terça-feira, 29 de novembro de 2016

Avião Avro caiu e matou o time da Chapecoense porque tinha pouco combustível e foi obrigado a voar em círculo

Combustível insuficiente e a necessidade de aguardar no ar muito próximo à rota de um avião que desistiu de ir para o Caribe e precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto de Medellín. Essa combinação de fatores é apontada pelo ex-comandante Carlos Camacho, especialista em desastres aéreos, como causa do acidente que matou 71 pessoas – da comitiva da Chapecoense, jornalistas e tripulação – na madrugada desta terça-feira, na Colômbia. Imagens do radar mostram o momento exato em que o avião da empresa Viva Colômbia, que voava de Bogotá, na Colômbia, para San Andres, no Caribe, se prepara para virar à esquerda e seguir rumo a um pouso forçado no Aeroporto Internacional José Maria Córdova, para onde se dirigia o avião da Chapecoense. No mesmo instante, o avião com a equipe catarinense desviava da rota original e iniciava uma descida em órbita, possivelmente para aguardar o avião da Viva Colômbia concluir o pouso, antes de também seguir para o aeroporto, afirma Camacho. Segundo o histórico registrado pelo site Flight Radar, a aeronave HK 5051, um Airbus A320-214 da empresa Viva Colômbia, decolou às 23h27min (horário de Brasília) em direção à ilha caribenha de San Andres. O vôo transcorria com normalidade quando às 00:11, dois minutos após cruzar a fronteira da Colômbia com o Panamá, o piloto faz uma manobra à direita e retorna a aeronave em direção a Colômbia, rumo ao aeroporto da região metropolitana de Medellín. À 0h45min, a aeronave da Viva Colombia se aproxima do aeroporto para fazer uma curva à esquerda e seguir para o pouso. Neste exato momento, o avião trafegava a 3.559 metros de altitude e 474 Km/h. É nessa hora que o avião da Chapecoense, que vinha reduzindo a altitude em preparação para o pouso, interrompe a trajetória normal e faz uma leve curva à esquerda, seguida de outra mais fechada à esquerda, num movimento em órbita para diminuir altitude. Quando o avião da Viva Colômbia conclui o procedimento de pouso, à 0h52min, a aeronave que trazia o time catarinense concluía a segunda volta no ar e se preparava para seguir rumo ao aeroporto. Três minutos mais tarde, o sinal do avião da Chapecoense deixou de ser avistado. Para Camacho, os dados do radar coincidem com o momento em que a aeronave colombiana havia declarado emergência à torre de controle do aeroporto de Medellín. Os horários exatos ainda não foram divulgados, mas segundo a imprensa colombiana, em instantes muito próximos o comandante do avião que levava o time da Chapecoense também havia solicitado prioridade no pouso por "problemas elétricos". Camacho afirma com "90% de probabilidade" que o acidente foi provocado por erro de cálculo do piloto, já que a aeronave não tinha autonomia de vôo para percorrer, sem parar para abastecer, os cerca de 2.984 quilômetros de distância entre os aeroportos de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, de onde partiu o avião da Chapecoense, e o aeroporto de Medellín, onde faria a aterrissagem em cerca de seis minutos, caso a rota não precisasse ser alterada devido à emergência do Airbus da Viva Colômbia. Segundo o site da fabricante da aeronave Avro RJ 85, que levava a equipe catarinense, a autonomia de vôo com o máximo de combustível é de até 2.965 quilômetros. 

Pilotos colombianos dizem que comandante do vôo revelou ter pouco combustível


A hipótese de falta de combustível como provável causa do acidente que vitimou o elenco da Chapecoense nesta terça-feira, em Medellín, ganha força. De acordo com a Rádio Caracol, da cidade colombiana, dois pilotos que pousavam no Aeroporto José María Córdova no mesmo momento revelaram, em conversa com repórteres, que o comandante do vôo fretado da Chapecoense alegou estar com pouco combustível. Segundo o diálogo reproduzido pela rádio, os problemas de pane seca "ficaram claros" assim que o pedido de prioridade para pouso foi feito. "Eles chegaram ao limite e não podiam demorar para pousar nem um pouco mais. A torre os colocou a suspender a rota normal de pouso a 21 mil pés. Eu vinha a 19 mil pés, e outro avião estava a 14 mil. O piloto da Chapecoense perguntou se eu ia demorar e dois minutos depois avisou que estava com problemas de combustível. Em seguida, pediu, desesperado, que nós os deixássemos passar", explicou o piloto. A torre de controle de Medellín recebeu o pedido de emergência e autorizou o pouso imediato, mas foi tarde. "Eles passaram o vôo para a frente, e o piloto disse que estava com total falha elétrica. Ele estava a 9 mil pés quando passou Rio Negro, sendo que deveria estar a 10 mil pés. Quando declarou emergência, era muito tarde. Deveria ter parado em Bogotá, mas preferiu ir direto a Medellín", lamentou o comandante ouvido pela rádio.

Editais para concessão de quatro aeroportos devem ser lançados amanhã

O secretário executivo do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), Moreira Franco, disse hoje (29) que os editais para a concessão dos aeroportos de Porto Alegre, Salvador, Florianópolis e Fortaleza à iniciativa privada devem ser lançados amanhã (30). A previsão do governo é que o leilão ocorra no primeiro trimestre do ano que vem. A concessão dos aeroportos faz parte do pacote de 34 projetos lançado pelo governo em setembro. “Com isso estamos efetivamente construindo um caminho que permitirá que o País possa conviver novamente com crescimento e geração de empregos”, disse Moreira Franco, durante cerimônia de sanção da lei que flexibiliza a operação e novos investimentos no pré-sal. Ele lembrou também que hoje foram lançados editais para a concessão de terminais no porto de Santarém (PA). Moreira Franco disse também que o governo espera sucesso no leilão da distribuidora de energia Celg-D, de Goiás, marcado para amanhã. Ontem (28), o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que o leilão já havia recebido pelo menos uma proposta. A licitação estava marcada inicialmente para agosto, mas foi adiada porque não recebeu propostas de interessados.

Temer sanciona lei que retira obrigação da Petrobras no pré-sal


O presidente Michel Temer sancionou nesta terça-feira a lei que retira a obrigação da Petrobras em investir em todos os campos de petróleo do pré-sal. Ele afirmou que possibilitar a entrada de mais empresas na exploração dos campos, é um “ato de benefício ao Brasil”. “Estamos também ampliando a margem de empregos”, defendeu. Para Temer, a nova lei é reativa e dá novo impulso ao setor. “Era exagerado que a Petrobras tivesse que participar de todos os empreendimentos. A Petrobras é uma empresa que visa sua prosperidade econômica. Não haveria razão para obrigá-la a essa participação”, afirmou, na cerimônia de sanção da lei que flexibiliza a operação e novos investimentos na província petrolífera do pré-sal. A lei amplia a participação privada na exploração do pré-sal e retira a obrigação da Petrobras em ter que investir em todos os campos de petróleo. Temer pediu aplausos ao presidente da Petrobras, Pedro Parente, e afirmou que hoje a estatal é uma empresa ajustada. “Hoje a Petrobras tem um valor do mercado 145% maior do que cinco, seis meses atrás. Tenho certeza de que gerações futuras reconhecerão momentos como este”, completou. Para o presidente, o que o governo precisa agora é “ter coragem”. “Coragem ancorada no bom-senso é que nos permite levar adiante diversos projetos. Estamos construindo um Brasil onde os recursos naturais estão sendo colocados efetivamente para o bem-estar do povo brasileiro”, concluiu. O secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Wellington Moreira Franco, avaliou no mesmo evento que a nova lei de exploração do pré-sal protege a Petrobras. “A empresa não terá mais que abandonar seu plano de negócios para entrar em aventuras”, considerou. Moreira disse ainda que a nova lei ajuda não só o setor de óleo e gás, como o País como um todo. “As lideranças do setor mostravam que andávamos por um caminho perigoso, do ponto de vista administrativo, na medida em que se substituía a aritmética pela ideologia. Perigoso também porque se colocava em xeque um dos setores que mais contribuem para o PIB brasileiro”, criticou. Segundo Moreira, a ampliação de investimentos num curto prazo com a “nova jornada de leilões” já anunciados do Programa de Concessões irá gerar confiança na economia, na medida em que o governo restabelece a transparência no setor de infraestrutura. “Isso certamente vai refletir em outros programas e outras concessões”, afirmou. Moreira lembrou que os editais para o leilão de quatro aeroportos serão lançados nesta quarta-feira, 30, e citou que editais para terminais do porto de Santarém foram publicados hoje. “Amanhã também teremos sucesso no leilão da Celg”, completou, referindo-se à distribuidora de energia de Goiás. Ainda no mesmo evento, o ministro de Minas e Energia (MME), Fernando Coelho Filho, destacou que a nova lei do pré-sal dará à Petrobras o direito de escolher realizar apenas os investimentos que fazem sentido econômico para a estatal. “Essa iniciativa dá oportunidade às empresas brasileiras em dividirem riqueza extraordinária que é o subsolo do pré-sal. Preservar interesses da Petrobras é dar a ela o direito de escolher visando seus melhores interesses econômicos”, afirmou. O ministro citou que a lei das estatais teve seu efeito sentido no MME, uma vez que as empresas do setor tiveram maiores elevações na bolsa. O governo considera o projeto importante para dar um sinal para os investidores estrangeiros, em momento de crise política no qual o País precisa se vender e atrair capital. “Estamos criando um ambiente propício para que os leilões de pré-sal do ano que vem sejam bem sucedidos”, completou. Para Coelho Filho, a nova regulamentação do setor não prejudica as empresas brasileiras, pelo contrário, possibilita que as companhias que já são fornecedoras da Petrobras possam continuam participando da exploração do pré-sal. Pela legislação atual, a Petrobras atua como operadora única dos campos de pré-sal, com uma participação mínima de 30% nos consórcios. O novo texto, que foi apoiado pelo governo e pela atual diretoria da Petrobras, prevê que a estatal tenha o direito de escolher em quais campos de petróleo do pré-sal irá investir. Com isso, a empresa passar a ter o direito de abrir mão de campos que não julgar interessantes economicamente.

Funcionário da Inteligência alemã é detido por planejar atentado


Um funcionário do Serviço de Inteligência da Alemanha foi detido nesta terça-feira, suspeito de preparar um atentado islamita contra a sede da agência em Colônia. Segundo a revista Der Spiegel e o jornal Die Welt, o detido é um cidadão nativo alemão de 51 anos, que confessou suas intenções. O funcionário usava seu acesso ao sistema do Gabinete de Defesa da Constituição, a cargo da Inteligência doméstica, para reunir informações sigilosas e planejar um atentado com explosivos contra a sede. Além disso, o homem é acusado de divulgar as informações na internet usando um pseudônimo. “Ele é acusado de ter espalhado, com um nome falso, ideias islamitas na internet e de ter oferecido informações internas na internet”, confirmou uma porta-voz do Gabinete. Segundo a Der Spiegel, o homem admitiu os fatos e teria mencionado projetos de atentados que seriam cometidos “em nome de Alá”. Ainda de acordo com a revista, o suspeito teria sido descoberto há aproximadamente um mês, quando passou a ser monitorado. O suspeito estava planejando o ataque e recolhendo as informações sigilosas do Gabinete desde abril deste ano. Conversas em chats online entre o suspeito e outros radicais islâmicos foram encontradas pela procuradoria de Düsseldorf, encarregada da investigação. Nas mensagens, o alemão tentava convencer os terroristas a entrarem para os serviços de Inteligência para planejarem um atentado contra os “não crentes”. O homem, cuja identidade não foi revelada, era encarregado de vigiar os meios islamitas alemães na agência. Segundo o Gabinete, citado pela Der Spiegel, durante sua contratação não foi detectado nenhum elemento suspeito.

Pedido de Emergência de um Airbus A320 pode ter forçado voltas do desastrado avião Avro que matou o time da Chapecoense


A declaração do estado de emergência em uma aeronave Airbus sobre Medellín logo antes da queda do avião da Chapecoense pode ajudar a explicar o acidente que matou 71, na madrugada desta terça-feira (29). Instantes antes da queda da aeronave Avro RJ85 que transportava o time da Chapecoense, um Airbus da Viva Colômbia havia declarado emergência em seu vôo, segundo a associação de aviadores civis da Colômbia, e solicitado para a torre de Medellín a prioridade para descer no aeroporto da cidade. O avião da empresa colombiana havia saído da capital Bogotá em direção a San Andres, uma ilha no Caribe. Não se sabe ainda o motivo que fez a tripulação desviar a rota e pousar em Medellín. A empresa nega o pedido de emergência, mas disse que o piloto desceu primeiro por ordem dos controladores de vôo do aeroporto colombiano. O Airbus conseguiu pousar em segurança, mas pode ter ajudado a forçar que o avião da Chapecoense rodasse no entorno de Medellín à espera de autorização para o pouso. O sistema de monitoramento FlightRadar mostra que as duas aeronaves passaram praticamente pelo mesmo ponto em um mesmo horário. A simples espera do avião da Chapecoense em pleno vôo por si só não é perigoso. Existem procedimentos padrões para que uma aeronave voe em círculos enquanto aguarda liberação da pista. Segundo o FlightRadar, o piloto que levava o time brasileiro cumpriu este procedimento, mas inexplicavelmente, perdeu altitude e caiu em uma área montanhosa. No meio da aviação especula-se se a capacidade de combustível da aeronave era suficiente para cumprir o trajeto entre Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia. Informações ainda preliminares apontam que os tanques de combustível da aeronave dão conta para uma viagem entre as duas cidades sem muita folga. Ou seja, é possível que a aeronave tenha tido problemas com a quantidade de combustível. As verdadeiras causas do acidente devem ser conhecidas após o fim das investigações, que podem durar meses. O acidente ocorreu quando a aeronave se aproximava de Medellín, no noroeste da Colômbia. Segundo o aeroporto José María Córdova, na cidade de Rio Negro, onde a aeronave iria pousar, o acidente ocorreu em Cerro Gordo, no departamento de Antioquia. "Parece que o avião ficou sem combustível", disse Elkin Ospina, prefeito da cidade de La Ceja, vizinho do local do acidente. 

Vale prevê reduzir investimentos para US$ 4,5 bilhões em 2017


A mineradora Vale estima investir US$ 4,5 bilhões em 2017, ante US$ 5,6 bilhões em 2016, de acordo com apresentação realizada por executivos da companhia brasileira na Bolsa de Nova York nesta terça-feira (29). Em 2018, a empresa também prevê investir US$ 4,5 bilhões. Os aportes da companhia cairiam novamente em 2019, para US$ 4 bilhões, e seguiriam nessa trajetória nos anos seguintes, com investimentos estimados de US$ 3,2 bilhões em 2020 e US$ 2,9 bilhões em 2021. A mineradora, a maior produtora de minério de ferro do mundo, também planeja focar ações estratégicas para melhorar a recuperação de minério e os preços de realização, como forma de impulsionar a rentabilidade nos próximos anos. A Vale anunciará em breve o fechamento de vários desinvestimentos, visando ajudar a companhia a reduzir a dívida líquida nos próximos anos, disse o presidente-executivo da empresa, Murilo Ferreira, no evento anual com os investidores da empresa em Nova York. A empresa também pretende elevar sua produção de minério de ferro para uma faixa entre 360 milhões e 380 milhões de toneladas em 2017, ante 340 milhões a 350 milhões em 2016. A produção deverá subir também em 2018 e 2019, estacionando na faixa de 400 milhões a 450 milhões de toneladas anuais em 2020 e 2021, segundo a apresentação.

Mortadeleiros promovem baderna e confronto com a polícia na frente do Congresso Nacional


Terminou em confronto nesta terça-feira um protesto convocado pela UNE, representantes da CUT, organização terrorista clandestina MST, organizações ligadas às universidades federais e grupos indígenas contra o governo Michel Temer e a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição 55, que impõe limite aos gastos públicos. Manifestantes viraram dois carros – um deles, da emissora Record – e atiraram garrafas contra os policiais, que reagiram com bombas de efeito moral e balas de borracha. Dispersado, o grupo saiu da frente do Congresso em direção à Esplanada dos Ministérios, onde a confusão continua. O som das bombas de efeito moral se espalha pela região. No momento, os parlamentares petistas Pepe Vargas (RS) e Henrique Fontana (RS) se dirigiram ao local. O ato chegou a reunir 10.000 pessoas, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal. Estudantes num gigante lençol branco iniciaram a manifestação batizada de “Mar de Gente”. Havia ao todo 192 estudantes universitários, a maioria da UFMG. Ou seja, um grupelho insignificante. No grupo estavam também integrantes da UnB. As polícias Legislativa e Militar formam um cordão de isolamento em frente ao Congresso.

Estado Islâmico diz que autor de ataque em Ohio era 'soldado do grupo'

 

A agência de notícias do Estado Islâmico disse que o estudante que feriu 11 pessoas na Universidade de Ohio pertencia ao grupo. "Um soldado do Estado Islâmico realizou o ataque no estado de Ohio e realizou a operação atendendo a um chamado para atacar cidadãos dos países que fazem parte da coalizão internacional", reportou a agência Amaq, segundo uma tradução feita pelo grupo de monitoramento SITE. Identificado como um estudante universitário somali chamado Abdul Razak Ali Artan, o autor do ataque foi morto a tiros pela polícia depois do ataque, na segunda-feira. Imigrante somali, Artan atropelou pedestres na universidade e esfaqueou outros com uma faca de açougueiro. Ele pode ter seguido o mesmo caminho para a auto-radicalização de militantes conhecidos como "lobos solitários", informaram nesta terça-feira autoridades americanas. Investigadores pesquisam os antecedentes de Abdul Razak Ali Artan um dia depois que feriu 11 pessoas no ataque no campus de Columbus, onde ele era um estudante. Ele foi morto a tiros mais tarde por um policial. A polícia não deu nenhum motivo para o ataque. Até agora, os investigadores não encontraram nenhuma evidência forte ligando Artan a outros indivíduos ou grupos militantes conhecidos. As ações de Artan se encaixam no padrão dos chamados militantes "lobos solitários" que realizaram ataques nos Estados Unidos, como o atirador que matou 49 pessoas em uma boate em Orlando, na Flórida, em junho, e o homem que matou quatro fuzileiros navais e um marinheiro em um tiroteio em Chattanooga, no Tennessee, no ano passado, informaram as autoridades. Os atiradores nesses dois ataques eram muçulmanos que se radicalizaram e foram mortos pela polícia. Os investigadores estavam pesquisando uma mensagem que teria sido publicada no Facebook por Artan, que continha declarações sobre estar "doente e cansado" de ver os muçulmanos mortos e estar atingindo um "ponto de ebulição", disse uma fonte policial. Artan, que nasceu na Somália, era um residente permanente legal americano que chegou ao País em 2014, disse um funcionário federal, que pediu para não ser identificado. Os investigadores acreditam que Artan, de 20 anos, pode ter vivido por sete anos no Paquistão, informou uma autoridade federal que também se recusou a ser identificado por causa da investigação em curso. Os refugiados somalis passam algum tempo no Paquistão antes de vir para os Estados Unidos, disse uma outra autoridade. Mesmo enquanto examinavam a investida da Universidade Estadual de Ohio como um possível ataque de lobo solitário, os investigadores tentavam reunir uma imagem completa dos associados de Artan e suas atividades recentes, de acordo com autoridades federais. Duas pessoas continuam internadas no Centro Médico Wexner da Universidade de Ohio, disse uma porta-voz nesta terça-feira. Outras duas estavam no Riverside Methodist Hospital, de acordo com um porta-voz. Nenhuma das vítimas tem ferimentos que ameaçam a vida. Sete pessoas tiveram alta. O ataque atingiu estudantes na universidade pública do estado, que havia sido colocada sob um alerta no campus, enquanto as pessoas formavam barricadas nos quartos e a polícia com rifles procurava um segundo suspeito possível. Membros da comunidade somali de Columbus denunciaram o ataque. O governador de Ohio, John Kasich, e outras autoridades elogiaram a polícia do estado de Ohio por reagir rapidamente à fúria.

A única comissária de bordo que sobreviveu à queda do avião


Ximena Suárez Otterburg, comissária de bordo da companhia aérea LaMia, foi a única mulher que sobreviveu à queda do avião que transportava a equipe da Chapecoense nesta terça-feira (29). Setenta e cinco pessoas morreram e apenas seis sobreviveram. Além da boliviana de 27 anos, só um membro da tripulação está entre os sobreviventes. Residente de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia (cidade de origem do voo), Ximena sofreu múltiplas fraturas nas pernas, braços e colo, mas seu quadro é estável. Sua mãe, Sara Otterburg, viajará nesta noite a Medellín para encontrar-se com a filha, que deve deixar a UTI no fim da tarde. Ximena, que namora desde agosto com o piloto peruano Raul Lopez, recebeu diversas mensagens carinhosas de conhecidos e desconhecidos em seu Facebook comemorando o milagre.

Piloto do Avro desastrado da Chapecoense era genro de senador boliviano asilado no Brasil


O capitão Miguel Quiroga, que pilotava o avião que caiu na madrugada desta terça-feira na Colômbia, matando 75 pessoas, era genro do ex-senador boliviano Roger Pinto, asilado no Brasil desde 2013. Quiroga era um ex-oficial da Força Aérea Boliviana (FAB) e casado com uma das filhas do ex-senador. “Sempre viveu conosco, era um rapaz brilhante, mais um filho, um amigo”, disse Roger Pinto, com a voz embargada, ao falar sobre o marido da filha Daniela, com quem tinha um filho de 13 anos e duas filhas, de 9 e de três meses. A família do ex-senador vive no Brasil desde que ele saiu da Bolívia em 2013, em consequência de perseguição política movida pelo ditador índio cocaleiro trotskista Evo Morales, por ter denunciado supostos atos de corrupção em seu governo. O político chegou ao Brasil em agosto de 2013 após ficar um ano e meio refugiado na embaixada brasileira em La Paz e o conseguiu apoio de membros da delegação diplomática, que o ajudaram a cruzar a fronteira.

Encontradas as caixas-pretas do Avro desastrado que matou o time da Chapecoense na Colômbia


A Aeronáutica Civil da Colômbia encontrou na tarde desta terça-feira as duas caixas-pretas do avião Avro desastrado que matou o time da Chapecoense, que caiu na região de Medellín, No total, 75 pessoas morreram e seis sobreviveram. Os equipamentos registram dados do vôo e de voz do comandante e co-piloto e costumam ser cruciais para desvendar causas de acidentes aéreos, caso estejam preservadas e funcionando. A informação é de Alfredo Bocanegra Varón, diretor da Aerocivil que coordena o resgate e as investigações no cerro El Gordo, município de La Unión, em Antioquia. A Força Aérea da Colômbia, bem como outros órgãos de segurança aérea e resgate trabalham retroescavadeiras, ambulâncias e helicópteros no local. Ao todo, os cerca de 150 socorristas já removeram do local 72 corpos dos 75 mortos no acidente. Os seis sobreviventes – jogadores da Chapecoense, tripulantes e um jornalista – foram encontrados no terreno ao redor dos destroços. Eles passaram por atendimento em hospitais da região. Os corpos foram encaminhados para uma base da Força Aérea e depois para o Instituto Médico Legal de Medellín, capital da Antioquia. Do Brasil, parte um vôo da Força Aérea Brasileira nesta terça-feira com peritos da Polícia Federal e investigadores do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), servidores dos ministérios da Saúde, Itamaraty e do Esporte. Eles vão auxiliar na apuração das causas do acidente, perícia do local e reconhecimento dos corpos, além de prestar apoio à vítimas e familiares.

Facebook é o novo termômetro eleitoral


Num ano em que pesquisas eleitorais erraram resultados no Brasil e nos Estados Unidos, o Facebook desponta como um novo -e importante – termômetro para os políticos. Um estudo realizado pela consultoria Medialogue Digital analisou o papel da rede social durante o segundo turno do estado de São Paulo. Os vencedores tinham mais fãs no Facebook, e seus seguidores demonstraram mais engajamento. Isto é, postavam comentários e distribuíam curtidas mais vezes. Os 26 candidatos do segundo turno de São Paulo receberam 3,4 milhões de votos, reuniram quase 800 mil fãs no Facebook
e fizeram 2,3 mil postagens durante a campanha. Em 69% das cidades analisadas os candidatos vencedores tinham mais fãs no Facebook do que seu oponente. Já a média de engajamento, por sua vez, manteve-se em 10%. Um índice considerado alto. Na página do presidente Michel Temer, por exemplo, ela está em 6%, enquanto que na do ex-presidente Lula não ultrapassa os 3%.

Enrolado com a Polícia Federal, homem forte de Geddel na Secretaria de Governo pede o boné


Um dos homens de confiança de Geddel Vieira Lima na Secretaria de Governo, Leonardo Américo Silveira de Oliveira foi exonerado ontem, “a pedido”, segundo o Diário Oficial. Não faltavam motivos para ele deixar a cadeira de Subchefe de Assuntos Federativos da secretaria. Sua situação é pior que a do ex-chefe. Além de ver seu padrinho deixar o Palácio do Planalto pela porta do fundos, Oliveira está todo enrolado com a Polícia Federal. Ele foi alvo de buscas e e condução coercitiva na sexta-feira, durante a Operação Vigilante, que investiga um esquema de desvio de dinheiro do transporte escolar na Bahia.

Garotinho entra com representação no CNJ contra juiz que o prendeu


O ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, apresentou reclamação disciplinar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Zona Eleitoral de Campos de Goytacazes. Ele acusa o magistrado de ferir o princípio constitucional de respeito à dignidade da pessoa humana. O juiz foi o responsável pela prisão preventiva do ex-governador e deu ordens para transferir Garotinho do Hospital Souza Aguiar para a UPA do presídio de Bangu. Garotinho foi transferido, mas logo depois, por decisão do TSE, acabou enviado ao hospital Quinta D´Or, na Zona Norte do Rio, onde realizou cirurgia cardíaca para colocação de stent.

Sem dinheiro, órgão responsável por portos do Rio proíbe férias de funcionários


A situação financeira dos cofres fluminenses é tão grave que a Companhia Docas do Rio de Janeiro proibiu seus funcionários de tirarem férias nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2017. Assinada pelo diretor do órgão estadual, Hideraldo Mouta, o aviso foi enviado aos funcionários nesta segunda-feira (28). O documento diz que a decisão foi tomada devido aos custos das férias projetadas para os três primeiros meses de 2017.

Sobreviventes estavam fora da fuselagem de avião da Chapecoense


Os seis sobreviventes do acidente aéreo que matou a delegação da Chapecoense na região de Medellín, na Colômbia, foram encontrados pela equipe de resgate fora da fuselagem do avião. A informação foi confirmada pela equipe da Aeronáutica Civil (Aerocivil) colombiana, responsável pelo comando das investigações, e que está no local. Segundo o presidente colombiano Juan Manuel Santos, dois estão em estado grave. Na parte da fuselagem mais preservada após o impacto no solo foram encontrados 70% dos corpos. Os outros 30% dos passageiros e tripulantes, entre eles os sobreviventes, estavam no terreno ao redor, o que sugere que teriam sido arremessados. Os destroços ficaram espalhados num raio de cerca de 500 metros, e a caixa-preta ainda não foi localizada. Segundo a Unidade Nacional para Gestão de Risco de Desastres, já foram resgatados mais de 50 corpos da zona de impacto. O avião caiu no Cerro Gordo, uma região montanhosa de clima frio, no Estado de Antioquia, onde se cultivam flores para exportação e o mercado interno da Colômbia. O local fica entre os municípios de La Ceja e La Unión, a cerca de 40 quilômetros de Medellín. O avião da Lamia, empresa de origem venezuelana que operava da Bolívia, havia sido fretado pela Chapecoense para levar a equipe e jornalistas de Santa Cruz de La Sierra a Medellín. O modelo britânico Avro RJ85, de matrícula CP2933, transportava 81 passageiros, dos quais 75 morreram. A aeronave tinha mais de dezessete anos de uso. A principal hipótese é de pane elétrica. A 40 quilômetros de distância do aeroporto de destino final era possível ver a olho nú a cidade de Medellin. 

Avião desastrado que transportava time da Chapecoense é inglês e deixou de ser fabricado em 2001


O único avião da companhia aérea boliviana Lamia, que transportava a delegação da Chapecoense, foi um dos principais jatos regionais das décadas de 80 e 90, mas já não era produzido desde 2002. De origem britânica, o Avro RJ85 nasceu como British Aerospace 146 e tinha uma configuração original, com asas altas e quatro pequenos motores turbofans sob as asas, além de capacidade para transportar de 70 a até mais de 100 passageiros. Um dos seus diferenciais é justamente operar em pistas curtas, característica necessária em regiões com pouca infraestrutura aeroportuária ou mesmo montanhosa como o local da queda do avião. O exemplar que levava o time brasileiro para Medellín, na Colômbia, foi fabricado em 1999 e entregue originalmente para a companhia regional americana Mesaba. Em 2007 foi repassado para a empresa irlandesa CityJet e chegou a voar com as cores da Air France. Em 2013, foi comprado pela Lamia para operar na Venezuela. No ano passado, ele passou a voar na Bolívia. Durante os 23 anos de produção foram fabricados 387 unidades do quadrirreator, mas a linha de montagem foi encerrada em 2001, época em que novos jatos como o brasileiro E190, mais econômicos e modernos, tornaram o modelo inglês caro de operar. No Brasil, inclusive, o jato chegou a voar logo no início da carreira, na extinha companhia regional Taba, que operava na região amazônica, mas sofreu pelo calor e umidade do local e logo foi devolvido. No começo dos anos 90, a companhia Air Brasil, do grupo mineiro Líder Aviação, chegou a trazer ao País dois exemplares para início de operação, porém, o projeto acabou cancelado antes de chegar ao mercado.


A tripulação da companhia Lamia era de origem venezuelana. O Avro RJ85 não tinha um acidente fatal desde 2002, segundo o site Aviation Safety, sobre segurança aérea, mas a versão anterior, BAe 146, registrou três acidentes nos últimos três anos, com companhias do Leste Europeu e também na África. No total, há registro de 17 acidentes fatais.


A companhia Lamia surgiu na Venezuela em 2013 e operou uma pequena frota de aviões regionais até deixar de voar. No ano passado, ressurgiu na Bolívia apenas com o RJ85 de prefixo cP-2933 acidentado na noite do dia 28 de novembro. (Airway)

Só seis sobrevivem ao desastre do vôo que dizimou o time da Chapecoense


Apenas três jogadores da Chapecoense que estavam no avião em que viajava o time catarinense sobreviveram: Alan Ruschel, lateral do time; Jackson Follman, goleiro; e Hélio Neto, zagueiro. O acidente deixou mais de 70 mortos. A Cruz Vermelha e a imprensa colombiana confirmaram que o goleiro Danilo não resistiu aos ferimentos. Ele estava na lista dos passageiros resgatados com vida após a tragédia. A comissária de bordo Ximena Suárez, o jornalista brasileiro Rafael Henzel e o técnico da aeronave Erwin Tumiri também foram achados vivos. A maioria dos sobreviventes está hospitalizada em estado grave. Segundo a W Radio da Colômbia, o jogador Alan Ruschel teve uma ferida na cabeça e outra no braço e está no hospital San Juan de Deus. O seu estado de saúde é estável e ele deverá passar por novos exames. Já o zagueiro Neto está em estado grave, de acordo com os médicos; o goleiro Jackson Follmann está no hospital San Vicente Rionegro com fratura de membros superiores e teve uma das pernas amputadas. Já o jornalista Rafael Henzel teve fratura na costela e trauma no tórax; e a comissária Ximena Suarez sofreu fraturas múltiplas e está na Clínica Somet. Não há informações sobre o estado de saúde do técnico Erwin Tumiri. Henzel publicou em seu Facebook uma foto do momento em que os jogadores da Chapecoense se preparavam para decolar, já dentro do avião. E, também, registrou uma mensagem de Neto para os torcedores da Chapecoense no aeroporto de Guarulhos. Segundo a rede de TV colombiana “Teleantioquia” ele foi levado para o Hospital San Juan de Dios, mas não há informações sobre seu estado de saúde. 

Internet marrom

O site Catraca Livre tentou explorar a tragédia da Chapecoense e se deu mal. O reaconaria.org explicou: "O site de extrema-esquerda Catraca Livre, patrocinado pelo Itaú, Magazine Luiza, Porto Seguro, Ambev, Sesi e Sesc, tirou a triste manhã desta terça-feira 29 de novembro para explorar a tragédia aérea que vitimou a equipe da Chapecoense. Xingado até por seus leitores, o site tentou se explicar e gerou ainda mais revolta por não ter pedido desculpas, mas afirmando que fez o certo na exploração". A internet produz monstruosidades. Mas produz também anticorpos. (O Antagonista)


Fox Sports lamenta a morte de uma equipe inteira no desastre da Chapecoense, Mário Sérgio entre os mortos


A FOX Sports emitiu um comunicado, no início da tarde desta terça-feira, lamentando com "profunda tristeza e consternação pelo ocorrido" o acidente que matou pelo menos 70 pessoas e deixou outras seis feridas na queda do avião que levava a delegação da Chapecoense para Medellín. Seis funcionários da emissora morreram na tragédia. A empresa diz, ainda, que se solidariza com as famílias e acompanha atenta as novas informações que surgem a cada instante sobre o fato.


A seguir, leia a íntegra da nota da FOX: "O FOX Sports Latin America expressa o mais profundo pesar pelo acidente aéreo ocorrido hoje, em Medellín, nas primeiras horas da madrugada, no qual viajava a delegação da Associação Chapecoense de Futebol para jogar na Copa Sul-Americana, e entre os seus passageiros se encontravam seis companheiros da nossa equipe do FOX Sports Brasil:
Deva Pascovicci
Mario Sergio
Paulo Júlio Clement
Victorino Chermont
Rodrigo Santana e
Júnior Lilacio.
Em meio a uma profunda tristeza e consternação pelo ocorrido, estamos atentos a todas as informações que surgem minuto a minuto, o Fox Sports se solidariza e acompanha as famílias dos nossos profissionais e colegas do FOX Sports Brasil, dos jogadores do clube Chapecoense e daqueles que perderam suas vidas nesta tragédia para a comunidade do futebol latino-americano. Carlos Martinez - Presidente da FOX Networks Group Latin America"

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (12)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (11)


Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (10)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (9)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (8)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (7)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (6)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (5)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (4)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (3)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (2)

Veja imagem do desastre do avião da Chapecoense (1)

Jogador Alan Ruschel, da Chapecoense, sobrevive ao desastre aéreo que matou quase todo o time catarinense na Bolívia


Ao chegar ao Hospital de La Ceja, o lateral-esquerdo do Chapecoense Alan Ruschel perguntava insistentemente pela família. Ele foi um dos cinco sobreviventes do acidente com o avião da Chapecoense, que matou 75 pessoas. O jogador pediu que guardassem sua aliança de casamento antes de entrar para uma cirurgia, pela qual está passando no momento. A esposa de Ruschel, Amanda, escreveu eu sua conta do Instagram que o estado de saúde de Alan é “estável”. “Graças a Deus o Alan está no hospital, estado estável. Estamos orando por todos que ainda não foram socorridos, e força para todos os familiares. Situação complicada, difícil. Só Deus para dar força mesmo. Obrigada, Deus”, agradeceu Amanda na rede social. O avião com a equipe da Chapecoense caiu na madrugada desta terça-feira, na Colômbia. O time viajava à cidade colombiana de Medellín, onde disputaria a final da Copa Sul-Americana amanhã contra o Atlético Nacional. O avião se chocou com o solo em uma região montanhosa na cidade de La Union. A decolagem de Guarulhos aconteceu por volta das 15 horas, com chegada à meia-noite na Bolívia. A queda aconteceu por volta da 1 hora da madrugada, no horário de Brasília, próximo à cidade de La Unión.

Goleiro Danilo, herói da classificação para a final, morre no desastre do vôo fretado da Chapecoense


O goleiro Danilo, destaque da Chapecoense na vitória sobre o San Lorenzo que classificou o time catarinense à final da Sul-Americana, não resistiu aos ferimentos da queda do avião da equipe, na Colômbia, e morreu no hospital, em Medellín, na manhã desta terça-feira. Danilo estava entre os três atletas encontrados com vida, ao lado de Alan Ruschel e Jackson Follman, mas não resistiu. O jogador de 31 anos estava na Chapecoense desde 2013 e era um dos grandes ídolos da torcida.

Avião fretado da Chapecoense cai na Colômbia e mata quase todo o time, há pelo menos 75 mortos





A prefeitura de Medellín informa que ao menos 75 pessoas morreram na queda do avião fretado que levava a equipe da Chapecoense. Outras cinco pessoas foram resgatadas com vida, segundo o prefeito Federico Gutierrez. Havia 81 pessoas na aeronave, das quais 72 eram passageiros e as outras nove, tripulantes. A confirmação da informação foi feita pelo general José Acevedo Ossa, comandante da Polícia Metropolitana de Valle de Aburrá. A Chapecoense viajava a Medellín, onde disputaria a final da Copa Sul-Americana amanhã contra o Atlético Nacional. O avião se chocou com o solo em uma região montanhosa na cidade de La Union. A delegação da equipe catarinense tinha 48 integrantes, além de dois convidados e 21 jornalistas. O grupo embarcou em Guarulhos e fez escala em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Lá, seguiu em um vôo fretado da empresa Lumia. Por volta das 22h15 (hora local), o avião sumiu dos radares. O lateral Alan Ruschel foi um dos primeiros sobreviventes confirmados. Ele chegou lúcido ao hospital, com lesões na cabeça. O goleiro Danilo conseguiu fazer contato com sua família através do telefone celular. O goleiro reserva Jackson também foi resgatado com vida. A comissária de bordo Jimena Suarez também foi resgatada. As autoridades locais disseram que o avião caiu em uma região de difícil acesso e, em virtude das condições climáticas ruins, praticamente só veículos 4×4 conseguem chegar próximo. Diretor da equipe de resgate, Carlos Ivan Márquez disse que pelo menos 150 pessoas estão trabalhando para tentar socorrer os passageiros do vôo.