sábado, 29 de outubro de 2011

Ditadura cubana entrega 1,3 milhão de hectares de terra

A ditadura de Cuba terminou em setembro a entrega de mais de 1,3 milhões de hectares de terra em usufruto, das quais 79% se encontra sob exploração, a maioria nas mãos de agricultores "individuais". O fundo de terras ociosas de Cuba foi estimado em 2008 em mais de 1,8 milhão de hectares. O diretor do Centro Nacional de Controle da Terra, Pedro Olivera, informou que foram concedidos 1.313.396 hectares desde julho de 2008, quando o ditador Raul Castro decretou as entregas em usufruto para revitalizar a agricultura. A medida faz parte do "reordenamento" do setor agrícola, incluído no plano de reformas impulsionado pela ditadura, com o propósito de "atualizar" o modelo econômico da ilha. As terras entregues estão sob responsabilidade de 146.816 usufrutuários individuais, que representam 97% do total das solicitações recebidas pelo governo. Dos novos agricultores, um quarto não têm vínculo trabalhista anterior; 13% são aposentados, a terceira parte são jovens de 18 a 35 anos, e mais de 13 mil são mulheres. O novo sistema de usufruto na ilha não só permite um aumento na produção de alimentos, mas gera "grandes oportunidades de emprego". Em agosto, a ditadura cubana rebaixou os preços de vários produtos agrícolas para estimular a produção de alimentos, em particular nas parcelas de usufrutuários. Em julho, o direito de exploração das terras recebidas por mais de 9 mil pessoas foi retirado por aproveitamento ineficiente. Quando foi decretado o regime de usufruto em 2008, 51% do total das terras cultiváveis da ilha estava inativo ou mal explorado. Em Cuba, a revitalização da agricultura para aumentar a produção de alimentos é considerada um assunto de "segurança nacional" porque o país gasta mais de US$ 1,5 bilhão ao ano importando 80% dos alimentos que consome. É uma vergonha total e absoluta, a mais completa confissão de fracasso do socialismo, não é capaz sequer de produzir o alimento comido pela sua população. E a tal distribuição de terras de agora será outro fracasso. Enquanto as terras permanecerem do Estado, e não dos agricultores, ninguém terá motivação para trabalhar, obter lucro. As terras continuarão ociosas ou com baixíssima produtividade.

Tratamento de Lula contra câncer na laringe deve durar três meses

Deve durar pelo menos três meses o tratamento contra um tumor na laringe a que será submetido o ex-presidente Lula. A doença foi diagnosticada após exames realizados na sexta-feira no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Lula, que comemorou 66 anos na última quinta-feira, deve continuar internado até o início da noite deste sábado. Ele se recupera de uma pequena cirurgia para retirada de um pedaço do tumor, que será analisado. De acordo com os médicos que o atendem, o tumor tem entre dois e três centímetros, tamanho considerado médio. O câncer está localizado sobre a glote do ex-presidente. Os médicos descartaram, pelo menos em um primeiro momento, a necessidade de cirurgia. Durante o tratamento, Lula vai ser submetido a três ciclos de quimioterapia, uma a cada 20 dias. Por conta de uma rouquidão anormal, que surgiu há cerca de 40 dias, Lula passou por uma ressonância magnética e uma tomografia de pescoço, exames que acabaram por levar ao diagnóstico da doença.

Lula tem tumor maligno de laringe e fará quimioterapia

O ex-presidente Lula foi diagnosticado com um tumor maligno localizado de laringe, informou neste sábado o Hospital Sírio-Libanês, trazendo dúvidas sobre o seu futuro político. Após exames realizados no hospital em São Paulo, foi definido tratamento inicial com quimioterapia, que deverá começar já nesta segunda-feira. "É maligno, é um tumor"', disse o médico Paulo Hoff, um dos responsáveis pelo tratamento do ex-presidente no Sírio-Libanês. Hoff não quis dar mais detalhes sobre o tratamento ou sobre o estado de Lula. Lula procurou auxílio médico na sexta-feira após sentir dores na garganta. Ele foi incentivado a procurar ajuda pelo cardiologista Roberto Kalil, que participou da comemoração do aniversário do ex-presidente, na última quinta-feira. Lula completou 66 anos na quinta-feira.

Área do pré-sal produz mais água que petróleo

O campo de Golfinho, explorado pela Petrobras no pré-sal da bacia do Espírito Santo, desapontou as estimativas iniciais e se tornou um fracasso, passando a produzir mais água que petróleo. A produção diária prevista era de 300 mil barris, mas hoje o campo produz 9% disso, ou 26 mil barris por dia. Golfinho é um caso único de puro "azar", segundo especialistas. A principal causa dessa queda da produção é a presença de um aquífero que invadiu a reserva. "Houve uma fatalidade. Normalmente há água com a reserva de petróleo, que promove a pressão para que o óleo seja expelido. A água costuma invadir a reserva no fim da vida produtiva de um campo, mas em Golfinho isso aconteceu cedo demais. A Petrobras deu azar", disse um especialista. Quando achou, a reserva em 2003, a estatal anunciou com festa a descoberta. Tratava-se de um reservatório com 450 milhões de barris de óleo leve, considerado o mais nobre, com grau cima de 31º API (sigla que em inglês significa American Petroleum Institute). A Petrobras não informa o quanto investiu em Golfinho, mas no mercado a estimativa é que o investimento tenha superado US$ 500 milhões.

Processo bilionário envolve megarrede de curso de digitação

Uma das 15 maiores redes de franquias do Brasil, a Microlins, enfrenta ação judicial sob a suspeita de usar por dez anos, sem licença, software que treina estudantes em digitação. O valor da causa passa de R$ 1 bilhão. A The Best Media Software Informática, empresa proprietária do programa (Curso de Digitação), tem a seu favor pedido do Ministério Público para que sejam apreendidas cópias "produzidas ou comercializadas com violação do direito do querelante". Segundo o promotor Carlos Sérgio Rodrigues Horta Filho, o pedido refere-se aos equipamentos da unidade de Barueri (Grande São Paulo). Nessa franquia, o Instituto de Criminalística fez perícias e verificou que os computadores, de fato, usavam o software, mas não havia mídias originais nem foi apresentado o contrato para cessão de uso do programa.

Banco PanAmericano manipulava os dados dos clientes

O Banco PanAmericano, além de inflar os balanços financeiros, também "maquiava" a avaliação de risco dos clientes pelo menos desde 2006, segundo depoimento à Polícia Federal de Adalberto Saviolli, ex-diretor de crédito da instituição financeira. O objetivo era tornar a clientela, aos olhos do Banco Central, com perfil melhor de pagamento, reduzindo assim as despesas com o recolhimento de dinheiro para cobrir eventuais calotes. Os bancos são obrigados a fazer uma avaliação de risco de cada tomador de dinheiro, de acordo com histórico de calote, atrasos nos pagamento, renda etc. Os ratings vão de A (melhor pagador possível) a H (inadimplente). De acordo com essa classificação, o banco separa recursos (mais para os piores pagadores e menos para os melhores) para cobrir eventuais calotes. No depoimento, Saviolli afirma que a "maquiagem" da classificação dos clientes já acontecia quando ele assumiu o cargo, em 2006. Disse que ocorria tanto no banco quanto na empresa de cartão. Quando ficou sabendo do problema, Saviolli comunicou o caso aos administradores, informando que teria de aumentar esse recolhimento para calote (provisões). No entanto, a correção não foi autorizada por seus superiores porque iria piorar o resultado financeiro do banco. À época, Saviolli recebeu a ordem de melhorar o sistema de cobrança, trazendo mais pagamentos atrasados e melhorando o perfil de risco dos clientes. A tarefa teria sido cumprida e, mais tarde, foi possível corrigir parte da avaliação de risco dos clientes.

Receita Federal corre o risco de perder R$ 2 bilhões

Uma decisão do Superior Tribunal de Justiça) reduziu ainda mais as chances de a Receita Federal receber uma dívida de R$ 2 bilhões referente a incentivos dados para a construção de uma fábrica de automóveis na Bahia que nunca saiu do papel. Na semana passada, o tribunal homologou uma sentença da Corte Arbitral Internacional, segundo a qual a fabricante coreana Kia Motors não tinha ingerência sobre o empreendimento dos sócios brasileiros, o grupo AMB (Asia Motors do Brasil). O caso começou na década de 1990, quando a matriz da Asia Motors na Coreia formou a associação para importar veículos com incentivos fiscais dados dentro do chamado regime automotivo. Em contrapartida a esses benefícios, seria construída a fábrica de veículos Camaçari. Quando a Asia Motors passou a enfrentar dificuldades financeiras, na crise da Coreia, foi assumida pela Kia Motors. Logo depois houve divergências entre os brasileiros e os coreanos da Kia. Como o investimento na Bahia não ocorreu, a Receita decidiu inscrever os incentivos como dívida com a União, hoje calculada em cerca de R$ 2 bilhões.

Ex-presidente Lula está com câncer na laringe

O ex-presidente Lula, de 66 anos, realizou exames na sexta-feira e neste sábado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e foi diagnosticado com um tumor de laringe. Lula reclamava de rouquidão há algumas semanas. Segundo o hospital, após avaliação multidisciplinar, foi definido tratamento inicial com quimioterapia, que será iniciado nesta segunda-feira. "O paciente encontra-se bem e deverá realizar o tratamento em caráter ambulatorial", diz nota do Sírio-Libanês. O oncologista Artur Katz, que está na equipe médica que atende o ex-presidente, afirmou que o estado de Lula é "muito bom": "Ele está em ótimo estado geral". Katz disse que o tumor "não muito grande" foi descoberto na manhã deste sábado. "Deseja-se que ele possa levar uma vida normal em quantidade e qualidade, após o tratamento", disse o médico. A equipe preferiu a quimioterapia à cirurgia, "para preservar as funções da laringe". Segundo o médico, uma das causas importantes para o câncer na laringe é o fumo. Mas também existem causas virais e não é possível ainda dizer o que levou ao desenvolvimento do tumor de Lula. "As chances de cura são excelentes", completou. Lula é ex-fumante e tinha o hábito de fumar cigarrilhas. A assessoria do ex-presidente confirmou a informação sobre a doença. Na quinta-feira, Lula comemorou seu aniversário de 66 anos no instituto que leva seu nome. Em uma pequena cerimônia com funcionários, na sede da organização, em São Paulo, o ex-presidente ganhou um bolo. Mais tarde, recebeu amigos em seu apartamento, em São Bernardo do Campo. Quatro ministros do governo Dilma Rousseff participam da festa: Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), Miriam Belchior (Planejamento), Guido Mantega (Fazenda) e Fernando Haddad (Educação). Foi o primeiro aniversário que ele comemorou após exercer o cargo de presidente nos últimos oito anos. Dilma, que estava gripada, cancelou a viagem a São Paulo e enviou dois livros de presente. A equipe médica que assiste Lula é coordenada pelos médicos Roberto Kalil Filho, Paulo Hoff, Artur Katz, Luiz Paulo Kowalski, Gilberto Castro e Rubens V. de Brito Neto.