quinta-feira, 8 de agosto de 2013

DEZENAS DE MILHARES DE ARGENTINOS FAZEM PANELAÇO CONTRA O GOVERNO DA MUITO INCOMPETENTE PERONISTA POPULISTA CRISTINA KIRCHNER

Uma passeata convocada pelas redes sociais começou na noite desta quinta-feira nos bairros do norte de Buenos Aires e seguiu até a Praça de Maio, diante da Casa Rosada, em um trajeto de três quilômetros. Dezenas de milhares de manifestantes ocupavam na noite desta quinta-feira o centro de Buenos Aires para protestar contra o governo da presidente peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner, a três dias das eleições primárias para as legislativas de outubro. O protesto ocorreu após o fim da campanha para as primárias do próximo domingo e durante o luto nacional de dois dias pelo desabamento de um prédio em Rosário (310 km ao norte da capital) que deixou dez mortos e onze desaparecidos. "Estamos de luto e rezamos pelas vítimas de Rosario, mas a realidade é que o país precisa seguir em frente", disse Juan Guevara, um comerciante de 56 anos. Os manifestantes protestaram contra a insegurança e a inflação, que segundo analistas privados atinge 25% ao ano, contra os 10% informados oficialmente. "Vim porque estou cansado da inflação e da falta de segurança. Ninguém consegue poupar: se você tem um peso, é preciso gastá-lo porque senão a inflação come", disse José Estech, 42 anos, que trabalha em um restaurante.

SECRETÁRIO DO GOVERNO DO PEREMPTÓRIO TARSO GENRO TEM MOTORISTA QUE FOI PRESO EM FLAGRANTE

O governo do peremptório petista Tarso Genro está revelando uma impressionante predileção por prontuários criminais alentados para nomeação em cargos de confiança. No último dia 18 de junho de 2013 foi preso pela Polícia Civil o motorista do secretário estadual de Esporte e Lazer, o deputado estadual Kalil Sehbe (PDT). O preso é Fernando Ferreira da Silva. Ele foi preso na Operação Marianos, realizada na manhã do dia 18 de junho de 2013 pela 15ª Delegacia de Policia Civil, de Porto Alegre, no bairro Agronomia. Na verdade, quatro pessoas pessoas foram presas em flagrante nessa operação, no Beco dos Marianos, que tinha o objetivo de coibir furto, roubo, adulteração e receptação de veículos, além do tráfico de drogas. Conforme o delegado Ajaribe Pinto informou, o motorista do secretário Kalil Sehbe, Fernando Ferreira da Silveira, estava com uma pistola Beretta, munição e uma quantia de maconha. O grupo agia no Beco dos Marianos, no bairro Agronomia. Foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão por 70 policiais. Além dos quatro presos em flagrante, uma pessoa assinou termo circunstanciado por estar portando drogas. Os presos estavam com duas armas sem registro, munição de uso restrito, rádio comunicador, R$ 857,00 e dois veículos clonados. A investigação durou seis meses. "A Polícia precisava agir neste local porque os traficantes e ladrões estavam assustando os moradores de bem, alguns estavam sendo até expulsos do Beco dos Marianos", disse o delegado Ajaribe Pinto. O preso, Fernando Ferreira da Silva, faz parte de lista dos membros do PDT que ocupam cargos no governo do peremptório petista Tarso Genro. Consulte o link a seguir para acessar a página do site do PDT com os nomes ( http://www.pdtrs.com.br/portal/component/content/article/32-pdt-rs/participacao-no-governo/32-participacao-do-pdt-rs-no-governo-do-estado ) . Mais do que isso, ele é dirigente de torcida uniformizada do Grêmio, a Geral, e fez campanha para o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT). Veja na foto, de abrigo azul, abraçado do prefeito Fortunati. Nos últimos dias o governo do peremptório petista Tarso Genro também nomeou como coordenador, na 1ª Coordenadoria Regional de Saúde (comandando as ações em 40 municípios da região metropolitana), o petista Luis Carlos Soares, vulgo "Carlinhos Viramato". Ele é réu em processo criminal, na comarca de Estância Velha, por formação de quadrilha e contratação de pistoleiro para assassinar adversários políticos, quando presidia o PT na cidade. O pistoleiro contratado, Alexsandro Ribeiro, já foi preso e condenado a 15 anos de cadeia. Com ele estava a arma usada para tentar matar o colunista Mauri Martinelli, uma pistola austríaca Glock 380. A arma foi entregue ao bandido pelos quadrilheiros que o contrataram.

O QUE A SIEMENS VAI GANHAR DO PT PARA JOGAR LAMA EM CIMA DO PSDB? O TREM-BALA? ALGUMAS USINAS? QUAL A JOGADA DOS ALEMÃES?

Veja a versão digital da Folha
Hoje, uma acusação sem provas, feita por um dos criminosos da Siemens por e-mail, revela um fato que não ocorreu, para tentar jogar lama em cima de José Serra (PSDB-SP). É óbvio que o e-mail desta bandido é um ato de desespero para dar satisfações à matriz em função de uma proposta derrotada. Os fatos aludidos pelos alcaguetes da Siemens não ocorreram. No entanto, a Folha de São Paulo explode uma manchete safada para atingir o tucano. Observem que quem venceu a concorrência foi a CAF espanhola, mas quem tinha acordo eram as duas perdedoras, a Siemens e a Allstom. Isto apenas atesta que a denúncia é uma tentativa sórdida da Siemens de pagar alguma promessa por alguma obra passada ou futura. O que a Siemens vai ganhar do PT por isso?
Abaixo a matéria.
O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) sugeriu à multinacional alemã Siemens um acordo em 2008 para evitar que uma disputa empresarial travasse uma licitação da CPTM, de acordo com um e-mail enviado por um executivo da Siemens a seus superiores na época. A mensagem relata uma conversa que um diretor da Siemens, Nelson Branco Marchetti, diz ter mantido com Serra e seu secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, durante congresso do setor ferroviário em Amsterdã, na Holanda. Na época, a Siemens disputava com a espanhola CAF uma licitação milionária aberta pela CPTM para aquisição de 40 novos trens, e ameaçava questionar na Justiça o resultado da concorrência se não saísse vitoriosa. A Siemens apresentou a segunda melhor proposta da licitação, mas esperava ficar com o contrato se conseguisse desqualificar a rival espanhola, que apresentara a proposta com preço mais baixo. De acordo com a mensagem do executivo da Siemens, Serra avisou que a licitação seria cancelada se a CAF fosse desqualificada, mas disse que ele e Portella "considerariam" outras soluções para evitar que a disputa empresarial provocasse atraso na entrega dos trens. Segundo o e-mail, uma das saídas discutidas seria a CAF dividir a encomenda com a Siemens, subcontratando a empresa alemã para a execução de 30% do contrato, o equivalente a 12 dos 40 trens previstos. Outra possibilidade seria encomendar à Siemens componentes dos trens. Serra disse à Folha que não se encontrou com executivos das empresas interessadas no contrato da CPTM e afirmou que a licitação foi limpa, com vitória da empresa que ofereceu menor preço.  O ex-secretário Portella disse que as acusações são absurdas e que não houve irregularidades na licitação. O e-mail examinado pela Folha faz parte da vasta documentação recolhida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), do Ministério da Justiça, na investigação aberta para examinar a prática de cartel em licitações da CPTM e do Metrô de São Paulo de 1998 a 2008. Os documentos examinados pela Folha não contêm indícios de que Serra tenha cometido irregularidades, mas sugerem que o governo estadual acompanhou de perto as negociações entre a Siemens e suas concorrentes. Em outra mensagem de Marchetti, de setembro de 2007, o executivo diz que o governo paulista "gostaria de ver a Siemens contemplada com pelo menos 1/3 do pacote" da CPTM, em "parceria" com as outras empresas. Os documentos foram entregues ao Cade pela própria Siemens, que fez um acordo com as autoridades brasileiras para colaborar com as investigações e assim evitar as punições previstas pela legislação para a prática de cartel. Procurado pela Folha, o Cade informou que o caso está sob sigilo e nenhuma informação sobre o assunto poderia ser repassada à imprensa. Na licitação dos trens, as negociações da Siemens com a CAF não deram resultado. A Siemens apresentou recursos administrativos e foi à Justiça contra a rival, mas seus pedidos foram rejeitados. A CAF venceu a licitação e assinou em 2009 o contrato com a CPTM. A empresa espanhola executou o contrato sozinha, sem subcontratar a Siemens ou outras empresas. A francesa Alstom também participou dessa concorrência. De acordo com os documentos entregues pela Siemens, a empresa tinha um acordo com a rival francesa para dividir o contrato se uma das duas vencesse a disputa. Os documentos obtidos pelas autoridades brasileiras mostram também que, mais tarde, ao mesmo tempo em que negociava com a CAF, a Siemens discutiu a possibilidade de uma aliança com outra rival, a coreana Hyundai, contra os espanhóis da CAF.
Até as crianças sabem da íntima ligação do PT e de Lula com a Siemens. A conta está sendo paga.
O ex-governador José Serra (PSDB) disse nunca ter tido "encontros privados com diretor da Siemens ou de outras empresas fornecedoras do Estado". Ele defendeu a lisura do processo de licitação mencionado pelo funcionário da multinacional alemã: "Foi acirrada, foi o anticartel". Serra confirmou ter ido à conferência em Amsterdã para assistir a "algumas solenidades e palestras". Ele afirma que, na data em que o diretor da Siemens escreveu a seus superiores, a licitação já havia sido concluída. "Os preços finais foram tão mais baixos que quebraram paradigmas nacionais e internacionais", afirmou: "Economizamos recursos públicos." "É lógico que, se as empresas que perderam conseguissem impugnar o resultado na Justiça ou no Banco Mundial (financiador que supervisionava a licitação), iríamos fazer nova concorrência, para manter os preços baixos", afirmou o ex-governador. "Nunca fizemos segredo disso". Para o tucano,o relato do executivo da Siemens de que o governo teria indicado ser "desejável" acelerar o cronograma para entrega dos trens da CPTM e que "consideraria" a possibilidade de a empresa alemã fornecer 30% dos equipamentos, é "sem pé nem cabeça": "Jamais tive ou assisti essa conversa com ninguém, nem faria sentido. A licitação já estava feita", disse."Caberia à empresa vencedora (CAF) fornecer os equipamentos, os preços e os prazos estabelecidos", afirmou.

PSDB QUER CHAMAR O CADE À CÂMARA PARA DISCUTIR CARTEL

Deputados do PSDB paulista protocolaram nesta quinta-feira um requerimento para convidar o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinícius Marques de Carvalho, e representantes das empresas Siemens, Alstom, CAF, Mitsui, Temoinsa e Bombardier para comparecer na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Enquanto o PT tenta viabilizar a criação de uma CPI para apurar possível formação de cartel em licitações de trens no governo de São Paulo, os tucanos querem uma audiência pública para obter informações sobre o processo envolvendo as gestões Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra. "É imprescindível que essa Casa do Congresso Nacional se inteire dos fatos envolvendo essas empresas, notadamente a Siemens, e dos desenvolvimentos já obtidos pelas investigações do Cade. É por isso que se requer a presente audiência pública. O objetivo dessa audiência seria obter informações que permitam ações no sentido de descobrir o grau de extensão do suposto prejuízo ao Estado de São Paulo, a eventual participação de outras empresas na formação do suposto cartel contra a concorrência da CPTM, a participação de agentes públicos ou privados na intermediação de facilidades junto à CPTM, entre outros fatos relevantes para a descoberta dos responsáveis e o ressarcimento dos prejuízos eventualmente causados aos cofres públicos", diz o requerimento assinado pelo líder da bancada, Carlos Sampaio (SP), em conjunto com os deputados Vanderlei Macris (SP) e Vaz de Lima (SP).

PSDB QUER CHAMAR O CADE À CÂMARA PARA DISCUTIR CARTEL

Deputados do PSDB paulista protocolaram nesta quinta-feira um requerimento para convidar o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinícius Marques de Carvalho, e representantes das empresas Siemens, Alstom, CAF, Mitsui, Temoinsa e Bombardier para comparecer na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Enquanto o PT tenta viabilizar a criação de uma CPI para apurar possível formação de cartel em licitações de trens no governo de São Paulo, os tucanos querem uma audiência pública para obter informações sobre o processo envolvendo as gestões Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra. "É imprescindível que essa Casa do Congresso Nacional se inteire dos fatos envolvendo essas empresas, notadamente a Siemens, e dos desenvolvimentos já obtidos pelas investigações do Cade. É por isso que se requer a presente audiência pública. O objetivo dessa audiência seria obter informações que permitam ações no sentido de descobrir o grau de extensão do suposto prejuízo ao Estado de São Paulo, a eventual participação de outras empresas na formação do suposto cartel contra a concorrência da CPTM, a participação de agentes públicos ou privados na intermediação de facilidades junto à CPTM, entre outros fatos relevantes para a descoberta dos responsáveis e o ressarcimento dos prejuízos eventualmente causados aos cofres públicos", diz o requerimento assinado pelo líder da bancada, Carlos Sampaio (SP), em conjunto com os deputados Vanderlei Macris (SP) e Vaz de Lima (SP).

INCRA TERÁ QUE REDUZIR EM 80% DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) assinou nesta quinta-feira um termo de compromisso com o Ministério Público Federal para reduzir desmatamento em assentamentos na Amazônia Legal em até 80% até 2020, levando em conta os índices verificados em 2005. O acordo abrange a região formada por Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. A contrapartida será a extinção de sete ações ajuizadas pelo Ministério Público na Justiça Federal que requerem a condenação por danos ambientais, algumas das quais com decisões desfavoráveis a autarquia, casos do Acre, Mato Grosso e Pará. Os procuradores lembram que no ano passado, com base em dados até então inéditos sobre o desmatamento em assentamentos de reforma agrária, o Ministério Público Federal identificou o Incra como maior desmatador da Amazônia. O estudo mostrou que as derrubadas ilegais nos assentamentos passaram de 18% de todo o desmatamento anual em 2004 para 31,1% em 2010. Os dados foram fornecidos por três instituições distintas: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. Os procuradores concluíram que até 2010 o Incra havia sido responsável por 133.644 quilômetros quadrados de desmatamento dentro dos 2.163 projetos de assentamento que existiam na Amazônia Legal.

EX-DIRETORA DA ANAC, A ARROGANTE DENISE ABREU, AFIRMA QUE É "BODE EXPIATÓRIO DO GOVERNO"

Ao final do segundo dia de depoimentos do caso TAM, a ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e uma das rés do processo, a arrogante Denise Abreu, afirmou a jornalistas que foi escolhida como "bode expiatório" para "blindar o governo". Ela afirmou que vai revelar os bastidores da investigação do acidente aéreo quando chegar sua vez de prestar depoimento, o que só deve acontecer no próximo ano. "Não fui eu a responsável pelo acidente. É impossível um diretor jurídico, que só assina papel, ter qualquer responsabilidade em um acidente aéreo", disse: "Também sou vítima. Fui eleita como bode expiatório do sistema político do Brasil, que esconde as mazelas do sistema aéreo nacional". Em 17 de julho de 2007, o avião Airbus A320, que vinha de Porto Alegre, não conseguiu pousar no Aeroporto de Congonhas, zona sul da capital, e se chocou contra um prédio da própria companhia, causando a morte de 199 pessoas. Piloto da TAM desde 2006, João Batista Ribeiro depôs por cerca de 1h20 nesta quinta-feira, 6 de agosto. Ribeiro pousou um Airbus A320, semelhante ao que se acidentou, no Aeroporto de Congonhas, um dia antes da tragédia. Ele afirmou que chovia em São Paulo e que a pista estava escorregadia. O piloto relatou dificuldades de frear o avião, devido à aquaplanagem. Ele confirmou à Justiça que fez o chamado "relatório de perigo" e o encaminhou à diretoria de segurança da TAM. No primeiro dia de julgamento, outras duas testemunhas da acusação disseram que, um dia antes do acidente aéreo, a TAM havia sido informada por um piloto que a pista não oferecia segurança para pousos em dias de chuva.

BRASIL AUMENTA PREVISÃO RECORDE DE COLHEITA DA SAFRA 2012/2013

O Brasil aumentou nesta quinta-feira sua previsão para a colheita da safra de grãos e oleaginosas do período 2012/2013, que alcançaria um nível recorde de 187,9 milhões de toneladas, com produção histórica para soja e milho, informou o oficial Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A colheita deste ano deve superar em 16,1% a do ano anterior, segundo o IBGE em suas estimativas mensais. A previsão do instituto se aproxima da divulgada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), também nesta quinta-feira. Segundo os dados da Conab, a produção agrícola brasileira deverá atingir 186,15 milhões de toneladas, aumento foi de 12,1% em relação a safra anterior. O aumento da produção se deve, principalmente, às culturas de soja e milho. De acordo com o levantamento do IBGE, a produção brasileira de soja deve aumentar 23,7% este ano, alcançando 81,3 milhões de toneladas, depois da contração que sofreu em 2012 por problemas climáticos. Já a de milho deve crescer 12,2% em relação ao ano anterior, a 80 milhões de toneladas, outra cifra recorde. Para alcançar a colheita recorde, a área plantada do país cresce este ano 8,2%, alcançando 52,8 milhões de hectares, segundo o instituto oficial. Em 2012, a colheita de grãos (que principalmente concentram soja, milha e arroz) alcançou 162 milhões de toneladas, cifra histórica para o País.

POLÍCIA FEDERAL, A POLÍCIA POLÍTICA DO PT, INDICIA 10 PESSOAS NO CASO ALSTOM

A Polícia Federal, a polícia política do PT, indiciou dez pessoas suspeitas de envolvimento com um suposto esquema de pagamento de propina por parte do grupo francês Alstom para integrantes do governo de São Paulo e do PSDB. Entre os indiciados no inquérito estão dois ex-secretários de Estado, dois diretores da estatal de energia EPTE (ex-Eletropaulo), consultores e executivos da empresa francesa. Os documentos da Polícia Federal mostram que autoridades suíças sequestraram 7,5 milhões de reais, dinheiro que seria de subornos, em uma conta conjunta no Banco Safdié em nome de Jorge Fagali Neto e de José Geraldo Villas Boas. Fagali é ex-secretário estadual de Transportes Metropolitanos de São Paulo (1994, gestão de Luiz Antônio Fleury Filho) e ex-diretor dos Correios (1997) e de projetos de ensino superior do Ministério da Educação (2000 a 2003) no governo Fernando Henrique Cardoso. Villas Boas é dono de uma das offshores acusadas de lavar dinheiro do esquema. Apesar de estar fora da administração paulista na época do pagamento de propina (1998), Fagali manteria, segundo a Polícia Federal, influência e contatos no governo paulista. O caso envolvendo a Alstom teria os mesmo ingredientes do que envolve o cartel metroferroviário denunciado pela Siemens, do qual a Alstom também faria parte. Fagali foi indiciado sob as acusações de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e evasão. Outros três agentes públicos foram acusados de corrupção passiva. São eles: o ex-secretário de Energia e vereador Andrea Matarazzo (PSDB), o ex-presidente da EPTE Eduardo José Bernini e o ex-diretor financeiro da empresa Henrique Fingermann.

DILMA OUVE COBRANÇAS DE SENADORES DO PT

O foco da resistência ao governo no Congresso está na Câmara dos Deputados, em partidos aliados como o PMDB. Mas, agora que decidiu ouvir diretamente os parlamentares, a soberana bolivariana petista Dilma Rousseff descobriu que até os senadores de seu partido, o PT, têm queixas a fazer sobre sua gestão. Nesta quinta-feira, ela reuniu a bancada petista no Senado, em mais uma etapa do esforço para recompor a força de sua base no Congresso. Dos parlamentares, ela ouviu dois pedidos: mais diálogo antes do envio de propostas de impacto e uma presença maior da presidente e sua equipe em inaugurações de obras pelo País, ao lado dos parlamentares. "Em muitos lugares, muitas vezes a obra é inaugurada e ninguém diz que é uma obra que tem a participação do governo federal. A presença de representantes do governo e da bancada que lhe dá sustentação no Congresso é importante, inclusive, para isso", disse o líder da bancada petista, Wellington Dias, após o encontro. Os eventos nos Estados têm mais impacto para os políticos locais, que podem exibir a seu eleitorado uma demonstração de prestígio junto ao governo federal e à presidente da República.

INVESTIDOR PODERÁ RECUPERAR R$ 300 MIL PERDIDOS EM APLICAÇÃO NO BANCO PANAMERICANO

Uma decisão judicial inédita ocorrida há dois meses abre um novo capítulo na história do mercado de capitais no Brasil. O advogado Anderson Albuquerque ganhou um processo judicial contra o Banco PanAmericano no qual pedia a reparação das perdas de seu investimento em ações da instituição financeira. Fraudes executadas entre 2006 e 2010 dilaceraram o capital do banco e, quando descobertas, fizeram seus papéis listados na bolsa de valores derreterem 30% em apenas um dia. No processo, o advogado alegou que, devido às informações contábeis "maquiadas" fornecidas pela própria instituição ao mercado durante anos, ele perdeu 45% do capital que investiu nas ações ordinárias (com direito a voto) do PanAmericano - que hoje leva o nome de banco Pan após ser vendido ao BTG Pactual, de André Esteves. A primeira decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo com relação ao caso do advogado saiu em junho. A ele foi dado o direito de receber do PanAmericano o valor perdido com as ações com correção monetária, montante que supera 300 mil reais. A decisão em favor do investidor é inédita, mas a instituição ainda pode recorrer. Segundo o advogado, nenhum recurso do banco foi protocolado no processo e o dinheiro ainda não foi depositado em sua conta.

OGX SUSPENDE TELECONFERÊNCIA SOBRE BALANÇO

A petroleira OGX, do grupo de Eike Batista, suspendeu a teleconferência com investidores e analistas para discutir os resultados do segundo trimestre, que estava originalmente marcada para 15 de agosto, disse a empresa por meio da assessoria de imprensa nesta quinta-feira. Na noite de quarta-feira a empresa republicou seu calendário de eventos corporativos, com a data da teleconferência sendo excluída da lista. Uma nova data para a teleconferência não foi decidida, disse a assessoria da empresa. A companhia vai divulgar resultados do segundo trimestre no dia 14 de agosto, após o fechamento do mercado.

MÉDICOS E ESTUDANTES DE MEDICINA PROTESTAM NA CÂMARA CONTRA A MP 621

Dezenas de médicos e estudantes de Medicina de vários Estados promoveram nesta quinta-feira, na Câmara dos Deputados, ato contra a Medida Provisória (MP) 621, que cria o Programa Mais Médicos, e os vetos à Lei do Ato Médico. Deputados e representantes da categoria criticaram a edição de uma MP para discutir o problema da saúde no Brasil e a possibilidade de contratação de médicos estrangeiros. "Este é o ato de afirmação do Parlamento. Por isso, somos contra o vetos à Lei do Ato Médico e a MP 621", disse o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Aloísio Tibiriçá Miranda. O ato de protesto foi organizado pelo CFM, pela Associação Médica Brasileira (AMB), pela Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR) e pela Federação Nacional Nacional dos Médicos (Fenam). Lançado no início de junho pelo governo, o Programa Mais Médicos prevê a contratação de médicos para atuar na saúde básica em municípios do interior e na periferia das grandes cidades. Além da MP, foi publicada portaria conjunta do ministérios da Educação e da Saúde que fixa as diretrizes do programa.

TSE SUSPENDE CONVÊNIO COM SERASA

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu suspender temporariamente o convênio firmado com o Serasa Experian para repasse de dados cadastrais de eleitores à empresa de proteção ao crédito. A decisão foi tomada na noite de quarta-feira pelo diretor-geral do tribunal, Anderson Vidal Corrêa, e vale até que a corte se pronuncie sobre o caso. Não há previsão de quando o contrato será analisado pela corte. O contrato prevê o fornecimento e a validação de dados que podem alcançar os 144 milhões de eleitores brasileiros. A presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministra Cármen Lúcia, posicionou-se a favor da suspensão do acordo. A ministra quer que o assunto seja discutido pelo plenário da corte antes que mais dados sejam trocados. Na manhã desta quinta-feira, o ex-presidente do TSE, Sepúlveda Pertence, afirmou que o acordo pelo qual a corte disponibiliza dados dos eleitores brasileiros ao Seresa é “contra a tradição do tribunal”.

MAIS DUAS TESTEMUNHAS DE ACUSAÇÃO SÃO OUVIDAS NO JULGAMENTO DO DESASTRE AO AIRBUS A320 DA TAM

Teve início na tarde desta quinta-feira o depoimento de mais uma testemunha de acusação no julgamento do desastre com o avião Airbus A320 da TAM no Aeroporto de Congonhas, que provocou a morte de 199 pessoas em julho de 2007. O juiz Márcio Assad Guardia, da 8ª Vara Federal Criminal de São Paulo, ouviu, por videoconferência, o piloto João Batista Moreno de Nunes Ribeiro. Na sequência, prestou depoimento presencial o piloto Elias Azim Filho, que também é testemunha de acusação. Três réus estão sendo julgados por atentado contra a segurança aérea: a ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu; o vice-presidente de operações da TAM, Alberto Farjeman, e o diretor de segurança de vôo da companhia, Marco Aurélio dos Santos de Miranda e Castro. Alguns parentes das vítimas do acidente fazem vigília em frente ao Fórum Criminal Federal em São Paulo. Na quarta-feira, duas testemunhas de acusação foram ouvidas, a desembargadora federal Cecilia Marcondes e o piloto João Eduardo Batalha Brosco.

ROBERTO GURGEL SE DIZ FRUSTRADO POR DEIXAR CARGO ANTES DO FIM DO PROCESSO DO MENSALÃO DO PT

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse nesta quinta-feira se sentir frustrado por deixar o cargo antes da conclusão do julgamento do processo do Mensalão do PT. O mandato de Gurgel termina no próximo dia 15. E no dia anterior (14), o Supremo Tribunal Federal começa a julgar os recursos dos condenados no caso. “Frustração, existe sim. Eu preferia deixar o cargo com a decisão condenatória já sendo cumprida efetivamente, ou seja, com a perda de mandato dos parlamentares e com a expedição dos mandados de prisão em relação àqueles réus condenados a penas privativas de liberdade”, disse, após participar do 1° Congresso Pensar, do Ministério Público Federal. O procurador-geral da República, no entanto, observou que o Ministério Público é uma instituição em que impera a impessoalidade e seu substituto irá conduzir o trabalho da melhor forma. Com a saída de Gurgel, a soberana bolivariana petista Dilma Rousseff irá indicar o novo procurador-geral, que precisa ser aprovado pelo Senado. Até que isso ocorra, o vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal assumirá interinamente o cargo. Como o mandato da atual vice-presidenta, Maria Caetana Cintra, se encerra antes mesmo do mandato de Gurgel, o procurador-geral informou que irá convocar uma sessão extraordinária do conselho, para o dia 13 de agosto, para que seja eleito um novo vice-presidente. Na avaliação de Gurgel, o ideal é que no ato de sua saída fosse possível transmitir o cargo para o novo procurador-geral.

DILMA AUTORIZA RETIRADA DE URGÊNCIA PARA VOTAÇÃO DO NOVO CÓDIGO DE MINERAÇÃO

A soberana bolivariana petista Dilma Rousseff autorizou a liderança do PT na Câmara dos Deputados a aceitar, se necessário, acordo para a retirada do regime de urgência no qual tramita o novo Código da Mineração – Projeto de Lei (PL 5.807/13), informou nesta quinta-feira o senador Wellington Dias (PT-PI). Com a urgência, a não votação do projeto acaba impedindo que outras propostas sejam votadas, com destaque para o projeto de lei sobre a destinação dos royalties do petróleo. “O líder do governo na Câmara está autorizado, se for necessário para a tramitação de outras matérias, a retirar a urgência”, disse Wellington Dias, após reunião entre a presidenta e senadores petistas. “No caso dos royalties, para que fosse possível a votação, havia necessidade de retirar essa proposta [do novo Código da Mineração], que neste instante tranca a pauta”, explicou o senador. Segundo ele, a soberana bolivariana petista ressaltou a importância da aprovação da lei que trata da distribuição dos royalties do petróleo: “Ela lembrou que estamos tratando de uma riqueza gigantesca, que vai gerar muitas receitas para o Brasil. O temor do Brasil é não cair na doença do petróleo, que vários países viveram, e a alternativa é priorizar a área da educação, trocando uma riqueza finita por uma infinita, que é o conhecimento". No começo desta semana, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, reconheceu que o prazo de 90 dias é curto para análise do texto sobre a mineração na Câmara e no Senado e disse que a retirada do regime de urgência não estava descartada. O novo marco da mineração vai substituir as regras atuais, instituídas em 1967, para modernizar o setor e aumentar o nível dos investimentos. O governo espera que as novas regras melhorem o planejamento e a gestão do setor e o uso recursos minerais. De acordo com a proposta do governo, apresentada em meados de junho, as concessões serão precedidas de licitação ou chamada pública, com critérios de habilitação técnicos e econômico-financeiros e exigência de conteúdo local. Atualmente, as licenças para exploração são concedidas por meio de autorizações. A reunião de hoje com senadores do PT foi a terceira da semana com grupos de parlamentares, numa aproximação entre Executivo e Legislativo que deve virar rotina no restante do mandato da presidenta. Antes, Dilma se reuniu com líderes do Senado e da Câmara, e os encontros vão se repetir na próxima semana. “Ela disse que há um momento em que temos que trabalhar a parte técnica, da governança, e agora quer trabalhar cada vez mais uma interlocução maior com prefeitos, vereadores, com movimentos sociais, com o Congresso Nacional”, disse Wellington Dias. O senador lembrou que esta era uma cobrança que vinha sendo feita pelos parlamentares, que querem também mais acesso à equipe da presidenta, o que deverá ajudar a base a ter mais segurança na defesa dos projetos do governo no Congresso.

A SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF DIZ QUE QUEDA DA INFLAÇÃO É "UMA MARAVILHA"

A soberana bolivariana petista Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira que a queda da inflação “é uma maravilha”. Na quarta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, que caiu de 0,26% em junho para 0,03% em julho. “A queda da inflação é uma maravilha”, disse Dilma, ao fazer um gesto de positivo. A presidenta evitou falar com a imprensa após cerimônia de apresentação de oficiais-generais promovidos e fez a declaração enquanto subia a rampa que dá acesso a seu gabinete no Palácio do Planalto. Questionada por jornalista sobre o possível cancelamento da licitação do trem bala, Dilma disse apenas que a “cesta básica é mais importante”. Mais cedo, em reunião com senadores do PT, a soberana bolivariana petista também manifestou satisfação com a queda da inflação oficial e com a tendência para os próximos meses. “Ela se mostrou bastante otimista em relação à economia brasileira, com a perspectiva de redução da inflação e até deflação em alguns setores”, disse o senador Wellington Dias (PT-PI) após o encontro.

PATRIOTA CONFIRMA IDA DA SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF AOS ESTADOS UNIDOS EM OUTUBRO

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, confirmou nesta quinta-feira a viagem da soberana bolivariana petista Dilma Rousseff aos Estados Unidos em outubro. Quanto às denúncias de espionagem eletrônica dos Estados Unidos ao Brasil, o ministro disse que os dois países darão continuidade ao diálogo sobre o assunto "nos canais apropriados". Na quarta-feira, o presidente norte-americano, Barack Obama, cancelou a reunião que teria em setembro com o presidente russo, Vladimir Putin, durante a Cúpula do G20, devido à tensão entre os dois países após a Rússia ter concedido asilo ao ex-consultor de informática Edward Snowden, que denunciou o esquema de espionagem. Obama estará na cúpula do G20, em São Petersburgo, mas cancelou o encontro que teria com Putin, conforme estava previsto antes da concessão de asilo a Snowden.

A SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF ELOGIA TRABALHO DE MILITARES DURANTE VISITA DO PAPA FRANCISCO E COPA DAS CONFEDERAÇÕES

Diante de uma platéia de militares, a soberana bolivariana petista Dilma Rousseff elogiou nesta quinta-feira a atuação das Forças Armadas nas ações de segurança durante a Copa das Confederações, em junho, e a visita do papa Francisco ao Brasil, durante a Jornada Mundial da Juventude, no fim de julho. “Muito nos conforta saber que o Brasil poderá contar em todos os grandes eventos internacionais que sediaremos nos próximos anos com o trabalho de nossas forças militares em parceria com as forças civis de segurança”, disse a presidenta em discurso durante a cerimônia de apresentação de oficiais generais promovidos: “Sempre que acionadas, nossas Forças Armadas têm demonstrado seu empenho e competência e nos orgulhado com sua dedicação". Dilma disse que os oficiais promovidos são generais de um “novo país”, que respeita os direitos humanos e ocupa posição “muito destacada no cenário internacional”. Na cerimônia desta quinta-feira foram apresentados 94 oficiais generais promovidos para o alto comando das três Forças: Exército, Marinha e Aeronáutica.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL CONDENA SENADOR IVO CASSOL POR FRAUDE EM LICITAÇÃO

O Supremo Tribunal Federal condenou nesta quinta-feira o senador Ivo Cassol (PP-RO) por crime de fraude em licitação. Ele foi considerado culpado por todos os dez ministros que participaram do julgamento. Os fatos ocorreram na época em que ele era prefeito de Rolim de Moura (RO), entre 1998 e 2002. Segundo denúncia do Ministério Público, o esquema criminoso consistia no fracionamento ilegal de licitação em obras e serviços de engenharia para permitir a aplicação da modalidade convite. Com o método, apenas as empresas envolvidas na fraude disputavam a licitação, prejudicando o processo competitivo. O julgamento foi retomado na tarde desta quinta-feira com o voto do revisor, ministro Antonio Dias Toffoli. Na quarta-feira, a relatora Cármen Lúcia  condenou três dos nove réus. Além de Cassol, a ministra considerou culpados o então presidente da Comissão de Licitação do município, Salomão da Silveira, e o vice-presidente da mesma comissão, Erodi Matt. O voto de Toffoli foi mais abrangente. Além dos três réus ligados à administração pública, ele também condenou quatro empresários envolvidos nas fraudes: Aníbal de Jesus Rodrigues, Neilton Soares dos Santos, Izalino Mezzomo e Josué Crisóstomo. O ministro entendeu que não é possível haver conluio para fraude em licitação sem a concordância dos beneficiados no esquema. Toffoli poupou apenas os sócios Ivalino Mezzomo e Ilva Mezzomo, que não atuavam diretamente na administração das empresas. “A condenação pela simples condição societária é abominável responsabilização penal objetiva”, destacou. Assim como Cármen Lúcia, Toffoli não condenou os réus por formação de quadrilha. Ele entendeu que não ficou provada a associação permanente para cometer crimes, restando apenas a união dos envolvidos para delitos pontuais, no sistema de coautoria. Cármen Lúcia não chegou a usar esse argumento, pois os três réus condenados por ela não formariam número exigido por lei para configuração de quadrilha, que é no mínimo quatro. Mas, ela disse concordar com a tese apresentada por Toffoli. O mais novo ministro da Corte, Roberto Barroso, não chegou a discutir o tema por entender que a pena estaria prescrita. O voto de Cármen Lúcia foi seguido pelos ministros Teori Zavascki, Rosa Weber, Gilmar Mendes e Celso de Mello. Toffoli foi acompanhado pelos ministros Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Joaquim Barbosa, sendo que os dois últimos também condenaram os réus por formação de quadrilha. Ao final do julgamento, houve empate de 5 a 5 em relação à condenação dos empresários por fraude em licitação. Luiz Fux estava impedido de participar, pois atuava no Superior Tribunal de Justiça quando a corte recebeu a denúncia contra os envolvidos em 2005. Seguindo a regra de que o empate deve ser mais benéfico ao réu, os ministros decidiram pela absolvição dos empresários. Maravilha...... o crime compensa.

MARIA DO ROSÁRIO, A MINISTRA PETISTA LINGUA-FROUXA, VOLTA A DEFENDER FEDERALIZAÇÃO DOS CRIMES COM SUSPEITA DE PARTICIPAÇÃO DE POLICIAIS GOIANOS EM CRIMES

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, a "língua-frouxa" petista Maria do Rosário, voltou a defender nesta quinta-feira a transferência, do âmbito estadual para o federal, da competência para apurar e julgar as denúncias de que policiais estariam envolvidos em uma série de crimes registrados na região metropolitana de Goiânia, nos últimos anos. “Precisamos da federalização para respondermos à investigação, ao julgamento e a um conjunto de questões”, declarou a ministra "língua-frouxa" petista ao participar da apresentação da publicação "Um Olhar Mais Atento aos Serviços de Acolhimento de Crianças e Adolescentes no País", apresentada pelo Conselho Nacional do Ministério Público. A proposta de deslocamento de competência, de federalização dos crimes, foi apresentada pela ministra "lingua-frouxa" ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em abril deste ano.

DÓLAR CAI 1,17% E FECHA NO MENOR VALOR DO MÊS

Em um dia marcado pela intervenção do Banco Central, que vendeu US$ 630 milhões no mercado futuro, a cotação da  moeda norte-americana caiu e fechou no menor nível do mês. O dólar comercial encerrou a quinta-feira vendido a R$ 2,2869, com queda de 1,17%. A cotação é a menor desde 31 de julho, quando o dólar tinha fechado em R$ 2,2824. Apesar da queda, o câmbio acumula alta de 11,66% em 2013. Na quarta-feira o dólar tinha encerrado o dia em R$ 2,3139, no maior nível desde março de 2009. Desde o fim de maio, o mercado financeiro global enfrenta turbulências por causa da perspectiva de que o Fed, o Banco Central dos Estados Unidos, reduza os estímulos monetários para a maior economia do planeta. O Fed poderá aumentar os juros e diminuir as injeções de dólares na economia global caso o emprego e a produção nos Estados Unidos mantenham o ritmo de crescimento e afastem os sinais da crise econômica iniciada há cinco anos. A instabilidade piorou depois de Ben Bernanke, presidente do Fed, ter declarado, em 19 de junho, que a instituição pode diminuir a compra de ativos até o fim do ano, caso a economia americana continue a se recuperar. Se a ajuda diminuir, o volume de dólares em circulação cai, aumentando o preço da moeda em todo o mundo. Nos últimos meses, o governo tem tomado várias medidas para conter a valorização do dólar. Além de vender dólares no mercado futuro, o Banco Central retirou parte do compulsório sobre as apostas de que o dólar vai cair e eliminou restrições de prazos para que os exportadores financiem antecipações de pagamentos.

SERRA RECLAMA DO IBOPE E QUER VER SEU NOME NAS PRÓXIMAS PESQUISAS

José Serra reclama do Ibope. Ele quer inclusão do seu nome na lista das pesquisas para presidente da República. O pedido foi feito ao presidente do Instituto, Carlos Augusto Montenegro. O ex-governador de São Paulo alega "perseguição" por não ter sido incluído até agora nas sondagens eleitorais à presidência da República de 2014.

OPOSIÇÃO NA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE QUER MONTAR TRÊS CPIs CONTRA FORTUNATI, E TEM CHANCE

A oposição, liderada pelo PT, começou a trabalhar para emplacar pelo menos uma das três CPIs que propôs na Câmara Municipal de Porto Alegre para investigar a administração do prefeito José Fortunati: Meio Ambiente, Procempa e Saúde. No caso da CPI do Meio Ambiente, já tem 11 das 12 assinaturas necessárias, porque além dos 9 votos do PT, PSOL e PCdoB, os dois vereadores do PSD também cravaram seus nomes no requerimento. Ou seja, é uma enorme tentação para os outros 24 vereadores, porque o poder de barganha de uma assinatura fica muito grande. Nos outros dois casos, faltam três assinaturas, mas estas podem vir de dois vereadores da própria base aliada, no caso Claudio Janta, PDT, e Séfora Mota, PRB, mais dois do PSD, que nestas duas CPIs nada assinaram (Bernardino Vendrúsculo e Tarciso Flecha Negra). O risco de CPIs é iminente e real. Há muita insatisfação com o prefeito entre alguns vereadores da base aliada e dentro do PSD, que sustenta bancada independente. É mais uma poderosa demonstração de que esses governos ditos de coalização não se sustentam.

MINISTÉRIO PÚBLICO GAÚCHO PEDE AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA A CONFIRMAÇÃO DA CASSAÇÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS DA DEPUTADA PETISTA STELA FARIAS, POR IMPROBIDADE EM ALVORADA

Já está protocolado no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul o parecer do Ministério Público Estadual que repele a apelação da deputada Stela Farias, do PT, à sentença do juiz de primeiro grau que a condenou no âmbito da ação civil pública por improbidade administrativa movida junto ao Foro de Alvorada. A apelação ainda não foi julgada por nenhuma das Câmara Civeis, porque houve erro na distribuição para a 2ª Câmara. A deputada do PT foi condenada porque na época em que foi prefeita de Alvorada, em junho de 2004, aplicou R$ 3 milhões do fundo dos servidores municipais, Funsema, sem autorização para isto e junto a um banco já sabidamente bichado, o Banco Santos, que quebrou quatro meses depois. Todas as tentativas de embargos foram repelidas pelo Tribunal de Justiça. O Banco Santos, que quebrou quatro meses depois do investimento feito por Stela Farias, era o banco preferido do diretório nacional do PT. Na época do negócio, o Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul já passara informações de que o banco estava bichado, até porque desde 2002 as agências de classificação de risco tinham incluído a instituição na área de risco. Até o momento, o Funsema recuperou R$ 1,2 milhão dos R$ 3 milhões investidos temerariamente em São Paulo. Os prejuízos aos servidores de Alvorada foi de tal magnitude que todos foram obrigados a pagar maior contribuição mensal. O Ministério Público afirmou em seu longo parecer de 53 páginas: "Há nos autos prova irrefutável de prejuízo palpável expressivo e incontestável sofrido pelo Funsema". Além das penas, a deputada Stela Farias prossegue com seus bens bloqueados, carro e casa. Se a Câmara Civel confirmir a sentença, a deputada do PT será inscrita na Lei da Ficha Suja e não poderá concorrer no próximo ano.

PP GAÚCHO PROCURA O PSB PARA OFERECER PALANQUE PARA EDUARDO CAMPOS E VAGA DE SENADOR NA CHAPA DE ANA AMÉLIA LEMOS PARA BETO ALBUQUERQUE

A direção estadual do PP do Rio Grande do Sul reuniu-se nesta quinta-feira com a direção do PSB. O pedido foi do PP. O partido quer o apoio dos socialistas à candidatura de Ana Amélia Lemos e para isto está disposto a ceder palanque para o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, além da vaga de candidato ao Senado para o deputado Beto Albuquerque.

A SIEMENS É UMA DAS MAIORES FORNECEDORAS DO GOVERNO FEDERAL; QUER DIZER QUE, COM PETISTAS, NÃO EXISTE SAFADEZA? POR QUÊ? ELES SERIAM ÉTICOS DEMAIS? OU: É PRECISO DISTINGUIR A PUNIÇÃO DE CULPADOS DA CONSPIRATA POLÍTICA

Já afirmei aqui uma 300 vezes — mais? — que não me deixo patrulhar. Podem se esgoelar à vontade. Se há quem ache que é manchete um e-mail que relata um suposto encontro e que denuncia fatos que comprovadamente não aconteceram, fazer o quê? Ou estamos diante de uma questão político-ideológica ou de uma concepção muito particular de jornalismo. Não é a minha. E a minha não põe em risco a reputação alheia só para demonstrar que sou “isento”. Quem se deixa patrulhar dessa maneira já perdeu a isenção faz tempo. Leiam o post anterior. Se o acordo entre a Siemens e a CAF tivesse ao menos acontecido, vá lá… Mas nem assim se teria um indício razoável de que José Serra o tivesse sugerido. Ocorre que nem isso houve. Nada! Parece-me que até o site do PT teria mais cuidado. Mas isso é o de menos agora. Este blog apurou que partiu da matriz alemã da Siemens a ordem para que se fizessem mundo afora os tais “acordos de leniência” — ou seus correspondentes nos vários países onde pesavam suspeitas contra a empresa. Atenção! A Siemens tem contratos bilionários, nas mais diversas áreas, com o governo federal, chefiado pelo PT. Isso tudo ainda virá a público, estou certo. Pergunto: quer dizer que, com os petistas, nunca se fez nada de errado? Como se trata de um partido comprovadamente ético, que não se mete em sujeira, não havia o que denunciar nessa relação? Será que a empresa alemã não relatou ao Cade nada de especioso na relação com o governo federal? “Ah, então você está justificando…” Não estou justificando nada! Continuo a pedir cadeia para os canalhas, tenham que coloração partidária for. O que não é aceitável é um órgão federal vazar documentos selecionados para a imprensa que comprometem não exatamente figuras do partido adversário, mas o partido inteiro — e sem que os acusados tenham acesso ao processo porque, ora vejam, “corre em sigilo”? Qual sigilo? Uma coisa são os eventuais crimes cometidos — e que se punam os responsáveis. Quem advoga impunidade para os seus são os petistas. Outra, diferente, é transformar a investigação numa conspirata política, o que é coisa de estados policiais. Como eu não me deixo patrulhar por essa gente que vive de dinheiro público, seja a Mídia Ninja, seja o JEG, escrevo o que acho que tem de ser escrito. A cada vez que eles me acusam de não ser isento, fica para mim mais claro que estou no caminho certo. À diferença de uns aí, não quero que eles gostem de mim nem acho que podem ser meus juízes. Eles vivem de dinheiro público; eu não! Por Reinaldo Azevedo

A “MÍDIA TRADICIONALl” EM TEMPOS DE “MÍDIA NINJA” – A ESPANTOSA ACUSAÇÃO CONTRA SERRA, SUSTENTADA EM FATOS QUE… DESMENTEM A NOTÍCIA

Título da manchete da Folha de hoje: “Serra sugeriu que Siemens fizesse acordo, diz e-mail”.

Título da reportagem na página interna: “Executivo afirma que Serra sugeriu acordo em licitação”
Décimo parágrafo dos 17 compõem a reportagem:
“Os documentos examinados pela Folha não contêm indícios de que Serra tenha cometido irregularidades, mas sugerem que o governo estadual acompanhou de perto as negociações entre a Siemens e suas concorrentes.”
Eis a “mídia tradicional” (como “eles” chamam) que o subjornalismo petralha e a Mídia Ninja consideram proteger os tucanos. Ainda que a manchete da capa e da página atribuam a um “e-mail” a acusação contra Serra, é evidente que a abordagem agride a reputação do ex-governador. É preciso que se chegue ao 10º parágrafo — E NÃO SERÁ ELE A SE MULTIPLICAR NAS REDES SOCIAIS — para que se saiba que “os documentos examinados pela Folha não contêm indícios de que Serra tenha cometido irregularidades”.
Os documentos
Um pouquinho a mais de reflexão, e o surrealismo vai se adensando. Que documentos são esses — os que não incriminam Serra, note-se — a que a Folha teve acesso. O nono parágrafo da reportagem explica:
“O e-mail examinado pela Folha faz parte da vasta documentação recolhida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), do Ministério da Justiça, na investigação aberta para examinar a prática de cartel em licitações da CPTM e do Metrô de São Paulo de 1998 a 2008.”
Explicado. O tal e-mail, então, integra a documentação de uma investigação feita pelo Cade — subordinado ao ministro José Eduardo Cardozo — que se dá, atenção!, EM SIGILO. E tanto a coisa é sigilosa que o governo de São Paulo recorreu à Justiça para ter acesso ao material e teve seu pedido recusado.
Corolário: A JUSTIÇA NEGA A SÃO PAULO AQUILO QUE ALGUÉM DO CADE — QUEM? — FORNECE A JORNALISTAS.
Quem acusa?
E quem faz a tal acusação? Um sujeito chamado Nelson Branco Marchetti, então diretor da Siemens, num e-mail a seus superiores. E o que diz a tal mensagem? Reproduzo trecho da reportagem:
A mensagem relata uma conversa que um diretor da Siemens, Nelson Branco Marchetti, diz ter mantido com Serra e seu secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, durante congresso do setor ferroviário em Amsterdã, na Holanda.
Na época, a Siemens disputava com a espanhola CAF uma licitação milionária aberta pela CPTM para aquisição de 40 novos trens, e ameaçava questionar na Justiça o resultado da concorrência se não saísse vitoriosa.
A Siemens apresentou a segunda melhor proposta da licitação, mas esperava ficar com o contrato se conseguisse desqualificar a rival espanhola, que apresentara a proposta com preço mais baixo.
De acordo com a mensagem do executivo da Siemens, Serra avisou que a licitação seria cancelada se a CAF fosse desqualificada, mas disse que ele e Portella “considerariam” outras soluções para evitar que a disputa empresarial provocasse atraso na entrega dos trens.
Segundo o e-mail, uma das saídas discutidas seria a CAF dividir a encomenda com a Siemens, subcontratando a empresa alemã para a execução de 30% do contrato, o equivalente a 12 dos 40 trens previstos. Outra possibilidade seria encomendar à Siemens componentes dos trens.
Retomo
Ao jornal, Serra nega que tenha se reunido com o tal executivo. Ainda que tivesse ameaçado cancelar a licitação, teria, parece, atendido ao interesse público, não? Se a Siemens não oferecia o melhor preço e se conseguisse tirar da disputa quem ofereceu o menor, o prejuízo seria dos cofres públicos. Mas agora vem o fato estupefaciente.
O suposto acordo, como evidenciam os fatos, não aconteceu. A Siemens perdeu mesmo. Recorreu à Justiça e não foi bem-sucedida. Serra ganhou na testa uma manchete em razão de um troço que o próprio jornal admite não apresentar indícios de irregularidade e que remete a um suposto acordo que… não aconteceu. O que é fato, isto sim, é que a Siemens tentou, sem sucesso, melar a disputa.
Surrealismo pouco é bobagem: em outro e-mail, o tal executivo diz que o governo de São Paulo gostaria que a Siemens executasse pelo menos um terço do contrato. E ISSO TAMBÉM NÃO ACONTECEU. Assim, temos uma manchete que confere ares de escândalo ao nada, ao que não houve, ao que não é fato.
Como???
Os e-mails que estão com o Cade foram passados pela própria Siemens, como parte do tal “Acordo de Leniência” (farei um post específico a respeito). A Folha, sei lá por quê, informa que tentou ouvir o Cade. Pra quê? Não está com o processo? E sabem o que respondeu o órgão subordinado a José Eduardo Cardozo? Reproduzo: “Procurado pela Folha, o Cade informou que o caso está sob sigilo e nenhuma informação sobre o assunto poderia ser repassada à imprensa.”
Não é mesmo o requinte do cinismo? A reportagem é feita com peças cuidadosamente selecionadas do processo que está no Cade — e, pois, vazadas por alguém de lá —, mas o órgão afirma que não pode se pronunciar em razão do… sigilo!
Começo a encerrar
A Mídia Ninja, com a sua particular forma de entender o trabalho jornalístico, costuma enfiar câmeras e gravadores na cara dos policiais militares quando estes estão enfrentando manifestantes truculentos. É claro que os PMs acabam sendo retratados como bandidos, e alguns bandidos, como heróis.
A imprensa que os delinquentes chamam “tradicional” começam a mimetizar esses métodos. Um e-mail que relata um fato cuja veracidade é, para dizer pouco, duvidosa — já que aconteceu o contrário do que anuncia — serve para engolfar Serra na voragem de denúncias, embora se admita que os documentos “não contêm indícios de que ele tenha cometido irregularidades”.
Isso vem a público um dia antes de o PT realizar o seu primeiro ato oficial com vistas à disputa pelo governo de São Paulo. Teoria conspiratória? Não! Fato. Uma realidade tão fática quanto a inexistência de qualquer indício contra o ex-governador. E que não se ignore: uma peça dessa natureza é produzida no momento em que se especula a possibilidade de que ele busque uma alternativa para disputar a Presidência da República.
No mundo das trevas em que costuma transitar, o PT está de parabéns! Está conseguindo sair da crise, de braços dados com setores da imprensa, aliados importantes já há muitos anos. E começa a sair do sufoco fazendo aquilo em que é mestre: escandalizando o nada para destruir a reputação alheia. E ainda não acabei. Por Reinaldo Azevedo

A “IMPRENSA TRADICIONAL” CEDE À PRESSÃO DOS FASCISTÓIDES; CAMPANHA ELEITORAL EM SÃO PAULO EM SÃO PAULO JÁ COMEÇOU; PT FAZ SEU PRIMEIRO ATO NESTA SEXTA-FEIRA, O CADE É SEU GRANDE CABO ELEITORAL

Um desses mequetrefes a soldo que estão por aí posando de independentes mandou bala: “Reinaldo resolveu atacar o Fora do Eixo e a Mídia Ninja e ignorar o caso do PSDB”. Nem uma coisa nem outra. Estou publicando INFORMAÇÕES, não ataques, sobre os dois primeiros. E, basta ler o meu blog, não estou “ignorando” as denúncias contra o PSDB. Posso não escrever o que alguns gostariam de ler. Isso é coisa muito diferente. Adiante. Na entrevista que concedeu ao programa Roda Viva, Pablo Capilé, o chefão do “Mídia Ninja”, acusou a grande imprensa — que certos vagabundos chamam de “mídia tradicional” — de não dar o devido destaque às acusações que há contra o PSDB. Trata-se de uma mentira escandalosa: basta ler os jornais, os portais e atentar para o noticiário da TV, em particular o Jornal Nacional: dá-se um destaque gigantesco às denúncias. A patrulha feita por esses fascistoides surte efeito. O jornalismo que eles chamam “tradicional” se deixa capturar pelo cerco que eles fazem — o mesmo acontece em relação às acusações feitas pelo JEG (Jornalismo da Esgotosfera Governista). Profissionais que deveriam ter compromisso apenas com o fato, com a notícia, fazem um enorme esforço para provar que eventuais notícias contra o PT não atendiam a nenhum pressuposto ideológico. E como provam a sua “inocência”? Mandando para a fogueira a reputação de alguns tucanos, com ou sem provas, com ou sem razão. E vão ficando para as calendas algumas questões essenciais. Duas acusações que atingem hoje alguns tucanos são emblemáticas de certo estado de coisas. E também indicam que, sem dúvida, o PT está trabalhando e está recuperando a iniciativa. Ficou um tanto perdido nos dias que se seguiram aos protestos, mas já encontrou o seu eixo — o velho eixo, que consiste em usar instrumentos de estado, a exemplo do que fazem os bolivarianos, para eliminar seus adversários. Chamo a atenção para algumas informações essenciais, que são publicadas, sim, pela, como é mesmo?, “mídia tradicional”. Só que estão escondidas no corpo das reportagens. Campanha eleitoralSe vocês clicarem aqui, encontrarão a convocação que o PT de São Paulo faz para o um tal “Encontro do Interior”. Acontece nesta sexta e sábado, em Bauru, com a presença de Lula. É o primeiro ato da campanha de Alexandre Padilha ao governo de São Paulo. Tivesse acontecido há 15 dias, talvez certa melancolia tivesse caracterizado o encontro. Nesta sexta, clima será de euforia. A campanha já está na rua. Os maiores cabos eleitorais dos petistas, agora, são o Cade, a Polícia Federal e a “imprensa tradicional”, que mimetiza os métodos da Mídia Ninja. Por Reinaldo Azevedo

CINEASTA ROMPE O SILÊNCIO E DENUNCIA COMO TRABALHA O "FORA DO EIXO", A SEITA QUE ESTÁ NA RAIZ DA “MIDIA NINJA”: ELA ACUSA A EXPLORAÇÃO DE MÃO DE OBRA SIMILAR À ESCRAVIDÃO, A APROPRIAÇÃO INDÉBITA DO TRABALHO ALHEIO E ÓDIO À CULTURA E AOS ARTISTAS


Beatriz Seigner: cineasta rompe o silêncio e denuncia os métodos com os quais operam o Fora do Eixo e Pablo Capilé
Beatriz Seigner é cineasta (“Bollywood dreams — Sonhos bollywoodianos”). Uma rápida pesquisa no Google indica a sua intimidade com a área. Ela postou no Facebook um impressionante depoimento sobre a sua experiência com o tal “Fora do Eixo” — a ONG (ou sei lá que nome tenha) comandada por Pablo Capilé, o chefão do grupo que está na origem da tal “Mídia Ninja”, que vem sendo reverenciada por alguns bobalhões da imprensa como a nova, moderna e mais aguda expressão do jornalismo. O depoimento é longuíssimo, mas vale a pena ler. Beatriz sustenta, e os fatos que ela elenca parecem lhe dar razão, que o tal Capilé é uma espécie de chefe de uma seita. O jornalismo investigativo, se quiser, pode fazer a festa. A Mídia Ninja — que parecia tanger todas as cordas do lirismo, coisa de jovens ousados dispostos a afrontar os limites do conservadorismo —, como se pode depreender do texto de Beatriz, é uma máquina ideológica muito bem organizada, azeitada, que obedece ao comando político de um líder acima de qualquer questionamento: Capilé. Em seu depoimento, Beatriz acusa o Fora do Eixo — que não tem existência legal e não pode, portanto, ser acionado na Justiça — de: - apropriar-se indevidamente do trabalho dos artistas;- de explorar uma forma moderna — ou “pós-moderna” — de mão de obra escrava;- de passar a patrocinadores públicos e privados informações falsas sobre a real dimensão do Fora do Eixo;- de ameaçar as pessoas que tentam se desligar do grupo.
Uma seita
Eu, confesso, ignorava — e não havia lido isso em lugar nenhum — que o Fora do Eixo mantém “casas”, onde, vejam só, moram pessoas mesmo, mais ou menos como essas seitas religiosas que estimulam os jovens a abandonar a família.
Segundo Beatriz, esses moradores não recebem salário nenhum — vivem com o que lhes fornece o “coletivo” — e se dedicam integralmente ao Fora do Eixo: não têm individualidade, não assinam seus trabalhos, não põem sua marca pessoal em nada. Se deixam a casa, saem sem nada.
Isso tem explicação. A cineasta acusa Capilé de ter enorme desprezo pela arte e pelos artistas — parece que esse rancor é especialmente devotado aos livros (“uma tecnologia ultrapassada”), em particular aos clássicos. Os abduzidos do Fora do Eixo, que entregam graciosamente a sua mão de obra a Capilé, não têm tempo de usufruir de bens culturais nem acham isso necessário: tudo pela causa.
Capilé: incentivador da cultura ou chefe de uma seita que explora trabalho similar à escravidão?
Neste primeiro post (ainda volto ao assunto), seleciono alguns trechos do depoimento de Beatriz. Leiam. É estarrecedor.
O primeiro contato com o “Fora do Eixo”
Conheci um representante da rede Fora do Eixo durante um trajeto de ônibus do Festival de Cinema de Gramado de 2011, onde eu havia sido convidada para exibir meu filme “Bollywood Dream – O Sonho Bollywoodiano” e ele havia sido convidado a participar de um debate sobre formas alternativas de distribuição de filmes no Brasil. Meu filme havia sido lançado naquele mesmo ano no circuito comercial de cinemas, em mais de 19 cidades brasileiras, distribuído pela Espaço Filmes, e o rapaz me contava de como o Fora do Eixo estava articulando pela internet os cerca de 1000 cineclubes do programa do governo Cine Mais Cultura, assim como outros cineclubes de pontos de cultura, escolas, universidades, coletivos e pontos de exibição alternativos, que estavam conectados à internet nas cidades mais longínquas do Brasil, para fazerem exibição simultânea de filmes com debate tanto presencialmente, quanto ao vivo, por skype. Eu achei a ideia o máximo. Me disponibilizei, a mim e ao meu filme para participar destas exibições (…)
Remuneração?
Com relação à remuneração eles me explicaram que aquele ainda era um projeto embrionário, sem recursos próprios, mas que podiam pagá-lo com “Cubo Card”, a moeda solidária deles, que poderia ser trocada por serviços de design, de construção de sites, entre outras coisas. Já adianto aqui que nunca vi nem sequer nenhum centavo deste cubo card, ou a plataforma com ‘menu de serviços’ onde esta moeda é trocada. E fiquei sabendo que algumas destas exibições com debate presencial no interior de SP seriam patrocinadas pelo SESC – pois o SESC pede a assinatura do artista que vai fazer a performance ou exibir seu filme nos seus contratos, independente do intermediário. E só por eles pedirem isso é que fiquei sabendo que algumas destas exibições tinham sim, patrocinador. Fui descobrir outros patrocinadores nos pôsteres e banners do Grito Rock de cada cidade. Destes eu não recebi um centavo.
Os sustos de Beatriz
Meu primeiro susto foi quando perguntaram se podiam colocar a logomarca deles no meu filme – para ser uma ‘realização Fora do Eixo’, em seu catálogo. Eu disse que o filme havia sido feito sem nenhum recurso público e que a cota mínima para um patrocinador ter sua logomarca nele era de 50 mil reais. Eles desistiram. O segundo susto veio justamente na exibição com debate em um SESC do interior de SP, quando recebi o contrato do SESC, e vi que o Fora do Eixo estava recebendo por aquela sessão, em meu nome, e não haviam me consultado sobre aquilo. Assinei o contrato minutos antes da exibição e cobrei do Fora do Eixo aquele valor descrito ali como sendo de meu cachê, coisa que eles me repassaram mais de 9 meses depois, porque os cobrei, publicamente. O terceiro susto veio quando me levaram para jantar na casa da diretora de marketing da Vale do Rio Doce, no Rio de Janeiro, onde falavam dos números fabulosos (e sempre superfaturados) da quantidade de pessoas que estavam comparecendo às sessões dos filmes, aos festivais de música, e do poder do Fora do Eixo em articular todas aquelas pessoas em todas estas cidades. Falavam do público que compareciam a estas exibições e espetáculos como sendo filiados a eles. Ou como se eles tivessem qualquer poder sobre este público.
O mundo do pensador Capilé. Ou: Ele precisa de duto, de esgoto
Foi aí que conheci pela primeira vez o Pablo Capilé, fundador da marca/rede Fora do Eixo (…). Até então haviam me dito que a rede era descentralizada, e eu havia acreditado, mas imediatamente, quando vi a reverência com que todos o escutam, o obedecem, não o contradizem ou criticam, percebi que ele é o líder daqueles jovens e que, ao redor dele, orbitavam aqueles que eles chamam de “cúpula” ou “primeiro escalão” do FdE. (…) Capilé dizia que não deveria haver curadoria dos filmes a serem exibidos neste circuito de cineclubes (…) e que ele era contra pagar cachês aos artistas, pois, se pagasse, valorizaria a atividade dos mesmos e incentivaria a pessoa “lá na ponta” da rede, como eles dizem, a serem artistas e não “DUTO”, como ele precisava. Eu perguntei o que ele queria dizer com “duto”, ele falou sem a menor cerimônia: “Duto, os canos por onde passam o esgoto”. Eu fiquei chocada. Não apenas pela total falta de respeito por aqueles que dedicam a maior quantidades de horas de sua vida para o desenvolvimento da produção artística (e, quando eu argumentava, isso ele tirava sarro dizendo “todo mundo é artista”’ao que eu respondia “todo mundo é esportista também”)
(…)
Ódio à cultura e aos livros
E o meu choque, ao discutir com o Pablo Capilé, foi ver que ele não tem paixão alguma pela produção cultural ou artística, que ele diz que ver filmes é “perda de tempo”, que livros, mesmo os clássicos (que continuam sendo lidos e necessários há séculos), são “tecnologias ultrapassadas” e que ele simplesmente não cultiva nada daquilo que ele quer representar. Nem ele nem os outros moradores das casas Fora do Eixo (já explico melhor sobre isso). Ou seja, ele quer fazer shows, exibir filmes, peças de teatro, dança, simplesmente porque estas ações culturais/artísticas juntam muita gente em qualquer lugar, que vão sair nas fotos que eles tiram e mostram aos seus patrocinadores dizendo que mobilizam “tantas mil pessoas” junto ao poder público e privado, e que por tanto, querem mais dinheiro, ou privilégios políticos.
A manipulação
Vejam que esperto: se Pablo Capilé disser que vai falar num palanque, não iria aparecer nem meia-dúzia de pessoas para ouvi-lo, mas se disserem que o Criolo vai dar um show, aparecem milhares. Ou seja, quem mobiliza é o Criolo, não ele. Mas, depois, ele tira as fotos do show do Crioulo, e vai na Secretaria da Cultura dizendo que foi ele e sua rede que mobilizou aquelas pessoas. E assim, consequentemente, com todos os artistas que fazem participação em qualquer evento ligado à rede FdE. Acredito que, como eu, a maioria destes artistas não saiba o quanto Pablo Capilé capitaliza em cima deles e de seus públicos.
As planilhas
[Capilé] diz que as planilhas do orçamento do Fora do Eixo são transparentes e abertas na internet, sendo isso outra grande mentira deslavada — tais planilhas não se encontram na internet, nem os próprios moradores das casas Fora do Eixo as viram ou sabem onde estão. Em recente entrevista no Roda Viva, Capilé disse que arrecadam entre 3 e 5 milhões de reais por ano. Quanto disso é redistribuído para os artistas que se apresentam na rede? O último dado que tive é que o Criolo recebia cerca de 20 mil reais para um show com eles, enquanto outra banda desconhecida não recebe nem 250 reais, na casa FdE São Paulo.
Os patrocinadores
Mas seria extremamente importante que os patrocinadores destes milhões exigissem o contrato assinado com cada um destes artistas, baseado pelo menos no mínimo sindical de cada uma das áreas, para ter certeza de que tais recursos estão sendo repassados, como faz o SESC.
A seita tem “casas”. Ou: Trabalho similar à escravidão?
Depois desse choque com o discurso do Pablo Capilé, ainda acompanhei a dinâmica da rede por mais alguns meses (foi cerca de 1 ano que tive contato constante com eles), pois queria ver se esse ódio que ele carrega contra as artes e os artistas era algo particular dele, ou se estendia à toda a rede. Para a minha surpresa, me deparei com algo ainda mais assustador: as pessoas que moram e trabalham nas casas do Fora do Eixo simplesmente não têm tempo para desfrutar os filmes, peças de teatro, dança, livros, shows, pois estão 24 horas por dia, 7 dias por semana, trabalhando na campanha de marketing das ações do FdE no Facebook, Twitter e demais redes sociais. E como elas vivem e trabalham coletivamente no mesmo espaço, gera-se um frenesi coletivo por produtividade, que, aliado ao fato de todos ali não terem horário de trabalho definido, acreditarem no mantra “trabalho é vida” e não receberem salário — e, portanto, se sentirem constantemente devedores ao caixa coletivo, da verba que vem da produção de ações que acontecem “na ponta”, em outros coletivos aliados à rede — faz com que simplesmente, na casa Fora do Eixo em São Paulo, não se encontre nenhum indivíduo lendo um livro, vendo uma peça, assistindo a um filme, fazendo qualquer curso, fora da rede. Quem já cruzou com eles em festivais nos quais eles entraram como parceiros sabem do que estou falando: eles não entram para assistir a nenhum filme, nem assistem/participam de nenhum debate que não seja o deles. O que faz com que, depois de um tempo, eles não consigam falar de outra coisa que não seja deles mesmos.
(…)
Expropriação do trabalho
(…) reparei que aquela massa de pessoas que trabalham 24 horas por dia naquelas campanhas de publicidade das ações da rede FdE não assinam nenhuma de suas criações: sejam textos, fotos, vídeos, pôsteres, sites, ações, produções. Pois assinar aquilo que se diz, aquilo que se mostra, que se faz, ou que se cria é considerado “egóico” para eles. Toda a produção que fazem é assinada simplesmente com a logomarca do Fora do Eixo, o que faz com que não saibamos quem são aquele exercito de criadores, mas sabemos que estão sob o teto e comando de Pablo Capilé, o fundador da marca.
Sem existência legal
(…) a marca do fora do Eixo não está ligada a um CNPJ, nem de ONG, nem de Associação, nem de Cooperativa, nem de nada — pois, se estivesse, ele [Capilé] seguramente já estaria sendo processado por trabalho escravo e estelionato (…) por dezenas de pessoas que passaram um período de suas vidas nas casas Fora do Eixo e saem das mesmas ao se deparar com estas mesmas questões que exponho aqui, e outras ainda mais obscuras e complexas.
Os escravos
(…) o que talvez seja mais grave: os que moram nas casas Fora do Eixo abdicam de salários por meses e anos — e, portanto, não têm um centavo ou fundo de garantia para sair da rede. Também não adquirem portfólio de produção, uma vez que não assinaram nada do que fizeram lá dentro – nem fotos, nem cartazes, nem sites, nem textos, nem vídeos. E, portanto, acabam se submetendo àquela situação de escravidão (pós)moderna simplesmente porque não veem como sobreviver da produção e circulação artística fora da rede.
Capilé incentiva que se abandone a universidade
Muitas destas pessoas são incentivadas pelo próprio Pablo Capilé a abandonar suas faculdades para se dedicarem integralmente ao Fora do Eixo. Quanto menos autonomia intelectual e financeira estas pessoas tiverem, melhor para ele.
Medo da retaliação: o poder de Capilé
E, quando algumas destas pessoas conseguem sair, pois têm meios financeiros independentes da rede FdE para isso, ficam com medo de retaliação, pois veem o poder de intermediação que o Capilé conseguiu junto ao Estado e aos patrocinadores de cultura no país, e temem ser “queimados” com estes. Ou mesmo sofrer agressões físicas. Já três pessoas me contaram ouvir de um dos membros do FdE, ao se desligarem da rede, ameaças tais quais “você está falando demais, se estivéssemos na década de 70 ou na Faixa de Gaza, você já estaria morto/a.” Como alguns me contaram, “eles funcionam como uma seita religioso-política, tem gente ali capaz de tudo” na tal ânsia de disputa por cada vez mais hegemonia de pensamento, por popularidade e poder político, capital simbólico e material, de adeptos. Por isso se calam. (…) Por Reinaldo Azevedo

AVÓS DA PRAÇA DE MAIO ANUNCIAM A "DESCOBERTA" DO NETO SEQUESTRADO DE NÚMERO 109

A organização Avós da Praça de Maio anunciou na terça-feira que o "neto" número 109 recém-descoberto é filho de um casal chileno sequestrado pela ditadura na Argentina, em 1976. Pablo Germán Athanasiu Laschan, de 37 anos, foi sequestrado junto com seus pais quando tinha 5 meses e meio, no âmbito do Plano Condor de coordenação repressiva das ditaduras sul-americanas, informou a organização em uma nota. As Avós ainda tentam encontrar cerca de 400 bebês que foram levados dos pais, prisioneiros políticos da ditadura (1976-1983). Os pais do "neto recuperado", Frida Laschan Mellado e Angel Athanasiu Jara, eram militantes do Movimento da Esquerda Revolucionária (MIR). Frida ocupou um cargo na Corporação da Reforma Agrária (CORA) durante o governo do socialista Salvador Allende, derrubado em 1973. Ela sofreu perseguição política depois do golpe do Augusto Pinochet (1973/1990), ao ser detida na delegacia da cidade de Lautaro (sul) e, depois, em Santiago, no Chile. Já liberada, exilou-se em Buenos Aires, onde reencontrou Athanasiu Jara, que havia escapado um tempo antes. "Pablo Germán nasceu em 29 de outubro de 1975 e foi registrado depois de seu sequestro como filho natural por um casal com estreita ligação com funcionários da ditadura", completou a entidade. Desde o sequestro, as famílias Athanasiu e Laschan fizeram várias denúncias para saber o que aconteceu com o casal e com o bebê. Em abril passado, Pablo Germán foi contatado pelas Avós e, há um mês, concordou em fazer um exame imunogenético que conseguiu determinar, com 99,99% de certeza, que ele pertence ao grupo familiar Athanasiu Laschan.