segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

UFSM amplia suspensão das aulas


A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) estendeu a suspensão de todas as atividades acadêmicas até o dia 1º de fevereiro por conta da tragédia que causou a morte de 231 pessoas em Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul. No site da instituição, aparece o símbolo de luto. Ao menos 101 mortos eram estudantes da universidade. Cerca de 2 mil pessoas participavam da festa organizada por estudantes do primeiro ano das faculdades de Tecnologia de Alimentos, Agronomia, Medicina Veterinária, Zootecnia, Tecnologia em Agronegócio e Pedagogia da UFSM na boate Kiss, na madrugada de domingo.

Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul contabiliza 129 pacientes ainda hospitalizados


A Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul informou o número atualizado de vítimas do incêndio da boate Kiss que seguem hospitalizados pelo Rio Grande do Sul após o incêndio que atingiu a boate Kiss, em Santa Maria, na madrugada de domingo. No total, 129 pacientes seguem internados: 76 em estado grave e 53 em observação. Elas estão sendo transportadas em aviões e helicópteros da Força Aérea Brasileira, que pousam no aeroporto Salgado Filho e no Parque da Redenção. Pelo menos 50 pessoas já foram transferidas para sete hospitais de Porto Alegre e um de Canoas. Nesta segunda-feira ainda era esperada a transferência de mais nove pacientes para os hospitais de Porto Alegre, três indo para o Hospital de Clínicas, dois para o Hospital Cristo Redentor e um para a Santa Casa de Misericórdia. Também estão de sobreaviso os hospitais São Lucas da PUCRS, Beneficência Portuguesa e Hernesto Dornelles. Em Santa Maria, segundo a Secretaria de Saúde do Estado, cerca de 20 pessoas seguem internadas nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) dos hospitais Universitário e de Caridade e 53 estão em enfermarias ou em observação. Outros dois pacientes estão internados em Ijuí.

Quem aprovou o Plano de Prevenção e Combate a Incêndio da Kiss? É a pergunta que não quer calar e as autoridades não querem ouvir


A Lei Estadual 10897/97 instituiu o PPCI (Plano de Prevenção e Combate a Incêndio) a ser apresentado ao Corpo de Bombeiros para análise, sendo, portanto uma ação preventiva. O foco da legislação, mesmo falha, é justamente a prevenção, evitando assim que o incêndio aconteça, mas também facilitando a fuga das pessoas,  tão logo o fogo comece,  deixando o combate – um paliativo quando a prevenção não ocorreu ou não existiu – para quem sabe e é treinado para isso: os bombeiros. Na prevenção, atuam os engenheiros. Estes profissionais, respeitadas as devidas habilitações, possuem plenas condições de prevenir o que se lamenta hoje em Santa Maria. Se, pelo menos, o teto da Kiss não fosse de material de fácil combustão, o incêndio provavelmente não passaria de um susto, independente da estupidez de "ligar" um "sinalizador" em recinto fechado. Quem projetou ou instalou, fiscalizou e liberou o teto da Kiss? Houve a liberação.  Esta pergunta não quer calar e as autoridades não querem ouvir.

Governador de Minas Gerais inaugura primeira cadeia privada do Brasil


O governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, inaugurou na tarde desta segunda-feira o primeiro presídio privado do Brasil, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte. O complexo penitenciário é uma parceria entre o Estado e um grupo de empresas que formou a Gestores Prisionais Associados (GPA), em uma Parceria Público-Privada (PPP) e vai custar para Minas Gerais mais de R$ 2 mil mensais por presidiário. Os primeiros presos começaram a chegar ao prédio há duas semanas. Lá eles terão toda a estrutura para ressocialização. Dentro do complexo penitenciário irão trabalhar, estudar e farão cursos profissionalizantes obrigatórios. Eles terão ainda acesso a médicos, psiquiatras, psicólogos, dentistas, terapia ocupacional e assistência jurídica e social. “O objetivo da pena é colocar o indivíduo novamente na sociedade, então o tempo que ele está afastado poderá estudar e aprender um ofício e quando voltar à sociedade estará preparado”, afirmou o governador de Minas Gerais. Anastasia disse ainda que acredita que o modelo vai levar avanço para o setor e garantiu que toda a sociedade será beneficiada. O prédio inaugurado nesta segunda-feira dará 608 novas vagas. Além dele, mais quatro unidades, no mesmo local, estão em fase final de construção e devem ser finalizadas até o fim do ano, gerando um total de 3.040 novas vagas. As obras custaram cerca de R$ 280 milhões para a empresa GPA que venceu a licitação e em troca vai administrar o presídio pelos próximos 27 anos.

Ministério Público Federal do Rio de Janeiro recomenda que EBX não realize obras de transposição do rio Paraíba do Sul


O Ministério Público Federal em Campos dos Goytacazes (RJ) enviou recomendação ao grupo EBX, do empresário Eike Batista, para que se abstenha de realizar eventuais obras de transposição do rio Paraíba do Sul que modifiquem sua vazão, com o objetivo de abastecer empresas em fase de instalação e/ou de operação no Complexo Portuário de Açu. Segundo a recomendação, expedida pelo procurador Eduardo Santos de Oliveira, o rio Paraíba do Sul se encontra sem o devido tratamento de esgoto e com alto nível de poluentes derivados das empresas instaladas as suas margens. Além disso, o rio ainda sofre com a ação direta de despejos industriais de aproximadamente 700 indústrias de pequeno, médio e grande porte. Atualmente, tramitam no Ministério Público Federal dois inquéritos que acompanham o licenciamento da usina termelétrica denominada UTE Porto do Açu Energia S.A., no município de São João da Barra e apuram elementos comprobatórios de danos ao rio Paraíba do Sul e eventuais riscos ao meio ambiente.

Dilma anuncia R$ 66,8 bilhões em investimentos para municípios


A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta segunda-feira que o governo federal vai disponibilizar para os municípios neste ano R$ 66,8 bilhões em recursos novos. Ela discursou para uma plateia repleta de prefeitos eleitos e reeleitos em 2012 durante o 2º Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas, em Brasília. "Os municípios, além de todas as obras anteriormente contratadas, passarão a ter R$ 66,8 bilhões em recursos novos para suas obras", afirmou durante discurso, momento em que foi bastante aplaudida pelo público, que é estimado em 20 mil pessoas pela pasta Secretaria de Relações Institucionais, que organiza o evento. Dilma afirmou que o governo federal será um "parceiro comprometido" e construirá um "novo patamar de relações federativas". Ela disse ainda estar disposta a ter uma relação "respeitosa, produtiva, fraterna com estados e municípios para que sejamos capazes de superar juntos os desafios, todas as barreiras e gargalos que existem na atividade política que exercemos". Por outro lado, pediu que os prefeitos acelerem seus projetos, lembrando que existe grande número de obras atrasadas, paralisadas ou não iniciadas. "Precisamos superar essa situação e acelerar. Não há contingenciamento de recursos do PAC, portanto existem todas a condições para levar adiante essas obras e levar isso com velocidade", afirmou. Do total a ser liberado, R$ 35,5 bilhões serão para obras de saneamento, pavimentação e mobilidade urbana. A partir de fevereiro, o governo divulgará os municípios selecionados para receber o recurso, informou a presidente. A partir de então, os valores "imediatamente estarão liberados para que essas obras sejam executadas pelos senhores o quanto antes", afirmou. Nesta segunda-feira, complementou a presidente, o governo abriu nova seleção entre os municípios para receberem investimento de R$ 31,1 bilhões. "Também aqui não há tempo a perder e será necessário elaborar os projetos o mais rápido possível", disse. Dilma também pediu colaboração aos prefeitos para a execução do programa habitacional do governo federal. "O Minha Casa, Minha Vida avançará mais rápido nos municípios pequenos , médios e grandes se os prefeitos ajudarem", disse. Do início do seu governo até janeiro de 2013, foram contratadas 1,3 milhão de moradias por meio do programa, segundo disse. Até 2014 o governo pretende contratar mais 1,1 milhão de casas. "Desse total, quero destacar que estamos abrindo uma nova seleção pública para municípios com menos de 50 mil habitantes. Esses municípios poderão concorrer a mais 135 mil moradias e assim que estejam concluídos, abriremos outra [concorrência]. Caberá a essas prefeituras, se for o caso, oferecer terreno e infraestrutura, todos os recursos para construção serão garantidos pelo governo federal", afirmou. Com o Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas, a Presidência pretende apresentar os principais programas federais e orientar os prefeitos de forma técnica sobre como firmar convênios e contratos de repasse com a União.

Ministro petista Gilberto Carvalho diz que PT não aceitará pecha de partido da boquinha


Depois de prever que em 2013 o "bicho vai pegar" na disputa partidária, o ministro petista Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) afirmou nesta segunda-feira, durante encontro com prefeitos do PT, que os petistas não podem aceitar as provocações dos partidos de oposição. "É muito importante que a gente não baixe a cabeça, não aceite a pecha de que o PT é o partido que inventou a corrupção, governa mal ou é o partido da boquinha.", disse ele, referindo-se a críticas da oposição. Gilberto Carvalho disse que todos os petistas devem ter orgulho dos dez anos de governo do partido. "Estamos vivendo momento muito difícil nessa transição. O tom mudou nos últimos tempos. Na medida em que nós começamos a mexer com o capital, a baixar juros, a mexer com energia elétrica, a diminuir lucros, o humor mudou completamente", afirmou o ministro. "Quem lê os editoriais dos jornais tem a impressão de que o Brasil está indo à bancarrota, que a economia está quebrada, que há apagão. Vai ser assim o ano todo, até o ano que vem", afirmou ele. Segundo Gilberto Carvalho, "foi o PT que teve a coragem de criar uma nova cultura política no País". Afirmou que foram os petistas que criaram a transparência nas administrações: "Vamos para o debate político, ocupar, dar o combate, porque só assim nós vamos fazer frente a essa grande oposição, a essa tentativa de acabar com o nosso projeto nas eleições do ano que vem".

Jerôme Valcke pede cumprimento de prazo em obras de estádios para a Copa das Confederações


Após inspecionar o Estádio Nacional de Brasília - Mané Garrincha, na manhã desta segunda-feira, o secretário Geral da Fifa, Jérôme Valcke, avisou que não será possível tolerar mais atrasos na entrega dos seis estádios que receberão jogos da Copa das Confederações, que começa em junho. De acordo com o executivo, não há mais como negociar um novo adiamento. "Preferia que os prazos fossem cumpridos e todos entregues em dezembro de 2012, como era previsto. De comum acordo, adiamos para abril, mas, mesmo assim, ainda temos tempo suficiente. Mas não é possível mais atrasar", afirmou o secretário geral da Fifa. Valcke destacou que não admitirá só a entrega do estádio. Ressaltou que tudo deve estar em condições para a realização de jogos. E estará atento especialmente às condições do gramado, cobertura e telecomunicações.

Corpos de capitã e tenente mortos em Santa Maria chegam hoje ao Rio de Janeiro


Os corpos da capitã Daniele Dias de Mattos e do primeiro-tenente Leonardo Machado de Lacerda, naturais do Rio de Janeiro, mortos no incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, foram enviados para o Rio de Janeiro na noite desta segunda-feira, em um vôo da TAM. A capitã Daniele era médica e lotada no Hospital Central do Exército, em Benfica, na capital fluminense, e estava de férias em Santa Maria desde o início do mês. Já o tenente Lacerda tinha sido transferido para o 1º Regimento de Carros de Combate, em Santa Maria. O corpo da capitã foi levado direto para o HCE, para ser embalsado, pois a família dela está fora do País. O enterro da oficial deve ocorrer nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro. Já o corpo do tenente Lacerda seguiu para o Cemitério Memorial do Carmo, no Caju, zona portuária, onde será cremado nesta quarta-feira.

Preço alto do gás natural é obstáculo para uso das térmicas por maior tempo, diz Empresa de Pesquisa Energética


O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, disse nesta segunda-feira que o alto preço pago atualmente pelo gás natural encarece o custo da energia elétrica e é um impedimento para que as usinas térmicas possam operar por mais tempo na base do Sistema Interligado Nacional. Apesar dessa realidade, Tolmasquim disse que o Plano Decenal de Energia 2013-2022 (PDE), que será anunciado pela EPE com as revisões do planejamento energético do país no longo prazo, terá mais usinas térmicas: “No nosso planejamento, que contempla o plano para até 2020, está previsto um pouco mais de usinas térmicas operando na base, o que significa que teremos mais térmicas a gás em operação”. Na avaliação do presidente da EPE, é preciso encontrar uma formula que permita a entrada das térmicas com maior intensidade sem que isto onere ainda mais as tarifas de energia, devido ao alto preço pago pelo gás natural. Para Tolmasquim, o país precisa ampliar e tornar ainda mais flexível os parques de geração de energia, de modo a dar mais segurança ao Sistema Interligado Nacional. e fazer frente ao crescimento da economia e a consequente elevação da demanda por energia elétrica. “O alto preço do custo da energia impede que as usinas térmicas operem de forma mais direta na base e, por isto, é interessante que tenhamos usinas com custo variável baixo, porque elas vão operar mais: Temos que descobrir o gás não convencional e mais barato, como o xisto, porque a expansão da oferta térmica hoje  tem que ser feita com o importado e o GNL está muito caro”.

Ainda correm risco de morte cerca de 75 jovens vítimas do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria


As autoridades de saúde do Rio Grande do Sul e do governo federal estão especialmente preocupadas com os 75 pacientes vítimas do incêndio em Santa Maria que permanecem em estado crítico de saúde, com risco de morte. Somente na cidade onde ocorreu a tragédia com 231 mortos, existe 83 pacientes internados, sendo 33 em estado grave. Os pacientes em estado mais crítico são, em geral, os que estão intoxicados gravemente com a fumaça do incêndio ou sofreram queimaduras intensas. Para este último caso, o Ministério da Saúde pediu ajuda a profissionais de hospitais de referência no Rio de Janeiro e do Paraná, além do Hospital Albert Einstein, de São Paulo. Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, os 75 casos gravíssimos incluem pacientes que precisam de diálise permanente, medicação para manter a pressão sanguínea e ventilação mecânica, por exemplo. Em dois casos, a situação é tão crítica que as pessoas não puderam ser transferidas de Santa Maria para Porto Alegre, porque não suportariam a viagem. O número de pacientes graves, no entanto, vem sendo reduzido e alguns já deixaram a UTI. Apesar disso, novos casos críticos ainda podem surgir. Segundo o ministro, 30 pacientes procuraram no domingo a Unidade de Pronto Atendimento 24 horas de Santa Maria porque apresentaram sintomas como tosse e falta de ar. “Depois da data do incêndio, mesmo pessoas que inicialmente não tiveram nenhum sintoma, começaram a aparecer com sinais de tosse, falta de ar e começaram a evoluir para o que nós chamamos de uma pneumonite química”, explicou. Nesta segunda-feira, apenas duas pessoas apresentaram os sintomas da intoxicação pela fumaça do incêndio.

Último corpo reconhecido do incêndio da boate Kiss era de garota do Mato Grosso do Sul


A jovem Ana Paula Rodrigues, 21 anos, não tirava férias desde 2010. O trabalho em um loja para crianças na cidade de Salto del Guairá, no Paraguai, tomava o tempo e a dedicação da jovem, que tinha planos de cursar Jornalismo ou Turismo em Santa Maria. Ela viajou no dia 18, os quase 900 km que separam Mundo Novo (MS) e Santa Maria, com um casal de amigos, para São Sepé. No sábado, o grupo e mais dois amigos vieram para Santa Maria para ir à festa na boate Kiss. Na madrugada de domingo acabou o sonho de Ana. O caixão com o corpo de Ana Paula seguiu às 17 horas desta segunda-feira, em um avião Bandeirante da Força Aérea Brasileira, até Toledo, no Paraná, e de lá seguiu em um carro do Exército até Mundo Novo. O corpo de Ana Paula foi reconhecido por seu pai, José Rodrigues, por um tio e um cunhado. Ana Paula deve ser enterrada em sua cidade natal. Para isso, o corpo da jovem precisou ser embalsamado e colocado em um caixão especial para viagens.

Paraguaio morto na tragédia de Santa Maria é levado para Assunção


O corpo do paraguaio Guido Ramon Britez Burro, de 21 anos, foi levado na tarde desta segunda-feira para Assunção, onde o jovem será velado e sepultado. O transporte foi feito por meio de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), que decolou por volta das 15 horas no aeroporto Salgado Filho. Guido foi uma das 231 vítimas do incêndio da boate Kiss, ocorrido na madrugada de domingo. Ele era estudante de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e foi o único intercambista morto na tragédia.

Veja a lista dos feridos transferidos de Santa Maria para Porto Alegre e Canoas


A rede hospitalar de Porto Alegre e de outras cidades do Estado está sendo usada para o atendimento aos feridos graves no incêndio que atingiu a boate Kiss em Santa Maria na madrugada de domingo. Pelo menos 47 pessoas já foram tranferidas para sete hospitais de Porto Alegre e um de Canoas. Elas estão sendo transportadas em aviões e helicópteros da Força Aérea Brasileira, que pousam no aeroporto Salgado Filho e no Parque da Redenção. No total, 128 pacientes seguem internados: 76 em estado grave e 52 em observação.
Veja a lista com o nome das vitimas internadas em Porto Alegre e Canoas:

Hospital Mãe de Deus
Caprice Pereira Hubner
Driele Pedroso Lucas
Ritieli  Pedroso Lucas
Juciane Bonella
Ruan Bonzan Martins
Natan Ribeiro

Hospital Santa Casa
Brian Zeppenfeld
Ana Carolina Soares da Costa
Pedro Almeida
Denise Felipeto de Almeida
Gabriela França Abreu

Hospital Cristo Redentor
Pedro Falcão
Juliano da Silva
Bárbara Aline Felipo

Hospital de Clínicas
Renata Paze Ravanello
Guilherme Ferreira da Luz
Mariane Wallau Wielmo
Cristina Peiter
Kelen Giovana Leite Ferreira
Gabriele Stringari
Bibiana Fontana Pinheiro
Arthur Rodrigues Martins
Bruno Portella Fricks
Katia Geane Pacheco Siqueira

Hospital de Pronto Socorro (HPS)
Rodrigo Tausch

Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC)
Cauê Machado
Sergio William
Gabriel Pereira
Rafaela Boeira Silva
Natália da Silva
Ingrid Goldani

Hospital Moinhos de Vento
Roberto Cardoso Tavares
Leonardo da Rosa Contrera
Paulo Vissotto
Lauro Clos Marçal
Juciane Bonella

Hospital Universítário de Canoas
Emanuel de Almeida Past
Guilherme de Almeida Pastl
Malu Dias Santos

Morre o ex-técnico de basquete Ary Vidal


Morreu nesta segunda-feira o ex-técnico da seleção brasileira de basquete, Ary Ventura Vidal. Comandante da geração de Marcel e Oscar, ouro no Pan de 1987, e campeão brasileiro pelo Corinthians, de Santa Cruz do Sul, o carioca de 77 anos foi internado há três meses no Rio de Janeiro. A saúde já vinha frágil desde 2001, quando sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Explosivo, conhecido pela teimosia e as frases de efeito, jamais gostou de ser chamado de treinador: "Treinador é de cavalo. Eu sou técnico, aquele que domina o detalhe". Como técnico, abriu a relação com o Brasil na seleção feminina em 1965. Mais tarde, liderou a os homens em duas Olimpíadas (Seul-88 e Atlanta-86) e dois Mundiais, sendo bronze no torneio das Filipinas, em 1978. Ao todo, fez mais de 120 jogos à frente do time masculino, com 92 vitórias, a mais marcante em 23 de agosto de 1987. Diante de 16 mil pessoas, Ary comandou um time que entrou na quadra do Market Square Arena, em Indianápolis, condenado ao vice-campeonato pan-americano. Pais do basquete, os norte-americanos jamais haviam perdido uma partida oficial em casa, foram para o intervalo ganhando por confortáveis 68 a 54. Com uma reação improvável, puxadas pelas bolas de três pontos de Oscar e Marcel, o Brasil virou. Fez o improvável acontecer, venceu por 120 a 115.

CGU abre processo administrativo contra amante de Lula


A Controladoria-Geral da União abriu um processo administrativo disciplinar nesta segunda-feira para punir Rosemary Noronha, ex-chefe do gabinete da Presidência em São Paulo e amante do ex-presidente Lula. Apontada como o braço político de uma quadrilha que fraudava e vendia pareceres técnicos do governo, Rose, como é conhecida, teve suas ações desbaratadas pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, e foi indiciada pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, falsidade ideológica e tráfico de influência. O pedido de abertura do processo foi encaminhado pela Casa Civil da Presidência da República. “Sobre a comissão de sindicância, nós já encaminhamos à CGU e acatamos todas as determinações da comissão. Foi para a CGU para a instauração de procedimento administrativo”, informou a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. A Casa Civil investigou o caso por meio de uma sindicância aberta no final de novembro para apurar a participação de servidores da Presidência da República no esquema de venda de pareceres técnicos. O grupo de investigação produziu um relatório sigiloso no início de janeiro em que recomenda a abertura do processo contra Rose. Entre as penalidades previstas estão a proibição de ocupar cargo público federal. As investigações da Polícia Federal apontaram que Rose, ex-assessora do petista José Dirceu e amante de Lula, negociava favores em troca dos serviços prestados à quadrilha. Lotada no gabinete da Presidência em São Paulo, ela fazia, conforme a Polícia Federal, a intermediação entre empresas que queriam comprar pareceres fraudulentos de órgãos do governo e os servidores que poderiam consolidar a prática criminosa. Também foi detectada como de sua responsabilidade a nomeação dos irmãos Paulo e Rubens Vieira para diretorias da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Ambos chegaram a ser presos pela Polícia Federal. Paralelamente ao processo administrativo, a Comissão de Ética Pública da Presidência da República também analisa a conduta de servidores federais no esquema revelado pela Operação Porto Seguro. Além de Rosemary Noronha, que já prestou informações formais ao órgão, são alvos do colegiado o ex-número dois da Advocacia-geral da União, José Weber Holanda, e os ex-diretores Paulo e Rubens Vieira. Nesta segunda-feira, a ex-juíza Suzana de Camargo Gomes foi designada relatora do caso na comissão.

Consumo de energia elétrica cresce 3,5% em 2012


Puxado pela demanda do comércio e das residências, o consumo de energia elétrica no Brasil cresceu 3,5% em 2012 ante 2011, de 433,03 mil GWh para 448,29 mil gigawatt-hora (GWh). Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Na comparação entre dezembro de 2012 e igual mês de 2011, a expansão verificada foi de 2,7%, de 36,74 mil GWh para 37,73 mil GWh. Segundo a EPE, o consumo comercial teve alta de 7,9% de 2011 a 2012, para 79,28 mil GWh, refletindo o aquecimento das atividades terciárias da economia brasileira. Como exemplo, a EPE citou que o volume de vendas no varejo, principal demandante de energia da classe, acumulava alta de 8,4% até novembro de 2012, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O consumo residencial também registrou importante crescimento entre 2012 e 2011, de 5%, para 117,56 mil GWh. Esse crescimento do consumo de energia se deu com o PIB do País crescendo crescendo abaixo de 1%. Imagine-se crescendo a 5% ao ano, ou mais. Dentre os fatores que contribuíram para sustentar essa dinâmica do consumo residencial de energia estão o mercado de trabalho aquecido, o aumento real da renda e a expansão do crédito, disse a EPE no documento Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica. A análise da EPE é furada, é propagandística, porque não está mais havendo aumento real de renda. A renda dos assalariados está sendo comida pela inflação galopante no País. A Pesquisa Industrial Mensal do IBGE mostra que a produção industrial se reduziu 2,6% em 2012, redução que se observa na maioria dos subsetores, mas principalmente nos segmentos em que é intensivo o uso de eletricidade, como a cadeia da siderurgia e a da produção de alumínio. Em dezembro de 2012, o consumo industrial foi de 14,78 mil GWh, uma queda de 3,2% na comparação com igual mês de 2011.

Coronel petista Fábio Fernandes será o novo comandante-geral da Brigada Militar


Na noite do dia 12 de outubro de 2012, postei no Facebook e no Twitter que o coronel Fábio Duarte Fernandes, atual subchefe de operações da Casa Militar no governo do peremptório governador petista Tarso Genro, seria o novo comandante-geral da Brigada Militar. Militante ostensivo do PT, Fábio Fernandes "disputava" a vaga com o atual subcomandante da corporação, Altair Freitas Cunha. Por conta do incêndio que matou 231 pessoas em Santa Maria a passagem de comando, inicialmente marcada para ocorrer no dia 30, ainda está sem confirmação. A solenidade deverá ocorrer no Palácio Piratini. O atual comandante-geral, coronel Sérgio Roberto de Abreu, se aposenta obrigatoriamente em fevereiro, quando completa 35 anos de serviço. Veja no link a postagem no Twitter de Videversus antecipando que o coronel petista Fabio Fernandes ia ser o comandante da Brigada Militar. Quem é o coronel Fábio Fernandes? Ele é o araponga que trabalhava na coordenação da bancada do PT na Assembléia Legislativa. Durante a CPI do Detran, ele foi desmascarado, sentado na bancada atrás da deputada petista Stela Farias, e do deputado petista Elvino Bohn Gass, condutores da metralha interrogatória petralha, municiando os dois com informações que captava instantaneamente de bancos de informações do Estado do Rio Grande, do Detran, da Polícia Civil, da Brigada Militar e outros, usando sua senha ou de terceiros. Ele foi desmascarado em plena sessão que ocorria no Plenarinho, no 4º andar da Assembléia Legislativa, e o interrogatório de testemunha foi suspenso. Nos últimos dois anos ele foi beneficiado com promoções a jato e agora atingiu o posto de coronel, necessário para assumir o comanda da Brigada Militar. Resumindo, a Brigada Militar foi finalmente aparelhada pelo PT, de cima até embaixo. No seu comando estará um "espião", aquele que investiga todos e tudo a favor do PT.

Soldado que morreu ao salvar vítimas da Boate Kiss é enterrado com honras militares


O soldado Leonardo de Lima Machado, que morreu na madrugada de domingo no incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), ao tentar salvar outras pessoas que estavam no local, foi enterrado nesta segunda-feira com honras militares. Machado, de 26 anos, conseguiu escapar com vida, mas voltou a entrar duas vezes no local e, na segunda, ficou preso e faleceu junto com outras 230 pessoas. Ele tirou sua namorada, a deixou na calçada em frente e voltou a entrar para ajudar outros. O soldado herói foi enterrado na presença de dezenas de familiares, amigos e colegas do Exército, que lhe renderam honras militares no Cemitério Municipal de Santa Maria.

Petralhada ataca filósofo que escreve contra censura à imprensa pregada pelo PT


Artigo do filósofo Roberto Romano - "Como fruto de meu último artigo (Regulamentação da mídia, 15/1), recebi uma torrente de insultos anônimos em meu endereço eletrônico. A reação prova a tese: os autoritários ignoram a fronteira do coletivo e do particular. Em vez de responder publicamente, eles ameaçam e insinuam retaliações. Volto ao tema sob outro ângulo para melhor determinar o que dele penso. A imprensa surge com o Estado moderno. O mesmo ocorre com as táticas do poder para impedir a sua livre expressão. A importância dos panfletos políticos e religiosos é certa nos séculos 16 e 17. Basta recordar os libelos puritanos e textos como Le Reveille-Matin des François, que ampliaram rebeliões aristocráticas ou populares. No plano oposto surgem os jornais controlados pelo governo, criados para popularizar o poder oficial. Richelieu (cardeal, primeiro-ministro de Luís XIII de 1628 a 1642) já domina o maniqueísmo da propaganda. "Aos que qualificavam a razão de Estado de 'razão do diabo' ou 'razão do Inferno' os panfletários de Richelieu replicam acusando-os de adotar 'a mais negra Teologia do Diabo'" (Thuau, Etienne: Raison d'État et Pensée Politique à l'Époque de Richelieu). Thuau analisa estratégias cuja doutrina se resume em "governar e fazer acreditar" pelo controle estatal da palavra escrita. Diz ele: "É uma verdade reconhecida que a autoridade é inseparável das ideologias, dos mitos e das representações que os homens formam a seu respeito. O poder repousa na aliança do constrangimento e das crenças". O autor recorda Gabriel Naudé nas Considerações Políticas sobre os Golpes de Estado (1640): para manter a governabilidade o príncipe seria obrigado a mentir ao povo, "manejá-lo e persuadi-lo com belas palavras, seduzi-lo e enganar pelas aparências, ganhá-lo e colocá-lo a serviço de seus alvos por pregadores e milagres sob pretexto de santidade, ou por intermédio de bons escritores, silenciando os livrinhos clandestinos e manifestos, para levá-lo pelo nariz e fazê-lo aprovar ou condenar, só com a etiqueta da sacola, tudo o que ela contém". O marketing político inicia ali a carreira cujo ápice ocorre sob Joseph Goebbels (ministro da Propaganda de Adolf Hitler). Controlar a imprensa é tarefa da grande ou mesquinha razão de Estado. Se o rótulo tem forma adocicada ("regulamentação social") ou ácida (censura), não importa. O alvo é calar a dissonância, silenciando críticas aos palácios e adjacências. Richelieu reúne os auxiliares para examinar documentos oficiais, definindo a forma pela qual eles deveriam surgir como "notícias" no setor público, com o disfarce necessário. Ele já conhece a arte de reescrever a História e seus próprios textos. Os procedimentos usados no totalitarismo germinam no Estado absoluto. Ao reeditar seu discurso aos Estados em 1614, o cardeal modifica-o porque não coincide mais com sua nova política. Aqui não temos o único aspecto na genealogia que vai do Estado absoluto ao totalitarismo. Os "processos políticos" de Richelieu transformam os juízes em instrumento de terror contra os adversários. Para aquilatar a extensão e a profundidade dessa herança temos o livro de Hélène Fernandez-Lacôte Os Processos do Cardeal Richelieu, Direito, Graça e Política sob Luís, o Justo. A função política ou econômica da imprensa, revolucionária ou governista, nem sempre suscita análises compreensivas. Basta recordar, no século 20, o crítico Karl Kraus. Em artigo intitulado A imprensa como alcoviteira, Kraus compara a jovem prostituta e o jornalismo oficialista, da Bolsa ou dos Palácios. A rameira seria moralmente superior ao que vende sua pena, pois ela "nunca sugeriu, como ele, assumir altos ideais". (Uso a tradução italiana, Morale e Criminalità.) A imprensa, com suas virtudes e seus defeitos, longe de ser odiada apenas pelos que agora se vendem ao governismo brasileiro, tem uma história densa e contraditória. Recordo o autoritarismo dos que visam a impor silêncio a quem foge ao controle da norma formatada pelo marketing político e ideológico. Carl Schmitt, na luta contra a livre imprensa, chama os democratas de "classe discutidora", retirando o epíteto de Juan Donoso Cortés, autor do Discurso sobre a Ditadura, que inspira o fascismo. E também alimenta as ditaduras do século 20 na América do Sul e no Brasil. Com os tanques a discussão termina, vem o golpe de Estado "redentor". Mas nem todo golpe é cruento. A maioria é feita no silêncio dos gabinetes, nos acordos espúrios, nas alianças nefastas cujo nome ainda é "governabilidade". Quem aplica golpes eficazes conta com o sigilo cúmplice de todos, inclusive dos governados. É aí que os periódicos incomodam. Num país movido pela propaganda, desde a era Vargas com o DIP até hoje, a popularidade dos governantes é alvo perene, obtida à custa de ouro. A mídia passa hoje por graves modificações. Se na cultura impressa existiu a figura do pedante, hoje na internet o pedantismo assume amplitude inaudita, unido à repetição de slogans e aos ataques às subjetividades que defendem posições adversas ao poder. Tudo indica que levará tempo para que a humanidade alcance uma síntese nova na ordem teórica e prática. Os jornais vivem uma situação inédita, com o aumento inusitado da comunicação eletrônica. As teses sobre a regulamentação da mídia, no Brasil, seguem a via coberta de ódio e dogmatismo. Monopólios devem ser tratados com leis específicas, não podem servir de pretexto para impor ao público a visão de partidos ou seitas. Alguns veículos de comunicação, sobretudo na internet, se arrimam com ajuda oficial, reduzem seu papel à propaganda do governo e ao afogamento da crítica. Como se fosse destino, eles retornam ao tempo em que Richelieu pagava a jornais e jornalistas para combater os adversários do Estado. Sobram ilhas de crítica e rigor intelectual na imprensa, mas é possível prever tempos escuros para as mentes lúcidas e honestas. Quem viver verá". Roberto Romano é filósofo, professor de Ética e Filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e autor, entre outros livros, de "O Caldeirão de Medeia" (editado pela editora Perspectiva).

Com medo do povo, o corrupto e quadrilheiro José Dirceu usava jatinho do "esquema" da Rose do Lula


A Operação Porto Seguro revelou que o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil) mantém relação próxima com o empresário e ex-senador Gilberto Miranda,  denunciado por corrupção ativa e apontado como principal beneficiário do esquema de compra de pareceres técnicos em órgãos federais. Telefonemas gravados pela Polícia Federal, em novembro de 2012, mostram que José Dirceu e Miranda marcaram pelo menos duas reuniões às vésperas da deflagração da operação e que um assessor do petista chegou a pedir emprestado um jato particular do ex-senador para voar até a Bahia no feriado da República, viagem que José Dirceu fez com a namorada e com Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo. A voz do ex-ministro do governo Lula não aparece nos áudios. Ele não era alvo da missão policial, mas Miranda estava sob vigilância permanente. Em uma ligação gravada três semanas depois que José Dirceu foi condenado no julgamento do Mensalão do PT, seu auxiliar diz que o petista se recusava a desembarcar no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, em horários de grande movimento. "Correr risco agora é besteira, né?", recomenda Miranda ao assessor. Os 25.012 telefonemas gravados pela Polícia Federal no decorrer da operação Porto Seguro detalham a intimidade com o poder mantida por Gilberto Miranda e outros integrantes do grupo. Eram frequentes os diálogos com deputados, senadores, governadores, prefeitos e diretores de órgãos técnicos. Foi com a ajuda de algumas dessas autoridades que Gilberto Miranda conseguiu benefícios para empreendimentos de suas empresas, como a construção de um porto privado na Ilha de Bagres, em Santos, litoral paulista. A Polícia Federal não envolve Dirceu com os negócios sob suspeita de Miranda. Mas as ligações interceptadas a partir de um grampo no telefone do ex-senador revelam que os dois tinham interesses em comum e uma relação que permitia ao petista pedir até empréstimo de um avião particular. As escutas mostram que José Dirceu e Gilberto Miranda tiveram um encontro no início da tarde de 8 de novembro. O assessor do petista telefona para a secretária do empresário às 11h59 para avisar que ele se atrasaria porque havia sido convocado para uma "reunião de urgência". "Eu só queria te pedir o seguinte, é que o Zé foi chamado para uma reunião de urgência, então a Evanise, a companheira dele, vai chegar um pouco antes no horário combinado e ele, se atrasar, ele chega uns minutos depois. Você pode avisar o Gilberto?", pede o auxiliar de Dirceu. No dia seguinte, o assessor de Dirceu começa a articular com o ex-senador reunião para 19 de novembro entre a dupla e Saulo Ramos, a quem Miranda é ligado. O avião de Miranda buscaria Dirceu no litoral da Bahia para levá-lo ao encontro, em São Paulo, e depois seguiria para Brasília. "A princípio estava marcado com o ministro Saulo Ramos dia 19, às 16h, mas isso daí eu vou falar com ele agora, pra ver até a parte da tarde. Isso daí eu te confirmo", diz Gilberto Miranda. A reunião acabou cancelada, dias depois. No mesmo telefonema, o assessor de Dirceu pede informações sobre um helicóptero do empresário que levaria o petista ao Rio de Janeiro. Os dois temem que o mau tempo obrigue a aeronave a pousar no movimentado Aeroporto Santos Dumont, no meio da tarde. "O Zé não estava querendo descer lá no Santos Dumont, entende?", diz Gilberto Miranda. "Qualquer coisa pego um avião, saio daqui no domingo, quinze para as nove da noite, chego em Santos Dumont mais vazio, entendeu?", sugere o auxiliar do petista. O assessor telefona mais uma vez para Miranda, em 14 de novembro, às 14h20, para pedir um favor ao ex-senador. "É só uma consulta, não é oficial. O Zé tava indo viajar para a Bahia hoje e acabaram de ligar, que o King (jato executivo) deu uma pane elétrica, que iam emprestar para ele... Por acaso o teu está por aqui e poderia levá-lo, ou não?", pergunta o assessor. "O meu está, mas eu estou sem piloto. Eu, como não ia viajar... Eu dei folga para eles", responde Miranda. Apesar da recusa, Dirceu foi à Bahia, na praia de Camaçari, com a namorada e Rose.

Retrato de um país corrupto


Pesquisa da Confederação Nacional de Municípios concluiu que 3.588 cidades brasileiras (64,4% do total) estão impedidas de celebrar convênios com o governo federal por irregularidades apontadas pelo Cadastro Único de Convênios do Tesouro (Cauc). O Cauc é um serviço auxiliar de informações para transferências voluntárias que visa a reduzir a burocracia dos processos de convênios e volume de papéis, além de ampliar o nível de controle de exigências, possibilitando maior transparência, Também compete ao cadastro facilitar a entrega de relatórios de gestão fiscal, execução e balanço anual apenas uma vez pelo ente que assina o convênio, e não diversas vezes, como era antes. Ao mesmo tempo, o sistema verifica a situação das prefeituras quanto às obrigações de adimplência financeira, prestação de contas de convênios, obrigações de transparência e constitucionais legais. Foram detectadas irregularidades nos 24 municípios fiscalizados desde agosto do ano passado. Há fraudes no pagamento do Bolsa-Família, desvios em programas de Saúde, Educação e merenda escolar, entre outros casos. As auditorias são feitas desde 2003 via sorteio. Ao todo, já foram feitas 37 vezes. E os problemas citados sempre reaparecem.

Lula quer um encontro de prefeitos para chamar de seu, e os municípios petistas vão pagar a festa


O líder do PT na Câmara dos Deputados, deputado José Guimarães (CE) aproveitou esta segunda-feira a reunião de prefeitos do partido em Brasília para convocar todas as lideranças locais do partido para um novo encontro no final de fevereiro. Enquanto, nesta semana, os prefeitos de todo o País estão envolvidos com o evento chamado pelo Planalto, em fevereiro, os prefeitos do PT terão um compromisso com um cunho assumidamente político, com a presença do ex-presidente Lula. “O objetivo é aproximar os prefeitos da direção do partido tendo em vista a necessidade do partido está integrado para o grande desafio que teremos em 2014 que será a reeleição a presidenta Dilma Rousseff”, disse o líder. As ações da direção do partido têm como base um diagnóstico de que os prefeitos petistas, principalmente os que administram cidades menores, se ressentem de não usufruírem das políticas ou do legado do PT. “Os prefeitos não querem ser lembrados apenas na hora do voto”, destacou Guimarães. “Diante dessa queixa, podemos perceber que há uma demanda deles e que isso é muito bom”, observou o irmão do corrupto e quadrilheiro José Genoíno. O encontro ocorrerá na Câmara dos Deputados e também marcará os 10 anos de administração petista no plano nacional. Entre os assuntos pautados está a recuperação do que é chamado “legado petista”.“Precisamos recuperar o que chamamos de jeito petista de governar. Precisamos recuperar experiências vitoriosas como a que ocorreu em municípios administrados pelo PT como Diadema (SP) e Icapu (CE), por exemplo”, destacou. No encontro que reuniu prefeitos do partido hoje pela manhã, as queixas de distância política entre as lideranças locais e a cúpula do partido foram a tônica das falas. Houve prefeito de municípios pequenos que reclamou da dependência de deputados federais de outros partidos da base, como o PMDB, para liberar emendas junto ao governo federal. “Precisamos achar um meio de fazer essa aproximação. Quando o PT tinha 50 ou 40 prefeitos esse diálogo era permanente, diário. Agora temos 650 prefeitos e precisamos achar uma forma de estarmos próximos”, disse ele. Nesse encontro, o PT pode mostrar o seu legado de administração do lixo, em 16 anos de gestão em Porto Alegre. E deve também convidar para falar o ex-diretor geral do Departamento Municipal de Limpeza Urbana de Porto Alegre em 13 dos 16 anos do PT, Darci Barnech Campani. Ele vai explicar como conseguiu uma condenação inédita no Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul e porque está sendo cobrada dele, atualmente, uma dívida de mais de 1 milhão de reais para com o Tesouro municipal. Isso é que é legado...... e explica, também, porque os vereadores da bancada do PT são um túmulo de silêncio quando a questão tratada é lixo.

Indenizações para famílias das vítimas da Boate Kiss podem demorar mais de uma década


Os parentes dos mortos e dos feridos no incêndio da Boate Kiss, que deixou ao menos 231 mortos em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, podem esperar mais de dez anos para receber indenização dos responsáveis pela tragédia. Segundo o professor de direito civil da Universidade de Brasília, Frederico Viegas, este tipo de processo é complexo e só deve ser concluído quando chegar ao Superior Tribunal de Justiça, última instância a qual os envolvidos podem recorrer. “Fatalmente vai terminar no STJ porque as pessoas vão recorrer das decisões judiciais. É um caso extremamente complexo que envolve muitos responsáveis”, explicou. O professor acredita que até a solução dos processos, os responsáveis podem tentar fazer acordos com os parentes das vítimas. Em casos recentes no Brasil, como as grandes tragédias aéreas, as famílias ainda negociam na Justiça a responsabilidade pelas mortes, o valor e a forma de pagamento das indenizações. Para Frederico Viegas, o ideal é que os parentes das vítimas da Boate Kiss se unam em associações como as que foram formadas no caso dos acidentes envolvendo as empresas TAM e Gol. “Buscar uma ação conjunta é mais efetivo nestes casos. Além disto, os custos são menores, compartilhados, e basicamente é o mesmo perfil, o de perda de vidas de estudantes”, explicou. O advogado acredita que a responsabilidade sobre o incêndio será atribuída a todos os atores. A Justiça vai definir como cada um responderá pelas perdas provocadas pelo fogo. “Todos terão uma parcela de responsabilização, mas os proprietários da boate e a banda serão os principais acusados”, avaliou. Além do uso do sinalizador pela banda, o professor destacou a falta de saídas de incêndio no local e a única porta de acesso da boate. Acrescentou que a prefeitura deve responder pela negligência na fiscalização destas casas, já que a boate funcionava com alvará vencido. Segundo ele, existem poucas chances de os proprietários da Kiss terem seguro do estabelecimento. “Estes seguros são caros e o empresário não paga por estes seguros. Vou me espantar se tiverem”, disse. Frederico Viegas explicou que as indenizações às famílias podem chegar a valores equivalentes a sete salários mínimos por vítima, multiplicado pelos anos que faltariam até que os jovens completassem 65 anos de idade.

Mais de 700 pessoas se despedem de jovens em Santo Ângelo


A Catedral Angelopolitana de Santo Ângelo, no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, ficou pequena na manhã desta segunda-feira. Mais de 700 pessoas, entre familiares e amigos, se despediram das três vítimas do incêndio da boate Kiss de Santa Maria. Os corpos de Laureane Salapata, Vinícius Marconato Uggeri, Fernando Michel Vogarins Parcianello, Benhur Retzlaff Rodrigues e Matheus Engers Rebolho foram velados durante a manhã e, à tarde, ocorreu o sepultamento das vítimas. Vinícius tinha 23 anos e era natural de Santo Ângelo. Ele cursava o último ano de Direito na própria cidade, mas estava em férias com a família em Santa Maria, onde moram as duas irmãs. Benhur Retzlaff Rodrigues, 20 anos, estava desde 2012 em Santa Maria estudando Engenharia Civil na UFSM. Fernando Michel Vogarins Parcianello, 21 anos, era de Santo Ângelo e morava em Santa Maria. Trabalhava como porteiro em um cinema. Matheus Rebolho, 18 anos, estudava Direito em Santo Ângelo, cidade em que nasceu. Planejava se mudar para Florianópolis (SC) neste ano. De férias, viajou a Santa Maria com amigos. Laureane Salapata, 18 anos, estava no 3º semestre Terapia Ocupacional na UFSM. Ela morava com o padrinho em Santa Maria, para poder estudar.

Petroleiros fazem paralisação nacional de 24 horas


Trabalhadores da Petrobras em todo o País aderiram nesta segunda-feira a uma paralisação de 24 horas para reivindicar regras claras para a distribuição da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) da empresa. De acordo com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), que representa 70% dos 80 mil funcionários da estatal, irão parar os empregados das áreas operacionais e administrativas. Pelas estimativas da entidade, cerca de 40 mil já estão parados. De acordo com o Sindicato dos Petroleiros do Estado de São Paulo (SindipetroSP), a mobilização dos funcionários, que começou na manhã desta segunda-feira, foi decidida na semana passada depois de assembléias em todo o País. Segundo o sindicato, a Petrobras reduziu em até 50% o valor da PLR, apesar de os trabalhadores terem aumentado a produção e atingido as metas estipuladas. Nas refinarias do Estado paulista, a adesão à paralisação passa de 90%, de acordo com o sindicato. Em Paulínia, na Refinaria do Planalto Paulista, e em Mauá, na Refinaria de Capuava, os funcionários não entraram nas empresas para trabalhar. Nos terminais de Guarulhos, Guararema, Barueri e São Caetano do Sul, a adesão da categoria varia de 90% a 100%. Na sede administrativa da Petrobras em São Paulo, 95% dos petroleiros pararam as atividades. A Petrobras informou que, em dezembro passado, apresentou proposta para pagamento antecipado da PLR de 2012, com base nos mesmos critérios adotados em anos anteriores para a antecipação. Segundo a nota, são considerados os resultados das empresas da Petrobras nos três primeiros trimestres de cada ano.

Tragédia de Santa Maria – Suspeita de adulteração de provas levou polícia a pedir prisões


O empresário Mauro Hoffmann, um dos proprietários da boate Kiss, também dono da boate Absintho (em Santa Maria), que estava foragido, se entregou à polícia na tarde desta segunda-feira. Ele foi à delegacia de Polícia de Santa Maria para prestar depoimento e esclarecimentos ao delegado Marcelo Arigony. Marcelo Hoffman tinha a prisão preventiva decretada desde domingo. Mais cedo, já haviam sido presas outras três pessoas investigadas pelo incêndio que deixou 231 jovens mortos. Logo após a chegada de Marcelo Hoffmann, o advogado criminalista Mario Cipriane compareceu ao local. Segundo o advogado, o empresário estava sumido porque estaria enfrentando problemas de saúde devido à inalação de fumaça tóxica. Além de Marcelo Hoffmann, foram detidos outro sócio da boate Kiss, Elissandro Sphor, conhecido como Kiko, filho do bilionário Spohr, dono do grupo BG (das lojas BG Pneus), o vocalista da banda Gurazida Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, e Luciano Bonila, que cuida da montagem do palco. A suspeita de que os donos da boate Kiss e os integrantes da banda Gurizada Fandangueira adulteraram provas levou a Polícia Civil a pedir a prisão dos quatro envolvidos na tragédia. De acordo com a promotora Waleska Agostini, durante os depoimentos de testemunhas colhidos pelo polícia surgiram relatos de que os proprietários da casa, Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann, teriam dado ordens para mexer nas imagens colhidas pelas câmeras do circuito interno e na caixa registradora. As imagens poderiam indicar, por exemplo, se os seguranças da casa realmente impediram a saída dos clientes quando começou o fogo. A caixa registradora mostraria quantas pessoas de fato estavam no local. A capacidade era de mil lugares, mas há suspeita de superlotação. Os dois integrantes da banda presos também teriam poder para adulterar provas. Segundo a promotora, era Marcelo quem dava a ordem para Luciano disparar o artefato pirotécnico que deu origem ao incêndio. As prisões foram decretadas pelo juiz de plantão, Régis Bertolini, ainda no domingo, e valem por cinco dias, podendo ser renovadas por outros cinco. “Inicialmente o crime seria homicídio culposo (sem intenção). Mas se surgirem provas de que houve omissão podemos mudar para dolo (intenção) eventual”, disse o promotor Joel Oliveira Dutra, que também acompanha o caso.

Associação de Bombeiros de Pelotas está fazendo uma grave denúncia


A Associação dos Bombeiros de Pelotas está fazendo uma grave denúncia que precisa ser recebido com toda atenção. Os bombeiros denunciam que a situação na cidade é "degradante". E afirmam: "Donos de casas noturnas, festas e ou eventos públicos usam jeitinhos para driblar a legislação de prevenção". E mais, os bombeiros afirmam que esses empresários recebem a ajuda de vereadores para conseguir a liberação de alvarás junto ao Corpo de Bombeiros. Agora, o mais grave: eles avisam que militares, que cumprem a legislação, são retirados da fiscalização pelo Comandante, pois "podem comprometer a tranquilidade do seu reinado". Resumindo, eles afirmam: "Não, Pelotas não está cumprindo a legislação, pois o prefeito e o comandante do Corpo de Bomberiros simplesmente não se comunicam, não há um trabalho em conjunto para resolver esses problemas, deixando completamente ao acaso a prevenção contra incêndios em Pelotas". E finalizando, os bombeiros de Pelotas avisam: "uma tragédia local, com certeza, irá acontecer, é só saber a data". Pelotas, assim como Santa Maria, é um grande centro universitário, reunindo estudantes de todo o Rio Grande do Sul, de outros Estados e do Exterior.

Dono da boate Kiss se apresenta à polícia em Santa Maria para prestar depoimento

O empresário Mauro Hoffmann, um dos proprietários da boate Kiss, e também dono de outra boate em Santa Maria, a Absintho, que estava desaparecido desde a madrugada de domingo, apresentou-se na delegacia de Polícia Civil de Santa Maria para prestar depoimento e esclarecimentos ao delegado Marcelo Arigony. O empresário estava com a prisão preventiva decretada para a realização de investigações sobre o trágico incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria. Logo após a chegada de Hoffmann, seu advogado compareceu ao local e, segundo ele, o empresário estava sumido porque estaria enfrentando problemas de saúde devido à inalação de fumaça tóxica.

Jovem manifesta sintomas de pneumonia quase 24 horas após festa e é internada em UTI


no domingo, enquanto chorava a morte dos amigos, a estudante Ingrid Preigschadt Goldani - que estava na boate Kiss no momento do incêndio - se apressava em avisar a todos que estava bem. No Facebook, postou diversas mensagens lamentando a tragédia e chegou a conceder entrevistas para jornais e rádios. No fim da noite, a jovem, que estava em casa, em Santa Maria, começou a manifestar os sintomas de intoxicação: tosse e insuficiência respiratória. Em menos de duas horas, teve de ser conectada a um respirador e levada para a UTI do Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre. A mãe de Ingrid, Eliete Goldani, acessou a conta da filha para comunicar os amigos dela sobre a transferência: "Pessoal sou a mãe da Ingrid minha filha amada acabou de ser transferida para UTI do Cristo Redentor em POA rezem por ela". Qualquer pessoa que esteve no local pode desenvolver esse quadro e deve procurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Maria, ou o Pronto Atendimento Municipal. Quem for de outra cidade, procure os hospitais da região. Pelo menos 80 jovens internados estão em estado crítico, sendo que 40 estão conectadas a respiradores.

Cinco militares da Força Aérea Brasileira estão entre os mortos na tragédia da boate Kiss em Santa Maria

A Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou nota de pesar no início da tarde desta segunda-feira na qual informa que cinco militares da Base Aérea de Santa Maria morreram no incêndio na boate Kiss, que deixou pelo menos 231 mortos no município da região central do Estado. Todos os militares, segundo a FAB, serão sepultados no Rio Grande do Sul. São eles: o sargento Luiz Carlos Ludin de Oliveira e os soldados Giovani Krauchemberg Simões, Leandro Nunes da Silva, Rodrigo Dellinghausen Bairros Costa e Rhuan Scherer de Andrade. A Força Aérea comunicou também que já transportou, até a manhã desta segunda-feira, 39 feridos de Santa Maria para Porto Alegre, em quatro tipos de aeronaves, entre aviões e helicópteros. Somente durante a madrugada houve 15 transferências. São cerca de mil militares envolvidos na missão, além de 64 médicos e enfermeiros e quatro psicólogos. Segundo a Força Aérea, há a disponibilidade de mais aeronaves serem acionadas caso necessário.

GM adota terceiro turno e abre 2450 novos empregos em Gravataí


O Complexo Industrial de Gravatai vai ganhar terceiro turno e 2.450 novos empregos, com sucesso de vendas do novo Chevrolet Onix. Fábrica da GM terá 1.450 novas vagas e sistemistas mais 1.000. Complexo Industrial de Gravatai vai ganhar terceiro turno e 2.450 novos empregos, com sucesso de vendas do novo Chevrolet Onix. Fábrica da GM terá 1.450 novas vagas e sistemistas mais 1.000. Nova fábrica de motores de Joinville terá 180 novos empregos.  Após alcançar a marca de dois milhões de veículos produzidos no dia 13 de dezembro, a GM anunciou nesta segunda-feira a criação do terceiro turno de trabalho, que resultará na criação de 2.450 novos empregos (1.450 na fábrica da GM e outros 1.000 nos sistemistas). Atualmente a unidade gaúcha produz os modelos Celta e Onix hatchback e um novo veículo que ainda será lançado no mercado brasileiro. A unidade de Gravataí completou, no ano passado, 12 anos desde sua instalação no Rio Grande do Sul, em 20 de julho de 2000, sendo a primeira da GM do Brasil alocada fora do Estado de São Paulo. Situada em um parque junto a outras 19 empresas que fornecem componentes e sistemas para o processo produtivo da GM, os chamados "sistemistas". A fábrica é um modelo de operação fabril para diversas companhias em todo o mundo. A fábrica passou pelo seu terceiro ciclo de expansão, o chamado Projeto Onix, que absorveu um investimento de R$ 1,4 bilhão. O projeto Onix já resultou no lançamento, em outubro de 2012, do Onix hatchback, e está previsto para o próximo mês de fevereiro, o lançamento do segundo modelo. Simultaneamente ao anúncio do terceiro turno na unidade de Gravataí, a GM está anunciando também a contratação de 180 empregados para a nova fábrica de motores e cabeçotes, em Joinville (SC), que já está em operação e será inaugurada oficialmente no próximo dia 27 de fevereiro de 2013. Desde o último mês de agosto, a fábrica tornou-se a primeira unidade fabril da companhia no país a reciclar nada menos que 100% dos resíduos industriais gerados a partir do seu processo produtivo.

Engenheiros gaúchos denunciam em Porto Alegre: "Santa Maria foi uma tragédia anunciada"


Nesta segunda-feira a Associação Sulriograndense de Engenharia de Segurança tirou extensa nota sobre a tragédia de Santa Maria, focando a responsabilidade em cima dos verdadeiros responsáveis. Avisou a nota da Ares: "É notório, porém, que, de certa forma, essa acaba sendo uma tragédia anunciada. Afinal, é doutrina da área que um incêndio só ocorre porque a prevenção falhou". Os engenheiros gaúchos chamaram a atenção para o desinteresse com que a sociedade, a mídia e os empreendedores acompanham as discussões que “há algum tempo os especialistas da área de incêndio, inclusive componentes do Corpo de Bombeiros, vem tocando adiante, revelando os perigos existentes e a necessidade de se avançar em vários aspectos ligados à prevenção de incêndios”.

Sob domínio do PMDB, Senado amplia gastos com pessoal em 57% em 10 anos


José Sarney (AP), Renan Calheiros (AL) e Garibaldi Alves Filho (RN), os três peemedebistas que presidiram o Senado nos últimos dez anos, deixam como legado de suas gestões um aumento real de 57% nos gastos com pessoal e uma  ampliação de 741% no número de cargos comissionados, aqueles ocupados por servidores não concursados. Sob o domínio do PMDB, partido que deve manter sua hegemonia no comando do Senado nos próximos dois anos, com a volta de Renan à presidência, a instituição viveu ainda seu maior escândalo administrativo: a nomeação irregular de funcionários por meio de atos secretos, não publicados nos Boletins de Pessoal. O episódio ensejou inúmeras promessas não cumpridas de reformas administrativas. A folha de pagamentos de pessoal consome anualmente R$ 2,88 bilhões. Há uma década, o custo era de pouco mais de R$ 1 bilhão. Em valores corrigidos, a cifra chega a R$ 1,83 bilhão. Os números, publicados em boletim do Ministério do Planejamento, não incluem o pessoal terceirizado. A expansão salarial acima da inflação que ocorreu desde 2003 supera em quase 20% a verificada na Câmara dos Deputados (38%) no mesmo período. Também é maior que a do governo federal (45%). Somados os efetivos e comissionados, o Senado tinha, no final de 2012, um total de 6.427 pessoas em sua folha de servidores ativos. No início de 2003, eram 3.955 (aumento de 62% desde então). Os não concursados somavam apenas 379 há 10 anos, e hoje são 3.194.

Drauzio Varella vai ao ponto, contestação nos jornais da internação compulsória de viciados é “ridícula”, “ideologizada”, “vazia” e “cheia de jargões”


Do jornalista Reinaldo Azevedo - Escrevi já alguns textos sobre a internação compulsória de viciados em crack. Apontei a estupidez dos que criticam a medida e acusam de ferir a dignidade humana. Demonstrei que certas figuras carimbadas do pensamento “politicamente correto” — e estupidamente incorreto —, como o tal padre Júlio Lancelotti, estão é fazendo guerrinha ideológica. Mas eu, como sabem, sou apenas um jornalista. Leiam, então, trecho da entrevista concedida pelo médico Dráuzio Varella a Cláudia Collucci, na Folha:
*
Revoltado. É assim que o médico e colunista da Folha Drauzio Varella, 69, diz se sentir com a polêmica envolvendo a internação compulsória de dependentes de crack, adotada há uma semana pelo governo Alckmin. Cancerologista de formação e com profundo conhecimento em dependência química, Varella considera a discussão “ridícula”. “Que dignidade tem uma pessoa jogada na sarjeta? Pode ser que internação compulsória não seja a solução ideal, mas é um caminho que temos que percorrer. Se houver exagero, é questão de corrigir.” Ele defende que as grávidas da cracolândia também sejam internadas mesmo contra a vontade. “Eu, se tivesse uma filha grávida, jogada na sarjeta, nem que fosse com camisa de força tiraria ela de lá.”
(…)
Folha – Muito se discute sobre a ineficácia das internações compulsórias. Na opinião do sr., elas se justificam?
Drauzio Varella - Não conhecemos bem a eficácia ou a ineficácia porque as experiências com internações compulsórias são pequenas no mundo. Mesmo as de outros países não servem para nós. O Brasil tem uma realidade diferente. Neste momento, temos uma quantidade inaceitável de usuários. E muitos chegando aos estágios finais. Estão nas ruas, nas sarjetas. O risco de morte é muito alto, e nós estamos permitindo isso.
Qual o tratamento ideal?
Depende da fase. Você tem usuários que usam dois ou três dias e param. Tem gente que usa um, dois dias, repete e nunca mais fica livre. E você tem os que chegam à fase final. A gente convive com essa realidade, e quando o Estado resolve criar um mecanismo para tirar essas pessoas da rua de qualquer maneira começa uma discussão política absurda. Começam a falar que essa medida não respeita a dignidade humana. Que dignidade tem uma pessoa na sarjeta daquela maneira? Está na hora de parar com essa discussão ridícula. Pode ser que internação compulsória não seja a solução ideal, mas é um caminho que temos que percorrer. Se houver exagero, é uma questão de corrigir. Vai haver erros, vai haver acertos. Temos que aprender nesse caminho porque ninguém tem a receita.
O debate está ideologizado?
Totalmente. É uma questão ideológica e não é hora para isso. Estamos numa epidemia, quanto mais tempo passa, mais gente morre. Sempre faço uma pergunta nessas conversas: ‘Se fosse sua filha naquela situação, você deixaria lá para não interferir no livre arbítrio dela?’ Eu, se tivesse uma filha grávida, jogada na sarjeta, nem que fosse com camisa de força tiraria ela de lá. Quando vemos essa discussão nos jornais, parece que estamos discutindo o direito do filho dos outros de continuar usando droga até morrer. É uma argumentação frágil, jargões vazios, de 50 anos atrás. Eu fico revoltado com essa discussão inútil.

Tragédia


O país parou para acompanhar detalhes de uma das maiores tragédias de sua história. Duzentos e trinta e um moços e moças saíram de casa para se divertir na noite de sábado e jamais voltarão. Morreram queimados ou asfixiados — a grande maioria — na boate Kiss, na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Ficamos, especialmente os pais de adolescentes e jovens, paralisados de medo, de apreensão, de terror. Qualquer morte nos diminui. A de um ente querido nos destroça. A de um filho, então, subverte aquele que é o nosso mais duro aprendizado: morrer um pouco por dia para que sobreviva a nossa descendência. Em “Cântico do Calvário”, escrito justamente em memória de um filho morto, Fagundes Varela pôs nos justos termos:
“Eras na vida a pomba predileta
Que sobre um mar de angústias conduzia
O ramo da esperança. — Eras a estrela
Que entre as névoas do inverno cintilava
Apontando o caminho ao pegureiro.”
Penso na dor dessas mães e desses pais e rezo para que encontrem algum conforto. Lembro-me de ter me irritado certa feita com a minha mãe por causa de seu excesso de preocupação, ainda que estivéssemos a centenas de quilômetros de distância: “Pô, eu sei o que faço; já tenho mais de trinta anos”. E ouvi do outro lado: “E continua meu filho; filho não tem idade para mãe e para pai”. Hoje sou eu que ouço: “Pai, eu já tenho 18, já tenho 16…”. Filhos não têm idade. As nossas crianças têm de voltar para que possamos fechar a porta, deixando do lado de fora as tormentas. Mas a nossa dor também tem de saber exercitar a devida ira. Com a conivência de muitos, a Kiss não era uma boate, mas uma armadilha. Parece evidente que muitos milhares se arriscaram antes a morrer nas suas dependências. Faltava apenas o casamento do fortuito com o inexorável. As imprudências meticulosa e metodicamente praticadas careciam do elemento incidental, da estupidez que serve de estopim, do gesto tolo, irrelevante, que provoca a reação em cadeia e resulta na tragédia. Na madrugada de sábado para domingo, ele veio na forma de um sinalizador, uma espécie de fogos de artifício, usado pela banda. Uma fagulha atingiu o teto de papelão e material de proteção acústica, altamente inflamáveis. Em segundos, o fogo se espalhou pelo teto. Estima-se que 90% das vítimas fatais tenham morrido asfixiadas pela fumaça, não queimadas. Talvez duas portas de emergência, destravadas, tivessem bastado para evitar a tragédia. O Plano de Prevenção de Combate a Incêndio tinha vencido em agosto do ano passado e não havia sido renovado, informa o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul, coronel Guido Pedroso de Melo. É, sim, uma informação relevante, que parece indicar que a casa não primava exatamente pelo respeito às regras. Mas essa informação pode contribuir para omitir outra, que me parece ainda mais importante: quer dizer que, até agosto de 2012, o Corpo de Bombeiros julgava que tudo ia bem num imóvel que abriga duas mil pessoas e tem uma única porta. Ela não só servia à entrada e à saída dos frequentadores como era obstruída por uma espécie de biombo, que impedia os seguranças de ver o que se passava lá dentro, razão por que, por alguns poucos minutos, eles tentaram impedir a fuga dos jovens, supondo que queriam sair sem pagar a conta. O incêndio causou um curto-circuito e deixou a moçada no escuro, em meio à fumaça. Não havia luzes de emergência, acionadas automaticamente quando há o corte do fornecimento de energia elétrica. Um extintor também não teria funcionado. A boate Kiss não poderia, naquelas condições, estar funcionando. E não era um empreendimento pequeno, que tivesse existência clandestina. Talvez fosse a maior casa do gênero em Santa Maria, uma cidade de porte médio, com 230 mil habitantes, mas com vida noturna agitada em razão da universidade federal, que atrai jovens do Brasil inteiro. A festa de sábado tinha sido organizada por alunos do primeiro ano dos cursos de de Tecnologia de Alimentos, Agronomia, Medicina Veterinária, Zootecnia, Tecnologia em Agronegócio e Pedagogia. Não, senhores! Essa não é uma tragédia fabricada pelo acaso. Ela é obra de uma cadeia de descasos. Uma casa dessas dimensões tem de ter, por exemplo, uma brigada civil de combate a incêndios. A ela caberia dizer à tal banda “Gurizada Fandangueira” que o ambiente era impróprio para o uso de fogos de artifício. Que se apurem as responsabilidades. Não sou polícia técnica nem perito. Mas há elementos de sobra para concluir que a “fatalidade” que resultou na morte de 231 jovens foi construída. Eles foram mortos pela estupidez, não pelo destino. PS – Por mais que fique constrangido e até envergonhado de escrever isto num texto dessa natureza, é inevitável. Vamos lá. Dilma Rousseff fez bem ao interromper a sua viagem e se deslocar para Santa Maria. É a presidente de todos os brasileiros, e uma grande tragédia aconteceu por lá. Goste-se ou não disso, representa todos os brasileiros. A presidente chorou, e acho que estava sendo sincera. Dispensável, porque tem o cheiro inevitável da exploração política, é a nota de Lula e sua mulher, Marisa. Ele não exerce mais cargo público. E não se espera que cada político se manifeste a respeito. Dilma está investida do cargo mais importante da República. Ele, embora não se dê conta disso, não. É só mais uma evidência de que não tem mesmo limites. Por Reinaldo Azevedo