quinta-feira, 8 de outubro de 2009

PT faz grande jogo de cena e levanta acusação vazia contra a governadora Yeda Crusius

A bancada do PT na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul voltou a mostrar a sua predominante característica rábica nesta quarta-feira e montou um cenário de farsa para apresentar uma nova acusação vazia contra a governadora Yeda Crusius (PSDB). Principalmente o deputado estadual petista Daniel Bordignon, acompanhado pelo linha auxiliar petista deputado estadual Paulo Borges, do DEM gaúcho (um braço do PT no Estado) fizeram um filme de suspense durante o dia, sinalizando para a imprensa petista rábica e pavloviana que apresentariam uma bomba. Ao final da tarde, a montanha petista pariu um ratinho. Os petistas rábicos acusam agora a governadora Yeda Crusius de fazer compras para sua casa com dinheiro público. Os petistas rábicos pretendiam, com esse filmezinho vagabundo de suspense, obter a suspensão da votação do relatório da comissão que analisa o pedido de impeachment de Yeda Crusius, previsto para esta quinta-feira, o qual foi apresentado à Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul por um conjunto de entidades corporativas de funcionários públicos petistas. Em seu parecer, a deputada estadual Zilá Breitenbach (PSDB), recomendou o arquivamento do processo. Segundo os petistas rábicos desta quarta-feira, a governadora Yeda Crusius comprou cerca de 70 metros quadrados de piso emborrachado, móveis infantis e R$ 62 mil em alimentos. Os petistas rábicos informaram que receberam a denúncia anônima há cerca de um ano. Na verdade, conseguiram a informação de um funcionário petista plantado na administração da Casa Civil no Palácio Piratini. Naturalmente, guardaram a informação para divulgá-la com estardalhaço no momento em que consideravam mais adequado. Nada melhor do que nesta quarta-feira, já que nesta quinta-feira será votado o parecer da deputado estadual Zilá Breitenbach, do PSDB, relatora da comissão especial do impeachment, que enterrará esta aventura desqualificada. O cineminha dos petistas rábicos incluiu a apresentação de notas fiscais passadas pelo funcionário petista plantado no setor administrativo da Casa Civil, com o objetivo de causar comoção pública. A imprensa petista, rádios, jornais, apresentadores de programas, prestou-se às mil maravilhas para a exibição e ampliação da farsa petista. As notas fiscais referem-se à compra do piso emborrachado e de móveis infantis, na verdade camas paras os netos da governadora Yeda Crusius, que moram com ela. O governo de Yeda Crusius respondeu com presteza e precisão, com a seguinte nota: “Em respeito aos gaúchos e com a transparência que caracteriza um governo eleito democraticamente, é necessário restabelecer a verdade dos fatos. Assim, diante das infundadas informações sobre aquisição de bens patrimoniais para a casa da governante, fica esclarecido que: 1. É totalmente legal a aquisição de bens e serviços necessários à habitabilidade do local onde o governante reside. 2. Os bens adquiridos tiveram processo de compra e pagamento aprovados pela CAGE (Contadoria e Auditoria Geral do Estado), e estão devidamente registrados no patrimônio público, com termo de responsabilidade. 3. No final do mandato, o governante tem que restituir os bens ao Estado ou indenizar pelo valor da compra, portanto sem nenhum prejuízo ao erário público. 4. Ainda na data de hoje, o deputado Daniel Bordignon teve vista de um dos processos referidos nas infundadas informações. 5. Todos os dados referentes ao assunto serão totalmente disponibilizados ao Parlamento, já nesta quinta-feira (08/10), tão logo estejam reunidos os processos. Está claro, portanto, que a ação do Governo é legal e transparente, amplamente documentada. A publicação distorcida de fatos, além de descabida e inaceitável, é mais uma oportunidade para confirmar a insidiosa tentativa de desqualificar o governo, agredir a tradição de honradez e correção dos gaúchos e contribuir para o enfraquecimento da imagem do Estado. Governo do Estado do Rio Grande do Sul”. Pronto, mais completa a explicação é impossível. Se a governadora tivesse escolhido morar no Palácio Piratini, ainda assim o Estado teria que mandar comprar as camas para os netos dela. Como ela escolheu morar em sua casa, a compra foi feita da mesma maneira, e registrada, conforme afirmação de órgão público, a CAGE. Portanto, está desarmada mais uma farsa petista. Mas, é claro, o estrago político foi feito em mais um dia de ampla colaboração da mídia petista. Os petistas rábicos também tentaram afastar a deputada estadual Zilá Breitenbach da relatoria da comissão especial de impeachment, ingressando em juízo com essa intenção. Mas, o desembargador João Carlos Branco Cardoso, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, desarmou essa pretensão de usar o Poder Judiciário em benefício das manobras petistas. Disse ele: não se pede proteção ilegal ao Judiciário (o Regimento Interno foi obedecido na escolha de Zilá e nas suas ações na Comissão).