quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Guido Mantega diz que inadimplência não preocupa e pede a bancos que emprestem mais

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira que o aumento da inadimplência das empresas e famílias brasileiras em janeiro e fevereiro é um movimento normal para esta época do ano. A pesquisa de crédito do Banco Central, divulgada nesta quinta-feira, mostrou que a inadimplência das pessoas físicas atingiu 8,3% dos financiamentos, o maior patamar desde maio de 2002. Outro levantamento, da Serasa, mostrou nesta quinta-feira que a inadimplência nas empresas subiu 12,5% em janeiro em relação a dezembro de 2008. Na pesquisa do Banco Central, este aumento foi de 11%. "Eu não vi a inadimplência super alta. Eu vi uma pequena elevação. É normal que em janeiro e fevereiro haja isso. Você tem vencimentos de pagamentos de IPTU, IPVA. Isso não significa nenhuma deterioração importante da economia brasileira", afirmou o ministro. Só porque ele quer. No momento, mais de 150 mil carros já foram retomados de seus compradores no País por falta de pagamento, e esta cifra continua aumentando de maneira violenta. Os empréstimos consignados, que pareciam completamente garantidos para os bancos, estão ameaçados, por causa da onda de demissões. Apesar disso, o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, também afirmou que o indicador de inadimplência se encontra em um patamar baixo e considerado normal pelo governo.

Michel Temer vai acumular presidência da Câmara e do PMDB para impedir disputa no partido

O presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal Michel Temer (PMDB-SP), pretende manter-se no comando do PMDB, mas afastar-se temporariamente da linha de frente do partido. A idéia é transmitir a presidência do partido por tempo indeterminado para a deputada federal Íris Araújo (PMDB-GO), primeira-vice-presidente do partido e mulher do prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB). A decisão afasta disputas internas no partido e tenta consolidar a legenda para as eleições de 2010. Na prática Temer preservará o comando do partido, mas não terá de responder por questões burocráticas. O objetivo é que ele retome a legenda sempre que necessário, quando houver impasses envolvendo nomeações e indicações ou críticas, como ocorreu recentemente com a entrevista do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE).

Fatah e Hamas fecham acordo de reconciliação

Os grupos rivais palestinos, Fatah e Hamas, anunciaram nesta quinta-feira que fecharam um acordo de reconciliação que inclui a formação de um governo de unidade nacional até o fim do próximo mês. "Este é um dia histórico. Começamos um novo capítulo de unidade e reconciliação", disse o ex-premiê Ahmed Korei, do Fatah. Ele disse que foi acertada a formação de cinco comitês conjuntos entre os grupos rivais. Um deles terá a missão de formar um governo de unidade que venha a ser aceito pela comunidade internacional. Os outros vão tratar de temas como segurança, reconciliação nacional, eleições e o futuro da ZLP (Organização para a Libertação da Palestina). Em tese, as atividades dos comitês terminam com a implementação do governo no próximo mês. As negociações para o acordo entre os dois grupos foram mediadas pelo Egito. Mais de dez facções palestinas, incluindo a organização terrorista Hamas e o Fatah, foram convidadas para participar das conversas no Cairo nesta quinta-feira. Na quarta-feira, o Hamas resolveu libertar prisioneiros pertencentes ao Fatah e o Fatah, prisioneiros do Hamas. Ou seja, os palestinos estavam prendendo palestinos por questões político-ideológicas.