sem se esquecer das ações do Hamas contra os israelenses. Esse foi o quarto evento de campanha de Aécio em São Paulo – maior colégio eleitoral do país, com 32 milhões de eleitores.

GERALDO ALCKMIN LEVA AÉCIO NEVES ÀS ZONAS NORTE E LESTE DE SÃO PAULO

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, foi levado neste sábado pelo governador Geraldo Alckmin às zonas Norte e Leste de São Paulo. Em uma agenda tipicamente paulistana – que incluiu cafezinho, pastel e garoa – os tucanos visitaram a Biblioteca de São Paulo, no Parque da Juventude, em Santana, por onde caminharam na sequência. A comitiva conheceu a Feira Tecnológica, promovida pelo instituto social Dom Bosco, em Itaquera. Sempre colado em Alckmin, Aécio fez corpo a corpo, e posou para dezenas de fotos e selfies com o público. Aproveitou, também, para criticar o governo da presidente Dilma Rousseff: “O governo Dilma fracassou”, afirmou, referindo-se à situação econômica no País. A visita à Zona Leste não estava na agenda do presidenciável. O mau tempo, contudo, acabou por abreviar a caminhada pelo Parque da Juventude – em um dia com frio e garoa, o local estava esvaziado. Em meio à crise hídrica que São Paulo atravessa, Alckmin comemorou o tempo chuvoso: “Aécio é mesmo um cara de sorte, trouxe até a chuva”, brincou. A visita ao Parque da Juventude teve ainda a presença do ex-governador José Serra, candidato tucano ao Senado por São Paulo: os três começaram o dia com um café em uma lanchonete. Com a ajuda de Alckmin, Serra apresentou Aécio às obras do PSDB na região – não faltaram menções às Etecs e Fatecs. Lembraram que o local que hoje abriga 1,6 hectare de mata atlântica já foi o presídio do Carandiru. Serra e Alckmin eram reconhecidos pelo público o tempo todo, e traziam consigo Aécio na hora das fotografias. Sem Serra, o presidenciável e o governador seguiram, então, para Itaquera. Lá, finalmente, se deu o corpo a corpo mais efetivo. Ciceroneados pelo padre Rosalvino, à frente da obra social Dom Bosco, Aécio e Alckmin atravessaram os stands da feira e conversaram com os presentes. O governador cumprimentava a todos e, na sequência, introduzia Aécio. Houve até pausa para o pastel. Quando Aécio descolava-se de Alckmin, era recebido em tom menos acalorado. Até que o governador aparecia: “Ah, esse ai eu já conheço”, comemorou a vendedora de fogazza ao avistar Alckmin. Na saída, Aécio e Alckmin concederam entrevista coletiva. O presidenciável elogiou as Fatecs e Etecs, marcas do governo tucano em SP: “Precisamos estender as Fatecs e Etecs para o Brasil. Essas escolas são referência para o País”, afirmou: “Esse é o Brasil que precisa ser construído, o do empreendedorismo”. Questionado sobre as pesquisas de mercado que atrelam a eventual reeleição de Dilma a uma piora no cenário econômico, afirmou: “Essas pesquisas apontam na mesma direção: o fracasso da política econômica do governo Dilma Rousseff”. E prosseguiu: “O governo perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas, o que impacta fortemente no crescimento do Brasil”. Sobre a crise diplomática provocada com Israel por uma declaração do Brasil acerca do conflito no Oriente Médio, Aécio afirmou que faltou equilíbrio ao governo – e que o documento deveria ser mais enfático na exigência de um cessar-fogo, sem se esquecer das ações do Hamas contra os israelenses. Esse foi o quarto evento de campanha de Aécio em São Paulo – maior colégio eleitoral do país, com 32 milhões de eleitores.

PETROBRAS AUMENTA SEUS GASTOS EM PUBLICIDADE EM PLENA CAMPANHA ELEITORAL

Os gastos com publicidade da Petrobras aumentaram 17% no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado, saltando de 132 milhões de reais em 2013 para 154 milhões de reais nos seis primeiros meses de 2014. O orçamento médio mensal de propaganda da companhia quase triplicou em maio e junho se comparado ao intervalo de janeiro a abril. A curva ascendente ocorre após a crise envolvendo negócios da companhia e às vésperas do prazo de suspensão das publicidades institucionais das empresas estatais. As médias mensais de gastos com propaganda da Petrobras passaram de 15,5 milhões de reais, de janeiro a abril, para 46 milhões de reais, em maio e junho. Até abril, as despesas eram inferiores às do ano passado – somavam 62 milhões, contra 90 milhões de reais em igual período de 2013. No mesmo mês, a estatal foi contratada pela União para produzir em quatro áreas do pré-sal e também atingiu o pico de extração de petróleo na região. Em período eleitoral, PT e PSDB travam uma luta sobre as publicidades da Petrobras. A marca de produção de 500.000 barris por dia no pré-sal, no início de julho, foi comemorada pela presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, como um ganho pessoal. A conquista motivou uma grande festa na sede da companhia, com a presença de Dilma. As festividades e promoções ocorreram também em sequência a uma série de acusações de corrupção envolvendo ex-diretores, denúncias que levaram à criação de duas comissões parlamentares de inquérito (CPIs) no Congresso e outras investigações. O PSDB entrou com representações no Tribunal Superior Eleitoral e conseguiu suspender anúncios de divulgação do recorde do pré-sal e de promoção da gasolina de menor teor de enxofre produzida pela empresa, a S-50. "A Petrobras é o ‘calcanhar de Aquiles’ do governo Dilma. Nossa preocupação é que a presidente use a empresa para se promover", afirmou o deputado Carlos Sampaio, coordenador jurídico pela campanha do candidato tucano à Presidência, Aécio Neves. Sobre a gasolina S-50, a estatal argumenta que não se trata de campanha institucional e que, por isso, não contraria a lei, embora a empresa seja a única a produzir o combustível. Ela vai recorrer para veicular o anúncio novamente. Esta publicidade substituiu a do pré-sal após 5 de julho, quando, pelo calendário do TSE, foram proibidos os anúncios institucionais das estatais, a não ser que o foco sejam produtos comercializados em um ambiente de concorrência de mercado. Atualmente, apenas a publicidade do lubrificante Lubrax está sendo veiculada. No site de campanha de Dilma, entretanto, o pré-sal continua sendo exibido como uma ferramenta de marketing. Na página, um vídeo de dois minutos associa diretamente a imagem da presidente à contratação da Petrobras para a produção no pré-sal destacando a geração de "mais recursos para a economia, mais tecnologia no Brasil e milhares de novos empregos". Além disso, informa, será destinado 1,3 trilhão de reais da receita para saúde e educação. O comitê da petista afirma que a estatal não está sendo usada eleitoralmente. Segundo a assessoria da campanha da presidente, o pleito não será pautado pela discussão de empresas específicas. "A proposta é estabelecer um amplo debate com a sociedade sobre as diretrizes que sustentarão o novo ciclo de mudanças. O plano de governo para o segundo mandato aponta o papel que a Petrobras desempenhará no novo ciclo de desenvolvimento do País proposto para o segundo mandato de Dilma Rousseff, que será lastreado pela educação", afirma o texto encaminhado pela assessoria de imprensa da campanha da presidente. A estatal mudou o tom de suas campanhas publicitárias em abril tornando-as mais nacionalistas, quando a estatal passou a adotar o slogan "A gente é mais Brasil", em substituição ao anterior, "Gente. É o que inspira a gente", utilizado em 2013. "A frase ‘A gente é mais Brasil’ é uma assinatura de campanha, que funciona como conceito guarda-chuva. Esta assinatura seguirá acompanhando todos os esforços publicitários institucionais da Petrobras no ano de 2014", informou em nota a empresa petrolífera. A adoção de uma frase que pudesse associar a Petrobrás ao sentimento de nacionalidade e a avanços econômicos decorrentes do pré-sal ocorreu logo após a divulgação de denúncias que envolviam o nome da empresa e sugeriam atos de corrupção cometidos por integrantes de sua antiga diretoria. Logo após a divulgação de detalhes da compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras - que se tornou o pivô da crise envolvendo a estatal -, o ex-diretor de Abastecimento da companhia Paulo Roberto Costa foi preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, por suspeita de participar de esquema de lavagem de dinheiro. Costa participou da aquisição de Pasadena.

O VALOR DA PROPINA NO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DOBROU SOB O COMANDO DO PR

Em junho de 2011, a presidente Dilma Rousseff reuniu alguns dos principais integrantes da cúpula do Ministério dos Transportes no Palácio do Planalto para passar-lhes uma descompostura daquelas de fazer tremer o chão. Recém acomodada no gabinete mais importante da República, Dilma reclamou dos seguidos aumentos nos custos das obras de rodovias e ferrovias tocadas pelo ministério e, fazendo jus à fama de durona, soltou o verbo contra os responsáveis por gerenciar os contratos — todos eles ligados ao PR, o Partido da República, que ocupava a pasta na ocasião. “Vocês são inadministráveis e estão inviabilizando o meu governo”, sentenciou. Era o primeiro ato da chamada “faxina ética”, durante a qual a presidente demitiu seis ministros acusados de corrupção. O então titular dos Transportes, Alfredo Nascimento, inaugurou a lista após a revista VEJA mostrar que a elevação dos custos das obras do ministério era, na verdade, uma maneira de bancar um esquema clandestino de arrecadação de propina controlado pelo PR: para conseguirem os contratos, os empreiteiros superfaturavam as obras e repassavam 4% do que ganhavam ao partido. Três anos depois da faxina, o mesmo PR, presidido pelo mesmo Alfredo Nascimento enxotado lá atrás, segue firme e forte no comando do mesmo Ministério dos Transportes e envolvido nas mesmas tramóias. Diferente mesmo só a taxa de propina, que dobrou. Pouco antes de deixar o comando dos Transportes, no mês passado, o ministro César Borges recebeu em seu gabinete a visita do empreiteiro Djalma Diniz, dono da Pavotec Pavimentação e Terraplenagem. A empresa, com sede em Minas Gerais, tem contratos no Ministério dos Transportes que, somados, chegam perto de 2 bilhões de reais. O empreiteiro foi ao ministro reclamar que estava sofrendo pressão para repassar a deputados do PR uma parte de seus ganhos — mais especificamente, dos pagamentos relativos a dois contratos, um de 514 milhões e outro de 719 milhões, firmados no começo deste ano com a Valec, estatal encarregada de construir estradas de ferro. Djalma Diniz relatou em detalhes ao ministro o que classificava de achaque escancarado. Parlamentares exigiam dele parte dos lucros sob pena de rescisão dos contratos. Nas duas últimas semanas, com base em conversas gravadas, VEJA reconstituiu o episódio e seus desdobramentos. O autor da pressão, segundo o empreiteiro, era o deputado federal baiano João Carlos Bacelar Filho, um dos mais conhecidos expoentes da bancada do PR na Câmara dos Deputados. Foi o próprio ministro César Borges quem relatou a queixa do empreiteiro. Primeiro, a assessores e a políticos de sua confiança. “O dono da Pavotec me procurou no ministério para dizer que o deputado João Bacelar está cobrando dele uma participação nos contratos com a Valec”, disse a um amigo. A cobrança, segundo o empreiteiro relatara ao ministro, era explícita: em troca dos contratos firmados, o deputado exigia uma participação nos pagamentos. Em outras palavras, propina. O parlamentar dizia falar em nome do PR — e ainda explicava o motivo da cobrança. Segundo ele, o partido ajudara a Pavotec a fechar os contratos no governo e, por isso, o dono da empreiteira tinha de repassar uma parte do valor. Era assim que funcionaria a partir daquele instante. O empreiteiro procurou o ministro para saber se Bacelar falava mesmo em nome do partido. Foi informado de que não, e se recusou a fazer o pagamento. Caso aparentemente encerrado — mas não para o deputado e seu grupo no PR.

PAULO MALUF TEM CANDIDATURA IMPUGNADA PELA PROCURADORIA ELEITORAL

A Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo impugnou na sexta-feira o registro da candidatura à reeleição do deputado federal Paulo Maluf (PP). O pedido foi apresentado junto com outras 824 impugnações recebidas pela corte eleitoral. O que motivou o questionamento da Justiça foi a condenação do parlamentar em novembro de 2013 no caso de superfaturamento das obras do Túnel Ayrton Senna durante sua gestão na prefeitura de São Paulo, entre 1993 e 1997. Entre as penas a que foi submetido, Maluf teve os direitos políticos cassados por cinco anos, o que o torna inelegível, segundo a Lei da Ficha Limpa. Conforme o procurador Regional Eleitoral, André de Carvalho Ramos, Maluf não apenas não obteve a suspensão de sua condenação no Tribunal de Justiça de São Paulo como ainda deixou de apresentar à Justiça Eleitoral a documentação que atesta que ele está "em pleno exercício de seus direitos políticos", uma das condições necessárias para se candidatar, segundo a lei.

LICITAÇÃO PARA OBRAS NAS ECLUSAS DE TUCURUÍ ESTÁ SUSPENSA

A licitação que prevê a retirada de uma corredeira de pedras da hidrovia do Tocantins, no Pará, emperrou mais uma vez. A situação, que trava a navegação no rio, mantém as eclusas da hidrelétrica de Tucuruí praticamente inutilizadas há quase quatro anos. No mês passado, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) teve de cancelar a sua mais recente tentativa de licitar a obra, depois de o edital ser questionado por empresas interessadas no projeto. O Tribunal de Contas da União também pediu que fosse alterada a modalidade de contratação, que chegou a ter custo estimado em cerca de R$ 520 milhões. Por meio de nota, o Dnit informou que está alterando itens do edital e que a republicação sairá em agosto. A licitação tem previsão de ocorrer 15 dias após a divulgação do novo edital. Em março, a presidente Dilma Rousseff esteve em Marabá (PA) para lançar o edital da obra, com a promessa de acabar com a novela do chamado “Pedral do Lourenço”, um trecho de 43 quilômetros que precisa ser removido do leito do rio. O pedregulho é alvo de licitação do Dnit desde o fim de 2010, quando foram inauguradas as eclusas de Tucuruí. Desde então, o projeto esbarra em questionamentos de empresas, falhas de avaliação e burocracia. O atraso nas obras já fez a mineradora Vale colocar na geladeira um projeto de R$ 5,8 bilhões. As obras da siderúrgica Aços Laminados do Pará (Alpa) chegaram a ser iniciadas em outubro de 2010, com execução de serviços de terraplenagem, e o empreendimento acabou suspenso pela empresa, por conta do impasse na hidrovia. A Confederação Nacional da Indústria estima que o País teria uma economia anual de R$ 650 milhões em logística, se a hidrovia estivesse operando. A indiferença com que o transporte fluvial tem sido tratado aparece nas contas oficiais do governo. Em 2012, quando foi criado o Programa Transporte Hidroviário, foi autorizado um orçamento de R$ 619 milhões para o setor, mas apenas 2,9% desse valor foi efetivamente usado, apontam os dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), compilados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). No ano passado, o orçamento foi reduzido para R$ 311 milhões, com execução de 31%. Neste ano, a cifra autorizada é ainda menor, de R$ 262 milhões. Até julho, somente 9% desse montante havia sido utilizado.

ISRAEL DECIDE ESTENDER CESSAR-FOGO POR MAIS 24 HORAS

O gabinete de segurança de Israel aprovou a extensão do cessar-fogo em Gaza por mais 24 horas, até a meia-noite deste domingo, pelo horário local (18 horas de Brasília). Durante este período, o Exército israelense vai continuar a atacar túneis clandestinos construídos para alcançar o território de Israel e vai responder a violações na trégua. A solicitação para que o período de cessar-fogo fosse ampliado foi feita pela ONU. Uma nova reunião do gabinete será realizada neste domingo para discutir os próximos passos da operação militar destinada a conter o lançamento de foguetes a partir de Gaza. Israel e o Hamas haviam concordado inicialmente com uma pausa de 12 horas nas hostilidades. Quando o período foi encerrado, Israel anunciou que continuaria com a trégua até a meia-noite deste sábado. No entanto, o grupo fundamentalista palestino rejeitou a oferta e voltou a lançar foguetes em direção ao território israelense. O Hamas continua fazendo exigências inaceitáveis para aceitar um cessar-fogo mais duradouro, dizendo que quer uma interrupção total dos ataques e o fim do bloqueio a Gaza.

PAPA FRANCISCO RENOVA ATAQUE À MÁFIA EM REGIÃO ASSOLADA POR LIXO TÓXICO

O papa Francisco pediu neste sábado que a natureza seja protegida de atos criminosos durante visita à cidade de Caserta, no sul da Itália e perto de Nápoles, região há muito prejudicada por despejos ilegais de lixo tóxico e pela penetração da organização mafiosa conhecida como Camorra. Durante uma missa ao ar livre diante de 200 mil pessoas, o Papa Francisco disse que o amor de Deus significa respeito à vida, ao meio ambiente e à natureza. "Sei que vocês sofrem com estas coisas", declarou ele de improviso diante de Reggia di Caserta, o antigo palácio dos reis Bourbon de Nápoles. "É particularmente importante nesta linda região de vocês, que precisa ser protegida e conservada, que nos exige ter coragem de dizer não a toda e qualquer forma de corrupção e ilegalidade", afirmou ele sob aplausos da multidão: "Todos nós sabemos o nome destas formas de corrupção e ilegalidade". Embora menos explícito que em seu ataque contundente à máfia em visita a Calábria no mês passado, quando disse que todos aqueles que seguem o "caminho do mal" da máfia estão "excomungados", o local do pronunciamento do pontífice não deixou dúvidas quanto aos destinatários. Atualmente assolada pelo crime, a corrupção e o desemprego cronicamente alto, a região ao redor de Nápoles deveria ser uma das mais férteis da Itália devido ao rico solo vulcânico do Monte Vesúvio. Ao invés disso, ela tornou-se famosa pela "terra dei fuochi", ou "terra do fogo", poluída há décadas pelo despejo descontrolado e as queimadas de lixo tóxico, aos quais se atribuem os níveis incomumente altos de câncer e outras doenças. A própria Caserta se localiza nos arredores do assim chamado "Triângulo da Morte", onde as taxas de mortalidade estão em seu nível mais elevado, mas é considerada um dos bastiões da Camorra, que está por trás da maior parte dos despejos ilegais. "Esta região magnífica foi especialmente prejudicada pelos muitos depósitos de lixo de outras partes da Itália e da Europa, que causam tanta morte e desgosto", declarou o bispo de Caserta, Giovanni D'Alise, durante a missa.

CESSAR-FOGO ACABA EM GAZA E TERRORISTAS DO HAMAS RETOMAR ATAQUES CONTRA ISRAEL

Terroristas islâmicos do Hamas retomaram ataques com mísseis contra Israel a partir de Gaza neste sábado, rejeitando a ampliação do cessar-fogo do conflito que já deixou mais de mil árabes palestinos mortos. Israel concordou em estender a pausa inicial de 12 horas nos combates por mais quatro horas, mas foi rejeitado pelo grupo terrorista islâmico Hamas, que domina Gaza. Sirenes de alerta soaram em todo o país quando foguetes foram disparados, informou a polícia. Um tiro de tanque israelense matou um homem ao sul da Faixa de Gaza, disse uma autoridade local, anunciando a primeira vítima fatal após a ruptura do cessar-fogo. Mesmo antes de a trégua acabar, alguns ministros israelenses sinalizaram que era remoto um acordo abrangente para acabar com o conflito de 19 dias com o Hamas e seus aliados. Os habitantes de Gaza já haviam aproveitado a trégua para recuperar seus mortos e estocar suprimentos de alimentos, inundando as ruas após o cessar-fogo ter começado às 3 horas (horário de Brasília), em meio a um cenário de destruição em massa em algumas áreas. O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf Al-Qidra, disse que equipes de resgate haviam recuperado 132 corpos de bairros destruídos. O homem morto pelo tanque elevou o número de mortes palestinas para 1.033 desde 08 de julho, quando Israel lançou sua operação defensiva contra o terror. O gabinete de segurança de Israel esteve reunido neste sábado para discutir os esforços internacionais, que estão sendo liderados pelo secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, em Paris, para assegurar trégua mais duradoura. Mas, antes de os novos ataques acontecer, o ministro do gabinete de segurança, Gilad Erdan, havia dito que a possibilidade de acordo definitivo era pequena, sem representantes de Israel, Egito ou da Autoridade Palestina presentes nas negociações em Paris. "Acho que estamos muito longe de uma solução diplomática. Faz muito mais sentido estarmos mais perto de expandir a operação militar", disse ele mias cedo a um canal da televisão israelense.