terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Salários serão 40% menores em 2016

Quem perdeu o emprego e está procurando uma vaga para se recolocar no mercado deve se contentar com um salário até 40% menor do que costumava ganhar. Diversos acordos coletivos foram fechados com redução salarial em 2015, para garantir o emprego dos trabalhadores, e a situação tende a piorar no próximo ano.

Os bois do doleiro Funaro

Na busca e apreensão no escritório do doleiro Lúcio Funaro, a Polícia Federal encontrou documentos que o vinculam aos frigoríficos Bertin e JBS, além de políticos do PT e PMDB. Mais precisamente um deputado federal petista e um ex-ministro peemedebista.

Relator contraria TCU e recomenda aprovação das contas de Dilma


O relator das contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff na Comissão Mista de Orçamento, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), apresentou nesta terça-feira parecer em que defende a aprovação com ressalvas do demonstrativo financeiro do governo federal. A medida contraria a recomendação aprovada por unanimidade pelo Tribunal de Contas da União, em outubro, pela rejeição das contas de Dilma. Na avaliação do TCU, a presidente descumpriu no ano passado a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) ao atrasar repasses a bancos públicos com a intenção de maquiar a situação fiscal do país - as manobras ficaram conhecidas como pedaladas fiscais. Já o senador pedetista considerou que não houve desrespeito à legislação e que as pedaladas não consistiam em operações de crédito. Segundo ele, a inadimplência proposital nos pagamentos acabou ou está sendo quitada, configurando, assim, como uma "mera formalidade" e não como um crime. O relatório de Gurgacz ainda precisa ser votado pela Comissão Mista do Orçamento, o que deve ocorrer até março do próximo ano. Depois, o texto tem que passar pelo plenário do Congresso. A oposição contava com uma eventual reprovação das contas para dar força ao processo de impeachment contra a presidente. No parecer, o senador também fez a seguinte ressalva: a situação econômica de 2014 impediu que houvesse o cumprimento de cenários econômico-fiscal traçados pelo governo, o que fragilizou a transparência da execução orçamentária. Questionado sobre o parecer do tribunal, Gurgacz insinuou que a corte agiu de maneira política quando votou unanimemente pela rejeição. "Por que tem que prevalecer a posição do TCU, que é um órgão que assessora o Congresso? Enfim, como não encontramos o vínculo de responsabilidade da presidente e como os argumentos do tribunal não são relevantes o suficiente para levar à rejeição, nosso relatório conclui pela aprovação das contas, porém com ressalvas. Meu relatório está menos politizado do que o relatório do TCU, deveria ser o contrário", afirmou Acir Gurgacz. O relator afirmou que, além da manifestação do TCU, também se embasou nas defesas feitas pelo Banco do Brasil, pela Caixa Econômica, pelo BNDES, em juristas de universidades brasileiras, técnicos da Advocacia-Geral da União, consultores legislativos, entre outros. O senador também apresentou uma série de recomendações para serem seguidas, de agora em diante, pela administração pública federal, estadual e municipal. Entre elas, defendeu a adoção de um cronograma de médio prazo para quitar o passivo dos restos a pagar. Em relação às pedaladas, ele afirmou que o governo discute com o tribunal um cronograma de pagamento. "O passado não se conserta, não há como retroagir. Mas precisamos pensar nos futuros presidentes da República e governadores de Estado", afirmou, ao citar que, em 2015, quatorze Estados governados pelos mais diversos partidos não cumpriram a meta fiscal. "Minha preocupação não é rejeitar ou aprovar as contas de um presidente, estamos pensando no país", destacou. O relator também destacou que os decretos não numerados assinados por Dilma e pelo vice-presidente Michel Temer em 2014 não são ilegais. Segundo ele, havia previsão na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei Orçamentária Anual (LOA) do ano passado para editar esses decretos sem a aprovação do Congresso.

Brasileiros não se vêem como latino-americanos

Empurrada goela abaixo pelos governos do PT, sob a inspiração do Foro de São Paulo, a identidade latino-americana é amplamente rejeitada pelos brasileiros. Pesquisa inédita de opinião pública mostra que, embora se considerem líderes da região, os brasileiros desprezam a América Latina. Apenas 4% dos brasileiros se definem como latino-americanos, ante uma média de 43% em outros seis países latinos (Argentina, Chile, Colômbia, Equador, México e Peru). Também não querem livre trânsito de latinos por suas fronteiras nem priorizar a região na política externa. Os resultados estão na edição 2014/2015 do projeto The Americas and the World: Public Opinion and Foreign Policy.

Polícia Federal indicia grupo acusado de corrupção no extinto Ministério da Pesca e no Ibama

A Polícia Federal indiciou, hoje, na Operação Enredados, 90 pessoas, por corrupção ativa, passiva e privilegiada, além de crime ambiental, que geraram um prejuízo superior a R$ 5 bilhões. Desses, 27 eram servidores públicos. A ação foi deflagrada em outubro, para desarticular um grupo que teria atuado junto ao extinto Ministério da Pesca e Aquicultura, no Distrito Federal e em Santa Catarina, e ao Ibama, apenas em Santa Catarina. Treze investigados estão presos preventivamente. Entre eles, o ex-secretário-executivo do Ministério, Clemerson José Pinheiro, e o ex-superintendente do Ibama em SC, Américo Ribeiro Tunes. Ambos estão custodiados em Porto Alegre.

O petista Delcídio Amaral diz que é um mentiroso vulgar, loroteiro, delirante, fantasioso, contar de histórias fajutas

Por meio dos advogados, o senador Delcídio Amaral (PT-MS) chama de “delirante e fantasioso” o conteúdo da gravação em que ele insinua influência sobre políticos e magistrados, e de “blefes e bazófias” o que afirmou na conversa com Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que o levou à prisão no dia 25 passado. Ele também inocenta o banqueiro André Esteves, solto neste sábado (19). A referência a Esteves, diz a defesa de Delcídio, “foi um blefe” para dar à família Ceveró a ideia de que poderia obter “consolo” ou “vantagem”. Delcídio também procurou inocentar seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira, afirmando que ele sempre agiu sob sua ordem e confiança. O criminalista Kakay disse ter feito forte prova da inocência de Esteves e confia que a Justiça nem sequer receberá a denúncia contra ele. Delcídio lembra que cópia do acordo de delação de Ceveró, apreendida com investigados, já havia sido publicado em revistas semanais.

Nada como porcaria para esquecer a religião

Passados cinco meses do início da crise do lixo, causada pelo fechamento do único grande aterro do Líbano o governo daquele país decidiu exportar os dejetos. Pagará 125 dólares por tonelada exportada, até que se ache um jeito de resolver internamente o problema. A crise do lixo fez com que pela primeira vez muçulmanos e cristãos se unissem em manifestaçōes de rua, a fim de exigir uma solução para a grave questão sanitária. Nada como porcaria para esquecer a religião. A fedentina uniu o que Deus desuniu.

Incêndio destrói o Museu da Língua Portuguesa, a Estação da Luz, em São Paulo




Um incêndio destruiu parte do prédio da estação da Luz, patrimônio histórico na região central de São Paulo erguido 148 anos atrás, e devastou toda a instalação do Museu da Língua Portuguesa, um dos mais visitados da cidade e abrigado no local desde 2006. Um bombeiro civil que trabalhava no local, intoxicado com a fumaça, morreu com parada cardiorrespiratória. Segundo os bombeiros, as chamas destruíram o segundo e terceiro andares do prédio, mas, em princípio, não afetaram a estrutura da estação de trem local – onde passam 200 mil pessoas ao dia. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que irá reconstruir o museu. O incêndio começou por volta das 15h50 e foi controlado duas horas e meia depois. Uma imensa nuvem de fumaça cinza se espalhou pelo centro da cidade, e o teto de madeira do prédio, restaurado no século passado, desabou. Para conter as chamas, os bombeiros contaram com a ajuda da forte chuva que desabou à tarde na capital. 

Como toda segunda-feira, o museu estava fechado ao público. Funcionários relataram que deixaram o prédio após ouvir o alarme de incêndio. "O museu foi totalmente afetado, é uma tragédia", disse o secretário estadual de Cultura, Marcelo Araújo. Todo acervo do museu, porém, é digital e, segundo ele, conta com cópia de segurança – ainda não há estimativa de prejuízo. O museu e todo o complexo da estação da Luz não tinham aval dos bombeiros para funcionar. Segundo a corporação, os responsáveis pelo museu apresentaram projeto em 2004 (que foi aprovado), mas não deram prosseguimento ao pedido. A apresentação é só a primeira fase de um processo para obtenção do AVCB (Auto de Vistoria do Corpos de Bombeiros). O segundo passo é um pedido de visita dos bombeiros para análise das edificações. Construída para ser a grande porta de entrada da cidade, por onde passaria o café do interior e os imigrantes vindos de Santos, a Estação da Luz, muito semelhante à atingida agora, existe desde 1902. Uma outra, modesta, funcionava ali desde 1867. "O que veio da Europa, desmontado, era o teto de aço. Os tijolos, por exemplo, foram feitos aqui, em olarias que a própria SP Railway incentivava que fossem feitas", afirma o arquiteto Lúcio Gomes Machado, professor da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), da USP. A partir dos anos 1950, com o incentivo ao transporte por automóvel, as ferrovias caíram no ostracismo. No centenário do prédio, em 2002, começaram as obras de restauração do edifício. Parte do local, que estava em estado de abandono, é que recebeu o Museu da Língua Portuguesa. Os bombeiros já iniciaram as investigações sobre as causas do incêndio. Ainda será realizada uma perícia. Atualmente, a mostra exposta no museu contava a história do etnógrafo potiguar Câmara Cascudo. Para tanto, havia um corredor com 20 mil livros, que levava à "Babilônia", uma instalação de madeira feita para recriar o caos da biblioteca do autor. Havia, também, 1.100 figuras de gesso que representavam entidades do candomblé e do catolicismo e bonecos do folclore brasileiro. Segundo sua neta, Camilla Cascudo, eram reproduções ou objetos feitos especialmente para a exposição – o acervo de Cascudo está intacto, em Natal (RN). Esse não foi o primeiro incêndio no local. Em 1946, o foco engoliu parte da estação. As chamas, segundo noticiou a "Folha da Manhã", destruíram o famoso relógio da estação, no alto de uma torre. Nesta segunda-feira, porém, o relógio não foi atingido e registrava 18h15 quando os bombeiros controlaram o fogo. A Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo afirmou que o acervo do Museu da Língua Portuguesa, na região da Luz, em São Paulo, terá "recuperação plena" após o incêndio que tomou sua estrutura na tarde desta segunda-feira. "A Secretaria esclarece que todo o acervo do museu era virtual, por isso, sua recuperação plena será possível após a reconstrução do edifício, medida já anunciada pelo governador Geraldo Alckmin", diz o texto, que também afirma que a obra será priorizada pela gestão estadual em parceria com entidades parceiras. A secretaria garante que o museu atendia a todos os requisitos necessários para a segurança e a circulação de visitantes e funcionários e que os procedimentos de segurança eram verificados periodicamente. "Além disso, possui seguro contra incêndio da ordem de 45 milhões de reais." Nesta segunda, o museu estava fechado, como acontece semanalmente, por isso não recebia visitantes na hora do incêndio. A secretaria também lamentou a morte do bombeiro civil Ronaldo Pereira, morto durante o combate às chamas no museu. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital das Clínicas, mas não resistiu. "A destruição parcial do prédio é uma grande perda, mas nunca comparável à vida humana, essa sim, insubstituível. Nos solidarizamos com seus familiares", diz o comunicado. O incêndio, que começou no primeiro andar do edifício, segundo os Bombeiros, consumiu praticamente todo o telhado do prédio. De acordo com o secretário estadual de Cultura, Marcelo Araújo, uma perícia vai apurar as causas do incêndio.