sábado, 14 de fevereiro de 2015

Mulher do oposicionista venezuelano Leopoldo López diz que ele corre risco de vida na prisão do ditador Nicolas Maduro


A esposa de Leopoldo López, Lilian Tintori, denunciou neste sábado que a vida do líder opositor venezuelano corre perigo. "A vida do meu esposo corre perigo. Injusto o que se passa hoje com @leopoldolopez", publicou em sua conta no Twitter. O desabafo na rede social ocorre um dia depois de a ONG Human Rights Watch (HRW) ter denunciado que López, detido em uma prisão militar desde o ano passado após os protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro, foi violentamente atacado em sua cela. "Hoje @leopoldolopez segue preso, isolado em uma cela ainda menor. Sem visitas familiares, sem comunicação", escreveu Lilian. De acordo com a denúncia da Human Rights Watch, na noite de quinta-feira, homens encapuzados e armados entraram na cela de López com o objetivo de intimidá-lo. Ele teria sido agredido e levado para uma cela de castigo. Seus pertences teriam sido destruídos. O ato de violência teria ocorrido exatamente na data que marcava um ano das manifestações contra Maduro. “Pedimos a comunidade internacional, principalmente aos Estados membros da Unasul, que vêm mantendo um silêncio cúmplice, que se pronuncie sobre os abusos cometidos na Venezuela e exija a imediata e incondicional liberação de López e outros presos similares”, disse osé Miguel Vivanco, diretor da HRW, em comunicado. Esses vagabundos repressores da ditadura venezuelana estão sendo comandados e treinados por militares da ditadura comunista de Cuba, grande entreposto de tráfico de drogas. 

Ex-ministro Joaquim Barbosa faz postagem no Twitter pedindo a demissão do Ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo


O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, ex-ministro Joaquim Barbosa, que se notabilizou por conduzir com determinação o julgamento do Mensalão do PT , escreveu no seu Twitter nesta noite de sábado que o ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, deve ser demitido imediatamente. Revistas importantes, como Veja, além de jornais como a Folha de hoje, revelaram a ocorrência de reuniões entre o ministro e advogados dos empreiteiros presos no Petrolão, acusados de propineiros, tudo para salvar a pele de todos eles e, por vias transversas, também as peles de Lula e de Dilma. Isto aconteceria em função de norma a ser editada a qualquer momento, dando novos poderes ao Tribunal de Contas da União, que acertaria acordos de leniência com as empreiteiras e com isto livraria a cara de todo mundo. O ministro apareceu nos noticiários de TV esta noite, admitindo as reuniões, embora negando o conteúdo revelado pelas publicações. Ele estava visivelmente nervoso. As revelações são de caráter explosivo e tiveram respostas imediatas e duras, como as de Joaquim Barbosa, que nos últimos meses tem mantido obsequioso silêncio sobre o julgamento do Petrolão. O petralhismo está metendo os pés pelas mãos, tentando alterar atribuições do Tribunal de Contas da União, um órgão assessor do Congresso Nacional, por meio de portaria. De fato, o petralhismo perdeu a noção de realidade. A revista Veja aponta que o "porquinho" petista recomendou que os empreiteiros acusados de propinagem não façam delações premiadas. Isso é uma óbvia atuação contra o poder da Justiça. Em qualquer lugar do mundo isso implica demissão e processo. 

Após três meses de cadeia, surgem sinais de extrema angústia de empreiteiros presos na Lava-Jato


Três meses depois de serem presos — que se completam neste sábado — empresários e executivos que dividem as celas da carceragem da Polícia Federal em Curitiba, acusados de formar cartel, pagar propina e inflar os preços de obras da Petrobras, já não sentem apenas sinais de depressão e ansiedade. Azedaram as relações deles com muitos de seus defensores. Advogados de renome, que fecharam contratos milionários — e deram a seus clientes a impressão inicial de que poderia ser fácil tirá-los da cadeia —, agora ouvem uma pergunta à exaustão: "Se o Renato Duque (ex-diretor da Petrobras) está solto, e eu? Por que estou aqui?" A cobrança feita aos advogados é generalizada. Quando tiveram prisão preventiva decretada pela Justiça Federal em Curitiba, alguns empresários deram a seus defensores prazos curtos. “Quero sair em até uma semana”, era uma das declarações mais comuns. Choveram pedidos de habeas corpus, e nada feito. Duque, acusado de ter operado bilhões em propinas, conseguiu ficar livre. Polícia Federal e Ministério Público Federal argumentam que as provas contra o petista Renato Duque são mais difíceis. A maioria das contas no Exterior não estava em nome dele, e é preciso que chegue ao Brasil o rastreamento do dinheiro lá fora. Para os que estão presos, isso é só um detalhe. Ainda que o tom seja de elegância, não são poucos os advogados que ouvem de seus clientes que “são muito eficientes, mas pouco eficazes”. Muita promessa, mas nada de irem para casa. Reina uma espécie de angústia coletiva que dá a interlocutores a sensação de que, em breve, muitos cederão à tentação de seguir o que fez o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, e também pedirão atendimento psicológico. O que mais chama atenção de quem vai visitá-los é que não reclamam, por exemplo, da hospedagem e da comida, que tem de ser a mesma oferecida a qualquer preso na Polícia Federal. Na carceragem, não dá para pedir quentinha. Em geral, os presos da Lava-Jato dizem que são tratados com dignidade e preferem a cela da Polícia Federal a prisão comum.

Ministro da Justiça recebeu advogados da Odebrecht em seu gabinete

O ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, recebeu em uma audiência em seu gabinete, no dia 5 deste mês de fevereiro, três advogados representantes da empreiteira Odebrecht, envolvida na Operação Lava- Jato. O encontro consta da agenda oficial do ministro, divulgada no site da Pasta, mas sem informar que os advogados representam a construtora, nem detalhar o assunto. Outros encontros com defensores de empreiteiros teriam acontecido. Na sexta-feira, a revista “Veja” informou que o ministro se reuniu com Sérgio Renault, advogado da empreiteira UTC, e com o ex-deputado federal Sigmaringa Seixas. Na edição de ontem, a “Folha de S. Paulo” noticiou que ele teria tido ao menos três encontros neste mês com advogados da própria UTC e da Camargo Correa. “Audiência com os senhores Pedro Estevam Serrano, Maurício Roberto Ferro, Dora Cavalcanti e com a participação do secretário-executivo do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira. Pauta: Visita Institucional”, é como está escrito na página da internet. Serrano e Dora são advogados da construtora; Ferro é vice-presidente jurídico. A Odebrecht foi citada na delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. De acordo com ele, a construtora teria lhe pagado US$ 31,5 milhões em propina. Ele afirmou que o dinheiro era depositado em contas na Suíça pelo operador Bernardo Freiburghaus, dono da Diagonal Investimentos. Ainda segundo Paulo Roberto Costa, os US$ 31,5 milhões foram depositados entre os anos de 2012 e 2013 em quatro ocasiões. Ele disse que a propina foi enviada pela construtora para quatro contas correntes diferentes em nome de empresas criadas por ele. A Odebrecht negou as acusações, que qualificou como “calúnias”.

O "porquinho" petista José Eduardo Cardozo confirmou ao GLOBO que se reuniu com os representantes da empreiteira – que ele não quis identificar. De acordo com o ministro, os advogados foram atendidos porque haviam feito um pedido formal de audiência. Cardozo afirmou que os advogados foram apresentar duas representações denunciando supostas irregularidades em fatos que envolvem a Operação Lava-Jato. No entanto, não quis dizer do que se tratava. "As representações tramitam em sigilo e foram encaminhadas aos órgãos responsáveis, sendo informadas as autoridades competentes. Foi feita uma ata da reunião", declarou. O ministro disse que essa foi a única reunião que manteve com advogados de empreiteiras envolvidas no escândalo que investiga pagamento de propina a funcionários da Petrobras e políticos. A agenda do "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, porém, não é detalhista. Ele passa meses sem anotar nenhuma atividade. Segundo o ministro, ele age como os demais colegas e, quando não há informação divulgada é porque ele está em despachos internos. Na sexta-feira, a revista “Veja” informou que o ministro se reuniu com Sérgio Renault, advogado da empreiteira UTC, e com o ex-deputado Sigmaringa Seixas. Na edição de ontem, a “Folha de S. Paulo” noticiou que ele teria tido ao menos três encontros neste mês com advogados da própria UTC e da Camargo Corrêa. O "porquinho" petista José Eduardo Cardozo negou que tenha atendido Renault. De acordo com ele, os dois apenas se cumprimentaram na antessala de seu gabinete. O ministro afirmou que estava reunido com Sigmaringa para tratar de assuntos pessoais, e Renault passou no ministério para dar uma carona a Sigmaringa e levá-lo para almoçar. O encontro entre Cardozo e Renault, segundo o ministro, teria acontecido quando ele acompanhou Sigmaringa até a porta de seu gabinete. "Foi um encontro rápido, onde apenas trocamos cumprimentos. Eu o conheço há muitos anos e somos amigos. Não falamos nada sobre a Lava-Jato", declarou. O ministro também afirmou que em nenhum momento teria tranquilizado advogados das empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras. "Se alguém está dizendo isso, mente. Eu nunca falaria isso, em hipótese alguma. Se há advogados espalhando esse tipo de boato é porque devem estar irritados pelo trabalho que o Ministério da Justiça, por meio da Polícia Federal, tem feito". material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. É a típica fala de político. Se ele diz que não deu conselho algum aos advogados dos empreiteiros propineiros, então é conveniente entender o contrário. 

Luiz Felipe Scolari "se expulsa" de jogo e diz estar envergonhado com o futebol do Grêmio; os gremistas que gostam de futebol esperam a sua demissão, urgente


A coisa não anda nada bem para o Grêmio. Após a derrota por 1 a 0, neste sábado (14), para o Veranópolis, na Arena, o técnico Felipão explicou a sua inusitada atitude de deixar o campo antes de a partida acabar. "Eu me expulsei. Mais vergonha do que isso, impossível passar. Não fizemos nada, o time adversário, de novo, tomou conta do jogo. Não aproximamos. É difícil o que está acontecendo. Faltando três ou quatro minutos, vim embora. Queria ficar de cabeça fria para não tomar uma atitude errada. A equipe adversária se postou bem, não conseguimos jogar, de novo", afirmou o treinador. Visivelmente incomodado com a derrota, Felipão garantiu que não é só a torcida que está com vergonha do futebol apresentado pela equipe. "Se a torcida estava envergonhada, eu muito mais. Vou trabalhar, fazer o que sempre fiz. Se perguntarmos aos nossos jogadores, estão com a mesma vergonha. É continuar, sim. Tentar melhorar, sim. E ver o que vai acontecer", completou. Outros atletas do Grêmio também falaram sobre o resultado negativo deste sábado. Sucinto, Luan não quis se prolongar sobre o assunto. "Falar nada dessa derrota aí. Horrível", disse o atleta. Já o goleiro Marcelo Grohe lamentou o momento ruim da equipe na temporada (o Grêmio tem três derrotas e duas vitórias no Campeonato Gaúcho). "Tudo que a gente falar agora vai ser em tom de desculpa. Não sei o que dizer, sinceramente. Sentimento de tristeza por tudo que está acontecendo e vamos seguir trabalhando para que tudo possa melhorar", lamentou. Luiz Felipe Scolari, de maneira evidente, é um treinador fracassado ultimamente. Seus times não conseguem jogar. O Grêmio precisa trocar de técnico. Fama não garante futebol. 

No Facebook, Cristina Kirchner acusa "ódio" e "infâmia"


A presidente argentina, a peronista e populista muito incompetente Cristina Kirchner, usou o Facebook neste sábado para rebater o pedido de indiciamento feito pelo promotor Gerardo Pollicita, que leva adiante a denúncia de que ela e seus apoiadores acobertaram a participação iraniana no atentado contra um centro judaico em Buenos Aires. “Sabem o quê? O ódio, a mágoa, a infâmia e a calúnia deixemos a eles”, escreveu a presidente em sua conta no Facebook, sem citar nomes. O texto reproduzia parte do discurso feito por ela na última quarta-feira. Na sexta-feira, Pollicita indiciou Cristina Kirchner, que comanda um governo ultra corrupto, e seus colaboradores, com base na denúncia do promotor Alberto Nisman, que foi encontrado morto em seu apartamento no dia 18 de janeiro. Se o juiz federal Daniel Rafecas, que conduz o caso, aceitar a denúncia, a peronista populista Cristina Kirchner poderá ser intimada a depor, presencialmente ou por escrito. Neste sábado, promotores argentinos manifestaram apoio a Pollicita e criticaram a “hostilidade” do governo, que acusa o poder judiciário de golpismo. "Só posso dizer que o doutor (Gerardo) Pollicita é um grande profissional, com mais de trinta anos de experiência. A opção processual que escolheu, em cumprimento de seu dever como promotor, marca o início de um processo penal", afirmou o promotor Guillermo Marijuán, em entrevista publicada neste sábado pelo jornal La Nación. "Espero que todas as hostilidades e agressões contra os promotores sejam somente fogo de palha", disse o promotor José María Campagnoli, em declarações ao canal Todo Noticias. O atentado contra a sede da Associação Mutual Israelense - Amia aconteceu em julho de 1994 e deixou 85 mortos. Nisman assumiu as investigações sobre o caso em 2004. A denúncia apresentada em 14 de janeiro tem como base várias escutas de conversas sobre a relação do governo com o Irã.

Bombeiros suspendem buscas a desaparecidos em navio-plataforma no Espírito Santo

O Corpo de Bombeiros do Espírito Santo suspendeu as buscas pelos trabalhadores desaparecidos no acidente no navio-plataforma Cidade São Mateus, ocorrido na quarta-feira passada (11) no litoral capixaba. O acidente causou a morte de cinco pessoas e feriu 20 operários. Segundo informou hoje (14) a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo, à qual os bombeiros estão vinculados, a decisão foi tomada de comum acordo com a BW Offshore, porque alguns compartimentos do navio-plataforma estão cheios de água, o que atrapalha a continuidade do trabalho. A assessoria reforçou que a busca pelos desaparecidos foi suspensa temporariamente devido a esse entendimento técnico com a BW Offshore, que é a operadora da plataforma, afretada pela Petrobras. Os bombeiros permanecem de prontidão e assim que a água for retirada pela equipe da BW, eles poderão retornar ao navio para dar seguimento ao trabalho. A assessoria da Secretaria de Segurança disse que a busca pode ser retomada a qualquer momento, embora não haja, por enquanto, nenhuma previsão. Em nota, a BW Offshore informou que uma equipe de mergulhadores especializados iniciou hoje (14) a instalação de tampas nas caixas de mar e que depois dessa operação, cuja conclusão é aguardada para os próximos dias, terão início os trabalhos de retirada da água interna dos compartimentos. A empresa disse que a Plataforma Cidade São Mateus “está estável, sem entrada de água”. A companhia destacou que seu objetivo principal, no momento, é encontrar as quatro pessoas desaparecidas. Acrescentou que as atividades atualmente em curso “são essenciais para a execução das buscas”.

Primeira-ministra classifica tiroteio deste sábado em Copenhague como ataque terrorista islâmico

A primeira-ministra dinamarquesa classificou hoje (14) o tiroteio de Copenhague como um “ataque terrorista”. Ela afirmou que a Dinamarca foi alvo de “ato de violência cínica”. "Tudo leva a crer que o tiroteio tenha sido um atentado político, e, consequentemente, um ato terrorista”, disse Helle Thorning-Schmidt. Antes, a polícia dinamarquesa tinha atribuído a mesma classificação ao atentado que provocou, na tarde de hoje, a morte de um homem e feriu pelo menos três policiais que se encontravam no local em que ocorria um debate sobre islamismo e liberdade de expressão. A polícia dinamarquesa procura os dois suspeitos da autoria do ataque, já tendo encontrado abandonado e vazio o carro, de modelo Volkswagen Polo, usado na fuga. O ataque ao centro cultural onde ocorria o debate Arte, Blasfêmia e Liberdade de Expressão contava com a presença do embaixador de Paris em Copenhague, François Zimeray, e do cartunista sueco Lars Vilks, autor de uma caricatura de Maomé publicada em 2007, que provocou forte contestação do terrorismo islâmico. O episódio de 2007, que tinha como base o trabalho de Vilks, seguiu-se à polêmica que envolveu o diário dinamarquês Jyllands-Posten que, em setembro de 2005, publicou 12 caricaturas de Maomé, consideradas ofensivas pela comunidade islâmica. De acordo com a imprensa dinamarquesa, Lars Vilks seria o alvo do ataque de hoje. O cartunista não foi atingido pelos disparos. Paris também já classificou oficialmente o atentado como ataque terrorista. "Condeno com a maior firmeza este atentado", afirmou em comunicado Laurent Fabius, ministro dos Negócios Estrangeiros francês. O ministro francês da Administração Interna, Bernard Cazeneuve, deverá viajar “o mais rápido possível” para a Dinamarca, a fim de para recolher informações sobre o ataque, informou o presidente François Hollande, em comunicado. Ele declarou “toda a solidariedade” do seu país à primeira-ministra dinamarquesa Helle Thorning-Schmidt.

Novas chuvas podem atingir Santa Catarina ainda hoje


A Defesa Civil de Santa Catarina alerta que, segundo a Epagri/Ciram, órgão de meteorologia do Estado, há possibilidade de novas chuvas no início da noite de hoje (14) para as regiões da Grande Florianópolis, Vale do Itajaí, litoral norte. Segundo o alerta, caso isso ocorra, há possibilidade de novos deslizamentos. Na noite de ontem e na madrugada de hoje, a chuva causou alagamentos e deslizamentos, que atingiram principalmente as regiões do litoral norte e da Grande Florianópolis. Segundo a Defesa Civil, não há registros de desabrigados, nem de mortos e feridos. Na região metropolitana da capital, as estações meteorológicas da Epagri/Ciram, registraram, em 12 horas de chuvas, o volume de precipitação aguardado para todo o mês de fevereiro. A capital foi a mais afetada, com o maior volume que chegou a 178 milímetros nas últimas 24 horas. Na tarde deste sábado, em novo alerta publicado no site da Defesa Civil, a Epagri/Ciram anunciou pancadas de chuva nas regiões do Meio Oeste, Planalto Norte e Planalto Sul para as próximas horas. Mesmo com os alagamentos causados ontem, a Defesa Civil informou que a programação de carnaval, a princípio, está mantida. Serão feitas mudanças apenas se novas chuvas atingirem a região. A assessoria do órgão ressaltou que dois coordenadores regionais fazem um levantamento dos estragos causados, para que o Estado possa analisar se há necessidade de auxílio para essas localidades. A previsão da Epagri/Ciram é de que, no domingo (15), o litoral, Vale do Itajaí e planalto norte permaneçam com instabilidade e possibilidade de chuva. A assessoria da Defesa Civil informou que a população que vive em áreas de risco deve evitar permanecer nessas áreas. No site do órgão, a população é orientada a, em caso de alagamentos, evitar o contato com a água e não dirigir em regiões com muitas poças nas ruas. Outra orientação é que a população fique atenta a movimentações de terra, rachaduras em muros ou paredes. Caso isso ocorra, as pessoas devem deixar o local e comunicar a ocorrência à Defesa Civil pelo telefone de emergência 199 ou (48) 3664-7056 – atendimento 24 horas – ou ao Corpo de Bombeiros, no 193. 

Lula pede que Dilma envolva governadores no ajuste fiscal


O ex-presidente e alcaguete Lula (ele delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr, em seu livro "Assassinato de reputações") vai ajudar na articulação política do governo com o Congresso, na tentativa de reverter a animosidade entre PT e PMDB após a vitória de Eduardo Cunha (RJ) para o comando da Câmara. Na conversa de mais de duas horas com Dilma, na quinta-feira, em São Paulo, Lula sugeriu a ela que convoque uma reunião com governadores e prefeitos, em apoio às medidas de ajuste fiscal, e acertou um cronograma de encontros que terá em Brasília. Após o Carnaval, Lula vai se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o líder do PMDB na Casa, Eunício Oliveira (CE), e com a bancada de senadores do PT. Na sua avaliação, o Palácio do Planalto precisa agir rápido para evitar que a fratura na base aliada se aprofunde e a tese do impeachment ganhe força, no rastro do escândalo de corrupção na Petrobras, que culminou com outra CPI para investigar o desvio de dinheiro na estatal. Desde que assumiu a presidência da Câmara, no dia 1º, derrotando o petista Arlindo Chinaglia (SP), Eduardo Cunha impôs uma série de reveses ao governo, do orçamento impositivo ao comando da comissão que vai tratar da reforma política, entregue à oposição. Depois de aplanar o terreno com o PMDB no Senado, Lula também pretende conversar com o próprio Eduardo Cunha. Para enfrentar o boicote ao ajuste fiscal, Lula disse a Dilma que ela deve adotar uma "nova estratégia". A tática de reação ao cerco político também está passando pelo crivo do marqueteiro João Santana. No diagnóstico do ex-presidente, Dilma deve chamar uma reunião com governadores e prefeitos, com o objetivo de explicar as iniciativas tomadas para "pôr a economia nos trilhos" e angariar apoios para a votação das medidas impopulares no Congresso, como o endurecimento das regras de acesso ao seguro-desemprego e ao abono salarial. Na conversa com Dilma, Lula lembrou que fez isso no primeiro ano de governo, em 2003, quando queria aval para a reforma da Previdência. A proposta do ex-presidente, porém, foi ouvida com muitos "senões". Embora ciente de que precisa dos governadores e prefeitos para aprovar o ajuste fiscal no Congresso, Dilma resiste a promover o encontro com eles agora, por temer que todos cheguem a Brasília "com o pires na mão". Lula argumentou, no entanto, que é necessário fazer outra abordagem do ajuste, como parte da chamada "batalha da comunicação". Não foi só: insistiu em que o diálogo é a única forma de vencer as barreiras erguidas até mesmo pelo PT, por movimentos sociais e pelas centrais sindicais. Para melhorar a imagem do governo, hoje deteriorada, Lula sugeriu a Dilma que saia do gabinete no Planalto e retome as viagens pelo País. O ex-presidente acha que ela deveria aproveitar seus discursos para explicar à população, de forma didática, e com exemplos da "vida real", a importância do combate imediato às fraudes que existem na concessão dos benefícios trabalhistas. A idéia é mostrar que o governo está agindo para que as irregularidades acabem, e não para retirar direitos a duras penas conquistados. As viagens e as conversas "olho no olho" com a população são, na opinião de Lula, um importante antídoto contra a queda de popularidade de Dilma. No receituário para sair da crise, o ex-presidente também aconselhou Dilma a visitar obras em andamento, com o objetivo de mostrar que o governo não está parado, a reboque de crises políticas e econômicas. Para Lula, a presidente tem de reagir logo porque não pode esperar as manifestações de 15 de março contra o governo federal, organizadas pela oposição, quando haverá bandeiras pelo impeachment. Além de dizer que Dilma deve ir às ruas para defender sua gestão, Lula acha que sua afilhada política também precisa retomar as viagens ao Exterior. Para ele, quando se enfrentam problemas domésticos, os parceiros internacionais com investimentos no país têm interesse em ajudar na reversão das expectativas negativas porque não querem ver seus projetos minguarem. Antes de se despedir do padrinho, Dilma garantiu a ele que fará uma viagem aos Estados Unidos para se encontrar com o muçulmano Barack Obama, no segundo semestre. A visita de Estado deveria ter sido realizada em outubro de 2013, mas foi cancelada após a revelação de espionagem feita pela Agência Nacional de Informação daquele país a ela, a seus auxiliares e a empresas brasileiras. Para Lula, a presidente precisa "capitalizar" o apoio internacional que o Brasil tem para driblar o atual momento de fragilidade. Dilma concordou.

PESQUISA DEMONSTRA QUE GAÚCHOS ACHAM QUE SARTORI COMEÇOU MUITO MELHOR DO QUE DILMA

Os eleitores gaúchos acham que Satori começou seu governo muito melhor do que Dilma. É o que aponta pesquisa que acaba de divulgar o Instituto Index. Os resultados sobre quem começou melhor:
48,3%, Sartori
34,8%, Dilma
A pesquisa mostra que Dilma está muito pior entre os eleitores de baixa renda.
Quando Index pergunta quais dos dois governantes fará melhor governo, eis as respostas:
Sartori, 50,5%
Dilma, 29,3%

Entenda porque o ministro da Justiça disse que depois do Carnaval os empreiteiros seriam salvos da Operação Lava Jato


Neste artigo intitulado "Luís Inácio corre para salvar Luiz Inácio", o jornalista Diogo Mainardi diz que ficou claro por que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse a um advogado de empreiteira, em reunião secreta, que a Operação Lava Jato "tomaria outro rumo" depois do Carnaval e, portanto, ele "desaconselhava" que os executivos presos partissem para a delação premiada. O material de Mainardi está na edição de hoje do se blog "O antagonista". Leia tudo, a seguir - 
"Em conluio com Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, dirigiu-se ao Tribunal de Contas da União (TCU), com uma Instrução Normativa redigida no Palácio do Planalto. Por essa Instrução Normativa, aprovada em tempo recorde, o TCU analisará concomitantemente com a Controladoria-Geral da União (CGU) os acordos de leniência firmados com o Estado. Isso garante que os acordos feitos no âmbito da CGU não correrão o risco de serem anulados depois pelo tribunal - mesmo com um TCU dominado por PT e PMDB, as empreiteiras temiam essa possibilidade quando lhes propunham tal saída. A aprovação da Instrução Normativa é ótima para Lula, Dilma e os larápios associados porque: 
a) Acordos de leniência podem ser feitos diretamente com a CGU, sem passarem pela Justiça
b) Dessa forma, contorna-se o juiz Sergio Moro
c) Pelos termos de um acordo de leniência, as empresas reconhecem que praticaram os crimes, pagam uma multa e não são consideradas inidôneas. Podem continuar a assinar contratos com o governo em qualquer nível
d) Ao contrário do que ocorre com a delação premiada, elas não precisam contar tudo. Ou seja, que Lula e Dilma estão implicados até o pescoço no esquema do Petrolão
e) A chance de Dilma sofrer impeachment reduz-se dramaticamente, visto que será quase impossível imputar-lhe o crime de responsabilidade
f) Sem o perigo de falência, as empreiteiras podem dar um grande cala-a-boca ou um aguenta-aí-até-chegar-no-STF aos executivos presos e aos seus sócios em cana, como Ricardo Pessoa, da UTC, que ameaçavam seguir o caminho da delação premiada. A ameaça de Ricardo Pessoa de partir para a delação foi decisiva para o Planalto armar rapidamente o golpe
Luís Inácio Adams percorreu freneticamente os gabinetes dos ministros do TCU, acompanhado do ministro Bruno Dantas, para aprovar uma Instrução Normativa, repita-se, redigida no Palácio do Planalto, e não pelo ministro Bruno Dantas, como foi noticiado. Ninguém levantou a menor objeção. A menos que um executivo preso ache insuportável a idéia de passar anos na cadeia, ainda que com o seu futuro assegurado economicamente, ou que a sociedade esboce reação, Luís Inácio salvou Luiz Inácio - e Dilma.

Receita Federal investiga correntistas brasileiros do HSBC na Suiça


A Receita Federal já investiga brasileiros com indícios de movimentação financeira no Banco HSBC na Suíça. A lista foi divulgada pelo International Consortium of Investigative Journalism (Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo) e pode indicar fraude fiscal. “São 6,6 mil contas bancárias abertas no banco no período de 1988 a 2006, supostamente relacionadas a 4,8 mil cidadãos de nacionalidade brasileira, que totalizariam saldo, em 2006 e 2007, no valor de US$ 7 bilhões”, destaca a Receita Federal. O Fisco informou ainda que, por meio de sua unidade de inteligência, teve acesso a parte da lista contendo o nome de pessoas que teriam relacionamento financeiro com a instituição. “As análises preliminares de alguns contribuintes já revelam hipóteses de omissão ou incompatibilidade de informações prestadas ao Fisco brasileiro, entre outros casos”, acrescenta. A Receita Federal diz também que está aprofundando as pesquisas sobre o tema para obter mais informações, inclusive mediante a cooperação internacional, para a correta identificação do maior número possível de contribuintes relacionados e o levantamento de possíveis valores não declarados. Caso tenha ocorrido, os investidores são passíveis de autuação e de representação fiscal para fins penais em razão da ocorrência de crime contra a ordem tributária. “É relevante notar que alguns desses contribuintes já haviam sido investigados anteriormente pela Receita Federal, a partir de outros elementos constantes em suas bases de dados”, diz o órgão. A Receita Federal articula com outras Instituições estratégias conjuntas para a identificação e responsabilização desses contribuintes por eventuais crimes contra o sistema financeiro, além da lavagem de dinheiro.

Suspeito de apoiar a organização terrorista Estado Islâmico é preso em Londres


A polícia de Londres prendeu neste sábado um homem de 32 anos suspeito de ser membro ou apoiador do grupo terrorista Estado Islâmico. Os policiais afirmaram em depoimento que o acusado estava coletando informações úteis para alguém que planejava ataques terroristas e procurava, além disso, encorajar o terrorismo. O homem passou o dia sendo interrogado em uma estação de polícia no sul da capital britânica. O grupo terrorista Estado Islâmico foi banido da Inglaterra no ano passado.

Dilma e Mercadante têm deixado Lula inquieto. Saiba por quê

lula
Lula: ele está tenso com o avanço das investigações da Lava-Jato
Lula está uma fera com Dilma Rousseff e com Aloizio Mercadante. Tem dito a interlocutores que Dilma e Mercadante não estão se empenhando como deviam para brecar as investigações da Lava-Jato. Estão lavando as mãos. Lula, é bom lembrar, já chegou a ir até Gilmar Mendes para pedir – em vão – que o ministro do STF amaciasse o seu voto no julgamento do mensalão. Lula, aliás, tem Mercadante como um dos seus alvos preferidos. Acha que o ministro mais importante deste governo quer fazer terra arrasada dos seus adversários internos no PT para viabilizar-se como o candidato do partido em 2018 – se o ex não encarar a sucessão de Dilma, claro. Por Lauro Jardim

Operador da KeppelFels no petrolão coleciona carros de luxo. Confira os modelos

zwi
Zwi, em viagem à Europa
Zwi Skornicki, acusado por Pedro Barusco de operar para o estaleiro KeppelFels na roubalheira da Petrobras, é um apaixonado por automóveis. Em sua casa de campo, na serra fluminense, coleciona carros de alto luxo. Quem viu, diz que são ao menos doze veículos de primeiríssima qualidade: de Rolls Royce a Ferrari (duas), passando por modelos de Porsche (três) e Mercedes Benz. Por Lauro Jardim

PT-MPV É O PREFIXO DO HELICÓPTERO QUE TARSO COMPROU PARA O SERVIÇO AEROMÉDICO. O PRIMEIRO DOS DOIS APARELHOS ()R$ 26 MILHÕES) CHEGOU ESTA SEMANA.

O primeiro dos dois helicópteros que o governo Tarso Genro comprou por R$26 milhões nos Estados Unidos e destinados ao atendimento aeromédico do Samu chegou somente esta semana a Porto Alegre. trata-se do modelo Augusta Westland 119 Kx. O prefixo do aparelho é PT-MPV. Não é coincidência. PT é o Partido do ex-governador Tarso Genro e MPV corresponde às iniciais do nome do coordenador do Samu que armou todo o rolo atual sobre o serviço aeromédico, criando constrangimentos para o governo de José Ivo Sartori: Maicon de Paula Vargas.

SERVIÇO AEROMÉDICO FOI REMOBILIZADO NESTE SÁBADO EM IMBÉ. GOVERNO SARTORI SE SUBMETE À PRESSÃO DA RBS E DOS PETISTAS

Em reunião na sexta-feira (13) entre a Secretaria Estadual da Saúde (SES) e o município de Imbé (administração petista) ficou acordada a manutenção do serviço aeromédico do Samu estadual. A equipe de socorristas será remobilizada a partir deste sábado (14), sediada no Litoral Norte, e seguirá em atividade até o término do veraneio, em março. A partir do término da temporada, essa equipe será substituída por equipe própria da SES. O secretário João Gabbardo dos Reis garantiu ao prefeito Pierre Emerim o pagamento do convênio pelo qual o município se encarrega de contratar a equipe de socorristas para o serviço aéreo. A empresa contratada, a Futura, tem como contratado o ex-coordenador do Samu no governo petista, e também a mulher dele. O pagamento de janeiro foi repassado ao município na sexta-feira, tendo ficado asseguradas as parcelas de fevereiro e os dias a serem atendidos em março, até o término da Operação Golfinho. O prefeito de Imbé esclareceu que a forma de pagamento hoje em curso é feita através do recebimento dos recursos do Estado pelo município, que o repassa à Associação dos Municípios do Litoral Norte (AMLINORTE), e o consórcio contrata uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, que efetua o pagamento dos salários aos profissionais. "É uma vitória de toda a população, especialmente agora no Carnaval", comentou o prefeito Pierre Emerim. Também estiveram presentes na reunião o vice-prefeito Luís Henrique Vodovato e o deputado estadual Gabriel de Souza. A equipe ficará de plantão das 7 às 18 horas, já que a aeronave não voa durante a noite. Acompanha o serviço aeromédico uma base específica do Samu, que ficará ao lado do heliponto de Imbé, com todos os equipamentos para a ambulância e o helicóptero. Após o veraneio, o secretário Gabbardo também garantiu a continuidade do serviço. "Manteremos as atividades do atendimento aeromédico, com a transferência dessa aeronave hoje utilizada e dos novos helicópteros a serem incorporados (um deles já em Porto Alegre), não mais sediada no Litoral, mas em Porto Alegre, ou num local mais central do Estado, como Santa Maria, conforme avaliação a ser feita com a nossa área técnica", afirmou. O Samu aéreo e terrestre abrange hoje todas as regiões do Estado. O Samu está presente hoje em 160 municípios bases, que atendem um total de 264 municípios, cobrindo 9,5 milhões de habitantes ou 90% da população do Estado. Ao todo, 40 ambulâncias de Suporte Avançado e 187 de Suporte Básico estão em funcionamento, além de dez motolâncias e dez veículos de intervenção rápida. Oscips não são controladas pelo Ministério da Saúde, mas pelo Ministério da Justiça. Esse negócio é muito estranho, para dizer o mínimo, e deveria ser objeto da atenção do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. 

FARSA: O petista Alexandre Padilha turbina o SUS para parto da sua filha! Petista dispensou plantonistas e chamou médicos de sua confiança

Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde e candidato derrotado do PT ao governo de São Paulo, disse durante a campanha eleitoral que sua esposa, então grávida, faria o parto na rede pública do Sistema Único de Saúde (SUS), defendido pelo casal. Hoje, os portais chapa-branca dizem que o petista cumpriu a promessa, em razão do nascimento na quinta-feira (12), no Hospital Municipal Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte paulistana, de sua filha com a jornalista Thássia Alves, Melissa. Mas o SUS de Padilha está longe de ser o SUS disponível à população pobre do Brasil. Na verdade, está bem mais próximo do Sírio Libanês de Lula e Dilma. “É um SUS plus. Só o endereço é igual. O resto é tudo diferente”, disse indignado um médico intensivista que acompanhou os acontecimentos de perto. O "parto humanizado" estava programado para março, mas Thássia foi internada na terça-feira e precisou passar por uma cesárea de urgência devido a um quadro de pré-eclâmpsia, doença que se caracteriza por alterações de pressão arterial que podem levar a gestante a crises convulsivas e até à morte. Os mortais comuns do SUS costumam dispor de um obstetra e um pediatra e, quando o parto se complica um pouco, geralmente são dois obstetras e um pediatra. Já Padilha contou com o dobro de médicos na sala: três obstetras e três pediatras. Entre os primeiros, o próprio diretor do hospital que raramente vai à linha de frente. E os outros cinco eram todos do Hospital das Clínicas, da USP, em força-tarefa especial para o parto. Isso mesmo: o petista chamou os médicos de sua confiança para fazer o que tinha de ser feito dentro de um hospital público, cuja equipe de plantonistas e residentes foi dispensada. A recém-nascida foi levada à UTI Neonatal, onde os plantonistas também tiveram de ceder lugar a uma médica do Hospital das Clínicas, profissional do Instituto da Criança da USP. “Os médicos locais ficaram ofendidos, revoltados. Se você trabalha num lugar e cai uma estrela que chama alguém de fora, estão falando que ‘eu sou um bosta, que eu não tenho qualidade para atender o cidadão estrelado’”, disse o intensivista. “Mas a prefeitura está nas mãos do PT. Se alguém falar, vai sofrer retaliação”, completou, explicando que é da prefeitura a maternidade onde Thássia ficou em quarto individual com ar-condicionado – outro luxo exclusivo. Para piorar, a opção pela cesárea imediata em caso de pré-eclâmpsia, embora recomendada em outros países, é relativizada pelo Ministério de Saúde, cujo manual sugere que ainda se poderia tentar a via normal de parto se o bebê tiver condições de nascer. Ou seja: pode ter sido devidamente ignorada a própria sugestão do Ministério da Saúde, rechaçada por muita gente da área. “O ministro da Saúde, Arthur Chioro, faz política para combater cesárea, dizendo que pode matar, mas o que mata é a politização de um assunto técnico como a Medicina. Quando isso é feito, o resultado é o massacre que a gente vê na saúde pública brasileira”, comentou a fonte. O jogo de cena montado para validar a propaganda política do PT e a suposta coerência de Padilha, a quem o prefeito Fernando Haddad garantiu um emprego, também foi denunciado em nota da página Mais Médicos Fail no Facebook, segundo a qual o casal pretendia fazer a transferência do bebê para um hospital particular: Einstein ou São Luiz Morumbi. Uma blogueira da Folha de S. Paulo, que deu a notícia do parto como um cumprimento da promessa eleitoral de Padilha, escreveu a respeito: “O post mostra ainda um bate-papo de whatsapp de algum funcionário da unidade passando informações privilegiadas sobre a paciente e seu bebê, o que fere o Código de Ética Médica". A informação sobre o bebê, na verdade, está no post e foi devidamente reproduzida pela blogueira. A imagem do whatsapp mostra apenas informações básicas sobre os procedimentos incomuns e privilegiados adotados dentro de um hospital da rede pública por um político defensor do SUS na hora em que sua família precisou de seus serviços. Desmentir em atitudes o próprio discurso político embusteiro, sim, fere o Código de Ética humana – e é dever moral de qualquer cidadão de bem denunciar a farsa. De resto, desejo toda a saúde do mundo a Thássia e Melissa. Lamento apenas que o SUS turbinado – ou plus, ou VIP, ou cinco estrelas – de Padilha seja, ainda, um privilégio de poucos. Felipe Moura Brasil

O serviço de atendimento aeromédico do SAMU-SUS foi privatizado no governo do petista Tarso Genro, foi quarteirizado, e agora ficou evidente na farsa do atendimento ao menino argentino que caiu de janela de hotel em Capão da Canoa

O Ministério Público Estadual já foi acionado para investigar a quarteirização do serviço de atendimento aeromédico instituído no governo do peremptório petista "grilo falante" e tenente artilheiro e poeta de mão cheia Tarso Genro. O sistema era o seguinte: Maicon Vargas era coordenador do SAMU; quando foi firmado o convênio entre a Secretaria Estadual de Saúde e a Brigada Militar para o transporte e resgate aeromédico, ao invés de optar por contar com profissionais do próprio quadro da Secretaria Estadual da Saúde, ele optou por fazer um contrato com a prefeitura de Imbé. Atualmente o prefeito de Imbé é petista, o que ajuda a entender as coisas. Ninguém jamais foi notificado que Imbé houvesse se tornar um pólo de destaque na área médica, muito menos que tivesse tamanha experiência em um ramo de qualificação profissional. Também nunca ninguém soube que Imbé fosse um pólo de destaque médico, muito menos um destaque no ramo de qualificação profissional no resgate aeromédico. Depois do recurso do SUS repassado para a prefeitura petista, o dinheiro seguia para o Consórcio AMLINORTE. E este, por sua vez, contratava a empresa Futura Saúde. Que tal, hein? Não é fantástica a peripécia montada pelo governo petista? Maicon Vargas, além de coordenador do SAMU, também era funcionário da empresa quarteirizada. Mas, não ficava só nisso, a mulher de Maicon Vargas também era contratada dessa empresa Futura Saúde. Não é uma maravilha? Família que trabalha junta, progride junto. Mas, tem mais, e agora chegamos até o caso do menino argentino que caiu da sacada de um hotel em Capão da Canoa. A médica que exigiu a transferência aeromédica da criança argentina na semana passada também é funcionária da tal empresa Futura Saúde. Nem foi ela quem atendeu a criança. Os dois primeiros médicos que atenderam a criança argentina entenderam que não se fazia necessária a remoção aérea e que, sem prejuízo de atendimento, a criança poderia ser transportada por ambulância, até porque a distância a ser percorrida não era grande. Ou seja, quem forçou a transferência foi a Dra. Rossana, a empregada da empresa Futura Saúde. Por que a Dra. Rossana não foi uma das primeiras a atender a criança? Por que ela estava na Futura Saúde, ou seja, não estava no hospital. A Rádio Gaúcha, do Grupo RBS, e o jornal Zero Hora, assim como o portal ClibRBS logo entraram no circuito de demonização, de satanização, do governo e do governador José Ivo Sartori. No dia 10 de fevereiro a Rádio Gaúcha divulgou a demora no atendimento médico e anunciou que um áudio comprovaria a negativa de atendimento. Horas depois ficou comprovado que esse áudio não tinha nada a ver com a questão do atendimento médico da criança. A Rádio Gaúcha emitiu alguma nota em relação a isto? Nada, ficou quietinha. O anúncio sobre a gravação não foi removido até hoje. O portal ClibRBS se encarregou de amplificar ao máximo a repercussão do assunto, do interesse pessoal do tal Maicon Vargas. Vejam a seguir a matéria do ClicRBS sobre o assunto:

Atendimento aeromédico do governo estadual deve acabar

Secretário de Saúde diz que trabalho feito por equipe de 15 médicos e enfermeiros é "totalmente dispensável"

29/01/2015 | 04h12Atendimento aeromédico do governo estadual deve acabar Divulgação/Governo do RS
Compra de dois helicópteros teve investimento de R$ 26 milhõesFoto: Divulgação / Governo do RS
Após investimento de quase R$ 26 milhões na compra de dois helicópteros, o serviço de atendimento aeromédico do Estado, implantado em 2012, deverá ser desativado pelo governo estadual. Para o secretário da Saúde, João Gabbardo, o trabalho realizado por equipe de 15 médicos e enfermeiros, por meio de um termo de cooperação entre Brigada Militar e Samu, é "totalmente dispensável". Coordenador do serviço, Maicon Vargas classificou a decisão um retrocesso. Ressaltou que, nos últimos 12 meses, o grupo realizou 140 atendimentos, entre eles os resgates dos praticantes de rapel em Maquiné e das vítimas do acidente com ônibus da Unesul em Glorinha, ambos neste ano, e do incêndio na boate Kiss, em 2013.
— Enquanto todos os Estados investem neste tipo de serviço, o atual governo decide voltar atrás. É lamentável. A população vai ser prejudicada, pois é um serviço que pode ajudar a salvar muitas pessoas. Gabbardo diz que foram feitos só 24 atendimentos no último ano. Segundo Vargas, a diferença entre os números ocorre porque a secretaria considera apenas os chamados via central estadual. Conforme Gabbardo, o governo vai tentar rever o investimento de R$ 26 milhões (70% deste valor já foi pago) feito em 2014 para a compra de duas aeronaves, mas a entrega de uma delas está prevista para a próxima semana.
— Vamos definir o que vai ser feito com os helicópteros. Não teríamos feito esse investimento, teríamos transferido esses recursos para a assistência e deveríamos menos para hospitais e prefeituras — disse Gabbardo.
Com a desativação do projeto, que tem custo mensal de R$ 156 mil, a demanda deverá ser atendida pela BM, como no passado, e por empresas privadas, que também atuam na coleta de órgãos para transplantes. Vargas, ex-coordenador estadual do Samu, diz que o custo da hora será cinco vezes maior com o serviço terceirizado.
Que tal, não é mesmo um espanto? O tal Sr. Maicon Vargas, já fora do governo petista do "grilo falante" Tarso Genro, mobiliza um poderoso grupo de comunicação não defesa de seu interesse e de sua mulher. E os jornalistas petistas do poderoso grupo RBS saem correndo a dar eco para o representante da extinta administração petista. O Coordenador do SAMU no Governo Tarso, Maicon Vargas, como funcionário público, contratava, auditava, validava e pagava o serviço que ele próprio prestava como terceirizado do Estado. Além de pagar para a sua mulher e para a médica que fez todo o escarcéu da transferência. Mas, ainda tem outro item que poucas pessoas estão questionando. Por que a equipe da Futura Saúde retirou os materiais de remoção aeromédica do helicóptero sem avisar a Secretária da Saúde? Isso é quebra de contrato unilateral, pois a Secretaria Estadual da Saúde jamais comunicou de forma oficial a suspensão ou fim do contrato com a prefeitura de Imbé. Leia abaixo a matéria do ClibRBS para ter certeza a esse respeito. 

"Não recebemos notificação", diz ex-coordenador do Samu sobre aero-médicos

Secretaria da Saúde informa, por meio de nota, que serviço aero-médico continua vigente

por Lara Ely
10/02/2015 | 18h50
"Não recebemos notificação", diz ex-coordenador do Samu sobre aero-médicos Diego Vara/Agencia RBS
Confusão sobre o convênio entre a prefeitura de Imbé e o governo do Estado atrasou o deslocamento do menino para Porto Alegre, onde seria atendidoFoto: Diego Vara / Agencia RBS
Sem receber aviso oficial da Secretaria Estadual de Saúde sobre o desligamento do serviço aero-médico, o ex-coordenador do Samu Estadual Maicon Vargas diz que aguarda uma posição oficial sobre a vigência do convênio entre governo do Estado e Prefeitura de Imbé. Vargas não coordena mais o serviço oficialmente desde que o governador José Ivo Sartori tomou posse. Mesmo assim, continua comandando a equipe (que ele mesmo contratou) e foi o responsável por mandar os oito médicos e sete enfermeiros para casa no sábado, quando o serviço parou de ser acionado pela Central de Regulação do Samu. Foi descumprindo essa orientação e seguindo seu ímpeto profissional que a médica Rossana de Carli acompanhou o menino Thiago Baez Cichanowski, que caiu da sacada de um hotel em Capão da Canoa, no deslocamento até Porto Alegre.
— Se esse menino chegou salvo a Capital, foi graças ao voluntarismo da médica que foi mesmo sob orientação contrária. Sábado, ouvimos eles dizerem que nosso serviço não existe mais. Nós entendemos que estamos dispensados, mas até agora, a equipe não teve uma posição oficial. A última declaração do governo é que o convênio com Imbé estaria sendo desfeito para uma reestruturação do serviço. Mas não fomos notificados sobre a rescisão — afirma.
Sábado foi o último dia de plantão da equipe. Segundo Vargas, como a central de regulação não emite mais chamados, "é preferível manter os profissionais em casa, para evitar pagamentos extras pela prefeitura de Imbé". Ele explica que a questão do aero-médicos é uma luta antiga do Estado e que todos os profissionais contratados passaram por seleção que levou em conta competência técnica.
— Ninguém da equipe tem filiação partidária. Somos todos "samuzeiros" há cinco ou seis anos. Estamos disponíveis para somar e contribuir com a saúde do Estado. Não é justo que as decisões sejam tomadas de maneira arbitrária — lamenta.
Nota reafirma vigência do serviço
Por meio de nota emitida no final da tarde desta terça-feira, a Secretaria Estadual da Saúde reafirma que o atendimento aero-médico continua sendo prestado pelo helicóptero da Brigada Militar. 
A nota informa ainda que o primeiro atendimento de Thiago teria sido às 9h40min no Hospital Santa Luzia, de Capão da Canoa, e a chegada em Porto Alegre ocorreu às 12h34min. "Neste período, desde a entrada no Hospital Santa Luzia, até a chegada na capital, a criança recebeu todos os cuidados intensivos médicos. De acordo com as informações do HPS, o menino apresenta um quadro de Traumatismo Craniano Encefálico (TCE) grave e permanece em coma induzido", diz a nota. Segundo o diretor do Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial da Secretaria Estadual da Saúde, Alexandre de Britto, os dois helicópteros adquiridos pela SES, em 2014, permanecem nos Estados Unidos, aguardando a entrega por parte do fabricante.

Justiça dos Estados Unidos decidirá no dia 20 qual investidor vai liderar ação coletiva contra Petrobras

A Justiça dos Estados Unidos decidirá no próxima sexta-feira, dia 20, qual investidor será o líder da ação coletiva que tramita contra a empresa naquele país, informou a Petrobras em comunicado divulgado ao mercado. A estatal informou a data após pedido de esclarecimentos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Como de praxe na Justiça americana, a Corte de Nova York vai juntar as cinco ações coletivas iniciadas nos Estados Unidos em um único processo, que terá como líder apenas um dos vários investidores que se sentiram lesados pelo escândalo da Petrobras. Em inglês, essa é figura é chamada de “lead plaintiff”. De acordo com o comunicado da Petrobras, o líder deverá apresentar no dia 27 de fevereiro uma petição inicial consolidada da causa, mas não há audiência marcada para aquele dia. “A companhia contratou escritório de advocacia norte-americano especializado e irá defender-se firmemente em relação às alegações feitas nessas ações”, disse o comunicado da estatal. 

Leopoldo López é atacado em prisão militar nos arredores de Caracas


Na noite desta quinta-feira, no momento em que o presidente da Assembleia Nacional, o deputado Diosdado Cabello, acusava na TV militares e opositores de um complô para derrubar o governo venezuelano, o líder opositor Leopoldo López, detido em uma prisão militar desde o ano passado após os protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro, era violentamente atacado em sua cela, denunciou ontem a ONG Human Rights Watch (HRW). Homens encapuzados e fortemente armados entraram na cela de López com o único objetivo de intimidá-lo e castigá-lo, afirmou José Miguel Vivanco, diretor da HRW para a América. Após ter sido agredido, ele foi levado para uma cela de castigo, onde permaneceu isolado, sem acesso à família ou a seu advogado, segundo relato da ONG. Seus pertences foram destruídos. Na quinta-feira, data que marcava um ano das manifestações contra Maduro, López, desde a prisão, mandou mensagens via twitter pedindo para o povo não desistir da luta. Em comunicado, Vivanco responsabilizou o governo de Nicolás Maduro pela vida e pela integridade de López, “injustamente detido há quase um ano”. “Pedimos a comunidade internacional, principalmente aos Estados membros da Unasul, que vêm mantendo um silêncio cúmplice, que se pronuncie sobre os abusos cometidos na Venezuela e exija a imediata e incondicional liberação de López e outros presos similares”, disse Vivanco. De acordo com as novas acusações do governo, o ex-comandante da aviação, o general reformado Maximiliano Hernández Vásquez; o coronel José Suárez Rómulo; o prefeito da oposição da região metropolitana de Caracas, Antonio Ledezma; e o empresário José Gustavo Arocha estão envolvidos no suposto complô. Os demais acusados, militares de baixo escalão, não tiveram seus nomes revelados. Já o prefeito de Libertador, Jorge Rodríguez, disse que o general da aviação Oswaldo Hernández Sánchez, que também estaria implicado no complô, revelou que o deputado da oposição, Julio Borges, dirigente do partido Primero Justicia, foi a pessoa que escolheu os “objetivos táticos” que seriam atacados. Sánchez foi um dos três oficiais da aviação a ser detido ano passado, por suposta participação em outra tentativa golpe de Estado denunciada pelo governo. Na quinta-feira à noite, o próprio presidente Nicolás Maduro também afirmou durante o seu pronunciamento na TV, em comemoração aos 201 anos da independência do país, que cinco oficiais da Força Aérea tinham sido detidos pelas autoridades, por suspeita de envolvimento em um golpe de Estado com o apoio de vários opositores e dos Estados Unidos. "Desmantelamos um atentado golpista contra a democracia, contra a estabilidade da nossa pátria. Trata-se de uma nova tentativa de usar um grupo de oficiais da Força Aérea para provocar ato violento, um atentado, um ataque", disse o ditador, sem apresentar provas. Maduro informou que os oficiais detidos tinham instruções para gravar um vídeo de um “general golpista, que está preso e julgado”, para depois, “com um avião Tucano, bombardear o palácio do governo”, as sedes dos ministérios da Defesa, do Interior e da Justiça, e do canal de televisão Telesur. "Todos os oficiais envolvidos estão presos e prestam depoimentos. Pagaram em dólares, deram uma missão e vistos americanos", disse Maduro, ao denunciar o envolvimento dos Estados Unidos na conspiração, e acrescentando também que pistas levam a políticos de direita. A porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, classificou as acusações como "ridículas". Na noite desta sexta-feira, Cabello e Rodriguez foram ao ar na rede de TV Telesur dizendo ter provas não apenas da tentativa de golpe contra Maduro, mas também do apoio americano à derrubada do ditador venezuelano. A dupla exibiu um trecho de cerca de dez segundos, no qual militares aparecem conversando em uma sala, e identificou os oficiais que aparecem no vídeo. Cabello e Rodriguez também exibiram um trecho da entrevista do presidente americano, o muçulmano Barack Obama, à revista "Vox", na qual ele afirma que, muitas vezes, "os Estados Unidos são obrigados a torcer o braço de países que não fazem aquilo que julgamos necessário", e criticaram as declarações da porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, e o pacto de transição publicado na última quarta-feira, citando nomes da oposição como Henrique Capriles, María Corina Machado e Antonio Ledezma como responsáveis pela tentativa de golpe. 

Justiça do Rio de Janeiro hipoteca edifício-sede da Petrobras como garantia de dívida de R$ 935 milhões


Não bastasse o escândalo de corrupção investigado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, a dificuldade de publicar seu balanço financeiro de 2014 e a explosão em uma plafatorma, agora a Petrobras tem seu icônico edifício-sede da Avenida Chile, no centro da cidade, hipotecado pela Justiça do Rio de Janeiro. Em decisão publicada na quinta-feira, dia 12, a juíza Katia Nascentes Torres, da 25ª Vara Cível do Rio de Janeiro determinou a hipoteca do imóvel da companhia para garantir uma dívida de R$ 935 milhões. O valor é referente a uma indenização devida à Refinaria de Manguinhos por prejuízos causados, entre 2002 e 2008, pela política de preços de combustíveis praticada pela estatal. A Petrobras foi condenada a pagar a indenização em dezembro do ano passado. Com as dificuldades financeiras enfrentadas pela estatal por causa da Lava-Jato, a Refinaria Manguinhos entrou, em janeiro, com um pedido de hipoteca judicial para garantir o recebimento do dinheiro. A juíza em exercício Katia Torres deferiu a petição, citando os problemas de caixa da petrolífera para justificar a hipoteca. “Com efeito, além do julgado envolver expressiva condenação de valor líquido, os problemas financeiros enfrentados pela ré são públicos e notórios, impondo-se a adoção da medida constritiva com vistas à efetividade do processo”, afirmou a magistrada em sua decisão. “Registre-se, ainda, que eventual suficiência patrimonial do devedor não é óbice (obstáculo) para a constituição da hipoteca judiciária". A hipoteca só será útil caso se esgotem todos os recursos da Petrobras em todas as instâncias e a estatal for definitivamente condenada a pagar a indenização. O processo de Manguinhos contra a Petrobras foi iniciado em 2013 e pode durar mais de uma década, segundo advogados que acompanham litígios na área. "Como o valor em jogo é muito alto, e por causa da situação da Petrobras depois das investigações da Lava-Jato, Manguinhos achou que valia à pena pedir a hipoteca judicial, como forma de garantir o pagamento", afirmou o advogado Paulo Stolf Cesnik, que representa a Refinaria de Manguinhos. De acordo com Cesnik, o edifício da Avenida Chile aparece no Registro de Imóveis fracionado em diversas matrículas. Na petição, a refinaria solicitou a hipoteca de todas elas. Segundo ele, porém, Manguinhos não sabe quanto vale a propriedade. "Certamente, é suficiente para pagar a indenização, mas não fizemos qualquer avaliação do seu valor, algo que levaria muito tempo", explicou o advogado. Na decisão de novembro do ano passado, a juíza Simone Chevrand, também da 25ª Vara Cível, determinou o pagamento de R$ 935 milhões à Refinaria de Manguinhos, por danos materiais. “Além de ser fato notório que há controle de inflação pelo governo federal através da política de preços de combustíveis, tal grande ingerência à qual o réu está submetido é admitida pelo mesmo em sua contestação e o leva a praticar, sim, preços que inviabilizam a concorrência”, destacou a juíza na ocasião. 

QUASE 2 MILHÕES PEDEM IMPEACHMENT DE DILMA

Aproximam-se de 2 milhões de assinaturas a petição pública que pede o impeachment imediato de Dilma Rousseff (PT) da Presidência da República. A petição está no site Avaaz, especializado em petições públicas, que no Brasil é controlado pelo petista Pedro Abramovay, ex-secretário nacional Antidrogas do primeiro governo Dilma. O Avaaz segurou o quanto pôde mas as adesões não param de crescer. Até esta sexta-feira já somavam 1.893.340 assinaturas de cidadãos brasileiros. O impeachment de Dilma destina-se a “acabar com a corrupção e desvio de dinheiro público”, segundo justificativa na petição online. Outros motivos para o impeachment de Dilma no Avaaz: “sucateamento da saúde, das estradas, da educação, segurança pública e outros”.

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO COBRA DÍVIDA DE R$ 1,6 BILHÃO DA PETROBRAS


Maior pagador de tributos do Rio de Janeiro, o setor de petróleo, gás e derivados passou a ser considerado também um devedor bilionário pelo governo do Estado. O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) decidiu cobrar cerca de R$ 2 bilhões de petroleiras e outras empresas ligadas ao setor inscritas na Dívida Ativa do Estado. Segundo o governo estadual, “apenas a dívida da Petrobrás chega a R$ 1,6 bilhão”. O governo informa que outros setores com grandes dívidas são de metalurgia, supermercados e telecomunicações. A decisão de acelerar a cobrança dos tributos devidos é parte das medidas adotadas pelo governador para compensar a queda brusca de receita decorrente da retração econômica, em especial do setor petroleiro. Embora continue a ser a maior pagadora de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Estado, a atividade de petróleo, gás e outros combustíveis recolheu R$ 600 milhões a menos em ICMS em 2014. Foram pagos R$ 6,3 bilhões em 2013 e R$ 5,7 bilhões no ano seguinte. Ainda assim, o setor de petróleo foi o que mais recolheu ICMS, incluindo o adicional do imposto destinado ao Fundo Estadual de Combate à Pobreza (FECP). A receita estadual foi de R$ 34,493 bilhões em 2014 e o setor de petróleo, gás e demais combustíveis foi responsável por 16,5% desse valor. Em segundo lugar, ficou o setor de energia elétrica, que pagou R$ 5 bilhões em ICMS no ano passado, ou 14,5% do imposto arrecadado. A atividade de telecomunicações pagou R$ 3,82 bilhões, equivalentes a 10,8% do ICMS arrecadado. Dor de cabeça maior ainda para o governador é a queda no pagamento de royalties e participações especiais, impostos pagos pela exploração de petróleo. Em 2015, esta fonte de receita não chegará a R$ 7 bilhões, segundo cálculos da secretaria estadual de Fazenda. A estimativa para este ano era de R$ 9 bilhões. Em 2014, os royalties renderam R$ 8,7 bilhões ao Estado. A principal razão da queda dos royalties é a redução brusca do preço do petróleo, que chegou a mais de US$ 100,00 em meados do ano passado e hoje está a menos de US$ 50,00. Outro agravante para as contas do Estado é o fato de que a Petrobrás tem pago em juízo as participações especiais do campo de Tupi, na Bacia de Santos, por causa de uma briga judicial com a Agência Nacional de Petróleo (ANP). “Não podemos abrir mão desses recursos”, reclama Pezão. Para compensar as perdas dos royalties e a dívida da Petrobrás com o Estado, o governador ameaçou suspender os benefícios fiscais concedidos à Petrobrás e outras empresas do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Pezão diz que estuda o caminho jurídico para retirar os incentivos, que deram às empresas redução ou isenção no ICMS. O governador é entusiasta dos incentivos fiscais para atrair empresas para o Estado. Desde que assumiu, em abril do ano passado, concedeu ou renovou benefícios para indústrias de automóveis, fármacos, joias e bijuterias e bens de capital. Seu antecessor, Sérgio Cabral (PMDB), beneficiou setores de bares, hotéis, alimentação, pescados, embalagens plásticas, entre outras. Neste segundo mandato, no entanto, o governador decidiu vincular os incentivos ao pagamento de dívidas das empresas beneficiadas com o Estado. “Não faz sentido a empresa receber incentivo e ao mesmo tempo estar inadimplente”, sustenta Pezão. Segundo o governador, outros setores devedores que também receberam incentivo fiscal perderão os benefícios, se não fizerem acordo para pagamento dos tributos pendentes. Programas de da fiscalização e negociação com empresas inscritas na Dívida Ativa do Estado aumentaram o pagamento de tributos devidos entre 2008 e 2010 e em 2012, mas nos dois últimos anos, a queda foi significativa, prejudicando ainda mais a receita. A retração do setor petroleiro e a queda dos royalties afetou seriamente também os cofres dos municípios produtores, que criaram, no dia 7 de fevereiro, um Núcleo de Desenvolvimento Regional, a fim de discutir ações para minimizar o impacto da queda de receita e diversificar a economia da região, que abrange nove municípios. O grupo pretender organizar uma agenda conjunta com governos estadual e federal e com a nova diretoria da Petrobrás, nomeada esta semana depois da saída da presidente Graça Foster. Também apresentará uma série de reivindicações, que vão desde investimentos em transporte de passageiros e de carga e em novos parques industriais a aumento da segurança nos municípios e nas estradas. Os prefeitos pedem também revisão da regra que garante à Petrobrás participação em todas as operações de exploração do petróleo na camada do pré-sal. Para eles, a Petrobrás como operadora única prejudica investimentos no setor, por causa das dificuldades financeiras da estatal. A regra atual exige que a Petrobrás tenha fatia de pelo menos 30% de cada campo do pré-sal. A estatal de petróleo já enfrentava dificuldades de investimento e queda nas atividades quando a Operação Lava Jato da Polícia Federal , iniciada em março do ano passado, passou a investigar um esquema de corrupção que envolvia ex-executivos da Petrobrás, empreiteiros e políticos. Os escândalos paralisaram ainda mais as atividades da empresa. Em nota, a Petrobrás informou que discorda de decisão da ANP de que os campos petrolíferos de Lula e Cernambi se caracterizam um campo único, o que faz a agência reguladora cobrar participações adicionais pela exploração de petróleo. A briga judicial acontece porque a ANP contesta arbitragem internacional pedida pela Petrobrás. Segundo a estatal, os valores pagos em juízo referem-se apenas aos “valores controvertidos”.