domingo, 16 de janeiro de 2011

Praia de Jurerê, do Grupo Habitasul, em Florianópolis, disputa o título de mais porca do País

O jornalista Vitor Vieira, editor de Videversus, passou o reveillon de 2010 na praia de Jurerê, do Grupo Habitasul, em Florianópolis. O lugar é um paraíso, mas a infraestrutura é o que se poderia chamar de uma grande porcaria. No amanhecer do dia 1º de janeiro de 2010, a sensação na beira da praia era de que Florianópolis tinha sofrido um tsunami, que havia entrado na ilha por Jurerê. A praia era uma imundície só, de uma ponta a outra. No Rio de Janeiro, durante o reveillon, mais de um milhão de pessoas vão para a praia comemorar a virada do ano. Cerca de 150 toneladas de lixo são geradas, mas a prefeitura faz a coleta imediata. Jurerê é um empreendimento privado, pertence ao Grupo Habitasul, e esta empresa não tem capacidade para enfrentar a situação, ou não se esforça. Agora, na passagem do ano para 2011, o tsunami do ano anterior voltou a se repetir, conforme você pode verificar pela foto.
O Grupo Habitasul se gaba de ostentar o selo ambiental internacional fornecido pela entidade Bandeira Azul. Algo de muito estranho acontece aí. Como é possível que seja fornecido um selo ambiental internacional, por uma entidade certificadora, a um grupo que permite que seu empreendimento ostente a gigantesca agressão ambiental vista nas fotos?

Governo brasileiro admite à ONU despreparo para enfrentar tragédias

O governo brasileiro admitiu para a ONU que grande parte do sistema de defesa civil do País vive um “despreparo” e que não tem condições sequer de verificar a eficiência de muitos dos serviços existentes. Essas afirmações estão em documento enviado em novembro de 2010 por Ivone Maria Valente, da Secretaria Nacional da Defesa Civil (Sedec), fazendo um raio X da implementação de um plano nacional de redução do impacto de desastres naturais. Suas conclusões mostram que a tragédia estava praticamente prevista pelas próprias autoridades. Diante do tsunami que atingiu a Ásia e do aumento do número de desastres naturais no mundo nos últimos anos, a ONU foi pressionada a estabelecer um plano para ajudar governos a fortalecer seus sistemas de prevenção. Em 2005, governos chegaram a um acordo sobre a criação de um plano de redução de risco para permitir que, até 2015, o mundo estivesse melhor preparado para responder às catástrofes. Uma das criações da ONU, nesse contexto, foi o Plano de Ação de Hyogo (local da conferência onde o acordo foi fechado). No tratado, a ONU faz suas recomendações de como governos devem atuar para resistir a chuvas, secas, terremotos e outros desastres. Ficou também estabelecido que os 168 governos envolvidos se comprometeriam a enviar a cada dois anos um raio X completo de como estavam seus países em termos de preparação para enfrentar calamidades e o que estavam fazendo para reduzir os riscos. Na versão enviada pelo próprio governo do Brasil ao escritório da Estratégia Internacional das Nações Unidas para a Redução de Desastres, no fim de 2010, as constatações do relatório nacional são alarmantes. “A maioria dos órgãos que atuam em defesa civil está despreparada para o desempenho eficiente das atividades de prevenção e de preparação”, afirma o documento em um trecho. Praticamente um a cada quatro municípios do País sequer tem um serviço de defesa civil e, onde existe, não há como medir se são eficientes. No relatório, o Brasil é obrigado a dar uma resposta ao desempenho em determinados indicadores sugeridos pela ONU. O governo lulopetista é tremendamente honesto ao afirmar a sua incompetência e falta de vontade para tratar da questão das emergências em tragédias.

Beneficiário do Bolsa Família fica pouco no emprego e demora a achar nova vaga

Os beneficiários do Bolsa Família passam menos tempo no emprego e, quando o perdem, demoram mais para encontrar nova vaga com carteira assinada. É o que mostra pesquisa encomendada pelo Ministério do Desenvolvimento Social, em uma indicação de que será longo e complicado o caminho para que os beneficiários da transferência de renda do governo lulopetista abram mão dos pagamentos mensais do Bolsa Família e encontrem a chamada “porta de saída” do programa. As primeiras sondagens sobre a relação do público do Bolsa Família com o mercado de trabalho feitas após sete anos de vida do programa mostram que a maioria dos empregos não tem registro em carteira. Entre os beneficiários ocupados, 75,2% não têm cobertura da Previdência Social, calcula o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Na população economicamente ativa do País, o porcentual é de 49,8%. “A inserção dos beneficiários do Bolsa Família no mercado formal, quando existe, é bastante precária. Menos de um ano depois da contratação, metade dos beneficiários é desligada, 30% perderão seus empregos em menos de seis meses. Fora do mercado de trabalho, menos de 25% são recontratados nos quatro anos seguintes”, resume estudo de Alexandre Leichsenring, doutor em estatística e consultor do Ministério do Desenvolvimento Social. Leichsering pesquisou o comportamento dos beneficiários do Bolsa Família durante quatro anos, de 2003 a 2007, nos registros de emprego do Ministério do Trabalho.

Empresa brasileira tenta vender equipamentos nucleares para o Irã

Documentos secretos da diplomacia norte-americana, divulgados pelo site WikiLeaks e publicados pelo jornal Folha de S. Paulo, em inglês, mostram que uma empresa paulista, a MELLO S. A. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, estabelecida em São Paulo, promove esforços para vender ferramentaria de alta sensibilidade para a indústria nuclear iraniana. A empresa paulista, localizada na Avenida Nossa Senhora do Sabará, nº 1822, produz máquinas-ferramenta para trabalhar metais desde 1952, para o mercado brasileiro e internacional. Leia a seguir o telegrama da embaixada norte-americano no brasil sobre o assunto, em inglês.
S E C R E T
STATE 123431
SIPDIS E.O. 12958: DECL: 12/02/2034
TAGS: PARM, MTCRE, PREL, IR, BR
SUBJECT: ATTEMPTS BY IRANIAN FIRM TO ACQUIRE MACHINE TOOLS FROM BRAZIL
(S) Classified By: ISN/MTR DIRECTOR PAM DURHAM FOR REASONS 1.4 (B), (C), AND (D).
1. (U) This is an action request. Embassy Brasilia, Please see paragraph 3.
2. (S) Background: We want to alert the government of Brazil to a possible effort by the Iranian firm Machine Sazi Tabriz to acquire machine tools from a Brazilian company. Machine Sazi Tabriz is the largest manufacturer of machine tools in Iran and has likely supplied imported machine tools to Iran's nuclear and ballistic missile programs. Because we are concerned that any export of machine tools to Machine Sazi Tabriz potentially could be diverted to Iran's Weapons development programs, we want to share this information with Brazilian officials and ask that they investigate this activity. We also want to request that they take all appropriate measures, including the use of their catch-all controls, to closely scrutinize all machine tool exports to Iran to prevent such equipment from being used to support programs of proliferation concern.
3. (U) Action Request: Request Embassy Brasilia approach appropriate host government officials to deliver talking points in paragraph 4 and report response. Talking point may also be left as a non-paper.
4. (S) Begin talking points/non-paper: (SECRET//REL BRAZIL)
-- We would like to alert you to information of potential proliferation concern and request your assistance in investigating this activity.
-- The United States has information that in October 2009 Iran's Machine Sazi Tabriz was working to finalize a purchase of machine tools from Brazil's Mello S.A. Maquinas e Equipamentos. The Iranian intermediary Poshtiban Abzar Parswas helping to facilitate this transaction.
-- Machine Sazi Tabriz is the largest machine tool manufacturer in Iran and likely supplies some imported machine tools to Iran's nuclear and ballistic missile programs.
-- We are bringing this matter to your attention to Support your export control efforts as we are concerned that Machine Sazi Tabriz could potentially be seeking machines from Brazil on behalf of weapons-related end-users in Iran.
-- In addition, UN Security Council Resolution 1737 Requires states to take necessary measures to prevent the supply, sale or transfer of items that a state determines would Contribute to Iran's ballistic missile or nuclear- related activities.
-- We hope you will investigate this activity and use your catch-all authorities to closely scrutinize all machine tool exports to Iran to ensure that such equipment is not used to support weapons development applications.
-- We look forward to continued cooperation on export Control and nonproliferation issues and would appreciate hearing of the actions you take in response to this information at The earliest possible time. End talking points/non-paper
5. (U) Washington POC is ISN/MTR James Mayes (Phone: 202-647-3185). Please slug any reporting on this issue for ISN/MTR.
6. (U) A word version file of this document will be posted at www.state.sgov.gov/demarche. CLINTON

Petistas controlam 60% dos cargos do governo federal

A hegemonia do PT no governo Dilma Rousseff se revela mais pelo domínio dos cargos na administração federal do que pelo controle das verbas orçamentárias. Os ministérios entregues aos petistas, que movimentam pouco mais de 30% de todo o Orçamento da União, abrigam algo em torno de 60% dos cargos de livre nomeação existentes na Esplanada. Em potencial, são 13,4 mil postos de comando e assessoria, incluindo os do gabinete presidencial, a serem oferecidos a especialistas do setor privado ou apadrinhados políticos, aos servidores públicos mais talentosos ou os mais alinhados às chefias. No total, o Executivo dispõe de 21,7 mil cargos desse tipo, disputados pelos partidos e conhecidos no jargão brasiliense pelas siglas NES (Natureza Especial) e, principalmente, DAS (Direção e Assessoramento Superiores), cujos níveis vão de um a seis, crescentes conforme a posição do nomeado na hierarquia federal. Sob o comando do PT estão os seis ministérios com mais cargos de livre nomeação. Pela ordem, Fazenda, Saúde, Planejamento, Justiça, Desenvolvimento Agrário e Educação. A supremacia ajuda a entender a insatisfação dos aliados, como o PMDB, interessado em manter ao menos os postos no segundo escalão da Saúde que obteve no segundo governo Lula. Os petistas também encabeçam as pastas onde é maior o peso dos cargos de confiança na força de trabalho, casos da Secretaria de Direitos Humanos e do Ministério do Desenvolvimento Social, além, é claro, do gabinete presidencial e seus arredores. Juntos, os ministérios entregues a partidos aliados não chegam a abrigar um quarto dos cargos totais. Principal sócio do PT no governo, o PMDB conta em suas pastas com 14% dos cargos existentes no Executivo, percentual semelhante ao dos ministros sem partido. Mais de 3.000 cargos foram criados ao longo da gestão petista, em boa parte devido ao aumento do número de pastas, de 26 para 37. Com o argumento de que é preciso oferecer remuneração competitiva para atrair profissionais qualificados, a equipe de Dilma Rousseff estuda reajustar os valores dos DAS, atualmente entre R$ 2.116,00 e R$ 11.500,00 mensais. Como servidores de carreira podem acumular parcialmente seus vencimentos e as comissões, o ganho médio dos nomeados é mais alto: varia de R$ 10,6 mil (DAS-1) a R$ 21,3 mil (DAS-6).

Estudos internacional mostra que Brasil tem assessores demais

Estudo da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) aponta que o modelo brasileiro de DAS compreende um número exagerado de cargos, não oferece transparência nos critérios de nomeação nem avalia o desempenho dos nomeados. Pela avaliação, o sistema mistura diferentes objetivos, como preenchimento de postos políticos, recrutamento de especialistas do setor privado e ascensão profissional de servidores de carreira. Isso ajuda a explicar os cerca de 22 mil cargos envolvidos, em uma força de trabalho de 570 mil funcionários no Poder Executivo. Em comparação citada no documento, nos Estados Unidos há algo como 7.000 postos de livre nomeação, listados pelo Congresso após a eleição presidencial. Há ainda pouco mais de 8.000 vagas para o alto escalão, metade delas reservada a servidores que são submetidos a um processo de seleção. Os números são muito mais modestos em outros países citados: na Holanda, são 780 vagas no governo, distribuídas em cinco níveis hierárquicos; no Chile, 837, em apenas dois níveis. O que este estudo não detecta é a penetração do petismo nos chamados quadros profissionais da administração pública.

Banqueiro suíço vai entregar mais dados ao WikiLeaks

Um ex-banqueiro suíço, que foi um dos primeiros homens a usar o site WikiLeaks para publicar documentos internos, prometeu divulgar novos dados sobre contas bancárias no Exterior nesta segunda-feira. Rudolf Elmer, que foi demitido do Julius Baer em 2002, e que vai a julgamento na Suíça na quarta-feira, por quebrar o sigilo bancário, entregará mais dados ao WikiLeaks em uma coletiva de imprensa em Londres, informou neste domingo o jornal Der Sonntag. Elmer disse ao jornal suíço que vai entregar dois CDs contendo os nomes e detalhes de contas de cerca de 2.000 clientes do banco, incluindo importantes empresários, artistas e cerca de 40 políticos, que colocaram suas reservas fora de seus países de origem. "Os documentos mostram que eles se escondem atrás do sigilo bancário, provavelmente para evitar os impostos", afirmou Rudolf Elmer. Ele disse que os dados envolvem multimilionários, empresas internacionais e fundos de cobertura de vários países, incluindo Estados Unidos, Alemanha e Grã-Bretanha. Os dados são de pelo menos três instituições bancárias, incluindo o Julius Baer, e cobrem o período de 1990 a 2009. Muitos dos documentos vazaram a ele por comparsas.

Deputada iraniana critica Dilma por defender presos políticos

Zohre Elahian, fascista islâmica
A presidente da comissão de direitos humanos do Parlamento iraniano, Zohre Elahian, repudiou as declarações da presidente brasileira, Dilma Rousseff, sobre a situação dos direitos humanos no Irã. Zohre Elahian enviou neste domingo uma carta a Dilma dizendo que aqueles que a presidente defende são na realidade "pessoas acusadas de crimes contra a segurança do Estado". "Os que Dilma Rousseff classifica de prisioneiros políticos e de consciência são aqueles que têm registrado em seus antecedentes crimes de segurança contra o povo iraniano", afirma a deputada. A parlamentar ainda ressalta que os prisioneiros defendidos por Dilma tiveram a intenção de "acabar com o regime iraniano" durante os grandes protestos de junho de 2009 realizados contra a polêmica reeleição do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. A deputada Aoher Elahian é uma fascista islâmica.

Venezuela anuncia que suas reservas de petróleo superaram as da Arábia Saudita

A Venezuela superou a Arábia Saudita como detentora das maiores reservas de petróleo comprovadas do mundo, afirmou o governo venezuelano na noite de sábado. As reservas foram estimadas em 297 bilhões de barris ao final de 2010. O ministro de Energia, Rafael Ramírez, disse que as novas reservas, que ampliaram o total em 41% em relação ao ano anterior, foram registradas no grande Cinturão de Orinoco. "Temos o suficiente para 200 anos", afirmou o ditador Hugo Chavez em um discurso no qual negou ser um ditador, reclamou estar sendo injustamente "demonizado" e ofereceu entregar os criticados poderes de decreto um ano antes da data prevista. Há sugestões de que países como Arábia Saudita e Venezuela exageraram no passado ao relatar o tamanho de suas reservas de petróleo, embora os produtores neguem tais acusações. Alguns especialistas indicam que os números dos membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) não mudaram em vários anos, sugerindo que as novas descobertas se igualaram perfeitamente à produção, enquanto outros afirmam que a falta de verificações independentes abre espaço para dúvidas. A Opep disse que as reservas da Arábia Saudita estavam em 265 bilhões de barris em 2009. A vantagem saudita é a de que seu petróleo é predominantemente leve, convencional e de fácil bombeamento, enquanto os depósitos de Orinoco são pesados e precisam ser melhorados ou misturados com uma qualidade da commodity mais leve para criar uma mistura exportável. Há um ano, o Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que o Cinturão de Orinoco tinha 513 bilhões de barris recuperáveis se os custos de extração do petróleo não forem um problema. Alguns especialistas dizem que a geologia da região significa que é incerto quanto petróleo pode ser extraído e que, mesmo com os preços do barril em ascensão, e chegando perto dos US$ 100,00, explorar a maioria da reserva seria proibitivamente caro. Também há dúvidas sobre quando os projetos do Orinoco ficarão disponíveis, devido à má administração da companhia estatal venezuelana PDVSA, que tem fatia majoritária em cada bloco. Também existem incertezas sobre investir na Venezuela, onde Chávez nacionalizou a maioria da indústria petrolífera. A tecnologia necessária para bombear o petróleo ultra-pesado de Orinoco é muito mais complicada e cara do que as máquinas que extraem o petróleo leve. Entretanto, como especialistas dizem que as reservas mundiais de petróleo leve estão acabando, o futuro da indústria petrolífera está em regiões de produção mais difícil, como o Cinturão de Orinoco, o pré-sal do Brasil e o petróleo arenoso do Canadá.

Venezuela anuncia que suas reservas de petróleo superaram as da Arábia Saudita

A Venezuela superou a Arábia Saudita como detentora das maiores reservas de petróleo comprovadas do mundo, afirmou o governo venezuelano na noite de sábado. As reservas foram estimadas em 297 bilhões de barris ao final de 2010. O ministro de Energia, Rafael Ramírez, disse que as novas reservas, que ampliaram o total em 41% em relação ao ano anterior, foram registradas no grande Cinturão de Orinoco. "Temos o suficiente para 200 anos", afirmou o ditador Hugo Chavez em um discurso no qual negou ser um ditador, reclamou estar sendo injustamente "demonizado" e ofereceu entregar os criticados poderes de decreto um ano antes da data prevista. Há sugestões de que países como Arábia Saudita e Venezuela exageraram no passado ao relatar o tamanho de suas reservas de petróleo, embora os produtores neguem tais acusações. Alguns especialistas indicam que os números dos membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) não mudaram em vários anos, sugerindo que as novas descobertas se igualaram perfeitamente à produção, enquanto outros afirmam que a falta de verificações independentes abre espaço para dúvidas. A Opep disse que as reservas da Arábia Saudita estavam em 265 bilhões de barris em 2009. A vantagem saudita é a de que seu petróleo é predominantemente leve, convencional e de fácil bombeamento, enquanto os depósitos de Orinoco são pesados e precisam ser melhorados ou misturados com uma qualidade da commodity mais leve para criar uma mistura exportável. Há um ano, o Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que o Cinturão de Orinoco tinha 513 bilhões de barris recuperáveis se os custos de extração do petróleo não forem um problema. Alguns especialistas dizem que a geologia da região significa que é incerto quanto petróleo pode ser extraído e que, mesmo com os preços do barril em ascensão, e chegando perto dos US$ 100,00, explorar a maioria da reserva seria proibitivamente caro. Também há dúvidas sobre quando os projetos do Orinoco ficarão disponíveis, devido à má administração da companhia estatal venezuelana PDVSA, que tem fatia majoritária em cada bloco. Também existem incertezas sobre investir na Venezuela, onde Chávez nacionalizou a maioria da indústria petrolífera. A tecnologia necessária para bombear o petróleo ultra-pesado de Orinoco é muito mais complicada e cara do que as máquinas que extraem o petróleo leve. Entretanto, como especialistas dizem que as reservas mundiais de petróleo leve estão acabando, o futuro da indústria petrolífera está em regiões de produção mais difícil, como o Cinturão de Orinoco, o pré-sal do Brasil e o petróleo arenoso do Canadá.

Número de mortos após chuva chega a 628 na região serrana do Rio de Janeiro

O número de mortos em consequência das chuvas em cinco municípios da região serrana do Rio de Janeiro chegou a 628 na tarde deste domingo, segundo balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil e pelas prefeituras. Equipes ainda buscam vítimas. Nunca antes neste  País morreram tantos por causas tão previsíveis. As mortes ocorreram em Nova Friburgo (283), Teresópolis (268), Petrópolis (56), Sumidouro (19) e São José do Vale do Rio Preto (2). O Comando Geral da Polícia Militar do Rio de Janeiro determinou na manhã deste domingo a prisão de comerciantes que estiverem cobrando preços abusivos na região serrana. É uma medida do arco da velha, a polícia do Rio de Janeiro está querendo eliminar lei elementar do mercado. O que falta é o aparelho de Estado suprir os flagelados com os recursos necessários à sua sobrevivência, e aí os preços caem. Mas, nada é óbvio para a obtusidade de governos populistas. A medida é válida para as cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis e tenta coibir a prática de "crimes contra o consumidor". Depois da tragédia, a população de Nova Friburgo começou a sofrer com o racionamento de comida. Assustados com a dimensão dos estragos causados pelas chuvas, os moradores passaram a tentar estocar comida, apesar da grande quantidade de donativos enviada para a região. Isso provocou uma disparada nos preços. As chuvas também ilharam produtores rurais e destruíram plantações, principalmente de verduras e hortaliças. Como consequência, os produtos já começam a sumir dos supermercados da capital fluminense e, quando encontradas, os preços mais do que dobraram em relação à semana passada.O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), decretou somente neste domingo estado de calamidade pública nos municípios de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Bom Jardim, São José do Vale do Rio Preto, Sumidouro e Areal.

Prefeitura de Jerusalém quer construir novo bairro com 1.400 apartamentos

Um plano para construir 1.400 novas residências para israelenses na área oriental de Jerusalém pode ser aprovado nesta semana pela prefeitura da capital israelente, informou neste domingo um membro da Câmara dos Vereadores. Meir Margalit disse que a comissão de planejamento de Jerusalém vai decidir, em 24 de janeiro, sobre a construção de habitações em Gilo, bairro que Israel passou a desenvolver após a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Este projeto, certamente, causará condenação por parte de palestinos e da mídia esquerdopata internacional. Jerusalém é a capital indissolúvel do Estado de Israel. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, criticou na semana passada a demolição de um hotel abandonado no leste de Jerusalém para a construção de 20 casas para israelenses. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, respondeu no mesmo ato e publicamente dizendo que os judeus têm o direito de morar em qualquer região da cidade. Os palestinos querem que o leste de Jerusalém seja a capital do país que pretendem estabelecer. Os israelenses consideram toda Jerusalém como sua capital. Um comunicado emitido pela prefeitura de Jerusalém informou que ela é obrigada por lei a discutir o plano para a construção das 1.400 habitações, que foi pedido por empresários privados. A proposta ainda teria que ser aprovada pelo Ministério do Interior israelense, caso passe na Câmara dos Vereadores. "Não vejo razão para não autorizar o plano", afirmou Elisha Peleg, membro da comissão de planejamento de Jerusalém: "É ilegítimo que governos estrangeiros interfiram nos assuntos internos da prefeitura de Jerusalém, e nós rejeitamos isso". Cerca de 500 mil israelenses vivem atualmente em áreas que os palestinos reclamam como sendo da Cisjordânia e no leste de Jerusalém. Cerca de 40 mil judeus moram no bairro de Gilo. Veja na imagem abaixo a localização de Gilo, ou clique no link http://tinyurl.com/5ukep5t

Visualizar Gilo, Jerusalém em um mapa maior

Dom Paulo Evaristo Arns melhora e deixa UTI

O arcebispo emérito de São Paulo, cardeal dom Paulo Evaristo Arns, recebeu alta, na última sexta-feira, da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Catarina, em São Paulo. "O arcebispo emérito eliminou por completo a infecção pulmonar instaurada após cirurgia para a extração da vesícula e sua saúde segue estável", disse o boletim médico. Ele está consciente, se alimenta bem e faz pequenas caminhadas. Dom Paulo passou por uma cirurgia de emergência no último dia 1º, em decorrência de um processo infeccioso na vesícula biliar. Dom Paulo foi "submetido a uma colesistectomia com colangiografia por videolaparoscopia (limpeza da região e extração da vesícula) e continuará sob os cuidados do médico cirurgião Rafael Sanchez Neto e equipe clínica", informou o boletim médico.

Goldman reforça indicação para compra de ações da Embraer

O Goldman Sachs colocou as ações da Embraer em sua lista de "convicção de compra" por considerar que a fabricante brasileira de jatos tem posição única no setor aeroespacial e forte exposição a mercados emergentes. "Em nossa visão, a Embraer tem um valor muito atrativo comparado a suas pares e levando em conta suas perspectivas de crescimento e o balanço", escreveu em relatório enviado a clientes, na sexta-feira, o analista Noah Poponak, do Goldman Sachs. O Goldman retomou a cobertura de Embraer em 6 de dezembro passado e tem preço-alvo de US$ 39,00 para os recibos de ações da companhia negociados em Nova York (ADRs), bastante acima do consenso do mercado. O Goldman destacou o crescimento da Embraer no segmento de aviação executiva, área em que a empresa brasileira tem apostado mais firmemente nos últimos anos. Em 2009, segundo a área de pesquisa do Goldman, a Embraer foi responsável por 14% das entregas globais de jatos executivos, ainda que a maioria tenha sido do Phenom 100, de baixo valor unitário. O Goldman estima que em 2015 a Embraer alcançará 26% das entregas de jatos executivos no mundo, em unidades, beneficiada pela entrada em operação de novos modelos de aviões.