segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Saúde da Petrobras melhora, mas ela ainda tem “elefantes brancos” para cuidar

A Petrobras inicia o ano de 2017 com o caixa menos comprometido com dívidas do que ingressou em 2016. No mercado financeiro, as ações estão em escalada ascendente. Mas, no seu encalço, ainda existem R$ 6,25 bilhões (valor contábil) de obras inacabadas, que já não condizem com a nova Petrobras. Sem destino definido, esses projetos geraram perdas de R$ 2,05 bilhões por desgaste, por causa do passar do tempo, como informou a empresa na última demonstração financeira, relativa ao período de janeiro a setembro deste ano. Mudanças nas condições de mercado, como no câmbio e na cotação do petróleo, corroeram parte do dinheiro investido e alguns deles se tornaram definitivamente inviáveis. “Parar grandes obras como a do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro) gera prejuízos fantásticos. Qualquer retomada tem alto custo. Na lista de perdas por causa da mudança de rumo da empresa estão empreendimentos suspensos, como o Comperj, no qual já foram investidos US$ 13 bilhões, sem a segurança sequer de que virá a funcionar um dia, e outros definitivamente abandonados. Hoje, a meta da diretoria da Petrobras é sanar o caixa e deixar a liderança do ranking das petroleiras mais endividadas do mundo. Para isso, mira na venda de ativos e prioriza a exploração e a produção de petróleo e gás natural em áreas de grande produtividade e rentabilidade, como o pré-sal, que deve ser processada em suas próprias refinarias no Brasil ou exportada como matéria-prima bruta. A ideia é fazer isso sozinha ou ao lado de grandes petroleiras, suas parceiras estratégicas, como a francesa Total. Ficou no passado o projeto de usar o pré-sal como âncora de um plano de governo de industrialização, que previa a transformação do petróleo de alta rentabilidade em insumo para fabricação de produtos de alto valor agregado, em unidades que seriam construídas pela estatal isoladamente, com sócios ou por terceiros. Durante a gestão petista da petroleira, em que plantas chegaram a ser construídas, investidores privados demonstraram interesse em estar ao lado dela. Mas, chegada a crise, o plano foi abandonado, investidores desapareceram e grandes projetos ficaram no meio do caminho. Muitos desses investimentos interrompidos geraram baixas contábeis em sucessivos resultados financeiros da petroleira e ainda geram custos mensais de manutenção à companhia. Fazem parte da lista de desistência: quase a totalidade do Comperj, no Rio de Janeiro; a segunda fase da Refinaria Abreu e Lima (Refinaria do Nordeste - Rnest), em Pernambuco, onde já foram investidos US$ 17 bilhões; a Petroquímica Suape, em Pernambuco; a Unidade de Fertilizante Nitrogenado III, situada no município de Três Lagoas (MS); a usina de Quixadá, produtora de biodiesel na Bahia; e um conjunto de comboios da Transpetro, subsidiária de logística da estatal, para navegação em hidrovias. De alguns deles, a Petrobras definitivamente desistiu. É o caso da Petroquímica Suape, cuja venda para o grupo mexicano Alpek foi fechada na semana passada, da unidade de fertilizantes, da usina de Quixadá, que também estão à venda, ao lado de áreas produtoras de óleo e gás, dentro do plano de desinvestimento. A construção dos comboios da Transpetro pelo estaleiro Tietê foi suspensa. Enquanto outros projetos, para irem adiante, ainda dependem da atração de sócios, por enquanto desconhecidos, como o Comperj e a segunda fase da Rnest. Há obras definitivamente canceladas, ainda que na fase inicial, como as refinarias premium, projetadas para os Estados do Ceará e do Maranhão. Os terrenos onde seriam construídos os projetos estão abandonados, enquanto os respectivos governos estaduais tentam atrair sócios para substituir a Petrobras. Campos produtores de petróleo e gás foram suspensos à espera da melhora nas cotações do petróleo e do real frente ao dólar, o que pode torná-los economicamente viáveis novamente.

Jornal mais antigo da Venezuela sai de circulação por falta de papel

A edição impressa do jornal “El Impulso”, o mais antigo da Venezuela, circulou pela última vez neste sábado (31). Depois disso, não há mais papel suficiente para colocar o periódico nas ruas. Carlos Eduardo Carmano, diretor do diário, informou na sexta-feira que o jornal sairia de circulação e culpou o governo bolivariano do ditador Nicolás Maduro por negar à empresa a venda de papel. “El Impulso” se soma aos diários “El Carabobeño”, “La Mañana de Falcón” e “Diario Los Andes”, que também suspenderam suas impressões neste ano. Proprietários de meios privados e jornalistas venezuelanos vêm denunciando que o governo de Maduro ataca profissionais da imprensa, ao limitar, segundo eles, a alocação de divisas para a importação de papel, mover processos penais e administrativos por difamação e criticar publicamente comunicadores. É uma das estratégias dos revolucionários comunistas bolivarianos a de desinformar o povo para poder manipulá-lo.

TSE quebra sigilo de 20 empresas e pessoas físicas ligadas à campanha da petista Dilma


O ministro Herman Benjamin, corregedor-geral da Justiça Eleitoral, autorizou a quebra do sigilo fiscal de 20 empresas e pessoas físicas suspeitas de envolvimento com irregularidades na chapa da mulher sapiens petista e presidente Dilma Rousseff. Estas empresas e pessoas físicas teriam sido subcontratadas pelas gráficas Focal Confecção e Comunicação Visual, Red Seg Gráfica e Editora e Gráfica VTPB. As três gráficas foram alvos de busca e apreensão da Polícia Federal e tiveram o sigilo bancário quebrado em outubro.  As empresas que tiveram o sigilo fiscal quebrado agora teriam sido todas subcontratadas pelas três gráficas e teriam relação direta com as suspeitas de fraudes na campanha. No grupo das subcontratadas da Gráfica Red Seg, tiveram o sigilo fiscal quebrado as empresas Graftec Gráfica, RBG Mídia e Gráfica, Rodozani Prestação de Serviços, Artecnica Gravações, FSC Serviços Gráficos, Vivaldo Dias da Silva e Brigida Patrícia Frai. Vivaldo é motorista e aparece como presidente da Red Seg. Os subcontratados da VTPB Serviços Gráficos que tiveram os sigilos quebrados são: Mídia Exterior Integrada, Dialógica Comunicação e Marketing, Riska Com. Imp. Exp., Rhoss Print Etiquetas, Thiago Martins da Silva e Maria da Conceição Camara Pimenta. A Dialógica, extinta em 2015, pertenceria a Keffin Gracher, que trabalhou com o ex-ministro e tesoureiro de Dilma na campanha, Edinho Silva. Na lista de subcontratadas da Focal estão: Thinkeventos, Victor H. G. de Souza Design Gráfico, P.C.M. Lima Locação de Equipamentos para Eventos, Vigel Serviços e Administração, TOP 6 Promoções, Cristina Demarchi Crepalli e Fabiana de Oliveira Carvalho. A Receita Federal deverá apresentar relatório conclusivo sobre a capacidade operativa das empresas que tiveram o sigilo quebrado.

Justiça Militar condena coronel do Exército pelo crime de peculato

A Justiça Militar da União, com sede em Fortaleza (CE), condenou um coronel do Exército, ex-comandante do 3º Batalhão de Engenharia de Construção (Picos/PI), a cinco anos de reclusão pelo crime de peculato-apropriação (um dos tipos de crime de peculato, em que o agente se apropria de bem público). O militar teria autorizado equipes do batalhão a perfurar 38 poços artesianos em municípios do Piauí e de Pernambuco, em propriedade de particulares, e se apropriado de mais de R$ 119 mil. Por maioria de votos, o Conselho Especial de Justiça da 10ª Auditoria Militar decidiu condenar o réu como incurso no crime previsto no Artigo 303 do Código Penal Militar. De acordo com a denúncia do Ministério Público Militar, a Polícia Federal no Piauí abriu um inquérito para apurar uma série de denúncias de que militares do Exército estariam furando poços artesianos para particulares usando equipamentos do 3º Batalhão de Engenharia de Construção e cobrando pelo serviço. A equipe do batalhão cobrava dos particulares R$ 50,00 por metro perfurado. Cada poço era finalizado com cerca de 50 ou 60 metros de profundidade e o dinheiro arrecadado repassado a um tenente do Exército, engenheiro civil, chefe da equipe, que, entre 2007 e 2009, repassava os valores ao comandante do batalhão. Por meio de perícias da Polícia Federal e da Polícia Judiciária Militar, chegou-se à conclusão de que os serviços particulares, feitos sem assinatura de contrato, renderam R$ 123 mil. Após a quebra de sigilo bancário, ficou comprovado que, desse valor, foram depositados na conta pessoal do coronel mais de R$ 119 mil. Desse montante, R$ 14 mil foram comprovadamente recolhidos à Conta Única do Tesouro Nacional. Em depoimento, o ex-comandante do 3º Batalhão de Engenharia de Construção informou que os valores recebidos da equipe de perfuração de poços eram usados em obras dentro do batalhão, como na reforma do hotel de trânsito, alojamentos dos cabos e soldados, refeitório e no campo de futebol society. Ao fundamentar a sentença, o juiz-auditor de Fortaleza (CE), Celso Vieira de Souza, disse que o laudo pericial demonstra a perfuração de 38 poços confirmados e uma receita gerada de R$ 123,4 mil, fato não negado pela defesa. O juiz argumentou também que uma norma administrativa do Exército, a Portaria nº 17/Secretaria de Economia e Financia do Exército, dispõe que todas as receitas geradas nas unidades militares deverão ser depositadas na Conta Única da Unidade Gestora, órgão Fundo do Exército. No caso, foram recolhidos R$ 14,2 mil. “Forçoso concluir pela consumação do delito de peculato-apropriação”. O magistrado acrescentou que os depósitos na conta-corrente do coronel, além dos seus salários, no valor de R$ 119,7 mil, não tiveram a origem identificada, o que reforça as demais provas quanto à apropriação dos valores pelo réu.

STF nega habeas corpus a ex-diretor da Eletronuclear

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido de habeas corpus feito por Luiz Manuel Amaral Messias, ex-dirigente da empresa Eletrotronuclear, preso preventivamente desde julho de 2016 em operação ligada à Lava Jato. A defesa de Messias pedia que a prisão preventiva fosse revogada ou convertida em domiciliar em razão de sua idade (70 anos) e de graves doenças de coração, diabetes e hipertensão, que demandariam tratamento intensivo e ininterrupto, além de alimentação adequada. Messias foi preso em ação da Operação Pripyat, desdobramento da Lava Jato, que apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na construção da Usina de Angra 3 pela Eletronuclear. As suspeitas são de fraudes em licitações, corrupção e lavagem de dinheiro em contratos entre a Eletronuclear as empreiteiras propineiras Andrade Gutierrez e Engevix. O ex-diretor está custodiado no Presídio Petrolino de Oliveira (Bangu 8). Segundo o STF, a defesa deve aguardar decisão do Superior Tribunal de Justiça sobre o habeas corpus, antes de buscar a suprema corte.

Conta-petróleo tem primeiro superávit da história, de US$ 410 milhões


A conta-petróleo, que registra as exportações e importações brasileiras de petróleo e derivados, encerrou 2016 com saldo positivo de US$ 410 milhões. É o primeiro superávit da história da conta, tradicionalmente deficitária. O resultado foi divulgado hoje (2), junto aos dados da balança comercial, que registrou um superávit recorde de US$ 47,69 bilhões no ano passado. O déficit na conta-petróleo ocorria historicamente porque o Brasil importa mais do que exporta petróleo para o resto do mundo. Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o déficit médio registrado desde 1997 está na casa dos US$ 5 bilhões por ano. O ponto fora da curva em 2016 tem relação com três fatores: redução na cotação internacional do petróleo, queda nas importações em função da redução no consumo causada pela crise e aumento na quantidade produzida para exportação. “A conclusão é que o superávit de 2016 é conjuntural e não estrutural”, explica Abrão Neto, secretário de Comércio Exterior do ministério. Neto lembra que nos anos de 2013 e 2014 também ocorreram distorções na conta-petróleo causadas por fatores conjunturais, com a diferença de que acarretaram déficits recordes em vez de superávit. Em 2013, a conta teve saldo negativo de US$ 20,39 bilhões e, em 2014, de US$ 16,97 bilhões. “Esses déficits têm explicação quase igual à do superávit, mas com sinal trocado. Na ocasião, nós tivemos cotação do preço do petróleo muito elevada. Houve aumento da importação brasileira com as termelétricas e a frota de veículos atingindo número recorde. Também tivemos redução das exportações, com menor produção em razão da parada programada para a manutenção das plataformas”, explicou. Segundo dados do ministério, o preço do petróleo bruto registrou queda de 14,8% em 2016 na comparação com 2015. A commodity ensaiou uma recuperação no segundo semestre do ano passado, que deve continuar em 2017, segundo as principais projeções para o setor.

Juiz que foi chamado pelos presos rebelados em Manaus é suspeito de ligação com organização criminosa do Amazonas

Convocado pelos detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, o Compaj, de Manaus, para negociar o fim da rebelião que terminou na morte de ao menos 60 presidiários, o juiz Luis Carlos Honório de Valois Coelho é suspeito de possuir ligação com a organização criminosa Família do Norte e foi alvo de busca e apreensão na segunda fase da operação La Muralla. Responsável pela Vara de Execução Penal do Fórum Henoch Reis do Tribunal de Justiça, em Manaus, Valois aparece nas interceptações da comunicação de integrantes da Família do Norte realizadas pela Polícia Federal.


Encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça, o pedido de busca e apreensão do Ministério Público Federal relaciona a necessidade das medidas cautelares contra o juiz aos “fortes indícios de participação do magistrado no ajuste criminoso destinado à liberação de presos integrantes do grupo FDN" (Família do Norte). Ao autorizar as diligências contra Valois, o ministro Raul Araújo, do STJ, apontou como relevante “a informação de que em momento de crise institucional no sistema prisional do Estado do Amazonas, o mencionado magistrado teria solicitado apoio dos presos para permanecer na função”. A solicitação foi flagrada pela Polícia Federal em conversas interceptadas entre advogados da FDN e um dos líderes da facção chamado José Roberto. Em uma das mensagens, a advogada Lucimar Vidinha, apontada como integrante da FDN, conversa com José Roberto “sobre a possibilidade de elaborar um abaixo-assinado por todos os presos”. Segundo a Polícia Federal, após a conversa, José Roberto ordenou que Vidinha conversasse pessoalmente com Valois “esclarecendo que se fosse isso mesmo que o magistrado precisasse, a ordem seria dada aos presos”. Para o Ministério Público Federal, “ao cotejar os elementos de investigação relacionados ao primeiro grau do Poder Judiciário amazonense, é possível verificar, desde logo, a hipótese de participação do Juiz Luis Carlos Honório de Valois Coelho no ajuste criminoso destinado à liberação de presos integrantes do grupo FDN". Veja as conversas citadas pela Polícia Federal que citam o juiz Valois:







O juiz Luis Carlos Valois afirmou que “não possui qualquer envolvimento com organizações criminosas. Os presos solicitam sua presença tão somente por ele ser o juiz da vara de execuções penais e, por lei, ser o juiz competente para analisar questões referentes ao sistema prisional.” Pelo Facebook, o juiz falou sobre sua atuação na negociação no Compaj: "Resumo do que presenciei: A rebelião começou de tarde, mas eu só soube de noite. Por volta de 22 hs me ligaram da Secretaria de Segurança pedindo minha presença. Vieram me buscar. Chegando lá os presos tinha tomado todo o regime fechado e o semiaberto. Tinham feito um buraco e passavam de um lado para o outro. A polícia tinha cercado o local. A informação era de 6 corpos. Falei com o preso que negociava pelo rádio e disse que falaria com ele pessoalmente. A polícia fez os preparativos de segurança. Dois presos vieram, pedindo apenas que nos comprometêssemos a não fazer transferências, a manter a integridade física e o direito de visitas. Eu disse que iria conversar com os responsáveis pela segurança, mas que só faria isso se eles soltassem três reféns. Eles soltaram. Pedi que eles saíssem do regime semiaberto. Eles saíram. A polícia tomou o semiaberto, bloqueou a passagem. Depois os presos disseram que só iriam entregar os outros reféns às 7 da manhã. Esperou-se. Voltei, falei com o preso de antes, levei um documento dizendo que as autoridades estavam de acordo. Eles entregaram os demais sete reféns funcionários, sem ferimentos. Alguns reféns presos feridos saíram de ambulância. Vi muitos corpos, parecendo que morreram entre 50 a 60 presos (pessoas), mas difícil afirmar, pois muitos estavam esquartejados. Quando a polícia entrou no Complexo, voltei para casa. Nunca vi nada igual na minha vida, aqueles corpos, o sangue… fiquem com Deus!"

Petrobras e Repsol Sinopec devolvem concessão de campo na Bacia de Santos


A Petrobras e Repsol Sinopec do Brasil devolveram a concessão de exploração e produção de petróleo e gás natural referente ao campo de Piracucá, conforme publicação da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) no Diário Oficial da União desta segunda-feira (2). O campo, localizado em águas rasas da Bacia de Santos, foi adquirido pelas empresas na segunda rodada de licitações da ANP, em 2000, e teve o contrato de concessão assinado no mesmo ano. o declarar a comercialidade do campo em 2009, a Petrobras chegou a anunciar reservas de 550 milhões de barris de petróleo equivalente no local. Mas agora a Petrobras respondeu que "estudos comprovaram não haver viabilidade técnico-econômica para o desenvolvimento da produção do Campo de Piracucá". Ou seja, a Petrobras no regime bandido, criminoso, da organização criminosa PT, mentiu descaradamente para o povo brasileiro, o mundo inteiro, aos acionistas e investidores do País e do Exterior.  

Supremo decreta a quebra do sigilo telefônico da Barbie petista Gleisi Hoffmann


Enquanto o acordo de delação premiada da Odebrecht não é homologado pelo Supremo Tribunal Federal, a Operação Lava-Jato avança nas investigações sobre políticos que receberam propinas da empreiteira. Para apurar se a Barbie petista, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), recebeu dinheiro sujo da empreiteira propineira, a Procuradoria-Geral da República pediu ao ministro Teori Zavascki, relator dos processos do Petrolão do PT na Corte, a quebra do sigilo telefônico da parlamentar petista. O pedido foi deferido no fim do ano passado. A Barbie petista Gleisi é suspeita de figurar na lista do setor de propinas da Odebrecht com o apelido “Coxa”. A ex-ministra da Casa Civil teria recebido meio milhão de reais em dinheiro vivo durante sua campanha para o governo do Paraná em 2014. Documentos encontrados pela Polícia Federal na sede da empreiteira relacionam o codinome “Coxa” a um número de telefone e a um endereço em São Paulo onde funciona a agência Sotaque Publicidade e Propaganda. O dono da linha telefônica é Bruno Martins Gonçalves Ferreira, ex-sócio da Sotaque, empresa que era administrada pelo marqueteiro Oliveiros Domingos Marques Neto, responsável pela campanha fracassada da Barbie petista Gleisi Hoffmann em 2014. Bruno Martins Gonçalves diz: “Caí de gaiato nessa história. Na verdade, o meu ex-sócio, Oliveiros Domingos, que estava cuidando da campanha da Gleisi em Curitiba, me pediu um favor: levar o Leones ( Dall’agnol, ex-chefe do gabinete de Gleisi Hoffmann) do aeroporto de Congonhas até o escritório da Odebrecht, em São Paulo. Na reunião que ocorreu na empresa e que acompanhei, foram pedidos recursos para a campanha da Gleisi, e o executivo da Odebrecht disse que iria ajudar. Não me lembro de terem discutido valores”. Bruno afirmou, em depoimento prestado à Polícia Federal, que a reunião na sede da empreiteira foi conduzida por Fernando Migliaccio da Silva, executivo da empreiteira responsável pelo gerenciamento do departamento de propinas da companhia. A quebra de sigilo telefônico, autorizada por Teori Zavascki, também se estende a Bruno Martins Gonçalves, a Leones Dall’agnol e a Fernando Migliaccio, um dos 77 delatores da empreiteira propineira Odebrecht, a máquina da corrupção segundo a Justiça suíça. O objetivo dos investigadores é conferir se os suspeitos se comunicaram entre si e depois provar, a partir de dados da localização dos celulares, que eles se reuniram na sede da Odebrecht. Homem de confiança da Barbie petista Gleisi Hofffmann, Leones Dall’agnol integrou o conselho de administração dos Correios, presidido pelo ex-ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, marido da senadora Barbie petista. O ex-chefe de gabinete da senadora petista teria embolsado uma propina de 600 000 reais de contratos dos Correios, segundo delação do ex-vereador do PT, Alexandre Romano, conhecido como Chambinho. Em setembro, Gleisi e Paulo Bernardo se tornaram réus na Lava-Jato após o STF aceitar a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República que os acusa de terem praticado os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. De acordo com os investigadores, a senadora teria recebido 1 milhão de reais em propina da diretoria de abastecimento da Petrobras para a sua campanha eleitoral ao Senado em 2010. 

Produção industrial segue despencando no Brasil, é ainda o resultado do desastre plantado pela organização criminosa petista


A atividade industrial do Brasil atingiu em dezembro o patamar mais fraco em seis meses em meio a fortes quedas nos volumes de produção e no nível de emprego, de acordo com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgado nesta segunda-feira (2) pela consultoria IHS Markit. Isso é mais um eloquente exemplo do tamanho da desgraça promovida pelos governos da organização criminosa petista. O PMI caiu para 45,2 em dezembro, ante 46,2 em novembro. A leitura abaixo da marca de 50 aponta contração. Além da fragilidade econômica, a demanda fraca e as pressões competitivas levaram o nível de novos trabalhos a cair em dezembro com a maior força em seis meses. Os novos pedidos para exportação também apresentaram perdas. Isso levou a produção a cair pela taxa mais rápida desde junho, com reduções em todos os três subsetores pesquisados, sendo a mais acentuada entre os bens de capital. Esse cenário levou a mais cortes de empregos, chegando ao 22º mês de perdas, com destaque para os trabalhadores do setor de bens de capital. Já a inflação de custos chegou a um recorde de quatro meses em dezembro, levando a um aumento mais forte nos preços de venda. O enfraquecimento da moeda fez com os preços pagos por produtos importados aumentassem, ao mesmo tempo em que algumas empresas tentaram proteger as margens de lucro. "O cenário para 2017 parece adverso em meio a vários obstáculos significativos que a economia brasileira enfrenta, incluindo a deterioração do mercado de trabalho, o consumo fraco, cortes de orçamento, distúrbios políticos e demanda fraca nos mercados externos", apontou em nota a economista do IHS Markit Pollyanna De Lima. Em outubro, a produção industrial recuou 1,1% sobre o mês anterior, no pior resultado para o mês desde 2013 e iniciando o quarto trimestre com mais fraqueza, de acordo com os dados do IBGE.

Rebelião, matança gigante com degolas e fuga em massa de presos em Manaus, atentados dos terroristas islâmicos são brinquedinhos de criança diante da barbárie amazônica


Rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) em Manaus, iniciada neste domingo, durou mais de 17 horas e deixou ao menos 60 presos mortos, muitos deles degolados, conforme a secretaria de Segurança Pública do Estado. Muitos dos detentos foram decapitados e esquartejados. O tamanho da rebelião amazônica torna a barbárie de terrorismo islâmico um tipo de brinquedinho de criança. Além das mortes, 12 agentes prisionais foram feitos reféns durante o motim. Na manhã desta segunda-feira, eles foram liberados sem ferimentos. Terror foi cenário para o que aconteceu nessas últimas horas no Compaj. Pelo menos 40 cabeças e mais de uma centena de pedaços de corpos foram levados ao Instituto Médico Legal de Manaus. “A polícia científica agora terá de montar um quebra-cabeças para saber que parte pertence a quem”, disse uma fonte. Oficialmente, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas ainda não se manifestou quanto aos corpos. Dentro das cadeias, no entanto, a FDN iniciou o ataque aos rivais do Primeiro Comando da Capital (PCC). Em outubro, pelo menos 25 morreram em rebeliões em Rondônia, Roraima e Acre nesta disputa de controle. A guerra foi um dos motivos que fizeram o PCC paulista (maior facção do País) rachar com o Comando Vermelho, que se aliou à FDN. Em vídeos que circulam entre policiais, há uma cena em que detentos enfileiram cinco cabeças decapitadas e as identificam por nomes que seriam membros do PCC. Houve confronto com a Polícia Militar quando policiais tentaram retomar o controle do Compaj. O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, classificou a rebelião como massacre. “Alguns corpos foram jogados para fora das unidades, então existem mortos”, disse em uma entrevista coletiva. Há videos circulando na Internet mostrando cenas de degola ao vivo, praticadas pelos presidiários. 

Reveillon do terror em Campinas, homem armado invade casa, mata ex-mulher, filho e mais dez pessoas

Uma festa de Réveillon terminou em tragédia na cidade de Campinas, em São Paulo. Um homem invadiu uma casa, localizada no Jardim Aurélia, bairro de classe média, e matou a tiros a ex-mulher, o filho e outras dez pessoas que estavam no local. Sidnei de Araújo, de 46 anos, se matou na sequência com um tiro disparado de uma pistola 9 mm contra a própria cabeça. As demais vitimas morreram com tiros na região do peito e costas. Foram baleadas 15 pessoas de três famílias que estavam na casa para comemorar a virada do ano. Das quatro pessoas que foram resgatadas com vida da casa, uma morreu no Hospital das Clínicas da Unicamp e outras três permanecem internadas em outras unidades hospitalares. O estado de saúde dos sobreviventes é estável. Outras três pessoas saíram ilesas da chacina, –duas se esconderam em banheiros da casa, e a terceira, identificada como Aparecida Maria de Oliveira Batista, foi poupada pelo atirador. Ela segurava um bebê no colo e teria ouvido de Sidnei que "ela nunca havia feito nada contra ele". O crime ocorreu no final da noite de sábado (31), faltando poucos minutos para a virada do ano. O atirador chegou de carro, pulou o muro da casa e abriu fogo contra quem viu pela frente. O alvo principal era Isamar Filier, de 41 anos, sua ex-mulher, que também acabou sendo atingida e morta pelos disparos. Ela estava separada do atirador, que não aceitava o fim do casamento. Thiago Donato, de 17 anos, uma das pessoas que saíram ilesas da chacina, detalhou como o crime ocorreu. Donato disse que pensou, no início, que o barulho dos tiros eram fogos de artifício. Ele só percebeu que seus parentes estavam sendo mortos quando viu um tio caído no chão. Ele perdeu a avó e a mãe na chacina. O pai dele, Sandro Régis Donato, de 44 anos, segue hospitalizado em Campinas. Escondido no banheiro, ele conseguiu acionar a polícia por telefone e ouviu Sidnei ameaçar Isamar antes de matá-la. "Vou te matar. Você tirou meu filho", teria dito Sidnei. Donato também ouviu o desespero do filho do atirador diante da mãe que acabara de morrer: "Você matou a mamãe". Depois disso, complementou Donato, dois tiros foram ouvidos –possivelmente os disparos que mataram o menino, que tinha apenas oito anos. Donato ainda informou à polícia que o atirador travava uma batalha na Justiça pela guarda do filho. A separação do casal, segundo a testemunha, teria sido motivada por uma suspeita de que o atirador "havia abusado sexualmente do próprio filho". Além da pistola 9 mm, com um cartucho reserva, Sidnei carregava dez artefatos explosivos, que foram retirados da casa pelo Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais, da PM). Sidnei também deixou um áudio em um gravador onde se desculpava de "algo que poderia acontecer", além de insultar a ex-mulher. É bom lembrar que o povo brasileiro está impedido de ter arma e se defender por conta de iniciativas da esquerdalha e dos comuno-petistas. Se houvesse liberdade de porte de arma no País, talvez esta tragédia não tivesse ocorrido. O certo é que desarmar a população brasileira foi o maior erro já cometido em toda a história do País, tornou todo mundo inseguro e indefeso, o que é um crime gigantesco imperdoável.

Continua foragido o terrorista que atacou boate em Istambul e deixou 39 mortos

As autoridades da Turquia estão em busca do responsável por um tiroteio em uma casa noturna lotada em Istambul durante as comemorações de Ano Novo na madrugada deste domingo (1/1), matando ao menos 39 pessoas e ferindo cerca de outras 70, em um ataque terrorista. O terrorista, que se disfarçou com uma roupa de Papai Noel, carregava uma arma de cano longo e matou um policial e um civil na parte externa da popular casa noturna de Istambul, Reina, em volta da 1h15 da madrugada. Ele então entrou no local e começou a atirar nos clientes, de acordo com governador Vasip Sahin. O ministro do Interior, Suleyman Soylu, afirmou que o responsável ainda não foi identificado e está à solta. “Nossas forças de segurança iniciaram as operações necessárias”, disse. A ministra da Família e Políticas Sociais da Turquia, Fatma Betul Sayan Kaya afirmou que as vítimas são de diversas nacionalidades, incluindo Arábia Saudita, Marrocos, Líbano, Líbia e Israel, além de outros países. A ministra falou com a imprensa na parte externa de um hospital, após visitar feridos. O clube noturno Reina fica às margens do Bósforo. Havia cerca de 600 pessoas na casa, frequentada por celebridades e pela elite secular. Quatro dos 69 feridos estão em estado crítico. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, prometeu neste domino combater o terrorismo "até o fim". "Os terroristas agem para destruir a moral do país e para semear o caos, tomando deliberadamente como alvo a paz da nação e dos civis com esses ataques de ódio". Segundo a imprensa turca, uma das vítimas foi o segurança Fatih Çakmak, que havia sobrevivido ao atentado de 10 de dezembro contra um estádio de futebol, em que 45 pessoas morreram. Já havia expectativas de um ataque durante o Ano Novo. Diversos países europeus, como a Espanha, reforçaram medidas de segurança, proibindo a passagem de caminhões na região central. Segundo a mídia local, a Turquia teria sido avisada pelos EUA sobre planos de um atentado nesta noite. O próprio clube Reina teria reforçado sua segurança, segundo uma declaração do proprietário do estabelecimento, Mehmet Kocarslan. A Turquia, um membro da Otan (aliança militar ocidental), vive meses de instabilidade, que devem agora ser agravados por este ataque. Houve uma tentativa frustrada de golpe militar em julho, com mais de 270 mortos, além de uma série de ataques a cidades como Istambul e a a capital, Ancara. Alguns dos atentados foram reivindicados pela facção terrorista Estado Islâmico. Em 19 de dezembro, o embaixador russo na Turquia foi morto enquanto discursava em Ancara por um policial turco fora de serviço. A Turquia faz parte da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, realizando ataques contra seu território, o que pode ter motivado o atentado. O governo turco mediou, ademais, o cessar-fogo atualmente em vigor na Síria. Um grupo ligado ao Estado Islâmico divulgou, há alguns dias, uma mensagem pedindo ataques solitários a celebrações em massa, incluindo os clubes noturnos. 

Governo Temer dá prazo de mais quatro meses para dona do Galeão pagar dívida de aeroporto


O Ministério dos Transportes informou nesta semana ter aceito o pedido da concessionária do aeroporto do Galeão (RJ), a RioGaleão, e concedeu mais quatro meses para que ela resolva suas pendências e pague a parcela de R$ 1 bilhão de sua outorga, vencida em maio. Para fechar esse acordo, o consórcio se comprometeu a pagar R$ 120 milhões até sexta-feira (30) e mais R$ 37 milhões até o final de abril de 2017. É um negocinho assim..... estilo de pai para filho, ao gênero capitalismo páraestatal brasileiro. O ministério afirmou que sobre os valores não pagos incidirá multa de 2% e juros corrigidos pela Selic. O consórcio disse que segue em negociação com o governo para uma "reprogramação dos pagamentos anuais da outorga". Os atrasos são decorrentes da "imprevisível queda expressiva do PIB por dois anos seguidos, coincidindo com os anos de maior necessidade de caixa para investimento". Ainda segundo o consórcio, outro fator determinante é a não liberação do empréstimo de longo prazo pelo BNDES, o que afetou o fluxo de caixa previsto. O governo concordou com a proposta da RioGaleão porque a Odebrecht colocou à venda sua participação na concessionária, que enfrenta dificuldades para honrar seus compromissos com o governo. O principal problema é o empréstimo do BNDES que não saiu, principalmente devido ao envolvimento da empreiteira propineira na operação Lava Jato. Sem o financiamento, a RioGaleão não consegue se reestruturar e acertar um novo cronograma de pagamentos com o governo. Os R$ 37 milhões a serem pagos em abril sairão do caixa da própria concessionária e não dos acionistas, como estava previsto. Como é bom fazer negócio com o Estado no Brasil, Não tem coisa igual no mundo, nem negócio da China. 

Ex-presidente argentina Cristina Kircher é acusada de associação ilícita


A ex-presidente argentina Cristina Kirchner foi acusada nesta semana de associação ilícita e fraude ao outorgar obras de infraestrutura no valor de 2,20 bilhões de dólares a um empresário, em seu segundo processo deste ano. "O juiz Julián Ercolini processou a ex-presidente por associação ilícita e administração fraudulenta. Ordenou um congelamento de bens de 10 bilhões de pesos (o equivalente a US$ 630 milhões). Investiga-se o direcionamento de obras públicas viárias ao grupo Austral", noticiou o site CIJ, do Poder Judiciário argentino. O caso da peronista populista Cristina Kirchner, muito incompetente e chefe de governos tremendamente corruptos, soma-se ao de outros líderes de centro-esquerda da região, como o poderoso chefão da organização criminosa petista Lula e a mulher sapiens petista Dilma Rousseff. Cristina Kirchner reagiu no Twitter afirmando que "associação ilícita foi a figura penal criada pelos governos de fato e utilizada por todas as ditaduras para perseguir dirigentes opositores". A ex-mandatária argentina havia apresentado recentemente um documento a Ercolini para pedir a anulação do processo e ressaltar que se trata de "uma manobra formidável de perseguição política" e "um enorme disparate". Esse tipo de argumentação já está bem manjada no Brasil. Em 11 de novembro, uma corte de apelações tinha confirmado a acusação a Cristina Kirchner em outro caso pelo prejuízo ao Estado com operações cambiais do Banco Central. O tribunal convalidou nesta causa um embargo no valor de 1 milhão de dólares. A peronista populista muito incompetente Cristina Kirchner (2007-2015) é acusada de ter outorgado obras de infraestrutura em favor do empresário Lázaro Báez na província de Santa Cruz (Patagônia, sul). Ercolini também processou Báez e o ex-ministro de Planejamento, Julio de Vido. Báez está detido desde abril. "Não sou amiga, nem sócia comercial de Báez", declarou Cristina Kirchner em 31 de outubro ao sair do tribunal. Ela afirma que o governo de Mauricio Macri influencia um grupo de juízes para acusá-la e distrair a atenção da sociedade dos graves problemas sociais e econômicos, entre eles uma recessão, com uma queda de 2,4% do PIB ao longo deste ano, segundo o instituto oficial Indec. 

Israel ignora resolução da esquerdopata ONU e anuncia construção de novas casas em assentamento


O governo de Israel ignorou, com toda razão, a resolução criminosa do Conselho de Segurança da esquerdopata ONU e anunciou que seguirá em frente com a construção de milhares de casas novas em territórios reivindicados pelos árabes que se intitulam palestinos, algo que não existe, nunca existiu, mas que se arrogam direito à terra onde está instalado o Estado de Israel, a terra lendária, imemorial, dos judeus. A Prefeitura de Jerusalém sinalizou que pretende aprovar a construção de 600 casas na parte oriental da cidade, como parte inicial do que um funcionário descreveu como um plano de construção de 5,6 mil casas novas. Os líderes israelenses disseram não haver motivo para interromper as construções. A resolução do Conselho "é absurda e completamente distante da realidade", disse Oded Revivi, o principal enviado internacional do Conselho Yesha, que representa os colonos da Cisjordânia: "As políticas de construção de Israel são definidas em Jerusalém, não Nova York". Autoridades de Israel acusam a equipe do muçulmano Barack Obama de emboscá-los nas Nações Unidas. Embora a Casa Branca negue, israelenses mencionaram um encontro entre o secretário de Estado, John Kerry, e seu colega neozelandês, um mês antes da votação, para discutir uma solução para o conflito entre Israel e Palestina. A Nova Zelândia foi um dos proponentes da resolução traiçoeira da esquerdopata ONU. Ron Dermer, embaixador de Israel nos EUA, disse que seu país dispunha de outras informações, não públicas, de envolvimento da parte do governo do muçulmano Barack Obama, e disse que elas serão fornecidas ao governo Trump quando o republicano assumir. "Eles não só não impediram a resolução como estiveram por trás dela desde o começo", disse Dermer: "É por isso que o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu está tão irritado".

Camaro atropela, mata e mutila gaúchos na praia dos Ingleses, em Florianópolis


Nilandre Lodi, uma das três pessoas atropeladas por um Camaro na madrugada de Réveillon na praia dos Ingleses, norte da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis, precisou amputar as duas pernas. Ele passou por cirurgia no Hospital Celso Ramos. Os membros foram cortados acima do joelho. A esposa dele, Cristiane Flores, morreu no acidente. Gean Mattos, amigo do casal, está em coma induzido no Hospital Regional de Florianópolis. O motorista ainda não foi identificado e está foragido. Ele fugiu sem prestar socorro às vítimas. Por volta das 3 horas, o Camaro com placas de Sapiranga (RS) invadiu a calçada em frente à loja RMS Auto Som, na rodovia Armando Cali Bulos. Nilandre é proprietário do estabelecimento, e a casa da família fica no mesmo local. O casal era de Passo Fundo (RS) e estava junto há 8 anos, três deles morando em Florianópolis. As vítimas voltavam para casa, após passar o Réveillon na praia. Lá estavam os dois filhos do casal, uma adolescente de 13 anos e um menino de 5, além de outros parentes que vieram passar o ano novo no norte da Ilha.

Cristiane e Nilandre estavam juntos há 8 anos, três deles morando em Florianópolis
Conforme testemunhas, o motorista bateu em uma camionete estacionada e depois foi parar na calçada, onde ainda colidiu com uma banca de sorvetes, um trailer e quebrou um muro. A parte de frente do Camaro ficou completamente destruída. A polícia tem dois suspeitos do crime. Dentro do carro foram encontrados documentos de três pessoas diferentes, por isso ainda não há como precisar quem estava dirigindo. Possivelmente tinham mais pessoas dentro do veículo. Como o comércio está fechado, a polícia só vai ter acesso às câmeras de segurança nesta segunda-feira. O delegado investiga se o motorista estava alcoolizado ou se estavam fazendo algum racha na região.

Dívida pública bruta nacional rompe a barreira de 70% do PIB

Pela primeira vez, a dívida bruta do governo federal rompeu a barreira dos 70% do PIB, em novembro. O indicador se comportou de maneira praticamente estável entre 2006, quando estava na faixa de 55,5%, e 2014, quando fechou até em nível inferior, de 52,8%. Chegou a ameaçar cruzar a fronteira dos 60% no difícil 2009, quando terminou em 59,2%. Mas disparou, mesmo, ao longo de 2015. 

A relação dívida/PIB, usual forma de medir o tamanho do problema de endividamento público, cresceu sete pontos percentuais no ano passado e, neste ano, até novembro, mais quatro. E exatamente por ser medida por meio da relação com o PIB, a disparada da dívida tem dois motores. Um é a necessidade de emissão de títulos (aumento direto no endividamento) para cobrir o gigantesco déficit estimado em R$ 167 bilhões neste ano – e ainda tem quem festeje o fato de ter ficado abaixo da "meta" de R$ 170,5 bilhões. Outro é a queda do PIB nos últimos dois anos, que reduz o parâmetro de comparação, logo infla o indicador. A recessão acumulada entre 2015 e 2016 deve resultar em um mergulho superior a 8%. É sobre esse PIB encolhido que cresce a proporção da dívida. A projeção é de que a próxima fronteira será a dos 80%.