quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Piora ainda mais o quadro clínico de Marisa Letícia e os médicos a repõem no coma induzido; situação é gravíssima


O quadro clínico da ex-primeira-dama Marisa Letícia se agravou ainda mais no fim da tarde desta quarta-feira e os médicos do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, que cuidam de sua saúde, decidiram colocá-la novamente no coma induzido. A sedação havia sido retirada ontem, terça-feira, pela manhã. O quadro todo piorou. O cérebro apresenta inchaço e a circulação sanguínea no órgão está ruim. Hoje no início do dia ela havia sofrido de anisocoria, caracterizada pelo tamanho desigual das pupilas. A condição mostra que uma região importante do tronco cerebral pode estar sofrendo com hemorragia. A ex-primeira-dama dama sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico na última terça-feira (24). Do tipo mais grave, consiste na ruptura da parede da artéria, com ocorrência de hemorragia.

Brasil registrou mais de 800 casos suspeitos de febre amarela em janeiro


O Ministério da Saúde registrou em janeiro 809 pacientes com suspeita de febre amarela, sendo 737 em Minas Gerais. Em 128 casos, o paciente morreu. Pela primeira vez, o Tocantins está investigando um caso. Do total, 651 casos permanecem em investigação, 127 foram confirmados e 31 descartados. Das 128 mortes notificadas, 47 foram confirmadas, 78 ainda são investigadas e três foram descartadas. Minas Gerais confirmou 113 casos, dos quais em 42 os pacientes morreram, e investiga 605, com 75 mortes. O Espírito Santo confirmou 11 casos de febre amarela, sendo duas mortes, e está investigando mais 32. Em São Paulo, foram confirmadas três mortes por febre amarela e cinco casos suspeitos estão sendo investigados. Na Bahia, sete casos estão em investigação. Goiás e Distrito Federal, antes na lista, descartaram as notificações. Já o caso atribuído inicialmente, como local provável de infecção ao Mato Grosso do Sul, está sendo reavaliado. A vacinação contra a febre amarela está no calendário vacinal de 19 Estados do País. Todas as pessoas que vivem nesses locais devem tomar duas doses da vacina ao longo da vida. Também precisam se vacinar, neste momento, pessoas que vão viajar ou vivem nas regiões que estão registrando casos da doença: leste de Minas Gerais, oeste do Espírito Santo, noroeste do Rio de Janeiro e oeste da Bahia. O Espírito Santo, o Rio de Janeiro e parte da Bahia não são áreas de recomendação para vacinação contra a febre amarela, por isso, devem ser vacinadas as pessoas que moram perto da divisa com o leste de Minas Gerais. Segundo o Ministério da Saúde, não há necessidade de corrida aos postos de saúde, pois as doses são suficientes para atender as regiões com recomendação de vacinação.

Marisa Letícia está pior, constatam os médicos do Sírio Libanês


Nas últimas duas horas, o estado de saúde da galega italiana e ex-primeira dama Marisa Letícia se agravou. Ela sofreu de anisocoria, caracterizada pelo tamanho desigual das pupilas. A condição mostra que uma região importante do tronco cerebral pode estar sofrendo com hemorragia. Hoje pela manhã os médicos já haviam constatado piora na inflamação cerebral. O problema é provocado pelo que se chama na medicina de hiperemia (aumento da quantidade de sangue circulante num determinado local), como foi no caso do AVC de Marisa Letícia. A ex-primeira-dama dama sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico na última terça-feira (24). Do tipo mais grave, consiste na ruptura da parede da artéria, com ocorrência de hemorragia.

Ex-vice-ministro de Alan García é preso no Peru acusado por subornos da Odebrecht


Jorge Cuba, ex-vice-ministro de Transporte do segundo governo de Alan García (2006-2011), foi detido nesta terça-feira (31) no aeroporto de Lima, após seu retorno ao país, acusado de receber subornos de US$ 2 milhões da Odebrecht. Cuba é o primeiro ex-funcionário peruano de alto escalão acusado pelo Ministério Público de ser beneficiário do pagamento de subornos para entregar a concessão da Linha 1 do Metrô de Lima à construtora. O ex-funcionário chegou a Lima procedente de Miami e foi preso pela Polícia para ser interrogado pelo procurador Hamilton Castro, chefe da equipe que investiga os subornos da Odebrecht e de outras empresas brasileiras a funcionários públicos peruanos, informou à imprensa Luis Peña, advogado de Cuba. "Vou colaborar com a Justiça", gritou Cuba, ao ser levado. A Justiça peruana determinou há alguns dias sua prisão preventiva por 18 meses, sob a suspeita de que ele recebeu US$ 2 milhões dos mais de US$ 7 milhões pagos pela empreiteira pela licitação da obra. Peña disse que seu cliente se submeterá a todas as decisões judiciais. Afirmou ainda que está avaliando a situação de Cuba com base nas acusações que pesam contra ele e, então, decidirá como colaborar com as autoridades. Cuba é o terceiro membro do segundo governo de García (2006-20011) que se encontra detido acusado de receber propina da construtora. Estão presos um funcionário do Ministério dos Transportes e um integrante do comitê que licitou a obra do metrô. A Odebrecht admitiu o pagamento de subornos no Brasil e em vários países da América Latina. No Peru, reconheceu subornos a funcionários públicos peruanos por US$ 29 milhões em troca de licitações de obras públicas entre 2005 e 2014. A população exige do governo maior celeridade nas prisões dos envolvidos. Uma comissão do Congresso investiga o tema, e a empresa chegou a um acordo de delação com a Justiça. O período compreende os governos de Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala. Os ex-presidentes Toledo e Humala já são investigados por lavagem de dinheiro.