quinta-feira, 1 de agosto de 2013

SARNEY PIORA E É TRANSFERIDO PARA A UTI DO HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS

O senador José Sarney foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, na noite desta quinta-feira. Internado desde domingo no UDI Hospital, em São Luís, no Maranhão, com febre e calafrios, Sarney viajou para São Paulo na quarta-feira para a realização de novos exames, que indicaram que o senador havia contraído dengue. Mas o ex-presidente continuou com febre, dores e calafrio. Submetido a uma nova bateria de exames, os médicos David Uip, Roberto Kalil e Carlos Gama decidiram assistir Sarney na UTI. Os exames encontraram novas manchas no pulmão, características de pneumonia. "Por conta dos novos achados, clínicos e laboratoriais, a equipe médica optou pela transferência do paciente para a UTI", informa o segundo boletim médico, divulgado às 22h45. Sarney está acompanhado dos médicos Carlos Gama e Denílson Almeida. A mulher de Sarney, dona Marli, e o filho e deputado Sarney Filho (PV-MA) também o acompanham.

GOVERNO MARQUETEIRO DO PT VAI PROMULGAR A LEI DE IRRESPONSABILIDADE FISCAL; GOVERNO DA SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIA OBRAS E LEVA OS OUROS, PREFEITOS E GOVERNADORES ASSUME A DÍVIDA

A soberana bolivariana petista Dilma Rousseff decidiu retirar os projetos de mobilidade urbana do cálculo de endividamento de Estados e municípios. A medida será tomada pelo governo federal com o objetivo de espantar três fantasmas de uma só vez: desafogar as contas de governadores e prefeitos, ajudar na recuperação do crescimento econômico e aplacar o clamor das ruas, evidente com as manifestações de junho, por melhoria nos serviços de transportes públicos. Para se ter uma idéia do impacto da proposta, se o projeto entrasse em vigor hoje os prefeitos e governadores teriam uma capacidade de endividamento de mais R$ 35,3 bilhões para gastar só em projetos como metrôs, trens urbanos, corredores exclusivos de ônibus (BRTs), veículos leves sobre trilhos (VLTs) e ciclovias, sem comprometer as contas com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Este número, segundo informação do Ministério das Cidades, é referente à contrapartida que Estados e municípios devem aplicar no setor. Em junho, logo após as manifestações, a soberna bolivariana petista Dilma Rousseff anunciou, em uma reunião ampliada com os 27 governadores e prefeitos das capitais, a destinação adicional de R$ 50 bilhões para esses programas de mobilidade urbana. O governo federal, porém, ainda não explicou se parte desses recursos - ou o montante global - refere-se a gastos já previstos para projetos de mobilidade na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2), que previa R$ 40 bilhões para a infraestrutura viária de municípios no País. A mudança estudada pela soberana bolivariana petista Dilma Rousseff agora para aliviar os caixas estaduais e municipais usará como espelho a fórmula contábil atualmente adotada para diferenciar investimentos em saúde e educação.O advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, já está estudando a viabilidade jurídica de como será a melhor maneira de fazer a proposta sair do papel. Avalia, por exemplo, como seriam essas mudanças na Lei de Responsabilidade Fiscal. A missão da AGU será encontrar um caminho para destravar e acelerar a liberação de recursos para investimentos na área.

O PETRALHA MOVIMENTO PASSE LIVRE QUEIMA BONECO DE ACM NETO NA FRENTE DA PREFEITURA DE SALVADOR

Salvador é a capital que ainda concentra as manifestações mais intensas do petralha Movimento Passe Livre (MPL) porque o prefeito ACM Neto (DEM) afirma que não há condição de atender às exigências de reduzir a tarifa dos ônibus dos atuais R$ 2,80 para R$ 2,50 e gratuidade todos os dias para os estudantes. As atividades de hoje mais uma vez foram intensas e culminaram com um ato simbólico na frente do Palácio Thomé de Souza, sede da Prefeitura de Salvador. Os manifestantes puseram fogo em um boneco que tinha como rosto uma foto de ACM. "Esse ato foi em protesto por ele se recusar a negociar. Foi uma forma de mostrar o repúdio à atitude dele, que é um desrespeito com o movimento e com a democracia", disse Walter Takemoto, do petralha Movimento Passe Livre. Outro ato extremo dos manifestantes foi a pichação na fachada do posto de recarga dos cartões Salvador Card, sistema de bilhetagem eletrônico do Sindicato das Empresas de Transporte Público de Salvador (Setps), no bairro do Comércio. Desde o início da movimentação do petralha Movimento Passe Livre, o prefeito ACM Neto anunciou como medidas para atender às reivindicações a extensão do programa Domingo é Meia (todos os passageiros pagam meia passagem) e a implantação do bilhete único para passageiros que utilizam o Salvador Card. Um grupo composto por vagabundos petralhas integrantes do Movimento Passe Livre mantém invasão no plenário da Câmara Municipal. Eles afirmam que só deixarão o prédio do Legislativo quando a tarifa tiver redução pleiteada dos 30 centavos.

PRESIDENTE DO PMDB FALA EM "NAVE DESGOVERNADA"

Na volta dos trabalhos legislativos nesta quinta-feira, senadores do PMDB utilizaram a tribuna para criticar o governo da soberana bolivariana petista Dilma Rousseff. Peemedebistas acusaram o Planalto de não ouvir seu principal aliado e cobraram uma postura mais “dura” do partido. O presidente da legenda, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), disse que o relacionamento do Planalto com seus aliados "merece cuidado" diante do "esfacelamento" da aliança com os governistas, especialmente na Câmara. “Eu nunca tinha visto uma base tão fragmentada. A nave está um pouco desgovernada", afirmou. Raupp defendeu a redução no número de ministérios como forma de solucionar a “crise” de legitimidade política do País. “Impõe-se a revisão da enorme quantidade de ministérios no nosso país, criados sem outra finalidade que não seja a de contemplar os acordos costurados sob a égide do chamado presidencialismo de coalizão”, afirmou. O senador Roberto Requião (PMDB-PR) disse que o PMDB se tornou um "partido auxiliar" do governo e não é mais "ouvido para nada". "Já estávamos afastados na condução da política econômica. Nunca fomos ouvidos, agora somos também menosprezados como parceiros políticos quando o País enfrenta uma de suas crises mais graves”, disse. O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) disse que o PMDB deveria renunciar aos cargos que ocupa no governo para permitir a redução nos ministérios. “Deveríamos dar o exemplo, o primeiro passo, colocar à disposição da presidente da República os espaços que o PMDB ocupa no governo para que a presidente tivesse liberdade de fazer as suas escolhas e de ter autonomia. A nossa aliança não pode se dar por interesses secundários”, ressaltou. O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), disse que o dialogo com o Planalto será "essencial" para a retomada das votações no Congresso. O líder, que retorna a Brasília na semana que vem, afirmou que atua como "bombeiro" na bancada peemedebista, mas não vai se posicionar contra os colegas de partido, mesmo que isso signifique ficar contra o governo. "Tenho que ver as angústias de cada um. Eles (governo) não precisam do PMDB? Acho que precisam. Quem tem comando no PT sabe que precisa do PMDB. Mas a democracia é livre e o PMDB está atento a essas coisas”, avisou.

VANDALISMO NO ITAMARATY TEVE ATUAÇÃO DE UM DIRIGENTE DE PARTIDO DE MARINA SILVA

Um membro da Comissão Executiva Nacional da Rede Sustentabilidade foi um dos líderes dos atos de vandalismo que chocaram o País no dia 20 de junho, quando o Palácio do Itamaraty, uma das obras-primas de Oscar Niemeyer, foi depredado. O nome do partidário de Marina Silva é Pedro Piccolo Contesini. Identificado pela Polícia Civil do Distrito Federal, ele tentou se defender em seu Facebook. "Não cometi crime", disse ele. A sua postagem foi a seguinte: "Hoje, na nota do Correio Braziliense (Na rede da investigação) é dito que "mais três manifestantes foram identificados pela Polícia Civil do DF como responsáveis pela depredação do Palácio Itamaraty, em 20 de Junho. A nota cita meu nome e afirma que apareço em imagens com pedaços de madeira usados para quebrar as vidraças do prédio tombado. O que tenho a dizer sobre isto. Não cometi crime". Ele continua na sua postagem: "20 de junho deste ano, uma quinta-feira, dia da maior das manifestações acontecidas em Brasília, dentro do ciclo de protestos de rua naquele período, em todo o País. Três dias antes houvera outra, aquela na qual os manifestantes subiram nas cúpulas do Congresso. Participei das duas. Na do dia 20, com mais de 60 mil pessoas tomando a Esplanada, havia um contingente policial muito maior e mais agressivo, com a presença da tropa de choque. Ao contrário da anterior, a estratégia repressiva era de impedir a qualquer custo que as pessoas novamente subissem sobre o Congresso ou passassem para a praça dos Três Poderes, onde fica o Palácio do Planalto. Primeiro foi o uso do spray de pimenta, em seguida muitas bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral para todos os lados. A tensão foi num crescendo e o único lugar que parecia mais desguarnecido de tropas era o Palácio do Itamaraty, para onde a PM praticamente empurrou uma parte dos manifestantes, ao continuar a jogar bombas sobre o gramado diante do Congresso. O ar estava tomado de gás, os olhos ardiam. Tirei a camiseta e coloquei no rosto para me proteger. E também corri para o lado do Itamaraty. Esse foi o contexto de um dia no qual cometi muitos erros, mas só pude ter plena consciência deles retrospectivamente. O primeiro foi usar na manifestação a camiseta da Rede Sustentabilidade, que eu vestia porque vinha de uma atividade de coleta de assinaturas para a formação do partido. Havia entre nós uma avaliação de que a Rede deveria, como instituição, manter-se afastada das ruas, para evitar qualquer acusação equivocada (ou manipulada) de que queríamos nos aproveitar dos protestos, uma vez que, de várias maneiras, eles se identificavam muito com nossa trajetória e preocupações. Ficara acertado que os membros da Rede que quisessem participar deveriam fazê-lo como cidadãos, em caráter individual. No dia 20, eu me orgulhava ingenuamente de estar com a camiseta, mas em nenhum momento me passou pela cabeça o que estava por vir e que poderia ser danoso à Rede, algo sob medida para ser explorado por pessoas de má-fé. Participo de movimentos sociais e manifestações locais desde que entrei na UnB, em 2006. Também participei das manifestações na Rio+20, na Cúpula dos Povos e outras em prol de direitos humanos e do meio ambiente. Mas nunca havia participado de protestos do porte e do alcance temático e político dos que ocorreram no mês de junho no Brasil e em Brasília. E nunca de nenhum que atraisse um aparato policial tão grande e violento como no dia 20. A manifestação do dia 17 ocorrera sem depredações ou violência, principalmente porque a PM não reagiu ao acesso de manifestantes ao teto do Congresso. Fiquei extasiado, pois há muito tempo não se via, no Brasil, um fenômeno deste tipo, em que a população saía às ruas em peso clamando por causas que iam de melhores serviços públicos até a refundação da política. No dia 20, o clima foi totalmente outro. Já começara com a declaração de confronto de autoridades policiais, segundo as quais todas as pessoas que descessem na Rodoviária seriam revistadas. A tensão aumentava na medida em que, a cada movimento da massa de manifestantes em direção ao Congresso ou aos acessos à praça dos Três Poderes, a polícia reagia violentamente. Até o momento em que nova investida da PM provocou uma certa reação de pânico e uma parte dos manifestantes foi em direção ao Itamaraty. Fui junto. Sem nenhuma intenção de depredar nada, mas tomado de raiva e sob intensa pressão. Quando cheguei ao corredor estreito que dá entrada para o prédio, já havia ali muitas pessoas concentradas e começava o quebra-quebra. Vários manifestantes jogavam diferentes objetos contra as vidraças. Vi uma barra de ferro no chão e a agarrei, inicialmente com a intenção de me defender, caso as coisas piorassem por ali. Depois, com as emoções à flor da pele, a pressionei algumas vezes contra diferentes pontos de uma estrutura também de ferro do próprio prédio e em seguida a joguei. Não quebrei nada! Fiquei ali por mais alguns minutos e retornei ao gramado da Esplanada, onde fui atingido na perna por uma bomba atirada pela polícia, que deixou um edema de uns 15 cms e uma cicatriz que ainda tenho. Quando cheguei em casa, mais calmo, tive a clara percepção de ter errado, mas fiquei aliviado por não ter, afinal, causado nenhum dano a um prédio público e, além disso, tombado como patrimônio nacional. Quando a polícia começou a procurar os participantes do quebra-quebra, fui identificado em fotos nas quais estava com a barra de ferro nas mãos, mas em nenhuma delas estou quebrando nada. No dia 24 de julho, por volta das 15 horas, enquanto trabalhava no processamento de documentos na sede da Rede em Brasília, fui chamado para fora da sala por uma mulher e um homem que se apresentaram como sendo da Polícia Civil. Disseram que eu deveria acompanhá-los para prestar um depoimento sobre as manifestações no Itamaraty. Pedi para ir no final da tarde, quando terminasse meu trabalho. Responderam que era melhor ir naquele momento para “evitar constrangimentos”. No caminho perguntei se não deveria chamar um advogado e me disseram que seria desnecessário. Fui conduzido à 5ª Delegacia da Polícia Civil, onde falei com o delegado encarregado de investigações extraordinárias. Eu estava bastante tenso, já que nunca estive numa situação semelhante. Depois descobri que eu deveria ter ido apenas com uma intimação formal e acompanhado de advogado. O delegado me inquiriu com uma câmera gravando. Perguntei mais uma vez se não precisaria de presença de um advogado e ele me reiterou que não. Disse que fazia parte de uma policia republicana e que a relação entre nós ali seria de confiança e que seria honesto comigo, esperando reciprocidade. Relatei fielmente, respondendo a suas perguntas, o que fui fazer na manifestação, a que horas cheguei, o percurso da manifestação e o meu. Mostrou-me fotos das ações no Itamaraty e admiti que estava lá e que escondia o rosto. Após a inquirição, o delegado informou que o processo seguiria para a Polícia Federal, onde seria produzido um inquérito a ser enviado ao Ministério Público, que decidiria pela abertura, ou não, de processo judicial. Depois disso, assinei um termo de depoimento após ser mais uma vez ouvido por outro delegado. Declarei ainda qual era meu estado emocional e que não ocasionei nenhuma depredação ao prédio do Itamaraty. Finalmente, que agi por vontade própria, não tendo sido levado ou orientado a nada, por nenhuma pessoa ou organização. Hoje vejo com clareza os excessos que cometi e o risco a que submeti a Rede, de ser caluniada ou passar a ser objeto de insinuações de ter algo a ver com os quebra-quebras durante as manifestações. Seria algo impensável, pois a linha política da Rede vai em outra direção, sem nenhuma afinidade com soluções violentas, venham de que lado vierem. Estou arrependido, errei politicamente, mas em nenhum momento cometi crime. O que me resta é dizer a verdade, como estou fazendo aqui, e reconhecer meus atos. Peço desculpas sinceras a todos os companheiros e companheiras da Rede. Reafirmo que continuarei sendo um “enredado” convicto, persistente e esperançoso". O que dizer sobre um tipo destes?

PETRALHAS AGORA CERCAM O EDIFÍCIO DE FORTUNATI E QUEIMAM UM BONECO, EXATO COMO FAZEM NO RIO, E EM SÃO PAULO, SÃO FINANCIADOS PELA MESMA FONTE EM TODO O PAÍS

O jornal Zero Hora, do grupo RBS, anunciou nesta noite de quinta-feira que "centenas" de manifestantes se reuniram em frente ao edifício onde mora o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), na esquina da rua Jerônimo Coelho com a Praça da Matriz, e que alguns deles queiaram um boneco com a cara do prefeito. "Centenas"?!!!! O que isso quer dizer?!!!! Eram 100 manifestantes? Ou eram 200 manifestantes? Só aí já seria 100% além de uma centena. Ou seriam 300 manifestantes? Ou 400 manifestantes? Ou 500 manifestantes? Ora, dá licença..... tamanha imprecisão passa a forte impressão de que o jornal, seu portal, o repórter, o editor, o diretor, estão inflando o volume da manifestação para satisfazer os grupelhos que se encarregam desses atos. O jornal e seus jornalistas deveriam ter a coragem de investigar e dizer quem são esses supostos manifestantes que cercaram o prédio onde mora o prefeito José Fortunati para exigir passe livre no transporte público de passageiros. Em coro, os manifestantes bradavam: "Fortunati, eu quero ver o passe livre em Porto Alegre acontecer". Ou seja, cercaram o edifício onde mora o prefeito, queimaram seu boneco, para exigir o envio de projeto de passagem gratuíta à Câmara Municipal de Porto Alegre. Ora, quem está por trás disso tudo? A manifestação foi organização pelo tal Bloco de Lula pelo Transporte Público. Quem é o "Bloco de Luta"?!!! É formado por organizações ultraesquerdistas como o PSTU, PSOL, e também pela chamada Frente Anarquista e pelo Levante Nacional de Juventude, organização clandestina e que se especializa em atos de combates de rua. Esta última organização fez seu primeiro congresso este ano, realizado em Santa Cruz do Sul. Quem estava presente lá? Ora, ele mesmo, o peremptório petista Tarso Genro. E o PSOL, é dirigido por quem? Ora, pela filha do peremptório petista Tarso Genro. É fácil tirar as conclusões. A população tem razão em reclamar do preço da passagem do ônibus, porque está realmente cara. E tem razão em criticar o prefeito José Fortunati, porque este tem se demonstrado um efetivo defensor dos interesses da ATP (Associação dos Transportadores de Passageiros, a entidade dos donos de empresas de ônibus). Fortunati é tão ligado, tão intimamente, aos donos dos ônibus, que deu um fabuloso emprego ao filho do presidente da ATP, de mais de 17 mil reais, como advogado, na Procempa. Portanto, ele não se porta como deveria na Prefeitura de Porto Alegre. Mas, daí a alguém cercar o edifício onde ele mora? E pagos por quem? Quanto à reivindicação dos petralhas, do passe livre, é simplesmente uma cretinice. Não há como a prefeitura bancar passagem livre para todo mundo na cidade. Quanto à RBS, cumpriria melhor seu papel se parasse de fazer arreganhos medonhos para os petralhas. Não será a sabujice que irá livrá-la de uma invasão pelos petralhas, da depredação de suas instalações, do incêndio do prédio do jornal e da rádio. Foi por essa razão que a direção da RBS redigiu documento denunciando a ameaça, e obrigou seus jornalistas a assiná-lo. A RBS faria melhor se começasse a denunciar as hordas fascistas, o que elas efetivamente são. E mais do que isso: investigasse e denunciasse quem são esses depredadores que estão nas ruas. Boa parte deles são bandidos recrutados nas favelas, nos pontos de reunião da bandidagem, e pagos por jornada de quebra-quebra, ao preço de 550 reais por dia. É o chamado segredo de Polichinelo. Todo mundo sabe, mas ninguém diz. E era preciso começar a desmontar o papel exercido nesse história, peremptóriamente, por tipos apreciadores de Lênin, o grande facínora russo. Seria tão fácil acabar com a farsa desse lumpesinato da esquerda, bastaria que os partidos integrantes da coligação que sustenta o governo Fortunati convocassem seus limites para manifestações em defesa do Estado Democrático de Direito. Mas.... sabe quando eles farão isso? Nunca..... os partidos tradicionais têm um medo atávico das massas em movimento. Eles não gostam de movimento de massas, têm pânico disso.

MINISTROS DO SUPREMO ADMITEM, PRISÃO DE RÉUS DO MENSALÃO DO PT PODE FICAR PARA 2014

Ministros do Supremo Tribunal Federal admitem que a prisão dos condenados no processo do Mensalão do PT deve ficar para o final do ano ou, em um cenário mais pessimista, pode ficar para 2014. No próximo dia 14, o tribunal começa a julgar os primeiros recursos contra a condenação. Mas os advogados ainda podem se valer de novos recursos para contestar o julgamento do tribunal. A prisão dos réus só começaria a ser discutida, afirmaram nesta quinta-feira integrantes da Corte, depois de julgados os recursos contra o julgamento desses embargos que começam a ser analisados nas próximas semanas. Parte dos ministros estima que isso deve ocorrer ainda neste ano, mas outros apostam que o caso se arraste para o próximo ano. Um dos principais defensores da brevidade do julgamento, o ministro Gilmar Mendes, confirmou nesta quinta-feira que o tribunal só deve discutir a prisão imediata depois de julgados os segundos recursos. E citou como precedente o julgamento do deputado Natan Donadon, recentemente preso e cujo julgamento de dois recursos só terminou depois de três anos após a condenação. "No futuro certamente vamos ter um outro posicionamento sobre isso. Mas o recurso é legítimo e nós devemos nos pronunciar novamente no julgamento dos segundos embargos. A partir daí, vamos ter deliberação certamente sobre execução ou não da decisão", explicou nesta quinta o ministro. O ministro Marco Aurélio Mello afirmou não ser possível mudar o entendimento do tribunal e executar a pena logo após o julgamento dos primeiros recursos contra a condenação. De acordo com ele, os réus podem regularmente recorrer da conclusão do julgamento dos primeiros recursos. Só depois de julgados todos os recursos, defendeu o ministro, a pena começa a ser cumprida. "Ainda teremos muitas emoções", ironizou o ministro. Integrantes da Corte projetam que o relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, poderia pedir a prisão imediata dos réus logo após o julgamento de cada um dos 26 recursos. Repetiria, se assim o fizesse, a proposta frustrada que recentemente fez no julgamento do ex-deputado José Tatico (PTB-DF). Um dos ministros afirmou que o tribunal certamente rechaçaria a proposta. O receio exposto reservadamente por advogados de que manifestações de rua, como as que ocorreram nos últimos meses, pudessem interferir no julgamento é rechaçado pelos integrantes do tribunal. O ministro Celso de Mello enfatizou que a voz das ruas não é ouvida, especialmente no julgamento de ações penais. "Eu pessoalmente não me deixo influenciar pela pressão das ruas. Temos que julgar com objetividade", afirmou Celso de Mello. "O que interessa a um juiz, notadamente no julgamento criminal, é o julgamento conforme as provas dos autos, não conforme as reivindicações externas por pressões populares", acrescentou. É evidente que declarações como essas soam como se fosse uma provocação, ou uma convocação à montagem de acampamentos na frente do Supremo Tribunal Federa, e grandes manifestações de protesto. Fica evidente, também, que tanta postergação no processo tem um objetivo, o de livrar o quadrilheiro e corrupto petista José Dirceu da cadeia. Ele já está com 67 anos. Se chegar aos 70 anos sem ter ido para a cadeia, não precisará ir mais, por causa da idade.

PREFEITO DE ARAÇATUBA MULTADO PELO TCE POR IRREGULARIDADES EM CONTRATO DE LIXO SEM LICITAÇÃO COM A VEGA (GRUPO SOLVI, REVITA)

As contratações sem licitação pública, por emergência, na área do lixo, viraram rotinas na maioria dos municípios brasileiros. Tem até município que já aplicou a “fictícia emergência”, como já apontou o Tribunal de Contas do Município de São Paulo. O município de Araçatuba tem uma população de 183.441 habitantes. Lá, como em todos as cidades do planeta, tem lixo. Muito lixo. O prefeito de Araçatuba, Sério da Silva (PT), conhecido na cidade por Cido Sério, foi multado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo por irregularidades em contrato do lixo firmado sem licitação pública, emergencial, com a Vega Engenharia Ambiental S/A, empresa do grupo Solvi Participações S/A, que também é dono da Revita Engenharia Ambiental S/A e a Relima Ambiental S/A (esta opera na cidade de Lima, no Perú). A multa aplicada pelo Tribunal de Contas ocorreu por ter irregularmente o Município de Araçatuba assinado um contrato do lixo, sem licitação pública, por emergência, com prazo de apenas seis meses e valor de R$ 5.307.699,48 com a Vega Engenharia Ambiental S/A, em 23 de dezembro de 2010, às vésperas do Natal. Em relatório publicado recentemente (27/07/2013), o conselheiro Dimas Eduardo Ramalho afirma que a “administração municipal de Araçatuba assinou, sem licitação pública, contrato com a empresa Vega Engenharia Ambiental S/A para os serviços de coleta e transporte de resíduos comerciais e residenciais, coleta e transporte de materiais da coleta seletiva, varrição manual de vias e logradouros públicos, coleta manual e mecanizada e transporte de resíduos, operação e manutenção da usina de reciclagem no aterro sanitário, e operação, manutenção e monitoramento do aterro sanitário”. O Tribunal de Contas de São Paulo, além de aplicar a multa, fixou prazo de 60 dias para a prefeitura de Araçatuba encaminhar informações sobre providências adotadas, e ao mesmo tempo determinou que o Ministério Público do Estado de São Paulo seja comunicado dos fatos para abertura de processo de improbidade administrativa. Já em Porto Alegre, o governo do prefeito José Fortunati (PDT) mantém a emergência na coleta de lixo, e outros serviços operados por empresas privadas, há quase dois anos, sem qualquer atividade concreta mais dura, como um processo por improbidade administrativa. Os contratos firmados pela prefeitura de Porto Alegre, sem licitação, emergenciais, atingem, além da coleta de resíduos domiciliares, os serviços de capina e coleta seletiva, e também o de fornecimento de equipamentos. Na coleta de lixo de Porto Alegre, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) mantém a Revita Engenharia Ambiental S/A há quase 24 meses (2 anos) operando esse serviço de limpeza urbana, sem que essa empresa privada tenha se submetido a uma concorrência pública como determina a Lei Federal 8.666/93 (Lei das Licitações). Já foram assinados quatro contratos sem licitação pública entre DMLU e a empresa, e logo será assinado um quinto contrato. Milhões de reais já foram pagos pelo DMLU a Revita (desde novembro de 2011 até julho de 2013), por um serviço emergencial, o de coleta de lixo, serviço de baixíssima qualidade. Recentemente um edital viciado, repleto de irregularidades para a contratação de empresa, foi revogado pelo governo do prefeito Fortunati, logo após o Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul ter determinado a suspensão da  megalicitação do lixo. A Justiça gaúcha também decidiu pela suspensão do milionário certame. O governo Fortunati acabou derrotado, restando apenas a revogação do edital da concorrência para a coleta de lixo de Porto Alegre. O prefeito José Fortunati disse que discutiu o modelo de gestão do lixo por longos meses. Enquanto ficou discutindo qual seria o seu modelo de gestão do lixo, os preços das contratações emergenciais foram subindo, subindo, subindo, subindo (são quatro contratos sem licitação pública apenas com a REVITA), e hoje a autarquia responsável pela limpeza urbana paga perto de R$ 100,00 (cem reais) por tonelada de lixo coletada pela empresa privada contratada no governo Fortunati. Os aumentos no preço do serviço emergencial da Revita Engenharia Ambiental S/A são sempre acima da inflação, isso a cada seis meses. Inacreditável!!! As consultas de preços feitas pelo DMLU sempre ocorreram nas vésperas das datas de finais desses contratos emergências assinados pelo governo de José Fortunati com a Revita Engenharia Ambiental S/A. Isso elimina a viabilidade de outro concorrente vir a ofertar preço inferior ao praticado e ser contratado para operar a milionária coleta de lixo de Porto Alegre. O grupo Solví, dono da Revita, da Vega e da Relima, é um contumaz financiador de campanhas eleitorais no Rio Grande do Sul, em destaque no município de Porto Alegre. A Vega Engenharia Ambiental, do grupo Solví, financiou em 2004 o candidato eleito prefeito de Porto Alegre. Tudo aponta que, em 2014, o prefeito José Fortunati (PDT) possa vir a deixar a prefeitura da capital gaúcha para se candidatar ao governo do Estado do Rio Grande do Sul. Caso venha acontecer esse afastamento,  o atual prefeito poderá deixar o cargo sem que tenha concluído uma única licitação pública para a coleta de lixo. Concorrências públicas para coleta de lixo de Porto Alegre chegam a levar  nove meses para a sua conclusão. Se consideramos o lançamento de edital para a contratação de empresa privada que venha a operar a coleta de lixo, em agosto de 2013, e a realização da sessão de abertura desse certame, em setembro do mesmo ano, mais a conclusão dos trabalhos regulares do certame milionário, e ainda possíveis embates na Justiça do Rio Grande do Sul, quando chegar  março de 2014 o prefeito José Fortunati não vai comandar também as operações das empresas vencedoras na capital gaúcha. Esperemos para ver o que vai acontecer.

A SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF APROVA LEI PARA ATENDIMENTO A VÍTIMAS DE ESTUPRO

Apesar da pressão de religiosos, a soberana bolivariana petista Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira, sem vetos, o projeto de lei que torna obrigatório o atendimento a pessoas vítimas de violência sexual nos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto que deu origem à lei foi aprovado pelo Senado no começo de julho. Para não dar margem a outras interpretações, Dilma Rousseff vai enviar um outro projeto ao Congresso, trocando o termo "profilaxia da gravidez" por "medicação com eficiência precoce para prevenir gravidez", deixando claro que o governo vai autorizar o uso da pílula do dia seguinte a vítimas de estupro, e não a prática disseminada de aborto, como questionavam entidades religiosas. A lei sancionada nesta quinta-feira entra em vigor 90 dias após a publicação, que deve ocorrer nesta sexta-feira, no Diário Oficial da União. Aprovado por unanimidade no Congresso Nacional, o projeto transforma em lei medidas já previstas em portaria do Ministério da Saúde, informou o ministro petista Alexandre Padilha.

TAXA DE OCUPAÇÃO EM HOTÉIS PAULISTANOS FOI DE 65,4% NO PRIMEIRO SEMESTRE

A SPTuris (empresa municipal de turismo e eventos) divulgou a taxa de ocupação dos hotéis paulistanos no primeiro semestre deste ano na cidade de São Paulo. A média foi de 65,4%. Em março, abril e junho, a taxa atingiu picos de 70%. Os índices mais elevados apareceram nos hotéis de categoria mais luxuosas. Já a região de maior procura foi a da avenida Paulista e Vila Mariana, onde a ocupação foi de 73,3%. O levantamento, realizados pelo Observatório do Turismo, núcleo de pesquisas da SPTuris, mostra ainda que a taxa média de ocupação em albergues foi de 53,9%.

OGX PERDE PESO NO IBOVESPA NA PRIMEIRA PRÉVIA DIVULGADA PELA BM&FBOVESPA

O peso das ações da OGX, petroleira de Eike Batista, caiu na primeira prévia da carteira teórica do principal índice do mercado, Ibovespa, que passará a vigorar a partir de 2 de setembro até 3 de janeiro de 2014. A ação da empresa do grupo EBX perdeu mais de 80% do valor este ano, mas continua sendo uma das mais negociadas do mercado. Na primeira prévia do Ibovespa, o peso da OGX no índice caiu de 5,061% para 4,390%, passando ao quarto lugar entre as mais negociadas. Sem as empresas de Eike Batista, o índice da Bolsa teria queda de 14% em 2013, e não de 21%  As ações preferenciais da Vale continuam liderando a lista, com peso de 8,278% do índice, seguida pelas preferenciais da Petrobras, com peso de 7,667%. As preferenciais do Itaú Unibanco, com peso de 4,47% passaram a frente da OGX, ficando em terceiro lugar no índice. O Bradesco é o quinto maior peso, com 3,615% na primeira prévia da carteira.

BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 1,9 BILHÃO, PIOR RESULTADO PARA O MÊS EM 20 ANOS

A balança comercial brasileira, que mostra a diferença entre as importações e as exportações do País, registrou deficit de US$ 1,9 bilhão em julho, o pior resultado para o mês da série histórica, iniciada em 1993. Com isso, o saldo comercial no acumulado do ano ficou negativo em US$ 5 bilhões, também um recorde histórico. Antes, o maior deficit havia sido registrado em 1995, quando o saldo ficou negativo em US$ 4,2 bilhões nos primeiros sete meses do ano. No mesmo período do ano passado, o saldo ficou positivo em US$ 9,9 bilhões. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O País já abriu o ano com perspectiva de déficit nos primeiros meses diante do atraso no registro de importações de combustíveis da Petrobras no valor de US$ 4,5 bilhões. As operações de compra da estatal foram feitas ao longo do segundo semestre de 2012, mas contabilizadas apenas este ano devido a uma mudança nas regras de registro da Receita Federal. Além disso, houve queda na venda de commodities importantes, como petróleo. Até o mês passado, o governo vinha reiterando a previsão de superávit para a balança comercial ao fim do ano.

HOSPITAL ANUNCIA QUE NÃO DIVULGARÁ BOLETINS SOBRE ESTADO DE SAÚDE DO EX-MINISTRO PETISTA LUIZ GUSHIKEN

O ex-ministro Luiz Gushiken está internado no hospital Nove de Julho, em São Paulo. A causa de sua internação e seu estado de saúde, entretanto, não são comentados pelo hospital, que não emitirá boletins médicos. A internação foi divulgada nesta quinta-feira. Em outubro de 2011, Luiz Gushiken declarou que o fato de estar em tratamento contínuo e morando no interior de São Paulo não permitia que ele fizesse política. Em fevereiro de 2012, ele foi internado no mesmo andar que o ex-presidente Lula no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

RENAN CALHEIROS CONFIRMA VOTAÇÃO DE "PAUTAS BOMBAS" COM FORTE IMPACTO NAS CONTAS PÚBLICAS

Em meio às negociações do Palácio do Planalto para melhorar sua relação com o Congresso, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), confirmou nesta quinta-feira a votação de "pautas bombas" que têm forte impacto nas contas públicas. Renan Calheiros confirmou a votação da proposta que institui passe livre para estudantes no transporte público e o Plano Nacional de Educação, que prevê mais investimentos no setor. Também preocupa o governo a proposta que destina 10% da receita corrente bruta da União à área de Saúde. As matérias ganharam força com as manifestações de junho, mas podem provocar um rombo de cerca de R$ 45 bilhões nos cofres públicos. "O Congresso tem demonstrado muito compromisso com a responsabilidade fiscal. Definitivamente, o Congresso não vai assumir a irresponsabilidade fiscal. Ele sempre decidiu de acordo com os interesses do país", disse Renan Calheiros. O governo ainda discute alternativas para evitar o aumento de gastos. No caso da saúde, a idéia é trocar a receita corrente bruta da União pela receita corrente líquida, o que pode reduzir os gastos em 50%. Para o transporte escolar gratuito, os senadores ainda discutem uma forma de financiamento. Uma das opções seria garantir parte dos recursos dos royalties de petróleo que serão aplicados em educação. Com o receio de ser derrotado em temas delicados, o Planalto se comprometeu com a liberação de R$ 2 bilhões em emendas parlamentares e está prometendo ampliar o diálogo com aliados. Renan Calheiros disse que falta à Casa votar "poucas matérias" em resposta aos protestos das ruas ocorridos em junho.

PT NÃO CONSEGUE APROVAR MOÇÃO NO FORO DE SÃO PAULO

Os partidos brasileiros que participaram do Encontro de Juventudes do Foro de São Paulo nesta quinta-feira não conseguiram incluir suas resoluções na declaração de intenções do grupo, que será votada no encerramento do encontro, no domingo. O PT pretendia apresentar uma moção pedindo que o governo brasileiro conceda asilo ao técnico americano Edward Snowden, que revelou o esquema de monitoramento de dados de internet e telefones feito pelos Estados Unidos. Na noite de quarta-feira foi lida uma proposta de declaração final das juventude dos países latino americanos, participantes do foro. O texto continha colocações genéricas sobre a "ameaça do imperialismo ianque" para derrubar governos progressistas e contra a espionagem "descarada" dos Estados Unidos. As propostas de resoluções específicas dos partidos, no entanto, não chegaram sequer a ser discutidas. No início da tarde, durante reunião de preparação para um encontro para o Festival Mundial da Juventude Democrática, que acontecerá no Equador em dezembro, o PDT tentou ainda incluir a aprovação de uma resolução de apoio a um projeto do líder de sua bancada na Câmara, deputado André Figueiredo (CE), que, segundo a legenda, destina R$ 300 bilhões para a educação, "enquanto o governo quer destinar R$ 29 bilhões". A reunião de juventudes faz parte do 19º Encontro do Foro de São Paulo, que reúne partidos e organizações de esquerda da América Latina.

DÓLAR SOBRE QUINTA-VEZ SEGUIDA E ULTRAPASSA COTAÇÃO DE R$ 2,30

Absorvendo as notícias positivas da economia americana no dia anterior, investidores na Bolsa de Valores de São Paulo foram às compras de ações no pregão desta quinta-feira, o que levou o Ibovespa em 1,87%, para 49.136 pontos. O dólar comercial também subiu, encerrando o pregão em R$ 2,3020. A moeda abriu o dia em queda, mas no início da tarde inverteu o rumo e encerrou o dia em com a quinta alta seguida, dessa vez de 0,85%. Os investidores estariam "testando" o Banco Central à espera de novos leilões. As ações européias fecharam em alta, com o índice de blue-chips atingindo máxima de dois meses após uma série de resultados corporativos acima das estimativas e com bons dados do setor industrial de diversos países.

LUCRO DA GERDAU CAI 27%, MAS FICA ACIMA DO ESPERADO

A Gerdau viu seu lucro líquido cair 27% no segundo trimestre, mas o resultado veio acima do esperado pelo mercado, em meio a foco maior no mercado interno do Brasil e controle de custos que incluiu redução de estoques. A companhia teve lucro líquido de 401 milhões de reais no segundo trimestre ante expectativa de resultado positivo de 323 milhões de reais. No primeiro trimestre, o lucro havia sido de 160 milhões. A geração de caixa, medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou 1,196 bilhão de reais, queda de 3,9% sobre o mesmo período do ano passado. A margem passou de 12,5% para 12,1%. Analistas, em média, esperavam Ebitda de 939 milhões, com margem de 10,7%. Com a estratégia de priorizar o mercado interno, que cobra preços maiores que os do Exterior pelo aço, a operação da Gerdau no Brasil elevou sua participação total no Ebitda do grupo para 58%, ante 43,7% no segundo trimestre de 2012. A América Latina também teve maior peso, passando de 5,2% para 8,4%. O lucro da companhia poderia ter sido melhor não fosse uma piora no resultado financeiro, cujas despesas dispararam quase 64% na comparação anual e saltaram quase três vezes sobre o primeiro trimestre, para 548 milhões de reais. A Gerdau, que tem operações industriais em 14 países, apurou receita líquida consolidada de 9,88 bilhões de reais, praticamente estável sobre o nível do ano passado, mas 7,8% acima do faturamento do primeiro trimestre. A companhia afirmou no balanço que as exportações do Brasil caíram quase 50% sobre o segundo trimestre de 2012 enquanto as vendas no mercado interno subiram 6%, a 1,5 milhão de toneladas. A produção total de aço bruto do grupo caiu 7,9% na comparação anual, a 4,65 milhões de toneladas, puxada por queda de 11% na América do Norte. Sobre o primeiro trimestre, porém, a empresa produziu 5,4% a mais, com o volume norte-americano crescendo 11,3%. Apesar de citar incertezas sobre o cenário econômico mundial, a Gerdau manteve plano de investimento de 8,5 bilhões de reais para o período de 2013 a 2017.

DÉFICIT COMERCIAL DE JANEIRO A JULHO É O MAIOR DA SÉRIE HISTÓRICA

A balança comercial brasileira acumulou déficit de 4,98 bilhões de dólares de janeiro a julho deste ano, informou nesta quinta-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O resultado é o pior para os sete primeiros meses de um ano da série histórica, que teve início em 1990. No mesmo período de 2012, a balança teve um superávit de 9,92 bilhões de dólares. Segundo o ministério, as exportações no acumulado deste ano somam 135,230 bilhões de dólares, com média diária de 926,2 milhões de dólares. Por outro lado, as importações atingem 140,219 bilhões de dólares, com média diária de 960,4 milhões de dólares. No mês de julho, as importações superaram as exportações em 1,897 bilhão de dólares, o pior resultado desde 1997, quando houve déficit de 550 milhões de dólares. O resultado veio pior que o esperado pela mediana dos especialistas consultados, que projetavam um saldo positivo de 480 milhões de dólares. Em junho, a balança comercial havia registrado superávit de 2,301 bilhões de dólares. No mês passado, as exportações somaram 20,807 bilhões de dólares e as importações, 22,704 bilhões de dólares, segundo o ministério. Os dados oficiais mostram ainda que a China continua sendo o país que recebe a maior quantidade das exportações brasileiras. Em julho, o Brasil exportou 4,092 bilhões de dólares aos chineses. No mesmo período do ano passado, foram 3,950 bilhões de dólares. Os Estados Unidos, na segunda posição, foram responsáveis por 2,228 bilhões de dólares das exportações brasileiras em julho. No mesmo mês do ano passado, o valor foi de 2,395 bilhões de dólares.

MINISTRO GILMAR MENDES DIZ: "TEMOS QUE DEIXAR DE SER REFÉNS DO MENSALÃO"

A duas semanas de o Supremo Tribunal Federal iniciar a análise dos recursos apresentados pelos condenados no julgamento do Mensalão do PT, o ministro Gilmar Mendes defendeu nesta quinta-feira o desfecho rápido do caso para que outros processos importantes sejam apreciados pela Corte. “Nós temos que deixar de ser vinculados, reféns, dessa ação penal. Precisamos dar continuidade à nossa vida”, afirmou Gilmar Mendes na retomada dos trabalhos do Supremo. Apesar das recentes manifestações populares cobrarem moralidade de agentes públicos, o ministro disse que o julgamento dos recursos não será pautado pela “voz das ruas”. “Isso é um julgamento totalmente técnico”, afirmou. Internamente, advogados dos mensaleiros avaliam que as pressões populares vão dificultar a revisão das penas aplicadas.

DÓLAR ALTO FAZ GOVERNO DA SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF DESISTIR DE ELEVAR IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

O governo da soberana bolivariana petista Dilma Rousseff decidiu não renovar a elevação das tarifas de importação para alguns insumos industriais. A alta, que incidia sobre 100 produtos, entrou em vigor em setembro do ano passado. Isso significa uma queda, em média, de 15 pontos porcentuais nas alíquotas. O anúncio foi feito nesta quinta-feira em coletiva do ministro da Fazenda, Guido Mantega. As novas alíquotas passam a valer no próximo mês. Há um ano, o governo da soberana bolivariana petista decidiu elevar para 25% as tarifas que, em média, ficavam entre 8% e 12%. Na ocasião, a intenção era proteger a indústria brasileira das importações, favorecidas pelo dólar relativamente desvalorizado.  "A nossa realidade cambial mudou. Hoje nós temos um real mais desvalorizado e, dessa maneira, não faz sentido manter essa elevação de tarifas de importação", disse Mantega. Cem produtos de 14 setores diferentes haviam sido influenciados pelo aumento da tarifa. Na lista estão os produtos siderúrgicos, vidros, pneus, papel, derivados de petróleo e calçados. Guido Mantega afirmou que o fim da elevação deve favorecer a produção nacional. "Significa que a indústria de transformação poderá obter insumos mais baratos e, desta maneira, terá mais competitividade", disse ele. "A indústria brasileira se fortaleceu e agora ela pode enfrentar uma concorrência maior", complementou o ministro.

SUPREMA CORTE ITALIANA MANTÉM CONDENAÇÃO DE SILVIO BERLUSCONI POR FRAUDE

A Suprema Corte da Itália manteve nesta quinta-feira a condenação do ex-premiê da Itália, Silvio Berlusconi, à prisão por fraude fiscal. Esta é a primeira condenação definitiva imposta a Berlusconi, que enfrenta vários processos, envolvendo desde acusações de fraude e corrupção a prática de sexo com uma prostituta menor de idade. No entanto, a sentença de quatro anos de prisão dada pela Justiça de Milão se converte automaticamente em um ano, com base na lei de indultos de 2006. Além disso, Berlusconi pode cumprir a pena em prisão domiciliar ou sob a forma de serviços comunitários, por ter 76 anos. Outra decisão de tribunais inferiores da qual a defesa do ex-premiê apelou permanece em aberto. A Suprema Corte ordenou uma corte de apelação para revisar a condenação a cinco anos longe de cargos públicos. A sentença poderá ser reduzida para um período entre dezoito meses e três anos. O possível afastamento de cargos públicos impediria Berlusconi de permanecer no cargo de senador e líder do Partido Povo e Liberdade (PdL), de centro direita. As implicações políticas da sentença que será revisada também podem abalar a frágil coalizão governista.

MINISTRO PETISTA GUIDO MANTEGA NEGA SAÍDA DE DIRETOR BRASILEIRO DO FMI

O ministro da Fazenda, o petista Guido Mantega, negou a possibilidade de o representante do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI), Paulo Nogueira Batista, ser destituído do cargo. Batista causou desconforto entre a direção do Fundo e o governo brasileiro após fazer comentários sobre a possibilidade de calote grego. As declarações foram feitas logo depois de Batista se abster na votação que determinaria a aprovação de um novo aporte financeiro à Grécia. Na manhã desta quinta-feira, o petista Guido Mantega afirmou que o governo não foi consultado sobre o novo aporte à Grécia, e que o País apóia a decisão do Fundo de liberar o dinheiro. Durante entrevista coletiva para anunciar mudanças na alíquota de importação para a indústria, o ministro disse que Paulo Nogueira Batista se manterá no cargo, mas foi chamado a Brasília para dar explicações. "Ele não tinha nos consultado a esse respeito. Hoje falei com a diretora Christine Lagarde e disse que posição do Brasil é que se libere, sim, o recurso para a Grécia", disse o ministro. Na quarta-feira, Paulo Nogueira Batista criticou a decisão do Fundo de liberar 1,7 bilhão de dólares para o país e citou haver riscos de não pagamento. Foi bastante incomum o uso de um comunicado público - que destacava a frustração das economias emergentes com a política de resgate a países europeus endividados adotada pelo FMI. Depois da repercussão negativa do comunicado, Paulo Nogueira Batista divulgou, ainda na quarta-feira, uma nota para esclarecer que suas avaliações sobre a decisão do Fundo em relação à Grécia representam uma visão pessoal e não refletem o posicionamento dos onze países por ele representados na diretoria executiva do FMI. A dívida grega só será sustentável se os demais países da zona do euro cumprirem a promessa de oferecer um maior alívio creditício a Atenas. A oferta está atrelada à realização de dolorosos cortes orçamentários e reformas que contribuem para manter a economia do país em recessão.

ACIMA DE 2.300 INSCRITOS NO "MAIS MÉDICOS" ESCOLHERAM MUNICÍPIOS PARA TRABALHAR

Dos 3.891 médicos que completaram o cadastro do Programa Mais Médicos, 2.379 indicaram os municípios em que desejam trabalhar, segundo balanço apresentado nesta quinta-feira pelo ministro da Saúde, o petista Alexandre Padilha. O prazo para indicação das cidades terminou no último domingo. "Mais de 2,3 mil médicos que têm registro profissional no País fizeram a conclusão da escolha do município e agora terão dois dias para fazer o processo de homologação”, explicou o ministro. Quem concluiu o cadastro, mas não informou em que município quer atuar, poderá indicar as opções a partir do dia 15 de agosto, quando o governo vai abrir novo prazo para inscrições e correção de dados de médicos inscritos no programa. A prioridade, segundo Padilha, será dos médicos brasileiros. Em seguida, as vagas não preenchidas serão ocupadas por profissionais estrangeiros. O Mais Médicos recebeu 16.530 inscrições prévias de médicos com diploma brasileiro ou revalidado. Destes, 3.891 completaram o cadastro. Os 1.920 médicos com diploma estrangeiro que também se inscreveram têm até o dia 8 de agosto para completar o cadastro. A demanda apresentada pelos municípios supera 15 mil médicos. Para o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mozart Sales, há uma proliferação de oferta de vínculos e esse é um dos motivos das desistências. O programa vai ter mais fases, segundo Sales, para suprir toda a demanda dos municípios. Lançado dia 8 de julho, por medida provisória, o Programa Mais Médicos tem como uma das metas levar profissionais para atuar durante três anos na atenção básica à saúde em regiões pobres do Brasil. O programa também prevê a possibilidade de contratar profissionais estrangeiros para trabalhar nesses locais, caso as vagas não sejam totalmente preenchidas por brasileiros. A medida tem sido criticada por entidades de classe, sobretudo pelo fato de o programa não exigir a revalidação do diploma de médicos de outros países.

DILMA, A EX-DONA DE UMA LOJINHA CHAMADA "PÃO & CIRCO", DECIDE AGORA ESTUPRAR A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL. NÃO TEM JEITO: ELA É RUIM DE DOER!

Malhar agora o governo Dilma é fácil. Todo mundo faz isso. Difícil era considerá-lo “ruim de doer” (expressão a que recorri algumas vezes) quando sua popularidade estava nos píncaros da glória, né? Leio alguns e algumas colunistas, que se especializaram na nobre arte de puxar o saco, e constato, quem diria?, até mesmo laivos de indignação com o poder de turno! Tenho certo espírito de porco, confesso… Quase, só quase, me vem a vontade de defender a governanta. Mas não dá. Afinal, esse é mesmo um… governo ruim de doer!!! Tão ruim quanto o jornalismo que dosa seus elogios e suas críticas segundo as vagas da opinião pública. Quero ver é chutar cachorro com as presas à mostra, não os de boca banguela. Mas isso é com os leitores, certo? Se há os que prestigiam os analistas que ora pensam uma coisa, ora o seu contrário, não há mesmo nada a fazer. Dilma só não está mais perdida porque, de fato, nunca havia se encontrado. Gostamos de pensar, porque isso nos conforta intelectualmente, que existe uma “razão da história”. Mas não há. Dilma é só uma personagem acidental de um — este, sim, existe — projeto de poder. Num dado momento, ela se transformou na figura mais adequada para representá-lo, para encarná-lo, até porque não ameaçava o seu principal narrador: Lula! Mas é fato que ela própria nunca soube bem por que estava lá e por que, a exemplo de toda dádiva, também esta lhe caiu no colo. O temperamento irascível foi transformado pelo marketing em convicção. E ela foi engabelando a turma. O fato, no entanto, é que a aparência severa escondia um deserto de ideias. Parafraseando a um só tempo os poetas Carlos Drummond e Ascenso Ferreira, pergunto: “Pra que tanta severidade, meu Deus?”. E respondo: “Pra nada!”. Dilma — muito provavelmente estimulada por Aloizio Mercadante, ministro da Educação alçado a primeiro-ministro in pectore — decidiu ter outra grande idéia depois que as ruas começaram a gritar: quer retirar os gastos de estados e municípios com mobilidade urbana do cálculo do endividamento de estados e municípios, em mais um exercício de contabilidade criativa, matéria em que Guido Mantega se tornou especialista. É um despropósito! A parte sensata das pessoas que ocupam as praças está cobrando mais seriedade do governo e do estado brasileiros. E a presidente decide responder como? Estuprado a Lei de Responsabilidade Fiscal, que serviu para pôr alguma ordem nas contas públicas. A LRF só não é melhor porque, infelizmente, o maior de todos os gastadores — o próprio governo federal — não está submetido aos mesmos rigores que vigem para estados e municípios. Ora, ora… A Lei de Responsabilidade Fiscal só foi criada para que prefeitos e governadores, sob o pretexto de fazer o bem, não estourassem os cofres, largando dívidas impagáveis para seus sucessores — na certeza de que, afinal de contas, entes da federação não quebram, não entram em falência; não no Brasil ao menos. Nos Estados Unidos, por exemplo, a coisa é diferente. Evidentemente não se fecham prefeituras e governos, mas eles ficam impedidos de gastar, e isso vale também para o governo federal. A LRF levou alguma ordem às contas públicas. Prefeitos e governadores podem ser legalmente responsabilizados por gestão temerária e perdem algumas vantagens na renegociação de dívidas com o governo federal. Se Dilma retirar da conta os “gastos com mobilidade”, vai acontecer o óbvio: abre-se uma vereda para que desembolsos efetuados em outras áreas entrem nessa rubrica. E lá vai para o vinagre a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não custa lembrar que o petismo primitivo recorreu ao Supremo contra a LRF. Quando Lula chegou ao poder, a ação do partido tramitava no tribunal, embora Antonio Palocci, então ministro da Fazenda, a considerasse essencial para governar o Brasil… Isso é o PT! Então não havia o que o governo pudesse fazer para incentivar a tal mobilidade? Ora, dá para fazê-lo por intermédio da abertura de linhas de crédito ou da desoneração fiscal, mas isso não surtiria o efeito desejado. O que o governo está tentando fazer é menos resolver o problema do que dar uma folga para governadores e prefeitos gastarem mais. Sim, o governo Dilma é ruim de doer! Bem ou mal, a gestão petista tinha um tripé de credibilidade: política de meta da inflação, câmbio flutuante e controle fiscal. A propaganda sempre foi mais efetiva do que os fatos, é bem verdade. Mas ainda era melhor do que o descrédito. Em dois anos e meio, a gestão Dilma fez intervenções desastradas nos dois primeiros itens e, agora, anuncia que vai jogar uma pá de cal no terceiro. Antes, o pretexto era o crescimento. Não cresceu. Agora, diz que está a responder à reivindicação das ruas… Ai, ai… As praças pedem mais saúde e mais educação, e Dilma dá autorização para que se arrombem os cofres públicos e se enterre a LRF. Então a gente volta à origem das coisas, não é? Em 1994, entre uma função pública e outra, Dilma abriu uma lojinha de bugigangas importadas do… Panamá!!! O negócio durou um ano e meio. Teve de ser fechado, sob ameaça de falência. O empreendimento tinha um nome, que fornece uma piada pronta, embora seja verdade: “Pão & Circo”. Por Reinaldo Azevedo

DÉFICIT COMERCIAL NO MÊS DE JULHO É O PIOR PARA O MÊS DESDE 1997

A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 1,897 bilhão em julho, segundo dados divulgados na tarde desta quinta-feira, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O resultado é o pior para o mês desde 1997, quando houve déficit de US$ 550 milhões. O resultado ficou abaixo da mediana das estimativas do mercado financeiro de superávit de US$ 500 milhões. As exportações alcançaram US$ 20,807 bilhões em julho, com média diária de US$ 904,7 milhões. As importações totalizaram US$ 22,704 bilhões e média diária de US$ 987,1 milhões. Há um ano, houve superávit de US$ 2,866 bilhões. O Ministério do Desenvolvimento divulgou ainda que, na quarta semana de julho, o déficit somou US$ 1,346 bilhão, com exportações de US$ 4,331 bilhões e importações de US$ 5,677 bilhões. Na quinta semana, o saldo da balança comercial ficou negativo em US$ 688 milhões, fruto de exportações de US$ 2,071 bilhões e de importações de US$ 2,759 bilhões.

PETRALHADA FAZ ATO DE ESCRACHO EM SANTA MARIA E JOGA TINTA VERMELHA NO PRÉDIO DO GABINETE DO PREFEITO

Cerca de 100 pessoas realizaram nesta quinta-feira um "ato de escracho" contra o prédio onde se localiza o gabinete do prefeito de Santa Maria, jogando balões cheios de tinta vermelha contra as paredes. Os manifestantes são os mais manjados possíveis, fazem partes de organizações clandestinas sustentadas pelo PT, como Bloco de Lutas, do Luto à Luta e do DCE da Universidade Federal de Santa Maria. A petralhada, naturalmente, quer a renúncia do prefeito Cezar Schirmer, do PMDB. Naturalmente, esta petralhada não protesta contra o governador do Rio Grande do Sul, o peremptório petista Tarso "Nero" Genro, comandante supremo do Corpo de Bombeiros, apontado nos dois processos judiciais como o grande responsável pela tragédia da boate assassina Kiss. A petralhada quer retomar a iniciativa pública em Santa Maria. Já faz isso há muitos anos. Tudo começou com a ilegal Operação Rodin, que agiu contra a lei, conforme já sentenciado pelo Supremo Tribunal Federal, para caçar e cassar adversários políticos, promover a paralisia dos partidos políticos e torná-los reféns do projeto político do peremptório petista Tarso Genro, no seu objetivo de alcançar o governo do Estado do Rio Grande do Sul.

MINISTÉRIO DA SAÚDE AMPLIA EM QUASE R$ 600 MILHÕES RECURSOS PARA CIRURGIAS ELETIVAS

O Ministério da Saúde ampliou em R$ 579,1 milhões os recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) para cirurgias eletivas (agendadas). A portaria que amplia o aporte orçamentário para os Estados e os municípios foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União. O montante total deverá ser executado até junho de 2014 e será pago em duas parcelas. Os primeiros 40% (R$ 231,6 milhões) serão liberados imediatamente, os 60% restantes, mediante a publicação de outra portaria. Para ter acesso a esses recursos, os Estados e municípios têm de ter executado, até abril deste ano, o mínimo de 50% do que havia sido repassado para o exercício anterior, de 2012 e 2013. A tabela com os valores exatos destinados a cada Estado e município está disponível na internet.

EDWARD SNOWDEN RECEBE ASILO DA RUSSIA APÓS FAZER NOVAS REVELAÇÕES

O ex-consultor norte-americano Edward Snowden já saiu do Aeroporto de Sheremetievo, em Moscou, onde estava há mais de um mês, depois de ter recebido das autoridades russas os documentos necessários, anunciou seu advogado, Anatoli Kutcherena. “Acabei de entregar a Snowden os documentos do Serviço Federal de Migração russo. Eles permitem sair do aeroporto”, disse o advogado russo. Segundo ele, Snowden está em um local seguro que não será revelado por questões de segurança. Snowden trabalhava em uma empresa que prestava serviços à Agência Nacional de Segurança (NSA) e é acusado de espionagem pelo governo dos Estados Unidos. No dia 16 de julho, ele pediu asilo temporário à Rússia. Segundo o advogado, o pedido foi aceito, permitindo a Snowden permanecer no país pelo prazo de um ano. Snowden estava desde o dia 23 de junho no aeroporto moscovita, onde chegou proveniente de Hong Kong, para onde tinha viajado depois de abandonar o emprego  no Havaí. Na quarta-feira, o jornal The Guardian publicou novos documentos revelados por Snowden mostrando que um sistema de vigilância secreto, conhecido como XKeyscore, permite aos Estados Unidos acessar  “praticamente tudo o que um usuário típico faz na internet”. O programa, segundo o jornal, é o de maior alcance utilizado pela Agência Nacional de Segurança (NSA). A existência do XKeystore confirma, segundo o The Guardian, a anterior alegação de Snowden, negada por autoridades norte-americanas, de que antes de deixar a NSA podia “escutar qualquer pessoa, você ou o seu contador, um juiz federal ou mesmo um presidente, desde que tenha um email pessoal”.

ÍNDICE DE INFLAÇÃO SEMANAL REGISTRA VARIAÇÃO DE - 0,17% NA ÚLTIMA SEMANA DE JULHO, DIZ A FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresentou queda de 0,17% no encerramento de julho. Foi a segunda redução no mês e o índice está 0,06 ponto percentual menor do que o registrado na apuração anterior, relativa à terceira prévia de julho (- 0,11%). No acumulado do ano, houve alta de 3,12% e nos últimos 12 meses o índice subiu 5,80%. A pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) em sete capitais mostra que em três dos oito grupos analisados ocorreram quedas. A baixa mais expressiva ocorreu no grupo vestuário com -1,13% ante um recuo de 0,54%, na terceira prévia do mês. Entre os itens dessa classe de despesa cujos preços caíram mais estão as roupas, passando de - 0,61% para - 1,48%. Os dois grupos com recuo na média dos preços são: alimentação (- 0,49% ante - 0,42%) com destaque para hortaliças e legumes que ficaram 10,8% mais baratos, ante queda de 12,95%; e transportes com variação negativa de 0,7%, ante recuo de 0,8% na apuração passada. O item transportes teve influência da redução das tarifas de ônibus urbano (- 2,66%, ante - 3,07%). À exceção do item saúde, com alta de 0,38% ante 0,35%, os demais grupos apresentaram decréscimos. Em habitação, o índice passou de 0,36% para 0,27%; em educação, leitura e recreação, de 0,23% para 0,16%; em comunicação, de 0,12% para 0,05% e em despesas diversas, de 0,29% para 0,28%. Os principais itens que influenciaram o IPC-S são: leite tipo longa vida (6,16% ante 5,72%); refeições em bares e restaurantes (0,59% ante 0,74%); aluguel residencial (0,7% ante 0,67%); plano e seguro de saúde (estável em 0,62%) e mão de obra para reparos em residência (0,89% ante 0,49%).

GOVERNO DA SOBERANA BOLIVARIANA PETISTA DILMA ROUSSEFF NÃO SABE QUANTOS BRASILEIROS TÊM IMÓVEIS NO EXTERIOR

Apesar do crescente interesse de brasileiros por imóveis no Exterior, nem o governo nem o setor privado sabem ao certo quantas pessoas têm casa própria em outros países. Os dados existem, já que a propriedade tem que ser declarada à Receita Federal e ao Banco Central. O problema é que nenhuma instituição se debruça sobre as informações fornecidas. “Embora os registros existam, não há dados públicos ou privados sobre esse mercado porque não há, hoje, mecanismos de coleta automática e sistemática dessas informações”, disse o engenheiro Francisco Pesserl, assessor para Assuntos Internacionais do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci). “Sabemos apenas que há divisas saindo, mas não para onde esse dinheiro está indo”, disse Pesserl, apontando, entre os principais destinos dos investimentos brasileiros, os Estados Unidos, Portugal e a Espanha. A Secretaria da Receita Federal informou que, embora os contribuintes sejam obrigados a declarar os bens no Imposto de Renda, as informações não são filtradas e organizadas. Dessa forma, a instituição não tem como responder quantos imóveis no Exterior pertencem a brasileiros, a quantidade de dinheiro investido por brasileiros neste tipo de negócios, quais os países mais procurados e a evolução do interesse pela compra de imóveis no Exterior. Informações gerais dão conta que o investimento brasileiro direto em atividades imobiliárias no Exterior aumentou quase 360% entre 2007 e 2011, período em que os gastos saltaram de US$ 307 milhões para US$ 1,10 bilhão.

PORTUGUESES ATRAEM ESTRANGEIROS COM OFERTA DE VISTO A QUEM DESEMBOLSE 500 MIL EUROS NA COMPRA DE IMÓVEL

Com a economia em recessão há dois anos e meio e sem a perspectiva imediata de retomada do crescimento econômico, Portugal tenta atrair dinheiro estrangeiro para o mercado imobiliário. Uma lei que entrou em vigor há menos de um ano prevê a concessão de cidadania européia a investidores, inclusive quem disponha de pelo menos 500 mil euros (mais de R$ 1,5 milhão) para adquirir uma casa e apartamento no país. De acordo com a normatização, para conseguir o visto não é preciso se mudar para Portugal. A exigência é que o comprador permaneça sete dias no primeiro ano para ter visto de residência provisório e 14 dias nos dois biênios subsequentes. Após cinco anos, o comprador pode pedir o visto de residência permanente e no sexto ano tem direito a pedir a cidadania portuguesa. O valor, próximo ao praticado em imóveis de classe média alta em endereços nobres de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, permite a aquisição de um apartamento de luxo e bem localizado em Lisboa ou arredores, como Cascais e Estoril. Apesar dessas vantagens, o mercado imobiliário em Portugal está em baixa. Até março, havia quase 692 mil empréstimos de habitação inadimplentes. Dados do Banco de Portugal revelam que nos dois últimos anos os empréstimos para habitação caíram de forma mais acentuada que os empréstimos para bens de consumo, ainda que as taxas de juros estejam contidas e que os preços dos imóveis estejam em baixa. Há cerca de 10 mil imóveis vazios no país segundo declaração do presidente da agência estatal Turismo de Portugal, Frederico Costa. Além do visto para quem queira investir no mercado imobiliário, os portugueses acenam com a possibilidade de isenção de Imposto de Renda para aposentados estrangeiros que queiram morar no país.

BRASIL GASTOU R$ 1,6 BILHÃO EM 2010 COM COOPERAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL

Em 2010, o Brasil gastou R$ 1,6 bilhão - US$ 923 milhões - em cooperações destinadas ao desenvolvimento internacional. O valor é 91,2% maior do que o registrado no ano anterior. Do total, R$ 965 milhões, equivalente a 66,3% do total, correspondem a gastos com cooperações multilaterais e R$ 491 milhões (33,7%) com cooperações bilaterais. Os números constam do relatório Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi), divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea, uma espécie de Ibope do PT). A publicação contabiliza os gastos dos órgãos da Administração Pública Federal, em 2010, com a cooperação para o desenvolvimento internacional. Entre as despesas públicas estão desembolsos feitos por meio de tratados, convenções, acordos, protocolos, atos institucionais ou compromissos internacionais. Os gastos correspondem à disponibilização de pessoal, infraestrutura e recursos financeiros mediante a capacitação de indivíduos e o fortalecimento de organizações e instituições no Exterior, além da organização ou participação do País em missões, como a manutenção da paz e da gestão de programas e projetos científicos e tecnológicos em conjunto com outros países e institutos de pesquisas. Estão previstos no estudo, também, os gastos em cooperações humanitárias, apoio a refugiados, contribuições com organismos internacionais e doações oficiais. Segundo o técnico de planejamento e pesquisa do Ipea e coordenador do Cobradi, João Brígido Lima, o Haiti é o país que mais detém colaboração brasileira. O país recebeu R$ 92,4 milhões em investimentos. “Esses valores foram destinados a ações como as de aperfeiçoamento de sistemas de produção de milho, feijão, arroz, mandioca, hortaliças, agricultura familiar, segurança alimentar e nutricional, bem como para aprimorar o programa de imunização e o tratamento contra a cólera no Haiti. Resultou, ainda, em uma melhor preparação de quadros para gerenciar a saúde no páís e o envio de 10 mil doses de vacinas contra hepatite B”, detalhou Brígido.

PETISTA LUCIANO COUTINHO DIZ QUE RESULTADO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FOI BOM E REVELA CONFIANÇA

O presidente do BNDES, o petista Luciano Coutinho (aquele que joga bilhões de reais de recursos públicos fora, em investimentos no falido grupo X), disse nesta quinta-feira considerar bom o resultado da produção industrial nacional, que subiu 1,9% em junho na comparação com maio, conforme divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "É relevante sublinhar que, considerando as circunstâncias todas, é um bom resultado, um excelente resultado para um mês em que houve um movimento forte da taxa de câmbio e maior incerteza no cenário internacional", disse Luciano Coutinho. A produção industrial cresceu 3,1% em comparação a junho de 2012. No acumulado de 2013, a taxa de crescimento é 1,9% e, nos últimos doze meses, acumula alta de 0,2%. O crescimento de 1,9% frente a maio – quando a produção industrial caiu 1,8%, para o presidente do BNDES "revela que o estado de confiança das indústrias em planos de produção foi mantido".

MANIFESTANTES CONTINUAM ACAMPADOS PERTO DO PRÉDIO DO GOVERNADOR SÉRGIO CABRAL

Pelo menos 40 manifestantes continuam acampados na esquina da Rua Aristides Espínola com a Avenida Delfim Moreira, no Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro, próximo ao prédio onde mora o governador Sérgio Cabral. O grupo está no local desde domingo, realizando um protesto intitulado "Ocupa Cabral". Eles pedem a saída do governador, a desmilitarização da polícia e maiores investimentos nas áreas da saúde e da educação, entre outras questões. Uma faixa de trânsito da Delfim Moreira está interditada e o policiamento na região foi reforçado por homens da Polícia Militar e da Guarda Muncipal. Segundo a porta-voz do grupo, Luiza Dreyer, o grupo permanecerá no local por tempo indeterminado: "Nós acreditamos que essa é a melhor maneira de pressionar o poder público. Estamos cobrando uma série de questões que há muito tempo foram esquecidas pelo governo. Os moradores têm nos dado apoio e contribuído com doações de alimentos e roupas. Nós temos grupos de discussões, e quem quiser chegar, debater e conhecer nossas demandas, pode chegar. Estamos aqui pacificamente. Não queremos guerra". Recentemente o governador apelou aos manifestantes, para que eles parassem de protestar nas imediações de sua casa. Cabral alegou que tem filhos pequenos e que eles não mereciam passar por isso.

ESTUDANTES QUE FIZEREM O ENEM TERÃO MAIOR OFERTA DE VAGAS NO ENSINO TECNOLÓGICO

O ministro da Educação, o aloprado petista Aloizio Mercadante, disse nesta quinta-feira que vai lançar um programa para ampliar a oferta de ensino tecnológico profissionalizante com seleção a partir da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os detalhes serão anunciados na próxima semana, segundo Mercadante. Nos moldes do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) – que oferece vagas em instituições públicas de ensino superior e nos institutos federais de ciência e tecnologia e centros federais de educação tecnológica – o SisuTec vai concentrar a oferta de vagas nas instituições federais de ensino tecnológico profissionalizante. De acordo com o ministro, a quantidade de vagas passará por grande ampliação e participação das melhores escolas da área. “Dentro do Sisu, além das vagas nas universidades públicas, vamos fazer grande oferta de vagas no ensino tecnológico profissionalizante”, disse Mercadante após participar de cerimônia de entrega de ônibus escolares do Programa Caminho da Escola para o Distrito Federal. O Sisu foi desenvolvido pelo Ministério da Educação para selecionar candidatos às vagas das instituições públicas de ensino superior a partir da nota obtida no Enem. A seleção é feita pelo sistema com base na nota obtida pelo candidato.

MINISTROS ENTREGARÃO AO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO OS ESTUDOS PARA PRIVATIZAÇÃO DOS AEROPORTOS DE CONFINS E DO GALEÃO

Os ministros da Casa Civil, a petista Gleisi Hoffmann, e da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, entregaram nesta quinta-feira, ao presidente interino do Tribunal de Contas da União, Aroldo Cedraz, os estudos de privatização dos aeroportos internacionais Tom Jobim/Galeão, no Rio de Janeiro, e o de Confins, em Belo Horizonte. O leilão de privatização dos aeroportos deverá ocorrer no dia 30 de outubro e terá mais exigências do que as concessões de terminais feitas anteriormente. As minutas dos editais dos dois leilões de privatizações já foram aprovadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Para o aeroporto do Galeão, a privatização pela concessão terá prazo de 25 anos e será exigido um investimento de R$ 5,2 bilhões no período. Entre as melhorias previstas estão a ampliação do terminal de passageiros, o novo terminal de cargas, o novo pátio de aeronaves e uma nova pista independente. Em Confins, será preciso um aporte de R$ 3,5 bilhões, em 30 anos, que é o prazo da privatização por concessão. Entre os investimentos estão um novo terminal de passageiros, um novo estacionamento, um novo pátio de aviões e uma nova pista independente. Os vencedores dos leilões anteriores de aeroportos não poderão participar das licitações de Confins e do Galeão.

EMBRATUR ASSEGURA QUE 90% DOS TURISTAS ESTRANGEIROS DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE SAÍRAM SATISFEITOS DO BRASIL

Quase todos os turistas estrangeiros que vieram para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro, querem voltar ao País, de acordo com um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur). Os dados divulgados nesta quinta-feira ainda serão detalhados, mas já mostram mudanças nas perspectivas dos turistas que vêm de outros países. No total, 500 pessoas foram ouvidas entre 23 e 28 de julho e 89% delas disseram que deixaram o Brasil satisfeitos ou muito satisfeitos com o que viram. “Esses eventos internacionais têm a capacidade de atrair novos públicos e fazer com que mais pessoas conheçam o País. Além de gerarem um ganho econômico imediato, ainda trazem esse plus para o futuro, com a intenção de essas pessoas retornarem ao País”, afirmou Flávio Dino, presidente da Embratur. A maior parte das pessoas que participaram do levantamento não conhecia o Brasil. Para oito em cada dez turistas a Jornada Mundial da Juventude marcou a primeira vez no País. O governo tem apostado nos megaeventos para manter o setor de turismo aquecido e em ascensão. No ano passado, o setor movimentou R$ 247 bilhões. O valor superou as marcas de 2011 (R$ 238 bilhões) e de 2010 (R$ 228 bilhões). Para Dino, o fato de esses eventos atraírem um público muito específico não compromete as expectativas de impacto de longo prazo sobre o setor. “São pessoas que hoje vêm para participar de um evento em uma igreja ou em um estádio e que, em dez anos, terão outras condições econômicas e poderão pagar um hotel na próxima vez que vierem”, completou. A pesquisa da Embratur mostrou que a maioria dos turistas estrangeiros é formada por argentinos (40%). Paraguai (9%), Chile (8%), Colômbia (7,6%), Peru (4%), México (3,6%) e Bolívia (3,2%) foram os outros países que mais enviaram turistas. Ou seja, só cucarachos.

PARLAMENTARES UNIRÃO FORÇAS PARA GARANTIR A CRIAÇÃO DE TRIBUNAIS REGIONAIS FEDERAIS

Parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado que integram a Frente Parlamentar Mista de Criação de Tribunais Regionais Federais pretendem ir de gabinete em gabinete no Supremo Tribunal Federal para tentar convencer os ministros a revogar uma liminar concedida pelo presidente da Corte, Joaquim Barbosa. A decisão de Joaquim Barbosa suspendeu emenda à Constituição aprovada pelo Congresso Nacional que criou mais quatro TRFs (6ª, 7ª, 8ª e 9ª Regiões), com sedes em Curitiba, Salvador, Belo Horizonte e Manaus. A estratégia foi discutida nesta quinta-feira em ato público no Senado em defesa da criação desses tribunais. O evento teve a participação de parlamentares, procuradores, juízes e advogados. Na quarta-feira, integrantes da frente conversaram com governadores de Estados atingidos pela liminar de Joaquim Barbosa: Beto Richa, do Paraná; Jaques Wagner, da Bahia, e Antônio Anastasia, de Minas Gerais. A idéia é unir forças para derrubar a liminar. “No recesso, o ministro Joaquim Barbosa concedeu uma liminar que, em nossa opinião, foi muito rápida, para não chamar de sorrateira, que precisa ser revista. Para isso, precisamos convencer dez ministros do Supremo de que a prerrogativa do Congresso de apresentar a emenda é correta”, disse o vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-RR). Quando um deputado do PT está de um lado em uma determinada questão, desconfie, o certo deve estar do outro lado.

JOSÉ SERRA PROCURA A ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA E DENUNCIA: "DILMA SATANIZA OS MÉDICOS PARA JUSTIFICAR O CASO NA SAÚDE PÚBLICA"

O ex-governador José Serra (PSDB), também ex-ministro da Saúde, voltou na quarta-feira à agenda oficial do PSDB paulista. O partido convocou a imprensa para acompanhar sua visita à Associação Médica Brasileira (AMB), ao aderir à campanha "Saúde Mais 10", que coleta assinaturas para proposta de iniciativa popular que obriga a União a vincular 10% da receita federal bruta com a saúde. A iniciativa mostra que a ala paulista do partido não está pronta a ceder espaço para o senador mineiro Aécio Neves. José Serra não poupou o governo federal de críticas, como ex-ministro da Saúde: "O governo Dilma Rousseff reagiu de forma midiática ao apresentar o programa Mais Médicos. Criaram uma cortina de fumaça. Querem satanizar os médicos e responsabilizá-los pelo caos na saúde". Para ele, o problema da falta de profissionais está relacionado com a má distribuição regional.

NÚMERO DE ASSASSINATOS PARA ROUBAR EXPLODEM NO RIO GRANDE DO SUL NO GOVERNO DO PEREMPTÓRIO PETISTA TARSO GENRO, EM UM GOVERNO QUE NÃO GOVERNA

O Rio Grande do Sul teve um aumento de 31,6% nos latrocínios no primeiro semestre deste ano, em comparação com igual período de 2012. De janeiro a junho do ano passado, foram 38 roubos seguidos de morte. Agora são 50. O aumento concentrou-se no período de janeiro a março, quando os latrocínios mais do que dobraram, passando de 16, em 2012, para 35, em 2013. No segundo trimestre, houve queda de 32,8%, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pela Secretaria Estadual da Segurança Pública. Esse é o reflexo mais evidente do que representa o "(des)governo do peremptório petista Tarso Genro, de insegurança total. Nos homicídios, houve queda de 6,3% no semestre. Foram registradas 965 mortes em 2013, contra 904 em 2012. Nos crimes contra o patrimônio, a tendência foi de aumento, com destaque para o furto de veículos (teve um incremento de 14,4%) e o roubo (12,6%).
Os números
As estatísticas da segurança pública gaúcha de janeiro a junho nos últimos três anos:
Homicídio doloso
2011: 780 casos
2012: 965 casos (23,7%)
2013: 904 casos (-6,3%)
Furto
2011: 84.693 casos
2012: 80.754 casos (-4,6%)
2013: 77.852 casos (-3,6%)
Furto de veículo
2011: 7.369 casos
2012: 7.309 casos (-0,8%)
2013: 8.363 casos (14,4%)
Roubo
2011: 22.384 casos
2012: 22.353 casos (-0,13%)
2013: 25.166 casos (12,6%)
Roubo de veículo
2011: 5.536 casos
2012: 5.834 casos (5,4%)
2013: 6.091 casos (4,4%)
Latrocínio
2011: 39 casos
2012: 38 casos (-2,5%)
2013: 50 casos (31,6%)
Tráfico
2011: 4.238 casos
2012: 4.623 casos (9%)
2013: 4.860 casos (5,1%)
Os índices da (in)segurança pública na Rio Grande do Sul são lamentáveis. E todas as medidas apresentadas pelo peremptório petista Tarso Genro demonstram resultar em fracasso. Não poderia ser diferente, quando ele tornou o aparato estatal policial em uma secção do partido, o PT. É o caso emblemático da Brigada Militar, na qual colocou como comandante geral o coronel araponga Fábio Duarte Fernandes, cujo grande mérito foi o de ter sido chefe do grupo de Defesa do PT, e também por pertencer ao grupelho petista neotrotskista DS (Democracia Socialista). O último grande feito do governo do peremptório petista Tarso Genro foi ter declarado que não tinha condições de assegurar segurança para o Grenal, e decretado que o jogo teria apenas a torcida do Grêmio. E 24 horas depois voltou ao absoluto contrário, Ou seja, o peremptório petista Tarso Genro é igual a biruta de aeroporto em dia de ventos cruzados. Ele nunca sabe para que lado vai virar.

SNOWDEN, MAIS UM DELINQUENTE ALÇADO À CONDIÇÃO DE HERÓI, EXPÕE CRISE DE VALORES DE NOSSO TEMPO. OU: VIVA O MONITORAMENTO CONTRA O TERRORISMO!

Edward Snowden, o delinquente americano alçado à condição de herói pela crise de valores dos nossos dias, deixou o aeroporto Sheremetyevo, em Moscou, de posse de um documento que lhe garante asilo temporário. Ficará na Rússia por algum tempo, até escolher seu destino. Três países lhe ofereceram estadia permanente: Bolívia, Venezuela e Nicarágua. Bem feito! Já escrevi três artigos focados nesse tipinho à-toa, o namorado da dançarina que, numa pegada, digamos assim, psicanalítica, resolveu compensar a possível humilhação sexual posando de herói dos direitos individuais, agora em parceria com outro delinquente buliçoso: Julian Assange, do WikiLeaks. Não é mesmo impressionante que gente dessa laia entre em confronto com os Estados Unidos, mas não com China, Irã ou, para ficar no caso em espécie, a Rússia, que só mesmo um empirista burro e empedernido classificaria de “democracia”? Não estou sugerindo nenhuma conspiração, não! Até porque não é necessário. Os fatos conspiram por si mesmos. É evidente que as denúncias de Snowden atuam, de maneira objetiva e pontual, em favor dos interesses dos adversários globais dos Estados Unidos, de modo mais amplo, do terrorismo internacional. Reitero: trata-se de uma COLABORAÇÃO OBJETIVA, pouco importando suas intenções, que compõem o fator subjetivo — isso é matéria que seria do interesse dos tribunais, caso ele fosse julgado. Ora, ora… O herói de Assange é ninguém menos do que Rafael Correa, presidente do Equador, que lhe ofereceu asilo. Apresentam-se, como candidatos a benfeitores de Snowden, Evo Morales, o índio de araque; Nicolás Maduro, o bigodudo que fala com passarinhos, por intermédio dos quais ouve as instruções que Chávez manda do inferno, e o orelhudo Daniel Ortega. Os quatro compõem a elite da escória latino-americana que persegue a imprensa livre e comandam regimes de força. Sabe, leitor, aquela conversa de seu pai do “diga-me com quem andas…”? Pois é… Seu pai estava ou está certo. Quem não quer ser confundido não se mistura. Não tenho a menor simpatia por Barack Obama e por seu governo, como vocês estão cansados de saber. Atenção! As minhas restrições ao presidente americano, nesse particular, não se devem ao fato de ele ter mantido e ampliado o sistema de monitoramento, que considero necessário. Elas se devem, isto sim, é à sua conversa mole, quando candidato, sugerindo que o sistema integrava o aparato repressor montado pelos republicanos para combater o terror. As denúncias de Snowden teriam tido impacto reduzido se o presidente americano fosse George W. Bush ou outro “falcão” republicano qualquer. Só assumiram tal dimensão porque, afinal, Obama se apresentava como o líder de uma suposta segunda onda em defesa dos direitos civis… Não consta que estivessem sob ameaça, não é mesmo? Não que o governo Obama seja um exemplo de democracia! Mas não por causa do sistema de monitoramento! Grave, isto sim, foi a perseguição empreendida por órgãos do estado americano à direita do Partido Republicano.  O fisco dos Estados Unidos passou a perseguir doadores de entidades ligadas ao Tea Party. Tal prática, sim, assumiu características de estado policial. Curiosamente, ou nem tanto, a questão sumiu da imprensa. O que estou a dizer é que toda a gritaria internacional contra o sistema de monitoramento das comunicações — QUE É NECESSÁRIO! — é alimentada pelo recalcitrante antiamericanismo. No dia 8 de julho, escrevi aqui um post em que afirmava o que vai a seguir:
(…)
Dia desses, assistindo a uma reportagem de TV, a moça — com aquele ar indignado a que a ignorância sempre confere aparência de convicção — observou que, a despeito de tanto monitoramento, o serviço secreto americano não conseguiu impedir o atentado terrorista de Boston. É um raciocínio estúpido. A eficiência de um monitoramento não se mede pelos atentados que ocorrem, mas por aqueles que não ocorrem. E parte do serviço de segurança consiste justamente em omitir essas informações para não gerar pânico e garantir a segurança de algumas operações. Mesmo assim, alguns casos vieram a público. Já se impediu um facínora, por exemplo, que levava um dispositivo explosivo no salto do sapato, de explodir um avião. Quantos ataques o monitoramento já evitou no país que teve o 11 de Setembro e mundo afora? Ninguém jamais saberá.
Pois bem. O Estadão de hoje traz a tradução de um artigo de Walter Pincus, colunista do Washington Post, intitulado “Em defesa do monitoramento”. Ele se refere à atuação da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês). Pincus lembra o óbvio: não existe monitoramento prévio de conteúdo. Este só é permitido com autorização judicial e desde que existam indícios que apontem uma possível ação terrorista. Destaco um trecho a seguir:
“Um funcionário da NSA afirmou à Comissão de Justiça da Câmara, no dia 17, que mais de 90% dos cerca de 50 planos terroristas foram frustrados graças às informações permitidas” pelo programa.
Sabemos como é o mundo sob os cuidados da NSA, mas não temos como saber como seria sem ele. Ou temos. Quem não se lembra do 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos e do 11 de Março de 2004 na Espanha? Reproduzo o último parágrafo do artigo de Pincus a seguir:
"O presidente da inteligência da Câmara, Mike Rogers, republicano de Michigan, tem usado seu tempo para defender os programas. Mesmo assim, prometeu que nos próximos meses “trabalhará para encontrar outras proteções adicionais da privacidade” para 2014. Ele disse que os programas 702 e 215 por 54 vezes impediram e frustraram ataques terroristas nos Estados Unidos e na Europa, salvando vidas. “Não se trata de um jogo. É real”, afirmou Rogers.
Volto ao ponto. Há, mundo afora, certo clima propício à anarquia — que contamina, como sabemos, também o solo nativo — que faz de vigaristas como Assange e Snowden heróis de uma suposta resistência dos indivíduos contra o estado Leviatã. É, entendo, conversa de cretinos. Estou entre aqueles que resistem à onipresença estatal em nossa vida privada. Penso, por exemplo, que o mal essencial do Brasil é o tamanho do estado. Mas daí a considerar que as sociedades livres podem abrir mão das facilidades que lhes confere a tecnologia para combater o terrorismo, também global, vai uma enorme distância. A NSA, por tudo o que se sabe até agora, não está agredindo direitos individuais coisa nenhuma! Está, isto sim, preservando-os, uma vez que consiste num conjunto de medidas que servem para combater a ditadura do terror. A denúncia de Snowden vem embrulhada numa impressionante embalagem de má-fé. Acho, sim, saudável que haja uma reação em defesa da privacidade, dos direitos individuais e do sigilo das comunicações interpessoais. Mas isso é coisa muito distinta de demonizar o necessário sistema de monitoramento contra o terrorismo. Snowden fez o mundo acreditar que o governo americano tem acesso ao conteúdo de cada telefonema ou e-mail que enviamos, o que é falso. Curiosamente, quem se dedica a esse tipo de roubo de informação é o site WikiLeaks, por exemplo, que hoje atua como porta-voz do… traidor — é o que ele é.
Encerro
Se essa conversa toda servir para que se aumentem as salvaguardas individuais, muito bem! Mas isso não torna o traidor um herói. Se você tem ainda alguma dúvida, leitor, então veja quem se ofereceu para abrigar o destemido rapaz. E pergunte-se a si mesmo em que mundo você terá mais garantias de que não vai explodir em praça pública: aquele em que a NSA faz o seu trabalho, devidamente monitorada pelo Congresso dos Estados Unidos, ou aquele em que Snowden e Assange são considerados porta-vozes das liberdades individuais. Eu não tenho dúvida nenhuma e já fiz a minha escolha.  Por Reinaldo Azevedo