sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

"EU SOU O DO POSTE! SABE COM QUEM ESTÁ FALANDO?" ESSA É A FALA DO "DIMENOR"-CELEBRIDADE AO SER DETIDO, ROUBANDO DE NOVO! OU: ENSAIOS SOBRE A CEGUEIRA

A jornalista Rachel Sheherazade foi mandada para um poste moral por conta de um comentário que fez quando um menor que costuma praticar roubos foi atado por moradores a um poste com uma tranca de bicicleta. Já escrevi a respeito e deixei claro que não concordo com boa parte da abordagem que ela fez. Mas parte da sua observação era e é procedente. Quando afirmou ser “compreensível” que moradores tomem suas próprias medidas, não quis dizer que é desejável, que o caminho é esse. Fizeram, evidentemente, uma superinterpretação de sua fala porque a consideram ideologicamente incômoda.

Muito bem! O mesmo menor voltou a delinquir e voltou a apanhar. Vocês sabem a mania que tem esse povo cruel de não gostar de ser assaltado, né? Pô! As vítimas desses “dimenores” têm de entender que estão apenas dando a sua cota a uma política informal de distribuição de renda, poxa! Mais: existe luta de classes, como todos sabemos, e os assaltados integram o grupo dos bandidos; os assaltantes é que são os verdadeiros mocinhos. Como é que ninguém percebe isso?
Reproduzo, em vermelho, trecho da reportagem de Leslie Leitão, na VEJA.com. Volto em seguida:O jovem assaltou, com outros quatro rapazes, uma turista canadense na Avenida Atlântica. Em seguida, o bando tentou roubar os pertences de um turista inglês. Esta vítima, no entanto, reagiu, e correu atrás dos garotos. Um grupo de pessoas que presenciava a cena decidiu cercar os fugitivos, mas só conseguiu deter dois deles.
Começou, então, uma sequência de tapas. Sentindo-se acuado, o menor que ficou preso pela tranca no início do mês lançou mão da fama que angariou naquele episódio: “Eu sou o do poste! Parem de bater”, gritou.
E, de fato, as agressões cessaram. Os dois jovens foram mantidos no local até a chegada da Polícia Militar. E, novamente, na delegacia, o jovem do episódio do poste voltou a se identificar como tal, para se proteger de agressões: “Você sabe com quem está falando? Eu sou o menor da tranca”, disse, aos policiais.
Voltei
Se há dote que bandido de qualquer idade ou classe social tem é o de aprender com a experiência. É evidente que o “Dimenor” percebeu que virou uma celebridade. Tive informações de que, talvez, ele seja portador de um déficit intelectual importante — hipótese que tem de ser investigada e que deve, então, merecer a devida resposta do Estado —, mas a agilidade com que ele apelou ao “sabe com quem está falando?” sugere o contrário. Não estou afirmando, mas fazendo uma conjectura. A fala do rapaz ao ser preso, mais uma vez, evidencia como aquele episódio distorceu a verdade dos fatos. Apegaram-se mais ao simbolismo piegas do que à realidade. Sintetizo o espírito de certas intervenções:
“É a imagem de um país que cultivou a escravidão por mais de 300 anos!”
“Não fosse um negro, não fariam isso”.
“Eis mais uma prova de racismo”.
“É o povo brasileiro que está no tronco”.
Quanta bobagem!
Quanta vigarice!
Quanta conversa mole!
Até parece que brancos não são linchados todos os dias Brasil afora. O YouTube traz uma penca de horrores. Até parece que fazer justiça com as próprias mãos é algo assim tão raro num país em que há mais de 50 mil homicídios por ano — sem que se saiba, na esmagadora maioria das vezes, a autoria. Amarrar bandidos em poste resolve alguma coisa? Não! Torna ainda pior o que é ruim, mas é evidente que não é possível criminalizar, por princípio, a sociedade que reage. É preciso coibir, sim, a justiça feita pelas próprias mãos, mas é preciso compreender, então, a natureza do fato.
O rapaz atado ao poste não era expressão de racismo, da crueldade com que são tratados os pobres, da perversidade das elites, nada disso! Até porque, atenção!, ESSES JUSTIÇAMENTOS SÃO FEITOS POR POBRES — a esmagadora maioria de pobres que decide trabalhar, que decide estudar, que decide ganhar a vida honestamente. Um País em que o rendimento médio do trabalhador é pouco superior a R$ 1.900 — você que me lê: tente morar com isso, pagar escola com isso, ir ao cinema com isso, comer com isso — é um país… pobre!
A reação àquele episódio lamentável foi para o lado errado! Os pruridos politicamente corretos vieram à flor da pele como urticária ditada pela boa consciência. E só.
Mesmo discordando de boa parte da fala de Sheherazade — que foi mandada para o poste —, a verdade insofismável é que ela estava mais no assunto do que boa parte dos textos lacrimejantes e hipócritas que se escreveram a respeito. Por Reinaldo Azevedo

UM JURISTA DA "SABEDORIA PETISTA" RESOLVE ATACAR GILMAR MENDES. E O QUE EU DESCOBRI SEM MUITO ESFORÇO. OU: O ALARIDO DAS HIENAS


hiena
Ai, ai… Por que eles nunca são um só, mas sempre uma legião, como os demônios? Antipatizo com hienas. Não é pela feiura, não. É que sempre atacam em bando. Nunca exibem, assim, aquela grandeza heroica que, às vezes, têm os leopardos, até os leões. Não! Sempre em turma. Também não sabem rugir: emitem uns sons estranhos, entre o ganido e o miado, pequeninos, quase sorrateiros, mas que, em grupo, formam uma melodia desagradável. Então tá. Chega dessa apreensão pessoal da zoologia. Vamos falar de outras espécies.
Mandam-me aqui um texto de um tal Juliano Zaiden Benvindo, que é professor da Universidade de Brasília. Pelo tom do sujeito que enviou a mensagem, ele só pode ter colhido o artigo em algum blog sujo financiado por estatais. Bem, bem, bem… Passaram ao rapaz professor a tarefa de provar que o ministro Gilmar Mendes não é de nada; que, como jurista, é um zero à esquerda. Notem que, até agora, o petismo e o petralhismo já disseram o diabo de Mendes, menos que fosse tecnicamente ruim. Isso nunca.
Juliano Benvindo, investindo-se do papel do zagueiro cabeça de bagre voluntarioso, pegou a bola na hora da cobrança do pênalti e disse: “Deixa que eu chuto”. E chutou. A bola se perdeu no mato. Se tiverem paciência, leiam o texto. O bruto começa anunciando a montanha. Censura a tradição de pouco debate no Brasil, que sempre acaba na crítica pessoal. Logo, entende-se que ele fará outra coisa, nunca uma crítica… pessoal. Escreve:“No Brasil, contudo, infelizmente, a cultura constitucional é voltada para bajular o que temos. Nossa cultura ainda é fortemente marcada pela personalização das relações, não se construindo uma possível percepção de que criticar um trabalho, uma decisão, um texto, entre tantas outras atividades, possa ser algo diverso do que uma crítica pessoal.”
Em vez da montanha, o rato. Vejam lá. O resto de seu texto é um ataque dirigido à pessoa de Gilmar Mendes. Segundo diz, não passa de um compilador de jurisprudência — quando até seus adversários intelectuais reconhecem nele um criador de jurisprudência. Ainda nesta quinta, foi citado por advogados dos mensaleiros. O rapaz não se refere aos livros de Mendes, ao conteúdo de sua obra, não diz por que ela é ruim. Nada!
Entende-se, aliás, que o principal defeito da obra em livro do ministro é… vender bem! Não sei se o dito-cujo já publicou alguma coisa; se publicou, certamente vendeu mal. Também publico livros e, como direi?, sou bem-sucedido. Não sei de bons vendedores de livros que considerem isso um defeito. Há, sim, quem venda pouco e não dê bola para a questão, certo da qualidade de sua obra — às vezes, com razão. Mas todos os que acham que vender muito é um defeito vendem pouco.
A propósito: por que será que os livros de Mendes “vendem bem”, já que não se trata de uma compilação de humor, de pílulas de sabedoria ou de textos de autoajuda? Vai ver os leitores de sua obra especializada são bobos e ainda não se deram conta da sabedoria superior do tal Benvindo… Insisto: se tiverem paciência, leiam o texto do homem e tentem encontrar a demonstração de sua tese. Não há.
Ataques como esse, oriundos de um mundo SUPOSTAMENTE ACADÊMICO, são expressões do espírito de um tempo. Onze anos de petismo no poder degradaram o Parlamento, o Executivo, o Judiciário, o Ministério Público, tudo… Mas nenhum setor se rebaixou tanto e se tornou tão asqueroso como a academia — com as exceções de praxe.
Gente paga com dinheiro público para pensar não tem vergonha nenhuma de ser esbirro de um partido político. O sujeito que mandou a diatribe do Benvindo me fez um favor. Resolvi entrar na página do cara no Facebook. Lá está ele, de bate-pronto, atacando Mendes por conta de suas questões sobre a “vaquinha” petista. Está revelado, vamos dizer assim, o motivo original da sua fúria bucéfala, que se esqueceu dos argumentos. Na UnB, integra a tropa de choque das várias correntes de esquerda que por lá se aninham, aliando-se claramente com o petismo — pouco importando se é filiado ao não.
Uma estirpe
Quando bati o olho em seu nome, sabia que aquele sobrenome há havia passado por mim… “Zaiden Benvindo, Zainden Benvindo…” Cheguei logo a Aldo Zainden Benvindo, assessor do Ministério da Saúde e membro do Conselho Nacional de Polícias Sobre Drogas. Também alinhado com o “pudê”!!! Esse rapaz participou ativamente do “Congresso Internacional Sobre Drogas – 2013”, realizado em Brasília, no ano passado. Vocês se lembram. Escrevi alguns posts a respeito. Foi lá que o notório delegado Orlando Zaccone defendeu a legalização “da produção, do comércio e da distribuição de todas as drogas”. Tratou-se de um suposto “congresso internacional”, patrocinado pelo governo Dilma e por órgãos federais, para o qual só foram convidados debatedores favoráveis à legalização das drogas. Não era um congresso, mas um convescote de gente que concordava entre si. Uma vergonha!
Mandaram-me tempos depois um vídeo com a fala de Aldo Zaine Benvindo, o irmão do desafeto de Mendes. O rapaz começa, de cara, com uma referência encoberta a este blogueiro. Ataca, com uma frase vulgar de efeito, as “críticas reacionárias” na imprensa que o tal congresso estaria recebendo. Eu fui o único a criticar. Todos os demais veículos de comunicação elogiaram. Ele foi muito aplaudido, claro!, porque os que poderiam eventualmente vaiar ou simplesmente não aplaudir não tinham sido convidados. Essa gente é muito valente entre os seus. É como black bloc. Quando em bando, partem pra porrada.  Segue o vídeo. A fala está no comecinho. Volto depois.
Pois é… Estamos lidando com uma estirpe, né? Aldo, aquele que acha que o “vitupério na boca de certas pessoas é elogio”, é casado com Joana Zylbersztajn, ex-secretária-executiva adjunta do ministério chefiado por Gilberto Carvalho e atual chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Direitos Humanos de Fernando Haddad.
“Por que evocar esses parentescos, Reinaldo?” Para evidenciar que estamos lidando com uma espécie de nova aristocracia do poder. Como se diz em Dois Córregos, a cada enxadada, uma minhoca. Basta entrar no Google, e você perceberá que eles são uma legião. Por Reinaldo Azevedo

SUPREMO DETERMINA A PRISÃO DE ROBERTO JEFFERSON, O DENUNCIANTE DO ESQUEMA PETISTA DO MENSALÃO

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, determinou na tarde desta sexta-feira a prisão do ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB). Condenado a sete anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no julgamento do Mensalão do PT, Roberto Jefferson cumprirá a pena em regime semiaberto no Rio de Janeiro. A Polícia Federal informou que ainda não recebeu a ordem de prisão. O processo contra Roberto Jefferson havia se encerrado (trânsito em julgado) no dia 15 de novembro, quando os primeiros condenados no Mensalão do PT, entre eles o ex-ministro José Dirceu e os petistas Delúbio Soares e José Genoino, tiveram a prisão decretada. Porém, sucessivos recursos pedindo que ele pudesse cumprir pena prisão domiciliar adiaram para este ano o início da execução da pena. Responsável por denunciar o Mensalão do PT, Roberto Jefferson tenta conseguir autorização da Justiça para cumprir sua pena em regime domiciliar. Ele se recupera de uma cirurgia para a retirada de um câncer no pâncreas e precisa de medicamentos e dieta específicos. A defesa chegou a anexar ao processo do Mensalão do PT cópia de sua dieta nutricional, que inclui salmão defumado, geléia real e suco batido com água de coco. Com a decisão sobre Roberto Jefferson, 23 condenados no julgamento do Mensalão do PT já começaram a cumprir pena nos regimes fechado, semiaberto e aberto. Apenas o ex-assessor João Cláudio Genu e o ex-doleiro Breno Fischberg, que recorreram à Corte por meio de embargos infringentes, ainda não tiveram as ordens de prisão decretadas. Embora a ordem de prisão de Roberto Jefferson determine o regime semiaberto, ele conseguiu pelo menos um parecer favorável à prisão domiciliar. O secretário de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (SEAP), Cesar Rubens Monteiro de Carvalho, encaminhou ao STF a recomendação de que o ex-deputado fique em casa e use uma tornozeleira eletrônica. Em sentido contrário, também em resposta ao STF, a Divisão Médico-Ambulatorial da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro informou que ele poderia ser acompanhado normalmente por um clínico e ter consultas periódicas com um médico oncologista do sistema público, já que é tratado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca). Para o poder público, não haveria impedimentos para que a dieta e a medicação do mensaleiro fossem providenciadas.

IBOPE - APROVAÇÃO DO GOVERNO DA PETISTA DILMA CAI DE 43% PARA 39%

A taxa de aprovação ao governo Dilma Rousseff caiu de 43% para 39% desde o início de dezembro, segundo pesquisa Ibope/Estadão feita entre os dias 13 e 17 deste mês. Após a onda de protestos de junho, o porcentual dos que consideram o governo ótimo ou bom caiu de 55% para 31% (julho), subiu para 38% (agosto), oscilou entre 37% e 39%(setembro a novembro), voltou a subir para 43% (dezembro) e agora baixou quatro pontos porcentuais. O governo tem taxas mais baixas de aprovação entre o eleitorado com menos de 24 anos (35%), escolaridade superior (26%) e renda superior a cinco salários mínimos (34%). Em termos regionais, sua pior avaliação se concentra no Sudeste (33% de ótimo e bom) e no Norte/Centro Oeste (32%). A aprovação é maior nos segmentos com mais de 55 anos (45%), escolaridade até a quarta série (50%) e renda de até um salário mínimo (49%). No Nordeste, a taxa chega a 51%. O levantamento revelou ainda que 58% da população é a favor da realização da Copa do Mundo no Brasil. Outros 38% são contra. Para 43%, o evento trará mais benefícios que prejuízos para o País, e 40% acham o contrário. O levantamento do Ibope foi feito em 141 municípios. Foram ouvidos 2.002 eleitores. Como a margem de erro é de dois pontos porcentuais, a aprovação ao governo pode estar entre 37% e 41%. No levantamento anterior, de dezembro, poderia se situar entre 41% e 45%. A chance de a taxa ter sido de 41% na pesquisa anterior e na atual, porém, é de apenas 0,12%, segundo cálculos do Estadão Dados – por isso, pode-se afirmar com segurança que houve queda na avaliação positiva.

ROMBO NAS CONTAS EXTERNAS: POR ENQUANTO, A MELHOR IDÉIA DE MANTEGA É CULPAR DESACELERAÇÃO DA CHINA E RETOMADA DA ECONOMIA AMERICANA

O preço elevado das commodities primárias mascarava os desequilíbrios das contas externas brasileiras, e assim foi por muitos anos. Menos o país estava fazendo a coisa certa do que vivendo do crescimento econômico acelerado de estranhos — refiro-me à China. A crise americana e europeia tornava o país atraente para a entrada de certo capital, que decidiu se mandar.

Muito bem, a balança comercial era que segurava o rombo das contas externas, certo? No ano passado, já não fosse o truque com as plataformas da Petrobras, o Brasil já teria tido um déficit de, no mínimo, US$ 5,5 bilhões. Teria sido o primeiro em 12 anos. Em 2014, é certo como a luz do dia que haverá déficit — a menos que Guido Mantega tenha mais algumas plataformas escondidas no bolso do colete, mas terá de haver muitas… E se terá, então, o primeiro déficit em 13 anos.
Fiquem tranquilos que o governo… Que o governo nada! A turma perdeu a capacidade de ver o que vem pela frente — aliás, nunca teve; nossa sorte eram os outros. “Ah, o Brasil tem reservas a dar com pau…” À diferença dos diamantes, não são eternas. O fato é: hoje, mais saem dólares do que entram — e não é pouca coisa. Por enquanto, o governo Dilma não teve nenhuma ideia melhor do que culpar a desaceleração da China e a retomada do crescimento nos EUA.
Vamos ver o que ela propõe na campanha.
Leiam o que informa a VEJA.com:
Rombo nas contas externas tem novo recorde em janeiro, aponta Banco Central
O Brasil registrou déficit recorde de 11,591 bilhões de dólares nas transações correntes de janeiro, influenciado, sobretudo, pelo fraco desempenho da balança comercial e pelas remessas de lucros e dividendos das empresas — cifra que não foi coberta pelos investimentos estrangeiros diretos (IED). No acumulado em 12 meses encerrados no mês passado, o rombo nas contas externas do país ficou em 3,67% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central nesta sexta-feira. Economistas já previam elevado saldo negativo — de 11,7 bilhões de dólares. O déficit registrado no mês passado está levemente acima do apurado em janeiro de 2013, que foi de 11,3 bilhões de dólares.
O BC informou ainda que os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) no país somaram 5,098 bilhões de dólares no mês passado, melhor do que o esperado – de 4 bilhões de dólares -, mas insuficientes para cobrir integralmente o saldo negativo do mês.
O déficit nas transações correntes, que abrangem a importação e a exportação de bens e serviços e as transações unilaterais do Brasil com o exterior, foi impactado pelo déficit recorde de 4,058 bilhões de dólares na balança comercial em janeiro.
O BC informou ainda que as remessas de lucros e dividendos somaram 2,499 bilhões de dólares em janeiro, ante 2,068 bilhões em igual mês do ano passado. Pesaram também os gastos líquidos de brasileiros no exterior com viagens, que somaram 1,478 bilhão de dólares, ante 1,603 bilhão de dólares em igual mês do ano passado.
A trajetória das contas externas do país tem se deteriorado de maneira mais intensa desde meados de 2013. Esse fator, aliado à inflação e à deterioração fiscal, constitui a principal razão para a crescente desconfiança do investidor externo em relação ao Brasil. Analisando, sobretudo, as contas externas dos países emergentes, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano), divulgou um relatório há algumas semanas apontando quais países estavam em situação mais vulnerável em relação a possíveis turbulências causadas pela retirada dos estímulos. O Brasil foi citado pelo Fed como um dos mais vulneráveis.
Apesar da saída de capital registrada nos últimos meses (em 2013, o fluxo cambial ficou negativo em 12,261 bilhões de dólares), o BC verifica uma leve retomada da entrada de moeda estrangeira no país. Segundo relatório parcial do fluxo cambial de fevereiro, o BC informa que a entrada de dólares superou a saída em 318 milhões de dólares na primeira quinzena do mês. Os ingressos se deram, diz o BC, pela chamada conta financeira, que registra a entrada de investimentos estrangeiros diretos no país. Por Reinaldo Azevedo

GILBERTO CARVALHO - ELE PLANTA A BADERNA, E A POLÍCIA MILITAR DE SÃO PAULO IMPÕE A ORDEM A PEDIDO DO GOVERNO FEDERAL

Reintegração de posse em Itaquera: PMs foram recebidos como de hábito
Reintegração de posse em Itaquera: PMs foram recebidos como de hábito
Se a presidente Dilma Rousseff não tomar cuidado, Gilberto Carvalho leva o seu governo para um buraco ainda mais profundo. Ainda que, no fim das contas, todos eles sejam petistas, não custa lembrar que há aqueles que sonham com a volta de Lula — e Carvalho é um deles. Podem reparar: todas as áreas hoje conflagradas do país passam por sua pasta. Quero aqui tratar do primeiro caso: uma reintegração de posse em São Paulo, executada, por decisão judicial, pela Polícia Militar.
O busílis é o seguinte. Em Itaquera, Zona Leste de São Paulo, foi construído um conjunto habitacional de 940 apartamentos dentro do Programa Minha Casa Minha Vida. Existe um cadastro para a ocupação desses imóveis. Trata-se de uma política pública, e é evidente que, dada a natureza do programa, isso tem de ficar sob o controle do estado. Bem, os imóveis foram invadidos por ditos movimentos de sem-teto, e a Caixa Econômica Federal — aquela que costuma patrocinar alguns blogs sujos que atacam a Polícia Militar de São Paulo —, que administra o programa, recorreu à Justiça pedindo a reintegração de posse, que foi concedida pela Justiça.
Então, leitor! Quando a Justiça manda fazer uma reintegração de posse, a executora da medida é a Polícia Militar, aquela mesma tratada aos tapas por petistas municipais, estaduais e federais. A PM não pode escolher não ir, dar de ombros, mandar o juiz plantar batatas. Foi. E os policiais foram recebidos como de costume: paus, pedras, porrada. E reagiram com os instrumentos legítimos que têm à mão, como bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral — que já são as alternativas mais civilizadas às armas letais. Quem sai mal no retrato? Acaba sendo a PM, não é?, que parece estar lá para esmagar os coitadinhos. O nome da Caixa nem apareceu.
E, agora, o PT e Carvalho
O PT é, originalmente, o grande organizador de movimentos de sem-teto cidades afora — e há alguns grupelhos radicais que escaparam a seu controle. Eles foram, por exemplo, alguns mais ativos militantes em favor da eleição de Fernando Haddad à Prefeitura. Quem, no governo, faz a chamada “interlocução” com esses movimentos sociais? Acertou quem chutou “Gilberto Carvalho”. Na sua pasta, há até uma subsecrataria só para falar com esses “líderes”.
Ocorre que Carvalho não é exatamente um homem que concorre para amenizar ou evitar os conflitos. Ao contrário. Ele os instiga. E foi o que fez na quarta-feira, num seminário no Ministério da Justiça, ao dar estas declarações, conforme registrou a Folha Online.
 fala de Carvalho desordem
Onde estava Carvalho?
Onde estava Gilberto Carvalho no caso da reintegração de posse de Itaquera, pedida pela CEF, que diz respeito a programa do governo federal? Consta que havia três mil moradores lá. Não é o ministro que faz a interlocução com os tais “movimentos sociais”? O homem não deus as caras. Na desocupação do Pinheirinho, no entanto, quando o solicitante não era o Planalto, esse patriota mandou seu braço-direito, Paulo Maldos, fazer proselitismo entre os moradores, instigando o confronto.
É preciso que fique claro que esses movimentos de sem-teto existem para alimentar os… movimentos de sem-teto. Eles se tornaram atravessadores das casas populares. Pessoas igualmente pobres, que aguardam na fila, acabam preteridas porque os “invasores”, recrutados em todo canto, chegam antes.
Quem conhece o movimento por dentro me diz que há “invasores volantes”, isto é, que “moram” em vários lugares. São profissionais da ocupação. O que interessa é sequestrar o maior número possível de imóveis para o “movimento”. Atenção! Esses ditos “líderes”, na cidade de São Paulo, já ganharam o direito de distribuir uma cota de casas entre os seus “filiados”. Trata-se da mais escancarada privatização do bem público.
Quem deveria estar cuidando do assunto, tentando impedir a pistolagem? Gilberto Carvalho. Em vez disso, ele é um incitador.
Proposta a deputadosTenho uma proposta a fazer aos deputados estaduais de São Paulo — os não petistas, claro! Sempre que a PM tiver de fazer uma reintegração de posse solicitada por alguém ente público, um representante desse ente tem de estar presente no local. Mais: durante a operação, um policial fica com um megafone: “Esta operação está sendo realizada por ordem da Justiça, em favor de TAL ORGANISMO”.
O que não dá mais é para continuar esse espetacular show de covardia: Carvalho e seus esquerdistas insuflam os ditos “movimentos sociais”, e a Polícia Militar que se vire e apareça depois no noticiário como truculenta. Por Reinaldo Azevedo

GILBERTO CARVALHO - AS PALAVRAS APARENTEMENTE DOCES DE UM MINISTRO QUE, NA PRÁTICA, QUER RELATIVIZAR A PROPRIEDADE PRIVADA E CASSAR PRERROGATIVAS DA JUSTIÇA

Há tempos vocês perceberam que três ministros da presidente Dilma disputam o meu coração: Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Maria do Rosário (Direitos Humanos) — Ideli Salvatti concorre em outra categoria. Tudo bem pesado, ninguém supera Carvalho no absurdômetro, até porque ele é, tenho de admitir, mais inteligente que a soma dos outros dois e mais poderoso também — é a maior influência no PT depois de Lula. Mais: é o interlocutor de toda a ala vermelha da Igreja Católica — e não me refiro, é claro!, ao sangue de Cristo, para o qual a dita-cuja não dá a menor bola.

Na quarta-feira, como já vimos, Carvalho participou de um seminário no Ministério da Justiça sobre mediação de conflitos. Foi lá que andou exercitando a sua fala perigosa. Censurou o estado brasileiro — o Executivo também, do qual ele próprio faz parte — por cultivar “uma mentalidade que se posiciona claramente contra tudo aquilo que é insurgência”.
Ou por outra: para Carvalho, o bom seria se o estado, ora vejam!, incentivasse a insurgência, entenderam? E ele deixou isso claro! Expressou o seu desconforto com o fato de o governo ser obrigado a tomar medidas com as quais não concorda — aquelas, sabem?, de manutenção da lei e da ordem. Vejam o vídeo com sua fala aparentemente mansa. Volto em seguida.
O vídeo não dá conta do contexto. O encontro que se fazia ali, meus caros, vituperou, entre outras coisas, contra decisões do Judiciário que determinam, por exemplo, a reintegração de posse de áreas privadas invadidas — áreas essas, no mais das vezes, de pessoas que têm títulos legais de propriedade; áreas que, depois de 100, 200 anos, em razão da militância de ONGs, voltam a ser… “indígenas”!
O vídeo deixa claro de que lado está Carvalho: contra os proprietários. A sua proposta, vejam lá, é aumentar a “mediação”. O nome parece bacana. Na prática, o que se quer é igualar “invasor” e “invadido”, de sorte que, entre partes supostamente iguais e legítimas — um para tomar o que é legalmente do outro, e esse outro para se defender do esbulho —, surja o intermediário, que buscará um consenso.
Ora, não é preciso ser muito bidu para perceber que, nessa perspectiva, o proprietário vai apenas saber o tamanho da sua perda. Esse é o homem que Dilma escolheu para negociar com “movimentos sociais”.
Fala mansa
Será que Carvalho sempre fala manso assim? Procurem saber como atuou este senhor e seu braço-direito, Paulo Maldos, na desocupação de uma região chamada chamada Marãiwatséde, em Mato Grosso. O tal Maldos foi o coordenador do grupo de trabalho. Nessa área, havia uma fazenda chamada Suiá-Missú, que abrigava, atenção!, um povoado chamado Posto da Mata, distrito de São Félix do Araguaia. Moravam lá 4 mil pessoas. O POVOADO FOI DESTRUÍDO. Nada ficou de pé, exceto uma igreja — o “católico” Gilberto Carvalho é um homem respeitoso… Nem mesmo deixaram, então, as benfeitorias para os xavantes, que já são índios aculturados. Uma escola que atendia a 600 crianças também foi demolida. Quem se encarregou da destruição? A Força Nacional de Segurança. Carvalho e Maldos foram, depois, para a região para comemorar o feito. Republico este vídeo, que mostra o que restou daquela comunidade.
Nota
A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil emitiu uma nota contra a fala de Carvalho no seminário. Transcrevo a íntegra.
*
É com perplexidade que a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) toma conhecimento, pela imprensa, das manifestações de um ministro de Estado e de um alto funcionário do Ministério da Justiça, desmerecendo o Poder Judiciário brasileiro.
Ao participarem da apresentação de pesquisa sobre conflitos de terra, realizada por uma ONG notória opositora do agronegócio do país, o ministro chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e o Secretário de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, Flávio Caetano, defenderam a mediação como medida mais eficiente para resolver os problemas fundiários, relegando a um segundo plano o papel da Justiça.
Preocupa especialmente a CNA a defesa, por autoridades, da submissão de conflitos de enorme complexidade a mediadores ideologicamente comprometidos, em substituição a magistrados imparciais, protegidos por garantias constitucionais e selecionados com impessoalidade, por meio de rigorosos concursos públicos. O ministro defende a criação de uma escola de mediadores sem esclarecer qual será o currículo e quem serão os professores destes futuros substitutos de juízes.
Por outro lado, a afirmação, presa a dogmas ultrapassados, de que “a velha figura do latifúndio contra o pequeno proprietário continua existindo no país” mostra desconhecimento da realidade do campo. Baseia-se na noção do latifúndio improdutivo, quando é sobremaneira sabido que a propriedade rural brasileira é altamente produtiva e a principal responsável pelo crescimento econômico.
Estas declarações ganham especial relevância neste momento em que o Ministério da Justiça insiste em não dar cumprimento a decisões judiciais de reintegração de posse, em favor de produtores do sul da Bahia que tiveram suas terras invadidas por índios. As liminares concedidas pela Justiça Federal e confirmadas pelo Tribunal Regional Federal da Primeira Região garantem o direito de propriedade. Nestes casos, a crítica do ministro Gilberto Carvalho quanto à inexistência “de posição neutra no aparelho do Estado brasileiro” é contrária à efetividade da Justiça e ao Estado de Direito.
A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) repele firmemente tais aleivosias e contra elas lutará, em defesa da Constituição e da ordem jurídica.
Brasília, 20 de fevereiro de 2014.
Senadora Kátia Abreu
Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)
Por Reinaldo Azevedo

NEPOTISMO CRUZADO, NO CASO DE FREIXO, É POESIA E VIRTUDE, CERTO? OU: ATOS INDECOROSOS!

Ivan Lins e Caetano Veloso no ato de desagravo a Freixo. Não se disse uma palavra de solidariedade à família de Santiago Andrade
Ivan Lins e Caetano Veloso no ato de desagravo a Freixo. Não se disse uma palavra de solidariedade à família de Santiago Andrade
Ah, mas eu estou cada vez mais interessado no senso muito particular de moralidade do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ), aquele flagrado numa estranha e suspeita proximidade com os black blocs e que, para se defender, decidiu gritar: “Conspiração!”. E chamou os socialistas milionários da Zona Sul do Rio para sair em seu socorro, acusando os outros, claro, de reacionários.
Um leitor do Rio me envia um artigo da deputada estadual Cidinha Campos (PDT-RJ), publicado no jornal “O Dia”. Mesmo com tudo o que sei de Freixo, há coisas que eu realmente ignorava, presentes no artigo da deputada. Não sabia, por exemplo, que a mulher de Freixo trabalha no gabinete de um vereador do PSOL do Rio e que, antes, havia trabalhado no de um outro, também do partido. Uma legenda como o PSOL, dados os socialistas da orla, pode ser uma janela e tanto de oportunidades, né? Transcrevo o texto de Cidinha Campos em azul. Volto depois.
Freixo, o intocável
Era previsível a reunião de “desagravo” a Marcelo Freixo. Esquerdistas do Posto 9, humanistas do Leblon e turistas da política em geral gritaram: “Com ele não!!!”. Mas por que não? Todos os homens públicos não estão sujeitos a ter a sua conduta questionada em algum momento da vida? Mas Marcelo Freixo, enfant-gaté da esquerda caviar, não.
Ter dois advogados em seu gabinete, pagos com dinheiro público, trabalhando num instituto que defende black blocs, só seria questionável se o contratante fosse o Bolsonaro. Freixo não! Sem falar nos outros dois advogados na mesma situação exonerados recentemente.
Nepotismo, ainda que cruzado, só é feio quando praticado pelos outros. Freixo não! Sua mulher, Renata Stuart, é funcionária do vereador Renato Cinco (aquele que doou dinheiro para a Sininho), mas já passou pelo gabinete de Eliomar Coelho, todos do Psol. Imagina se fosse o Renan?
Taí um partido generoso com as esposas dos companheiros. A mulher do ex-deputado Milton Temer, Rosane Andrade de Aguiar, que recentemente passou com o marido temporada de três meses em Paris, é empregada no gabinete da liderança do Psol, onde também bate ponto (será?) Cristiane Pena Dutra, esposa do bombeiro Daciolo, aquele que colocou fogo na greve dos bombeiros.
Quando o telhado é do Psol, ninguém pode jogar pedra. O senador Randolfe Rodrigues (AP) — também presente ao “desagravo” a Freixo — foi acusado de receber um mensalinho. Ficou indignado porque saiu no jornal. Mas quando é o Zé Dirceu…
Conheço bem o Freixo. Fui vice-presidente da CPI das Milícias, junto com outros seis companheiros. Eu e minha família fomos ameaçados por Cristiano Girão, hoje preso fora do estado. A imprensa — essa mesma que hoje ele acusa de perseguição — nos ajudou e muito na investigação. Da parte dele, nenhuma palavra de agradecimento.
Estranhei a ausência da deputada Janira Rocha no “desagravo” a Freixo. Depois do escândalo em que meteu, não convinha mesmo dar as caras. No “desagravo”, também não vi manifestações de solidariedade à família de Santiago Andrade. No Facebook do deputado, tem uma declaração formal: “Sinto muito. Minha mulher trabalhou com ele.” E se fosse um policial a ter a cabeça estourada? Ele se solidarizaria? Ou policial só é legal na sua segurança pessoal?
O deputado tem um jeito muito particular de lidar com a democracia e a liberdade de imprensa. Para Marcelo Freixo, a mídia só é boa quando ele é a fonte ou a estrela.
Voltei
O PSOL herdou da nave-mãe, o PT, essa mania de desagravos, abaixo-assinados, essas patacoadas. Basta que seus valentes se vejam sem saída, que não tenham resposta para as coisas óbvias, lá vem um movimento de solidariedade.
Nos anos 1980, ficou famosa uma história do tempo em que Marilena Chaui era uma espécie de Marcelo Freixo da várzea do rio Pinheiros, onde fica o campus principal da USP. A mulher escreveu um livro chamado “Cultura e Democracia” que trazia algumas páginas que eram mera cópia de um livro de Claude Lefort, de quem ela havia sido aluna e amigona. José Guilherme Merquior acusou o plágio? Sabe o que fizeram os esquerdistas da várzea? Um abaixo-assinado contra… Merquior!!! E ainda acusaram “a direita” — sempre ela, coitada! — de estar tentando desautorizar uma grande intelectual. Os fatos quer se danassem.
Assim fizeram os que foram lá emprestar seu apoio a Freixo: os fatos que se danem. Mas eles existem.
FREIXO CIDINHA CAMPOS
Por Reinaldo Azevedo

MINISTRO RELATOR SÓ DECIDIRÁ CASO DE EDUARDO AZEREDO DEPOIS DO EXAME DOS RECURSOS DO MENSALÃO

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, relator do valerioduto mineiro, afirmou na quinta-feira que só tomará uma decisão sobre o futuro da ação penal contra o ex-deputado Eduardo Azeredo (PSDB) depois da conclusão do julgamento dos recursos do Mensalão do PT. ”Só vou divulgar a minha decisão sobre a ação penal que envolve o ex-deputado Eduardo Azeredo após o julgamento, na próxima semana, da ação penal 470 (do mensalão). Não gostaria que houvesse qualquer superposição entre os dois casos”, afirmou Barroso. O tucano renunciou ao mandato de deputado federal na quarta-feira. Como consequência, Azeredo perdeu o direito ao foro privilegiado, prerrogativa que os parlamentares têm de serem julgados apenas pelo Supremo. A tendência é que a ação de Azeredo seja remetida do Supremo para a Justiça Federal de Minas Gerais. Ministros do Supremo avaliam que, na atual fase do processo, a renúncia do tucano não configuraria uma manobra para adiar o julgamento. No início do mês, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a condenação do agora ex-deputado federal a 22 anos de prisão pelos crimes de peculato (desvio de dinheiro público) e lavagem de dinheiro. Janot comparou a situação do tucano à do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, condenado no processo do Mensalão do PT.

DITADOR FASCISTA ESQUERDOPATA NICOLÁS MADURO ABRE PROCESSO PARA TIRAR REDE CNN DO AR

O ditador fascista esquerdopata Nicolás Maduro ameaçou nesta quinta-feira bloquear o sinal da CNN caso a emissora americana não "corrija" sua programação que, segundo ele, tenta mostrar que há uma guerra civil em curso no país. "Eu pedi para a ministra Delcy Rodríguez, da Comunicação, notificar a CNN de que iniciamos o processo administrativo para tirá-los da Venezuela caso eles não retifiquem sua programação", declarou Maduro: "Eu estava agora mesmo assistindo a CNN. Nas 24 horas do dia, sua programação é de guerra. Eles querem mostrar ao mundo que na Venezuela há uma guerra civil". Este não foi o primeiro percalço enfrentado pela emissora americana desde o início dos protestos contra Maduro. Na terça-feira, o correspondente da CNN no país foi roubado por motociclistas com armas de grosso calibre, segundo o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa. Na ocasião, foram levadas câmeras, equipamentos de transmissão e os telefones do jornalista. A diplomacia venezuelana lançou uma ofensiva contra as críticas dos Estados Unidos e de países vizinhos à repressão às manifestações contra a ditadura fascista esquerdopata venezuelana.

ESTUDANTE BRASILEIRA É PRESA EM PROTESTOS E SERÁ JULGADA PELA DITADURA DA VENEZUELA

A estudante brasileira Emiliane Coimbra, de 21 anos, residente da cidade de Puerto Ayacucho, Estado do Amazonas, na Venezuela, será julgada pela Justiça da ditadura venezuelana, acusada de participação em protestos na cidade. Ela chegou a ser detida na última terça-feira por 24 horas. Emiliane foi presa porque segurava cartazes com frases de protesto contra o governo, a escassez de alimentos e a violência. A estudante contou que, quando foi presa, estava sozinha com os cartazes, em frente à loja de seu irmão, porque os amigos haviam saído de perto dela. A jovem foi levada para a 52ª Brigada de Infantaria de Selva, e passou a noite no local. Ela foi atendida pelo serviço consular do Brasil, mas os soldados receberam a ordem de mantê-la detida para uma audiência. Após a audiência, ela foi posta em liberdade, sob custodia tutelar. Ela não pode, portanto, deixar a cidade, e deve se apresentar periodicamente ao tribunal, enquanto o julgamento final não ocorrer. Emiliane disse que resolveu protestar pelas dificuldades que está vivendo no país. "Moramos aqui há 15 anos. Mas está faltando tudo por aqui, pior do que mostram em Caracas. Não se acha sabonete para comprar, não se acha comida. Faz tempo que eu não tomo leite, porque não chega aqui", queixou-se. A estudante também reclama da violência. "Aqui tem muitos assaltos, entram dentro da casa da gente. Já assaltaram minha casa assim", relata. Mas a estudante foi orientada a não protestar mais.

TERMINA PRIMEIRO DIA DO JULGAMENTO DE NOVOS RECURSOS DO PROCESSO DO MENSALÃO DO PT

O Supremo Tribunal Federal encerrou a sessão de julgamento dos novos recursos do processo do Mensalão do PT. A análise será retomada na próxima quarta-feira, com os votos dos ministros. A sessão desta quinta-feira foi destinada às sustentações orais dos advogados de defesa e à acusação, feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Todos os advogados de defesa pediram absolvição de seus clientes pelo crime de formação de quadrilha. O advogado do ex-ministro José Dirceu, José Luís Oliveira, afirmou não há provas no processo que confirmem a prática do crime. Arnaldo Malheiros Filho, advogado do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, argumentou que houve equívoco na condenação e "banalização" da acusação por formação de quadrilha. O advogado Luiz Fernando Pacheco utilizou os mesmos argumentos das defesas de Delúbio e Dirceu para defender o ex-presidente do PT, José Genoino. Para o advogado, os réus se reuniram em torno de um projeto político, e não para praticar crimes, o que caracterizaria coautoria no crime de corrupção ativa. A defesa dos ex-dirigentes do Banco Rural, José Roberto Salgado e Katia Rabelo, também negou as acusações. Nesta fase do julgamento, os ministros decidem se os condenados que tiveram quatro votos pela absolvição no crime de formação de quadrilha, durante o julgamento principal em 2012, poderão ter as condenações revistas. Todos os recursos julgados são referentes ao crime de formação de quadrilha. Os infringentes de outros réus que contestam a condenação por lavagem de dinheiro não foram incluídos na pauta e deverão ser julgados na semana que vem. Dirceu cumpre pena de sete anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto e, se os recursos forem rejeitados, poderá cumprir dez anos e dez meses no regime fechado. Genoino foi condenado a seis anos e 11 meses, mas cumpre inicialmente quatro anos e oito meses. Delúbio foi condenado à pena total de oito anos e 11 meses e cumpre seis anos e oito meses.