sábado, 21 de junho de 2014

MAIS UMA CONEXÃO ENTRE BENEDITO LIRA E O DOLEIRO YOUSSEF

Uma nota publicada pela coluna Radar, da revista Veja, revela uma nova conexão entre o doleiro Alberto Youssef e o senador Benedito de Lira (PP-AL). Youssef teria indicado diversos nomes para a Companhia Brasileira de Trens Urbanos em vagas negociadas com o PP, partido de Lira. Leia a seguir: "Trem estranho -  Não foi só o recém-falecido presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Francisco Colombo, que o doleiro Alberto Youssef indicou em nome do PP. São também apadrinhados pelo doleiro Pedro Gherardi, o presidente interino, e Jorge Vieira, assessor especial da presidência e superintendente da CBTU em Minas Gerais. Oficialmente, as indicações foram dos notórios Benedito de Lyra e Arthur Lira, pai e filho. O primeiro é senador e o segundo é deputado pelo PP alagoano".

LAVA-JATO - ECOGLOBAL DESMENTE VERSÃO DA PETROBRAS

Uma semana após a Petrobras romper o contrato com a Ecoglobal no valor de R$ 443,8 milhões, a empresa, citada nas denúncias da Operação Lava Jato, apresentou à Justiça Federal do Paraná sua defesa desmentindo a versão da estatal sobre a rescisão. No documento, a Ecoglobal diz que recebeu aporte de fundos de investimentos de ex-funcionários da estatal que abandonaram o negócio após as denúncias, "fugindo de algo gravíssimo que lhes envolvia". No documento, a Ecoglobal diz ainda estar em situação pré-falimentar e oferece a quebra dos sigilos fiscal e bancário. A defesa, em nome do sócio majoritário Vladmir Silveira, foi apresentada na 13ª Vara Federal do Paraná. A empresa desmente a versão da Petrobras e diz que a estatal tinha conhecimento de toda sua estrutura de capital. A empresa sugere ainda que a estatal tenta "impingir ao Juízo e à opinião pública" seu envolvimento em situações ilegais. A Petrobras justificou a rescisão do contrato após as suspeitas de envolvimento com o esquema de corrupção denunciado pela Polícia Federal. Segundo a estatal, a empresa faltou com "clareza e transparência" em relação à sua composição societária e que isso acarretaria "transtornos operacionais" e prejuízos financeiros e à curva de produção da empresa. De acordo com a versão apresentada à Justiça, após fechar o contrato com a estatal, em agosto de 2013, a Ecoglobal buscou no mercado investimentos e capitalização para executar as obrigações com a Petrobras, tendo recebido propostas de investimento de empresas e fundos estrangeiros. Uma das propostas teria sido feita em nome das empresas Quality Holding Investimentos e Tino Real Participações que, segundo a Polícia Federal, seriam controladas por Alberto Youssef. Os sócios da Ecoglobal dizem que jamais tiveram conhecimento dos eventuais proprietários das investidoras. Após a negociação, a empresa teria recebido nova proposta dos fundos Mare Investimentos e Mantiq Investimentos. Eles teriam oferecido aportes no valor entre R$ 74,4 milhões e R$ 80,5 milhões pela companhia "mediante aquisição de ações e debêntures, e aporte de capital, a serem efetivados pelos Fundos de Investimentos e Participações Brasil Petróleo administrados pela Caixa Econômica Federal". Entre os executivos dos fundos citados estão Rodolfo Landim e Nelson Guitti, funcionários de carreira da Petrobras que ocuparam cargos executivos. "Landim foi diretor da Petrobras no mesmo período de Paulo Roberto Costa", ressalta o documento. De acordo com a defesa, "por força do prestígio pessoal dos gestores (...) curiosamente tudo passou a correr bem e naturalmente". O contrato teria sido fechado em março deste ano, cerca de 15 dias antes de ser deflagrada a operação Lava Jato que prendeu o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Após a operação, Vladmir Silveira, sócio da Ecoglobal foi levado a prestar depoimento pela Polícia Federal sobre a venda de participações da empresa. Ele também foi intimado a depor na Comissão Interna de Apuração da Petrobras sobre as denúncias envolvendo o ex-diretor de abastecimento. Segundo sua defesa, após as denúncias, os investidores "inexplicavelmente, e sem qualquer aviso, fugindo de algo gravíssimo que lhes envolvia diretamente, desapareceram da Ecoglobal e da Petrobras, descumprindo inteiramente os compromissos assumidos". Silveira afirmou "desconhecimento" sobre o ex-diretor e suas relações com Alberto Youssef. Ele omitiu da Polícia Federal a negociação com os fundos de investimento de propriedade de ex-diretores da Petrobras. Segundo Silveira, o fato não foi revelado por que o contrato tinha cláusula de confidencialidade e também "por não lhe ter sido perguntado pela autoridade policial".

MANTEGA DISCUTE COM DILMA ROUSSEFF A SITUAÇÃO DRAMÁTICA DA ARGENTINA

Em um retorno inesperado a Brasília na manhã de sexta-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que estava em São Paulo, reuniu-se com a presidente Dilma Rousseff em meio à preocupação da equipe econômica com a situação dramática da Argentina. Sem um diagnóstico preciso da extensão da crise, o Ministério da Fazenda monitora o país vizinho e "aguarda os próximos passos do governo da presidente peronista populista Cristina Kirchner". No entanto, por ora, a avaliação é que a situação da Argentina é um problema localizado e sem efeitos sistêmicos, que não contaminaria o Brasil. "O governo argentino ainda está avaliando a situação e o que pode ser feito em relação à decisão dos Estados Unidos, então ainda é precipitado fazer qualquer avaliação mais profunda", informou a fonte. Oficialmente, o Planalto silenciou sobre o tema do encontro, que não estava programado. Na quarta-feira, Mantega disse que "não podemos nos precipitar" quanto a conclusões envolvendo a situação da Argentina. Em seguida, ele reforçou: "Estamos dentro da normalidade".

APÓS DEPREDAÇÃO, GERALDO ALCKMIN AFIRMA QUE VAI REVER ESTRATÉGIA DA POLÍCIA MILITAR EM SÃO PAULO

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou na sexta-feira, que a Polícia Militar vai rever a estratégia durante protestos, depois do que ocorreu na manifestação da quinta-feira, quando houve depredação e vandalismo na capital, durante ato organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL). Em visita a Pindamonhangaba, Alckmin disse que a Polícia Militar estará presente e fará revistas nos atos. Ele disse que as imagens de câmeras de segurança ajudarão a polícia a identificar e responsabilizar os envolvidos nas depredações de cinco agências bancárias e de uma concessionária de veículos. “Uma coisa é manifestação, que deve ser respeitada. Outra coisa é vandalismo, depredação, ação criminosa de mascarados, que tem de ser combatida e é dever da polícia fazer isso. Então já determinamos ao secretário de segurança que há câmeras de vídeo, e alguns vândalos dá para identificar. Então o mais rápido possível devemos prender esses criminosos”, afirmou o governador. A Polícia Militar acompanhou de longe a manifestação. O comando da polícia afirmou logo após o ato que observou um acordo solicitado feito com o MPL. Eles teriam se comprometido com a segurança do evento. O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, admitiu que houve um equívoco por parte da Polícia Militar ao se manter distante do protesto. “É inadmissível um acordo como foi feito. O acordo possível é para manter a ordem pública e é inaceitável a inércia. Houve uma falha no tempo de resposta da Polícia Militar na ação daquele grupo de vândalos. A polícia não deveria ter feito acordo e não deveria, evidentemente, ter demorado como demorou para proceder a intervenção”, disse o secretário.

MTST INVADE TERRENO NO PORTAL DO MORUMBI

Cerca de 800 pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) invadiram no final da noite de sexta-feira um terreno no Portal do Morumbi, na zona sul de São Paulo. Até o início da madrugada já havia cerca de 200 barracas montadas no local. O terreno de 200 mil metros quadrados, que fica na Rua Luiz Migliano, 1.850, é de propriedade do poder público, mas grilada pelos donos atuais, segundo o líder do movimento, Guilherme Boulos. Durante a invasão, ainda segundo Boulos, havia cinco viaturas da polícia. Na sexta-feira também dois promotores de Justiça, acompanhados por funcionários da Secretaria Municipal de Habitação, afirmam que foram proibidos de fazer o cadastramento das famílias que participam da Ocupação Copa do Povo, em Itaquera, na zona leste da capital. Segundo o Ministério Público, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), entidade responsável pela invasão, vetou a entrada da comissão com o argumento de que não havia sido previamente avisado. O cadastramento é parte do processo de reintegração de posse em análise no órgão.

SÃO PAULO ESTUDA INSTALAR SISTEMA DE EMPRÉSTIMO DE 50 MIL BICICLETAS PARA LOCOMOÇÃO DA POPULAÇÃO DA CAPITAL

A cidade de São Paulo pode ganhar um sistema público de compartilhamento de bicicletas, à maneira do que existe em outras metrópoles, entre as quais Barcelona, na Espanha, e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, disse na sexta-feira que a Prefeitura planeja enviar à Câmara Municipal um projeto de lei autorizando a concessão desse serviço à iniciativa privada. Segundo o dirigente, ao menos 50 mil "magrelas" deverão ser oferecidas à população, que só precisaria do Bilhete Único para utilizá-las. Hoje em dia, a capital paulista conta com redes particulares de aluguel de bicicletas como o Bike Sampa, gerenciada pelo Itaú, Samba e Serttel, com cerca de 1,5 mil equipamentos, e o CicloSampa, da Bradesco Seguros, com 129. No futuro modelo, as diretrizes para a instalação dos equipamentos e a distribuição dos pontos de estacionamento das bicicletas passará a ser premissa do próprio poder público. A intenção é espalhar o serviço por toda a cidade, e não apenas em áreas centrais, como nos dois sistemas em operação. Outro diferencial é que o serviço deverá ser debitado do próprio Bilhete Único. No Bike Sampa, o cartão de transportes pode até ser usado em parte das estações, mas precisa estar vinculado a um número de cartão de crédito, por meio de um cadastro prévio feito no site da rede. Por meio da concessão, a idéia é que a oferta de "magrelas" se torne complementar à ampliação da malha cicloviária na capital paulista, prevista para ultrapassar 400 km até o final de 2015.

CRESCIMENTO DO NÚMERO DE PESSOAS JURÍDICAS AMEAÇA A PREVIDÊNCIA

O crescimento do número de pessoas que se “transformam em empresa” para pagar menos impostos pode ter atingido, no Brasil, uma extensão inédita no mundo. Isso obrigará as futuras discussões sobre reforma tributária tenham esse tema na pauta, dado seu efeito sobre a arrecadação da Previdência. É o que afirma o economista José Roberto Afonso, do Ibre-FGV, no estudo “IRPF e desigualdade em debate no Brasil - o já revelado e o por revelar.”  No trabalho, Afonso analisou estatísticas sobre o pagamento do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) produzidos pela Receita Federal. Ficou com a impressão que o fenômeno de “transformação de trabalho em capital”, embora conhecido e aparentemente intenso, não está no centro do radar do governo e até mesmo dos estudiosos da distribuição de renda. “É grave o País não saber ao certo quantos são e quem ganha as rendas mais elevadas e as riquezas de maior porte”, comentou ele: “O debate sobre distribuição de renda e equidade fiscal pode eventualmente mudar de rumos se tivermos mais e melhores dados fiscais". A falta de estatísticas mais detalhadas sobre a renda no Brasil ganhou evidência depois de o economista francês Thomas Piketty, autor do best-seller "Capital no século XXI", dizer que não estudou o País por falta de dados. Mas, diz Afonso, essa realidade é velha conhecida dos pesquisadores brasileiros. Na falta de informações mais completas, ele analisou as estatísticas disponíveis e reuniu um conjunto de pistas que reforçam a necessidade de olhar com mais atenção para os trabalhadores “PJ”. A evidência mais forte, diz ele, é que no período entre 1999 e 2011 as rendas declaradas e tributadas por meio da tabela do IRPF cresceram menos do que as que não são. O total de rendimentos informados somavam, em 1999 (ano-base 1998), o equivalente a 31,89% do PIB. Em 2011 (ano-base 2010), eram 41,57% do PIB, um avanço de 10%. No mesmo período, os rendimentos tributáveis pela tabela passaram de 22% do PIB para 25,1% do PIB, um avanço de 3%. Já os rendimentos declarados, mas isentos de tributação, passaram de 7,02% do PIB para 12,56% do PIB, um crescimento de 5,5%. É nesse grupo, de maior expansão, que estão os lucros e dividendos. Outro indicativo de que as rendas podem estar “escapando” da tabela do IRPF é o perfil das pessoas que são tributadas por ela. O topo do grupo, com as maiores rendas, é formado por funcionários públicos, além de empregados de empresas estatais e de bancos. Não é exatamente um retrato da elite brasileira. A suspeita é reforçada também porque o número de pessoas que declaram IRPF e informam que são empresários ou autônomos chega a 8,4 milhões, ante 6,7 milhões de empregados de empresas privadas. A desproporção chama a atenção, mesmo levando em conta que os funcionários públicos não estão nesse cálculo. O crescimento dos trabalhadores “PJ” não é exclusivo do Brasil. Mas, observa Afonso, os números indicam que ele pode ser muito extenso aqui. Antes restrito a salários muito altos, como os pagos aos artistas e jogadores de futebol, agora esse expediente vem sendo utilizado em larga escala. E há uma explicação para isso. Do ponto de vista das empresas, a contratação de funcionários como pessoas jurídicas, ou “PJ”, reduz o pagamento de encargos e contribuições previdenciárias. Isso tem um atrativo especial no Brasil, pelo fato de o País cobrar a segunda maior contribuição para programas sociais das Américas: 37,65%, perdendo só para os 38,15% da Colômbia.

PT PREGA DISCURSO RADICALIZADO PARA REELEGER DILMA ROUSSEFF

Depois de abafar o coro do “Volta, Lula”, o PT oficializou neste sábado a candidatura da presidente Dilma Rousseff ao segundo mandato numa convenção pontuada pela radicalização do discurso contra os tucanos. Na mais difícil disputa presidencial desde 2002, o partido adotará o slogan “Mais Mudanças, Mais Futuro”. Com esse mote, Dilma dirá que só quem fez no passado tem credibilidade para fazer mais de agora em diante. Ao lado do ex-presidente e alcaguente Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr.), seu padrinho e fiador, a presidente tentará recuperar a popularidade sendo porta-voz da estratégia do “nós contra eles”, que pretende carimbar o PSDB como partido das elites.

VLADIMIR PUTIN OFERECE APOIO DA RÚSSIA CONTRA JIHADISTAS NO IRAQUE

O presidente russo Vladimir Putin ofereceu na sexta-feira ao primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki, o "apoio total" da Rússia em sua luta contra a ofensiva dos jihadistas no Iraque, anunciou o Kremlin. Segundo comunicado da presidência russa, em uma conversa telefônica com Maliki, Vladimir Putin expressou o apoio total da Rússia aos esforços do governo iraquiano para libertar rapidamente o território da república dos terroristas. "A atividade dos extremistas que lutam na Síria adquiriu um caráter transnacional e representa uma ameaça para toda a região", enfatizou o Kremlin na nota.

CRISTÃOS IRAQUIANOS FOGEM ATERRORIZADOS DOS JIHADISTAS SUNITAS

Protegidos por barricadas, os cristãos da cidade iraquiana de Bartala vivem aterrorizados, com a convicção de que o Exército os abandonou deixando todos à mercê dos jihadistas sunitas que controlam a cidade vizinha de Mossul. Bartala, que conta com 30 mil habitantes, fica a apenas 20 quilômetros de Mossul (norte), segunda maior cidade do Iraque e a primeira a cair em poder dos insurgentes sunitas que lançaram uma grande ofensiva no país na semana passada. Desde a fuga da polícia, a cidade está protegida por uma força de apenas 600 cristãos e pelos peshmergas, nome dado aos integrantes das forças curdas. Esta proteção parece irrisória frente a insurgentes armados e bem treinados. Por isso, os cristãos de Mossul se refugiaram junto aos cristãos de Bartala e todos se sentem desamparados frente aos rebeldes, que os consideram infiéis. "O governo não se importa com a gente. Vimos como o Exército fugiu nos deixando condenados à morte certa",  lamenta Saba Yusef, que abriga em sua casa familiares que fugiram de Mossul. "Para ser sincero, temos medo. Sabemos que, se o EIIL decidir vir, tomarão toda a cidade", declarou Milad Jibrael, referindo-se ao Estado Islâmico no Iraque e no Levante (EIIL), o grupo que lidera a frente dos insurgentes sunitas, que lançaram em 9 de junho uma ofensiva, apoderando-se de vastas zonas do território de quatro províncias do país. Junto com seu amigo de infância Tahrir Munir, Jibrael faz parte de uma força local que protege as quatro igrejas da cidade. "Ficarei aqui, independentemente do que acontecer. Se devo morrer protegendo esta igreja, farei isso", acrescentou ele, referindo-se à igreja Maryam al-Adra. Em torno das igrejas, foram erguidas barricadas e cristãos e peshmergas revistam todos os carros que entram na cidade. Apesar da escassez de armas, o líder curdo local, Idris Sorchi, acredita que pode repelir um ataque dos insurgentes. "Podemos proteger esta cidade e nossas regiões", afirmou. "Não vamos entrar em Mossul, mas temos ordem de proteger esta zona e combater os insurgentes que possam chegar", declarou ele no quartel-general local de um partido curdo. O medo de um ataque jihadista fez com que cerca de vinte famílias fugissem de Bartala, onde a luz e a água foram cortadas. Mas a maioria da população ficou, mesmo com medo. Bernadette Bustros deixou Mossul com o marido e seus cinco filhos depois de ver insurgentes nas ruas de seu bairro. "Estávamos aterrorizados, começamos a viagem a pé", contou. Mas, para ela, isso é apenas mais um capítulo do longo pesadelo que os cristãos vivem no Iraque, que tiveram seu número reduzido pela metade depois da invasão americana de 2003: "Há anos que nossa situação é desastrosa. Dois irmãos meus foram sequestrados em 2008. Um deles foi libertado. O outro, morto". "Nos tempos de Saddam Hussein (o ditador derrubado em 2003), sabíamos que havia um nome que não se podia pronunciar. Mas agora sofremos a opressão do governo e a violência desses insurgentes, e não temos para onde ir", explica seu irmão.

NÚMERO DE PESSOAS DESLOCADAS POR GUERRAS É O MAIS ALTO DESDE A II GUERRA MUNDIAL

O número de pessoas deslocadas por causa de guerras e conflitos chegou a 51,2 milhões em 2013, segundo um relatório da ONU divulgado na sexta-feira. É o maior índice registrado desde o fim da II Guerra Mundial. Naquela época, cerca de metade da população do planeta refugiou-se da guerra, considerada o maior conflito da história da humanidade. No ano passado, por dia, 32.000 pessoas fugiram de suas casas. O balanço total da ONU inclui as pessoas que vivem como refugiados no Exterior, os requerentes de asilo e os deslocados internos, que deixaram suas casas e ainda permanecem dentro dos seus países. Segundo a ONU, as guerras na Síria e no Afeganistão e os conflitos no Sudão do Sul e na República Democrática do Congo contribuíram para ampliar o total de deslocados. A guerra civil da Síria, sozinha, produziu mais de 2,5 milhões de refugiados em 2013 e obrigou 6,5 milhões de pessoas a se deslocarem dentro do país. Metade das 51,2 milhões de pessoas é composta por crianças e adolescentes. Cerca de 33 milhões deslocaram-se dentro de seus países. A ONU destaca ainda que tão desanimador quanto o aumento recente, é a falta de avanços para solucionar o problema de deslocados de conflitos mais antigos, como os da Colômbia e os do Vietnã. Os números não levam em conta a recente onda de iraquianos que tiveram que deixar suas casas por causa da ofensiva dos jihadistas que vem aterrorizando parte do país. De acordo com a Acnur, cerca de 1 milhão de pessoas fugiram nas últimas semanas. O Líbano abriga 1 milhão de refugiados, a maior proporção entre todos os países da mundo - 178 para cada 1.000 cidadãos, ou quase um quinto de sua população total, um número que tem aumentado a tensão no país.

PAPA FRANCISCO DIZ SER CONTRA A LEGALIZAÇÃO DE QUALQUER TIPO DE DROGA

O papa Francisco afirmou na sexta-feira que rejeita os tratamentos de desintoxicação que utilizam drogas substitutas e reiterou ser contra a legalização de qualquer tipo de entorpecente, incluindo a maconha. O pontífice fez essas declarações durante uma audiência no Vaticano, a qual contava com a presença dos participantes da 31º edição da Conferência Internacional para o Controle de Drogas (IDEC). “Quero expressar com total clareza que a droga não se derrota com droga. A droga é um mal e com o mal não pode haver relaxamento ou compromissos”, declarou o papa Francisco. Para o papa argentino, consentir o uso de psicofármacos às pessoas que continuam usando droga não “resolve o problema”, já que, segundo ele, “as drogas substitutivas também não se mostram como um tratamento suficiente, mas um modo velado de se render perante a este fenômeno”. Sobre a legalização das "drogas leves", como a maconha, o papa Francisco explicou que, “além de ser discutível do ponto de vista legislativo, não produz os efeitos que haviam sido pré-fixados. Neste aspecto, o pontífice, como já havia dito em outras ocasiões, reiterou seu “não” a qualquer tipo de droga, ressaltando que “o flagelo da droga contínua avançando de maneira e dimensões impressionantes ao ser alimentado por um mercado infame, que vai além das fronteiras nacionais ou continentais”. O pontífice também mostrou sua “dor e preocupação”, principalmente porque “o risco cresce para os jovens e os adolescentes”. “Diante deste fenômeno, sinto a necessidade de expressar a minha tristeza e a minha preocupação”, finalizou.

GOVERNO ESTUDA REDUZIR IPI DE CARRO FLEX QUE CONSOME MENOS ÁLCOOL

O governo poderá reduzir as alíquotas do imposto sobre produtos industrializados (IPI) para veículos com motor flex que tiverem relação de consumo entre etanol hidratado e gasolina superior a 75%, conforme publicado na sexta-feira no Diário Oficial da União. Para criar essa possibilidade de redução do imposto, o governo alterou a lei que instituiu o Inovar-Auto (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores). Ao estabelecer que o benefício poderá ser dado a veículos com motor flex com relação de consumo entre etanol hidratado e gasolina superior a 75%, a medida especifica que não poderá haver "prejuízo da eficiência energética da gasolina nos veículos novos".  A medida é adotada no contexto da discussão no governo sobre o aumento da mistura do etanol anidro à gasolina. A partir dessa semana, o governo começou a fazer testes com duração de dois meses em diferentes tipos de veículos para analisar a viabilidade técnica do aumento de mistura do etanol anidro à gasolina em percentual superior ao atual, de 25%. Também foi publicada a previsão que estabelece o último dia útil de agosto como prazo final para adesão ao parcelamento de débitos tributários para empresas com impostos vencidos e não pagos até 31 de dezembro de 2013. A lei traz ainda os porcentuais de entrada que as empresas terão de pagar para aderir ao parcelamento.

JUSTIÇA OBRIGA A FIFA A FAZER A PARADA TÉCNICA PARA HIDRATAÇÃO DOS JOGADORES

A Justiça do Trabalho determinou na sexta-feira, por meio de liminar, que a Fifa faça paradas técnicas para hidratação dos jogadores que disputam a Copa do Mundo sempre que a temperatura superar os 32 graus Celsius no local da disputa.  Sempre que houver essa condição climática, o juiz da partida deverá fazer a parada aos 30 minutos de cada um dos tempos.  A decisão foi proferida pelo juiz Rogério Neiva Pinheiro, da 1ª Vara do Trabalho do Distrito Federal. A multa pelo descumprimento é de R$ 200 mil por dia. A Fifa pode recorrer da decisão. O juiz atendeu um pedido feito pelo Ministério Publico do Trabalho. O órgão alegou que, antes do início da Copa, a Fifa se comprometeu a seguir a recomendação de paralisar os jogos quando temperatura estivesse elevada e permitir que os jogadores pudessem se hidratar.  No entanto, segundo o Ministério Público do Trabalho, a entidade informou que já respondia a uma ação de responsabilidade impetrada pela Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) e não iria seguir as recomendações. Segundo o juiz, a decisão liminar é necessária para garantir que a Fifa cumpra a obrigatoriedade das paradas técnicas imediatamente. "Entendo que obrigar a Fifa a cumprir a norma que esta própria estabeleceu não pode ser considerada medida capaz de comprometer o bom andamento da competição. Por outro lado, impor tal procedimento, com eficácia de medida judicial e sanções para o descumprimento decorrente, faz com que se assegure a observância de todos os preceitos jurídicos de tutela à saúde no trabalho", argumentou Pinheiro na decisão.

CMN AMPLIA POR UM ANO O PRAZO PARA OS ESTADOS PAGAREM FINANCIAMENTOS

O Conselho Monetário Nacional estendeu, por um ano, o prazo para as unidades da Federação que aderiram ao Programa de Ajuste Fiscal dos Estados (PAF) contratarem empréstimos e financiamentos. A data limite para os Estados contraírem os empréstimos passou de 31 de dezembro de 2013 para 31 de dezembro de 2014. De acordo com o Tesouro Nacional, o prazo foi adiado por causa da expectativa de que alguns estados só conseguirão pegar os financiamentos em 2014, o que inviabilizaria a contratação das linhas de crédito. Por meio do PAF, o Tesouro autoriza o Distrito Federal e 24 estados a ampliar o limite de crédito no sistema financeiro em troca do cumprimento de metas fiscais. Apenas Amapá e Tocantins não fazem parte do PAF.

ZÉ MARIA, DO PSTU, PEDE REGISTRO AO TSE PARA CONCORRER À PRESIDÊNCIA

O Tribunal Superior Eleitoral recebeu na sexta-feira o primeiro pedido de registro de candidatura à Presidência da República nas eleições de outubro deste ano. Após ter o nome aprovado na convenção do PSTU, José Maria de Almeida, conhecido como Zé Maria, pediu ao tribunal o deferimento do registro de sua candidatura, que terá como vice a assistente social Cláudia Durans. O número do partido na urna será 16. Zé Maria tem sua história ligada à consolidação do sindicalismo no setor metalúrgico. Em 1982, concorreu a deputado estadual por São Paulo; em 1994 tentou cadeira na Câmara dos Deputados por Minas Gerais; e nas eleições de 1998, 2002 e 2010 candidatou-se à Presidência da República. Ao ser lançado pelo PSTU, Zé Maria afirmou que defende mudanças no País. "É preciso que o Brasil tenha um governo que tenha coragem de romper com banqueiros e as grandes empresas. Para fazer com que a riqueza e os recursos que o nosso País tem possam garantir saúde, educação, moradia, transporte coletivo, reforma agrária e aposentadoria. Ou seja: vida digna para o povo brasileiro”, disse. O prazo para todos os partidos fazerem convenções para aprovar, internamente, os candidatos que vão disputar as eleições termina no dia 30 de junho. Após a definição dos nomes que vão concorrer aos cargos de deputado estadual e federal, senador, governador e à Presidência da República, o partidos têm até 5 de julho para pedir o registro na Justiça Eleitoral. Caberá aos tribunais regionais eleitorais e ao TSE, no caso de candidatos à Presidência, verificar se os candidatos estão aptos a concorrer. Os políticos podem ser impedidos de concorrer se estiverem inelegíveis pela Lei da Ficha Limpa, por exemplo. O primeiro turno será no dia 5 de outubro.

DEPUTADO REPUBLICANO AMERICANO DESDENHA COM SARCASMO DO CHEFE DO FISCO DOS ESTADOS UNIDOS: "NINGUÉM ACREDITA EM VOCÊ"

Deputados republicanos criticaram duramente na sexta-feira o chefe do IRS, a Receita Federal americana, sobre o desaparecimento de e-mails relacionados à perseguição a grupos políticos conservadores. Em uma audiência na Câmara dos Deputados, que investiga a conduta do Fisco, John Koskinen negou-se a pedir desculpas pela perda das mensagens, atribuindo-as a “fatores técnicos”: “Não acho que devo um pedido de desculpas”. Os parlamentares ficaram particularmente irritados com o fato de o IRS ter conhecimento do desaparecimento da correspondência há meses, mas ter comunicado a Câmara apenas na última semana. “Você pode culpar um fator técnico, mas não é um problema técnico enganar o povo americano”, disse o deputado David Camp, que preside o comitê responsável pela investigação: “Você diz que perdeu os e-mails, mas o que você perdeu foi a sua credibilidade”. O republicano Paul Ryan reclamou que a agência só se manifestou quando foi questionada sobre o material. “Estou sentado aqui ouvindo seu depoimento...e não acredito nele. Esse é o seu problema. Ninguém acredita em você”, disse. O Congresso está investigando denúncias de que o IRS discriminou entidades de direita que pediam isenção de imposto. O objetivo é saber se a ordem para perseguir rivais políticos do presidente Barack Obama partiu da Casa Branca, no período que antecedeu as eleições presidenciais de 2012. Entre os e-mails perdidos estão os da ex-funcionária do IRS Lois Lerner, peça central na investigação. Ela era responsável por assinar as cartas com perguntas invasivas enviadas a grupos conservadores – que depois tinham seus pedidos negados. Lois também admitiu a perseguição e pediu desculpas às entidades prejudicadas, em uma tentativa frustrada de mitigar as consequências do crime. Na versão do IRS, as comunicações da diretora de isenções fiscais foram perdidas quando seu computador quebrou, em junho de 2011 – os interrogatórios ilegais foram realizados entre 2010 e 2011. A agência afirma que o disco rígido da máquina foi destruído, depois de uma tentativa de recuperar os dados, seguindo o protocolo que determina a reutilização dos equipamentos como medida de economia. O republicano David Camp exigiu que o IRS disponibilize o disco rígido danificado para análise e questionou os argumentos apresentados pela agência para explicar a perda das informações: “É difícil de acreditar. Eu não acredito que o IRS tenha feito toda tentativa possível para recuperar esses documentos”. “Nunca subestime a incompetência do governo, mas como é conveniente”, diz um artigo publicado pelo Wall Street Journal sobre a alegada quebra do computador de Lois Lerner: “Agora nunca vamos saber ordens de quem ela estava seguindo, ou quais orientações ela estava dando”. Democratas defenderam que não houve má fé na perda dos e-mails, mas os republicanos rebateram dizendo que isso faz parte da conduta habitual do IRS de negar e obstruir as investigações. Lois Lerner deixou o cargo em setembro do ano passado, depois de se recusar a prestar depoimento no Congresso Americano. Especialista em reestruturação, Koskinen assumiu a chefia do Fisco em janeiro, no lugar de Daniel Werfel, ex-assessor orçamentário da Casa Branca que foi nomeado por Obama em maio do ano passado, em meio ao escândalo sobre os abusos da agência. Ao sair, Werfel disse que pretendia passar mais tempo com a família e explorar novas oportunidades na carreira.

WIKILEAKS REVELA ACORDO QUE PROPÕE TROCA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS ENTRE PAÍSES

O Wikileaks divulgou na sexta-feira documentos sobre supostas negociações secretas internacionais envolvendo transações financeiras e uma intenção de 50 países de promover a desregulamentação dos mercados. O Acordo sobre Serviços de Transações (Trade in Services Agreement, ou TISA) tem como  principais proponentes e autores a União Européia e os Estados Unidos, aponta a organização do australiano esquerdista Julian Assange. O TISA deveria ser mantido em segredo durante as negociações entre os países e também cinco anos após entrar em funcionamento. O acordo permitiria também a troca de informações financeiras entre os signatários. Segundo o Wikileaks, o anexo da proposta, que tem como título "Financial Services Annex", determina regras que podem permitir a expansão financeira das multinacionais, sobretudo as que têm sede em Nova Iorque, Londres, Paris e Frankfurt, para outros pontos do mundo, "evitando as barreiras da regulação". De acordo com o Wikileaks, as negociações decorrem atualmente à margem do Acordo Geral sobre Transação de Serviços (GATS) e da Organização Mundial de Comércio (OMC). Contudo, suas regras estariam sendo mudadas para que o texto seja compatível com o GATS e, futuramente, venha a ser assinado pelos países signatários da OMC. Segundo a organização, os países dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) estão fora do acordo. A próxima reunião dos 50 signatários está marcada para esta segunda-feira e deve prolongar-se até ao dia 27, em Genebra, na Suíça. Os signatários do TISA são: Austrália, Canadá, Chile, Taiwan, Colômbia, Costa Rica, Hong Kong, Islândia, Israel, Japão, Liechtenstein, México, Nova Zelândia, Noruega, Paquistão, Panamá, Paraguai, Peru, Coréia do Sul, Suíça, Turquia, Estados Unidos e ainda os países da União Européia. Ainda segundo os documentos divulgados na sexta-feira, a China e o Uruguai já demonstraram interesse em participar nas negociações, mas até o momento não foram incluídos. Esse é o autêntica segredo de Polichinelo. Todo mundo sabe dele.

EX-LÍDER DO PT AFIRMOU, "GILBERTO ESTÁ MEIO FORA DA CASINHA"

A declaração do ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, feita a blogueiros esquerdistas, no Palácio do Planalto, sobre os xingamentos contra a presidente Dilma Rousseff no Itaquerão, contrariou a cúpula do PT. "Me permitam, pessoal, no Itaquerão não tinha só elite branca não. Não fui pro jogo, mas estive ao lado [do Itaquerão], numa escola (...), fui e voltei de metrô. Não tinha só elite no metrô. Tinha muito moleque gritando palavrão dentro do metrô que não tinha nada a ver com elite branca", afirmou. A declaração contrapõe à estratégia usada pelo governo e pelo PT para lidar com o ocorrido. Eles atribuem as ofensas proferidas a integrantes das classes privilegiadas. “O Gilberto está meio fora da casinha! Depois de todo esse estrupício que fizeram com Dilma na Copa, ela está melhor do que imaginava. Essa declaração está fora de propósito”, disse o deputado José Guimarães (CE). Para o partido, Gilberto Carvalho deu munição aos adversários de Dilma. Eles criticam sobretudo a parte em que ele relacionou o governo a atos corruptos: "A coisa desceu. Isso foi gotejando, de água mole em pedra dura, esse cacete diário (da imprensa) de que inventamos a corrupção, de que nós aparelhamos o Estado brasileiro, de que somos um bando de aventureiros que veio aqui para se locupletar, essa história pegou. Na elite, na classe média, e vai gotejando, vai descendo. Porque não demos o combate, não conseguimos fazer o contraponto", disse Gilberto Carvalho. “O ministro Gilberto desmentiu seu ex-chefe, desmentiu o ex-presidente Lula. O homem de confiança de Lula deu um testemunho de que o povo está descontente”, disse o líder do PSDB na Câmara, deputado federal Antonio Imbassahy (BA), sobre o episódio.

VALE-TUDO NO RIO DE JANEIRO: O PETISTA LINDBERGH FARIAS FECHA COM O PSB

Escanteado pela presidente Dilma Rousseff nas eleições estaduais do Rio de Janeiro, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) deu o troco. Na sexta-feira, ele anunciou sua aliança com o PSB, de Eduardo Campos, e terá como candidato ao Senado o deputado federal Romário (PSB-RJ). "Muita gente dizia que estávamos isolados, mas marcamos um gol de bicicleta", disse Lindbergh. A despeito da aliança com o PSB, de Eduardo Campos, que tem feito duras críticas ao governo federal, ele afirmou que seu palanque, no Rio de Janeiro, será exclusivo da presidente Dilma. O Palácio do Planalto, por sua vez, vinha sinalizando que preferia a aliança com o atual governador Luiz Fernando Pezão, do PMDB.

FOLHA OBTÉM LIMINAR PARA MANTER COLUNA DE AÉCIO NEVES

O jornal Folha de S. Paulo obteve na Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro uma liminar que lhe dá direito a manter na internet uma coluna escrita pelo presidenciável tucano Aécio Neves, e ex-colunista do jornal. O juiz Flávio Willeman, do Tribunal Regional Eleitoral do Rio, afirmou em decisão provisória que retirar a coluna da internet "seria uma restrição direta à liberdade de informação jornalística". Na última semana, o juiz Guilherme Pedrosa Lopes, do mesmo TRE do Rio de Janeiro, determinou que a Folha retirasse da internet uma coluna escrita por Aécio Neves. O texto foi publicado no dia 26 de maio. De acordo com a decisão do magistrado, a Folha realizou propaganda eleitoral antecipada na coluna "O fim da miséria", em que Aécio Neves relata as "visões" e os "compromissos" do PSDB para combater as desigualdades sociais. Uma denúncia anônima foi encaminhada ao setor de fiscalização do TRE-RJ, um dia depois da publicação da coluna, pedindo a punição do senador por ele usar o jornal para fazer propaganda eleitoral antecipada. A Folha obteve a liminar que lhe permite manter a coluna em seu site após ingressar na Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro com um mandado de segurança. O mérito da ação ainda não foi analisado.

DECLARAÇÃO DO PETISTA GILBERTO CARVALHO SOBRE AS VAIAS DO ITAQUERÃO ESVAZIOU A ESTRATÉGIA DO PT DE VITIMIZAR DILMA ROUSSEFF

A cúpula do PT fez um desagravo à presidente Dilma Rousseff na convenção do partido neste sábado, que oficializou a candidatura dela ao segundo mandato. Apesar das divergências com Dilma, os petistas decidiram expressar sua solidariedade à presidente no dia de sua aclamação como candidata, em Brasília, após as vaias e xingamentos recebidos por ela na abertura da Copa do Mundo. Com essa estratégia traçada, causou mal-estar no PT a declaração do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, para quem os xingamentos a Dilma não partiram apenas da “elite branca”, como afirmou o ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr.). Para Gilberto Carvalho, a avaliação de que o governo se locupletou com a corrupção “pegou” e chegou às classes menos favorecidas. “Acho que a declaração do ministro está fora de propósito, porque os fatos falam por si”, criticou o deputado José Guimarães (CE), vice-presidente do PT. Irmão de José Genoino, um dos condenados no processo do Mensalão do PT, e empregador do "cuequeiro" petista pêgo com milhares de dólares na cueca, Guimarães endossou a tática petista de vincular os insultos a Dilma apenas a uma parcela da sociedade, de renda mais alta. “O fato é que a oposição caiu depois de todo esse estrupício que fizeram na Copa”, disse Guimarães: “Não sei qual outro candidato chegaria nessa altura do campeonato com quase 40%, depois de tudo o que aprontaram na abertura da Copa. Diziam que a Dilma não fazia política, mas é ela que está dando o ritmo da disputa eleitoral".

MAIORIA DOS BRASILEIROS ACHA GOVERNO DILMA RUIM OU PÉSSIMO E NÃO CONFIA NA PETISTA

A avaliação positiva do governo da presidente Dilma Rousseff caiu de 36% para 31% de acordo com a pesquisa CNI-Ibope divulgada na quinta-feira. É a primeira vez desde o início de sua administração que Dilma vê o índice de ótimo ou bom ser superado pelo percentual de pesquisados que avalia seu governo de forma negativa. A soma dos que consideram ruim ou péssimo o governo da presidente petista chegou ao nível recorde de 33%. Nem mesmo no auge das manifestações de junho do ano passado houve este cruzamento de curvas. A presidente começa a corrida eleitoral lidando com um nível de rejeição a seu governo sem precedentes desde que tomou posse. Com esta faixa de aprovação popular e este nível de desaprovação, o segundo turno nas eleições presidenciais de outubro é inexorável, e a pesquisa de intenção de voto do Ibope já sinaliza isso. Dilma obteve 39% das intenções de voto, ante Aécio Neves (PSDB), com 21%; Eduardo Campos (PSB) com 10%; Pastor Everaldo (PSC) com 3%; Magno Malta (PR) com 2% e José Maria (PSTU), com 1%. A soma dos demais candidatos atinge 3%. Em termos de rejeição,  32% dos pesquisados afirmam que não votariam em Aécio Neves em hipótese alguma. No caso de Eduardo Campos, o percentual é de 33%. Quando se trata de Dilma, a rejeição é diferenciada: 43% afirmam que não votarão nela em qualquer hipótese. Na região Sul, onde vota Dilma, a rejeição é de 56%. No Sudeste, é de 47%. No Norte-Centro Oeste é de 46%. A única região onde a rejeição da petista é baixa é o Nordeste, com 28%. O nível de conhecimento dos rivais de Dilma ainda é relativamente baixo. Enquanto a presidente é desconhecida por apenas 1%, Eduardo Campos é desconhecido por 25% dos entrevistados. Aécio Neves é uma incógnita para 20% que diz não o conhecer o suficiente ou não poder opinar. Aécio Neves tem mais força no Sul, onde empata estatisticamente com Dilma, conseguindo 26%, ante 30% da presidente; e um enorme flanco no Nordeste, uma região do Brasil onde está em terceiro lugar, com 8% das intenções de voto, ante 13% de Campos. Na região, Dilma tem 52%. Do ponto de vista de composição de chapa visando a ganhos eleitorais, a pesquisa mostra que a hipótese do tucano escolher um político do Nordeste para ser seu vice na chapa faz sentido. A pesquisa mostra que ainda é expressivo o contingente eleitoral de desiludidos com todas as opções. Na pesquisa espontânea, o total que promete votar brancos e nulo atinge 16%, superior à soma das menções de Aécio Neves e Eduardo Campos. Na pesquisa estimulada, atinge 13%. Nas simulações de segundo turno, oscila entre 19% e 21%. Ainda é um resquício dos eventos de junho do ano passado. Em junho de 2010, pesquisas da época do Ibope mostravam apenas 7% dispostos a votar branco ou anular, menos da metade do patamar atual. A desilusão segue o caminho da oposição: é maior no Sul e no Sudeste, nos segmentos de maior renda e de maior escolaridade.

AÉCIO NEVES TRANQUILIZA TUCANOS SOBRE A ALIANÇA DE ALCKMIN COM EDUARDO CAMPOS EM SÃO PAULO

Aécio Neves (PSDB), candidato à Presidência da República, classificou o apoio do PSB à reeleição do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), como algo "natural" e sem influência no planejamento de sua campanha. Na quinta-feira, Alckmin decidiu que será do PSB a vaga de vice em sua chapa na disputa à reeleição. O acordo dá visibilidade a Eduardo Campos, pré-candidato à Presidência pelo PSB. "Tenho conversado com Geraldo quase que diariamente. Sempre disse a ele que, de minha parte, haveria total compreensão e até estímulo para que PSB participasse de sua eleição", disse Aécio Neves: "Não há problema nenhum nisso. É natural, não altera em nada as perspectivas que temos para a eleição no Brasil". Entre aliados tucanos prevalece a percepção de que a aliança poderia fragilizar a candidatura nacional do PSDB. Aécio Neves, no entanto, argumentou que com Alckmin fortalecido "a candidatura do PSDB à Presidência da República também estará fortalecida". Disse estar confiante no envolvimento do PSDB de São Paulo em torno de sua candidatura. "Gostaria de ter em todos os Estados brasileiros o conforto e a força que temos em São Paulo. Temos um governador altamente avaliado, um partido estruturado em todo o Estado, além de lideranças como Fernando Henrique e José Serra. Ninguém tem situação mais privilegiada do que nós em São Paulo", acrescentou Aécio Neves.

UNIÃO CONCEDERÁ CRÉDITO DE ATÉ R$ 30 BILHÕES AO BNDES

Nova regra autorizando a União a conceder crédito ao BNDES de até R$ 30 bilhões foi publicada pelo governo no Diário Oficial da União desta sexta-feira. A Lei nº 13.000 cita que as condições financeiras e contratuais serão definidas pelo Ministério da Fazenda. O material publicado na sexta-feira informa que, para a cobertura desse crédito, a União poderá emitir, sob a forma de colocação direta, em favor do BNDES, títulos da Dívida Pública Mobiliária Federal (DPMF). Em contrapartida ao crédito concedido, o BNDES poderá utilizar, a critério do Ministério da Fazenda, créditos detidos contra a BNDES Participações S.A. (BNDESPAR). O crédito concedido pelo Tesouro Nacional será remunerado pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP). A Lei 13.000 traz também novidades relativas à concessão de subvenção econômica sob a modalidade de equalização de taxas de juros pela União e autoriza o Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS) a assumir direitos e obrigações do Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação (SH/SFH). Foi incluído o artigo 1-A ao texto da Lei 12.409/2011 fixando, entre outros pontos, que a Caixa Econômica Federal intervirá, em face do interesse jurídico, nas ações judiciais que representem risco ou impacto jurídico ou econômico ao FCVS ou às suas subcontas, na forma definida pelo Conselho Curador do FCVS. No caso da subvenção econômica, sob a modalidade de equalização de taxas de juros, nas operações de financiamento contratadas até 31 de dezembro de 2014, a regra estabelece que o valor total dos financiamentos atendidos será limitado a R$ 402 bilhões de reais. Essa subvenção econômica, sob a modalidade de equalização de taxas de juros, beneficiará, exclusivamente, pessoas físicas e jurídicas brasileiras visando a aquisição, produção, arrendamento de bens de capital e execução de projetos realizados em território nacional, assim como o apoio à exportação de bens e serviços brasileiros de interesse nacional. Sobre o álcool produzido no Nordeste, a nova lei determina que fica a União autorizada a conceder subvenção econômica às unidades industriais produtoras de etanol da região, referente à produção da safra 2012/2013. A subvenção será concedida diretamente às unidades industriais ou às suas cooperativas ou ao respectivo sindicato de produtores regularmente constituído, no valor de R$ 0,25 por litro de etanol efetivamente produzido e comercializado na safra por usinas e destilarias produtoras.

AÉCIO NEVES E COORDENADORES DISCUTIRAM PROGRAMA DE GOVERNO NO RIO DE JANEIRO

O candidato do PSDB à presidência da República, Aécio Neves, esteve na manhã de sexta-feira no escritório onde se reuniu com coordenadores de seu programa de governo, acompanhado do ex-governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, e do ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, responsável pelas propostas da área econômica. Anastasia é o coordenador-geral do programa e tem como principal assessora a economista Carla Grasso, ex-executiva da Vale. Ex-secretária de Educação do governo de São Paulo na gestão de José Serra (PSDB), Maria Helena Guimarães de Castro é responsável por esse tema. O sociólogo Claudio Beato, da UFMG, está encarregado das propostas na área de segurança. Aécio Neves tem intenção de apresentar um programa de governo mais consistente, que evite os documentos superficiais em geral enviados pelos candidatos, para cumprir a lei eleitoral, mas que apenas repetem promessas da pré-campanha. A reunião dos coordenadores com o tucano aconteceu em uma sala alugada pelo PSDB no Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro.

CORRELIGIONÁRIOS ENQUADRAM EDUARDO CAMPOS POR POUPAR LULA

O presidenciável Eduardo Campos (PSB) não ouviu exatamente o que queria de líderes da legenda na reunião de quinta-feira, na casa em que está vivendo em São Paulo. Dirigentes não estão nada satisfeitos com a estratégia de Eduardo Campos de preservar o ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista na ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr.) das críticas ao governo do PT. Na avaliação deste grupo, não dá para separar Lula da presidente Dilma Rousseff. A ala dos descontentes ainda pede mudanças nas concessões feitas a Marina Silva, pré-candidata a vice na chapa de Eduardo Campos. Um dos dirigentes chegou a dizer, na mesma reunião, que Marina Silva tem feito exigências demais e estaria mais atrapalhando do que ajudando Eduardo Campos, as posições dela afastam potenciais aliados. Eduardo Campos discordou das opiniões dos insatisfeitos. Disse que separar o alcaguete Lula de Dilma faz parte da estratégia para buscar eleitores à esquerda descontentes com o atual governo. No tocante a Marina Silva, afirmou que ela continua a ser um impulso para torná-lo conhecido. Ou seja, não aceitou nada do que disseram a ele. É assim que um candidato fica sozinho.

ANDRESSA MENDONÇA RECUSA CONVITE PARA POSAR NUA NA PLAYBOY

Andressa Mendonça, mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, negou na sexta-feira que vai posar nua na revista Playboy. A notícia se espalhou na quinta-feira após o editor da revista declarar à imprensa que estava negociando fotos dela de lingerie na revista. O ensaio aconteceria nos próximos dias, no Rio de Janeiro. Em nota, Andressa negou a informação e disse que nem ao menos conhece o editor. “Jamais houve qualquer tipo de negociação ou assinatura de contrato para realização de fotos com a linha editorial da revista”, escreveu. “Afirmo que nunca conheci o editor da revista Playboy”, completou. Segundo ela, a Playboy apenas entrou em contato para negociar uma entrevista, sem fotos de nudez. “Recebi com naturalidade o convite para conceder uma entrevista à coluna ‘Mulheres que amamos’ – da revista playboy – sem a realização de ensaio fotográfico envolvendo qualquer tipo de nudez”, garantiu. Ela disse ainda que a entrevista foi cancelada após reação da imprensa, já que seu “maior interesse é preservar a intimidade e a serenidade” de sua família, em especial seus filhos. A empresária ficou conhecida em 2012 como a “Musa da CPI” que investigou as acusações contra seu marido, preso por chefiar uma quadrilha de jogos ilegais no Goiás. Ela participou das reuniões e acabou chamando atenção por sua beleza. Andressa também foi denunciada pelo juiz federal Alderico Rocha Santos por tentativa de suborno para beneficiar o marido na época em que estava preso.

PRB, DA IGREJA UNIVERSAL E DA REDE RECORD, DESEMBARCA DO GOVERNO DO PEREMPTÓRIO PETISTA TARSO GENRO E FECHA COLIGAÇÃO COM ANA AMÉLIA LEMOS

O PRB é outro partido que desembarca do governo o peremptório petista "grilo falante" e tenente artilheiro e poeta de mão cheia Tarso Genro, tal como fizeram antes o PDT e o PSB. O PRB do Rio Grande do Sul  bateu o martelo e fechou coligação com PP, PSDB e Solidariedade no Estado, apoiando a chapa da senadora Ana Amélia. O acordo saiu na sexta-feira. A coligação só não acontecerá na proporcional, porque o PP não participará do acordo para as eleições de Câmara dos Deputados e Assembléia Legislativa. O acordo só não está fechado por completo porque o PSDB precisa indicar seu candidato ao Senado, que poderá ser até mesmo um deputado estadual. O partido acha que com Ana Amélia e Aécio Neves na ponta, o eleitor não teria razão para não votar também no senador. As convenções dos partidos está agendada para o dia 27. O PRB quer eleger pelo menos um deputado federal, Carlos Gomes, atual deputado estadual no Rio Grande do Sul. O Partido é vinculado à Igreja Universal, que no Rio Grande do Sul controla TV Record, Rádio Guaíba AM e FM e Correio do Povo.

PSOL ENTRA RACHADO NA CAMPANHA ELEITORAL PARA O GOVERNO GAÚCHO

A convenção estadual do PSOL, que escolheu novamente Roberto Robaina como candidato ao PalácioPiratini, acabou produzindo um racha inesperado e de proporções enormes, com desdobramento nacional. A fração Unidade Socialista, a mais importante do PSOL, emitiu uma nota explicitando a crise. Diz o texto: "Enquanto a nível nacional há um esforço de todos os setores que compõem o PSOL para fortalecer a candidatura à Presidência da República de Luciana Genro, garantindo a pluralidade das chapas majoritárias em todo o País com a participação das diversas posições internas, aqui, no Rio Grande do Sul, o MES, corrente do candidato ao governo do Estado, Roberto Robaina, excluiu da composição da nominata da chapa majoritária o nosso campo, Unidade Socialista, que é a segunda força política do Estado, com trabalhos em Porto Alegre, Viamão, Caxias do Sul, Santa Maria, Jaguarão e outros municípios. Motivados pela falta de reciprocidade desta corrente que foi contemplada em vários Estados em que foi minoritária faremos um recurso à convenção nacional pedindo a revogação da decisão sobre a vice na chapa de Roberto Robaina para governador do Rio Grande do Sul". A nota é assinada por Berna Menezes, do Diretório Nacional do PSOL, e Romer Guex, Vice-presidente estadual do PSOL,

AÉCIO NEVES MONTA A COORDENADORIA DE CAMPANHA

O candidato do PSDB à Presidência da República, o senador Aécio Neves, anunciou na sexta-feira que o ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, será o coordenador técnico de economia durante a campanha eleitoral ao Planalto. "Armínio já tem sido nosso coordenador. É a nossa grande referência em economia, como Mendonça de Barros, Samuel Pessoa e Mansueto Almeida", afirmou ele, durante coletiva de imprensa, na qual anunciou também outros coordenadores de campanha. São eles: Educação – Maria Helena Guimarães de Castro. socióloga; Segurança – Claudio Beato, sociólogo; Cultura – Affonso Romano de Sant´Anna, escritor; Juventude - José Junior, do grupo Afroreggae; Políticas Sociais - Carminha Brant, cientista política; Meio ambiente e sustentabilidade - Fábio Feldman, ex-deputado federal.

PRESIDENTE PERONISTA POPULISTA DA ARGENTINA RECUA E AFIRMA ESTAR DISPOSTA A DIALOGAR COM CREDORES SOBRE RENEGOCIAÇÃO DA DÍVIDA

Apesar da sinalização de calote feita pelo ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, a presidente peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner expressou na sexta-feira a intenção de pagar 100% dos credores da dívida, mas pediu garantias de poder negociar em condições "justas e equitativas". Durante a celebração do Dia da Bandeira, na cidade de Rosário, Cristina Kirchner assegurou que essas condições são necessárias para a negociação, afirmando que a Argentina já "deu mostras" de ser capaz de realizar os pagamentos. "Queremos pagar 100% dos credores, os 92,4% que aceitaram a troca (de dívida entre 2005 e 2010) e também os que não. Só pedimos que nos dêem condições de negociação justas e de acordo com a Constituição argentina, as leis nacionais e os contratos que assinamos", ressaltou. Cristina Kirchner quer convencer os credores de que "está disposta a dialogar" e anunciou que deu instruções ao ministro da Economia para que os advogados que representam o país solicitem ao juiz nova-iorquino Thomas Griesa melhores condições de negociação.

SENADOR RANDOLFE RODRIGUES, DO PSOL, DIZ QUE LUCIANA GENRO "NÃO PASSA DE TRAÍRA"

O senador Randolfe Rodrigues acusou a ex-deputada Luciana Genro por atos explícitos de traição ao trabalho que vinha fazendo como candidato do PSOL ao Planalto. Ele deixou claro que Luciana Genro agiu como "traíra", conforme o linguajar popular do Rio Grande do Sul. É por isto que não quer saber da filha do peremptório petista "grilo falante" e poeta de mão cheia Tarso Genro como candidata do PSOL. O jornalista Lauro Jardim, que assina a coluna Radar em Veja, informou na sexta-feira que Randolfe Rodrigues deixou a corrida ao Palácio do Planalto decepcionado com os parlamentares do PSOL e fulo com Luciana Genro, até então sua vice, mas que deverá assumir a cabeça da chapa. Disse ele: "A questão com Luciana Genrou parou na quebra de confiança. Randolfe atribui à sua parceira o vazamento à imprensa da notícia de que iria desistir da candidatura à Presidência. Estava pronto para anunciar publicamente o recuo e, de bate-pronto, declarar apoio a Luciana. Na semana passada, ao ver publicada sua decisão, Randolfe mudou os planos: soltou uma nota confirmando a notícia e, sem avisar a Luciana, sugerindo Marcelo Freixo como o nome do PSOL a brigar pelo Planalto".

BAIRRO DE SÃO PAULO AMANHECEU COM RASTRO DE DESTRUIÇÃO DEPOIS DA VANDALIZAÇÃO DOS BLACK BLOCS

Quem viu as cenas da Globonews, na quinta-feira à noite, deve ter percebido claramente os movimentos de guerrilha urbana ocorrido em São Paulo.  O rastro de destruição deixado por manifestantes na quinta-feira ainda era visível na manhã de sexta-feira no bairro de Pinheiros. Usando microcâmeras escondidas nos cinegrafistas, a Globo focou delinquentes políticos e bandidos comuns lado a lado, mascarados, armados com porretes, pedras, estilingues, rojões, soquetes, martelos e toda a parafernália usual nos casos do gênero. Ao atacarem condomínios residenciais, os crápulas miraram apartamentos dos quais moradores protestavam contra eles, atingindo-os com estilingues. Na passagem pelo bairro, as câmeras da Globo apanharam claramente munição colocada estrategicamente nas calçadas, como pilhas de paus e pedras. O caso foi mesmo de guerrilha urbana. Lixeiras quebradas, fachadas de imóveis pichadas e até vasos de plantas destruídos estavam por todo o caminho feito pelos cerca de 1.300 manifestantes do MPL (Movimento Passe Livre) entre o final da tarde e a noite de quinta-feira. Rebouças, Eusébio Mattoso, marginal Pinheiros, Teodoro Sampaio e Fernão Dias foram as vias mais atingidas pela onda de depredações. A Polícia Militar diz que foi "traída" pelo MPL, pois fez um acordo de não acompanhar de perto do protesto sob a condição de que não houvesse violência. Ao menos cinco agências bancárias e três lojas de carros de luxo do grupo Caltabiano, foram depredadas. Nenhum estabelecimento fechou o balanço para calcular os prejuízos até este momento, mas só em uma das lojas da Caltabiano 12 automóveis, avaliados em cerca de R$ 2 milhões, foram danificados. A loja de produtos e materiais para escritório Kalunga, localizada na avenida Rebouças, fechou mais cedo na quinta-feira após ser avisada da aproximação de "black blocs" que participavam da manifestação. Segundo o gerente da loja, Rogério Melo, a unidade deveria fechar às 18 horas, mas antecipou em meia hora o fechamento por causa das depredações que ocorriam perto dali. Uma pessoa, não identificada, alertou aos funcionários que um grupo de vândalos se aproximava do estabelecimento. Na avenida Eusébio Mattoso, revendedora da marca de veículos Mini, pertencente ao grupo Caltabiano, vai voltar a adotar procedimentos que eram frequentes no auge dos protestos, principalmente no ano passado.

PMDB LANÇA REQUIÃO PARA GOVERNADOR NO PARANÁ

Após uma convenção realizada na sexta-feira marcada por tensão e até troca de ofensas, o senador Roberto Requião venceu a disputa interna e será candidato a governador do Paraná. Foram 319 votos favoráveis à candidatura própria, 250 em apoio à coligação com o PSDB, que terá o governador Beto Richa disputando a reeleição, quatro votos nulo e um em branco.

NANOSSATÉLITE NANOSATC-BR1, FABRICADO NO RIO GRANDE DO SUL, É LANÇADO PELA RÚSSIA E JÁ ESTÁ PLENAMENTE OPERACIONAL

O Pólo Espacial Gaúcho colocou no espaço o primeiro nanossatélite produzido no Rio Grande do Sul, o NanosatC-BR1. O artefato, que foi desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) em parceria com o (Inpe), foi lançado com sucesso na quinta-feira, na base espacial em Yasny, na Rússia, e está 100% operacional. Segundo o membro da Equipe de Rastreio e Controle de Nanossatélites , do programa Nanosatc-Br, Thales Mânica, já foram realizados teste de envio e recebimento de comandos. "Todos os procedimentos de operação foram concluídos com sucesso, e estão devidamente documentados. O NanosatC-BR1 está em órbita e transmitindo beacon em código Morse. É o primeiro nanossatélite universitário brasileiro da história em operação no espaço". O pólo reúne empresas de tecnologia, universidades, Forças Armadas e institutos científicos. Tem como âncora a AEL Sistemas, companhia especializada no desenvolvimento de soluções em defesa. O NanosatC-Br1 é um pequeno satélite científico (pouco mais de um quilo) e o primeiro cubesat desenvolvido no País, produzido em parceria com o CRS, Inpe e UFSM. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e as empresas Emsisti, Innovative Solution in Space (ISS), empresa holandesa fornecedora da plataforma do cubesat, e a brasileira Lunus Aeroespacial também estiveram envolvidas na preparação. O NanosatC-Br1 comporta dois instrumentos científicos, sendo um magnetômetro e um detector de partículas de precipitação para o monitoramento, em tempo real, do geoespaço, para o estudo da precipitação de partículas e de distúrbios na magnetosfera sobre o território nacional. Com isso, é possível determinar os efeitos em regiões como a da Anomalia Magnética no Atlântico Sul (Sama) e do setor brasileiro do eletrojato equatorial.

LÍDER DA IRMANDADE MUÇULMANA TEM PENA DE MORTE CONFIRMADA

O líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, e outros 182 membros do grupo islâmico foram condenados à pena de morte neste sábado, por um tribunal de Minya, região central do Egito. Os réus são acusados de incitar a violência durante protestos realizados em agosto do ano passado, quando dezenas de cidadãos morreram em confrontos. Segundo um advogado de defesa, quase 500 pessoas foram absolvidas. A sentença foi dada em primeira instância. Após a divulgação da condenação a ONG Anistia Internacional pediu a sua imediata anulação, argumentando que a Justiça egípcia deu "um enorme passo para trás" na questão dos direitos humanos. De acordo com Hassiba Hadj Sahraoui, vice-diretora da organização para o Oriente Médio e o Norte da África, a pena capital está sendo usada pelo governo para eliminar adversários políticos. "O sistema judiciário egípcio não é mais imparcial e perdeu a credibilidade", declarou. A sentença chega no mesmo dia em que o presidente Abdel Fattah al-Sisi, um dos líderes do golpe que derrubou Mohamed Morsi do poder em julho de 2013, fez um discurso exortando a polícia a proteger o povo, mas sempre respeitando os direitos humanos. O presidente deposto é membro organização nazista islâmica Irmandade Muçulmana, aliada de Hitler durante a 2ª Guerra Mundial e mãe de todas as organizações terroristas islâmicas, incluindo a Al Qaeda, e que foi colocada na ilegalidade pela Justiça.

DA CADEIA, O MENSALEIRO ROBERTO JEFFERSON AVALIZOU A DEBANDADA DO PTB DO APOIO A DILMA E AO PT

O ex-chefão do PTB, agora na cadeia, dá o troco mais uma vez. Da cadeia no Rio de Janeiro, o ex-deputado federal Roberto Jefferson autorizou a reviravolta do partido, que abandonou a presidente Dilma Rousseff para apoiar o presidenciável tucano Aécio Neves. A ex-deputada estadual Cristiane Brasil (PTB-RJ), manteve o pai informado durante a semana.

GOLEIRO BRUNO É TRANSFERIDO PARA PENITENCIÁRIA DE SEGURANÇA MÁXIMA NO NORTE DE MINAS GERAIS

O goleiro Bruno Fernandes — condenado pela morte da modelo Eliza Samudio — foi transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais. Bruno estava na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande Belo Horizonte. O benefício da transferência havia sido concedido no dia 10, com prazo de 20 dias para ser cumprido. A transferência foi feita sob sigilo e Bruno foi escoltado desde Belo Horizonte pelo Comando de Operações Penitenciárias Especiais (Cope). O novo destino fica a apenas 40 quilômetros da sede do clube Montes Claros, com o qual Bruno assinou contrato de cinco anos em abril. Uma vez na cidade, ele poderá trabalhar durante o dia, mas terá de dormir na cadeia, e ficará impossibilitado de viajar com o clube. Para isso, no entanto, ele terá de progredir do regime fechado, que cumpre atualmente, para o semiaberto. De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais, o benefício seria dado apenas em 2018. Bruno está preso desde julho de 2010 e cumpre pena de 22 anos e três meses de reclusão pela morte da ex-amante. Em março deste ano, a defesa de Bruno tentou a transferência para o presídio de Montes Claros, pedido negado pelo juiz da Vara de Execuções Penais, Francisco Lacerda, que alegou superlotação no local.

PT LANÇA DILMA EM SUA CONVENÇÃO, RECONHECE QUE A CAMPANHA SERÁ DURA E MULTIPLICA ATAQUES À OPOSIÇÃO

A Convenção Nacional do PT que marcou o lançamento de Dilma Rousseff à reeleição revelou o quanto os petistas estão preocupados com a possibilidade de derrota na disputa pela Presidência. Os discursos se concentraram mais em ataques aos adversários do que em propostas para um segundo mandato. A convenção, realizada em Brasília, teve a presença dos principais nomes do partido e foi aberta com um coro de crianças cantando uma música que pedia "mais futuro em nossa vida". O primeiro a discursar foi o presidente do PT, Rui Falcão. Ele anunciou oficialmente a indicação de Dilma Rousseff para a reeleição, ao lado do peemedebista Michel Temer como vice. Em seu discurso, a própria Dilma tratou de criticar o governo que se encerrou doze anos atrás: "Antes, o Brasil se defendia das crises de uma forma extremamente perversa, arrochando o salário dos trabalhadores, aumentando as taxas de juros a níveis estratosféricos, aumentando o desemprego, diminuindo inteiramente o crescimento e vendendo o patrimônio publico", disse ela, que continuou: "Não fui eleita para mendigar dinheiro do FMI, porque não preciso". Para o segundo mandato, a presidente anunciou algumas propostas antigas, não cumpridas no primeiro mandato, como a revisão do pacto federativo, a popularização da banda larga e o esforço pela realização da reforma política. "Precisamos de mais oito anos para construir uma obra à altura dos sonhos do Brasil", afirmou. Já o ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr), mais aplaudido do que Dilma, demonstrou preocupação com os jovens e pediu que os militantes se esforcem para conquistar o voto dos mais novos: "Quem tinha seis ou oito anos doze anos atrás não tem obrigação de saber tudo o que nós fizemos", disse ele. Lula também disse que nunca se desentendeu com a sucessora durante os quatro anos de governo. "É possível criador e criatura viverem juntos em harmonia", afirmou. A convenção reuniu centenas de militantes e autoridades petistas em um centro de convenções de Brasília. No ato, planejado pelo marqueteiro João Santana, apenas quatro pessoas discursaram: Dilma, Lula, o vice-presidente Michel Temer e o presidente do PT, Rui Falcão. O presidente do PSD, Gilberto Kassab, foi vaiado quando entrou no palco. Rui Falcão fez um discurso sintomático, uma amostra do que será o tom da campanha petista: como se o PT fosse oposição e não governo, ele gastou mais tempo atacando os adversários e os governos do PSDB do que falando dos méritos da gestão Dilma. Pediu que a militância retomasse o espírito de 1989 e atacou o "neoliberalismo". "Não vamos permitir retrocessos, nem a volta a um passado de recessão, arrocho e desemprego, cuja figura-símbolo, antes condenada ao ostracismo pelos parceiros, agora ressurge como guru nas convenções dos tucanos", disse o petista, em referência a Fernando Henrique Cardoso. Rui Falcão admitiu a dificuldade da vitória: "Já se tornou lugar comum dizer que esta eleição será a mais dura, a mais difícil de todas. E os fatos mostram que sim", disse. Corroborando as palavras do petista, no meio da convenção o PTB, um dos partidos da base aliada, anunciou o rompimento com o governo e a adesão à campanha de Aécio Neves.

LÍDER DO PT NO SENADO TEM NOVO ALVO, A ORGANIZAÇÃO "REPÓRTERES SEM FRONTEIRA"

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), menosprezou neste sábado a nota em que a respeitada entidade Repórteres Sem Fronteiras, sediada em Paris, demonstra preocupação com a ofensiva do partido que ocupa o governo contra jornalistas. O texto foi motivado por um artigo no qual Alberto Cantalice, vice-presidente do PT, elenca numa lista negra nove profissionais que identifica como inimigos — entre eles, Reinaldo Azevedo, colunista do site de VEJA. A resposta do petista Humberto Costa, que parece não compreender o conceito de liberdade de imprensa, reforça o que afirmam os representantes da entidade internacional."Eu acho um absurdo esse tipo de colocação, e acho que uma instituição que tem a credibilidade do Repórteres Sem Fronteiras não deveria se imiscuir nesse assunto", disse ele neste sábado, após a convenção nacional do partido, em Brasília. Humberto Costa prosseguiu: "E o lado da presidente da República, das lideranças do PT? A liberdade de imprensa é só de um lado?". Já o ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, não quis comentar o caso.

"REPÓRTERES SEM FRONTEIRAS", A MAIS IMPORTANTE ENTIDADE INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO AO TRABALHO DE JORNALISTAS, CRITICA " A LISTA DO PT" DE "INIMIGOS DA PÁTRIA". O MUNDO, AO MENOS. ESTÁ ATENTO À ESCALADA AUTORITÁRIA. AJUDEM A DIVULGAR O TEXTO

Repórteres Sem Fronteiras
Se, no Brasil, muita gente prefere olhar de lado e fazer de conta que nada aconteceu, não é assim em países e entidades em que a liberdade de expressão é levada a sério. Tomei conhecimento, primeiro, por intermédio do blog do jornalista Claudio Tognollicujo post reproduzo abaixo: a entidade “Repórteres sem Fronteiras” publica um  texto em seu site(versão em inglêsem que expressa a sua preocupação com o fato de o PT criar uma “lista” de jornalistas que não agradam ao regime. Leiam. Volto depois.*A tensão entre o governo e os jornalistas da oposição acaba de subir de tom. Num artigo publicado a 16 de junho de 2014 no site do Partido dos Trabalhadores (PT), atualmente no poder, o vice-presidente do partido Alberto Cantalice estabelece uma lista negra de jornalistas designados como os “pitbulls da grande mídia”. Para o dirigente petista, o ódio de Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes Diogo Mainardi, Lobão e dos humoristas Danilo Gentili e Marcelo Madureira contra as medidas progressistas dos governos Lula e Rousseff se tornou ainda mais evidente desde o começo do Mundial, que esperam que fracasse.
Esses “inimigos da pátria” não demoraram a responder. O jornalista Demétrio Magnoli denunciou em Globo um artigo “calunioso” e uma ação de propaganda por parte do PT. Magnoli se mostra preocupado pelo fato de um político do partido no poder convidar à “caça” dos jornalistas opositores “na rua”. Já Reinaldo Azevedo, da revista Vejaafirmou sua intenção de processar Alberto Cantalice por “difamação”.
Repórteres sem Fronteiras expressa sua inquietação pelas graves acusações dirigidas contra os jornalistas provenientes de um alto cargo do PT”, declara Camille Soulier, responsável da seção Américas da organização. “Não ignoramos o contexto polarizado da mídia, que pode exagerar o descontentamento geral. No entanto, as dificuldades sentidas pelo PT não justificam o recurso à propaganda de Estado.”
Essas acusações foram lançadas num clima social tenso, com a multiplicação de movimentos populares contra as despesas do governo com a Copa do Mundo. A polícia militar tem respondido através da força e alguns jornalistas foram agredidos. No total, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI) já contabilizou 17 agressões de jornalistas no âmbito de manifestações desde a abertura do Mundial. Entre as vítimas, contam-se correspondentes da CNNe de agências internacionais, como a Reuters e a Associated Press, assim como jornalistas da mídia local ou profissionais independentes. Karinny de Magalhãesjornalista e ativista do coletivo Mídia NINJA, foi detida e espancada até desmaiar.
Aos 17 casos citados se juntou a detenção arbitrária de Vera Araújo, do diário O Globo, no passado dia 15 de junho, elevando para 18 o número de abusos. A jornalista estava filmando a detenção de um turista argentino e acabou também sendo presa. Uma investigação foi aberta contra o policial militar responsável pela detenção.
O Brasil se situa no 111º lugar em 180 países na última Classificação Mundial da Liberdade de Imprensaelaborada por Repórteres sem Fronteiras. Por ocasião da Copa do Mundo de futebol, a organização lançou uma campanha para sensibilizar o público sobre a situação da liberdade de informação nos países participantes.
Voltei
As pessoas sérias não hesitam em repudiar “listas de inimigos do Estado”. Atuam em favor da liberdade, não de um partido ou de uma ideologia.
Lendo o texto de “Repórteres Sem Fronteiras”, eu me dou conta de algo que chega a ter a sua graça: algum outro jornalista, de centro, direta ou esquerda, pode ter sido tão duro como fui com as manifestações contra a Copa; mais duro, acho que não houve.
Está em arquivo tudo o que escrevi sobre os protestos de junho do ano passado até agora. Quem passou a mão na cabeça de baderneiros foi Dilma, foi o PT. Não eu. Tentem achar um único texto meu antevendo que a Copa seria um fiasco. Nunca entrei nessa! Podem não gostar de mim, mas não sou burro.
A perseguição a mim e aos outros nada tem a ver com a Copa do Mundo. O que eles não toleram é a divergência. Fazem listas para tentar intimidar os nove citados e para ganhar o silêncio dos demais — no que, parece, estão sendo bem-sucedidos.
Por mim, tudo bem: mais convicto do que ontem e menos do que amanhã. O PT quer cabeças. Eu quero liberdade, especialmente para os que divergem de mim. Para chegar a esse ponto, a liberdade tem de ser um valor, não um mero instrumento. Antes do PT, só as ditaduras fizeram listas de jornalistas. E encerro dizendo que há pessoas que estão se borrando por nada. O partido sabe reconhecer “contestadores a favor”. Por Reinaldo Azevedo