domingo, 20 de agosto de 2017

Morre Jerry Lewis, o gênio da comédia no cinema

 

Ator, roteirista, produtor, diretor e cantor, o americano Jerry Lewis morreu na manhã deste  domingo (20), em sua casa em Las Vegas, segundo informou sua família, "de causas naturais". Um gênio da comédia, famoso por seu humor estilo pastelão, que levou aos palcos, cinema, rádio e TV, ele se destacou inicialmente na parceria com Dean Martin, encarnando o palhaço em contraponto ao galã certinho. Sozinho, Lewis fez sucesso com filmes como "O mensageiro trapalhão", "O terror das mulheres", "O professor aloprado", "Errado pra cachorro" e "Bagunceiro arrumadinho". Na segunda metade dos anos 1960, as bilheterias de seus filmes declinaram, mas ele seguiu como figura cultuada, em aparições esporádicas em filmes como "O rei da comédia" (1982), de Martin Scorsese. 

Filho de artistas profissionais, Lewis nasceu Joseph Levitch em 16 de março de 1926, em Newark, Nova Jersey. Sua mãe tocava piano, e seu pai era um arranjador musical. Lewis fez sua estréia aos cinco anos em um hotel no Borscht Belt, o lendário bairro do show business de Nova York, cantando "Brother, can you spare a dime?" Ele deixou o ensino médio, trabalhando como garçom, enquanto desenvolvia seus números de comédia, imitando cantores. 

Mas sua carreira só decolou quando ele se juntou ao jovem crooner ítalo-americano Dean Martin. Em julho de 1946, enquanto atuava no 500 Club em Atlantic City, um dos artistas que trabalhavam com Lewis desistiu abruptamente e ele sugeriu que Martin o substituísse. As piadas da dupla se tornaram uma sensação, e seus salários dispararam de US$ 250,00 por semana para US$ 5 mil. Quando apareceram na varanda do Paramount Theatre, em Times Square, a Broadway ficou tão lotada que o trânsito voltou para 59th Street. 










Jogando seus contrastes físicos e de personalidade - as macaquices e falta de habilidade de Lewis e o charme sedutor de Martin - eles se tornaram extremamente bem-sucedidos. O produtor Hal Wallis fechou para eles um contrato com a Paramount, e seu primeiro filme, "Amiga da onça" (1949), no qual eles foram lançados em papéis de apoio, foi um sucesso. 

Logo depois, Martin e Lewis estrelaram comédias como "O palhaço do batalhão" (1950), "O marujo foi na onda" (1952), "Sofrendo da bola" (1953), "Farra dos malandros" (1954), "O meninão" (1955) e "Ou vai ou racha" (1956), o último dos 16 filmes que fizeram juntos. Dean Martin se fartou de receber menos atenção que o parceiro e desfez a dupla, que fez sua última aparição na boate Copacabana de Nova York em 25 de julho de 1956. Eles voltariam a estar juntos publicamente só no Telethon de 1976, quando Frank Sinatra surpreendeu o anfitrião Lewis trazendo o ex-amigo ao palco. Dean Martin morreu em 1995. 

Após o fim da dupla, Jerry Lewis continuou a fazer filmes com o mesmo personagem maníaco e ingênuo que interpretava ao lado de Dean Martin. Ele fechou um acordo com a Paramount pelo qual receberia 10 milhões de dólares para fazer 14 filmes durante um período de sete anos - algo jamais visto em Hollywood. Ele começou com "O delinquente delicado" (1957) e engrenou numa série de sucessos: "O bamba do regimento" (1957), "Bancando a ama-seca" (1958), "O rei dos mágicos" (1958) e "A canoa furou" (1959). 

Em 1960, quando a Paramount não tinha filme para lançar no Natal, Jerry Lewis fez um em um mês: "O mensageiro trapalhão", o primeiro que dirigiu, e que escreveu no hotel Fontainebleau, de Miami, onde ele acabou de terminar uma temporada. Em termos franceses, Lewis tornou-se um "auteur", co-escrevendo, dirigindo e atuando em seus filmes. Em 1963, ele sedimentaria definitivamente sua reputação com "O professor aloprado", no qual vive um químico nerd, com problemas de visão, que desenvolve uma poção capaz de transformá-lo no sedutor cantor pop Buddy Love. 

A carreira de Lewis vacilou no final dos anos 60, no entanto, mas não por falta de esforço de sua parte. Infatigável, ele afirmou trabalhar todos os dias por um período de sete anos, acordando sempre às 3h30m da manhã. No entanto, sofria ataques dos críticos e, aos poucos, seus espectadores o abandonaram. Alguns também diziam que seu ego estava fora de controle. Por 13 anos, o ator esteve viciado no analgésico Percodan, prescrito para o tratamento de uma fissura na coluna vertebral que ele sofreu enquanto participava de um programa de TV em 1965. 

Em 1972, Jerry Lewis escreveu, dirigiu e estrelou um dos filmes mais controversos da história do cinema: "The day the clown cried" ("O dia em que o palhaço chorou"). Nele, interpreta um palhaço alemão que, durante a Segunda Guerra, tem como tarefa divertir as crianças judias a caminho da câmara de gás. Apenas uma cópia do filme foi feita e, em 2015, foi comprada pela Biblioteca do Congresso Americano. Alguns minutos do filme podem ser vistos no YouTube. 

Em 1980, após uma ausência de quase 10 anos da tela, Lewis tentou voltar com o filme "Um trapalhão mandando brasa". Mais sucesso, porém, ele teve ao viver um apresentador de talk shows seduzido por um fã obsessivo em "O rei da comédia" (1982), de Martin Scorsese, estrelado por Robert De Niro. A performance dramática de Lewis como uma assombrada estrela de TV foi saudada pelos críticos. 

Nos anos que se seguiram, ele apareceu em filmes como "Cookie" (1989), "Arizona dream: um sonho americano" (1993, ao lado de Johnny Depp), "Rir é viver" (1995) e "Max Rose" (2013), por ele estrelado, e no qual vive um pianista de jazz que faz uma importante descoberta dias antes da morte da mulher. 

Ainda em 2013, Jerry Lewis participou, ao lado do ator brasileiro Leandro Hassum, do filme "Até que a sorte nos separe 2", de Roberto Santucci. Ele interpretou um mensageiro de hotel, papel que o consagrou em "O mensageiro trapalhão". "É um personagem que eu amo, divertido de interpretar. Era divertido em 1960 e é divertido até hoje", disse Lewis à época. O diretor — que conseguiu o contato com o agente de Lewis por meio de um brasileiro que trabalhava em Las Vegas, onde a comédia foi rodada — lembra de como o comediante quebrou toda a tensão que havia em torno de sua figura ao chegar ao set de filmagem. 

"Recebemos uma lista de exigências para que ele participasse, com o número de horas que ele poderia filmar, por conta de suas dores nas costas. O set também deveria estar preparado para que ele circulasse com sua cadeira elétrica. Todos estavam tensos na sua chegada, até que ele desviou bruscamente sua cadeira fingindo que iria atropelar uma pessoa da equipe. Ali ele quebrou o gelo, todo mundo riu", recorda Santucci: "Jerry se dedicou de verdade, debateu as cenas e piadas, quis refazer as tomadas que ele não achou boas. Foi muito especial poder ver de perto o homem por trás do mito". 

Sua última participação em filmes foi em "A sacada", de 2016, como o pai do personagem Stone, interpretado por Nicolas Cage. Mundialmente notório pela graça que imprimia aos seus personagens, Jerry Lewis também podia ser incrivelmente mau-humorado na vida real. Como quando, em dezembro passado, entrevistado pelo "The Hollywood Reporter" em uma série sobre nonagenários que continuavam na ativa, submeteu o entrevistador a constrangedores sete minutos de perguntas e não-respostas. 

A comunidade artística reagiu com tristeza à morte do humorista. Robert De Niro publicou um comunicado em que dizia: “Jerry Lewis foi um pioneiro da comédia e do cinema. E foi um amigo. Tive a sorte de poder vê-lo algumas vezes nos últimos anos. Mesmo aos 91, ele não perdia o ritmo. Ou a piada. Sua falta será sentida". Um dos discípulos de Lewis, o ator americano Jim Carrey, também expressou seus sentimentos: “Aquele cara não era brinquedo, não! Jerry Lewis era um gênio inegável, uma benção insondável, a comédia absoluta! Eu sou porque ele era!” 

Porto de Paranaguá bate recorde de carregamento


O Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá bateu mais um recorde . Desta vez foi o de embarque de grãos num período de 24 horas pelo Corredor de Exportação. Ao todo, foram embarcadas 134.057 toneladas de milho e farelo de soja nos três berços do corredor. A marca foi atingida na quarta-feira (16). O carregamento supera em 18,7% o recorde anterior, alcançado em agosto de 2014, quando foram embarcadas no corredor de exportação 112.900 toneladas de grãos no intervalo de 24 horas.

O resultado comprova o aumento de produtividade do Porto de Paranaguá no escoamento de grãos, após investimentos públicos que totalizam cerca de R$ 600 milhões. “Tivemos muitos dias de chuva na última semana. Bastou que tivéssemos uma janela de tempo bom para que voltássemos a carregar com agilidade máxima no corredor de exportação”, afirma o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino.

Os navios que contribuíram para o recorde carregaram das 16 horas do dia 15 de agosto até as 16 horas do dia 16 de agosto. No berço 212 estava atracado o navio Star Nina, vindo da Índia com destino à Holanda, e que carregou em 24h o total de 40.384 toneladas de farelo de soja. No berço 213, o navio Three Star – vindo da Índia com destino a Singapura – carregou 44.764 toneladas de milho. Já no berço 214, o navio Ssi Excellent – vindo da África do Sul com destino ao Japão – carregou 48.908 toneladas de milho.

O Porto de Paranaguá recebeu, desde 2011, o maior pacote de investimentos da sua história. Foram R$ 624 milhões em obras que deram mais agilidade e aumentaram a produtividade do porto. Prova disso é que inúmeros recordes foram batidos nos últimos anos. No primeiro semestre de 2017, por exemplo, foi registrada a maior movimentação da história do Porto em um período de seis meses: 25 milhões de toneladas operadas.

Além da expansão nos granéis sólidos, o Porto registrou os maiores volumes de movimentação de cargas gerais (veículos, equipamentos agrícolas, peças industriais) e granéis líquidos em sua história neste mesmo período. Entre os investimentos estão obras de repotenciamento, reformas do cais, troca de equipamentos, campanhas de dragagem e novos processos automatizados que dão mais agilidade e segurança nas operações.  

Foram adquiridos quatro novos shiploaders (equipamento que carrega com grãos os navios cargueiros), substituindo os antigos, que datavam da década de 1970. Nesta gestão também foram adquiridos dez novos guindastes, novas balanças para pesagem dos caminhões, novos tombadores e demais componentes para descarga. O Porto ganhou ainda scanners para inspeção de cargas, novas guaritas informatizadas e novo acesso ao Pátio de Triagem foram instalados, a implantação do APPA WEB (Porto Sem Papel) e a nova iluminação (em LED) da avenida portuária.

Esfaqueamento maciço reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico fere sete na Rússia

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou neste sábado um ataque a faca que deixou sete feridos em Surgut, na região russa da Sibéria, cujo autor foi morto pela Polícia, que abriu uma investigação por "tentativa de homicídio" e não por "terrorismo".

"O agressor na cidade de Surgut, na Rússia, é um soldado do EI", informou o grupo radical islâmico em um comunicado divulgado através de sua agência de propaganda, a Amaq, que também havia reivindicado os atentados que deixaram 14 mortos e mais de 100 feridos na quinta-feira na Espanha.

Em Surgut (Sibéria ocidental), um homem "atacou pedestres" por volta das 11H20 (3H20 de Brasília) nas ruas centrais da cidade de 330.000 habitantes na região petroleira de Khanty-Mansi, segundo o Comitê de Investigação russo, órgão responsável pelas principais investigações criminais. Ao menos sete pessoas ficaram feridas, duas delas em estado grave, anunciou a Polícia em um comunicado. Todas as vítimas foram hospitalizadas.

O autor do ataque, que, encapuzado, tentou resistir à Polícia e foi morto, informaram as forças de segurança, destacando que tinham identificado o atacante, um homem nascido em 1994 em Surgut, e examinaram seus antecedentes psiquiátricos. Foi aberta uma investigação "por tentativa de homicídio", sob o controle direto do diretor do comitê, Alexandre Bastrikine, anunciou o órgão em um comunicado.

Em um primeiro momento, a Polícia local indicou à agência russa Interfax que a pista de "um atentado terrorista não era a principal". Mas a declaração foi questionada por muitos, incluindo o principal opositor do Kremlin, Alexei Navalny. "Um homem que corre com uma faca e que tenta matar o máximo de pessoas. O que é isto senão um atentado?", escreveu no Twitter.

Outros, como o senador russo Frants Klintsevitch, consideraram ao contrário que o ataque "não tinha nada a ver com o EI", declarando à rádio Govorit Moksova que, talvez para o grupo se tratasse de uma "operação RP", de relações públicas. Nas imagens difundidas por sites de informação e redes de televisão russas era possível ver o corpo do agressor coberto com um lençol branco, e um cão policial inspecionando o cadáver.

Outras imagens mostravam um ferido, cercado de uma poça de sangue. Todos os feridos, com idades entre 27 e 77 anos, foram hospitalizados, segundo a Polícia. Foram feridos principalmente "na cabeça, na nuca e no estômago". Dois se encontram em estado grave, indicou o governo da região de Khany-Mansi, em um comunicado. O prefeito de Surgut, Vadim Chuvalov, pediu calma à população desta cidade situada 2.100 km de Moscou, e afirmou que a polícia controlou a situação.

Um centro comercial próximo ao local do ataque foi evacuado e as medidas de segurança foram reforçadas, de acordo com os moradores da região. O ataque aconteceu um dia depois de uma ação similar na Finlândia, onde um marroquino de 18 anos matou duas pessoas a facadas e deixou oito feridos na cidade de Turku, sudoeste do país. A polícia abriu uma investigação por terrorismo. Na quinta-feira, a Espanha foi cenário de atentados em Barcelona e Cambrils, ambos reivindicados pelo EI, que deixaram 14 mortos e 120 feridos.

Na Rússia, um atentado no metrô de São Petersburgo (noroeste) deixou 16 mortos e dezenas de feridos em 3 de abril. Desde o início de sua intervenção militar na Síria, em 30 de setembro do ano passado, a Rússia, aliada do regime de Bashar al-Assad, é ameaçada pelo grupo EI e pelo braço sírio da Al-Qaeda. O serviço secreto russo anunciou no início da semana a detenção de quatro supostos membros do EI, que planejavam atentados em centros comerciais e nos transportes públicos de Moscou.

Ministro do Planejamento abre mão de R$ 18 mil da remuneração mensal

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, vai abrir mão de R$ 18 mil mensais que recebe por sua participação como membro do Conselho Fiscal do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). O ministro informou a decisão após a imprensa destacar que sua remuneração e a de outros ministros excedem o teto do funcionalismo, de R$ 33,7 mil.


Na última semana, Dyogo Oliveira e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciaram a ampliação do déficit fiscal de 2017 e 2018 para R$ 159 bilhões em cada ano. Conjuntamente, apresentaram uma série de medidas de austeridade envolvendo os servidores públicos. Entre as medidas, o preparo de um projeto de lei para garantir que todas as verbas pagas a servidores de todos os poderes do governo federal, estados e municípios respeitem o limite, que equivale ao salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal.

Em nota, o Ministério do Planejamento ressaltou a legalidade do pagamento dos R$ 18 mil, já que “a participação de servidores em conselhos de administração e fiscal de empresas públicas, sociedades de economia mista e entidades do sistema S é autorizada por lei”. A pasta destacou que a remuneração por essas participações, conhecida como jeton (gratificação pela participação em sessões e reuniões extraordinárias) tem natureza privada e não pública.

Segundo o órgão, Dyogo Oliveira tem salário bruto de R$ 42.703,48 e um abate teto de R$ 8.940,47 como servidor público. Após deduções com Imposto de Renda e Previdência, o salário do ministro cai para R$ 22.527,52. Somado ao jeton do Senac, portanto, a remuneração líquida do ministro totaliza R$ 40.527,52. Ele recebe ainda um vale-alimentação no valor de R$ 458,00. O Planejamento afirmou que o ministro abrirá mão do ganho extra para fortalecer a discussão sobre o controle da remuneração dos servidores.

“Diante da importância do debate sobre o teto remuneratório dos salários do serviço público, o ministro está renunciando ao jeton do Senac, mesmo que respaldado legalmente e estudará medidas para propor que os jetons também se enquadrem dentro do teto de todos os servidores públicos”, acrescentou a nota. De acordo com o ministério, Dyogo Oliveira defende também a aprovação do Projeto de Lei 6.726/16, que aplica limite remuneratório para agentes públicos, aposentados e pensionistas dentro do teto de R$ 33,7 mil. A proposta já foi aprovada no Senado e hoje está na Câmara dos Deputados.

Além de mais rigor sobre o teto remuneratório do funcionalismo, o governo anunciou que pretende adiar por um ano o reajuste aos servidores. Também quer elevar de 11% para 14% a alíquota da Previdência para quem recebe acima de R$ 5,3 mil e reduzir benefícios como o auxílio-moradia. Outra ação anunciada na última semana é a redução do salário de entrada no serviço público, para que o servidor deve percorrer mais níveis antes de chegar ao teto remuneratório. Todas as medidas dependem de aprovação do Congresso Nacional.

Primeiro grande avião de passageiros chinês é um expoente do “Made in China"


O primeiro avião comercial de grande porte de fabricação chinesa está em fase de testes de vôo e é um dos expoentes do plano do governo central chamado “Made in China 2025”, que tem por objetivo promover a produção interna de bens de alta tecnologia, como robôs, medicamentos, carros elétricos e equipamentos aeroespaciais. 

Batizado como C919, o avião, com capacidade para transportar entre 158 e 168 passageiros, começou a ser desenvolvido em 2008 pela empresa estatal Commercial Aircraft Corporation of China (Comac), com sede em Xangai. No início de maio deste ano, fez seu vôo inaugural no Aeroporto Internacional Pudong de Xangai, de onde decolou e posou.

De acordo com o responsável pela área de montagem do C919, Wang Hai, mais dois jatos estão em fabricação. Segundo ele, a empresa precisa ter pelo menos oito aeronaves construídas para conseguir a certificação da Administração da Aviação Civil da China e, assim, ter autorização para fazer vôos domésticos. “Pelo nosso plano, devemos conseguir o certificado de aeronavegabilidade do C919 até 2020 e entrar no mercado chinês em 2021”, disse: “As companhias aéreas chinesas já fizeram encomendas do novo avião”.

Em uma etapa posterior, está previsto o lançamento do C919 no mercado internacional. Com autonomia de vôo de até 5,5 mil quilômetros, o jato chinês deverá disputar espaço em um mercado dominado pelas gigantes Airbus e Boeing. “É um avião que terá preço competitivo, é seguro, confortável e menos poluente, pois emite 12% a menos de dióxido de carbono”, afirmou Wang Hai.

Proposto pelo primeiro-ministro chinês Li Keqiang, o plano “Made in China 2025” pretende transformar o país asiático em importante produtor de alta tecnologia, e não mais apenas em fabricante de bens de baixo valor agregado. Mais do que quantidade, dizem as autoridades chinesas, o foco agora é na qualidade dos produtos.

Pelo plano, o governo chinês está incentivando a inovação em dez setores-chave, como robótica, informação tecnológica, equipamentos médicos e eletrônicos e indústria biofarmacêutica. Para tanto, tem promovido o estabelecimento de parques tecnológicos com incubadoras e startups (empresas inovadoras em estágio inicial). Fomentados pelos governos central e locais e pelas grandes empresas, os centros de excelência contam com uma série de incentivos fiscais e financeiros, como o de Zhongguangcun, na capital chinesa, onde estão as universidades de Pequim e Tsinghua, e o Future Sci-Tech City de Hangzhou, na província de Zhejiang.

Este ano, a China alcançou a 22ª posição no Índice Global de Inovação, três acima da marca registrada no ano passado. É o único país que não é de alta renda a figurar no grupo das 25 economias mais inovadoras. A Suíça permaneceu no primeiro lugar, seguida pela Suécia, Holanda e Estados Unidos. O Brasil manteve a 69ª colocação no ranking de 127 países que é elaborado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (Ompi), pela Universidade Cornell e pela escola de negócios Insead.

A fabricante de aeronaves Comac está sediada na próspera cidade de Xangai, na Costa Leste. Com 24 milhões de habitantes, a mais populosa do país, é considerada o principal centro econômico da China. Em 2016, teve um PIB de 2,74 trilhões de iuanes (cerca de R$ 1,37 trilhão), puxado pelo setor terciário, que movimenta 70% da economia local. 

O porto de Xangai, que ocupa o primeiro lugar no mundo em volume de carga e descarga pelo sétimo ano consecutivo, é um dos motores da economia, de acordo com o subdiretor do Escritório de Assuntos Exteriores da cidade, Fu Jihong. Segundo o governo local, 580 multinacionais estabeleceram suas sedes regionais em Xangai assim como 411 centros de pesquisa e desenvolvimento com financiamento externo. (AB)

Iraque lança ofensiva em Tal Afar, último reduto da organização terrorista Estado Islâmico na região de Mossul

As forças iraquianas lançaram na noite deste sábado uma ofensiva para recuperar o controle de Tal Afar, último reduto do grupo Estado Islâmico (EI) na província setentrional de Nínive (sul), anunciou o premiê iraquiano, Haider al-Abadi. Em declaração pela TV, Abadi, vestindo uniforme militar, anunciou "o começo da operação de libertação de Tal Afar". "Aos homens do EI, digo que não lhes resta outra alternativa mais que a rendição ou a morte", acrescentou. Tal Afar fica 70 quilômetros a oeste de Mossul, a segunda cidade do Iraque, de onde as forças do governo, apoiadas pelos Estados Unidos expulsaram os jihadistas no começo de janeiro, ao final de uma ofensiva de vários meses.

O Estado Islâmico se apoderou em junho de 2014 deste enclave xiita na província majoritariamente sunita de Nínive, da qual Mossul é capital. Atualmente, é um dos últimos redutos do Estado Islâmico no norte do Iraque, na fronteira com a Síria. Abadi informou que além das diferentes unidades do Exército, da Polícia federal e local, e das unidades antiterroristas, também vai participar das operações as Hachd Al Shaabi, as "unidades de mobilização popular", uma organização paramilitar dominada por milícias xiitas apoiadas pelo Irã, que já participou de outras batalhas de retomada de cidades iraquianas.

Ministro Gilmar Mendes liberta mais quatro investigados ligados a esquema de Sérgio Cabral

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu neste sábado (19) habeas corpus a quatro pessoas ligadas a um esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral e que haviam sido presas preventivamente em julho no Rio de Janeiro pela operação Ponto Final, desdobramento da Lava Jato. Gilmar estendeu ao grupo o habeas corpus que havia concedido a Jacob Barata Filho, conhecido como "rei do ônibus", e decretou medidas alternativas à prisão a Cláudio Sá Garcia de Freitas, Marcelo Traça, Enéas da Silva Bueno e Octacílio de Almeida Monteiro. 

Na decisão, o ministro afirma que "juízes não podem ceder à pressão do grupo de trêfegos e barulhentos procuradores nem se curvar ao clamor popular". "A liberdade é a regra no processo penal; a prisão, no curso do processo, justifica-se em casos excepcionais, devidamente fundamentados, e a via do habeas corpus é o instrumento precípuo desta tutela: a proteção da liberdade", escreveu. 

Na quinta-feira (17), Gilmar Mendes concedera um habeas corpus a Jacob Barata Filho. Pouco depois, o juiz federal Marcelo Bretas determinou nova prisão preventiva contra o empresário. Na sexta-feira (18), o ministro deu nova decisão e soltou Barata Filho. 

Os investigados terão que comparecer em juízo para informar e justificar atividades e estão proibidos de manter contato entre si e de deixar o País – eles deverão entregar os passaportes. Também devem cumprir recolhimento domiciliar noturno e estão suspensos de exercer atividades em sociedades e associações ligadas ao transporte coletivo de passageiros 

As investigações apuram o pagamento, de 2010 a 2016, de R$ 260 milhões em propina a políticos e funcionários de departamentos públicos de fiscalização ligados ao setor de transportes. Dados apontam que o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) obteve no período R$ 122 milhões no esquema. Outros R$ 43 milhões foram destinados, de acordo com a apuração, para o ex-presidente do Detro (Departamento Estadual de Transporte Rodoviário) Rogério Onofre. 

Gilmar Mendes foi padrinho de casamento da filha de Barata Filho. No fim de julho, a Procuradoria Regional da República no Rio solicitou à Procuradoria-Geral da República que entre com pedido de suspeição para impedir Gilmar Mendes de atuar em casos que envolvam o empresário. O pedido da Procuradoria no Rio de Janeiro ainda está sob análise do procurador-geral, Rodrigo Janot.