domingo, 6 de dezembro de 2015

BTG quer vender R$ 22 bilhões em carteiras de crédito, diz agência


O banco BTG Pactual quer vender até R$ 22 bilhões em carteiras de crédito (empréstimos feitos pelo banco) para aumentar o dinheiro em caixa disponível em meio à crise que vive após a prisão de seu ex-controlador, André Esteves. A carteira total de financiamentos é de R$ 43 bilhões. Cerca de metade do valor, contudo, refere-se a garantias e, por isso, não pode ser vendida. O jornal britânico "Financial Times" também noticiou a venda massiva de créditos do banco neste domingo. Mas, de acordo com a publicação, o valor é ainda maior: R$ 50 bilhões. O BTG vem mantendo negociações com diversas instituições bancárias. O Bradesco arrematou créditos por R$ 1,15 bilhão. O Banco do Brasil é outra instituição que já acertou a compra de um lote de até R$ 1 bilhão e avalia se ampliará a aquisição para até R$ 2,5 bilhões em financiamentos, segundo executivos próximos às conversas. Itaú e Caixa Econômica Federal também estudam adquirir parte da carteira. Esteves, preso em 25 de novembro, é suspeito de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. Receosos, investidores correram para sacar seu dinheiro. Cinco dias após a prisão, os fundos do BTG haviam registrado saída de R$ 12,2 bilhões. Para estancar a sangria, os sete principais sócios do banco assumiram o controle no lugar de Esteves e iniciaram uma operação de resgate. Além das carteiras de empréstimo, colocaram à venda participações em diversas empresas e acertaram com o FGC (Fundo Garantidor de Créditos) um empréstimo de R$ 6 bilhões. Com essa linha, o BTG ganhará tempo para negociar a venda de negócios. O banco já vendeu sua participação na Rede D'Or, maior grupo de hospitais privados do País, por R$ 2,38 bilhões, e está disposto a repassar outras empresas. Em comunicado na sexta-feira (4), o BTG reconheceu que analisa a venda do recém-adquirido banco suíço BSI e de participações na empresa de recuperação de créditos Recovery, na varejista Leader, na rede de academias BodyTech, na companhia de compra e venda de imóveis comerciais BR Properties, na empresa de serviços navais Bravante e no UOL, empresa do Grupo Folha. O Pactual tem 5,9% de ações do UOL.

Fernando Morais, e a biografia de José Dirceu?

Fernando Morais sentiu-se convocado a escrever um artigo para a Folha, a fim de defender o governo Dilma Rousseff. Entre outros, ataca Hélio Bicudo, que teria rompido com o PT por ter perdido uma sinecura (faz rir), e o TCU, que rejeitou as contas fraudulentas da petista - omitindo o fato de que nem mesmo ministros da pior qualidade puderam jogar no lixo o minucioso e irrefutável trabalho dos auditores do tribunal e do procurador de contas Júlio Marcelo de Oliveira. Fernando Morais já defendeu Orestes Quércia. Fernando Morais já defendeu a ditadura cubana. Fernando Morais já defendeu Lula (com quem, aliás, viajou em jatinho da Odebrecht, em voo sigiloso). Defender a "presidenta" Dilma Rousseff é só mais um trabalho que ele cumpre com diligência. Fernando Morais, continuamos a esperar ansiosamente a sua biografia definitiva de José Dirceu.
Fernando Morais, quando trabalhava no Jornal da Tarde, no fim dos anos 60 e início dos 70, era chamado na redação, por seus colegas, de "Fernando B", ou simplesmente "B". Vocês já podem imaginar o que significava o "B". 

Extrema direita vence primeiro turno das eleições regionais da França


O Partido Socialista, do presidente François Hollande, ficou em terceiro, com 23% dos votos. Socialistas e republicanos terão uma semana para tentar reverter a vantagem da Frente Nacional antes do segundo turno, no próximo domingo (13). O clima de tensão após a série de ataques que deixaram 130 mortos em Paris em 13 de novembro é apontado como um dos motivos para a alta votação da direita. Em discurso após a divulgação das pesquisas, Marine Le Pen pediu a união de "todos os patriotas franceses" no segundo turno: "Nada poderá ser um obstáculo para a vontade profunda do povo". Ela mesma obteve 40% dos votos para o governo da nova região de Nord-Pas de Calais-Picardie, no norte francês, uma das 13 divisões territoriais criadas em 2014. O partido também lidera com percentual similar nas outras duas regiões onde apresentou candidatura própria. A sobrinha de Marine, Marion Maréchal-Le Pen, de apenas 26 anos, recebeu 42% dos votos em Provence-Alpes-Côte d'Azur. Já o vice-líder do partido, Florian Philippot, venceu em Alsace-Champagne-Ardenne-Lorraine. O crescimento da Frente Nacional fez com que diversos dirigentes socialistas e republicanos se unissem para evitar uma vitória do partido de extrema direita em suas regiões. As principais lideranças, porém, descartam qualquer aliança entre eles. Em discurso, Sarkozy disse que os franceses preferiram a alternância, embora tenha criticado a escolha pela Frente Nacional. "Temos de ouvir e entender a irritação dos franceses e também os que votaram na Frente Nacional. Entendo sua inquietação, mas não terão resposta de um partido cuja posição agravaria drasticamente a situação da França". Do lado socialista, porém, não houve reconhecimento de derrota. Para o porta-voz do governo, Stéphane Le Foll, a esquerda foi vitoriosa, se forem somados aos votos dos socialistas os resultados de verdes e de frentes de esquerda. "O total da esquerda, a que dizem estar em dificuldades, será de 36%, o que a torna a primeira força política". Esquerda é sempre vigarista em todo lugar. 

O PMDB já decidiu derrubar Dilma Rousseff

A melhor reportagem deste domingo sobre o impeachment foi publicada em O Globo. Assim como O Antagonista, O Globo sabe que o PMDB já decidiu derrubar Dilma Rousseff. Disse o jornal: "A saída de Eliseu Padilha do governo foi vista pela ala pró-impeachment do PMDB como a senha para que se iniciem abertamente os trabalhos para garantir Michel Temer no comando do país. Nas horas que se sucederam à notícia do pedido de demissão, a frase mais proferida pelos peemedebistas resume o espírito da saída: 'Padilha é o Temer'”. A partir de amanhã, Eliseu Padilha, "expert em planilha e controle de votos desde a Constituinte", passará a trabalhar no gabinete da presidência do PMDB a fim de arrebanhar os votos necessários para o impeachment. Junto com ele, trabalharão Romero Jucá, Moreira Franco e Geddel Vieira Lima. Dilma Rousseff? Dilma Rousseff pode contar com o apoio de Leonardo Picciani, o Sibá Machado do PMDB.

Cerveró estava surtando

Ao tentar traçar um perfil de Bernardo Cerveró, a Folha deu breves detalhes da rotina que o pai, Nestor, vivia na prisão. A desconfiança é de que o ex-diretor da área internacional da Petrobras estava surtando na cadeia. Entre frases desconexas e dias sem tomar banho, a matéria relata que Cerveró pai teria um dia defecado na pia da cela no Complexo Medico Penal no Paraná. Contudo, fica a dúvida se Cerveró estaria atuando para conquistar algum benefício. Ou ainda se a divulgação desses detalhes não visa a um enfraquecimento da delação premiada assinada com a Lava Jato.

Ator e mágico

Depois de ter protagonizado a melhor atuação do ano, Bernardo Cerveró fez por onde desaparecer. No mesmo perfil publicado na Folha, a advogada Alessi Brandão informou que o filho de Nestor Cerveró se nega a dar entrevista, pediu discrição aos amigos e decidiu sumir dos holofotes. Bernardo Cerveró sabe que provocou uma quadrilha perigosa.

Cármen Lúcia ameaçada

Interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal flagraram possíveis ameaças à ministra Cármen Lúcia, de acordo com a coluna Expresso da revista Época. Além de relatora da Zelotes, Cármen Lúcia substituirá Ricardo Lewandowski na presidência do STF em 2016. O Antagonista espera que, ao lado de Gilmar Mendes, que presidirá o TSE no lugar de Dias Toffoli, a ministra ajude a fazer de 2016 um ano ainda mais revelador que 2015.

Temer indignado, irritado e estarrecido

Michel Temer está indignado com Edinho Silva e Jaques Wagner. De acordo com Jorge Bastos Moreno, em O Globo, o vice-presidente reclamou da "arapuca" armada pelo Planalto quando o convidou para uma rápida reunião com Dilma no meio da semana. Quando Edinho Silva passou a jornalistas a falsa informação de que o peemedebista assessoraria Dilma, Temer se irritou. Quando Jaques Wagner colocou palavras na boca do vice-presidente, Temer ficou estarrecido. O PT é uma mentira que tenta se salvar contando ainda mais mentiras.

O jato de Delcídio

Delcídio do Amaral usou o jatinho de João Amorim, empreiteiro de Campo Grande que chegou a ser preso na operação Lama Asfáltica da Polícia Federal. Numa das viagens, Delcídio estava acompanhado de João Baird, empresário investigado pela mesma operação. O piloto do avião não soube responder se as viagens foram remuneradas ou não.

Ciro Gomes, o radical a favor

Com a mesma truculência que o impediu de ser presidente por duas vezes, Ciro Gomes tenta se lançar para 2018 pregando que o Brasil deve engolir Dilma até que esse exótico radical a favor possa concorrer (e ser derrotado) pela terceira vez. Ciro estaria chamando Michel Temer de "capitão do golpe" e repetindo todos os argumentos governistas já rebatidos desde o início do ano. Apesar de raivoso, Ciro soa bem adestrado.

Colhe o que plantou

Dilma plantou mais de R$ 400 bilhões em benefícios fiscais e colhe hoje um déficit de R$ 120 bilhões. O estudo do Ibre/FGV esclarece, no entanto, que a política de estouro da renúncia fiscal não é dilmista, mas petista. De 1988 a 2004, a soma dos benefícios concedidos equivalia a 2% do PIB, mas subiu para 4% nos anos Lula e atingiu 6,5% agora em 2015. Caso o petismo não tivesse ampliado os mimos aos setores que mantêm com o governo as relações mais questionáveis, o País dispensaria hoje o ajuste fiscal com um superávit de R$ 200 bilhões.

A vitória da extrema-direita

As primeiras estimativas das eleições regionais na França apontam para uma vitória histórica da Frente Nacional... Marine Le Pen e a sua sobrinha, Marion Maréchal-Le Pen conseguiram mais de 40% dos votos nas regiões em que são candidatas. A leniência socialista com a imigração clandestina e a ameaça terrorista empurrou a extrema-direita.