terça-feira, 25 de setembro de 2012

Petrobras coloca volume recorde de gás no mercado

A Petrobras entregou ao mercado um total de 91,4 milhões de metros cúbicos de gás natural na sexta-feira, volume considerado recorde segundo a estatal. O recorde anterior, de 85,9 milhões de metros cúbicos, foi alcançado no dia 12 de novembro de 2010, informou a companhia em comunicado nesta terça-feira. Do total entregue, grande parte foi destinada para abastecer o mercado termelétrico, que está produzindo energia para poupar reservatórios das hidrelétricas neste inverno seco. Cerca de 36,1 milhões de m3/dia foram destinados para as usinas térmicas. Segundo a Petrobras, seu parque gerador tem batido sucessivos recordes este mês, atingindo o pico de 5.225 megawats (MW) na sexta-feira. A capacidade total do parque gerador da Petrobras é de 6.952 MW. Nas termelétricas de terceiros, para as quais a Petrobras também fornece gás natural, foram gerados 1.310 MW, consumindo 6,4 milhões de m3 de gás natural. O mercado não termelétrico (indústrias, residências, veicular, cogeração e outros) recebeu 41,5 milhões de m3/dia. O volume restante (13,8 milhões de m3/dia) foi consumido pelas próprias unidades da Petrobras. Segundo a estatal, só foi possível o recorde de fornecimento de gás graças ao aumento da produção nacional, em especial nos campos da bacia de Santos (Mexilhão, Uruguá-Tambaú e Lula). A produção brasileira de gás atingiu 41,7 milhões de metros cúbicos diários. O gás boliviano importado também atingiu o seu volume máximo de capacidade de transporte pelo gasoduto Bolívia-Brasil, de 31,5 milhões de m3/dia. Os terminais de GNL da Petrobras em Pecém (CE) e na Baía da Guanabara (RJ) completaram o fornecimento, com a regaseificação de 18,2 milhões de m3/dia.

Justiça proíbe exibição no Brasil de filme que ofende Maomé

O Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu nesta terça-feira o site YouTube de exibir o trailer do filme "Inocência dos Muçulmanos", supostamente ofensivo ao islamismo. A decisão foi tomada nesta tarde pelo juiz Gilson Delgado Miranda, da 25ª Vara Cível, a pedido da União Nacional Islâmica contra a Google Brasil, responsável pelo serviço de vídeos online. O YouTube tem dez dias para tirar do ar o trailer no Brasil. A cada dia de descumprimento da medida, uma multa de RS 10 mil será cobrada da empresa, segundo o despacho do magistrado. "O caso realmente envolve uma questão complexa e de difícil solução. Em verdade, traz um conflito claro em relação à liberdade de expressão e à necessidade proteção de indivíduos ou grupos humanos contra manifestações que possam induzir ou incitar a discriminação de preconceito de religião. Realmente, o nosso sistema constitucional consagra a liberdade de expressão por considerá-la um dos fundamentos essenciais de uma sociedade democrática (...). Cancelar o que é ilícito, no entanto, não ofende o valor relevante da liberdade de pensamento e de comunicação", declarou o juiz em sua decisão, argumentando que a medida não representa censura. O advogado da União Nacional Islâmica, Adib Adbouni comemorou a decisão e disse que o filme viola a Constituição, pois, em sua interpretação, viola o direito de liberdade de religião. Para o advogado, o vídeo "ofende a coletividade islâmica". Para o presidente da Associação Beneficente Islâmica do Brasil, Bilal Jumaa, que organizou uma passeata contra o filme, a decisão da Justiça foi acertada: "Foi bom para impedir que digam essas coisas ruins. Isso é um ataque que mexe com todas as religiões e vai proteger a liberdade de religião". Ainda de acordo com Jumaa, o fato de a comunidade islâmica brasileira ter se mobilizado pode ter contribuído para a proibição do filme: "Pode ser, sim. A gente se mobilizou e mostrou que esse filme não é legítimo". A decisão judicial é o fim da picada, reinstaura no Brasil a censura do tempo da ditadura militar, quando filmes como os do cineasta italiano Pier Paolo Pasini foram proibidos no País. Também foram proibidos naquela época os filmes "O último tango em Paris" e "A Laranja Mecânica".

Guilherme Fontes é condenado a devolver dinheiro

O ator e diretor Guilherme Fontes foi condenado em primeira instância, na Justiça do Rio de Janeiro, a devolver R$ 2,58 milhões recebidos como patrocínio da Petrobras para a realização do filme "Chatô, o Rei do Brasil", que narra a história do empresário Assis Chateaubriand (1892-1968), mas nunca foi concluído. A sentença foi emitida no último dia 19 pelo juiz Paulo Roberto Fragoso, da 31ª Vara Cível do Rio de Janeiro. Para o juiz, Guilherme Fontes deve devolver o dinheiro por não ter concluído o projeto no prazo estipulado. "As cartas contrato firmadas preveem reembolso das verbas despendidas como patrocínio para a realização do filme, atualizadas e acrescidas de juros de 1% ao mês, caso o réu não cumprisse o acordo no prazo estipulado (30 de abril de 2003)". "Já que o réu não cumpriu o contratado no prazo estipulado, está sujeito às sanções nele previstas. A atitude do réu em captar verbas públicas e não cumprir com o contratado sem apresentar qualquer justificativa fragiliza a credibilidade da classe que integra, e frustra legítima expectativa das patrocinadoras. Esse comportamento é prejudicial a todos os que necessitam desta linha de crédito, pois acarreta insegurança e desconfiança nos patrocinadores", afirma o juiz na decisão. A ordem foi de restituir R$ 1,1 milhão à Petrobras Distribuidora e em R$ 1,48 milhão à Petrobras S/A, com correção monetária e juros. Em 2010, Guilherme Fontes foi condenado a três anos de prisão por sonegação fiscal.

Eduardo Paes lidera no Rio de Janeiro com 52% e Freixo tem 17%, mostra Ibope

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), mantém-se na liderança da disputa eleitoral na cidade, com 52 por cento das intenções de voto, contra 17 por cento do segundo colocado Marcelo Freixo (PSOL), que subiu três pontos, apontou pesquisa Ibope nesta terça-feira. Paes, que disputa a reeleição, manteve os 52 por cento da pesquisa anterior, divulgada em 5 de setembro, e Freixo foi de 14 para 17 por cento. Rodrigo Maia (DEM) somou 4 por cento, ante 3 por cento da pesquisa anterior. Otávio Leite (PSDB) oscilou um ponto, e passou de 2 por cento para 3 por cento. Aspásia (PV) e Fernando Siqueira (PPL) têm 1 por cento das intenções de voto cada um.

Ibope aponta petista Haddad à frente de Serra

O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando "Kit Gay" Haddad, subiu 3 pontos nas intenções de voto, mantendo-se empatado tecnicamente com José Serra (PSDB), mas à frente do tucano, que oscilou negativamente dois pontos, apontou pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira. Haddad subiu de 15 por cento para 18 por cento na pesquisa e Serra teve oscilação de 19 por cento para 17 por cento. Esta é a primeira vez que Haddad aparece à frente de Serra em pesquisa do Ibope. O candidato do PRB, Celso Russomanno, oscilou negativamente um ponto, de 35 por cento para 34 por cento, e manteve-se na liderança. Gabriel Chalita (PMDB) variou de 6 por cento para 7 por cento, Soninha (PPS) manteve-se com 4 por cento, Paulinho da Força (PDT) seguiu com 1 por cento e Carlos Giannazi (PSOL) oscilou de 0 a 1 por cento.

Dilma apela contra fuzilamento de brasileiros

A presidente Dilma Rousseff entregou nesta terça ao presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, duas cartas de apelo contra o fuzilamento de dois brasileiros acusados no país asiático de tráfico de cocaína. Dilma demonstrou otimismo com uma solução para os casos de Marco Acher Cardoso Moreira e Rodrigo Gularte, presos naquele país desde 2004. "Entreguei duas cartas de apelo. Susilome prometeu fazer os seus melhores esforços e disse que entendia as diferenças de cultura e hábitos entre os dois países", relatou Dilma. "Nós no Brasil não temos a prática da pena de morte. Fiquei satisfeita com o interesse de Susilo em resolver o problema. Eu senti um melhora muito grande no ambiente em relação aos casos", completou. Dilma ainda conversou com o presidente do Egito, Mohamed Morsi, que antecipou uma conversa que teria com ela no Brasil no final deste mês. No encontro, segundo relato de Dilma, Morsi quis discutir ações nas áreas econômicas e social. Uma delegação egípcia será enviada ao Brasil para conhecer projetos desenvolvidos pelo governo brasileiro.

Marcio Lacerda abre 17 pontos sobre Patrus em Belo Horizonte, conforme Ibope

O canditato do PSB à prefeitura de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, subiu de 44% para 47% nas intenções de voto e abriu 17 pontos de vantagem sobre o segundo colocado Patrus Ananias (PT), que se manteve em 30%, mostrou pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira. Vanessa Portugal (PSTU) oscilou de 1% para 2% em relação à pesquisa anterior, de 5 de setembro, enquanto Maria da Consolação (PSOL) manteve-se com 1 por cento. Oito por cento dos entrevistados disseram que votarão nulo ou em branco e 12% não sabem ou não responderam. A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 24 de setembro e foram entrevistadas 805 pessoas na capital mineira. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Ministro Gilmar Mendes critica nota de Dilma que contesta ministro Joaquim Barbosa

Em novo sinal da tensão que envolve o Planalto e o Supremo Tribunal Federal por causa do julgamento do Mensalão do PT, o ministro Gilmar Mendes criticou nesta terça-feira a decisão da presidente Dilma Rousseff de divulgar uma nota oficial após ter sido citada na semana passada no julgamento. "O depoimento dela vale como todos os outros. Não é assim que se diz na República?", indagou Gilmar Mendes. "Imagine se cada vez que um tribunal tiver de se debruçar sobre depoimentos tiver de buscar a interpretação autêntica do depoente. Imagina o que vai representar isso", disse o ministro para jornalistas. "Vocês imaginam quantos depõem na CPMI, inquéritos policiais, perante o juiz, e agora alguém diz que o que o relator disse não é exatamente. Isso vai anular o julgamento?", questionou. "Isso é apenas um acidente nesse processo", disse o ministro nesta terça-feira depois de participar de uma sessão de julgamento nas turmas do Supremo. Na semana passada, ao sustentar a tese de que ocorreu compra de votos no Congresso, o relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, citou depoimento dado por Dilma em 2009 à Justiça no qual ela afirmou que ficou surpresa com a rapidez na votação do marco regulatório do setor elétrico. Na época do depoimento, Dilma era ministra chefe da Casa Civil. Mas no primeiro governo do ex-presidente Lula tinha ocupado o Ministério de Minas e Energia. No julgamento, Joaquim Barbosa defendeu a punição de políticos acusados de envolvimento no esquema do Mensalão do PT, como Roberto Jefferson, que foi o denunciante do mensalão. Um dia depois ter sido mencionada por Joaquim Barbosa, Dilma Rousseff soltou uma nota dizendo que eram necessários alguns esclarecimentos para eliminar quaisquer dúvidas sobre as declarações.

Caixa Econômica Federal reduz juros do Construcard e lança cartão para financiamento de móveis e eletrodomésticos

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta terça-feira novas condições para o Construcard, cartão destinado à aquisição de materiais de construção. As regras são válidas para clientes com renda individual mensal de até R$ 1,6 mil. De acordo com a Caixa Econômica Federal, após recentes modificações feitas no cartão, que teve prazo ampliado de 60 para 96 meses e taxas de juros reduzidas, o banco cria agora nova faixa de financiamento para o produto. As novas condições permitem juros de 0,9% ao mês mais Taxa Referencial (TR) e prazo de até 72 meses para pagar, atendendo à parcela da população com menor renda. A taxa de juros passa a valer a partir de 1º de outubro. Para usar o cartão, é preciso ir a uma loja credenciada. De acordo com a Caixa, atualmente são mais 65 mil estabelecimentos. Nos últimos cinco anos, o Construcard atendeu a cerca de 1,2 milhão de famílias, financiando um total de R$ 15 bilhões. Para ter acesso ao cartão Construcard é preciso apresentar documentos pessoais (RG, CPF, comprovante de endereço e de renda) em uma agência do banco, solicitando uma avaliação cadastral. O valor máximo do financiamento depende da capacidade de pagamento mensal do cliente, que tem até seis meses para utilizar o limite e começar a amortizar o crédito. O Construcard é utilizado por meio de cartão magnético exclusivo para a aquisição de material de construção e móveis embutidos, nas lojas credenciadas. A Caixa Econômica Federal também anunciou a criação do Moveiscard, cartão para financiamento de móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos. O novo cartão será comercializado a partir do dia 1º de outubro. A expectativa é que o Moveiscard atenda a 1,6 milhão de famílias até o final de 2013. Com o cartão podem ser financiados até 100% do bem, com prazo de até 60 meses, sendo dois meses de utilização e 58 meses de amortização, com taxas de juros que variam de 0,9% a 1,8% ao mês. A menor taxa é destinada aos clientes do Programa Minha Casa, Minha Vida – Faixa 1, com renda familiar de até R$ 1,6 mil. Nesse caso, o percentual é 0,9% ao mês. No caso de renda acima desse valor até R$ 3,2 mil, a taxa fica em 1,4%. Para a faixa 2, com renda de R$ 3.100,01 a R$ 5 mil, juros de 1,5% ao mês. E para os demais clientes do banco 1,8% ao mês.

Medida que determinou mudança no atestado de óbito de Vladimir Herzog pode ser estendida a outras vítimas da ditadura

O ex-procurador-geral da República, Claudio Fonteles, membro da Comissão Nacional da Verdade, confirmou nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, que a decisão da mudança do atestado de óbito do jornalista Vladimir Herzog partiu da própria instituição. “Por unanimidade, nós deliberamos que diante de um quadro evidente de que ele foi assassinado nas dependências do Estado, pelo serviço policial da repressão oficial na época, e embasado por provas eloquentes, nós deliberamos, para provocar o Poder Judiciário, por meio dos juízes de registros públicos, para que fosse sanada aquela gravíssima omissão. E fizesse constar que esse digno brasileiro morreu vítima da violência arbitrária”, disse. A mudança atingirá todos os que foram mortos pela ditadura, assegurou: ”Todos. Criamos o que se chama em direito do precedente prudencial. E todos agora, podem seguir essa linha. Acho que foi um ponto altamente positivo”. A comissão não sabe, entretanto, quantos presos políticos poderão ser beneficiados. Fonteles ressaltou que isso vai depender muito dos parentes das vítimas: “Eles sabem. É muito fácil para todos nós. Procurem a comissão, apresentem o quadro, como fez Clarice Herzog e seu filho, e aí, pronto. Já temos o procedente e, imediatamente, andamos”.

Fechado mais um lixão no entorno da Baía de Guanabara

O aterro sanitário de Guapimirim, na região metropolitana do Rio de Janeiro, o último dos 15 lixões situados às margens da Baía de Guanabara, foi interditado nesta terça-feira em operação coordenada pela Secretaria Estadual do Ambiente em conjunto com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Localizado em meio à vegetação de Mata Atlântica, com uma área de 60 mil metros quadrados, o aterro recebia diariamente cerca de 35 toneladas de lixo que contaminavam o lençol freático e os rios da região. De acordo com Minc, todo o lixo que era depositado em Guapimirim será levado agora para o aterro sanitário de Itaboraí, também na região metropolitana, que está licenciado para receber resíduos de diversos municípios. "É um aterro próximo, moderno e que nós licenciamos. É impermeabilizado, trata o chorume e capta o gás metano, um gás poderoso para o efeito estufa”, disse. Desde o início deste ano, grandes lixões no entorno da Baía de Guanabara já foram fechados, como os de Gramacho, em Duque de Caxias; Babi, em Belford Roxo; e Itaoca em São Gonçalo.

Sabatina e votação de indicação de Teori Zavascki para o STF ficam para depois das eleições

A conclusão da sabatina e votação no Senado da indicação de Teori Zavascki para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal, na vaga aberta com a aposentadoria compulsória de Cezar Peluso, deverá ocorrer somente após as eleições municipais. O ministro do Superior Tribunal de Justiça começou a ser sabatinado pelos senadores nesta segunda-feira na Comissão de Constituição e Justiça, mas a reunião precisou ser suspensa para o início da ordem do dia. De acordo com o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), diante do calendário eleitoral, a comissão só será convocada para concluir a sabatina e votar a indicação de Zavascki para o Supremo quando houver quórum suficiente para votação também no plenário do Senado. “Não vou convocar os senadores antes de que o plenário do Senado esteja em funcionamento. Senão nós correríamos o risco de votar na comissão, mas não haver quórum para votação em plenário. Não faria sentido”, disse o senador. Eunício Oliveira, no entanto, nega que a preocupação com o quórum do plenário esteja relacionada a alguma possibilidade de rejeição do nome de Zavascki para o cargo na Corte. Para o senador, a oposição de alguns senadores à indicação da presidente Dilma Rousseff não deverá se refletir em grande número de votos contrários no plenário ou na própria Comissão de Constituição e Justiça. “Não há risco de que o ministro não seja aprovado. Ainda que algum senador não se sinta satisfeito com alguma resposta dele, ou não se sinta convencido com a sabatina, isso não deve significar a rejeição do nome dele”, declarou o senador.

Ministros do Supremo divergem sobre participação de novo integrante no julgamento do Mensalão do PT

A participação de Teori Zavascki, indicado recentemente por Dilma Rousseff para compor a Suprema Corte, no julgamento do processo do Mensalão do PT, ainda causa dúvida entre os próprios integrantes do Supremo Tribunal Federal. Os ministros têm interpretações diferentes sobre as regras do regimento interno da Corte que tratam sobre o assunto. Inicialmente, o ministro Marco Aurélio Mello disse que a decisão de participar caberia ao novo integrante da casa, mas, nesta terça-feira ele colocou seu próprio ponto de vista em dúvida. Para Marco Aurélio, o regimento interno permite voto ao integrante que não participou do início do julgamento, mas é possível que isso diga respeito apenas aos ministros que já integravam o tribunal e, não, aos novos. “O direito é tão complexo em nível interpretativo que já tenho dúvidas se a norma regimental se aplica apenas a quem não esteve presente, mas já integrava o tribunal, ou se se aplica a alguém que foi nomeado posteriormente. Tenho dúvidas se o quórum pode ser alterado. Não podemos pegar o regimento e sair batendo carimbo, colocar na vala comum situações que não são iguais”, disse o ministro. Caso o novo ministro seja autorizado a se pronunciar, Marco Aurélio também tem dúvidas sobre a extensão do voto. “O voto se aplica daqui para frente, do que ainda não foi julgado, ou pode votar nas fatias já apreciadas das quais teve proclamação parcial, menos a fatia que o antigo titular chegou a enfrentar?”, questionou. O ex-ministro Cezar Peluso, que se aposentou no início de setembro, abrindo a vaga no Supremo, votou apenas em um dos sete itens do processo do Mensalão do PT. Para Marco Aurélio, caberá ao tribunal decidir as questões em aberto, mas o novo ministro também precisará decidir se quer “pegar o bonde andando e cair do estribo, se ele quer correr esse risco”. O ministro Gilmar Mendes também acredita que a decisão final caberá ao colegiado, que precisa evitar tumultos: “Este julgamento foi tumultuado indevidamente e é preciso que haja tranquilidade para que prossigamos no julgamento. Qualquer iniciativa que represente tumulto deve ser repudiada”. Já o revisor do processo, ministro Ricardo Lewandowski, acredita que a Corte não deve se pronunciar a respeito e que a decisão é de competência exclusiva do novo ministro.

Termina sem acordo audiência de conciliação para liberar obra de Monteiro Lobato acusada de racismo

Terminou novamente sem acordo a audiência de conciliação em torno da obra de Monteiro Lobato. Representantes do Ministério da Educação se reuniram nesta terça-feira com membros do Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara) para discutir ação que questiona o parecer do Conselho Nacional de Educação que liberou a adoção do livro "Caçadas de Pedrinho", de Monteiro Lobato, no Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE). Sem conciliação, a ação volta ao Supremo Tribunal Federal e será julgada pelo ministro Luiz Fux. Os membros do Iara, autores do mandato de segurança, consideraram insuficientes a proposta do Ministério da Educação de enviar notas explicativas sobre as obras do autor brasileiro. “Não diminuímos um milímetro sequer do pedido inicial. As políticas públicas não estão de acordo com a realidade. Achamos que estão sendo feitas, mas é muito pouco. O número apresentado pelo MEC, de professores capacitados, é menos de 4% do total de professores do País”, disse o advogado do Iara, Humberto Adami. A entidade defende recomendação anterior do CNE (parecer nº 15/2010) para não distribuição do livro nas escolas. O Ministério da Educação defende o parecer questionado pela entidade e garante que há orientação do trabalho do professor em sala de aula sobre as obras de Lobato e outros autores. “O MEC não admite censurar obras de Monteiro Lobato e vai defender essa posição junto ao Supremo Tribunal Federal. O parecer orienta com clareza os professores, as escolas, os sistemas de ensino, profissionais da educação de como obras de valor literário, científico devem ser mediadas pelos professores e que tenham sempre a preocupação da sua respectiva contextualização”, disse o secretário de Educação Básica do MEC, Cesar Callegari. De acordo com Callegari, o Ministério da Educação vai intensificar a divulgação do parecer do CNE, proporcionando mais visibilidade e conhecimento do documento a todas as escolas brasileiras. “Nossa idéia é fazer que as 190 mil escolas do País tenham conhecimento adequado sobre a contextualização das obras de Monteiro Lobato”. Callegari disse que o governo federal já implementou ações de medidas antirracistas e de promoção da igualdade racial, em atendimento à Lei 10.639, que torna obrigatório o ensino de história e cultura afrobrasileira em todas as escolas brasileiras. “O MEC defende como pressuposto de qualquer programa educacional de boa qualidade, a plena liberdade de circulação de ideias e o pleno acesso dos estudantes às ideias no campo da cultura e da ciência, mediados por professores. Estamos tratando de obras de uso educacional”, disse Callegari. Já o advogado do Iara ressaltou que a medida é insuficiente e afirmou que caso a entidade não consiga resultado satisfatório no Supremo, entrará com medidas em cortes internacionais: “O negro não pode ser visto como eterno escravizado. Vamos buscar a OEA no caso de não conseguirmos resolver no Poder Judiciário brasileiro essa questão". Outra obra de Monteiro Lobato também está sendo questionada pela entidade, que encaminhou representação à Controladoria Geral da União solicitando que investigue a aquisição do livro "Negrinha". De acordo com Iara, a obra foi adquirida em 2009 pelo Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE), do Ministério da Educação, e reforça o discurso racista da obra de Lobato. “O mais importante é que o debate está sendo criado, ainda estamos discutindo resquícios da escravidão. Em carta para um amigo, Monteiro Lobato deixava claro que queria a instalação da Klu Klux Klan no Brasil. E o que eles faziam? Exterminavam negros nos Estados Unidos”, disse Adami.

Argentina cria entraves a importações de carne suína brasileira

Mesmo depois do acordo com o governo argentino reestabelecendo a entrada de carne suína no país, os exportadores brasileiros do produto reclamam sobre novo impasse para o envio da mercadoria para aquele mercado. Representantes das indústrias afirmam que desde a semana passada o governo argentino está demorando na emissão das licenças de importação, mecanismo adotado desde fevereiro deste ano sobre as compras do exterior. Segundo o diretor executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Estado (Sips), Rogério Kerber, seria uma estratégia para conter uma dificuldade cambial do país vizinho. Outra possibilidade seria uma retaliação contra o Brasil que estaria restritivo ao mercado de crustáceos. Kerber informa que os representantes dos exportadores já acionaram o governo brasileiro pedindo uma solução para o caso. De janeiro a agosto deste ano as exportações de carne suína para a Argentina somaram 12,8 mil toneladas, volume 49,25% menor que o mesmo período de 2011, de 25,22 mil toneladas.

Matar a mulher, queimar seu corpo e seu carro, dá cadeia em regime fechado de apenas três anos e pouco no Rio Grande do Sul

A Juíza Traudi Beatriz Grabin, da Vara de Execuções Criminais de Novo Hamburgo, concedeu nesta terça-feira a progressão de regime para o semiaberto a Luiz Henrique Sanfelice. Na sua decisão, a magistrada destacou que o apenado já cumpriu o requisito para a progressão em outubro do ano passado (cumprimento de 1/6 da pena) e apresenta bom comportamento. Destacou ainda as manifestações favoráveis da Administração da casa prisional onde o apenado está recolhido (Penitenciária Modulada de Montenegro), bem como de psicóloga e de assistente social. Conforme a Juíza Traudi, “conclui-se destas avaliações que o apenado tem condições de ser beneficiado com a progressão de regime, ainda que registre fuga anterior, conduta pela qual foi responsabilizado. Por fim, não há como projetar ou imaginar que o apenado vá empreender nova fuga, até porque, se isto vier a acontecer, será fruto único do seu comportamento e por este ato responderá”. Ao conceder a progressão, a magistrada determinou que a Superintendência de Serviços Penitenciários do Estado do Rio Grande do Sul seja oficiada para providenciar a remoção de Sanfelice no prazo de cinco dias. Ele deverá ficar em presídio compatível com o regime semiaberto, preferencialmente o Albergue de Montenegro. Sanfelice terá direito ainda a três saídas temporárias mensais, quando poderá pernoitar fora do albergue. O benefício, concedido a presos do semiaberto, prevê as seguintes condições: fornecimento do endereço, à direção do estabelecimento prisional, onde reside a família a ser visitada ou onde poderá ser encontrado durante o gozo do benefício; recolhimento à residência visitada, no período noturno; e proibição de frequentar bares, casas noturnas e estabelecimentos congêneres. A realização de trabalho externo fica condicionado à apresentação de carta de emprego e ao compromisso do empregador junto à administração do Presídio. É uma maravilha total. Luiz Henrique Sanfelice foi julgado perante o Tribunal do Júri de Novo Hamburgo pela morte de sua esposa, a jornalista Beatriz Helena de Oliveira Rodrigues, em 12 de junho de 2004. Condenado a 19 anos e 3 meses de reclusão em regime inicial fechado, fugiu em 10 de abril de 2008, quando cumpria regime semiaberto e soube da decisão do Tribunal de Justiça que regrediu o regime de cumprimento da pena para fechado. Alguns dias após, a decisão do Tribunal de Justiça foi revogada, mas o apenado não se reapresentou. Capturado pela Interpol na Espanha em 4 de maio de 2010, teve o retorno ao regime fechado decretado pela Vara de Execuções Criminais de Novo Hamburgo em 9 de junho de 2010.

Liminar da Justiça gaúcha reconhece conduta abusiva de construtora MRV Engenharia por atraso na entrega de obras

A Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor obteve liminar em ação coletiva de consumo ajuizada contra a empresa MRV Engenharia e Participações S.A. A Justiça reconheceu como abusiva a conduta da ré de postergar indefinidamente a entrega de unidades habitacionais em construção. A decisão foi exarada pela Juíza Débora Kleebank, da 15ª Vara Cível do Foro Central. A empresa deve efetuar prontamente o distrato, uma vez decorridos 90 dias da data prevista para a entrega no contrato original de cada adquirente, para todos os consumidores que assim solicitarem, com ressarcimento integral do valor já pago, corrigido, em parcela única, acrescido das multas contratuais estabelecidas para a mora, em até 30 dias contados da data do distrato. Para os adquirentes que manifestarem intenção de manutenção do contrato, foram impostas à empresa as sanções relativas à mora, compelindo a fornecedora a ressarcir integralmente os adquirentes em prazo não superior a 30 dias contados da data do recebimento das correspondências. O valor desses encargos será calculado conforme o valor desembolsado por cada um dos consumidores no momento da verificação da mora. Caso o valor já tenha sido integralizado, a multa e os juros serão pagos ao consumidor uma única vez sobre o valor total desembolsado. Foi determinado, ainda, que a MRV altere, no prazo de 15 dias, o contrato padrão de compromisso de compra e venda de unidade habitacionais, ajustando a cláusula que trata do prazo de entrega do imóvel e eventual ressarcimento nos casos de distrato e mora. Para o caso de consumidores que tenham rescindido o contrato e estejam recebendo os valores em diversas parcelas, em função da aplicação das disposições contratuais abusivas e objeto de impugnação na ação coletiva, foi determinada a obrigação de pagar o saldo remanescente em parcela única, com a devida atualização monetária, em até 30 dias contados da intimação da liminar. Foi fixada multa diária equivalente a R$ 2 mil para o caso de descumprimento dos pedidos. O Ministério Público gaúcho também já conseguiu decisões do mesmo gênero contra as construtoras Goldsztein-Cyrella e Rossi.

Há coisas que não têm preço, ver "Boy" na cadeia é fantástico

Do jornalista Ricardo Setti - Amigas e amigos, com os votos dos ministros Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão no Supremo Tribunal, e até do ministro revisor, Ricardo Lewandowski, parece certo que o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) será condenado a um bom período de cadeia pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Por seu modo de fazer política, por sua trajetória fisiológica, por seu conceito de compostura, por seu comportamento como político, por seu desdém por valores que deveriam tornar nobre a atividade de quem lida com a coisa pública, Valdemar Costa Neto — ou “Boy”, seu apelido na região de Mogi das Cruzes (SP), na qual exerceu sua influência política — na cadeia é algo que, como diz a propaganda famosa, não tem preço. O Supremo Tribunal está livrando a vida pública brasileira de um tipo de câncer político dos mais daninhos.

O perigo silencioso

Artigo da jornalista Miriam Leitão - A gestão do ministro Guido Mantega no Ministério da Fazenda está destruindo o patrimônio fiscal que levou uma década e meia para ser construído. Dentro dessa categoria, de demolição da ordem fiscal duramente edificada, encaixa-se a decisão de o Tesouro se endividar em R$ 21 bilhões para a Caixa Econômica e o Banco do Brasil aumentarem a oferta de empréstimos. Por 15 anos, entre o fim da ditadura militar e o ano 2000, o país executou uma enorme tarefa para acabar com os orçamentos paralelos, a conta movimento, os ralos e as fantasias contábeis até chegar à aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal. É esse arsenal que tem sido furtivamente recriado. A operação autorizada por Medida Provisória na sexta-feira é parecida com as que foram feitas para o BNDES. A dívida aumentará, porque o Tesouro tem que lançar papéis no mercado, mas a operação é mascarada como empréstimo a esses bancos. Não se sabe quando eles pagarão a dívida, por isso é impossível calcular o custo disso para os cofres públicos. O custo médio de financiamento da dívida pública interna este ano está em 11,85%. A Selic está em 7,5%, mas o custo real é impactado pelos juros que incidem sobre títulos antigos. O Tesouro receberá do Banco do Brasil os 5,5% da TJLP nos R$ 8,1 bilhões que irão para a instituição. Haverá custo para o governo, mas ele não estará no Orçamento. Criar despesas de forma disfarçada e não registrá-la no Orçamento é contornar a obrigatoriedade de que não se criem despesas sem a definição de receitas. A conta movimento parecia um gasto sem ônus e sem limite. O Banco do Brasil sacava no Banco Central para cobrir seu balanço. Agora, os bancos públicos têm recebido recursos de uma forma semelhante.

Senado vai arcar com IR devido por 14º e 15º salários de senadores

A mesa diretora do Senado decidiu nesta terça-feira que a Casa irá arcar com o pagamento do imposto de renda devido pelos senadores sobre os 14º e 15º salários. A dívida se refere aos anos de 2007 a 2011 e deve somar cerca de R$ 64 mil para cada senador, excluídos juros, multa e correção do valor. A Receita Federal enviou cobrança dos impostos devidos em agosto deste ano. De acordo com o primeiro vice-presidente do Senado, Aníbal Diniz (PT-AC), a mesa diretora reconheceu que a falha não foi dos senadores, uma vez que o Senado deveria ter retido os impostos na fonte. Quando a Receita enviou a cobrança, o presidente da Casa, senador José Sarney (PMDB-AP), explicou que havia o entendimento de que, por se tratar de verba rescisória, não caberia cobrança de imposto de renda sobre 14º e 15º salários. "A própria Casa reconhece que não foi culpa dos senadores e que, se houve falha, foi dela", então, ela vai arcar, declarou o petista Aníbal Diniz. Que gentalha, que nojo.

Adeus, Lula

Artigo de Marco Antonio Villa - A presença constante no noticiário de Luís Inácio Lula da Silva impõe a discussão sobre o papel que deveriam desempenhar os ex-presidentes. A democracia brasileira é muito jovem. Ainda não sabemos o que fazer institucionalmente com um ex-presidente. Dos quatros que estão vivos, somente um não tem participação política mais ativa. O ideal seria que após o mandato cada um fosse cuidar do seu legado. Também poderia fazer parte do Conselho da República, que foi criado pela Constituição de 1988, mas que foi abandonado pelos governos ─ e, por estranho que pareça, sem que ninguém reclamasse. Exercer tão alto cargo é o ápice da carreira de qualquer brasileiro. Continuar na arena política diminui a sua importância histórica ─ mesmo sabendo que alguns têm estatura bem diminuta, como José Ribamar da Costa, vulgo José Sarney, ou Fernando Collor. No caso de Lula, o que chama a atenção é que ele não deseja simplesmente estar participando da política, o que já seria ruim. Não. Ele quer ser o dirigente máximo, uma espécie de guia genial dos povos do século XXI. É um misto de Moisés e Stalin, sem que tenhamos nenhum Mar Vermelho para atravessar e muito menos vivamos sob um regime totalitário. As reuniões nestes quase dois anos com a presidente Dilma Rousseff são, no mínimo, constrangedoras. Lula fez questão de publicizar ao máximo todos os encontros. É um claro sinal de interferência. E Dilma? Aceita passivamente o jugo do seu criador. Os últimos acontecimentos envolvendo as eleições municipais e o julgamento do mensalão reforçam a tese de que o PT criou a presidência dupla: um, fica no Palácio do Planalto para despachar o expediente e cuidar da máquina administrativa, funções que Dilma já desempenhava quando era responsável pela Casa Civil; outro, permanece em São Bernardo do Campo, onde passa os dias dedicado ao que gosta, às articulações políticas, e agindo como se ainda estivesse no pleno gozo do cargo de presidente da República. Lula ainda não percebeu que a presença constante no cotidiano político está, rapidamente, desgastando o seu capital político. Até seus aliados já estão cansados. Deve ser duro ter de achar graça das mesmas metáforas, das piadas chulas, dos exemplos grotescos, da fala desconexa. A cada dia o seu auditório é menor. Os comícios de São Paulo, Salvador, São Bernardo e Santo André, somados, não reuniram mais que 6 mil pessoas. Foram demonstrações inequívocas de que ele não mais arrebata multidões. E, em especial, o comício de Salvador é bem ilustrativo. Foram arrebanhadas ─ como gado ─ algumas centenas de espectadores para demonstrar apoio. Ninguém estava interessado em ouvi-lo. A indiferença era evidente. Os “militantes” estavam com fome, queriam comer o lanche que ganharam e receber os 25 reais de remuneração para assistir o ato ─ uma espécie de bolsa-comício, mais uma criação do PT. Foi patético. O ex-presidente deveria parar de usar a coação para impor a sua vontade. É feio. Não faça isso. Veja que não pegou bem coagir: 1. Cinco partidos para assinar uma nota defendendo-o das acusações de Marcos Valério; 2. A presidente para que fizesse uma nota oficial somente para defendê-lo de um simples artigo de jornal; 3. Ministros do STF antes do início do julgamento do mensalão. Só porque os nomeou? O senhor não sabe que quem os nomeou não foi o senhor, mas o presidente da República? O senhor já leu a Constituição? O ex-presidente não quer admitir que seu tempo já passou. Não reconhece que, como tudo na vida, o encanto acabou. O cansaço é geral. O que ele fala, não mais se realiza. Perdeu os poderes que acreditava serem mágicos e não produto de uma sociedade despolitizada, invertebrada e de um fugaz crescimento econômico. Claro que, para uma pessoa como Lula, com um ego inflado durante décadas por pretensos intelectuais, que o transformaram no primeiro em tudo (primeiro autêntico líder operário, líder do primeiro partido de trabalhadores etc, etc), não deve ser nada fácil cair na real. Mas, como diria um velho locutor esportivo, “não adianta chorar”. Agora suas palavras são recebidas com desdém e um sorriso irônico. Lula foi, recentemente, chamado de deus pela então senadora Marta Suplicy. Nem na ditadura do Estado Novo alguém teve a ousadia de dizer que Getúlio Vargas era um deus. É desta forma que agem os aduladores do ex-presidente. E ele deve adorar, não? Reforça o desprezo que sempre nutriu pela política. Pois, se é deus, para que fazer política? Neste caso, com o perdão da ousadia, se ele é deus não poderia saber das frequentes reuniões, no quarto andar do Palácio do Planalto, entre José Dirceu e Marcos Valério? Mas, falando sério, o tempo urge, ex-presidente. Note: “ex-presidente”. Dê um tempo. Volte para São Bernardo e cumpra o que tinha prometido fazer e não fez. Lembra? O senhor disse que não via a hora de voltar para casa, descansar e organizar no domingo um churrasco reunindo os amigos. Faça isso. Deixe de se meter em questões que não são afeitas a um ex-presidente. Dê um bom exemplo. Pense em cuidar do seu legado, que, infelizmente para o senhor, deverá ficar maculado para sempre pelo mensalão. E lá, do alto do seu apartamento de cobertura, na Avenida Prestes Maia, poderá observar a sede do Sindicato dos Metalúrgicos, onde sua história teve início. E, se o senhor me permitir um conselho, comece a fazer um balanço sincero da sua vida política. Esqueça os bajuladores. Coloque de lado a empáfia, a soberba. Pense em um encontro com a verdade. Fará bem ao senhor e ao Brasil.

Líbio que capturou Khadafi morre após levar tiros

O combatente rebelde líbio a quem é atribuída a captura do coronel Muamar Khadafi morreu em um hospital em Paris, informaram nesta terça-feira autoridades do país norte-africano. Umran Jum'ah Sha'Ban fora, também de acordo com autoridades, foi atingido há dois meses por tiros disparados por simpatizantes de Khadafi na cidade de Bani Walid, um antigo bastião do coronel na Líbia. Khadafi, que governou a Líbia durante 42 anos, foi morto em outubro de 2011, na cidade de Sirte, em meio aos protestos da Primavera Árabe. Sha'Ban foi o primeiro a deter Khadafi, que estava escondido em Sirte, em 20 de outubro do ano passado. Imagens amadoras divulgadas naquele dia mostraram o corpo do coronel sendo arrastado pelas ruas e agredido. Khadafi morreu de ferimentos a bala antes de ser levado ao hospital. Nesta terça-feira, autoridades líbias afirmaram que Sha'Ban, que fora levado a Paris para ser tratado, não resistiu aos ferimentos do ataque que sofreu há dois meses. Sua morte foi anunciada ao vivo pela National Libyan TV e ele foi descrito como "herói e mártir" por "pertencer ao grupo que capturou o amaldiçoado (Khadafi)". Em comunicado, as autoridades interinas afirmaram que os acusados pela morte de Sha'Ban serão punidos. Quase um ano após a queda de Khadafi, a Líbia realizou há poucos meses a primeira eleição livre de sua história, mas ainda vive um clima de incerteza quanto ao futuro da recém-criada democracia, diante da falta de controle estatal sobre todo o território e da existência de milícias. Nesta semana, o governo interino do país disse que todas as milícias ilegais seriam dissolvidas, após uma série de enfrentamentos e protestos populares contra milicianos. Os protestos foram desencadeados pela ação atribuída a uma milícia fundamentalista islâmica, a Ansar al-Sharia, ligada à Al Qaeda, em 11 de setembro deste ano, quando o consulado americano em Benghazi foi atacado e incendiado. O ataque matou quatro pessoas, entre elas o embaixador dos Estados Unidos na Líbia, Chris Stevens.

Dilma repudia preconceito contra comunidade islâmica, dá vexame na ONU e não diz uma palavra sobre ameação de liquidação de Israel pelo Irã

Diante de um plenário à espera do debate sobre o massacre de civis na Síria e as tensões no Oriente Médio, a presidente Dilma Rousseff fez críticas às intervenções militares e logísticas dos países desenvolvidos na região. Ao abrir a 67ª Assembleia-Geral da ONU, ela também criticou o governo de Damasco e a oposição síria pela violência contra homens e mulheres. "Não há solução militar para a crise síria. A diplomacia e o diálogo são, não só a melhor, mas a única opção", disse. Dilma repudiou a "escalada" de preconceito contra a comunidade islâmica internacional em decorrência de atos extremistas. "Como presidente de um país no qual vivem milhares e milhares de brasileiros de confissão islâmica, registro neste plenário nosso mais veemente repúdio à escalada de preconceito islamofóbico em países ocidentais", afirmou. Nesses dois momentos, a presidente recebeu aplausos da platéia. A última reação positiva da platéia ocorreu no momento em que ela defendeu oecimento do Estado Palestino como membro pleno da ONU: "Apenas uma palestina livre e soberana poderá atender aos legítimos anseios de Israel por paz com seus vizinhos, segurança em suas fronteiras e estabilidade política regional". Dilma Rousseff não deu uma palavra de repúdio às diárias ameaças de aniquilamento e extinção total de Israel, produzidas pelos aiotalás nazistas do Irã e seu Hitler islâmico, Mahamoud Ahmadinejad.

HOJE É YOM KIPPUR, O DIA DO PERDÃO

Equatorial Energia fecha contrato para compra da Celpa

A Equatorial Energia fechou contrato para a compra da distribuidora paraense de energia Celpa, segundo fato relevante publicado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), nesta terça-feira. A Equatorial adquiriu a distribuidora do Grupo Rede Energia por 1 real, assumindo 39,1 milhões de ações de emissão da Celpa. A Celpa estava em processo de recuperação judicial e era a única das nove distribuidoras de energia do Grupo Rede sem intervenção pelo governo.

Rabinos ultraortodoxos israelenses declaram guerra a smartphones

Às vésperas do feriado mais importante para a religião judaica, o Yom Kippur (Dia do Perdão), rabinos ultraortodoxos de Israel exortaram seus discípulos a se desfazerem de seus smartphones, por estes serem "cheios de indecências". O Yom Kippur começa ao anoitecer desta terça-feira e termina na noite desta quarta-feira. É o dia em que os fiéis devem pedir perdão e se penitenciar dos pecados cometidos durante o ano que passou. Um dos rabinos ultraortodoxos mais respeitados de Israel, Haim Kanievsky publicou um decreto no jornal da mesma linha Yated Neeman, pedindo que os fiéis queimem seus iPhones e similares. Ao responder a perguntas de um comerciante que dizia que o aparelho era útil para seus negócios, Kanievsky afirmou que "é proibido possuir um smartphone, deve-se queimá-lo e é proibido vendê-lo a um não judeu". Os rabinos ultraortodoxos afirmam que os celulares com acesso à internet, cada vez mais populares, são um perigo que todo fiel deve evitar. Os religiosos alegam que os aparelhos expõem o público a "mensagens impróprias", como pornografia. Em entrevista ao jornal Jerusalem Post, o professor Yedidya Stern, do projeto Religião e Estado, do Instituto Democracia Israelense, afirmou no entanto que, até mais do que a pornografia, os líderes ultraortodoxos podem se preocupar com o acesso ilimitado à informação. "Smartphones são um portão para o mundo, com acesso a informações não censuradas que podem influenciar suas identidades, mesmo vivendo em um gueto ultraortodoxo", disse Stern. Esta não é a primeira vez em que esses rabinos tentam combater inovações tecnológicas "perigosas". Ter uma televisão, por exemplo, é expressamente proibido em lares ultraortodoxos. Computadores, que inicialmente vários rabinos tentaram combater, podem ser utilizados, mas com a condição que tenham filtros que impeçam o acesso a conteúdos "indesejados". A campanha de rabinos ultraortodoxos contra o smartphone não ocorre apenas em Israel, mas também nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Unindo líderes espirituais de origem ocidental e oriental, a campanha é defendida ainda por líderes espirituais do partido ultraortodoxo Shas, que faz parte da coalizão governamental de Israel. Nos bairros ultraortodoxos de Jerusalém foram colados cartazes com os dizeres: "Indecente, dono de smartphone, cercado por impurezas durante 24 horas por dia, saia de nossa comunidade". Segundo o rabino Shmuel Halevy, "quem esbarra na internet perde os olhos, o coração e o sentimento para perceber tudo que é sagrado". "Os usuários de internet não poderão ir para o outro mundo", acrescentou o rabino.

Número de brasileiros conectados a internet ultrapassa 70 milhões

O Brasil segue a tendência apresentada nos últimos anos de estar cada vez mais conectado. De acordo com o IBOPE, o número de pessoas com acesso à internet no local de trabalho ou em residências chegou a 70,9 milhões de pessoas. É a primeira vez que essa marca é superada no Brasil, resultado de um aumento de 7% nos últimos seis meses e de 16% no período de um ano. O número, que é atualizado trimestralmente, era de 68 milhões até o mês anterior. Quando considerados todos os ambientes (domicílios, trabalho, escolas, lan houses e outros locais), o acesso à internet atingiu 83,4 milhões no segundo trimestre de 2012. A maior parte do crescimento no acesso à internet no Brasil ocorre nas residências. O total de pessoas com acesso em casa chegou a 67,8 milhões. Na comparação com os outros países acompanhados pela pesquisa da Nielsen Online, o Brasil continua registrando a maior expansão do acesso à internet domiciliar.O crescimento do acesso em casa acompanha a transição para conexões de banda larga de maior velocidade. Em agosto de 2010, 17% das pessoas com acesso domiciliar tinham conexões com capacidade superior a 2 Mb. Dois anos depois, cerca de 45% já têm esse tipo de conexão. Os sites que mais cresceram em agosto na comparação com o mês anterior foram os de pesquisa de trabalhos escolares, livros digitais, cartões de felicitação, portais e celular. Nos últimos meses, cresceram também a audiência de páginas de destinos de viagens, fotografias e esportes.

Senadora Kátia Abreu acredita que Dilma não vai vetar o Código Florestal

A senadora Kátia Abreu disse nesta terça-feira não temer que a presidente Dilma Rousseff vete trechos da medida provisória do Código Florestal. "É um direito que ela tem de vetar. Posso até não estar plenamente satisfeita com o texto como produtora rural, mas como cidadã estou plenamente satisfeita", afirmou. No último dia 18, a Câmara aprovou a Medida Provisória alterando o texto original enviado pela presidente. Para a parlamentar, o debate foi democrático e venceu a idéia da maioria. "A aprovação por uma maioria expressiva de certa forma tranquiliza a sociedade", disse Katia Abreu. Ela afirmou ainda que o texto, que deve ser votado ainda nesta terça-feira no Senado, pode ser revisto no futuro, à medida que avancem pesquisas e estudos sobre o meio ambiente. "Os dois lados querem tudo de uma só vez. É a primeira votação de uma lei ambiental e não será a última com certeza", disse. "Mas tivemos avanços tanto para a produção como para a preservação, porque temos segurança jurídica agora", disse ela a jornalistas após participar do Global Agribusiness Forum, em São Paulo.

PT injeta R$ 14,8 milhões, mas candidatos patinam

A direção do PT nacional repassou mais de 14,8 milhões de reais a onze dos seus candidatos a prefeito em capitais mostra levantamento em dados do Tribunal Superior Eleitoral. Apesar desse repasse, o mais alto entre todos os partidos, nenhum candidato do PT que recebeu parte do valor conseguiu assumir a liderança nas pesquisas. Outros partidos conseguiram resultados melhores recebendo menos dinheiro. Entre as 17 candidaturas do PT nas capitais, apenas duas lideram: a de Paulo Garcia, em Goiânia (GO), e a de Marcus Alexandre, em Rio Branco (AC). Os dois candidatos nada receberam da direção nacional do partido, segundo os dados do TSE. Nas demais capitais, incluindo as onze em que os candidatos do PT receberam recursos do diretório nacional, os petistas não passam do terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. Entre as candidaturas que não decolaram está a de Fátima Cleide, em Porto Velho, que recebeu 475 000 reais do partido e amarga um quarto lugar. Um dos seus adversários, o deputado federal Mauro Nazif, do PSB, recebeu pouco mais da metade da direção nacional do seu partido, 250 000 reais, e aparece em segundo lugar nas pesquisas. Mais da metade dos 14,8 milhões de reais repassados pelo PT foram para a campanha de Fernando Haddad, em São Paulo. O ex-ministro recebeu cerca de 7,7 milhões de reais do PT Nacional. Na última pesquisa do Datafolha ele estava em terceiro lugar. Ele luta para ultrapassar o tucano José Serra e chegar ao segundo turno contra Celso Russomanno (PRB). A candidatura do PT em São Paulo é a mais cara de todas. Até o início de setembro, a campanha de Haddad declarou que já havia gasto cerca de 16,5 milhões de reais. O líder das pesquisas, Celso Russomanno, declarou à Justiça Eleitoral ter gasto 1,3 milhão de reais, menos de 10% do valor desembolsado pela campanha petista, que contratou a empresa do marqueteiro João Santana e usa equipamentos de última geração na produção das suas propagandas para a TV. O segundo candidato mais "caro" do PT nacional é Elmano de Freitas, de Fortaleza, que recebeu 2,47 milhões de reais e está em terceiro lugar. Seu adversário, Moroni Torgan, do DEM, que recebeu 600 000 reais da direção nacional do seu partido, está na liderança. Em Recife, o candidato e ex-ministro Humberto Costa aparece na terceira posição. O candidato recebeu 475 000 reais do PT nacional. A candidatura de Humberto Costa opôs o ex-presidente Lula, padrinho de Costa, e o governador Eduardo Campos, do PSB, que apoia Geraldo Júlio, o favorito na disputa. Para a campanha de Júlio, o PSB nacional mandou 3 milhões de reais, quase metade dos recursos que o partido mandou para os seus candidatos em todas as capitais. Nas capitais, o total repassado pelo PT aos seus candidatos é cinco vezes maior que o repasse do PSDB, que foi pouco superior a 2,7 milhões de reais, dividido entre nove candidatos. Três deles lideram as pesquisas ou estão empatados em primeiro lugar. O DEM é o segundo partido que mais injetou dinheiro nas campanhas: foram 9,5 milhões de reais para seis candidatos. Três deles estão na liderança em suas capitais: ACM Neto, em Salvador, Moroni Torgan, em Fortaleza, e João Alves, em Aracaju. O mesmo ocorre com o PSB. A direção nacional do partido investiu 6,2 milhões de reais em quatro candidatos. Três deles lideram, em Recife, Cuiabá e Belo Horizonte.

SOBRE AS ATITUDES E RELAÇÕES DE PREFEITO, VEREADORES E ELEITORES EM PORTO ALEGRE, DIANTE DO DESCALABRO DA SITUAÇÃO DO LIXO E DEMAIS CONTRATOS DE LIMPEZA PÚBLICA DA CIDADE, NO VALOR DE QUASE UM BILHÃO DE REAIS

Recebo comentário de Janaina Toledo a postagem minha, dizendo: "Esse assunto de contratos e licitações do lixo, já esta aos cuidados do Ministério Público. Tanta coisa para tratar e o Sr. Vitor Vieira se prende a cobrar de um único vereador... Se o Sr. Mario Moncks esta de licença o povo não sabe, mas é o nome dele que é intitulado diretor do DMLU, e que bom saber que um vereador não perde tempo com detalhes assim... afinal, temos assuntos mais importantes!" Janaína Toledo, com toda certeza, não lê minhas postagens com constância. Se lesse, veria que reptei um bom número de vereadores de Porto Alegre, entre os 36 existentes lá naquela Casa, para que se manifestassem sobre a situação de verdadeiro descalabro existente na área da limpeza pública (lixo), que reúne os maiores contratos da prefeitura de Porto Alegre. O de coleta e transporte de lixo tem valor histórico de 405 milhões, mas sua execução final não ficará abaixo de 600 milhões de reais. O de capina tem valor de 70 milhões, mas também não ficará abaixo de 100 milhões de reais ao final de sua execução. Ambos os contratos estão com suas licitações suspensas pela Justiça gaúcha. A concorrência para a capina foi suspensa em junho. Um advogado entrou com a ação, em nome da empresa Tino, e conseguiu a suspensão na 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça porque o governo do prefeito José Fortunati "esqueceu-se" de colocar no edital uma cláusula atendendo às exigências do artigo 40, parágrafo XIII, alínea "d", da Lei das Licitações (trata das compensações financeiras em casos de atraso ou antecipações de pagamentos). A lei das licitações é de 1993, já vai completar 20 anos. Imagina se, nesse tempo todo, os governos não puderam construir um rol das exigências básicas que precisam estar presentes em um edital de licitação..... seriam governos absolutamente incompetentes, ou até criminosos. Pois bem.... passam poucos meses, o governo José Fortunati lança outro edital, o da licitação para contratação de empresa para realização da coleta do lixo domiciliar (1.300 toneladas por dia em Porto Alegre) e transporte do mesmo até o aterro de Minas do Leão, no valor de 405 milhões de reais, e "esquece" novamente de colocar a mesma cláusula que desobedece o previsto pela Lei das Licitações no seu artigo 40. O que acontece então? Ora, acontece o óbvio, o mesmo advogado, Vinicius Ludwig Valdez (OAB RS 31.203), ingressa em juízo, agora representando a empresa Revita Engenharia SA, e pede a anulação da licitação. Por qual motivo? Ora, o mesmo da anterior, da capina. Isso aconteceu no dia 18 de setembro de 2012, na semana passada, portanto. No dia seguinte, 19 de setembro de 2012, véspera do Dia Farroupilha, o juiz Martin Shulze, da 3ª Vara da Fazenda Pública, não teve dúvida, mandou suspender a licitação da coleta e transporte do lixo do governo Fortunati, com toda a razão, não tinha nem que pestanejar para dar a decisão que deu. Qual é a estranheza nessas suspensões? Ora, eu anunciei aqui no Facebook, no Twitter (www.twitter.com/videversus) e no meu blog Videversus (http://poncheverde.blogspot.com) que isso iria acontecer, que o governo de José Fortunati estava fazendo de propósito esses erros imperdoáveis nos editais, para que as licitações fossem suspensas. O governo Fortunati nunca quis realizar essas licitações. A da capina de Porto Alegre, contrato sob execução da Delta (sim, a Delta, aquela do empresário Fernando Cavendish, o homem dos 5 bilhões de reais de contratos com obras do PAC, e que irrigou o esquema corruptor da Carlinhos Cachoeira), vence agora em novembro. Sem licitação, será necessária a realização de uma contratação emergencial, com aumento nos preços, é lógico. No caso da coleta do lixo, o edital só foi lançado após ameaça explícita do Ministério Público de instaurar processo por improbidade administrativa contra o prefeito José Fortunati. Ele foi "avisado" pelo Ministério Público, em dezembro de 2011, para que lançasse o edital da licitação do lixo em 30 dias (janeiro de 2012). Naturalmente, desconheceu o "aviso" do Ministério Público e seguiu protelando essa intenção até receber outro aviso do mesmo órgão, em junho de 2012, para que iniciasse a licitação novamente em 30 dias. Desta vez, o "aviso" saiu com comunicação formal também para o presidente da Câmara Municipal e para os vereadores de Porto Alegre. O governo do prefeito José Fortunati mandou então dizer que não tinha intenção de abrir licitação, embora já tivesse realizado a "audiência pública", prevista na Lei das Licitações, para este objetivo, há mais de 60 dias, e tivesse dito que, após a realização deste ato, sairia o edital em 15 dias. Então o Ministério Público mandou o "aviso" derradeiro: ou sai o edital em cinco dias, ou seria instaurado o inquérito por improbidade administrativa do prefeito. Aí saiu o edital, mas saiu um edital deliberadamente manco, contendo falha que irremediavelmente levaria à sua suspensão ou anulação. Foi o que aconteceu inevitavelmente, foi o que desejava que acontecesse o governo de José Fortunati. Agora o que sucederá? Ora, o evidente, a realização de um terceiro contrato emergencial com a empresa Revita Engenharia SA, naturalmente, com o terceiro reajuste semestral no preço da tonelada coletada. Tenho cobrado de todos os 36 vereadores que se manifestem sobre este absurdo. Afinal de contas, os moradores da cidade, os contribuintes da cidade, estão sendo verdadeiramente achacados. O que fazem os 36 vereadores? Nada, absolutamente nada. Dois deles, instados por mim aqui pelo Facebook e pelo Twiter, ambos do PT, Adeli Sell e Sofia Cavedon, ao menos me deram respostas curtas. Adeli disse que tinha determinado à sua assessoria para verificar o assunto. Sofia Cavedon disse que estava se "apropriando" do tema. Enquanto isso, está suspensa pela Justiça a sessão da comissão de licitação que deveria, nesta terça-feira, neste dia 25 de setembro de 2012, receber as propostas e verificar a documentação legal dos concorrentes pelo contrato de coleta e transporte do lixo de Porto Alegre, no valor de 405 milhões de reais. E os vereadores acham que não devem fazer nada, nem dizer nada. Afinal, o que eles teriam de dizer, ou fazer, se o Ministério Público já está investigando os fatos? Ora, o eleitor também deve se perguntar: para que são necessários esses vereadores, afinal, que custam mais de 20 mil reais por mês para o cidadão de Porto Alegre? Se são supremas inutilidades, não são então desnecessários? Nesse caso, no dia 7 de outubro, faça um vereador trabalhar, mande ele de volta para o seu trabalho, para o seu emprego, para o seu negócio. E Janaína Toledo acha que eu não tenho razão em cobrar de vereador. É por causa do raciocínio de pessoas como ela que se constrõem "Mensalões" e "mensalinhos" neste País. É por causa de raciocínios como esse que a Câmara Municipal de Porto Alegre ficou conhecida como "Quinzinho". Na verdade, mais bem seria ser conhecida como casa do "Vinte e seizinho", desde que teve vereador sendo preso em flagrante pelo recebimento de pacote com 13 mil reais (eram duas parcelas de 13 mil, totalizando 26 mil reais) como pagamento por emenda alterando o Plano Diretor, permitindo a empresa aumentar sua área construída na região do Jardim Botânico. Seu vereador está lembrado disso, Janaína Toledo? De toda forma, vereador não serve apenas para ficar mandado motoboy, furtivamente, entregar envelope a jornalista contendo dossiê contra a esposa do prefeito, não é mesmo? É muito pouco por tanto dinheiro pago por mês para esses personagens.

Estados Unidos vinculam estatal de petróleo do Irã à Guarda Revolucionária

O governo dos Estados Unidos vinculou oficialmente nesta segunda-feira a empresa estatal de petróleo do Irã à Guarda Revolucionária do país, o que permitirá a adoção de novas sanções contra bancos de terceiros países que mantenham negócios com a companhia. O Departamento do Tesouro determinou que a Companhia Nacional Iraniana de Petróleo é "uma agente ou afiliada" da Guarda Revolucionária da República Islâmica, que há muito tempo é alvo de sanções norte-americanas por acusações de terrorismo e abusos aos direitos humanos. O Congresso dos Estados Unidos solicitou ao Tesouro que estabelecesse se há ou não ligação de estatais iranianas de petróleo e de transporte marítimo com a Guarda, como parte de um novo pacote de sanções que entrou em vigor em agosto. Adam Szubin, chefe do Departamento de Controle do Patrimônio Estrangeiro, um órgão do Tesouro, disse ao Congresso que a GRRI tem ampliado sua influência sobre o setor de energia (incluindo a estatal de petróleo), mas que não há informações suficientes quanto à ligação da Guarda Revolucionária com a estatal que opera os navios-tanques.

Lewandowski vota pela condenação de Costa Neto por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

O ministro revisor do processo do Mensalão do PT no Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, votou pela condenação do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O relator, ministro Joaquim Barbosa, já havia votado nesta mesma direção. Lewandowski afirmou que a prática do crime de corrupção passiva está configurada pelo recebimento de R$ 8,8 milhões feito por Valdemar e outros políticos do PL (atual PR). "O réu Valdemar Costa Neto recebeu valores do corréu Marcos Valério em razão de sua condição de parlamentar, o que configura recebimento de vantagem indevida, condição suficiente para indicar prática de corrupção passiva segundo entendimento dessa corte nesta ação penal", afirmou. O revisor destacou que Valdemar contou com a ajuda de Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do partido, para receber os recursos. Em seu depoimento, Jacinto Lamas afirmou que fazia os recebimentos e levava o dinheiro à residência do deputado federal. Valdemar era presidente do PL na época dos fatos. Hoje, além de deputado federal, é secretário-geral do PR. Lewandowski considerou que houve lavagem de dinheiro porque Valdemar utilizou de uma empresa, a Guaranhuns Intermediações e Participações, para ocultar o recebimento. Destacou que foi firmado um contrato falso para justificar repasses da SMP&B para a Guaranhuns sem revelar o destino verdadeiro do dinheiro.

Bradesco reduz juros do cartão de crédito pela metade

O Bradesco anunciou nesta segunda-feira a redução da taxa de juros dos seus cartões de crédito com bandeiras Visa, American Express, ELO e Mastercard. A taxa de juros máxima do crédito rotativo foi reduzida em 54%, passando de 14,9% para 6,9%. As taxas de juros para parcelamentos nos cartões de crédito caíram de 8,9% para 4,9%, na máxima. Em nota distribuída pela instituição, o diretor executivo do Bradesco, Marcelo Noronha, destacou que o banco decidiu fazer a redução de forma horizontal, impactando todos os clientes. As novas taxas do crédito rotativo, de saque, parcelamento do emissor e parcelamento da fatura dos cartões de crédito entram em vigor em 1º de novembro. Todos os mais de 95 milhões de cartões de crédito administrados pelo Bradesco serão beneficiados com essas reduções de taxas de juros. O volume de faturamento desses cartões representa R$ 49 bilhões por ano. A redução dos juros cobrados nos cartões de crédito do Bradesco é uma resposta não só às pressões do governo, mas também aos questionamentos da sociedade, de acordo com Noronha. As demandas dos clientes, conforme ele, pesam muito mais na decisão da instituição do que as pressões governamentais. A presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, manifestaram recentemente a preocupação com os juros cobrados no cartão. Em seu pronunciamento em comemoração ao aniversário da Independência do Brasil, Dilma fez uma dura cobrança às administradoras. "Os cartões de crédito podem reduzir ainda mais as taxas cobradas ao consumidor final, diminuindo para níveis civilizados seus ganhos", disse ela, na ocasião.

Cineasta faz abaixo-assinado para questionar Mensalão do PT

O produtor Luiz Carlos Barreto, o Barretão, disse nesta segunda-feira que está preocupado com o "transcorrer das coisas" e a "garantia dos direitos individuais" no julgamento do Mensalão do PT. "Analisando bem, eu me sinto ameaçado como cidadão", afirmou Barretão, que questiona o que chamou de prevalência da presunção em detrimento de provas materiais. Amigo do ex-ministro José Dirceu, o cineasta tomou a iniciativa de colher assinaturas em um documento que, segundo ele, será encaminhado aos ministros do Supremo Tribunal Federal nos próximos dias. "Não é um manifesto, é uma manifestação", acrescentou. Barretão, o cineasta do dinheiro público, disse que o documento será impessoal. Portanto, não haverá menção a nenhum dos réus do processo do Mensalão do PT: "Não estamos falando de Zé Dirceu nem pedindo a absolvição de réu nenhum". São três os objetivos do cineasta com a iniciativa: "Primeiro, que o julgamento não se transforme em um show, que não tenha esse caráter de espetacularidade que está tendo. Segundo, que seja realizado pelo tribunal, e não fora do tribunal; e, terceiro, que sejam respeitados os direitos constitucionais inerentes ao estado democrático de direito. Em síntese, é isso". Segundo Barretão, o documento reúne cerca de 200 assinaturas de pessoas preferencialmente dos meios artístico e intelectual, como Eric Nepomuceno, Oscar Niemeyer, Tizuka Yamasaki, Flora Gil, Jorge Mautner, Alceu Valença, Antonio Pitanga, Bruno Barreto e Luiz Carlos Bresser Pereira. Pela nominação que ele deu, já tem noção do quilate dos intelectuais que reúne. Eric Nepomuceno é filocastrista lastimável. Oscar Niemeyer é um comunista de 104 anos que dispensa comentário sobre sua modernidade intelectual. É o resto é tudo gente que come no prato petista. Ele disse que o documento ainda não está acabado: "Estamos recebendo adesões e sugestões". O cineasta frisou que o texto manifesta a confiança de que os ministros estarão atentos à preservação dos direitos constitucionais.

STF mostra que "não se condena só ladrão de galinha", diz procuradora Sandra Cureau

Em meio ao julgamento do Mensalão do PT e a 10 dias das eleições, a vice-procuradora geral eleitoral, Sandra Cureau, acredita no efeito educativo das condenações pelo Supremo Tribunal Federal e da aplicação da Lei da Ficha Limpa para afastar alguns candidatos dos cargos públicos: "O julgamento vai mostrar ao Brasil que não se condena só ladrão de galinha e vai mostrar aos políticos que as coisas estão mudando por aqui". A Lei da Ficha Limpa, completa Sandra, permite que o eleitor conheça melhor quem são os políticos que querem representá-lo: "Você descobre esse universo. Temos vários casos de estelionatários, de condenados por malversação de dinheiro público, traficantes de drogas, estuprador, homicida".

PMDB rejeita negociar Ministério da Educação em troca de apoio a Haddad

Em meio a rumores sobre a saída do ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT), para comandar pasta da Casa Civil, o PMDB paulista negou nesta segunda-feira que mantenha conversas com o PT para que o deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP), candidato à prefeitura de São Paulo, substitua Mercadante. A ida de Chalita para o ministério poderia selar um apoio dos peemedebistas ao candidato do PT, Fernando Haddad. Em nota, o partido reforçou a candidatura de Chalita e disse que a eleição paulistana está "em aberto". Em particular, Chalita já havia comentado que "jamais aceitaria negociar sua candidatura". O parlamentar apoiou a campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010. E foi secretário de Educação do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Até agora, Chalita está em quarto lugar nas pesquisas de intenção de voto, enquanto Haddad aparece em terceiro, mais próximo do segundo colocado, o tucano José Serra. O líder é Celso Russomanno (PRB). Tanto Serra quanto Russomanno têm sido alvos de Chalita em debates e propagandas na TV. As críticas do peemedebista a Haddad são mais amenas.

Justiça determina mudança em atestado de óbito de Vladimir Herzog

Atendendo a pedido da Comissão Nacional da Verdade, o juiz Márcio Martins Bonilha Filho, da 2ª Vara de Registros Públicos do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou nesta segunda-feira a retificação do atestado de óbito de Vladimir Herzog. Pela determinação judicial, daqui para a frente constará que a morte do jornalista "decorreu de lesões e maus-tratos sofridos em dependência do 2º Exército-SP". Herzog foi preso no dia 25 de outubro de 1975, no período do regime militar, e levado para interrogatórios nas dependências do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), do 2º Exército, localizado na Rua Tutóia, no bairro Paraíso. Na versão das autoridades da época, ele teria cometido suicídio na prisão. No laudo da época, assinado pelo legista Harry Shibata, consta que Herzog morreu "por asfixia mecânica", expressão utilizada para casos de enforcamento. A recomendação ao magistrado foi assinada pelo coordenador da Comissão da Verdade, ministro Gilson Dipp. Segundo o advogado José Carlos Dias, que também faz parte do colegiado, a decisão judicial deverá ter forte repercussão. "Existem muitos casos semelhantes. Nós já estamos estudando outros para encaminhar à Justiça", afirmou. Trata-se de decisão de primeira instância. A Promotoria de Justiça, que se manifestou contra a mudança, pode recorrer. A Comissão da Verdade tomou a iniciativa atendendo a solicitação da viúva do jornalista, a publicitária Clarice Herzog. No texto da sentença, o juiz Bonilha Filho afirmou que a Comissão "conta com respaldo legal para exercer diversos poderes administrativos e praticar atos compatíveis com suas atribuições legais, dentre as quais recomendações de ‘adoção de medidas destinadas à efetiva reconciliação nacional, promovendo a reconstrução da história’". O juiz lembrou que, em 2011, a Justiça já reconheceu que o laudo pericial feito na época está incorreto e que a morte não ocorreu por suicídio. Diante do argumento do promotor de que seriam necessários novas investigações para determinar a causa da morte, antes da mudança no atestado, Bonilha Filho argumentou: "Seria verdadeiramente iníquo prolongar o martírio da viúva e dos familiares e afrontar a consciência pública nacional a renovação da investigação". Para o juiz, "há muito ficou apurado, em termos de convicção inabaláveis, por via jurisdicional comum, que o jornalista Vladimir Herzog perdeu a vida em razão de maus tratos e de lesões sofridas, em circunstâncias de todos conhecidas". A família de Herzog, que nunca acreditou nas informações dos militares sobre suicídio, esperou 37 anos para conseguir a mudança no atestado de óbito.

Haddad abre ofensiva direta contra Russomanno

Sob risco de ficar de fora do segundo turno, o petista Fernando Haddad partiu para o confronto com Celso Russomanno (PRB) no debate de domingo da TV Gazeta, em São Paulo, enquanto José Serra (PSDB) evitou atacar o líder da corrida para a prefeitura da capital paulista. Em sua primeira participação no debate, quando poderia escolher qualquer dos candidatos para responder a suas perguntas, Serra se dirigiu a Paulinho da Força Sindical, candidato do PDT, que teve 1% das intenções de voto na última pesquisa Datafolha. No debate da semana passada, promovido pelo Estado, pela TV Cultura e pelo YouTube, ele também perguntou ao pedetista. Já Haddad citou Russomanno na primeira oportunidade que teve, ao responder a questões de Carlos Giannazi (PSOL). "Uma pessoa que diz defender os cidadãos deveria, no mínimo, apresentar um programa de governo", disse: "Ninguém sabe quantos hospitais e clínicas ele vai fazer, quantos corredores de ônibus. Quando cobro, estou defendendo a minha cidade". Haddad escolheu por duas vezes Russomanno como alvo de suas perguntas, no segundo e no terceiro blocos. Na primeira oportunidade, se dirigiu ao adversário para questionar sua proposta de criar uma tarifa proporcional de ônibus, segundo a qual quem andar em trajeto menor, pagará menos. Segundo o petista, a cobrança de tarifa idealizada pelo candidato do PRB privilegiaria os moradores mais ricos da cidade, os que moram nas regiões mais próximas do centro. Haddad disse ainda que a proposta significaria o fim do Bilhete Único, criado na gestão da ex-prefeita Marta Suplicy (PT). Russomanno afirmou que nem todos os que andam em trajetos curtos são pobres. Explicou que ampliará os subsídios ao sistema para que ninguém pague mais do que a atual tarifa de R$ 3,00. Por fim, disse que o controle do trajeto percorrido seria eletrônico. Os passageiros colocariam "o dedo" em um sensor ao entrar e ao sair do ônibus. Ele não explicou como implantaria o sistema. Haddad também atacou a proposta de Russomanno de ampliar o contingente da Guarda Civil Metropolitana de 6 mil para 20 mil homens, o que, segundo a prefeitura, teria um custo de R$ 1 bilhão. "Qual é o seu número?", questionou Haddad.

Câmara não mexe em milhas aéreas "privatizadas"

Está engavetado na Câmara dos Deputados, desde 2007, projeto do deputado Sergio Barradas Carneiro (PT-BA) que transfere para o poder público as milhas de passagens aéreas pagas pelo contribuinte. Hoje, servidores e parlamentares se beneficiam dos programas de milhagem, transformando os créditos das milhas em passagens para viagens particulares, com a família. A rigor, custeadas pelos cofres públicos. Em maio, a deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP) assumiu a relatoria do projeto das milhas aéreas no serviço público, mas não se manifestou. O Tribunal de Contas da União se esquiva sobre uso de milhas aéreas pelos agentes públicos, posicionando-se “apenas de casos concretos”.

Viagem de Aécio Neves a Porto Alegre para apoiar candidatura de Wambert di Lorenzo já se inclui na agenda de campanha presidencial

A viagem do senador Aécio Neves a Porto Alegre e Pelotas pode ser considerada o primeiro ato político do mineiro no espraiamento da sua candidatura a presidente. Aécio Neves executa forte agenda de visitas aos Estados, porque considera como favas contadas a consolidação da sua posição eleitoral em Minas Gerais, onde contribuirá para reeleger o prefeito socialista Maurício Lacerda. Também o seu Partido, o PSDB, apresenta surpreendentes capacidade eleitoral, já que, do grupo de 22 capitais que apresentam pesquisas eleitorais, ele mostra-se altamente competitivo em 10 delas, seguido pelo PT em 7 e pelo PSB em 6. Mesmo no Rio Grande do Sul, onde o PSDB tem pouca expressão, candidatos tucanos poderão vencer em municípios importantes como Pelotas, Uruguaiana, São Leopoldo e Viamão.

Tarso Genro lança e patrocina Fórum Social Mundial Palestina Livre em Porto Alegre

O Fórum Social Mundial Palestina Livre, evento que ocorre de 28 de novembro a 1º de dezembro, em Porto Alegre, foi lançado nesta segunda-feira pelo governador gaúcho, o peremptório petista Tarso Genro. O evento usará instalações do governo do Estado, que será um dos patronos do Fórum. É característico do judeu Tarso Genro esse tipo de atitude. Ninguém ouviu até agora que ele tenha procurado fazer um seminário ou qualquer outro ato para defender Israel, que está sendo violentamente ameaçado, todos os dias, de liquidação pelos aiotolás nazistas do Irã. Tarso Genro é filho de mãe judia. Seu sobrenome materno é Herz, sua mãe se chamava Elly. Na tradição judaica, filho de mãe judia é judeu. Já filho somente de pai judeu não é judeu. Portanto, ele é judeu, mas parece renegar sua ascendência e preferir a dos palestinos.