domingo, 25 de setembro de 2016

Polícia Federal e Justiça Eleitoral realizam buscas nas sedes do PT e do PRB em Canoas


A Polícia Federal e a Justiça Eleitoral realizam buscas na sede municipal do PT neste momento, tarde do dia 25, domingo, em Canoas (RS). A operação pode ser um desdobramento da Operação Suffragium, deflagrada na quinta-feira, dia 22, e que investiga irregularidades na campanha de Beth Colombo (PRB). Foram encontrados, na oportunidade, mais de R$ 500 mil no comitê de campanha e na casa do tesoureiro da campanha, Guilherme Ortiz, que foi levado pela Polícia Federal para esclarecimentos. /Conforme o jornal O Timoneiro, o roteiro é o seguinte:
– 15h37min: Polícia Federal e Justiça Eleitoral seguem, agora, para a sede do PRB e para um depósito da campanha;
– 16h15min: Após buscas na sede do PRB, Polícia Federal e Justiça Eleitoral seguiram para uma gráfica em Porto Alegre.

Vice-presidente comunista uruguaio responde na Justiça por mentir sobre titulação universitária

Leia a matéria abaixo, sobre o vice-presidente do Uruguai, o comunista Raul Sendic Filho, filho do chefe terrorista tupamaro Raul Sendic, que responde na Justiça por ter mentido sobre sua titulação universitária. Parece que os comunistas têm esse hábito comum na América Latina. O Brasil viveu um caso similar. A matéria saiu no jornal El País.



Sendic a la Justicia por título

Será indagado por el delito de usurpación de título; dijo que no se amparará en fueros.
Sendic concurrirá en persona a declarar. Foto: Darwin Borrelli
NATALIA ROBA24 sep 2016
El vicepresidente Raúl Sendic fue citado por la Justicia para ser indagado por el delito de usurpación de título. Deberá aclarar el episodio del título que El Observador dio a conocer en febrero cuando informó que si bien había permitido ser presentado en documentos públicos y actos oficiales como licenciado en Genética Humana, en realidad no lo era. Luego de admitir que no tenía el título, Sendic se desmintió y aseguró que presentaría documentación que acreditaría sus estudios de Genética Humana realizados en La Habana, Cuba, aunque siete meses después esos papeles no aparecieron.
Ante la denuncia presentada por el abogado Gustavo Salle, la jueza penal Ana de Salterain fijó la audiencia para el martes 27, dijo a El País una fuente del caso, y confirmó el denunciante. Salle declaró el 16 pasado para ratificar la denuncia que había presentado en febrero al conocerse la noticia.
El propio Sendic presentó un escrito ante la sede penal para informar que no se ampararía en sus fueros y concurriría a declarar. La única condición que puso fue no ser citado la semana que pasó, debido que estaría en el ejercicio de la presidencia por el viaje de Tabaré Vázquez a Estados Unidos para participar de la Asamblea de Naciones Unidas.
Fuentes cercanas a la defensa de Sendic dijeron a El País que es probable que el título aparezca en los próximos días. El abogado del vicepresidente es el doctor Gumer Pérez.
En ese escrito judicial, Sendic le atribuyó al denunciante "una actitud maliciosa con intencionalidad política".
Salle contó que cuando declaró le aclaró a la jueza De Salterain que no integra ningún partido político, y que desde hace tres elecciones no vota y paga la multa ante la Corte Electoral. El abogado agregó que presentará las boletas de pago de la multa como prueba de que no participa de ningún aparato político.

Las dos bibliotecas.

En caso de que el título no aparezca, y Sendic deba responder ante la Justicia, hay dos bibliotecas sobre si el delito de usurpación de título es aplicable.
El artículo 167 castiga a quien "se abrogare títulos académicos o ejerciere profesiones para cuyo desempeño se requiere una habilitación especial", y lo castiga con multa de las 20 a las 900 Unidades Reajustables (desde $ 18.451 hasta $ 830.061 al valor actual).
En el caso de Sendic, solo podría acusárselo de que se atribuyó un título que no tenía. No hay pruebas de que haya ejercido esa profesión.
El abogado penalista Gastón Chaves opinó que ese delito es inaplicable porque está mal redactado. Según el diccionario de la Real Academia Española "abrogar" significa "abolir o derogar". Chaves explicó que la palabra que quisieron poner fue arrogar, que significa atribuirse una facultad que no se posee, en este caso un título.
El catedrático de la UDE de Derecho Penal y expresidente de la Suprema Corte Milton Cairoli coincidió con Chaves en que la defensa de Sendic puede alegar la inaplicabilidad del delito por estar mal redactado.
Cairoli dijo que en el proyecto de ley que redactó junto a otros penalistas de reforma del Código Penal ese error se subsanó pero aún no está vigente, ya que está desde hace años a estudio parlamentario.
Sin embargo, el catedrático de Derecho Penal de la Udelar, Pedro Montano, tiene otra opinión. A juicio de Montano, la doctrina siempre entendió que se debe interpretar lo que el legislador quiso decir. "Quiso decir arrogarse y no abrogarse por lo que se debe interpretar en ese sentido", explicó. Montano dijo que así se interpretó también en la jurisprudencia.
En 2012 la Justicia procesó a cinco rematadores que subastaban caballos sin título. Uno de los procesados era funcionario de UTE en Maldonado y otro admitió que realizaba los remates sin contar con el título desde hace por lo menos 30 años.
Otro procesado por este delito fue Carlos Sacchi, un estudiante de Derecho que ejerció ilegalmente durante 15 años la abogacía. A pesar de que sólo tenía aprobado los tres primeros años de la carrera, llegó a disertar en conferencias y a ser examinador en la Facultad de Derecho de la Universidad de la República. En una entrevista que dio a El País en 2000 admitió que cuando le llamaban doctor "la dejaba pasar".
Volviendo al caso de Sendic, el abogado Salle dijo que también denunció al vicepresidente por el delito de falsificación ideológica, porque cree que también podría tipificársele ese delito.
El artículo 238 del Código Penal castiga al funcionario público "que, en el ejercicio de sus funciones, diere fe de la ocurrencia de hechos imaginarios, o de hechos reales, pero alterando las circunstancias...". Tiene una pena de dos a ocho años de penitenciaría.

LA OPINIÓN DE LOS PENALISTAS.

Gastón Chaves - "El delito es inaplicable".

Hay un famoso principio de legalidad, que establece que solo la ley puede crear o suprimir delitos. A su vez, si el lesgislador, que se expresa por medio de palabras al tipificar delitos se equivoca, no es tarea del intérprete (el juez) corregirlo por lo tanto el delito de usurpación de título es inaplicable porque está mal construido, sobre todo en la primera parte, cuando habla de "abrogarse", utiliza un barbarismo. Lo que parecería haber querido decir el legislador es "arrogarse", es decir atribuirse un título académico que no se tiene, pero dice otra cosa.

Milton Cairoli. "La defensa puede ampararse en el error.

Siendo piedeletristas la defensa podría alegar que el artículo 167 del Código Penal está mal redactado y por lo tanto es inaplicable al caso (del vicepresidente Raúl Sendic). En el proyecto de ley de reforma del Código Penal que redactamos y que está a estudio del Parlamento se emnienda ese error porque es obvio que el legislador quiso decir es que comete delito quien se "arrogare" títulos académicos. Pero ese proyecto aún no fue aprobado y por lo tanto sigue vigente en su redacción original", explicó el expresidente de la Suprema Corte

"Pedro Montano. "Se debe hacer interpretación lógica".

La doctrina es unánime en señalar que las leyes se deben interpretar en el sentido de lo que quiso expresar el legislador. En este caso del artículo 167 del Código Penal es obvio que se quiso decir que comete el delito quien se "arrogare" títulos académicos, en lugar de "abrogarse" como quedó redactado por error. Por lo tanto hay que leerlo en ese sentido. Se entiende que no se puede interpretar las disposiciones que no tengan sentido común. Hay que hacer una interpretación que sea lógica", explicó el profesor grado 5 de Derecho Penal de la Udelar.

39% dos gaúchos de Porto Alegre acham que é péssimo o governo do peemedebista José Ivo Sartori

Pesquisa Ibope constatou que 56% dos eleitores de Porto Alegre consideram que o governo Sartori é ruim e péssimo. O número é devastador, mas já era esperado, absolutamente realístico. Os eleitores tratam muito melhor os governos Fortunati e Temer. 
Veja os números sobre Sartori:
Ótimo, 1%
Bom, 8%
Regular, 33%
Ruim, 17%
Péssimo, 39%
Não sabe, 2%
Como normalmente as opiniões "Ruim" e "Regular" são somadas ao "Péssimo", se esta é a impressão dominante, então o fato é que 90% dos eleitores de Porto Alegre não suportam o governo de José Ivo Sartori, do PMDB. Isto também é compreensível uma vez que a capital gaúcha é a cidade mais notoriamente corporativa pública do País. Bem mais da metade da população portoalegrense é composta de funcionários públicos, empregados em algum órgão públicos das três esferas (União, Estado e município). 

Ex-candidato à Presidência do Peru plagiou tese de Doutorado

O ex-candidato à Presidência do Peru, César Acuña, líder do partido Aliança para o Progresso, cometeu plágio em sua tese de Doutorado em Educação, pela Universidade de Lima - informou a instituição na quinta-feira (22). Acuña é investigado desde janeiro passado por três universidades, uma delas a Complutense de Madri, para descobrir se fraudou o processo para obtenção de seus títulos. As outras são a Universidade de Lima, particular, e a Universidade de Trujillo, pública. Uma comissão especial da universidade limenha encontrou "evidências de plágio em quatro esferas: cópia literal sem menção da fonte; menção da fonte e aparente paráfrase, mas cópia literal dos textos; menção da fonte e combinação de paráfrase com cópia literal; e utilização de ideias de outro autor sem menção da fonte" na tese que Acuña apresentou em 1997. Apesar do plágio, a Universidade de Lima indicou que "por enquanto" não poderá retirar o título acadêmico outorgado a Acuña - ainda que retirem a tese do catálogo de sua biblioteca -, porque "esse procedimento não é regulado pela lei universitária". Em setembro, uma agência estatal peruana defensora da propriedade intelectual sancionou Acuña por não respeitar as normas de diretos autorais. Ele foi multado em US$ 11.500 por publicar um texto sobre Educação com seu nome sem ser o autor do referido livro. O milionário empresário César Acuña, de 63 anos, é proprietário de três universidades. quando lançou sua candidatura à Presidência em janeiro passado, declarou rendimentos anuais de US$ 16 milhões.

STF autoriza investigação preliminar de citação a Temer em delação

 

O ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que seja aberta uma petição na corte com trechos do depoimento do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que trazem acusações contra o presidente Michel Temer. A petição é um procedimento preliminar à investigação. Teori encaminhou o caso para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deve opinar se é o caso se abrir ou não um inquérito para investigar formalmente o presidente. Procurado, o Palácio do Planalto não se manifestou. Temer, no entanto, poderá se livrar da investigação, uma vez que Janot já solicitou arquivamento de acusação contra a então presidente Dilma Rousseff sob alegação de que, segundo a Constituição, o presidente da República não pode ser alvo de investigação por fatos anteriores a seu mandato. No caso da delação de Machado, os fatos são de 2012. Na mesma petição de Temer, também há citações aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, e Romero Jucá (PMDB-RR), ao ex-senador José Sarney (PMDB-AP) e ao senador cassado Delcídio do Amaral (sem partido-MS). Teori determinou ainda o fatiamento da delação de Machado em outras três petições. Elas conterão citações ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), e a outros políticos, como o ex-deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), o ex-ministro Henrique Alves (PMDB), a ex-ministra Ideli Salvatti (PT), além dos senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e José Agripino (DEM-RN). Janot também precisará se manifestar sobre a necessidade ou não de abertura de inquérito para investigar essas pessoas, com base no que disse Machado. O ministro ainda determinou que as citações de Machado a várias pessoas que não têm direito ao foro especial sejam encaminhadas ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz a Lava-Jato na primeira instância. Nesses termos, há referência a propinas que totalizam R$ 109,49 milhões. O dinheiro foi pago a políticos de diversos partidos, em especial do PMDB. Os recursos vinham de 16 empresas com contratos com a Transpetro. Segundo Machado, o esquema de desvios em estatais ocorre desde 1946 e se dá em três fases. Políticos indicam seus aliados para cargos estratégicos em estatais de olho no maior volume possível de recursos ilícitos. As empresas privadas querem tirar as maiores vantagens que conseguirem de seus contratos. Os indicados, já no exercício dos cargos de direção, têm uma necessidade em mente: arrecadar propina para os políticos que os apadrinharam. Assim, na convergência de interesses dos três — políticos, empresas e gestores — havia o pagamento de propina. Machado disse ter aplicado o esquema na Transpetro. No caso dos políticos com foro, os casos permanecerão no Supremo. No depoimento que compromete Temer, Sérgio Machado disse que recebeu pedido do presidente para financiar a campanha de Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo, em 2012. O valor acertado entre ambos teria sido de R$ 1,5 milhão. O pagamento teria saído dos cofres da Queiroz Galvão, uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato. Machado revelou na delação “que Chalita não estava bem na campanha; que o depoente (Sérgio Machado) foi acionado pelo senador Valdir Raupp para obter propina na forma de doação oficial para Gabriel Chalita; que posteriormente conversou com Michel Temer, na Base Aérea de Brasília, provavelmente no mês de setembro de 2012, sobre o assunto, havendo Michel Temer pedido recursos para a campanha de Gabriel Chalita”. Ainda segundo o delator, “o contexto da conversa deixava claro que o que Michel Temer estava ajustando com o depoente era que este solicitasse recursos ilícitos das empresas que tinham contratos com a Transpetro na forma de doação oficial para a campanha de Chalita; que ambos acertaram o valor, que ficou em R$ 1,5 milhão”. No pedido de homologação da delação encaminhado ao STF em 12 de maio, Janot cita Temer, que estava interino na presidência da República à época. Primeiro, Janot diz que o presidente é uma das autoridades com foro privilegiado sobre as quais a delação traz detalhes. Depois, o procurador-geral relaciona os possíveis crimes existentes a partir da narrativa de Machado: organização criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, “com envolvimento do vice-presidente da República, de senadores e deputados federais”. No mesmo depoimento em que cita Temer, Machado contou ter encontrado o diretor da JBS Francisco de Assis e Silva em uma reunião na casa de Renan. Segundo o delator, “nesta oportunidade, o diretor da JBS comentou comigo que vinha ajudando em diversas campanhas políticas” e que, “no que diz respeito ao PMDB, seriam contemplados por doações da JBS diversos senadores: Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, Eunício Oliveira, Vital do Rêgo, Eduardo Braga, Edison Lobão, Valdir Raupp, Roberto Requião e outros”.  Em trecho sobre Aécio, Machado disse que o senador tucano recebeu, de forma ilícita, R$ 1 milhão em dinheiro 1998. O dinheiro teria vindo de um fundo montado por Machado, Aécio e o então senador Teotonio Vilela, que era presidente nacional do PSDB, para financiar a bancada do partido na Câmara e no Senado. O dinheiro seria usado em campanhas para a reeleição. O plano era “eleger a maior bancada federal possível na Câmara para que pudessem viabilizar a candidatura de Aécio Neves à presidência da Câmara dos no ano 2000”. O trio teria arrecadado R$ 7 milhões, sendo que R$ 4 milhões do total teriam sido obtidos da campanha nacional de Fernando Henrique Cardoso. O restante teria saído de empresas. Segundo o delator, parte do dinheiro teria vindo do exterior. A divisão do bolo daria “entre 100 mil e 300 mil a cada candidato”, segundo Machado. Cerca de 50 deputados receberam a ajuda de custo para as campanhas. O maior beneficiado teria sido Aécio Neves. Entre as empresas que contribuíram para o fundo do PSDB está a Camargo Corrêa, uma das investigadas na Lava-Jato. Segundo Machado, em 1998, recebeu “um pacote de dinheiro de R$ 350 mil reais para o PSDB” das mãos do presidente da empreiteira, Luiz Nascimento: “A Camargo ajudava fortemente e sempre foi um grande doador nas campanhas tucanas”. Machado também disse que ouviu do ex-ministro Sérgio Motta, do governo Fernando Henrique, que Dimas Toledo era nomeado e apadrinhado por Aécio Neves, e que “todos do PSDB sabiam que Furnas prestava grande apoio ao deputado Aécio via o diretor Dimas Toledo”. O delator também disse que Dimas “contribuiu com parte dos recursos para eleição da bancada da Câmara”. E que “parte do dinheiro para a eleição de Aécio para a Presidência da Câmara veio de Furnas”. 

Depoimento de Mônica Moura no TSE é adiado

O Tribunal Superior Eleitoral adiou para o próximo dia 29 o depoimento que Mônica Moura daria nesta sexta-feira (23), em São Paulo, em uma das ações que tramitam na corte pedindo a cassação da chapa vitoriosa na eleição presidencial de 2014, formada por Dilma Rousseff e Michel Temer. Mônica é casada com o publicitário João Santana, responsável pela campanha de Dilma e Temer. Segundo o TSE, Mônica Moura não foi localizada para ser intimada sobre o depoimento. A nova oitiva está prevista para o o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia, às 11 horas do dia 29 deste mês. Estão mantidas, porém, as audiências do ex-presidente da Camargo Correa, Dalton dos Santos Avancini, e do vice-presidente da empreiteira, Marcelo Sturlini Bisordi, marcadas para as 15 horas. Todas as oitivas são sigilosas. No dia 28, deve ser ouvido no TRE de Minas Gerais, Elton Negrão de Azevedo Júnior, executivo da Andrade Gutierrez. Para o dia 29, no TRE de São Paulo, está previsto depoimento do empresário Cláudio Augusto Mente. No próximo mês serão ouvidos Giles Azevedo, assessor da ex-presidente Dilma Rousseff, e Marcelo Neri, ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Petrobras anuncia venda de gasodutos à iniciativa privada por US$ 5,2 bilhões


O Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda de 90% das ações da Nova Transportadora do Sudeste (NTS), que detém uma malha de gasodutos por US$ 5,19 bilhões para a Brookfield (BIP) e afiliadas. O anúncio foi feito na sexta-feira (23) pela Petrobras. O valor corresponde a 35% da meta de US$ 15,1 bilhões prevista no plano de venda de ativos da empresa entre 2015 e 2016. Para 2017 e 2018, a meta é vender cerca de US$ 19,5 bilhões. A conclusão da venda depende de aprovação da assembléia geral da Petrobras, e há determinadas condições precedentes usuais, incluindo a aprovação pelos órgãos reguladores. A Petrobras informou que a primeira parcela dos recursos, de US$ 4,34 bilhões, equivalente a 84% do total, será paga no fechamento da operação, e o restante, US$ 850 milhões, em cinco anos. A empresa é a principal cliente da NTS, que tem 2.050 quilômetros de gasodutos e 44 pontos de entregas de gás na Região Sudeste. O consórcio comprador é formado também pelo fundo de pensão British Columbia Investment Management Corporation (BCIMC) e por fundos soberanos da China e de Cingapura. Em nota, a Petrobras diz que a operação abre oportunidades para que parcerias com outras empresas contribuam para o fortalecimento da indústria de gás natural no Brasil. “Fomenta, ainda, novos investimentos na ampliação da infraestrutura de transporte de gás, com o objetivo de criar um modelo de desverticalização da cadeia de gás natural, desejável pelo órgão regulador Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, a ANP”, diz a nota. Além disso, a transação favorecerá "o desenvolvimento de um ambiente competitivo, propício à entrada de novos agentes neste mercado e ao compartilhamento dos custos da infraestrutura”. A NTS foi criada a partir de um termo de compromisso assinado com a ANP, no qual a Petrobras comprometeu-se a reestruturar a Transportadora Associada de Gás e suas subsidiárias integrais, de forma a criar uma carregadora de gás natural no sudeste do Brasil (NTS) e outra no Norte-Nordeste. A Brookfield é uma das maiores gestoras de ativos do mundo, com mais de US$ 200 bilhões sob sua administração e com portfolio que inclui empresas com mais de 14 mil quilômetros de gasodutos nos Estados Unidos, no Canadá e na Austrália.

Supremo julga terça-feira denúncia contra o casal petista Gleisi Hoffman e Paulo Bernardo


Após vários adiamentos, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal marcou para a próxima terça-feira (27) o julgamento da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra a senadora petista Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seu marido, o ex-ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Em maio, Gleisi e Paulo Bernardo foram denunciados ao Supremo sob a acusação de terem recebido R$ 1 milhão para campanha da senadora em 2010. De acordo com depoimentos de delatores na Operação Lava Jato, o valor é oriundo de recursos desviados de contratos da Petrobras. Ambos foram citados nas delações do doleiro Alberto Youssef. Em documento encaminhado ao Supremo, a defesa do casal diz que as acusações são “meras conjecturas feitas às pressas” em função de acordos de delação premiada. “A requerida (senadora) jamais praticou qualquer ato que pudesse ser caracterizado como ato ilícito, especialmente no bojo do pleito eleitoral ao Senado Federal no ano de 2010, na medida em que todas as suas contas de campanha foram declaradas e integralmente aprovadas pela Justiça Eleitoral".

Moro determina que Planalto analise bens apreendidos de Lula

O juiz federal Sérgio Moro solicitou à Presidência da República que analise os bens apreendidos do poderoso chefão da Orcrim petista e ex-presidente Lula, para que verifique se alguns deles devem ser incorporados ao acervo presidencial. Os bens foram apreendidos durante as investigações da Lava Jato. Em despacho publicado na sexta-feira (23), o magistrado da 13ª Vara Federal de Curitiba atende a pedido do Ministério Público Federal para que a Secretaria de Administração do Palácio do Planalto verifique o patrimônio apreendido em fevereiro deste ano em um cofre do Banco do Brasil em São Paulo. O objetivo das investigações é examinar o que pertence ao acervo pessoal do ex-presidente e o que deveria ter sido armazenado como patrimônio público da Presidência, como por exemplo presentes recebidos por líderes estrangeiros durante visitas oficiais e viagens de Estado. Na decisão, Sérgio Moro utiliza como referência a auditoria do Tribunal de Contas da União que constatou, no mês passado, que 4,5 mil itens do patrimônio da União estão desaparecidos. O juiz informa que o órgão poderá contar com a ajuda do TCU e pede que a averiguação seja feita, se necessário, na própria agência. “Assim, faz-se necessário solicitar exame por órgão administrativo acerca do material apreendido para que possa ser feito o necessário crivo, entre o que pertence ao acervo pessoal do ex-Presidente - e há objetos, como medalhas, que aparentemente são pertinentes ao acervo pessoal, e o que eventualmente deveria ter sido, na esteira do disposto nos decretos, incorporado ao Patrimônio da Presidência da República”, disse o juiz. Moro pede ainda que seja verificada a “origem dos bens ali depositados”, e dá o prazo de 45 dias, prorrogável se necessário. Além da intimação, ele pede que o Ministério Público, a defesa de Lula e a Polícia Federal tomem conhecimento do despacho. A defesa do ex-presidente Lula divulgou uma nota criticando a decisão de Moro e afirmando que o juiz não tem jurisdição sobre o acervo presidencial. Segundo o comunicado, os bens não têm “qualquer relação” com a Petrobras ou a Lava Jato porque são cartas, documentos e presentes recebidos por Lula durante os oito anos de seus dois mandatos. “A decisão agora proferida - determinando a avaliação do acervo - é mais um exemplo dos excessos cometidos por Moro em relação a Lula e reforça a perda de sua imparcialidade para qualquer julgamento envolvendo o ex-Presidente”, escreveu o advogado Cristiano Zanin Martins. Segundo ele, o acervo presidencial entregue a Lula quando deixou o governo seguiu a legislação e ocorreu da mesma forma como era feito com os presidentes anteriores. “A seletividade de Moro também confirma sua parcialidade. Moro não atua como juiz em relação a Lula, mas, sim, como implacável acusador que quer condená-lo a qualquer custo, para interferir no cenário político-eleitoral de 2018”, disse a defesa.

Para Gilmar Mendes, prisão e soltura do petista Guido Mantega foram confusas


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, disse na sexta-feira (23), antes de fazer palestra em evento promovido pela Associação dos Advogados de São Paulo, que a prisão do ex-ministro da Fazenda, o petista Guido Mantega, na quinta-feira (22), foi “confusa”. Para Gilmar Mendes, “todo juiz tem que levar em conta que a prisão, tanto a provisória quanto a preventiva, é excepcional. Portanto, se não houver justificativa para a prisão, como ameaça de fuga, sumiço de provas ou obstrução da Justiça, não se justifica a prisão preventiva. Esse episódio de ontem foi um tanto ou quanto confuso. Se se quer fazer a prisão apenas para ouvir a pessoa, é um excesso, um exagero. Nós não temos esse tipo de prisão no Brasil", disse ele. Segundo o ministro, a prisão não se justificaria também em caso de busca e apreensão: "Pode-se fazer a busca e apreensão sem prisão. Não precisa de condução coercitiva. Você pode intimar a pessoa a comparecer e não havia sinal de que ele (Mantega) poderia fugir ou de que estava se negando a comparecer", disse Gilmar Mendes. Mantega foi preso sob a acusação de ter solicitado ao empresário Eike Batista – segundo Eike – R$ 5 milhões para quitação de dívidas de campanha do PT. O juiz federal Sérgio Moro decretou a prisão temporária de Mantega, junto com outras ordens de busca e apreensão. Quando chegaram à casa do ex-ministro, em São Paulo, porém, os policiais federais foram informados de que ele estava no Hospital Albert Einstein, acompanhando a mulher nos preparativos para uma biópsia, e foram até o saguão do hospital encontrar-se com ele. Gilmar Mendes considerou estranha, também, a soltura de Mantega, pelo juiz Sérgio Moro, poucas horas depois de o ex-ministro ter sido preso temporariamente em mais uma fase da Operação Lava Jato: "Cinco horas depois toma-se uma outra decisão, no sentido de soltura, porque não se sabia que a mulher estava sendo tratada. Mas a toda hora nós temos pais sendo presos no País, que deixam filhos, mulheres, mães em casa. Isso não é justificativa para soltar ninguém". Sobre o pedido de cassação da chapa Dilma x Temer nas últimas eleições, que poderia implicar no afastamento do atual presidente da República, Michel Temer, o ministro do STF disse que “é preciso aguardar”. Segundo ele, esse pedido está em fase de coleta de provas, ouvindo depoimentos. “O processo está em andamento e vamos ter que aguardar”, disse ele.

Teori decide fatiar delação de Sérgio Machado na Lava Jato

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, decidiu na sexta-feira fatiar a delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Com a decisão, caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidir se novas investigações serão abertas em separado, a partir das declarações de Machado. Os termos do acordo foram homologados em junho.


As novas frentes da primeira fase da investigação, se solicitadas por Janot e autorizadas pelo ministro, deverão tratar sobre o suposto "acordão" para barrar as investigações da Lava Jato, uma doação de R$ 40 milhões do Grupo JBS para o PMDB, um suposto repasse ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) de recursos para viabilizar a candidatura dele à presidência da Câmara dos Deputados em 1998 e o suposto pedido do presidente Michel Temer de ajuda de recursos para a campanha do ex-candidato à prefeitura de São Paulo, Gabriel Chalita. A partir da decisão de Zavascki, o procurador-geral também deverá avaliar como será apresentada ao Supremo a investigação contra mais 20 políticos citados pelo ex-diretor acusados de receber propina. Na mesma decisão, o ministro decidiu que somente citados que tem foro privilegiado, como os deputados e senadores, vão responder às acusações na Corte. Os demais serão enviados para julgamento pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal em Curitiba.

Empresas brasileiras voltam a emitir dívida no Exterior, e volume chega a US$ 16 bilhões no ano

 

A BRF, gigante brasileira do setor de alimentos, fechou, na quinta-feira, uma captação de US$ 500 milhões no mercado externo, com a emissão de títulos com prazo de 10 anos. A demanda pelos papéis foi cinco vezes maior que a oferta, chegando a US$ 2,5 bilhões, e os juros oferecidos aos investidores ficaram em 4,35% ao ano. Para fazer a emissão, a empresa esperou a decisão do Federal Reserve (Fed), anunciada quarta-feira, de manter a taxa de juro entre 0,25% e 0,50% ao ano — uma dos menores da história. Para os especialistas, o interesse pelos papéis da BRF apenas confirma que o mercado externo voltou a se abrir para as empresas brasileiras. Este ano, as emissões de dívida de companhias nacionais no Exterior, incluindo a operação da BRF, já somam US$ 16 bilhões, o dobro dos US$ 8 bilhões registrados em 2015. Se consideradas as duas emissões feitas pelo Tesouro Nacional, o total captado lá fora atinge US$ 19 bilhões este ano. De acordo com analistas, as emissões vão subir um pouco mais até o fim do ano, mas ainda ficarão abaixo das médias anuais registradas até 2014, que oscilavam entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões. Mas, se a economia brasileira recuperar fôlego em 2017, a expectativa dos economistas é que o patamar histórico de captações externas seja retomado. "Houve um período longo sem emissões (de setembro de 2015 a maio deste ano), que foram retomadas após uma melhora de sentimento em relação ao Brasil. A remoção da incerteza política ajudou, embora ainda permaneça a incerteza econômica", explica Cristina Schulman, superintendente de mercado de capitais do Santander. Entre as empresas que captaram recursos no Exterior estão companhias acostumadas a recorrer a essa fonte de financiamento, como Petrobras, Cosan, Suzano, Marfrig e Vale. Foram pelo menos 11 operações, e, em alguns casos, a demanda superou em muito a oferta. Na emissão da Marfrig, por exemplo, que somou US$ 750 milhões, a demanda chegou a US$ 2,5 bilhões. José Eduardo Laloni, diretor de mercado de capitais da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), observa que, além das companhias tradicionais, há um movimento de novas empresas de olho nos recursos do Exterior. É um movimento tímido, diz, mas revela uma alternativa de financiamento ao crédito escasso e caro no Brasil. Segundo ele, já há empresas em road show no Exterior, e outras devem iniciar em breve: "O ambiente externo continuará favorável, com juros baixos na Europa e nos EUA. E, no cenário doméstico, as notícias também são mais positivas. Em países como Suécia, Suíça, Dinamarca, Japão e, mais recentemente, Alemanha, os juros estão negativos. Com isso, os investidores se voltam para mercados emergentes, dando preferência aos que são “mais fáceis de entender” e que ofereçam ganhos atraentes. Assim, o Brasil leva vantagem sobre nações da Ásia e do Leste da Europa", observa Schulman, do Santander. Laloni, da Anbima, lembra que as companhias que já voltaram ao mercado têm o chamado “hedge natural”, ou seja, parte de suas receitas é em dólar, o que as protege de oscilações bruscas do câmbio. "O câmbio é sempre um ponto de atenção para empresas que emitem papéis em dólar. E as que foram ao mercado externo, este ano, têm um componente dolarizado, o que elimina surpresas", afirma Laloni. O estrangulamento do caixa decorrente da recessão doméstica, a deterioração das finanças e o crédito restrito levaram as empresas brasileiras a aproveitarem a janela de oportunidade no mercado externo, explica Adeodato Volpi Netto, chefe de mercado de capitais da Eleven Financial. O custo dessas captações, lembra ele, subiu desde 2014 em decorrência da retirada do grau de investimento do País pelas agências de classificação de risco: "Chegamos a fazer captações com juros de 4,5% ao ano, antes da perda do rating do País. Essas companhias, especialmente a Petrobras, têm seus ratings atrelados ao risco soberano do País" — explica Volpi Netto. Nas captações feitas em 2016, os juros variaram entre 5,87% ao ano (caso da Vale) e 9% ao ano (Petrobras). Mais recentemente, entretanto, diz Roberto Dib, responsável pela área de produtos estruturados da Tag Investimentos, a tendência é que algumas empresas já consigam captar pelas mesmas taxas de juros de quando o País tinha grau de investimento. Este foi o caso da BRF. "Algumas companhias já fizeram a lição de casa, cortando custos, enxugando suas operações e se reestruturando, o que as beneficia com taxas mais baixas", ressalta Dib. Por enquanto, as empresas que estão indo ao mercado externo são aquelas que querem melhorar o perfil de sua dívida. Os juros pagos pela Petrobras (entre 7,87% e 9% ao ano) nas captações deste ano são os maiores da série e, segundo analistas, mostram a fragilidade das finanças da empresa no momento da emissão. "Mas o quadro hoje para a Petrobras já é diferente. A nova diretoria da empresa montou um plano exequível de venda de ativos e de evolução da saúde financeira, que tende a baratear as próximas captações", diz Volpi Netto.

Africa ameaça sair da ONU

O presidente do Zimbábue (ex-Rodésia, uma furiosa ditadura), Robert Mugabe, afirmou que o continente africano está pronto para sair da Organização das Nações Unidas (ONU), caso seu pedido de reforma do Conselho de Segurança não seja atendido. Mugabe disse que a União Africana estaria planejando formar um grupo separado para o qual convidaria países como Rússia, China e Índia, se o Conselho de Segurança da ONU não incluir membros do seu continente no próximo ano. "Nem todos os membros permanentes do Conselho de Segurança têm uma postura dura. Somente a Grã-Bretanha, França e Estados Unidos. Se eles persistirem, não se queixem depois quando nós formos criar nossa própria organização. Planejamos fazê-lo em setembro próximo, na próxima Assembléia Geral", disse. O líder veterano disse que os dirigentes ocidentais não levam em conta a opinião de uma série de países africanos, por isso a ONU corre risco de ficar sem esses estados se a reforma não for feita. "Só a Rússia e a China nos apoiam e os EUA nos contrariam", afirmou o presidente.