sexta-feira, 20 de maio de 2016

Já está em marcha a redistribuição de cargos federais no Rio Grande do Sul

A redistribuição de cargos federais no Rio Grande do Sul já tem até desenho. O pacote começará a ser desatado a qualquer momento, mas o mais provável é que isto ocorrerá na semana que vem. O desenho é o seguinte:
CGTEE - ficará com o PSD.
Grupo Hospitalar Conceição - caberá ao PP
Trensurb - cargos serão do PSDB
DRT - cargos para o  PTB
Dnit - as estradas serão do PMDB
Superintendência do Ministério da Agricultura - PP
Não haverá porteira fechada, ou seja, cada partido não ficará com todas as diretorias, mas dividirá o bolo com os demais partidos da base. Os demais órgãos federais obedecerão critérios de ocupação que serão determinados pelo comando do ministério aos quais pertencem. Tudo passa, antes, pelo crivo da Casa Civil. Ou seja, o grande controlador da distribuição de cargos federais no Rio Grande do Sul será o ministro gaúcho Eliseu Padilha. 

Deputado federal Marchezan Jr. em vias de desistir da candidatura à prefeitura de Porto Alegre


O deputado federal Nelson Marchezan Júnior estaria repensando sua intenção de disputar a prefeitura de Porto Alegre. O deputado é interventor no diretório estadual, sem prazo para convocar eleições, determinou intervenção também no diretório metropolitano e agora tem um partido que pode chamar de seu, mas sem qualquer estrutura e quadros. Tucano parece ter virado uma espécie em extinção no Rio Grande do Sul. O partido, que já era pequena, a ponto de caber em Kombi, agora parece ter desaparecido do mapa. As quatro prefeituras mais vistosas do PSDB no Rio Grande do Sul poderão se evaporar em outubro. São os casos de Pelotas, Uruguaiana, São Leopoldo e Viamão. Alias, em Viamão o prefeito tucano já está avisando que não concorrerá à reeleição. 

Fortunati anuncia começo de outra obra virtual, que ele não irá terminar em seu mandato


O desastroso prefeito de Porto Alegre, a alma petista José Fortunati (PDT), anunciou que irá começar na segunda-feira outra obra que não concluirá. Desta vez serão as obras de ampliação da avenida Severo Dullius, lançada em 2011 e depois paralisada por incompetência da prefeitura e esperteza da empreiteira. O novo trecho deverá ter dois quilômetros e pretende servir como alternativa às saturadas avenidas Sertório e das Indútrias, na zona Norte. A atual avenida Dique terá bloqueio a partir de segunda-feira. O prefeito, que prometeu entregar tudo durante a Copa, quer fazer em 7 meses o que não fez em cinco anos, já que prometeu inaugurar a nova obra no mês de dezembro, o último mês do seu mandato atual. Ele sabia perfeitamente que essa obra era impossível, porque foi avisado por Videversus a esse respeito. O terreno por onde deve passar a avenida é um aterro de lixo, o Aterro da Zona Norte, que acumula milhões de toneladas de lixo, em uma cota que alcança até oito metros de altura (nos mesões, a altura do maior chega a 18 metros, e o menor a 9 metros). Dois canais drenam o chorume, sem qualquer tratamento, para o rio Gravataí, que corre do outro lado da autoestrada Freeway. Para fazer a avenida seria necessária a remoção de centenas de milhares de toneladas de lixo, em um operação que não tinha licenciamento ambiental e que era inviável pelo preço proibitivo. A mesma coisa com a pretendida e muito mentirosa intenção de alongamento da pista do Aeroporto Internacional Salgado Filho. Agora ele pretende que a nova avenida siga os moldes de estrada de Key Biscane, construída sobre pilotis, como uma elevada. Também não há licenciamento para esta obra. Além disso, toda a área está sob comando judicial, em sentença definitiva da 3ª Vara da Fazenda Pública, que obriga a prefeitura a fazer a remediação ambiental da região, onde 15 milhões de toneladas de lixo foram colocadas diretamente sobre o solo nú, sem qualquer impermeabilização. É um gigantesco contencioso ambiental, o maior do Rio Grande do Sul, e um dos maiores do Brasil. 

Grupo Gerdau vende sua aciaria espanhola por R$ 615 milhões

O grupo Gerdau anunciou nesta sexta-feira a venda por R$ 615 milhões da sua empresa produtora de aços especiais na Espanha para a Clerbil SL, grupo de investimento com experiência internacional formado por executivos locais da companhia, liderados pelo atual CEO da operação, José Jainaga. O valor da transação é de 155 milhões de euros (aproximadamente R$ 615 milhões), com a possibilidade de receber até 45 milhões de euros adicionais ao final de cinco anos, a depender do desempenho futuro do negócio. O Grupo Gerdau está profundamente envolvido na Operação Zelotes e seu presidente, André Gerdau, foi denunciado no inquérito da Polícia Federal. O ex-presidente do grupo Gerdau, Jorge Gerdau Johannpeter, está profundamente envolvido no caso investigado na Operação Lava Jato. Entre outras coisas, ele aprovou a compra fraudulenta da refinaria de Pasadena, uma das maiores vigarices do capitalismo mundial. E nada viu, nada ouviu, nada sabia. Ele aprendeu bem a lição com os petistas. 

A comunista petista Dilma Rousseff mandou a Abin romper acordos de colaboração com a CIA e o FBI

Só agora vazaram as informações de que o general Sérgio Etchegoyen, novo ministro do Gabinete de Segurança Institucional, avisou ao próprio presidente Michel Temer que a Abin rompeu a colaboração que mantinha com as principais agências internacionais de inteligência, como CIA e FBI. Foi ordem direta da comunista petista e ex-terrorista Dilma Rousseff. Michel Temer mandou refazer todos os acordos.

Supremo inclui dados novos nas investigações da Lava Jato sobre Lula


O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, mandou incluir na denúncia contra o poderoso chefão e ex-presidente Lula novos elementos que demonstram a proximidade do petista com o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual. Ambos são acusados de participar da trama para comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. A ordem de Teori inclui na denúncia trechos da delação premiada do senador cassado Delcídio Amaral (ex-petistas, agora em partido-MS), que também foi denunciado por envolvimento no mesmo caso. Delcídio do Amaral afirmou, nos termos de colaboração, que Esteves é um dos principais mantenedores do Instituto Lula, responsável por organizar as palestras do ex-presidente. De acordo com o ex-senador, a relação de Esteves com Lula se deve ao fato de o ex-presidente ter sido um dos principais apoiadores dos negócios do BTG, e que Lula era um "alavancador eficaz" de negócios para agentes econômicos no Brasil e no Exterior. No pedido enviado pela Procuradoria-Geral da República a Teori Zavascki, o procurador-geral Rodrigo Janot aponta o "relacionamento estreito" entre o banqueiro e o Instituto Lula. Na decisão, Teori também juntou o trecho da delação de Delcídio do Amaral sobre Lula e Esteves no inquérito da Lava Jato que investiga parlamentares e operadores do esquema de corrupção por formação de quadrilha. Há um pedido pendente para que o ex-presidente também seja incluído neste inquérito. As informações do ex-senador sobre o caso também foram atreladas às investigações no Supremo e na 13ª Vara Federal de Curitiba, conduzida pelo juiz Sérgio Moro, sobre o embandeiramento dos postos BR. O caso envolve, além de Esteves, o empresário Carlos Santiago, investigados na primeira instância, e o senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL), que tem foro privilegiado.

Henrique Meirelles prevê no déficit fiscal a moratória da dívida dos Estados

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles,  revelou na coletiva de imprensa no final da tarde desta sexta-feira que ele e o ministro Romero Jucá concederam em Brasília, que o governo apartou valores em torno de R$ 20 bilhões para contemplar algum tipo de moratória para as dívidas estaduais. O valor foi lançado na conta do déficit fiscal de R$ 170,4 bilhões previsto para este ano, meta já revisada, portanto, mas não se refere apenas às dívidas dos Estados. O ministro disse que o tamanho da moratória será determinado com exatidão ao longo das negociações com os governos estaduais e municipais.

Henrique Meirelles e Romero Jucá anunciaram meta fiscal com déficit de R$ 170,4 bilhões; medidas de ajuste só sairão a partir da semana que vem


Os ministros da Fazenda e do Planejamento, Henrique Meirelles e Romero Jucá, anunciaram (18h30min) em coletiva à imprensa a nova meta fiscal para 2016, conforme proposta que irá neste final de semana para exame do Congresso. O valor irá a um déficit de R$ 170,4 bilhões, bem diferente e quase o dobro dos R$ 96 bilhões previstos pelo governo da petista Dilma Roussef, que preparava mais uma enganação do Congresso Nacional e da sociedade brasileira. O Congresso aprovará a nova meta de déficit na terça-feira. O prazo para a mudança esgota-se na semana que vem. Meirelles e Jucá não chegaram a detalhar os ítens da meta, mas colocaram a disposição dos jornalistas todos os dados sobre a herança maldita deixada por Dilma. Os dois ministros disseram que a partir da semana que vem o governo anunciará medidas para melhorar a receita e diminuir as despesas, mas não quiseram entrar em detalhes. Eles não descartaram nada, nem mesmo a possibilidade de recriação da CPMF ou a redução de gastos obrigatórios para tentar recompor o rombo produzido pelo regime petralha. 

Sobrinho de Lula é suspeito de ser laranja do poderoso chefão e ex-presidente petista


Sobrinho do poderoso chefão e ex-presidente Lula, Taiguara Rodrigues dos Santos é suspeito de ser laranja e operador do petista num esquema de tráfico de influência no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) para a conquista de financiamento de obras da Odebrecht fora do País. Ele foi alvo de condução coercitiva e seus endereços tiveram ações de busca e apreensão na Operação Janus, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira. Conforme investigadores do caso, há fortes indícios de um relacionamento entre Lula e Taiguara para recebimento de vantagens indevidas. O poderoso chefão e ex-presidente petista é investigado por conseguir financiamentos – por meio do seu prestígio político – para a empreiteira propineira Odebrecht realizar obras no Exterior. Na sequência, a empreiteira propineira subcontratava a Exergia Brasil, de propriedade de Taiguara. Para investigadores, a empresa do sobrinho de Lula não teria capacidade de operação e seria apenas usada para receber repasses da Odebrecht. Investigada na Operação Lava Jato, a empreiteira propineira baiana é responsável por obras na República Dominicana, Cuba e Angola. Em todos os casos, as obras foram realizadas por meio de financiamentos do BNDES. Filho do irmão da primeira mulher de Lula, Taiguara tem residência oficial em Santos, no litoral paulista. Ele, porém, foi detido em um hotel no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, o que significa dizer que estava sendo monitorado pela Polícia Federal, que acompanhava seus passos. Ele estava acompanhado do seu funcionário José Emmanuel de Deus Camano. Além de trabalhar para Taiguara, Camano é procurador da empresa, assina documentos e faz pagamentos. Foi preparado um questionário de cerca de 100 perguntas para Taiguara. O interrogatório foi realizado na Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro.

Polícia Federal investiga lobby de Lula no BNDES e pagamentos da Odebrecht em Cuba e outros países


A Polícia Federal tem um inquérito aberto para investigar empréstimos do BNDES, com a intervenção do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Entre as obras investigadas estão a do Porto Mariel, em Cuba. Documentos mostram que os investigadores apontam que “o ex-presidente Lula atuava como verdadeiro lobista da construtora Odebrecht nos países visitados, defendendo os interesses da empresa e promovendo-a junto aos governos estrangeiros e ao BNDES”. Para os investigadores, há “indícios de que, ao longo dos anos de 2011 e 2014, o poderoso chefão Lula teria recebido vantagens econômicas indevidas, direta e indiretamente, do conglomerado Odebrecht, a pretexto de influir em atos praticados por agentes públicos estrangeiros, notadamente na República Dominicana, Cuba e Angola, além de facilitar e/ou agilizar o trâmite de procedimentos de financiamentos de interesse do conglomerado referido no âmbito do BNDES”. Ainda segundo a documentação, os investigadores indicam que Lula “incorreu em conduta tipificada no código penal, pois teria usado do seu prestígio político e da sua condição de ex-presidente para influenciar governos estrangeiros e interferir nos procedimentos de financiamento do BNDES, tudo em prol da Odebrecht, fazendo-o também em interesse próprio, visto que foi muito bem remunerado, direta e indiretamente (através de familiares e pessoas próximas), pelos serviços prestados”. Sobre a atuação no BNDES, escreveram os investigadores: “São fartos os elementos que apontam no sentido de que Lula também influenciava a atuação do BNDES, facilitando a concessão de financiamentos aos países que contratariam a Odebrecht”. Segundo levantamento apresentado à Justiça, em um período de quatro anos o então presidente do BNDES, Luciano Coutinho, teve “oito eventos públicos registrado em sua agenda, sendo que, desses, apenas um não contou com a presença ativa de diretores do Instituto Lula. Nesse lapso temporal, o mandatário do BNDES compareceu cinco vezes ao Instituto Lula para tratar de ‘conjuntura econômica’ com seus diretores”. A Polícia Federal cruzou informações colhidas nesta investigação com a delação de Delcídio do Amaral. Diz o documento: “Esta interferência explícita do governo e de Luiz Inácio Lula da Silva e pessoas ligadas a ele nas decisões do BNDES transparece em trechos da delação premiada do senador Delcídio do Amaral”. Foi em meio a esta apuração mais completa que a Polícia Federal fez operação na manhã desta sexta-feira (20/5). Foi pedida a quebra de sigilo fiscal e bancário de investigados. Para a Justiça Federal, Taiguara Rodrigues dos Santos, “pessoa próxima e do convívio familiar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, foi contratado para prestar serviços especializados (como sondagens, perfurações, serviços de topografia), “sem experiência anterior e sem a demonstração inequívoca de capacidade técnica, o que indica a ocorrência de irregularidades e dissimulação de valores de origem ilícita”. Para a Justiça, “tais elementos são convincentes e estão bem delineados” em representação feita pela Polícia Federal. Ainda segundo os documentos, “restou comprovada nos autos a rápida ascensão financeira de Taiguara”. Taiguara foi contratado, segundo a apuração, para fazer obra para Joana Cordeiro. Segundo a Polícia Federal, usando fontes abertas, seria uma pessoa com ligações com o Trade Link Bank. Os investigadores apontam que o banco foi usado – de acordo com reportagens – pelo publicitário Marcos Valério para repasses de US$ 900 mil para off-shore de Duda Mendonça, publicitário da campanha de Lula em 2002. “A contratação de empresa de Taiguara (Projetai) por Joana, pessoa que recebeu valores de banco ligado ao PT, a Marcos Valério e utilizado para pagar marqueteiro que atuou na campanha de Lula, revela que ex-presidente realmente movimentou-se para propiciar negócios para seu ‘sobrinho’ em Angola. O pacto levanta até mesmo suspeitas de configurar apenas artifício para transações bancárias irregulares no interesse do Partido dos Trabalhadores". Segundo documentos, os investigadores apontam que Lula viajou para realizar “palestras” (as aspas constam dos documentos). “Percebe-se, no conteúdo de alguns telegramas, a atuação de Lula no intuito de beneficiar a construtora, fazendo ‘lobby’ a seu favor”. Segundo os documentos, Lula recebeu R$ 372.935,54, a título de palestras na República Dominicana. A partir de dados fornecidos pelo BNDES, os investigadores apontam que os empréstimos do BNDES à República Dominicana aumentaram “consideravelmente nos anos de 2013, 2014 e 2015”. Conclui o documento: “Houve, portanto, substancial aumento da atuação do BNDES na República Dominicana após a visita de Lula ao país”. A comitiva de Lula ao país entre 31/5 a 2/6/2011 foi recepcionada por José Dirceu e Marcelo Odebreht. Ainda segundo os documentos, chamou a atenção dos investigadores mudança de posicionamento do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio em relação a um projeto de interesse da Odebrecht em Cuba. Diz um trecho: “Em meados de 2012, é assertivo em afirmar que a Odebrecht não obteria, pelo menos até o final de 2013 (final das obras do Porto Mariel), recursos para outros projetos e em abril de 2013 já prepara informação ao COFIG para aprovar financiamento ao aeroporto de Havana”. Os investigadores apontam que o financiamento para a modernização do aeroporto foi aprovado pelo COFIG em 29/05/2013, “poucos meses após a visita de Luiz Inácio Lula da Silva”. A Polícia Federal diz que diálogos reproduzidos de outra visita de Lula a Cuba mostram “claramente a atuação de Lula em prol da Odebrecht, inclusive com intervenção junto à presidente Dilma Rousseff”. 

Procuradoria Geral da República diz que Lula tentou comprar silêncio de Nestor Cerveró

A TV Globo teve acesso à denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o ex-presidente Lula. Ele é acusado de obstrução da Justiça. O procurador-geral diz que Lula tentou comprar o silêncio de um delator da Lava Jato. Ele e outros tentaram comprar o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, por R$ 250 mil. De acordo com os investigadores, Lula agiu junto com o ex-senador Delcídio do Amaral, o chefe de gabinete dele, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho de Bumlai. A denúncia detalha a participação do poderoso chefão Lula nas tratativas sobre os repasses e os contatos entre todos os envolvidos. A Procuradoria-Geral da República partiu das delações do ex-senador Delcídio do Amaral e de seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira, para buscar provas materiais, como extratos bancários, telefônicos, passagens aéreas e diárias de hotéis, e chegou à conclusão de que eles se juntaram ao poderoso chefão e ex-presidente Lula, ao amigo dele e pecuarista, José Carlos Bumlai, e ao filho, Mauricio Bumlai, e atuaram para comprar por R$ 250 mil o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. O programa Bom Dia Brasil teve acesso à íntegra da denúncia da Procuradoria-Geral da República. O primeiro pagamento, de R$ 50 mil, foi feito por Delcídio do Amaral, em maio do ano passado. Ele recebeu o dinheiro de Mauricio Bumlai em um almoço. A quebra de sigilo mostra que Mauricio Bumlai fez dois saques de R$ 25 mil dias antes. A operação foi na agência bancária da Rua Tutóia, São Paulo - cidade onde ocorreu o repasse dos valores a Delcídio do Amaral. Diogo Ferreira fez os pagamentos que restavam em outras quatro datas entre junho e setembro do ano passado. Sempre recebendo o dinheiro sacado por Bumlai na agência da Rua Tutóia, conforme os extratos bancários. A partir da quebra de sigilo de e-mails do Instituto Lula, a Operação Lava Jato rastreou contatos, reuniões. Segundo a Procuradoria-Geral da República, Lula se encontrou com Delcídio do Amaral durante as tratativas para silenciar Cerveró e também depois dos pagamentos para evitar a delação dele. Foram 5 reuniões, entre abril e agosto de 2015. Uma das reuniões foi no Instituto Lula, no dia 8 de maio - dias antes de Delcídio do Amaral fazer o primeiro pagamento. Delcídio afirmou em delação premiada que, no encontro, o poderoso chefão e ex-presidente Lula expressou grande preocupação de que José Carlos Bumlai poderia ser preso por causa de delações na Lava Jato e que Bumlai precisava ser ajudado. Segundo Delcídio, o motivo para intervenção na delação de Cerveró era evitar que viessem à tona fatos supostamente ilícitos envolvendo ele mesmo, José Carlos Bumlai e Lula. A Procuradoria-Geral da República também aponta como provas telefonemas entre Lula e José Carlos Bumlai, como no dia 7 de abril, um mês antes dos pagamentos, Lula e Bumlai se falaram quatro vezes. E no dia 23 de maio - um dia depois do primeiro pagamento - Lula ligou para José Carlos Bumlai. Conversaram duas vezes nesse dia. No final da denúncia, a procuradoria conclui que Lula impediu ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa, ocupando papel central, determinando e dirigindo a atividade criminosa praticada por Delcídio do Amaral, André Esteves, Edson Ribeiro, Diogo Ferreira, José Carlos Bumlai e Maurício Bumlai. A Procuradoria Geral da República pede a condenação dos denunciados por obstrução da Justiça . O Ministério Público reforcou que Lula queria se proteger e proteger o amigo, o pecuarista José Carlos Bumlai. Isso porque - segundo a delação de Delcídio - havia proximidade entre os dois e Bumlai já tinha prestado serviços de confiança a Lula - que depois passaram a ser investigados pela Lava Jato. Nestor Cerveró diz que seu advogado ficou com a propina paga a ele por Delcídio do Amaral. Quando contou em delação premiada que entregou R$ 250 mil para Nestor Cerveró calar a boca e não comprometer João Carlos Bumlai, Lula e seus familiares, além do PT, tudo a pedido de Lula, o ex-senador Delcídio do Amaral não sabia, mas o dinheiro não chegou ao destinatário e parou no bolso do advogado Edson Ribeiro. É o que diz Nestor Cerveró na carta ao lado, elaborada de próprio punho e entregue para a revista Veja. A carta foi datada de ontem. Nestor Cerveró disse que seu filho, Bruno, desconfiou muito antes dele das razões do advogado. O caso, agora, tomará outro caminho. As revelações de Delcídio do Amaral foram feitas no aditamento das primeiras delações, conforme material enviado pela Procuradoria Geral da República ao Supremo Tribunal Federal esta semana. A Polícia Federal e o Ministério Público Federal checaram as denúncias, conseguiram cópias dos cheques sacados e verificaram que Bumlai e seu filho Maurício entregaram o dinheiro, tudo a pedido de Lula, visando obstruir o serviço da Justiça.

Dilma afirma que governo Temer será "conservador em todos os aspectos"; que bom, assim o Brasil estará garantido



A presidente petista afastada Dilma Rousseff afirmou ao jornalista norte-americano Glenn Greenwald (aliado do espião Edward Snowden), em entrevista publicada nesta quinta-feira (19) no site "The Intercept", que o governo do interino Michel Temer será "bastante conservador em todos os seus aspectos". Ela fala como se isso fosse ruim, quando é o oposto, é muito bom. Ser conservador é ser progressista, e acima de tudo não defender a corrupção sistêmica no poder. Dilma se referiu ao governo Temer como "ilegítimo", citando a ausência de mulheres no ministério e afirmando que se trata de um "governo de homens brancos" em um País onde mais de 50% se declaram de origem afrodescendente. Segundo ela, isso mostra que há um "certo descuidado" por parte do governo com o País. Isso é , naturalmente, uma bobagem esquerdopata. A presidente afastada afirmou também que o governo interino "mostra um grande apetite por cortar programas sociais". Isso é uma mentira, apenas o governo Temer está colocando controles e ajustes em programas que são incompetentes, que não apresentam portas de saída da miséria aos seus clientes. Dilma recebeu Greenwald no Palácio da Alvorada na terça-feira (17), em Brasília. O jornalista é conhecido pela cobertura das revelações de Edward Snowden, antigo prestador de serviços à Agência Nacional de Segurança norte-americana, e que espionou o seu país e hoje está asilado na Russia. Em relação ao presidente afastado, Eduardo Cunha, Dilma o acusou de ser o "líder do golpe" e de agir "nas trevas". É curioso isso, quando ela tanto buscou o apoio de Eduardo Cunha. "Este líder, eminentemente, representa um setor conservador, extremamente conservador", afirmou Dilma. Ela fala como se ser conservador fosse algo criminoso. Ao contrário, criminosa é a esquerda, assassina até a raiz dos cabelos, e genocida desde a Revolução Francesa. Segundo Dilma, a suspensão da investigação sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG) no âmbito da Lava Jato é "estranha". A decisão foi tomada pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, após o Senado votar pela admissibilidade do processo de impeachment. "Esses doze integrantes (ministros do STF), nem todos têm a mesma posição um tanto quanto efetivamente militante, visivelmente militante, eu diria, do ministro Gilmar Mendes. Ele está tomando atitudes que vão ser avaliadas ao longo do tempo por todos os brasileiros", afirmou. Ela está irritada porque os governos petistas tinham o hábito regular de assassinar reputações, fabricando dossiês e forçando abertura de inquéritos para desmoralizar seus adversários. O truque foi desvendado e agora não funciona mais. Ao ser questionada sobre se acha correto uma "desobediência civil" por parte dos brasileiros contra o governo Temer, a presidente desconversou e disse que a situação de hoje é diferente em relação a do golpe militar de 1964. Esse Greenwald abusa da hospitalidade brasileira porque se tornou esposa (ou marido) de um favelado do Rio de Janeiro, e aplica aqui o esquerdismo que não lhe permitem nos Estados Unidos. Dilma afirmou ainda que pretende recorrer ao STF para julgar o mérito do processo do impeachment, mas não especificou quando deve fazê-lo. Em entrevista ao canal "Russia Today", exibida nesta quinta-feira (19), Dilma criticou os primeiros dias do presidente interino Michel Temer no governo. Segundo ela, Temer "adota uma medida hoje e muda amanhã" porque não tem um programa eleito pelas urnas. Dilma disse também que pretende viajar pelo Brasil para "denunciar o golpe" que teria sofrido. Ela é uma fraude ambulante. 

TCU suspende repasses para ferrovia Transnordestina


O Tribunal de Contas da União determinou a paralisação imediata de desembolsos de recursos públicos para bancar as obras da ferrovia Transnordestina, um dos projetos de infraestrutura mais atrasados do País. Em decisão cautelar tomada na quarta-feira, o ministro-relator Walton Alencar Rodrigues determinou que a estatal Valec e o BNDES paralisem imediatamente qualquer tipo de repasse financeiro para a ferrovia. A decisão também impede desembolsos por meio do Fundo de Investimento do Nordeste (Finor), Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) e Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE). Ao embasar sua decisão, Rodrigues lembrou que, em audiência pública na Câmara, o diretor-presidente da Valec, Mario Rodrigues Júnior, esclareceu que, até dezembro do ano passado, já haviam sido aportados cerca de 6,14 bilhões de reais na Transnordestina, e que a Valec teria sido obrigada pelo governo a aportar mais recursos em 2016, mesmo sem que a empresa tivesse recursos suficientes para a execução das obras públicas sob sua responsabilidade, como a Ferrovia Norte-Sul e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste, e até sem estudo de viabilidade. "Eis a irresponsabilidade com que a matéria vinha sendo tratada pelo poder executivo", declarou o ministro-relator, em sua medida cautelar. Na terça-feira, o ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes anunciou que vai deixar a presidência da Transnordestina, empresa subsidiária da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) responsável pelas obras da ferrovia no Nordeste. Ele estava no cargo desde fevereiro do ano passado e tinha aceitado o comando da empresa com a promessa de dar um jeito nas obras da Transnordestina. Sem os repasses do governo, a situação do projeto se complica de vez, já que a empresa acumula uma dívida bruta de 35,3 bilhões de reais. No início do mês, Paulo Caffarelli, diretor executivo da CSN, disse que projeto da Transnordestina corria o risco de ser paralisado. Caffarelli declarou que esse projeto, para avançar, não depende do grupo, mas do governo. Obra orçada inicialmente em 7,5 bilhões de reais, a ferrovia foi lançada em 2006 e deveria ter sido entregue em 2010. Dez anos depois, não tem mais data para ser entregue.

Pesquisa põe Donald Trump à frente da socialista Hillary Clinton nas eleições dos Estados Unidos


Uma nova pesquisa divulgada na quarta-feira pela rede de televisão "Fox News" coloca o republicano Donald Trump três pontos acima da socialista democrata Hillary Clinton, caso ambos se enfrentem nas eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos. De acordo com a pesquisa, Trump, que é o virtual indicado do Partido Republicano por ter ficado sem adversários nas eleições primárias, tem 45% de apoio, enquanto a socialista Hillary Clinton, favorita para a nomeação do Partido Democrata, tem 42%. Esta é uma diferença significativa em relação à mesma pesquisa do mês passado, na qual Hillary obteve 48% de apoio, contra 41% de Trump, que ainda disputava a indicação do partido com Ted Cruz e John Kasich. Por sexos, a ex-secretária de Estado ganha entre as mulheres (50% contra 36% de Trump), enquanto o magnata nova-iorquino se impõe entre os homens (55% a 33%) e tem uma vantagem notável de 37 pontos entre os brancos de classe trabalhadora e sem ensino superior (61% para Trump e 24% para Hillary). Trump ganha em geral entre os brancos (55% a 31%), inclusive entre as mulheres brancas (47% a 38%), enquanto a ex-primeira-dama é a principal escolha entre negros (90% a 7%) e latinos (62% a 23%). A pesquisa também mostrou que se o senador Bernie Sanders fosse o indicado do Partido Democrata, algo que seria extremamente difícil devido ao número de delegados somados por Hillary até o momento nas primárias, venceria Trump com uma vantagem de quatro pontos percentuais (46% para Sanders e 42% para o bilionário). Quanto à avaliação dos candidatos, tanto Trump como Hillary têm alto índice de rejeição, já que os eleitores acreditam que ambos carecem de honestidade, empatia e valores morais, e que diriam qualquer coisa para ganhar as eleições. Entre os entrevistados pela pesquisa, 66% acreditam que Hillary Clinton não é honesta, um número que cai para 57% no caso de Donald Trump. A pesquisa da emissora "Fox News" foi realizada através de entrevistas por telefone com 1.021 eleitores registrados em todo o país entre os dias 14 e 17 de maio, e apresenta margem de erro de três pontos percentuais.

Procurador afirma que o bandido petista mensaleiro José Dirceu deve sofrer novas condenações


O bandido petista mensaleiro e ex-ministro José Dirceu, condenado a 23 anos de prisão pelo juiz Sergio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em Curitiba, é o ideólogo da organização criminosa investigada pela operação. A afirmação foi feita pelo procurador federal Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa, na noite desta quinta-feira (19), em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), onde ministrou palestra. "Isso (a prisão) é importante, o doutor Moro enfatizou que ele não era o líder da organização criminosa, mas nós temos claro que ele é o ideólogo dessa organização. É apenas a primeira condenação, ele deve sofrer outros procedimentos penais. É importante isso, para revelar a seriedade e a rapidez que as investigações estão transcorrendo em Curitiba", disse o procurador. Ele foi ao interior de São Paulo para ministrar a palestra "Operação Lava Jato - Os Impactos do Combate à Corrupção na Melhoria do Ambiente de Negócios", na Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto). José Dirceu, chamado pelos petistas de "guerreiro do povo brasileiro", foi condenado a 23 anos e três meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e organização criminosa pela participação no esquema de contratos superfaturados da construtora Engevix com a Petrobras. Foi a maior pena da Lava Jato dada por Moro em uma única condenação. O ex-diretor da Petrobras, Renato Duque, era quem tinha recebido até então a condenação mais alta em uma única ação penal, de 20 anos e oito meses em regime fechado. O bandido petista mensaleiro José Dirceu está preso desde agosto do ano passado, quando ocorreu a 17ª fase da Lava Jato, denominada Pixuleco. Ele está no Complexo Médico Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. De acordo com o procurador, membros da operação não foram procurados por integrantes do governo do presidente interino, Michel Temer (PMDB), e a força-tarefa não teme interferência governamental na sequência das investigações. "Não tivemos nenhuma procura de nenhuma pessoa do atual governo, mesmo porque não cabe a nós qualquer atividade política. Nós não tememos interferência, mesmo porque as pessoas já perceberam que é muito perigoso tentar interferir numa investigação criminal", afirmou Lima. O procurador disse ainda que os fatos revelados pela investigação têm implicação política, mas que a operação não tem nenhuma motivação política. Questionado se teria elementos suficientes em mãos para pedir a prisão do poderoso chefão e ex-presidente Lula, o procurador afirmou não ter "o que falar sobre este personagem especificamente". "Nós nunca pensamos ou discutimos uma futura ação, nós esperamos o momento. É claro que qualquer atitude hoje que nós tenhamos que tomar, tenho que esperar primeiro qualquer processo voltar do Supremo. Não é o caso ainda, não aconteceu".

CNJ arquiva mais duas representações contra Sergio Moro na Lava Jato


A Corregedoria Nacional de Justiça arquivou nesta quinta-feira (19) mais duas representações que pedem a investigação do juiz Sergio Moro por supostas infrações disciplinares na condução da Lava Jato. Com isso, das 14 ações apresentadas contra o juiz após a condução coercitiva do poderoso chefão e ex-presidente Lula, em março, quando foi levado para prestar depoimento na Lava Jato, quatro ainda permanecem abertas. Nesta quinta-feira, a ministra Nancy Andrighi, corregedora Nacional de Justiça, adotou o mesmo entendimento de casos anteriores. Foram arquivadas as representações apresentadas por Alexandre Marques e Lucas Oliveira Bomfim. Marques apontou ilegalidades como quebra indevida do sigilo telefônico dos advogados que trabalham para o ex-presidente Lula; divulgação indevida de interceptações telefônicas; e usurpação da competência do STF ao proceder interceptação de autoridade com foro por prerrogativa de função – no caso, a presidente afastada Dilma Rousseff. A ministra afirmou que a alegação de usurpação da competência do STF já está em análise no Supremo Tribunal Federal e, portanto, não poderia atuar. Sobre a suposta irregularidade na divulgação das interceptações telefônicas dos investigados da Lava Jato, a corregedora afirmou que a questão já se encontra em apuração conduzida pela Corregedoria Regional da Justiça Federal da 4ª Região. O entendimento do CNJ é de que não se pode analisar a conduta disciplinar de um magistrado paralelamente à atuação da Corregedoria local para não provocar decisões conflitantes. Em relação a questão do grampo de advogados de Lula, a ministra afirmou que o STF já considerou ser legítima a interceptação de conversas travadas pelo advogado, que está sendo investigado pela prática de delitos no exercício da advocacia. Para Andrighi, o ordenamento jurídico dispõe de meios próprios de impugnação a serem acionados pelas partes que se sentirem lesadas por magistrado na condução de processo. Esse ponto serviu de base para o arquivamento sumário da reclamação de Bomfim.

Ações de improbidade na Lava Jato não terão juiz único

Ações de improbidade administrativa originadas pela Operação Lava Jato não vão precisar ser reunidas na mesma Vara de Justiça em Curitiba, ao contrário do que ocorre com os casos criminais, que ficam concentrados com o juiz Sergio Moro. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (19) pela primeira turma do Superior Tribunal de Justiça. Com isso, os casos de improbidade relativos ao esquema de corrupção da Petrobras poderão ser analisados por diversos magistrados. Os ministros discutiram quatro ações civis públicas ajuizadas pelo Ministério Público contra o ex-diretor da Petrobras e delator Paulo Roberto Costa e construtoras como OAS e Camargo Corrêa. Não houve discussão de mérito dos casos. O Ministério Público defendeu a conexão dos casos para serem analisados pela segunda vara para evitar decisões divergentes sobre situações semelhantes. O argumento era que empreiteiras participaram do mesmo "esquema de corrupção", o que justifica a reunião dos processos no mesmo juízo. Os ministros, no entanto, entenderam que a regra é que, em casos de improbidade, há prevenção de um determinado magistrando quando existe a mesma causa de pedir ou o mesmo objeto nas ações. No entendimento da turma do STJ, nos casos em discussão, a identidade entre eles ocorre pela ação das empresas e com o personagem de Paulo Roberto Costa, o que não justificaria unificar a distribuição dos casos. Com isso, os ministros mantiveram, por unanimidade, entendimento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. 

Na contramão de artistas, Regina Duarte defende extinção do MinC


A atriz Regina Duarte discordou da análise de artistas petistas de que a Cultura vai permanecer em coma após a extinção do Ministério da Cultura. Pelo seu Instagram, ela publicou uma imagem do texto feito pelo sociólogo Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo, e disse que a Cultura não deve ser tratada como prioridade se o Brasil enfrenta problemas em outras áreas. "Se o País está 'em coma', não entendo a insistência no autoengano de achar que a Cultura pode se safar, sadia, do desconserto geral que nos abateu", declarou Regina na rede social. "A teoria é linda, a prática é outra (dolorida). Sou a favor da idéia de manter a Cultura internada no 'hospital' da educação. Depois da possibilidade de 'alta', vamos ver o que pode ser melhor pra ela e para todos nós, brasileiros", acrescentou. Nos últimos meses, Regina usou as redes sociais para se manifestar contra o governo de Dilma Rousseff. Ela também esteve presente no protesto de 13 de março. Michel Temer havia acabado com o Ministério da Cultura e unido-o ao da Educação. A decisão provocou revolta da classe artística, que não sabe conviver sem a grana pública. Regina Duarte é um exemplo de dignidade e de visão histórica no meio da classe artística. Na campanha eleitoral que levou Lula à Presidência pela primeira vez ela declarou que tinha medo da vitória do petista, e tinha toda razão. Mas, foi crucificada pelos circuitos culturais esquerdopatas. Hoje se vê que ela tinha toda razão. porque o poderoso chefão Lula levou para o poder a concepção de assalto sistêmico aos recursos públicos, ele comandou no poder uma verdadeira organização criminosa. 

Argentina aumenta salário mínimo em 33%, para mais de R$ 2 mil


O governo argentino e os sindicatos acertaram nesta quinta-feira um aumento de 33% para o salário mínimo. Com o reajuste, o mínimo chegará a 8.060 pesos (2.040 reais) em janeiro de 2017, informou uma fonte empresarial que participou da reunião. O aumento do salário referencial, que até agora era de 6.060 pesos (1.530 reais), será feito em parcelas entre junho e setembro de 2016 e janeiro do próximo ano. O seguro desemprego, defasado em relação aos salários de 2016, também será reajustado, de 400 pesos (100 reais) para 3.000 pesos (760 reais). "É um bom acordo, porque para o setor empresarial não é uma coisa grave e dá um piso aceitável para o salário mínimo", afirmou Osvaldo Cornide, presidente da Confederação Argentina das Médias Empresas ao deixar a sede do governo. No momento, a Argentina enfrenta uma inflação elevada: os quase 20% acumulados apenas em 2016 têm sido sentidos principalmente na cesta básica.

Justiça confisca os bens do bandido petista mensaleiro José Dirceu na Operação Lava Jato


O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, determinou o confisco de bens do bandido petista mensaleiro e ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, na sentença condenatória que aplicou a pena de 23 anos de prisão contra o petista, divulgada na quarta-feira (18). Segundo o magistrado, a propina recebida pelo grupo político de José Dirceu chegou a R$ 15 milhões e tal fato permite a aplicação de regra do Código Penal que prevê o confisco de bens que são produtos de crime ou que foram adquiridos com valores resultantes de delitos. A medida abrange quatro imóveis, dois na capital, um em Vinhedo (SP) e um em Passa Quatro (MG). Entre eles está a sede da JD Assessoria, empresa de José Dirceu, em São Paulo. Foram confiscados também os valores de cerca de R$ 104 mil, que estavam em conta de José Dirceu, e de aproximadamente R$ 14 mil, que estavam depositados em conta de Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão do ex-ministro. Moro condenou o bandido petista mensaleiro José Dirceu, na quarta-feira, que já está preso, a 23 anos e três meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e organização criminosa pela participação no esquema de contratos superfaturados da construtora Engevix com a Petrobras.