sábado, 12 de maio de 2012

Ministro do STF decide na segunda se depoimento de Cachoeira à CPI será ouj não adiado

A defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal para adiar o depoimento na CPI que investiga seu suposto esquema de corrupção, marcado para terça-feira. Ele argumenta que o presidente da CPI, deputado Vital do Rego (PMDB-PB), não permitiu que ele tenha acesso ao material colhido pela comissão e que não poderia prestar esclarecimentos sem saber sobre o que ele é investigado. “É imperativo que Carlos Augusto e seus advogados conheçam previamente todas as provas que poderão servir de substrato aos questionamentos que decerto lhe serão dirigidos pelos parlamentares”, diz o habeas corpus impetrado pelo advogado de Cachoeira, Márcio Thomaz Bastos. Ele também pediu que o Supremo determine que Vital do Rego permita “em prazo razoável antes de sua oitiva, compulsar e copiar todo o material das Operações Vegas e Monte Carlo que se encontra na CPI”. O pedido foi encaminhado ao ministro Celso de Mello. Seu gabinete informou que o caso já está sendo analisado, mas que a decisão não deverá sair até a próxima segunda-feira. É grande a chance de que Celso de Mello, por motivos estritamente técnicos, diga “sim” ao pleito de Márcio Thomaz Bastos, uma vez que todo mundo tem direito de saber previamente do que está sendo acusado. Mas, se o ministro negar, então certamente Marcio Thomas Bastos voltará à Justiça para que seu cliente tenha o direito de ficar calado na CPI. E aí será pule de dez: vai conseguir porque ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo.