sexta-feira, 11 de outubro de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA RUSSA LIBERA EXPORTAÇÃO DE CARNE DE SEIS FRIGORÍFICOS BRASILEIROS

O Serviço Federal de Vigilância Sanitária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) liberou nesta sexta-feira seis frigoríficos brasileiros para a exportação de carne bovina. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a informação foi publicada no site oficial do órgão russo. Agora, o ministério aguarda o comunicado oficial das autoridades russas para permitir os embarques de mercadoria às empresas liberadas. O Ministério da Agricultura destacou em nota que o titular da pasta, Antônio Andrade, atribuiu as liberações às ações do ministério e do setor privado nacional no atendimento aos requisitos russos. A Rússia é o segundo maior importador da carne bovina brasileira, atrás apenas de Hong Kong. Para mantê-la como mercado, o Brasil tem optado por adequar-se às exigências sanitárias do país, que são mais rigorosas do que as locais. Os seis estabelecimentos autorizados pertencem às empresas JBS e Marfrig e ficam em São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

DILMA DISCURSA PELA VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DE VIDA

Na inauguração de quatro unidades de educação infantil na cidade gaúcha de Novo Hamburgo, a presidente Dilma Rousseff disse que toda a sociedade deve valorizar o magistério e que investir nas creches e pré-escolas é atacar a raiz da desigualdade. “Um país não chega a ascender à educação de qualidade sem professores qualificados e sem que toda a sociedade, não somente o governo, dê status ao professor, que implique remuneração adequada e reconhecimento integral ao papel do professor”, afirmou. O discurso da presidente ocorreu em meio a crianças que lotaram o ginásio da Escola Municipal Eugênio Nelson Ritzel, que fica do lado de uma das quatro creches que passarão a funcionar no município. Segundo Dilma, o caminho para a educação, que receberá mais dinheiro com a destinação de 75% dos royalties do petróleo do pré-sal para investimentos na área, passa pelo fornecimento de condições para que as pessoas saiam da miséria e também pela aposta em uma sociedade do conhecimento. “Todas as pessoas que participaram dos programas de transferência de renda têm saída sustentada da miséria se dermos a elas acesso a educação. A educação conduz a uma economia baseada na agregação de valor ao conhecimento, e não simplesmente no trabalho ou na atividade econômica”, disse Dilma.

GOVERNO AUMENTA PARA 25 ANOS PARA PRAZO DE ARRENDAMENTO DE PORTOS

O governo Dilma decidiu aumentar o prazo de concessão dos portos de Santos e do Pará para 25 anos, prorrogável por igual período. Inicialmente, o prazo para o arrendamento variava entre dez e 25 anos, de acordo com a área. Segundo o ministro da Secretaria Especial de Portos, Antônio Henrique Pinheiro Silveira, a mudança foi feita após consulta pública sobre o tema. “A questão foi muito debatida e o governo achou interessante fazer essa adequação para fins de um trabalho mais continuado dos terminais, por um prazo um pouco maior”, explicou. No total, serão licitadas 29 áreas, nove em Santos e 20 no Pará. O investimento previsto nos dois terminais é R$ 5,4 bilhões. Os estudos para a concessão dos portos de Santos e do Pará foram entregues nesta sexta-feira ao Tribunal de Contas da União pela ministra-chefe da Casas Civil, Gleisi Hoffmann. Esses são os primeiros estudos de arrendamento de portos sob o novo marco regulatório que foi aprovado no primeiro semestre pelo Congresso Nacional. A licitação deve ocorrer ainda neste ano, de acordo com a previsão do governo.

JUSTIÇA IMPEDE MONSANTO DE IMPOR CONDICIONANTES PARA ENTREGA DE SOJA TRANSGÊNICA NO MATO GROSSO

A Justiça de Mato Grosso concedeu liminar impedindo a Monsanto do Brasil de impor condicionantes à entrega da soja transgênica Intacta no Estado. A liminar dada pelo juiz Alex Nunes de Figueiredo, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá,  concedeu na quinta-feira antecipação de tutela em ação ajuizada pelo Sindicato Rural de Sinop (MT). A multa será R$ 400 mil para cada vez que a empresa descumprir a decisão. A decisão vale para todo o Estado de Mato Grosso e foi divulgada nesta sexta-feira. O sindicato entrou com uma Ação Civil Pública questionando as condições exigidas pela empresa para comercializar a semente aos agricultores, entre elas o pagamento de royalties. Com a decisão a empresa terá que suspender o Acordo de Licenciamento de Tecnologia e Quitação Geral e o Acordo de Licenciamento de Tecnologia impostos aos produtores que compraram a semente e também não poderá exigi-los em futuras comercializações. "O sindicato constatou que os acordos tinham irregularidades, entre elas obrigava o produtor a reconhecer que expirou a patente de uma semente e exigia que o produtor renunciasse ao direito de cobrar na Justiça o que a empresa recebeu indevidamente por uma outra semente. Com a liminar, a Monsanto vai ficar impedida de impor outras cobranças além da aquisição da tecnologia. Na verdade, o que eles chamam de acordo são contratos impostos ao produtor no momento da aquisição das sementes", explicou o advogado do Sindicato Rural de Sinop, Orlando César Júlio. Este ano, a Monsanto lançou a semente Intacta (RR2), soja transgênica patenteada pela multinacional, para ser comercializada na safra 2013/2014 no País. A soja modificada é resistente às lagartas, principalmente as do gênero helicoverpa, que vem atacando lavouras em diversos Estados e tem gerado prejuízos aos agricultores.

BANCÁRIOS DE SÃO PAULO ACEITAM PROPOSTA DOS BANCOS E ENCERRAM GREVE

Os bancários de São Paulo, Osasco e região decidiram, em assembléia na noite desta sexta-feira, aceitar a proposta de reajuste salarial oferecida pelos bancos e encerrar a greve iniciada há 23 dias. A decisão vale para os trabalhadores dos bancos particulares, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. A volta ao trabalho está programada para a segunda-feira. A proposta aprovada eleva para 8% (com aumento real de 1,82%) o índice de reajuste salarial. Também foi aprovada a oferta de reajuste de 8,5% do piso salarial (ganho real de 2,29%) e de 10% no valor fixo da regra básica e sobre o teto da parcela individual da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A proposta também eleva de 2% para 2,2% o lucro líquido a ser distribuído linearmente na parcela adicional da PLR. As negociações feitas na quinta-feira com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) durararam 16 horas. A compensação dos dias parados será feita de segunda a sexta-feira, até 15 de dezembro, com uma hora extra. O fim da greve no sindicato bancário mais forte do País acompanhou as decisões tomadas no decorrer do dia, em especial pelas agências de bancos privados no interior dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e do Rio de Janeiro, que fizeram assembleias pela manhã, e já funcionaram normalmente no resto do dia.

COMÉRCIO DO RIO DE JANEIRO DIVULGA NOTA DE APOIO À LEI QUE PUNE ATOS DE VANDALISMOS EM MANIFESTAÇÕES

O comércio do Rio de Janeiro, por meio da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), divulgou nota de apoio a utilização de recursos legais duros contra praticantes de atos de vandalismo, promovidos por grupos de mascarados, de roupa preta e usando máscaras contra gás, identificados como black blocs, que atuaram nas recentes manifestações de protesto. Desde junho, os comerciantes do Rio de Janeiro estão entre os mais prejudicados pela ação de manifestantes violentos, que impedem a abertura de lojas, depredam instalações, atacam vitrines e estoques e afugentam a clientela. Segundo a Fecomércio, o setor apoia a aplicação para casos de vandalismo, da Lei de Associação Criminosa, sancionada em agosto último, que passou a vigorar em meados de setembro. A nova lei prevê pena de três a oito anos de prisão para praticantes de crimes ou atos violentos que forem flagrados em grupos de três ou mais pessoas, podendo chegar a até 12 anos em caso de emprego de arma de fogo ou envolvimento de menores. "Nos últimos tempos, as manifestações populares ganharam uma faceta mais agressiva com a entrada em cena dos chamados black blocs, que deixam um rastro de violência e destruição. É preciso tomar cuidado com avaliações precipitadas do tamanho do prejuízo para o comércio, até porque as manifestações ainda estão ocorrendo e suas consequências são imprevisíveis. O que podemos dizer sem medo de errar é que os custos para o empresário do comércio vão muito além de vitrine quebrada ou da loja saqueada", disse o presidente da Fecomércio-RJ, Orlando Diniz.

ADVOCACIA DO SENADO DIZ ESTAR MANTIDA SUSPENSÃO DA COBRANÇA DE VALORES EXTRAS DE SERVIDORES

A advocacia do Senado reiterou nesta sexta-feira que considera suspensos os efeitos da decisão do Tribunal de Contas da União, que determinou a devolução dos valores extras pagos a servidores da Casa que ganham acima do teto constitucional. Em nota, a advocacia citou os artigos do Regimento Interno do Tribunal de Contas da União e da Lei Orgânica do tribunal que prevêem efeitos suspensivos quando há pedido de revisão da decisão interposto pelo Ministério Público. Na quinta-feira, mesmo depois de o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), confirmar o corte de salários e a devolução imediata das quantias extras na folha de pagamento deste mês, o primeiro-secretário da Mesa Diretora do Senado, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), e o segundo-vice-presidente da Casa, Romero Jucá (PMDB-RR), conseguiram convencer Renan de que o Senado não precisava acatar a determinação que, segundo eles, está suspensa. O Tribunal de Contas da União reiterou que a decisão continua valendo e o prazo de 30 dias para que seja cumprida está em curso.

GERALDO ALCKMIN DIZ QUE NÃO IRÁ SE INTIMIDAR POR AMEAÇA DE GRUPO CRIMINOSO

O governado de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse nesta sexta-feira que não irá se intimidar diante da ameaça contra ele de uma organização criminosa que age no Estado. Segundo matéria do jornal O Estado de S.Paulo, divulgada nesta sexa-feira, interceptações telefônicas mostram que, pelo menos desde 2011, a facção Primeiro Comando da Capital (PCC) planeja matar o governador. “Os bandidos dizem nas escutas telefônicas obtidas pelo jornal que as coisas ficaram mais difíceis para eles. Pois eu quero dizer que vai ficar muito mais difícil ainda. Nós não vamos nos intimidar. É nosso dever zelar pelo interesse público, lutar contra a criminalidade. Vamos fortalecer ainda mais o regime disciplinar diferenciado, penitenciárias de segurança máxima”, disse o governador em Mirassol (SP). “Nós temos as mais fortes penitenciárias do País aqui no Estado de São Paulo. Os índices de criminalidade estão em queda, exatamente por esse trabalho. E ele vai ser fortalecido para proteger a população”, acrescentou. As informações obtidas pelo jornal fazem parte de uma grande investigação feita pelo Ministério Público do Estado de São Paulo. A investigação resultou na denúncia de 175 pessoas por participação em organização criminosa e na acusação da prática de crime de formação de quadrilha armada para o tráfico de entorpecentes, crimes contra o patrimônio e contra a vida de agentes públicos, além da aquisição, posse e manutenção de armas de fogo. De acordo com o Ministério Público, as circunstâncias descritas nas denúncias e os elementos de prova colhidos só poderão ser divulgados caso seja retirado o sigilo de Justiça decretado no processo. O Ministério Público pediu a prisão preventiva de todos os denunciados. A Justiça, no entanto, indeferiu a solicitação e o Ministério Público recorreu da decisão.

ODEBRECHT NÃO FICOU CHATEADO

Devido ao encontro com Lula, no Palácio da Alvorada, para tratar de eleição, Dilma deixou o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, esperando por quase três horas, na quinta-feira. O empresário deixou o Palácio do Planalto apressadamente e negando que tenha ficado chateado de ter passado horas à espera da presidente. E nem poderia. A Odebrecht é uma das empresas mais favorecidas por um governo na história deste País. Tem todas as vantagens aqui no Brasil e ainda tem Lula como lobista lá fora, naquelas obras financiadas pelo BNDES em Cuba, Venezuela e países africanos. Por isso, é uma grande doadora de campanhas do PT. Com certeza, não faltou a Marcelo Odebrecht com quem conversar, enquanto esperava a presidente praticamente licenciada do posto e em plena campanha eleitoral. Aliás, é notório que a Odebrecht desejaria que fosse Lula em 2014, e não Dilma. As coisas fluiriam mais, digamos assim, naturalmente... (CoroneLeaks)

INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA EM SÃO PAULO DENUNCIA 175 BANDIDOS TERRORISTAS DO PCC, FACÇÃO CRIMINOSA PRETENDIA MATAR O GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN

O Ministério Público Estadual de São Paulo terminou, após três anos e meio de investigações, o maior mapeamento da história do crime organizado no País. Os promotores do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) reuniram provas inéditas sobre o retrato da maior facção criminosa do Brasil. Foram denunciados 175 integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e a Justiça pediu a internação de 32 presos detidos, em Presidente Venceslau, no Regime Disciplinar Diferenciado. O Ministério Público estadual flagrou toda a cúpula da facção atuando no crime organizado. Os bandidos controlavam de dentro do presídio 90% da facção criminosa do Estado de São Paulo. Eles ordenavam assassinatos, encomendavam armas e toneladas de cocaína e maconha. Também planejavam atentados contra policiais militares e autoridades e planos de resgate de presos. As investigações também revelaram, por meio de interceptações telefônicas, que o PCC também planejou matar o governador Geraldo Alckmin. Atuando em 22 Estados e em três países (Brasil, Bolívia e Paraguai), o bando fatura cerca de R$ 8 milhões por mês com o tráfico de drogas e outros R$ 2 milhões com sua loteria e com as contribuições feitas por integrantes. Segundo as investigações, o bando tem um arsenal de uma centena de fuzis em uma reserva de armas e R$ 7 milhões enterrados em partes iguais em sete imóveis comprados pela facção.

PCC MANTÉM ATIVA ORDEM PARA MATAR ALCKMIN; LEIA E OUÇA DIÁLOGO EM QUE O PCC MANDOU VOTAR NO PT

O PCC tem seus afetos e seus desafetos. Do governador Geraldo Alckmin, por exemplo, o partido do crime não gosta. E agora fica claro que a organização mantém ativa a ordem de matar o governador. E já mandou, em 2006, que seus aliados votassem no PT, mais especificamente em José Genoino. Leiam o que vai no Estadão Online. Volto depois.

Por Marcelo Godoy:
O Primeiro Comando da Capital (PCC) decretou a morte do governador Geraldo Alckmin. Interceptações telefônicas mostram que pelo menos desde 2011 a facção planeja matar o governador de São Paulo. O Estado teve acesso ao áudio de uma interceptação telefônica na qual um dos líderes do PCC, o preso Luis Henrique Fernandes, o LH, conversa com dois outros integrantes da facção. O primeiro seria Rodrigo Felício, o Tiquinho, e o segundo era o integrante da cúpula do PCC, Fabiano Alves de Sousa, o Paca. A conversa ocorreu no dia 11 de agosto de 2011, às 22h37. Paca questiona os comparsas sobre o que deveriam fazer. Em seguida, manda seus comparsas arrumarem “uns irmãos que não são pedidos (que não são procurados pela polícia) e treinar”. O treinamento para a ação seria para fazer um resgate de presos ou para atacar autoridades. No meio da conversa, surge a revelação. LH diz que o tráfico de drogas mantido pela facção está passando por dificuldades. E diz: “Depois que esse governador (Alckmin) entrou aí o bagulho ficou doido mesmo. Você sabe de tudo o que aconteceu, cara, na época que ‘nois’ decretou ele (governador), então, hoje em dia, Secretário de Segurança Pública, Secretário de Administração, Comandante dos vermes (PM), estão todos contra ‘nois’.” Em escutas recentes, a ordem de matar o governador foi novamente mencionada por membros do PCC.
Voltei
Agora vamos ver o dia em que o PCC mandou votar no PT.  José Genoino, então candidato ao governo de São Paulo, recorreu à Justiça para tentar tirar do ar o texto que vai abaixo, publicados por VEJA na edição de 16 de agosto de 2006 e reproduzidos na VEJA.com. Na campanha eleitoral de 2006, o PSDB não levou ao horário eleitoral gratuito as gravações. Bem, é dispensável dizer que eu as teria levado, sim! Afinal, Lula acusava o governo de São Paulo de não cuidar direito da segurança pública. E que se lembre: 2006 foi o ano em que o PCC praticou atentados terroristas em São Paulo. 
*
Desde o primeiro ataque massivo do PCC em São Paulo, espalhou-se a notícia da existência de gravações telefônicas que revelariam uma suposta ligação da máfia dos presídios com políticos do PT. VEJA teve acesso a uma série de diálogos entre membros da organização criminosa, interceptados pela polícia, contendo referências ao PT e ao PSDB. Neles, fica evidente a simpatia do PCC pelo PT, bem como a aversão da organização pelo PSDB (foi na gestão tucana, em 2003, que o estado de São Paulo implantou em alguns presídios o temido RDD – Regime Disciplinar Diferenciado, que prevê isolamento rigoroso e é odiado pelos detentos). Nenhuma das conversas às quais VEJA teve acesso, no entanto, comprova a existência de elo entre o PT e o PCC.
“É XEQUE-MATE, SEM MASSAGEM”
Conversa entre dois integrantes não identificados do PCC interceptada às vésperas de um dos ataques em São Paulo
A: A chapa esquentou pra nóis, hein, irmão.B: Por quê?A: Olha o salve do dia aqui. Geral aqui, que eu acabei de pegar com o Cara Branca: “Todos aqueles que são civil, funcionário e diretores e do partido PSDB: xeque-mate, sem massagem. E todos os irmãos que se (incompreensível) será cobrado com a vida. Salve geral, dia 12/6?. Peguei ele meio-dia.B: Fé em Deus. Você tá aí na quebrada, irmão?A: Tô aqui na quebrada. Vem pra cá que nós vamos puxar esse bando. Eu vou arrumar um menino bom pra nóis derrubar esse baguio aí, tio.B: Então, é o seguinte, irmão: vou ver se dá pra mim ir hoje praí.A: Então, se não der, arruma umas ferramentas (armas) aí. Nem que seja uns oitão. Pra gente juntar o baguio aí e sair no bonde aí.B: Tá. Firmeza
“É PRA ELEGER O GENOINO”
Maria de Carvalho Felício, a “Petronília”, então mulher de José Márcio Felício, ex-líder do PCC, transmite ao preso José Sérgio dos Santos, a quem chama de “Shel”, orientação repassada por um líder da organização sobre as eleições de 2002 
Maria de Carvalho Felício: Ele mandou uma missão pro Zildo (piloto-geral de Ribeirão Preto). Vamos ver se o Zildo é capaz de cumprir.José Sérgio dos Santos: Tá bom. Você quer passar pra mim ou dou particularmente pra ele?Maria: Não, não. Ele quer festa (ataques) até a eleição. E é pra eleger o Genoíno. E, ser for o caso, ele vai pedir pro pessoal mandar as famílias não irem nas visitas pra votar, entendeu? Ele falou que um dia sem visita não mata ninguém. Ele falou: “Fica todo mundo sem visita no dia da eleição pra todo mundo votar pro Genoíno”.Santos: Não, mas isso… Acho que todo mundo… A maioria das mulher de preso… Vai votar no Al? Nunca.Maria: Então, é pra pedir isso. Se, por exemplo, a mulher vai, daí a mãe, a irmã tudo vota pro Genoíno. Se só a mulher que vota, então essa mulher não vai na visita e vota no Genoíno. É pra todo mundo ficar nessa sintonia: Genoíno.Santos: E é dali que vem, né?Maria: Isso. É o (incompreensível)Santos: Tá bom.Maria: Tá bom, então?Santos: Tô deixando assim um boa-tarde aí. Se cuida agora. Vai descansar.
Arremato
Por que o PCC quer matar Alckmin e manda votar em petistas? Os bandidos devem ter seus motivos. Abaixo, segue o link em que vocês podem ouvir as gravações. Peço moderação nos comentários. Para ouvir a gravação, clique aqui. Por Reinaldo Azevedo

AINDA A CENSURA: OU - PARA QUE SERVER OS ARTISTAS? OU AINDA: HÁ COISAS QUE NÃO SÃO NEM DE DIREITA NEM DE ESQUERDA. SÃO APENAS ERRADAS E INÚTEIS

Caetano black bloc
Escrevi ontem um post sobre a defesa que artistas estão fazendo da censura, ainda que tentem emprestar à sua tese roupagem mais nobre. Mas fui adiante. Critiquei a mania que há no Brasil de considerar o artista um pensador, seja ele cantor, escritor, pintor… Sou, já disse, um defensor radical das garantias dos Artigos 5º e 220 da Constituição. Cada um diga e escreva o que quiser e responda por isso. Precisamos, isto sim, é de uma Justiça mais célere para desagravar quem for eventualmente agravado. Não dá é para flertar com a censura. Muita gente reclamou, acusando-me, o que é estúpido e absurdo, de querer impedir a manifestação dos artistas. Quem sabe ler entendeu direito o que escrevi: disse apenas, neste particular, que um artista vale por sua arte, não por suas opiniões. O que há de tão exótico ou de errado  nisso?
Temos outra mania ainda: chamar compositor de MPB de “poeta”. Muitas vezes, o bardo em questão rima de modo obsessivo verbos no infinitivo, não lhe ocorrendo nenhum outro recurso mais, como direi?, complexo. Vira “poeta” por causa de sua “mensagem” libertadora… Literatura, prosa ou poesia, é língua cultivada. Demanda labor. É produto, sim, da cultura mais lapidada, como qualquer outro domínio da estética. Ainda que o artista saiba esconder, com diria Olavo Bilac (lá vou eu citar alguém injustamente demonizado pelos modernistas), os “andaimes do edifício”, quem se dedica a interpretar o que ele faz dá-se a uma fruição que não é mero exercício do gosto ou da satisfação. Também apela à inteligência.
Então não pode haver um grande artista popular sem cultivo intelectual? A resposta não é simples. Pode e não pode. Mas explico o paradoxo. O grande achado na arte popular costuma ser a reprodução, quase sempre acidental, de um valor cultivado pelas elites intelectuais. Estas apreciam, e não vai demérito nenhum nisto, menos a “verdade” que chega do povo do que o valor influente entre seus iguais. Vamos de Cartola:
Queixo-me às rosas,/
Mas que bobagem!/
As rosas não falam./
Simplesmente as rosas exalam/
o perfume que roubam de ti.
Cartola tinha ouvido, claro!, daí as assonâncias nas paroxítonas: “bobagem/ falam/ exalam” (a rima final tem menos importância no ritmo do que aquela repetição). Mas, parece, o encantador da letra está mesmo na desmetaforizaçãoà moda Alberto Caeiro, que Cartola, é bem provável, desconhecia (ao menos quando a compôs):
Mas as flores, se sentissem, não eram flores,
Eram gente;
E se as pedras tivessem alma, eram coisas vivas, não eram pedras;
E se os rios tivessem êxtases ao luar,
Os rios seriam homens doentes.
As rosas não falam, e as flores não sentem. É a desconstrução do clichê, do senso comum e da literatice que chama a atenção do esteta tanto num texto como no outro, muito mais do que os sentimentos que evocam. Ama-se em Cartola um valor que pertence às elites cultivadas e chega a parecer espantoso que tenha sido um homem do povo a realizar tal feito. Mesmo a valorização por que passou o lixo estético do rap nos segundos cadernos e nos programas “inclusivos” da TV aberta — penso, Deus do céu!, em Regina Casé (aquela que foi estatizada pela CEF…) — tem muito pouco a ver com as verdades soberbas do povo — até porque povo não é categoria de pensamento, não é categoria política, não é categoria estética, não é categoria sociológica, não é categoria ética… A rigor, o povo é uma abstração, não existe como coisa em si. Existem as pessoas, estas sim! Convertê-las em “povo” corresponde a lhes surrupiar uma identidade em nome de um conceito que pode confortar apenas o pensador de plantão. Adiante! O que se valoriza no rap?
A rima? O ritmo? A melodia? A língua cultivada? O quê? A resposta é uma só: quase invariavelmente, o que se aprecia naquela “coisa” é o simulacro de luta de classes, a luta contra a injustiça, a verdade eterna dos oprimidos — ou que nome se queria emprestar ao troço. Eis aí: esse é um valor “popular”? Uma pinoia! Quem atribui virtudes redentoras a esses apelos são intelectuais (subintelectuais, quase sempre) de classe média e das elites. Gente pobre e honesta, com raras exceções, dá valor ao trabalho, ao estudo, à luta para subir na vida. Povo gosta de competição. Quem fala em luta e cooperação entre iguais é submarxista do miolo mole, que, no mais das vezes, já veio ao mundo com o traseiro voltado para a lua… 
Mas retomo
Sinto que me distanciei um tantinho da questão, me empolguei com aspectos particulares do debate. Retomo o fio. Artistas não têm de ser tomados como pensadores. Até porque se pode ser ou injusto com a obra ou irresponsável com o pensamento. A visão política de Ezra Pound era detestável, mas não a sua poesia. Céline e Wagner eram antissemitas asquerosos, mas importam a literatura de um e a música do outro. Fernando Pessoa era uma besta política e se mostra, a cada dia, um poeta maior. Todos esses entrariam na cota dos “reacionários”. Máximo Gorki era um pulha de esquerda, mas um bom escritor. A ideologia supervalorizou a obra de Gabriel García Márquez e puniu estupidamente o imenso Jorge Luis Borges.
Cada um deles, como artista, deve valer apenas por aquilo que produziu no domínio de sua obra. E nenhum deles deve ser visto como uma referência de leitura de mundo. Eram poetas, prosadores, músicos etc. Sei o quanto apanhei quando afirmei que Niemeyer era metade gênio (o arquiteto) e metade idiota (o ser político). Só corrijo uma coisa: era um inteiro gênio e um inteiro idiota. Foi uma gritaria dos diabos. Nota: tomei pancada tanto de quem achava que ele era gênio nos dois domínios como de quem o considera idiota (e autoritário) em ambos. O que eu fazia ali? Atrevia-me, diante do morto, a lembrar todas as coisas estúpidas que  já havia afirmado em política: da defesa dos crimes de Stálin ao apoio às Farc, Niemeyer viveu o bastante para endossar as piores barbaridades. Mas eu admiro profundamente a sua obra. Mais do que atacá-lo, eu, de fato, estava reivindicando que o domínio da estética fosse preservado de sua ética política capenga — para dizer o mínimo. Os furiosos partiram, com estupidez impressionante, para cima de mim.
Caetano Veloso, Roberto Carlos, Chico Buarque, Milton Nascimento… À sua maneira (Roberto bem menos), foram tomados como “pensadores” do Brasil. E eles são apenas cantores, compositores… É até possível que nem se deem conta do tamanho de sua irresponsabilidade.
Para encerrar
Um tonto afirmou, imaginem só!, que tentei “censurar” (o sentido das palavras anda cada vez mais esvaziado) o discurso de Luiz Ruffato em Frankfurt. Não poderia nem que quisesse. Já foi feito, os ecos já estão em toda parte. Errado! Eu disse que não gostei. Eu o considerei demagógico, desinformado e fora do lugar. Convidaram um escritor para falar e se ouviu a voz, malgrado as suas intenções, de um político equivocado. O problema principal do discurso de Ruffato é que a política saiu rebaixada porque ele não tem um domínio competente do assunto, e a literatura, que é a sua área, perdeu uma chance de se firmar como fala autônoma. A minha restrição nada tem a ver com o viés, se de direita, se de esquerda. Há coisas que não são nem uma coisa nem outra; são apenas erradas e inúteis. De resto, um dos maiores autores de todos os tempos, Paulo (o apóstolo), já disse a coisa definitiva: há o tempo de falar como menino e o tempo de falar como gente grande. Por Reinaldo Azevedo

ACORDÃO PODERÁ RESULTAR NA CONFIRMAÇÃO DE VALTER NAGELSTEIN NA PRESIDÊNCIA DO PMDB DE PORTO ALEGRE

Informa o jornalista Políbio Braga - "Acordão poderá resultar na confirmação de Valter Nagelstein na presidência do PMDB de Porto Alegre - Até a tarde desta sexta-feira, apenas a chapa liderada pela vereadora Lourdes Sprenger foi registrada para a disputa pelo cargo de novo presidente do PMDB de Porto Alegre. As outras quatro possíveis chapas discutem entre si a montagem de um só chapão, as conversações são difíceis e no entanto existe a possibilidade de acordo. Os principais líderes do PMDB envolvem-se na costura, entre eles o deputado federal (licenciado, para tratamento de saúde) Mendes Filho Filho, o ex-prefeito José Fogaça e o vice-prefeito Sebastião Melo. É possível que o acordo resulte na confirmação do nome do atual presidente, o vereador Valter Nagelstein".
COMENTO - Sucessões no PMDB são sempre assim..movem-se alguns índios no pátio da taba, mas alguns caciques dentro de uma oca fazendo o grande acerto. Terão esses caciques desistido de seu plano geral, que era "recuperar a imagem" de Luiz Fernando Zachia, e levá-lo à presidência do diretório municipal de Porto Alegre? Com qual argumento? Com o argumento de que ele não é culpado de nada, não tem condenação transitada em julgado, portanto, é presumivelmente inocente, nos termos constitucionais, do que é acusado nos processos em que é réu, na Operação Rodin e na Operação Concutare. Chegou a ser montada uma verdadeira operação limpa-imagem para fazer Zachia presidente do diretório municipal da capital gaúcha, o que o ajudaria em sua candidatura a deputado estadual no próximo ano. O PMDB do Rio Grande do Sul, depois de décadas de estrito controle por uma meia dúzia de caciques, chegou a um ponto de quase total esvaziamento de figuras públicas. Na última eleição, conseguiu reunir escassas 12 pessoas dispostas a concorrer a deputado federal. E elegeu uma bancada de apenas 4 deputados federais. Isso foi em 2010. No ano seguinte, um desses deputados federais teve seu nome inscrito no Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidadde Administrativa e Inelegibilidades. Portanto, da atual bancada, apenas dois deputados federais titulares do mandato estarão em condições de concorrer novamente: Osmar Terra e Darcisio Perondi. O deputado federal Eliseu Padilha está no exercício do mandato no lugar de Mendes Ribeiro Filho, que se afastou por licença médica para se tratar de um câncer no cérebro, e não deverá concorrer mais. Se decidir concorrer novamente (já havia dito que estava encerrando a carreira de parlamentar), ao menos não teria agora que enfrentar a concorrência de cria sua. O presidente do PMDB no Rio Grande do Sul, deputado estadual Edson Brum, diz que está correndo todo o Estado para recrutar candidatos a deputado federal e formar uma grande nominata. Mas, lideranças novas não são recrutadas assim, de uma hora para a outra. Provavelmente o partido terá apenas uma pequena legião de candidatos com votação de mediana para pequena, e cumprirão a tarefa de ajudar os mesmos nomes já consagrados na difícil campanha da reeleição. Já Valter Nagelstein é candidato a deputado estadual. E até separou um feudo para tentar se eleger: são as cidades da Zona da Campanha. No diretório municipal de Porto Alegre, continua valendo aquela história do técnico Feola, da Seleção brasileira, na Copa de  de 1958. Quando ele insistia em dizer no vestiário como os jogadores iriam ganhar da Rússia, com Garrincha driblando toda a defesa, o eterno anjo das pernas tortas perguntou, de maneira completamente singela: "Professor, já combinaram isso com os russos?"  A eleição do diretório municipal do PMDB de Porto Alegre está marcada para o próximo dia 19. Na última terça-feira houve um debate entre chapas (pela metade). Záchia foi até a sede do partido, mas não chegou a ficar no auditório onde estavam perto de 100 pessoas. Preferiu ficar recolhido na sala da diretoria.

NOVA DIVISÃO DE TEMPO DE TV DÁ PROTAGONISMO A PROS E SOLIDARIEDADE

Plenário da Câmara Federal em Brasília


 
PARTIDONOVA BANCADA*TEMPO DE TV*
PT8603'03''26
PMDB
71
02'34''02
PSD
49
01'51''13
PSDB
49
01'51''13
PP
40
01'33''54
PR
31
01'16''04
PSB
27
01'08''25
Solidariedade
23
01'00''45
DEM
21
00'56''55
PTB
19
00'52''65
Pros
18
00'50''70
PDT
14
00'42''91
PCdoB
14
00'42''91
PSC
13
00'40''96
PV
11
00'37''06
PRB
8
00'31''21
PPS
6
00'27''31
PTdoB
4
00'23''41
PSOL
3
00'21''46
​Demais
6
03'58''31
TOTAL51325min​​
Fonte: Câmara dos Deputados e TSE / *sujeito a alterações
Os dois novos partidos aprovados pela Justiça Eleitoral nasceram com peso relevante para definir a batalha das campanhas presidenciais no rádio e na TV, em 2014. O Solidariedade e o Partido Republicano da Ordem Social (Pros) somaram, até a manhã desta quarta-feira, 41 deputados. Juntos, os parlamentares que as siglas conseguiram arregimentar devem render um ativo de quase dois 2 minutos de tempo de propaganda eleitoral para negociação de alianças – o que coloca as siglas como vedetes já assediadas por PT e PSDB para formar coligações. A soma entre as legendas, ainda sujeita a alteração, é de 1 minuto e 51 segundos. A cota do Solidariedade é a maior entre as novas legendas: pouco mais de 1 minuto. O partido nasceu independente, segundo o seu principal articulador, o deputado Paulinho da Força, egresso do PDT. Apesar de ter sido alvo de flerte da situação, o Solidariedade possui evidentes inclinações a fechar com a oposição à presidente Dilma Rousseff – sobretudo com o senador Aécio Neves (PSDB-MG) como candidato do PSDB. O tempo que o Solidariedade tem a oferecer à candidatura aecista supera o do mais leal aliado dos tucanos nas últimas eleições nacionais, o DEM, que deve ficar com 56 segundos. Sozinhos, os tucanos possuem 1 minuto e 51 segundos. O rumo do Pros, tudo indica, será o contrário do Solidariedade. O partido recebeu adesões de grupos políticos que sustentam a candidatura de Dilma, como os irmãos Cid e Ciro Gomes, do Ceará, que abandonaram o PSB e o projeto de candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos – agora apoiado pela ex-senadora Marina Silva, que não conseguiu registrar a Rede Sustentabilidade. O Pros possui mais exposição no rádio e na TV do que partidos que controlam ministérios no governo Dilma. A sigla soma 50 segundos ante 42 segundos do PDT (Ministério do Trabalho) e outros 42 segundos do PCdoB (Ministério dos Esportes) – tradicional aliado petista. O Pros desidratou a bancada do PSB, levando principalmente deputados com base na Região Nordeste, e deixou o partido de Campos e Marina Silva com somente 1 minuto e 8 segundos de parcela no horário eleitoral, a menor exposição entre as principais pré-candidaturas ao Palácio do Planalto. O PT manteve a liderança do tempo de TV com folga: quase 3 minutos e 3 segundos. O partido perdeu apenas um parlamentar, o deputado Domingos Dutra, que pretendia integrar a Rede, mas terminou no Solidariedade. O PMDB segue de perto o aliado de chapa presidencial, com 2 minutos e 34 segundos. Juntos os partidos garantem a Dilma 5 minutos e 37 segundos, até aqui, o maior tempo de propaganda.
O site de VEJA fez a projeção de como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) dividirá o tempo de propaganda entre os partidos com base na lei eleitoral. Para chegar a essas minutagens, a reportagem usou como referência o registro de troca partidária disponível no site da Câmara dos Deputados até as 10h desta quarta-feira. A simulação, porém, ainda pode mudar ligeiramente. Os parlamentares ainda podem comunicar a troca de partido à Secretaria-Geral da Mesa do Legislativo, e as legendas têm até a segunda semana deste mês para enviar a lista oficial de filiados ao TSE. O tribunal, por sua vez, não deu previsão de quando a tabela definitiva será publicada. O plenário só decidiu a divisão dos 30 minutos de propaganda nas eleições municipais do ano passado doze dias antes de os filmes começarem a ser veiculados na TV. Nas eleições para presidente e deputados, o tempo é de 25 minutos por bloco. De acordo com a legislação, o espaço no horário eleitoral gratuito de 2014 será proporcional ao tamanho da bancada na Câmara conquistada nas eleições de 2010. Para partidos recém-criados, como o caso do Solidariedade e do Pros, o TSE deve fazer valer novamente a decisão que favoreceu o PSD no ano passado. O PEN está sem representantes na Câmara para contagem do tempo de TV.
Precursor – O partido do ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab obteve vitória no Supremo Tribunal Federal (STF) e criou um precedente para a mudança na interpretação da lei das eleições: a corte decidiu que as siglas novas – que não participaram do último pleito para a Câmara – terão sempre tempo de TV proporcional à quantidade de deputados que filiou até trinta dias depois de sua criação, os chamados parlamentares fundadores. O STF também deu ao PSD direito a parcela do Fundo Partidário de maneira proporcional ao tamanho de sua bancada. Apesar de, desde 2011, ter perdido onze dos 51 deputados federais fundadores, o PSD ainda deve manter o direito sobre 49 deles, para efeito de contagem do tempo de rádio e TV. Isso deve ocorrer porque nove dos deputados fundadores entraram em legendas que já existiam antes deste ano, o que não permite a "portabilidade de votos", segundo o TSE. A bancada kassabista tem atualmente quarenta parlamentares. Dos que saíram, Ademir Camilo (MG) foi para o Pros, e Armando Vergílio (GO), para o Solidariedade. A possível manutenção de controle do PSD sobre o tempo de TV proporcional referente aos noves deputados "infiéis" deixa o partido entre os mais cobiçados para o palanque eletrônico. O PSD terá 1 minuto e 51 segundos, mesmo tempo do PSDB. Os correligionários de Kassab asseguram ter "independência" no Congresso Nacional e intenção de fechar acordo com Dilma Rousseff, que presenteou a legenda com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Kassab mantém boas relações com o PSB, de Eduardo Campos, mas diz que apoiará Dilma.