quinta-feira, 20 de junho de 2013

DILMA ROUSSEFF ESTÁ FURIOSA; PRINCIPAL ALVO É GILBERTO CARVALHO; PRESIDENTE MARCA REUNIÃO DE EMERGÊNCIA. “CARDOSO, CADÊ VOCÊ? CONSULTO O NOTICIÁRIO SÓ PRA TE VER!!!”

Dilma Rousseff está furiosa. Muito brava mesmo! E sua fúria tem um alvo em particular no palácio. Seu nome é Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência. É ele que tem uma secretaria só para “dialogar” com os movimentos sociais. Como não previu nada disso? Pois é. Talvez seja o caso de indagar se Carvalho está mesmo insatisfeito, não é? Fica para mais tarde. A presidente convocou uma reunião de emergência para eta quinta-feira, às 9 horas, com os principais ministros e assessores. Como esquecer? Na quinta-feira passada, quando o pau comia em São Paulo, José Eduardo Cardozo, o Garboso, ofereceu, cinicamente, ajuda a Geraldo Alckmin por intermédio da imprensa. Em vez de ligar para o governador, preferiu fazer firula. Talvez tenha sido, até agora, a figura mais irresponsável da crise. Dois dias depois, não contente, concedeu outra entrevista atacando Alckmin. Agora o pau come em Brasília. Cardozo desapareceu. É o caso de perguntar: a quem o ministro da Justiça deve pedir ajuda? Ainda bem que a Constituição faculta o emprego das Forças Armadas! Falarei sobre esse climão de madrugada. Dilma acha também que estão tentando destruir o seu governo, mas atribui à incompetência daqueles que o cercam o acirramento da crise. Não vê motivos para que as coisas tenham chegado a esse ponto. Mais tarde, vou explicar para a presidente como se chega a isso. Os “inteliquituais” do PT vão acabar por confundi-la. Como eu torço para que ela perca a eleição — se é que vai mesmo ser a candidata do partido —, então posso lhe falar a verdade. Por Reinaldo Azevedo

COMISSÃO DA ASSEMBLÉIA PAULISTA DIZ QUE VICE GOVERNADOR AFFIF DOMIGOS COMETEU INFRAÇÃO GRAVE

Quatro dos cinco integrantes da Comissão de Ética de São Paulo julgaram nesta quinta-feira que o acúmulo de cargos do vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), configura uma "grave infração" e decidiram enviar o parecer para análise do Ministério Público Estadual. O colegiado já havia resolvido que enviaria o documento para a Assembleia Legislativa, que já avalia se Afif deve manter ou perder o cargo de vice-governador. Um dos conselheiros, o ex-desembargador Kazuo Watanabe, discordou da decisão por julgar que a questão envolvendo o vice-governador é de cunho político e jurídico, saindo do arco de competências da Comissão de Ética. Afif é acusado de acumular funções depois de ter sido nomeado ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa do governo da presidente Dilma Rousseff.

UMA QUINTA-FEIRA DE MANIFESTAÇÕES E ENFRENTAMENTOS COM A POLÍCIA EM QUASE TODO O PAÍS

Como parte dos protestos que tomam todo o Brasil, mais de 60 mil manifestantes se reuniram nesta quinta-feira nos arredores da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Um grupo tentou se dirigir ao Palácio do Planalto. O Batalhão de Choque da Polícia Militar fez um cordão de isolamento na rua para impedir o deslocamento do grupo até a sede do Poder Executivo. No início da noite, houve um princípio de tumulto, com um grupo de manifestantes usando rojões contra os policiais, que revidaram com bombas de gás lacrimogênio. Em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, depois de reunir mais de sete mil pessoas na noite de quarta-feira, os manifestantes de Nova Friburgo novamente foram para as ruas pedir mais atenção do poder público municipal. A concentração aconteceu na Praça Dermeval Barbosa Moreira às 17h e, em seguida, seguiram em passeata pela Rua Farinho Filho, com destino à Câmara de Vereadores. Segundo a Polícia Militar, de 500 a 800 manifestantes participaram dessa caminhada. A manifestação em Cuiabá reuniu cerca de 30 mil pessoas. Os manifestantes se reuniram na Praça Alencastro por volta das 17 horas, em frente à prefeitura de Cuiabá, e seguiram em passeata em direção à Assembleia Legislativa, na região do Centro Político e Administrativo. A manifestação em Cuiabá transcorreu de forma pacífica em todo o trajeto. Com cartazes, faixas e bandeiras do Brasil, o grupo percorre as principais avenidas da região central de Cuiabá. O comércio fechou as portas à medida que a manifestação avançava e os funcionários dos estabelecimentos aderiam à passeata. A cada quilômetro de passeata, mais pessoas se juntavam à massa popular gritando palavras de ordem e cobrando melhorias nas áreas de saúde, educação e transporte coletivo. A manifestação também cobra o fim da corrupção no país. Este é o terceiro ato de protesto realizado em Cuiabá esta semana. Em Lages, na Serra Catarinense, a chuva não atrapalhou os manifestantes. Por volta das 17 h desta quinta-feira já havia grupos em frente à Catedral, no Centro. Alguns levaram guarda-chuvas outros se protegeram com capas. Antes do inicio dos protestos, o Hino Nacional foi cantado por centenas de pessoas. Aos poucos a praça ficou lotada. A Polícia Militar confirmou que cerca de 8 mil pessoas participaram do protesto. Os manifestantes organizaram cartazes, faixas, bandeiras e alguns utilizaram máscaras ou pintaram a cara. Conforme os manifestantes, a intenção de todos era protestar contra os gastos excessivos, corrupção, além de reivindicar melhores condições de saúde, educação e segurança. Eles protestaram também contra as obras inacabadas na cidade, contra o monopólio de empresas de ônibus, transparência nos gastos da prefeitura, principalmente na Festa do Pinhão, valorização do funcionalismo público e aumento no número de vereadores. Em Porto Velho, os manifestantes iniciaram a caminhada nesta quinta-feira na praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, por volta das 17 horas. Em Sorocaba, 20 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, participavam no início da noite desta quinta-feira de uma manifestação por melhorias no transporte coletivo, tarifa zero e contra a corrupção dos políticos. Foi a maior manifestação já ocorrida na cidade. O comércio da região central também fechou as portas mais cedo. Cerca de 60 mil manifestantes foram às ruas do centro de Manaus rumo à Arena da Amazônia, segundo a Polícia Militar. Entre as reivindicações, os manifestantes pediram por melhorias na qualidade do transporte público, saúde, além da redução da tarifa de ônibus, que desencadeou os protestos em todo o País. A concentração aconteceu na Praça da Matriz, próximo ao cartão postal da cidade, o Teatro Amazonas. Em São José dos Campos (SP), manifestantes fecharam os dois sentidos da Via Dutra, por volta das 18h15, no trecho de São José dos Campos (SP). Eles invadiram a rodovia na altura do km 149, sentaram-se no chão e depois cantaram o Hino Nacional. Em seguida marcharam pela rodovia paralisada, a maior do País. Segundo a Polícia Militar, na rodovia Geraldo Scavone, que liga São José dos Campos a Jacareí, moradores do bairro do Rio Comprido queimaram pneus interditando a estrada. De acordo com a PM, a situação foi controlada. Em Cruzeiro, manifestantes chegaram em frente a prefeitura por volta das 18h40. Cerca de três mil manifestantes participam do ato que seguiu pacificamente, segundo a Polícia Militar. Além da PM, a Guarda Municipal também reforça a segurança no local. Em Guaratinguetá, os protestos também seguem tranquilamente em direção à Câmara. Cerca de duas mil pessoas participam do movimento. A Polícia Militar segue acompanhando o protesto. Em Lorena, o ato também está chegando ao fim segundo a PM. Cerca de 100 pessoas participaram do ato. Em Cachoeira Paulista, o protesto seguiu de forma tranquila e reuniu cerca de 500 pessoas. Em Pindamonhangaba, 150 pessoas estão na Praça da Cascata e seguem para a prefeitura.

EM CURITIBA, MANIFESTANTES PEDIRAM O FIM DAS CONTAS SECRETAS DA PREFEITURA

Nem a chuva que caiu durante toda a quinta-feira em Curitiba e a redução em 15 centavos na tarifa, feita pelo prefeito Gustavo Fruet (PDT), de R$ 2,85 para R$ 2,70, evitaram que um grupo de aproximadamente três mil manifestantes fizessem uma passeata pelas ruas centrais da cidade em protesto contra a corrupção política, o preços das tarifas do transporte público, a falta de transparência da URBS, autarquia que gerencia o transporte na capital paranaense. Os grupos caminharam em direção à Prefeitura. O grupo partiu da Boca Maldita, mas em seguida se dividiu. Uma ala portava bandeiras de partidos políticos e movimentos diversos. Para esta sexta-feira está prevista uma nova manifestação, às 18 horas, com saída da Praça Rui Barbosa, o maior terminal urbano da cidade. Sem um itinerário divulgado, os dois grupos seguiram em direção à Prefeitura. A PM e a Guarda Municipal não acompanharam os manifestantes, mas mantinham agentes infiltrados, segundo o comando da corporação. Durante a passeata vários cartazes faziam alusões à Copa do Mundo. Em um deles lia-se "Queremos um Brasil com padrão Fifa".

SUZANE RICHTHOFEN VOLTA A PEDIR AO SUPREMO A PROGRESSÃO DE REGIME PARA O SEMIABERTO

A defesa de Suzane von Richthofen entrou com novo pedido no Supremo Tribunal Federal para tentar a progressão do regime fechado de prisão para o semiaberto, quando é possível deixar o presídio durante o dia para trabalhar, ou o cumprimento da pena em um centro de ressocialização. O pedido foi protocolado na semana passada e distribuído para o ministro Marco Aurélio Mello. Até esta quinta-feira, o magistrado não decidiu sobre o pedido de liminar (decisão provisória) a favor de Suzane. Atualmente na Penitenciária de Tremembé (SP), ela está presa desde 8 de novembro de 2002 pelo assassinato de seus pais, no dia 31 de outubro daquele ano, junto com os irmãos Cravinho. Quatro anos depois do crime e quando já estava presa, Suzane foi condenada a 39 anos em presídio de segurança máxima em regime fechado. Desde 2009, ela tenta mudar o regime de cumprimento da pena, mas teve pedidos rejeitados por diversos tribunais. O próprio Supremo chegou a negar um pedido de progressão feito em 2010. Em abril, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça negou, por unanimidade, pedido de Suzane para mudar de regime. A defesa de Suzane argumenta que a condenada está "sofrendo constrangimento ilegal" em razão da decisão tomada pelo STJ. O advogado Denivaldo Barni, informa no documento, que, em 2006, "especialistas firmaram pareceres conclusivos de que ela tem o perfil para cumprir a pena em centro de ressocialização". No entanto, aponta a defesa. ela foi para um presídio de segurança máxima. Barni afirma que o próprio Ministério Público já opinou para que Suzane vá para centro de ressocialização.

FUNDO GÁVEA COMPRA 10,7% DE PARTICIPAÇÃO NA ENERGISA

O GIF IV Fundo de Investimento em Participações, administrado pela Gávea Investimentos, comprou uma participação de 10,72% no capital da Energisa, empresa que tem cinco distribuidoras de energia e está disputando a compra do controle do Grupo Rede Energia. A Energisa informou nesta quinta-feira que a participação foi adquirida do acionista minoritário FIP da Serra, que passa a ter 8% de participação na companhia, sem informar o valor da transação. O GIF IV também terá direito à eleição de um membro no Conselho de Administração da companhia. O controladora da empresa Gipar, da família Botelho, mantém participação de 67,5% na empresa. A aquisição ocorreu enquanto a Energisa disputa a compra do controle e de ativos do endividado Grupo Rede Energia, depois que a sua parceira, a paranaense Copel, desistiu da disputa. O atual controlador do Grupo Rede, o empresário Jorge Queiroz Jr., assinou compromisso de venda do controle à CPFL e Equatorial Energia em dezembro de 2012, mas Copel e Energisa pediram que sua proposta fosse considerada na assembleia de credores no início de junho e receberam apoio parcial. A Energisa está reformulando a proposta inicial apresentada pelo Grupo Rede depois que a Copel desistiu da disputa e não descarta parceiros para levar adiante o plano de compra da companhia. A empresa tem que apresentar o plano aprovado pelo Grupo Rede em assembleia de credores marcada para 3 de julho.

DÓLAR DISPARA DE NOVO, SOBE 1,71% E FECHA A R$ 2,2580

A moeda norte-americana avançou 1,71%, encerrando a R$ 2,2580 no mercado à vista do Banco Central nesta quinta-feira. Trata-se do mais elevado patamar desde 1º de abril de 2009, quando foi negociada a R$ 2,28. Neste ano, o dólar atinge ganho de 10,5%. Desde 29 de maio, quando o ministro da Fazenda, Guido Mantega, comentou que não estava preocupado com a alta do dólar, a moeda registrou valorização de 9%. Mesmo promovendo pela manhã um leilão de swap cambial tradicional, equivalente à venda de dólares no mercado futuro, no qual gastou cerca de US$ 3 bilhões, a cotação chegou a encostar em R$ 2,28 antes do meio-dia, o que levou a instituição a adotar outro mecanismo de política monetária. Por meio de uma ferramenta chamada de leilão de venda de dólares com recompra futura ou leilão de linha, o Banco Central fez intervenções que não interferem no montante das reservas internacionais. Já utilizado no ano passado, o leilão de linha é uma espécie de empréstimo de dólares remunerados com taxa prefixada próxima do nível do juro básico (Selic) projetado para o período. Em duas operações, o Banco Central emprestou US$ 3 bilhões nessa forma alternativa ao preço de venda de R$ 2,26, o valor do momento no mercado, sob compromisso de recompra de parte em 3 de setembro a R$ 2,2905 e o restante em 1º de outubro por R$ 2,30. Ou seja, os juros nas operações serão de 1,35% nos primeiros contratos e de 1,77% nos demais.

SUPREMO LIBERA TRAMITAÇÃO DE PROJETO QUE INIBE A CRIAÇÃO DE PARTIDOS

O Supremo Tribunal Federal autorizou nesta quinta-feira a retomada da tramitação do projeto de lei que inibe a criação de partidos políticos. De autoria do deputado Edinho Araújo (PMDB-SP), o texto impede a destinação de valores extras do Fundo Partidário e de tempo maior de rádio e de TV a legendas recém criadas que receberem parlamentares de outros partidos. O andamento do projeto foi suspenso no Senado em abril por decisão provisória do relator, ministro Gilmar Mendes. Ele entendeu que o projeto era casuístico e ia de encontro ao que o Supremo decidiu no ano passado, em processo que beneficiou o PSD. Segundo o ministro, a proposta objetiva excluir da disputa eleitoral do ano que vem a Rede Sustentabilidade, articulada pela ex-senadora Marina Silva. Com a decisão, o Senado poderá iniciar os debates sobre o projeto já aprovado na Câmara. O julgamento foi retomado com o voto da ministra Cármen Lúcia. Ela aderiu à maioria formada nas últimas três sessões pelos ministros Teori Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello. Eles entendem que o Supremo não pode fazer limitação prévia de projeto de lei por meio de mandado de segurança. Para Cármen Lúcia, esse controle só deve ser admitido em casos extremos. No mérito, ela também rejeitou os argumentos sobre possíveis inconstitucionalidades no texto. "O Congresso discutir livremente um tema que é de sua competência não é situação de insegurança jurídica", ponderou. Para o presidente da Corte, Joaquim Barbosa, os insatisfeitos com o texto devem aguardar a promulgação para só depois acionar o Supremo. "A antecipação desse debate não tem cunho jurídico, mas político, pela tentativa de se ter constrangimento público. A Corte Suprema não foi pensada para albergar pretensões desse tipo", analisou. Celso de Mello aderiu à minoria, formada por Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Para ele, se o Supremo pode retirar leis de circulação, também pode intervir em projetos de lei flagrantemente inconstitucionais desde a origem. O Supremo Tribunal Federal encerrou mais cedo o expediente em razão das manifestações programadas para esta tarde em Brasília. Em comunicado emitido por ordem do presidente Joaquim Barbosa, o Supremo determinou a interrupção dos trabalhos às 17horas. Durante a sessão, os ministros Gilmar Mendes e Luiz Fux bateram boca em plenário, no momento em que o decano da Corte, Celso de Mello, dava seu voto. O ministro Luiz Fux interrompeu Celso de Mello, que proferia seu voto há mais de uma hora e meia. Ele se queixou do fato de Gilmar Mendes, relator do projeto, ter falado que há "ignorância" de quem afirmou que o Supremo nunca congelou a análise de projeto em curso no Congresso Nacional. Fux reagiu e disse que existe uma "falta de tolerância" com o posicionamento diverso dos ministros. Ele disse que cada um tem uma visão do processo. "A ignorância seria de quem?", questionou. "Ah, Vossa Excelência não queira me interpelar!", rebateu Gilmar Mendes. "Não se trata de interpelar. Mas não vou admitir que Vossa Excelência diga que eu tenho agido com ignorância. Eu posso entender que a ignorância reside exatamente, em um sistema de constitucionalidade como é o nosso, admitir através de mandado de segurança o controle da constitucionalidade material das leis. Então, eu repudio, se a mim se refere esse adjetivo", treplicou Luiz Fux. O ministro Celso de Mello contemporizou a discussão e disse não ter visto na manifestação de Gilmar Mendes "nenhum juízo de censura a essa Egrégia Corte".

OPORTUNISTAS DO PT E SEUS CONGÊNERES FORAM ESCORRAÇADOS DA MANIFESTAÇÃO NO RIO DE JANEIRO

A manifestação no centro do Rio de Janeiro teve um momento de tensão no encontro entre participantes e grupos filiados a partidos políticos e entidades, que portavam bandeiras da União da Juventude Socialista (UJS), do PSTU e da União Nacional dos Estudantes (UNE), tudo braços do PT. Manifestantes soltaram cinco morteiros no local onde os grupos portavam as bandeiras e todas foram baixadas. Durante a discussão, enquanto pessoas gritavam para que as bandeiras da UJS, do PSTU e da UNE fossem baixadas, os membros dessas entidades e partidos contra-argumentavam com frases como "sem fascismo" e "democracia". A discussão só acabou com a explosão dos morteiros, quando as bandeiras partidárias foram baixadas.

PREFEITOS DE QUATRO MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDUZEM O PREÇO DAS PASSAGENS DE ÔNIBUS

O prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso, anunciou nesta quinta-feira a redução no preço das passagens de ônibus do município e nas cidades vizinhas de Nova Iguaçu e Belford Roxo, todas situadas na Baixada Fluminense. Volta a vigorar o valor de R$ 2,65, que era cobrado em abril nas três localidades, contra os R$ 2,80 atuais. A medida passa a valer a partir desta sexta-feira. As passagens haviam sido majoradas em 5,66%. A decisão foi tomada com os prefeitos Nelson Bornier, de Nova Iguaçu, e Dennis Dauttmam, de Belford Roxo, em decorrência das manifestações de protesto contra o reajuste das passagens, registradas em todo o país. “As cidades estão em sintonia com a população. Não dá para dizer que a situação da educação e da saúde está boa. O povo está reclamando com razão”, disse Cardoso. No município de Maricá, na Baixada Litorânea do Rio de Janeiro, o prefeito Washington Quaquá decidiu anular o decreto que reajustava as tarifas de ônibus. Elas caem de R$ 2,90 para R$ 2,70. Segundo ele, a redução no preço é um passo importante na busca por mudanças estruturais na área do transporte. Quaquá disse que a mobilização da prefeitura por reformas profundas no setor terá continuidade nesta sexta-feira com um ato público “Contra o monopólio do transporte coletivo”, que ocorrerá no centro de Maricá. Segundo o prefeito, o monopólio é exercido há décadas por uma única empresa. O prefeito anunciou ainda a criação da Maricá Trans. Trata-se da companhia que abrigará uma empresa municipal de ônibus. O projeto começou a ser desenvolvido há 90 dias. A prefeitura antecipou a compra de dez veículos do total de 25 que circularão pelo município. A expectativa é que sejam entregues no prazo de 60 dias, e comecem a rodar a partir de agosto. O investimento na compra dos ônibus atinge R$ 10,5 milhões. O valor da tarifa deverá ficar em torno de R$ 2,00.

PROTESTO EM ARIQUEMES, EM RONDÔNIA, TEVE CERCA DE 2.000 MANIFESTANTES

De acordo com a Polícia Militar de Ariquemes (RO), cerca de duas mil pessoas participam de protestos, nesta quinta-feira, por melhorias na educação, saúde, fim da corrupção e obras paradas no Estado. O protesto começou em frente à Escola Heitor Villa Lobos e seguiu pelas avenidas Tancredo Neves, Canaã, Rua Acácia, Avenida Jamari terminando na Praça da Vitória. O hino nacional e o de Rondônia foram cantados pelos manifestantes. A manifestação seguiu pacífica durante todo o trajeto.

PROTESTOS PACÍFICOS EM JOÃO PESSOA E CAMPINA GRANDE, NA PARAÍBA

Em cerca de quatro horas de protestos na capital paraibana, João Pessoa, os manifestantes percorreram aproximadamente 6,5 quilômetros pelas ruas da cidade. O grupo passou pela Lagoa do Parque Solon de Lucena, pela praça João Pessoa, onde ficam os prédios do Palácio da Redenção, sede do Governo do Estado, Assembleia Legislativa do Estado e do Tribunal de Justiça da Paraíba, a partir desse ponto o protesto retornou e seguiu em direção a avenida Epitácio Pessoa, uma das principais vias da capital. No início do protesto, a Polícia Militar estimava um número de 10 mil pessoas, mas ao longo do trajeto mais pessoas foram se juntando à manifestação e segundo o secretário Executivo da PMPB, a contabilidade da Polícia foi de aproximadamente 22 mil pessoas participando da mobilização. Em Campina Grande o protesto começou por volta das 16h30 e seguiu pelas principais ruas da cidade. A manifestação passou pelo Parque do Povo, local onde estão sendo realizados as principais apresentações do Maior São João do Mundo. Os manifestantes tentaram entrar no Parque do Povo e foram impedidos pela polícia. Depois o protesto seguiu pela rua João Moura, também de forma pacífica.

ITAMARATY FOI ATACADO E INVADIDO POR VÂNDALOS

Fuzileiros navais se encontravam aquartelados, no interior do Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, não tentaram impedir a invasão do prédio porque não conseguiram contactar um almirante que os comanda. Os manifestantes perceberam que o Itamaraty estava vulnerável e tentaram invador o prédio. A Polícia Militar do Distrito Federal, que em princípio não poderia substituir os fuzeileiros navais nessa tarefa, foi obrigada a usar uma entrada lateral do prédio do Itamaraty para impedir a invasão. A brigada de vândalos dos manifestantes passaram a atirar pedras e rojões contra os policiais militares, e conseguiram depredar o Palácio itamaraty.

CÂMARA DE SANTA MARIA APROVA AUMENTO DE SALÁRIO DO PREFEITO CEZAR SCHIRMER

A Câmara de Vereadores de Santa Maria, em uma sessão extraordinária na tarde desta quinta-feira, aprovou o reajuste de salário do prefeito Cezar Schirmer, do vice-prefeito e dos secretários municipais em 5,83% retroativos a março de 2013. Os servidores municipais ativos e inativos também receberam reajuste de 5,83%. O prefeito, que recebia R$ 20 mil passa a receber R$ 21mil por mês. Os vereadores de Santa Maria perderam a noção de realidade.

MANIFESTAÇÃO EM CAMPO GRANDE TOMOU TODA A AVENIDA AFONSO PENA

Manifestantes começaram a se concentrar na praça do Rádio Clube, região central, em Campo Grande, por volta das 16 horas. Cerca de duas horas depois, pelo menos 10 mil pessoas participavam do protesto, segundo estimativa da Polícia Militar. A maioria chegava em grupos e portava cartazes. Eles gritavam palavras de ordem e também o hino nacional. Nas primeiras horas do protesto não foram registrados enfrentamento com a polícia e a marcha ocorre de forma pacífica. Assim que escureceu, parte do grupo começou a ocupar a avenida Afonso Pena, principal via da cidade. A passeata começou em meio aos carros. A via já estava fechada em alguns trechos pela polícia de trânsito e os manifestantes acabaram ocupando os dois lados da avenida.

PEDRO ABRAMOVAY, O CHEFÃO DO SITE AVAAZ E UM MIMO DA ESQUERDA, AVISA: "O BRASIL É NOSSO"

Pedro Abramovay, vocês sabem, é o chefão no Brasil da organização internacional de petições chamada “Avaaz”. Ele já deixou claro que só ficam no site as petições com as quais o grupo concorda. O rapaz é advogado, ex-secretário nacional de Justiça e prosélito entusiasmado de várias causas. As mais notórias são a descriminação de todas as drogas e uma mudança de tratamento ao chamado “pequeno traficante”. Pedro e seus pedretes resolveram mandar um e-mail aos associados do site Avaaz em defesa da petição que pede que a PEC 37 seja rejeitada. A PEC 37 é aquela que impede o Ministério Público de fazer investigações. Atenção! Eu também acho que ela tem de ser rejeitada. Mas vamos ver como Pedrinho usou o seu bodoque para convocar os seus (texto segue em vermelho). Volto depois.
"Caros amigos do Brasil,
Após tanto descaso, abusos de poder e ineficiência das nossas instituições políticas, o povo está tomando o país de volta. Mas para esse movimento construir um país melhor, precisamos vencer alguns desafios, a começar pela PEC37, uma proposta de emenda constitucional que quer tirar do Ministério Público os seus poderes de investigação, o que pode levar o Brasil a uma era ainda mais sombria de corrupção e impunidade. Clique abaixo e assine:
A rua é do povo! E o Brasil é nosso! Milhares foram marchar ontem. Os políticos nos observam com medo e espanto. Eles não entendem que há um novo Brasil surgindo. Um Brasil que é nosso e somos nós que vamos decidir o que fazer com ele. O preço do ônibus pode subir sem diálogo com a população? Talvez no passado, agora não pode mais — nesse momento os governadores e prefeitos de várias cidades do país estão anunciando a redução das tarifas em coletivas de imprensa. A polícia pode abusar da sua força para reprimir protestos pacíficos e sair impune? Não, se não permitirmos – balas de borracha são mais fracas do que a voz do povo. Nós, brasileiros, agora decidimos virar o jogo: somos nós, cidadãos, que decidiremos o que os políticos e as instituições públicas farão e não o contrário. Essa é a nova democracia que nasceu do povo para o povo. Dentro de alguns dias, a PEC37 será votada no Congresso — se passar, colocará uma mordaça no sistema de defesa público, barrando a investigação de políticos corruptos. Vamos contra-atacar — os políticos estão com um pé atrás agora e se fizermos barulho suficiente poderemos impedí-los e mostrar que a era de abuso político e impunidade acabou. Junte-se agora e espalhe para todos: http://www.avaaz.org/po/petition/Convencer_senadores_a_rejeitarem_a_PEC_372011_que_limita_o_poder_de_investigacao_do_Ministerio_Publico/?bZKBNeb&v=26093 Essa PEC é um erro. Alguns dos maiores escândalos de corrupção em nosso país só vieram à tona por causa das ações do Ministério Público. No entanto, a nova lei pretende retirar todo o seu poder e legitimidade para investigar práticas de corrupção e os abusos policiais e colocar essa responsabilidade nas mãos da polícia. Com a polícia recebendo ordens dos mesmos políticos que deveriam investigar, como é que vamos saber se escândalos não serão abafados? Estes protestos começaram como uma forma de expressar a frustração com as tarifas de transporte, mas se tornaram algo muito maior. Agora eles são protestos para mostrar aos nossos políticos que eles devem nos prestar contas – quando decidem gastar dinheiro com a Copa do Mundo ao invés de educação, quando passam orçamentos sem transparência, ou quando enviam a polícia para reprimir manifestantes pacíficos que estão exercendo seus direitos democráticos. O movimento que está começando agora tem o potencial para remodelar a nossa democracia para melhor, mas só se nos juntarmos e garantirmos que ele oferecerá as verdadeiras reformas que nós precisamos, começando com uma rejeição da PEC 37. Assine agora e compartilhe com os outros: http://www.avaaz.org/po/petition/Convencer_senadores_a_rejeitarem_a_PEC_372011_que_limita_o_poder_de_investigacao_do_Ministerio_Publico/?bZKBNeb&v=26093 O Brasil está mudando. Estamos construindo a nação que queremos para nossos jovens, nossos filhos e netos. Juntos, nossa comunidade ajudou a trazer essa realidade mais próxima de nós com a aprovação da Ficha Limpa, pressionando os políticos por mais transparência e muito mais. É emocionante ver o que está ao alcance de nossas mãos quando nos unimos. Com esperança e determinação, Pedro, Diego, Carol, Nadia, Ian, Luis, Ricken e toda a equipe da Avaaz
Voltei
É evidente que se está a cuidar aqui de algo mais do que de um simples site de petições. O doutor montou um grupo de militância política. Leiam isto: “A rua é do povo! E o Brasil é nosso! Milhares foram marchar ontem. Os políticos nos observam com medo e espanto. Eles não entendem que há um novo Brasil surgindo. Um Brasil que é nosso e somos nós que vamos decidir o que fazer com ele”. De que “nós” fala Pedrinho? “Ah, Reinaldo, mas eles estão contra a PEC 37.” Eu sei. Em tempos um tanto confusos, pessoas que pensam as piores coisas podem dizer e defender pautas episodicamente positivas. Essas são algumas das reivindicações de um manifesto feito pelos nazistas. Quem não concorda com essas coisas? Leiam. Volto em seguida.
(…)
11. A supressão dos rendimentos a que não corresponda trabalho ou esforço, o fim da escravidão do juro;
12. Levando-se em conta os imensos sacrifícios em bens e em sangue derramado que toda guerra exige do povo, o enriquecimento pessoal graças à guerra deve ser qualificado de crime contra o povo. Exigimos, portanto, a recuperação total de todos os lucros de guerra;
13. Exigimos a nacionalização de todas as empresas (já) estabelecidas como sociedades (trustes);
14. Exigimos participação nos lucros das grandes empresas;
15. Exigimos que se ampliem generosamente as aposentadorias;
16. Exigimos a constituição e a manutenção de uma classe média sadia, a estatização imediata das grandes lojas, e o seu aluguel a preços baixos a pequenos comerciantes, cadastramento sistemático de todos os pequenos comerciantes para atender às encomendas do Estado, dos Länder e das comunas;
17. Exigimos uma reforma agrária apropriada às nossas necessidades nacionais, a elaboração de uma lei sobre a expropriação da terra sem indenização por motivo de utilidade pública, a supressão da renda fundiária e a proibição de qualquer especulação imobiliária;
18. Exigimos uma luta impiedosa contra aqueles cujas atividades prejudicam o interesse geral. Os infames criminosos contra o povo, agiotas, traficantes etc. devem ser punidos com pena de morte, sem consideração de credo ou raça;
19. Exigimos que se substitua o direito romano, que serve à ordem materialista, por um direito alemão;
20. Com o fito de permitir a todo alemão capaz e trabalhador alcançar uma instrução de alto nível e chegar assim ao desempenho de funções executivas, deve o Estado empreender uma reorganização radical de todo o nosso sistema de educação popular. Os programas de todos os estabelecimentos de ensino devem ser adaptados às exigências da vida prática. A assimilação dos conhecimentos de instrução cívica deve ser feita na escola desde o despertar da inteligência. Exigimos a educação, custeada pelo Estado, dos filhos – com destacados dotes intelectuais – de pais pobres, sem se levar em conta a posição ou a profissão desses pais;
21. O Estado deve tomar a seu cargo o melhoramento da saúde pública mediante a proteção da mãe e da criança, a proibição do trabalho infantil, uma política de educação física que compreenda a instituição legal da ginástica e do esporte obrigatórios, e o máximo auxílio possível às associações especializadas na educação física dos jovens;
22. Exigimos a abolição do exército de mercenários e a formação de um exército popular;
23. Exigimos que se lute pela lei contra a mentira política deliberada e a sua divulgação através da imprensa. Para que se torne possível a constituição de uma imprensa alemã, exigimos:
a) que todos os redatores e colaboradores de jornais editados em língua alemã sejam obrigatoriamente membros do povo (Volksgenossen);
b) que os jornais não-alemães sejam submetidos à autorização expressa do Estado para poderem circular. Que eles não possam ser impressos em língua alemã;
c) que toda participação financeira e toda influência de não-alemães sobre os jornais alemães sejam proibidas por lei, e exigimos que se adote como sanção para toda e qualquer infração o fechamento da empresa jornalística e a expulsão imediata dos não-alemães envolvidos para fora do Reich.
Os jornais que colidirem com o interesse geral devem ser interditados. Exigimos que a lei combata as tendências artísticas e literárias que exerçam influência debilitante sobre a vida do nosso povo, e o fechamento dos estabelecimentos que se oponham às exigências acima.
(…)
Voltei
Não! Eu não estou comparando o site Avaaz ao nazismo. Eu estou demonstrando que o fato de um partido ou organização defender duas ou três coisas corretas — OU 13, COMO NO MANIFESTO ACIMA — não muda a sua natureza. Não! O Brasil não é de Abramovay e de sua turma. Mas eles estão convictos de que sim. Por Reinaldo Azevedo

PALÁCIO DO PLANALTO REFORÇOU A SEGURANÇA POR CAUSA DA MANIFESTAÇÃO MUITO MAIOR EM BRASÍLIA

A segurança do Palácio do Planalto foi reforçada nesta quinta-feira. Parte dos manifestantes se deslocou em direção ao Ministério da Justiça que fica a poucos metros da sede do Executivo federal. Além do gradeamento de metal, homens do Batalhão de Choque do Exército fazem um cinturão de proteção em torno do palácio. Na pista que dá acesso ao prédio, carros do Batalhão de Choque da Polícia Militar formaram uma barreira para impedir a aproximação dos manifestantes. O Gabinete de Segurança Institucional, responsável pela segurança do Palácio do Planalto, não informou quantos homens foram convocados para reforçar a segurança do prédio. Agentes da Polícia Federal, militares da Guarda Presidencial e seguranças da Presidência da República também foram deslocados para o local. A presidente Dilma se recusou a aceitar as recomendações para se retirar para o Palácio da Alvorada e seguiu despachando no Palácio do Planalto cercado.

POLÍCIA MILITAR E FORÇA NACIONAL MONTARAM BARREIRAS PARA IMPEDIR ACESSO DE MANIFESTANTES AO MARACANÃ

A Polícia Militar e a Força Nacional de Segurança montaram barreiras nos principais acessos ao Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã, onde Espanha e Taiti se enfrentaram na tarde desta quinta-feira. No Viaduto Oduvaldo Cozzi, usado por torcedores que descem da estação do metrô de São Cristóvão, foram montadas três barreiras, que só perrmitiam a aproximação ao estádio de pessoas com ingresso para o jogo. Além dessas barreiras, soldados do Batalhão de Choque da Polícia Militar foram posicionados para agir em caso da aproximação de manifestantes. Dois carros blindados da Polícia Militar ficaram em frente a Escola Técnica Federal (Cefet) e 50 homens da Força Nacional de Segurança mantiveram-se em prontidão em frente à Rua Mata Machado, um dos principais acessos ao estádio.

DILMA ADIA VIAGEM AO JAPÃO POR CAUSA DAS MANIFESTAÇÕES

Por causa da série de manifestações que estão acontecendo no País, a presidente petista Dilma Rousseff adiou a viagem que faria ao Japão na próxima semana. Ela embarcaria no domingo e deveria retornar ao Brasil no dia 28. A presidente preferiu não se ausentar do Brasil por quase uma semana diante do cenário de movimentação popular pelas ruas, segundo informou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Não há nova data para a visita ao Japão. A viagem que Dilma faria a Salvador nesta sexta-feira, para lançar o Plano Safra do Semiárido, também foi adiada. A mudança na agenda foi feita a pedido do governador da Bahia, Jaques Wagner. Segundo ele, por causa dos jogos da Copa das Confederações, governadores do Nordeste estão com dificuldades na agenda, e não poderiam comparecer à cerimônia na capital baiana. Não há previsão de quando o Plano Safra do Semiárido será lançado.

ADVOGADO RECLAMA DE DEMORA NO PROCESSO PARA SENADOR BOLIVIANO ASILADO DEIXAR EMBAIXADA BRASILEIRA EM LA PAZ

O advogado Fernando Tibúrcio disse nesta quinta-feira que teme pelo tempo de espera que seu cliente, o senador boliviano Roger Pinto Molina, ainda terá de enfrentar para deixar o país e asilar-se definitivamente no Brasil. Molina, de 53 anos, está abrigado há 13 meses na representação diplomática brasileira em La Paz, onde aguarda salvo-conduto para deixar a Bolívia vir para o Brasil. “O senador tem duas chances de deixar a embaixada em La Paz: ser julgado a favor o habeas corpus no Supremo Tribunal Federal. Se não ocorrer isso, só restará recorrer à providência divina, não há outra alternativa”, disse o advogado, que acompanhou nesta quinta-feira a audiência pública na Comissão das Relações Exteriores do Senado, na qual o chanceler Antonio Patriota mencionou o tema. Na audiência, Patriota disse que as autoridades brasileiras agem com muito sigilo para garantir que Molina deixe a Embaixada do Brasil na Bolívia em segurança. “Não será admitida qualquer meia solução para o senador que ponha em risco sua integridade”, ressaltou o ministro. O advogado reclama, porém, da lentidão das providências diplomáticas e políticas por parte do governo brasileiro. Para dar mais agilidade ao processo, Tibúrcio entrou com pedido de habeas corpus na Suprema Corte. O recurso, se julgado favorável, permitirá que Pinto Molina deixe a embaixada brasileira em segurança e sem a necessidade do salvo-conduto. Em maio do ano passado,Molina pediu asilo ao Brasil, alegando ser perseguido pelo governo boliviano. As autoridades do país negam perseguição ao senador e dizem que ele responde a uma série de ações judiciais sobre possíveis irregularidades em sua atuação política. O parlamentar aguarda a solução de seu caso, ao mesmo tempo que sete torcedores brasileiros permanecem detidos em Oruro, no interior boliviano, por suspeita de envolvimento na morte de Kevin Espada, de 14 anos, durante jogo entre o Corinthians e o San José. O adolescente morreu ao ser atingido por um sinalizador lançado por torcedores. A diplomacia vagabunda do Brasil faz o que o regime petralha, associado aos bolivarianos, determina.

MAIS DE DOIS MILHÕES DE CRIANÇAS AINDA NÃO FORAM VACINADAS CONTRA A PARALISIA INFANTIL

Na véspera do encerramento da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, cerca de 2,6 milhões de crianças ainda não foram imunizadas. O ministro da Saúde, o petista Alexandre Padilha, fez apelo para que os pais se apressem em levar seus filhos aos postos de saúde, mesmo que tenham tomado outra vacina contra a paralisia infantil. Ele explicou que todas as crianças entre 6 meses e 5 anos incompletos precisam tomar as duas gotinhas.  Balanço parcial do Ministério da Saúde mostra que 9,6 milhões de crianças foram vacinadas durante a campanha. Os Estados com maior cobertura são: Paraná (83,7%), Rio Grande do Sul (81,2%), Santa Catarina (80,9%), Goiás (80,4%); Roraima (79,8%), Sergipe (79,1%), Amazonas (78,9%), Rondônia; (78,2%), Alagoas (78%), Paraíba (77,5%) e São Paulo (77,2%). A coordenadora do programa de imunizações do ministério, Carla Domingues, ressaltou que a vacinação pode ser feita em qualquer posto da rede pública. Ela destacou a importância de os pais levarem a caderneta de vacinação para que o profissional de saúde possa saber do histórico vacinal da criança. Mesmo as crianças que estejam com tosse, gripe, coriza, rinite ou diarreia, podem receber as gotinhas. A vacina é o único meio de evitar uma doença para a qual não existe tratamento. Em alguns casos – como, por exemplo, em crianças com infecções agudas, com febre acima de 38º Celsius ou com hipersensibilidade a algum componente da vacina, o ministério recomenda que os pais consultem um médico para avaliar se a vacina deve ser aplicada.

UNIVERSIDADES E ESCOLAS LIBERARAM SEUS ALUNOS PARA A MANIFESTAÇÃO EM PORTO ALEGRE

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul liberou os alunos na noite desta quinta-feira em razão da manifestação em Porto Alegre. A dispensa dos estudantes foi definida de forma independente pelas direções de cada curso. A PUC avisou que as atividades de avaliação (provas, apresentação de trabalhos, etc) ficaram suspensas, em virtude da manifestação. Na Unisinos, as aulas que ocorrem em São Leopoldo e Porto Alegre também foram canceladas. A Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre suspendeu suas atividades a partir das 18h30. A Fundaçâo Escola Superior do Ministério Publico suspendeu as aulas do turno da noite. A Unirriter anunciou cancelamento das aulas no turno da noite. Em Canoas, a Unilasalle anunciou o cancelamento das aulas. Colégios públicos estaduais liberaram seus alunos para a manifestação: Instituto de Educação, Julio de Castilhos, Paula Soares, Dolores Alcaraz Caldas, Colégio Protásio Alves.

PROCEMPA TORNA PÚBLICOS OS SALÁRIOS DOS FUNCIONÁRIOS APÓS DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

A divulgação nominal das remunerações da Companhia de Processamento de Dados de Porto Alegre (Procempa) está disponível, desde a manhã desta quinta-feira, no portal de transparência municipal. O Supremo Tribunal Federal derrubou a decisão do Tribunal Regional do Trabalho, que havia barrado a liberação dos dados de salários dos funcionários. A Procempa está sob pesada investigação por desmandos em sua gestão.

CÂMARA DOS DEPUTADOS ADIA A VOTAÇÃO DA PEC 37

A votação da PEC 37, que limita o poder de investigação criminal do Ministério Público, marcada para o próximo dia 26, foi adiada pelo presidente da Câmara, deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), por falta de acordo entre procuradores e delegados. Na quarta-feira, o ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, disse que pediria ao presidente da Câmara que adiasse a votação. A PEC 37 também tem sido alvo de pequena parcela de manifestantes corporativos em várias cidades do País que pedem a rejeição da matéria. A PEC 37 foi apresentada em  2011 pelo deputado federal e delegado de polícia Lourival Mendes (PTdoB-MA). O texto altera trecho da Constituição, indicando que a apuração das infrações penais é função privativa das polícias Civil e Federal. A medida impedirá o Ministério Público de assumir a investigação de crimes, prática usual desde que a instituição teve os poderes ampliados na Constituição de 1988.

VEJA O QUE É DE VERDADE A MARAVILHOSA GESTÃO DA SAÚDE NO GOVERNO JOSÉ FORTUNATI EM PORTO ALEGRE

Na véspera do início do inverno, os moradores de Porto Alegre já tiveram uma demonstração do estado caótico da saúde pública na capital gaúcha, no governo do prefeito José Fortunati. Mais duas emergências de hospitais fecharam por excesso de pacientes. A primeira foi a do Hospital Ernesto Dornelles, ainda na noite de quarta-feira, e a do Hospital Divina Providência, às 8h30 desta quinta-feira. No Hospital de Clínicas, há 58 pacientes para 49 leitos. É uma situação de guerra. Fica evidente que Porto Alegre necessita, há mais dois dois anos, a instalação de um hospital de campanha, com capacidade para atendimento em 1.000 leitos. Mas, quem fará políticos compreenderem tal coisa? O que eles conhecem é de favorecer o setor privado, como no caso dos ônibus.

ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRESOS EM FLAGRANTE POR ROUBO QUALIFICADO DURANTE MANIFESTAÇÃO SÃO LIBERTADOS PELA JUSTIÇA

Dois estudantes universitários presos em flagrante na última segunda-feira, durante a manifestação do Movimento Passe Livre, no Rio de Janeiro, receberam liberdade provisória, da 14ª Vara Criminal. Juliana Isméria Campos Vianna e Caio Brasil Rocha, estudantes de história da Universidade Federal Fluminense (UFF), foram presos em flagrante por furto qualificado. A Justiça determinou que os estudantes sejam soltos sob pagamento de fiança de R$ 2 mil. Ainda foi determinado que os universitários compareçam, todo mês, à Justiça para informar suas atividades. Eles também estão impedidos de freqüentar lugares públicos após as 21 horas. Além dos estudantes, também foi preso o servente Vagner Ferreira da Silva. Eles são acusados de arrombar a porta de uma loja de bolsas e furtar objetos.

DEFENSORIA PÚBLICA GAÚCHA TOMA ATITUDE MILITANTE

A Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul adotou uma atitude militante diante das manifestações que ocorrem no País, em uma evidente exorbitação de seu papel e extrapolação de suas funções. A Defensoria Pública é uma instituição de Estado, e não partido político. Vejam a nota da Defensoria Pública: "Diante das manifestações populares de caráter nacional, que têm levado milhões de cidadãos às ruas, a Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul vem manifestar-se publicamente. A Defensoria Pública, na condição de Instituição de Estado responsável pela transformação social, posicionada legalmente como expressão e instrumento do regime democrático e incumbida da defesa e da promoção dos Direitos Humanos, reconhece as passeatas populares como legítimas manifestações democráticas, lastreadas nos mais elevados princípios republicanos, o que vem reforçado pelo caráter espontâneo dos movimentos. O Estado Democrático de Direito pressupõe o apoio à livre manifestação e ao exercício da cidadania, o que deve ser reconhecido e amparado por todos os setores. Neste sentido, a DPE/RS manifesta seu apoio institucional a todo tipo de manifestação pacífica, como modo de afirmação do Estado Democrático de Direito, repudiando, porém, medidas violentas de quaisquer indivíduos, grupos e setores envolvidos nos protestos nacionais. A DPE/RS é aliada da população que clama por justiça social e que se ergue para a contínua caminhada voltada à afirmação de nossa recente democracia e à construção de uma sociedade mais justa e solidária". Essa poderia ser uma nota tirada, por exemplo, pelo Diretório Regional do PT no Rio Grande do Sul. A Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul, ao contrário do diz na nota, não é uma "instituição de Estado responsável pela transformação social...". Essa afirmação representa, no mínimo, uma usurpação constitucional de atribuição. Vamos ler o que diz a Constituição Federal a respeito do papel das Defensorias Públicos, federal e estaduais: "Art. 134. A Defensoria Pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art. 5º, LXXIV". Pronto, é isso aí. A ela cabe dar orientação e defender os pobres. E o que diz o afrtigo 5º, ao qual se reporta? Diz: "LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos". Ponto, nada mais do que isso. A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul, por causa dessa largueza de interpretação legal, com o uso do Direito achado na rua, tem se atribuído funções nas quais não deveria ingressar. Por exemplo, meteu-se a defender as famílias de vítimas e as próprias vítimas da boate assassina Kiss, em Santa Maria. Ora, quem disse que as famílias e as vítimas da boate Kiss são necessitados que precisam de sua atuação? Um ou outro, presente naquela boate na sinistra e trágica noite, até poderia ser "necessitado", como previsto constitucionalmente, mas não todos os frequentadores do local. Mais uma vez, Defensoria Pública não é partido político.

OS LIBERAIS DO MIOLO MOLE COLOQUEM O BURRO NA SOMBRA: MOVIMENTO ESTÁ NAS RUAS PROVOCARÁ UMA RECICLAGEM DO PT PELA ESQUERDA, PODERÁ TORNAR O RESULTADO DAS URNAS AINDA MAIS INÓSPITO PARA A DEMOCRACIA E A RACIONALIDADE E TENTARÁ DEIXAR O PAÍS À MERCÊ DE GRUPELHOS ORGANIZADOS. E A NOTA ASQUEROSA DO PT

Alguns dos ataques mais duros e irrefletidos que sofri nesses dias partem de pessoas que se dizem “libertárias”. Também elas não têm simpatia pelo petismo, dizem-se liberais em economia e, de tal sorte detestam o estado que, no limite, flertam com o fim das Forças Armadas e até da polícia. Execram-me por vários motivos, mas particularmente por conta do meu “conservadorismo”, especialmente no que concerne ao aborto (são favoráveis) e à legalização das drogas — favorabilíssimos. Alguns, tomados de uma cegueira verdadeiramente missionária, acham que eu não deveria nem mesmo ter o direito de escrever. Acreditam que a causa do libertarismo estaria melhor se eu fosse censurado. É um jeito de ver o mundo. Essas pessoas se encantaram, a exemplo de muitas outras que não gostam do PT, com esse movimento em favor da redução das tarifas de ônibus e também tomam a causa como metonímia, a parte pelo todo. Como é mesmo aquele cartaz? “Não é por 20 centavos, é por direitos”. Então tá. Políticos de oposição forçam um pouco a mão para tentar ver nos protestos uma rejeição ao governo Dilma e a alguns de seus insucessos. O Financial Times também fez isso. Junto com a luta pela redução da passagem, passamos a ouvir protestos contra a corrupção e a gastança de dinheiro com a Copa do Mundo. Criou-se até uma falsa oposição — essencialmente desinformada, entre “hospitais” e “estádios”, entre “saúde e educação” e Copa. Garotas e garotos de classe média, parte deles insuflada por seus professores papo-cabeça de escolas caras, também foram às ruas por mais cidadania. Aquela gente saudável, de pele boa (vitaminas balanceadas na infância), neófita em protestos, acabou conduzindo muitos observadores a severos, severíssimos enganos.
Parêntese de cinco parágrafos
O Movimento Passe Livre se fortaleceu em São Paulo em 2011, embora seja mais antigo, com o apoio entusiasmado do PT. Foi o partido que ajudou a lhe dar visibilidade nas redes sociais. Petistas que agora estão lastimando a difícil situação em que acabou ficando o prefeito Fernando Haddad discursaram, então, em defesa do movimento e contra Gilberto Kassab por conta do reajuste da passagem naquele ano. Escrevi apontando que vários de seus militantes eram jovens que estudavam nas mais caras escolas privadas de São Paulo. Num post do dia 25 de janeiro de 2011, depois de essa gente promover uma bagunça danada na reabertura da Biblioteca Mário de Andrade, destaquei num texto o ideário do Passe Livre, que está na página do movimento. Muita gente se esqueceu dele, mas eu lembro: “O MPL deve ter como perspectiva a mobilização dos jovens e trabalhadores pela expropriação do transporte coletivo, retirando-o da iniciativa privada, sem indenização, colocando-o sob o controle dos trabalhadores e da população. Assim, deve-se construir o MPL com reivindicações que ultrapassem os limites do capitalismo, vindo a se somar a movimentos revolucionários que contestam a ordem vigente". Assim, a suposição de que o Movimento Passe Livre pudesse ou possa ser, de algum modo, útil a causa da alternância de poder no País é uma bobagem. Sua visão de mundo, já escrevi aqui algumas vezes, é o do petismo primitivo. “E por que tantos jovens?” Porque o movimento é mais organizado do que parece. Trata-se de uma piada tosca essa história de que não passam de idealistas movidos pela espontaneidade e pelo espontaneísmo. O grupo tem “representantes” em várias escolas particulares do ensino médio de São Paulo — curiosamente (ou nem tanto), praticamente inexiste nas públicas. Na campanha de 2012, a turma do Passe Livre e outros movimentos de esquerda organizados nas redes sociais apoiaram, claro!, Fernando Haddad, que só conhecia, até estes últimos dias, a mobilização das redes a favor. Agora experimentou o que é estar do outro lado do linchamento virtual. Essa causa, é bom notar, não “pegou” só agora. O Passe Livre já mobilizava algumas centenas naquele 2011. Inovou, desta feita, na ousadia. Não mais intervenções para submeter autoridades a constrangimentos. Nada disso! O negócio era paralisar a cidade, criar transtornos, provocar a polícia. Até aquela quinta-feira, dia 13 de junho, do grande confronto em São Paulo, a turma não vinha mobilizando mais do que 5 ou 6 mil pessoas. Os vândalos, à diferença do que se tem tentado firmar como verdade, já eram parte da equação. Ônibus eram pichados, chutados, a cidade era empurrada para o caos. A repressão policial — e gente que sai por aí depredando tem mesmo de ser reprimida — acabou ferindo alguns jornalistas, o que mexeu com o espírito de corpo. Os coleguinhas aceitavam de bom grado ser hostilizados pelos manifestantes — porque isso já vinha acontecendo —, mas pela polícia? Isso não! Entendo que as duas coisas são inaceitáveis. Eventuais excessos (que precisam ser apurados e, se comprovados, punidos) foram tomados como exemplares da ação da Polícia Militar, que já é, em regra, odiada pelo jornalismo. Por quê? Fica para outro texto. Fez-se um escarcéu dos diabos. Os autoritários, que não reconhecem o direito de ir e vir, que se negam a negociar com o Poder Público, foram convertidos em arautos de um novo mundo. A partir de então, a peleja passou a ter dois lados: o poder público e sua polícia repressora e o movimento “pacífico”, eventualmente perturbado por uma minoria de radicais. A imprensa se encarregou também de inventar uma pauta mais ampla para o Passe Livre, emprestando-lhe até certa coloração antipetista, o que — E LAMENTO DIZER ISTO — é falso. Foi a cobertura jornalística, especialmente a das TVs, que transformou o Passe Livre num movimento benigno, que só quer um mundo melhor. Em certa medida, houve uma tentativa de aparelhamento ideológico. A turma soube usar muito bem a adesão da imprensa, mas sem jamais abrir mão de hostilizá-la. Jornalistas desenvolveram uma espécie de síndrome de Estocolmo com os ditos movimentos sociais: quanto mais são achincalhados, mais se apaixonam e mais lhes prestam serviços. Houve gente que chegou a tomar petelecos dos bacanas, mas não abriu mão se fazer suas mesuras. É deprimente! Com a imprensa a favor das manifestações — quem estudar o caso verá que houve convocação mesmo —, e a Polícia Militar demonizada e moralmente proibida de atuar (em São Paulo, houve o anúncio prévio de que a tropa de choque não iria para as ruas, decisão em si absurda, já que não se sabia de antemão o que poderia acontecer), o resultado não poderia ter sido outro: assistiu-se à nacionalização da mobilização. Mais: na sexta-feira, 14, o PT achou que se tinha aberto uma janela para transformar a manifestação marcada para segunda, dia 17, num ato anti-Alckmin e anti-PM e liberou a sua turma: deu ordem para engrossar o movimento. Ocorre que ele já tinha se nacionalizado, e o tiro saiu pela culatra. O Rio acabou reunindo bem mais gente do que São Paulo. Fecho o parêntese.
Volto ao ponto
Como escrevi ontem, o resultado das violentas manifestações lideradas pelo Passe Livre — É MENTIRA QUE SEJA UMA MAIORIA DE GENTE PACÍFICA INFILTRADA POR VÂNDALOS — premia um método de ação política: a truculência. As passagens de ônibus, podem escrever aí, estarão congeladas em todo o País até 2015 ao menos. Ou alguém se atreverá a corrigi-las em ano eleitoral (2014), correndo o risco de ter de enfrentar a Mayara Vivian, convertida em nova pensadora de políticas públicas e musa da imprensa que não ousa mais desafiar a “massa” das minorais barulhentas? É claro que esse dinheiro sai de algum lugar — e sairá dos investimentos. Sem contar o risco evidente de sucateamento do setor! O método premiado, a depender de como caminhem as coisas, pode ser também consagrado. E autoridades eleitas, doravante, estarão simplesmente impedidas de articular políticas públicas sem a aprovação de movimentos que outorgam a si mesmos o papel de representantes do povo — ou é isso, ou param as cidades. E, como sabemos e como quer a imprensa, a polícia não poderá mover uma palha. A sociedade fica, assim, refém daqueles que se dizem dispostos “a mudar o mundo”, entendendo, claro, que o seu receituário é de tal sorte superior que pode ser imposto aos outros. Sim, existe uma penca de motivos que explicam a adesão de milhares de brasileiros da classe média a uma causa que, de imediato, nem lhes diz respeito. Compreendo e respeito os motivos dessas pessoas. E ainda escreverei a respeito. Mas não posso e não vou endossar a truculência ou supostos mecanismos de democracia direta, potencialmente perigosos, tendentes, a depender dos desdobramentos, a comprometer seriamente o regime democrático. E agora chego ao ponto crucial deste artigo, anunciado lá no título.
Única força
O lulo-petismo é a única força de massa — ou, se quiserem, no jargão característico, “movimento de massa” — verdadeiramente organizada no País. Por “organização”, entenda-se uma vinculação orgânica com aparelhos sindicais, no campo e nas cidades, capazes de mobilizar recursos e pessoas para atuar em várias frentes. O método do Movimento Passe Livre, ora premiado com a decisão da redução das tarifas — e não restava às autoridades alternativa, a não ser a demonização diária nas TVs —, força uma reciclagem do petismo pela esquerda; convida o partido a uma espécie de volta às origens; introduz um suposto viés de frescor que vem das ruas (que, na verdade, é bolor), do qual o partido andava um tanto distante, agora que se tornou também uma gigantesca burocracia de ocupação do estado. Aos petistas, não custa muita coisa mudar a chave, não!, da atual posição, vamos dizer assim, mais à direita (em relação a seus marcos anteriores), próxima da social-democracia, para outra mais próxima de seu passado. O Diretório Nacional do PT divulgou ontem uma nota oficial, assinada pelo presidente do partido, Rui Falcão, com aspectos verdadeiramente asquerosos. Transcrevo trechos. Leiam atentamente. Analiso depois.
"As manifestações realizadas em todo o País comprovam os avanços democráticos conquistados pela população. São manifestações legítimas e as reivindicações e os métodos para expressá-las integram o sistema democrático. É papel dos partidos, do Congresso e dos Governos em todos os níveis dialogar com estas aspirações.
(…)
O PT saúda, pois, as manifestações da juventude e de outros setores sociais que ocupam as ruas em defesa de um transporte público de qualidade e barato.
Estamos certos de que o movimento saberá lidar com atos isolados de vandalismo e violência, de modo que não sirvam de pretexto para tentativas de criminalização por parte da direita. Nesse sentido, repudiamos a violência policial que marcou a repressão aos movimentos em várias praças do País, sobretudo em São Paulo, onde cenas de truculência, inclusive contra jornalistas no exercício da profissão, chocaram o País. A presença de filiados do PT, com nossas cores e bandeiras neste e em todos os movimentos sociais, tem sido um fator positivo não só para o fortalecimento, mas, inclusive, para impedir que a mídia conservadora e a direita possam influenciar, com suas pautas, as manifestações legítimas. A insatisfação de parcelas da juventude em relação às instituições e aos partidos políticos revela a necessidade de uma ampla reforma do sistema político e eleitoral em defesa do que vêm se batendo o PT e outras organizações da sociedade. Do mesmo modo, as manifestações têm mobilizado sua inconformidade contra o tratamento dado pelo mídia conservadora aos movimentos, inclusive pelo fato de, num primeiro momento, ter criticado a passividade da polícia. Diante das demandas por transporte de melhor qualidade e barato, o Diretório Nacional do PT recomenda aos nossos governos que encontrem uma resposta necessária, que, no curto prazo, reduza as tarifas de transporte e, num médio prazo, em conjunto com os governos estadual e federal e com ampla participação popular, discuta soluções para um novo financiamento público da mobilidade urbana. A direção do PT conclama a militância a continuar presente e atuante nas manifestações lado a lado com outros partidos e movimentos do campo democrático e popular".
Voltei
Uma leitura ingênua poderia indicar que o partido só está tentando pegar carona no sucesso do Passe Livre. Lamento! Pode ser isso, mas certamente é muito mais do que isso. Vejam ali as referências a vandalismo como atos isolados e, claro, não poderia faltar, as críticas à “mídia conservadora” e ao governo de São Paulo — e todos sabemos qual foi o papel da tal “mídia” nessa história. Percebam o petismo endossando as críticas aos partidos e às instituições, aproveitando, mais uma vez, para defender a reforma do sistema político e eleitoral — e nós já sabemos o que quer a legenda: regras para se eternizar no poder. O partido foi colhido de surpresa pelo tamanho das manifestações? Foi, sim. Isso é um sinal de que envelheceu? É. Mas nada que não possa ser corrigido para muito pior… Entendam, minhas caras, meus caros: eu sei que gente que não tolera mais a corrupção, a impunidade, a bandalheira e a incompetência engrossou as passeatas do Movimento Passe Livre. E o fez por bons motivos. Há entre os manifestantes até mesmo aqueles que foram protestar em frente ao prédio de Lula. Nada disso, no entanto, muda o caráter do que se viu nas ruas ou anula o fato de que o método premiado é danoso para o regime democrático. O que queremos? Uma democracia tutelada por supostos “conselhos populares”? O Movimento Passe Livre já disse qual é a sua agenda. E ela não é boa. O País que acaba de amanhecer não está mais democrático do que aquele que amanheceu ontem, mas menos. Não está mais racional, mas menos. Não está mais justo, mas menos. Ainda que muitas pessoas de boa-fé possam ter aproveitado para expressar a sua indignação com tudo o que há de errado no País — da inflação à impunidade —, é preciso ver que método, que pauta e que visão de mundo foram premiados ontem. E eu lhes asseguro: nenhum deles presta para uma sociedade democrática e de direito. De resto, os petistas têm, sim, como trocar material genético com essa gente porque as proteínas se combinam. Aguardem para ver. Por Reinaldo Azevedo

DILMA ESTÁ QUERENDO LICENÇA DE LULA PARA DEMITIR O PETISTA GILBERTO CARVALHO

A presidente Dilma já não suporta a convivência com o petista Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência, mas ainda não o demitiu porque o ministro é uma indicação pessoal do ex-presidente Lula. E espera que Lula a libere para demiti-lo quando julgar conveniente. A informação é de senadores do PT e do PTB com acesso aos gabinetes do Planalto. Ela se queixa de que ele provoca uma crise sempre que abre a boca. Gilberto Carvalho e as manifestações de segunda-feira por todo o País foram temas da conversa de Dilma com Lula, na terça-feira, em São Paulo. Ex-chefe do Gabinete Pessoal de Lula, o ministro petista Gilberto Carvalho é uma espécie de “olhos e ouvidos” do ex-presidente no Planalto.

FORTUNATI MANDOU RECOLHER 80 CONTÊINERES DE LIXO, COM MEDO DOS MANIFESTANTES NESTA QUINTA-FEIRA

O prefeito José Fortunati (PDT) deu a ordem para o recolhimento de 80 contêineres do centro de Porto Alegre, e nesta quinta-feira não haverá recolhimento do lixo no centro da capital gaúcha, por conta da manifestação que será realizada novamente pelo PSOL, PSTU, PCO e outros congêneres. O DMLU pediu aos usuários que não depositem lixo a partir do meio dia. No amanhecer de sexta-feira, os contêineres estarão de volta aos seus lugares. Nas duas últimas manifestações que ocorreram em Porto Alegre, 92 contêineres sofreram algum tipo de vandalismo e 26 tiveram de ser substituídos, pois foram queimados.O preço de cada contêiner varia de R$ 4.800,00 a R$ 5.200,00.