terça-feira, 26 de outubro de 2010

Empresária confirma propina a Israel Guerra

Em depoimento de mais de duas horas à Polícia Federal, a empresária Ana Veloso Corsini confirmou nesta terça-feira que seu irmão, o piloto de Motocross Luís Corsini, pagou propina de R$ 40 mil a Israel Guerra, filho da ex-ministra petista Erenice Guerra (Casa Civil), braço direito da candidata petista Dilma Rousseff, pela intermediação de um patrocínio de R$ 200 mil da Eletrobrás, em 2008. Com isso, o delegado Roberval Vivalvi, encarregado do inquérito, deve preparar o indiciamento de Israel. Segundo relato de Ana Veloso, o patrocínio estava "entravado" e chegou a ser recusado, quando Israel, apresentado ao piloto, ofereceu-se para reverter a situação, alegando que "a mãe e a tia" o ajudariam a remover as dificuldades. A tia a quem Israel se referia seria a então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, substituída por Erenice no cargo em março deste ano, quando ela se desincompatibilizou para disputar a Presidência da República pelo PT. Erenice é braço direito de Dilma desde 2003, quando a candidata tornou-se ministra de Minas e Energia. A Eletrobrás era a área onde as duas exerciam mais influência, e onde Dilma Rousseff tem como dirigente outro braço seu, Valter Cardeal. Ana contou à polícia que, de fato, após a intermediação de Israel, a Eletrobrás reconsiderou o projeto de patrocínio à equipe Corsini Racing e o dinheiro saiu em duas parcelas, em julho e agosto de 2008. Ela relatou que, atento às datas de liberação, o filho de Erenice fez pressões pelo imediato pagamento da sua "comissão". Como Corsini demorou a efetuar o pagamento, ele intensificou a cobrança e estendeu as pressões a Ana, que trabalha na equipe. Ela disse ter ficado chocada com a situação. "Foi chantagem mesmo e eu vim aqui reafirmar tudo em detalhes", disse ela, ao chegar para depor. Corsini depôs na última quinta-feira e confirmou que a propina foi paga em duas parcelas, uma em dinheiro, no valor de R$ 24 mil, e a outra, de R$ 16 mil, em cheque. A Polícia Federal já requisitou a cópia do cheque e colheu outras provas de que a propina foi integralmente paga. Além de Israel, deve ser indiciado o irmão, Saulo, em nome do qual está registrada a empresa de consultoria Capital, usada como central de lobby de familiares da ex-ministra petista.

STJ restabelece cooperação com Estados Unidos para rastrear dados da Igreja Universal

O ministro Ari Pargendler, presidente do Superior Tribunal de Justiça, acolheu nessa terça-feira recurso (agravo regimental) da Procuradoria Geral de Justiça de São Paulo e restabeleceu pedido de auxílio direto encaminhado à Promotoria de Nova York para rastreamento de dados bancários e fiscais da Igreja Universal do Reino de Deus nos Estados Unidos. Pargendler revogou decisão que ele próprio havia tomado anteriormente, quando manteve ordem do presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Antonio Carlos Vianna Santos, para tornar nula a cooperação pleiteada pelo Ministério Público paulista junto aos promotores americanos. O pedido de parceria foi encaminhado em novembro de 2009 pelo promotor Saad Mazloum, que integra os quadros da Promotoria do Patrimônio Público e Social, braço do Ministério Público que investiga improbidade administrativa e corrupção. A iniciativa de Mazloum foi feita com base no MLAT, instrumento de acordo de assistência judiciária em matéria penal. O inquérito civil de Mazloum mira desvio de recursos da Igreja Universal para empresas e remessa ilegal de valores para o Exterior.

Justiça Militar condena controlador de vôo por acidente da Gol

A Justiça Militar condenou o sargento Jomarcelo Fernandes dos Santos, nesta terça-feira, por homicídio culposo (sem intenção de matar). Ele era controlador de vôo do controle de tráfego aéreo no dia 29 de setembro de 2006, quando aconteceu o desastre do Boeing 737 da Gol, que fazia o vôo 1907, e foi abalroado no ar pelo jatinho Legacy. O desastre do Boeing da Gol deixou 154 mortos. A pena é de um ano e dois meses de prisão. O sargento foi condenado por 4 votos a 1. Outros quatro controladores foram absolvidos. São eles: João Batista da Silva, Felipe Santos Reis, Lucivando Tibúrcio de Alencar e Leandro José Santos de Barros. Todos haviam sido denunciados pelo Ministério Público Militar por negligência e por não cumprir normas militares de segurança. O sargento Jomarcelo foi acusado por estar no comando do console de controle quando o sinal do transponder do jato foi desligado e não informar a mudança de altitude da aeronave. O equipamento permite o funcionamento do sistema anticolisão (TCAS), disparando alarmes de proximidade entre aviões para evitar choques. A Federal Aviation Administration (FAA), órgão dos Estados Unidos que regulamenta a aviação civil, negou, em 2009, o pedido de cassação das licenças dos pilotos do jatinho Jan Paul Paladino e Joseph Lepore. Dois processos criminais contra os pilotos e os controladores de vôo correm na Justiça Federal e estão na fase final de produção de provas. A próxima etapa é o interrogatório com os réus e, depois, as sentenças.

Magistrada é condenada pelo Tribunal de Justiça Militar

Pela primeira vez na história da Justiça Militar do Rio Grande do Sul, uma juíza da própria instituição foi condenada por favorecer um soldado da Brigada Militar em um processo administrativo. O julgamento da titular da 2ª Auditoria da Capital da Justiça Militar do Estado, Maria Emília Moura da Silva, ocorreu na noite de segunda-feira e durou seis horas. A denúncia do Ministério Público, feita pelo promotor João Barcelos, foi acatada por unanimidade. Tudo começou com suspeitas de desaparecimento de processos na 2ª Auditoria. Também foram verificados atrasos de processos sem necessidade, causando risco de sofrerem prescrição. O caso foi investigado por três meses. O relator, juiz-coronel brigadiano Paulo Roberto Mendes, votou pela condenação da magistrada, e foi seguido pelos quatro demais juízes do tribunal. A maioria decidiu pela pena mais rigorosa. A decisão foi pela colocação em disponibilidade da magistrada, que não é militar. Com isso, ela perde a jurisdição, não pode voltar a trabalhar na instituição nem se aposentar. No entanto, segue recebendo proventos, proporcionais ao tempo de serviço. É preciso ressaltar que ela era a única especializada, de carreira, nesse tribunal que aparece como uma excrescência na vida jurídica gaúcha. E mais, com juízes sem capacitação jurídica para atuar em situação como a da condenação da juíza Maria Emília Moura da Silva. Repita-se: é um caso muito estranho. E tem coisa aí para ser contada. O advogado de Maria Emilia, Pedro Osório Rosa Lima, afirmou que recorrerá ao Poder Judiciário e que houve espionagem contra ele e sua cliente. Bem, isto é o mais comum de acontecer no caso da Brigada Militar, especializada em espionagens nada explicadas.

Serra promete "fortalecer" economia gaúcha em comício em Caxias do Sul

Em comício em Caxias do Sul na noite desta terça-feira, José Serra usou boa parte do seu discurso para criticar a campanha da adversária petista na corrida ao Palácio do Planalto. Segundo o candidato do PSDB à Presidência, está funcionando hoje "uma máquina de mentiras" como ele jamais havia visto em uma eleição até agora. "Nunca houve uma eleição no Brasil que chegou ao nível da transgressão das regras do jogo democrático, do abuso do poder para se ganhar a eleição, como esta", disse José Serra: "Eles querem nivelar por baixo, mas nós somos diferentes". Além dos ataques à adversária, Serra aproveitou para elogiar o Rio Grande. Segundo ele, o Estado tem que "voltar a ter o peso que hoje não está sendo exercido". "Foi aqui que nasceu a legislação trabalhista brasileira e a modernização do Estado deste País. Vou fortalecer o Rio Grande na política e na economia", prometeu ele, recordando nomes importantes do cenário gaúcho, como Leonel Brizola e Getúlio Vargas. Voltando-se novamente aos oponentes, Serra observou que a democracia vem sendo alvo de ataques nesta campanha, com repetição de "coisas absurdas" por parte da coligação de Dilma Rousseff: "Isso é coisa digna do nazismo. O pessoal do PT vem com violência, gente disposta a bater, a provocar. Mas, no lugar do punho fechado da intolerância, oferecemos o abraço fraterno da solidariedade". Ele também fez a defesa da liberdade de imprensa.

Supremo julga amanhã recurso de Jader Barbalho contra a Lei da Ficha Limpa

A polêmica sobre a Lei da Ficha Limpa voltará a ser discutida pelo plenário do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira, quando a Corte julgará o recurso do candidato ao Senado Jader Barbalho (PMDB-PA) contra a legislação. O teor do voto do ministro Joaquim Barbosa, relator do caso, só será conhecido na sessão, mas ele deverá se posicionar contra a candidatura de Barbalho, considerando que a Lei da Ficha Limpa vale para este ano e atinge políticos que renunciaram para evitar processo de cassação. Foi assim que o ministro votou no julgamento do caso de Joaquim Roriz (PSC), que terminou empatado e levou o então candidato a colocar a mulher em seu lugar. O caso de Barbalho é idêntico àquele que começou a ser julgado mas foi arquivado. Envolvido em denúncias de corrupção, Barbalho renunciou ao cargo de senador, em 2001, para evitar processo que poderia levar à cassação de seu mandato. A Lei da Ficha Limpa entende que o político que faz isso fica inelegível por oito anos a contar do fim do mandato que ele cumpriria. Em tese, para que o Supremo consiga finalizar a análise sobre a validade da Lei da Ficha Limpa vale para este ano, o impasse entre os ministros deve ser desfeito. Atualmente, cinco ministros acreditam que a lei não vale para este ano, pois foi promulgada com menos de um ano de antecedência das eleições. Outros cinco avaliam que a lei está em pleno vigor. O problema é que a cadeira do 11º ministro, que desempataria a questão, está vaga desde a aposentadoria de Eros Grau.

CSN planeja investir US$ 2 bilhões para expansão em cimento na América Latina

A CSN planeja investir US$ 2 bilhões para construir três fábricas de cimento no Brasil e também em vários países da América Latina nos próximos três anos. "O Brasil será o primeiro, cerca de metade desse valor será investido no Brasil e a outra metade vai para Colômbia; e Argentina, Uruguai ou Paraguai, um dos três, e então vamos avaliar Chile e Peru também", afirmou o presidente-executivo da CSN, Benjamin Steinbruch, nesta terça-feira. A companhia quer ter uma capacidade de produção total de 10 milhões de toneladas de cimento por ano no Brasil e em outros países sul-americanos, disse o executivo. Steinbruch está incentivando seu grupo a se diversificar para além da produção de aço em direção a materiais de construção, logística e mineração. A CSN entrou no negócio de cimento no ano passado, com abertura de uma fábrica em seu complexo siderúrgico no Rio de Janeiro. Segundo Steinbruch, a unidade produzirá cerca de 250 mil toneladas de cimento por mês até o final deste ano ante nível de 150 mil toneladas atuais. O executivo comentou que a companhia está buscando possíveis aquisições no setor de siderurgia na América Latina, mas somente tomará decisão de investimento se encontrar uma "boa oportunidade". Em mineração, Steinbruch comentou que a CSN espera para o início do próximo ano a listagem das ações de suas operações de minério de ferro.

Anac tem novas regras para registro de passagens aéreas vendidas

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) fixou novas regras para o registro das tarifas comercializadas no transporte aéreo. A portaria publicada nesta terça-feira no Diário Oficial da União complementa resolução divulgada anteriormente, que estabelece procedimentos para o registro de tarifas. A partir de 2011, as companhias deverão informar à Anac as rotas e a quantidade de passagens vendidas, dando uma previsão geral para os vôos domésticos e internacionais. Até agora, a Anac não dispõe do registro de tarifas internacionais e as empresas nacionais informam as tarifas comercializadas para apenas 67 ligações (cada ligação equivale a uma rota, considerando apenas origem e destino final, desconsiderando escalas). O texto da resolução propõe que as empresas aéreas sejam obrigadas a registrar na Anac, até o décimo dia útil de cada mês, os dados das tarifas aéreas comercializadas correspondentes aos passageiros transportados no mês anterior. O texto determina ainda que as regras tarifárias sejam divulgadas pelas empresas em todos os pontos de atendimento e nas páginas das companhias na internet.

Vaticano faz apelo contra condenação à morte de ex-chanceler de Saddam Hussein

O Vaticano pediu nesta terça-feira que a condenação à morte pronunciada em Bagdá contra o então chanceler do ex-ditador iraquiano Saddam Hussein, Tarek Aziz, um cristão, não seja executada, segundo comunicado da Santa Sé. A Alta Corte Penal iraquiana decidiu mais cedo condenar o ex-ministro e porta-voz de Saddam Hussein por "assassinatos deliberados e crimes contra a humanidade". O veredicto provocou uma reação rápida da União Européia e da Anistia Internacional, que afirmaram sua oposição a execuções de Estado em geral. Em março de 2009, Aziz foi condenado a 15 anos de prisão pela execução de 42 comerciantes em 1992. E em agosto foi condenado a outros sete anos por seu papel na repressão contra os curdos xiitas nos anos 1980. Ele declarou-se inocente de todas as acusações. Um dos poucos do grupo de Saddam a ter sobrevivido, Aziz rendeu-se às tropas americanas no final do mês de abril de 2003, dias após a queda de Bagdá. O filho de Aziz, Ziad Aziz, afirmou que a condenação é uma vingança. "A condenação à morte de meu pai é uma operação de vingança contra tudo o que tem laços com o passado no Iraque e prova a credibilidade das informações publicadas pelo site WikiLeaks", declarou Ziad, que mora na Jordânia. Quando foi que o Vaticano protestou pelas milhares de mortos produzidas pela ditadura facínora de Saddam Hussein, da qual Tareq Aziz era a face mais visível no Ocidente?

Representante de ong petista faz discurso de campanha dentro do Palácio do Planalto

Uma cerimônia no Palácio do Planalto nesta terça-feira, na qual o presidente Lula assinou decreto garantindo direitos às comunidades atingidas por barragens, representante da ong petista discursou em tom eleitoral, dizendo que o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens, braço do PT) "está nas ruas neste momento para não deixar ter retrocessos neste País". "Não podemos retroceder. A gente sabe dos interesses que tem para trazer de volta o processo de privatizações. A gente sabe do potencial dos bens naturais, do pré-sal e das várias riquezas deste País que neste momento estão em disputa. Por isso o movimento se coloca nas ruas neste momento para não deixar ter retrocesso neste País", disse Jocilei Andreolli, representante do MAB, aplaudido pelos integrantes da ong petista que estavam na cerimônia. Toda essa violação da lei, essa ação petralha, se deu na presença do presidente da República, que agiu como se nada tivesse acontecido.

Lula homenageia seu carcereiro Romeu Tuma

O presidente Lula afirmou por meio de nota, que o senador Romeu Tuma (PTB-SP), falecido nesta terça-feira, dedicou grande parte de sua vida à causa pública, atuando de forma coerente, e que seu trabalho merece reconhecimento e respeito dos brasileiros. Romeu Tuma se destacou na ditadura militar como chefe do Dops paulistas (Delegacia de Ordem Política e Social), centro de tortura da ditadura militar, onde também pontificou a figura execrável do delegado Sérgio Paranhos Fleury. Tuma também foi o carcereiro de Lula no ocaso da ditadura militar. E aí já foi uma prisão branda, tão branda que Lula se dedicava durante o período de prisão no Dops de Romeu Tuma a assediar "menino" do MEP. Lula disse se solidarizar com a família, amigos e admiradores do senador petebista. Mas comunicou na nota oficial que determinou ao ministro Jorge Armando Felix (Gabinete de Segurança Institucional) o representará no enterro do senador, nesta quarta-feira. Lula completa nesta quarta-feira 65 anos e deverá comemorar com uma festa para os ministros e amigos próximos e familiares no Palácio da Alvorada. Tuma morreu às 13 horas desta terça-feira, aos 79 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em decorrência de falência de múltiplos órgãos. No meio político quase todo mundo tinha respeito e temor por Romeu Tuma, devido ao imenso fichário que ele tinha das pessoas.

Vice-presidente José Alencar é internado em São Paulo com problema no intestino

O vice-presidente da República, José Alencar, foi internado na noite de segunda-feira no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, com um quadro de suboclusão intestinal. Segundo o boletim médico, ele está estável e sendo submetido a exames. José Alencar, que enfrenta um câncer na região abdominal há mais de dez anos e já passou por mais de 15 cirurgias, está sofrendo com os efeitos colaterais do novo tratamento. O vice-presidente recebeu alta no último dia 9, depois de passar três dias internado. Em setembro, o vice-presidente internou-se no hospital para tratar um edema agudo de pulmão. Em julho, ele ficou sete dias internado no hospital. Ele passou por um cateterismo (exame para verificar as condições de vasos sanguíneos). José Alencar passaria apenas por uma sessão de quimioterapia, mas foi detectada hipertensão. Depois foi diagnosticada uma isquemia (deficiência na irrigação sanguínea) cardíaca, o que estava provocando uma irrigação insuficiente em uma das paredes laterais de seu coração.

Com 83%, aprovação ao governo Lula bate recorde histórico, mostra Datafolha

Maior cabo eleitoral da presidenciável Dilma Rousseff (PT), o presidente Lula também está se beneficiando do período eleitoral. Pela terceira semana consecutiva, a avaliação de seu governo obteve um patamar recorde de aprovação na série histórica do Datafolha na pesquisa realizada e divulgada hoje pelo instituto. No levantamento atual, 83% dos eleitores brasileiros avaliaram sua administração como ótima ou boa. Na semana passada, essa aprovação chegava a 82%. No mesmo período, o patamar dos que consideram seu governo regular passou de 14% para 13%, enquanto 3% dizem que ele é ruim ou péssimo, índice que se manteve. Dois de cada três eleitores de Serra (67%) avaliam a gestão de Lula como ótima ou boa. Entre os eleitores de Dilma, esse índice chega a 96%. Para 80% dos eleitores que votaram em Marina no primeiro turno, a gestão do petista é ótimo ou bom. A nota atribuída ao governo Lula no atual levantamento é 8,2, a mesma registrada na semana passada.

Em convenção da Assembléia de Deus, Serra promete vetar Lei da homofobia

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, prometeu nesta terça-feira, em Foz do Iguaçu (PR) vetar a Lei da Homofobia, caso ela seja aprovada pelo Congresso. Segundo Serra, o projeto, como foi aprovado na Câmara pode tornar um crime "semelhante ao racismo" a pregação de pastores evangélicos contra a prática homossexual. Ele prometeu o veto depois de ser inquirido sobre o assunto por um pastor presente à 50ª Convenção Anual das Igrejas Assembléias de Deus do Paraná. A proposta, aprovada na Câmara, ainda não foi votada no Senado. "Uma coisa é grupos de extermínio, praticando violência contra homossexuais, como já ocorreu em São Paulo. Outra coisa é o projeto como está, que passa a perseguir as igrejas que combatem a prática homossexual", afirmou ele. José Serra disse que, eleito, não terá dificuldades de fazer a maioria no Congresso, "sem barganhas", para evitar a aprovação da lei. Convidado de honra dos evangélicos reunidos em Foz do Iguaçu, Serra se comprometeu também a lutar contra pontos do Plano Nacional dos Direitos Humanos petista criticados pela Igreja. Entre os temas estão a descriminalização do aborto, a união homossexual, a invasão de propriedades e questões relativas à liberdade religiosa. Segundo José Serra, o Plano Nacional dos Direitos Humanos, "encaminhado por Dilma à sanção do presidente Lula", criminaliza "quem é contra o aborto". Serra disse, a uma platéia de mil pessoas, que o plano incentiva a invasão à propriedade, "não só ao imóvel rural, mas também a um apartamento".

Despachante revela encontro com jornalista no mês passado

Em novo depoimento, o despachante Dirceu Garcia afirmou à Polícia Federal, na quinta-feira, que se encontrou pessoalmente com o jornalista Amaury Ribeiro no mês passado para discutir a violação do sigilo fiscal dos tucanos. Na conversa, ocorrida entre os dias 2 e 4 de setembro, Amaury teria prometido entregar R$ 5 mil ao despachante. O depósito foi feito em duas parcelas em uma agência do Bradesco, em Brasília, nos dias 9 e 17 do mês passado. Foi o terceiro depoimento do despachante à Polícia Federal. Nos dois primeiros, em 6 e 7 de outubro, ele revelou que Amaury encomendou os sigilos fiscais dos tucanos. E os documentos, segundo ele, foram entregues entre 29 de setembro e 8 de outubro do ano passado. O jornalista pagou R$ 12 mil pelo serviço em dinheiro vivo naquela época. Os R$ 5 mil depositados no mês passado, segundo o depoimento de Garcia, seriam para ele se calar sobre o caso. No começo de outubro, o despachante disse que recebera apenas uma ligação de Amaury para falar dos R$ 5 mil. Agora, na semana passada, admitiu um encontro entre os dois. No seu depoimento dado à Polícia Federal na segunda-feira, Amaury Ribeiro Jr. negou ser o autor dos depósitos. Alegou que, no período desse repasse financeiro, estava em Manaus, a serviço da TV Record. O despachante disse na quinta-feira que, no encontro pessoal em São Paulo, no mês passado, pediu R$ 2 mil para Amaury porque estava com problemas financeiros. O jornalista, então, teria oferecido R$ 5 mil. Garcia contou ainda à polícia que, em 2009, Amaury pediu para que assinasse um recibo de R$ 300,00 em nome do jornal "Correio Braziliense" para serviços prestados na Junta Comercial. Mas o despachante disse não se recordar quando e porque ocorreu a assinatura desse recibo.

Banco internacional J.P. Morgan é o mais novo sócio da RBS

Ao comprar a Gávea Investimentos, empresa do ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, nesta terça-feira, o banco J.P. Morgan acaba de se transformar no mais novo acionista do grupo RBS. O J.P. Morgan terá 12,6% da RBS. A entrada de Armínio Fraga para a lista de acionistas do grupo gaúcho foi negociada em 2008 pelo então vice-presidente Pedro Parente, que havia plantado no grupo gaúcho de comunicações pelos bancos credores para redesenhar as finanças da RBS. Depois que fez o serviço, ele voltou para São Paulo. A Gávea administra patrimônios que somam R$ 10 bilhões.

Governo de São Paulo determina suspensão do andamento da licitação de lotes do metrô

O governador de São Paulo, Alberto Goldman, determinou nesta terça-feira a suspensão da licitação da linha 5 do metrô paulistano, nos seus lotes 3 a 8. Ele declarou: “Já li, já analisei, já verifiquei os vídeos. Mandei suspender o processamento do andamento da licitação. A licitação tinha terminado, nós assinamos os contratos na semana passada, mas as empresas ainda não receberam ordem de serviço. Então nós paralisamos o andamento dessas licitações e portanto paralisamos o andamento de qualquer obra. Não havia iniciado nenhuma obra, nenhum tostão foi gasto até agora. De qualquer forma, paralisamos até que tudo isso possa ser esclarecido”. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira, o jornal sabia desde abril os nomes das empresas que venceriam a licitação, cujo resultado só foi tornado público na última quinta-feira. Goldman afirmou ainda ter determinado que  a Casa Civil solicite uma investigação ao Ministério Público Estadual e à Corregedoria-Geral do Estado. O governador não descartou a possibilidade de ter havido formação de cartel entre as empreiteiras: “Isso sempre é uma possibilidade. Em qualquer licitação que se faça, essa possibilidade existe. Por isso é que se estabelecem preços-tetos. Aliás, na primeira licitação que foi feita, e nós a cancelamos, os preços todos estavam acima dos tetos, 30%, 40%, 50% acima dos tetos, e então foi refeito todo o processo licitatório”. O Metrô afirmou que também fará uma investigação. O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, defendeu a decisão do governador. É isso aí, constatou suspeita de fraude no processo licitatório, anula..... Mas, esse não é o comportamento de petistas na administração pública, e a Folha de S. Paulo, um jornal de alma petista, cuja redação é controlada por jornalistas petistas, não pensa assim. Vamos a um exemplo: a Folha de S. Paulo não dá uma linha sobre a maior, a mais monumental fraude com dinheiro público ja produzida no Brasil. E ocorreu em São Paulo. Mais precisamente, na prefeitura de São Paulo governada pela petista Marta Suplicy. Trata-se da fraude na licitação do lixo que ela comandou em sua gestão, uma concorrência no valor de 30 bilhões de reais, por uma concessão de serviços com prazo de 20 anos renovável por mais 20 anos, ou seja, de 40 anos. A licitação foi denunciada como fraudulenta pela administrador de empresas Enio Raffin, editor do site Máfia do Lixo (www.mafiadolixo.com.br). Na época da licitação, Ênio Raffin registrou em cartório os nomes das empresas que iriam vencer a licitação fraudada de Marta Suplicy. E não deu outra. Ele ingressou com uma ação popular que tramita na 8ª Vara de Fazenda Pública do Foro Central de São Paulo. O juiz que atua na causa é Luiz Sérgio Fernandes de Souza. O processo é o de nº 0011061-54.2004.8.26.0053 (053.04.011061-6). Até hoje não há uma decisão sequer de primeiro grau nesse processo. A Justiça paulista é conhecida como uma das mais inoperantes do País, e uma das mais corporativas. O atual presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Cesar Peluso, é originário dela. Também tramita nessa mesma vara, uma ação cível de improbidade movida pelo Ministério Público paulista contra a licitação fraudada da administração da petista Marta Suplicy. Trata-se do processo nº 0031823-91.2004.8.26.0053 (053.04.031823-3). Apenas o juiz é diferente, neste atua o magistrado Adriano Marcos Laroca. Mas este processo também não anda. Provavelmente a Justiça paulista está esperando que termine o prazo da concessão de 20 anos para aí dar uma sentença no processo. E a Folha de S. Paulo não se move para acompanhar a tramitação destes processos, nem para cobrar que eles tenham uma decisão. Talvez porque a Folha de S. Paulo pense que fraude em gestão petista deve ser relevada, mesmo se a fraude envolve 30 bilhões de reais dos bolsos dos contribuintes paulistanos, aqueles mesmos dos quais a Folha de S. Paulo depende para sua sobrevivência. Não foram poucas as vezes em que o jornal paulistano se recusou a tratar do assunto em matérias específicas. A ombudsman da Folha de S. Paulo, Suzana Singer, pertence a um dos mais tradicionais clãs petistas do País. Ela é filha do economista Paul Singer, fundador do PT e um dos secretários nacionais da Presidência da República. Ela é irmã de André Singer, ex-porta-voz de Lula na Presidência da República. Recentemente a Folha de S. Paulo também adicionou aos seus comentaristas o matemático Claudio Weber Abramo. Ele é membro de outro clã familiar fundador do PT, o dos Abramo. Seu tio, já falecido, jornalista Perseu Abramo, dá o nome para a fundação do PT. E a edição da Folha Online é notoriamente pró-petista nesta campanha eleitoral. A Folha de S. Paulo também abrigou na coluna da jornalista Monica Bergamo uma fofoca sobre aborto da mulher de José Serra. Nesse caso, deveria no mínimo ter feito à petista Dilma Rousseff se ela já tinha praticado aborto em sua vida, já que sempre se portou a favor da descriminalização do aborto no País. Essa é a Folha de S. Paulo. Jornais começam a morrer muito antes de pararem as máquinas rotativas. Foi o que ocorreu com o Jornal do Brasil. É o que está ocorrendo, em Paris, com o esquerdopata Le Monde.

No GPP, diferença em favor de Dilma é de apenas 5,5 pontos

O jornal Diário de S. Paulo publicou nesta terça-feira pesquisa eleitoral nacional feita pelo Instituto GPP. No levantamento, a diferença entre a petista Dilma Rousseff e o tucano José Serra é de 5,5 pontos percentuais nos votos totais e de 6,4 pontos nos votos válidos. A margem de erro é de 1,8 ponto para mais ou para menos. O levantamento foi feito entre os dias 23 e 25 de outubro.

Tareq Aziz é condenado à morte no Iraque

Tareq Aziz ao lado de Saddam Hussein

A Justiça do Iraque condenou à morte nesta terça-feira o ex-chanceler e ex-vice-primeiro ministro de Saddam Hussein, Tareq Aziz, por seu papel na eliminação dos partidos religiosos. "A Alta Corte Penal iraquiana emitiu uma ordem de execução contra Tareq Aziz por seu papel na eliminação dos partidos religiosos", informou o canal de televisão Al Irakiya. O filho de Tareq Azis, Ziad Azis, afirmou que a condenação é uma vingança. "A condenação à morte de meu pai é uma operação de vingança contra tudo o que tem laços com o passado no Iraque e prova a credibilidade das informações publicadas pelo site WikiLeaks", declarou Ziad Aziz, que mora na Jordânia. O WikiLeaks publicou na sexta-feira quase 400 mil documentos secretos do Pentágono que mostram que o Exército americano tolerou abusos durante a guerra do Iraque. Os documentos registram as mortes de 109.032 pessoas no Iraque, incluindo 66.081 civis, sendo que 15.000 destas não haviam sido reveladas. Os Estados Unidos invadiram o Iraque em 2003 sob a alegação de que o governo iraquiano possuía armas de destruição em massa que eram uma ameaça para o mundo. Depois da invasão, as supostas armas nunca foram encontradas Na época, Tareq Aziz era vice-premier de Saddam Hussein.

Para produzir factóide midiático em alto mar, Lula mobiliza quatro navios e seis helicópteros

O jornalista Claudio Humberto informa que serão mobilizados quatro navios e seis helicópteros da Marinha no factóide do presidente Lula nesta quinta-feira, na visita ao “campo petrolífero” de Tupi, para discursos em defesa do pré-sal e para insinuar que o candidato do PSDB, José Serra, ameaça “privatizar a Petrobras”. Por razões de segurança, como o campo de Tupi fica em alto mar, a 155 milhas da costa, haverá um navio a cada 50 milhas, e cada um deles terá um helicóptero, para eventual emergência. Um dos navios mobilizados no factóide de Lula servirá de heliporto alternativo e também como base de reabastecimento de helicópteros. Um helicóptero será usado apenas para transportar 14 jornalistas. Afinal, o factóide será produzido para que eles o documentem. A comitiva de Lula, incluindo seguranças, seguirá em outro helicóptero. Há tensão no comando da Marinha: oficiais temem que algo dê errado. O governo não divulgou o custo da mobilização de quatro navios e seis helicópteros, incluindo combustíveis e diárias, no factóide em alto mar.

Porto de Rio Grande recebe novos equipamentos para aumentar a movimentação de cargas

Passarão pelo Porto do Rio Grande, nesta terça-feira, as mais novas aquisições de equipamentos para movimentação de containers pelo Tecon Rio Grande S/A. Destacam-se entre eles dois STS (Ship to Shore Crane Guindastes Super Post- Panamax), e quatro RTG (Rubber Tyred Gantries), fabricados pela empresa chinesa Z.P.M.C. Os STS, usados para movimentação de containers no cais para carga e descarga de navios, tem capacidade de 50 toneladas, podendo alcançar até 22 containers de largura nas embarcações. Eles são os maiores em atividade. Os RTG, utilizados para movimentação de containers no pátio, têm capacidade de 40 toneladas e podem operar seis containers mais um, de altura, e sete containers mais um, de largura. Os equipamentos transportados já virão montados a bordo do navio Zen Hua 23 e são os mais modernos que utilizam a tecnologia Siemens. A operação de desembarque será feita diretamente do navio para os locais onde os equipamentos entrarão em operação. O contínuo investimento do Tecon Rio Grande S/A, principalmente na compra de novos equipamentos, tem conduzido ao Porto do Rio Grande um ganho substancial de produtividade na movimentação de containers.

Academia de Polícia Civil gaúcha forma 199 novos delegados e já são nomeados

Yeda Crusius discursa na formatura dos delegados

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), presidiu na noite desta segunda-feira a cerimônia de formatura das 43ª e 44ª turmas da Academia de Polícia Civil (Acadepol), integrada por 199 novos delegados. Todos eles foram aprovados no concurso público e fizeram o curso de formação e treinamento. Agora, com seus atos de nomeação assinados pela própria governadora Yeda Crusius (PSDB), eles irão compor os novos quadros da instituição e serão distribuídos por delegacias no Interior de todo o Rio Grande do Sul. A solenidade ocorreu no Teatro do Bourbon Country, em Porto Alegre. Com essa formatura, fica completo o número de vagas da Polícia Civil no primeiro grau da carreira de delegado. Há vagas em outros níveis, mas elas só poderão ser preenchidas quando ocorrerem promoções dos delegados que estão sendo nomeados agora. Atualmente, o Rio Grande do Sul tem 380 delegados. Um concurso que ainda está em andamento pretende contratar mais 500 servidores para a polícia civil, entre inspetores e escrivães. Os delegados formados nesta segunda-feira já poderão atuar entre 10 e 15 dias após o ato de nomeação.