segunda-feira, 11 de agosto de 2014

EGITO IMPEDE A ENTRADA NO PAÍS DE DOIS FUNCIONÁRIOS DA HUMAN RIGHTS WATCH

Dois altos funcionários do grupo de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch foram impedidos de entrar no Egito pelo governo do país. Em um comunicado emitido nesta segunda-feira, a organização afirma que o diretor-executivo Kenneth Roth e a diretora para Oriente Médio e Norte da África, Sarah Leah Whitson, não foram autorizados a entrar no país para participar da publicação de um relatório de 188 páginas sobre os assassinatos de milhares de manifestantes cometidos pelas forças de segurança locais. Os crimes foram cometidos durante as manifestações contrárias ao golpe de Estado declarado pelo atual presidente, o marechal Abdel Fattah Sisi, que derrubou o governo da organização nazista e terrorista islâmica Irmandade Muçulmana. "Nós viemos ao Egito para publicar um relatório sério sobre uma questão séria que merece séria atenção do governo egípcio. Em vez de negar que a mensagem entre no Egito, as autoridades egípcias deveriam considerar seriamente nossas conclusões e recomendações e respondê-las com ações construtivas", declarou Roth. O HRW salientou que a segurança do Aeroporto Internacional do Cairo não forneceu nenhuma explicação sobre o veto à entrada dos diretores. Essa gente já foi impedida de entrar na Venezuela e não fez tanto barulho.

PEZÃO E CANDIDATOS GASTARAM R$ 1,8 MILHÃO COM EMPRESA SUSPEITA DE DESVIO

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e outros onze candidatos do Rio de Janeiro registraram um gasto oficial de 1,8 milhão de reais com uma gráfica suspeita de participar de esquema de desvio de recursos públicos para campanhas eleitorais. Os desembolsos constam da primeira prestação de contas no site do Tribunal Superior Eleitoral. O Ministério Público investiga se, além do desembolso oficial informado à Justiça, houve uso de dinheiro do governo do Estado e da prefeitura do Rio de Janeiro. Uma operação de fiscalização do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro identificou na sexta-feira que a gráfica High Level Signs produzia irregularmente material de campanha. De acordo com a juíza Daniela Barbosa, responsável pela fiscalização, a suspeita é que apenas a tiragem informada em placas e panfletos fosse regularmente paga. O resto do material impresso seria financiado por recursos públicos desviados, desconfia o tribunal. Há suspeita também de improbidade administrativa e abuso de poder econômico. Um relatório vai ser enviado para a Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro e o Ministério Público do Estado para a abertura de investigações sobre a origem dos recursos utilizados para produzir o material. De acordo com a legislação eleitoral, a tiragem, o CNPJ do candidato e o da gráfica devem ser divulgados na propaganda. Como havia mais de um CNPJ no material apreendido, o tribunal suspeita que empresas de fachada eram utilizadas. No galpão, no Méier, na Zona Norte do Rio, havia peças registradas em nome de sete empresas. Mas só uma consta no site de TSE como prestador de serviços até o momento – a SL Confecções. A CSPS Signs, uma das empresas envolvidas, foi contratada por agências para prestar serviços para o Governo do Rio de Janeiro. Também houve um desembolso direto da Secretaria Estadual de Governo para a empresa – foram gastos 156.000 reais em maio e junho de 2011, para "confecções em geral". No local, foram encontrados onze boletos bancários, no valor de 340.000 reais, emitidos pela Secretaria Estadual da Casa Civil, e foram apreendidos também documentos fiscais que comprovam despesas de 900.000 reais pela pasta, a  responsável pela publicidade do governo fluminense.  A empresa também prestava serviços para a prefeitura do Rio de Janeiro, de acordo com o tribunal. A contratação para o município foi feita pela ACP Promoções e Marketing para a produção de painéis, adesivos e placas da Riotur, segundo documentos fiscais apreendidos. A campanha de Pezão gastou oficialmente 612.800 reais, o maior desembolso entre as candidaturas, com a gráfica.

PARLAMENTARES PEDEM A CONVOCAÇÃO PARA DEPOR NA CPI DA PETROBRAS DA CONTADORA DO DOLEIRO ALBERTO YOUSSEF

Parlamentares de quatro partidos apresentaram nesta segunda-feira requerimentos pedindo que a contadora do doleiro Alberto Youssef seja ouvida na CPMI da Petrobras. Meire Poza revelou a VEJA detalhes sobre a atuação do doleiro, que foi preso na Operação Lava Jato e é apontado como o operador de um esquema bilionário de lavagem de dinheiro que envolveria empresas contratadas pela Petrobras. O pedido apresentado pelo DEM cita a reportagem de VEJA para justificar a convocação. "Entendemos indispensável a oitiva da senhora Meire Poza nesta CPMI, como forma de ouvir sua versão dos fatos, verificar as informações que queira prestar em auxílio aos trabalhos desta comissão e avaliar as provas que porventura pretenda apresentar de forma a lhe assegurar o contraditório e a ampla defesa", diz o requerimento. O documento é assinado pelos deputados Onyx Lorenzoni (RS) e Rodrigo Maia (RJ). A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e o deputado Rubens Bueno (PPS-PR) também apresentaram requerimentos semelhantes na CPMI. O deputado Izalci Lucas (PSDB-DF) pediu que Meire Poza seja convidada a depor (e não convocada). Se os requerimentos forem aprovados, o mais provável é que Meire Poza seja ouvida no começo de setembro na comissão que investiga irregularidades na Petrobras. O DEM também pediu nesta segunda-feira que Meire seja ouvida na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Nesse caso, entretanto, não é possível convocar a testemunha – apenas convidá-la. Meire não é obrigada a comparecer. O pedido deve ser votado daqui a três semanas, no próximo esforço concentrado da Câmara. O engraçado é que nenhum desses deputados fez o pedido para o envio à CPMI do depoimento da contadora no Ministério Público Federal, onde realizou a delação premiada. Certamente, nesse documento ela fez uma entregação geral do esquema de corrupção, e é o que interessa.

MUÇULMANO OBAMA DEFENDE INDICAÇÃO DE NOVO PREMIER E COBRA UNIÃO NO IRAQUE

O presidente americano Barack Obama discursou brevemente nesta segunda-feira sobre o agravamento da crise política no Iraque. A situação se complicou após o presidente iraquiano Fouad Massoum ter indicado o político da coalizão xiita Haider al Abadi ao cargo de primeiro-ministro, o que inviabiliza a tentativa do atual premiê, Nouri al Maliki, de buscar um terceiro mandato. Diante dos avanços das forças terroristas do Estado Islâmico (EI), anteriormente conhecidas como Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), a turma facínora do Califado, o muçulmano Obama apoiou a indicação do novo premiê e pediu para que os políticos iraquianos deixem as diferenças de lado e trabalhem em prol da formação de um governo de união. Durante o seu pronunciamento, o muçulmano Obama ressaltou que os ataques aéreos dos Estados Unidos têm o objetivo de conter o avanço dos jihadistas e ajudar a resgatar os refugiados iraquianos, especialmente a minoria étnico-religiosa yazidi, que os terroristas tomam por "adoradores do demônio". O muçulmano Obama disse novamente que o apoio militar americano não será determinante para que o Iraque vença a guerra contra os facínoras islâmicos do Califado. “Assim com eu disse quando autorizei os ataques aéreos, eu reitero que não há uma solução militar americana para o Iraque. A única solução está na formação de um governo inclusivo”, afirmou. Ao respaldar Abadi, Obama destacou que “o Iraque tomou uma decisão promissora e importante para formar um novo governo”. O presidente disse que o seu vice, Joe Biden, foi orientado a telefonar para Abadi nesta segunda-feira, a fim de parabenizá-lo pela indicação ao cargo. Biden instou o novo premiê a agir rapidamente na escolha dos políticos que integrarão seu gabinete. “Eu dei o meu apoio a ele”, disse o muçulmano Obama.

O PREFEITO PETISTA HADDAD SANCIONA LEI QUE BENEFICIA A ORGANIZAÇÃO CLANDESTINA E TERRORISTA MTST

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), sancionou uma lei que regulariza a construção de moradia popular no terreno invadido pela organização clandestina terrorista Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), conhecido como Copa do Povo, localizado a três quilômetros do estádio do Itaquerão, na Zona Leste de São Paulo. O texto original, aprovado na Câmara Municipal junto com o Plano Diretor Estratégico (PDE), em junho, determinava que a fila de cadastrados em programas habitacionais fosse respeitada. O prefeito, no entanto, vetou essa cláusula, abrindo brechas para que o MTST indique os beneficiários. A lei foi publicada no Diário Oficial no último sábado. O autor da lei, o vereador Police Neto (PSD), afirmou que foi procurado pela prefeitura para incluir no seu projeto o item que permitia a construção de moradia na invasão. O acréscimo visava a atender reivindicações do MTST, que pressionou os vereadores com um acampamento montado em frente à Câmara Municipal. Na ocasião, o Ministério Público do Estado de São Paulo havia alertado sobre a ilegalidade da proposta caso ela fosse incorporada ao PDE, que estipula as diretrizes para o crescimento da cidade nos próximos dezesseis anos. Originalmente, a lei de Police destinava imóveis abandonados para moradia popular. No entanto, o vereador aceitou alterar o texto com a condição de que o projeto fosse aprovado. Como o conteúdo principal da lei foi vetado na hora da sanção, o vereador afirmou que não reconhece mais o seu projeto.

TAXA DE JUROS ATINGE O MAIOR NÍVEL EM DOIS ANOS NO BRASIL

A taxa de juros cobrada na concessão de crédito para pessoas e empresas no Brasil subiu pelo décimo quarto mês consecutivo em julho, diante do receio das instituições financeiras com o cenário de inflação alta e baixo crescimento econômico, informou nesta segunda-feira a associação de executivos de finanças (Anefac). Segundo a pesquisa, das seis linhas de crédito consideradas para pessoas físicas, em três as taxas subiram (comércio, financiamento de automóveis e cheque especial), em duas a taxa se manteve (cartão de crédito rotativo e empréstimo pessoal) e em uma houve queda (empréstimo pessoal das financeiras). A taxa média para pessoa física subiu 0,02 ponto porcentual em julho (0,46 ponto porcentual no ano), passando de 6,03% ao mês (101,9% ao ano) em junho para 6,05% ao mês (102,36% ao ano) em julho, maior nível desde julho de 2012. Já a taxa média para empresas avançou 0,01 ponto porcentual em julho (0,17 ponto porcentual em doze meses), evoluindo de 3,44% ao mês (50,06% ao ano) em junho para 3,45% ao mês (50,23% ao ano) em julho, pico em 24 meses. "As elevações podem ser atribuídas à piora do cenário econômico nacional com expectativa de piora nos índices de inflação e crescimento econômico o que aumenta o risco de crédito", disse em nota o diretor executivo de Pesquisa e Estudos Econômicos da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira. De acordo com a associação, as perspectivas ruins para a economia têm levado as instituições financeiras a elevarem suas taxas de juros acima da Selic. Não à toa, o comércio tem sofrido solavancos. Segundo levantamento feito pelo Estado de S. Paulo, com base em dados do Caged, o comércio eliminou 83 mil vagas este ano. Também nesta segunda-feira foi divulgado relatório sobre as vendas do varejo no último fim de semana. Resultado: o pior Dia dos Pais em cinco anos.

ARGENTINA PEDE QUE O MUÇULMANO OBAMA INTERVENHA EM DISPUTA DE CREDORES; A PERONISTA POPULISTA CRISTINA KIRCHNER ACREDITA QUE OS ESTADOS UNIDOS SÃO UMA REPÚBLICA BANANEIRA

A Argentina solicitou nesta segunda-feira que o governo dos Estados Unidos intervenha no processo judicial sobre o calote de sua dívida, após o juiz norte-americano Thomas Griesa acusar o governo de Cristina Kirchner de não obedecer a sua decisão e emitir falsas declarações. A presidente peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner acredita que os Estados Unidos são uma república bananeira, onde o presidente pode intervir em uma decisão do Poder Judiciário. Griesa, que acompanha a longa batalha entre a Argentina e os fundos de hedge, afirmou na sexta-feira que pode até declarar desacato a ordem judicial se o governo argentino continuar alegando publicamente que cumpriu com suas obrigações e não está em default (situação em que se deixa de pagar juros aos credores). O chefe do gabinete da Presidência, Jorge Capitanich, disse nesta segunda-feira que a instrução de Griesa viola a imunidade soberana da Argentina e pediu a intervenção do governo norte-americano.

CUTRALE E GRUPO SAFRA FAZER OFERTA DE US$ 610 MILHÕES POR EMPRESA DOS ESTADOS UNIDOS

A empresa brasileira de sucos Cutrale e o Grupo Safra fizeram uma proposta para comprar a produtora de bananas norte-americana Chiquita Brands, em uma operação de 610,5 milhões de dólares em dinheiro. A oferta concorre com a proposta de um acordo de fusão da companhia irlandesa de frutas tropicais Fyffes Plc, anunciada em março. O valor de mercado combinado da Chiquita e da Fyffes está atualmente em cerca de 1 bilhão de dólares. A Cutrale, uma das maiores empresas de suco do mundo, e o Grupo Safra, informaram que a oferta será de 13 dólares por ação em dinheiro para os acionistas da Chiquita, o que corresponde a um prêmio de 29% sobre o valor de fechamento da companhia na sexta-feira. Cutrale e Grupo Safra afirmaram ainda que enviaram a proposta para o conselho de diretores da Chiquita e pediram para que as negociações, que podem levar a um acordo de aquisição definitivo, sejam iniciadas. As empresas aguardam uma resposta da Chiquita até sexta-feira. As ações da Chiquita subiram mais de 30% em resposta à oferta da Cutrale e do Grupo Safra. Ás 15h45, os papéis eram negociados a 13,15 dólares, indicando que investidores esperam uma batalha de ofertas pela companhia. As ações da Fyffes, em contrapartida, caíam mais de 20% nesta segunda-feira. O mercado global de bananas, que movimenta 7 bilhões de dólares, é controlado pela Chiquita, Fyffes, Fresh Del Monte Produce e a havaiana Dole Food Company.

A PETISTA DILMA DEFENDE A PETISTA GRAÇA FOSTER: "TEM MÉRITOS INEQUÍVOCOS"; VOCÊ CONHECE ALGUM PETISTA QUE NÃO TENHA MÉRITOS?

A presidente petista Dilma Rousseff defendeu nesta segunda-feira a presidente da Petrobras, a petista Graça Foster, que pode ter os bens bloqueados pelo Tribunal de Contas da União. A chefe da estatal responde por irregularidades na aquisição da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Mas parece desfrutar da confiança da comandante do Executivo, que concedeu na tarde festa segunda-feira uma entrevista de pouco mais de uma hora a jornalistas do Grupo RBS de Comunicação. Uma entrevista chinfrim, em que os jornalistas serviram de "escada" para o brilhareco da presidente petista, que ainda ironizou os seus entrevistadores. A conversa é parte do esforço de campanha da petista à reeleição. Quando indagada sobre a possibilidade de o TCU decidir pelo bloqueio dos bens da presidente da Petrobras, Dilma tergiversou: não respondeu diretamente se demitiria a subordinada. A presidente da República voltou a usar um discurso crítico à "politização" do assunto, falou sobre a retomada da produção de petróleo por parte da empresa e discorreu sobre o pré-sal. Dilma, então, elogiou a chefe da estatal: "Maria das Graças Foster tem méritos inequívocos". Ela defende Graça Foster tão decidida porque está defendendo a si mesma, já que ela presidia o Conselho de Administração que aprovou a desastrada e incompetente compra da Refinaria de Pasadena, no Texas. No fim, insinuou que as acusações são frágeis: "Acho que tem que ser tomado muito cuidado. Eu não vou fazer nenhum julgamento sobre uma pessoa da qualidade da presidente Maria das Graças Foster baseada em avaliações que eu acho questionáveis", disse a presidente. O ministro José Jorge, do TCU, defendeu na semana passada a indisponibilidade de bens de Graça Foster por considerar que a dirigente participou do processo de compra da refinaria de Pasadena, no Texas. Ora, se os bens de Graça Foster forem colocados em disponibilidade, é evidente que também deveriam ser os bens da petista Dilma Rousseff. A aquisição dessa unidade de refino é considerada um dos mais desastrosos negócios realizados pela estatal brasileira em toda a sua história. Apesar da opinião do relator, apresentada ao Plenário da Corte, o TCU ainda vai dizer, nas próximas semanas, se confirma ou não a indisponibilidade. Caso seja confirmada, Graça não poderá se desfazer de seus bens ao longo do período de investigação, mas continuará recebendo rendimentos, como aluguéis. O atraso na análise do TCU se deve à intensa articulação do Palácio do Planalto, que fez com que o processo fosse retirado de pauta pelo próprio ministro depois de o advogado-geral da União (AGU), Luís Inácio Adams, ter argumentado que a indisponibilidade de bens seria uma “pena gravíssima” e poderia comprometer a imagem da Petrobras. É a primeira vez que um advogado-geral da União faz pessoalmente uma sustentação oral no TCU. Na entrevista, Dilma evidenciou os argumentos que vai usar durante a campanha para minimizar as revelações de corrupção em seu governo: dizer que, no passado, havia menos casos de irregularidades revelados porque os desvios eram acobertados: "Se você esconder debaixo do tapete todos os malfeitos, todos atos criminosos, todas as ações de corrupção, se o Procurador-geral da República é chamado de engavetador-geral, se a Polícia Federal não tem autonomia, você não vai ver casos muito sistemáticos de investigação, de punição e de evidências de que existe corrução", declarou, em um ataque à gestão do PSDB na Presidência. A chefe do Executivo disse também que se sente incomodada com a impunidade no País. "Toda as pessoas do País que têm um compromisso com ele têm de ficar incomodadas", disse:  "Eu sempre acho que nós podemos fazer melhor". Ah.... com toda certeza.... e como fazem melhor. Durante boa parte da entrevista, a presidente abordou temas locais do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Ela afirmou que não pensa em reduzir as parcelas das dívidas que os Estados têm com o governo federal, como defendeu Aécio Neves (PSDB). "Não tem como elevar superávit primário reduzindo o pagamento de dívida. Então, tem alguém falando para o mercado uma coisa e para a sociedade outra. Nós temos uma opção clara, a redução dos níveis de indexação, ou seja, das taxas de juros", disse ela. Ou seja, a petista Dilma desmentiu ostensivamente o governador petista do Rio Grande do Sul, o "grilo falante" Tarso Genro, que exaltava o "alinhamento das estrelas" para anunciar renegociação da dívida do Estado. Cobrada por obras que estão fora do ritmo previsto, Dilma prometeu tratar como prioridade, em um eventual segundo mandato, a simplificação da burocracia necessária para grandes empreendimentos: "Uma das questões fundamentais para o meu próximo governo é simplifcar os processos de realização de obras. Não para não fiscalizar, não para deixar de respeitar o meio ambiente, mas para  poder realizar as obras que o Brasil precisa com a rapidez que o Brasil precisa".

EXPORTAÇÃO DE CARNE BOVINA DO BRASIL SOBE 8,6% EM JULHO E A RÚSSIA É O PRINCIPAL DESTINO

As exportações de carne bovina do Brasil cresceram 8,6% em julho ante igual período do ano anterior, para 144,7 mil toneladas, sendo a Rússia o principal destino da commodity, informou nesta segunda-feira a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). As vendas para a Rússia saltaram 79% em julho sobre um ano antes, para 41 mil toneladas. A receita também totalizou 181 milhões de dólares, alta de 113% na mesma base de comparação. Hong Kong, o segundo maior importador no período, comprou 35 mil toneladas e registrou receita de 152 milhões de dólares. "O destaque do período foi a Rússia, maior comprador em julho e segundo maior importador do produto brasileiro no acumulado do ano", afirmou a Abiec em nota. A Rússia anunciou na semana passada o embargo às importações de alimentos de vários países, incluindo Estados Unidos e Austrália, em retaliação às sanções que vem sofrendo devido a crise da Ucrânia. Com isso, o governo russo praticamente triplicou o número de unidades brasileiras habilitadas para a venda. "A Rússia consolidou sua posição como um dos maiores importadores do nosso produto, com um incremento muito representativo no último mês", disse o presidente da Abiec, Antônio Jorge Camardelli. "As novas habilitações dadas pelo Serviço Veterinário da Rússia para plantas industriais brasileiras, assim como a autorização para exportar tripas e miúdos, seguramente resultarão em resultados ainda mais significativos nos próximos meses", acrescentou. A Abiec informou ainda nesta segunda-feira, com base em dados da Secretaria de Comércio Exterior, que o faturamento com as exportações de carne bovina do Brasil aumentou 19% em julho ante o mesmo período do ano anterior, para 691,9 milhões de dólares, favorecido pelo aumento no preço médio da tonelada embarcada.

EXEMPLO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL NO REINO PETISTA: EM 2013, 12% DOS PROFESSORES QUE FAZEM CORREÇÕES DE REDAÇÃO FORAM REPROVADOS EM ..... REDAÇÃO

Cerca de 12% dos corretores de redação foram "reprovados" na última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), conforme dados obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo via Lei de Acesso à Informação. Ao todo, 845 pessoas de um universo de 7.121 avaliadores foram excluídas durante o processo de correção dos textos do Enem 2013 por não apresentarem uma nota de desempenho superior a 7 — numa escala de 0 a 10. O Enem 2013 "reprovou" muito mais corretores do que a edição 2012, quando 52 de 5.558 corretores (0,9%) foram dispensados. No Enem 2011, foram afastados 277 de 3.188 corretores (8,69%). As redações do Enem são corrigidas por professores da área de letras com formação em língua portuguesa que passam por um processo de capacitação. Os corretores são mantidos sob "monitoramento constante de coordenadores e supervisores". Isto deve ser uma piada do ministério petista da Educação. É verificado, por exemplo, se os avaliadores aplicam notas altas demais, muito baixas, se há lentidão na correção ou rapidez — aspectos considerados na nota de desempenho. De cada lote de 50 redações enviadas pelo sistema ao corretor, há duas "pegadinhas": a "redação ouro", já corrigida pela equipe de especialistas; e a "redação múltipla", que passa pelo conjunto de corretores. O objetivo é verificar se há desvios. É tudo uma monumental vigarice. Isso explica o tanto da porcaria em que se tornou a educação no Brasil. Imagina..... "pegadinhas"!!!!! "Nós tínhamos um monitoramento do corretor mais leniente, agora eu tenho um monitoramento um pouco mais duro", disse o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o petista José Francisco Soares. "Nós tínhamos..... agora eu tenho": tem o quê? Não tem nada, tem um sistema de analfabetização em curso. Durante o processo de correção, o avaliador é excluído automaticamente se a nota de desempenho for inferior a 5. Caso fique entre 5 e 7, ele tem até duas chances de recuperação. Na terceira vez que a nota de desempenho for inferior a 7, o corretor é eliminado; as redações por ele corrigidas retornam ao sistema e são examinadas novamente. "À medida que o sistema começou a funcionar, nós tivemos um número maior de corretores que foram excluídos. Não é que a gente queira excluir. Mas a gente está dizendo, na medida em que criei critérios objetivos, eu tenho pessoas que estão sendo consideradas não habilitadas. Nosso sistema está funcionando", avaliou o petista Soares. É o tipo de raciocínio de petista. Cada corretor recebeu R$ 3,61 por redação examinada no Enem 2013, ante R$ 2,35 em 2012 e R$ 2,25 em 2011, segundo o Serviço de Informação ao Cidadão do Inep. Os corretores excluídos foram pagos pelo serviço e podem voltar a se capacitar para atuar nas próximas edições do Enem. "Se eles se capacitarem de novo, eles podem voltar a corrigir as redações. Não cabe o banimento. Ele não fez nada ilegal", observou Soares. Ou seja, o sistema aceita a readmissão de analfabetos para a correção de redações. É fantástico, é coisa de petista. "É um trabalho tenso. Imagina uma pessoa que está submetida a algum constrangimento, ela pode simplesmente naquele período não ter tido a tranquilidade, pode ter uma boa justificativa, como 'tenho uma doença na família'." Todas as redações do Enem são corrigidas por dois corretores independentes, que não têm conhecimento da nota atribuída pelo outro. No Enem 2012, a redação foi levada a um terceiro corretor quando a discrepância entre os dois corretores superou 200 pontos. No Enem 2013, a nova correção ocorreu se a discrepância era de 100 pontos, o que aumentou o número de textos com três avaliadores. É vigarice pura.... "A sociedade ainda acha que se eu pegar a redação que eu tive e der para a minha tia que fez mestrado em linguística na universidade X a nota da minha tia é a nota que deveria ser. Então a gente se pergunta, 'olha, calma lá!'. Essa sua professora, se ela viesse para o nosso processo (de capacitação), lesse o manual (de correção) e passasse (pelo monitoramento), ela seria classificada?", questionou Soares. O treinamento dos corretores do Enem 2013 se estendeu por um período de 136 horas, compreendendo módulos a distância e presenciais. Em 2012, a capacitação levou 100 horas e, em edições anteriores, apenas oito. A correção das redações do Enem virou alvo de questionamentos após a polêmica na edição de 2012 envolvendo texto com receita de macarrão instantâneo (que tirou nota 560, de 1.000 pontos possíveis) e com o hino do Palmeiras (500). A repercussão do episódio levou o Ministério da Educação (MEC) a alterar os critérios usados na correção, prevendo que na edição seguinte seriam anuladas dissertações que apresentem "parte do texto deliberadamente desconectada com o tema que foi proposto".

BRASILEIRO VAI COMEÇAR A SENTIR A ALTA DOS PREÇOS DE TUDO NO SEU BOLSO AINDA NESTE ANO, LOGO APÓS AS ELEIÇÕES

Logo após o Brasil conhecer o presidente dos próximos quatro anos, é possível que os brasileiros já comecem a sentir no bolso a alta de preços que foi represada pelo governo petista de Dilma Rousseff desde 2013. O ajuste nas tarifas de serviços que têm preços regulados pela União (chamados preços administrados), como energia elétrica, combustíveis e transporte, já começou em 2014, mas o ritmo ainda está aquém do ideal. A avaliação de economistas é que pode haver correção até dezembro e, sobretudo, até o fim do próximo ano. O ministro da Fazenda, o petista Guido Mantega, já sinalizou, por exemplo, que haverá reajuste em breve, ao falar que "todos os anos há correção do preço da gasolina, uns mais, outros menos, mas todos os anos tem correção". Para o mercado, ficou mais claro que o governo vai reajustar a gasolina até o fim do ano, mas somente após as eleições, quando não haverá mais risco eleitoral. As ações da Petrobras até subiram no rastro das declarações de Mantega. A última vez que houve reajuste de preços dos combustíveis foi em novembro do ano passado, quando a Petrobras foi autorizada a aumentar em 4% a gasolina e em 8% o diesel, nas refinarias. Desde 2013 o preço vem sendo segurado pelo governo para ajudar no controle da inflação, movimento que prejudicou as contas da estatal. Em doze meses até julho, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) já subiu 6,5%. Boa parte do represamento que ocorreu em 2013 começou a ser diluído a partir de outubro do ano passado. A alta dos preços administrados, que desacelerou para 1,54% em 2013, já subiu para 4,63% em doze meses até julho, segundo um integrante da equipe econômica de Dilma. "O ajuste está ocorrendo. No caso de energia elétrica está claro que não há represamento. As tarifas estão subindo", destacou a fonte. Em julho, o custo da energia residencial subiu 4,52% somente em julho e 9,73% no ano. Até o final do ano, o Banco Central, de acordo com a mesma fonte, espera um reajuste total de 14% da conta de luz. A alta conta que as distribuidoras de energia estão pagando com dinheiro emprestado, e que foi impedida de ser repassada integralmente aos consumidores, virá nos próximos anos. O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, divulgou um calendário com o impacto na tarifa de energia das duas operações de crédito às distribuidoras, que somam 17,8 bilhões de reais. O cronograma prevê alta de 2,6% em 2015, 5,6% em 2016 e 1,4% em 2017. Os valores já levam em consideração o efeito positivo da renovação de concessões de usinas hidrelétricas. Sem essa renovação, o reajuste seria de 25% durante os próximos três anos. O ministério tenta conter a proliferação de previsões de alta de energia que ganharam força nos últimos dias, em meio à campanha eleitoral. Mas, mesmo com o cronograma divulgado, há ainda incertezas sobre o impacto da entrada em funcionamento da chamada bandeira tarifária, a partir de janeiro de 2015, no setor elétrico. Este é um mecanismo que repassa rapidamente para a tarifa de luz o aumento do custo da energia. A bandeira vermelha, por exemplo, indica que as térmicas mais caras, movidas a diesel e óleo combustível, estão ligadas, o que adiciona um custo extra já na conta do mês seguinte. Com o risco da ameaça de "tarifaço" (aumento muito alto de preços) comprometer a campanha à reeleição, o governo saiu a campo e começou a sinalizar um cronograma gradual de aumento dos preços administrados para um eventual segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. A estratégia visa afastar o fantasma de que depois das eleições o governo promoverá um choque nos preços, medida impopular que poderia tirar votos da presidente na eleição de outubro. O governo também quer tornar os reajustes mais previsíveis e evitar que as expectativas de inflação sejam ainda mais contaminadas pelas incertezas em relação ao realinhamento dos preços - termo usado pelo Banco Central e os economistas de mercado para indicar o processo de correção da defasagem nas tarifas, que foi acentuado em 2013. Essas expectativas têm poder de influenciar a inflação corrente, porque os agentes econômicos se antecipam e remarcam os preços com medo do aumento do custos. Contudo, enquanto o Banco Central espera uma alta de 6% dos preços administrados, estimativas do setor privado apontam que o represamento de preços adotado pela presidente petista Dilma Rousseff exigirá um reajuste médio de 12,64% nas tarifas em 2015. Essa recomposição de preços, se for dada na totalidade, poderá resultar em um aumento adicional de 3% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2015, colocando em risco o cumprimento da meta de inflação no primeiro ano do próximo governo, de até 6,5%. Cálculos feitos pela SulAmérica Investimentos, considerando a defasagem de preços dos últimos anos, indicam a necessidade de um reajuste de 20% na gasolina, que hoje é comprada pela Petrobras no exterior por um valor superior ao de revenda no mercado doméstico. Também há perspectiva de alta em relação a dois preços administrados que têm peso importante na inflação: água e ônibus paulistanos. As passagens de ônibus do município de São Paulo estão há dois anos congeladas e a tarifa de água deve aumentar no ano que vem, em função do problema de abastecimento. Segundo a SulAmérica Investimentos, no caso das tarifas de ônibus, a defasagem é de 18%.

PETROBRAS JÁ DEMITIU 3.102 FUNCIONÁRIOS EM TRÊS MESES, E AINDA VAI DEMITIR MAIS QUASE 6.000

A Petrobras já demitiu 3.102 empregados até junho de 2014, sendo 581 que trabalhavam em áreas administrativas e o restante no operacional, segundo apresentação divulgada pela companhia nesta segunda-feira, durante conferência para comentar resultados do último trimestre. O plano de demissão voluntária, anunciado em janeiro, envolve 8.379 petroleiros, dos quais 6.879 aposentados que continuavam trabalhando para a empresa, segundo o sindicado dos trabalhadores, a Federação Única dos Petroleiros. Em maio, a empresa anunciou que já haviam aderido ao Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) 8.298 empregados, o que representa 12,4% do efetivo total da companhia. Como demora certo tempo para que todos os interessados sejam, de fato, demitidos da empresa, a previsão é de que 55% das demissões ocorram ainda em 2014. As demissões devem representar economia de 13 bilhões de reais entre 2014 e 2018, segundo estimativa da empresa. O PIVD visa adequar o número de funcionários da empresa ao Plano de Negócios e Gestão 2014-2018 e às metas do Programa de Otimização dos Custos Operacionais (Procop). O petralhismo condenou brutalmente o governo de Antonio Britto (PMDB) no Rio Grande do Sul por ter aplicado PDV na administração pública. E agora faz o mesmo. O Exterminador do Futuro, Olívio "Truta" Dutra fica no maior silêncio, como se o assunto não fosse com ele.

ATOR ROBIN WILLIAMS É ENCONTRADO MORTO EM CASA

O ator Robin Williams, de 63 anos, foi encontrado morto nesta segunda-feira em sua casa na cidade de Tiburon, no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos. Segundo o site TMZ, a polícia acredita que o ator tenha comedito suicídio por asfixia. Williams tinha um longo histórico de problemas com drogas. Nos anos 1970, o ator consumia álcool e cocaína. Em 1983, com o nascimento de seu primeiro filho, ele decidiu parar. Por 20 anos ficou sóbrio e viu sua carreira deslanchar, somando no total quatro indicações ao Oscar e uma vitória pelo filme Gênio Indomável, em 1997. Em 2003, ele voltou a beber e foi internado em uma clinica de reabilitação em 2006, por intervenção da família. Em entrevista ao jornal The Guardian, em 2010, o ator assumiu que frequentava semanalmente as reuniões do Alcoólicos Anônimos (AA). No começo de julho de 2014, ele decidiu por conta própria se internar mais uma vez em uma clínica de reabilitação, para iniciar um novo tratamento que o ajudasse a se manter sóbrio. A droga foi mais poderosa.

PETROBRAS PETISTA ESTÁ "TREINANDO" SEU DEPARTAMENTO JURÍDICO PARA NÃO ENVIAR DOCUMENTOS PARA A CPI

A mobilização na Petrobras para minimizar os impactos da CPI criada com o objetivo de investigar os contratos da estatal incluiu um treinamento específico e detalhado para a área jurídica da empresa. Foram cinco aulas, cada uma de duas horas, de 26 de junho a 11 de julho, no quinto andar da empresa, no Rio de Janeiro. Todas ministradas pelo advogado Manoel Messias Peixinho, professor da PUC-Rio e autor do livro "Comissões Parlamentares de Inquérito: princípios, poderes e limites". Os advogados estavam preocupados com as pressões feitas pela diretoria da Petrobras para ocultar, com uma tarja preta, informações consideradas sigilosas de documentos relativos à venda da refinaria de Pasadena, no Texas. Muitos desconheciam o que poderia ser omitido e o que teria de ser mostrado. O grupo também não sabia como proceder diante das orientações para atrasar a entrega de alguns papéis e responder parcialmente às demandas da CPI, uma das questões centrais do curso. Segundo fontes da empresa, alguns advogados se mostraram totalmente despreparados – conceito como sigilo de justiça foi explicado à turma. Também foram exibidos e comentados vídeos dos depoimentos de Graça Foster e de Nestor Cerveró à CPI, para ajudar os "alunos" a melhor orientar seus chefes. O treinamento é parte de uma ofensiva da Petrobras para evitar maiores desgastes à imagem da empresa. Mostra a extensão, também no Rio de Janeiro, da preocupação da estatal com a CPI, que, em Brasília, chegou ao cúmulo da montagem de um esquema de recebimentos antecipados das perguntas que seriam feitas pelos parlamentares, como revelado por VEJA. A ação implicava em uma grande encenação na inquirição feita pelo congresso. As respostas dadas pela diretoria estavam na ponta da língua. Um vídeo divulgado na íntegra por VEJA nesta semana, com 20 minutos de duração, mostrou uma reunião na Petrobras, no escritório de Brasília, para organizar a armação. No Rio, a tentativa da empresa de travar documentos ao Congresso sobre os prejuízos da compra de Pasadena, nos Estados Unidos, é mais uma página dessa história de faz de conta.

RIO DE JANEIRO PROMETE ENTREGAR OBRAS DA OLIMPÍADA NO PRAZO, EMBORA ALGUMAS MAL TENHAM COMEÇADO

O primeiro dos 45 eventos-teste dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016, na Baía de Guanabara, terminou no sábado com o saldo do brasileiro Robert Scheidt em quarto lugar da classe Laser e com a constatação de que ainda é preciso muito trabalho para despoluir as águas onde vão ocorrer as regatas olímpicas. A dois anos do início da Rio-2016, a maior parte dos 33 complexos esportivos que vão abrigar as competições ainda não está pronta. Dentre as maiores preocupações da organização estão o Complexo Esportivo de Deodoro e a Baía de Guanabara, ainda muito poluída. Obras de infraestrutura e mobilidade urbana também precisam ser aprimoradas para que os torcedores possam se locomover sem transtornos pelas quatro regiões que abrigarão os Jogos (Barra, Copacabana, Maracanã e Deodoro). O Maracanã, que receberá as cerimônias de abertura e encerramento, e a Arena Olímpica, sede da ginástica, já estão funcionando e vão precisar de alguns ajustes para receber os eventos. Diante deste cenário, o prefeito Eduardo Paes e o Comitê Organizador esbanjaram otimismo e prometeram dar ao Rio de Janeiro o maior legado olímpico da história. No início do mês, Paes informou que o orçamento total dos jogos será de 37 bilhões de reais, a maior parte bancada pela iniciativa privada. “Estes são os Jogos do recorde de recursos privados. Teremos o maior legado da história das Olimpíadas". Em discurso inflamado, Paes comparou fotos do Maracanã e do Engenhão com uma imagem de 2010 do Estádio Olímpico de Londres, para justificar a tese de que o Brasil está mais avançado que a capital inglesa, a dois anos da abertura. Detalhe: ao contrário dos palcos brasileiros, o estádio inglês não existia antes dos Jogos de 2012. De acordo com Joaquim Monteiro, presidente da Empresa Olímpica Municipal, órgão da prefeitura que coordena todos os projetos, 55% das instalações esportivas já estão prontas e todos os projetos de infraestrutura já foram inciados. Mas ao visitar as obras a impressão é que não se pode perder tempo. Ao todo, a Olimpíada de 2016 terá 29 instalações permanentes e oito temporárias. Todas já tiveram suas obras iniciadas e têm prazo final de entrega estipulado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para janeiro de 2016. Estruturas grandiosas, como a vila olímpica, o centro de imprensa e o campo de golfe, estão em estágio inicial e o prefeito carioca afirmou que deve haver uma "tranquilidade vigilante" em todas as instalações.

BALANÇO DA PETROBRAS É UM VERDADEIRO DESASTRE

O balanço do segundo trimestre da Petrobras, divulgado ao mercado na sexta-feira, apresentou piora nos principais indicadores econômicos financeiros da estatal.
Em pílulas eis alguns resultados amargos:
*A dívida bruta, que era de 129 bilhões de reais no primeiro trimestre de 2011 (quando Dilma assumiu a Presidência), é hoje de 308 bilhões de reais. Um crescimento de 139%.
* No primeiro trimestre de 2011, o balanço da Petrobras assumia um nível de alavancagem de 17%, considerado “confortável”, de acordo com o texto, que complementava: “abaixo do limite máximo estabelecido pela companhia (35%)”. No balanço divulgado na sexta-feira passada, esse percentual alcançou 40%, acima dos 39% do balanço anterior. Ou seja, a Petrobras corre o risco de perder o seu grau de investimento.
*O prejuízo do setor de abastecimento da estatal, que era de 95 milhões de reais no primeiro trimestre de 2011, diminuiu em relação ao balanço anterior (7,4 bilhões de reais), mas alcançou estratosféricos 5,9 bilhões de reais, uma variação de 6 127%, resultado da defasagem dos preços dos combustíveis. (Lauro Jardim)

CONTADORA DE YOUSSEF DIZ QUE DEPUTADO É SÓCIO DE DOLEIRO - MULHER-BOMBA REVELA QUE SEU PATRÃO YOUSSEF E DEPUTADO TÊM EMPREITEIRA

A contadora do doleiro Alberto Youssef, Meire Poza, afirmou à Polícia Federal que o deputado federal Luiz Argôlo (SDD-BA) é sócio informal de Youssef na empreiteira Malga Engenharia, segundo revela o jornal Folha de S.Paulo. Os dois trocaram 1.411 mensagens entre setembro de 2013 e março deste ano e a Malga e pagamentos são assuntos frequentes nessa troca de mensagens. Youssef chegou a entregar dinheiro no apartamento funcional usado da Câmara dos Deputados em que Argôlo reside, segundo o jornal, e que o parlamentar usou recursos da Casa para pagar passagem e hotel para encontros com o doleiro. Ao Supremo Tribunal Federal, o juiz federal Sergio Moro, de Curitiba também apontou indícios de que o parlamentar possa ter cometido crime nas relações com o doleiro. Segundo o juiz, “há, aparentemente, registro de negócios comuns, envolvendo construtoras e licitações” que devem ser investigadas. A empreiteira é uma das três empresas de Youssef que não eram de fachada. A Malta chegou a ser subcontratada pela Delta para fazer a obra de duplicação da BR-163, no Paraná, num contrato de R$ 115 milhões do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes Terrestres (Dnit). Numa das mensagens entre o deputado e Youssef, em outubro de 2013, o parlamentar afirma que “a fatura da Malga este mês será de 155″, e o doleiro responde: “Preciso receber na data, por favor”. Segundo interpretação da Polícia Federal, 155 é R$ 155 mil. (CH)

DILMA DÁ SINAIS CRESCENTES DE ALHEAMENTO DA REALIDADE E VOLTA ÀQUELA CASCATA DE QUE APURAR LAMBANÇAS NA PETROBRAS CORRESPONDE A ATUAR CONTRA A EMPRESA

A presidente Dilma Rousseff dá sinais crescentes de alheamento da realidade. E as coisas sempre pioram depois que ela se encontra com Lula, como aconteceu no fim da semana que passou. A revista VEJA traz uma bomba: Meire Poza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, que está preso, concede uma entrevista em que conta parte do que viu. Ela é hoje uma das principais testemunhas da chamada Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal. Segundo Meire, a estatal era usada para abastecer um sistema criminoso de lavagem de dinheiro que envolvia políticos, empreiteiros e funcionários da empresa.

Muito bem! Dilma concedeu uma entrevista coletiva no domingo no Palácio da Alvorada. Era a candidata falando, não a presidente. Segundo informa VEJA.com, afirmou: “Se tem uma coisa que a gente tem de preservar, porque tem que ter sentido de Estado, de nação e de País, é não misturar eleição com a maior empresa de petróleo do País. Isso não é correto, não mostra nenhuma maturidade. Eu acho fundamental que, na eleição e nesse processo que nós estamos, haja a maior e mais livre discussão. Agora, utilizar qualquer factoide político para comprometer uma grande empresa e sua direção é muito perigoso”.
Factóide político? Qual factóide? Meire Poza é uma das principais testemunhas — e ela confessa ter também praticado ilegalidades para o grupo — de uma operação deflagrada pela Polícia Federal, subordinada ao Ministério da Justiça. Dilma repete, agora em linguagem infelizmente um pouco mais compreensível — sempre é pior quando a gente entende o que ela fala —, as bobagens que disse a respeito da Petrobras na sabatina de que participou na CNA (Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil). Para ela, investigar as lambanças na estatal corresponde a prejudicá-la.
Errado! É justamente o contrário. Prejudicaram a empresa, senhora candidata, aqueles que a levaram a um prejuízo bilionário com um negócio desastroso: os seus aliados. Prejudicaram a empresa aqueles que usaram a tarifa de gasolina para conter a inflação em razão de uma política econômica desastrosa — nesse caso, o seu governo e a senhora, pessoalmente. Prejudicaram a empresa aqueles que a usaram e a usam para distribuir prebendas políticas, com o objetivo de manter unida a chamada “base aliada”.
A candidata Dilma decidiu ainda ser pauteira da imprensa. Referindo-se à proposta do tucano Aécio Neves e do peessebista Eduardo Campos de reduzir ministérios — há, no Brasil, 39 pastas; deve ser recorde no mundo —, ela afirmou: “Eu posso pedir uma coisa a vocês? Perguntem qual ministério eles vão reduzir”. Avançou: “Esse formato (39 ministérios) responde a um momento histórico do Brasil. O momento histórico mudando, eu mudo (…)”. Ah, bom… Num ato falho, disse: “Alguns deles vão evoluir e pode até não ser ministério”. Vale dizer: Dilma reconhece que evoluir, nesse caso, significa cortar ministérios. Mas ela promete deixar tudo como está. Ou seja: é a não evolução. Por Reinaldo Azevedo

UM VIDEO QUE EXPÕE O HORROR PROMOVIDO PELO ESTADO ISLÂMICO DO IRAQUE E DO LEVANTE. OU: QUEM FINANCIA OS PSICOPATAS HOMICIDAS?

O vídeo abaixo traz imagens fortes. Infelizmente, no entanto, creio que ele tem de se espalhar. É preciso que fique claro, com todo o sangue e com todas as mortes, o que é e como age o grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) — ou ISIS, na sigla em inglês, liderado por um psicopata que se identifica como Abu Bakr Al-Baghdadi, cujo verdadeiro nome é Ibrahim ibn Awad, ou “Califa Ibrahim”. Antes de fundar o EIIL, ele foi o braço da Al Qaeda no Iraque, e o próprio Bin Laden repudiava os seus métodos. Por incrível que pareça, chegou a ser preso pelas tropas americanas em 2005. Ficou quatro anos numa base no Iraque, mas foi solto em 2009.

Al-Baghdadi quer criar um califado em parte do território da Síria e do Iraque, hoje sob o domínio do grupo. No vídeo, vocês vêem parte de 1.500 adolescentes que foram executados a sangue-frio, com tiros na cabeça, depois de implorarem por suas vidas. Os corpos ou foram enterrados, enfileirados, em cova rasa, ou foram jogados no rio. Há muito tempo o mundo não assistia a coisa parecida. Volto em seguida.
Retomo
A gente até pode não ter estômago para ver o horror até o fim, mas um vídeo como esse tem de circular. É preciso que a natureza dessa gente seja exposta. Os Estados Unidos já executaram quatro ataques aéreos às bases terroristas, o último, enquanto escrevo aqui, tinha acontecido no sábado. A ação, felizmente, facilitou o avanço das tropas curdas, que retomaram as cidades de Gwer e Makhumur. Depois de Barack Obama ter feito a espantosa besteira de ter deixado o Iraque entregue ao terror, toma agora uma providência — ainda modesta, diga-se.
Mohammed Shia al-Sudani, ministro dos Direitos Humanos do Iraque, afirmou neste domingo que pelo menos 500 pessoas da minoria yazidi, que professa uma religião pré-muçulmana e é considerada pelos jihadistas cultora do diabo, foram assassinadas desde que os terroristas chegaram à região da montanha do Sinjar. Mulheres e crianças teriam sido enterradas vivas. Assistindo ao vídeo, não há por que duvidar da informação. Dezenas de milhares de yazidis se embrenharam na montanha e estão encurralados.
Atenção: o vídeo tétrico foi feito pelo próprio grupo, e o narrador está exaltando as mortes como um trabalho de purificação. O que impressiona é que os terroristas estão armados até os dentes, com fuzis, tanques e bateria antiaérea. Quem financia essa gente? Essa, sim, é a investigação que os Estados Unidos e as potências europeias têm de fazer. Os financiadores do horror devem ser considerados o que são: terroristas também.
Aqui e ali, vejo que o nome do grupo não é bem compreendido. A palavra “levante” da sigla nada tem a ver com a sua revolta em si. O “Levante” — “Oriente ou Leste”, na origem Latina — compreende uma região. O “Levante Mediterrâneo” vai da Faixa de Gaza até parte da Turquia, passando por Israel, Jordânia e Síria. Assim, o celerado Baghdadi quer construir o seu califado em toda essa área, além, claro!, do Iraque, onde nasceu. São as suas modestas pretensões. É claro que ele não vai conseguir. Mas quantos mais pretende matar em sua sanha homicida? Por Reinaldo Azevedo

"CRISTÃ NÃO VOTA EM PETISTA"

 escrevi aqui a respeito da procura desenfreada pelos votos dos evangélicos nos anos pares, que são os eleitorais. Os candidatos costumam se mostrar crentes a mais não poder: combatem as drogas, dizem-se contra o aborto, falam nos valores da família, mostram-se verdadeiros… cordeiros de Deus. Desligadas as urnas, ninguém mais dá pelota.

Abaixo, o pastor Silas Malafaia trata do assunto. Segundo a sua opinião, não há como um cristão autêntico votar no PT. Ele explica os motivos. Atenção! Os candidatos têm o direito — e até o dever! — de dizer o que pensam. Reitero: se são favoráveis, por exemplo, à descriminação das drogas e do aborto, que o digam com clareza, ora! Se acham que o tal PLC 122 é bacana, que exponham o seu ponto de vista. O que não é tolerável é a mentira. O que não é aceitável é a hipocrisia. O que não é decente é o fingimento. O que não é digno é comparecer a cultos cristãos, de quaisquer denominações, declarar a sua fé e depois fazer uma política contrária àqueles valores, como tem sido rotina.
Malafaia diz estar sofrendo perseguição por causa de suas opiniões. É bem possível. Afinal, sob este governo, computadores da Presidência fraudam perfis de jornalistas no Wikipédia; funcionários de bancos privados são demitidos por fazer avaliações que irritam os poderosos, e jornalistas incômodos vão parar em listas negras.
A democracia supõe, entre outras coisas, a clareza. Malafaia, segundo sei, deve apoiar a candidatura à Presidência de Pastor Everaldo, do PSC. Segue o vídeo em que ele expõe o seu ponto de vista. 
Por Reinaldo Azevedo

ELEIÇÕES: PT LARGA EM DESVANTAGEM NA CORRIDA AO SENADO

Nas eleições de 2010, além de eleger sua candidata, a então ministra Dilma Rousseff, o ex-presidente e alcaguete Lula (denunciava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jrt) ditou outra prioridade ao PT: ampliar sua bancada no Senado, a Casa Legislativa que lhe impôs derrotas cruciais ao longo do mandato – a maior delas, o fim da cobrança da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, o extinto imposto do cheque). Na época, o X9 Lula tinha como obsessão derrotar desafetos como Arthur Virgílio (PSDB-AM), Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Heráclito Fortes (ex-DEM-PI). O esforço deu certo: há quatro anos, o PT elegeu 8 senadores, formando uma bancada de 14 cadeiras – naquela eleição, duas cadeiras por Estado estavam em disputa. Quatro anos depois, pelo menos na largada da corrida eleitoral, a situação é diferente. Vinte e sete das 81 cadeiras do Senado Federal estão em jogo nessas eleições. Dezesseis delas pertencem a partidos aliados à presidente Dilma Rousseff; nove, a oposicionistas. De acordo com as pesquisas de intenção de voto, a situação pode se inverter: se o cenário atual se mantiver até outubro, pelo menos dezesseis adversários do PT serão eleitos.

Nessa conta estão integrantes do bloco PSDB-DEM, aliados do presidenciável Eduardo Campos e peemedebistas considerados rebeldes. Em apenas seis Estados há uma vantagem clara para o candidato dilmista. O PT está à frente em somente um deles: Pernambuco, onde João Paulo Lima, ex-prefeito do Recife, é o mais cotado. A potencial conquista não compensaria as três cadeiras que o partido perderá com o fim da atual legislatura. Hoje, o PT possui treze senadores. O PMDB, a maior bancada, tem dezenove.
O panorama não é definitivo e, como apenas um terço das cadeiras do Senado serão renovadas, o impacto dessas eleições é relativo. Os parlamentares aliados do PT continuam sendo ampla maioria dentre os 54 senadores que têm mais quatro anos de mandato a cumprir. E pode haver outras mudanças na composição do Senado porque seis senadores com mandato estão disputando outros cargos. Se forem bem sucedidos, deixarão seus postos nas mãos dos suplentes, que frequentemente são filiados a outras legendas. Além disso, ainda faltam quase dois meses para as eleições, e o panorama pode mudar. Feitas todas as ressalvas, a verdade é que o cenário atual é ruim para o PT. A situação em alguns Estados importantes dá uma amostra das perspectivas dessa eleição.
Em São Paulo, por exemplo, o problema é a falta de nomes: o senador Eduardo Suplicy (PT) ocupa o cargo há 23 anos e quer mais oito anos de mandato. As pesquisas até aqui mostram que o eleitorado paulista prefere José Serra (PSDB).
Antônio Anastasia (PSDB), ex-governador de Minas Gerais, tem o caminho livre para chegar ao Senado. Em Santa Catarina, Paulo Bornhausen (PSB) é o primeiro colocado nas pesquisas. No Rio Grande do Sul, o estreante Lasier Martins (PDT) tem uma pequena vantagem diante de Olívio Dutra (PT). Lasier pertence a um partido aliado de Dilma, mas integra uma coligação com o DEM no Estado. Na Bahia, quem lidera as pesquisas é o peemedebista rebelde Geddel Vieira Lima, aliado do DEM no plano estadual. O Ibope divulgou na última semana um levantamento apontando Ronaldo Caiado (DEM) como favorito à conquista de uma cadeira em Goiás.
A articulação petista parece ter deixado de lado o Senado para priorizar as candidaturas aos governos estaduais em meio a turbulências, como a queda na popularidade da presidente Dilma Rousseff, os desentendimentos entre PT e PMDB, a consolidação da candidatura de Aécio Neves (PSDB) à Presidência e o surgimento de uma terceira via capitaneada por Eduardo Campos (PSB). ”Em vários Estados PT e PMDB não conseguiram articular uma coligação. Isso foi um problema em 2010, mas em 2014 virou um algo muito maior” diz o professor David Fleischer, do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília.
Ainda há tempo para muitas reviravoltas, mas o começo da corrida eleitoral ao Senado deve colocar os petistas em alerta: os planos de obter a maior bancada da Casa agora parecem distantes da realidade. O exemplo do Ceará é simbólico: o mesmo Tasso Jereissati derrotado em 2010 agora tem uma larga vantagem sobre os outros candidatos, segundo pesquisas. É cedo, mas pode ser o primeiro sinal de que alguns rumos mudaram. 

RELATOR DA CPI MISTA DA PETROBRAS DIZ QUE PEDIRÁ CONVOCAÇÃO DE CONTADORA DE YOUSSEF; DEM E PPS APRESENTAM REQUERIMENTOS NESTA SEGUNDA-FEIRA

O relator da CPI Mista da Petrobras, deputado federal Marco Maia (PT-RS), disse no domingo que vai pedir a convocação da contadora Meire Bomfim Poza para prestar depoimento sobre suas denúncias envolvendo o doleiro Alberto Youssef. O petista disse que ela se tornou uma “peça-chave” nas investigações. Na véspera, o PPS, o DEM e o PSDB avisaram que queriam o depoimento da contadora. Segundo a revista “Veja”, Meire, que era contadora de Youssef – preso na operação Lava Jato da Polícia Federal – revelou detalhes sobre como funcionava o esquema que tinha como supostos beneficiários empreiteiras, políticos e agentes públicos.

“Assim como o Youssef, ela agora é peça-chave no processo de investigação. Estamos, neste momento, analisando todos os dados da operação Lava Jato. E, portanto, de posse dessas informações, vamos poder confrontá-las com os depoimentos”, disse Marco Maiao. O PPS e o DEM apresentarão os requerimentos de convocação junto à CPMI. O DEM também apresentará pedido junto à Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara.
De acordo com a reportagem da revista Veja, pelo menos cinco parlamentares recebiam pagamento em dinheiro vivo, diretamente das mãos do doleiro ou por meio de depósitos bancários feitos por Meire. Os deputados federais André Vargas (PT-PR) e Luiz Argôlo (SDD-BA), que respondem a processo no Conselho de Ética da Câmara, estão entre eles; o deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP); o deputado federal Mário Negromonte (PP-BA); e o senador Fernando Collor (PTB-AL). Todos negaram as acusações. Sobre André Vargas, Meire disse que ele ajudou Youssef “a lavar 2,4 milhões e, como pagamento, ganhou uma viagem de jatinho. Eu mesma fiz o pagamento”.
Meire citou ainda o deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmando que ele contou com a ajuda de Youssef para quitar dívidas de campanha. Ela diz ter uma relação de números de contas bancárias de parentes e assessores de políticos que receberam dinheiro do doleiro.

SARDENBERG, MIRIAM LEITÃO, OS "EDITORES" DA PRESIDÊNCIA E A REPÚBLICA DOS CANALHAS

O jornalista Carlos Alberto Sardenberg tem 67 anos. É uma das pessoas que mais trabalham no nosso meio. Tenho a ambição de rivalizar com ele no esforço ao menos. É competente, inteligente, claro, didático e boa-praça. A disposição que muitos jovens de 25 têm para reclamar da vida, ele tem para trabalhar. Sardenberg e Míriam Leitão tiveram seus perfis na Wikipédia editados em computadores da Presidência da República. Acrescentaram-se a suas respectivas trajetórias profissionais mentiras e difamações.

De computadores oficiais partiram outras intervenções — no caso, para acrescentar rapapés e elogios. Entre os beneficiados, estão ministros e ex-ministros como Moreira Franco, Antonio Palocci, Thomas Traumann, Ideli Salvatti e Alexandre Padilha, o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia o vice-presidente Michel Temer. A informação foi publicada ontem pelo jornal O Globo. Representantes de várias entidades protestaram contra a canalhice e pediram a apuração dos fatos: Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abert), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Associação Nacional de Jornais (ANJ). Que bom! Achei que elas todas estivessem dormindo em berço esplêndido. Tanto melhor se acordaram. Por que escrevo isso?
Há menos de dois meses, Alberto Cantalice, vice-presidente do PT e homem do partido encarregado de administrar as redes sociais, tornou pública uma lista negra de nove pessoas, a maioria jornalistas, que ele chamou de “pitbulls da mídia”. Contou, para tanto, com a ajuda de um site conhecido por ter elevado a extorsão à categoria de “jornalismo alternativo”. Escreveu Cantalice:“Personificados em Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes, Diogo Mainardi, Lobão, Gentili, Marcelo Madureira entre outros menos votados, suas pregações nas páginas dos veículos conservadores estimulam setores reacionários e exclusivistas da sociedade brasileira a maldizer os pobres e sua presença cada vez maior nos aeroportos, nos shoppings e nos restaurantes. Seus paroxismos odientos revelaram-se com maior clarividência na Copa do Mundo.”
O maior partido do país, como se vê, pedia cabeças. Não se ouviu um pio por aqui. Nada! A imprensa se calou. A Abert se calou. A ANJ se calou. A ABI se calou. A Fenaj se calou (é claro!; deve até ter aplaudido; afinal, ela e o PT são da mesma enfermaria…). Os jornalistas brasileiros se calaram. O site “Observatório da Imprensa” — contaram-me; eu realmente não li — abrigou um artigo de um canalha qualquer aplaudindo Cantalice e afirmando que fizemos por merecer. O protesto veio de fora: “Repórteres Sem Fronteiras”, a mais importante entidade em defesa da liberdade de imprensa, protestou com firmeza.
repórteres sem fronteiras
Acreditem: Janio de Freitas, colunista da Folha, como sou, protestou contra o protesto; atacou “Repórteres Sem Fronteiras” e, na prática, endossou a lista negra. Há pessoas que perderam a escala da vergonha.
Há quanto tempo existe uma verdadeira gangue de criminosos atuando na Internet para difamar, caluniar e injuriar pessoas? Há quanto tempo tenho denunciado aqui o farto financiamento que passaram a receber veículos de aluguel — especialmente na Internet — com o propósito de atacar a imprensa independente, os políticos da oposição e figuras do Judiciário? Sim, é claro que é grave usar o aparelho de Estado para difamar dois profissionais. Mas não é igualmente grave financiar com dinheiro público a cadeia do achincalhamento? Por que essas entidades — excluo a petista Fenaj da pergunta por motivos óbvios — nunca se manifestaram? A canalhice vai longe e chega a detalhes.
Entrem no Google e coloquem lá meu nome. Vai aparecer esta foto.
foto reinaldo distorcida
Nunca tentei me impor pela beleza, é verdade, só que eu sou este aqui, ó:
Reinaldo de verdade
O outro lá foi popularizado pela canalha a soldo. Um dos blogs que publicavam reiteradamente aquela “foto” tinha o patrocínio da… Caixa Econômica Federal. Sim, a mesma CEF que é tão minha como de Dilma; tão minha como dos petistas; tão minha como dos vagabundos. Mas, afinal, “eles” estão no governo, não é? Julgam-se os donos do estado. E também dos entes privados. Ou o Santander não entregou as quatro cabeças cobradas por Lula?
Usar computadores da Presidência da República para difamar perfis de jornalistas na Internet é só mais um degrau na ousadia da turma. Eles julgam que podem realmente fazer tudo. E vão além. A reação, com o perdão da expressão, brocha de setores da imprensa diante do Decreto 8.243, aquele dos conselhos populares, evidencia que nem todos estão devidamente equipados para enfrentar a sanha dos autoritários.
Miriam Leitão
Vi Miriam Leitão na televisão, indignada com o que fizeram com o seu perfil. É claro que ela tem razão, e é evidente que a ação é coisa de bandidos. Jamais aplaudiria o que fizeram com ela, mas não posso deixar de registrar aqui uma indignidade de que fui alvo: e uma das agentes foi… Míriam Leitão!
Quando fui contratado como colunista da Folha, em outubro do ano passado, Suzana Singer, a então ombudsman, saudou assim a minha chegada:“Na semana em que o assunto foram os simpáticos beagles, a Folha anunciou a contratação de um rottweiler. O feroz Reinaldo Azevedo estreou disparando contra os que protestam nas ruas, contra PT/PSDB/PSOL, o Facebook, o ministro Luiz Fux e sobrou ainda para os defensores dos animais.”
Como se vê, o retrato escrito por Suzana Singer é tão fiel como aquela foto adulterada… O petista Cantalice e Suzana, petista ou não, só divergem na raça do cachorro. Ela acha que é rottweiler; ele, pitbull. Como “reação proporcional” é um tema da hora, como eu deveria responder? Chamar um de cão e a outra de cadela? Sou menos “feroz” do que Suzana e Cantalice.  Miriam Leitão, em sua coluna no Globo — sim, no Globo! — me brindou com esta gentileza:“Recentemente, Suzana Singer foi muito feliz ao definir como ‘rottweiller’ um recém-contratado pela ‘Folha de S.Paulo’ para escrever uma coluna semanal. A ombudsman usou essa expressão forte porque o jornalista em questão escolheu esse estilo. Ele já rosnou para mim várias vezes, depois se cansou, como fazem os que ladram atrás das caravanas.”
É claro que respondi. E, em minha resposta, lia-se o seguinte trecho (prestem atenção aos números):Tola. Prepotente. Reitero o que já publiquei em outro post. Em sete anos e meio, Miriam Leitão teve o nome escrito neste blog 29 vezes. Atenção! Com 40.065 posts e 2.286.143 comentários, há VINTE E NOVE MENÇÕES (estão todas reunidas aqui). Dessas 29, 14 são meras referências (“Fulano disse para Miriam Leitão que…”). Em sete das vezes, elogio a jornalista. Em oito posts, contesto opiniões suas — contesto, sem ofensa. O arquivo está aí, e vocês podem fazer a pesquisa.
Eis aí. Não vou aplaudir a canalhice que fizeram com ela, não, embora, em seu texto, sem que eu jamais a tivesse ofendido, ela se refira a mim três vezes como cachorro. Leitão não é, infelizmente, mais tolerante do que aqueles que a agrediram na Wikipédia. Aliás, a linguagem de seus detratores é mais decorosa do que a que ela empregou contra mim. E observem que Miriam me considera o responsável pela agressão que Suzana e ela própria praticam contra mim. Ou por outra: a jornalista está dizendo que sei por que estou apanhando. O fato, no entanto, de ela e seus detratores se irmanarem nos métodos não torna justo o que fizeram com ela, especialmente porque se usou um aparelho público para fazer o serviço sujo.
Ainda voltarei a esse tema, sim. Escrevi ontem o que considero um dos melhores textos dos que produzi para a Folha. Trato de duas categorias de ladrões: os de dinheiro público e os de instituições. Ambas fazem um mal imenso ao Brasil, mas os ladrões de instituições conseguem ser ainda piores.
Uma coisa é a gente ser duro no debate, e eu sou; dizer com clareza o que pensa, e eu digo; não ser ambíguo, e eu nunca sou. Outra, muito distinta, é querer eliminar o adversário da peleja como se fosse inimigo, atribuindo-lhe o que não pensa ou não fez ou expropriando-o até de sua humana condição. Miriam Leitão conhece os dois lados: como agressora e como agredida. Com uma, eu me solidarizo — não por ela, que não precisa de mim, mas em nome de um princípio. A outra, eu apenas lastimo. Deve ser bem chato ser vítima de um método do qual a gente próprio é usuário, não é mesmo?
Mas nunca é tarde para aprender, nem que seja com aqueles que detestamos ou que nos detestam. Por Reinaldo Azevedo