domingo, 27 de janeiro de 2013

Ministério Público Federal entra com ação civil pública contra Celesc, Fatma e UFSC


Na noite de sexta-feira o Ministério Público Federal de Santa Catarina ingressou com ação civil pública para que, tendo como base os laudos sobre o vazamento do banido óleo ascarel na  Subestação Elétrica da Celesc, no Sul da Ilha, sejam adotadas mais providências. Ajuizada contra a Celesc, a Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a ação requer que sejam identificadas todas as áreas contaminadas e suspeitas de contaminação pelo acidente de vazamento do óleo ascarel, que contaminou um riacho, cujas águas correm para a baía sul de Florianópolis, onde se localizam fazendas marítimas de ostras, que estão interditadas. A ação também pede a ampliação das áreas embargadas para toda a região costeira das Baías Norte e Sul, ou seja, para as cidades de Palhoça, São José, Florianópolis, Biguaçu e Governador Celso Ramos, dentro das quais seriam proibidos a produção, a venda e o consumo dos produtos de maricultura, até que haja um diagnóstico preciso, seguro e definitivo sobre se houve contaminação ou não. Na mesma ação, o Ministério Público Federal questiona a demora em agir desde as primeiras notificações do vazamento, no início de novembro do ano passado. Segundo a ação, a Universidade Federal de Santa Catarina teria tomado conhecimento do vazamento de óleo ascarel nos dias 2 e 19 de novembro, por meio dos vigilantes que fazem a guarda do local, porém, só teria tomado providências no dia 19 de dezembro. Para a Celesc, entre outros pedidos, a ação requer o imediato e efetivo isolamento da área da subestação, a fim de garantir que somente pessoas autorizadas possam ter acesso ao local. Já a Fatma foi incluída na ação civil por que, em 2008, teria renovado a licença ambiental de operação da subestação da Celesc, sendo que, naquela época, a unidade não atendia a diversas condicionantes exigidas por lei. A ação é assinada pelo procurador  Eduardo Barragan e adota o cenário mais conservador possível dentre as diversas possibilidades relacionadas ao acidente. A posição, segundo ele, deve-se ao respeito aos Princípios da Precaução e da Prevenção diante da necessidade de defesa da Sociedade Civil, da Saúde Pública e do Meio Ambiente. O óleo ascarel é altamente cancerígeno e carcinogênico. Por isso ele foi banido há mais de 30 anos por organismos internacionais. No Brasil ele já está banido há mais de 20 anos, por meio de decisões do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Os grandes usuários de óleo ascarel são as companhias elétricas e as empresas altas consumidoras de energia. O óleo ascarel é utilizado para refrigeração dos transformadores de energia elétrica. No Rio Grande do Sul há a grande suspeita de que 220 mil tonéis, que formam a base da famigerada Vala 7, da Utresa, aterro industrial em Estância Velha, contêm óleo ascarel retirado pelas empresas dos seus transformadores de energia elétrica.

Setenta por cento das empresas de segurança do Rio Grande do Sul estão irregulares


Setenta por cento das empresas de segurança privada que prestam o serviço sem armas de fogo estão irregulares no Rio Grande do Sul. Das 2,3 mil instituições cadastradas no Estado, só 680 estão com o alvará de funcionamento em dia, segundo a Brigada Militar. O Grupamento de Supervisão de Vigilância e Guardas, da Brigada Militar, cadastra, emite a licença e fiscaliza as  empresas que vendem, instalam e monitoram equipamentos eletrônicos ou prestam serviço de portaria e zeladoria, sem arma de fogo. “Nós temos conhecimento de empresas que não são licenciadas, não cumprem a legislação trabalhista e contratam pessoas procuradas pela polícia, pela Justiça, que vão servir de informantes para as quadrilhas”, diz o tenente-coronel Otacílio Maia Cardozo. Segundo o comandante da Brigada Militar, o efetivo não dá conta da fiscalização.

Fórum Social Temático tem marcha vazia em Porto Alegre


A marcha de abertura do Fórum Social Temático reuniu na tarde de sábado, no centro de Porto Alegre, menos de 1.000 pessoas. O Fórum Social Temático começou no sábado e vai até a próxima quinta-feira com diversas oficinas divididas em dezoito áreas temáticas. O número de participantes na marcha, a grande maioria pertencentes a centrais sindicais, reflete o esvaziamento do evento, que vem sendo pontuado por rachas internos. Este ano, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Marcha Mundial das Mulheres (MMM), a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) e a Via Campesina, tudo pelêgos do PT, assim como a organização terrorista clandestina MST, não estão presentes no evento.

Homem morre após levar disparos de arma de choque em Florianópolis


Um homem de 48 anos morreu na madrugada de sábado em Florianópolis depois de levar disparos da pistola Taser, que imobiliza por eletrochoque, e de receber tranquilizantes da equipe de socorro médico. As polícias Civil e Militar abriram inquérito para apurar o caso. É  a segunda morte na cidade relacionada a esse tipo de arma em menos de um ano. Segundo o boletim de ocorrência, o pedreiro Marcos Antônio Clarinda foi perseguido por policiais militares por estar dirigindo em alta velocidade por uma avenida do bairro Capoeiras, na parte continental da cidade. O motorista, ainda conforme o boletim, foi cercado na saída do túnel Antonieta de Barros, no centro, a cerca de cinco quilômetros de distância da primeira abordagem. O delegado Egídio Klauck, que fez o registro, disse que os militares declararam ter disparado dois tiros de borracha e um com munição de pistola contra o carro para fazer o motorista parar. Afirmaram que, depois, usaram a Taser para acertar o motorista com dois tiros porque ele estava muito agitado ao ser cercado.

Algumas montadoras retardam repasse da alta do IPI


Algumas montadoras retardaram o repasse da alta do IPI para carros, em vigor desde o início do ano. O prazo para o término das promoções, porém, não é claramente informado pelas empresas. Uma exceção é a Kia, que prometeu publicamente manter a tabela antiga até 28 de fevereiro. O jipinho Sportage, no entanto, terá o preço reajustado em 1,2%, em média. A Nissan informa que manterá os preços sem o repasse até o fim dos estoques, que estão acabando. O sedã Sentra 2.0 Back Mask, por exemplo, sai por R$ 51.390,00. A Fiat até contratou o ex-jogador Ronaldo, recém-saído de um regime, para anunciar o "IPI magrinho", tema da campanha publicitária da montadora. Nos anúncios, o foco é o novo Palio, nas versões 1.0 completa (R$ 31 mil) e 1.4 com ABS e airbag (R$ 35 mil). Concessionárias Chevrolet, Honda, Volkswagen e Renault informam que ainda têm também modelos sem o aumento de imposto. As promoções estão ajudando a impulsionar as vendas.

GM e sindicato do PSOL chegam a acordo para manutenção de parte dos empregos em São José dos Campos


A General Motors (GM) e o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos fecharam no sábado um acordo que abre perspectiva de novos investimentos na unidade da empresa instalada na cidade do Vale do Paraíba, interior de São Paulo. Segundo o secretário-executivo de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, Manoel Messias Melo, que participou das discussões, o acerto garante a manutenção dos 1.598 empregos ameaçados pelo fim da produção de três modelos de automóveis da empresa. A General Motors anunciou que irá aumentar a produção na fábrica de Gravataí (RS), com a criação de um terceiro turno até o próximo mês e a contratação de 1.429 novos funcionários. Luiz Moan, diretor de relações institucionais da montadora, divulgou também que serão chamados mais 189 trabalhadores para a fábrica de motores de Joinville (SC), que será inaugurada no próximo dia 27. O anúncio foi feito em São José dos Campos (SP), após reunião sobre o futuro daquela unidade, onde ainda existe a ameaça de demissão de cerca de 600 funcionários. Na planta de Gravataí, a mais nova da GM no Brasil, é fabricado o recém-lançado hatch Onix e de lá também sairá a versão sedã desse carro, que deve ser lançada no fim do mês. O aumento de produção dos novos modelos é a meta "número 1" da montadora no País neste ano, segundo disse o presidente Jaime Ardila no último dia 14, durante o Salão de Detroit (EUA). Além do Onix, ele afirmou que é necessário aumentar a fabricação da minivan Spin, substituta de Meriva e Zafira, e do sedã Cobalt, especialmente na versão LTZ (topo de linha). "Para quem em algum momento duvidou da nossa intenção de investimento, da nossa confiança no País, está aí a prova. Nós não somente investimos como nós estamos fazendo grandes admissões no efetivo de pessoal", disse Moan, no sábado. Uma das decisões tomadas neste sábado é de retomar a produção do sedã Classic até dezembro, o que garante trabalho para parte dos funcionários na linha de automóveis por esse período e a manutenção do setor. Mesmo com o acordo, o emprego de outras cerca de 650 pessoas continua ameaçado. Os trabalhadores que ainda correm o risco de serem demitidos são do grupo de 800 que está em layoff  (suspensão temporária dos contratos de trabalho) desde setembro do ano passado. O prazo de layoff terminou no sábado mas, pelo acordo, será estendido por mais dois meses. O complexo de São José dos Campos possui, ao todo, cerca de 7 mil funcionários. O setor que estava para fechar era o de montagem de veículos automotores (MVA), onde o único remanescente na linha era o Classic, cuja produção seria encerrada no fim do mês. Em outros setores, a unidade produz a picape S10 e o utilitário Trailblazer. O acordo que "salvou" o MVA do fechamento prevê a retomada da produção do Classic, com 750 funcionários e 20 unidades ao dia, pelo menos até dezembro. Após esse período, uma nova negociação será feita. Como a montadora já havia planejado parar de fabricar o sedã em São José dos Campos no próximo dia 26, a produção do modelo não poderá ser retomada imediatamente. "Não há autopeças", explicou Moan, da GM. A linha terá férias coletivas até o próximo dia 14 e "voltará após o carnaval", disse ele. Além de São José dos Campos, o Classic, um dos modelos campeões de venda da GM, é produzido em São Caetano do Sul (SP), onde fica a sede da empresa. O acordo foi firmado após 9 horas de reunião a portas fechadas entre representantes da GM, do sindicato pelêgo do PSOL, da prefeitura e do governo federal. Ele contém, ao todo, 16 itens (veja todos ao fim da reportagem). Entre esses itens estão o investimento de R$ 500 milhões na unidade até 2017 e a redução para R$ 1.800,00 do piso salarial dos novos funcionários, ponto cobrado pela GM durante toda a negociação. Atualmente, o piso na unidade de São José é de R$ 3.100,00 considerado alto demais pela montadora.

SAI TERCEIRA LISTA DE MORTOS DO INCÊNDIO DA BOATE KISS, EM SANTA MARIA, JÁ FORAM IDENTIFICADOS 233 CORPOS


Identificados por Reconhecimento
Alan Rembem de Oliveira
Alexandre Anes Prado
Alex Giacomelli
Alisson Oliveira da Silva
Allana Willers
Ana Carolini Rodrigues
Ana Paula Anibaleto dos Santos
André Cadore Bosser
Andressa Inafa de Moura Ferreira
Andressa Roaz Paz
Andressa Thalita Farias Brissow
Andrieli Righi da Silva
Andrise Farias Nicoletti
Ângelo Nicolosso Aita
Ariel Nunes Andreatta
Augusto Cesar Neves
Augusto Malezan de Almeida Gomes
Augusto Sergio Krauspenhar da Silva
Bárbara Moraes Nunes
Benhur Retzlaff Rodrigues
Bernardo Carlo Kobe
Bibiana Berleze
Brady Adrian Gonçalves Silveira
Bruna Brondani Pafhalia
Bruna Camila Graeff
Bruna Karoline Gecai
Bruno Kraulich
Camila Cassulo Ramos
Carlitos Chaves Soares
Carolina Simões Corte Real
Cássio Garcez Biscaino
Cecília Soares Vargas
Clarissa Lima Teixeira
Crisley Caroline Saraiva Freitas da Palma
Cristiane Quevedo da Rosa
Daniel Knabbem da Rosa
Daniel Sechim
Daniela Betega Ahmadw
Daniele Dias de Mattos
Danilo Brauner Jaques
Danriei Darin
David Santiago de Souza
Débora Chiappa Forner
Deives Marques Gonçalves
Diego Comim Silvéster
Dionatham Kamphorst Paulo
Douglas da Silva Flores
Dulce Ranieri Gomes Machado
Elizandor Oliveira Rolin
Emerson Cardoso Pain
Emili Contreira Nicolow
Erika Sarturi Becker
Evelin Costa Lopes
Fábio José Cervinski
Felipe Vieira
Fernanda Tischer
Fernando Michel Devagarins Parcianello
Fernando Pellin
Flávia Decarle Magalhães
Gabriela Corcine Sanchotene
Gabriela dos Santos Saenger
Geni Lourenço da Silva
Gilmara Quintanilha Oliveira
Giovane Krauchemberg Simões
Greicy Pazzini Bairro
Guilherme Fontes Gonçalves
Guino Ramom Brites Burro
Gustavo Ferreira Soares
Heitor Teixeira Gonçalves
Helena Poletto Dambros
Helio Trentin Junior
Henrique Nemitz Martins
Herbert Magalhães Charão
Hericson Ávila dos Santos
Igor Stefhan de Oliveira
Ilivelton Martins Koglin
Isabela Fiorini
Ivan Munchem
Jacob Francisco Thiele
Jaderson da Silva
Janaina Portella
Jennefer Mendes Ferreira
Jéssica Almeida Kongen
João Aluisio Treuliebe
João Carlos Barcellos Silva
João Paulo Pozzobom
João Renato Chagas de Souza
José Luiz Weiss Neto
José Manoel Rosa da Cruz
Juliana Moro Medeiros
Juliana Oliveira dos Santos
Juliana Sperone Lentz
Juliano de Almeida Farias
Karen Fernanda Knirsch
Kelen Aline Karsten Favarin
Kellen Pereira da Rosa
Kelli Anne Santos Azzolin
Larissa Hosbach
Lauriani Salapata
Leandro Avila Leivas
Leandro Nunes da Silva
Leonardo de Lima Machado
Leonardo Lemos Karsburg
Leonardo Machado de Lacerda
Leonardo Schoff Vendrúsculo
Letícia Vasconcellos
Lincon Turcato Carabagiale
Louise Victoria Farias Brissow
Luana Behr Vianna
Luana Faco Ferreira
Lucas Fogiato
Lucas Leite Teixeira
Luciane Moraes Lopes
Luciano Ariel Silva da Silva
Luciano Tagliapetra Esperidião
Luiz Antonio Xisto
Luiz Carlos Ludin de Oliveira
Luiz Eduardo Viegas Flores
Luiz Felipe Balest Piovesan
Luiz Fernando Riva Donate
Luiz Fernando Rodrigues Wagner
Luiza Alves da Silva
Maicon Afrolinario Cardoso
Maicon Douglas Moreira Iensen
Maicon Francisco Evaldt
Manuele Moreira Passamane
Marcelo de Freitas Salla Filho
Marcos André Rigoli
Marfisa Soares Caminha
Mariana Comassetto do Canto
Mariana Machado Bona
Mariana Moreira Macedo
Mariana Pereira Freitas
Marilene Iensen Castro
Marina de Jesus Nunes
Marina Kertermann Kalegari
Martins Francisco Mascarenhas de Souza Onofre
Marton Matana
Matheus de Lima Librelotto
Matheus Engert Rebolho
Matheus Pacheco Brondani
Mauricio Loreto Jaime
Melissa Bergemeier Correia
Melissa do Amaral Dalforno
Merylin de Camargo dos Santos
Michele Dias de Campos
Micheli Froehlich Cardoso
Miguel Webber May
Mirella Rosa da Cruz
Monica Andressa Gla
Murilo de Souza Barone Silveira
Murilo Garcez Fumaco
Natana Pereira Canto
Natascha Oliveira Urquiza
Natiele dos Santos Soares
Neiva Carina de Oliveira Marin
Odomar Gonzaga Noronha
Otacílio Altíssimo Gonçalves
Patrícia Pazzini Bairro
Paula Batistela Gatto
Paula Porto Rodrigues Costa
Paula Simone Melo Prates
Pedro de Oliveira Salla
Pedro Morgental
Priscila Ferreira Escobar
Rafael de Oliveira Dorneles
Rafael Dias Ferreira
Rafael Paulo Nunes de Carvalho
Rafael Quilião e Oliveira
Rafaela Schimidt Nunes
Raquel Daiane Fischer
Rhaissa Gross Cúria
Rhuan Scherer de Andrade
Ricardo Custódio
Ricardo Dariva
Ricardo Stefanello Piovesan
Robson Van der Hahn
Rodrigo Belling Hausen Bairros Costa
Roger Barcellos Farias
Roger Dallanhol
Rogério Cardoso Ivaniski
Rogério Floriano Cardoso
Rosabe Fernandes Rechermann
Ruan Pendenza Callegari
Sabrina Soares Mendes
Sandra Victorino Goulart
Shaiana Tauchem Antoline
Silvio Beurer Junior
Stefane Posser Simeoni
Suziele Cassol
Tailan Rembem de Oliveira
Taís da Silva Scaplin de Freitas
Taize Santos dos Santos
Tanise Lopes Cielo
Thailan de Oliveira
Thais Zimermann Darif
Thanise Correa Garcia
Thiago Amaro Cechinatto
Tiago Dovigi Cegabinaze
Uberafara Soares Bastos Junior
Vagner Rolin Marastega
Vandelcork Marques Lara Junior
Vanessa Vancovicht Soares
Victor Datria Mcagnam
Victor Martins Shimitz
Vinicios Greff
Vinicios Paglnossim de Moraes
Vinicius Silveira Marques de Mello
Vinissios Montardo Rosado
Vitória Dacorso Saccol
Walter de Mello Cabistani


Identificados pela Perícia Necropapiloscópia
Andressa Ferreira
Bruna Eduarda Neu
Carlos Alexandre dos Santos Machado
Dulce Raniele Gomes Machado
Flávia Maria Torres Lemos
Franciele Soares Vargas
Francielli Araujo Vieira
FrancileVizioli
Julia Cristofali Saul
Leandra Fernandes Toniolo
Letícia Ferraz da Cruz
Luiza Batistella Puttow
Maria Mariana Rodrigues Ferreira
Merylin de Camargo dos Santos
Monica Andressa Glanzel
Neiva Carina de Oliveira Marin
Pâmella de Jesus Lopes
Sandra Leone Pacheco Ernesto
Taise Carolina Vinas Silveira
Viviane Tólio Soares
Larissa Terres Teixeira
Heitor Santos Oliveira Teixeira

CARA DE PAU - Empresa rouba foto de site que denuncia máfia do lixo para ilustrar RIMA fajuto de aterro sanitário em Sergipe


A audácia no Brasil parece não conhecer limites para empreiteiros que agem à margem da lei sem a menor cerimônia. Agora as fraudes são levadas para documentos públicos que integram processos de licenciamento ambiental no Brasil. É o que se verifica logo na página 4 do Relatório de Impacto Ambiental (Rima), produzido pela empresa Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda. O referido Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II, de titularidade da Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda, visa atender as exigências de órgão ambiental do Estado de Sergipe, com o fim específico de conquistar o licenciamento ambiental para um aterro sanitário, denominado “Polo de Gerenciamento de Resíduos Itacanema”, em uma área de 53,5 hectares, localizada no município de Nossa Senhora do Socorro, às margens da rodovia BR 101, no quilômetro 87. Logo na página 4 desse documento, vê-se uma fotografia que ilustra quase toda a folha (tamanho A4), mostrando um aterro sanitário e a orla marítima ao fundo. Isso pode
ser comprovado acessando o Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II de responsabilidade da Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda. https://docs.google.com/file/d/0B8_RBOFhHrDUcjhfdHFpWVJQT3c/edit  E aí já começam os problemas. Ocorre que essa fotografia digital, a imagem que está na página 4 do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II publicada no referido documento da empresa TORRE Empreendimentos, pertence ao administrador Enio Noronha Raffin, editor do site Máfia do Lixo, http://www.mafiadolixo.com que há uma década publica comentários que tratam das áreas do Meio Ambiente, Resíduos, Limpeza Urbana e Política. Enio Noronha Raffin fez essa fotografia digital e outras dezenas delas, durante um vôo de helicoptero que contratou, em 25 de setembro de 2009, para registrar as ocorrências ambientais no litoral catarinense. Aqui está o link da matéria publicada pelo administrador Enio Noronha Raffin no site Mafia do Lixo, na data de 29 de setembro de 2011, com o seguinte título: “Estrada BR-101 separa o lixo do luxo em Santa Catarina”. http://www.mafiadolixo.com/2011/09/estrada-br-101-separa-o-lixo-do-luxo-em-santa-catarina/ Nessa matéria está inserida a fotografia digital que foi surrupiada pela Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda que a inseriu no seu “Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II”, de NOVEMBRO de 2011, com o objetivo de licenciar o empreendimento no estado de Sergipe, e buscar altíssimos lucros. Ainda em  29 de setembro de 2009, o administrador Enio Noronha Raffin publicou no site Máfia do Lixo a matéria com o título “Aterro sanitário no município de Biguaçu em Santa Catarina está com o lixo a céu aberto”, onde se vê a mesma fotografia digital de sua propriedade do editor.
http://www.mafiadolixo.com/2009/09/aterro-sanitario-no-municipio-de-biguacu-em-santa-catarina-esta-com-o-lixo-a-%E2%80%98ceu-aberto%E2%80%99/ Certamente, a empreiteira baiana desejava mostrar aos sergipanos o quanto é aprazível a região do seu aterro sanitário. Mas, as
similaridades entre os dois locais resumem-se ao fato de que ambos localizam-se à margem da BR 101. Afora isso, mantêm entre os dois uma distância de milhares de quilômetros. O empreendimento da fotografia digital está localizado em Santa Catarina e nada tem a ver com o aterro sanitário da Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda em Sergipe. O “Pólo de Gerenciamento de Resíduos Itacanema”, conforme o Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II, da Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda, não está à beira do mar, e sim no Interior do Estado de Sergipe, no município de Nossa Senhora do Socorro. Veja aqui a imagem do empreendimento da TORRE.  https://maps.google.com/?ll=-10.92037,-37.13007&spn=0.042138,0.084543&t=h&z=14 A fotografia digital usada pela Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda no seu Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II do PGR Itacanema, em Sergipe, trata do ATERRO SANITÁRIO de TIJUQUINHAS, de titularidade da empresa PROACTIVA, localizado no município de Biguaçu, em Santa Catarina. O autor da fotografia digital, o administrador Enio Noronha Raffin, não foi consultado por qualquer empresa sobre a utilização dessa imagem no documento RIMA da TORRE. E muito menos concedeu autorização para o seu uso em documento com fim de buscar lucro a partir da operação de empreendimento privado instalado em Sergipe. O administrador Enio Noronha Raffin é parte interessada no andamento processual do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) – Volume II do PGR Itacanema, em Sergipe. Nessa semana, advogado ingressa na Justiça contra a Torre Empreendimentos Rural e Construções Ltda,  requerendo direitos autorais, por ter a imagem sido utilizada em documento público sem a autorização legal do proprietário da fotografia digital, danos morais por envolver a foto em uma fraude, tendo em vista que a mesma não retrata em nada o estado de Sergipe, ou mesmo o local onde pretende a empresa baiana instalar o seu empreendimento, bem como exigir a interrupção da tramitação processual do RIMA junto ao órgão ambiental.

Algumas montadoras retardam repasse da alta do IPI


Algumas montadoras retardaram o repasse da alta do IPI para carros, em vigor desde o início do ano. O prazo para o término das promoções, porém, não é claramente informado pelas empresas. Uma exceção é a Kia, que prometeu publicamente manter a tabela antiga até 28 de fevereiro. O jipinho Sportage, no entanto, terá o preço reajustado em 1,2%, em média. A Nissan informa que manterá os preços sem o repasse até o fim dos estoques, que estão acabando. O sedã Sentra 2.0 Back Mask, por exemplo, sai por R$ 51.390,00. A Fiat até contratou o ex-jogador Ronaldo, recém-saído de um regime, para anunciar o "IPI magrinho", tema da campanha publicitária da montadora. Nos anúncios, o foco é o novo Palio, nas versões 1.0 completa (R$ 31 mil) e 1.4 com ABS e airbag (R$ 35 mil). Concessionárias Chevrolet, Honda, Volkswagen e Renault informam que ainda têm também modelos sem o aumento de imposto. As promoções estão ajudando a impulsionar as vendas.

GM e sindicato do PSOL chegam a acordo para manutenção de parte dos empregos em São José dos Campos


A General Motors (GM) e o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos fecharam no sábado um acordo que abre perspectiva de novos investimentos na unidade da empresa instalada na cidade do Vale do Paraíba, interior de São Paulo. Segundo o secretário-executivo de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, Manoel Messias Melo, que participou das discussões, o acerto garante a manutenção dos 1.598 empregos ameaçados pelo fim da produção de três modelos de automóveis da empresa. A General Motors anunciou que irá aumentar a produção na fábrica de Gravataí (RS), com a criação de um terceiro turno até o próximo mês e a contratação de 1.429 novos funcionários. Luiz Moan, diretor de relações institucionais da montadora, divulgou também que serão chamados mais 189 trabalhadores para a fábrica de motores de Joinville (SC), que será inaugurada no próximo dia 27. O anúncio foi feito em São José dos Campos (SP), após reunião sobre o futuro daquela unidade, onde ainda existe a ameaça de demissão de cerca de 600 funcionários. Na planta de Gravataí, a mais nova da GM no Brasil, é fabricado o recém-lançado hatch Onix e de lá também sairá a versão sedã desse carro, que deve ser lançada no fim do mês. O aumento de produção dos novos modelos é a meta "número 1" da montadora no País neste ano, segundo disse o presidente Jaime Ardila no último dia 14, durante o Salão de Detroit (EUA). Além do Onix, ele afirmou que é necessário aumentar a fabricação da minivan Spin, substituta de Meriva e Zafira, e do sedã Cobalt, especialmente na versão LTZ (topo de linha). "Para quem em algum momento duvidou da nossa intenção de investimento, da nossa confiança no país, está aí a prova. Nós não somente investimos como nós estamos fazendo grandes admissões no efetivo de pessoal", disse Moan, no sábado.

Chefete da organização terrorista clandestina MST é assassinado a tiros na madrugada


Um chefete da organização terrorista clandestina MST foi assassinado a tiros na madrugada de sábado, em Campos dos Goytacazes, no norte do Estado do Rio de Janeiro. O corpo de Cícero Guedes dos Santos, de 49 anos, foi encontrado na manhã de sábado, em uma estrada próxima à BR 356, entre Campos e São João da Barra. O corpo tinha marcas de tiros na cabeça e nas costas. Cícero Guedes morava no assentamento Zumbi dos Palmares, no Sítio Brava Gente, em Campos, desde 2002. Ele foi visto pela última vez ao deixar uma reunião de "lideranças" das organização terrorista e clandestina MST no assentamento Luiz Maranhão, na usina Cambahyba, também em Campos. O acampamento está localizado em um antigo engenho com sete fazendas em uma área de 3.500 hectares. Cerca de 200 famílias do MST invadiram e ocupam o lugar desde novembro de 2012.

"Está me lançando candidata?"', rebate Dilma à pergunta sobre reeleição


Apesar de durante toda a semana petistas que assessoram diretamente o ex-presidente Lula terem dado declarações anunciando que ele não concorrerá em 2014 e que a presidente Dilma Roussef é a candidata natural à reeleição, Dilma preferiu desconversar ao ser perguntada sobre o tema, em Santiago, onde participava de reunião da reunião da Comunidade de Estados Latino Americanos e Caribenhos (CELAC). Dilma saía do hotel, onde esteve hospedada, para a abertura oficial da cúpula, brincando com os jornalistas e dizendo que os amava, mas temia "ficar traumatizada por não ser correspondida", quando um pequeno grupo de brasileiros gritou Dilma, Dilma, e ela fez questão de ir cumprimentá-los. "Isso é uma demonstração de que a senhora será candidata à reeleição?", perguntou um jornalista. "Você está me lançando candidata?", respondeu a presidente, devolvendo a pergunta com outra. "A senhora é que tem de querer ser candidata", insistiu a repórter, lembrando que o PT já lançou seu nome à reeleição. "Você está me lançando candidata a presidente?", repetiu Dilma, insistindo, já dentro do carro, sem querer falar sobre seu futuro.

SAI NOVA LISTA COM NOMES DOS JOVENS MORTOS DA BOATE KISS, EM SANTA MARIA, AGORA TEM 185 NOMES


Idientificados por reconhecimento 
Alan Rembem de Oliveira 
Alexandre Anes Prado 
Alisson Oliveira da Silva 
Allana Willers 
André Cadore Bosser 
Andressa Inafa de Moura Ferreira 
Andressa Thalita Farias Brissow 
Ângelo Nicolosso Aita 
Ariel Nunes Andreatta 
Augusto Cesar Neves 
Augusto Malezan de Almeida Gomes 
Augusto Sergio Krauspenhar da Silva 
Bárbara Moraes Nunes 
Benhur Retzlaff Rodrigues 
Bernardo Carlo Kobe 
Bibiana Berleze 
Bruna Brondani Pafhalia 
Bruna Camila Graeff 
Bruno Kraulich 
Camila Cassulo Ramos 
Carlitos Chaves Soares 
Carolina Simões Corte Real 
Cássio Garcez Biscaino 
Cecília Soares Vargas 
Clarissa Lima Teixeira 
Daniel Knabbem da Rosa 
Daniel Sechim 
Daniela Betega Ahmadw 
Daniele Dias de Mattos 
Danilo Brauner Jaques 
Danriei Darin 
David Santiago de Souza 
Débora Chiappa Forner 
Deives Marques Gonçalves 
Diego Comim Silvéster 
Dionatham Kamphorst Paulo 
Douglas da Silva Flores 
Elizandor Oliveira Rolin 
Emerson Cardoso Pain 
Erika Sarturi Becker 
Evelin Costa Lopes 
Fábio José Cervinski 
Felipe Vieira 
Fernanda Fischer 
Fernando Michel Devagarins Parcianello 
Fernando Pellin 
Flávia Decarle Magalhães 
Franciele Soares Vargas 
Gabriela Corcine Sanchotene 
Gabriela dos Santos Saenger 
Geni Lourenço da Silva 
Giovane Krauchemberg Simões 
Greicy Pazzini Bairro 
Guilherme Fontes Gonçalves 
Guino Ramom Brites Burro 
Gustavo Ferreira Soares 
Heitor Santos Oliveira 
Heitor Teixeira Gonçalves 
Helio Trentin Junior 
Henrique Nemitz Martins 
Herbert Magalhães Charão 
Hericson Ávila dos Santos 
Igor Stefhan de Oliveira 
Ilivelton Martins Koglin 
Ivan Munchem 
Jacob Francisco Thiele 
Jaderson da Silva 
Janaina Portella 
João Aluisio Treuliebe 
João Carlos Barcellos Silva 
João Paulo Pozzobom 
João Renato Chagas de Souza 
José Luiz Weiss Neto 
José Manoel Rosa da Cruz 
Juliana Moro Medeiros 
Juliana Oliveira dos Santos 
Juliana Sperone Lentz 
Juliano de Almeida Farias 
Kellen Pereira da Rosa 
Kelli Anne Santos Azzolin 
Larissa Terres Teixeira 
Lauriani Salapata 
Leandro Avila Leivas 
Leandro Nunes da Silva 
Leonardo de Lima Machado 
Leonardo Lemos Karsburg 
Leonardo Machado de Lacerda 
Leonardo Schoff Vendrúsculo 
Lincon Turcato Carabagiale 
Louise Victoria Farias Brissow 
Luana Behr Vianna 
Lucas Fogiato 
Lucas Leite Teixeira 
Luciane Moraes Lopes 
Luciano Ariel Silva da Silva 
Luciano Tagliapetra Esperidião 
Luiz Antonio Xisto 
Luiz Carlos Ludin de Oliveira 
Luiz Eduardo Viegas Flores 
Luiz Felipe Balest Piovesan 
Luiz Fernando Riva Donate 
Luiza Alves da Silva 
Maicon Afrolinario Cardoso 
Maicon Douglas Moreira Iensen 
Maicon Francisco Evaldt 
Marcelo de Freitas Salla Filho 
Mariana Comassetto do Canto 
Mariana Moreira Macedo 
Marilene Iensen Castro 
Marina Kertermann Kalegari 
Martins Francisco Mascarenhas de Souza Onofre 
Marton Matana 
Matheus de Lima Librelotto 
Matheus Engert Rebolho 
Matheus Pacheco Brondani 
Mauricio Loreto Jaime 
Melissa Bergemeier Correia 
Melissa do Amaral Dalforno 
Michele Dias de Campos 
Micheli Froehlich Cardoso 
Miguel Webber May 
Mirella Rosa da Cruz 
Murilo de Souza Barone Silveira 
Murilo Garcez Fumaco 
Natiele dos Santos Soares 
Odomar Gonzaga Noronha 
Otacílio Altíssimo Gonçalves 
Patrícia Pazzini Bairro 
Paula Batistela Gato 
Pedro de Oliveira Salla 
Pedro Morgental 
Rafael de Oliveira Dorneles 
Rafael Dias Ferreira 
Rafael Quilião e Oliveira 
Raquel Daiane Fischer 
Rhaissa Gross Cúria 
Rhuan Scherer de Andrade 
Ricardo Custódio 
Ricardo Dariva 
Ricardo Stefanello Piovesan 
Rodrigo Belling Hausen Bairros Costa 
Roger Barcellos Farias 
Roger Dallanhol 
Rogério Cardoso Ivaniski 
Rogério Floriano Cardoso 
Rosabe Fernandes Rechermann 
Ruan Pendenza Callegari 
Sabrina Soares Mendes 
Shaiana Tauchem Antoline 
Silvio Beurer Junior 
Suziele Cassol 
Tailan Rembem de Oliveira 
Tais da Silva Scaphin de Freitas 
Taís da Silva Scaplin de Freitas 
Tanise Lopes Cielo 
Thailan de Oliveira 
Thanise Correa Garcia 
Thiago Amaro Cechinatto 
Tiago Dovigi Cegabinaze 
Uberafara Soares Bastos Junior 
Vagner Rolin Marastega 
Vandelcork Marques Lara Junior 
Vinicios Greff 
Vinicios Paglnossim de Moraes 
Vinicius Silveira Marques de Mello 
Vinissios Montardo Rosado 
Vitória Dacorso Saccol 

Identificados pela Perícia Necropapiloscópia 
Andressa Ferreira Flores 
Bruna Eduarda Neu 
Carlos Alexandre dos Santos Machado 
Francielli Araujo Vieira 
FrancileVizioli 
Julia Cristofali Saul 
Leandra Fernandes Toniolo 
Maria Mariana Rodrigues Ferreira 
Pâmella de Jesus Lopes 
Sandra Leone Pacheco Ernesto 
Neiva Carina de Oliveira Marin 
Monica Andressa Glanzel 
Dulce Raniele Gomes Machado 
Viviane Tólio Soares 
Flávia Maria Torres Lemos 
Letícia Ferraz da Cruz 
Taise Carolina Vinas Silveira 
Luiza Batistella Puttow

"SUPERTELE BRASILEIRA" SERÁ PORTUGUESA


Em 1998, quando o governo Fernando Henrique Cardoso privatizou as telecomunicações, o consórcio liderado pelo empresário Carlos Jereissati, irmão do então senador tucano Tasso Jereissati, apresentou uma proposta pela antiga Telemar, que unia concessionárias no Rio de Janeiro e em vários Estados do Nordeste, sem ter dinheiro para tanto. Ainda assim, aliado ao então presidente da Previ, Ricardo Sérgio de Oliveira, venceu o leilão e os fundos de pensão estatais montaram uma operação emergencial para financiar os compradores. Dias depois, o então ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros, batizou o consórcio Telemar como "telegangue" e comandou uma intervenção na empresa. Fez com que o BNDES comprasse 25% das ações e deu início a um novo processo de venda que deveria culminar com a entrada da Telecom Italia na empresa. Esse processo foi abortado e Jereissati e seu sócio Sergio Andrade, da empreiteira Andrade Gutierrez, continuaram à frente da Telemar. No governo Lula, havia a expectativa de o governo montasse uma grande empresa brasileira de telecomunicações comandada por fundos de pensão, que eram acionistas tanto da Telemar, de Carlos Jereissati e Sérgio Andrade, como da Brasil Telecom, de Daniel Dantas. Fez-se uma fusão à força entre as duas empresas, e governo usou montanhas de recursos tanto do BNDES como dos fundos de pensão para criar a chamada "supertele nacional", uma empresa que teria a missão de enfrentar a espanhola Telefônica, dona da Vivo, a mexicana Telmex, dona da Claro e da Embratel, e a italiana TIM. Três anos depois da criação dessa empresa, no entanto, a Oi é a quarta do setor e não consegue apresentar bons resultados. Tanto que seu presidente, Francisco Valim, foi demitido por telefone na semana passada. Sua saída, no entanto, faz parte de um movimento mais amplo. Muito em breve, a "supertele brasileira" será uma empresa portuguesa. Carlos Jereissati e Sérgio Andrade estão vendendo suas ações para a Portugal Telecom, em uma operação conduzida pelo BTG Pactual, de André Esteves. O novo presidente da companhia deverá ser o português Zeinal Bava. Carlos Jereissati e Sérgio Andrade iniciaram negociações para a venda de suas participações na Oi, de 19,35% cada um, para a Portugal Telecom, que é dona de 12,07% da holding. O quase onipresente BTG Pactual é o banco que trabalha na operação. Na mesa, um negócio de 2 bilhões de reais, no total. Se a transação for fechada, marcará precocemente o fim da ambiciosa idéia do governo do governo petista de criar uma supertele nacional.

ÀS VÉSPERAS DE ELEIÇÃO, GURGEL DENUNCIA RENAN


Dois anos depois de receber o processo sobre o caso que derrubou Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado, em 2007, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, apresentou denuncia contra o senador alagoano. A denúncia sobre o caso das notas dos "bois de Alagoas", derivado das suspeitas de que o então presidente do Senado tinha despesas pagas por um lobista, chega coincidentemente a apenas uma semana da eleição para a presidência do Senado, na qual Renan é o favorito. A denúncia no inquérito 2593 foi apresentada na sexta-feira ao relator do caso no Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, e já soma mais de 5.600 folhas. A eleição à presidência do Senado está marcada para a próxima sexta-feira. Com a denúncia em mãos, Lewandowski deverá fazer um relatório e um voto para levar o caso ao plenário. Quando isso acontecer, os 11 ministros do Supremo decidirão se recebem a denúncia ou rejeitam. Caso aceitem a denúncia, Renan se tornará réu em uma ação criminal. Em 2007, Renan foi acusado pela jornalista Mônica Veloso, sua ex-amante, de usar dinheiro do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, para pagar suas despesas com a pensão do filho e do aluguel da jornalista. Para comprovar que tinha condições de arcar com os gastos sozinho, o senador apresentou notas fiscais de vendas de bois, mas a Polícia Federal apontou que aqueles documentos não garantiam recursos para quitar a pensão. Os dois anos que levou para  apresentar a denúncia foram atribuídos por Gurgel ao tamanho do inquérito (43 volumes). Segundo a assessoria do procurador-geral da República, o tempo de Gurgel tempo foi tomado nos últimos meses pelo julgamento do Mensalão do PT.

Índio não quer FUNAI, CIMI ou a turma da Marina Silva, índio quer dinheiro


Índios da Amazônia têm loteado e "alugado" terras para madeireiros desmatarem e retirarem madeira de forma ilegal, e a preços módicos. Há casos identificados em ao menos 15 áreas indígenas (no Amazonas, Pará, Maranhão, Mato Grosso e Rondônia), com base em investigações da Polícia Federal, Ministério Público e relatos de servidores da Funai (Fundação Nacional do Índio). Nas transações, madeireiros pagam R$ 15 pelo metro cúbico da madeira, depois revendida por preços na casa dos R$ 1.000,00 de acordo com a Polícia Federal. Além de pagamento em dinheiro, os índios também aceitam aparelhos eletrônicos, bebidas ou até mesmo prostitutas, conforme relatos de funcionários da Funai. A madeira ganha aspecto de legalidade pelo uso de planos de manejo aprovados legalmente para outras áreas, e assim ao mercado. As terras indígenas representam 21,2% da Amazônia Legal. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais apontam que o desmatamento ainda não chegou a grandes proporções nessas áreas. Além da madeira, também existem investigações sobre o envolvimento de índios na extração de minério. Na terra indígena Anambé, em Moju, no Pará, relatório da Funai diz que os índios, após alugarem parte do território a madeireiros, acabaram perdendo o controle sobre a área. O posto da fundação que ficava no local foi abandonado após um funcionário ter sido ameaçado por madeireiros. Relatórios de fiscalização apontam que a madeira do local é levada para Tailândia, pólo madeireiro do sudeste do Pará e que foi alvo, em 2008, da Operação Arco de Fogo, do Ibama e da Polícia Federal.

Donos de taxis, os "barões das placas" transformam Porto Alegre em um inferno

O morador de Porto Alegre é refém de taxistas que decidem quando e onde os carros estarão disponíveis para a população. Parte da frota, que deveria prestar um serviço público, acaba atendendo apenas a interesses privados. Taxistas preferem permanecer estacionados a trafegar em busca de passageiros em Porto Alegre. Há quatro situações que explicam a ausência dos tradicionais carros vermelhos em determinados momentos do dia e, sobretudo, em pontos extremos de Porto Alegre. Os dois principais motivos estão intimamente relacionados: a presença dos "Barões das Placas", homens que administram, através de procurações, até 30 táxis, dos quais são na verdade os verdadeiros donos; e a criação do sistema de cobrança baseado no quilômetro rodado. Imposto por donos de veículos a seus motoristas auxiliares, o pagamento pelo quilômetro percorrido (sem levar em consideração o taxímetro) inibe a busca de clientes. Criada na década de 90, mas disseminada nos últimos cinco anos com o fortalecimento dos "Barões das Placas", a cobrança pela quilometragem tem efeito direto na vida dos usuários de táxis. É que o valor a ser desembolsado pelo funcionário do veículo varia entre R$ 1,30 e R$ 1,50 por quilômetro percorrido. O problema ganha dimensão porque a frota permanece nas mãos de auxiliares durante 65% do dia. Em média, cada motorista roda 200 quilômetros por dia. Então um "Barão da Placa" embolsa cerca de R$ 300,00 mesmo que o seu auxiliar tenha circulado metade dessa distância com carro vazio em busca de cliente. Então, ninguém mais busca passageiro nas ruas. Como consequência, grandes eventos realizados em bairros extremos deixaram de ser atraentes para os taxistas. Isso é o que explica a falta de táxis ao fim de jogos e espetáculos, por exemplo, na Arena da OAS. A conta é a seguinte: o deslocamento do Largo Glênio Peres à Fiergs, na Zona Norte, pode custar até R$ 45,00 ao motorista contratado pelo "Barão da Placa", dono do carro. Mesmo que tenha a sorte de apanhar um passageiro que o traga de volta ao ponto de origem, ele receberá R$ 42,6 pela corrida. Ou seja, depois de quase uma hora de trabalho, o motorista ainda poderá sair no prejuízo. A outra causa da carência de táxis está relacionada à troca de turno, a lavagem do veículo e o acerto de contas entre donos de táxis e auxiliares. Isso é feito em as horas mais movimentadas do dia, entre as 16h30min e as 18h30min. O horário escolhido pelos "Barões das Placas" leva em consideração razões privadas, desconsiderando o interesse público. Dessa forma, eles evitam que seus funcionários fiquem presos em engarrafamentos. Como mais de 80% da frota usa GNV, o período da troca está até sendo antecipado para as 16 horas, mas há poucos postos e, nesse horário, todos ficam lotados. A prefeitura de Porto Alegre congelou as "transferências" de permissões de exploração do serviço, na verdade uma comercialização de placas, o que esfriou, mas não extinguiu esse mercado que movimentada R$ 120 milhões por ano. O negócio é o seguinte: essas permissões deviam ser todas extintas, e licitadas as autorizações para operação de táxi em Porto Alegre, com apenas um carro por motorista.

Donos de taxis, os "barões das placas" transformam Porto Alegre em um inferno


O morador de Porto Alegre é refém de taxistas que decidem quando e onde os carros estarão disponíveis para a população. Parte da frota, que deveria prestar um serviço público, acaba atendendo apenas a interesses privados. Taxistas preferem permanecer estacionados a trafegar em busca de passageiros em Porto Alegre. Há quatro situações que explicam a ausência dos tradicionais carros vermelhos em determinados momentos do dia e, sobretudo, em pontos extremos de Porto Alegre. Os dois principais motivos estão intimamente relacionados: a presença dos "Barões das Placas", homens que administram, através de procurações, até 30 táxis, dos quais são na verdade os verdadeiros donos; e a criação do sistema de cobrança baseado no quilômetro rodado. Imposto por donos de veículos a seus motoristas auxiliares, o pagamento pelo quilômetro percorrido (sem levar em consideração o taxímetro) inibe a busca de clientes. Criada na década de 90, mas disseminada nos últimos cinco anos com o fortalecimento dos "Barões das Placas", a cobrança pela quilometragem tem efeito direto na vida dos usuários de táxis. É que o valor a ser desembolsado pelo funcionário do veículo varia entre R$ 1,30 e R$ 1,50 por quilômetro percorrido. O problema ganha dimensão porque a frota permanece nas mãos de auxiliares durante 65% do dia. Em média, cada motorista roda 200 quilômetros por dia. Então um "Barão da Placa" embolsa cerca de R$ 300,00 mesmo que o seu auxiliar tenha circulado metade dessa distância com carro vazio em busca de cliente. Então, ninguém mais busca passageiro nas ruas. Como consequência, grandes eventos realizados em bairros extremos deixaram de ser atraentes para os taxistas. Isso é o que explica a falta de táxis ao fim de jogos e espetáculos, por exemplo, na Arena da OAS. A conta é a seguinte: o deslocamento do Largo Glênio Peres à Fiergs, na Zona Norte, pode custar até R$ 45,00 ao motorista contratado pelo "Barão da Placa", dono do carro. Mesmo que tenha a sorte de apanhar um passageiro que o traga de volta ao ponto de origem, ele receberá R$ 42,6 pela corrida. Ou seja, depois de quase uma hora de trabalho, o motorista ainda poderá sair no prejuízo. A outra causa da carência de táxis está relacionada à troca de turno, a lavagem do veículo e o acerto de contas entre donos de táxis e auxiliares. Isso é feito em as horas mais movimentadas do dia, entre as 16h30min e as 18h30min. O horário escolhido pelos "Barões das Placas" leva em consideração razões privadas, desconsiderando o interesse público. Dessa forma, eles evitam que seus funcionários fiquem presos em engarrafamentos. Como mais de 80% da frota usa GNV, o período da troca está até sendo antecipado para as 16 horas, mas há poucos postos e, nesse horário, todos ficam lotados. A prefeitura de Porto Alegre congelou as "transferências" de permissões de exploração do serviço, na verdade uma comercialização de placas, o que esfriou, mas não extinguiu esse mercado que movimentada R$ 120 milhões por ano. O negócio é o seguinte: essas permissões deviam ser todas extintas, e licitadas as autorizações para operação de táxi em Porto Alegre, com apenas um carro por motorista.

Casal de namorados de Palmeira das Missões morre em Santa Maria


Juntos há mais de um ano, o casal de namorados de Palmeira das Missões, no Noroeste, Luiz Fernando Donati e Flávia de Carli Magalhães, ambos de 18 anos, decidiram passar o final de semana em Santa Maria para ir à festa na boate Kiss. A alegria dos jovens, que estavam no primeiro ano de faculdade, foi interrompida durante o incêndio. O velório dos dois será realizado em conjunto, em Palmeira das Missões. Os dois estudavam na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mas em campi diferentes. Luiz cursava agronomia em Santa Maria e Flávia estudava administração em Palmeira das Missões. Desde que foram aprovados no vestibular, combinaram de passar todos os finais de semana juntos, um em cada cidade.

Casal de namorados de Palmeira das Missões morre em Santa Maria


Juntos há mais de um ano, o casal de namorados de Palmeira das Missões, no Noroeste, Luiz Fernando Donati e Flávia de Carli Magalhães, ambos de 18 anos, decidiram passar o final de semana em Santa Maria para ir à festa na boate Kiss. A alegria dos jovens, que estavam no primeiro ano de faculdade, foi interrompida durante o incêndio. O velório dos dois será realizado em conjunto, em Palmeira das Missões. Os dois estudavam na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mas em campi diferentes. Luiz cursava agronomia em Santa Maria e Flávia estudava administração em Palmeira das Missões. Desde que foram aprovados no vestibular, combinaram de passar todos os finais de semana juntos, um em cada cidade.

VEJA A LISTA COM OS NOMES DOS MORTOS NA BOATE KISS, EM SANTA MARIA


Identificados por reconhecimento

Alan Rembem de Oliveira
Alaxandre Anes Prado
Alisson Oliveira da Silva
Allana Willers
André Cadore Bosser
Andressa Ferreira Flores
Andressa Thalita Farias Brissow
Ângelo Nicolosso Aita
Augusto Cesar Neves
Augusto Malezan de Almeida Gomes
Augusto Sergio Krauspenhar da Silva
Benhur Retzlaff Rodrigues
Bernardo Carlo Kobe
Bruna Brondani Pafhalia
Bruna Eduarda Neu
Bruno Kraulich
Carlitos Chaves Soares
Carlos Alexandre dos Santos Machado
Carolina Simões Corte Real
Cássio Garcez Biscaino
Clarissa Lima Teixeira
Daniel Knabbem da Rosa
Daniel Sechim
Daniela Betega Ahmadw
Danilo Brauner Jaques
Danriei Darin
David Santiago de Souza
Débora Chiappa Forner
Deives Marques Gonçalves
Dionatham Kamphorst Paulo
Douglas da Silva Flores
Elizandor Oliveira Rolin
Emerson Cardoso Pain
Evelin Costa Lopes
Fábio José Cervinski
Felipe Vieira
Fernanda Fischer
Fernando Michel Devagarins Parcianello
Fernando Pellin
Flávia Decarle Magalhães
Franciele Araujo Vieira
Franciele Viziole
Gabriela Corcine Sanchotene
Gabriela dos Santos Saenger
Geni Lourenço da Silva
Giovane Krauchemberg Simões
Guilherme Fontes Gonçalves
Guino Ramom Brites Burro
Gustavo Ferreira Soares
Heitor Santos Oliveira
Heitor Teixeira Gonçalves
Helio Trentin Junior
Henrique Nemitz Martins
Herbert Magalhães Charão
Hericson Ávila dos Santos
Igor Stefhan de Oliveira
Jacob Francisco Thiele
Jaderson da Silva
Janaina Portella
João Carlos Barcellos Silva
João Paulo Pozzobom
José Luiz Weiss Neto
Julia Cristofari Soul
Juliana Moro Medeiros
Juliana Oliveira dos Santos
Juliana Sperone Lentz
Kelli Anne Santos Azzolin
Larissa Terres Teixeira
Leandra Fernanda Toniolo
Leandro Avila Leivas
Leandro Nunes da Silva
Leonardo de Lima Machado
Leonardo Machado de Lacerda
Leonardo Schoff Vendrúsculo
Letícia Ferraz da Cruz
Lincon Turcato Carabagiale
Louise Victoria Farias Brissow
Luana Behr Vianna
Lucas Leite Teixeira
Luciano Ariel Silva da Silva
Luciano Tagliapetra Esperidião
Luiz Fernando Riva Donate
Luiza Alves da Silva
Luiza Batistela Bottow
Maicon Afrolinario Cardoso
Maicon Douglas Moreira Iensen
Maicon Francisco Evaldt
Marcelo de Freitas Salla Filho
Maria Mariana Rodrigues Ferreira
Mariana Comassetto do Canto
Mariana Moreira Macedo
Marina Kertermann Kalegari
Martins Francisco Mascarenhas de Souza Onofre
Marton Matana
Matheus de Lima Librelotto
Matheus Engert Rebolho
Mauricio Loreto Jaime
Melissa do Amaral Dalforno
Michele Dias de Campos
Micheli Froehlich Cardoso
Miguel Webber May
Mirella Rosa da Cruz
Natiele dos Santos Soares
Odomar Gonzaga Noronha
Otacílio Altíssimo Gonçalves
Pamela de Jesus Lopes
Paulo Batistela Gato
Pedro de Oliveira Salla
Raquel Daiane Fischer
Rhuan Scherer de Andrade
Ricardo Dariva
Ricardo Stefanello Piovesan
Roger Dallanhol
Rogério Cardoso Ivaniski
Ruan Pendenza Callegari
Sabrina Soares Mendes
Shaiana Tauchem Antoline
Silvio Beurer Junior
Suziele Cassol
Tailan Rembem de Oliveira
Taís da Silva Scaplin de Freitas
Tanise Lopes Cielo
Thailan de Oliveira
Thiago Amaro Cechinatto
Tiago Dovigi Cegabinaze
Vagner Rolin Marastega
Vandelcork Marques Lara Junior
Vinicios Greff
Vinicios Paglnossim de Moraes
Vinicius Silveira Marques de Mello
Vinissios Montardo Rosado
Viviane Tólio Soares

Identificados pela Perícia Necropapiloscópia

Andressa Ferreira Flores - RG 2077819205
Bruna Eduarda Neu - RG 5112716328
Carlos Alexandre dos Santos Machado - RG 5087233606
Francielli Araujo Vieira - RG 5101465101
FrancileVizioli - RG 1098870049
Julia Cristofali Saul - RG 8094907154
Maria Mariana Rodrigues Ferreira - RG 71059848891
Pâmella de Jesus Lopes - RG 7083600887
Sandra Leone Pacheco Ernesto - RG 4061233138

Casal de namorados da Serra morre em tragédia em Santa Maria

Entre os mortos de Santa Maria há dois jovens da Serra. Susiele Cassol, de 19 anos, e Roger Dallagnol, de 21, eram namorados. Ela era Natural de André da Rocha e morava e estudava Engenharia dos Alimentos em Santa Maria. Ele era natural de Paraí e trabalhava de operador de lixadeira numa indústria da cidade. Roger viajou a Santa Maria com os futuros sogros na manhã de sábado. Era uma viagem a passeio para visitar Susiele. O retorno seria neste domingo. Roger era filho da proprietária da Funerária Anil, de Paraí, Nilvete Dalpozzo. Parentes dos namorados viajaram a Santa Maria na manhã deste domingo para reconhecer e buscar os corpos. O sepultamento será nesta segunda-feira. Susiele e Roger serão sepultados juntos.

Hospital Universitário divulga lista de internados após incêndio em Santa Maria

O Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) divulgou por volta das 16 horas deste domingo uma lista oficial de internados na unidade após a tragédia na boate Kiss. A direção do hospital afirmou ainda que não tem como informar o estado de saúde de cada paciente, apenas os nomes. Veja a lista: Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) Marcia Andrade Rodrigues Ricardo Holdbarbaum do Amaral Pedro Almeida Natani Ribeiro da Silva Sara Denise da Silva Bibiana Fontana Ribeiro Pedro Falcão Ribeiro Luis Arthur Resener de Morais Brian Zeppenfeld Denise Filipeto de Almeida Emilio Bernich Carmen Janaina Dutra F. Rodrigues Gabriela França de Abreu Capricie Pereira Hubner Fabiano Martins João Batista Gonçalves Junior Marosin Felipeto Eduardo Felipeto Klein Leonardo Guimarães Machado Barbara Aline Saudatti Felipeto Tatiele Soares Aniel Adriele Roth da Silva Guilherme Ferreira da Luz José Volp Natalia Lucero Fernandes Ana Cristina da Silva Henrique da Costa Mendes Muniz Amanda Ruas Freitas Rodrigo Costa M Nunes Pronto Atendimento Patronato Rafaela Boeira da Silva Lucas Fritz Leonardo da Rosa contreira Fernanda Rosa de Oliveira

ESSE GOVERNADOR PETISTA, O PEREMPTÓRIO TARSO GENRO, TEM GRANDE PARCELA DE CULPA PELO DESASTRE DA BOATE KISS, EM SANTA MARIA. SE ELE TIVESSE TRATADO DE DAR UMA EFETIVA AUTONOMIA PARA O CORPO DE BOMBEIROS, DESVINCULANDO-O DA BRIGADA MILITAR, E DOTANDO-O DOS EQUIPAMENTOS E PESSOAL ESPECIALIZADO NECESSÁRIO, MUITAS SITUAÇÕES POTENCIALMENTE TRÁGICAS SERIAM EVITADAS. O COMANDANTE DOS BOMBEIROS EM SANTA MARIA, POR EXEMPLO, NÃO TEM NADA A VER COM BOMBEIROS, ELE É DO POLICIAMENTO DE RUA.

AVIÕES DA FAB ESTÃO CHEGANDO EM PORTO ALEGRE, NO AEROPORTO SALGADO FILHO, TRAZENDO FERIDOS DO INCÊNDIO DA BOATE KISS, EM SANTA MARIA

BOMBEIROS VINHAM HÁ MESES ME AVISANDO QUE ESTAVA A CAMINHO UMA TRAGÉDIA NO RIO GRANDE DO SUL, DEVIDO AO DESCASO DO GOVERNO COM AS NECESSIDADES DA CORPORAÇÃO, A COMEÇAR POR SUA DESVINCULAÇÃO DA BRIGADA MILITAR. O RIO GRANDE DO SUL DEVE SER UM DOS POUCOS ESTADOS DO BRASIL ONDE OS BOMBEIROS SÃO DEPENDENTES DA POLÍCIA MILITAR.

ATENÇÃO PAIS DE UNIVERSITÁRIOS E DE CURSINHOS QUE ESTUDAM EM PELOTAS, AS BOATES DA CIDADE ESTÃO NA MESMA CONDIÇÃO DESSA DE SANTA MARIA, RISCOS SÃO ENORMES NESTA CIDADE TAMBÉM

Dilma chora ao consolar pais de jovens mortos em boate de Santa Maria

A presidente Dilma Rousseff deixou agora há pouco o Centro Municipal de Desportos, onde estão os corpos das 232 pessoas mortas no incêndio da boate Kiss, ocorrido na madrugada deste domingo. No local, onde ficou por cerca de 15 minutos, ela cumprimentou familiares de algumas das vítimas e chorou ao consolar pais de jovens mortos na tragédia. Visivelmente comovida, a presidente estava acompanhada do governador Tarso Genro e de outros integrantes da comitiva presidencial que está na cidade. Dilma foi embora sem falar com a imprensa. Ainda não há informações se a presidente continuará em Santa Maria ou seguirá para Brasília.

Dilma chora ao consolar pais de jovens mortos em boate de Santa Maria

A presidente Dilma Rousseff deixou agora há pouco o Centro Municipal de Desportos, onde estão os corpos das 232 pessoas mortas no incêndio da boate Kiss, ocorrido na madrugada deste domingo. No local, onde ficou por cerca de 15 minutos, ela cumprimentou familiares de algumas das vítimas e chorou ao consolar pais de jovens mortos na tragédia. Visivelmente comovida, a presidente estava acompanhada do governador Tarso Genro e de outros integrantes da comitiva presidencial que está na cidade. Dilma foi embora sem falar com a imprensa. Ainda não há informações se a presidente continuará em Santa Maria ou seguirá para Brasília.

Fotógrafa da boate Kiss relata o pânico no momento das chamas

Eram dezenas de pessoas correndo. Uma multidão desesperada que rumava para a mesma porta, a única dentro da boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, que estava aberta. O relato de Fernanda Bona, fotógrafa da casa de festa, de 23 anos, é de agonia. Ela estava perto de uma das áreas VIPs do local, cuja visão para a pista e para o palco era quase completa. Fernanda tirava fotos em uma ponta da boate, perto da porta, no lado oposto do show. “Vi que a banda soltava umas faisquinhas, como se fossem foguinhos de artifício. Foi, então, que percebi a fumaça. Em seguida, as pessoas começaram a correr e a gritar fogo”, conta Fernanda. A boate estava cheia. Alguns, no desespero, foram para o banheiro, onde se trancaram imaginando conseguir escapar da fumaça. A maior parte se dirigiu à porta, que era a mesma para a entrada e saída das pessoas. “Havia apenas essa única porta”, afirma a fotógrafa. Por sorte, Fernanda estava perto do único local possível para deixar a boate. “Saí correndo desesperadamente. Empurrei as pessoas na ânsia de chegar à porta. Demorei uns três minutos para estar no lado de fora. As pessoas estavam enlouquecidas correndo”, afirma a fotógrafa. Bombeiros tiveram de quebrar as paredes para resgatar os jovens que estavam dentro da Kiss. A maior das vítimas e dos feridos é de universitários. Acontecia na boate uma festa chamada ‘Agromerados’, promovida pelos cursos de Agronomia, Veterinária, Pedagogia e Tecnologia dos Alimentos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Era uma festa com o objetivo de arrecadar dinheiro para a formatura dos alunos – prática comum na boate Kiss. O número de mortos no incêndio chega a 245. Ainda há 48 pessoas hospitalizadas, segundo informações do major do Batalhão de Operações Especiais (BOE), Cleberson Braida Bastianello. O estado de saúde delas ainda não foi detalhado.