sábado, 5 de maio de 2012

Esquema de Cachoeira fez lobby na Anvisa para liberar medicamentos

Diálogos interceptados pela Polícia Federal colocam a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) no foco das investigações sobre a organização criminosa comandada pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, desmantelada pela Operação Monte Carlo. Os grampos revelam que o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) fazia lobby no órgão para que o laboratório Vitapan, de Cachoeira, obtivesse licenças de medicamentos e renovações. Nos diálogos, gravados em abril de 2011, Cachoeira pede ajuda de Demóstenes para resolver demandas na Anvisa. Os dois combinam uma operação para cooptar Norberto Rech, gerente geral de medicina do órgão. Os grampos indicam que, depois de uma suposta conversa entre o parlamentar e o servidor, em 13 de abril do ano passado, Cachoeira enviou emissários para uma reunião na agência. Professor da Universidade Federal de Santa Catarina, Norberto Rech foi levado em 2005 para o órgão com o patrocínio do senador Humberto Costa (PT-SP), então ministro da Saúde. O assessor nega ter feito qualquer ato de ofício para favorecer os negócios do contraventor. A oposição quer convocá-lo para prestar depoimento na CPI do Cachoeira e pediu que a Anvisa realize sindicância para verificar se o gerente facilitou a tramitação das demandas do bicheiro. Cachoeira queria assegurar a renovação automática das liberações necessárias aos seus medicamentos e Demóstenes, conforme deixam claro os grampos, negociou uma “agenda programada” com Rech, então gerente-geral de Medicina. O objetivo do esquema seria obter licenças facilmente e, na hora das renovações, poupar o laboratório de burocracia e exigências técnicas. “Aquele... o Norberto... você teve com ele ontem pra olhar aqueles trem que eu te pedi?”, questiona Cachoeira a Demóstenes num dos cinco telefonemas sobre o assunto, interceptados em 14 de abril de 2011. A estratégia dos dois era cooptar o assessor com a promessa de construir uma unidade do laboratório de Cachoeira em Santa Catarina. Nas conversas, Cachoeira cita Rech como “aquele rapaz do Ênio, que trabalha na Anvisa”. O bicheiro se referia a Ênio Branco, secretário de Comunicação do governo de Santa Catarina, antigo aliado de Demóstenes e que, na época dos telefonemas, presidia a SCPar - Participações e Parcerias, empresa de desenvolvimento do Estado.

Presidente do STF defende plenitude da liberdade de imprensa

Em uma tentativa de reduzir o número de decisões judiciais que resultam em censura ou punição a jornalistas, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Ayres Britto, pretende usar o Conselho Nacional de Justiça para informar o resto do Judiciário sobre a posição do STF acerca da liberdade de expressão. “Eu pretendo, junto com os conselheiros do CNJ, desenvolver programas, quem sabe até campanhas, esclarecendo o conteúdo da decisão do Supremo (que derrubou a Lei de Imprensa, em 2009), que foi pela plenitude da liberdade de imprensa”, disse, depois de fazer a palestra de encerramento do Seminário Internacional de Liberdade de Expressão, na sexta-feira, em São Paulo: “Quem sabe o nível de intolerância social diminua". Especialistas apontaram no seminário que, embora o Supremo venha decidindo em favor do livre exercício do jornalismo, juízes de primeiro e segundo graus por vezes ainda restringem a liberdade de expressão. “Onde for possível a censura prévia se esgueirar, se manifestar, mesmo que procedente do Poder Judiciário, não há plenitude de liberdade de imprensa”, afirmou Ayres Britto. Para o presidente do Judiciário, o confronto de interesses entre o livre exercício do jornalismo e o direito à privacidade “inevitavelmente” se confrontarão. Ele garante, porém, que a Constituição prioriza a livre expressão ao direito à privacidade: “A liberdade de imprensa ocupa, na Constituição, este pedestal de irmã siamesa da democracia". Ayres Britto defendeu, contudo, uma autorregulamentação dos veículos jornalísticos. Segundo ele, “a imprensa é o poder social por excelência”. “E é por natureza das coisas que quem detenha o poder tenda a abusar dele”, disse. “O poder social da imprensa também deve ser controlado, mas não pelo Estado. Isso é um desafio da imprensa brasileira”, defendeu o ministro.

Produção total da Petrobras caiu 3,7% em março

A produção média de petróleo e gás natural da Petrobras no Brasil e no Exterior teve queda de 3,7% em março na comparação com o mês anterior. A estatal produziu 2.599.969 barris de óleo equivalente por dia (boed) em março ante 2.700.814 em fevereiro de 2012. A queda foi puxada pela atividade em campos nacionais. A estatal teve produção média diária 5% inferior no País (menos 105 mil barris por dia), explicada pela interrupção da produção no campo de Frade, em que a Petrobras é sócia da Chevron, e por paradas para manutenção das plataformas P-51, no campo de Marlim Sul, P-57, no campo de Jubarte, e FPSO Brasil, no campo de Roncador, todos na Bacia de Campos. A produção local foi de 2.346.477 boed em março, contra 2.455.636 boed no mês de fevereiro. Já o volume de petróleo e gás natural produzido em campos da Petrobras no exterior somou 253.492 boed em março, alta de 1% frente aos 245.178 boed do mês anterior.

PMDB decide apoiar candidatura de Fortunati na Capital

Em uma reunião realizada no início da tarde de sexgta-feira, a executiva do PMDB em Porto Alegre decidiu, por unanimidade, apoiar a candidatura à reeleição do prefeito José Fortunati. A decisão sobre o nome do vice na chapa de Fortunati ficou adiada, devendo ser tomada no dia 14 de maio. O PTB também estaria pleiteando indicar o vice na chapa. O PMDB está dividido entre o apoio a Fortunati e a idéia de apresentar uma candidatura própria. Na quinta-feira, a principal liderança peemedebista no Estado, o senador Pedro Simon, embaralhou o cenário ao declarar apoio a uma candidatura própria encabeçada por Ibsen Pinheiro.

Guido Mantega garante que bancos privados devem baixar juros

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, mostrou-se seguro de que as instituições financeiras privadas baixarão os spreads das operações de crédito. Os spreads correspondem à diferença entre o custo pago pelos bancos para tomar dinheiro no mercado e a taxa que eles cobram do consumidor final nos financiamentos. "Tenho certeza de que os bancos privados vão baixar os spreads. Se não baixarem, vão perder mercado", afirmou Mantega na sexta-feira, pouco antes de participar de um seminário promovido pela revista Brasileiros, realizado em São Paulo. Mantega aproveitou para ressaltar que a taxa Selic continuará caindo desde que as condições da inflação no Brasil permitam. Para ele, os índices de preços no País estão bem comportados: "A inflação neste ano deve ficar entre 4,5% e 5%".

Maria do Rosário visita o Presídio Central

Depois de visitar as instalações do Presídio Central e as obras da Penitenciária Estadual de Arroio dos Ratos, a secretária dos Direitos Humanos da Presidência da República, deputada federal petista Maria do Rosário, classificou como grave a situação da maior prisão do Estado do Rio Grande do Sul: "É um lugar inviável para a ressocialização de presos como a lei prevê", declarou a ministra. A visita durou mais de uma hora. Também integraram a comitiva o secretário estadual de Segurança Pública, o petista Airton Michels, os secretários de Justiça e Direitos Humanos, Fabiano Pereira, e o de Obras Públicas, Luiz Carlos Busato, além do representante da comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, o deputado petista Aldacir Oliboni. As obras da Penitenciária Estadual de Arroio dos Ratos devem ficar prontas até junho deste ano para receber 600 presos. O projeto é do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), as celas são geladas e têm problemas de ventilação e luminosidade. "Mesmo que esta cadeia não esteja totalmente adequada, é o primeiro passo para a retirada dos presos do Central. É fundamental que, à medida que saia um preso do Central, não entre outro", disse a ministra petista. Maria do Rosário afirmou ainda que o governo federal apoia o plano de ação do Estado, de esvaziar o Central à medida que construir novas vagas para a população carcerária: "O governo tem um plano de ação com o apoio do governo federal para solucionar o problema do Central com a construção de novos presídios". Isso é uma inverdade absoluta, foi a Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre que determinou: fica proibido o ingresso de presos condenados no Presídio Central. Diante da crise, já que Poder Judiciário, OAB, Cremers, CREA e Ajuris decidiram representar na Corte Inter-Americano da OEA contra o governo petista gaúcho por agressão aos direitos humanos no caso do Presídio Central de Porto Alegre, o mundo do petistmo resolveu se mexer. E agora o secretário da Segurança, Airton Michels, até já faz proposta de permuta à iniciativa privada: "Se alguma instituição privada concordar em construir um presídio novo em Porto Alegre para no mínimo 2 mil vagas, o Estado aceita e entrega o Presídio Central em troca".

Lula recebe balaiada de título de Doutor Honoris Causa de cinco universidades públicas do Rio de Janeiro

A solenidade de entrega do título de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente Lula pelas cinco universidades públicas do Rio de Janeiro foi marcada na sexta-feira por homenagens entusiasmadas e manifestações de apoio por parte da platéia formada por estudantes, representantes do meio acadêmico e políticos, o mundo do petismo. O evento, que aconteceu no Teatro João Caetano, no centro da cidade, contou com a participação da presidente Dilma Rousseff. Entre os discursos, a presidente ouviu cobrança pela consolidação do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) e um inesperado pedido de veto ao novo Código Florestal. O ex-presidente Lula dedicou o título que recebeu das universidades a todos os que contribuem "com sua inteligência e esforço" para melhorar a qualidade da educação no Brasil, "dando esperança a milhões de jovens e construindo um país mais justo e solidário". Mestre de cerimônia do evento, a atriz Camila Pitanga quebrou o protocolo e pediu à presidente Dilma que vete o Código Florestal aprovado pelo Congresso Nacional. Na porta do teatro, alunos do curso de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro em Macaé, no norte do estado, em greve há um mês, protestavam contra a falta de professores, de laboratórios adequados e de Hospital Escola para práticas clínicas. Aluna do 6º período de medicina da UFRJ de Macaé, Carla Guedes Braga, disse que os alunos se sentem abandonados pela reitoria: "Somos fruto do Reuni, que é a expansão da universidade para o interior, e o nosso curso não recebeu os investimentos necessários nem a atenção da gestão da universidade. Estamos há três anos reivindicando uma série de coisas e chegou a um ponto que não podemos mais aguentar e tivemos que vir até aqui para reivindicar por melhorias". Diz o jornalista Reinaldo Azevedo: "Eles criam lá suas mistificações e não esperam, certamente, contar com a anuência de todos, não é? Podem até querê-la e ter ganas de cassar e caçar quem ousa divergir, mas sabem que não terão o que pretendem. Não enquanto o país for uma democracia. Títulos de “Doutor honoris causa”, agora, se concedem às baciadas. Na presença do ex-ministro da Educação Fernando Haddad e do atual, Aloizio Mercadante, Lula lançou ao vento números escandalosamente mentirosos. E foi muito aplaudido. Disse ter criado 14 novas universidades federais. É cascata! Não chegou à metade disso. O resto é divisão de instituições que já existiam ou elevação de status, de faculdade ou campus avançado para universidade. EVIDÊNCIA DA MENTIRA: em 2010, as universidades públicas brasileiras formaram 24 mil estudantes a menos do que em 2004!!! Mas ainda não era a maior mentira. Segundo informa a Folha, o homem disse ter elevado o número de universitários do País de 6 milhões para 12 milhões. O homem está no “mundo de Lula”. Haddad ouvia tudo caladinho, e certamente não vai corrigir a batatada, embora seu ministério tenha divulgado o Censo Universitário no fim de 2011. Os números são outros. Em 2001, havia 3 milhões de estudantes matriculados nas universidades do País; no fim de 2010, eram 6,37 milhões, quase a metade do que Lula alardeou. Atenção! 14,7% desse total (quase um milhão de alunos) estão matriculados na modalidade “ensino à distância”. Com raras exceções, esse troço virou, no Brasil, um caça-níqueis ainda mais vantajoso do que instituições de ensino meia-bomba que vendem suas vagas para o ProUni. Não passa de picaretagem! Mas sigamos. A meta do Plano Nacional de Educação, estabelecida em 2000, era chegar a 2010 com 33% dos jovens de 18 a 24 anos na universidade. Segundo o Censo, o governo do Apedeuta ficou bem longe disso: apenas 17,4%. Acreditem nos números postos no portal do MEC. Lá no Censo, assinadinho pelo senhor Fernando Haddad, consta que as matriculas em cursos noturnos em 2001 representavam 56,1% do total; em 2010, 63,5%. Certo! Nas universidades federais, estudam à noite apenas 30% dos estudantes; nas privadas, 71,8%. Hipótese bastante plausível: pobres estudam em universidade privadas; os ricos, nas federais. Bingo! O problema do tal ProUni não é a existência do programa em si, é evidente, mas a qualidade do que está sendo oferecido aos pobres com dinheiro público. Mas esse é outro departamento. Que fique aqui o registro: os números que Lula exibiu, sob aplausos comovidos, eram falsos como nota de R$ 3,00. A imprensa sabe disso? Acho que sim! O Censo Universitário, feito pela gestão Haddad, não está disponível apenas para este criado de vocês, não é?"

Físico é condenado na França a cinco anos de prisão por terrorismo

O tribunal de Paris condenou na sexta-feira o físico franco-argelino Adlène Hicheur, de 35 anos, a cinco anos de prisão por terrorismo, um deles com remissão condicional da pena. Hicheur, doutor em física de partículas, trabalhava no Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN), em Genebra, até que foi detido em outubro de 2009, após enviar e-mails que sugeriam possíveis atentados. O processo e a sentença do cientista são de particular importância após os atentados cometidos recentemente por um autoproclamado jihadista no sudoeste da França. Hicheur foi preso no dia 8 de outubro de 2009, em Vienne (centro-oeste da França), na casa de seus pais, e indiciado por "associação criminosa em relação com uma entidade terrorista". Em sua casa de Ornex, região do Ain (leste), os investigadores descobriram muita documentação relacionada à Al-Qaeda e à Jihad islâmica. As suspeitas surgiram quando a contra-espionagem francesa vigiou várias contas de e-mails após o envio ao site da presidência francesa em 2008 de uma mensagem que reproduzia um comunidado da Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI). Os policiais seguiram o caso e descobriram que os e-mails eram trocados entre o físico processado e Mustafá Debchi, considerado pela acusação como responsável pela AQMI residente de forma clandestina na Argélia.

Ministério Público gaúcho denuncia quatro policiais por envolvimento em protestos e ameaças ao petista Tarso Genro

Quatro policiais militares envolvidos em dois incêndios em Alvorada e na elaboração de um vídeo com ameaças ao governador petista do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, foram denunciados pelo Ministério Público na sexta-feira. Se condenados, eles poderão pegar até nove anos de prisão. Segundo o Ministério Público, os fatos relatados na denúncia dizem respeito à queima criminosa de pneus em Alvorada nos dias 26 de agosto e 5 de setembro de 2011, supostamente como forma de protesto por aumentos salariais para a Brigada Militar. Os policiais militares denunciados são Marcelo Machado Maier, Fernando de Souza e Silva, Renata Molina Tavares e João Carlos de Souza, este último já aposentado. Marcelo e Fernando participaram, de acordo com a denúncia, da confecção de um vídeo, no qual aparecem encapuzados e fardados, fazendo ameaças ao governador. Atualmente, os dois estão presos temporariamente, suspeitos de participar em outro caso, uma chacina ocorrida em Alvorada no ano passado. A policial Renata Tavares teria participado da divulgação do material. De acordo com a promotora Raquel Isotton, as investigações incluíram interceptações telefônicas, busca e apreensão de documentos e realização de uma perícia criminal inédita no vídeo, que permitiu o cruzamento de dados como voz e postura dos participantes, facilitando a identificação dos policiais. O subprocurador Institucional, Marcelo Dornelles, ressaltou que estão encerradas as investigações, inclusive de fatos semelhantes em outros municípios.

Justiça autoriza retomada de obras do programa Pisa na zona sul de Porto Alegre

A juíza Lilian Cristiane Siman, da 5ª Vara da Fazenda Pública, autorizou, na tarde de sexta-feira, a retomada das obras do Programa Integrado Socioambiental, em Porto Alegre. Ela acatou um pedido do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) quanto à desocupação temporária de imóvel ocupado irregularmente por famílias na avenida Icaraí. De acordo com a decisão, os moradores têm prazo de até cinco dias para deixarem o local. Se não houver o cumprimento da medida, deverá ser feita a desocupação compulsória do imóvel. Um termo de compromisso proposto pelo Dmae estebelece uma caução para cobrir possíveis despesas dos moradores com estadia e alimentação durante a desocupação e o período em que estiverem fora das casas para a conclusão da obra.

Professores aprovam mobilizações contra acordo entre governo petista e Ministério Público sobre pagamento do piso nacional

Em assembleia do Cpers/Sindicato realizada na tarde de sexta-feira, professores da rede estadual de ensino aprovaram duas mobilizações para protestar contra o acordo entre o governo petista do Rio Grande do Sul e o Ministério Público sobre o pagamento do piso nacional da categoria. Na próxima quarta-feira devem ocorrer protestos simultâneos em diversas cidades do Estado, em frente a sedes do Ministério Público. No dia 14, os professores ameçam parar as atividades nas escolas. Na última semana de maio, os professores devem reduzir períodos de aula e realizar novas atividades de protesto. A entidade petista pelêga gaúcha Cpers irá manifestar apoio às greves realizadas em outros Estados brasileiros. Por votação da maioria, o Cpers/Sindicato também definiu que fornecerá assessoria jurídica aos professores que quiserem acionar o Estado para que ele cumpra integralmente a lei nacional do piso do magistério. Na manhã de sexta-feira, o sindicato pelêgo Cpers entrou com recurso contra a decisão da Justiça gaúcha que homologou um acordo entre o governo do Estado e o Ministério Público sobre a lei do piso. Pelo acordo, o Estado complementará o salário dos educadores que recebem menos de R$ 1.451,00 para que ninguém ganhe abaixo do valor nacional. Porém, o cálculo de vantagens da carreira, como adicional por tempo de serviço, não sofrerá alteração.

PRB oficializa apoio à candidatura de Fortunati

O PRB oficializou nasexta-feira o apoio da sigla à candidatura do prefeito José Fortunati à reeleição para a prefeitura de Porto Alegre. A adesão à chapa liderada pelo pedetista havia sido aprovada pela executiva municipal da legenda na quinta-feira, quando foi formalizado o apoio dos cinco partidos que integram a Frente Política Cidadã (PPS, PRP, PRTB, PT do B e PMN). O prefeito informou ainda que o partido vai integrar a coordenação de campanha e participar da elaboração do plano de governo.

Grupo de Cachoeira teria tentado interferir em habeas corpus no STF

Interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal no curso da Operação Monte Carlo indicam que um dos principais colaboradores de Carlinhos Cachoeira, Gleyb Ferreira da Cruz, tentou interferir no Supremo Tribunal Federal para tirar da prisão um prefeito de um município do Tocantins. A meta era libertar o prefeito de Piraquê, Olavo Júlio Macedo (PPS), acusado de ter feito um acordo fraudulento com empréstimos consignados que o beneficiou. Na tarde de 9 de junho do ano passado, o integrante do grupo de Cachoeira trocou uma série de telefonemas com Eney Curado Byron, identificado pela Polícia Federal como advogado, pedindo-lhe informações sobre o habeas corpus impetrado no Supremo naquele mesmo dia. O recurso, que pedia a liberdade de Macedo, havia sido distribuído para o ministro Gilmar Mendes. O prefeito de Piraquê (TO) havia sido afastado do cargo e preso por decisão da Justiça. A prefeitura firmou um convênio com um banco para oferecer empréstimos consignados aos servidores do município. Posteriormente, segundo o Ministério Público, Macedo elevou o teto da margem do crédito consignado que ele poderia tomar emprestado de 30% (máximo permitido em lei) para 50%. Ele contraiu empréstimos e as investigações descobriram que os débitos não foram pagos, supostamente de forma proposital. O banco entrou com ação na Justiça para reaver a dívida. Coube à prefeitura assumir os débitos de Macedo, após um acordo homologado judicialmente. Às 15h30 daquele dia, Gleyb disse, em telefonema a um interlocutor não identificado pela Polícia Federal, que estava no Senado para se encontrar com Demóstenes Torres (sem partido-GO), suspeito de envolvimento com Cachoeira. Às 16h44, o integrante do grupo de Cachoeira afirmou, em nova ligação, que iria passar em um ministério e no Supremo. Um minuto depois, Gleyb pergunta, numa ligação para Eney, se há "mais alguma coisa" para conversar. O advogado responde que é preciso manter contato no Supremo, visando liberar o prefeito cujo habeas corpus estava com Gilmar Mendes. Gilmar Mendes arquivou o pedido de libertação do prefeito no dia 29 de junho. Na decisão, Mendes entendeu que a investigação contra Macedo começou a partir de portaria da Polícia Civil estadual e não por vontade própria do Ministério Público, como questionava a defesa. O ministro ressaltou na decisão que o Supremo ainda não firmou uma palavra final sobre o poder de investigação do Ministério Público. Ele também ressaltou que o habeas corpus não é caso flagrante de "hipótese de constrangimento ilegal". Em 5 de dezembro passado, o ministro do Supremo rejeitou um segundo habeas corpus da defesa do prefeito que tentava, na ocasião, voltar ao cargo.

Servidora do Tribunal de Justiça paulista ganha R$ 230 mil “sem motivo”

Por Fausto Macedo, no Estadão: Uma única servidora do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivete Sartorio, recebeu R$ 229.461,49 em apenas 14 meses, a título de pagamentos antecipados, fora os vencimentos. Os desembolsos para Ivete, que é escrevente técnico judiciário, ocorreram entre agosto de 2009 e outubro de 2010, na gestão dos presidentes Vallim Bellocchi (2008-2009) e Vianna Santos (2010). Expediente intitulado “antecipação de pagamentos a funcionária relacionada ao então presidente Vianna Santos” indica mês a mês todos os procedimentos que resultaram na concessão de créditos a Ivete. Uma planilha revela que todas as solicitações atendidas não foram acompanhadas de justificativa. Anotação “sem motivo” aparece ao lado do “autorizado”. Os créditos concedidos a funcionários são capítulo à parte na crise que atravessa a corte paulista e estão sob inspeção. São três procedimentos em curso. O primeiro trata dos contracheques milionários a cinco desembargadores; o segundo examina a liberação antecipada de valores a 41 outros magistrados; o terceiro trata dos recursos para servidores. Ivete Sartorio trabalhou no gabinete civil da Presidência, na gestão de Vianna Santos. Antes, em 2008, ela atuou com Vianna na Presidência da Seção do Direito Público. Naquele ano, alegando “motivo financeiro”, Ivete protocolou pedido de recursos referentes a férias dos exercícios 1986, 2002, 2003, 2004 e 2005, “mais os dias de licença-prêmio, com isenção de I.R.”. Este pleito foi indeferido por “restrições orçamentárias”. A apuração mostra que depois Ivete recebeu 13 repasses sucessivos, dos quais 5 relativos a férias não tiradas a seu tempo; 4 a título de licença-prêmio e 4 por Fator de Atualização Monetária (FAM).

Produção industrial recua 3% e confirma início de ano fraco

Por Mariana Carneiro, na Folha: A produção industrial seguiu fraca no primeiro trimestre do ano. A atividade nas fábricas encolheu 3% de janeiro a março, em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo o IBGE, ainda reflexo da concorrência com importados e estoques elevados. O resultado confirma o mau momento do setor, que registra resultados negativos desde o segundo trimestre do ano passado, e indica que a recuperação da economia em 2012 está mais lenta do que o esperado. Em relatório, o economista Aurélio Bicalho, do Banco Itaú, afirma que para a economia acelerar mais fortemente é necessário que a indústria volte a crescer. Em março, a produção recuou 0,5% em relação a fevereiro. Dezoito dos 27 segmentos pesquisados registraram recuo na produção. Apesar da recuperação do setor de veículos (alta de 11,5% no mês), depois de dois meses de resultado negativo, isso pode não ser um sinal de melhora. Dados de abril indicam que os estoques no setor, que responde por 11% da produção da indústria e tem uma cadeia importante de fornecedores, seguem elevados. Economistas passaram a prever que o PIB no primeiro trimestre pode ter sido menor do que o esperado. O resultado reforçou as apostas de baixa da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 9% ao ano.