segunda-feira, 16 de julho de 2012

Pai de Eike Batista critica política economica petista e de Dilma e diz: "Estamos virando uma colônia européia africana"

Eliezer Batista, ex-ministro e fundador da Vale, criticou nesta segunda-feira, durante as comemorações pelo 203 aniversário da Associação Comercial do Rio de Janeiro, a situação da economia brasileira. Segundo ele, o País erra em não ter uma postura mais agressiva na exportação de produtos industrializados: "Eu vejo essa elevada participação de produtos básicos nas exportações como algo muito mau, nós estamos virando uma colônia européia africana do século passado. E sem agregar valor você não cria empregos de qualidade". Eliezer Batista disse que o Brasil precisa copiar o modelo coreano para se desenvolver com inovação. Aos 88 anos, Eliezer afirmou que hoje no Brasil se fala muito em educação, mas pouco se faz para elevar a qualidade dos docentes no País. E criticou a falta de conhecimento aprofundado: "Olha essa discussão do Código Florestal. Muitos lutam sem conhecer a Amazônia, não há um estudo sério sobre a floresta. É a luta pela luta, com boa intenção, mas sem conhecimento científico". Eliezer Batista disse que o País precisa de mais ordem e civismo, além de uma transformação cultural, e lembrou que os grandes projetos do país em infraestrutura, como a exploração de petróleo em Macaé, a construção de Brasília e as grandes hidrelétricas, foram responsáveis por uma elevada favelização em seus entornos. O fundador da Vale afirmou, contudo, que nos empreendimentos da EBX, grupo de seu filho, Eike Batista, e da qual participa do Conselho de Administração, têm outra visão e não haverá favelização em suas frentes, como a construção do Superporto de Açu, em São João da Barra. Eliezer Batista também defendeu os negócios do filho na área de petróleo. Segundo o engenheiro, o mercado financeiro está sendo “exagerado e injusto” com a empresa. Os papéis da EBX caíram muito nas últimas semanas, depois que a empresa enfrentou dificuldades para explorar petróleo no litoral Norte do Rio de Janeiro, perderam quase 60% do valor, e estão virando mico. "A reação do mercado foi muito exagerada. Exagerada e injusta. Uma firma que está no processo de produção. Dar um tratamento injusto a uma companhia brasileira é, no mínimo, falta de civismo", afirmou, lembrando ainda que a EBX não vive uma onda de otimismo exagerado e que todo operador de petróleo encontra obstáculos que não estavam previstos. "Está tudo no começo, o petróleo está lá e vai ser retirado", completou Eliezer Batista, dizendo tratar-se apenas de um problema técnico.

Jersey tem nesta terça última audiência sobre Paulo Maluf

A Corte Real de Jersey terá nesta terça-feira sua última audiência no caso envolvendo a suspeita de lavagem de dinheiro do ex-prefeito Paulo Maluf, em um caso que já completa mais de uma década e que envolve o congelamento de ativos de US$ 175 milhões em nome de empresas do político brasileiro. O juiz irá ouvir a argumentação final dos advogados da prefeitura de São Paulo, que tentam recuperar parte do dinheiro, e a defesa do ex-prefeito. Uma decisão, porém, deve ser tomada apenas nas próximas semanas. Os advogados da prefeitura vão insistir em atacar a movimentação das empresas ligadas ao ex-prefeito. A estratégia foi a de concentrar as evidências em cinco semanas de transações que, na avaliação da prefeitura, escancaria a movimentação destinada a retirar dinheiro da corrupção e transferi-lo para o exterior. Nesse período, US$ 22 milhões estariam sendo focados pelos advogados da prefeitura e a aposta é de que esse seja o valor que de forma mais fácil poderia ser recuperada. "Mas esse não é o volume total de dinheiro bloqueado em Jersey", indicou uma fonte próxima ao processo em Jersey. Por mais que Maluf e seus advogados no Brasil insistam em dizer que o ex-prefeito não tem e nunca teve contas no Exterior, a própria assessoria de imprensa da Corte Real de Jersey se refere ao processo indicando que ele trata do caso envolvendo um "ex-prefeito de São Paulo".

Delúbio Soares diz ter agido sozinho e nega mensalão

Em memorial sucinto enviado ao Supremo Tribunal Federal, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, assumiu sozinho a responsabilidade pela distribuição de recursos ilegais a políticos e partidos da base aliada do governo Lula. Mas, negou que os pagamentos tivessem relação com o "falacioso mensalão" e alegou ser inocente das acusações de corrupção ativa e formação de quadrilha. A estratégia de colocar a conta do Mensalão do PT nos ombros de Delúbio para livrar os demais réus foi combinada pelo "núcleo central da quadrilha", definição usada pela Procuradoria-Geral da República na denúncia entregue ao Supremo em 2007. O acerto teria sido articulado entre o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), apontado como "chefe da organização criminosa", o ex-presidente do PT José Genoino e o próprio Delúbio. Segundo o ex-tesoureiro, as acusações "não se sustentam". "Os repasses de valores tiveram como única finalidade o pagamento de despesas decorrentes de campanhas eleitorais, tanto dos diretórios estaduais do PT, quanto dos partidos que integravam a chamada base aliada", afirma Delúbio. "Restou comprovado que o dinheiro utilizado para pagamento de dívidas de campanha foi obtido por meio de empréstimos, junto ao Banco Rural e ao banco BMG", insistiu, embora a CPI dos Correios, em 2005, tenha afirmado que o dinheiro teve origem em repasses irregulares do governo para empresas do empresário Marcos Valério e, de lá, para o caixa do PT. Ao contrário do que afirma o Ministério Público, Delúbio Soares nega a existência de corrupção no esquema. "Os elementos probatórios colhidos na presente ação penal revelam com clareza que não houve transferência de dinheiro para compra de votos no Congresso", disse ele: "É fundamental destacar que as principais reformas votadas no período questionado só foram aprovadas com votos da oposição". O julgamento do Mensalão do PT começa no dia 2 e Delúbio Soares pode pegar até 12 anos de prisão, além de ficar inelegível por até 15 anos.

FMI baixa projeção de crescimento mundial; a do Brasil cai para 2,5%; mercado prevê apenas 1,9%

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para baixo sua perspectiva para a economia mundial e pediu às autoridades monetárias ações fortes para combater os múltiplos riscos ao enfraquecimento da recuperação global. Na revisão trimestral do Cenário Econômico Global (WEO, na sigla em inglês), o FMI manteve a projeção de crescimento para a expansão da economia mundial em 3,5% em 2012, e reduziu de 4,1% para 3,9% a projeção para 2013, em comparação com a projeção divulgada três meses atrás. O Fundo alertou que os riscos de uma desaceleração rápida “continuam amplos” devido à ameaça de atraso ou ação insuficiente das autoridades monetárias. No relatório, o FMI advertiu as autoridades monetárias na Europa e Estados Unidos dos perigos impostos pelo estado atual da economia. “As pessoas sentem que o mundo se tornou mais sombrio”, afirmou o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard: “A tendência é um pouco pior do que as projeções sugerem. Ainda temos uma recuperação fraca no mundo". As projeções estão baseadas em três grandes hipóteses: os líderes da zona do euro tomarão “atitudes políticas suficientes” para reduzir a crise financeira na região; o governo dos Estados Unidos agirá para evitar um aperto nítido na política fiscal no próximo ano; e os esforços dos países emergentes para acelerar o crescimento ganharão impulso. O FMI espera desaceleração no crescimento este ano em quase todas as principais economias devido aos temores de que uma desaceleração profunda pese globalmente sobre empresas e consumidores, contribuindo para uma retração no comércio: “Eu acredito que provavelmente isso terá um efeito nas decisões em todo o mundo". O FMI reduziu sua projeção para o crescimento da economia do Brasil este ano para 2,5%. No relatório anterior, divulgado em abril, o FMI previa uma expansão maior de 3,1% no Brasil. Apesar de ter reduzido a previsão de crescimento para o Brasil, a expectativa do Fundo ainda é maior que a do mercado. No Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, os economistas consultados pelo Banco Central (BC) rebaixaram de 2,3% para 1,9% suas previsões médias para o Produto Interno Bruto (PIB) do País. O FMI reduziu também suas projeções de crescimento em 2012 para a China, de 8,2% para 8,0%, e para a Índia, de 6,8% para 6,1%. Segundo o FMI, essas economias emergentes estão desacelerando devido “a forças globais, demanda doméstica mais fraca e maior aversão dos investidores ao risco”. “Todos elas, de formas diversas, viram as exportações ou os investimentos desacelerarem”, disse Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI: “Minha impressão é que… essas taxas de crescimento serão um pouco menores do que foram ao longo da década passada". O Fundo rebaixou nesta seguna-feira em 0,3% sua expectativa em 2012 para o crescimento da economia da América Latina, fixando-a em 3,4%. Segundo o FMI, a América Latina acusará a desaceleração da China, que deixará de crescer entre 9% e 10%, como vinha fazendo, para se expandir a 8% em 2012 e 8,5% em 2013.

Câmara aprova texto-base da MP que desonera folhas de pagamento

A Câmara dos Deputados aprovou nesta segunda-feira o texto-base da Medida Provisória 563/2012, do Plano Brasil Maior. A proposta prevê a desoneração da folha de pagamento de setores industriais. A medida beneficia com a desoneração da folha, em troca de uma percentagem sobre a receita bruta, os setores de hotéis, móveis, autopeças, naval, aéreo e de empresas de call center e de projetos de chips. Para esses ramos, a mudança começará em 1º de agosto. O parecer do relator da medida na comissão mista, senador Romero Jucá (PMDB-RR), concede esses benefícios a empresas de transporte de carga e de passageiros, fabricantes de brinquedos e fornecedores de pedras, como granitos e mármores. Eles serão beneficiados a partir do primeiro dia do quarto mês após a publicação da medida provisória, após aprovação no Congresso, ou a partir de 1º de janeiro de 2013. O governo estava preocupado em aprovar nesta semana a MP 563 porque ela perde a validade no dia 1º de agosto. Seria mais difícil obter quorum suficiente para aprovar a medida a partir desta semana. Segundo o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), se a MP não fosse aprovada até o final do mês, poderia haver queda da produção industrial do País, com um prejuízo de cerca de R$ 10 bilhões.

Deputados do Paraná deixam partidos para se filiar ao recém-criado PEN

De fora das eleições de 2012, o recém-criado Partido Ecológico Nacional (PEN) começou a ser estruturado no Paraná a partir desta segunda-feira. A legenda confirmou a adesão do deputado federal Fernando Francischini, ex-PSDB, além da entrada do deputado estadual Cleiton Kielse, que deixa o PMDB, em encontro nacional realizado em Brasília. A criação do PEN foi aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral no dia 19 de junho, constituindo-se assim como o 30º partido do Brasil. No Paraná, passaram a existir 29 legendas em atividade, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral. Contudo, como foi criado a menos de um ano das eleições municipais, o PEN não poderá concorrer em 2012. O número de urna será o 51. De acordo com o site do partido, estão entre as ideias gerais defendidas pela legenda a redução de emissão de gases do efeito-estufa nas grandes cidades; incentivo ao reaproveitamento e reciclagem de materiais; criação de varas ambientais especializadas e definição de regras para a aplicação do Código Florestal em áreas urbanas.

Argentina adverte petrolífera por exploração nas Ilhas Falklands

O governo da Argentina advertiu nesta segunda-feira a companhia petrolífera britânica Premier Oil, que pretende se associar com a empresa Rockhopper Exploration para buscar petróleo cru nas Ilhas Falklands, que a prospecção de hidrocarbonetos no arquipélago é considerada "ilegal" pelo país sul-americano. A Chancelaria argentina informou em comunicado que enviou uma nota com a advertência à Premier Oil depois que esta empresa, com sede em Londres, anunciou sua intenção de associar-se com a também britânica Rockhopper para explorar petróleo nas Falklands, sob dominação britânica e cuja soberania a Argentina reivindica. Na nota enviada à petrolífera, Buenos Aires afirmou que "as atividades de prospecção de hidrocarboneto desenvolvidas pela firma Rockhopper Exploration PLC na plataforma continental argentina são ilícitas, e portanto a Argentina declarou a citada empresa ilegal, e ilegais suas atividades, dando início às correspondentes ações legais". A Argentina já iniciou procedimentos similares contra as empresas Argos Resources, Falkland Oil and Gás Limited (FOGL), Borders & Southern Petroleum e Desire Petroleum, que também desenvolvem atividades petrolíferas nas ilhas Falklands. O governo de Cristina Kirchner avisou à Premier Oil que a Argentina "iniciará as devidas ações administrativas, civis e penais previstas na legislação argentina em relação a tais atividades, incluindo as relativas à proteção do meio ambiente marinho, em particular, em caso de eventuais danos ecológicos produzidos pelas mencionadas atividades ilícitas".

Petroleiros discutirão com Petrobras participação nos lucros

A FUP (Federação Única dos Petroleiros) informou que vai se reunir nesta terça-feira com a Petrobras para tentar evitar uma greve geral da categoria a partir do dia 20. Segundo a assessoria da FUP, a Petrobras convocou a reunião "para concluir as negociações". A entidade esteve na semana passada com a presidente da empresa, Graça Foster. A estatal não confirma o encontro de amanhã e se limitou a informar que "as negociações estão em andamento". Os petroleiros reivindicam que o tratamento dado aos funcionários no pagamento da PLR (Participação nos Lucros e Resultado) seja o mesmo dado aos acionistas. Segundo a FUP, enquanto a empresa reduziu em 7,8% o montante a ser dividido entre os trabalhadores, elevou em 2,3% a fatia de dividendos provisionada em balanço para o pagamento aos acionistas. Apesar da reunião com a estatal, os petroleiros realizam até o dia 19 assembléias para decidir se haverá greve. Até o momento, decidiram pela parada das atividades os sindicatos da Bahia e do Rio Grande do Norte. De acordo com o Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista, se a empresa não apresentar uma nova proposta para a PLR, uma operação-padrão pode começar já na quarta-feira. Pela carta da Petrobras, divulgada pelo sindicato e endereçada a vários sindicatos, a empresa convoca a reunião "objetivando a construção de uma nova proposta e a conclusão do processo de negociação da PLR 2011".

Presidente da Previ diz que pode assumir Conselho da Vale

O presidente da Previ, Dan Conrado, admitiu que pode assumir a presidência do conselho de administração da Vale, mas não especificou quando. “"Pode ser que sim, mas não agora", disse ele em evento no Rio de Janeiro. O cargo era ocupado por Ricardo José da Costa Flores, que deixou a presidência da Previ no começo de junho, em meio a disputas com o comando do Banco do Brasil . Dan Conrado preferiu não estimar um prazo também para a redução de participação do fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil na Vale. Pela lei que regula dos fundos de pensão, nenhum fundo pode ter mais que 25% do capital de uma companhia e nenhuma empresa pode representar mais de 10% dos ativos de um fundo. A Vale responde por mais de 20% do portfólio da Previ. "Temos muito prazo para fazer isso, até 2017", afirmou Dan Conrado. O executivo manifestou interesse na fatia da espanhola Iberdrola na Neoenergia, empresa da qual a Previ também é sócia. Dan Conrado ressaltou, no entanto, que até agora não recebeu nenhuma resposta da Iberdrola a respeito. "Já conversamos bastante, tivemos várias reuniões, mas não tem nenhuma solução no curto prazo", finalizou Dan Conrado.

PT lidera primeira pesquisa Ibope para prefeitura do Recife

O senador Humberto Costa, candidato do PT à prefeitura do Recife, saiu na dianteira na primeira pesquisa Ibope para a eleição municipal deste ano. O petista tem 40% das intenções de voto, seguido por Mendonça Filho, do DEM, com metade das intenções de voto do primeiro colocado. Em terceiro lugar vem o tucano Daniel Coelho, com 9%. O PSB, com Geraldo Julio, ocupa a quarta posição, com 5% das intenções de voto. Esteves Jacinto (PRTB) teve 2%, enquanto Edna Costa (PPL) e Jair Pedro (PSTU) apareceram com 1% das intenções de voto, cada um. Roberto Numeriano, do PCB, não pontuou. Votos brancos e nulos somaram 14% e 7% disseram não saber em quem votar ou não responderam.

Sobe para 33 número de mortes por gripe A no Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul já soma 33 mortes em decorrência da gripe A neste ano, segundo boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde na tarde desta segunda-feira. São quatro novas vítimas da doença desde o levantamento anterior, do dia 12 de julho. O Estado também ultrapassou a marca das duas centenas de casos de pessoas infectadas pelo vírus H1N1 no ano. São 218 casos confirmados, ante 192 diagnósticos que constavam do boletim do final da semana passada. O número, no entanto, é bem menor do que os 635 casos confirmados e 52 mortes em Santa Catarina, conforme dados contabilizados até o dia 10 de julho. Sem novas doses da vacina contra a gripe, não resta outra saída à Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul senão focar no tratamento dos casos da gripe por meio da indicação do antiviral Oseltamivir, conhecido com o nome comercial de Tamiflu. Pacientes que forem diagnosticados com síndrome gripal devem ser tratados com o medicamento, que está sendo distribuído gratuitamente nos postos de saúde, com a exigência de apresentação de uma receita médica simples. É mais completa e absoluta comprovação do total despreparo e falta de previsão, e omissão, das autoridades públicas da área de saúde.

Haddad critica cobrança de pedágio entre cidades da Grande São Paulo

O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, criticou nesta segunda-feira, a cobrança eletrônica de pedágio em rodovias que interligam cidades da Região Metropolitana de São Paulo. O novo modelo de cobrança, por quilômetro rodado, está sendo testado pelo governo do Estado na SP-75, entre Indaiatuba e Campinas. "A circulação da riqueza e das pessoas dentro da região metropolitana precisa ser facilitada, e o pedágio urbano vai no sentido contrário dessa integração", afirmou Haddad, durante caminhada em São Mateus, na região leste da capital. O pedágio eletrônico poderia ser aplicado na ligação da capital ao aeroporto de Cumbica, a São Bernardo do Campo e a Cotia, entre outros. A Agência de Transporte do Estado de São Paulo afirmou que não há prazo para a implementação do novo sistema de cobrança e que o modelo levará em conta as particularidades de cada estrada. Haddad também criticou a "falta de liderança" do prefeito Gilberto Kassab (PSD) para desenvolver políticas públicas articuladas entre as cidades da região metropolitana, especialmente em relação ao transporte.

Funcionários da Eletrobras entram em greve

Os funcionários da Eletrobras entraram em greve nesta segunda-feira após não terem conseguido o aumento salarial solicitado e pedindo a retomada das negociações, informou o secretário de energia da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), Fernando Pereira. O representante dos trabalhadores disse que a adesão ao movimento "é boa", e que praticamente todos os funcionários de 14 empresas do grupo pararam, com exceção dos 30% necessários para manter as atividades de operação e outras essenciais. "Paramos por tempo indeterminado até o governo autorizar a reabertura das negociações", disse Pereira. Os trabalhadores pedem aumento salarial de 10,73%, segundo Pereira, enquanto a Eletrobras ofereceu 5,1%. Fernando Pereira disse ainda que os trabalhadores querem discutir a estrutura da empresa, que segundo ele tem cerca de 20 mil terceirizados, além dos 27 mil contratados. Os trabalhadores que aderiram à greve atuam nas empresas Eletronorte, Eletrosul, Eletronuclear, Chesf, Furnas, CGTEE, Boa Vista Energia, Eletroacre, Ceron (RO), Amazonas Energia, Ceal (AL), Cepisa (PI) e Cepel, segundo informações da FNU.

Líder petista na Câmara defende impeachment do governador Marconi Perillo

O líder do PT na Câmara dos Deputados, o deputado federal Jilmar Tatto (SP), disse ser contrário a uma nova convocação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), para falar à CPI da Cachoeira. Para ele, o tucano mentiu em seu depoimento e merece ser cassado pelo elo com o contraventor. "Eu acho que não tem de convocar. Para quê? Para dar o showzinho dele? Bobagem. O que a CPI deveria fazer é representá-lo no Ministério Público para que esse possa representá-lo no Superior Tribunal de Justiça", disse o líder petista. Tatto afirmou que existem três fatos que comprovariam o envolvimento de Perillo com Cachoeira: "Tem três episódios com provas materiais que ligam o Perillo ao Cachoeira. Primeiro a casa, que está provado que foi Cachoeira quem comprou. Segundo, a cota de funcionários que ele colocou no governo. Terceiro, que foi o Cachoeira que pagou dívidas de campanha do governador". O líder petista afirmou que a Assembléia Legislativa de Goiás deveria abrir um processo de impeachment e que, se isso não fosse feito, caberia ao Superior Tribunal de Justiça tomar a medida de afastar Perillo da função: "É uma temeridade para Goiás ele continuar governador". Ué, e não é uma temeridade continuar no cargo o petista Agnelo Queiroz, no Distrito Federal?

Soja atinge preço recorde em Paranaguá

A soja entregue no porto de Paranaguá ultrapassou a barreira dos 80 reais nesta segunda-feira, atingindo patamar recorde, de acordo com o indicador Esalq/BM&FBovespa. A saca de 60 kg, transferida para armazéns do porto de Paranaguá, no litoral do Paraná, chegou a 81 reais, com alta de 2,53% em relação à última sexta-feira, quando foi cotada em 79 reais. O aumento no Brasil segue a tendência dos mercados internacionais, onde a oleaginosa também registra recordes de alta em função da estiagem que prejudica o desenvolvimento das lavouras no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Segundo o Cepea, centro de pesquisa da Universidade de São Paulo que realiza o levantamento de preços, os produtores brasileiros que têm produto para vender se retraem, o que reforça a firmeza do mercado.

Brindeiro explica à CPI origem de pagamento recebido de Cachoeira

O ex-procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, afirmou à CPI do Cachoeira que os depósitos feitos por Geovani Pereira da Silva, contador do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, ao escritório de advocacia do qual é sócio, serviram para pagar uma consultoria jurídica. No dia 14 de junho, a CPI aprovou requerimento do senador Pedro Taques (PDT-MT) pedindo explicações a Brindeiro sobre cinco repasses, no valor de R$ 161 mil, feitos por Geovani ao escritório Morais, Castilho e Brindeiro. Em ofício de 10 páginas encaminhado à comissão, o ex-chefe do Ministério Público Federal disse que seu escritório firmou um contrato com a empresa norte-americana Ocean Development II, que tinha interesse em saber se era legal a reativação de loterias estaduais em Goiás e Santa Catarina. Segundo Brindeiro, foi o argentino Roberto Coppola quem procurou o escritório em busca de assistência jurídica, porque estava interessado em concorrer em licitações públicas para a prestação dos serviços nos dois Estados. As investigações da CPI e da Polícia Federal já revelaram que Coppola agia como uma espécie de consultor de Cachoeira. Brindeiro negou ter tido qualquer relacionamento com Cachoeira ou com Geovani. O ex-procurador-geral disse ter feito um dos pareceres segundo o qual as loterias estaduais criadas por lei federal anterior à Constituição de 1988 poderiam continuar a funcionar legalmente. Esse é, segundo ele, o entendimento do Supremo Tribunal Federal. No documento enviado à CPI, não fica claro se esta é a situação de Goiás e de Santa Catarina. Brindeiro lembrou que, como ingressou na carreira antes da Constituição de 1988, tem direito a advogar. Ele disse ser sócio minoritário com 18% das cotas, o que, por essa razão, não lhe garante poderes de gestão financeira. O ex-procurador-geral, que comandou o Ministério Público no governo Fernando Henrique Cardoso, ainda está na ativa como subprocurador-geral da República. "Não há, assim, na conduta do signatário de elaborar o citado parecer jurídico - única conduta que lhe pode ser verdadeiramente atribuída nesse episódio - qualquer desvio ético que enseje descumprimento do Código de Ética do Conselho Nacional do Ministério Público e muito menos da Lei Orgânica do Ministério Público da União (Lei Complementar 75/95)", afirmou Brindeiro.

Sérgio Cabral diz que apoia fusão de PMDB com outras siglas

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, demonstrou apoio à fusão de seu partido, o PMDB, com outras siglas. O DEM já admite fusão com o PMDB, dependendo do resultado das eleições municipais de outubro. "Eu vejo sempre como boas as iniciativas que levem a um quadro partidário mais enxuto", disse o governador a jornalistas, após participar de reunião sobre combate a desastres naturais, realizada nesta segunda à tarde no Palácio do Planalto. E assim teríamos a coisa mais fantástica do mundo brasileiro, os ultra demonizados demos, pelos petistas, ingressariam na famigerada base aliada do petismo. "Esse enxugamento de partidos convergindo para identidades partidárias mais próximas, né, o PMDB é um partido de centro, converge pro centro, tem poucos mais à esquerda, outros mais conservadores, partidos que orbitam em torno do centro que desejam fundir com o PMDB são muito bem-vindos", disse esse gênio político carioca. Na avaliação do governador, o PMDB "ganha no sentido de amalgamar outros partidos, outras forças partidárias, que virão pro PMDB somar forças". Questionado se o DEM seria uma boa força partidária para ser somada, o governador respondeu: "Quem tem de avaliar é o Valdir Raupp, presidente nacional do PMDB".

Confirmadas mais duas mortes por gripe A em Porto Alegre

Mulher de 46 anos e criança de três meses são novas vítimas em Porto Alegre, que já registra cinco óbitos. Boletim divulgado pela Coordenação Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) de Porto Alegre, nesta segunda-feira, confirmou mais dois óbitos por gripe A na capital gaúcha. Um dos pacientes, uma mulher de 46 anos, não era vacinada e não não possuia nenhuma outra doença. O outro óbito é o de uma criança de três meses, não vacinada e com doença preexistente (neuropatia). Atenção: não se chegou ainda nem ao fim do primeiro mês do inverno, e já estamos nessa situação. É uma tragédia o descaso com que as autoridades tratam a saúde pública em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul.

O peremptório governador petista Tarso Genro vai montar a sua Comissão Estadual da Verdade

O governador do Rio Grande do Sul, o peremptório petista Tarso Genro, anunciou que deve assinar nesta terça-feira o decreto de criação da Comissão Estadual da Verdade, com o objetivo de facilitar o acesso público a documentos oficiais do período da ditadura militar, que durou de 1964 a 1985. Só isso? Não vai investigar crimes também? Se se der a este trabalho, o peremptório Tarso Genro poderá recomendar que investiguem o assassinato de Kurt Kriegel, dono do restaurante Rembrandt. Ele foi assassinado por um comando da VAR-Palmares, na noite do dia 22 de setembro de 1969, no bairro Moinhos de Vento. Faziam parte do comando dois homens e uma mulher. O dono do restaurante resistiu ao assalto e foi atingido pelos "revolucionários", que espalharam panfletos na saída atrapalhada do restaurante. Segundo a assessoria de comunicação do Piratini, a comissão gaúcha ajudará a resgatar a memória política e histórica do Estado e fornecerá subsídios à Comissão Nacional da Verdade, criada presidente Dilma Rousseff no final de 2011. A solenidade de criação da instância está marcada para ocorrer durante a Conferência Direitos Humanos, Desenvolvimento e Criminalidade Global, com apresentação do juiz espanhol Baltasar Garzón, a partir das 18 horas, no auditório do Ministério Público do Estado (Avenida Aureliano de Figueiredo Pinto, 80). Este juiz foi condenado pela Suprema Corte da Espanha, e está afastado de seu cargo, porque violou a lei espanhola e determinou a realização de escutas telefônicas ilegais. Além do magistrado espanhol, devem marcar presença na conferência o ministro do Superior Tribunal de Justiça e atual coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Gilson Dipp, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, e o ministro de Defesa do Uruguai, Eleutério Huidobro.

Suspensas as vendas de novas linhas de celular em Porto Alegre, de todas as operadoras

A venda de novas habilitações de celular e planos de internet móvel está oficialmente suspensa em Porto Alegre desde esta segunda-feira. A proibição foi emitida pelo Procon, por meio de medida cautelar administrativa, atingindo as quatro operadoras: Vivo, Claro, TIM e Oi. A decisão da diretora executiva do Procon do município, Flávia do Canto Pereira, foi tomada na última quinta-feira depois de receber representação da OAB/RS. O presidente da entidade, Cláudio Lamachia, entregou relatório com cerca de 500 formulários recebidos pelo site da OAB apontando locais no Estado onde não há sinal de celular e internet móvel. No pedido, feito também à Justiça, a entidade defendeu a proibição de vendas de novas habilitações, o desconto proporcional referente aos serviços não prestados e multa por descumprimento do dever de informação, ao não apontar os chamados pontos cegos aos consumidores.

Nazista mais procurado do mundo viveu por 17 anos tranquilamente em Budapeste

O criminoso nazista ainda vivo mais procurado do mundo, o húngaro Laszlo Csatary, de 97 anos, viveu dias tranquilos em Budapeste durante 17 anos, mesmo após a descoberta de sua verdadeira identidade e apesar das informações transmitidas à Justiça sobre o seu passado há mais de 10 meses pelo Centro Simon Wiesenthal, com sede em Jerusalém. Csatary, acusado de cumplicidade na morte de 15,7 mil judeus durante a Segunda Guerra Mundial, foi encontrado em Budapeste, conforme anunciou no domingo o diretor do Centro Wiesenthal, Efraim Zuroff. No edifício moderno de um sofisticado bairro da capital húngara, há dois nomes em uma caixa de correio: "Csatary/Smith". Estes são os nomes de uma única pessoa, Laszlo Csatary, o chefe de polícia no gueto judeu da cidade eslovaca de Kosice durante a Segunda Guerra Mundial. Nesse gueto, cerca de 15,7 mil judeus foram assassinados ou deportados para o campo de concentração nazista de Auschwitz, na Polônia, durante a ocupação pela Alemanha nazista deste país que era até então a Tchecoslováquia. De acordo com documentos dos arquivos do Centro, Laszlo Csatary tratou cruelmente os judeus do gueto. Espancava as mulheres e obrigava as pessoas a cavarem trincheiras com as próprias mãos. Csatary possui um apartamento de dois quartos no quinto andar. O carro de Laszlo Csatary, um Ford Scorpio cinza escuro, está estacionado na garagem do edifício. Antes de regressar a Budapeste, Csatary, que foi condenado à morte à revelia em 1948 na Tchecoslováquia, refugiou-se no Canadá, Montreal e Toronto, onde, sob uma falsa identidade, foi um negociante de arte. Em 1995, as autoridades canadenses descobriram a sua verdadeira identidade, mas deixaram que ele fugisse para a Hungria. Antes de sua fuga, admitiu aos investigadores canadenses sua participação na deportação de judeus, embora afirmasse que seu papel era "limitado". Em abril, o Centro Simon Wiesenthal colocou Laszlo Csatary no topo da sua lista de criminosos de guerra nazistas mais procurados do mundo.

Funcionários da Justiça gaúcha encerram greve fracassada

Terminou pouco depois das 17h30min desta segunda-feira, após assembleia realizada em Porto Alegre, a greve dos funcionários do Poder Judiciário. Conforme o secretário-geral do Sindicato dos Servidores da Justiça do Rio Grande do Sul (Sindijus), Osvaldir Rodrigues da Silva, a categoria entendeu que o Tribunal de Justiça não está disposto a negociar mais e que a sociedade não pode mais sofrer com a paralisação. Como são bonzinhos e compreensíveis esses sindicalistas, não é mesmo? A greve (meia boca) durou 20 dias e, conforme Osvaldir Rodrigues da Silva, os servidores acreditam que saíram fortalecidos da paralisação, uma vez que obtiveram reajuste de 6,10%, superior à proposta inicial do Tribunal de Justiça, que era de 2,25%. É emocionante a fala do peleguismo: "Acreditamos que o movimento saiu fortalecido porque avançamos em alguns pontos. Não tanto quanto desejávamos, mas saímos de 2,25% para 6,10%. E no último minuto o Tribunal de Justiça disse que, se encerrássemos o movimento hoje, teríamos abono aos dias parados". É impressionante ver como os sindicalistas se comoveram com a bondade do Tribunal de Justiça.

Moody's reduz a nota de 13 bancos italianos

A agência classificadora Moody's reduziu a nota (rating) de 13 bancos italianos nesta segunda-feira, citando a fragilidade do perfil creditício do governo italiano, depois de cortar a classificação de sua dívida na semana passada. "A redução da nota da dívida de longo prazo da Itália (em dois escalões na quinta-feira passada) implica um aumento do risco de que o governo não possa aportar seu apoio financeiro a seus bancos em grandes dificuldades financeiras", informou a agência em um comunicado. As classificações foram reduzidas em um ou dois níveis, com Unicredit e Intesa Sanpaolo caindo ambos a Baa2 de A3.

Pesquisador afirma que alardeado fim do petróleo é um mito

Um estudo recém-publicado sobre o volume das reservas de petróleo, e as novas descobertas no mar, nas rochas e nas areias, está causando alvoroço no mundo acadêmico. Intitulada “Petróleo - A nova Revolução”, a pesquisa feita pelo pesquisador italiano Leonardo Maugeri afirma categoricamente que não só o fim da era do petróleo está longe, como o aumento da capacidade de produção alcançará quase 20% nos próximos oito anos, uma taxa de crescimento que não se vê desde a década de 1980. Isso significa, nas contas do pesquisador, que o mundo poderá produzir 110,7 milhões de barris de petróleo por dia em 2020. Maugeri redigiu o relatório durante o ano sabático que tirou para estudar na Universidade de Harvard. Até então, o italiano era um dos altos executivos da petrolífera ENI, a maior empresa do setor em seu país. “Ao contrário do que a maioria das pessoas acredita, a capacidade de fornecimento de petróleo está crescendo mundialmente a níveis sem precedentes, e que poderão até superar o consumo”, diz em seu estudo. A argumentação de Maugeri é calcada em dois pontos que se interligam. O primeiro é a descoberta de novas reservas no mundo ocidental (não apenas de petróleo convencional, como é o caso do encontrado na camada pré-sal brasileira, mas também de jazidas de gás da rocha xisto, nos Estados Unidos, e as areias betuminosas do Canadá). Todas elas são novas formas de petróleo encontradas na natureza, e que diferem do líquido negro e pastoso jorrando da terra. Tais reservas correspondem às chamadas fontes não convencionais do combustível fóssil, que exigem avançados processos tecnológicos e químicos para sua extração. Isso leva ao segundo ponto defendido pelo pesquisador: de que o surgimento de fontes não-convencionais fará com que o Ocidente transforme-se no novo “centro de gravidade” da produção e exploração de petróleo global, diminuindo a dependência da oferta proveniente do Oriente Médio. Segundo o pesquisador, estima-se que haja no planeta 9 trilhões de barris de combustível fóssil não-convencional. O mundo tem capacidade para produzir, atualmente, 93 milhões de barris por dia, ou 34 bilhões de barris/ano. Maugeri não sugere que o Iraque ou a Arábia Saudita terão queda em sua capacidade de produção. Ao contrário. As perspectivas para ambos os países são de um acréscimo de 6 milhões de barris/dia de petróleo até 2020. Contudo, graças ao avanço da oferta no Ocidente, ele argumenta que mundo ficará menos sujeito à volatilidade de preço do barril trazida por questões geopolíticas que afetam os países árabes. “Isso fará com que a Ásia seja o mercado de referência para o petróleo árabe e a China se transforme em nova protagonista nas questões políticas da região”, afirma o pesquisador. Para os Estados Unidos, Maugeri estima que a capacidade de produção passe, dentro de oito anos, dos atuais 8,1 milhões de barris/dia para 11,6 milhões de barris/dia. Em outras palavras, o país deve desbancar a Rússia e se tornar o segundo maior produtor de petróleo. Os sauditas seguirão na liderança. No caso do Brasil, Maugeri prevê que a capacidade de produção deverá sair de 2 milhões de barris/dia para 4,5 milhões de barris/dia em 2020 devido à exploração do pré-sal.

Cartão de crédito lidera inadimplência

O cartão de crédito é apontado pelo consumidor brasileiro como o principal meio de pagamento que o levou ao calote. No mês passado, 31% dos inadimplentes indicaram o cartão como o vilão da crise de suas finanças pessoais, revela pesquisa da Boa Vista Serviços, que administra o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Em março deste ano, esse indicador para os cartões estava em 29% e, seis meses antes, em 23%. O resultado de junho para os cartões supera de longe a importância dos carnês e boletos bancários (22%) e dos cheques (24%) como vilões da inadimplência. Em março, o cartão já havia desbancado o carnê e passou a liderar o ranking dos meios de pagamento que levaram o consumidor a engrossar a lista da inadimplência. Especialistas ressaltam que o avanço do uso do cartão sobre outros meios de pagamento e a multiplicação dos plásticos explicam parte do resultado. Este ano deve fechar com 193,2 milhões de cartões de crédito, segundo projeções da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). A marca supera a população do País que, de acordo com o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), somou 190,7 milhões de pessoas. Significa que todos os brasileiros, do bebê de colo ao idoso, teriam pelo menos um cartão de crédito na carteira. Se forem considerados os cartões de crédito e os de lojas, o total de plásticos até dezembro deve atingir 462 milhões, o equivalente a 2,4 cartões por pessoa, segundo a Abecs. Levando-se em conta o total de cartões de crédito e de lojas em relação à População Economicamente Ativa (PEA), isto é, aquela em idade produtiva, o número de cartões por brasileiro sobe para 4,4. Além da multiplicação dos plásticos, a elevada taxa de juros cobrada pelos cartões joga mais lenha na inadimplência dessa linha de crédito. Dados do Banco Central mostram que o calote do cartão acima de 90 dias atingiu 29,5% em maio, a maior marca em 12 anos. Durante 28 meses seguidos, de fevereiro de 2010 a junho deste ano, a taxa média de juros do cartão ficou estacionada em 10,69% ao mês, revela pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). A resistência da taxa de juros do cartão, a mais alta entre as várias linhas de crédito ao consumidor, vai na contramão até da taxa básica de juros, a Selic, que já caiu três pontos porcentuais entre dezembro de 2011 e a semana passada.

Desembargador é suspeito de privilegiar frigorífico

Investigação da Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça aponta “evidências” de que um desembargador e um juiz federal usaram seus cargos para favorecer um frigorífico acusado de sonegação e crimes tributários estimados em R$ 184 milhões. O desembargador citado é Nery da Costa Júnior, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (com sede em São Paulo). Ele é suspeito de interferir no processo para desbloqueio de bens do frigorífico Torlim, decidido em 2011 pelo juiz Gilberto Rodrigues Jordan. O relatório assinado pela corregedora do Conselho Nacional de Justiça, a ministra Eliana Calmon, deve ser votado no próximo dia 30. Ele diz que o desembargador e o juiz podem “de fato ter agido com violação dos deveres impostos aos magistrados” e “de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro de suas funções”. A sindicância do Conselho Nacional de Justiça foi aberta em maio de 2011, depois de o Ministério Público Federal pedir investigação. Ela solicitou informações dos tribunais, ouviu investigados e juntou a apuração da Corregedoria do próprio Tribunal Regional Federal. Documentos da sindicância sigilosa revelam relações entre Nery Júnior e Sandro Pissini, dono do escritório de advocacia contratado em 2008 pelo Grupo Torlim para defesa em processo em Ponta Porã (MS).

Eduardo Paes e Lula são multados por propaganda eleitoral antecipada

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), candidato à reeleição, e o ex-presidente Lula, foram multados em R$ 5 mil pela Justiça Eleitoral, por propaganda antecipada. A representação foi feita pelo PSDB, a pedido do candidato tucano Otavio Leite, após a participação de Lula na inauguração do corredor de ônibus articulados Transoeste, no dia 6 de junho. A via liga Santa Cruz à Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade. Durante o evento, que contou ainda com a presença do governador Sérgio Cabral (PMDB), Lula disse que apoiaria Paes “com mais convicção” do que em 2008 e que “valeu a pena” pedir votos para ele na televisão naquele ano. "Em 2008, eu cheguei ao aeroporto da base aérea de Santa Cruz, e o governador Sérgio Cabral pediu que eu apoiasse o Eduardo Paes para ser prefeito do Rio de Janeiro. Confesso que, por eu não conhecê-lo, tinha dúvidas. Mas fui convencido por Cabral a apostar nesta figura, Paes. Hoje eu posso dizer para vocês que valeu a pena pedir votos para o Eduardo Paes. Posso lhe dizer, Eduardo, que, em 2012, eu tenho muito mais convicção”, disse o ex-presidente. E, no fim do discurso, Lula ainda puxou Paes pela mão, o abraçou e disse: “É com muito orgulho que eu posso dizer ao povo do Rio de Janeiro: um dia, tive coragem de ir para a televisão e pedir votos para este moço (Paes)”. No processo, a defesa do ex-presidente diz que as acusações têm base em reportagens descontextualizadas. Alega também que não há gravações que comprovem que as declarações têm cunho eleitoral. No entanto, a juíza Ana Paula Pontes, da 192ª Zona Eleitoral do Rio de Janeiro, entendeu o contrário. A magistrada afirma que o ex-presidente “pediu expressamente votos” ao prefeito Eduardo Paes.

Marcos Valério pede ao STF foco nos “protagonistas políticos”

Marcos Valério Fernandes de Souza, em memorial apresentado ao Supremo Tribunal Federal, insiste na tese de que a atuação do chamado operador do Mensalão do PT ganhou uma “dimensão exagerada” no escândalo e o foco da mídia nas investigações foi deslocado para ele pelos “protagonistas políticos”. O documento de 146 páginas, com as alegações derradeiras da defesa de Valério, cita o ex-presidente Lula, ex-ministros, dirigentes do PT, parlamentares e partidos da base aliada. “Quem não era presidente, ministro, dirigente político, parlamentar, detentor de mandato ou liderança com poder político, foi transformado em peça principal do enredo político e jornalístico, cunhando-se na mídia a expressão "valerioduto", martelada diuturnamente, como forma de condenar, por antecipação, o mesmo, em franco desrespeito ao princípio constitucional”, diz o documento assinado pelo advogado Marcelo Leonardo e encaminhado ao Supremo no último dia 28. Em setembro do ano passado, a defesa de Marcos Valério sustentou que a acusação da Procuradoria-Geral da República é um “raríssimo caso de versão acusatória de crime em que o operador do intermediário aparece como a pessoa mais importante da narrativa, ficando mandantes e beneficiários em segundo plano, alguns, inclusive, de fora da imputação, como o próprio presidente Lula”. Na época, Leonardo divulgou nota negando ter cobrado a inclusão do ex-presidente na denúncia do Mensalão do PT. Essa parte das alegações finais, porém, foi mantida no memorial encaminhado aos ministros do Supremo. Valério será julgado pelos crimes de corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e evasão de divisas. O advogado pede na peça a absolvição de seu cliente e alega que não há prova de que foram usados recursos públicos no caso. Afirma ainda que o Mensalão do PT — a compra de apoio político no Congresso — denunciado pelo ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), também réu no processo, não ficou comprovada.

Obras de mobilidade urbana para a Copa não andam no governo Dilma

O programa “Mobilidade Urbana e Trânsito” do Ministério das Cidades continua praticamente parado. Apenas 3% da dotação autorizada para 2012 foi desembolsada no primeiro semestre deste ano. A pequena aplicação dos recursos previstos para 2012 não é diferente quando são analisados os empenhos emitidos até a metade do ano. Apenas 15,5% dos R$ 2,1 bilhões previstos para este ano foram empenhados. Os valores já pagos e empenhados pela Pasta para o programa representam R$ 64, 8 milhões e R$ 324,9 milhões, respectivamente. Com o novo Plano Plurianual 2012-2015, o chamado “Mobilidade Urbana” não existe mais e algumas das ações passaram a ser incorporadas pelo novo programa, que tem como objetivo “promover a articulação das políticas de transporte, trânsito e acessibilidade, a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável”, de acordo com o site do Ministério das Cidades. Os dispêndios da Pasta ainda levam em conta gastos com a rubrica “restos a pagar”, referentes a despesas assumidas nos anos anteriores com o antigo programa. Foram R$ 10,1 milhões desembolsados em sete ações diferentes do programa anterior. Não obstante tais gastos, o valor restante de restos a pagar ainda não quitados é de R$ 164,2 milhões. Valesca Peres, coordenadora técnica da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), afirma que o governo federal não está levando em conta, ao firmar parcerias com Estados e municípios, a capacidade de endividamento das administrações regionais. “Boa parte dos estados e municípios tem dificuldade de corresponder às garantias exigidas para receber os recursos, já que estão com suas capacidades de endividamento no topo”, disse. Peres também acredita que os órgãos públicos não possuem a capacidade técnica necessária para desenvolver projetos executivos e cumprir todas as exigências das obras com celeridade, como o licenciamento ambiental. “Todos estão receosos de fazer projetos sem planejamento porque pode vir o Ministério Público e embargar a obra”, acredita. “Estamos vivendo o que nós nunca imaginávamos: hoje os recursos apareceram, mas não aprendemos a gastá-los, enquanto no passado já tivemos períodos de recessão”, afirmou Peres. Três das 12 cidades-sede da Copa do Mundo 2014 podem ter suas obras de mobilidade urbana canceladas devido à falta de tempo de conclusão. A informação foi repassada pelo ministro do Tribunal de Contas da União, Valmir Campelo, ao deputado Romário (PSB-RJ) na semana passada.

Jaguar Land Rover quer montar Freelander 4x4 no Brasil

A britânica Jaguar Land Rover (JLR), de propriedade da Tata Motors, está em negociação com o governo brasileiro para passar a montar no Brasil o modelo Freelander 4X4, a partir de kits importados da Inglaterra. A informação foi dada pelo principal executivo da empresa, Ralf Speth, ao jornal britânico "Financial Times". O objetivo da empresa é testar o mercado brasileiro, que, segundo o "Financial Times", deve se tornar o terceiro maior produtor de veículos do mundo, ultrapassando o Japão. Até agora, apenas montadoras de carros de consumo de massa se implantaram nos países emergentes, cujo mercado consumidor crescente começa a atrair fabricantes de modelos mais exclusivos. "Estamos conversando com as autoridades brasileiras sobre como viabilizar o negócio para uma companhia menor como a nossa", disse Speth ao jornal. Modelo mais simples de ser montado, o Freelander permitiria à empresa treinar os funcionários e preparar-se para passar a fabricar veículos no País, se o potencial de vendas se confirmar. No ano passado, a JLR começou a montar carros também na Índia, onde espera passar a fabricar daqui a três anos e meio. "Fabricar os carros não é o primeiro passo. Vamos usar no Brasil a mesma lógica que usamos na Índia", disse Speth. A empresa não tem planos de montar no país os modelos mais luxuosos da Jaguar.

Rosane Collor revela que ex-presidente fazia rituais de magia negra na Casa da Dinda

Vinte anos depois do impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Melo, a ex-mulher dele decide abrir o jogo sobre esse período conturbado da história do Brasil. Rosane Collor diz que o ex-marido mentiu sobre as relações dele com Paulo Cesar Farias, o PC Farias, figura que comandava um esquema de corrupção dentro do governo. Rosane conta mais: confirma que para se defender de inimigos políticos, o então presidente Collor participava de sessões de magia negra nos porões da Casa da Dinda, a residência oficial do casal em Brasília. A reportagem foi divulgada pelo programa Fantástico, da Rede Globo, neste domingo à noite. Fernando Collor e Rosane ficaram casados por 22 anos. Há sete anos se separaram. Agora brigam na Justiça em um processo litigioso. Na entrevista, Rosane fala pela primeira vez sobre o que viu e viveu na presidência do ex-marido, hoje senador. São revelações inéditas, que confirmam boa parte do que Pedro Collor, irmão já falecido do ex-presidente, disse há 20 anos, detonando o processo de impeachment, o afastamento de Fernando Collor do poder. A versão de Rosane estará também num livro que ela escreve com o jornalista Fábio Fabretti. “Eu me considero um arquivo vivo. E eu digo em todas as entrevistas, e inclusive já disse na Justiça, que se algo acontecer na minha vida, o responsável maior será Fernando Collor de Mello”, diz a ex-primeira-dama. Rosane conta que chegou a ser ameaçada ao decidir ir à casa de uma pastora chamada Maria Cecília, da Igreja Resgatando Vidas para Deus. Cecília era amiga do casal Collor, e antes de se converter à Igreja, se dedicava ao que Rosane chama de magia negra. Nesse encontro, a pastora distribuiu uma gravação em que revelava trabalhos de magia feitos por encomenda do presidente na Casa da Dinda, a mansão da família Collor em Brasília. Rosane - Eu recebi um telefonema dizendo que eu não fosse a esse evento porque, se eu fosse, eu iria, mas eu não voltaria. E eu repreendi, disse que não tinha medo. Fantástico - E você acha que foi ele? Ou foi ele que te ameaçou? Rosane - Foi ele que ameaçou. Fantástico - Ele te ligou e pessoalmente te disse isso? Rosane - Um telefonema anônimo. Eu não sei se era ele que estava no telefone. Eu sei que eram pessoas que falavam dizendo que ele tinha mandado ligar, dizendo que eu não fosse para aquele culto, porque se eu fosse eu não voltaria. Em maio de 1992 estourou a bomba: em entrevista à revista Veja, o próprio irmão do presidente, Pedro Collor, afirmou que PC Farias era testa-de-ferro de Fernando Collor. O presidente, segundo as declarações do irmão, sabia das atividades criminosas de seu ex-tesoureiro. Dez meses depois, Pedro foi além. Em entrevista ao Jornal do Brasil, disse que Collor e Rosane faziam o que ele chamou de rituais de magia negra. E na própria Casa da Dinda, que era a mansão da família Collor, em Brasília. Hoje, Rosane conta detalhes sobre esses rituais. E relata como foi o encontro com Maria Cecília, no dia em que teria sido ameaçada por telefone. Rosane - Já tem bastante tempo que ela aceitou Jesus, ela hoje é pastora, e ela estava fazendo lançamento de um novo CD, onde ela contava todas as experiências. Fantástico - Inclusive os rituais de magia negra que aconteciam. Rosane - Inclusive os rituais de magia negra que eles faziam, mas não com a minha participação, porque algumas coisas eu participei, mas a grande maioria eu não aceitava participar. Nesse CD a que Rosane se refere, Maria Cecília relata duas fases desse trabalho com Fernando Collor. Uma para ele chegar à Presidência: “Foi um trabalho muito sério. Foi um trabalho muito imundo, podre, nojento, para que se colocasse ali, na Presidência da República, aquele homem para administrar o Brasil”. Outra, com ele já presidente, nos porões da Casa da Dinda. Nesse trecho, Maria Cecília fala dela mesma como se falasse de outra pessoa: “E ela teve que ir para Brasília, improvisar na Casa da Dinda, lá nos porões da Casa da Dinda, um lugar que fosse para o atendimento do marido e da esposa que estavam na Presidência da República. E ela deu continuidade àquele trabalho por um longo tempo”. Fantástico - Nesse livro, você vai contar justamente sobre esses rituais que ele não gostaria que fossem contados. Rosane - Com certeza. Fantástico - Que rituais são esses? Rosane - Trabalhos em cemitérios, trabalhos muito fortes. Fantástico - E com animais, o que acontecia? Rosane - Com animais era matança mesmo. Mata galinhas, mata boi, vaca. São animais que são sacrificados. Uma imagem mostra a proximidade de Maria Cecília com Fernando Collor: em 1991, ela subiu a rampa ao lado do presidente, e trocando sorrisos. A cor branca do terno teria sido uma orientação de Cecília. Também por orientação dela, segundo Rosane, Collor fazia rituais com a intenção de se proteger de inimigos políticos. Tentando fazer com que fossem atingidos pelo mal que desejassem contra ele. Rosane - O Fernando fez ritual de ficar isolado, na Casa da Dinda ele ficou. Tem um porão e ele ficou durante três dias isolado mesmo, como se fosse se consagrando. Fantástico - Com animal morto? Rosane - Mas não no mesmo local. Dormindo numa esteira, ficando ali vestido com roupa branca. Fantástico - E ele fazia isso pedindo o quê? Rosane - Porque ele acreditava que pessoas que desejavam mal pra ele, fazendo isso, o mal que as pessoas mandavam pra ele, voltava. Fantástico - Durante quanto tempo vocês fizeram esse tipo de ritual? Rosane - Quando eu conheci o Fernando ele já frequentava esses ambientes. Enquanto a gente esteve casado, ele praticava. Rosane afirma acreditar que esses rituais deram origem ao que ela chama de "Maldição do Collor", e que ela e Maria Cecília só escaparam por terem aceitado Jesus. Rosane - Eu e a Cecília somos duas pessoas que estamos vivas. Eu não acredito em coincidência, eu acredito em jesuscidência. E somos duas pessoas que estamos vivas por ter aceitado Jesus. Fantástico - O que você chama de "Maldição do Collor"? Rosane - De as pessoas que tentaram prejudicá-lo. Vários exemplos morreram de morte estranha. Eu acredito na maldição, de aquilo que quando você deseja o mal para alguém, isso pode acontecer. Fantástico - Quantas pessoas morreram de maneira estranha? Rosane - Eu não sei quantas pessoas foram Fantástico - Quais foram as que você atribui a maldição? A mulher do PC Farias? Rosane - É que é uma pessoa que não tinha muito carinho pelo Fernando. Ela não gostava do Fernando. Agora jamais vou afirmar que o Fernando fez algum trabalho para que ela fosse morta. Fantástico - Quem você acha que está temendo hoje pelo lançamento do seu livro? Rosane - Eu prefiro acreditar que tem pessoas que estão receosas. Fantástico - Quem? Rosane - O próprio Fernando, né? Porque eu acredito que eu vou contar coisas que ele não gostaria de ser contada. Fantástico - Por exemplo? Rosane - Vou dar um exemplo forte. O PC continuava, ele tomava café da manhã na Casa da Dinda. E ele disse que não, e acontecia. Uma vez por semana, ele tomava café na Casa da Dinda com Fernando, presidente da República. Agora, depois que começaram a sair as notícias ruins, aí ele nunca mais foi tomar café na nossa casa. Até porque o PC era tesoureiro do Fernando na época da campanha. Ele é quem fez toda a arrecadação, isso todo mundo sabe. Fantástico - E depois da campanha, depois de eleito, qual era a relação de Fernando Collor de Mello com PC Farias? Rosane - De amizade, eles eram amigos. Fantástico - Mas no governo? Rosane - Eu acredito que ele tinha influência. Eu acredito não, eu tenho certeza absoluta que o PC teve influência no governo. Tanto que ele tinha irmão que foi ser da Saúde. Fantástico - Mas o Fernando Collor der Mello negou essa informação na época, dizendo que ele não tinha contato com o PC Farias. Por que ele negou? Rosane - Não sei por que ele negou. Fantástico - Você perguntou pra ele? Rosane - Perguntei, ele disse que preferia que fosse assim. Fantástico - Quem tinha mais influência sobre Fernando Collor de Mello. Rosane Collor ou PC Farias? Rosane - Nossa, eu acredito que o PC Farias. Rosane Collor lembra que em 1993, quando foi decretada a prisão de PC Farias, a mulher dele, Elma, saiu em defesa do marido: “O Paulo César não agiu sozinho, ele teve alguém que mandou. O chefe maior foi quem mandou ele fazer isso.”, disse na época. Fantástico - E o chefe era o Fernando Collor? Rosane - Eu acredito que, quando ela falou nessa entrevista, eu acredito que ela tenha falado do Fernando. Rosane revela que, quando foi presidente da Legião Brasileira de Assistência (LBA), teve problemas com PC Farias. Rosane - Uma certa manhã, nós estávamos tomando café da manhã na Casa da Dinda, eu era presidente da LBA de fato, e no café da manhã eu fui conversar com o Fernando e o PC estava lá, e eu disse que eu não gostaria que o PC viesse interferir na LBA. Fantástico - Que tipo de interferência ele queria fazer? Rosane - Colocando muitas pessoas pra trabalhar em cargos importantes. Fantástico - Pessoas dele? Rosane - Pessoas ligadas a ele. Eu disse que eu não ia permitir. Fantástico - Isso coincidiu com a primeira crise do casal, no final de 1991? Rosane - Exatamente. Foi aí a grande crise que nós tivemos no casamento. Fantástico: Onde você e o Collor estavam quando o PC Farias morreu? Rosane - Nós estávamos no Taiti. Fantástico - Como que vocês receberam essa notícia? Rosane - Ele ficou preocupado. Agradeceu por não estar lá, porque poderia passar na cabeça das pessoas que ele poderia estar envolvido. Fantástico - Você achou? Rosane - Não, em nenhum momento. Como acredito que ele não está envolvido na morte do PC.

Maioria dos eleitores paraguaios apoia impeachment de Lugo

Um total de 56% dos eleitores paraguaios apoiam o impeachment do presidente Fernando Lugo, segundo uma pesquisa publicada neste domingo pelo jornal "Última Hora". A pesquisa foi feita pela Consultoria Ati Snead, para os veículos Telefuturo TV, Radio Monumental e Última Hora, do grupo empresarial paraguaio Antonio J. Vierci. "Um total de 61% consideram que não é necessário antecipar as eleições presidenciais", marcadas para 21 de abril de 2013, assinala o jornal, lembrando que a antecipação foi sugerida por outros países, para minimizar os efeitos da crise política. Um total de 1,8 mil eleitores com mais de 18 anos foram ouvidos, entre os dias 3 e 10 de julho. A margem de erro da pesquisa é de cinco pontos percentuais. O esquerdopata bispo priápico Fernano Lugo foi destituído em 22 de junho, após um julgamento político sumário realizado pelo Congresso paraguaio, que o acusou de "mau desempenho de suas funções". Lugo estava subvertendo a vida institucional do país, submetendo unidades do exército ao comando de terroristas de grupelhos como o clandestino MST.

Irã diz que decisão sobre Ormuz depende de Khamenei

O presidente do grupo de chefes de Estado do Irã, general Hasan Firouzabadi, afirmou que a decisão sobre se o governo vai ou não bloquear o estreito de Ormuz, a passagem pela qual é transportado um quinto dos fluxos de petróleo mundiais, está nas mãos do líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei. Firouzabadi afirmou que o Irã tem um plano de contingência para fechar a passagem, mas Khamenei, como comandante das forças armadas, terá de tomar a decisão final. Os comentários foram feitos duas semanas depois de a União Européia implementar um embargo total ao petróleo do país por causa da recusa iraniana em interromper o programa de enriquecimento de urânio. A Guarda Revolucionária do Irã alertou que Teerã ordenará o fechamento do Estreito de Ormuz se as exportações do país forem bloqueadas.

Emirados Árabes Unidos inauguram oleoduto que contorna Ormuz

Autoridades dos Emirados Árabes Unidos afirmaram que um importante oleoduto terrestre que contorna o Estreito de Ormuz começou a operar, dando ao país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) garantias contra as ameaças do Irã de bloquear a estratégica via marítima. O diretor-geral da municipalidade de Fujairah, onde termina o oleoduto, no Oceano Índico, Mohammed Saif al-Afkham, informou que as autoridades inauguraram o projeto neste domingo. O oleoduto tem início no oeste dos Estados Unidos Árabes. A estatal Companhia Internacional de Investimento em Petróleo, que está por trás do projeto, confirmou que o primeiro embarque foi enviado pelo oleoduto, que pode transportar pelo menos 1,5 milhão de barris de petróleo bruto por dia. O Irã tem repetidamente ameaçado fechar o Estreito de Ormuz, no Golfo Pérsico, em retaliação ao embargo internacional imposto sobre as exportações de petróleo do país. Pela via passa um quinto da oferta mundial da commodity.

Nazista mais procurado do mundo é encontrado na Hungria

O criminoso nazista mais procurado do mundo, Laszlo Csatary, de 97 anos, acusado de ser cúmplice da morte de 15,7 mil judeus durante a Segunda Guerra Mundial, foi encontrado em Budapeste, na Hungria. O anúncio foi realizado neste domingo, pelo diretor do escritório do Centro Simon Wiesenthal em Israel. "Confirmo que Laszlo Csatary foi identificado e encontrado em Budapeste", declarou Efraim Zuroff. "O jornal britânico The Sun pôde fotografá-lo e gravá-lo graças a informações que nós fornecemos em setembro de 2011", afirmou. O The Sun anunciou neste domingo em seu site que o criminoso de guerra húngaro "foi identificado e encontrado" em Budapeste. "Há dez meses, um informante nos deu elementos que nos permitiram localizar Laszlo Csatary. Esse informante recebeu a quantia de US$ 25 mil", explicou Zuroff por telefone. Csatary foi chefe de polícia na cidade eslovaca de Kosice, que à época fazia parte da Hungria, e desempenhou um "papel fundamental" na deportação de 300 judeus no verão de 1941 para a Ucrânia, onde eles foram mortos. Ele ainda é suspeito de ter ajudado a organizar a deportação de 15,7 mil judeus em 1944 para o campo de concentração de Auschwitz.