terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Donald Trump recebe o apoio da ex-governadora Sarah Palin


O pré-candidato republicano Donald Trump recebeu, nesta terça-feira (19), o apoio da ex-governadora Sarah Palin, do Alasca. Popular entre adeptos do movimento conservador Tea Party, ela o acompanhou em evento em Iowa, Estado onde as primárias começarão, em duas semanas. A agenda conjunta deles continua nesta quarta-feira (20). "As coisas vão mudar com o presidente Trump", discursou Palin ao lado do pré-candidato, que se manteve silencioso e sorridente durante toda a sua fala. 


"Quando decidi apoiar um pré-candidato em detrimento de outros, alguns dos quais endossei antes de decidirem concorrer a presidente, disseram-me que eu apanharia na imprensa. E eu disse: 'E daí?'" Palin repetiu o slogan de campanha do novo aliado: "Vocês estão prontos para o líder que fará a América grandiosa outra vez?" Candidata a vice-presidente na chapa de John McCain, em 2008, derrotada por Barack Obama, Palin foi elogiada por Trump em um comunicado antes do comício. O empresário destacou a crença da aliada em um "governo pequeno, que permite que as empresas cresçam, e na liberdade para prosperar". Polêmica, popular em redes sociais e na TV, ela pode ajudar Trump a conquistar o eleitorado ultraconservador de seu atual maior rival, o senador Ted Cruz (Texas), também ligado ao Tea Party. Em Iowa, onde Trump e Ted Cruz estão praticamente empatados, o apoio de Palin pode ser decisivo. Segundo colocado nas pesquisas nacionais, Ted Cruz disse que "ama Sarah Palin". "Sem seu apoio, eu não estaria no Senado. Independentemente do que ela fizer em 2016, eu continuarei a ser um grande fã", minimizou o pré-candidato. A campanha de Trump disse que Palin contribuiu com a eleição de mais de 30 deputados federais e cinco senadores. A ex-governadora exaltou o pré-candidato. "Ele ama este país, nunca pedirá desculpas por este país", afirmou. "Ele vem do setor privado, não da política. Posso ouvir um 'aleluia'?" "Quero agradecer à Sarah. Isso é incrível. Desde o primeiro dia, eu queria o seu apoio", afirmou Trump. 

Exclusivo: Bumlai executado

O Banco do Brasil só agora resolveu cobrar judicialmente as dívidas do empresário José Carlos Bumlai, o amigão de Lula. Em dezembro, o BB recorreu à Justiça de São Paulo para executar dois débitos que somam R$ 91,5 milhões. As decisões já saíram. No processo de execução de R$ 28 milhões, também estão arrolados os filhos e a holding Heber Participações. Na cobrança dos R$ 63,5 milhões, o amigão de Lula aparece com os filhos e cunhados. Caso não paguem as dívidas, todos terão seus bens penhorados.

Tombini rebaixado

Em relatório divulgado hoje, a Fitch alertou que a recessão brasileira será ainda mais profunda do que o previsto. Prepare-se para novos rebaixamentos. Sobretudo depois que o presidente do BC, Alexandre Tombini, abandonou qualquer pretensão de rigor monetário.

O futuro de Renan não mãos da empreiteiras delatoras

As empreiteiras estão negociando com a Lava Jato. Algumas delas ainda nem foram alvo dos investigadores, mas decidiram se antecipar e delatar o mundo político. O Senado, depois do recesso do Judiciário, será paralisado. E há um nome recorrente na lista dos delatores: Renan Calheiros.

Ele voltou!

Sérgio Moro reassumiu hoje, um dia antes do previsto, o comando da Lava Jato. Fez vários despachos e amanhã retoma audiências dos réus da Operação Pixuleco, nova fase da Lava Jato. Milton Pascowitch e o irmão José Adolfo, além de Pedro Barusco, serão ouvidos. As audiências dos demais réus já estão agendadas até o fim do mês.


O chefe da 13ª vai pegar o chefe do 13

Odebrecht protela, Moro avança

Sergio Moro se manifestou hoje nos autos do inquérito contra Marcelo Odebrecht e outros réus da empreiteira. Diante das sucessivas tentativas de retardar o julgamento, o juiz foi enfático: "O processo é uma marcha para frente." Ele negou pedido da defesa para ter acesso a mensagens e documentos já irrelevantes para a atual fase do processo, como extratos bancários de offshores da Odebrecht que as autoridades da Suíça enviaram ao Brasil e vídeos de depoimentos de Paulo Roberto Costa: "Enquanto buscam retardar o julgamento com novos e intempestivos requerimentos probatórios, reclamam nas instâncias superiores pela revogação da prisão preventiva alegando excesso de prazo".

As prioridades de Emílio

Na carta enviada a familiares e colaboradores no fim do ano, Emílio Odebrecht elencou suas prioridades: "Libertar os nossos Companheiros, promover a defesa do nosso pessoal que está sendo acusado, apoiar suas famílias, fortalecer a união de todos os Integrantes em torno da Odebrecht e continuar promovendo seu crescimento e desenvolvimento". A tática protelatória dos advogados, combatida por Sergio Moro, é definida de cima para baixo.

O bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato passa bem no Presídio da Papuda

Henrique Pizzolato aproveitou uma visita de rotina do Ministério Público Federal ao presídio da Papuda para pedir melhores condições de vida no cárcere. Ele está numa cela com chuveiro quente, televisão e uma estante para livros. Mas quer mais agentes de saúde, frutas e defensores públicos para internos sem advogado. O mensaleiro está adaptado.

Emílio, ouça a voz da razão

A única prioridade de Emílio Odebrecht deveria ser obrigar o seu filho e os outros executivos da empreiteira a fazer delação premiada, mediante um bom acordo para todos. A esta altura, só a arrogância explica o confronto com a Justiça. Pode parecer que não, mas a Lava Jato está mudando o Brasil. Ouça a voz da razão, Emílio. (O Antagonista)

Na Zelotes, Lula não é testemunha

No inquérito da Operação Zelotes que investiga a participação de Luís Cláudio Lula da Silva no esquema de venda de medidas provisórias, a Polícia Federal ainda não individualizou as condutas dos envolvidos. Lula, por exemplo, não é considerado mera testemunha ou informante, como na Lava Jato. A depender da evolução do caso, o ex-presidente pode, sim, ser enquadrado como investigado.

Exclusivo: Delação de lobista cancelada

O Ministério Público Federal determinou o cancelamento da reunião em que discutiria os termos da delação premiada de Mauro Marcondes, o lobista amigo de Lula que foi preso na Operação Zelotes. A reunião deveria ocorrer hoje entre os investigadores e Marcondes, acompanhado dos advogados. No sábado, a defesa do lobista acusou o delegado Marlon Cajado de chantageá-lo ao propor a manutenção da prisão domiciliar de Cristina Marcondes em troca da colaboração. A força-tarefa da Zelotes entendeu que, por enquanto, não há disposição real do réu em firmar qualquer acordo.

Hospital Moinhos de Vento, a boutique da saúde do Sul, acha que parto de Paula, filha de Dilma, só somou para o Moinhos de Vento

É isso mesmo que vocês leram. O Hospital Moinhos de Vento é a boutique da saúde do Rio Grande do Sul. Quem controla esse hospital é o barão do aço Jorge Gerdau Johannpeter, aquele que foi membro do Conselho de Administração da Petrobras por uma década e aprovou a compra da lata velha da refinaria de Pasadena, em Houston, Texas. É o mesmo que, incensado como grande liderança liberal do empresariado nacional, como líder dos programas de qualidade e produtividade da iniciativa privada aplicados à gestão pública, foi incapaz de perceber a gigantesca roubalheira que grassava debaixo de seus olhos na Petrobras, onde ele tinha responsabilidade de máximo gestor. O que dizer disso? Nada, apenas esperar que Loretta Lynch, a procuradora geral dos Estados Unidos, em algum momento preste atenção nele e o processe pela participação no gigantesco crime cometido contra a estatal petrolífera brasileira. Agora, o Conselho de Administração do Hospital Moinhos de Vento passa a ser presidido pelo empresário Dado Bier. Ele é sobrinho e sócio de Jorge Gerdau Johannpeter. É ventríloquo do barão do aço. O Hospital Moinhos de Vento, apesar de ser o hospital dos ricos do Rio Grande do Sul, a boutique da saúde do Estado, não abre mão das benesses do título de entidade filantrópica. Ou seja, beneficia-se da isenção de pagamento de tributos. Como usa dinheiro público em seu benefício, deveria promover, anualmente, a demonstração de todas suas contas, para justificar a filantropia (essa já foi chamada de pilantropia). Mas, alguém aí tem notícias de que, em alguma época, o Hospital Moinhos de Vento tenha feito ampla divulgação pública das suas receitas, das suas despesas, do seu patrimônio, das suas atividades? Eu não conheço, e sou normalmente jornalista bem informado. Mas, assim acontecem as coisas no Rio Grande do Sul. Ninguém, nunca, sente-se na obrigação de dar satisfações para ninguém, e ninguém, nunca, ousa pedir explicações ou justificações de quem quer que seja, pessoas ou instituições. Embora eu não tenha qualquer formação como contador/auditor, fiz uma extensa auditoria nas contas do lixo de Porto Alegre, abarcando os anos de 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000 e 2001. Treze anos de contas do lixo da capital gaúcha foram auditados. Foram 13 anos de gestão imperialista do PT na capital gaúcha. Como fiz isso? Com os documentos obtidos a partir de um Pedido de Informações. Levei exatos dez meses analisando minuciosamente esses documentos, e fazendo anotações. Ao final desse período, uma extensa representação de 150 páginas, incluindo planilhas contendo os valores desviados mês a mês, em quantia superior a 52 milhões de reais (com certeza até nos centavos), foi protocolada no Tribunal de Contas do Estado. No final de contas, a administração petista foi condenado. Para se chegar a esse resultado foi necessário enfrentar inclusive a rebelião e insubordinação dos auditores de contas externos do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, que se recusavam a reabrir e examinar contas de exercícios já findos e pelos quais eles haviam atestado lisura. É óbvio que não tinham feito seu trabalho. Portanto, essa "expertise", esse "know how", será utilizado agora para auditar as contas do Hospital Moinhos de Venho. Afinal de contas, a instituição é mantida por dinheiro público. Mas, pensa que é exclusivamente privada, e que pode isolar uma área inteira para que Madame Paula Rousseff Araújo dê à luz seu segundo rebento. Com isso, leitos, equipamentos, profissionais, serviços médicos, medicamentos, tratamentos e outros foram surrupiados dos gaúchos, daqueles que são atendidos pelo SUS e daqueles que recorrem ao hospital por meio de planos de saúde privados. É preciso que esses barões parem de confundir o público com o privado.

BTG não paga prestação, e ex-controladores pedem falência da rede varejista Leader

A crise que se instalou no BTG Pactual, desde a prisão do fundador André Esteves em novembro do ano passado, acabou de ganhar mais um capítulo. A varejista Leader, controlada pelo banco, teve sua falência pedida na semana passada pela família Furlan, fundadora da rede de lojas Seller – que foi comprada pela Leader em 2013. O pedido judicial de falência foi confirmado pelo banco em um comunicado ao mercado na noite de sexta-feira. Um atraso no pagamento de uma parcela referente à venda da varejista do interior de São Paulo foi o que motivou o pedido de falência.

Nota de Tombini causa perplexidade em ex-integrantes do Copom

Ex-integrantes do Comitê de Política Monetária (Copom) se disseram perplexos com a nota emitida pelo presidente do Banco Central, pela manhã, a respeito da avaliação do FMI. Pelo que comentaram dois ex-diretores da instituição uma postura dessas não tem par na história do BC. Uma das fontes consultadas pelo jornal O Estado de São Paulo revelou que estava em reunião interna na instituição em que trabalha quando um colega citou a notícia. Os reflexos da decisão do Copom de amanhã eram um dos assuntos do encontro. Depois da informação, no entanto, tornou-se a pauta principal, conforme relatou. "Todos os sinais do BC eram mais hawkishes (inclinado ao aperto monetário), apesar da recessão. Não entendemos o motivo de Tombini passar um recado tão dovish (suave) no meio do caminho", disse. O presidente do BC, em sua nota pela manhã, disse serem "significativas" as revisões das projeções do FMI para o crescimento do Brasil neste e no próximo ano. Mais do que isso, enfatizou que essa informação, como todas as demais disponíveis até o momento da decisão do colegiado, serão apreciadas pelos membros do Copom. A avaliação da fonte ouvida pelo jornal é de que se havia uma possibilidade de Tombini deixar o cargo por conta da pressão política que vem sofrendo para não aumentar os juros, a revisão do FMI caiu como uma luva para o presidente do BC, que poderá usá-la como argumento de defesa. "Mas isso é contraditório com toda a linha apresentada desde o final do ano passado. Ou o BC não passou os recados certos ou teve de mudar de posição de última hora, o que é muito pior", avaliou o ex-diretor do Copom consultado.

Nestor Cerveró entregou a petista Ideli Salvatti como recebedora de propina da Transportadora Dalcoquio

Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, afirmou na delação premiada, que a ex-senadora catarinense do PT e ex-ministra dos Direitos Humanos e Relações Institucionais, Ideli Salvatti, participou de um almoço com o ex-deputado João Paulo Cunha (PT) para resolver assuntos relacionados à dívida de cerca de R$ 90 milhões da Transportes Dalçoquio com a BR Distribuidora, braço da estatal. O ex-diretor disse que a ministra Ideli e outros políticos receberam propina pelo negócio. Dalçoquio é a maior transportadora da BR Distribuidora. A petista Ideli comunicou por meio de assessoria que "não tem qualquer recordação de reunião com Nestor Cerveró para tratar de qualquer assunto". Com petista é assim que costuma ser, eles nunca lembram de nada. A ex-ministra petista, escorraçada do governo do seu partido, é atualmente assessora de Acesso a Direitos e Equidade da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington, Estados Unidos, para onde levou cedido seu atual marido, um sargento músico de banda da Aeronáutica. .

Crise econômica brasileira afeta duramente segmento de locação de helicópteros

A empresa canadense CHC, do setor de helicópteros voltados ao segmento offshore, vinha crescendo no Brasil nos últimos anos, mas, como todo o mercado nacional, já sente o impacto da crise brasileira, que afeta ainda mais fortemente a indústria de petróleo. A companhia mantém contratos importantes com a Petrobras, tendo cerca de 15% de seu faturamento global composto pelas atividades no país, mas já está se adequando ao cenário de menor demanda, fazendo ajustes e um redimensionamento de seu tamanho. No Brasil, onde fica a base do grupo para toda a América Latina, são 38 aeronaves em operação, sendo que o número de pessoas transportadas chegou a 500 mil na soma dos últimos 12 meses, a maior parte para a estatal petrolífera. A CHC vinha traçando planos de construir um quinto hangar no Brasil – o segundo no aeroporto de Macaé, RJ –, com investimentos da ordem de US$ 5 milhões. A terraplanagem chegou a ser concluída, mas a crise levou a empresa a engavetar o projeto por enquanto, sem previsão de retomada.

As ações da Petrobras derretem. Além da corrupção, empresa é um emblema da improbidade administrativa

Por Reinaldo Azevedo - Em matéria de Petrobras, parece que nem o fundo do poço é o limite, não é mesmo? Nesta segunda-feira, os papéis da empresa levaram um novo tombo: as ações preferencias caíram estupefacientes 7%, sendo negociadas a R$ 4,80. Corrigido o valor pela inflação, é o menor patamar desde 1999. Em termos nominais, volta a novembro de 2003. Em 18 dias de janeiro, as ações derreteram espantosos 27%. O preço do petróleo é o grande vilão do momento, sem dúvida. O barril foi negociado nesta segunda a US$ 28,00 em Londres. Ocorre que isso acontece naquele que deve ser o pior momento da história da companhia. E quem levou a estatal para o abismo não foi o mercado internacional de petróleo, mas o mercadão nacional da política doméstica. Quem está destruindo a maior estatal brasileira sãos os governos petistas. O petróleo a esse preço — e há quem tema que a desaceleração da China possa levar o barril para perto de US$ 20,00 — torna antieconômica até a extração em águas rasas. Imaginem, então, o desastre que representa para o pré-sal. Não há uma só boa notícia para a Petrobras. A pressão cambial coloca a companhia, altamente endividada em dólar, numa situação muito difícil. O plano de desinvestimento da empresa afugenta os investidores. Se o Brasil, mergulhado em seu segundo ano de recessão, é um retrato da era petista, a Petrobras se transformou na cloaca do partido. Ali todos os vícios do petismo se estreitaram num abraço insano: incompetência, nacionalismo xucro, corrupção, aparelhamento, compadrio, megalomania, politicagem… Se Dilma é, sim, em grande parte culpada pelo desalento em que está o País — e é, em razão de suas escolhas erradas —, no que diz respeito à empresa, a responsabilidade é inteiramente sua. Desde 2003, ela se pôs como a czarina do setor energético, primeiro como ministra das Minas e Energia; depois, como chefe do PAC; na sequência, como presidente da República. Não deixa de ser emblemático que tanto a Petrobras como o setor elétrico atravessem um momento periclitante. Essas foram as duas áreas às quais Dilma dedicou especial atenção. O resultado está aí, aos olhos de todos. O PT é uma piada macabra. A Petrobras foi um cavalo de batalha do partido em pelo menos três disputas eleitorais: 2002, 2006 e 2010. E a legenda conseguiu levar todo mundo no bico — inventando, inclusive, que os adversários queriam privatizar a estatal. Infelizmente, não era verdade. Em 2014, quando a companheirada ensaiava, mais uma vez, inventar que a empresa estaria sob a ameaça se a oposição vencesse, veio à luz a Lava Jato. E todos vimos para que servia a Petrobras. Durante a definição do marco legal do pré-sal, Lula veio com a bobagem de que aquele era o bilhete premiado do Brasil. Eis aí: a Petrobras era, sim, um bilhete premiado. Para a quadrilha. Além das questões criminais, a Petrobras é um caso escancarado de improbidade administrativa. E, como a gente vê, até agora, ninguém responde por isso.

A festa do assessor de Dilma

Anderson Dorneles vai se casar com Larissa, em 26 de março, no Hotel & Spa do Vinho, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves (RS). Ele teve uma aposentadoria precoce do cargo de assessor de Dilma. Na verdade, ele era um office boy, um carregador de malas e celulares dela. 


Do árido Planalto Central para o aprazível Vale dos Vinhedos

Petrobras abaixo de 5 reais

Os papéis preferenciais da estatal caíram ainda mais no início da tarde, sendo cotados a R$ 4,93. As ações ordinárias encolheram a R$ 6,43. A desvalorização é puxada pela queda do preço do barril e a apreensão no mercado quanto aos riscos de endividamento e o plano de desinvestimento da estatal.

Investigação sobre triplex acelera

O Ministério Público de São Paulo está ouvindo hoje 20 pessoas na investigação sobre os negócios suspeitos envolvendo a Bancoop e a OAS, com o possível favorecimento de integrantes da cúpula do PT. O Antagonista apurou que alguns dos depoimentos têm relação direta com o triplex do Guarujá.

Proposta indecente

Vicente Cândido, que preside a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, tem se dedicado especialmente a lapidar' o texto da MP da leniência. Seu objetivo principal é conseguir uma espécie de anistia penal aos executivos das empreiteiras que firmarem acordo. É a avacalhação total.

Irã, um país confiável

O Irã deteve durante onze horas, no aeroporto de Teerã, a mulher e a mãe do jornalista Jason Rezaian, incluído na troca de prisioneiros com os Estados Unidos. Jason Rezaian era chefe da sucursal do Washington Post em Teerã. Foi preso porque fazia o seu trabalho: relatar a verdade. A mulher e a mãe de Jason Rezaian ficaram incomunicáveis, até conseguirem embarcar para os Estados Unidos graças à pressão americana. O Irã é, de fato, um país confiável.

Foi a corrupção que deu em coco

Atribuir a queda do preço das açōes da Petrobras - equivalente hoje ao de um coco em Maceió - à baixa do preço do barril de petróleo no mercado internacional é como dizer que o verão se deve à entrada de uma massa de ar quente. Foi a corrupção que deu em coco.

Duque vale menos do que um coco

Renato Duque, já condenado a 20 anos e 8 meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa, foi denunciado pela sexta vez na Lava Jato. E ainda há quem se espante com a queda da Petrobras.

O coco de 80 milhões de reais

Ao denunciar Renato Duque pela sexta vez, a Lava Jato pediu o ressarcimento de 80 milhões de reais roubados da Petrobras. Simpaticamente, ele é acusado de "auferir valores milionários com a prática de crimes contra a estatal brasileira".

Carolina lava mais branco

A mulher de Fernando Pimentel, Carolina Oliveira, será presa antes dele. A coluna Radar, da Veja, disse que um relatório da PF do fim no ano passado traz o depoimento do contador de sua empresa, a Oli. As informações fornecidas pelo contador, segundo o relatório, “reforçam a hipótese de envolvimento da Oli na confecção de contrato ideologicamente falso para propiciar a emissão de notas ‘frias’ com escopo de branquear capitais”.

São Paulo, o túmulo da política

Celso Russomanno comemora a desistência de Datena de concorrer à prefeitura de São Paulo. Marta Suplicy também comemora e até Fernando Haddad está feliz. Com ou sem Datena, o cenário eleitoral para os paulistanos é o pior possível até o momento.

A parceria milionária de Edinho com a Funcef

Como mostramos, Edinho Silva esteve seis vezes na Funcef entre 2011 e 2014. Pelo menos um desses encontros foi justamente com Carlos Borges, diretor de participações societárias e imobiliárias do fundo de pensão. Borges e Edinho trataram do investimento de R$ 300 milhões num complexo de negócios no centro de Araraquara, cidade natal do petista e, até então, único município do interior de São Paulo a receber aportes da Funcef.

Mulher de lobista da Zelotes em cana

Cristina Marcondes, mulher e sócia do lobista Mauro Marcondes, perdeu o direito à prisão domiciliar por decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira. Ela alegava problemas de saúde após ter realizado uma cirurgia. Cristina e Mauro foram presos pela Operação Zelotes por suspeita de pagamento de propinas para a aprovação de medidas provisórias. O casal repassou R$ 2,5 milhões a Luís Cláudio Lula da Silva, o Luleco. A lobista foi levada na tarde desta segunda-feira para a superintendência da Polícia Federal em São Paulo e será transferida para Brasília nesta terça-feira.

Lobista prometeu entregar Luleco

Ao noticiar a transferência de Cristina Marcondes para o regime fechado, a Folha informa que Mauro estava disposto a confessar aos procuradores da Operação Zelotes que pagou os R$ 2,5 milhões a Luleco para "vender proximidade junto ao ex-presidente". Ele também se mostrou disposto a confessar que o contrato de consultoria de Luís Cláudio Lula da Silva foi forjado para justificar o repasse. 

Emílio Odebrecht inspirador

O manifesto dos advogados contra a Lava Jato pode não ter sido redigido por Maurício Ferro, mas certamente foi inspirado numa recente carta enviada por Emílio Odebrecht a funcionários e familiares. No texto, enviado ao Antagonista por um familiar, o pai de Marcelo diz ser "incompreensível que uma parte da mídia falada, escrita e televisionada dedique tanto tempo, praticamente todos os dias, à Operação Lava Jato". "Tenho constatado, periodicamente, declarações e publicações com um certo descompromisso com a verdade e uma contínua deformação dos fatos", diz na carta, em que critica o "vazamento seletivo de documentos sigilosos e de informações pessoais com o claro intuito de causar constrangimento". O discurso é o mesmo.

Um brinde ao assessor de Dilma, o office boy carregador de celular Anderson Dorneles

O Antagonista foi informado de que Anderson Dorneles alugou uma vinícola para seu casamento. As cervejarias estão fora de moda. Anderson Dorneles tem tudo para se transformar no Gregório Fortunato de Dilma, guardadas as proporções.

Inglaterra vai exigir que imigrantes falem e leiam em inglês, sob pena de deportação



O governo britânico anunciou nesta segunda-feira que após dois anos e meio na Grã-Bretanha os imigrantes terão de provar uma melhora no seu nível de inglês, ou então poderão ser deportados. A medida será aplicada a partir de outubro deste ano para os imigrantes que chegam ao país com visto conjugal. O primeiro-ministro David Cameron admitiu que a determinação poderia separar muitas famílias, mas explicou que o objetivo não é "punir as pessoas que não falam inglês", mas impedir que homens muçulmanos mantenham suas mulheres confinadas dentro de casa, sem contato com a sociedade britânica: "Isso está acontecendo em nosso país e não é aceitável. Deveríamos ser muito orgulhosos dos nossos valores, nosso liberalismo, nossa tolerância". O governo estima que há 190.000 mulheres muçulmanas na Inglaterra que falam muito pouco ou nada de inglês. Atualmente, imigrantes que chegam a Grã-Bretanha com um visto conjugal, de validade de cinco anos, devem comprovar que se comunicam em um nível básico de inglês. Sob as novas determinações, o governo exigirá que elas reafirmem, após dois anos e meio no país, que seus conhecimentos da língua melhoraram. O governo também anunciou a criação de um plano para oferecer aulas de inglês para as milhares de mulheres muçulmanas que vivem no país. Com o fundo de 20 milhões de libras (116 milhões de reais), Cameron confia que conseguirá combater a situação que deixa muitas dessas mulheres reféns da discriminação e do isolamento social. As aulas de inglês serão dadas em casas, escolas e centros comunitários, e as despesas de transporte para chegar a estes lugares e o cuidado com as crianças durante a ausência das mães serão custeados pelo governo.

Aos 95 anos, ex-enfermeiro nazista do campo de extermínio de Auschwitz vai a julgamento na Alemanha



A Justiça da Alemanha julgará um ex-enfermeiro nazista de Auschwitz, de 95 anos, por cumplicidade em 3.681 mortes durante o período em que trabalhou nesse campo de extermínio construído na Polônia ocupada. A Audiência de Neubrandebnurg, no leste da Alemanha, anunciou nesta segunda-feira a data do início do julgamento, 29 de fevereiro, mas não informou quantas audiências estão previstas, já que isso está condicionado ao estado de saúde do acusado. Hubert Zafke é acusado de cumplicidade nas mortes de presos assassinados nas câmaras de gás de Auschwitz entre 15 de agosto e 14 de setembro de 1944, período em que serviu na brigada de enfermaria do campo nazista. O processo contra o réu foi aberto em março de 2015 e inicialmente o julgamento aconteceria em meados de ano passado, mas a defesa do acusado apresentou recurso alegando seu delicado estado de saúde. Uma avaliação médica determinou que suas faculdades psíquicas são parcialmente limitadas para acompanhar o processo, mas o laudo não evitará o julgamento. O ex-enfermeiro nazista de Auschwitz já foi julgado na Polônia por seu papel nos crimes do nazismo em 1948 e foi condenado a três anos de prisão. Após cumprir essa pena ele voltou a sua cidade de origem na Alemanha, Neubrandenburg, onde refez sua vida como agricultor até se aposentar. O processo faz parte dos julgamentos tardios por cumplicidade com o nazismo impulsionados na Alemanha após o caso do ucraniano John Demjanjuk, ex-guarda voluntário em Sobibor, que foi condenado em 2011 a cinco anos de prisão. Sob esse precedente foram abertos nos últimos anos outras ações, não sujeitas à responsabilidade direta, nos assassinatos do nazismo. Alguns destes novos processos foram arquivados por causa da avançada idade e do estado de saúde dos réus, enquanto outros foram concluídos com sentenças simbólicas. Entre estes últimos casos está o do chamado "contador de Auschwitz", o ex-membro da SS (Schutzstaffel, o esquadrão de elite nazista), Oskar Gröning, de 94 anos, que foi condenado em abril de 2015 a quatro anos de prisão por cumplicidade na morte de 300.000 judeus. O ucraniano Demjanjuk, que tinha sido deportado dos Estados Unidos à Alemanha após seus advogados esgotarem todos os recursos legais, morreu em um asilo da Baviera pouco após escutar sua sentença.

Macri vai reabrir investigação do assassinato do promotor Nisman



Na véspera do primeiro aniversário do assassinato de Alberto Nisman, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, se comprometeu neste domingo a ajudar a esclarecer esse caso e também o atentado contra uma associação judaica que o promotor investigou durante uma década e pelo qual denunciou a ex-presidente peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner. O presidente tornou pública sua postura após receber as filhas de Nisman, Iara e Kala, em seu sítio na província de Buenos Aires. Durante o encontro, Macri declarou que considerava uma "dívida pendente" com a família do promotor o reconhecimento ao trabalho que realizou para tentar determinar as causas e os responsáveis do sangrento atentado que matou 85 pessoas em 1994. Como fruto de sua investigação, Nisman pediu a captura de ex-funcionários do governo iraniano e acusou a então presidente Cristina de tentar acobertá-los. O promotor pretendia falar perante o Congresso argentino em 19 de janeiro de 2015 para dar detalhes sobre a denúncia por acobertamento, mas um dia antes foi achado morto com um tiro na cabeça no banheiro de seu apartamento de Buenos Aires. Após um ano de investigações e com um expediente de mais de 9.000 páginas sobre a mesa, a Justiça não pôde determinar se o caso se tratou de um suicídio, de um suicídio induzido ou de um assassinato. Esta última hipótese é a que sustenta a família de Nisman. Como argumentos destacam, entre outros, a ausência da pólvora em suas mãos e de impressões digitais na pistola que o matou, que pertencia ao técnico de informática Diego Lagomarsino, que garante que a emprestou ao promotor um dia antes. No entanto, os peritos oficiais opinam que não são provas conclusivas e descartam a presença de uma segunda pessoa no banheiro onde o promotor foi achado morto. A fim de favorecer a investigação, Macri emitiu um decreto para desclassificar toda a informação relativa a Nisman desde setembro de 2012 até o momento. Além disso, suspendeu o sigilo que garantia aos agentes e ex-agentes dos serviços de inteligência que tenham ou tiveram acesso a informações confidenciais. Com isso, eles podem voltar a ser convocados a prestar depoimento na causa relativa à morte do promotor. Tanto o governo de Cristina Kirchner (2007-2015) como os serviços de inteligência ficaram no olho do furacão após a morte de Nisman, que provocou um terremoto político e a mobilização de milhares de pessoas para exigir respostas da Justiça. A desclassificação de informação poderia reabrir a causa contra a ex-presidente, que foi arquivada em maio do ano passado.

Alckmin rompe com consórcio e obras do monotrilho são suspensas



O Metrô de São Paulo rompeu os contratos com os consórcios Monotrilho Pátio e Monotrilho Estações, formados pelas empreiteiras Andrade Gutierrez e CR Almeida, e suspendeu as obras na linha 17-ouro do monotrilho. A Companhia do Metropolitano de São Paulo, que opera o metrô na capital paulista, alega que as construtoras descumpriram termos contratuais ao paralisarem as obras. Segundo vistorias do Metrô, as construções estariam abandonadas, o que as empresas negam. O metrô acusa as empreiteiras de terem desacelerado o ritmo das obras, descumprido os prazos estabelecidos e não atendendo às notificações para a retomada dos trabalhos. "O Metrô realizou vistorias que indicaram o abandono das obras do monotrilho da Linha 17-Ouro", diz a empresa pública em nota. Prometida pelo governador Geraldo Alckmin para ser inaugurada antes da Copa do Mundo de 2014, a linha 17-ouro liga o aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, ao Estádio do Morumbi, zona oeste da cidade. Responsáveis pela construção do pátio de manobras e de três das oito estações da primeira fase da linha, as empreiteiras dizem não ter sido notificadas sobre a decisão do Governo do Estado em rescindir os contratos, negam ter abandonado as obras e afirmam que, "diante dos sucessivos atrasos por parte do Metrô e da sua falta de planejamento para as obras", entraram na justiça em dezembro de 2015 para buscar as rescisões. "Há meses as empresas buscam uma negociação com o Metrô em relação aos problemas enfrentados nas obras", afirmam Andrade Gutierrez e CR Almeida em nota. Os principais problemas para a execução das obras, de acordo com as empresas, são a falta de liberação de frentes de serviço e de projetos executivos pela operadora do metrô, que não teria entregado 40% dos projetos de estações e cumprido apenas metade do projeto do pátio de manobras. Segundo o metrô, no entanto, as construtoras podem ser multadas em até 100 milhões de reais. O segundo colocado nas licitações para a construção da linha 17-ouro será consultado sobre o interesse em assumir as obras.

Datena desiste de disputar prefeitura de São Paulo e diz que vai sair do PP



O apresentador José Luiz Datena disse nesta segunda-feira que está "oficialmente fora" da disputa à prefeitura de São Paulo pelo PP e que vai se desfiliar do partido, no qual havia ingressado no ano passado. "Não posso permanecer em um partido que tomou mais de 300 milhões de reais da Petrobras", afirmou Datena em seu programa diário na rádio Bradesco Esportes FM, que pertence ao Grupo Bandeirantes. A declaração de Datena faz referência à estimativa da Procuradoria-Geral da República de que o PP desviou 358 milhões de reais do esquema de corrupção na Petrobras entre 2006 e 2014. O dado consta da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal contra o deputado Nelson Meurer (PP-PR), segundo a qual parte dos valores desviados foi acobertada por doações oficiais de campanha. O PP é o primeiro partido a ter seu esquema de corrupção e financiamento ilegal devassado pela força-tarefa que conduz a Operação Lava-Jato. Outro motivo citado por Datena para desistir da pré-candidatura a prefeito e da permanência no PP é a hipótese de realização de prévias para definir o nome do partido na eleição paulistana. Segundo nota publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, o deputado e ex-prefeito Paulo Maluf, que em 2012 celebrou o apoio da sigla ao petista Fernando Haddad, quer disputar a indicação da legenda ao cargo. "Jamais disputaria uma prévia eleitoral com (Paulo) Maluf. Preferia uma disputa com o Marcola", disse Datena, referindo-se a Marcos Herbas Camacho, principal líder da facção criminosa PCC. Datena, que pediu para ser retirado das pesquisas, aparece na última pesquisa Datafolha com os pré-candidatos à prefeitura da capital paulista com com 12% ou 13% das intenções de voto, dependendo do cenário pesquisado. O apresentador estava empatado tecnicamente com a ex-prefeita Marta Suplicy (PMDB), que tinha 13%, e atrás do deputado federal Celso Russomano (PRB), que tinha 34% das intenções de voto.

CSN decide parar alto-forno em usina de Volta Redonda no próximo dia 24



A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) agendou para o próximo dia 24 a suspensão das operações do alto-forno 2 da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda (RJ). A unidade ficará parada por pelo menos 90 dias, período no qual passará por manutenção. O alto-forno 2 é responsável por 30% da capacidade de produção da usina, atualmente em 5,6 milhões de toneladas por ano. Os 70% restantes são produzidos no alto-forno 3, que permanecerá em operação. A decisão é uma resposta ao aumento dos estoques provocado pela queda na demanda global por aço. De acordo com dados do balanço da CSN, a usina produziu 3,2 milhões de toneladas de aço bruto nos primeiros nove meses de 2015, queda de 4% com relação ao mesmo período do ano passado. A retração, contudo, se acentuou no terceiro trimestre, quando a queda de vendas foi de 9%. Em paralelo, a companhia demitiu cerca de 700 empregados. O processo de demissões foi iniciado no começo do ano e interrompido na semana passada, após pressão dos sindicatos, que promoveram manifestações na entrada da usina. 

Preso primeiro islâmico suspeito de abuso sexual na noite de Ano Novo em Colônia



A promotoria e a polícia de Colônia informaram nesta segunda-feira que detiveram o primeiro suspeito de assédio sexual após os incidentes registrados no Ano Novo nesta cidade do oeste da Alemanha. De acordo como o promotor de Colônia, Ulrich Bremer, o homem é um argelino de 26 anos que teve a prisão preventiva decretada e é acusado de abusar e roubar o celular de uma mulher. Ele foi detido no último sábado em um centro de refugiados da cidade de Kerpen, ao sudoeste de Colônia. Na inspeção, os agentes encontraram dois celulares roubados durante o Réveillon em Colônia. Um deles foi retirado da vítima durante o abuso, enquanto ela estava rodeada por um grupo de homens. O outro foi subtraído de uma pessoa que não foi assediada. Na sexta-feira, um homem de 25 anos foi detido na cidade de Aachen por estar de posse de um celular roubado durante os incidentes do Ano Novo. Segundo a promotoria, 21 pessoas estão sendo investigadas, sendo que oito se encontram em prisão preventiva, acusadas, principalmente, de roubo. Bremer detalhou que atualmente as autoridades analisam 766 denúncias, a metade delas por abuso sexual - incluindo três estupros - na noite de Ano Novo. De acordo com o depoimento de testemunhas, os atos foram cometidos por grupos de homens, entre eles árabes e norte-africanos.

Petróleo de menor qualidade já é negociado próximo de US$ 10,00 o barril


O final das sanções ao Irã levou os contratos futuros globais de petróleo para mínimas de 12 anos e colocou no horizonte um petróleo abaixo de US$ 20,00 por barril, embora para alguns produtores essa já seja uma realidade. Este grupo vende algumas cargas físicas de petróleo a preços que são próximos de US$ 10 por barril, graças a uma abundância de petróleo com menor qualidade que produzem e uma base de consumo que favorece petróleos leves de alta qualidade de outras origens. Produtores de certos petróleos do México, Venezuela, Canadá e Iraque estão esperando o pior com o Irã — agora livre das sanções internacionais — se preparando para descarregar uma ampla oferta de petróleo pesado, com baixa qualidade, nos mercados de exportação. "A queda drástica dos preços imediatos está causando estragos nos petróleos pesados, que são tipicamente vendidos com grandes descontos ante os petróleos de referência", disseram analistas da JBC Energy. Em Nova York, por volta das 16h15, o petróleo WTI era negociado a US$ 28,94 o barril, em queda de 1,63%. Em Londres, o petróleo Brent recuava 1,35%, a US$ 28,55 o barril.

Marrocos prende cidadão belga ligado a ataques de Paris



Autoridades do Marrocos prenderam um cidadão belga de origem marroquina diretamente ligado aos terroristas que realizaram os ataques a tiros e bombas em Paris em novembro, matando 130 pessoas, informou o governo em comunicado nesta segunda-feira. O Ministério do Interior apenas divulgou as iniciais em árabe do militante e informou que ele lutou na Síria com a frente al-Nusra antes de se juntar ao Estado Islâmico, mas não deu detalhes sobre seu envolvimento nos ataques em Paris. Detido próximo à cidade de Casablanca na sexta-feira, o terrorista saiu da Síria e passou pela Turquia, Alemanha, Bélgica e Holanda. Ele deve ir a julgamento quando a investigação chegar ao fim, de acordo com o comunicado divulgado pelas autoridades marroquinas. A polícia francesa, que busca o foragido belga de origem marroquina Salah Abdeslam, não comentou a prisão.

Depoimento de contador complica mulher do petista Fernando Pimentel



Relatório da Polícia Federal do fim no ano passado traz o depoimento de Islande Geraldo de Assunção, contador que prestou serviços para a mulher de Fernando Pimentel, Carolina de Oliveira. Segundo o documento, as informações de Islande “reforçam a hipótese de envolvimento da Oli Comunicação (de Carolina) na confecção de contrato ideologicamente falso para propiciar a emissão de notas ‘frias’ com escopo de branquear capitais”. As transações da Oli são investigadas pela Polícia Federal no âmbito da operação Acrônimo.

Fundo de pensão do Banco do Brasil registrou deficit de R$ 13 bilhões em 2015



A Previ (fundo de pensão do Banco do Brasil) fechou o ano passado com um deficit de R$ 13 bilhões pelo seu principal plano. O deficit se refere ao valor que faltava para o PB 1 (Plano de Benefícios 1) pagar todos os benefícios previstos até o seu último participante vivo nas próximas décadas. O resultado chama atenção por trata-se do maior plano de pensão do País. O PB 1 tem investimentos de R$ 159 bilhões (em setembro). São 23.981 participantes ativos e 92.122 recebendo benefícios (aposentados e pensionistas). Em 2014, o fundo dos funcionários do Banco do Brasil teve um superávit acumulado de R$ 12,5 bilhões. Este resultado já indicava uma piora no desempenho. No ano anterior, o superávit foi de R$ 25 bilhões. O mau resultado de 2015 está relacionado ao desempenho das ações na Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) e de títulos públicos prefixados. Estes papéis costumam perder valor em momentos de alta de juros. Segundo a fonte, o deficit estava em R$ 12,5 bilhões até 18 de dezembro do ano passado. Com o desempenho ruim do mercados nos últimos dias do ano, a expectativa é que o deficit tenha chegado a R$ 13 bilhões. Um dos maiores investimentos da Previ, por exemplo, são os papéis da mineradora Vale. O fundo de pensão tem 15,61% de participação direta e indireta na mineradora, segundo dados do site da Previ. Em 2015, a Vale foi a empresa que mais perdeu valor de mercado no país. O tombo foi de R$ 45,9 bilhões, segundo cálculos da consultoria Economatica. A mineradora fechou o ano valendo R$ 61,6 bilhões. O próprio Banco do Brasil teve uma perda de 38% de valor de mercado em 2015. A Previ tem, naturalmente, uma participação elevada no banco: 10,38%, segundo ainda as informações do site do fundo. O resultado da Previ precisará ainda ser aprovado pelo Conselho Fiscal e Deliberativos ao longo das próximas semanas. 

Trabalhadores da GM em São José dos Campos paralisam atividades


Os 5.000 funcionários da fábrica da GM em São José dos Campos (SP) paralisaram as atividades nesta segunda-feira (18), parando a produção do local, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região. Cerca de 3.500 trabalhadores do turno da manhã já tinham decidido, em assembleia, paralisar as atividades, decisão que foi mantida pelos funcionários da tarde. Os metalúrgicos estão em reunião com a empresa nesta tarde e uma nova assembleia foi marcada para a manhã de terça-feira (19), para decidir se continuarão parados, de acordo com o sindicato. Na fábrica, é produzida a picape S-10 e kits para exportação. Os trabalhadores querem renegociar com a empresa o valor da segunda parcela da PLR (Participação nos Lucros e Resultados). A primeira parcela paga foi de R$ 8.500 por funcionário. A GM ofereceu mais R$ 4.250 como segunda parcela. O sindicato afirma, porém, que nesse valor estariam incluídos R$ 3.250 de abono da campanha salarial. Segundo o sindicato, a empresa estaria oferecendo, então, apenas R$ 1.000 na segunda parcela – com isso, o benefício por funcionário seria de R$ 9.500,00. Os trabalhadores afirmam que esse total está abaixo do que foi pago nos últimos anos. Em 2014, teria sido de R$ 13 mil.

Léo Pinheiro pediu ajuda ao "amigo" Edinho Silva com presidentes de fundos de pensão



Depois de escancarar a relação do chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, com o empreiteiro José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS condenado a dezesseis anos por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, as investigações da Operação Lava Jato colocam mais um ministro da presidente Dilma Rousseff na lista de possíveis intermediários da empreiteira em negócios envolvendo fundos de pensão. Enquanto Wagner foi flagrado em troca de mensagens sobre a Funcef, o fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal, o ministro Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, aparece em conversas no mínimo questionáveis com o empreiteiro que integrava o famoso "clube do bilhão" das licitações. Em uma das ocasiões, Léo Pinheiro pede ajuda a Edinho para organizar uma reunião com presidentes de fundos ligados a estatais, como o Petros, dos funcionários da Petrobras, Previ, dos servidores do Banco do Brasil, além da Funcef. Em mensagem enviada no dia 23 de abril de 2014, o empreiteiro pede ao petista, então deputado estadual, uma ajuda. Escreve Léo Pinheiro: "Estava precisando falar com o nosso amigo (AM), junto com Dan (presidente da Previ), Caser (presidente da Funcef) e Carlos Costa (presidente da Petros). Tema: inauguração de Guarulhos. Você pode nos ajudar?". Pinheiro detalha que no encontro será discutida, entre outras questões, a data da inauguração do novo terminal do aeroporto com a presença da "presidenta" da República. O terminal, inaugurado no mês seguinte com a participação de Dilma, é uma obra da Invepar, consórcio que tem como acionistas a OAS e as três empresas de fundos de pensão. Para a Polícia Federal, a sigla "AM" é uma referência a Aloizio Mercadante, ministro-chefe da Casa Civil. Dan é Dan Conrado, à época presidente da Previ. Carlos Alberto Caser é o atual presidente da Funcef e Carlos Fernando Costa comandou a Petros. O movimento foi calculado: Edinho Silva tem conhecida facilidade de circular nos meandros, nem sempre republicanos, dos fundos de pensão, principalmente na Funcef, órgão com o qual firmou contratos enquanto comandava a prefeitura de Araraquara (SP). Uma dessas parcerias é alvo de investigação da CPI dos Fundos de Pensão, que apura o rombo bilionário em quatro companhias previdenciárias. Uma das apurações em andamento pelos deputados da comissão de inquérito se debruça sobre a liberação de 10 milhões de reais da Funcef para a construção de um complexo de hotéis, shopping e centros comerciais na base eleitoral de Edinho enquanto ele era prefeito. O recurso foi autorizado em 2009, mas o local não foi concluído. Uma análise dos registros de entrada na Funcef confirma a ida de Edinho pelo menos seis vezes à sede da empresa, em Brasília, entre 2011 e 2014. Via de regra, as visitas eram duradouras e costumavam se estender por mais de uma hora. O próprio Léo Pinheiro também tinha fácil acesso e bateu à porta do órgão ao menos sete vezes neste período. Outros nomes ligados à OAS, como o de Antônio Carlos Mata Pires, filho de César Pires, dono da empresa, também aparecem nos registros. Ex-tesoureiro de campanha de Dilma Rousseff, o ministro é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por irregularidades durante a última campanha da petista, abastecida também com recursos da OAS. O empreiteiro afirma que o ministro-tesoureiro coagiu doadores eleitorais. As informações interceptadas pela Polícia Federal revelam trocas de mensagens entre Edinho e Léo Pinheiro desde 2007 e demonstram laços de amizade entre os dois. No dia 20 de junho de 2012, por exemplo, quando o petista completava 47 anos, Pinheiro enviou um recado de parabéns ao então deputado chamando-o de "querido", tratativa repetida em outras ocasiões, e concluiu o texto com um "grande abraço". As conversas também trazem à luz uma série de encontros entre os dois e ainda um cronograma que, de acordo com a Polícia Federal, indica datas e valores de repasses feitos pela OAS à campanha eleitoral de 2014. As investigações, com base em prestações de contas, constataram a doação de 20 milhões de reais da empreiteira à campanha petista. "Todas as transferências ocorreram após a data das mensagens trocadas entre Edinho e LP", consta no relatório. Na véspera do segundo turno das eleições passadas, as conversas entre os dois se intensificaram. Pinheiro perguntava para Edinho se havia "boas notícias" e, após a confirmação da vitória de Dilma Rousseff, disse ao então tesoureiro de Dilma: "Parabéns! Você tem sua marca nessa vitória". Ele agradeceu a lembrança ao "amigo".

Governo Federal põe à venda mansões oficiais em Brasília



Na tentativa de melhorar as contas do governo, em grave situação de deficit fiscal, o Ministério do Planejamento listou as residências oficiais dos ministros da Casa Civil e da Fazenda entre os imóveis da União que serão colocados à venda com financiamento da Caixa Econômica Federal. Localizadas no Lago Sul, área nobre de Brasília, as casas atualmente não são ocupadas pelos dois homens de confiança da presidente Dilma Rousseff: os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Nelson Barbosa (Fazenda). Ambos alegam que preferiram morar em imóveis menores. Segundo Guilherme Estrada Rodrigues, secretário nacional do Patrimônio da União, órgão que administra os bens de domínio do governo federal, nesta terça-feira (19) será publicada uma portaria no Diário Oficial da União autorizando a alienação de 239 imóveis, entre eles as residências oficiais dos ministros, com intermediação da Caixa. O banco será também responsável por estimar o preço dos imóveis, mas ainda não apresentou esses dados. Dessa forma, a compra poderá ser feita por pessoa física ou jurídica utilizando as linhas de crédito disponíveis na Caixa. Segundo o secretário, isso vai facilitar as transações visto que, no ano passado, o governo lançou licitação para alienação de 20 imóveis e não obteve sucesso. Esses, inclusive, estarão na lista que será publicada nesta terça-feira. A expectativa da União é arrecadar cerca de R$ 1,5 bilhão com a alienação dos imóveis este ano. A lista que será publicada nesta terça é apenas o primeiro lote dos bens e, a cada dois meses, outros devem ficar à disposição para a compra. Quando era ministra da Casa Civil durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma morou na casa no lago, assim como seu antecessor José Dirceu e seus sucessores Erenice Guerra e Antonio Palocci. 

Mulher de lobista é presa em São Paulo na Operação Zelotes



A Polícia Federal prendeu na tarde desta segunda-feira, em São Paulo, a empresária Cristina Mautoni, acusada de integrar o esquema de compra de medidas provisórias no governo federal investigado na Operação Zelotes. Mulher e sócia do lobista Mauro Marcondes, preso preventivamente em Brasília por suspeita de operar o pagamento de propinas para viabilizar as MPs, Cristina Mautoni foi detida em sua casa, no bairro do Morumbi, onde se recupera de uma cirurgia nas pernas. Segundo a defesa da empresária, ela foi levada pelos agentes em uma cadeira de rodas. A ordem de prisão foi dada pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, responsável pelos processos da Zelotes. Mauro e Cristina são réus em uma ação penal por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, os dois operaram esquema de pagamento de propina para conseguir a edição, pelo governo, e a aprovação, pelo Congresso, de medidas provisórias que concediam incentivos fiscais a montadoras de veículos. A Marcondes e Mautoni Empreendimentos, empresa de lobby que pertence ao casal, fez pagamentos de 2,5 milhões de reais à LFT Marketing Esportivo, do empresário Luís Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula. Os investigadores da Zelotes suspeitam que os repasses tenham ligação com as medidas provisórias. O filho de Lula alega ter recebido o dinheiro por serviços de consultoria esportiva. Uma semana antes de a Polícia Federal prender Cristina, Mauro Marcondes recebeu a visita do delegado Marlon Oliveira Cajado, um dos responsáveis pelas investigações. O advogado do casal, Roberto Podval, disse que, no encontro, Cajado "chantageou" seu cliente para que fizesse acordo de delação premiada. Segundo Podval, a colaboração foi proposta como uma forma de Mauro Marcondes evitar a transferência de Cristina para uma unidade prisional. O advogado disse que vai entrar com habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) para tentar tirar Cristina Mautoni do regime fechado. "O sr. Mauro Marcondes tem oitenta anos de idade. Com a prisão da mulher, uma menina de apenas 14 anos vai ficar em casa, sem pai e sem mãe, um ato absolutamente desnecessário", afirma Podval.

90% das hidrelétricas aceitam acordo que compensa perdas, diz ministro



A maior parte das hidrelétricas do Brasil aceitou um acordo proposto pelo governo federal para compensar parcialmente perdas de faturamento com a seca em 2015, afirmou nesta segunda-feira (18) o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, que estimou a adesão em cerca de 90% das usinas envolvidas nas discussão. "Pelo que temos registrado, chega muito perto disso, em volume de megawatts", disse Braga. Terminou na sexta-feira passada o prazo para as empresas decidirem se aceitavam não a compensação. Como contrapartida ao acordo, as empresas se comprometem a retirar ações judiciais que davam a elas proteção contra prejuízos causados pela seca. Braga acredita que a adesão ao acordo "com certeza" vai destravar as liquidações financeiras do mercado de curto prazo de energia, que estavam paralisadas desde novembro devido ao excesso de ações judiciais. Nesta segunda-feira a CCEE (Câmara de Compensação de Energia Elétrica) informou que destravou parte das operações, com o processamento de uma liquidação referente a setembro, mas as operações de outubro e novembro ainda não têm data para serem liquidadas. Originalmente, elas deveriam ter sido processadas em dezembro e janeiro, respectivamente. "Os resultados (das liquidações) vão aparecer já nos balanços que serão publicados pelas diversas empresas agora no início de 2016 e terão grande impacto na capacidade de investimento (das geradoras)", disse Braga. Segundo o ministro, quem não aderiu ao acordo foram empresas que atuam exclusivamente no mercado livre de eletricidade, em que as geradoras negociam contratos diretamente com consumidores ou comercializadores. "Os grandes participantes no mercado livre, que também estão no regulado, esses fizeram a opção. O resultado foi muito bom. Seria excepcional, obviamente, se todos do mercado livre também tivessem optado", disse Braga. Apesar da falta de adesão pelas usinas do ambiente livre, o acordo costurado pelo governo definiu que empresas que aceitassem os termos oferecidos para os contratos regulados não poderiam mais pedir na Justiça um tratamento diferenciado para a energia vendida em negociações no mercado livre.

Ministério Público denuncia Renato Duque por propina em contas secretas no Exterior


O Ministério Público Federal denunciou nesta segunda-feira à Justiça Federal o ex-diretor de Serviços da Petrobras, o petista Renato Duque, pelos crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro e manutenção de valores não declarados no Exterior. É a oitava vez que o ex-dirigente da petroleira é denunciado pelos investigadores do Petrolão do PT. Renato Duque, que já foi condenado a mais de 20 anos de prisão, é acusado agora de transferir dinheiro de propina da Suíça para o principado de Mônaco para dificultar que autoridades brasileiras detectassem o esquema de corrupção e distribuição de dinheiro sujo instalado na Petrobras. Na ação, que será analisada pelo juiz Sergio Moro, o Ministério Público pede que 80 milhões de reais já bloqueados do ex-diretor sejam devolvidos à estatal. O petista Renato Duque nunca admitiu ter contas secretas no Exterior, mas as investigações apontam que ele foi o beneficiário de dinheiro depositado em duas offshores - a Milzart Overseas Holding, criada no Panamá em 2009 e com conta no Banco Julius Bär, em Mônaco, e a Pamore Assets, constituída no Panamá em 2011 e também com conta no Julius Bär tendo Renato Duque como beneficiário. Na primeira offshore, diz a acusação, Renato Duque escondeu a origem e a propriedade de cerca de 10,2 milhões de euros desviados da Petrobras entre 2009 e 2014. Na Pamore Assets, foram camuflados mais 10,3 milhões de euros recolhidos de propinas na estatal. Em acordo de delação premiada, o lobista Hamylton Padilha detalhou parte do mecanismo utilizado para repassar propina ao petista Renato Duque. Segundo ele, um contrato de comissionamento entre a empresa sul-coreana Samsung Heavy Industries e as companhias Barvella e Goodall servia para intermediar propina em favor do ex-diretor. Em setembro, o juiz Sergio Moro condenou Renato Duque a 20 anos e oito meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro. O processo que levou Vaccari e Duque a receberem a primeira sentença de condenação do juiz Sergio Moro diz respeito a desvios de recursos e pagamento de propina envolvendo quatro projetos da Petrobras - os gasodutos Urucu-Coari e Pilar-Ipojuca e as refinarias de Araucária (PR) e Paulínia (SP). No caso da refinaria de Paulínia, por exemplo, o chamado Clube do Bilhão fraudou a licitação, em 2007, simulando uma concorrência entre a Consórcio CMMS, a UTC Engenharia e a Andrade Gutierrez, embora o acerto e o recolhimento de propina já tivessem fixado, no escândalo do petrolão, que o Consórcio CMMS sairia vencedor, sendo que, segundo a acusação, "os demais apenas deram cobertura a ele para conferir à licitação aparência de regularidade". No caso da refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no município de Araucária, o Ministério Público apontou que houve pagamento de propina em espécie e em contas no exterior para a Diretoria de Serviços, na época comandada por Renato Duque. Parte do dinheiro sujo acabou, segundo a acusação, nas mãos do tesoureiro nacional do PT João Vaccari Neto por meio de doações registradas perante a Justiça Eleitoral. Segundo as investigações da Lava Jato, Vaccari intermediou doações de 4,2 milhões de reais de empresas investigadas que, na verdade, eram oriundos do propinoduto da Petrobras. Foram 24 repasses de empreiteiras, em dezoito meses, no período de 2008 a 2010. As contribuições foram feitas a pedido de Renato Duque. A denúncia do MP contabiliza que a propina destinada à diretoria de Abastecimento da Petrobras no Consórcio Interpar chegou a 28,2 milhões de reais, enquanto a fatia de vantagens indevidas à diretoria de Serviços paga pelo consórcio chegou a 56,4 milhões de reais.

Governo aceita negociar com mineradoras acordo para recuperar Bacia do Rio Doce



O governo federal e os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo acenaram nesta segunda-feira com a possibilidade de um acordo judicial com as empresas responsáveis pelos danos provocados pelo rompimento da barragem do Fundão, em Mariana (MG), em novembro do ano passado. De acordo com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, as empresas Samarco, Vale e BHP (controladoras da Samarco) pretendem cumprir a decisão judicial de recuperar a Bacia do Rio Doce mediante um acordo com a União e os governos dos dois estados. Segundo Izabella Teixeira, a Justiça concedeu à União e aos Estados uma liminar determinando uma série de obrigações para as empresas. Nesta segunda-feira, elas apresentaram a proposta de acordo, mas não adiantaram o conteúdo. Nesta terça-feira, haverá uma reunião em Minas Gerais entre os representantes das partes para discutir o assunto.  Izabella Teixeira acrescentou que a Vale do Rio Doce, em nome das duas outras empresas, procurou o comitê de revitalização da bacia para informar que quer fazer o acordo na Justiça. "Ela quer alocar os recursos necessários, quer ter transparência nas ações, quer efetivamente, junto com as demais empresas, recuperar a Bacia do Rio Doce. Não quer ficar eternamente em disputa judicial. De maneira objetiva, a procura foi sinalizar concretamente que querem buscar um acordo. Estamos aqui dizendo que vamos sentar com o juiz, com o Ministério Público e procurarmos consenso para o acordo", afirmou a ministra. Se firmado, de acordo com a ministra, o acordo deverá envolver formas de financiamento dessa recuperação. O governo tem como referência o valor de 20 bilhões de reais.

Os arrecadadores de Dilma

Só uma nova safra de delações pode obrigar o TSE a cassar o mandato de Dilma Rousseff. Os nomes que atingem diretamente a campanha presidencial são:
- Edinho Silva.
- Giles Azevedo.
- Anderson Dorneles.
- Charles Capella.
Alberto Youssef disse que não reconheceu Charles Capella como arrecadador de recursos destinados à campanha de Dilma. Mas O Antagonista sabe que Charles Capella é Charles Capella.

OAB quer a federalização da segurança pública

A OAB enviou ofício à presidente Dilma Rousseff pedindo a federalização da segurança pública e a criação de um ministério para fazer frente à violência no País. A OAB se tornou na mais sabuja instituição do Brasil a puxar o saco do petismo-petralhismo. O pouco que ainda resta de independência dos Estados neste País deve-se ao fato de que dispõem de forças armadas. Federalizar a segurança pública significaria implantar direto a ditadura comunista pregada pelo Foro de São Paulo, ao qual a OAB está filiada e submissa. Esses advogados petistas que dominaram a autarquia é tudo gente que quer derrotar a Operação Lava Jato. É tudo gente do partido que é uma organização criminosa. A OAB precisa ser profundamente mudada ou fechada.  

Novas delações em curso

A Andrade Gutierrez, como disse O Antagonista, vai denunciar as pressões de Edinho Silva e Giles Azevedo para destinar 100 milhões de reais à campanha de Dilma Rousseff, em 2014. Mas essa não é a única delação em curso. Quando terminar o recesso judiciário, o STF será inundado por novas delações.

Ajuste não é prioridade para Barbosa

Há menos de um mês como ministro da Fazenda, Nelson Barbosa vem confirmando os temores do mercado: o ajuste fiscal não é sua prioridade. O que realmente importa é salvar Dilma do impeachment e os companheiros do PT de um vexame nas urnas, em outubro. Isso é cada vez mais indisfarçável. O Deutsche Bank, por exemplo, destacou, em relatório desta segunda-feira (18) os “sinais negativos” de Barbosa: seu apoio à expansão do crédito para ativar a economia, o reajuste maior que o previsto do salário mínimo e a defesa de um superávit fiscal simbólico.

O roubo do século

O PP roubou 358 milhões de reais da Petrobras. Cálculo foi feito por Rodrigo Janot, segundo o Estadão. O PT e o PMDB roubaram ainda mais do que isso. Quando a Lava Jato pedir o dinheiro de volta, PT, PMDB e PP vão quebrar.

Lava Jato planeja "inúmeras operações"

A Lava Jato quer responsabilizar PT, PMDB e PP pelo esquema de corrupção na Petrobras. Segundo a Folha de S. Paulo, esse trabalho deve durar pelo menos mais três anos. A reportagem diz também: "Os procuradores avaliam que em quase dois anos de Lava Jato foi acumulado um 'estoque' de indícios de crimes que levarão a 'inúmeras operações' nos próximos meses".

Operação final

O Antagonista citou o nome dos arrecadadores da campanha presidencial que podem derrubar Dilma Rousseff no TSE. Mas a investigação mais explosiva é aquela revelada pela Veja, antes de ontem, sobre as duas contas no Exterior de João Santana. Entre as "inúmeras operações" prometidas pela Lava Jato está aquela contra o marqueteiro de Dilma Rousseff (e não vai demorar muito).

Bilhões e bilhões

A Folha de S. Paulo citou o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, a propósito dos pedidos de ressarcimento que vão quebrar PT, PMDB e PP: "Se você é preposto de alguém, o seu empregador responde. Então, em qualquer ato cometido por um deputado ou senador objetivando campanha eleitoral, a responsabilidade é do partido". A reportagem informa também: "As ações civis poderão incluir não apenas os valores repassados a integrantes das siglas, mas também as quantias doadas às legendas com registro oficial na Justiça Eleitoral que resultaram de acertos de propina". Não são centenas de milhões. São bilhões.

A Lava Jato acelera

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima disse à Folha de S. Paulo: "Ante o material que já obtivemos é possível dizer que em 2016 teremos inúmeras operações e não haverá diminuição no ritmo de trabalho em relação aos anos anteriores". Um amigo de O Antagonista, envolvido na Lava Jato, garantiu que 2016 será ainda mais empolgante do que 2015.

A reabertura do caso Celso Daniel

O inquérito sobre o assassinato de Celso Daniel pode ser reaberto. É o que diz O Globo: "O Ministério Público de São Paulo pretende pedir nos próximos dias ao juiz Sérgio Moro acesso às informações levantadas na apuração do Paraná sobre um empréstimo fraudulento obtido pelo pecuarista José Carlos Bumlai, cujos recursos podem ter sido usados para calar um empresário de Santo André, que teria chantageado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva". A promotora Sirleni Fernandes da Silva, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do ABC, confirmou: "O Ministério Público está atento aos fatos que surgem na Operação Lava-Jato e às implicações que eles podem ter aqui em Santo André".

Petrolão PP

Os números do petrolão são assustadores de todos os pontos de vista. Apenas na diretoria de Abastecimento, sob os cuidados do PP, Rodrigo Janot contabilizou 161 atos de corrupção em 34 contratos, 123 aditivos contratuais e quatro transações extrajudiciais num intervalo de 8 anos. A cada 18 dias, a Petrobras era depenada um pouco mais pelo PP. Mas, perto de PT e PMDB, o PP é pequeno, é P, é PP.

As mensagens da OAS sobre Gleisi Hoffmann

O relatório da Polícia Federal sobre as mensagens de Léo Pinheiro, segundo O Globo, acusa Glesi Hoffmann, ministra da Casa Civil de Dilma Rousseff, de ter favorecido a OAS: “Sequência de e-mails indica que Gleisi Hoffmann teria atendido interesses da OAS naquilo que (diz) respeito a exploração de aeroportos”. A reportagem lembra que Gleisi Hoffmann já é investigada pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em inquérito da Lava-Jato.

O dinheiro de Dilma é igual ao dinheiro do PT

Edinho Silva, tesoureiro de Dilma Rousseff, reuniu-se pelo menos dez vezes com Léo Pinheiro. Segundo O Globo, o relatório da Polícia Federal que analisou as mensagens no celular do presidente da OAS mostram que o último encontro entre os dois ocorreu em 10 de novembro de 2014, às vésperas da prisão do empreiteiro. Dois dias antes de se reunir com Edinho Silva, Léo Pinheiro reuniu-se também com João Vaccari Neto. Diz o relatório: “Interessante destacar que houve anotação semelhante para João Vaccari Neto com data de 08/11/2014, ou seja, em poucos dias, LP (Léo Pinheiro) se reuniu com dois responsáveis pela arrecadação de numerários para o Partido dos Trabalhadores (PT)”. A Lava Jato sabe que o dinheiro do PT e o dinheiro da campanha de Dilma Rousseff emanam a mesma fedentina. Só o Congresso Nacional, o STF, o TSE e a imprensa fingem ignorar isso.

"Ciro é um desarranjado de ideias"

Na breve entrevista que deu ao jornal O Globo, o vice-presidente Michel Temer se esquivou de qualquer confronto com Dilma ou Renan Calheiros, mesmo que, para isso, faltasse com a verdade. A exceção se deu quando a reportagem o perguntou sobre os ataques vindos de Ciro Gomes. Leiam a resposta do vice-presidente: "Curioso, você é a primeira pessoa que me pergunta sobre esse assunto. Quase ninguém dá importância ao que ele fala. Ele é um desarranjado de ideias. Eu nunca darei a ele a honra da minha resposta. Prefiro o caminho da Justiça".

Mesmo preso, o petista Delcídio Amaral continua recebendo auxílio moradia do Senado Federal

O senador petista Delcídio do Amaral continua recebendo R$ 5.500,00 de auxílio moradia do Senado Federal mesmo depois de preso. Esse absurdo é possível porque o senador petista não teve o mandato cassado. A Secretaria-Geral da Mesa do Senado preferiu entender que Delcídio está licenciado do cargo, preservando também o salário do senador. O Brasil é uma piada de mau gosto.

Associação moverá ação nos Estados Unidos contra "máfia das próteses"


A Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge) conclui, juntamente com advogados norte-americanos, uma ação judicial contra multinacionais de produtos médicos acusando-as de pagar comissão a médicos brasileiros. O caso é um desdobramento das investigações da chamada “máfia das próteses”, como ficou conhecido o esquema no qual médicos submetem pacientes a cirurgias de próteses sem necessidade em troca de comissões sobre os produtos indicados. No Brasil, o caso já está sob investigação da Justiça e foi objeto de uma CPI. Estima-se que o esquema seja responsável por um prejuízo de 6 bilhões de reais ao ano aos planos de saúde. A Abramge reivindica uma indenização e um pesado acordo de compliance. “Se os Estados Unidos querem fazer corrupção, que façam no quintal deles”, disse Pedro Ramos, diretor da associação. A ação, que deverá ser impetrada em seis semanas, será nos Estados Unidos porque o país concentra 60% dos produtos médicos que são enviados ao Brasil, mas também haverá ofensiva jurídica aqui e na Europa. Recentemente, o Ministério Público Federal denunciou dez envolvidos no esquema, entre médicos e empresários. A estimativa é que cerca de 5 milhões de reais tenham sido desviados pelo grupo.

Cruzeiro marítimo de Sartori no Caribe não é apenas para descanso

Não pode ser mera coincidência o fato de seis deputados estaduais do Rio Grande do Sul, todos integrantes da base aliada do governo do Estado, terem embarcado em um cruzeiro no Caribe, no mesmo navio em que também está o governador José Ivo Sartori, do PMDB, e todo o seu clã familiar. Quem conhece o "gringo" do seu tempo de deputado sabe que ele sempre adorou "viagens oficiais", sempre se deliciou com "boquinhas". Ele não perdia viagem. Agora aproveitou as "férias" (em qual lei está escrito que governador tem direito a férias?) para convidar para sua companhia antigos companheiros de "missões" parlamentares do Rio Grande do Sul. O negócio é o seguinte: ele aproveita a companhia dos "companheiros" para tratar da reforma do seu secretariado. Ele não faz nada em seu governo, mas dá a impressão de estar fazendo muito. 

Merda toma conta da água na praia de Porto Belo, em Santa Catarina, é fedor e coliforme por todo lado



Uma mancha escura foi identificada no domingo (17) em uma faixa de mar do litoral norte de Santa Catarina. A Prefeitura de Porto Belo, uma das cidades atingidas, suspeita de derramamento de esgoto no rio Perequê, que deságua no mar, e montou uma força-tarefa para verificar se a água está contaminada. Ou seja, a água da praia está toda contaminada por merda, cocô. De acordo com o último relatório semanal de balneabilidade divulgado pelo Estado, no último dia 15, 35% dos pontos monitorados no litoral catarinense estão impróprios para banho. Em Porto Belo, apenas dois dos seis pontos analisados estão livres de poluição. Na manhã desta segunda-feira, equipes da Vigilância Sanitária municipal e da Fundação do Meio Ambiente (Fatma), órgão estadual, coletaram amostras de água do mar e enviaram o material para análise em laboratório. Os resultados ficarão prontos em 24 horas. Os bombeiros estiveram no local e orientaram banhistas a não entrarem no mar. Eles também fizeram a recomendação a hóspedes de pousadas da orla. No domingo foram registradas imagens de peixes mortos na areia da praia de Perequê. Mas a prefeitura informou nesta tarde que, a princípio, não há necessidade de interditar o local. Também na tarde desta segunda-feira, fiscais da Fatma visitaram a estação de tratamento da Companhia Nacional de Saneamento (Conasa), na cidade vizinha de Itapema, para coletar amostras e determinar a quantidade de coliformes fecais na saída de esgoto tratado. A empresa, responsável pela captação e tratamento de água e esgoto em Itapema, foi notificada e deverá fornecer dados para a análise. 


Em 2013, a Conasa foi multada por derramar esgoto sem tratamento no rio Perequê. A empresa alega que esse procedimento administrativo ainda está em trâmite e que a responsabilidade pelo caso ainda está sendo discutida. Além da suspeita de derramamento de esgoto, segundo a Fatma, há outras hipóteses para o surgimento da mancha. "A água suja não indica necessariamente poluição. A mancha pode aparecer devido ao contraste entre a água do mar, que está extremamente limpa devido as condições climáticas favoráveis, com a água do rio, que é mais amarelada", diz o diretor de proteção de ecossistemas do órgão, Márcio Alves. Outras explicações possíveis são a proliferação de algas e o despejo clandestino de esgoto de pequenas propriedades em Porto Belo. Segundo a Fatma, a mancha avançou da praia de Perequê, que já é considerada imprópria para banho, em direção à praia de Itapema, no lado esquerdo da foz do rio Perequê, hoje considerada própria para banho. Nesta segunda (18), a mancha estava concentrada na praia de Itapema. 

Vizinho de Lula anuncia triplex

O Antagonista descobriu que o triplex ao lado do de Lula está à venda por R$ 1,5 milhão. No anúncio, o proprietário descreve o imóvel: três dormitórios, sala com dois ambientes, lavabo, vista total para o mar e lazer privativo com piscina, sauna e espaço gourmet. A versão da OAS não se sustenta. É evidente que a empreiteira caprichou no apartamento para entregá-lo a Lula.



O triplex do vizinho é mais barato