segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Dilma cria gabinete de crise para salvar o governo.


A presidente Dilma Rousseff encomendou a um seleto grupo de ministros do PT a apresentação de metas prioritárias para os dois últimos anos do governo. Com tropeços na gestão, problemas na economia e dificuldades na articulação política, Dilma corre para construir marcas de governo que pavimentem sua candidatura à reeleição, em 2014, embalada pelo mote do desenvolvimento estratégico. As metas pedidas pela presidente para a segunda metade do mandato também envolvem perspectivas de longo prazo. Pressionada pelo baixo crescimento da economia no ano passado, que deve ficar próximo a 1%, Dilma aposta que medidas tomadas em 2012 para baixar os juros, ajustar o câmbio, reduzir impostos, diminuir a dívida pública e cortar o preço da energia elétrica terão impacto a partir de abril. Até agora houve apenas uma reunião com os ministros Guido Mantega (Fazenda), Gleisi Hoffmann (Casa Civil), Fernando Pimentel (Desenvolvimento), Miriam Belchior (Planejamento) e Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), em dezembro, quando Dilma tratou da necessidade do plano estratégico. Antes disso, no entanto, ela conversou com o ex-presidente Lula e com o marqueteiro João Santana, que seria o responsável pela sua campanha da reeleição. Pesquisas em poder do Palácio do Planalto indicam que falhas no sistema de saúde e na segurança pública figuram entre as maiores queixas dos eleitores. Embora segurança seja da competência dos Estados, o medo provocado pela violência nas grandes cidades atinge de forma negativa o governo federal. Além disso, a imagem de boa gestora de Dilma começa a ficar embaçada. Em um ano pré-eleitoral, o desafio da presidente é tirar projetos de infraestrutura da prateleira e atrair investimentos. No fim de 2012, ela anunciou um pacote de concessões em rodovias, ferrovias, portos e aeroportos que ultrapassa R$ 200 bilhões, mas investidores ainda têm dúvidas sobre a segurança jurídica para tocar projetos. Para a oposição, expressões como "destravar os nós" e "competitividade" viraram moda no governo, mesmo sem o figurino sair do papel. "A prática é outra, está tudo travado", provoca o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR). Dilma quer agora atenção redobrada ao Sistema Informatizado de Monitoramento da Presidência. Há 45 programas sob vigilância, e uma equipe de 30 técnicos da Casa Civil fiscaliza o andamento dos serviços, muitas vezes em tempo real. A lista é composta por projetos que não podem dar errado, como os estádios da Copa de 2014. Mesmo assim, das 82 obras de mobilidade urbana, portos e aeroportos, prometidas para a Copa, apenas três permanecem com cronograma inalterado.

As 10 maiores doadoras de campanhas ultrapassam R$ 1 bilhão desde 2002


As dez empresas que mais doaram nas eleições dos últimos dez anos desembolsaram mais de R$ 1 bilhão para financiar as campanhas de candidatos no País inteiro. Nesse grupo há cinco construtoras, três bancos, um frigorífico e uma metalúrgica. O montante repassado por elas a políticos entre 2002 e 2012 é suficiente para bancar quinze campanhas semelhantes à que levou Fernando Haddad (PT) à prefeitura de São Paulo, a mais cara de 2012. Equivale também ao custo da reforma que prepara o estádio do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014. As quatro primeiras posições são de empreiteiras: Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, OAS e Queiroz Galvão. Todas elas mantêm contratos vultosos com o poder público. Em São Paulo, por exemplo, as quatro participaram do consórcio que executou parte da linha 4-amarela do metrô e a OAS venceu a disputa por dois lotes do trecho norte do Rodoanel. Só em 2012 o governo federal pagou R$ 213 milhões diretamente à Camargo Corrêa, a maior parte por contratos com o Ministério dos Transportes. A Queiroz Galvão recebeu outros R$ 420 milhões da União, segundo o Portal da Transparência. Naturalmente, como é muito conveniente, neste relatório feito pelo jornal Folha de S. Paulo, foi esquecido o valor bancado pelo setor lixeiro. Ocorre que boa parte das empresas de lixo pertencem a esses grandes conglomerados de empreiteiras, como a Queiroz Galvão. E os contratos são absolutamente multibilionários nesta área, dão uma surra nas obras. O contrato do lixo de São Paulo, por exemplo, que é contestado na Justiça em denúncia de fraude, uma concessão de 20 anos renovável por mais 20, vai a 40 bilhões de reais. A quinta empresa na lista é a JBS. Entre seus acionistas está o BNDES, banco público de fomento que detém cerca de um terço da empresa. Os outros líderes no levantamento são os bancos Alvorada (Bradesco), Itaú e BMG, a empreiteira UTC e a produtora de aço Gerdau. A concentração das doações é ainda maior se forem considerados os grupos a que essas empresas pertencem, já que parte dos conglomerados divide as doações entre subsidiárias. É o caso do Bradesco, que, além das doações do Banco Alvorada, investiu por meio do Bankpar (R$ 18,3 milhões) e da Tempo Serviços (R$ 20 milhões). Há também grupos que dividem as doações de maneira equilibrada: a Vale doou R$ 107 milhões via quatro empresas, e a Odebrecht, R$ 68 milhões por sua construtora e pela Braskem. O volume de doações registradas cresce a partir de 2010. Isso porque, até 2008, apenas candidatos e comitês declaravam suas contas eleitorais. As doações aos partidos eram informadas, sem discriminação, junto à contabilidade geral da sigla no final do ano.A Gerdau diz que doa para "fortalecer a cidadania e impulsionar a evolução social e econômica". Que tal, hein?

ONS observa aumento de 4,2% no consumo de energia em 2012


O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgou nesta segunda-feira que o consumo de energia elétrica no Brasil subiu 4,2%. Segundo o órgão, só no último mês a carga de energia elétrica brasileira cresceu 6,3%, quando comparado com o mesmo período de 2011. A ONS garante que a alta observada em dezembro de 2012 é reflexo das altas temperaturas nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul. “É importante ressaltar que a incorporação de novos aparelhos de refrigeração e ventilação para uso residencial e comercial, como resultado da melhoria de renda e da política de desoneração fiscal, tem feito com que a carga fique ainda mais sensível às oscilações de temperatura e sensação térmica”, justifica.

Dilma prepara minirreforma ministerial


A presidenta Dilma Rousseff pretende realizar uma “minirreforma ministerial” que possa ajudá-la na corrida pela reeleição em 2014. As mudanças devem acontecer logo depois das eleições para as presidências da Câmara e do Senado. As trocas já estão encaminhadas. O ministro Marco Raupp (Ciência e Tecnologia) já foi avisado que seu cargo é necessário para a negociação com os partidos aliados. A expectativa é que o deputado Gabriel Chalita (PMDB) seja anunciado o novo ministro da pasta. Seu partido está de olho no Ministério da Educação, mas dificilmente o órgão deixará de ser comandado por Aloizio Mercadante (PT). Outra mudança prevista é a criação do Ministério da Micro e Pequena Empresa, aprovado pelo Congresso no fim de 2012.

Exército apresenta nesta terça-feira seu primeiro Simulador de Operações Cibernéticas


O Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército informou que vai apresentar nesta terça-feira seu primeiro Simulador Nacional de Operações Cibernéticas. Segundo o órgão, trata-se de uma máquina que cria cenários a fim de possibilitar o treinamento dos militares em guerras cibernéticas. Os que participam do treinamento ficam aptos tanto para realizar defesa quanto ataques virtuais. O coronel Marcio Fava informou que o risco de guerra cibernética no Brasil é iminente, já que existe ameaça não apenas contra organizações, mas também contra os próprios cidadãos.

Ministro comemora início de chuvas


O ministro Edison Lobão (Minas e Energia) comemorou nesta segunda-feira o início do período de chuvas. Segundo ele, o Brasil não terá problemas com o nível dos reservatórios das hidrelétricas e, desta forma, a energia elétrica está garantida. "O período de chuvas é realmente em janeiro, fevereiro, março e abril. Não temos problemas com nossos reservatórios, vamos preenchê-los todos e garantir o suprimento de energia por todo ano e pelos anos seguintes”, afirmou. “Só o fato de estarmos acrescentando cerca de 9 mil megawatts de energia este ano é uma segurança para frente. Nós estamos acrescentando cada vez mais e fazendo balanceamento de térmicas e hidrelétricas", completou.

Mau estado de arquivos públicos comprometem Lei de Acesso à Informação


Além de não estar regulamentada em 15 Estados, a Lei de Acesso à Informação, sancionada em novembro de 2011 pela presidente Dilma Rousseff, corre o risco de não ser totalmente implementada por causa do estado precário dos arquivos públicos estaduais no País. Muitos ficam em instalações castigadas por infiltrações e riscos de incêndio, e com sua capacidade de armazenagem saturada. Em Belém, o Arquivo Público do Pará não recebe mais documentos públicos desde os anos 1980, por não ter onde guardá-los. Em Teresina, o horário de atendimento, que deveria ser das 8 às 18 horas, encerra-se às 13 horas, por falta de pessoal: o mais novo dos 21 servidores tem 26 anos de casa. Entre o material sob sua responsabilidade está, por exemplo, o relativo à Revolta da Balaiada, do século XVIII, empacotado e colocado em cima de estantes.

Governo teme que crescimento fraco contamine o mercado de trabalho


Conselheiros políticos da presidente Dilma Rousseff acompanham com apreensão os primeiros indicadores de desempenho da economia neste início de ano. O temor é o de que a atividade fraca de 2012 continue e contamine um dos pilares da alta popularidade da presidente: o emprego. Se o Produto Interno Bruto (PIB) não reagir, o mercado de trabalho pode ser atingido, segundo avaliam as confederações da indústria, do comércio e dos serviços. "Se a economia seguir um padrão fraco, como o de 2012, a desaceleração alcança o mercado de serviços, e aí podemos ter uma contaminação do mercado de trabalho", avaliou o gerente executivo do Núcleo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco. De janeiro a novembro de 2012, a indústria registrou queda de 0,2% no emprego na comparação com 2011. O dado negativo, porém, foi compensado pelo desempenho do comércio e dos serviços.

ONS afirma que nível dos reservatórios sobe, mas térmicas vão continuar ligadas


Apesar de estar chovendo razoavelmente nos Estados de São Paulo e Minas Gerais e também nas cabeceiras dos rios que abastecem os principais reservatórios das hidrelétricas, as usinas termelétricas continuarão funcionando para dar mais confiabilidade ao sistema e poupar a energia hídrica, tendo em vista que os reservatórios, embora venham recuperando gradativamente, ainda não atingiram o nível adequado, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). No Triângulo Mineiro, as chuvas são satisfatórias e intensas em Itumbiara, Nova Ponte, Emborcação e Furnas. Embora admita que “o pior já está passando” e que os níveis dos principais reservatórios já se afastaram do ponto crítico da Curva de Aversão ao Risco (CAR), o ONS informa que ainda é necessário mais chuva para chegar ao nível considerado adequado. Em Brasília, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que as chuvas estão dentro do previsto. “O período de chuva é sempre entre janeiro, fevereiro, março e abril. Não temos problema com nossos reservatórios, vamos preencher todos e garantir o suprimento de energia para todo ano e pelos anos seguintes. Só o fato de nós estarmos acrescentando cerca de 9 mil megawatts de energia total este ano, já é uma segurança mais para a frente”, disse ele. Hoje, cerca de 60 usinas térmicas (movidas a gás natural, carvão, óleos diesel e combustível, além da Usina Nuclear de Angra 2) estão disponibilizando cerca de 13 mil megawatts médios de energia para o Sistema Interligado Nacional (SIN), de um total de aproximadamente de 58 mil megawatts médios demandados. Com base no gráfico de Curva de Aversão ao Risco do ONS, é possível constatar que, desde o último dia 9, o volume de água nos reservatórios da subestação Sudeste/Centro-Oeste (que responde por mais de 60% da demanda energética do País) subiu cinco pontos percentuais, passando de 28,3% para 33,3%. O mesmo crescimento percentual foi verificado no subsistema Norte, que fechou o último domingo em 45,4% da capacidade. Na Região Sul, o nível se manteve praticamente estável, com uma alta de 2,3 pontos percentuais em relação ao dia 9, mas com uma redução de 0,06 ponto percentual em relação ao dia 10. Já o nível dos reservatórios do subsistema Nordeste, que vinha caindo até o início da semana passada, fechou esse domingo com uma pequena alta de 0,2 ponto percentual em comparação ao último dia 9.

Demanda por transporte aéreo cresceu 6,79% em 2012


A demanda do transporte aéreo doméstico de passageiros cresceu 6,79% no ano passado em relação aos dados de 2011. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a oferta de vôos aumentou 2,72% no mesmo período. A taxa de ocupação dos vôos domésticos de passageiros cresceu 3,96%, passando de 70,17% em 2011 para 72,95% em 2012. A companhia aérea TAM lidera o mercado, com 40,79%, seguida pela Gol, com 33,91%. A participação das demais empresas passou de 21,42% para 25,31% em relação ao mesmo período do ano anterior. No transporte aéreo internacional, a demanda de passageiros das empresas aéreas brasileiras teve aumento de 0,32% e a oferta registrou redução de 0,01% em relação a 2011. Ainda de acordo com a Anac, em dezembro, o crescimento da demanda do transporte aéreo doméstico foi 2,37%, em relação ao mesmo mês de 2011. No transporte aéreo internacional, a demanda de passageiros cresceu 5,95% em dezembro de 2012, se comparada com o mesmo mês de 2011.

FAB moderniza aviões para aumentar segurança na Copa do Mundo


A Força Aérea Brasileira (FAB) irá modernizar cinco aeronaves modelo E-99, que têm um radar na parte superior para detectar, rastrear e identificar alvos aéreos e transmitir essas informações para centros de controle. De acordo com a FAB, a tecnologia estará disponível durante a Copa do Mundo de 2014. Serão atualizados os sistemas de comando e controle, do radar de vigilância aérea, e dos equipamentos de guerra eletrônica, incluindo as ferramentas para proteger a aeronave de interferências provocadas por inimigos. Foram compradas seis estações de planejamento e análise de missão, para treinamento e aperfeiçoamento das tripulações. O contrato para a modernização, firmado entre a FAB e a Embraer Defesa e Segurança, chega a R$ 430 milhões. Os aviões são capazes de realizar missões de gerenciamento do espaço aéreo, posicionamento de caças e controle de interceptação, inteligência eletrônica e vigilância de fronteiras. Eles entraram em operação em 2002, como parte das aquisições voltadas para o controle e defesa da região Amazônica.

São Paulo começa a fazer internação compulsória de drogados


Teve início nesta segunda-feira na capital paulista a parceria do governo estadual e do Poder Judiciário que pretende agilizar os processos de internação involuntária ou compulsória de dependentes químicos. De acordo com o desembargador Antonio Carlos Malheiros, coordenador da Vara de Infância e Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, a parceria, oficializada no último dia 11, está condicionada ao respeito aos direitos humanos, podendo até mesmo ser suspensa, caso sejam verificadas violações. “Esperamos que isso não aconteça. Agora é evidente que não só nós, do Poder Judiciário, mas o Ministério Público, a OAB, a Defensoria Pública, todos nós estaremos atentos ao resguardo da dignidade da pessoa humana. Todos nós somos antimanicomiais, mas há exceções quando a vida da pessoa está em risco ou ela está colocando em risco a vida de um terceiro”, disse ele. O desembargador destacou a preocupação que teve inicialmente de essa ser uma ação apenas para retirar os usuários da Cracolândia, na região central. “Eu não poderia conceber ação do Judiciário com um movimento higienista ou de internação em massa, como ocorreu em outros Estados. Eu jamais compactuaria com isso. Mas houve uma resposta no dia da instalação da medida, no Palácio dos Bandeirantes, que não seria, em hipótese nenhuma, uma ação com esse intuito”, declarou. Para julgar as medidas cautelares que autorizam a internação compulsória ou involuntária (a pedido da família), um anexo do Tribunal de Justiça foi instalado no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod). O posto atende em regime de plantão, das 9 às 13 horas. Além do juiz e sua equipe técnica, irão atuar defensores públicos, que representam os usuários, e promotores de justiça.

Quatro Estados pedem que Supremo Tribunal Federal prorrogue critério de rateio de Fundo de Participação


Os governadores de Bahia, Maranhão, Minas Gerais e Pernambuco pediram nesta segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma liminar que prorrogue os critérios de divisão do Fundo de Participação dos Estados (FPE) até que o Congresso decida sobre uma nova regra de rateio dos recursos, informou a Corte. Os governadores de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB); da Bahia, Jaques Wagner (PT); de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB); e do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), argumentam que a omissão do Legislativo em determinar novos critérios representa inconstitucionalidade por omissão. Na ocasião, o Supremo decidiu que as regras até então vigentes eram inconstitucionais e determinou que elas fossem mantidas até 31 de dezembro de 2012 para evitar uma insegurança jurídica que inviabilizasse as transferências de recursos às Unidades da Federação. Nesse período, caberia ao Congresso aprovar novos critérios para a divisão dos recursos, o que não aconteceu. "Isso origina um estado de insegurança jurídica ainda mais grave do que aquele constatado no julgamento de 2010", argumentam os governadores. O Ministério da Fazenda repassou às 27 Unidades da Federação os recursos do FPE nos últimos dias 10 e 20 de janeiro, como previsto, baseado em uma decisão do Tribunal de Contas da União e após conversas de autoridades da pasta com membros do Supremo. Mas o ministro Gilmar Mendes já avisou que isso foi inconstitucional.

Delegado confirma suicídio do ator Walmor Chagas


A Polícia Civil de Guaratinguetá divulgou nesta segunda-feira um laudo provisório que indicou vestígios de pólvora na mão direita de Walmor Chagas, o que sustenta a hipótese de suicídio. A informação foi confirmada por Antonio Luiz Marcelino, delegado do 2° Distrito Policial de Guaratinguetá. "O perito ainda vai dar o laudo definitivo, mas não resta dúvidas de que foi suicídio", afirmou. O caseiro João Arteiro de Almeida, que encontrou o corpo de Walmor, também passou pelo exame residuográfico e o resultado foi negativo. Walmor foi encontrado morto na última sexta-feira em sua chácara na cidade do interior de São Paulo, com um tiro na cabeça. Ele estava sentado em uma cadeira e portava um revólver calibre 38 sobre o colo. A Polícia Civil ainda aguarda o resultado de uma necrópsia e da perícia no local da morte. Além disso, um inquérito que averigua o motivo que levou Walmor a se matar está em andamento. É quase uma bobagem continuar com essa investigação. Walmor Chagas estava sofrendo com diabete, estava praticamente cego, e tinha dificuldades de movimentação. Assim, decidiu que não valia a pena continuar a viver dessa forma, sem dignidade, o que é compreensível em um ator e intelectual, uma pessoa altamente sensível. Segundo Marcelino, empregados, familiares e vizinhos serão ouvidos e a investigação deve terminar em 30 dias. Para o empresário e amigo de Walmor, Antônio Carlos Cardoso, o ator tirou a própria vida porque estava muito doente e não queria dar trabalho para amigos e parentes. "Acredito que seu suicídio foi resultado da sua teimosia, não queria ser um peso para ninguém. Ele na verdade quis escolher a hora de sua própria morte", disse. O corpo de Walmor foi cremado em uma cerimônia reservada para amigos e parentes no Cemitério Parque das Flores, em São José dos Campos, no sábado. Uma das poucas declarações da família foi da irmã Jussara Chagas, que mora em Porto Alegre. "Ele foi muito importante para a cultura do país", comentou ao deixar a capela onde foi feita a cremação do corpo. As cinzas do ator deverão ser jogadas na Serra da Mantiqueira. Gaúcho da cidade de Alegrete, Walmor Chagas nasceu no dia 28 de agosto de 1930. Ele se mudou para São Paulo nos anos de 1950 para apostar no cinema. Seu primeiro filme foi "São Paulo S.A." (1965), de Luís Sérgio Person, ao lado de Eva Wilma. Além de "Cara ou Coroa", no ano passado, Walmor pôde ser visto também em "A Coleção Invisível", de Bernard Attal. No cinema, deixou como legado os longas "Valsa para Bruno Stein" (2007), "Asa Branca - Um Sonho Brasileiro" (1980) e "Beto Rockfeller" (1970), entre outros. Na TV, ele começou com uma participação no programa "Grande Teatro Tupi", da TV Tupi, em 1953. Mas sua estreia como ator foi na Globo, em 1974, na novela "Corrida do Ouro". Entre os folhetins da Globo em seu currículo estão "A Favorita" (2008), "Pé na Jaca" (2006), "Esperança" (2002), "Selva de Pedra" (1986) e "Vereda Tropical" (1984). Na Record, ele fez "Os Mutantes: Caminhos do Coração" (2007). Em 1992, ele também foi apresentador do programa "Você Decide". Walmor Chagas fundou, em 1952, o Teatro das Segundas-Feiras, com Ítalo Rossi. A primeira peça foi "Luta Até o Amanhecer", de Ugo Betti. Entre as principais peças estão "Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?" (1965), "Esperando Godot" (1969) e "Um Equilíbrio Delicado" (1999). Com mais de 60 anos de carreira, ele atuou em cerca de 40 peças, 20 filmes e 30 novelas. Walmor era viúvo da atriz Cacilda Becker, com quem teve uma filha, Maria Clara Becker Chagas.

Refinaria Manguinhos entra com pedido de recuperação judicial


A refinaria Manguinhos divulgou nesta segunda-feira que ingressou com pedido de recuperação judicial, com o objetivo de viabilizar o pagamento de passivo causado pela desapropriação do imóvel onde está localizada, pela política de subsídios à gasolina, e pela alta dos insumos devido ao câmbio. Segundo a companhia, um "plano consistente" de pagamento será apresentado aos credores nos próximos 60 dias, mostrando como ela pretende equacionar suas dívidas e conservar suas atividades, onde atua há quase 60 anos. O início da crise da refinaria se deu em outubro passado, quando o governo do Estado do Rio de Janeiro publicou decreto de desapropriação do imóvel para construir na área um projeto habitacional para a população de baixa renda. Há poucos dias a empresa anunciou que seu controlador faria um aporte de cerca de 55 milhões de reais na tentativa de equalizar os danos.

OAB vai processar Rocha Matos por advogar ilegalmente


A OAB vai processar o ex-juiz federal João Carlos da Rocha Mattos por advogar ilegalmente. Em entrevista, Rocha Mattos admitiu que está advogando sem permissão da OAB. Para assinar suas peças, afirmou que conta com a ajuda de um advogado devidamente inscrito na Ordem dos Advogados. Nesta segunda-feira, o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, afirmou que a entrevista é evidência inegável do exercício irregular da profissão. "O ex-juiz reconhece publicamente que está advogando por interpostas pessoas, ou seja, que voltou a cometer novo ilícito penal. Esse reconhecimento é um escárnio, uma agressão à sociedade, sobretudo vindo de um juiz que foi condenado e acabou afastado de sua classe pelo cometimento de crimes", afirmou o presidente da OAB. Cavalcante contou ter telefonado para o presidente da Seccional paulista da OAB, Marcos da Costa, para requerer que a entidade entre com representação criminal contra Rocha Mattos. Aos 64 anos, Rocha Mattos afirmou que retornou à advocacia, atividade que interrompeu em 1976 ao ingressar na carreira de delegado da Polícia Federal. "Estou solicitando minha inscrição na OAB", afirmou Rocha Mattos. "Hoje em dia eu advogo para mim. Eu faço o serviço e tem um advogado que assina pra mim", explicou. "Eu trabalho nos meus casos. Faço tudo, tudo, tudo", acrescentou. Se conseguir reativar sua inscrição na OAB, Rocha Mattos disse que pretende advogar na área penal. "Vou advogar na Justiça Federal, no Supremo, vou advogar onde for, sempre na área penal, que é onde tenho grande experiência", contou. Rocha Mattos foi o principal alvo da Operação Anaconda, deflagrada em outubro de 2003, para desbaratar um esquema de venda de sentenças. Rocha Mattos foi condenado pelo Órgão Especial do Tribunal Regional Federal da 3ª Região a três anos de prisão por formação de quadrilha. Rocha Mattos responde a outras dezenas de ações. Já foi condenado também por lavagem de dinheiro, crime que teria cometido na compra de um apartamento em Higienópolis (SP). O ex-magistrado cumpriu cinco anos de prisão em regime fechado, três pela Anaconda e dois por outros crimes. Passou para semiaberto em 8 dezembro de 2008. Em 2011 deixou o Cadeião do Belém e voltou à liberdade.

Colheita de milho do Brasil cairá 2,7% em 12/13 ante 11/12


O Brasil deverá produzir 70,7 milhões de toneladas de milho na safra 2012/13, o que seria uma queda de 2,7% na comparação com o recorde registrado na temporada passada, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira pela consultoria Safras & Mercado. A queda na safra está prevista apesar de a consultoria ter elevado a sua projeção para a produção de milho na comparação com o mês anterior. Em dezembro, a consultoria previu 69 milhões de toneladas. Segundo o analista da Safras & Mercado, Paulo Molinari, o recuo esperado na produção na comparação com o ano passado deve ocorrer pela expectativa de menor colheita na segunda safra de milho. "Alguns Estados de grande participação na safrinha, como Goiás e Mato Grosso, acabaram enfrentando atrasos no cultivo da safra verão de soja, o que, consequentemente, acabará afetando a colheita e o posterior cultivo da safrinha de milho", disse ele. O levantamento apontou que deverão ser cultivados 6,5 milhões de hectares na segunda safra de 2013 (safrinha), ante os 6,9 milhões de hectares registrados em 2012. A produtividade média também deve cair levemente, de 5.453 quilos por hectare para 5.409 quilos por hectare. A expectativa de produção da segunda safra de milho é de 35,14 milhões de toneladas, contra 37,976 milhões de toneladas em 2012, segundo a Safras. Na primeira safra 2012/13 (verão), o levantamento indicou uma redução de 9,7% na área cultivada frente à temporada passada, para 5,353 milhões de hectares, por conta dos preços mais atrativos da soja. "Em compensação, mesmo com uma área menor, a recuperação da produção em Estados que enfrentaram problemas de seca no ano passado, como Rio Grande do Sul e Santa Catarina, devem fazer com que o volume de milho a ser colhido na safra verão deste ano tenha um incremento, passando de 28,874 milhões de toneladas para 29,637 milhões de toneladas", disse Molinari. Segundo ele, a área total da safra 2012/13 deve recuar 7,6% ante 11/12, para 13,705 milhões de hectares, enquanto a produtividade média deve crescer de 4.904 quilos por hectare para 5.160 quilos por hectare.

PREPAREM-SE PARA O PIOR, O NEOTROTSKISTA GAÚCHO ARNO AUGUSTIN, O REI DO ATRASO, COMO MINISTRO DA FAZENDA


O neotrotskista gaúcho Arno Augustin (membro da seita Democracia Socialista, que habita o PT gaúcho) poderá ser o novo ministro da Fazenda. Baleado de todos os lados, inclusive sob fogo amigo, o ministro da Fazenda, o petista Guido Mantega, está a um passo da defenestração do cargo. Seu substituto mais provável é o ex-secretário gaúcho da Fazenda e secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin. Arno foi responsável direto pelas manobras para fechar a conta do superávit, algo com que se acostumou quando participou do desastroso governo Olívio Dutra, que nem dinheiro conseguiu para pagar o último 13º. Ou seja, ele um "mandrake" da economia. Só manja truques. Ele foi colega de Dilma no atrasadissimo governo Olívio Dutra, que deixou um rombo monumental nas contas gaúchas. Só de precatórios foram mais de 2 bilhões. Os lesados foram os aposentados e pensionistas gaúchos, aos quais o petismo guasca negou o direito constitucional da paridade salarial com os funcionários da ativa. Foi outra das "mandrakices" de Arno Augustin. Eles só sabem governo assim. Perguntem como o PT entregou as contas da prefeitura de Porto Alegre para o governo de José Fogaça?