sábado, 16 de julho de 2011

Dilma Rousseff inaugura produção nacional de submarinos

A presidente Dilma Rousseff afirmou neste sábado, em solenidade de início da construção do primeiro submarino nacional, que os submarinos construídos pelo País vão compor um quadro de defesa nacional "capaz de garantir ambiente pacífico no nosso País e garantir a segurança das nossas riquezas". Em ato simbólico, Dilma participou do corte de uma chapa de aço na sede da Nuclebrás Equipamentos Pesados (Nuclep), no município de Itaguaí, a 70 quilômetros do Rio de Janeiro. A chapa não será usada em submarinos. Ficará como uma espécie de marco da entrada do País no ramo da construção de veículos submersíveis de grande porte. Dilma recebeu também uma réplica do submarino convencional. "Esses submarinos vão compor um quadro de defesa nacional, jamais de ataque, porque somos um país comprometido com a paz. O País passa a ter um valor muito grande com a descoberta do pré-sal na plataforma continental", afirmou a presidente. Ela ressaltou que o início da construção de submarinos é um "momento estratégico" para o País. "Sabemos que um pequeno grupo de países domina a construção do submarino, em especial os de propulsão nuclear. O Brasil dá mais um passo em direção à afirmação cada vez maior de sua condição de país desenvolvido, com indústria sofisticada", disse a presidente, lembrando que o grande mérito da operação foi a transferência de tecnologia. O Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) da Marinha prevê a construção de quatro unidades convencionais, da classe Scorpène, com tecnologia francesa. Firmado em 2008 na França, o contrato, que prevê transferência de tecnologia para o Brasil, está orçado em R$ 6,7 bilhões. De acordo com a Marinha, o primeiro dos quatro submarinos deverá estará pronto em 2016, com a entrada em operação marinha em meados do ano seguinte.

Correa quer dissolver Assembléia e antecipar pleito presidencial

O presidente do Equador, Rafael Correa, demonstrou neste sábado disposição para dissolver a Assembléia Nacional e antecipar as eleições presidenciais após criticar a oposição no Parlamento. O anúncio foi realizado durante seu relatório semanal de trabalhos um dia depois que a Assembléia Nacional suspendesse a sessão na qual, em princípio, devia designar seu representante para a comissão que substituirá o Conselho Judiciário para firmar as bases da reestruturação judicial durante 18 meses. Na sexta-feira, a oposição no Legislativo conseguiu mudar a ordem do dia a fim de debater as reformas na Lei Orgânica da Função Legislativa, o que postergava a escolha do delegado à comissão, e depois disso o presidente da Assembléia, o governista Fernando Cordero, suspendeu a reunião. A conformação da comissão, integrada por um representante do Executivo, um da Assembléia Nacional e outro da Função de Transparência e Controle Social, foi aprovada pelo povo em uma consulta popular no dia 7 de maio. Rafael Correa comanda um governo com significativos traços facistóides.

Embaixador de Israel em Madri denuncia antissemitismo no país

O embaixador de Israel na Espanha, Raphael Schutz, denunciou o ódio e o antissemitismo que ele diz existir na sociedade espanhola, acrescentando que irá deixar seu cargo em uma mensagem publicada neste sábado no site da Embaixada de Israel. "Não há dúvidas de que a Embaixada durante este período passou por períodos difíceis", afirmou ele, referindo-se aos "dias da operação militar em Gaza", em janeiro de 2009, e à "flotilha turca e suas consequências", em maio de 2010. "O fato de ter sentido na própria carne parte do ódio do antissemitismo que existe na sociedade espanhola é algo que levo comigo", desabafou.

Chefe da organização terrorista Hamas pede que palestinos parem de lançar mísseis contra Israel

O primeiro-ministro do governo da Faixa de Gaza, e um dos chefes do grupo terrorista islâmico Hamas, Ismael Haniyah, pediu neste sábado que todos os grupos militantes palestinos parem de lançar foguetes contra Israel. Na última semana, pequenas organizações terroristas islâmicas que consideram o Hamas "moderado demais" lançaram pelo menos nove mísseis em território israelense. Em resposta, bombardeios de Israel mataram um terrorista palestino e feriram pelo menos outros 15. De acordo com o correspondente da BBC em Gaza Jon Donnison, a violência dessa última semana causada pelos pequenos grupos, autodenominados salafistas, quebrou um período de vários meses de relativa paz na região. Donnison afirma que o pedido do premiê é um teste para a autoridade do Hamas, que controla a administração da Faixa de Gaza. O Hamas frequentemente se vê envolvido em conflitos com grupos terroristas salafistas. Em abril passado, a maioria dos grupos militantes palestinos aceitaram entrar em um cessar-fogo não oficial com Israel. Os salafistas, que possuem um número relativamente pequeno de integrantes, não participaram do acordo. O governo de Israel afirma que o Hamas, enquanto detentor do poder em Gaza, é responsável por todos os mísseis disparados.

Chávez delega funções a vice para ir a Cuba tratar câncer

O ditador da Venezuela, Hugo Chávez, delegou ao vice-presidente executivo, Elias Jaua, várias funções e prerrogativas até agora suas, incluindo a de expropriar bens. A ação de Chávez foi tomada em meio a decisão de viajar a Cuba para se tratar de câncer. Ele não anunciou a data de retorno. "Espero que não seja um período muito longo de ausência", disse. Durante transmissão em cadeia de rádio e TV, Chavez afirmou que se reunirá com seus ministros por "via telemática" e inaugurou o uso de uma assinatura eletrônica que lhe permitirá referendar documentos estando "em Havana, em Moscou...". Chávez, que voltou à Venezuela no dia 4 após quase um mês fora do país, disse que seria "o primeiro" a transferir o poder se estivesse com "capacidades diminuídas". Jaua, ex-líder estudantil e considerado um dos "duros ideológicos" do governo, está no posto desde janeiro de 2010. Além da prerrogativa de expropriar bens, o vice-presidente também aprovará a compra de divisas, papel estratégico em um país com controle cambial, e poderá nomear vice-ministros.

Com denúncia aceita pela Justiça, a culpabilidade legal por desastre do Airbus da TAM não prescreve

O fato de a Justiça aceitar a denúncia do Ministério Público contra os acusados de ter causado o desastre com o avião Airbus A320 da TAM que colidiu contra um prédio depois de um pouso frustrado no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi encarada como uma vitória por parentes das 199 vítimas do acidente. Com o processo instaurado dois dias antes do acidente ter completado quatro anos, a possibilidade de prescrição das acusações contra os envolvidos está descartada. O advogado da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ3054 (Afavitam), Ronaldo Marzagão, disse neste sábado que, de acordo com as leis brasileiras, caso o processo tivesse sido aberto depois do acidente ter completado quatro anos e os réus fossem condenados à pena mínima, eles não seriam punidos. "Foi muito importante o juiz ter recebido a denúncia", disse Marzagão: "Agora, mesmo os réus sendo condenado à pena mínima, que é dois anos, não há prescrição". Neste sábado, Marzagão se reuniu com membros da Afavitam para explicar as consequências da denúncia e sua aceitação pela Justiça. Ele explicou que só agora a Justiça começa a analisar o processo. Acusados, Ministério Público Federal e testemunhas devem ser ouvidos e, em cerca de dois anos, o julgamento de primeiro grau deve estar concluído.

Supremo decidirá sobre desconto de salário de professores grevistas de Santa Catarina

O Supremo Tribunal Federal vai julgar o processo que discute a possibilidade de desconto do salário de professores de Santa Catarina, em greve há dois meses. Na decisão do ministro Felix Fischer, vice-presidente em exercício do Superior Tribunal de Justiça, "a matéria jurídica em debate envolve tema de ordem constitucional, circunstância que afasta a competência da Corte Superior para o conhecimento do pedido". O juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Florianópolis deferiu em parte o pedido do Sinte/SC (Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública de Ensino do Estado de Santa Catarina), determinando que os descontos não fossem realizados. O governo de Santa Catarina apresentou pedido de suspensão da antecipação de tutela ao Tribunal de Justiça catarinense, mas não teve sucesso. No Superior Tribunal de Justiça, o governo sustentou que "ao direito de greve por parte do prestador do serviço, corresponde o direito de suspensão do pagamento pelo empregador (em sentido amplo)". Haveria, na hipótese, lesão à ordem pública, na sua modalidade administrativa, porque "a autoridade pública está interditada na sua capacidade de exercer as suas prerrogativas e os seus deveres de gestão da coisa pública em conformidade com o direito". Na decisão, ministro Felix Fischer destacou trechos da petição inicial da ação em que o sindicato invoca a garantia constitucional de livre associação. A entidade protesta contra a "interferência e a intervenção" do governo no funcionamento do sindicato, aí incluída qualquer medida, como cortar o ponto e o vencimento dos dias de paralisação organizada pelo sindicato. "Se a ação principal possui fundamento constitucional, a competência é do Supremo Tribunal Federal, ao qual eventualmente caberá apreciar o recurso extraordinário", concluiu o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça.

Governo Dilma assume mais risco no projeto megalomaníaco do trem-bala

Depois de as empreiteiras boicotarem o leilão do trem-bala, o governo decidiu adotar um novo modelo de licitação em três fases em que pretende acirrar a competição, mas vai assumir o risco pela demanda do serviço. Pelas novas regras, o governo vai proibir que um grupo participe de mais de uma das três etapas do leilão, forçando maior concorrência. Por outro lado, a União vai funcionar como "amortecedor" do sistema. Se o trem-bala der prejuízo, banca a conta. Se ele for superavitário, fica com o lucro. O novo modelo terá duas concessões: uma de operação do serviço de passageiros e outra de construção e manutenção da linha e das estações. Depois, o concessionário da linha e das estações é quem vai contratar a obra. O operador do serviço lucra com a cobrança das passagens e paga à União pelo arrendamento da linha e das estações do trem-bala.

Papa excomunga bispo chinês ordenado sem permissão do Vaticano

O papa Bento 16 excomungou Lei Shiyin, o novo bispo de Shantou, na China, ordenado em 14 de julho sem a permissão da Igreja Católica Apostólica Romana. Em comunicado, o órgão máximo da Igreja Católica explica que Lei Shiyin foi submetido às sanções previstas no artigo 1.382 do Código de Direito Canônico, que prevêem a excomunhão automática. A lei estabelece a sanção a quem confira a consagração episcopal sem mandato pontifício e também a quem a receba. O Vaticano acrescenta que o sacerdote já foi informado de que não podia ser aceito pela Santa Sé como bispo. No dia de sua ordenação, o Vaticano expressou em comunicado sua "dor e preocupação" pela "ordenação ilegítima" de outro bispo na China sem a permissão de Bento 16, e justificou que o ato era "contrário à unidade da Igreja universal". O sacerdote José Huang Bingzhang foi ordenado bispo de Shantou (Guangdong) em cerimônia presidida pelo prelado Fang Xinyao, presidente da Associação Patriótica Nacional, conhecida como "Igreja Patriótica", controlada pelo Partido Comunista chinês. Pelos dados do Vaticano, na China existem entre 8 e 12 milhões de católicos, divididos entre os pertencentes à Igreja controlada pelo governo comunista e a clandestina, fiel ao Vaticano e perseguida por Pequim.

Embraer lança primeira fábrica nos Estados Unidos

A Embraer colocou para funcionar a sua primeira fábrica nos Estados Unidos, três anos após tê-la anunciado e no momento em que o presidente Barack Obama, com o país em crise, tem usado os donos de jatos corporativos como alvo de suas críticas aos disparates na economia americana. A unidade na Flórida, que começou a operar no mês passado na cidade de Melbourne, é a primeira linha de montagem somente da empresa fora do Brasil (há uma joint venture na China). No ano passado, a empresa anunciou a construção de uma fábrica de estruturas e componentes em materiais compósitos em Portugal. Da nova fábrica, na qual foram investidos US$ 51 milhões (R$ 80 milhões), sairão jatos executivos Phenom 100, que hoje também são produzidos na unidade de Gavião Peixoto (SP). A Embraer já manifestou, no passado, ambição de fazer negócios com a Defesa americana, mas não há projetos concretos anunciados. Neste ano, a fábrica na Flórida deve entregar apenas um jato, em novembro, mas para 2012 a meta é elevar a produção para 31 e, a partir do ano seguinte, 60 jatinhos ao ano. A empresa se vangloria de que o modelo foi o jato executivo mais entregue no mundo no ano passado.

Nove deputados são suspeitos de desviar R$ 150 milhões no Piauí

A Polícia Federal investiga nove deputados estaduais do Piauí suspeitos de envolvimento em esquema de desvios de recursos da Assembleia Legislativa do Estado. Estima-se que eles podem ter causado prejuízo de R$ 150 milhões de 2008 a 2010. O orçamento anual da Assembléia é de cerca de R$ 100 milhões. A Polícia Federal investiga o suposto esquema a partir de três fontes: desvios de verbas da folha de pagamento (com laranjas e funcionários fantasmas), verba de gabinete (com a utilização de notas frias) e fraudes em licitações. Um dos gastos refere-se a implantes de silicone para os seios da então mulher de Robert Rios (PCdoB), deputado estadual que participaria do esquema. A investigação começou no fim do ano passado, depois que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), do Ministério da Fazenda, identificou movimentações financeiras suspeitas dos nove deputados. O órgão mandou as informações ao Ministério Público Federal, que solicitou à PF a abertura de inquérito, que corre sob segredo de Justiça. Ao saber da investigação, um dos deputados pediu ao Tribunal de Justiça do Estado que o inquérito saísse da Polícia Federal e fosse para a Polícia Civil. A Polícia Federal foi autorizada pela Justiça Federal a quebrar os sigilos bancário e fiscal dos suspeitos. Um dos deputados teria movimentado quase 16 vezes sua renda declarada. O delegado Janderlyer Gomes não quis falar sobre o caso. Ele liderou investigação em 2007 que apontou desvio de R$ 280 milhões da Assembleia Legislativa de Alagoas.

Polícia Federal recua de indiciamento ilegal de editor que publicou escutas sob segredo de Justiça

A Polícia Federal de São José do Rio Preto decidiu, por ora, não indiciar o editor-chefe do "Diário da Região", Fabrício Carareto, investigado por ter autorizado a publicação de reportagens com trechos de escutas telefônicas preservadas por segredo de Justiça. O indiciamento, no entanto, ainda pode ocorrer, diz a Polícia Federal. O editor prestou depoimento na sexta-feira ao delegado José Pereira de Paula, que indiciou, no fim de junho, o repórter Allan de Abreu, do mesmo jornal, após publicação de duas reportagens com escutas obtidas pela Polícia Federal em operação que apura suposto esquema de corrupção na cidade. O delegado confirmou que ainda não houve o indiciamento, mas que isso ainda pode ocorrer futuramente em razão de um pedido do Ministério Público Federal. O Supremo Tribunal Federal já decidiu que jornalista não é guardião de segredo de Justiça.

Dilma diz que nomes para diretoria do Dnit agora são escolha dela

A presidente Dilma Rousseff avisou na sexta-feira que, depois de mais um afastamento de diretor do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) sob suspeita de irregularidades, não aceitará mais indicações políticas para o órgão. A partir de agora, ela vai decidir pessoalmente a escolha dos novos nomes do comando do departamento e optará por técnicos para a nova diretoria. O atual colegiado era comandado por indicados principalmente pelo PR e pelo PT. Dilma já estava decidida a dar preferência a técnicos, reforçou essa disposição e informou sua equipe que irá compor uma diretoria técnica para o órgão, sem vinculações políticas. A decisão vale para a direção do órgão em Brasília, formada por sete diretores. Segundo integrantes do governo, a presidente também está disposta a rever as regras para a composição do colegiado. A explosão da crise, em meio ao recesso parlamentar, despertou o governo para a necessidade de mudanças. Como os diretores são sabatinados no Congresso e só o diretor-executivo pode substituir o diretor-geral, o Dnit corria risco de paralisia nos próximos dias. Nas conversas, a presidente manifestou preocupação com o desmonte do órgão, já que, dos sete diretores, apenas três titulares se manteriam nos postos com as férias do diretor-geral, Luiz Antonio Pagot, e a demissão José Henrique Sadok de Sá, seu interino. Outras duas cadeiras já estão vazias. Líderes da oposição no Congresso disseram ontem que o afastamento de mais dois dos Transportes reforça a necessidade de "investigação profunda" na pasta.

Colômbia envia mais de 500 soldados para combater traficantes das Farc

Mais de 500 soldados chegaram na sexta-feira a Cauca, no sudoeste da Colômbia, para enfrentar os traficantes e terroristas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que nos últimos dias atacaram seis cidades desse departamento e fizeram seis vítimas. "As tropas serão empregadas em qualquer lugar do departamento onde necessitarmos", disse o comandante das Forças Militares da Colômbia, almirante Édgar Cely. Um comunicado do Comando Geral das Forças Militares da Colômbia acrescenta que "uma companhia de Forças Especiais, um batalhão de Ação Decisiva e 460 soldados que integram o novo Batalhão de Alta Montanha" chegaram a Popayán, capital do departamento de Cauca. Os militares irão operar nos municípios do norte de Cauca, como Toribío, Caloto e Jambaló, segundo o planejamento do Estado-Maior das Forças Militares. Os traficantes e terroristas das Farc lançaram nos últimos dias uma série de ataques nas localidades de Toribío, Corinto, Jambaló, Caldono, Mondomo e Sibéria que, além de deixar seis mortos e dezenas de feridos, danificaram mais de 460 casas e edifícios públicos, entre outros bens.

Hospital de Clínicas de Porto Alegre suspende cirurgias e internações devido à superlotação

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre suspendeu temporariamente cirurgias e internações de pacientes que não sejam casos graves, em razão da superlotação. A medida emergencial é válida tanto para o setor de emergência quanto para os demais setores do hospital. Na sexta-feira, a emergência do Hospital de Clínicas operava com o triplo de sua capacidade. Eram atendidos 150 pacientes em um espaço que oferece somente 49 leitos. De acordo com o hospital, o setor, que geralmente recebe doentes também em macas, cadeiras de rodas e cadeiras comuns não contava sequer com acomodações provisórias. Apenas casos graves, com risco de morte, estão sendo admitidos no hospital. As internações e cirurgias eletivas (não urgentes) também estão temporariamente suspensas em todo o hospital. Com a restrição adotada, o hospital espera liberar leitos nas unidades de internação para transferência de pacientes da emergência. A situação só será normalizada quando o hospital retomar as condições normais de atendimento. Além do Clínicas, outras duas emergências de Porto Alegre restringiram os atendimentos na tarde desta sexta-feira. No Hospital Dom Vicente Scherer, do Complexo da Santa Casa, havia 14 pacientes para 10 leitos e o atendimento foi suspenso. O Hospital Ernesto Dornelles também adotou restrições, devido à superlotação.

Murdoch pede desculpa na imprensa britânica por escutas ilegais

Pedido de perdão de Murdoch
O magnata australiano Rupert Murdoch pediu desculpas neste sábado pela polêmica das escutas ilegais em seus veículos com uma mensagem pessoal nos sete principais periódicos britânicos. Como fora antecipado, na mensagem, assinada pelo proprietário do grupo News Corporation e publicada pelo braço britânico de seu império, Murdoch pede perdão pelos "danos causados às pessoas afetadas" e lamenta "não ter agido antes" para resolver o assunto. O escândalo dos escutas ilegais do "News of the World", que era o periódico mais vendido no Reino Unido até ser fechado, há uma semana, ameaça o império midiático do magnata. Na sexta-feira, renunciaram seus dois colaboradores mais próximos em ambos os lados do Atlântico: a executiva Rebekah Brooks no Reino Unido e seu número dois, Les Hilton, nos Estados Unidos. Na terça-feira, Murdoch terá que se apresentar a um comitê dos Comuns para esclarecer o caso. Além disso, o FBI abriu uma investigação nos Estados Unidos pela suspeita de que alguns veículos de Murdoch tenham grampeado os telefones de vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001, assim como fizeram no Reino Unido. Em sua mensagem, Rupert Murdoch assinala que "lamentamos não ter agido antes para resolver as coisas", e reconhece: "Me dou conta de que pedir perdão não é suficiente". Na sexta-feira Murdoch se reuniu com a família da menina assassinada Milly Dowler, cujo telefone celular foi grampeado por jornalistas do "News of the World", em um caso que causou indignação entre a opinião pública britânica e detonou a atual crise. O anúncio do News Corporation foi publicado neste sábado nos diários "The Guardian", "Daily Mail", "Daily Telegraph", "Financial Times", "The Independent", "The Sun" e "The Times", estes dois últimos propriedade de Murdoch. Há anos circulam denúncias e relatos de que repórteres do tabloide acessavam ilegalmente mensagens de telefones de políticos, celebridades e membros da família real para obter informações exclusivas. Entre outros, foram violados os telefones da atriz Sienna Miller; do ex-vice-primeiro-ministro John Prescott e do príncipe William, o que gerou um escândalo envolvendo o tablóide sensacionalista. Nas últimas semanas, o escândalo ganhou novas proporções com denúncias de que vítimas de crimes e até familiares de soldados mortos nas guerras do Afeganistão e Iraque foram grampeados. Há ainda relatos de que o tablóide pagava propina a policiais por informações. Nesta semana, a comandante da Operação Weeting, que investiga os grampos, Sue Akers, admitiu ao Parlamento que apenas 170 pessoas foram contatadas até agora de uma lista de 3.870 nomes, 5.000 telefones fixos e 4.000 celulares. O "News of The World" pertencia ao grupo News Corporation (News Corp.), um dos maiores conglomerados mundiais de mídia, pertencente a Murdoch. O tabloide era o jornal mais vendido aos domingos no Reino Unido, com uma circulação média de quase 2,8 milhões de exemplares. Sua última edição, com o título "Obrigado e Adeus", circulou no dia 10, após decisão de Murdoch de fechar a publicação de 168 anos. Nunca antes tinha se ouvido falar de uma tal inversão de valores, com jornalistas patrocinando invasão de privacidade de pessoas e violando os direitos delas. Esse é cúmulo da perversão.

Deputado comunista do Piauí utilizou verba para pagar silicone nos seios da mulher

Um relatório do Tribunal de Contas do Estado do Piauí aponta que o deputado estadual Robert Rios (PCdoB) usou R$ 9.455,70 da Assembléia Legislativa para pagar implantes de silicone para os seios para sua então mulher, em 2009. O procedimento foi realizado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Após o tribunal apontar as irregularidades, no ano passado, Rios devolveu o dinheiro. O relatório integra a investigação da Polícia Federal sobre desvios de verbas no Legislativo piauiense. No documento, o tribunal diz não ver "justificativa legal" para a despesa, "mormente quando se trata de procedimento cirúrgico eletivo e de natureza estética, que não objetivou salvar a vida da esposa do referido parlamentar". O advogado de Rios, Willian Guimarães, disse que os implantes na então mulher do deputado foram colocados devido a "problemas de saúde", mas não soube dar detalhes do caso. Problema de saúde, é?!!! Problema de saúde, é?!!! E ele nem ficou com ela.... ou ela o abandonou depois de melhorar o "look".

Exame de DNA comprova que herdeiros de dona do jornal Clarín não foram bebês roubados na ditadura

Os irmãos Noble, Felipe e Marcela
Exames realizados pelo Banco Nacional de Dados Genéticos da Argentina revelam que os herdeiros da proprietária do grupo jornalístico Clarín, Ernestina Herrera de Noble, de 86 anos, não são filhos biológicos de militantes de esquerda eliminados pela ditadura militar entre os anos de 1975 e 1976. A comparação do material (sangue e saliva) coletado dos irmãos Felipe e Marcela de Noble mostra que os DNAs não são compatíveis com as famílias de mais de 50 desaparecidos na última ditadura militar (1976-83), cujos filhos foram sequestrados pelos militares. Os dados genéticos comparados, referentes aos anos de 75 e 76, estavam registrados no banco de dados, como determina a lei argentina. No início desta semana, um outro exame realizado no mesmo local tinha confirmado que os herdeiros da dona do jornal Clarín não eram filhos biológicos de duas famílias de desaparecidos que reivindicavam a paternidade judicialmente há uma década. O caso dos filhos adotivos de Ernestina Herrera de Noble, há dez anos na Justiça, virou uma batalha que envolve diretamente o governo Cristina Kirchner. A presidente peronista populista Cristina Kirchner promove uma perseguição total ao grupo Clarin. Um dos capítulos da briga da Casa Rosada com a imprensa está na acusação de que a dona do maior jornal da Argentina cometeu crime de lesa-humanidade pela suspeita de ter adotado em 1976 dois bebês sequestrados pelos militares. O processo contra a dona do maior conglomerado de mídia da Argentina foi aberto por Estela de Carlotto, presidente das Avós da Praça de Maio. As acusações são corroboradas pelo governo desde 2008, após rompimento dos Kirchner com o grupo. Os militares da ditadura argentina criaram um plano sistemático de sequestro de bebês: mais de 500 filhos de militantes de esquerda foram roubados após a morte dos pais. As Avós da Praça de Maio já conseguiram identificar 103 "netos". Segundo informações do registro de adoção dos herdeiros de Ernestina Herrera de Noble, eles nasceram entre março e abril de 1976. A defesa de Ernestina Herrera de Noble diz que a Justiça concedeu a guarda de Marcela em maio de 1976, enquanto a legalização da adoção de Felipe ocorreu em julho do mesmo ano. Segundo os advogados da proprietária do Grupo Clarín, os resultados derrubam todas as acusações do governo e de entidades de direitos humanos.