sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O petista Jairo Jorge assinará ficha no PDT gaúcho no dia 6 de dezembro


Em um almoço na churrascaria Na Brasa, em Porto Alegre, o presidente estadual do PDT no Rio Grande do Sul, deputado federal Pompeo de Mattos, e o prefeito de Canoas, o petista Jairo Jorge, acordaram a data para a filiação do ex-petista: 6 de dezembro. Segundo o parlamentar, a assinatura da ficha ocorrerá no encontro do diretório estadual, na sede do PDT, em Porto Alegre. Jairo Jorge pediu a desfiliação do PT na última quarta-feira. Em carta ao diretório, havia afirmado que, naquele momento, não pretendia filiar-se a outro partido. No documento, o prefeito fez uma autocrítica e abordou a renovação do quadro de políticos dentro da sigla. "Deveríamos receber com humildade o recado das urnas. A população nos reprovou, com derrotas em cidades onde sempre tivemos excelentes resultados", reconheceu: "Decidi sair do PT por dois motivos: primeiro, porque considero que minha capacidade de interferência no âmbito partidário está esgotada; segundo, por entender que os encaminhamentos que estão sendo dados não levarão a uma efetiva renovação do partido". Líderes do PDT no Estado e no País apoiam a indicação de Jairo Jorge para ser candidato do partido ao governo do Estado em 2018. Pompeo afirma que deputados estaduais do PDT conversam sobre um possível desembarque do governo Sartori, que proporá, neste fim de ano, um pacote de ajuste financeiro à Assembleia. O presidente estadual da sigla diz que é orientação partidária o voto contra a privatização de estatais. Aos outros projetos, não há indicação de postura. Há um bom tempo o PDT é uma espécie de lata de lixo do petismo gaúcho. O partido se presta ao papel bovino de invasão que está sendo promovida por quadros petistas, em dezenas de municípios. É o que na linguagem comunista significa "entrismo". E isto serve ao PDT porque o partido se esgotou no Rio Grande do Sul, não tem mais um político sequer de expressão no partido. 

Vão recomeçar as grandes manifestações de rua, contra a corrupção e a impunidade


O movimento Vem Pra Rua decidiu convocar manifestações para o domingo, 20, contra a tentativa do Congresso Nacional de enterrar as dez medidas contra a corrupção propostas por membros do Ministério Público Federal com apoio de juízes federais. A mensagem em sua página no Facebook é clara: “corruptos estão tentando destruir todos os avanços que estamos conquistando”. Há um clima de inquietação e descontentamento evidente no cenário nacional, e isso poderá alcançar grande mobilização em face dos movimentos muito dúbios de parlamentares, partidos políticos e governo Temer. As manifestações atomizadas e minúsculas de grupelhos esquerdopatas, com suas invasões desregradas de espaços públicos, estão causando grande irritação e poderão ser rebatidas com manifestações gigantescas.


Ator petista José de Abreu vai ter que devolver 300 000 reais captados na lei Rouanet


Saiu publicado no Diário Oficial da União uma portaria do Ministério da Cultura solicitando a devolução de recursos da lei Rouanet. De acordo com o texto, o ator petista José de Abreu terá de devolver 300 000 reais captados para a turnê do espetáculo "Fala, Zé" pelo Sudeste. A Orquestra Sinfônica Brasileira também está na lista. Terá de devolver 2 milhões de reais.

Moro dispensa Lula e Marisa de comparecer a audiências em Curitiba


O juiz federal Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, aceitou pedido da defesa do poderoso chefão da orcrim petista e ex-presidente Lula para que ele e a mulher, a galega italiana Marisa Letícia sejam dispensados das audiências da ação penal em que são réus, no âmbito da operação Lava Jato. Assim, o casal não precisará viajar à capital paranaense na semana que vem para assistir à oitiva de testemunhas de acusação, que ocorrerá nos dias 21, 23 e 25 de novembro. O pedido havia sido feito pela defesa do petista na última segunda-feira. Com a decisão de Moro, apenas a presença dos advogados de Lula e Marisa será necessária no curso das audiências. Ontem (17), o juiz havia notificado a Justiça Federal de São Bernardo do Campo (SP) para que intimasse o casal a comparecer à oitiva das testemunhas na semana que vem. O novo despacho de Moro não libera a presença do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, que também é réu da ação penal. Na segunda-feira (21), serão ouvidos os empreiteiros Augusto Mendonça, Dalton Avancini e Eduardo Hermelino e o ex-senador Delcídio do Amaral. Na quarta-feira (23), será a vez do ex-deputado Pedro Corrêa, dos ex-diretores da Petrobras, Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, e do ex-gerente da estatal Pedro Barusco. Os depoimentos do doleiro Alberto Youssef, do pecuarista José Carlos Bumlai, e dos lobistas Fernando Baiano e Milton Pascowitch estão marcados para a sexta-feira (25).

Diego Casagrande é sondado pelo PSDB gaúcho para concorrer a deputado federal

Informa o jornalista Políbio Braga - "Os partidos já começaram a se movimentar para buscar candidatos à Assembléia e Câmara dos Deputados, já que as eleições proporcionais acontecerão em menos de dois anos, junto com as escolhas dos novos senadores (dois por Estado), governadores e presidente. No Rio Grande do Sul, as listas serão engordadas com nomes sem militância política carimbada. O PSDB já começou a se movimentar e fez sondagens junto ao jornalista Diego Casagrande, que quer ver na Câmara dos Deputados".

Garotinho transferido à força do hospital para Bangu 8, cena de total falta de compostura


Como aliados, os ex-governadores Anthony Garotinho (PR) e Sérgio Cabral (PMDB) dividiram o mesmo palanque até a eleição de 2006. A partir desta sexta-feira, os arqui-inimigos compartilham o mesmo complexo prisional, o de Gericinó, em Bangu. Após determinação da Justiça, Garotinho foi levado sob protestos e resistência, à força, para o presídio José Frederico Marques, no Complexo de Bangu. Uma ambulância dos Bombeiros, acompanhada de policiais federais, pegou o ex-governador no Hospital Municipal Souza Aguiar, , no Centro do Rio de Janeiro, onde estava internado desde quarta-feira após passar mal na superintendência da Polícia Federal. Mais cedo, Sérgio Cabral já havia sido encaminhado para Bangu 8, onde ficam os presos com ensino superior. Acompanhado da mulher, a prefeita de Campos, Rosinha Garotinho, e da filha e deputada federal Clarissa Garotinho, o ex-governador entrou na ambulância gritando para que não o levassem e pedindo respeito, "porque era um homem enfartado". "Me solta, me solta. Eu sou um enfartado. Vocês me respeitem", gritou com a voz bem rouca. Rosinha também protestou, gritando: "Meu marido não é ladrão. Deixa eu ir com ele. Eu quero ir com ele", protestou ela, ao lado da filha, que também gritava para não levarem o pai para Bangu. Vários funcionários foram para a porta do hospital e comemoraram a ida de Garotinho para Bangu, durante a saída da ambulância. A temporada de Garotinho no Souza Aguiar irritou a Polícia Federal. A Secretaria municipal de Saúde informou nesta quinta-feira que, durante um exame de esforço, Garotinho relatou “dor intensa” no peito, o que pode indicar obstrução nas artérias. Os médicos, então, agendaram para a segunda-feira um cateterismo para investigar se há mesmo a interrupção. O hospital afirma que seguiu o “protocolo da Sociedade Brasileira de Cardiologia”. O exame foi marcado para o Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro, no Humaitá. A atitude, sem prévia comunicação às autoridades, irritou o delegado responsável pela investigação, Paulo Cassiano. "A atitude do Souza Aguiar está sob suspeita para nós. Estamos tentando ver uma maneira de fazer a transferência. Foram marcados exames em outro estabelecimento hospitalar, mas isso não pode ser feito sem autorização do juízo, porque ele é um preso e está escoltado pela Polícia Federal", disse o delegado, antes da decisão da Justiça. Por ironia, foi Sérgio Cabral mesmo quem inaugurou a unidade de Bangu 8, em 2008. Por lá, já passaram o empreiteiro Fernando Cavendish, ex-amigo do peemedebista e hoje em prisão domiciliar, o bicheiro Carlinhos Cachoeira e o banqueiro André Esteves. Em Bangu 8, estão ex-diretores da Eletronuclear presos na Lava-Jato.

Da passarela da Avenida Brasil, pedestres aguardam a passagem do comboio com Cabral preso
No caminho até a penitenciária, manifestantes se amontoaram nas passarelas na Avenida Brasil e gritavam palavras de ordem enquanto passava o comboio com Sérgio Cabral. Na porta do presídio, também houve manifestação, assim como na porta da Polícia Fdederal, onde os manifestantes usavam guardanapos na cabeça, lembrando o episódio de um jantar de Cabral com empreiteiros em Paris. Garotinho também foi encaminhado para o complexo prisional de Bangu após ter alta do hospital municipal Souza Aguiar, no Centro. O blog de Garotinho continua sendo atualizado mesmo depois de sua prisão. Nesta sexta-feira, uma postagem comemorou a prisão de Cabral. Com o título “Cabral é preso por corrupção de R$ 224 milhões, bem diferente de Garotinho, acusado por dar Cheque Cidadão aos mais humildes”, o texto diz que “a hora de Sérgio Cabral chegou”. Em um ofício enviado nesta sexta-feira à força-tarefa da Lava-Jato, o secretário estadual de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro, afirma que o sistema prisional do Estado está em condições de receber e dar total segurança a Sérgio Cabral. Em nota, a secretaria informou que todos os internos “são tratados de forma igualitária, com direito a banho de sol, refeições e visitas após o cadastramento”.

Sérgio Cabral chega ao Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu 

O cardápio em Bangu 8 é composto por arroz ou macarrão, feijão, farinha, carne branca ou vermelha, legumes, salada, sobremesa e refresco. No desjejum, são servidos pão com manteiga e café com leite. O lanche é pão com manteiga ou bolo. Os presos nas duas unidades de Bangu 8, a masculina e a feminina, têm que usar uniforme próprio do sistema penitenciário do Rio de Janeiro. Bangu 8 foi inaugurado quando os últimos presos da Penitenciária Pedrolino Werling de Oliveira, no antigo Complexo Penitenciário Frei Caneca, no Estácio, foram transferidos para lá. Bangu 8 herdou o nome dessa penitenciária, que tinha sido construída em 1976 como anexo da Penitenciária Milton Dias Moreira, e era destinada a presos políticos oriundos da Ilha Grande. Antes de Bangu, outros complexos penitenciários ficaram em evidência por abrigar políticos e empresários envolvidos em esquemas de corrupção. Na Papuda, em Brasília, ficaram os presos do Mensalão ddo PT. A unidade virou tema de marchinha de carnaval. Com a Lava-Jato, parte dos presos foi levada para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba e, depois, para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais.