terça-feira, 19 de julho de 2011

Infraero fará obra de R$ 85,75 milhões sem licitação em Cumbica

A Infraero irá realizar uma obra de R$ 85,75 milhões no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, sem licitação. A obra será contratada em regime emergencial, para "evitar colapsos devido ao fluxo atual de passageiros de Cumbica". A obra deverá transformar o antigo hangar da Vasp em um terminal remoto para passageiros. A previsão é que esse novo terminal atenda cerca de 5,5 milhões de passageiros por ano. Não haverá ligação entre esse terminal e o atual terminal de passageiros. A previsão é que a reforma termine em 180 dias após a assinatura do contrato e que fique pronta para a próxima alta temporada, que começa em fins de novembro/começo de dezembro. Ainda não foi definido quais companhias aéreas irão atuar no local. Também sem licitação, uma nova obra deverá ser feita na sequência, para transformar o antigo hangar da Transbrasil em outro terminal remoto.

Na Assembléia Legislativa do Paraná, 90% das aposentadorias estão irregulares

O presidente da Assembléia Legislativa do Paraná, deputado estadual Valdir Rossoni (PSDB), encaminhou nesta terça-feira ao Tribunal de Contas do Estado um relatório sobre as 302 aposentadorias concedidas pelo Poder Legislativo paranaense nos últimos anos a servidores efetivos. Segundo Rossoni, foram encontradas irregularidades em 90% dos benefícios. Entre as falhas em cumprir exigências legais, a mais comum foi não submeter à analise e registro no Tribunal de Contas do Estado os atos de aposentadoria efetuados na Casa. A maioria dos atos que sofreram essa negligência se referem à aposentadoria do cargo de procurador, que tem o valor mais alto: R$ 24 mil. Segundo o primeiro-secretário da Assembléia, Plauto Miró (DEM), vários servidores efetivos se aposentaram com cargos para os quais foram transferidos sem prestar concurso público, o que passou a ser ilegal após a Constituição de 1988. Foram analisadas as aposentadorias de procuradores, auxiliares administrativos, consultores administrativos, consultores jurídicos, consultores legislativos, consultores técnicos legislativos, jornalistas e técnicos administrativos. O pagamento das aposentadorias dos servidores efetivos gera despesa mensal de R$ 3,4 milhões à Assembléia, o equivalente a R$ 44,2 milhões por ano. É uma farra total com o dinheiro público.

Um terço dos Estados americanos com rating "Aaa" podem perder nota

A agência classificadora de risco Moody's indicou nesta terça-feira que, caso os Estados Unidos tenham sua nota rebaixada, a agência examinará a opção de diminuir a nota "Aaa" de cinco dos Estados americanos que possuem esta classificação. O anúncio corresponde a um terço deste número, uma vez quea agência atribui a melhor nota possível a 15 Estados. Os Estados que podem ter sua nota diminuída são: Carolina do Sul, Maryland, Novo México, Tennessee e Virgínia. "Caso a nota dos Estados Unidos seja degradada a Aa1 ou menos, as notas desses cinco Estados serão provavelmente rebaixadas também", indicou a Moody's no comunicado, indicando também que cada caso será examinado de forma separada. A decisão foi tomada após o anúncio de revisão da nota "Aaa" dos Estados Unidos, feito no dia 13 de julho. Segundo a Moody's, os cinco Estados em questão poderão ser afetados por problemas de emprego, particularmente pelo fato de o governo federal ser uma importante fonte de empregos. Dez outros Estados, igualmente com nota "Aaa", "têm os meios de resistir a uma degradação de um nível da nota da dívida: Alaska, Delaware, Georgia, Indiana, Iowa, Misuri, Carolina do Norte, Texas, Utah e Vermont", disse a agência.

Procuradoria pede anulação de contrato de R$ 66 milhões do Dnit

O Ministério Público Federal do Espírito Santo recomendou, nesta terça-feira, a anulação de um contrato feito pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes) com a empresa Contractor. De acordo com a Procuradoria, o contrato, de R$ 66,8 milhões, foi feito sem licitação. O documento foi assinado para a realização da uma obra em apenas 6,6 quilômetros da rodovia do Contorno, na BR-101. Segundo o procurador Fabrício Caser, o superintendente tem cinco dias, a partir desta terça-feira, para informar a Procuradoria sobre as providências adotadas. A recomendação foi feita ao diretor da Superintendência Regional do Dnit, Ralph Luigi. Em caso de descumprimento, a Procuradoria ainda pode acionar à Justiça. Segundo o procurador Fabrício Caser, o superintendente tem cinco dias, a partir desta terça-feira, para informar a Procuradoria sobre as providências adotadas. A anulação do contrato, de acordo com Caser, leva em conta "o vício de legalidade pela falta de realização de licitação". A Procuradoria recomenda ainda que o Dnit faça um estudo detalhado sobre os custos da obra. O maior contrato sem licitação do Dnit no ano passado ocorreu justamente na rodovia do Contorno. De R$ 228,2 milhões contratados sem licitação, R$ 66,8 milhões, quase 25%, seriam pagos à Contractor.

FMI alerta para consequências globais da crise européia

O FMI fez um alerta nesta terça-feira, dizendo que, se não houver rapidez para se lidar com a crise econômica na Europa, ela pode ter graves consequências em todo o mundo. Segundo o FMI, a zona do euro precisa tomar uma ação decisiva que impeça que a crise se espalhe para fora da Europa e que restaure a confiança no bloco. O órgão deixou claro que países como Grécia, Irlanda e Portugal precisam se manter fiéis às medidas de austeridade adotadas. Os três países receberam pacotes de ajuda, parcialmente financiados pelo FMI. A maioria das nações da zona do euro está, de acordo com o Fundo, passando por uma "sólida recuperação", mas o FMI alertou para o fato de isso estar distanciando os países mais fortes dos mais fracos. E essa tensão representa um risco "com possíveis implicações regionais e globais". O FMI estima que 17 países do bloco vão ter um crescimento econômico de 2% neste ano, mais alto do que a previsão anterior, de maio-, mas essa expansão cairá para taxas de 1,7% em 2012, mais baixas do que a estimativa prévia, de 1,9%.

Líder do PR pede que governo use mesma balança para todos

O líder do PR na Câmara, deputado federal Lincoln Portela (MG), pediu, nesta terça-feira, para que a presidente Dilma Rousseff use a "mesma balança" para todos os partidos, na hora de afastar pessoas do Ministério dos Transportes por causa de denúncias de irregularidades na pasta. Portela também cobrou que seja dado o direito de defesa a todos os envolvidos e criticou a "jurisprudência" que se criou de afastar todas as pessoas que estejam sob suspeita, correndo o risco de "crucificar" alguns. "A presidente Dilma é uma pessoa austera, coerente e competente, portanto uma só balança deve servir para todas as pessoas, sejam elas do PR ou não", disse Portela. Por causa das denúncias de irregularidades nos Transportes, o PSDB protocolou, nesta terça-feira, um requerimento de convocação do novo ministro, Paulo Passos. O documento foi apresentado na Comissão Representativa, formada por deputados e senadores que representam o Congresso durante o recesso parlamentar, que vai até o final do mês.

Lula visita mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia na Bahia

O ex-presidente Lula viaja, nesta quarta-feira, ao Nordeste. Sua primeira parada será Salvador, onde ele visitará Dona Canô, mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia. O encontro acontecerá no município de Santo Amaro, antigamente conhecido como Santo Amaro da Purificação. Dona Canô se recupera depois de uma internação por problemas respiratórios. Lula segue, ainda nesta quarta-feira, para Feira de Santana, onde visitará um hospital. À noite, ele será recebido no Palácio de Ondina para um jantar com o governador Jaques Wagner. Nesta quinta-feira, Lula participa do lançamento do Plano Safra do Estado da Bahia, em Salvador, e depois viaja para Recife, onde participa de um evento da Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque. Ainda em Pernambuco, Lula receberá, na manhã da sexta-feira, os títulos de Doutor Honoris Causa da Universidade de Pernambuco, da Universidade Federal de Pernambuco e da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Como ainda não se inventou a mágica da aprendizagem por osmose, com o livro embaixo do sovaco, é certo que ele não tirará qualquer vantagem desses títulos.

Tesouro Nacional vende R$ 265 milhões em títulos públicos pela internet

O Tesouro Nacional informou nesta terça-feira que os investidores aplicaram R$ 264,87 milhões no programa federal Tesouro Direto em junho, que permite a compra e a venda de títulos da dívida pública federal pela internet. A cifra do mês passado é inferior dos R$ 360 milhões negociados em maio, um volume histórico desde o início do programa federal, há nove anos. Quase metade (49%) dos títulos vendidos foram de papéis indexados ao IPCA, os chamados NTN-Bs. Títulos prefixados, que informam a rentabilidade no momento da aplicação, também tiveram forte procura (37% das vendas totais), a exemplo das LTNs e das NTN-Fs. Em terceiro lugar entre os títulos públicos mais procurados (14% das vendas) ficaram os títulos da dívida pública indexados à taxa Selic (a taxa básica de juros, referência para o custos dos empréstimos), os chamados LFTs. O balanço de junho mostra ainda que os investidores ainda preferem títulos que expiram em no máximo cinco anos: mais de 70% dos títulos vendidos venciam nesse prazo. Menos de 20% dos papéis comercializados venciam em um prazo superior a cinco anos. No mês passado, um total de 3.644 novos participantes se cadastraram, o que elevou a base de investidores do Tesouro Direto para 249.638 registros. Somente como termo de comparação, a base de investidores pessoa física na Bolsa de Valores ultrapassa a casa de meio milhão de CPFs. Toda a quarta-feira, o Tesouro faz leilões para recomprar os títulos da dívida pública adquiridos pelos investidores cadastrados. Em junho, as recompras somaram R$ 68,2 milhões, sendo quase 24% somente de LTNs (título prefixado). Neste semestre, o programa Tesouro Direto registrou um estoque de R$ 6 bilhões em títulos públicos mantidos pelos investidores, isto é, uma cifra 54% superior ao saldo registrado em junho do ano passado.

Embraer acerta venda de jatos executivos na China

A Embraer fechou acordo para vender até 20 jatos executivos para a chinesa Minsheng Financial Leasing, no que pode se transformar na primeira encomenda firme para a nova linha de produção da fabricante brasileira no país asiático. O memorando de entendimentos assinado nesta terça-feira entre a Embraer e a Minsheng estabelece que poderão ser jatos de toda a linha de produtos da fabricante na aviação executiva, com sete modelos diferentes. A expectativa é que todas as intenções de compra pela Minsheng sejam confirmadas nos próximos cinco anos, com entregas começando ainda em 2011. A Embraer acertou em abril a continuidade de sua fábrica na cidade chinesa de Harbin, na província de Heilongjiang, adaptando a unidade para montagem dos jatos executivos Legacy 600 e 650. A joint-venture chinesa da Embraer com a estatal Avic, criada em dezembro de 2002, produzia o avião comercial ERJ-145, de 50 assentos. Com a entrega do último ERJ-145 na carteira de pedidos na China há alguns meses, existia o risco de que a fábrica encerrasse suas operações. A Embraer queria instalar na China uma linha de montagem para a aeronave Embraer 190, de 100 passageiros, mas a idéia enfrentou resistência do governo local, que está desenvolvendo um jato regional similar. Além do Legacy 600 e do recém-lançado Legacy 650, a Embraer tem, na aviação executiva, os modelos Legacy 450, Legacy 500, Phenom 100, Phenom 300 e Lineage 1000 em seu portfólio.

Empresa terá que fiscalizar 550 bueiros por dia no Rio de Janeiro

A empresa que será contratada emergencialmente, por seis meses, pela prefeitura do Rio de Janeiro, para inspecionar os bueiros da cidade, terá a responsabilidade de monitorar 500 caixas de inspeção e 50 câmaras transformadoras por dia útil. Por mês, deverão ser fiscalizadas 10 mil caixas de inspeção e mil câmaras transformadoras. A medida é uma tentativa de evitar novas explosões de bueiros. Nos últimos 13 meses, pelo menos 19 explodiram nas zonas norte, sul e central. Segundo o Crea-RJ, só a Light, concessionária de eletricidade do Rio de Janeiro, mantém 4.000 câmaras transformadoras (são bueiros maiores, com transformadores,  e 20 mil caixas de inspeção - bueiros menores, por onde passam apenas fios ou canos). Outras concessionárias, como a CEG (companhia de gás do Rio de Janeiro) e empresas de telefonia, também usam bueiros para acesso à rede subterrânea. O monitoramento deverá ser feito com detectores de gás (explosímetros), capazes de indicar a presença de gases inflamáveis e explosivos. Quando for comprovada a presença de gás em quantidade que represente risco, a empresa fiscalizadora deverá informar imediatamente a prefeitura, as empresas concessionárias, as agências reguladoras do setor envolvido, o Crea-RJ e o Ministério Público. O Crea-RJ vai divulgar em seu site oficial a abertura de inscrições para empresas interessadas em atuar nos serviços de monitoramento de bueiros. As inscrições vão até as 18 horas do próximo dia 21 de julho.

PSDB vai criar "gabinete sombra" para fiscalizar governo federal

O PSDB prepara, para o próximo semestre, a criação de um "gabinete sombra" para fiscalizar as ações do governo em diversas áreas. A idéia é municiar técnicos de todos os setores para que a oposição não fique refém dos fatos, principalmente das denúncias de irregularidades que envolvem os ministérios da presidente Dilma Rousseff. O presidente do partido, deputado Sérgio Guerra (PSDB-PE), afirmou que um dos objetivos é dar subsídio para a imprensa, por exemplo. DEM e PPS serão convidados para participarem da ação. Ainda não está definido se esse gabinete será ligado ao Instituto Teotônio Vilela ou a outro órgão do partido. Na opinião do presidente da legenda, neste último semestre, a oposição foi "combativa como nunca foi", mas ainda é preciso ter avanços, "mais organização". "Temos que dar capacidade aos técnicos de buscar os fatos e não só correr atrás. Temos que nos antecipar aos fatos, desenvolver projetos. Fazer o papel da oposição, que é de controle e de subsídios", afirmou Sérgio Guerra. Que inacreditável...foram necessários 10 anos de PT, o Brasil ter se transformado no País campeão de corrupção no mundo, para o PSDB acordar e descobrir que precisava fazer oposição!!!!! O líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira (SP), afirmou ainda que é necessário "qualificar o papel da oposição". Dez anos depois eles pensam nisso? O que estavam fazendo e pensando durante todo esse tempo em que o País se tornava o 1º no ranking mundial da corrupção? Após reunião, os dois deputados foram para o ataque. Guerra disse que as denúncias que envolvem o Ministério dos Transportes são apenas um exemplo de um "processo de corrupção generalizada" que envolve o governo. Ele criticou, principalmente, a política de alianças da presidente Dilma. "Vivemos um momento crítico. As irregularidades não são apenas no Ministério dos Transportes. Em todos os lugares vemos a mesma forma, os mesmos vícios, o mesmo conteúdo. Não se pode dizer que o problema é apenas dos aliados de Valdemar Costa Neto. Essa é uma brutal simplificação. O governo todo funciona assim, foi composto desse jeito. Tem que mudar a forma como governa", afirmou. Sérgio Guerra criticou ainda o PT, dizendo que o partido também está dentro do Ministério dos Transportes, assim como está dentro de tudo "por ter um apetite enorme".

Globo e SBT mandam autores "baixar bola" de personagens gays

Durou pouco a chamada "primavera gay" na TV aberta, que culminou no primeiro beijo lésbico em uma novela brasileira, em maio, no SBT. Tanto a emissora de SIlvio Santos como a Globo deram nos últimos 60 dias uma guinada nos rumos da dramaturgia, e passaram a dar ordens implícitas ou explícitas a seus autores, para que baixem a bola de cenas gays nas histórias. Oficialmente, a decisão se deve a uma "overdose" do tema. Um ajudante de novelista da Globo disse que recebeu "aviso verbal" do autor para que não perdesse tempo elaborando personagens e cenas gays, sejam entre homens ou mulheres, pois seriam cortadas. Cerca de três semanas atrás a Globo interveio em "Insensato Coração", vetando ousada cena gay em motel, entre o casal Hugo e Eduardo (Marcos Damigo e Rodrigo Andrade). Também o autor Aguinaldo Silva foi informado há três meses pela emissora de que deveria evitar polemizar com o tema gay em "Fina Estampa", sua próxima novela, que estréia em agosto. Na Record, a orientação é implícita e parece ecoar os princípios da Igreja Universal do Reino de Deus, que não considera a homossexualidade algo natural.

Acaba contrato de hidrelétrica entre Cesp e Camargo Corrêa

O contrato entre Cesp (Companhia Energética de São Paulo) e a empreiteira Camargo Corrêa para a construção da Usina Hidrelétrica de Porto Primavera, iniciado há mais de 30 anos, chegará ao fim no próximo dia 31. A usina fica no município paulista de Rosana (a 748 quilômetros de São Paulo), no extremo oeste do Estado, na divisa com Mato Grosso do Sul e sobre o rio Paraná. Porto Primavera figura entre os projetos hidrelétricos mais caros do mundo. Orçado em R$ 1,4 bilhão, o empreendimento foi concluído com custo superior a R$ 10 bilhões, graças a várias paralisações das obras. Até hoje, a usina não está concluída. Depois de 15 aditivos ao longo de mais de três décadas, a estatal paulista decidiu fazer uma nova licitação para as obras remanescentes na região da bacia do rio Paraná, onde está a usina, batizada em 1999 de Engenheiro Sérgio Motta. Durante anos a Camargo Corrêa foi a principal empreiteira contratada para a construção da usina e da eclusa de Porto Primavera. Foi dela também a tarefa de executar obras complementares às da barragem, principalmente as de contenção de encostas em municípios afetados com a elevação do nível do rio Paraná, após o enchimento do reservatório da usina. Essas construções ainda não foram concluídas, apesar de a usina já ter completado mais de 12 anos após o início da operação. Ações judiciais ainda impõem à Cesp obras em vários municípios, entre os quais Presidente Epitácio e Panorama, ambos em São Paulo, e Anaurilândia, no Mato Grosso do Sul.

Marinha israelense aborda barco francês que queria romper bloqueio a Gaza

A Marinha israelense interceptou nesta terça-feira o barco francês Dignité Al Karama, o único da flotilha internacional de dez navios que pretendiam afrontar romper o bloqueio marítimo israelense para a faixa de Gaza que conseguiu zarpar, anunciou uma porta-voz militar. A embarcação, uma lancha de 19 metros de comprimento, foi abordada ao meio-dia, depois de ter sido cercada durante horas por vários navios de guerra de Israel. A bordo do Dignité-Al Karama viajavam 16 pessoas de nacionalidades francesa, canadense, sueca e grega, além da jornalista israelense Amira Hass, do diário esquerdista Haaretz, e uma equipe da televisão Al Jazeera. O barco foi cercado por pelo menos três navios israelenses e desde as 7h06min (04h06min em Brasília) todas as comunicações foram interrompidas. Segundo a versão das forças armadas israelenses, "depois de esgotados todos os meios diplomáticos e vários pedidos ignorados, os marinheiros israelenses abordaram o Karama para impedir que ele rompesse o bloqueio marítimo de segurança em torno da faixa de Gaza". "Depois da negativa dos militantes de mudarem o rumo para o porto de Ashdod (sul de Israel), foi inevitável abordarmos o navio e levá-los a Ashdod", explicaram os militares. O Dignité-Al Karama, interceptado no dia 7 de julho pela guarda costeira da Grécia, zarpou no domingo da ilha grega de Kastelorizo afirmando que iria se dirigir ao porto egípcio de Alexandria, antes de retomar seu destino inicial quando estava em alto-mar. Os outros nove barcos que compõem a flotilha, com 300 militantes de 22 países a bordo, estão bloqueados na Grécia desde o fim de junho.

CNMP mantém demissão de promotores envolvidos em esquema no Distrito Federal

O Conselho Nacional do Ministério Público rejeitou recurso e manteve a demissão do procurador Leonardo Bandarra, chefe do Ministério Público no Distrito Federal quando o Mensalão de Brasília operou, e da promotora Deborah Guerner. Ambos foram condenados administrativamente por "violação de sigilo profissional com a solicitação e obtenção de recompensa" e "exigência de pecuna", e receberam a pena máxima contra um membro do Ministério Público. Eles responderam no conselho pela acusação de receber propina e favorecer o ex-governador José Roberto Arruda (ex-DEM), acusado de ser o chefe do esquema. No começo do ano passado, Arruda foi preso e perdeu o cargo depois que as denúncias vieram a público. Em dezembro, Deborah Guerner e Leonardo Bandarra foram afastados por 120 dias pelo CNMP. O afastamento terminou em abril. No dia 20 de abril, a promotora foi presa pela Polícia Federal, em Brasília, sob a acusação, entre outras, de ter tomado aulas para simular problemas mentais. O Ministério Público Federal suspeita que a promotora comprou atestados médicos falsos e foi treinada para simular problemas mentais, o que baseou o pedido inicial de prisão. O propósito seria o de atrapalhar as investigações que ela enfrenta desde 2009 por suposto envolvimento com o escândalo do Mensalão de Brasília. O marido da promotora, o empresário do lixo Jorge Guerner, também foi preso. No início de maio, o Conselho Nacional do Ministério Público aplicou a pena máxima a Guerner e Bandarra e recomendou a demissão deles. O processo na Justiça corre em sigilo. No início de junho, a Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (Brasília) decidiu que a promotora não tem insanidade mental, como alega a defesa.

Supremo nega pedido de senadora do PSOL

O ministro Cezar Peluso, presidente do Supremo Tribunal Federal, negou seguimento à reclamação da senadora Marinor Brito (PSOL-PA), que tentava evitar que o Tribunal Regional Eleitoral do Pará analisasse pedido do candidato ao Senado pelo Estado, Paulo Rocha (PT), para ser diplomado no lugar dela. Rocha teve seu registro de candidatura negado pelo TRE-PA com base na chamada Lei da Ficha Limpa, decisão que foi confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral. Contra essa decisão, o candidato recorreu ao Supremo. Depois que a Suprema Corte decidiu que a lei não se aplicava ao pleito de 2010, por conta do princípio da anterioridade da lei eleitoral, o relator do caso, ministro Dias Toffoli, deu provimento ao recurso de Rocha. O candidato, então, apresentou petição ao TRE-PA para ser diplomado senador. Só que Marinor ajuizou a reclamação, alegando que a competência para analisar a eleição no Estado seria do Supremo, uma vez que tramitam na Corte diversas ações e recursos sobre o tema, envolvendo os candidatos Paulo Rocha e Jader Barbalho (PMDB-PA). Peluso afirmou que a pretensão de Marinor, fundada em suposta usurpação da competência do Supremo por parte do Tribunal Regional do Pará, "não se acomoda a nenhuma das hipóteses de admissibilidade previstas na Constituição da República".

Ministério dos Transportes exonera afilhado de Valdemar Costa Neto e indicados por ex-ministro

O governo exonerou nesta terça-feira mais três funcionários do Ministério do Transportes (José Osmar Monte Rocha, Darcy Michiles e Estevam Pedrosa) e três do Dnit (Luiz Claudio dos Santos Varejão, Mauro Sérgio Almeida Fatureto e Maria das Graças de Almeida). Rocha, que é considerado afilhado de Valdemar Costa Neto (PR-SP), integrou o chamado Grupo Executivo, um comitê encarregado de administrar a dívida do antigo DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem), que deu origem ao Dnit e é controlado por Valdemar Costa Neto. A demissão de Rocha foi motivada por seu envolvimento em um atestado que ajudou na contratação de uma empresa de fachada pelo Dnit por R$ 18,9 milhões. Michiles e Pedrosa foram indicados pelo ex-ministro Alfredo Nascimento (Transportes), que caiu com as denúncias de corrupção. De acordo com o Ministério dos Transportes, a dispensa de Pedrosa, Varejão e Fatureto são parte da estratégia de "reestruturação" da área de transportes do governo. Segundo o Diário Oficial da União, Michiles pediu demissão. Ele foi deputado federal pelo PL entre 2003 e 2007. Varejão é petista e era coordenador-geral de Operações Rodoviárias. Ele respondia diretamente ao também petista Hideraldo Caron, diretor de Infraestrutura Rodoviária, cujo afastamento também foi determinado pela presidente Dilma Rousseff. Maria das Graças coordenava a Comissão de Análise Técnica do Dnit. Ao todo, as denúncias derrubaram até agora 12 integrantes do ministério e de órgãos ligados à pasta.

IBGE avisa que mercado de trabalho está "parado" neste ano

Apesar da redução de 0,2 ponto percentual na taxa de desemprego de maio para junho (de 6,4% para 6,2%), o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) considera a variação como "estatisticamente estável" e avalia que o mercado de trabalho está "parado" neste ano. Para o gerente da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, Cimar Azeredo Pereira, não têm sido gerados, desde janeiro, postos de trabalho em volume suficiente para reduzir a taxa de desemprego de forma significativa. "O mercado de trabalho está parado. Não apresenta evolução. Era esperada uma inflexão da taxa de desocupação que não aconteceu ainda", diz Cimar Azeredo Pereira. Segundo o gerente do IBGE, o crescimento de 0,2% do número de pessoas ocupadas de maio para junho também configura estabilidade e não foi suficiente para fazer a taxa de desemprego cair de modo significativo.

Dez funcionários de Rupert Murdoch trabalham para Scotland Yard

O chefe demissionário da Polícia Metropolitana de Londres, Paul Stephenson, afirmou nesta terça-feira, em depoimento ao Parlamento britânico, que ao menos dez funcionários do conglomerado de mídia News Corporation, do magnata Rupert Murdoch, trabalham para a organização. Stephenson renunciou no domingo por seus laços com o ex-editor do tablóide "News of the World" Neil Wallis, em meio a especulações de que a chefia da Scotland Yard teria trabalhado para evitar uma investigação a fundo do escândalo de grampos envolvendo a publicação, que começou em 2006. Ele afirmou que dez dos 45 funcionários de imprensa que trabalham para a Scotland Yard são do conglomerado. Entre eles está Wallis, que foi contratado por Stephenson para ser consultor de relações públicas da polícia por um ano, até setembro de 2010. Wallis trabalhou como editor adjunto do tablóide em 2003 junto com o ex-diretor Andy Coulson antes de ser nomeado diretor executivo em 2007. No domingo, a imprensa britânica informou que Stephenson teria passado algumas semanas em um spa de luxo, com as despesas pagas por Wallis, que era assessor de imprensa do local. A polícia diz que a fatura foi paga pelo gerente do hotel, mas não explica por que o policial recebeu o presente. Há ainda a suspeita de que o tablóide pagaria propina à polícia por informações e para que ela não se esforçasse para investigar as denúncias de escutas telefônicas ilegais.

Banco do Brasil contrata firmas que ele próprio havia excluído por suspeita de fraude

A cobrança de dívidas de parte dos correntistas do Banco do Brasil é feita hoje por empresas que foram contratadas mesmo depois de terem apresentado documentos irregulares em licitação realizada pelo próprio banco. Em concorrências de Brasília e Recife, o Banco do Brasil excluiu três empresas depois de ter constatado que os atestados técnicos apresentados tinham números inflados ou foram fornecidos por instituições para as quais elas não tinham prestado serviços. Mesmo assim, nas licitações de Estados do Sudeste e Norte, essas mesmas empresas foram contratadas. Segundo o Banco do Brasil, foram abertos processos internos contra as entidades irregulares. Algumas poderão ter seus contratos cancelados.

Bank of America tem prejuízo de US$ 8,8 bilhões no segundo trimestre

O Bank of America informou nesta terça-feira que sofreu um prejuízo líquido de US$ 8,8 bilhões no segundo trimestre, depois de acertar um acordo com investidores de bônus hipotecários. O maior banco norte-americano em ativos fez um acordo de US$ 8,5 bilhões com investidores no período, o que influenciou no prejuízo por ação de US$ 0,90 no segundo trimestre. Um ano antes, o resultado havia sido positivo em US$ 3,1 bilhões, ou US$ 0,27 por ação. Se excluídos itens extraordinários, o lucro do banco foi de US$ 3,7 bilhões, ou US$ 0,33 por ação, no período. Já a receita da instituição despencou 54%, para US$ 13,5 bilhões, decorrente de uma provisão de US$ 14 bilhões como parte do acordo com investidores. Excluindo este item, a receita teria totalizado US$ 26,5 bilhões.

Servidora do TRF em Porto Alegre ganha direito de trabalhar da Espanha

Uma servidora do Tribunal Regional Federal da 4ª Região conseguiu o direito de trabalhar à distância na Espanha por dois anos. Cristiane Meireles Ortiz, de 32 anos, é analista judiciária na sede do Tribunal Regional Federal, em Porto Alegre e, a partir desta semana, irá trabalhar em Madri. O marido, delegado da Polícia Federal, foi destacado para missão na Europa. Pela internet, ela receberá ordens da juíza para quem trabalha, Maria Lúcia Luz Leiria. A iniciativa foi da própria juíza, que diz que não poderia ficar sem uma servidora e que há meios para que ela trabalhe à distância. O pedido foi aceito pelo conselho que administra o tribunal. O órgão considera que há "uma mudança de referenciais no ambiente profissional" e que deveria acompanhar "os novos tempos". A analista judiciária é responsável por ajudar a juíza a fazer relatórios e pesquisas para fundamentar suas decisões. Despesas, como internet, serão pagas pela funcionária.

Associação de juízes deu cheques a agiota

Investigações da Justiça Federal apontam que o agiota Cezário Braga, de Brasília, recebeu 38 cheques de R$ 387,4 mil da Associação dos Juízes Federais da 1ª Região. Quatro juízes que dirigiram a entidade são suspeitos de firmar empréstimos da Fundação Habitacional do Exército em nome de outros magistrados. O envolvimento do agiota foi relatado pelo desembargador Cândido Ribeiro, corregedor da Justiça Federal da 1ª Região. O juiz Hamilton Sá Dantas disse ao depor que "muitos cheques foram assinados em branco", em confiança ao juiz Moacir Ramos. A juíza Solange Salgado afirma que a investigação foi aberta a seu pedido.

Sarney anuncia que deixará a política

O presidente do Senado e ex-presidente da República, José Sarney (PMDB-AP), disse nesta segunda-feira que não concorrerá novamente a cargos eletivos depois de concluir o atual mandato, que vai até 2014. A declaração de Sarney, que completou 81 anos em 2011, foi feita durante o evento de lançamento do livro "Sarney, a Biografia", da jornalista Regina Echeverria, realizado em um shopping de São Luís (MA). A filha do ex-presidente e atual governadora do Maranhão, Roseana Sarney, de 58 anos, disse que o pai já vinha manifestando a intenção de concluir a carreira política em razão da idade. Roseana também afirmou que não concorrerá mais a mandatos tanto para o Executivo como para o Legislativo.

Dona do Magazine Luiza é cotada por Dilma para novo ministério

O nome da empresária Luiza Trajano, proprietária da rede de lojas Magazine Luiza, é cogitado pela presidente Dilma Rousseff para assumir a futura Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Ligada diretamente à Presidência da República, a secretaria tem status de ministério e sua criação ainda depende de aprovação de projeto de lei encaminhado ao Congresso em março. O nome de Luiza Trajano foi citado pela própria presidente após solenidade recente no Planalto, na qual a empresária esteve presente. Em conversa com assessores, Dilma comentou que ela seria "um bom nome" para a pasta que, além de micro e pequena empresas, deve cuidar de economia solidária. Luiza Trajano mora em um condomínio fechado em Capão da Canoa, cidade do litoral norte do Rio Grande do Sul.

Dilma decide demitir Hideraldo Caron, representante do PT nos Transportes

O governo Dilma Rousseff acertou nesta segunda-feira a demissão do diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), o petista gaúcho Hideraldo Caron. O diretor é o único indicado pelo PT na direção do órgão comandado pelo PR desde o governo Lula. Nesta segunda-feira, o ministro Paulo Sérgio Passos (Transportes) voltou ao Planalto para uma nova reunião com a presidente Dilma Rousseff. Ficou acertado que ele fará uma lista com nomes técnicos para substituir os dirigentes afastados do ministério e do Dnit. Dilma quer anunciar a reestruturação no órgão já com os novos titulares. A decisão de afastar Caron se soma à pressão do PR para tirá-lo do cargo. O partido considerou sua saída "uma questão de honra", uma vez que outros nomes, indicados pela legenda, foram afastados acusados de envolvimento em denúncias de corrupção, incluindo o ex-ministro Alfredo Nascimento. Caron é o responsável administrativo pelos aumentos nos valores de contratos de obras rodoviárias em andamento. O descontrole na liberação de recursos adicionais para obras foi criticado pela presidente.

Dnit contrata irmão de dirigente para obras de R$ 26 milhões

A empreiteira do irmão do superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) em Mato Grosso fechou contratos de R$ 26 milhões com o órgão, nos últimos dois anos, para obras em rodovias federais que cortam o Estado. Homem de confiança do diretor-geral do Dnit, Luiz Antonio Pagot, Nilton de Brito foi nomeado para a superintendência em 2010. O dono da Engeponte Construções, Milton de Brito, negou favorecimento e disse que pediu ao irmão que deixe a superintendência do Dnit. "Eu falei para ele: 'Pede demissão já. Vem trabalhar comigo'", afirmou. O empresário Milton de Brito ainda informou ser sócio do irmão em outra empresa, a Construtora Tocantins, responsável por erguer cerca de 850 moradias pelo programa federal "Minha Casa, Minha Vida". Depois se corrigiu, dizendo que Nilton, ao entrar no Dnit em 2008, repassou as cotas da Tocantins para a sua mulher. Em 2009, o Dnit contratou a Engeponte por R$ 10 milhões para a construção de quatro pontes na rodovia BR-158. Nilton era coordenador-geral de desenvolvimento de projetos da direção-geral do órgão, em Brasília. Por esse contrato, a empresa recebeu R$ 9 milhões entre 2010 e 2011. No ano passado, quando Nilton já ocupava a superintendência do Dnit em Mato Grosso, a Engeponte montou consórcio com a Constil e assinou novo contrato de R$ 41 milhões com o órgão federal para a pavimentação de 48 quilômetros da rodovia BR-242, no norte do Mato Grosso. Pelas regras do consórcio, a Engeponte ficará com 40% do valor do contrato, ou cerca de R$ 16 milhões. O dono da Engeponte reconheceu que a empresa, que existe desde 2002, não manteve nenhum contrato com o Dnit antes de 2009. Quando Pagot atuou no governo de Mato Grosso, na gestão do padrinho político e atual senador Blairo Maggi (PR-MT), Nilton de Brito foi seu braço direito e ocupou o cargo de superintendente de obras da Secretaria de Infraestrutura.