sexta-feira, 7 de maio de 2010

Fernando Sarney é indiciado pela Polícia Federal acusado de evasão de divisas

A Polícia Federal indiciou nesta sexta-feira o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP), acusado de remeter ilegalmente dinheiro para fora do País. O advogado de Fernando, o gaúcho Eduardo Ferrão, confirmou que Fernando prestou depoimento, mas disse que não tinha informações sobre o indiciamento. Autoridades brasileiras receberam a confirmação do governo da China de que Fernando fez transações milionárias nesse país. Ele não teria declarado o dinheiro à Receita Federal. O indiciamento do empresário, por evasão de divisas, ocorreu especificamente por causa de uma remessa de US$ 1 milhão feita por ele para uma agência do HSBC em Qingdao, na China. O dinheiro saiu de uma conta em nome de uma offshore nas Bahamas, conhecido paraíso fiscal do Caribe, pelo filho do presidente do Senado. A autorização da transação foi assinada de próprio punho por Fernando Sarney. A pedido do Brasil, o governo chinês confirmou ao Ministério da Justiça não só a autenticidade do documento, mas também a existência da conta nas Bahamas e a efetiva transferência do dinheiro para Qingdao. Recursos no Exterior não informados ao fisco podem ser fruto de sonegação de tributos, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Justiça Eleitoral suspende propaganda partidária do PT

A Justiça Eleitoral proibiu, na noite desta sexta-feira, a exibição de duas peças publicitárias do PT. Veiculadas na quinta-feira, as propagandas não poderão ser reexibidas neste sábado, e tampouco na terça-feira, quando o partido levará ao ar mais 10 inserções, segundo o advogado do partido, Ricardo Penteado. Em uma das peças, o PT compara a escolha de um candidato de oposição à queda de uma montanha-russa. Em outra, a própria pré-candidata Dilma Rousseff defende a eleição do candidato do governo Lula para a Presidência. Na tarde desta sexta-feira o PSDB entrou com uma representação para que a propaganda fosse suspensa, sob o argumento de que configura promoção pessoal de Dilma e campanha eleitoral antecipada. O TSE concedeu liminar suspendendo a veiculação.

Lula cita Temporão e recomenda prefeito a fazer mais sexo

O presidente Lula provocou risos e constrangimento, nesta sexta-feira em Ipojuca (a 60 quilômetros de Recife), ao recomendar ao prefeito da cidade, Pedro Serafim (PDT), que escutasse os conselhos do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, e fizesse sexo para combater o seu cansaço. Serafim, que é obeso, havia reclamado de cansaço pouco antes do discurso de Lula. O presidente ouviu e, na presença da primeira-dama do município, Ana, e de centenas de operários do estaleiro Atlântico Sul, disse: "O meu ministro da Saúde falou que, para cuidar da pressão, tem que fazer sexo. Então, meu companheiro, não fique lamentando, vá à luta". Na verdade, Temporão havia recomendado sexo como uma alternativa para prevenir problemas de hipertensão. O prefeito, que também riu da recomendação do presidente, já havia escutado pouco antes outro comentário constrangedor, feito também ao microfone por um dos oradores da solenidade. Ele disse que Serafim estava "mais gordo" de tantos recursos recebidos pelo município, com os projetos em execução no complexo portuário e industrial de Suape. Lula esteve no local para participar do lançamento do primeiro navio produzido pelo estaleiro, um petroleiro encomendado pela Transpetro.

Polícia Federal prende terrorista das Farc no Amazonas

A Polícia Federal anunciou nesta sexta-feira a prisão do colombiano José Samuel Sanchez, apontado como membro da comissão de finanças e logística das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, organização terrorista e traficante de cocaína). A prisão ocorreu na tarde de quinta-feira, durante a operação Rota Solimões, realizada em Manaus e em duas cidades da região oeste do Amazonas (Maraã e Tefé), na fronteira com a Colômbia. Além de Sanchez, mais sete pessoas foram presas (três brasileiros e outros quatro colombianos). A Polícia Federal apreendeu na operação 45 quilos de cocaína. O superintendente da Polícia Federal no Amazonas, delegado Sérgio Fontes, afirmou que a operação desmobilizou uma organização criminosa que atuava pelos rios Japurá e Solimões para escoar carregamentos da droga até Manaus. Um acampamento dos terroristas narcotraficantes foi destruído na fronteira, segundo a Polícia Federal. "A organização tinha contato direto com as Farc para obter droga e, em troca, recebia apoio logístico das Farc e armas para transportar grandes carregamentos da droga pelos rios do Amazonas", disse o delegado. Ainda de acordo com o delegado da Polícia Federal, o terroristas Sanchez, que usava o nome falso de Daniel Rodriguez Orosco, atuava na chamada primeira frente das Farc, que vem a ser um acampamento de terroristas que abriga um laboratório para refino de cocaína. O terroristas Sanchez, segundo Fontes, frequentava Manaus e tinha a responsabilidade de contratar barcos para transportar a droga.

Do jornalista Reinaldo Azevedo - OI, INTERNAUTAS - Após gafes na internet, Marcelo Branco pode deixar campanha de Dilma

Lembram-se daquele vídeo em que Marcelo Branco fica lendo o teleprompter como se fosse o ventríloquo, enquanto o som parece sair da boca do boneco? É aquele em que Dilma, ao falar sobre Vidas Secas, faz uma síntese errada da obra e ainda fala da migração de pessoas “DO Nordeste PARA o Brasil”. Pois é… Acabou gerando uma crise na casa de sinhá. Tentaram dar sumiço no filme, mas foi recuperado pela rede. Ele é histórico porque marca o momento de criação do imortal bordão “Oi, internautas”. Foi esta página que revelou aqueles momentos explícitos de profissionalismo, sabedoria e rigor técnico. No dia 4 deste mês, lancei a internacional campanha “Fica, Marcelo Branco, fica!!!”. Antevi que tentariam defenestrar o visionário. Abaixo, relembro a primeira parte do vídeo. Em seguida, retomo com trecho de reportagem de Maria Lima e Gerson Caramarotti, em o Globo. Querem tingir de vermelho a cabeça de Branco. E isso não pode acontecer! O rapaz é competente: em um mês, ele conseguiu aparecer na rede mais do que Dilma. E sempre na vanguarda: inovou o padrão de entrevistas, inovou a gramática da Inculta & Bela e renovou o guarda-roupa de Woodstock. Ele tem de ficar! Entrem nesta corrente. Seguem o vídeo histórico e trechos da reportagem de O Globo.
Apresentado há um mês como uma espécie de papa dos estrategistas de redes sociais da campanha petista, o especialista de internet Marcelo Branco corre o risco de ser o primeiro a ser demitido da equipe da pré-candidata Dilma Rousseff. Integrantes da coordenação de campanha avaliam que a situação de Branco ficou insustentável depois dos sucessivos erros e das confusões aprontadas pelo guru virtual na página pessoal de Dilma. Alvo das maiores críticas, o programa “Fala Dilma”, exibido na internet, está suspenso desde o dia 29, e, quando voltar, já estará em novo formato, mostrando reportagens e a agenda da candidata, em vez de entrevistas ancoradas por Branco. No último “Fala Dilma” para rádios, dia 29, Dilma falou sobre o número de trabalhadores com carteira assinada. O formato de perguntas ensaiadas e respostas lidas não se adequou à linguagem de rádio. Mas a maior polêmica foi provocada pela veiculação de um vídeo com uma entrevista de Dilma sobre cultura, feita por Branco e pela apresentadora Carla Bisol. Na entrevista, que seria para treinamento de Dilma em frente às câmeras, a pré-candidata cometeu gafes, como dizer que nordestinos migravam “do Nordeste para o Brasil” . O vídeo, considerado amador por expor a candidata a situações pouco elegantes, foi postado no site www.dilmanaweb.com.br. A queixa geral entre petistas é que era uma entrevista para treinar a candidata e que jamais deveria ter sido exibida. Branco é acusado de não ter feito uma análise criteriosa da entrevista antes de colocá-la no ar. Com isso, o programa “Fala Dilma”, anunciado como sendo diário, de segunda a sexta-feira, não passou do terceiro episódio. Coordenadores políticos da campanha de Dilma não escondem a irritação e a preocupação com o desempenho do coordenador de internet. Ele já levou uma advertência interna, para ser mais discreto e evitar polêmicas, depois de fazer críticas públicas à TV Globo por causa da propaganda de 45 anos da emissora , que, segundo petistas, poderia parecer campanha indireta do tucano José Serra. A cúpula petista também não gostou da propaganda da TV, mas considerou equivocada a forma como Branco conduziu o processo. Segundo um dos coordenadores de campanha, a única resistência para a demissão de Branco, no momento, é que a decisão poderia explicitar a existência de problemas internos na equipe de Dilma. A avaliação reservada é que, além causar problemas, ele tem um estilo vaidoso e quer aparecer mais que a candidata, o que acaba expondo Dilma. Outra crítica constante é que Branco tem feito seu trabalho de forma independente, sem sintonia com o marqueteiro João Santana. Mas o problema pode não ser apenas com o coordenador de internet. Já há consenso de que é preciso ajustes no rumo da campanha de Dilma. Petistas mais influentes criticam a divisão de funções entre marketing e comunicação - Santana responsável pela primeiro, e o deputado estadual paulista Rui Falcão com a segunda -, o que tem causado ruídos. O próprio presidente Lula passou a defender internamente que Santana tenha ascendência completa sobre a área de comunicação. Foi o que ocorreu na campanha de 2002, quando o marqueteiro Duda Mendonça comandou toda a estratégia de comunicação da campanha de Lula. E também em 2006, quando Santana assumiu esse papel. Mas os próprios petistas reconhecem que, desta vez, o poder de Santana será limitado, já que Rui Falcão, que tem grande influência no PT, assumiu mesmo o comando da comunicação da campanha, o que inclui toda a estratégia de imprensa.

Governo Lula torra R$ 900 milhões em patrocínios

O governo Lula investiu R$ 909,6 milhões em 2009 em patrocínios, segundo dados divulgados na quinta-feira pela Presidência da República. O valor é quase idêntico ao registrado em 2008, quando o gasto foi de R$ 918,4 milhões. As duas cifras estão atualizadas monetariamente pelo IPCA. O gasto inclui todos os órgãos da administração direta e as empresas estatais (como Petrobras e Eletrobras). O governo não divulga em detalhes quais são esses patrocínios. Podem ser peças de teatro, filme, equipes de vôlei e até pequenas festas folclóricas.

Procurador pede redução da pena da dona da Daslu

Marcelo Antonio Moscogliato, procurador regional da República, emitiu parecer sugerindo que a pena máxima aplicada à dona da Daslu, a empresária Eliane Tranchesi, de 94 anos, seja reduzida. Ele opinou, no entanto, pela manutenção da condenação. O parecer é o mesmo para todos os condenados na ação. A decisão sobre a redução da pena caberá agora ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região. "As condenações devem ser mantidas como medida de Justiça", afirmou Moscogliato, ponderando que a fixação das penas em seus valores máximos era medida excessiva e por isso precisa ser reformada. Eliana Tranchesi, dona da boutique Daslu, teve a prisão fixada em 94 anos e cinco meses, e seu irmão, o empresário Antonio Carlos Piva de Albuquerque, foi sentenciado a 94 anos e seis meses por crimes como descaminho, quadrilha e falsidade ideológica. Além de Eliana Tranchesi e seu irmão Antonio Albuquerque, o parecer de Moscogliato opina nas apelações movidas pelos outros cinco réus do processo: Celso de Lima (53 anos de reclusão), André de Moura Beukers (pena de 25 anos de reclusão), Christian Polo (14 anos de reclusão), Roberto Fakhouri Junior (11 anos e seis meses de reclusão) e Rodrigo Nardy Figueiredo (11 anos e seis meses de reclusão). Você achou que a empresária e seu irmão foram condenados a penas muito altas? Bobagem, é tudo bazófia. Pela Constituição brasileira, nenhum cidadão pode ser condenado a cumprir pena por mais de 30 anos. Então aí começam os rebaixamentos. Cumprido um sexto da pena (cinco anos), o condenado tem direito a regime aberto. Ou seja, sai durante o dia, e dorme na prisão, ou prisão-albergue. A cada três anos trabalhados, abate-se um ano de pena (remissão). Então, aquele um sexto já não é um sexto, mas menos do que isso. Rigorosamente, o condenado a mais de 90 anos vai cumprir, de fato, se chegar a cumprir, tão somente uns dois ou três anos. E aí cabe a pergunta: não vale a pena roubar bilhões, se a pena a pagar será tão pequena? Matar pai e mãe, por exemplo, dá no máximo de 4 a 6 anos de cadeia. Essa é a lei brasileira. Depois não sabem porque se tem tanta criminalidade.

Sindicalista petista quer mandato igual ao do ditador Fidel para Lula

O presidente Lula aproveitou o lançamento do primeiro navio do Programa de Modernização e Expansão da Transpetro (PROMEF) para fazer campanha da sua pré-candidata. Embora não tenha citado o nome da neopetista Dilma Rousseff em seu discurso, advertiu que o que se fez no Brasil pode mudar. “Se deixarmos este País regredir, sabemos que fazer é difícil, mas, para derrubar, é fácil”. Ele foi ovacionado pelo público, formado principalmente pelos funcionários do Estaleiro Atlântico Sul que construiu o petroleiro Suezmax, com capacidade de transportar 1 milhão de litros de petróleo. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco, Alberto Alves dos Santos, encerrou sua fala com ” bom Dilma para todos”. Antes havia dito, ao agradecer a Lula pela “retomada da indústria naval”, que, “se dependesse do povo trabalhador, o seu mandato seria igual ao de Fidel Castro”. Ainda bem que o Brasil não é a ditadura de Cuba. E Lula continua descaradamente e ilegalmente fazendo campanha para sua candidata usando recursos públicos e atos públicos.

Do jornalista Reinaldo Azevedo - A “MÍDIA” QUER BOTAR UMA CORDA NO PRÓPRIO PESCOÇO, É ISSO?

Entidades que representam os grupos de comunicação resolveram, como naquela música de Gonzaguinha que traz um dos mais espantosos versos da língua, “pôr a dita-cuja na janela para que passem a mão nela”. Por que isso? Na terça-feira, em conferência na Câmara, informaram que estudam a criação de um código de auto-regulamentação. É mesmo, é? Agora? Em meio à gritaria petista contra a “mídia”, a “imprensa golpista” e boçalidades do gênero? Fica parecendo admissão de alguma culpa, que não existe. Até porque o PT não está interessado em regulamentar coisa nenhuma! Não gosta de notícias negativas, certas ou erradas, e aplaude as notícias positivas, certas ou erradas. O partido reclamou, alguma vez, das revistas, sites, blogs e jornais que reproduzem as verdades eternas da legenda, muitos deles sustentados pelo leite de pata da propaganda oficial e das estatais? O PT tentou censurar a imprensa por meio do Conselho Federal de Jornalismo, tenta conduzir a pauta por meio da distribuição dirigida do capilé oficial e agora propõe às empresas de comunicação que debatam as virtudes da autocensura. “Auto-regulamentação não é auto-censura, Reinaldo”. Depende! Antes me digam o que há de errado com a imprensa brasileira. Eu sou um de seus críticos severos. Acho que está coalhada de esquerdistas, por exemplo. Ainda ontem, numa entrevista concedida pelo tucano José Serra, demonstrei como uma questão falsa, inventada pelo PT, pode ir parar na boca de uma jornalista que aparentemente fazia uma indagação sobre um dado da realidade. Segundo ela, Lula interrompeu o “programa de privatização do governo FHC”. Eu a desafio a mostrar o “programa interrompido”. Não existe! É mentira! Será que ela cairia nas malhas da “auto-regulamentação”? Sou crítico, sim, da imprensa. Mas acho que os males da liberdade se corrigem com mais liberdade, nos limites das leis e da Constituição. É preciso cuidar hoje do direito de resposta, nada mais. Falar em auto-regulamentação agora corresponde a uma espécie de concessão a um bando de censores enraivecidos, que odeiam a democracia e a imprensa livre. Ela funciona e é necessária na publicidade? Parece que a resposta é “sim” e “sim”, mas são atividades diferentes. A imprensa séria tem na publicidade a sua fonte de financiamento, mas seu objetivo primeiro não é vender produtos, mas fazer circular informações e idéias. Há canalhas no jornalismo e nas empresas jornalísticas? Certamente! Há canalhas em todo lugar. Esse debate, agora, é concessão ao obscurantismo; parece a tática assustada de quem fornece os anéis para preservar os dedos. Se um conselho de auto-regulamentação na publicidade decide tirar do ar uma peça que associa a cerveja à libido, por exemplo, um dos bons lugares para debater esse assunto, inclusive para defender que não há nada de errado nessa associação, ainda que muitos fiquem escandalizados, é a imprensa. O Conar, que eu saiba, atua de moto próprio e quando acionado. Uma conselho de auto-regulamentação da mídia — ou sei lá que nome tenha — se converteria logo num muro de lamentações. Todos os agravados por reportagens recorreriam a ele. Dou um exemplo prático. Peguemos o caso das fitas que estão circulando por aí com gravações que comprometem o Secretário Nacional de Justiça, Tuma Jr. Há gente doidinha para impedir que a imprensa publique esse tipo de material. Afinal, o vazamento é ilegal. Certo! Mas a quem cabe guardar o sigilo dessas coisas? Não é à imprensa . Certo como a luz do dia, o conselho sofreria uma pressão que seria, antes de mais nada, de natureza ideológica. A exemplo daquele verso de Gonzaguinha que rivaliza com o melhor Camões, se a coisa está na janela, então passam a mão nela. Ontem, os líderes do governo e do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) e Fernando Ferro (PE), respectivamente, defenderam a participação do Congresso na criação do tal órgão de auto-regulamentação da mídia. Em breve, alguém defenderá também que seja integrado por um representante do Ministério da Justiça, um do Judiciário, outro do Ministério Público e, claro!, um dos “movimentos sociais”. As entidades podem dizer “não”, sei disso. A presidente da ANJ, Judith Brito, afirmou que a discussão não deve passar por nenhuma instância legislativa e deve ser feita somente no âmbito do setor de mídia. Para quê? Para responder a qual necessidade? Na imprensa, não cabe nenhuma forma explícita ou velada de censura, nem aquela exercida pelos próprios pares. O bem essencial que une e que diferencia os membros desse setor é a liberdade de expressão. Só!!! Um bem submetido aos rigores das leis democráticas. O resto é pressão de quem odeia a liberdade! Querem saber? A meu juízo, esse debate indica que o “mal” atravessou a fronteira e já circula entre aqueles que deveriam ser os últimos guardiões da liberdade.

Marqueteiro de Dilma perde poder e vai cuidar só de TV

Um novo arranjo na estratégia de comunicação da pré-campanha da petista Dilma Rousseff à Presidência, no qual o marqueteiro João Santana teve sua área de atuação limitada aos programas de TV do partido e do horário eleitoral, causou desconforto no bunker petista. Há menos de um mês, o deputado estadual Rui Falcão (PT-SP), jornalista, assumiu a coordenação geral da área de comunicação, trazendo para a campanha novos profissionais. Falcão passou a atuar na estratégia de imprensa. Ele coordena o planejamento de entrevistas da candidata em viagens e em Brasília e despacha diariamente com a coordenadora de imprensa, Helena Chagas. A entrada do deputado, amigo de Dilma há décadas, representou, na prática, uma divisão de poder na comunicação. Como marqueteiro, Santana sempre foi uma espécie de coordenador geral de comunicação, apesar de ser oficialmente responsável pelo marketing. Sua influência, em geral, vai muito além da TV, com o poder de moldar o discurso, na estratégia política e nos modos dos candidatos que assessora, modificando desde a forma de vestir e vocabulário, até o tipo de público para o qual deve falar.

Procuradora eleitoral quer barrar programa do PT na TV

O programa partidário do PT entrou na mira do Ministério Público Eleitoral e corre o risco de não ir ao ar no próximo dia 13. A vice-procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, sugeriu ao Tribunal Superior Eleitoral que proíba a veiculação do programa em rede nacional de rádio e televisão. O parecer, enviado esta semana ao tribunal, é resposta à representação movida pelo PSDB e pelo DEM contra o PT no ano passado. A oposição argumenta que o PT usou o espaço reservado para a propaganda partidária, em dezembro de 2009, para promover a pré-candidatura de Dilma. Além da proibição para que seja veiculada a propaganda neste semestre, os partidos querem que o TSE aplique multa ao PT e a Dilma. Agora, caberá ao ministro Aldir Passarinho Junior analisar a representação. O programa deste mês é a grande aposta da equipe de Dilma. A expectativa é que a transmissão reduza a diferença que a separa do pré-candidato tucano, José Serra, que hoje lidera as pesquisas de intenção de voto. Imagens de Dilma foram gravadas em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul para o programa. A vice-procuradora concordou com os argumentos da oposição. Segundo ela, a propaganda do PT veiculada em dezembro ultrapassou claramente os limites definidos pela Lei dos Partidos Políticos e teve cunho eleitoral. De acordo com a oposição, o PT divulgou, “de forma distorcida e falseada, que governos do PSDB e que o governo FHC governavam somente para a classe mais rica da população”. A vice-procuradora observou que na propaganda do PT de dezembro foram destacados programas do governo Lula como o Minha Casa, Minha Vida, e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), sendo atribuída a Dilma a responsabilidade pela coordenação dos mesmos. O fato, concluiu, torna “evidente” a tentativa de promoção pessoal da petista.

Petista Erenice Guerra entra na campanha

O anúncio feito na quarta-feira pela ministra petista Erenice Guerra, da Casa Civil, do PNBL (Plano Nacional de Bandalheira Larga) revela o governo Lula no seu estado de arte. Tratou-se de mera campanha eleitoral. E das mais vulgares. Faz sentido. A experiência máxima de Erenice, até agora, nos altos assuntos da República foi revelada por seu envolvimento com aquele dossiê fajuto contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sua mulher, Ruth Cardoso, uma das pessoas mais dignas que já pisaram em Brasília. Com a mesma ética com que se fabrica uma coisa, pode-se fabricar outra. Erenice vai à guerra eleitoral. Até agora, não há plano nenhum nem se conhece o decreto de reativação da Telebras. A única coisa que o governo conseguiu foi dar seqüência ao plano de valorização das ações micadas da Telebras. Uma das fases dessa curiosa engenharia contou com a assessoria do sempre solerte José Dirceu, apontado pelo Procurador Geral da República como “chefe da quadrilha” do Mensalão do PT. A rede de fibras óticas pertence à Eletronet, empresa falida da qual a Eletrobras é acionista. O controle da estatal sobre essa rede é garantido por uma liminar, que pode ser derrubada na Justiça. O governo federal anuncia um plano mirabolante, com R$ 13 bilhões de investimentos, sendo R$ 3,5 bilhões do Tesouro Nacional e R$ 7,5 bilhões do BNDES. Resumindo, por enquanto, tudo que se tem é um Plano Nacional de Bandalheira Larga que só vai servir à campanha eleitoral. Vai fazer parte da herança maldita de Lula.