quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Marolinha – Está decidido, Zamprogna vai demitir em Porto Alegre

Depois de mais de seis horas de reunião, mediada pelo Tribunal Regional do Trabalho, representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre e da Zamprogna chegaram a um acerto na noite desta terça-feira em torno de uma proposta alternativa para o plano da empresa de demitir imediatamente 260 trabalhadores da unidade da companhia na capital gaúcha. Pelo acordo, fica aberto um PDV, Programa de Demissão Voluntária, que vigorará entre a manhã desta quarta-feira e até o meio dia de amanhã, quinta-feira. Ou seja, os trabalhadores da Zamprogna deverão decidir entre eles quem serão os demitidos. Precisarão escolher entre a adaga ou a espada no pescoço. Quem aderir ao plano receberá, além das indenizações da legislação trabalhista, um bônus equivalente a 20% do piso salarial metalúrgico da Capital para cada ano trabalhado na empresa. Se o PDV não atingir a cota de 260 demitidos, a empresa completará o projetado com a demissão de trabalhadores já aposentados que haviam sido contratados, e também com funcionários da área administrativa.

Marolinha - Ramo metalmecânico gaúcho já demitiu 7.500 trabalhadores

Contabilizadas já as últimas demissões anunciadas na AGCO, de Santa Rosa (na fronteira com a Argentina), subiu para 7.500 o número de desempregados do setor metalmecânico do Rio Grande do Sul, desde que começou a crise financeira global, agora transformada em crise econômica planetária, que o grande luminar chamado Lula disse que era uma marolinha. Pois a marolinha de Lula está devastando os empregos no Rio Grande do Sul e no Brasil; está devastando a renda dos trabalhadores, e está demitindo empregados que tinham, muitos deles, parte dos seus salários comprometidos com o irresponsável plano do empréstimo consignado.

Cassado governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima

Depois de decidir nesta terça-feira por unanimidade cassar os mandatos do governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), e de seu vice, José Lacerda Neto (DEM), o Tribunal Superior Eleitoral determinou que o senador José Maranhão (PMDB-PB) assuma o governo do Estado. Maranhão foi o segundo colocado nas eleições de 2006. A ordem deve ter execução imediata. O advogado do vice-governador, Francisco Peçanha Martins, recorreu no próprio TSE, com um embargo de declaração para evitar que a decisão seja cumprida imediatamente. Durante o julgamento os ministros rejeitaram a possibilidade de novas eleições. Houve recomendação para a realização de novas eleições e de forma indireta. A proposta gerou polêmica e críticas entre alguns ministros. Os ministros rejeitaram ainda os sete embargos declaratórios ajuizados por partidos que apoiam o governador e o vice. Cássio Cunha Lima e seu vice são acusados de utilizar programas sociais para a distribuição irregular de dinheiro, via cheques, em um processo denominado Caso FAC (Fundação de Ação Comunitária). De acordo com as investigações mencionadas no processo, foram distribuídos 35 mil cheques para eleitores de baixa renda. As irregularidades foram cometidas durante ano eleitoral de 2006, por intermédio de um convênio firmado entre a FAC e o Fundo de Combate à Pobreza.

Fiat assina acordo de estabilidade por 20 dias, com chance de prorrogação

A Fiat Automóveis e mais 14 empresas de autopeças firmaram nesta terça-feira acordo de garantia de emprego por 20 dias, sem redução de salários, redução de carga de trabalho ou suspensão de contratos. O acordo, assinado com o Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, Igarapé e São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte, engloba cerca de 18 mil trabalhadores (aproximadamente 13 mil da Fiat), de um total de 40 mil da base do sindicato, filiado à CTB (Central de Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil, criada há 14 meses). Marcelino Rocha, presidente do sindicato, disse que o acordo é uma extensão da primeira reunião de 22 de janeiro, quando 18 empresas estabeleceram uma espécie de compromisso pela manutenção dos empregos, já que houve redução de IPI e aumento das linhas de crédito para a montadora.

Minas Gerais perde R$ 550 milhões e Aécio Neves diz que acendeu a luz amarela

O governo de Minas Gerais, informou nesta terça-feira o governador Aécio Neves (PSDB), já contabiliza pelo menos R$ 550 milhões de prejuízo com a crise econômica. Esse valor é o que o Estado deixou de arrecadar de outubro a janeiro em ICMS. O valor equivale a 5,1% do total previsto para investimentos (R$ 10,8 bilhões). Diante do problema, Aécio disse que a luz amarela está acesa. A ordem é não gastar além do orçado. Foi esse o recado que ele deu pessoalmente ontem aos chefes do Legislativo, do Judiciário, do Ministério Público e do Tribunal de Contas, que foram convocados para tomar conhecimento do problema, que pode estar se agravando mais. Isso porque os números de fevereiro, ainda em aberto, também estão aquém do previsto.

Receita Videversus – A chef de cuisine Simone Nejar ensina dois pratos simples e deliciosos

Hoje vamos preparar dois pratos simples e deliciosos, especiais para enfrentar o nosso verão com muita saúde: abobrinha recheada e “filés” de berinjela ao molho de iogurte. Berinjela, para o Aurélio, berinjela, para o Houaiss, não importa. Poucas pessoas sabem, contudo, que ela é um vegetal com poder de diminuir o colesterol e reduzir a ação das gorduras sobre o fígado. A berinjela é muito recomendada para quem sofre de artrite, gota, reumatismo, diabetes e inflamações da pele em geral. Quem está querendo abandonar o cigarro deveria incluir a berinjela na sua alimentação diária... com 20 kg, você obtém a mesma quantidade de nicotina vou além... a rúcula deve ter algo semelhante, pois também sou “rúculo-dependente”...presente em um cigarro. Está, portanto, cientificamente explicado o meu vício pela berinjela! E Para quem quiser matar a sogra, basta servir 100 kg de berinjela na refeição. A mesma quantidade vale para envenenar uma cobra, e qualquer semelhança não é mera coincidência. Nossa outra ilustre convidada de hoje é a abobrinha italiana, “zucchini” ou “courgette”, originária das regiões mais quentes da África. Considero uma tremenda injustiça associá-la a “besteira”. Em vez de falar abobrinhas, deveríamos falar chuchuzinhos, nabinhos e outros “inhos” menos gostosos que a pobre abobrinha. Para prepararmos nossos “filés” de berinjela, vamos cortar duas unidades em fatias longitudinais e salgá-las com sal grosso, colocando para escorrer sobre uma peneira por 30 minutos. É assim que o gosto amargo vai embora. A seguir vamos lavá-las para tirar o excesso de sal. Este processo de desidratação da berinjela, além de tirar o gosto amargo, ainda vai fazer com que ela não absorva gordura enquanto fritar. Funciona, sim! Em uma tigela, vamos bater dois ovos, meia xícara de leite, uma pitada de sal, uma colherada de amido de milho, e vamos acrescentando farinha de trigo até ficar meio pastoso (mais ou menos umas quatro colheres cheias). Vamos passar as berinjelas nesta massa e fritá-las em óleo quente, escorrendo-as sobre papel-toalha. Para fazer o molho, vamos apenas misturar um pote de iogurte natural com uma pitada de sal e ervas à sua escolha, como salsinha, orégano, cebolinha e aipo. Servimos os “filés” frios, com o molho por cima. Um fio de azeite vai bem. Por falar nisso, andei lendo por aí alusões a um “honesto fio de azeite”. Incrível, eu não sabia que o azeite podia cometer estelionato e outras fraudes, mas, seja como for, um fio de azeite é bem-vindo. Para o preparo da abobrinha, vamos lavar três unidades e cortar uma tampa de um lado só. Vamos escavá-las por dentro, retirando as sementes. Em uma vasilha vamos misturar um pouco de carne moída crua, 200g (o certo seria de carneiro, mas podemos substituir por carne bovina), arroz lavado cru (um quarto de xícara), suco de meio limão, sal e uma boa pitada de pimenta síria (se não tiver, misture partes iguais de canela em pó e pimenta do reino). Recheamos as abobrinhas e vamos colocá-las para cozinhar por 35 minutos em um molho ralo de tomates (fritar meia cebola e juntar 3 tomates liquidificados, meia xícara de água e sal). Se você tiver um pedaço de carne de carneiro com osso, frite junto com a cebola e deixe cozinhar junto com as abobrinhas. Não precisa recolocar as tampas nas abobrinhas. Soque bem o recheio e deixe uma pequena folga, que o arroz e a carne vão se expandir e cozinhar junto. Sirva com muito limão e azeite, seja ele honesto ou desonesto. E que tal um suco de lima-da-pérsia com hortelã, para finalizar? É só bater no liquidificador algumas limas descascadas, gelo e um galhinho de hortelã. Para os mais arrojados, adicionar uma dose de gim.

Justiça vai ouvir mais de 500 testemunhas de defesa do mensalão em cerca de 300 dias

O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, determinou o início das audiências para ouvir as testemunhas de defesa dos 39 réus da ação penal do mensalão, entre eles o ex-ministro José Dirceu (deputado federal petista cassado por corrupção) e o publicitário Marcos Valério, apontado como operador do esquema. Segundo o Supremo, serão mais de 500 testemunhas que serão ouvidas em cerca de 300 dias por juízes federais que, por decisão do ministro, já atuaram no processo em diversos Estados. As oitivas começarão por Minas Gerais, e o prazo para que as testemunhas comecem a ser ouvidas será contado a partir do recebimento da carta precatória do ministro para o juiz designado no Estado. Os prazos variam de um a 80 dias, de acordo com o número de testemunhas a serem inquiridas. Em Minas Gerais e no Distrito Federal, o prazo é de 80 dias; em São Paulo, de 65; no Rio de Janeiro, de 21 e, no Paraná, de 10 dias. Nos demais Estados em que serão ouvidas testemunhas, o prazo é de três a um dia. São eles o Espírito Santo, o Amapá, o Rio Grande do Norte, o Rio Grande do Sul, a Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, a Bahia e o Tocantins. Alguns dos réus pediram para ouvir também testemunhas no Exterior. O Supremo autorizou a oitiva, desde que paguem as despesas de envio e tradução das mais de 18 mil páginas do processo. Pelos cálculos do Supremo, a estimativa é que o custo do envio do processo às autoridades estrangeiras seja de R$ 19 milhões. Ao todo, os réus do mensalão apresentaram o nome de 13 pessoas que vivem no Exterior: Estados Unidos, Argentina, Bahamas e Portugal. José Dirceu e Marcos Valério já pediram para ouvir testemunhas em Portugal, onde não há necessidade de tradução e o custo será somente com o envio do processo.

Plano da GM inclui socorro de mais US$ 16,6 bilhões e demissão de 47 mil

A General Motors poderá pedir até US$ 30 bilhões em empréstimos ao governo norte-americano até 2011, e quer demitir 47 mil empregados em todo mundo ainda este ano. Excluindo os US$ 13,4 bilhões acertados no final de 2008, a ajuda inclui novos US$ 16,6 bilhões. "Se o novo e ainda mais desanimador cenário da queda da demanda ocorrer, a GM precisará de mais ajuda federal, estimada, atualmente, em US$ 7,5 bilhões, que poderiam chegar a um total de US$ 30 bilhões em fundos do governo até 2011", indicou a GM em seu plano de reestruturação, apresentado nesta terça-feira ao departamento do Tesouro norte-americano. Além disso, o grupo anunciou que planeja cortar até 47 mil funcionários de suas fábricas em todos os países, 26 mil deles fora dos Estados Unidos. Ou seja, vai demitir 21 mil trabalhadores nos Estados Unidos. Perguntinha: não sai muito mais barato deixar falir essa porcaria e abrir novas fábricas? A proposta, enviada ao Tesouro dos Estados Unidos, inclui o fechamento de cinco fábricas da GM nos Estados Unidos. O grupo informou ainda que sua unidade Saab, na Suécia, pode ter que pedir a proteção da lei de falências "ainda este mês" caso não receba ajuda do governo sueco. A GM já recebeu US$ 9,4 bilhões em empréstimos federais para manter suas operações nos Estados Unidos em andamento.

Chrysler vai pedir mais 5 bilhões de dólares ao governo norte-americano

A montadora norte-americana Chrysler informou nesta terça-feira precisar de mais US$ 5 bilhões em financiamento público, demitir 3.000 postos trabalhadores e suspender a produção de três modelos. GM (General Motors) e Chrysler tinham até esta terça-feira para apresentar às autoridades norte-americanas os planos de reestruturação que lhes permitirão receber bilhões de dólares de ajuda pública. A empresa informou que chegou a acordos com sindicatos, fornecedores e vendedores para poder cumprir as exigências do governo para reestruturar suas dívidas. A montadora também afirmou que vai reduzir a produção de veículos em 100 mil unidades e cortar custos U$ 700 milhões. A Chrysler, que já obteve US$ 4 bilhões em empréstimos federais, e informou, inicialmente, que pediria pelo menos outros US$ 3 bilhões para colocar em prática seu plano de reestruturação, acabou fechando em US$ 5 bilhões. A obtenção deste empréstimo é um requisito para que a Chrysler firme definitivamente uma aliança industrial com a Fiat.

Argentina diz que manterá barreiras comerciais contra o Brasil

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Taiana, disse nesta terça-feira que seu país não irá revogar as restrições às exportações brasileiras adotadas nos últimos meses devido ao agravamento da crise econômica. As afirmações foram feitas após uma reunião de quase cinco horas com representantes do governo brasileiro, em Brasília. Durante o encontro, o Brasil conseguiu apenas convencer o vizinho a montar um grupo de trabalho para discutir a questão. Além disso, em troca de uma maior liberdade comercial, o governo brasileiro acenou com "medidas criativas" para ajudar a equilibrar o comércio entre os dois países, que hoje favorece mais o lado brasileiro. "Nós não consideramos que tomamos medidas restritivas. São medidas normativas e seguem vigentes. Assim como as medidas do Brasil também seguem vigentes", afirmou o ministro argentino. O negócio é o seguinte: a Argentina está tecnicamente quebrada, de novo, como no começo da década. Por isso toma medidas protecionistas. Desde o início do ano, o governo argentino já adotou uma série de medidas comercial contra o Brasil. Abriu uma investigação sobre a importação de multiprocessadores de alimentos do Brasil e da China; adotou licenças não-automáticas para importação de pneus, produto do qual o Brasil é o principal fornecedor; e passou a controlar as compras externas de produtos da cadeia do alumínio.

Lula diz que Brasil suspendeu barreira contra importações da Argentina

O presidente Lula disse nesta terça-feira que as barreiras contra importações instituídas pelo governo no início do ano tiveram como objetivo criar dificuldades para a entrada de produtos argentinos no país. No final de janeiro, o governo aumentou a lista dos produtos que precisavam de uma autorização especial para entrada no país. Três dias depois, diante de reclamações de importadores brasileiros, o governo voltou atrás e retirou a barreira. Lula afirmou que o governo recuou por ser contra a adoção de medidas protecionistas para evitar o aumento do déficit comercial do país durante a crise, provocado pela queda nas exportações. Por isso, é que tomei a atitude, voltando atrás em uma medida que tinha sido tomada pelo Ministério do Desenvolvimento e pelo Ministério da Fazenda de criar uma certa dificuldade para os produtos argentinos. Voltei atrás com a convicção de que eu prefiro uma reunião para solucionar divergências entre Brasil e Argentina", afirmou Lula.

Lula defende "evolução" e diz que briga entre políticos mostra o atraso do País

O presidente Lula criticou nesta terça-feira as disputas políticas fora do período eleitoral que, segundo ele, só mostram o atraso do País. Lula defendeu uma "evolução política" para evitar brigas entre políticos da oposição e do governo. Para o presidente, os governantes têm que diferenciar qual é o momento da briga política e o de governar. "Precisamos ter evolução política. Tem que saber a época de brigar, de disputar e de governar", disse Lula, durante discurso de inauguração do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. O campus do instituto inaugurado hoje fica na cidade satélite de Planaltina e é o primeiro dos 100 campi que o governo pretende entregar até o final do ano. Durante seu discurso, Lula ressaltou que espera que os próximos governantes tenham "juízo" para perceber que a disputa política excessiva traz prejuízo à população. Engraçadinho, este Lula. O que foi que ele e seu partido fizeram durante 20 anos?

Sindicato de policiais federais recorre ao Supremo contra nomeação de Lacerda para Lisboa

O Sindipol-DF (Sindicato dos Policiais Federais) no Distrito Federal ingressou nesta terça-feira com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra a nomeação de Paulo Lacera para adido policial em Lisboa, em Portugal. Ex-chefe da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Lacerda deixou o cargo após o escândalo do grampo contra o presidente do Supremo, Gilmar Mendes. A nomeação de Lacerda contrariava o regimento interno da Polícia Federal. Segundo a Instrução Normativa 001/2005 da Polícia Federal, os candidatos a adido têm de passar por um processo de seleção e devem estar na ativa. Lacerda é delegado aposentado da Polícia Federal.

Petróleo cai quase 7% e fecha abaixo de US$ 35 em Nova York

Os preços do petróleo caíram forte nesta terça-feira em Nova York, em um mercado deprimido pelo acúmulo de notícias negativas sobre a economia mundial e preocupado com suas consequências para o consumo petroleiro. Na Nymex (Bolsa Mercantil de Nova York), o barril do petróleo cru para entrega em março terminou cotado a US$ 34,93, uma queda de 6,88% (US$ 2,58 menos) em relação ao fechamento de sexta-feira (US$ 37,51). Em Londres, o barril de Brent do mar do Norte para entrega em abril perdeu US$ 2,25 (queda de 5,19%), encerrando a US$ 41,03.

Ministro italiano ironiza declarações de Tarso Genro sobre luta armada no País

O ministro da Defesa da Itália, Ignazio La Russa, ironizou nesta terça-feira as críticas feitas pelo ministro da Justiça brasileiro, o peremptório Tarso Genro, à luta armada ocorrida no país europeu durante a década de 1970, período em que o terrorista Cesare Battisti integrou o grupo Proletários Armados pelo Comunismo. Em entrevista, o “Filinto Muller petista”, Tarso Genro, que em janeiro concedeu o status de refugiado político ao terrorista Battisti, afirmou que não foi "humanamente aceitável e politicamente justo tomar armas na Itália dos anos 1970". Ao comentar as declarações, La Russa usou a expressão em latim "Excusatio non petita, accusatio manifesta", que diz que quem pede desculpas sem necessidade demonstra que pode ser culpado. O ministro italiano também classificou como "tardia a tentativa de Tarso de se distanciar dos terroristas e dos membros das Brigadas Vermelhas, que nos anos 1970 deram vida à luta armada na Itália". Na entrevista, quando foi perguntado se achava que a Itália viveu nos anos 70 um regime autoritário, o que poderia justificar o recurso às armas, Tarso Genro negou. Disse que o que houve no país "foi uma insurgência armada contra um governo no âmbito de uma democracia", mas reiterou que "crimes políticos existem mesmo em democracias".

Collor desiste de disputa com Eduardo Azeredo e agora quer comissão que seria de Ideli Salvati

O senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) abriu mão de disputar a presidência da Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal com o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), em uma briga que dividiria a base aliada do governo federal e a oposição. Collor reivindica agora a presidência da Comissão de Infraestrutura do Senado, que seria ocupada pela senadora Ideli Salvatti (PT-SC). O recuo de Collor foi articulado pelo presidente do Senado Federal, o senador José Sarney (PMDB-AP), durante jantar na noite de segunda-feira, organizado pela senadora Roseana Sarney (PMDB-MA). O PMDB fez o apelo para Collor recuar da disputa direta com o PSDB, mas sugeriu que ele deveria reivindicar a vaga do PT. A mudança de foco levou a disputa entre governo e oposição para dentro da base aliada governista. O PTB argumenta que tem direito a presidir uma das comissões do Senado porque, durante a campanha eleitoral de Sarney, recebeu do PMDB o compromisso de que ficaria com o comando da Comissão de Relações Exteriores.

Evo Morales defende eleições ilimitadas como combate à corrupção

O presidente da Bolívia, o índio cocaleiro trotskista Evo Morales, defendeu nesta terça-feira os mandatos ilimitados como o aprovado em plebiscito na Venezuela em favor de seu colega e aliado Hugo Chávez, e chegou a apontá-los como uma forma de combate à corrupção. "O presidente Chávez é o mais democrático de todos porque se submete ao povo, que é quem decide", afirmou Morales em Paris, onde esteve em visita oficial. O presidente boliviano alegou que a reforma aprovada pelos venezuelanos "não é para que haja um presidente eternamente, porque Chávez pode perder eleições". E ainda há na Europa quem dê ouvidos para tasmanha asneira.

Bancos vão adequar cobrança de consignado às reduções de salário

Os bancos fecharam um acordo com a Força Sindical que flexibiliza a cobrança dos empréstimos consignados dos trabalhadores que tiveram redução ou suspensão de salário. A medida só vale para funcionários que sejam cobertos pelos sindicatos ligados à Força Sindical Segundo a Febraban o reescalonamento de pagamentos de crédito consignado será feito a pedido da central sindical para amenizar os efeitos da crise financeira internacional nos funcionários da iniciativa privada e reforçar o relacionamento com esses clientes. A medida prevê que, sempre que houver um acordo coletivo de trabalho para redução ou suspensão temporária de salário, os pagamentos das prestações do consignado poderão, também, ser reduzidos ou suspensos, pelo mesmo período.

PSOL pede que Jarbas Vasconcelos divulgue nomes de políticos corruptos

O PSOL encaminhou nesta terça-feira uma carta ao senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) com o pedido para que o parlamentar torne públicos os nomes dos integrantes do PMDB envolvidos em atos de corrupção. Como Jarbas declarou em entrevista à revista "Veja" que a maioria dos integrantes do PMDB "quer mesmo é a corrupção", integrantes do PSOL cobram que Jarbas divulgue os nomes aos quais se referiu. "Para serem consequentes, suas denúncias devem vir acompanhadas do detalhamento de situações, nomes e fatos que gerem iniciativas aguardadas por toda a sociedade, em nome do interesse público. Esta seria uma saudável providência para que os fatos por Vossa Excelência relatados não caiam no esquecimento e possam ser devidamente apurados", diz o PSOL. Esse PSOL chega atrasado 30 anos. Ele é igual ao PT de 30 anos atrás. Já se sabe no que deu.

Deputados apresentam defesa ao TSE em processos por infidelidade partidária

Os deputados Dr. Paulo César (PR-RJ) e Zé Vieira (sem partido-MA) apresentaram suas defesas nos processos que tramitam no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por infidelidade partidária. Ambos alegaram que as ações foram apresentadas fora do prazo. Dr. Paulo César disse em sua defesa que saiu do PTB, partido pelo qual foi eleito em 2006, no dia 6 de setembro de 2007, mas o partido só questionou sua saída na Justiça Eleitoral no dia 6 de novembro de 2007. Segundo o deputado, a legenda teria até 6 de outubro daquele ano para reivindicar o mandato. O deputado ressalta ainda que quem ajuizou a ação no TSE foi o diretório estadual do PTB do Rio de Janeiro, que segundo ele não teria legitimidade para pedir o mandato. Para Dr. Paulo César, somente o Diretório Nacional poderia questionar sua saída da legenda, pois ocupa um cargo federal.

Lula diz que BNDES poderá financiar investimento do Brasil na Colômbia

O presidente Lula disse nesta terça-feira que os R$ 100 bilhões a mais que o governo colocou à disposição para o BNDES serão utilizados para financiar projetos de empresas brasileiras dentro e fora do País. Durante assinatura de acordos comerciais e de cooperação com o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, em Brasília, Lula citou como exemplo a suspensão de investimentos brasileiros na Colômbia por causa da crise. "Estou sabendo que empresas brasileiras que tinham grandes investimentos na Colômbia, por alguma razão, desativaram seus investimentos", disse Lula após a reunião com Uribe. "O meu compromisso púbico contigo é de fazer com que nós tenhamos aqui no Brasil uma conversa com essas empresas e que o BNDES possa trabalhar para que a gente possa manter o financiamento", afirmou Lula ao presidente colombiano. Lula afirmou que é importante que as empresas brasileiras gerem empregos na Colômbia para equilibrar mais a balança comercial entre os dois países. Hoje, o Brasil exporta mais do que importa do país vizinho. Para o presidente, os dois países são como um mesmo barco cercado por dois oceanos. Lula disse que, se esse barco afundar, não haverá "brasileiro ou colombiano que se salve".

Fundador de TV muçulmana decapita mulher nos Estados Unidos

O fundador de uma TV muçulmana de Nova York, que tinha como objetivo combater estereótipos muçulmanos, confessou ter decapitado sua mulher. Muzzammil Hassan, que pretendia usar seu canal para melhorar a opinião pública a respeito dos muçulmanos, é acusado do homicídio em segundo grau de Aasiya Hassan, após seu corpo ser encontrado decapitado. Os dois são paquistaneses. Ela tinha tinha uma ordem de proteção contra seu marido desde que ele foi expulso da casa onde viviam em Orchard Park, perto de Buffalo. A polícia acusa Hassan, de 44 anos, de cortar a cabeça de sua mulher na estação de TV onde ele lançou sua rede de TV Bridges, em 2004, a primeira rede em inglês nos Estados Unidos voltada a muçulmanos. Ele havia afirmado esperar que o canal pudesse balancear a imagem negativa dos muçulmanos criada após o 11 de Setembro. Sua mulher entrou com o pedido de divórcio no último dia 6, e a polícia respondeu a diversas denúncias de violência na casa do casal. Hassan foi direto à delegacia de polícia após assassinar sua mulher, na última quinta-feira, onde confessou o crime. O casal tinha dois filhos, um de quatro e outro de seis anos. Ele tinha outros dois filhos, de 17 e 18 anos, do casamento anterior.

Lula indica economista João Batista Rezende para conselho da Anatel

O presidente Lula indicou o economista João Batista de Rezende para o conselho da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). A nomeação saiu no Diário Oficial desta terça-feira. O nome de Rezende terá que ser aprovado pelo Senado Federal. Rezende tem 45 anos e é chefe de gabinete do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. É também membro do conselho de administração da Transpetro, braço da Petrobras na área de logística e transporte. Resumindo, é mais um petista para aparelhar a administração pública.

PT e PMDB vão presidir principais comissões na Câmara dos Deputados

Os líderes partidários na Câmara dos Deputados definiram nesta terça-feira uma das principais articulações: os comandos das comissões permanentes. As principais comissões ficarão com o PMDB: a Comissão de Constituição e Justiça e a de Minas e Energia, além de Seguridade Social. O PT será responsável por três presidências, incluindo a de Finanças e Tributação, enquanto o PSDB conseguiu o comando da Comissão de Fiscalização e Controle. O presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal Michel Temer (PMDB-SP), reuniu-se com os líderes partidários e fixou que até o dia 3 todos deverão apresentar os nomes que integrarão as comissões permanentes. Já as eleições para as presidências e vice-presidências das comissões serão realizadas no dia 4 de março. Por enquanto, o único nome já definido será para o comando da Comissão de Constituição e Justiça, o deputado federal Nelson Tadeu Filippelle (DF).

OAB cobra apuração de denúncias feitas por Jarbas Vasconcelos

O presidente em exercício do Conselho Federal da OAB, Vladimir Rossi Lourenço, cobrou nesta terça-feira do Ministério Público e do Senado a apuração "com urgência" das denúncias do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), que disse que seu partido está na grande maioria envolvido em corrupção. "Trata-se de uma denúncia que preocupa, uma denúncia grave vinda de um homem público como o senador Jarbas Vasconcelos, que já foi governador por duas vezes em seu Estado, prefeito do Recife e deputado", afirmou Lourenço em nota. Tudo lorota de uma entidade que nada faz.

Cambojanos comemoram julgamento do ex-líder do Khmer Vermelho, o genocida Duch

Os sobreviventes das atrocidades do Khmer Vermelho reagiram com dor, ódio e alívio nesta terça-feira ao julgamento do principal torturador do regime comunista do Camboja que governou entre 1975-79 e foi derrubado depois de ter matado cerca de 1,7 milhão de pessoas devido à tortura, assassinatos, doenças e fome. O ex-líder do Khmer Vermelho, Kaing Guek Eav, conhecido como Duch, acusado de crimes de guerra e contra a humanidade, é o primeiro dirigente do regime a ser levado a julgamento pelas atrocidades cometidas nos anos 70 em nome de uma revolução comunista. Quase 800 pessoas, inclusive alguns monges budistas perseguidos durante o Khmer Vermelho, liderado por Pol Pot, assistiram ao julgamento no tribunal cambojano. Duch admite ter cometido atrocidades na S-21, conhecido também com o nome de Tuol Sleng, um centro de interrogatórios que funcionava em um antigo colégio secundário de Phnom Penh, onde mais de 12 mil pessoas foram torturadas e assassinadas em função da repressão em massa organizada pelo Khmer Vermelho. Ele também é acusado de comandar a Santebal, que comandava a segurança nacional e operava os presídios. Duch, hoje convertido ao cristianismo, confessou seus crimes, mas diz que apenas cumpria ordens. Detido em 1999 pelas autoridades cambojanas, Duch foi levado em 2007 a um tribunal especial em Phnom Penh. Outros quatro dirigentes do regime comunista serão levados ao banco dos réus mais adiante. Eles têm entre 76 e 83 anos, e muitos cambojanos temem que morram antes que se faça justiça. Mas que se Justiça se fará ainda que eles venham a ser condenados a penas de cadeia? Os seguidores deles estão espalhados pelo mundo inteiro.

Perdas no setor bancário derrubam Bolsas européias

As Bolsas européias fecharam em baixa nesta terça-feira. Os papéis do setor bancário lideraram as perdas do dia, devido ao temor dos investidores em relação ao avanço da recessão tanto na Europa como em nível global. As economias dos Estados Unidos, do Japão e da União Européia já se encontram em recessão. A Bolsa de Londres fechou em baixa de 2,43% no índice FTSE 100, ficando com 4.034,13 pontos; a Bolsa de Paris teve queda de 2,94% no índice CAC 40, para 2.875,23 pontos; a Bolsa de Frankfurt teve baixa de 3,44% no índice DAX, fechando com 4.216,60 pontos; a Bolsa de Milão teve baixa de 3,36% no índice MIBTel, que ficou com 13.614 pontos; a Bolsa de Zurique caiu 2,68%, ficando com 4.941,31 pontos no índice Swiss Market; e a Bolsa de Amsterdã teve baixa de 3,63% no índice AEX General, que ficou com 238,17 pontos. O índice FTSEurofirst 300, que reúne ações das principais empresas européias, fechou em baixa de 2,5%, com 766,05 pontos, um dos piores resultados desde o fim de janeiro. Também caíram as ações do HSBC (-7%), Raiffeisen (-13,5%), KBC (12%), Standard Chartered (-9%), Santander (-6%) e UBS (-5,5%). A agência de classificação de risco Moody's Investors Service informou que a recessão em países como os do Leste Europeu deve se agravar. Estas agências de risco são extremamente vagabundas, porque listavam como ótimas grandes corporações financeiras que quebraram.

Diretor do FMI defende demissão de banqueiros incompetentes

O diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, defendeu nesta terça-feira que se "reaja com dinamite" aos paraísos fiscais e que sejam demitidos os executivos de bancos que não tenham realizado seu trabalho bem feito. "Eu sou favorável a uma ação com dinamite", disse Strauss-Kahn em entrevista à rádio France Inter, que afirmou que as medidas contra os paraísos fiscais "são muito leves" e admitiu que há um "certo número de Estados que consideram que não é o mais urgente". Ele pediu ainda um maior apoio aos bancos e uma maior coordenação dos planos de relançamento dos Estados para evitar que a crise internacional se prolongue. O diretor do FMI considerou "escandaloso" o salário de alguns dirigentes financeiros e se disse favorável à demissão de executivos de bancos "se fizerem mal seu trabalho" ou ao fechamento daqueles bancos que estiverem "desequilibrados demais", salvando sempre os depósitos de seus clientes. Para ele, a "ausência de normas" foram o "coração da crise".

José Alencar sai do hospital dizendo não ter medo da morte e que cirurgia era sua única saída

O vice-presidente José Alencar, de 77 anos, deixou nesta terça-feira o hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde estava internado há 27 dias. Ele se submeteu a uma cirurgia de alto risco para retirada de tumores na região abdominal no dia 25 de janeiro. Ao sair do hospital, o vice-presidente disse: "Não tenho medo da morte, até porque não sei o que é a morte”. Ele afirmou que não pede a Deus nenhum dia a mais de vida do que ele possa viver com orgulho. "Quero pedir a Deus que não me dê nenhum dia de vida a mais a não ser que eu possa me orgulhar desse dia de vida, que esse dia seja objeto de orgulho não só da minha parte como da minha mulher e filhos”. José Alencar agradeceu a equipe médica que o acompanhou, citando um a um os médicos que o assistiram durante a internação. Só reclamou de ter que deixar o local de cadeira de rodas. "Nunca saí de hospital da cadeira de rodas. Entrei aqui andando e queria sair andando", disse ele. Antes de entrar em seu carro, porém, levantou da cadeira e caminhou alguns passos apoiado por sua mulher, Mariza.

Itália planeja recorrer a tribunais internacionais para conseguir extradição do terrorista Battisti

O governo italiano está disposto a recorrer a tribunais internacionais em favor da extradição do terroristas Cesare Battisti caso o Supremo Tribunal Federal confirme a decisão do governo brasileiro de conceder-lhe refúgio político. Apesar de representantes italianos se mostrarem confiantes que o Supremo vai garantir a extradição, o país estuda entrar com ações na Justiça internacional para extraditar o terrorista. "Se a decisão for contrária, vamos como instituições italianas procurar instâncias mais altas para continuar recorrendo da decisão que consideramos injustas", disse o deputado italiano Fabio Porta, integrante da delegação italiana que discute com autoridades brasileiras o caso Battisti. A delegação se reuniu nesta terça-feira com parlamentares brasileiros para discutir a extradição do terrorista, entre eles integrantes da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e representantes do DEM (Democratas). Nas conversas, os italianos afirmaram que estão à espera da decisão do Supremo sobre o caso, por isso ainda não pediram a interferência do Legislativo junto à Corte. "Esta visita foi fortemente desejada pelo presidente da Câmara italiana para dizer que o parlamento italiano é a favor da extradição, mas confiamos na autonomia da Justiça, no Supremo Tribunal Federal, que avalia a constitucionalidade da decisão. Respeitamos a decisão do Executivo, mesmo não concordando, e esperamos que o Supremo possa conceder a extradição de Cesare", afirmou Porta.