domingo, 23 de setembro de 2012

Sócio da Vale na África quer processar BTG e Agnelli

O grupo israelense BSG Resources, sócio da Vale na África, procura advogados no Brasil para processar o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, e o empresário Roger Agnelli, ex-presidente da mineradora. O motivo é uma negociação em curso para que o banco e Agnelli passem a assessorar o governo da Guiné, na costa oeste da África, sobre o destino da mina de Simandou, a maior reserva inexplorada de minério de ferro do mundo. Embora formalmente a negociação gire em torno de assessoria financeira e estratégica, os israelenses temem que o acordo seja abrangente o suficiente para que BTG e Agnelli tenham influência sobre todas as operações em Simandou, incluindo os direitos de exploração da VBG, joint venture entre BSG e Vale, na região. O minério em Simandou, estimado em 5,5 bilhões de toneladas métricas, não fica longe em tamanho do complexo da Vale em Carajás, no Pará, com 7,4 bilhões de toneladas. O presidente do BSG, Asher Avidan, está no Brasil desde quarta-feira e deve ir embora nesta segunda-feira. Ele disse que já conversou com quatro grandes escritórios de advocacia e que pretende convencer a Vale a ser coautora na ação junto com ele. O BTG e Agnelli chegaram pela porta de trás. Estão negociando com Alpha Mohamed Condé, filho do presidente da Guiné, Alpha Condé. O possível processo promete esquentar ainda mais a disputa pelas riquezas localizadas em um dos países mais pobres do mundo, com mais de 60% de analfabetismo e renda per capita equivalente a um décimo da brasileira. Profissionais ligados ao BTG e a Agnelli afirmam que o BSG estaria equivocado, porque a proposta de consultoria se refere a uma área de Simandou pertencente à mineradora australiana Rio Tinto.

Brasil se prepara para tomar liderança dos Estados Unidos em soja

Com o início da época de chuva, produtores brasileiros de soja começam o plantio da safra 2012/2013: o Brasil deve tomar a liderança dos Estados Unidos como o principal produtor mundial do produto. Em Mato Grosso, maior Estado produtor do grão, o plantio já teve início em alguns municípios, com mais de uma semana de antecipação em relação à safra anterior. Segundo Mozar Salvador, meteorologista do Inmet, a previsão para os próximos dias é de chuva mais intensa nas regiões Nordeste e Sudeste. No Centro-Oeste, as precipitações devem ser em menor intensidade. — Mesmo que, no início, seja em menor quantidade, a tendência é aumentar o plantio — avaliou o especialista em relação à chuva tão aguardada pelos produtores. No Sul, onde a seca forte do início do ano conserva os efeitos até hoje, a previsão é de chuva acima da média nos próximos três meses. O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), Glauber Silveira, disse que a liderança deve ser conquistada, em grande parte, pela quebra de aproximadamente 20% da safra de soja norte-americana. E a produção no Brasil deve crescer cerca de 14%, passando de 66,3 milhões de toneladas na safra 2011/2012 para 83 milhões de toneladas na que se inicia. Além da possibilidade de conquistar a liderança mundial na produção de soja, os sojicultores brasileiros devem se beneficiar da quebra da safra norte-americana na rentabilidade de suas lavouras. Os preços do grão estão em patamares recordes e, segundo o assessor da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Sávio Pereira, eles se manterão para o próximo ano. "Há uma quebra muito grande nos Estados Unidos e isso beneficia a produção e a expansão da área agrícola no Brasil. Os produtores brasileiros terão lucratividade garantida para a safra de 2013", disse Pereira, em nota.

Julgamento do Mensalão do PT entra na oitava semana

O julgamento do Mensalão do PT pelo Supremo Tribunal Federal entra amanhã em sua oitava semana com a conclusão do voto do ministro revisor, Ricardo Lewandowski, sobre os réus do núcleo político acusados de corrupção passiva. A expectativa é que ainda esta semana, na quinta-feira, o ministro relator do caso, Joaquim Barbosa, comece a ler seu voto sobre a denúncia de corrupção ativa contra réus da cúpula do PT, entre eles o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do partido José Genoino e ex-tesoureiro Delúbio Soares. Na semana passada, Barbosa decidiu esperar o voto de todos os ministros do Supremo sobre os réus acusados de corrupção passiva, antes de passar à análise das acusações de corrupção ativa. Com isso o julgamento de Dirceu, Genoino e Delúbio ficou para as vésperas do primeiro turno da eleição municipal, marcada para o dia 7 de outubro. O impacto do mensalão nas eleições é motivo de preocupação da cúpula petista.

Lula Lelé se refere à morte de Celso Daniel, em Santo André, e inventa uma nova teoria da conspiração para esconder o óbvio. Por que ele não conta tudo?

Do jornalista Reinaldo Azevedo - Luiz Inácio Malucão da Silva está perdendo o juízo a olhos vistos. Fez neste domingo um comício em Santo André e contou uma de suas mentiras convictas: afirmou que “os conservadores” ligam o PT à morte do prefeito Celso Daniel e pediu o voto para o candidato do partido, Carlos Grana, afirmando que seria uma forma de gratidão ao prefeito assassinado em janeiro de 2002. Lula inventou o voto no morto para entregar o poder aos muito vivos — como ele próprio. Conservadores??? Seriam os conservadores a ligar a morte do prefeito, em janeiro de 2001, às tramoias financeiras do partido na cidade? Não! Quem o faz é o Ministério Público, que colheu uma série de evidências de que Celso havia montado na cidade, sob o comando do PT, um sistema de desvio de recursos para os “companheiros”. O prefeito teria sido assassinado ao descobrir que havia desvio do desvio: haveria gente se aproveitando da lambança também para o enriquecimento pessoal. Conservadores??? Não! Quem não engoliu a versão do crime comum e afirma que a morte está ligada a uma tramóia do partido é a família de Celso Daniel, muito especialmente um dos irmãos, Bruno, que era militante do PT. Ele, filhos e a mulher, Marilena Nakano, tiveram de se exilar na França — isto mesmo: exílio. Corriam o risco de ser mortos no Brasil. Marilena era militante do PT dos primeiríssimos tempos. A exemplo de Celso, pertenceu, nos anos 70, ao grupo de esquerda “Movimento de Emancipação do Proletariado” (MEP) e foi secretária de Cultura de Santo André na primeira gestão do cunhado. Ao contrário do que diz Lula, Marilena (e Bruno também) têm sólidas credenciais “progressistas” (como os esquerdistas chamam a si mesmos). É irmã, por exemplo, de Maria Nakano, ninguém menos do que a viúva do sociólogo Betinho. Maria confirma que a irmã, o cunhado e os três sobrinhos estavam recebendo ameaças de morte no Brasil simplesmente porque não acreditavam na tese do crime comum. Depois de Celso Daniel, sete outras pessoas ligadas ao caso morreram, inclusive o legista que atestara que ele fora barbaramente torturado antes de ser assassinado, ao contrário do que Luiz Eduardo Greenhalgh havia assegurado à família. Quem matou Celso Daniel queria arrancar dele alguma informação. Esse é o propósito da tortura. Mais: a cúpula do PT rompeu com a família Daniel quando esta não se conformou com as primeiras conclusões da polícia. Mesmo com as ameaças de morte, nunca mereceram proteção especial — ao contrário. O movimento sempre foi de hostilidade. Não é por acaso. Outro irmão de Celso Daniel assegura que o então prefeito lhe dissera que era Gilberto Carvalho — ex-chefe de gabinete de Lula e hoje secretário-geral da Presidência — quem levava pessoalmente malas de dinheiro vivo da Prefeitura para o então chefão do PT, José Dirceu. Os dois negam. Gilberto Carvalho, que era braço direito de Celso Daniel na Prefeitura, movimentou-se freneticamente logo após a morte do “amigo” para que prevalecesse a versão do partido. O esforço deixou um rastro de conversas gravadas que vieram a público. Tudo muito impressionante. Leiam, por exemplo, este diálogo em que Sérgio Sombra, acusado de ser ao assassino de Celso, entra em pânico e pede para falar com Gilberto Carvalho. Alguém garante que está sendo montado “um esquema”. Sombra, no diálogo abaixo, é o “personagem A”. A – Ô Dias! B – Oi chefe! A – Onde é que você está cara? B – Tô na avenida (…). Eu tô saindo, to indo praí. A – (…) Fala prá ligá nesse instante (…) Pará de fazer o que está fazendo. B – Peraí, Peraí, Perai. Ei! Oi! Escuta o (…) Já está aí onde está todo mundo (…) Alô! A – Ô meu irmão! B – Cara cê está no sétimo? A – Ô meu! O cara da Rede TV está me escrachando, meu chapa! Tá falando que… Tá falando que é tudo mentira, que o carro tá pegando, que não destrava a porta, que sou o principal suspeito. B – Ô cara! Deixa eu te falar. O que hoje tá pegando contra você é esse negócio do carro. Nós temos que fazer é armar um esquema aí: “porque as empresas de (…) junto com a Mitsubishi, por razões óbvias de mercado, se juntaram para dizer que você está mentindo, que o câmbio está funcionando”…Entendeu? Então é o seguinte… A – Peraí. Perai, péra um pouquinho. B – (…) Pô! Pegá o que Porra? A – Chama o Gilberto aí! Chama o Gilberto! Tem que armar alguma coisa! B – Calma! A- Eu tô calmo. Quero é que as coisas sejam resolvidas. Outro diálogo: “Puta! Tá dez!” Há outro diálogo bastante interessante. Alguém liga para Ivone, a “viúva oficial” de Celso — consta que era sua “namorada” à época. E lhe dá nota dez por sua performance como “viúva” numa entrevista. Vocês entenderam direito. Leiam. Ivone é a personagem B A – Oi! B – Oi meu amor. O Xande quer falar com você. Tá bom? A – Ok. B – Tchau. C – Como vai minha querida? A – Vou assim. Arrastando. C – Ótima a sua entrevista! Viu? A – Você gostou Xande? C – Eu gostei muito mesmo. A – É importante a sua opinião pra mim porque estou totalmente sem referência. Né? C – Eu achei muita boa. Entendeu. Tá super. Tem coisas… tá perfeito! (…) B – Hoje tem uma coisa. Programa pra ir na Hebe. A – É. Porque vai a mulher… a viúva do Toninho. B – Sabe que o Genoino quer. E é uma merda né. Uma merda. A – Olha. Se você falar o que falou ai está 10. Puta! Tá 10, não parece estrela, a dor de uma viúva. Tá dez! Voltei Convenham: quando alguém está sofrendo pela morte do marido, tudo o que espera é levar uma “nota dez” pela performance numa entrevista, não é mesmo? Aí, como diria Lula, os “conservadores” ficam inventando coisas…

Será que Roberto Jefferson merece perdão?

A ponta do iceberg que deu origem ao escândalo do Mensalão do PT apareceu com o vídeo que mostrava um funcionário dos Correios recebendo propina, ao mesmo tempo em que revelava que a estatal funcionava como um centro de captação de dinheiro para o PTB. Seria mais um dos muitos casos de corrupção se Roberto Jefferson, o então todo-poderoso presidente do PTB, não tivesse decidido contar o que sabia: o governo do presidente Lula havia montado uma gigantesca estrutura de arrecadação e distribuição de dinheiro para comprar partidos políticos e subornar parlamentares. "Um mensalão”, como definiu pela primeira vez o deputado. Roberto Jefferson deu o nome dos envolvidos (seis parlamentares de quatro partidos), trouxe à luz a identidade do pagador (“um carequinha chamado Marcos Valério”) e apontou o dedo para quem julgava ser o chefe (o ex ministro da Casa Civil, o petista José Dirceu). As investigações confirmaram o que o ex-deputado relatou. A Procuradoria-Geral da República denunciou quarenta pessoas por diversos crimes e dez delas já foram condenadas pelo Supremo. Sem o testemunho de Roberto Jefferson, a punição aos corruptos não passaria de uma miragem. É por isso que alguns ministros estudam propor, na hipótese de condenação do ex-deputado, a redução de sua pena, um prêmio pela colaboração. “A lei permite e é um caso que pode, inclusive, ter efeito pedagógico”, diz um ministro do Supremo que já conversou com alguns colegas sobre o caso. A ideia é recompensar Roberto Jefferson pela delação que levou à comprovação do esquema. Há dois benefícios possíveis, extraídos de uma lei que trata da colaboração voluntária de réus nas investigações dos crimes de que participaram, o perdão judicial, livrando-o de qualquer punição, e a redução de até dois terços da pena. Esses benefícios são resultado do reconhecimento de que só a ajuda dos próprios infratores, em determinados casos, pode acelerar investigações que se arrastariam por anos e teriam conclusão incerta. “O Judiciário se vê diante de crimes tão complexos atualmente que, muitas vezes, sem essa colaboração, não se chega aos culpados”, diz o ex-ministro Carlos Velloso.

Mensaleiros já se preparam para a enfrentar a prisão

Com as condenações anunciadas pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Mensalão do PT, réus do chamado "núcleo publicitário", ligados ao empresário Marcos Valério, já se preparam para possível prisão. Nervosa e chorando muito, Simone Vasconcelos, ex-gerente financeira da SMP&B (empresa de Marcos Valério), procurou o advogado um dia após ser condenada por lavagem de dinheiro para saber detalhes de uma eventual prisão, que poderá ser cumprida na Penitenciária Estevão Pinto, em Belo Horizonte. Rogério Tolentino, de 62 anos, ex-sócio e advogado de Marcos Valério, foi condenado por lavagem dinheiro e ainda será julgado por formação de quadrilha e corrupção ativa. "Vou chorar? Bater a cabeça? Vou reclamar com o bispo? Você tem que centrar na cadeia, o cara centra e pensa: isso vai acabar uma hora. Estudei em colégio interno". Um dos três sócios da SMP&B, o publicitário Cristiano Paz, de 60 anos, condenado por corrupção ativa, peculato e lavagem, analisa como ficarão os negócios caso vá para a cadeia. "Tento mantê-lo otimista", diz o advogado, Castellar Guimarães.

Candidato do PSB prevê investimentos de R$ 6 bilhões em Belo Horizonte

A duas semanas da eleição, o prefeito Marcio Lacerda (PSB), que disputa novo mandato em Belo Horizonte, lançou na sexta-feira o programa de governo com previsão de investimentos de R$ 6 bilhões. No sábado, foi a vez de seu principal adversário, o ex-ministro Patrus Ananias (PT), apresentar o documento com as propostas do que pretende implementar caso derrote o socialista, líder nas principais pesquisas de intenção de votos. O programa lançado na sexta-feira consiste em um documento de 121 páginas dividido em 12 tópicos: Cidade Saudável, Educação, Cidade com Mobilidade, Cidade Segura, Prosperidade, Modernidade, Cidade com Todas as Vilas Vivas, Cidade Compartilhada, Cidade Sustentável, Cidade de Todos, Cultura e Integração Metropolitana, além de uma introdução com uma espécie de diagnóstico da capital. O texto, porém, não especifica as previsões de investimento em cada uma das áreas. Segundo Lacerda, um terço dos investimentos será feito com recursos do município e o restante com financiamentos e parcerias com os governos do Estado e federal. "Estamos falando de R$ 6 bilhões em investimentos. É um esforço muito grande. A maior parte virá efetivamente de financiamentos. Mas boa parte desses financiamentos já está contratada ou são parcerias que já existem", disse o prefeito, que classificou as projeções como "conservadoras".

Deputado Chico Alencar fará cirurgia cardíaca

O deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) vai se submeter a uma cirurgia cardíaca nesta terça-feira para implantar pontes de safena e mamária. Um cateterismo realizado na quinta-feira pelo cardiologista José Leôncio Feitosa indicou que 95% de uma artéria do deputado está obstruída, o que indica a iminência de um enfarte. Chico Alencar, que completará 63 anos em 19 de outubro, não apresentou nenhum sintoma, mas decidiu fazer exames cardíacos depois que um primo, morador de Ribeirão Preto e com a mesma idade do deputado, morreu vítima de um enfarte, em 28 de agosto. O problema de saúde fez com que o deputado cancelasse a agenda profissional por pelo menos 15 dias.

Saúde receberá mais de 6 milhões de remédios para tratar Alzheimer

Até o fim da próxima semana, o Instituto Vital Brazil deve entregar ao Ministério da Saúde mais de 6 milhões de cápsulas de rivastigmina, medicamento usado no tratamento da doença de Alzheimer. O anúncio foi feito na sexta-feira, Dia Mundial do Alzheimeir. Os remédios foram encomendados pelo Ministério da Saúde, em parceria com setores públicos e privados, para estimular a produção deles no Brasil e fortalecer o campo da saúde. O Instituto Vital Brazil será o único laboratório oficial responsável pela produção do medicamento. O Ministério da Saúde repassou ao instituto R$ 10 milhões em 2011 e mais R$ 70 milhões neste ano para fabricação do remédio. Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) necessita de cerca de 25 milhões de cápsulas anuais para 6 mil pacientes cadastrados. Desde junho, o Ministério da Saúde pode atender aos usuários do SUS com menores custos, sem a necessidade de comprar o medicamento de empresas particulares. A distribuição ocorre gratuitamente nos pólos de atendimento. Em junho, o instituto já havia entregue 6 milhões de cápsulas. O diretor industrial do Instituto Vital Brazil, Jorge Luiz Coelho Mattos, explicou que a rivastigmina está sendo produzida em quatro concentrações: 1,5 miligrama (mg), 3mg, 4,5mg e 6mg, e será distribuída para 1,2 milhão de pessoas em todo o País.

Problemas financeiros podem parar obra do Estádio do Itaquerão

Estádio de abertura da Copa do Mundo de 2014, o Itaquerão pode ter mudanças no ritmo de sua construção por problemas financeiros. A obra corre o risco de ser paralisada se até o dia 30 de outubro não for liberado o dinheiro da linha de crédito do BNDES para a construção e reforma de arenas do Mundial (R$ 400 milhões) e a prefeitura de São Paulo não começar a emitir os CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento, que no total alcançarão R$ 420 milhões) que irão financiar o empreendimento. Andrés Sanchez, atual diretor de seleções da CBF e presidente do Corinthians à época da definição da construção da arena, disse que o clube e a Construtora Odebrecht combinaram de paralisar as obras se o dinheiro não sair até 30 de outubro. Na Odebrecht, a informação é de que esse assunto “é desconhecido’’ e que as obras, que já atingiram 50% seguirão normalmente. No dia 11 de julho, o BNDES anunciou a aprovação do empréstimo de R$ 400 milhões para a construção da Arena do Corinthians. Mas o dinheiro ainda não foi liberado por falta de garantias de pagamento.

Petista José Eduardo Cardozo quer rapidez em inquérito sobre espião da Abin

O ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, disse que pediu à Polícia Federal que priorize a investigação sobre o agente da Agência Brasileira de Informação (Abin) identificado pelas iniciais WTN preso em flagrante após operação montada pela Polícia Federal, acusado de espionar o próprio órgão. José Eduardo Cardozo evitou fazer comentários sobre o caso, alegando que as investigações correm em sigilo. "A Polícia Federal vem fazendo sua investigação por meio de um inquérito que corre em sigilo. Posso dizer que é uma investigação para a qual pedimos prioridade, para que, com rapidez, se buscasse entender o que aconteceu neste episódio", declarou José Eduardo Cardozo, após solenidade de prevenção no trânsito, realizada no Palácio do Planalto. O ministro reconheceu que o governo ficou "surpreso" com o caso. "Qualquer situação de criminalidade acaba surpreendendo. Neste caso, nós estamos investigando o porquê aconteceu, o que está por trás desses fatos e obviamente tomaremos as medidas necessárias não só para evitar que situações desse tipo de repitam, mas também para punir os responsáveis", comentou. No momento da prisão, o espião havia conseguido hackear 238 senhas de agentes envolvidos em investigações estratégicas.

IBGE não sabe o motivo de jovens estudarem menos

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) realizada em 2011 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela um aumento na proporção de jovens que não estudam e não trabalham no País. Em 2009, 85,2% da população de 15 a 17 anos frequentava a escola. Dois anos depois, o porcentual caiu para 83,7%, interrompendo uma tendência de crescimento da taxa de escolarização nessa faixa etária verificada desde 2005. O número absoluto de estudantes de 15 a 17 anos manteve-se estável em 8,8 milhões de 2009 para 2011, apesar do aumento da população nesse grupo no período. A explicação para a queda da taxa de escolarização entre os jovens não é a ida para o mercado de trabalho formal, diz a gerente da pesquisa, Maria Lucia Vieira. Segundo a Pnad, os jovens de 15 a 17 anos representavam 3,1% da população ocupada no País em 2009, participação que caiu para 2,8% em 2011, uma variação negativa de 11,1%. Em termos absolutos, houve uma diminuição no período de 319 mil pessoas dessa faixa etária trabalhando. "Não conseguimos investigar exatamente a causa, mas a princípio eles não trabalham e não estudam", acrescenta Maria Lucia. Para o economista Cláudio Moura Castro, a queda da taxa de escolarização entre os jovens reflete uma "crise no ensino médio". "A matrícula está caindo porque o ensino médio é muito ruim, é chato. As pessoas desanimam", diz ele. "A explicação consensual é que se trata muito mais de uma expulsão do ensino médio do que atração pelo mercado de trabalho", acrescenta Castro. Segundo ele, estatísticas de censos educacionais já indicavam "estagnação e contração". "A queda não é dramática, mas a gente esperaria uma expansão contínua." Para Simon Schwartzman, ex-presidente do IBGE, o ensino médio é pouco estimulante e a perda de alunos é consistente. Ele lembra que o abandono é maior entre os homens.

Incêndio em refinaria da Venezuela foi controlado

Um dos tanques de nafta incendiados na refinaria venezuelana de El Palito, que continuava em chamas na sexta-feira, teve o fogo controlado. Clientes da estatal PDVSA manifestaram preocupação com possíveis interrupções no abastecimento por causa do incidente. Há menos de um mês, uma explosão na refinaria de Amuay, a maior da Venezuela, paralisou quase completamente suas operações durante seis dias. "O tanque está sem fogo, a refinaria está em operação", disse o ministro do Petróleo e presidente da PDVSA, Rafael Ramírez. As operações da refinaria de El Palito, uma das três do país, não precisaram parar, mas o incêndio em meio aos tanques causa complicações para o armazenamento de derivados e para seu envio para os mercados externo e interno. Inicialmente as autoridades estimaram que o incêndio seria controlado na quinta-feira, o que não ocorreu. O ministro Ramírez assegurou que o envio de combustível para o exterior, principal fonte de divisas da Venezuela, não foi afetado. Clientes da PDVSA disseram, no entanto, que o fluxo de exportação vem baixando nas últimas semanas. "Não está saindo muita coisa da Venezuela neste momento", disse um dos clientes, pedindo anonimato. Por causa do recente incêndio, a refinaria de Amuay ainda está operando com apenas 50% da sua capacidade instalada.

Haddad afirma que Russomanno pertence à "velha política"

O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando "Kit Gay" Haddad, afirmou na sexta-feira que o líder nas pesquisas, Celso Russomanno (PRB), pertence à "velha política" por ainda não ter apresentado, a quinze dias das eleições, seu programa de governo. Russomanno prometeu apresentar seu programa de governo até os próximos dias. Ele justificou o atraso citando a extensão e a complexidade do documento. "Não é uma postura nova você empurrar com a barriga a apresentação de seu plano de governo", disse Haddad. A declaração do petista se opõe à estratégia de Russomanno de se colocar como o "novo" na política. Na sexta-feira, em seu programa eleitoral de televisão, o candidato do PRB e do bispo Edir Macedo se apresentou como "um homem novo, mas novo de verdade", em uma referência ao slogan de Haddad, que o identifica como "o homem novo para um tempo novo".

57% dos jovens acima de 15 anos vivem em união conjugal

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) mostrou que 85,5 milhões de pessoas com mais de 15 anos viviam em união conjugal em 2011, o que representa 57,1% da população desta faixa etária. Pela primeira vez, os pesquisadores perguntaram qual era o estado civil das pessoas que viviam em união. Os solteiros sobressaíram: 48,1%. Em seguida, vieram os casados (39,9%), viúvos (6,1%), e divorciados (5,9%). O porcentual das mulheres que não viviam em união, mas que já haviam sido casadas, é superior ao dos homens na mesma situação, 26% para elas, 15,5% para eles. "Esse dado aponta que a capacidade dos homens de reconstituírem a vida é maior do que a das mulheres", afirma o gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo. No País, 64,3 milhões de pessoas com mais de 15 anos não vivem em união. A maior proporção está na Região Nordeste: 44,6%. São 7,9 milhões de homens e 10 milhões de mulheres. As mulheres continuam como as principais responsáveis pelas tarefas do lar. Entre aqueles brasileiros que trabalhavam, 65% também tinham afazeres domésticos: 47% dos homens disseram que também cuidam da casa, contra 89,4% das mulheres.

Casas próprias no Brasil chegam a três quartos do total

Três em cada quatro domicílios eram próprios, mostrou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). Em 2011, havia 45,8 milhões de casas, ou 74,8%. Desse total, 70,1% já estavam quitadas e 4,7 em aquisição. Em 2009, o índice de casas próprias era de 73,6%. O Norte tem a maior proporção de residências próprias (78,5%) e o Sudeste concentra os aluguéis (18,7%). A pesquisa mostra ainda que há mais brasileiros morando sozinho. São 7,8 milhões, 800 mil a mais do que em 2009. A maior proporção de domicílios com apenas um morador fica no Centro Oeste (13,8%). A casa dos brasileiros está mais vazia. A média de moradores por domicílio caiu de 3,3 pessoas para 3,2, em média. A proporção de casas com quatro ou mais moradores foi reduzida em 533 mil unidades (de 40,4% para 37,7%). Já as residências com até 3 moradores atingiu 3,3 milhões; passou de 59,6% para 62,3%. Em 2011, os lares brasileiros eram ocupados por duas a quatro pessoas. Essa é a conformação de 70% das casas, de acordo com a estimativa feita pela Pnad 2011.

Antes da denúncia, assessoria da comunista Vanessa Grazziotin sabia que fora cuspe

Espantoso o cinismo da senadora Vanessa Grazziotin, candidata do PCdoB a prefeita de Manaus. No último dia 11, perto das 21 horas, ela foi atingida por algo que identificou como um ovo ao chegar para um debate em uma emissora de televisão da cidade. Em um dos intervalos do debate, a emissora noticiou que Vanessa Grazziotin fora atingida por ovos. Ela nada comentou. Manchete do jornal A Crítica do dia 12: "Vanessa é agredida com ovos". A fotografia do momento da agressão estampada pelo jornal fora produzida pela assessoria da candidata. Na madrugada do dia 12, em jatinho que serve ao senador Eduardo Braga (PMDB), líder do governo e ex-governador do Amazonas, Vanessa voou para Brasília. Às 15h27, da tribuna do Senado, denunciou a agressão que sofrera. A ovos, naturalmente. Pois bem: 13h e 38 minutos antes de Vanessa começar seu discurso, um membro da equipe jurídica da campanha dela havia sido ouvido pela polícia e dito que o ovo não passara de cuspe. Para ser exato: o membro da equipe jurídica da campanha registrou a ocorrência na polícia a 1h49 da madrugada. Perguntas que não querem calar: 1) nenhum assessor da senadora se deu ao trabalho de informá-la a respeito da cusparada de modo a evitar que o Senado fosse enganado com uma mentira?; 2) a senadora não se deu ao trabalho de telefonar de Brasília para seus assessores interessada em saber se a polícia do seu Estado já descobrira o autor do arremesso do ovo? No seu discurso, Vanessa sugeriu que o ovo fora jogado por partidários de outro candidato a prefeito de Manaus. Não disse qual. A equipe de marketing de Vanessa Grazziotin gravou os apartes de solidariedade de colegas que ela recebeu ao longo do seu discurso. Os apartes foram parar no programa eleitoral de Vanessa Graziottin. Dilma gravou uma mensagem de solidariedade a Vanessa Graziottin, também divulgada no programa eleitoral. Por fim, Lula foi a Manaus pedir votos para ela. E aproveitou para desancar Artur Virgilio, candidato a prefeito do PSDB, embora não tenha citado seu nome. Chamou-o de homem violento, que gosta de bater nas pessoas e que detesta pobres. Tudo para fazer a conexão com a história inventada. Faz sentido, não é mesmo?

Com mau desempenho em capitais, PT tenta afastar impacto do Mensalão

Faltando uma quinzena para as eleições municipais e amargando a pior situação eleitoral em mais de uma década nas capitais, o PT tenta afastar das urnas o impacto do julgamento do Mensalão do PT, em andamento no Supremo, que entrará na fase mais delicada para o partido nos próximos dias, quando começa a análise das acusações contra a cúpula petista do esquema corruptor. Lideranças do PT e de partidos aliados negam que as candidaturas venham sofrendo com a repercussão de condenações no Supremo Tribunal Federal e a constatação, por parte dos ministros da Corte, de que houve compra de apoio político pelo governo do ex-presidente Lula. Para especialistas que acompanham a eleição, é difícil afirmar se o escândalo terá impacto nas urnas na reta final. Eles apontam que o mau desempenho de alguns candidatos vem mais do desgaste dos partidos e do esgotamento de suas propostas locais do que de um fator externo, como o julgamento. "Eu não vejo impacto do julgamento até agora", diz Márcia Cavallari, diretora do Ibope. "Para o eleitor o caso do Mensalão é muito complicado de compreender... e há candidatos do PT ganhando Brasil afora", acrescentou ela, para quem o poder de presidentes da República é limitado nos pleitos municipais. Na quarta-feira, o Supremo decidiu deixar a análise do crime de corrupção ativa para o final do atual capítulo, que trata dos políticos que teriam recebido recursos no suposto esquema de compra de apoio político. Com isso, a cúpula petista - José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares - deve ser julgada na semana anterior ao primeiro turno. Para o professor de Ética e Filosofia da Unicamp Roberto Romano, o impacto da ação em curso no STF "não é tão dramática, profunda e sísmica como a direção do PT e as propagandas do PSDB fazem crer". "Tanto a presidente Dilma quanto Lula estão equivocados ao supervalorizar o Supremo", diz ele, que acredita que a nota divulgada na sexta-feira pela presidente, contestando o uso pelo relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, de seu depoimento como testemunha, foi "desastrosa". Na propaganda eleitoral, o Mensalão do PT virou arma de adversários do PT, artilharia que irá crescer com a perspectiva de condenação por corrupção ativa de José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares. "Até agora não houve impacto do mensalão nas intenções de voto, vamos ver o que pode acontecer nas próximas duas semanas", afirmou o ministro da Saúde, o petista Alexandre Padilha.

Aécio Neves se encontra em Porto Alegre com Wambert Di Lorenzo e grava apoio para sua campanha

O senador mineiro Aécio Neves se encontra nesta segunda-feira, às 15 horas, no Hotel Deville, em Porto Alegre, com o candidato do PSDB à prefeitura da capital gaúcha. Aécio Neves também fará uma gravação para ser veiculada no programa eleitoral de Wambert Di Lorenzo, pedindo voto para o candidato de seu partido. Wambert Di Lorenzo se encarregou de convidar os outros candidatos a prefeito do partido no Rio Grande do Sul, inclusive o atual prefeito de Uruguaiana, Sanchotene Felice, e o seu candidato à prefeitura, praticamente eleito, para que estejam presentes no evento. Ele diz que o objetivo também é o de pacificar e unificar o PSDB no Rio Grande do Sul.

Pnad indica redução da tendência de miscigenação da população brasileira

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) indica uma inversão da tendência histórica de aumento da afirmação da miscigenação na população brasileira. Entre 2009 e 2011, houve queda na participação de pessoas que se declaram pardas e aumento dos autodeclarados negros. Juntos, negros e pardos se tornaram maioria no País a partir de 2008, segundo o IBGE. No entanto, os pardos continuavam crescendo até a última pesquisa, de 2009. Em 2011, houve aumento de 1,4% dos negros e redução de 0,4% para brancos, e de 0,9% da população parda. Para especialistas, é óbvia a influência de políticas afirmativas. No País, o maior contingente de pessoas que se declaram negras está no Nordeste (10,5%). Já o de pardos fica na região Norte (67,9%) e o de brancos, no Sul (77,8%). "O que há de novo é o crescimento especificamente do preto em detrimento do pardo. O brasileiro não é burro. Isso vem acontecendo numa proporção exatamente simétrica à expansão das políticas de ação afirmativa fundadas no conceito de raça", avalia o professor da UFRJ Manolo Florentino, do departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS). A Pnad mostra que, da população desocupada no País em 2011, 57,6% eram pretos ou pardos. O porcentual aumentou em relação a 2009, quando era de 56,2%.

Petista Rui Falcão nega pressão para desagravo a Lula

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse na sexta-feira que o PR e o PTB só não assinaram a nota de desagravo ao ex-presidente Lula, divulgada na última quinta-feira, porque não houve tempo de procurar seus representantes. "A nota está em aberto para quem quiser assinar. Como nós tínhamos o problema do timing, quanto mais consultas a gente fizesse mais tempo a nota demoraria para sair. Não os procurei pela falta de tempo. A nota é em solidariedade ao presidente Lula e pode incluir até os partidos de oposição, se acharem que os ataques ao ex-presidente foram indevidos". Isso é de uma cretinice fantástica. Ataques..... uma ova. Lula foi denunciado por Marcos Valério em sua entrevista para a revista Veja. E por essas denúncias deve ser investigado, como tendo sido o chefe do Mensalão do PT . Rui Falcão negou ter pressionado o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp, a assinar a nota. "Cada repórter escreve o que quer. Eu tenho relação próxima com o senador. Consultei-o sobre a nota e ele não quis fazer mudanças. Quem sou eu para pressioná-lo? Isso nunca existiu", afirmou o petista.

Mercadante diz que "estranhou" postura do ministro relator Joaquim Barbosa

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, criticou a forma "superficial" como o relator do processo do Mensalão do PT no Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, sugeriu que a rapidez com que o Congresso aprovou a votação do marco regulatório do setor elétrico seria a comprovação de que houve compra de votos pelo PT para aprovar medidas no Legislativo. "É preciso ter respeito entre os Poderes, reconhecer o mérito legislativo e conhecer como se constrói um consenso entre os partidos", desabafou Mercadante que, no início de 2004, quando o processo tramitou no Congresso, era líder do governo Lula no Senado. Mercadante lembrou ainda que todos os senadores da época, fossem eles oposição ou governo, "podem testemunhar" que houve transparência nas discussões e que elas se travaram "sobre mérito", em sua sala, no Senado, inclusive com a presença da então ministra das Minas e Energia, Dilma Rousseff. "Foi uma negociação de mérito e votamos, governo e oposição, por unanimidade, porque havia consciência da urgência e relevância da aprovação do texto, já que poderia ocorrer um apagão", afirmou o ministro da Educação. Mesmo não tendo sido citado por Barbosa, fez questão de polemizar com o ministro do Supremo. Não foi citado porque Joaquim Barbosa referiu-se estritamente ao que está nos autos. Ele disse que "estranhou" a postura de Joaquim Barbosa: "Como se pode tratar de uma matéria destas, que foi objeto de debate rigoroso e fruto de entendimento total, com a ligeireza e superficialidade que foi dada ao caso?"

Governo Dilma coloca mais R$ 13 bilhões na Caixa Econômica Federal e R$ 8,1 bilhões no Banco do Brasil

O governo petista de Dilma Rousseff autorizou a destinação de até 13 bilhões de reais para a Caixa Econômica Federal e até 8,1 bilhões de reais ao Banco do Brasil, elevando o capital das instituições e garantindo fôlego para concessão de empréstimos por ambas. Segundo o Ministério da Fazenda, a medida preserva o capital regulatório dos bancos públicos e garantirá que ambos continuem seu "aumento da participação no mercado, além de cumprirem suas missões como agentes de políticas públicas e parceiros estratégicos" do governo federal. É bom que os brasileiros se dêem conta de que esse é um dinheiro caríssimo, que o governo Dilma está promovendo endividamento, com a emissão de mais títulos da dívida pública, para suprir os brasileiros de crédito, coisa que deveria ser feita pelos bancos privados. Do total de recursos concedidos à Caixa Econômica Federal, até 3 bilhões de reais destinam-se ao financiamento de material de construção e de bens de consumo duráveis às pessoas físicas que se enquadram na faixa I do Programa Minha Casa Minha Vida, e até 3,8 bilhões de reais são voltados ao financiamento de projetos de infraestrutura. No caso do Banco do Brasil, os recursos destinam-se a aplicações em operações de crédito para financiar o segmento agropecuário referente à safra 2012/2013. Os aportes nas duas instituições financeiras terão remuneração compatível com a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP). E, de acordo com a Fazenda, a União poderá emitir títulos públicos, sob a forma de colocação direta, para reforçar o capital de Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. A injeção de recursos nos bancos foi garantida por Medida Provisória publicada no Diário Oficial da União, que também aprova regulamento para o funcionamento do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO), que tem como objetivo assegurar recursos para a implantação de projetos de desenvolvimento e investimentos em infraestrutura.

Serra usa direito de resposta em programa do PT

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, fez uso, na noite de sexta-feira, do direito de resposta concedido pela Justiça Eleitoral contra o petista Fernando "Kit Gay" Haddad. Na TV, a campanha de Serra desmentiu que o caminhoneiro José Machado estivesse esperando há dois anos por uma cirurgia de catarata e colocou um especialista para explicar a doença de Machado. "Isso é enganoso. A verdade é que não há fila para operação de catarata no sistema público de saúde de São Paulo", disse o narrador da propaganda tucana. No início da semana, a campanha de Serra conseguiu um direito de resposta de 2min26s pela propaganda em que o petista acusou o tucano de "desmoralizar" o caminhoneiro José Machado. Por determinação da Justiça Eleitoral, Serra teve de explicar que não acusou o caminhoneiro de mentir, mas sim o PT. "Serra jamais questionou o paciente, nem teve qualquer intenção de ofendê-lo, humilhá-lo, desmoralizá-lo. Ao contrário, Serra se solidariza com o senhor José Machado, torce para que ele seja bem sucedido na operação que fará", ressaltou o narrador. Na época em que foi mostrado no programa de Haddad, Machado teve seus dados médicos divulgados pela Prefeitura sem autorização. "Segundo laudos médicos, o senhor Machado tem uma doença chamada pterígio (crescimento de pele sobre a córnea)", destacou o narrador. Um médico especialista explicou que é comum a população confundir pterígio com catarata, mas ressaltou que são doenças distintas. Segundo a campanha, a doença do caminhoneiro é reincidente e, por isso, é mais agressiva. O caminhoneiro deverá se submeter a uma cirurgia para depois avaliar a necessidade de tratamento contra catarata. Já em seu programa, Serra mostrou suas realizações como prefeito e governador, entre elas o Rodoanel, a duplicação da Marginal do Tietê e a expansão do Metrô. O tucano também destacou os projetos de sua iniciativa que beneficiaram os trabalhadores e os programas ambientais desenvolvidos em sua administração. "A cidade precisa de mais verdes e mais parques", defendeu o candidato.

Baleias-francas se instalam em praias de Ubatuba

Frequentadores de algumas praias de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, vêm observando a presença constante de duas baleias próximas à costa, que parecem ter “adotado” a cidade para fixar “moradia temporária”. Segundo o Aquário de Ubatuba, que monitora os animais, são duas baleias-francas. Mãe e filhote estariam na região em busca de áreas para descanso. Técnicos do aquário e do Instituto Argonauta avistaram e fotografaram as baleias na Praia Dura, na região norte de Ubatuba. A mãe teria aproximadamente 15 metros de comprimento e o filhote, pouco mais de 6 metros. Segundo os técnicos, os animais vêm sendo vistos desde o último dia 11. “As baleias-francas são animais ameaçados, pois por muito tempo foram considerados fáceis de matar pelo seu comportamento passivo e lento, além de seu grande tamanho. Isso acabou diminuindo, e muito, a área de distribuição desse animal, que podia ser avistado até o litoral sudeste do Brasil”, conforme a bióloga Carla Beatriz Barbosa, coordenadora de biologia e educação ambiental do Aquário de Ubatuba. Segundo ela, apesar de o surgimento dessas baleias ser considerado raro mais ao norte do País, o aumento no número de ocorrências “pode ser um indicativo de que estes animais estejam se recuperando e, dessa forma, reconquistando sua antiga área de distribuição, já que estão sendo observados indivíduos reocupando o litoral sudeste”. Carla alerta que as embarcações na região de Ubatuba somente podem se aproximar dos animais até 100 metros de distância com os motores ligados ou 50 metros sem motor, em um período máximo de 30 minutos. A distância, prevista na legislação federal, é necessária, segundo ela, para evitar colisões e, principalmente, não estressar mãe e bebê.

Petistas defendem ida de Mercadante para Casa Civil

Embora diga que ocupa o "ministério dos sonhos", o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, tem esperanças de ser deslocado para a Casa Civil após a eleição. Para isso, conta com apoio de correligionários do Paraná, que tentariam convencer a ministra Gleisi Hoffmann e a presidente Dilma Rousseff de que a troca seria boa para todos os envolvidos. Petistas próximos de Mercadante avaliam que o ministro não está tão satisfeito quanto suas declarações públicas dão a entender. Na Casa Civil, dizem companheiros do ministro, a visibilidade é nacional. Antes de substituir Antonio Palocci, derrubado após denúncias de evolução patrimonial incompatível com seus rendimentos, Gleisi era uma novata no Senado. Hoje, tornou-se conhecida nacionalmente e comanda os principais projetos de infraestrutura do País. A ida de Mercadante para a Casa Civil abriria uma vaga na Educação que vem a calhar se o ex-titular da pasta, Fernando "Kit Gay" Haddad passar para o segundo turno da eleição paulistana. O deputado peemedebista Gabriel Chalita (SP) poderia ser indicado para a ministério como recompensa por um eventual apoio ao candidato petista. Em quarto lugar na disputa, com 6% da preferência dos eleitores, segundo o Ibope, Chalita já trocou acusações com o tucano José Serra e, na quinta-feira, em debate da Arquidiocese de São Paulo, criticou o líder das pesquisas, Celso Russomanno (PRB). Para convencer Gleisi e Dilma da viabilidade da operação, Mercadante conta principalmente com o PT paranaense. O objetivo é convencer a ministra e a presidente de que, para viabilizar a candidatura ao governo do Paraná em 2014, é melhor Gleisi voltar a exercer o mandato de senadora. Dessa forma, acreditam os defensores do plano, a petista teria maior presença em seu Estado e mais cacife para enfrentar o governador tucano Beto Richa. "Se a Gleisi não começar imediatamente a fazer política no Paraná, ela não terá chances de vitória", disse o deputado Professor Rosinha (PT), um dos que defendem a volta ao Senado.

Para STJ, quem entrega carro a bêbado pode responder por homicídio doloso

O Superior Tribunal de Justiça decidiu, ao analisar um caso de morte no trânsito, que o simples ato de entregar a chave de um veículo para um motorista alcoolizado pode caracterizar homicídio qualificado com dolo eventual (quando a pessoa assume o risco de provocar uma morte, mesmo sem intenção). Conforme especialistas, na prática estabeleceu-se um avanço na lei seca, punindo até manobristas ou qualquer pessoa que coloque um embriagado ao volante. A decisão, da 5ª turma do STJ, foi tomada durante julgamento de um pedido de habeas corpus de um médico de 42 anos, de Pernambuco, que emprestou seu Toyota Corolla para uma amiga. O caso foi na madrugada de 2 de fevereiro de 2010. Ambos tinham ingerido álcool e o acidente foi logo depois de ele deixar de dirigir e passar a condução do carro para a amiga. De acordo com o relatório da ministra Laurita Vaz, a defesa do dono do carro argumentou que o médico estava sendo acusado incorretamente. Ele teria cometido só uma infração ao artigo 310 do Código de Trânsito Brasileiro (emprestar o carro a alguém embriagado) e não o homicídio qualificado. Por isso, pedia o habeas corpus para trancar o processo. Ainda segundo o relatório, o Tribunal de Justiça de Pernambuco usou o artigo 41 do Código Processual Penal, que determina como as acusações à Justiça devem ser feitas, com exposição do ato criminoso, identificação do acusado, a classificação do crime e, se for possível, quem são as testemunhas - para validar a denúncia do Ministério Público. O STJ seguiu esse entendimento e negou o habeas corpus. "O réu defende-se dos fatos objetivamente descritos na denúncia e não da qualificação jurídica atribuída pelo Ministério Público ao fato delituoso", disse a relatora. "Ressalto que se deve evitar o entendimento demagógico de que qualquer acidente de trânsito que resulte em morte configura homicídio doloso, dando elasticidade ao conceito de dolo eventual absolutamente contrária à melhor exegese do Direito", afirmou também a ministra Laurita Vaz. No entanto, ressalta que no caso do médico as circunstâncias do acidente podem, sim, caracterizar o dolo eventual. Advogados especialistas em Direito do trânsito concordam com a decisão do STJ . "Sou até a favor da prisão em flagrante de quem entrega as chaves de um veículo a uma pessoa que está alcoolizada", diz o presidente da comissão de trânsito da OAB de São Paulo, Maurício Januzzi. O advogado, especialista em trânsito, Marcos Pantaleão, explica que emprestar o carro para alguém bêbado já é crime previsto no Código de Trânsito, mas que a decisão do STJ de considerar o crime como homicídio qualificado com dolo eventual pode facilitar a punição.

Dilma reage à citação de Joaquim Barbosa

A presidente Dilma Rousseff reagiu em nota oficial à citação feita na quinta-feira pelo ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, relator do processo do Mensalão do PT. Para sustentar a existência da compra de votos de parlamentares para apoiar projetos do governo, ele citou depoimento de Dilma à Justiça, em 2009, quando a então ministra-chefe da Casa Civil disse que ficou "surpresa" com a rapidez da votação do marco regulatório do setor elétrico. Dilma reiterou sua surpresa com a rapidez na votação à época, mas fez questão de dizer que isso se justificava pela importância do tema, pois "ou se reformava ou o setor quebrava", já que o País atravessava uma crise histórica na geração e transmissão de energia elétrica. A reação do Palácio do Planalto veio quase 24 horas depois da afirmação de Joaquim Barbosa, durante leitura de seu voto, quando defendeu a punição de políticos como Roberto Jefferson, denunciante do Mensalão do PT. Na nota de uma página, a presidente diz que era preciso fazer "esclarecimentos que eliminem qualquer sombra de dúvida acerca das minhas declarações, dentro dos princípios do absoluto respeito que marcam as relações entre os Poderes Executivo e Judiciário". Esta é a nota: "Na leitura de relatório, na sessão de ontem do Supremo Tribunal Federal, o senhor ministro Joaquim Barbosa se referiu a depoimento que fiz à Justiça, em outubro de 2009. Creio ser necessário alguns esclarecimentos que eliminem qualquer sombra de dúvidas acerca das minhas declarações, dentro dos princípios do absoluto respeito que marcam as relações entre os Poderes Executivo e Judiciário. Entre junho de 2001 e fevereiro de 2002, o Brasil atravessou uma histórica crise na geração e transmissão de energia elétrica, conhecida como apagão. Em dezembro de 2003, o presidente Lula enviou ao Congresso as Medidas Provisórias 144 e 145, criando um marco regulatório para o setor de energia, com o objetivo de garantir segurança do abastecimento de energia elétrica e modicidade tarifária. Estas MPs foram votadas e aprovadas na Câmara dos Deputados, onde receberam 797 emendas, sendo 128 acatadas pelos relatores, deputados Fernando Ferro e Salvador Zimbaldi. No Senado, as MPs foram aprovadas em março, sendo que o relator, senador Delcídio Amaral, construiu um histórico acordo entre os líderes de partidos, inclusive os da oposição. Por este acordo, o Marco Regulatório do setor de Energia Elétrica foi aprovado pelo Senado em votação simbólica, com apoio dos líderes de todos os partidos da Casa. Na sessão do Supremo, o senhor ministro Joaquim Barbosa destacou a surpresa que manifestei no meu depoimento judicial com a agilidade do processo legislativo sobre as MPs. Surpresa, conforme afirmei no depoimento de 2009 e repito hoje, por termos conseguido uma rápida aprovação por parte de todas as forças políticas que compreenderam a gravidade do tema. Como disse no meu depoimento, em função do funcionamento equivocado do setor até então, ou se reformava ou o setor quebrava. E quando se está em situações limites como esta, as coisas ficam muito urgentes e claras". Era o que faltava agora, a presidente da República "batendo boca" com um ministro do Supremo, em pleno julgamento da causa mais importante da história da república brasileira, que se limita a argumentar com elementos que estão nos autos.

Juiz eleitoral usa oficiais de justiça e brigadianos para conter propaganda subversiva contra candidato da oposição em São Leopoldo

Homens de confiança do prefeito petista Ary Vanazzi, de São Leopoldo, o secretário de Obras Públicas, Paulo Kumer, e o diretor da mesma pasta, Carlos Gaibid, além do coordenador da Defesa Civil, Selomar Gomes, foram presos na sexta-feira por oficiais de justiça e soldados brigadianos, obedecendo ordem do juiz eleitoral, que também mandou apreender folhetos e panfletos que eles colavam nos postes e distribuíam, com denúncias consideradas caluniosas pela coligação que apóia o candidato dr. Moacir, do PSDB. O clima político e eleitoral está muito tenso em São Leopoldo.As pesquisas indicam ampla derrota do candidato do PT. O candidato do PT, o deputado federal Ronaldo Zulke, da mesma forma que o prefeito Ary Vannazi e sua cunhada, a deputada estadual petista Ana Afonso, coordenadora da campanha do partido, serão investigados pessoalmente no âmbito da Operação Cosa Nostra, dependendo apenas de autorização do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul e do Superior Tribunal de Justiça. A Operação Cosa Nostra devassou cinco órgãos públicos da prefeitura e apurou enormes malfeitorias. O PT tenta dar o troco, aproveitando-se de uma denúncia de menor impacto, considerada caluniosa pela coligação que apóia o candidato da oposição, feita na semana passada pela Polícia Civil, também no âmbito da Operação Cosa Nostra. A Polícia Civil, controlada pelo governo estadual do PT, entregou ao juiz local os resultados do primeiro dos inquéritos, retém todos os outros, mas escolheu o que cria problemas para dois médicos, que teriam cobrado dinheiro extra por consultas feitas no Hospital Centenário. Um dos médicos é o dr. Moacir. O juiz do caso manteve segredo de justiça, mas os nomes "vazaram", como esperava a oposição. A Operação Cosa Nostra investiga desvio de dinheiro público na prefeitura de São Leopoldo envolvendo órgãos como SEMAE, Secretaria de Obras, Central de Licitações e o Instituto de Previdência do município. As principais denúncias atingem em cheio o governo municipal do PT: o prefeito Vanazzi, seu candidato, Ronaldo Zulke, e a coordenadora de campanha de Zulke, deputada Ana Afonso.