segunda-feira, 18 de abril de 2011

Banqueiro Daniel Dantas pede apuração sobre vazamento de inquérito do Mensalão do PT

Os advogados do dono do banco Opportunity, Daniel Dantas, pediram no Supremo Tribunal Federal uma investigação sobre o vazamento de um novo relatório da Polícia Federal sobre o caso Mensalão do PT. O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, solicitou ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que se manifeste em cinco dias sobre o pedido. Ele também aceitou pedido de Daniel Dantas para ter acesso ao Inquérito 2474. Barbosa lembrou, no entanto, que a defesa dele só terá acesso aos anexos do inquérito, já que as partes principais estão nas mãos do procurador-geral. Na semana passada, o ministro pediu à Procuradoria-Geral da República que informe se dois denunciados na Ação Penal 470, do Mensalão do PT, são investigados nesse inquérito. Só depois da resposta do procurador-geral o ministro vai analisar o pedido dos outros denunciados, que também pedem para ter acesso aos autos. O relatório da Polícia Federal, que cita Daniel Dantas, confirma em detalhes que existiu um esquema de desvio de dinheiro público para o PT e partidos aliados do governo no Congresso. O texto traz as conclusões de um inquérito aberto em março de 2007 para aprofundar as investigações sobre a origem do dinheiro do esquema e seus beneficiários. O novo relatório não será anexado à ação penal que corre no Supremo, mas vai compor outro processo que corre em segredo no Supremo desde 2007 e se encontra ainda na fase de inquérito.

Anac autua piloto americano envolvido em acidente da Gol

O piloto americano Joseph Lepore, comandante do jatinho Legacy que se chocou contra um avião da Gol, em 2007, e a empresa americana dona do avião, a ExcelAir, foram autuados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) no fim do mês passado, quase cinco anos após o desastre. Trata-se de um procedimento administrativo que não tem o objetivo de declarar a culpa pelo acidente, afirma a agência, e que se baseia em um manual de procedimentos pós-acidentes editado em 2009. "A autuação deveu-se à infração de normas ou regulamentos que afetam a disciplina a bordo de aeronave", explicou a Anac. A agência não informou, porém, quais teriam sido as irregularidades cometidas pelo piloto e pela empresa. A Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 1907 afirmou ter tido acesso aos autos de infração. Segundo a entidade, as sanções têm relação com a permissão ou não para voar em RVSM, um sistema especial que permite uma distância menor entre aviões. Os dois autos de infração podem resultar em multa ao final do processo. Ainda cabe recurso. A assessoria da Anac não soube informar o valor da multa nem o prazo para a apresentação da defesa.

Exército ocupa Teresina após aumento de 500% em casos de dengue

Soldados do Exército ocuparam as ruas de Teresina nesta segunda-feira após ser registrado um aumento de 500% nos casos de dengue na capital piauiense. Com a circulação do vírus tipo 4 e a antecipação do período chuvoso, que agravam a situação, a prefeitura convocou as Forças Armadas para coibir os criadouros do mosquito Aedes aegypti nos bairros carentes da cidade. Cem homens do Exército iniciaram o trabalho no bairro Santa Maria da Codipi, zona norte da cidade, que concentra grande número de casos. Nos bairros Buenos Aires, Poty Velho, Água Mineral, Mocambinho e centro a situação também é preocupante. Em toda a cidade, já foram notificados 1.252 casos da doença até o último sábado. No mesmo período do ano passado, foram 235 casos. Há um caso confirmado de dengue hemorrágica e nenhuma morte. "A presença do Exército vai intimidar os moradores que teimam em não contribuir", disse o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Pedro Leopoldino. O comandante do 25º Batalhão de Caçadores, tenente-coronel Humberto da Silva Marques, informou que os soldados passaram de casa em casa orientando os moradores.

Desembargadores decidem que Tarso não pode anular nomeação de Yeda Crusius na Agergs

A Justiça gaúcha decidiu nesta segunda-feira, por unanimidade, que o governador do Rio Grande do Sul, o peremptório petista Tarso Genro, não poderia anular a nomeação de Vicente Brito Pereira para uma vaga de conselheiro da Agergs (agência gaúcha de serviços concedidos). O peremptório petista Tarso Genro havia "anulado" a nomeação de Brito Pereira com um argumento metido a malandro, o de que ele ainda não havia tomado posse. Ocorre que a nomeação foi determinada por ato da Assembléia Legislativa, que ele não tinha poder para desconstituir. O peremptório Tarso Genro é metido a estas proezas metajurídicas. Quando era ministro da Justiça, contrariou órgão do próprio ministério, o Conare (Conselho Nacional de Refugiados) e concedeu refúgio ao terrorista italiano Cesare Batisti, assassino autor de quatro mortes covardes em seu país. O Supremo Tribunal Federal anulou o seu refúgio ao terrorista italiano, declarando-o ilegal, com todas as letras.

Camargo Corrêa vai demitir 4.000 trabalhadores em Jirau a pedido do governo Dilma

A construtora Camargo Corrêa avisou que vai demitir 4.000 operários da usina de Jirau, em Porto Velho, conforme informação divulgada pelo Stticero (sindicato dos trabalhadores da construção de civil de Rondônia). O sindicato diz que recebeu um comunicado oficial da empresa depois de questionar se haveria mesmo demissões. Na semana passada, um relatório da Superintendência Regional de Trabalho, ligada ao Ministério do Trabalho, afirmava que a Camargo Corrêa não planeja reconstruir todos os alojamentos destruídos em tumultos em março. Com isso, as vagas seriam reduzidas de 16 mil para 10 mil. As demissões vão afetar parte dos mais de 6.000 trabalhadores que voltaram a seus Estados de origem após o quebra-quebra de 15 de março, quando as instalações do canteiro de obras no rio Madeira foram depredadas. Antes da viagem, os operários foram avisados de que voltariam ao trabalho. As obras na usina retornaram no dia 11, mas os operários não foram convocados.

Brasil vai perder R$ 135,8 bilhões com os feriados em 2011

A economia brasileira deixará de produzir R$ 135,8 bilhões este ano por causa dos dias parados com feriados nacionais e estaduais. A conclusão é de um estudo divulgado nesta segunda-feira pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Com os dias sem trabalho, o País perderá até 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, estimou o trabalho. O cálculo foi feito levando em consideração que nove dos doze feriados nacionais deste ano são dias de semana. Pesaram na conta ainda outros 30 feriados estaduais em dias úteis em todo o País. Em 2010, o número de feriados nacionais em dias de semana foi ainda maior (10), com uma perda estimada em 4,4% do PIB. (R$ 149,2 bilhões). A nota técnica da Firjan intitulada "O Custo Econômico dos Feriados" estimou em R$ 14,8 bilhões o valor do PIB perdido por dia parado este ano. O estudo estima que o País perde um PIB inteiro a cada 23 anos com feriados. O feriado de carnaval, por exemplo, é contabilizado na segunda e na terça-feira. Levando em consideração os feriados locais, o grupo técnico da Firjan analisou o caso do Estado do Rio de Janeiro e estimou em R$ 1,6 bilhão a perda diária de produção no Estado com feriados, o que seria equivalente ao dobro do custo das reformas do estádio do Maracanã em curso para a Copa de 2014 e seis vezes ao empregado pelo governo estadual na recuperação das cidades afetadas pelas chuvas na Região Serrana no início deste ano. "Considerando os nove feriados nacionais e mais os estaduais, a economia fluminense vai perder R$ 14,5 bilhões, ou 3,6% do PIB estadual", conclui o trabalho. Por outro lado, o fato de os feriados regionais da Consciência Negra (20/09) e de São Jorge (23/04) ocorrerem em sábados este ano fará com que a economia fluminense deixe de perder R$ 3,2 bilhões com estas datas em 2011. A Firjan também calculou as perdas para outros cinco estados com grande parque industrial. Em São Paulo, as perdas são estimadas em R$ 42,5 bilhões. Minas Gerais deve perder R$ 12 bilhões. No Sul, Rio Grande do Sul perde R$ 9,4 bilhões e Paraná e Santa Catarina perdem R$ 8,5 bilhões cada. O estudo foi apresentado pela Firjan como um alerta aos projetos de congressistas para a criação de novos feriados.

Ex-reitor da Ulbra é indiciado por falsidade ideológica e fraude

O ex-reitor da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), Ruben Becker, foi ouvido e indiciado por falsidade ideológica e fraude à execução nesta segunda-feira pela Polícia Federal. O inquérito apura fraude em processo de execução fiscal da União. A investigação comprovou falsificação nas assinaturas dos vendedores de terrenos ofertados em execução fiscal por um valor mais de trinta vezes maior do que o da avaliação de mercado. A fraude foi realizada durante a gestão do ex-reitor. O atual prefeito de Canoas, cidade onde se localiza a Ulbra, o petista Jairo Jorge, foi vice-reitor da instituição durante a gestão de Ruben Becker. Seu atual secretário de Comunicações é filho da ex-vice-reitora da instituição, Sirlei Dias Gomes. Jairo Jorge foi chefe de gabinete do peremptório Tarso Genro no Ministério da Educação.

Google e empresas japonesas investirão US$ 2 bilhões em parque eólico

O Google e duas parceiras japonesas irão pagar à General Electric cerca de US$ 500 milhões por uma participação majoritária em um parque eólico em construção no Oregon, Estados Unidos. O projeto Shepherds Flat, que consumirá US$ 2 bilhões e deve ser concluído em 2012, gerará energia suficiente para abastecer 235 mil casas dos Estados Unidos. A GE afirmou que a colaboração faz parte de sua estratégia de atrair investimentos privados para o mercado de energia eólica norte-americano. A GE e o Google estão trabalhando em parceria com a unidade dos Estados Unidos da Japan Sumitomo e uma unidade da Itochu. A Sumitomo possui, juntamente com a GE, um parque eólico no Texas e outros dois no Japão e na China. A Itochu se associou à GE no projeto de um parque eólico em Oklahoma. Já o Google investiu mais de US$ 350 milhões no setor de energia limpa. Mais cedo neste mês, o Google investiu em um projeto de energia solar nas proximidades de Berlim.

Justiça do Paraná derruba decisão que concedia aposentadoria a Requião

O Tribunal de Justiça do Paraná cassou liminar nesta segunda-feira que garantia ao senador Roberto Requião (PMDB) o recebimento da aposentadoria como ex-governador, de R$ 24 mil mensais. Requião havia obtido, na última quarta-feira, uma liminar que determinava que ele continuasse recebendo o benefício, previsto na Constituição Estadual, até que o Supremo Tribunal Federal julgasse a questão. No final de março, o atual governador Beto Richa (PSDB) cancelou as aposentadorias de quatro ex-governadores. Além de Requião, foram afetados Orlando Pessuti (PMDB), Jaime Lerner e Mário Pereira. Todos os quatro, porém, continuam recebendo o benefício porque recorreram da decisão do governo. Os recursos ainda não foram analisados pela Procuradoria-Geral do Estado, só depois disso é que a pensão pode ser cancelada.

Philips abandonará fabricação de TVs por competição asiática

A gigante holandesa Philips, última grande empresa européia fabricante de televisores, anunciou nesta segunda-feira que abandonará a atividade, em consequência da competição feroz das concorrentes asiáticas. "Os concorrentes vendem a preço de saldo seus televisores e destruíram por completo o mercado", explica Sjoerd Ummels, analista da ING. O grupo holandês enfrenta a japonesa Sony e, sobretudo, as sul-coreanas Samsung Electronics e LG Electronics, que reduziram os preços de seus aparelhos graças a um modelo de produção de alto rendimento, beneficiado por uma moeda nacional debilitada. "Nos últimos 10 anos, a Philips perdeu uma importante parcela de mercado, passando de mais de 10% a entre 5 e 6%", destaca o analista de ING. A venda de TVs Philips, fabricadas no Brasil, Argentina e Hungria, representavam em 2005 um total de 25% do volume de negócios do grupo, contra apenas 13% em 2010. "Encontrar uma solução para nosso setor de aparelhos de televisão era nossa prioridade absoluta", declarou o diretor executivo da Philips, Frans van Houten, ao apresentar os resultados do primeiro trimestre, no qual esta atividade registrou uma perda operacional de 106 milhões de euros. O lucro líquido do grupo caiu 31,3% no primeiro trimestre, a 138 milhões de euros, abaixo das expectativas dos analistas consultados pela agência Dow Jones Newswires (152 milhões).

Balança comercial registra saldo positivo de US$ 251 milhões

A balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 251 milhões na terceira semana de abril. No acumulado do mês, o superávit foi de US$ 1,060 bilhão. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério do Desenvolvimento. Nesta terceira semana de abril, as vendas brasileiras ao mercado externo foram de US$ 4,768 bilhões, uma média diária de US$ 903,4 milhões, enquanto as importações chegaram a US$ 4,517 bilhões, com média de US$ 50,2 milhões por dia útil. Nas três primeiras semanas de abril, as exportações foram de US$ 10,871 bilhões, com média diária de US$ 988,3 milhões. Este número é 30,4% superior abril de 2010, quando as exportações foram de US$ 758,1 milhões. As importações chegaram a US$ 9,811 bilhões, com um resultado médio diário de US$ 891,9 milhões. A média é 28,5% maior do que a do mesmo período do ano passado, quando as vendas ao mercado externo chegaram a US$ 693,9 milhões. No acumulado do ano, o superávit da balança comercial chegou a US$ 4,229 bilhões.

Receita faz três operações para recuperar ao menos R$ 760 milhões

Para combater a sonegação de tributos federais estimados em ao menos R$ 760 milhões, a Receita Federal em São Paulo iniciou a realização de três operações fiscais em todo o Estado a partir desta segunda-feira. A maior fiscalização está concentrada em entidades que não recolhem impostos sob o argumento de exercerem atividades de caráter social ou religioso que garantem isenção ou imunidade no pagamento de tributos. O fisco paulista identificou ao menos 50 entidades entre igrejas, associações beneficentes e sindicatos que não pagam impostos alegando ter isenção da Constituição Federal ou de leis específicas, quando na verdade deveriam recolher Imposto de Renda, Contribuição Social sobre Lucro Líquido, Pis, Cofins e contribuições previdenciárias. "Há casos de entidades que chegaram a movimentar R$ 300 milhões a R$ 400 milhões por ano e não recolheram tributos. O setor de inteligência fiscal identificou um grupo de 50 entidades que serão as primeiras a sofrer ação fiscal mais rigorosa", disse Fabio Ejchel, superintendente-adjunto da Receita Federal em São Paulo. "Também há casos de empresas ou grupos econômicos que utilizam esse tipo de entidades apenas para camuflar a movimentação de seu caixa 2", afirmou ele. "Também identificamos casos de distribuição de lucros entre diretores e presidente de uma entidade de forma disfarçada. Ou seja, a entidade subcontrata outra empresa do próprio dirigente ou de algum familiar dele para fazer o repasse de forma indireta", afirma Ejchel. O fisco fará agora um levantamento de quanto elas deixaram de recolher nos últimos cinco anos para cobrar os tributos não pagos, além de juros e multa de 150% sobre o valor não recolhido.

S&P coloca dívida soberana dos Estados Unidos em perspectiva "negativa"

A agência de classificação de risco Standard and Poor's (S&P) rebaixou, nesta segunda-feira, de "estável" para "negativa", a perspectiva da dívida soberana dos Estados Unidos devido a seu déficit orçamentário e elevado endividamento. A perspectiva negativa significa um alerta de que a agência pode rebaixar em seguida a nota da classificação de risco dos Estados Unidos. Atualmente, o país tem a melhor nota de risco, em AAA, o mais alto nível do grau de investimento. Os Estados Unidos reagiram à notícia alegando que a S&P "subestima" a capacidade de Washington de reduzir seu déficit orçamentário. O anúncio da S&P derrubou preços das ações nos Estados Unidos. A S&P justificou que vê riscos de que o governo e oposição possam não chegar a um acordo sobre o plano para reduzir o déficit no orçamento dos Estados Unidos. A agência informou que existe uma em três chances de que a nota de risco de títulos de longo-prazo americanos seja rebaixada nos próximos dois anos. "Os Estados Unidos têm o que nós consideramos um grande déficit orçamentário e crescente endividamento do governo e o caminho para resolver esses problemas não está claro para nós. Por isso, nós revisamos a perspectiva de risco de longo-prazo de estável para negativo", disse a agência em uma nota. Os preços dos títulos do governo americano caíram depois do anúncio, ao mesmo tempo em que ações no mercado futuro ampliaram suas perdas.

BNDES aprova crédito de R$ 130 milhões para a Liquigás

A Liquigás obteve aprovação de financiamento de R$ 130 milhões do BNDES para aumentar sua capacidade de distribuição e ampliar e modernizar sua estrutura. A empresa, distribuidora de GLP (gás liquefeito de petróleo), o gás de cozinha, é controlada pela Petrobras. Ao todo, estão previstos R$ 277,9 milhões em investimentos em diversos projetos. Assim, o crédito autorizado pelo BNDES corresponde a 46,8% dos recursos que serão empregados. Entre os projetos, estão a ampliação e modernização de centros operativos da Liquigás em Canoas (RS), Suape (PE), Natal (RN), Brasília (DF), Duque de Caixas (RJ) e São José dos Campos (SP). Os investimentos englobam ainda a adequação do depósito de João Pessoa (PB) e a construção de uma central de abastecimento de combustível em São Luís (MA) e de uma estação de propano e butano no Centro Operativo de Capuava (SP).

Entregas da Embraer caem mais de 30% no primeiro trimestre

O total de jatos entregues pela Embraer no primeiro trimestre foi de 28, com predominância dos modelos Embraer 190 (11) e 195 (6), que comportam, respectivamente, 100 e 118 passageiros. No mesmo período de 2010, a fabricante de aviões havia registrado a entrega de 41 jatos, com ênfase nos modelos Embraer 195 (12) e o jato executivo Phenom 100 (16). A empresa informou ainda que detém uma carteira de pedidos firmes estimada em US$ 16 bilhões (dado de 31 de março), valor idêntico ao anunciado em abril do ano passado. "O segundo trimestre começou com o anúncio de duas novas ordens para o mercado chinês, indicando que o mercado continua se recuperando em 2011. As ordens da CBD Leasing e da Hebei Airlines serão adicionadas ao backlog (encomendas firmes acumuladas pelas fabricantes) tão logo as condições contratuais sejam satisfeitas", diz a empresa, em comunicado ao mercado. A Embraer confirmou na terça-feira passada a venda de 25 aviões E-190 para a China. Ao todo, já foram vendidos neste ano à China 35 aviões E-190, com capacidade para até 114 passageiros. Todos serão fabricados no Brasil. Vinte aviões serão para a empresa China Southern e outros 15 para a empresa Hebei. As vendas ficam em torno de US$ 1,4 bilhão.

CCJ vai analisar fim de coligações em eleição proporcional

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara vai analisar nesta quarta-feira a proibição de coligação entre partidos para eleições de vereadores e deputados estaduais, distritais e federais. O projeto, do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), propõe que as coligações de legendas sejam mantidas apenas nas disputas majoritárias. O fim das coligações foi tema tratado também pela Comissão da Reforma Política, que propôs a extinção da medida em todas as disputas eleitorais. A proposta em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça tem voto favorável do relator, senador Luiz Henrique (PMDB-SC), e será votado em decisão terminativa.

Irã acusa Siemens, Estados Unidos e Israel pelo vírus Stuxnet

Um comandante militar iraniano acusou o conglomerado alemão Siemens de ajudar os Estados Unidos e Israel a lançar um ciberataque contra suas instalações nucleares, publicou o diário iraniano "Kayhan" nesta segunda-feira. Gholamreza Jalali, diretor da defesa civil iraniana, disse que o vírus Stuxnet, que tomou o programa nuclear iraniano, é obra dos dois maiores inimigos do país, e que a companhia alemã deve arcar com parte da culpa. "As investigações mostram que a fonte do vírus Stuxnet está nos Estados Unidos e no regime sionista", disse Jalali. Ele afirmou que o Irã considera a Siemens responsável pelos sistemas de controle usados para operar maquinaria industrial sofisticada, conhecidos como Supervisory Control and Data Acquisition (SCADA), que teriam sido atingidos pelo vírus. "Nossas autoridades executivas devem acompanhar legalmente o caso do software SCADA Siemens, que preparou o caminho para o ciberataque contra nós", disse. Ao contrário de outras autoridades iranianas que minimizaram o impacto do Stuxnet, Jalali disse que o worm poderia ter representado um grande risco caso não tivesse sido descoberto e contido antes de causar danos graves. "Foi um ato hostil contra nós que poderia ter causado grandes danos humanos e materiais caso não tivesse sido detectado de imediato", disse. O Irã deu poucos detalhes sobre o impacto do vírus. O país informou em setembro que os computadores dos funcionários da estação nuclear de Bushehr, a primeira usina nuclear iraniana, construída pela Rússia, continuavam inativos e que diversos prazos iniciais de operação haviam passado sem atividade, o que alimentou especulações de que o sistema tenha sido atingido pelo Stuxnet, algo que o Irã nega. O embaixador da Rússia na Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan) disse em janeiro que o vírus havia atingido o sistema de computadores em Bushehr, o que acarretava o risco de um desastre nuclear de escala semelhante ao de Chernobyl, na Ucrânia, então parte da União Soviética, em 1986.

Ex-secretário da Receita, Cartaxo ganha novo cargo no governo

Protagonista de um dos momentos mais delicados da corrida presidencial, o ex-secretário da Receita, Otacílio Cartaxo, deve ser nomeado nesta semana presidente do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). Cartaxo era secretário da Receita no ano passado, quando explodiu o escândalo sobre a violação do sigilo fiscal da filha de José Serra, então candidato do PSDB à Presidência. Além de Veronica Serra, tucanos foram alvos de quebra do sigilo. Segundo integrantes do governo, Cartaxo já conversou com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre sua nomeação para o Carf, conselho responsável pelo julgamento de recursos feitos à Receita. Recente mudança na legislação também é apontada como indício de que Cartaxo é o escolhido. Há quatro dias, Mantega assinou portaria alterando critério de nomeação para esse cargo. Pelo texto original, a presidência seria "exercida por conselheiro representante da Fazenda Nacional". A nova regra ampliou para que seja ocupada por "auditor-fiscal da Receita ou aposentado neste cargo". Como Cartaxo é auditor-fiscal aposentado, a portaria seria editada sob medida para ele.

Sete vereadores do PSDB paulistano anunciam desfiliação

Sete vereadores de São Paulo do PSDB anunciaram na tarde desta segunda-feira a desfiliação do partido. Eles afirmam que foram "alijados" do comando municipal da sigla. Deixaram o PSDB os vereadores José Police Neto, que preside a Câmara Municipal; Dalton Silvano, Juscelino Gadelha, Adolfo Quintas, Souza Santos, Gilberto Natalini e Ricardo Teixeira. Com a saída, a bancada do partido cai de 13 para seis vereadores. Ou seja, mais da metade dos eleitos pelo PSDB em 2008 saíram do partido. A expectativa é que a maioria deles siga para o PSD, do prefeito Gilberto Kassab.

GM no Brasil será comandada por outra mulher

Após a saída de Denise Johnson do comando da GM do Brasil, em fevereiro deste ano, a montadora escolheu outra mulher para presidir a montadora no País: Grace D. Lieblein, atualmente presidente da empresa no México. Denise Johnson ficou menos de um ano no cargo, foi a primeira mulher a comandar a montadora e pediu demissão do cargo sob o argumento de problemas pessoais. Segundo Jaime Ardila, presidente da General Motors América do Sul, que ocupou o cargo provisoriamente, a executiva norte-americana Grace D. Lieblein assumirá o cargo a partir de 1º de junho deste ano. "Estamos felizes em contarmos com a liderança da Grace nesse momento tão importante para a GM do Brasil, de colocar em prática os planos que conduzirão a empresa em direção ao futuro", afirmou Ardila, em comunicado da empresa. "Com os seus sólidos e amplos conhecimentos de engenharia e de desenvolvimento de produtos, combinados com fortes características de negócios, Grace é o tipo de pessoa que poderá assegurar que a GM continue inovando, de forma a desenhar, fabricar e vender veículos, de classe mundial, que atendam as expectativas de nossos clientes", destacou Jaime Ardila. Formada em Engenharia Industrial pela Universidade de Kettering (1983) e com título de Mestre em Gerenciamento pela Universidade do Estado de Michigan (1987), a executiva ingressou na montadora como trainee em 1978, na divisão de montagens de Los Angeles, na Califórnia. Antes de comandar a unidade mexicana da montadora, a executiva atuou como líder na implementação do sistema de manufatura global da empresa e também foi diretora da engenharia de design da divisão de automóveis da GM América do Norte.

MMX, de Eike, recebe aval da CVM para obter controle de porto

A MMX, empresa de mineração do empresário Eike Batista, obteve autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para fazer uma OPA (oferta pública de permuta de ações) para adquirir os papéis da PortX, que compreende os ativos do chamado Superporto Sudeste. A PortX é resultado da cisão parcial da LLX, empresa de logística do grupo EBX. A LLX ficou apenas com o controle do Complexo do Açu, no Norte do Rio de Janeiro. O processo vai passar o controle do porto para a MMX. Segundo a mineradora, os títulos que serão oferecidos na OPA totalizarão US$ 1,796 bilhão. O edital da operação será publicado em até 10 dias úteis. A partir da publicação, será aberto o período de 30 dias para aceitação da OPA por parte dos acionistas da PortX. "Em reunião realizada em 18 de fevereiro, o conselho de administração da MMX decidiu conceder aos acionistas da PortX que desejarem aceitar a OPA as seguintes condições: permuta de uma ação da PortX por um título de remuneração variável baseado em royalties da MMX e um número a ser determinado de ações da MMX, ao preço de R$ 13,963 por ação; ou, alternativamente, permuta de uma ação da PortX por um título da MMX e o pagamento de um valor equivalente a US$ 0,44 por ação, à vista, em moeda corrente nacional", informou a MMX, em comunicado ao mercado. A oferta pública de permuta para a aquisição do Superporto Sudeste é uma das etapas da operação que previu o aumento de capital da MMX, com a entrada da empresa sul-coreana SK Networks como acionista, com aportes de US$ 700 milhões, e a compra do Superporto Sudeste. O porto está sendo erguido às margens da Baía de Sepetiba, na região metropolitana do Rio de Janeiro, e tem as primeiras operações previstas para o próximo ano.

Governo Dilma entrega as fronteiras do Brasil para a bandidagem

O corte no orçamento da Polícia Federal para este ano afetou a fiscalização em regiões de fronteiras e as ações de combate ao narcotráfico e contrabando de armas. O dia a dia das operações foi prejudicado devido à suspensão dos gastos com diárias para delegados e agentes, segundo os policiais. Há relatos de problemas estruturais, como o fechamento de um posto na fronteira com o Peru, e da falta recursos para manutenção de carros, compra de combustíveis e coletes à prova de bala. A redução vem na esteira do contigenciamento no Orçamento da União, determinado por decreto assinado em fevereiro pela presidente Dilma Rousseff. No Ministério da Justiça, com orçamento previsto de R$ 4,2 bilhões para 2011, o corte foi de R$ 1,5 bilhão. Agentes relataram que os cortes comprometeram a Operação Sentinela, feita com a Força Nacional de Segurança e a Polícia Militar nos Estados. A ação combate crimes como tráfico internacional de drogas, entrada de armas, contrabando e imigração ilegal. Houve redução do efetivo desde a Amazônia até o Rio Grande do Sul. No Brasil, a atuação da Polícia Federal nas fronteiras abrange uma linha de 16.399 quilômetros. Projetos como o Vant, de fiscalização com um avião não tripulado, devem atrasar. No Pará, uma patrulha que monitorava o rio Amazonas em Óbidos foi retirada. No Amazonas, o posto de Eirunepé, próximo ao Peru, não está funcionando desde o mês passado. O superintendente da Polícia Federal no Estado, Sérgio Fontes, disse que na fronteira com a Colômbia e o Peru a Operação Sentinela será levada apenas “até onde der”: “O corte foi muito severo". No Mato Grosso do Sul, a redução no efetivo chegou a 60% nas delegacias da Polícia Federal de Corumbá e Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. Segundo agentes federais, foram suspensas blitze preventivas nas rodovias. Policiais que atuam em Ponta Porã descreveram um cenário crítico. Carros estão parados por falta de manutenção e equipes estão comprando combustível fiado. Com o contingenciamento, a maior parte do efetivo vindo de outros Estados teve de deixar a cidade. O sindicato dos policiais diz que a delegacia opera hoje com menos da metade do pessoal em relação a 2010.

O terror islâmico está no Brasil, recrutando brasileiros

Há duas semanas, em reportagem de capa, VEJA demonstrou que o terrorismo islâmico fincou raízes no Brasil. A coisa está mais avançada do que parece. Pior: o Brasil não tem uma lei que puna o terrorismo. E vocês verão, agora, uma das razões a indicar a sua urgência. Leiam trecho de reportagem de Rodrigo Rangel na VEJA: "O homem na foto, de barba branca, coberto pela veste marrom e com a cabeça   envolta   num turbante, é o iraniano Mohsen Rabbani. Entre as dezessete pessoas que o cercam, há oito brasileiros [publico a foto com corte; há 11 pessoas  na imagem acima,  quatro brasileiros, marcados em vermelho]. Rabbani é considerado por essas pessoas um professor. A sala de aula fica em Qom, cidade do Irã que é sagrada para os muçulmanos xiitas. Convertidos ao islamismo, os jovens brasileiros viajaram com todas as despesas pagas com o objetivo oficial de aprofundar seus conhecimentos sobre a religião. O proselitismo e o arrebanhamento de adeptos são comuns a todas as crenças. Nesse caso, porém, existem distorções preocupantes. Rabbani não é um professor qualquer. VEJA revelou há duas semanas que, além de ostentar a condição de um dos terroristas mais procurados do mundo, ele também é responsável pelo recrutamento de jovens brasileiros para cursos de “formação religiosa”. O que esse terrorista apontado como executor de um dos mais sangrentos atentados da história e responsável pela morte de mais de uma centena de pessoas pode estar ensinando aos brasileiros é, no momento, uma das principais preocupações das autoridades. As pistas descobertas até agora para desvendar esse mistério não são nada alentadoras. O “professor” Rabbani é procurado por sua participação em atos de terrorismo desde 9 de novembro de 2006. Sua captura é considerada tão vital que a Interpol o incluiu na chamada “difusão vermelha”, a seleta lista dos homens mais procurados do mundo. A ordem internacional de prisão contra Rabbani foi expedida pela Justiça argentina. Ele é apontado como um dos mentores dos dois atentados contra alvos judeus em Buenos Aires, que mataram nada menos que 114 pessoas em 1992 e 1994. Rabbani era funcionário da Embaixada do Irã na capital argentina e teria atuado não só na elaboração como também na execução dos atos terroristas. Com status de diplomata, hoje ele é protegido do regime do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad - e o responsável pela arregimentação de seguidores em toda a América Latina, que se dá mediante promessa de influência religiosa e também de dinheiro. Chama atenção o esforço de Rabbani em amealhar seguidores em regiões pobres do Brasil sem nenhuma tradição ligada ao Islã. “Rabbani representa um grave risco para a segurança, inclusive do Brasil. Na Argentina ele difundiu sua visão do Islã radical, extremista e violento, que resultou em dezenas de vítimas nos ataques terroristas em Buenos Aires. Agora, baseado no Irã, ele continua a desempenhar um papel significativo na propagação do extremismo na América Latina”, disse a VEJA o promotor Alberto Nisman, chefe da unidade especial do Ministério Público argentino encarregada de investigar os atentados. O aliciamento de brasileiros para os cursos de Rabbani no exterior vem sendo acompanhado há quatro anos pela Polícia Federal e pela Abin, o serviço secreto do governo. É o próprio Rabbani, com a ajuda de pessoas de sua confiança, quem escolhe os que devem embarcar. De 2007 até hoje, três grupos de brasileiros já visitaram o Irã. Há razões de sobra para tamanha vigilância". Tudo isso acontece sob as barbas do governo brasileiro - e, convenham, na gestão Lula ao menos, com claro estímulo moral. As pessoas recrutadas moram em áreas pobres do Brasil. Em 2007, dos oito brasileiros que foram fazer o “curso”, quatro eram de Belo Jardim, cidade do agreste pernambucano, a 180 quilômetros de Recife. Se o Brasil tivesse uma lei antiterror, seria mais fácil coibir esse tipo de recrutamento. Afinal, Rabbani é um meliante internacionalmente procurado. Sem a lei, o que temos são apenas brasileiros convertidos ao Islã que decidiram dar uma chegadinha ali no Irã para estudar. Naquele país, os rapazes foram levados para conhecer, por exemplo, os campos de treino que o Hezbollah - grupo terrorista financiado pelo Irã que domina parte do Líbano. O Brasil vai realizar a Copa do Mundo em 2014 e a Olimpíada em 2016. Os terroristas estão por aqui, aliciando brasileiros. Alô, Congresso! O que falta para que os senhores deputados e senadores acordem? Precisarão de um atentado terrorista em solo pátrio para que, então, tenham a decência de apresentar e aprovar uma lei de combate ao terror?

Veja revela porque Lula não nomeou ministro Cesar Asfor Rocha para vaga no Supremo

Os métodos da companheirada atingiram o Supremo Tribunal Federal, Corte que, infelizmente, já não está imune a certos exotismos teóricos e filosóficos, em desserviço do direito e da Constituição. Nem poderia ser diferente quando sabemos que o tribunal estava exposto à ação de Luiz Inácio Lula da Silva, o Apedeuta diluidor de instituições. A VEJA desta semana traz uma história escabrosa, cabeluda mesmo, relatada por Policarpo Junior. E quem confirma que a sujeira existiu é a personagem central do  imbróglio: Cesar Asfor Rocha, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Além de Lula, há outro protagonista na tramóia, figura soturna da República, que, volta e meia aparece, como “consultor” de grandes negócios. Leiam os detalhes da reportagem na revista. "Em fevereiro do ano passado, o então presidente Lula convidou Asfor Rocha, à época presidente do STJ, para uma audiência no Palácio do Planalto. Conversaram sobre isso e aquilo, e o Babalorixá de Banânia informou ao magistrado que o indicaria para a vaga no Supremo, que seria aberta com a aposentadoria do ministro Eros Grau, que faria 70 anos em agosto. Em novembro, numa reunião na casa de José Sarney (PMDB-AP), Asfor pediu que o senador enviasse uma mensagem a Lula: não aceitava mais a nomeação porque se sentia atingido em sua honra. Que diabo havia acontecido? Policarpo joga luzes numa história escandalosa. Lula, o próprio, passou a alardear aos quatro ventos que Asfor havia pedido dinheiro para dar um voto numa causa, teria recebido a grana — R$ 500 mil —, mas não teria votado conforme o prometido. Contou a mesma história a um ministro, a um ex-ministro, a um governador e a um advogado muito influente de Brasília. Todos ficaram estarrecidos. Terá sido mesmo assim? E como o presidente teria sabido da história? Ela lhe fora relatada por Roberto Teixeira — sim, ele mesmo, o primeiro-compadre, que atuara no caso como “consultor da empresa”. Prestem atenção! Teixeira — amigo de Lula, seu compadre e seu advogado — lhe teria relatado, então, que atuara para comprar o voto de um ministro do STJ. Pior: teria conseguido. Fosse verdade, o presidente da República estava conversando, então, com um corruptor ativo, que se declarava ali, na sua frente. Sua obrigação era chamar a Polícia. Ainda fazendo de conta que a história é verdadeira, o presidente houve por bem não nomear Asfor Rocha. O resto, então, ele teria considerado normal. A história de que Asfor pediu propina ao primeiro-compadre, recebeu o dinheiro, mas não entregou o prometido é, para dizer o mínimo, inverossímil. Ainda que Asfor fosse um larápio, burro ele não é. Saberia que estava se fazendo refém de Teixeira e, obviamente, de Lula. Se algum juiz quiser se comportar como um safado, há personagens menos “perigosas” na República com que se envolver. Mas há alguma sombra de verdade na possível mentira? Há, sim. E é aí que as coisas pioram bastante. Teixeira esteve, sim, com Asfor Rocha. O encontro aconteceu no dia 3 de agosto do ano passado. Apresentou-se como defensor da Fertilizantes Heringer S/A, embora não fosse o advogado legalmente constituído da empresa — segunda a direção da dita-cuja, ele era um “consultor”. De quê? Teixeira, diga-se, costuma aparecer nesse estranho papel. Nessa condição, a Ordem dos Advogados do Brasil não pode lhe censurar os métodos — se é que censuraria, né?. A OAB foi OAB um dia… Uma unidade da Heringer tinha sido impedida de funcionar porque jogava poluentes no meio ambiente. Teixeira informou ao ministro que havia entrado com um recurso no tribunal para suspender um julgamento contrário à empresa. Pois bem: um mês depois, relator do caso, Asfor negou o recurso, sendo seguido pelos outros dez da corte especial do STJ. E pronto! Foi assim que se tornou um quase-ministro do STF. O magistrado confirma tudo. Disse que tomou conhecimento da acusação por intermédio de um colega da magistratura: “Ele me disse que soubera de amigos do Palácio do Planalto que o presidente estava falando coisas absurdas a meu respeito".

Senador Aécio Neves se recusa a passar por bafômetro e carteira é presa

Por se recusar a fazer o teste do bafômetro e dirigir com a carteira de habilitação vencida, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teve o documento apreendido em blitz da Operação Lei Seca, na madrugada de domingo, no Rio de Janeiro. Ele levou, ainda, 14 pontos na carteira, terá de pagar R$ 1.149,23 em multas e de responder a dois processos no Detran fluminense. O senador dirigia um Land Rover e foi parado por volta das 3 horas no cruzamento da avenida Bartolomeu Mitre com a rua San Martin, no Leblon, na zona sul carioca. Ele tinha saído de um restaurante com a namorada e voltava para seu apartamento. Abordado por policiais, recusou-se a fazer o teste do bafômetro, o que é considerado uma infração gravíssima (sete pontos na carteira e multa de R$ 957,69). Os policiais também constataram que o documento estava vencido (infração de mesmo peso e multa de R$ 191,54). Impossibilitado de dirigir, Aécio Neves pediu então que um taxista conduzisse o carro até seu apartamento.

Assassinos da família Fogel em Israel são presos