sexta-feira, 15 de junho de 2012

Inadimplência com cheque sobe 6,5% no Sudeste em maio

O nível de inadimplência de pessoas físicas em compras com cheques aumentou 6,5% em maio em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com pesquisa feita pela Telecheque. Em relação a abril deste ano, o aumento foi maior, de 10,61%. A falta de fundos continua sendo a principal causa para inadimplência, correspondendo a 80% dos casos. Os outros principais motivos são: sustação (7,4%), roubos/furtos (2,3%) e fraudes (2,3%). A região Sudeste teve o terceiro índice mais alto dentre as regiões brasileiras. O Nordeste ficou em primeiro lugar, com 4,15%, seguido pela região Norte, com 3,92%. A região Sul, quarta colocada, ficou com 2,84% de inadimplência, seguida pela Centro-Oeste, que teve o menor índice, de 2,57%. A pesquisa também aponta que o valor médio dos cheques continua crescendo. Entre maio de 2012 e de 2012, o "ticket médio" do sudeste subiu 19,82% (de R$ 259,01 para R$ 310,35). A pesquisa foi feita em 890 municípios do País e levou em conta os valores das transações nos segmentos de alimentação, automotivos, calçados, combustíveis, educação, eletroeletrônicos, joalheria e bijouterias, magazines e lojas de departamentos, máquinas e peças, material de construção, móveis, decoração e artigos para o lar, produtos diversos, saúde, serviços diversos, turismo, entretenimento e vestuário.

Governo Dilma "compra" tempo de televisão e o apoio de Maluf a Haddad, por cargo de secretário no Ministério das Cidades

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) conseguiu emplacar um indicado seu como secretário nacional de saneamento ambiental do Ministério das Cidades, comandado pelo pepista Aguinaldo Ribeiro. A indicação de Osvaldo Garcia, publicada no Diário Oficial desta sexta-feira, ocorre dias antes de o partido definir o apoio a Fernando Haddad, pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo. Garcia é engenheiro e não é filiado ao PP, apesar de ser ligado ao deputado. Para convencer Maluf, o governo federal vai tirar Leodegard da Cunha, nome do PP nacional, da secretaria de acessibilidade e programas urbanos e realocá-lo em uma secretaria do Ministério das Cidades comandada pelo PSC. O apoio do PP ao tucano José Serra na corrida eleitoral de São Paulo era dado como certo, mas as relações do PSDB com o PP azedaram e Maluf decidiu intensificar contatos com a campanha petista. O PP é dono de fatia de 1min35s na propaganda eleitoral de TV.

Governo Dilma se desespera para ativar economia e anuncia financiamento de R$ 20 bilhões para Estados

Depois de uma reunião de cerca de quatro horas com governadores e vices das 27 unidades da federação, o governo federal anunciou nesta sexta-feira medidas para incentivar os investimentos dos Estados. A intenção é que o aumento desses gastos ajude a estimular a economia e o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) nos próximos anos. O governo Dilma parou completamente, não consegue fazer andar uma obra sequer, o PAC é um fantasma. Então, o governo petista de Dilma quer agora comprometer mais ainda as finanças dos Estados, oferecendo um endividamento, para que realizem obras que reativem a economia, o que ela não consegue. A principal decisão de Dilma foi a liberação de uma linha de crédito de R$ 20 bilhões pelo BNDES para investimentos, o que, segundo o ministro Guido Mantega (Fazenda), é a maior linha já criada para os Estados. Os entes pagarão juros subsidiados com prazo de 20 anos e terão até 31 de janeiro de 2013 para contratar os recursos. Se quisesse realmente reaquecer a economia, Dilma precisaria ter feito coisa diferente: trocaria a dívida dos Estados por investimentos destes, em áreas previamente destacadas, como rede hospitalar, estradas, portos, aeroportos. Além disso, a União vai dar início a uma nova temporada do PAF (Programa de Ajuste Fiscal), que avalia as contas dos Estados e habilita os entes a obter novos financiamentos. Isso não é solução, isso é aumentar o problema, tornar os Estados muito mais endividados do que já estão, e muito mais dependentes do poder central. Segundo Mantega, alguns Estados ainda têm espaço fiscal autorizado no ano passado para contratar novos recursos, e outros terão novos limites estabelecidos em até um mês e meio. Outra medida foi tomada para incentivar a formação de PPPs (Parcerias Público-Privadas) entre os Estados e empresas. Nesses casos, haverá uma mudança contábil e os recursos repassados pelos Estados serão classificados como aporte de capital, e não mais como receitas das empresas. Com isso, elas ficarão livres de pagar PIS/Cofins e Imposto de Renda, o que barateia o empreendimento. "Com esse conjunto de medidas, nós estamos ampliando a capacidade de investimentos dos Estados. Isso vai se somar ao esforço que o governo vem fazendo para ampliar os investimentos", afirmou Mantega. A troca da dívida dos Estados por investimento teria a capacidade de dar início a uma nova fase de desenvolvimento sustentado.

Dnit chamará outra empresa para substituir Delta em obra no Mato Grosso do Sul

O Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) em Mato Grosso do Sul decidiu descartar a construtora Delta e chamar a próxima empresa habilitada em uma licitação para revitalizar um trecho de 108 quilômetros da BR-163. De acordo com o superintendente do departamento em Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Nogueira, a decisão foi tomada depois que a Controladoria-Geral da União declarou a empresa inidônea, o que a impede de assinar contratos com a administração pública. A licitação para recuperar o trecho da BR-163, que vai de Dourados a Nova Alvorada do Sul, começou em janeiro e o resultado foi homologado em maio. As duas primeiras empresas foram inabilitadas na fase de análise documental. A Delta, que fez a terceira melhor proposta (R$ 30,9 milhões), deveria assinar o contrato com o Dnit-MS. A próxima habilitada é a mineira Vilasa Construtora, que pediu R$ 31,4 milhões pelo serviço. Segundo Nogueira, a empresa deve ser procurada em até 15 dias, prazo em que a procuradoria do órgão deve emitir um parecer jurídico indicando que a construtora não tem impedimentos para executar a obra. A Vilasa só fará a obra se for pelos R$ 30,9 milhões propostos pela Delta, pois o valor já foi homologado. Caso a Vilasa não aceite, o Dnit pode procurar as outras 13 empresas habilitadas na licitação. A obra deve levar dois anos para ser concluída. O superintendente do Dnit em Mato Grosso do Sul diz que o único contrato que tem com a Delta, no valor de R$ 46,87 milhões, termina na próxima semana. "Encerra-se dia 20 agora e estou livre de Delta aqui", disse Nogueira. A obra de revitalização de 127 quilômetros da BR-163, entre a divisa com o Paraná e a cidade de Naviraí (a 361 quilômetros de Campo Grande), começou a ser feita em julho de 2010.

Dilma quer manter Eduardo Braga na liderança do governo no Senado

A presidente Dilma Rousseff disse ao líder do governo do Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), que prefere sua permanência no cargo, disseram interlocutores. Ele avalia deixar a liderança para disputar a prefeitura de Manaus. Eduardo Braga prometeu à presidente uma resposta definitiva até 30 de junho. Se a candidatura for confirmada, será a segunda vez que a presidente Dilma trocará o líder do governo em três meses. Em março deste ano, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) foi substituído por Eduardo Braga porque a presidente queria deslocar o centro de poder dentro do PMDB, nacionalmente aglutinado por Renan Calheiros (AL) e Romero Jucá. Agora, o Palácio do Planalto está preocupado em ter de mexer no time novamente, sobretudo porque Dilma confia no atual líder e não vê vantagem em uma troca no momento. Na quinta-feira, o ex-senador Arthur Virgílio (AM) confirmou sua candidatura, que será oficializada na próxima terça-feira. A entrada do tucano na disputa mudou o quadro eleitoral, uma vez que ele é um forte candidato e inimigo político de Eduardo Braga. É justamente isso que pode forçar a candidatura de Eduardo Braga. A interlocutores, ele tem dito que sairá candidato se houver risco de desintegração de sua base política no Amazonas. Isso porque o nome indicado por ele, o deputado estadual Marcos Mota (PMDB), não conseguiu aglutinar forças.

Ministra do STF nega pedido de Demóstenes para suspender processo

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido de liminar feito pelo senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) na tentativa de suspender o processo de cassação que tramita no Conselho de Ética do Senado. A defesa de Demóstenes tentava paralisar as investigações até que o tribunal decidisse sobre a realização de perícia em áudios da Operação Monte Carlo que, segundo os advogados do senador, foram adulterados. O senador também tentava adiar reunião do conselho marcada para segunda-feira, quando o relator, senador Humberto Costa (PT-PE), irá apresentar o relatório final. Segundo os advogados de Demóstenes, houve cerceamento de sua defesa. A ministra, no entanto, afirmou que o assunto é uma questão interna do Senado e não caberia ao Supremo interferir. O senador responde a processo no Conselho de Ética pela suspeita de beneficiar o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de exploração de jogos ilegais e outros crimes.

OSX, de Eike Batista, obtém R$ 2,7 bilhões de bancos estatais para seu estaleiro

A OSX, empresa especializada em construção naval do grupo EBX, do empresário Eike Batista, obteve empréstimo de R$ 2,7 bilhões do BNDES e da Caixa Econômica Federal. O dinheiro deverá ser usado na implantação do estaleiro da companhia no Porto do Açu, empreendimento também de Eike Batista em São João da Barra, no norte do Estado do Rio de Janeiro. Cada instituição liberou o financiamento de R$ 1,35 bilhão, informou a OSX em nota, com repasse de recursos do Fundo de Marinha Mercante. O prazo do financiamento é de 252 meses (21 anos) para ambas as instituições financeiras, com 42 e 36 meses de carência para amortização do principal e 36 e 30 meses de carência para pagamento de juros junto ao BNDES e CEF, respectivamente. A taxa média de juros prevista é a variação cambial mais 3,38% ao ano, com pagamentos mensais junto às amortizações do principal após a carência. As obras do estaleiro da OSX no Porto do Açu foram iniciadas em julho do ano passado. Uma fase parcial de operação será iniciada no primeiro trimestre de 2013. A carteira de pedidos da OSX conta com 16 plataformas marítimas destinadas à produção de petróleo e gás no Brasil. "A UCN (Unidade de Costrução Naval) Açu é um extraordinário instrumento para o desenvolvimento da produção de petróleo e gás do Brasil. A contratação do financiamento do FMM (Fundo da Marinha Mercante) reafirma a importância estratégica de sua implantação para o nosso país", disse em nota Eike Batista, presidente do Conselho de Administração da OSX.

Prefeita do PT rompe com PSB no Ceará e critica governador

Dois dias após o rompimento de uma aliança de oito anos entre PT e PSB no Ceará, a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), fez duras críticas ao governador do Estado, Cid Gomes (PSB). O PSB do Ceará anunciou nesta semana que irá lançar candidato próprio à prefeitura porque não concorda com a indicação do ex-secretário municipal de Educação, o petista Elmano de Freitas, para disputar o cargo. Os socialistas apostavam na mudança do nome petista para a manutenção da aliança. Mas, como o PT manteve a escolha, o PSB anunciou o rompimento. "Agora vamos, de fato, cada vez mais, tornar claras as impressões que a gente tem sobre o governo do PSB", disse Luiziane. "Se as coisas mudam, no sentido de que não existe mais aliança, não tem porque eu tratar como aliado quem não me trata como aliada", afirmou. A prefeita afirmou que havia poupado o governo até agora por não gostar de "fazer política com futrica". Durante entrevista à imprensa local, na noite de anteontem, Luizianne classificou a política de segurança do Estado como "desastrosa" e reclamou da ação do governo Cid no combate a seca. A prefeita disse ainda que o ex-deputado federal Ciro Gomes (PSB) "efetivamente está mandando" no governo do irmão no Ceará. Criticou ainda secretários de governo e aliados de Cid na Assembléia Legislativa. O socialista governa praticamente sem oposição.

EPTV compra um terço de afiliada da Globo na Bahia

O Grupo EPTV, fundado há 32 anos em Campinas (SP), comprou 33% da Rede Bahia, afiliada à Rede Globo. De acordo com a empresa, a Rede Bahia passa a ser controlada pelos grupos das famílias de Antonio Carlos Magalhães Júnior (33%), Luís Eduardo Magalhães Filho (33%) e Antonio Carlos Coutinho Nogueira e José Bonifácio Coutinho Nogueira, antes da EPTV. O valor da transação não foi divulgado. Ainda segundo a EPTV, a Rede Bahia possui seis emissoras de TV e cobre 417 localidades. Também tem quatro emissoras de rádio, jornal impresso e portais na internet. Já o grupo EPTV conta com quatro emissoras de TV no interior de São Paulo e Minas Gerais, duas emissoras de rádio, dois jornais e portais na internet, com cobertura em 300 municípios.

Bilionário mexicano compra ações de petroleira argentina

O grupo do magnata mexicano Carlos Slim comprou 8,4% das ações da petroleira argentina YPF das mãos de um sindicato de bancos, segundo documentos publicados pelo regulador do mercado de ações americano (SEC). O Domitgrupo Financiero Inbrusa de Carlos Slim e outras de suas companhias adquiriram 32.908.506 ações comuns classe D da petroleira argentina expropriada do grupo espanhol Repsol, de acordo com a SEC. As ações foram compradas de um sindicato de bancos que havia emprestado dinheiro ao grupo argentino Petersen para adquirir uma participação na YPF anos atrás. Depois da estatização da companhia, Petersen não cumpriu sua dívida com esses bancos e então as ações passaram às mãos do credor. A presidente argentina, Cristina Kirchner, decidiu em abril passado expropriar da Repsol 51% da YPF, alegando falta de investimentos, o que desatou uma grave crise diplomática com a Espanha. Em 3 de maio, o Congresso da Argentina sancionou a lei que transferiu ao Estado o controle da YPF (51% das ações), e diminuiu o capital da Repsol de 57,43% para 6,43%, enquanto o Grupo Petersen conservava seus 25,46% e o mercado de ações, seus 17,09%.

Polícia Federal impede que jornalista de ONG moçambicana entre no Brasil

O jornalista Jeremias Vunjanhe, da ONG Justiça Ambiental, de Moçambique, foi impedido de entrar no país pela Polícia Federal. Ele viria participar da Cúpula dos Povos, movimento paralelo à Rio+20, mas não pôde deixar o aeroporto internacional de Guarulhos. Vunjanhe é conhecido em Moçambique por ser um crítico à atuação da companhia Vale no país. Na Cúpula dos Povos, ele participaria de um evento chamado 3º Encontro Internacional dos Atingidos pela Vale. A instalação da mineradora brasileira em Moçambique tem gerado polêmica e diversos conflitos entre o governo e os órgãos de direitos humanos locais. Jeremias Vunjanhe chegou em vôo de Maputo, na terça-feira. Ao desembarcar teve o passaporte recolhido e um carimbo: Impedido da Sinpi (Sistema Nacional de Impedidos e Procurados). Segundo nota divulgada pela organização da Cúpula dos Povos, não foi explicado a Vunjanhe o motivo de mandá-lo de volta a Moçambique.

Ministra do STJ recusa relatar inquérito contra governadores

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça, recusou relatar os inquéritos contra os governadores de Goiás, Marconi Perillo, e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. Os procedimentos foram pedidos na quarta-feira pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Esta é a segunda vez que Laurita recusa processo relacionado às investigações da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que combateu a exploração de jogos ilegais em Goiás. Ela havia se recusado a relatar um pedido de habeas corpus do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Segundo o tribunal, a decisão da ministra de recusar os processos contra os governadores se deu pelos mesmos motivos e se deu por "foro íntimo". Os processos foram redistribuídos ao ministro Humberto Martins. Na ocasião em que recusou relatar o habeas corpus de Cachoeira, a ministra alegou que a investigação aponta o envolvimento de diversas autoridades de Goiás, o seu Estado de origem, e afirma conhecer alguns dos citados no processo. Laurita Vaz, no entanto, diz não conhecer Cachoeira e tampouco os fatos pelos quais ele é acusado.

Luiza Erundina diz "sim" ao PSB e será vice do petista Haddad na disputa pela prefeitura de São Paulo

Luiza Erundina (PSB-SP) aceitou oficialmente o convite do seu partido e será apresentada amanhã como vice na chapa do pré-candidato Fernando Haddad (PT) à prefeitura paulistana. O "sim" da ex-prefeita e deputada federal foi dado na noite desta quinta-feira ao vice-presidente socialista, Roberto Amaral, em jantar na capital. Antes, Amaral teve encontros com o deputado federal Márcio França (PSB-SP), presidente estadual da sigla, e com o vereador Eliseu Gabriel (PSB-SP), que comanda o diretório municipal. Na rodada de conversas, comunicou a ambos as razões da aliança com os petistas, a ser formalizada nesta sexta-feira pelo governador Eduardo Campos (PE), principal dirigente do partido, às 16 horas num hotel do centro paulistano. Pela manhã, Erundina se reunirá com os dirigentes municipais e estaduais de seu partido. A ex-prefeita, que militou no PT até 97, era, a princípio, refratária à ideia de participar da chapa com Haddad. Distante da direção socialista em São Paulo, a deputada tinha planos de trabalhar exclusivamente na campanha de sua assessora Mona Zeyn à Câmara da capital. Desde maio, contudo, vem sendo procurada por aliados de Haddad, que externou publicamente desejo de tê-la como companheira de chapa. Para dirigentes do PT, a escolha ajudará Haddad e compensará em parte o boicote da senadora Marta Suplicy ao pré-candidato.