sábado, 21 de maio de 2016

Moratória deste ano da dívida com a União dará folga de R$ 2,5 bilhões ao governo Sartori

É certo que o governo Michel Temer concederá mesmo moratória de um ano para os governadores que devem à União. É o caso do Rio Grande do Sul. O governo Temer também repactuará os termos da dívida, cujos índices de correção e juros são considerados impagáveis. Caso isto se confirme (a moratória de um ano), o governador Ivo Sartori conseguirá reter em seus cofres a quantia nada desprezível de R$ 2,5 bilhões em 2016, que são os R$ 840 milhões que ele não pagou de três meses (março, abril e maio), mais R$ 1,7 bilhão do restante do ano. O valor cobre mais da metade do déficit fiscal previsto pelo governo estadual para este ano, o que permitirá que o governo trabalhe com mais empenho para forçar reduções drásticas de despesas e empreenda movimentos para buscar mais receita, como já fez quando aumentou o ICMS, além de animar investimentos via novos empréstimos (a margem do governo gaúcho será ampliada), desmontes de ativos e concessões de obras e serviços. Na reunião com senadores da base, Romero Jucá (Planejamento) antecipou aos aliados que a equipe econômica exigirá contrapartidas dos Estados em troca da moratória de suas dívidas, mantendo as linhas gerais da proposta feita lá atrás pelo governo Dilma. O ministro afirmou no encontro que os governadores terão de se comprometer a não aumentar o salário de seus servidores; reajustar as alíquotas de contribuição previdenciária estadual e não promover concursos públicos.

México autoriza extradição de narcotraficante El Chapo para os Estados Unidos


O Departamento de Relações Exteriores do México autorizou nesta sexta-feira a extradição do traficante Joaquín Guzmán, conhecido como "El Chapo", para os Estados Unidos. De acordo com o governo mexicano, as autoridades americanas garantiram que o chefe do cartel de Sinaloa não vai encarar a pena de morte, uma vez que ela não é aplicada no México. Os advogados de El Chapo têm 30 dias para entrar com recurso contra a decisão, o que significa que pode levar semanas ou até meses para que o traficante seja levado para os Estados Unidos. O mexicano enfrenta acusações de sete escritórios de promotoria americanos, incluindo Chicago, Nova York, Miami e San Diego. A transferência para os Estados Unidos busca garantir que o mexicano cumpra sua pena. El Chapo já fugiu duas vezes das prisões de segurança máxima do México, o que rendeu a ele o título de traficante de drogas mais procurado do mundo. Na primeira vez, em 2001, permaneceu dez anos foragido. Em 2015, um ano depois de ter sido recapturado, escapou de novo, sendo preso em janeiro de 2016. No início do mês, El Chapo foi transferido de uma prisão de segurança máxima próxima à Cidade do México para outra prisão federal, perto da fronteira com o Texas. O governo mexicano informou que a mudança não fazia parte do processo de extradição, mas aconteceu devido a obras que serão realizadas no primeiro centro de detenção. Hoje, ele está detido em um presídio localizado ao sul de Ciudad Juárez. 

Governo Temer abre sindicância para investigar conduta do petista José Eduardo Cardozo no processo de impeachment


Principal defensor da presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment, o ex-ministro José Eduardo Cardozo é formalmente investigado pelo governo do presidente Michel Temer. Na última quarta-feira (18), o novo advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, que substituiu o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo no cargo, determinou a abertura de uma sindicância para apurar os atos do antecessor. O principal argumento para a abertura da investigação é o fato de Cardozo ter sustentado formalmente perante o Congresso e o Judiciário a tese de que a presidente Dilma Rousseff estava sendo alvo de um golpe de Estado. Como a Advocacia Geral da União tem entre as suas atribuições representar os interesses do Legislativo e do próprio Judiciário, na avaliação de Fábio Medina Osório, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo jamais poderia ter usado o cargo para atentar contra a imagem dos poderes constituídos, acusando-os de participarem de uma conspirata contra o chefe do Executivo. "A defesa de Cardozo foi criminosa. Esse discurso jamais poderia ter sido feito por um advogado da União. Ele acabou com a dignidade do órgão e cometeu crime de responsabilidade ao forjar o discurso do golpe", diz Fábio Medina Osório. Determinada a abertura da sindicância, os integrantes da comissão vão intimar formalmente o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo a apresentar defesa sobre os fatos investigados. O ex-ministro petista, que ainda atua como advogado da presidente Dilma Rousseff no processo que tramita no Senado, terá de prestar depoimento aos investigadores e poderá até ser alvo de ação por improbidade administrativa, ficando proibido de voltar a exercer cargos públicos. Durante todo o período em que exerceu o cargo de advogado-geral da União, Cardozo ainda teria ignorado a agenda do órgão e concentrado seu trabalho apenas em defender a presidente. Leia abaixo memorando da Advocacia-Geral da União: 

STF autoriza quebra de sigilos fiscal e bancário do ministro Romero Jucá


O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, autorizou nesta sexta-feira a quebra dos sigilos bancário e fiscal do ministro do Planejamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR). Jucá é investigado por assinar emendas parlamentares no Senado para transferir recursos federais para obras no município de Cantá, em Roraima. Em troca, o então senador teria recebido parte das verbas provenientes de licitações superfaturadas organizadas pelo prefeito da cidade. O período da quebra dos sigilos bancário e fiscal vai de 1º de março de 1998 a 31 de dezembro de 2012. Além de Jucá, oito empresas com suspeita de envolvimento no esquema também tiveram seus sigilos quebrados e deverão fornecer informações sobre todas as transações realizadas no período. Marco Aurélio acatou um pedido da Procuradoria Geral da República formulado em 20 de abril e que também pedia a quebra dos sigilos de Paulo Peixoto, então prefeito de Cantá, o que foi negado pelo ministro. Peixoto é investigado na primeira instância, e o pedido deverá ser formulado ao juiz competente. Jucá tem seis procedimentos instaurados no Supremo Tribunal Federal. Ele é investigado em dois inquéritos na Lava Jato por suspeita de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha e também é suspeito de envolvimento esquema de compra de medidas provisórias para favorecer a indústria automotiva desvendado pela Operação Zelotes. Há também um pedido para que o ministro seja incluído numa investigação sobre um esquema de desvio de verbas nos contratos de Belo Monte. Nas últimas semanas correm intensos rumores em Brasília de que sua ex-mulher teria feito acordo de delação premiada com autoridades americanas e estaria em programa de proteção de testemunhas. Nada se confirma sobre esta história que não abandona o primeiro plano. 

Sartori vai atrasar de novo os salários do mês de maio para funcionários públicos gaúchos de segunda classe

O governo do Rio Grande do Sul, de José Ivo Sartori (PMDB), vai aplicar mais um calote no pagamento dos salários do funcionalismo público do Poder Executivo, os de segunda classe do Estado gaúcho. Os funcionários de primeira classe são aqueles que pertencem aos Poderes Legislativo e Judiciário, e também ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas e Defensoria. Esses não só recebem em dia, como recebem integralmente e agora com aumento aprovado pela Assembléia do Rio Grande do Sul. Sartori vai aplicar o calote nos salários mesmo também caloteando o pagamento da dívida pública com a União. Nem assim ele terá dinheiro para pagar todos os funcionários. Ele caminha para completar o segundo ano de gestão sem qualquer projeto à vista para enfrentar o gigantesco desequilíbrio da contas públicas estaduais. A única coisa que ele soube fazer, como se isso fosse uma solução miraculosa, foi aumentar imposto, e que resultou em nada, devido à grande queda do produto bruto nacional. Como se não bastasse o escárnio sobre os funcionários do Poder Executivo, seus colegas de primeira classe dos outros poderes também receberão neste mês a primeira parcela do 13º salário. O Rio Grande do Sul perdeu completamente a vergonha na cara. 

A Abin petista, sob comando de Dilma, espionou até o computador pessoal de Marcela Temer

A revista IstoÉ de hoje revela que duas semanas antes do Natal os responsáveis pela segurança do presidente Michel Temer passaram a estranhar a presença de “fotógrafos” postados nos limites do Palácio do Jaburu, de onde poderiam registrar todas as visitas recebidas pelo então vice-presidente. Na mesma época, Temer passou a estranhar algumas interferências em suas ligações telefônicas e comentou o fato com pelo menos dois líderes do PMDB muito próximos a ele. Surpresos, os dois disseram estar com o mesmo problema. Diante disso foi contratada uma empresa internacional de inteligência para rastrear tudo. E 60 dias depois, membros da operação Lava Jato receberam informações anônimas denunciando espionagem sobre o juiz Sérgio Moro. A espionagem sobre Temer e Moro teria se confirmado, pois, segundo agentes da Polícia Federal ouvidos por ISTOÉ, o ex-presidente Lula teria sabido com antecedência que seria obrigado a depor coercitivamente e também soube de que sua conversa com Dilma sobre a frustrada nomeação para a chefia da Casa Civil havia sido gravada. Moro teria tornado pública as gravações a partir do momento em que tomou conhecimento de que pudesse estar sendo monitorado pela Abin. Finalmente, no mês passado, a partir de investigação sigilosa feita pela Polícia Civil de São Paulo foi comprovado que o computador pessoal de Marcela Temer, mulher do presidente, havia sido invadido por hackers. Oficialmente, a varredura feita há duas semanas pela Secretaria de Segurança do STF no gabinete de Barroso foi uma ação rotineira. Na verdade, porém, todos os gabinetes do Supremo foram vistoriados depois que três ministros receberam informações de que seriam alvos de bisbilhoteiros. “Temos quase certeza de que o pessoal da Abin está envolvido nisso. Por isso não encaminhamos para lá nenhuma investigação”, disse à ISTOÉ um dos agentes de segurança do STF na noite da quinta-feira 19. “Do ponto de vista institucional, é gravíssimo alguém ter a ousadia de colocar um grampo num gabinete do Supremo. É uma desfaçatez absoluta”, afirmou Barroso, responsável pela gestão das penas dos responsáveis pelo Mensalão. Diante dessas constatações, na semana passada o diretor da Abin, Wilson Trezza acertou sua saída do cargo que ocupa há oito anos. A tendência é a de que ele continue no posto até o final das Olimpíadas, tempo suficiente para que o governo Temer escolha um sucessor, que precisará ser sabatinado pelo Senado antes de assumir. 


Nos últimos seis meses agentes da Abin, a Agência Brasileira de Inteligência, teriam espionado o presidente Michel Temer, líderes do PMDB, o juiz Sérgio Moro e até ministros do STF, como Luis Roberto Barroso. A descoberta, há cerca de duas semanas, de um grampo ambiental instalado sob a mesa do gabinete do ministro Luís Roberto Barroso confirmou as suspeitas que a equipe do presidente Michel Temer e membros da força tarefa da operação Lava Jato têm desde dezembro.  A denúncia está na edição de hoje da revista Istoé. Leia a reportagem de Mário Simas:
“Foi a Abin que grampeou o gabinete do ministro”, revelou a dois senadores o tenente coronel André Soares, ex-agente da Abin ainda lotado na Presidência da República. No final de março, uma empresa internacional de informações que atua no Brasil há mais de dez anos foi contratada para varreduras e detectou a arapongagem. Os espiões, segundo o levantamento feito pela empresa, seriam agentes da Abin trabalhando a pedido do ex-ministro Ricardo Berzoini, a quem a agência se reportava desde outubro do ano, por determinação da presidente afastada, Dilma Rousseff. A equipe de Temer acredita que sob a tutela do general Sérgio Etchegoyen a Abin possa ser melhor controlada".

Juíza desmente o bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato e rejeita visita de médico da Itália


A Justiça do Distrito Federal concluiu que eram improcedentes as denúncias de negligência médica ao banido petista mensaleiro Henrique Pizzolato, de 63 anos, preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Titular da Vara de Execuções Penais, a juíza Leila Cury concluiu uma apuração e rebateu nesta semana a denúncia anônima recebida pelo Disque Direitos Humanos da Presidência da República. A suposta falta de tratamento poderia atrapalhar o processo de extradição com a Itália, em fase de complementação, e até evitar novas condenações na justiça brasileira ao ex-diretor petista de Marketing do Banco do Brasil. "Até o presente momento, não foram identificadas irregularidades no tratamento dispensado ao apenado", escreveu a magistrada em ofício endereçado na quarta-feira à Procuradoria Geral da República. Leila Cury afirmou que o bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato já recebeu seis atendimentos médicos e um de enfermagem na Papuda, desde que foi extraditado ao País no ano passado. "Não merece prosperar a alegação dos porta-vozes do sentenciado de que, passados cinco meses do seu recolhimento, ele não teria recebido acompanhamento médico". Em fevereiro, a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos recebeu relato não identificado de que Pizzolato reagiu alergicamente a remédios e não teve atendimento adequado na Ala dos Vulneráveis do Centro de Detenção Provisória da Papuda - segundo a juíza, a ala tem equipe completa de saúde, "condições prediais, instalações e mobiliário excelentes". O conteúdo era o mesmo de cartas de denúncia escritas no fim de 2015 por uma advogada que mantinha cargo na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, no governo Dilma Rousseff. A defesa de Pizzolato disse que desconhecia o teor das denúncias. "Quanto à alegação de que nenhuma providência teria sido adotada após relato de alergia cutânea, restou devidamente comprovado por intermédio de relatório médico datado de 18/4/2016 que o apenado apresentou episódio alérgico isolado que foi regularmente acompanhado pela equipe de saúde local e solucionado com uso de medicação tópica", relatou a juíza. "Ele faz uso de medicação ansiolítica fornecida pela Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal e de medicação para prevenção de varizes, adquirida por seus familiares, sendo o seu estado geral bom e sem intercorrências". O bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato reforçou as denúncias falsas pessoalmente a autoridades italianas durante vistoria na Papuda, em 10 de maio. Ele reiterou queixas sobre condições de saúde e sanitárias do estabelecimento prisional e alegou que "desde que deu entrada no Centro de Detenção Provisória não teria sido submetido a exame físico e nem a acompanhamento médico", e reclamou da variedade de alimentos fornecidos. Preocupada, a Embaixada da Itália em Brasília, então, formulou um pedido ao Ministério Público Federal para enviar um médico particular de confiança para verificar a saúde do bandido petista mensaleiro-fujão. Leila Cury negou. Segundo a juíza, há "prova cabal e irrefutável" que desmente Pizzolato. Ela entendeu que deixar entrar na Papuda um médico da embaixada italiana e fornecer alimentos particulares poderia caracterizar "tratamento diferenciado e privilegiado". "No que diz respeito à alimentação dos internos, informo que o Distrito Federal lhes fornece quatro refeições diárias: café da manhã, almoço, jantar e ceia; sendo permitido o ingresso semanal de 500g de biscoitos, além de seis unidades de banana, goiaba, maçã ou pêra, levados pelos visitantes dos internos e, ainda, o consumo de produtos alimentares comercializados na cantina do bloco, com quantidade e variedade satisfatória de produtos, sendo conveniente ressaltar que aquele é um estabelecimento prisional e, por isso, não conterá a variedade de produtos e marcas a que o sentenciado, em razão de sua classe social, está acostumado a consumir", relatou a magistrada. "Quanto ao receio do apenado de contrair dengue, febre chikungunya ou zika vírus, ressalto que se trata de sentimento comum de toda a sociedade brasileira ante um quadro de epidemia nacional". A defesa de Pizzolato já deu entrada em pedido de progressão para o regime semiaberto, do qual ele pode se beneficiar a partir de 7 de junho. O pedido será analisado nos próximos dias pelo ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal. A Justiça Federal de Lages (SC), porém, decretou uma nova prisão preventiva dele no processo a que vai responder por falsidade ideológica e uso de documento falso. Para sair da cadeia, ele terá de quitar ainda a multa de R$ 2.054.585,89. É necessário também levar em consideração que ele é preso que fugiu do País para não cumprir sua pena no processo do Mensalão. 

Coca-Cola pode suspender a produção na Venezuela por falta de açúcar para os refrigerantes


A Coca-Cola disse em comunicado que suas quatro fábricas de engarrafamento continuarão produzindo "até que acabe o estoque de açúcar refinado industrial". "Se esse estoque não for reposto rapidamente, haverá interrupções temporárias na produção das bebidas com açúcar", que correspondem a 90% do portfólio da empresa, diz a nota. A empresa, que tem mais de 7.000 funcionários no país, não prevê fechar as portas: "Não vamos sair do país. Estamos adiantando ações que nos permitam enfrentar essa conjuntura juntamente com os fornecedores, autoridades competentes e nossos trabalhadores". A Polar, grande produtora de alimentos e bebidas da Venezuela, anunciou no fim de abril a suspensão das operações de suas quatro fábricas de cerveja no país. Segundo a empresa, que produz cerca de 80% de toda a cerveja consumida na Venezuela, a decisão foi tomada após o governo de Nicolás Maduro impedir o acesso da Polar a divisas em dólares para importação de malte de cevada. No sábado passado (14), Maduro ameaçou intervir nas fábricas que estiverem paralisadas e prender os empresários que parassem a produção com o objetivo de "sabotar o país". "Fábrica parada, fábrica entregue ao povo! (...) Vocês vão me ajudar a recuperar todas as fábricas paralisadas pela burguesia", declarou Maduro, em um comício no centro de Caracas. Nicolas Maduro é um ditador comunista (bolivariano) psicopata perigoso que precisa ser derrubado logo. 

Governo piora previsão do PIB para queda de 3,8% em 2016


A economia brasileira deverá encolher 3,8% neste ano e a inflação deve ficar em 7%, de acordo com as estimativas do novo governo apresentadas nesta sexta-feira no Relatório de Receitas e Despesas. A previsão anterior, feita em fevereiro pela equipe da presidente afastada, a petista Dilma Rousseff, era de queda do Produto Interno Bruto de 3,05% e inflação medida pelo IPCA de 7,44%. No ano passado, o PIB do Brasil já havia registrado uma queda de 3,8%. Com a previsão de uma nova retração neste ano, será a primeira vez que o País registrará dois anos consecutivos de encolhimento no nível de atividade econômica, ao considerar a série histórica oficial, do IBGE, que começou em 1948. De acordo com o último relatório Focus, do Banco Central, o mercado financeiro estima uma contração de 3,88% para o PIB este ano e uma inflação de 7%, agora, em linha com a expectativa do governo. Ainda no Relatório de Receitas e Despesas, o governo prevê uma taxa de câmbio média de 3,70 reais neste ano - a previsão anterior era de 4,18 reais. A nova equipe anunciou nesta sexta-feira a previsão de um rombo nas contas do governo central de 170,5 bilhões de reais. A estimativa anterior, de março, era de déficit de 96 bilhões de reais. 

Governo anuncia previsão de déficit de R$ 170,5 bilhões este ano


A equipe econômica do presidente interino Michel Temer apresentou uma proposta de meta fiscal com previsão de déficit de 170,5 bilhões de reais para este ano. O anúncio foi feito no início da noite desta sexta-feira pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. "Essa é uma meta realista", disse o ministro: "A receita estava superestimada." A previsão é de receita de 1,077 trilhão de reais, o que representa uma queda real (descontada a inflação) de 4%. A meta anterior era incompatível com o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB), segundo o ministro. Apesar da projeção de déficit em 2016, o Orçamento aprovado para este ano fixou uma meta de superávit primário (economia para pagamento de juros da dívida pública) de 24 bilhões de reais. Para 2017, a meta fiscal ainda não foi definida. Em março, a equipe econômica da presidente petista afastada Dilma Rousseff enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei para mudar a meta fiscal de 2016, de forma a autorizar que o governo registrasse um rombo. Ainda assim, o déficit previsto era bem menor, de 96,65 bilhões de reais. O ministro do Planejamento, Romero Jucá, também presente no anúncio, reiterou os argumentos de Meirelles. "Esses números são um espelho da realidade", disse. Ele fez a ressalva, no entanto, de que esse é um "número teto", que pode ser reduzido com medidas de economia: "Não queremos ficar anunciando intenções. Meta fiscal não é novela para se fazer em capítulos". Meirelles reiterou, mais de uma vez, que a nova meta proposta não contempla medidas alguma que demande aprovação do Congresso. "No entanto, o fato de não estarem contempladas aqui, não significa que não haverá foco em medidas de redução de despesas ou de aumento de receita", disse, ao ser questionado sobre uma eventual recomposição da CPMF. Questionado sobre a meta para 2017, o ministro da Fazenda disse que não havia previsão, pois a equipe não gostaria de incorrer em erro ou discussões precipitadas. "O importante é que o governo cumpra obrigações básicas e faça um controle rigoroso. E, a partir de uma base realista, possa ter segurança que análises e números futuros sejam seguros e partam de uma base consistente", disse. Os ministros ainda sinalizaram que novas medidas devem ser anunciadas na semana que vem. "Teremos algumas medidas sendo discutidas e anunciadas. Elas têm o condão de impactar positivamente a meta da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2017. Este alvo, portanto, será revisto no momento apropriado", considerou Jucá. "Existem dois esforços. Um comandado pelo Jucá na aprovação na meta de 2016 no Congresso. Mas isso não quer dizer que trabalharemos todos na mesma coisa. Estamos trabalhando intensamente em novas medidas que entrarão em vigor tão logo sejam aprovadas. Há uma divisão de esforços para ganharmos o máximo de tempo", acrescentou Meirelles. Sobre a aprovação da Desvinculação de Receita da União (DRU) - mecanismo que permite que parte das receitas de impostos e contribuições não seja obrigatoriamente destinada a determinado órgão, fundo ou despesa -, Jucá disse que é uma questão "ainda em discussão com o Congresso": "Estamos fazendo estudos profundos de tipos de vinculação, relacionamento e limites de despesa. No momento oportuno, apresentaremos uma proposta para dar mais qualidade aos gastos públicos". O governo agora vai precisar negociar com o Congresso para acelerar a votação da nova proposta de meta fiscal. Nesta sexta-feira, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), decidiu que vai avocar diretamente para o plenário a votação do projeto de alteração da meta. A votação da proposta deverá ocorrer em sessão prevista para ser realizada na próxima terça-feira, a partir das 16 horas.

Inflação sobe além da expectativa do mercado

A prévia da inflação oficial do país voltou a acelerar em maio e fechou o mês com o pior resultado em 20 anos. O IPCA-15, medido pelo IBGE, passou de 0,51% em abril para 0,86% em maio. No ano, o indicador acumula avançou de 4,21%, e, em 12 meses, de 9,62%. O resultado veio pior do que as estimativas do mercado. Desde o início do ano, os economistas esperam uma desaceleração de preços em razão da crise, mas, na prática, a inflação continua em alta devido a movimentos pontuais de determinados produtos. O principal vilão do mês de maio foram “Alimentos”, que ficaram 1,03% mais caros, e “Remédios”, que tiveram reajuste de 6,5%.

Lula concede entrevista a esbirros da ditadura e diz mais sandices

O ex-presidente diz boçalidades à Telesur, a televisão do regime assassino de Nicolás Maduro. Aquele é o seu horizonte utópico

Por Reinaldo Azevedo - E Lula continua firme em sua parceria com ditaduras. Em entrevista à TV venezuelana Telesur, um mero aparelho da tirania de Nicolás Maduro, o ex-presidente brasileiro voltou a falar que pode ser candidato à Presidência em 2018. No seu delírio, diz que faria isso para “evitar a destruição das políticas de inclusão social”. Como se alguém tivesse tal intenção… Apesar de admitir a possibilidade, diz trabalhar para lançar alguém mais jovem, já que está com 70 anos. É mentira, né? Num concurso para eleger o homem mais lindo do mundo, não tenho dúvidas de que Lula pensaria em Lula como candidato. Também o mais inteligente. O mais sensual. O mais generoso. O mais competente. Lula se acha, em suma, o mais Lula do mundo!!! Na conversa com a TV da ditadura venezuelana, o petista acusou o presidente interino, Michel Temer, de atuar como se fosse definitivo e disse que esse governo “virará as costas para a América do Sul” e não quer “enxergar os BRICs”. O chefão petista afirmou ainda que o discurso do novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, na cerimônia de posse, é o da “elite brasileira” e de quem “não gosta de pobre, de negro ou de tratar os do andar de baixo com igualdade de posição”. Tudo o que Lula diz é puro lixo moral. Não por acaso, concede entrevista à emissora oficial de um país que está sob estado de emergência, com as Forças Armadas nas ruas, tendo de controlar a população na porrada. Falta tudo hoje na Venezuela: democracia, leis, comida, papel higiênico, energia, serviços públicos. O país está no fundo do poço. O Brasil não enveredou pelo caminho da Venezuela porque nossas instituições não permitiram, mas era o horizonte do PT. Tanto é assim que a mais recente resolução do partido elogia países do continente que teriam completado o ciclo do que eles chamam “progressismo”. Trata-se, obviamente, de uma referência à ditadura venezuelana. Vale dizer: se você quer saber qual é o horizonte utópico dos petistas, olhe para a Venezuela.

Tamanho do déficit expõe a dupla irresponsabilidade a que estávamos submetidos sob Dilma

Número que o governo Temer enviará ao Congresso é 76,35% maior do que o previsto pela “Afastada”, que já era gigantesco

Por Reinaldo Azevedo - Um dos acertos destes primeiros dias do governo Temer, já escrevi aqui e tratei deste assunto também na minha coluna na Folha desta sexta-feira, é o que poderia chamar de realismo fiscal. O governo bateu o martelo sobre o número provável do déficit deste ano: espantosos R$ 170,5 bilhões. Cumpre lembrar: o governo Dilma já havia feito uma revisão, e o buraco era de R$ 96,7 bilhões — 76,35% a mais. E por que é assim: a gestão Dilma havia superestimado a receita, alheia à recessão deste ano, prevista pelo governo, por enquanto, em 3,8%. Em entrevista, Henrique Meirelles, afirmou que a meta é realista e representaria um teto. Medidas de contenção de despesas poderiam diminuir o tamanho do rombo. Não sei… A eventual renegociação da dívida dos Estados não está na conta. Mas será que haverá renegociação? Ah, fiquem certos: haverá. O número da conta da irresponsabilidade a que estávamos submetidos fica duplamente evidenciada. O tamanho do rombo fala da competência da gestora anterior, a “Afastada”. A diferença entre o número de agora e o de antes expõe de forma contundente o que não tinha como ser só incompetência: era também má-fé. Dilma destruiu as contas públicas no Brasil. Essa é a verdade insofismável. Seu crime, como gestora, é bem mais grave do que a simples pedalada.

EXCLUSIVO – Temer vai devolver à Cultura o status de Ministério na segunda

É um bom recuo. O País não precisa é de governantes que nunca mudam de idéia, mesmo quando erram. Foi assim que Dilma quebrou o Brasil

Por Reinaldo Azevedo - O presidente Michel Temer vai recriar o Ministério da Cultura. Vamos melhorar um pouco este texto: não se extinguiu estrutura nenhuma; não haveria corte de verbas. Muito pelo contrário: o setor está com um rombo de quase R$ 250 milhões. Temer já negociou com Henrique Meirelles, da Fazenda, a cobertura do buraco, em prováveis parcelas de cinco vezes. Sabem quando Dilma faria isso? Nunca! Havia uma justa demanda da sociedade pela redução do número de ministérios. E o da Cultura, em razão da estrutura que tem e da proximidade óbvia com a Educação, era um candidato à fusão. Todos sabem a minha opinião a respeito: eu não teria feito essa fusão porque me parecia que a dor de cabeça seria infinitamente maior do que os benefícios. Na era da Internet, boatos viram fatos. E o boato de que a Cultura estaria sendo subestimada virou, para os artistas, um fato, ainda que não-verificável. Porque, efetivamente, não há desprestígio nenhum. Mas, ora vejam!, a política também vive das aparências. Ainda que Temer tenha mandado resolver o rombo da cultura e tenha anunciado a disposição de aumentar a dotação orçamentária, isso acabará sendo subestimado se restar a sensação de que, ao transformar um ministério em secretaria, ele rebaixou o setor. Assim, o presidente está decidido a devolver à Cultura o status de ministério, atendendo, de resto, ao apelo não apenas dos artistas. Parte considerável da classe política também não viu a medida com bons olhos. É um recuo? É, sim! E me parece meritório! O bem que como tal não é percebido e que corre o risco de ser lido às avessas, vamos convir, “bem” não é. Porque assim será apenas se puder se desdobrar em fatos virtuosos. E, definitivamente, não é o que está em curso. O presidente está com uma tarefa gigantesca nas mãos, como todos sabemos. O rombo no Orçamento anunciado nesta sexta, 76,35% maior do que a gestão Dilma havia anunciado, dá conta do desafio. Temer está consertando um avião que estava pronto para se espatifar enquanto ele está voando. Eu mesmo estou entre aqueles que chamaram de “erro” a fusão. E não vou, obviamente, censurar alguém que corrige um erro. Ao contrário: vou aplaudir. Que a Cultura volte a ter status de Ministério. O que cobro, isto sim, é que seja gerida por gente competente e que os gestores se orientem pelo critério, então, da eficiência, da qualidade e do retorno dos recursos investidos. Com em qualquer área. Anotem aí: na segunda-feira, o presidente deve anunciar a mudança. Que bom! O Brasil estava enfarado era de governantes que, ao perceber que adotaram um remédio errado, dobravam a dose. Assim fazia Dilma. Também essa mudança é positiva.

Porto maranhense deve ser federalizado para sair das mãos do comunista Flavio Dino

O ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), já foi informado sobre a proposta de federalizar o estratégico Porto do Itaqui, administrado pelo governo do Maranhão. Lobão Filho está articulando para convencer Michel Temer a tirar o porto (que lucrou R$ 68 milhões somente em 2015) das mãos do governador comunista Flávio Dino, procurador da República, que se revelou um fidelíssimo escudeiro da petista Dilma Rousseff. Ele foi o autor da gigantesca bravata aplicado pelo deputado federal Waldir Maranhão, que teve a ousadia de pretender anular a votação do plenário da Câmara que autorizou o impeachment da presidente petista, com maioria superior a dois terços dos parlamentares. O comunista Flavio Dino vai receber o troco. O pleito pela federalização do porto também interessa à família Sarney.

É inaceitável acúmulo de cargos de Pedro Parente

É inaceitável a decisão de Pedro Parente de permanecer na presidência do Conselho de Administração da BM&FBovespa, posição que ele ocupa desde 2013, mesmo depois de assumir a presidência da Petrobrás. Não se trata de saber se há ou não conflito intrínseco de interesses, os quais existem, mas é até uma evidente falta de comprometimento com a nova missão, que vai muito além da mera gestão de empresa, porque envolve sentimentos decididamente patrióticos.

Sumiram até registros de visitas de políticos e empresários ao Palácio do Planalto

O governo está averiguando denúncia de que registros de entrada no Palácio do Planalto desapareceram. Assessores diretos do presidente em exercício, Michel Temer, foram avisados do sumiço de cadastros de políticos, empresários e outros frequentadores do Palácio. São informações que indicam dia, horário e quais gabinetes visitavam. O novo governo suspeita que os dados foram apagados, uma vez que reúnem informações valiosas sobre a gestão anterior de Dilma Rousseff. Não está descartada uma falha nos computadores. Há mais. Diz o deputado federal Jerônimo Gorgen: "Queremos auditoria em todos os órgãos que ocuparmos. Não há como fazer de outra forma".

Sartori já deu um calote de R$ 840 milhões nas parcelas mensais da dívida não pagas governo da União

O governo do Rio Grande do Sul, de José Ivo Sartori (PMDB), entra no terceiro mês de inadimplência (calote) na sua dívida com a União. Ele não pagou as parcelas de março, abril e maio. Já são R$ 840 milhões de parcelas da divida acumulados. Os valores devidos não foram depositados judicialmente, não foram apartados e não serão pagos tão cedo. O Supremo Tribunal Federal garantiu que a União não poderá bloquear as contas do governo para reaver o que lhe pertence, mas a decisão é liminar.

O governo Dilma deixou 107 mil CCs, sendo 10.700 mil do PT

A Casa Civil do governo Michel Temer já sabe quantos CCs tinha o PT ao final do governo Dilma Roussef. Acompanhe os números:
Número total de servidores do governo - 808.628
Número total de CCs no governo Dilma - 107.121
Número total de CCs do PT no governo Dilma - 10.712
Do total de CCs do PT, 2.200 são de cargos de Direção e Assessoramento Superior. São postos de trabalho principalmente nos segundo e terceiro escalões. O ministério da Educação é o que tem mais CCs. São 47,9 mil. A Presidência possui 6.026 CCs. Em 2014, últimos números conhecidos, os comissionados do CC doaram R$ 7 milhões ao PT.

Trabalhadores demitidos do terceiro turno rejeitam proposta de acordo da GM de Gravataí

Em assembléia realizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí na tarde de quinta-feira, 125 trabalhadores demitidos da unidade da General Motors do município rejeitaram a proposta de acordo encaminhada pela montadora na audiência realizada no início da semana no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. Ainda durante o encontro, os trabalhadores aprovaram uma contraproposta de até R$ 12 mil que será levada para conhecimento do TRT/RS. A empresa comprometeu-se a pagar, em 31 de maio, parcela indenizatória aos despedidos no valor de R$ 2.200,00. Também se propõe a pagar uma parcela final referente à participação nos resultados, em 8 de julho, na quantia de R$ 4.610,00. Pela proposta fica assegurada, também, a priorização dos dispensados em eventual recontratação, caso a empresa volte a admitir empregados.

PP quer auditoria no Grupo Hospitalar Conceição e no Ministério da Agricultura no Rio Grande do Sul

O PP já avisou internamente que quer auditoria em todos os ministérios e órgãos federais que assumir o comando nos Estados. Isto inclui o Grupo Hospitalar Conceição e o Ministério da Agricultura, em Porto Alegre. Se as auditorias forem realizadas com rigor serão encontradas cobras e lagartos, esqueletos da ORCRIM petista. 

Beltrame é secretário executivo de Osmar Terra no ministério do Desenvolvimento Social

Ex-secretário de Atenção à Saúde, Augusto Beltrame, que é gaúcho, já é o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social, comandado pelo deputado federal Osmar Terra. Uma das primeiras tarefas do ministério é realizar uma enorme auditoria nos gastos dos programas sociais montados pela ORCRIM petista. Por exemplo, já é plenamente sabido que há dezenas de milhares de prefeitos, vices e vereadores inscritos no programa de combate à fome. E isso é só o começo. 

O PT conseguiu deixar o Exército muito irritado

A colunista Eliane Cantanhêde revela nesta sexta-feira no jornal que o comandante do Exército, Eduardo Villas Boas, irritou-se muito com os termos da resolução aprovada esta semana pelo PT, no ítem que toca nas relações dos governos Lula e Dilma com as Forças Armadas. Na resolução, o PT faz mea culpa por não ter aparelhado Exército, Marinha e Aeronáutica: 1) modificação dos currículos das academias militares; 2) promoção de oficiais com "compromisso democrático e nacionalista", portanto simpáticos ou seguidores do lulopetismo. O comandante disse que o tom usado pelos petistas é bolivariano e aprofunda o sentimento anti-petista existente nas Forças Armadas. Assim é que Lula, Dilma e o PT gostariam de ver o Exército do Brasil. No trecho que atraiu a atenção do Comandante do Exército, o partido de Lula e Dilma mostra o que os lulopestistas pretendiam trazer para as instituições estatais a doutrina da organização criminosa lulopetista: “Fomos igualmente descuidados com a necessidade de reformar o Estado, o que implicaria impedir a sabotagem conservadora nas estruturas de mando da Polícia Federal e do Ministério Público Federal; modificar os currículos das academias militares; promover oficiais com compromisso democrático e nacionalista; fortalecer a ala mais avançada do Itamaraty e redimensionar sensivelmente a distribuição de 5 verbas publicitárias para os monopólios da informação…”. Nas últimas eleições a oposição dos militares à candidatura Dilma foi evidente. Setores da reserva se manifestaram seguidamente contra a esquerda nacional e sua sanha por reescrever o passado do Brasil a sua maneira. Veja a coluna de Eliane Catanhêde: "PT irrita Exército - O comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, reagiu com irritação à Resolução do Diretório Nacional do PT sobre Conjuntura, aprovada na última terça-feira, em que o partido, em meio críticas à própria atuação e ao governo Dilma Rousseff, incluiu um “mea culpa” por não ter aproveitado seus 13 anos no poder para duas providências em relação às Forças Armadas: modificar o currículo das academias militares e promover oficiais com “compromisso democrático e nacionalista”. “Com esse tipo de coisa, estão plantando um forte antipetismo no Exército”, disse o comandante, considerando que os termos da resolução petista - e não apenas às Forças Armadas - “remetem para as décadas de 1960 e de 1970″ e têm um tom “bolivariano”, ou seja, semelhante ao usado pelos regimes de Hugo Chávez e agora de Nicolás Maduro na Venezuela e também por outros países da América do Sul, como Bolívia e Equador. Segundo o general Villas Boas, o Exército, como Marinha e Aeronáutica, atravessam todo esse momento de crises cumprindo estritamente seu papel constitucional e profissional, sem se manifestar e muito menos sem tentar interferir na vida política do país. Ele espera, no mínimo, reciprocidade. Além dele, oficiais de altas patentes se diziam indignados contra a resolução do PT. Há intensa troca de telefonemas nas Forças Armadas nestes dois últimos dias. Eis o parágrafo da Resolução do PT que irritou o Exército, na página 4 do documento: “Fomos igualmente descuidados com a necessidade de reformar o Estado, o que implicaria impedir a sabotagem conservadora nas estruturas de mando da Polícia Federal e do Ministério Público Federal; modificar os currículos das academias militares; promover oficiais com compromisso democrático e nacionalista; fortalecer a ala mais avançada do Itamaraty e redimensionar sensivelmente a distribuição de 5 verbas publicitárias para os monopólios da informação".

Onyx Lorenzoni confirma candidatura à prefeitura de Porto Alegrwe


O deputado federal Onyx Lorenzoni anunciou nesta sexta-feira, em Porto Alegre, que será candidato a prefeito da capital gaúcha. Ele usou seu Facebook para fazer o anúncio. O DEM, Partido pelo qual Onyx irá disputar a eleição, já está procurando alianças. A disputa em Porto Alegre começa a apresentar contornos mais definidos, já que ontem o PT também anunciou que terá candidato próprio, no caso o ex-prefeito Raul Pont. PMDB irá com o vice-prefeito atual e o PTB lançou Maurício Dziedricki. O PDT poderá lançar Vieira da Cunha, mas ele ainda não disse se aceita o encargo. Os demais partidos, como o PP, ainda estão indecisos.