segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Bancários decidem entrar em greve a partir desta terça-feira

Os bancários decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira. A categoria rejeitou a proposta de 8% de reajuste salarial feita pelos bancos. A decisão foi tomada em assembléias pelo País na noite desta segunda-feira. A paralisação atingirá bancos públicos e privados. A paralisação foi aprovada nas reuniões feitas pelos Sindicatos dos Bancários de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Campo Grande, Mato Grosso, Paraíba, Alagoas, Ceará, Piauí, Espírito Santo, Campinas, Piracicaba, Juiz de Fora, Dourados e Vitória da Conquista, entre outros, conforme levantamento da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), que coordena o Comando Nacional dos Bancários. "Esse reajuste de 8% significa apenas 0,56% de aumento real, continuando distante da reivindicação de 12,8% de reajuste (5% de ganho real mais a inflação do período)", afirma o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro.

Após protestos, indio cocaleiro Evo Morales suspende construção de estrada na Bolívia

Após 40 dias de intensos protestos que se espalharam por todo o país, o ditador da Bolívia, o índio cocaleiro Evo Morales, anunciou na noite desta segunda-feira a suspensão da construção de uma estrada que cruza uma reserva natural em áreas amazônicas até que um plebiscito ouvindo as partes envolvidas seja realizado. Construída pela brasileira OAS com financiamento do BNDES, a estrada, que tem 306 quilômetros e atravessa uma reserva de 1,2 milhão de hectares, deve custar US$ 415 milhões. "Enquanto houver este debate nacional e para que os Departamentos decidam, fica suspenso o projeto de estrada sobre o Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure", destacou o ditador. A estrada em questão é parte da rodovia que unirá os oceanos Pacífico e Atlântico e promoverá o comércio na América do Sul. O projeto é financiado pelo Brasil, com custo total de US$ 415 milhões. Os indígenas amazônicos, que rejeitam a estrada porque a obra atravessará o Tipnis, argumentam que a obra possa levar à ruína da reserva ecológica e à invasão da área por produtores de coca, planta base para fabricar cocaína. O Itamaraty divulgou nota nesta segunda-feira em que defende a construção da estrada financiada pelo Brasil: "Se trata de projeto de grande importância para a integração nacional da Bolívia e que atende aos parâmetros relativos a impacto social e ambiental previstos na legislação boliviana", afirma trecho do texto.

Tribunal de Contas da União diz que obras em presídios têm falhas

As obras para construção de prisões no País estão com irregularidades como sobrepreços, atrasos e projetos insatisfatórios, afirma relatório elaborado pelo Tribunal de Contas da União. Em alguns casos, as construções têm qualidade tão ruim que o revestimento das paredes pode ser arrancado com as mãos, de acordo com dados do órgão de controle. Existem mais de cem convênios assinados pelo governo federal com governos estaduais. No total, somam aproximadamente R$ 700 milhões. O Depen (Departamento Penitenciário Nacional), órgão do Ministério da Justiça, informou que todos os convênios estão em processo de revisão devido ao lançamento de um novo programa para o setor, que será anunciado em breve.

Reino Unido processa seis islamistas por planejar atos terroristas

Seis homens estão sendo processados pela Justiça do Reino Unido acusados de planejar atentados terroristas, incluindo uma tentativa de realizar um ataque suicida com uma bomba, afirmaram fontes policiais nesta segunda-feira. Quatro militantes islamitas foram detidos na semana passada em Birmingham, região central da Inglaterra, e foram indiciados no domingo pelo planejamento de atos terroristas. Outros dois homens são acusados de encobrir os planos. Todos eles são de Birmingham e têm entre 25 e 32 anos. Irfan Nasser, Irfan Jalid, Ashik Ali e Rahin Ahmed são acusados de iniciar preparativos para ações terroristas. Nasser e Ali respondem ainda pela acusação de viajar ao Paquistão para receber treinamento de produção de bombas, armas e venenos. Bahader Ali e Mohammed Rizwan foram acusados de não ter revelado informações sobre os atos terroristas. Um deles também foi acusado de ter arrecadado fundos para financiar ações terroristas.

Mercado prevê inflação acima do teto da meta em 2011

O mercado financeiro passou a prever o descumprimento da meta de inflação neste ano, após a redução dos juros e a alta do dólar, mostrou o relatório Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira. O prognóstico para a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em 2011 subiu de 6,46% na semana anterior para 6,52%. A alta foi a sexta consecutiva. A projeção do ano que vem foi revista pela quarta vez seguida, de 5,50% para 5,52%. A meta de inflação do governo é de 4,5% ao ano, com dois pontos percentuais de tolerância.

Governo suspende repasses para convênios da Copa

O Ministério do Turismo decidiu suspender, temporariamente, a execução e o repasse de recursos de todos os convênios de qualificação de profissionais, "em especial aqueles firmados no âmbito do Programa Bem Receber Copa". A medida foi publicada nesta segunda-feira no Diário Oficial da União e afeta parcerias firmadas com entidades privadas sem fins lucrativos (as grotescas ONGs). A decisão, assinada pelo ministro Gastão Dias Vieira, ocorre após o Tribunal de Contas da União decidir auditar todos os 11 contratos e convênios já realizados pelo Ministério do Turismo para o programa de treinamento da Copa 2014. Em uma fiscalização prévia, foram apontados vários indícios de irregularidades nas contratações que já somam R$ 77 milhões, sendo que R$ 44 milhões já foram gastos. Até a Copa, a previsão do ministério era gastar R$ 440 milhões para treinar 306 mil pessoas. Em alguns convênios, todo o dinheiro já foi repassado, mas não há comprovação de que ele tenha sido concluído.

União Européia estuda novo pacote de ajuda financeira para salvar o euro

A ampliação do fundo de resgate da União Européia, a redução da dívida grega e a capitalização dos bancos da zona do euro estão entre as medidas previstas em um novo pacote que está em estudo pela União Européia para lidar com a crise do euro. O comissário para Assuntos Econômicos e Monetários da União Européia, Olli Rehn, admitiu em comunicado na edição eletrônica do jornal alemão "Die Welt" que o plano está em estudo, mas não detalhou de quanto seria o aumento para fundo de resgate da União Européia, hoje em 440 bilhões de euros. O fundo poderá ser ampliado para 2 trilhões de euros. Outro ponto que o novo pacote prevê é a redução de até 50% na dívida grega. Há temores de que uma falência da Grécia contamine os demais países da União Européia, que detem títulos da dívida grega.

Conselho de Segurança começa a discutir Estado palestino

O Conselho de Segurança da ONU começou nesta segunda-feira a discutir o pedido da Palestina de adesão como Estado pleno na organização. A requisição formal foi feita pelo presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, na sexta-feira em carta entregue ao secretário-geral, Ban Ki-moon. O pedido precisa do apoio de nove dos 15 membros do Conselho para ser aceito e não pode ser vetado por nenhum membro permanente do órgão. Os Estados Unidos, porém, já afirmaram que vão vetar a tentativa, se ela obtiver os nove votos favoráveis. Diplomatas afirmam que pode levar semanas até que a requisição seja votada. O libanês Nawaf Salam, presidente do Conselho neste mês, disse que já circulou a carta de Abbas entre os 15 membros.

Presidente da CSN diz que Banco Central demorou a intervir para deter alta do dólar

O vice-presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e dono da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Benjamin Steinbruch, disse nesta segunda-feira que o Banco Central demorou a intervir para deter a forte alta do dólar nas últimas semanas. Segundo ele, o Banco Central comprou muitos dólares quando a moeda estava em baixa, na faixa de R$ 1,50, e não pode titubear para vender a divisa quado ela está a R$ 1,90. "Estou 100% fechado com o Alexandre Tombini, mas o Banco Central não pode demorar 48 horas para agir", disse ele na abertura do 8º Fórum de Economia da FGV, em São Paulo. Após seguidas altas do dólar, o Banco Central fez uma operação equivalente a vender dólares no mercado futuro na quinta-feira, o que diminuiu o movimento de valorização da moeda americana. Também presente ao evento, o presidente do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), Pedro Luiz Barreiros Passos, disse que a indústria passa por uma situação crítica, de baixo crescimento. Segundo ele, o País não deve se iludir com a recente alta do dólar e precisa buscar uma politica de longo prazo para elevar a competitividade do produto nacional no Exterior. Ambos afirmaram que a economia brasileira passa por uma forte desaceleração e defenderam a decisão do Banco Central de reduzir a taxa de juros em agosto, de 12,5% para 12%.

Discurso na ONU eleva popularidade de Netanyahu

A popularidade do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, cresceu em Israel depois de seu discurso na Assembléia Geral da ONU contra a solicitação palestina de reconhecimento a seu Estado, segundo uma pesquisa de opinião divulgada nesta segunda-feira. A aprovação ao líder saltou de 32% para 41% em dois meses, período em que Israel conviveu com protestos populares contra o custo de vida, de acordo com a pesquisa publicada pelo jornal Ha'aretz. "Netanyahu mais uma vez provou que só precisa de um bom discurso para crescer nas pesquisas", disse o colunista Yossi Verter em comentário que acompanhou a pesquisa. No seu discurso de sexta-feira na ONU, Netanyahu criticou o presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, por solicitar a adesão plena palestina à ONU. Netanyahu disse que só uma negociação direta com Israel pode levar à paz na região, e sinalizou que não pretende abandonar a expansão dos assentamentos judaicos da Cisjordânia, o que os palestinos dizem ser um pré-requisito para a retomada do diálogo. Ele também repetiu o apelo, tradicionalmente rejeitado pelos árabes, para que os palestinos reconheçam o caráter judaico de Israel.

Premiê da Espanha dissolve Parlamento antes das eleições

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, dissolveu o Parlamento nesta segunda-feira, mas se comprometeu a adotar novas medidas para enfrentar uma crise econômica, se necessário, antes da eleição de novembro que deve entregar o poder à oposição conservadora. Zapatero convocou eleições para 20 de novembro, quatro meses antes do inicialmente previsto, na esperança de que sinais fracos de uma recuperação econômica poderiam compensar sua impopularidade depois de anos de medidas de austeridade em um país onde uma em cada cinco pessoas está desempregada. No entanto, a piora desde agosto na crise da zona do euro tem forçado o governo a avançar ainda mais com reformas, à medida que tenta evitar um pacote de resgate como os que foram solicitados por Grécia, Portugal e Irlanda. Mesmo que o Parlamento espanhol esteja oficialmente dissolvido, um comitê legislativo permanente pode aprovar medidas de emergência no caso de a crise da zona euro se agravar ainda mais. Antes das eleições locais de maio, dezenas de milhares de manifestantes, conhecidos como "los indignados" (os indignados), foram às ruas em toda a Espanha em protestos pacíficos contra os políticos tradicionais que eles culpam pela prolongada crise econômica no país. Zapatero foi criticado por reagir tarde demais à crise econômica da Espanha depois que uma bolha imobiliária estourou, e as pesquisas mostram que o conservador PP (Partido Popular), liderado por Mariano Rajoy, provavelmente vai derrotar os socialistas, atualmente no governo, nas eleições de novembro.

Carrefour fecha oito lojas no interior de São Paulo

O Carrefour Brasil confirmou nesta segunda-feira o fechamento de oito lojas da bandeira Carrefour Bairro em quatro cidades da região de Ribeirão Preto (cidade localizada a 313 quilômetros de São Paulo), uma das mais ricas do Estado. Foram desativadas quatro unidades de Ribeirão Preto, duas em Jaboticabal, uma em Monte Alto e outra em Matão. Na região, apenas lojas Bairro de São Carlos foram poupadas nesse processo que a empresa chama de "reestruturação de suas operações". A assessoria do grupo francês informou em nota que as mudanças na rede dão continuidade a medidas "alinhadas com o redesenho do modelo de negócio iniciado em 2010".

Porco inflável sobrevoa Londres em relançamento do Pink Floyd

O porco inflável gigante que aparece na capa do álbum "Animals" do Pink Floyd sobrevoou novamente Londres nesta segunda-feira, no dia do lançamento do catálogo do grupo de rock britânico em versões remasterizadas. Em maio foi anunciado o lançamento da antologia "Why Pink Floyd?", que inclui todo o catálogo do grupo com versões remasterizadas, ou seja, restauradas com tecnologia digital. Quase 35 anos depois da primeira fotografia de "Algie", uma réplica do porco inflável de quase 10 metros de comprimento voltou a sobrevoar a central termelétrica desativada Battersea Power Station, em Londres, já que o original foi encontrado furado. "Infelizmente, duas semanas antes do evento, o porco original de neoprene foi oficialmente declarado incapaz de voar e substituído por uma réplica de PVC", afirmou uma porta-voz do grupo. O Pink Floyd ganhou fama no fim dos anos 60, primeiro na cena londrina e depois na internacional, e conseguiu os maiores sucessos nos anos 70, com álbuns como o antológico "The Dark Side of the Moon" (1973), um dos mais vendidos da história, que foi seguido por "Wish You Were Here" (1975), "Animals" (1977) e "The Wall" (1979).

MST invade fazendas e órgão estadual no Rio Grande do Sul

Manifestantes da organização terrorista clandestina MST invadiram nesta segunda-feira duas fazendas no Rio Grande do Sul e uma estação de um órgão do Estado. A organização terrorista reivindica o assentamento de 1.000 famílias que estão acampadas pelo interior gaúcho e diz que já se esgotou um prazo dado ao governador Tarso Genro (PT) e ao governo federal. Uma das ações ocorreu em uma fazenda em Viamão (na região metropolitana de Porto Alegre). No local, a polícia havia apreendido neste ano 2,5 toneladas de maconha. A outra invasão de terra foi em Sananduva (a 304 quilômetros de Porto Alegre), em uma propriedade de 300 hectares. A Brigada Militar diz que são cerca de 500 pessoas. Em Vacaria (a 235 quilômetros da capital gaúcha), os manifestantes entraram em uma estação de experimentos da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro). Integrantes do Movimento de Atingidos por Barragens também participam da ação. Os manifestantes dizem que protestam contra o desenvolvimento de agrotóxicos no local. É o terrorismo anti-científico.

Câmbio pode afetar balanço da Petrobras

A alta do dólar frente ao real pode afetar o resultado da Petrobras no terceiro trimestre, mas no médio e no longo prazos não causará prejuízo à companhia, afirmou o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa. Se a moeda norte-americana mantiver a valorização alcançada nas últimas semanas, a dívida de curto prazo da petroleira deverá ser impactada. "Dependendo de quem é o contratante da dívida, teremos efeito sobre o balanço, mas é um efeito de curto prazo", afirmou ele. Até esta segunda-feira, o dólar acumula valorização no mês de cerca de 14% frente ao real. "Como no segundo trimestre nós apresentamos um ganho financeiro com variação cambial, quando o real se valorizou, agora se o câmbio continuar no nível em que está hoje, no final do mês terei que reportar uma perda", acrescentou o diretor da Petrobras. No segundo trimestre deste ano, a petroleira obteve lucro recorde de R$ 10,9 bilhões, 32% maior que no mesmo período de 2010. Barbassa ponderou que a maior parte da dívida da Petrobras é de longo prazo, o que dilui o impacto do dólar. "Temos um prazo médio em torno de sete anos, então a dívida está casada perfeitamente com as reservas de petróleo que a empresa possui, ou seja, temos dívida em dólar, mas produzimos em dólares; temos um hedge natural", disse ele. "Temos muito mais reservas de petróleo do que dívidas", acrescentou Barbassa. A estatal relatou em seu último relatório, referente ao segundo trimestre, endividamento de 68 bilhões de reais, dos quais a maior parte estava indexada ao dólar. A empresa tem hedge em mais de 50% das operações. As reservas provadas de petróleo da Petrobras são da ordem de 16 bilhões de barris, mas deverão triplicar com o desenvolvimento das descobertas do pré-sal da bacia de Santos.

Pane em subestação de Furnas deixa parte de Brasília sem luz

Uma pane nas linhas de transmissão da Subestação Brasília Sul, que alimentam a Subestação Brasília Geral, ambas do Sistema Furnas, provocou a interrupção do fornecimento de energia em parte da capital federal na manhã desta segunda-feira. A CEB (Companhia Energética de Brasília) confirmou queda de energia nos seguintes locais: Asa Sul, Setor de Autarquias Sul, Setor Bancário Sul, Setor Comercial Sul, Quadras 2 a 10 do Lago Sul, Octogonal e Cruzeiro. De acordo com nota divulgada pelo órgão, o fornecimento de energia foi restabelecido às 11h31. A CEB informou ainda que aguarda resposta de Furnas sobre o que provocou a pane na subestação. A toda hora acontece um apagão no Brasil, o que prova que o sistema nacional é inconfiável.

Governo dos Estados Unidos investiga Standard & Poor's

O grupo McGraw-Hill, do qual a Standard & Poor's (S&P) faz parte, anunciou nesta segunda-feira que a agência de classificação de risco, que em agosto rebaixou as notas de crédito dos Estados Unidos, está sendo investigada pela Comissão de Valores do país. O órgão notificou a McGraw-Hill, que iniciou uma revisão das classificações que a Standard & Poor's realizou em 2007 sobre certificados de dívida garantidos com hipotecas múltiplas. Tais certificados, conhecidos como CDO's, se valorizam se o mutuário efetuar o pagamento, e se desvalorizam em caso contrário. O catalisador da crise financeira de 2008 foi o colapso do mercado de títulos respaldados por hipotecas múltiplas. As práticas das agência classificadoras de risco são muito questionadas nos mercados financeiros e no Congresso dos Estados Unidos, pois recebem pagamentos das mesmas entidades que avaliam. Na primeira semana de agosto passado, a S&P rebaixou a classificação das notas dos Estados Unidos de AAA a AA+, o primeiro rebaixamento de crédito americano desde 1917.

Paraguai começa a vacinar gado após surto de febre aftosa

O Paraguai começou os trabalhos de revacinação de gado no departamento de San Pedro (nordeste) nesta segunda-feira, após o sacrifício (rifle sanitário) de aproximadamente mil animais no fim de semana, em uma campanha supervisionada internacionalmente para eliminar um surto de febre aftosa. "No mercado local existem vacinas suficientes para a revacinação", disse Carlos Simon, diretor do Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa). Simon explicou que foram iniciados testes sorológicos para delimitar o foco de aftosa detectado em San Pedro. Trata-se de um protocolo exigido pela OIE (Organização Internacional de Epizootias). "Os controles serão mantidos, apesar da conclusão do 'rifle sanitário'", disse Simón, referindo-se ao sacrifício dos animais na fazenda Santa Helena, onde o surto foi detectado.

Grécia nega que esteja planejando calote parcial

O governo da Grécia negou oficialmente nesta segunda-feira que esteja discutindo com credores internacionais um calote (default) em 50% de sua dívida soberana como parte de um plano para conter a crise na zona do euro. O ministro das Finanças grego, Evangelos Venizelos, disse que não discutiu a possibilidade de calote durante o encontro que manteve com autoridades do FMI durante o fim de semana, em Washington, nos Estados Unidos. Segundo fontes do FMI, a Grécia estaria negociando o calote de 50% de sua dívida com os bancos. Os bancos, em compensação, teriam acesso a recursos extras, cuja fonte seria um novo pacote de resgate por parte da União Européia. O suposto pacote seria maior que os anteriores.

Governo da Bolívia diz que ataque a indígenas pretendia evitar conflitos

O ministro do Interior da Bolívia, Sacha Llorenti, justificou nesta segunda-feira a repressão feita a uma marcha indígena no domingo, afirmando que a medida foi tomada para "evitar" conflitos entre a população. Ele declarou que a intervenção policial foi ordenada "para garantir a segurança" diante da possibilidade de enfrentamentos com fazendeiros que haviam interditado a passagem da mobilização na altura da cidade de Yucumo, localizada 380 quilômetros a noroeste da capital La Paz. Segundo Llorenti, a força policial tinha "ordens precisas" de atuar "no marco das normas constitucionais e legais" e, "se houve algum hipotético excesso de força", o caso será investigado e punido. O ministro reiterou que "lamentavelmente" a marcha de indígenas contra a construção de uma estrada que atravessará a maior reserva natural do país adquiriu altos níveis de "violência". No último domingo, cerca de 500 policiais lançaram bombas de gás lacrimogêneo contra indígenas acampados nas proximidades de Yucumo.

Boeing entrega jato comercial mais avançado do mundo

Boeing 787 Dreamliner
Funcionários da Boeing entregaram o primeiro 787 Dreamliner nesta segunda-feira, para a All Nippon Airways, encerrando quase uma década de desenvolvimento do jato comercial mais avançado do mundo. Quinhentos trabalhadores de Seattle, com ajuda de um rebocador, puxaram o avião por quase 100 metros em direção aos compradores japoneses, que estavam em um pódio no lado de fora da fábrica em Everett (Seatle, Estado de Washington). A entrega em mãos é uma prova da estrutura leve do avião, que promete uma economia de 20% de combustível, mas também do ritmo lento da fabricação, que teve uma série de atrasos. "O 787 representa uma revolução fundamental, uma mudança transformacional no projeto, produção e performance de aviões", disse o presidente-executivo da Boeing, Jim McNerney, a uma multidão de cerca de 5.000 pessoas. "Não posso esperar para ver o dia quando os céus do mundo estarão tomados por 787s", disse o presidente da All Nippon Airways, Shinichiro Ito. Investidores agora querem saber se a Boeing tem uma carta na manga para bater a meta de produção depois de três anos de atrasos e sete adiamentos. A aeronave de longo alcance custa US$ 200 milhões e tem um elegante design. A Boeing vendeu mais de 800 Dreamliners, que competirão com o futuro Airbus A350, que ficará pronto provavelmente em meados desta década. A Boeing espera elevar a produção do 787 para 10 unidades por mês até o final de 2013, enquanto acelera a produção do 737, que passou por uma atualização, e se prepara para montagem do cargueiro 767 para a força aérea dos Estados Unidos.

Banco Central agiu precipitadamente ao cortar taxa de juros, diz economista keynesiano

O diretor da AKB (Associação Keynesiana Brasileira) José Luis da Costa Oreiro disse nesta segunda-feira que o Banco Central agiu precipitadamente ao cortar a taxa de juros no dia 31 de agosto, de 12,5% para 12%.Na sua opinião, o Banco Central supervalorizou o discurso do Ministério da Fazenda de que aumentaria o superavit primário do governo brasileiro, reduzindo o crescimento dos gastos públicos. Os keynesianos tradicionalmente defendem cortes de juros. Segundo Oreiro, no entanto, não havia condições macroeconômicas no momento para reduzir a taxa. Além de dizer que política fiscal continua expansionista, ele destacou que o forte aumento do salário mínimo nos últimos anos é outro fator que vem pressionando a inflação. A política expansionista tende a aumentar a despesa pública (o que contraria o esforço fiscal anunciado pelo governo), para aumentar os estímulos à economia, como produção, consumo e redução de desemprego. Essas ações colocam dinheiro público no mercado para fazer a economia girar. O diretor da AKB defendeu que primeiro seria preciso mudar esses dois fatores para que, então, fosse possível reduzir a taxa de juros. Em evento da FGV em São Paulo, ele lembrou que já está previsto um aumento de cerca de 14% do piso dos salários no Brasil em 2012, e observou que demandas políticas geram pressão por mais gastos, dificultando a contenção das despesas do governo. O diretor da AKB disse que a inflação pode ficar perto de 7% neste ano, patamar considerado por ele como alto e arriscado.

Mercado aposta em corte de 1 ponto percentual na Selic

Com o quadro externo cada vez mais complexo e o "problema" cambial cercado pela disposição do governo em dar liquidez ao dólar, o comentário no mercado de juros é de que o Banco Central pode acelerar o ritmo de corte da taxa Selic. Essa é a mensagem que se extrai do mercado de juros futuros, em que os contratos voltaram a cair com força nesta segunda-feira, especialmente os de prazo mais dilatado. Segundo operadores, o mercado passa a migrar para a possibilidade de corte de 1 ponto percentual da Selic no encontro de outubro do Copom (Comitê de Política Monetária). Na visão do economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, se o Banco Central começou a cortar a Selic apontando para os impactos da crise externa sobre o mercado local, e essa crise só tem piorado, nada mais natural do que acreditar que o ritmo de ajuste possa, de fato, ser acelerado. "Não acreditamos nisso ainda, mas dada a imprevisibilidade do Banco Central nos últimos meses, tudo é possível", diz Sérgio Vale, para quem o governo não tem muito mais apreço pela inflação, mas olha para o crescimento e a exportação de manufaturados. Ainda de acordo com Sérgio Vale, mesmo que a crise seja forte a ponto de derrubar a inflação em 2012, o quadro não deixa de ser preocupante, pois esse agravamento do cenário global deve ser acompanhado de políticas fiscal e monetária mais expansionistas. "Isso só traz ainda mais preocupação para a inflação de 2013 e 2014. Ou seja, em qualquer das hipóteses, o cenário de inflação está sombrio para frente. Tudo apenas depende do 'timing' que a crise externa trará", diz o especialista.

Bovespa fecha em alta após cinco sessões de perdas

O mercado brasileiro de ações encerrou a rodada de negócios com valorização pela primeira vez após cinco sessões consecutivas de perdas. O índice Ibovespa avançou 0,97% no fechamento do pregão desta segunda-feira, batendo a marca dos 53.747 pontos. O giro financeiro total da Bovespa foi de R$ 5 bilhões, abaixo da média deste mês (na casa dos R$ 6 bilhões/dia). O dólar comercial foi negociado por R$ 1,822, em queda de 0,38%.

PSDB deve pedir investigação no Ministério do Trabalho

O PSDB deve entregar nesta terça-feira uma representação à Procuradoria-Geral da República e um pedido de auditoria especial ao Tribunal de Contas da União para investigar as denúncias de supostas irregularidades no Ministério do Trabalho. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, além de empregar parte da cúpula do PDT no ministério, também teria encontrado brechas para repassar recursos a centrais sindicais impedidas pelo TCU de receber dinheiro público por conta de irregularidades detectadas no passado. Só neste ano, essas entidades vinculadas a centrais teriam recebido R$ 11 milhões. O líder tucano na Câmara, Duarte Nogueira (SP), afirmou que solicitará cópias das prestações de contas e relatórios de execução dos convênios ao Ministério. "O FAT é dinheiro do trabalhador. E é inadmissível que esses recursos sejam desviados para engordar caixa de partidos. Não se pode deixar que o FAT seja mais um ralo por onde escoa dinheiro público", disse. O PPS também informou que vai pedir ao TCU uma auditoria completa nos convênios do Ministério do Trabalho destinados a cursos de qualificação profissional.

Aliados e oposição criticam criação de tributo para a saúde

Aliados do governo e parlamentares da oposição criticaram nesta segunda-feira a intenção do governo de criar um novo imposto para a saúde. A reação foi desencadeada pela manifestação da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT), de que um tributo será a fonte de financiamento para aumentar os gastos previstos pela chamada Emenda 29, aprovada pela Câmara na semana passada. Os deputados da base aliada tentam justificar a posição da ministra, mas sem sair em defesa de um novo tributo, medida impopular às vésperas de um ano eleitoral. O líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), concorda que é necessária uma fonte "permanente" para financiar os gastos no setor, mas aponta que taxar a classe média não é a solução. "Se houver uma progressividade e se desonerar essa taxação que inventaram para a classe média, pode valer", disse. Segundo Teixeira, alternativas como a taxação de grandes fortunas e altos volumes de movimentação financeira poderiam ser consideradas. O vice-líder do governo, deputado Hugo Leal (PSC-RJ), defende que a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS) só deve sair do papel caso haja mudanças no cenário econômico brasileiro. "Só vejo cenário concreto para uma nova contribuição, se houver uma mudança radical ou contaminação do País com a crise. Hoje, apesar da manifestação da ministra, se essa mudança não fosse debatida, não vejo possibilidade", analisou. A taxação, nos moldes da CPMF (Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira), está prevista no texto da Emenda 29. Para isso ocorrer, o Senado teria que determinar uma base de cálculo para a cobrança do imposto. Na oposição, é unânime a rejeição a um novo imposto. O presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), afirmou que, após a derrubada da CPMF, o governo compensou a arrecadação com aumento da cobrança do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e do PIS/Cofins. O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), rejeitou também o argumento de que não haveria dinheiro em caixa para bancar um maior investimento em saúde.

Presidente da Câmara descarta criar imposto para a saúde

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), descartou a possibilidade de criação de um imposto para a área da saúde. Para ele, deve ser feita uma readequação dos tributos já existentes para garantir mais recursos ao setor. Na semana passada, a Casa aprovou a emenda que retira a base de cálculo e, na prática, impede a cobrança da CSS (Contribuição Social para a Saúde). "Não vejo possibilidade alguma de a Câmara ou o Senado aprovarem a criação de um imposto, nem neste ano nem no próximo. O que vejo é que, dentro do arcabouço de impostos que já são cobrados no Brasil, podemos readequar recursos para a área da saúde", disse Maia.

Após ação policial em protesto indígena, ministra boliviana pede demissão

Após um fim de semana de tensão entre setores indígenas e o governo do presidente da Bolívia, o índio cocaleiro Evo Morales, a ministra da Defesa boliviana, Cecília Chacón, renunciou ao cargo nesta segunda-feira. Cecília Chacón justificou sua saída dizendo, por meio de um comunicado, que não concordava com "a intervenção feita pelo governo" na manifestação realizada pelos indígenas no domingo. Eles são contra uma estrada construída com recursos brasileiros e que poderia passar por uma reserva florestal. "Ela ficou cinco meses no cargo, mas discordou da ação policial contra os indígenas", disseram assessores do Ministério, em La Paz. No domingo, cerca de 500 policiais usaram gás lacrimogêneo para dispersar o protesto, que terminou com "vários presos", os quais foram colocados em ônibus para serem levados de volta para suas comunidades. A marcha dos manifestantes contra a obra começou em 15 de agosto, em Trinidad (Departamento de Beni), com destino a La Paz, capital política do país.

Vale deve pagar US$ 3 bilhões a acionistas

Os acionistas da mineradora Vale devem receber US$ 3 bilhões a título de remuneração do capital, de acordo com a proposta encaminhada pela diretoria executiva ao Conselho de Administração. A próxima reunião do Conselho está marcada para o dia 14 de outubro. A proposta prevê o pagamento de US$ 0,5794 por ação ordinária ou preferencial em circulação, considerando o valor da Ptax (taxa média de câmbio calculada pelo Banco Central) do dia 13 desse mês. O pagamento está previsto para o dia 31. No pregão desta segunda-feira, a ação preferencial foi negociada por R$ 40,47 e a ordinária, por R$ 43,60. Convertidos pela Ptax do dia, esses valores seriam de US$ 21,94 e US$ 23,64, respectivamente. Essa remuneração está reservada somente para os investidores que tiverem em seu poder ações da mineradora até a data do dia 14 de outubro. Para os detentores de ADRs (recibos de ações negociados na Bolsa de Nova York) e dos papéis da mineradora negociados na Euronext (mercado francês), a data de referência é o dia 19, assim como para o mercado de Hong Kong, no fechamento desse mercado. A mineradora já distribuiu aos seus acionistas um montante de US$ 6 bilhões neste ano, considerando a parcela extraordinária paga em 31 de janeiro, a remuneração mínima paga em 29 de abril e a remuneração adicional paga em 26 de agosto.Segundo a mineradora, o valor previsto para este ano (US$ 9 bilhões) é o maior já distribuído aos acionistas, sendo o triplo da remuneração paga em 2010. A empresa também prevê recomprar até US$ 3 bilhões em ações até o dia 25 de novembro. A Vale teve um lucro histórico de R$ 21,566 bilhões no primeiro semestre deste ano, mais que o dobro (127%) do ganho apurado no mesmo período de 2010.

Ditadura de Cuba alerta contra intervenções na América Latina

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, advertiu nesta segunda-feira diante da ONU que o novo modelo de "mudança de regime" lançado pelos Estados Unidos e pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) na Líbia pode afetar países da América Latina que não se submeterem aos interesses de Washington. Em um discurso na 66ª Assembléia Geral das Nações Unidas, em Nova York, Rodríguez defendeu também a adesão à ONU de um Estado da Palestina e denunciou o bloqueio contra Cuba por parte dos Estados Unidos, reiterando a "disposição" de seu governo de "normalizar relações" com Washington. "Os Estados Unidos e a Otan, supostamente para evitar um massacre, atacaram militarmente um Estado soberano, sem que este representasse nenhuma ameaça para a paz e a segurança internacionais, e desataram uma operação de 'mudança de regime'", afirmou Rodríguez, em referência à crise na Líbia. "Agora todos compreendem melhor o que é e para que podem usar a 'responsabilidade de proteger'", completou o chanceler, em referência à resolução do Conselho de Segurança que autorizou os bombardeios contra as forças do regime do ex-ditador Muammar Gaddafi e que foi vital para que os rebeldes tomassem o poder em Trípoli. Rodríguez assegurou que o "novo modelo de operações de 'mudança de regime' demonstra que as atuais doutrinas militares dos Estados Unidos e da Otan são ainda mais agressivas que as precedentes", e advertiu sobre o risco de que sejam aplicadas na América Latina. Ditadores tremem.

Oposição consegue adiar votação sobre desvinculação de receitas

Com o objetivo de adiar a votação da DRU (Desvinculação de Receitas da União), líderes oposicionistas conseguiram encerrar a sessão do plenário da Câmara nesta segunda-feira. A estratégia foi possível graças a falta de deputados na Casa. A DRU é um mecanismo que permite ao governo gastar livremente 20% da sua receita. A proposta é uma prioridade do governo e precisa ser votada na Câmara e no Senado até o final do ano. Caso contrário, o mecanismo perde a validade em dezembro. Para abrir uma sessão, 51 deputados precisam estar presentes na Câmara até as 14h30. Mas, até este horário, apenas 50 congressistas registraram presença. Presidindo a sessão, o petista Amauri Teixeira (PT-BA) contrariou o governo e encerrou o debate evitando, assim, a contagem de prazo para deliberação de outras propostas. Teixeira foi contestado por diversos deputados da base, já que poucos minutos depois (14h33), 53 deputados já haviam registrado presença. O tucano Nelson Marchezan Junior (RS) foi escalado pela oposição para pedir o encerramento da sessão.

Líder do governo descarta novo imposto para saúde neste ano

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta segunda-feira que o Palácio do Planalto "não vai capitanear a curto prazo" a criação de um novo imposto para financiar a saúde. Jucá descartou a possibilidade de um novo tributo surgir neste ano e reconheceu que será "muito difícil" emplacar a idéia em 2012 por causa das eleições municipais. Na avaliação do líder, a nova fase da crise financeira internacional impede a discussão de um novo imposto em 2011. "Esse ano o clima não leva a condição de criar novo imposto. A conjuntura nacional é de baixar imposto, queremos ter mais crescimento, gerar empregos, e isso não combina com criação de imposto. Esse ano é descartado", disse ele. Jucá afirmou que o Congresso deve resistir ao patrocínio de mais um tributo em ano eleitoral.

Bolsas dos Estados Unidos registraram forte alta com busca por barganhas

As Bolsas de Nova York encerraram a segunda-feira em forte alta, influenciadas por expectativas de que as autoridades européias façam novos esforços por solucionar a crise da dívida e com investidores aproveitando as baixas da semana passada para ir às compras. O Dow Jones Industrial Average encerrou o pregão em alta de 2,53%, a 11.044,17, e o termômetro da tecnologia, a Nasdaq, obteve ganho de 1,35%, a 2.516,69 pontos. Já o índice ampliado, Standard and Poor's 500, avançou 2,33%, a 1.162,95 pontos. "Há muitas esperanças de que os problemas encontrem uma saída", resumiu o analista da Cantor Fitzgerald, Marc Pado. Apesar da alta, dizem os analistas, o mercado ainda está ansioso em relação ao anúncio de medidas concretas em relação à crise européia.

Oposição apoiará Comissão da Verdade, mas pede fiscalização

A oposição não vai criar obstáculos à aprovação no Senado do projeto que cria a Comissão da Verdade, grupo governamental que fará a narrativa oficial das violações aos direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988. Após o DEM já ter confirmado apoio ao texto aprovado na semana passada pela Câmara, o líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR), disse nesta segunda-feira que não há resistência ao projeto e que a idéia é fiscalizar a atuação do grupo. Ele cobrou independência dos integrantes da comissão. "Não vamos ficar contra a Comissão da Verdade. O que precisamos verificar depois é se ela não vai se transformar na 'comissão da mentira'. Não há da nossa parte o que questionar em relação ao texto. O que temos de prestar a atenção é o comportamento posterior". O governo negociou simultaneamente com deputados e senadores o texto aprovado na última quarta-feira, justamente para que o projeto não sofresse mudanças quando chegasse ao Senado, obrigando-o a voltar para a Câmara. O líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que ainda vai discutir a tramitação da proposta com os líderes, mas garantiu que a matéria terá prioridade. O grupo governamental vai apurar mortes e torturas praticadas pelo Estado na ditadura militar, e funcionará por dois anos. Seus sete membros serão uma escolha individual da presidente Dilma Rousseff.

Kassab se diz "muito confiante" na aprovação do PSD

O prefeito São Paulo, Gilberto Kassab, disse nesta segunda-feira estar "muito confiante" em relação a aprovação de seu novo partido, o PSD. O pedido de criação da sigla voltará a ser julgado neste terça-feira pelo Tribunal Superior Eleitoral. "A expectativa é a melhor possível. Estou muito confiante", disse ele na posse Paulo Skaf para mais um mandato à frente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Skaf, que filiou-se ao PMDB neste ano com a intenção de disputar a Prefeitura de São Paulo, disse não ser mais candidato. Skaf não conseguiu viabilizar sua candidatura devido a decisão do vice-presidente, Michel Temer, de lançar o deputado federal Gabriel Chalita à prefeitura.

Vazamento de gás intoxica petroleiros em plataforma da Petrobras

Vinte e dois petroleiros que trabalhavam no navio-plataforma P-35, da Petrobras, foram intoxicados na manhã desta segunda-feira com CO2 (dióxido de carbono) que se espalhou pelo alojamento da embarcação através dos dutos de ar condicionado. A plataforma fica no campo de Marlim, na Bacia de Campos, norte fluminense, a 170 quilômetros de Macaé. Os petroleiros foram retirados da plataforma e levados para um hospital em Macaé. Quatro deles, de acordo com o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense, foram levados para câmaras hiperbáricas (equipamentos usados para que o paciente respire oxigênio 100% puro, em pressão superior a do nível do mar). A Petrobras informou que o vazamento do gás ocorreu em alguns pontos do alojamento da plataforma, que foi logo desocupado. Conforme a estatal, trabalhadores sentiram tontura e dor de cabeça, sendo atendidos na enfermaria da plataforma; 22 deles foram levados para Macaé. De acordo com o sindicato dos petroleiros, 80% dos cerca de 200 trabalhadores embarcados apresentaram sintomas de intoxicação. Ainda de acordo com o sindicato, a situação poderia ter sido ainda mais grave se tivesse ocorrido durante a madrugada. Como aconteceu por volta das 6 horas, muitos trabalhadores já estavam de pé e perceberam rapidamente os sinais da intoxicação. "Houve falha na segurança. Foi uma situação muito perigosa, que poderia ter resultado em morte", afirmou o diretor de comunicação do Sindipetro NF (Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense), Marcos Breda. No ano passado, a plataforma havia sofrido um princípio de incêndio. Ao lado da P-31 e da P-33, a P-35 consta da lista de embarcações com condições críticas de manutenção elaborada pelo sindicato dos petroleiros do norte fluminense.

Bruno Covas transfere título e fala como pré-candidato à prefeitura de São Paulo

O secretário de Meio Ambiente do Estado e deputado estadual mais votado em São Paulo, Bruno Covas, oficializou nesta segunda-feira sua pré-candidatura à prefeitura da capital paulista pelo PSDB. Em evento lotado de militantes no diretório estadual do partido, o secretário anunciou que transferiu o seu domicílio eleitoral de Santos para a capital paulista na última sexta-feira e que vai disputar indicação da sigla em prévias com os pré-candidatos Ricardo Trípoli (deputado federal), o secretário estadual de Cultura, Andrea Matarazzo, e o secretário de Energia, José Aníbal. “Paulista nascido em Santos e paulistano por adoção, aqui cheguei aos 14 anos de idade. Vivo em São Paulo há mais tempo do que vivi em minha terra natal. Só não tinha aqui, devidamente formalizado, o meu domicílio eleitoral. Agora tenho. Agora sou paulistano por inteiro”, disse o pré-candidato, ovacionado por militantes. Bruno Covas chegou na sede do diretório estadual do PSDB aos gritos de “prefeito”. O secretário estava acompanhado de sua mãe, Renata Covas, e do tio Mário Covas Neto, o Zuzinha. Em aproximadamente dez minutos de discurso, o secretário ressaltou a sua ligação com o ex-governador e avô Mário Covas, a quem classificou de “grande mestre”.

Procurador diz que Brasil precisa de uma lei contra o terrorismo

O Brasil, por incrível que pareça, não tem uma lei contra o terrorismo. E não tem por quê? A falta de legislação prejudica as ações de prevenção contra o financiamento ao terrorismo no Brasil, segundo especialistas reunidos em um congresso sobre o tema e lavagem de dinheiro nesta segunda-feira, em São Paulo. Apesar da proximidade com a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o País ainda não possui uma lei que defina de modo adequado o que são atividades terroristas, de acordo com o procurador José Robalinho Cavalcanti, um dos palestrantes do evento organizado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos). O Inciso 8 do Artigo 4º da Constituição diz que o Brasil repudia o terrorismo, junto com o racismo. O Inciso 43 do Artigo 5º estabelece: "XLIII - A lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem”. Já foi feita uma lei para punir o racismo. Foi feita outra lei para punir a tortura, e agora querem uma lei para unir a homofobia. Mas não foi feita uma lei para punir o terrorismo. Até hoje, inexiste a caracterização do que é terrorismo no Brasil, e essa é uma das questões que indispõem o governo americano com o brasileiro. A propósito, a política externa brasileira se nega a reconhecer o Hezbollah, o Hamas e as Farc como movimentos terroristas. Por que o Brasil não vota uma lei definindo o terror e estabelecendo as penas? Em maio de 2009, quando circularam informações sobre Khaled Hussein Ali, que foi, então, identificado na imprensa brasileira como o “libanês K”, que mantinha ligações com a Al Qaeda, isso ficou claro: criaria dificuldades internas e externas. No dia em que uma lei criar punição específica, o primeiro grupo a ser enquadrado é o MST. Mais: quando o Brasil tiver tal texto, terá de parar de flertar com terroristas latino-americanos ou do Oriente Médio, como faz hoje em dia. No dia em que o País tiver uma lei que defina e puna o terrorismo, conforme determina a Constituição, grupos como o MST, a Via Campesina e o Movimento dos Atingidos por Barragens seriam facilmente enquadrados. No dia 26 de maio de 2009, diante da evidência de que a Al Qaeda já estava entre nós, o inefável Tarso Genro, então ministro da Justiça, tratou o terrorismo como uma variante de “corrente de opinião”. No dia seguinte, sustentou que o País realmente não precisa tipificar esse tipo de crime porque a legislação comum dá conta do recado. Isso é conversa mole. Como não existe lei sobre o terrorismo no Brasil, todas as pessoas presas no País por vínculos com movimentos terroristas estão soltas. O Brasil é um campo aberto para a articulação de terroristas. Às vésperas da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016.

Ideli Salvatti confirma, governo Dilma vai tentar criar novo imposto para a saúde

A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT), admite que o governo Dilma ainda quer a criação de um imposto para financiar investimentos em saúde no País e arrecadar mais R$ 45 bilhões por ano. A expectativa do Palácio do Planalto é que o tributo seja aprovado em 2012, apesar das dificuldades previstas por causa das eleições municipais. Ideli não fez rodeios para definir do que se trata: “É um novo imposto”. Articuladora política do governo, a ministra garantiu que nada sairá neste ano porque decisões assim precisam ser “adequadas” à situação econômica: “Você não pode trabalhar desonerando de um lado e onerando de outro”. Ela diz que a Emenda 29 não resolve as questões para a área da saúde, porque não define os gastos, "não indica de onde virão os recursos". Para ela, a comissão acertada entre os governadores e o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), poderá “resgatar” projetos de lei que criam base de cálculo para a nova versão da CPMF, o imposto do cheque extinto em 2007. “Nós já colocamos o dedo na ferida”, disse Ideli. A Câmara aprovou o projeto que regulamenta a Emenda 29, mas não incluiu a base de cálculo para a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS). O que pode ser feito? Apesar de estar criada a contribuição, a alíquota terá, obrigatoriamente, de ser fixada por lei. A comissão que o Marco Maia formou com os governadores deixa uma porta aberta para o debate. Ela reflete: "Quais as alternativas para financiar os gastos na saúde? Já se falou em taxação de grandes fortunas, bebidas, cigarros, remessa de dinheiro para o Exterior, royalties do petróleo e até em legalização do jogo. A presidenta Dilma tem pedido muito cuidado porque estamos vivenciando uma crise internacional, que será prolongada. Você não pode trabalhar desonerando de um lado e onerando de outro. O governo tem clareza de que precisa de novas fontes para a saúde. Nós já colocamos o dedo na ferida. É um novo imposto, que poderá ser de uma forma ou de outra. A questão é que essa nova fonte tem de ser adequada à conjuntura econômica e só pode ser criada com uma discussão de caráter federativo e em consonância com o Congresso".

Faculdades pagam ONGs e igrejas para captar novos alunos

Surgiu uma nova figura no meio universitário: o intermediário entre as faculdades privadas e os jovens trabalhadores de menor renda que se tornaram o principal público-alvo de algumas instituições. Associações de moradores, líderes comunitários, ONGs e igrejas fazem parte da malha de captação de alunos. O fenômeno é constatado em bairros da periferia da Grande São Paulo. As entidades intermediárias são remuneradas de duas formas: pelos alunos - que pagam uma taxa semestral ou anual para ter o nome incluído no cadastro para bolsas de estudo - e pelas faculdades, que chegam a pagar R$ 100,00 por matriculado. As faculdades justificam a contratação da rede de intermediários dizendo que isso é mais eficiente e barato do que gastar com publicidade nas mídias convencionais. Instituições de São Paulo como Uniban (recentemente adquirida pelo grupo Anhanguera), Universidade de Guarulhos, UniRadial (ligada ao grupo Estácio de Sá), Faculdade Sumaré e UniSant’Anna são algumas das que aderiram à prática. Não há um padrão na contratação dos intermediários. As faculdades mais agressivas recorrem a associações de moradores de comunidades carentes, contando que o futuro aluno poderá financiar 100% de seu estudo pelo Fies, do governo federal, ou por outras fontes de financiamento do governo de São Paulo ou privadas.

Na prefeitura de Canoas, inquéritos policiais são credencial para contratar prestadora de serviço

É notável o que ocorre na prefeitura de Canoas (RS), comandada pelo prefeito petista Jairo Jorge, ex-chefe de gabinete de Tarso Genro no Ministério da Educação. Apesar de os jornais do Rio Grande do Sul estarem recheadas de páginas com reportagens sobre a atuação da empresa Gussil Indústria Comércio e Prestação de Serviços no escândalo de desvio de recursos do pedágio comunitário de Portão (RS), desvendado pelo promotor Marcelo Tubino, de Gravataí, e de passar por uma investigação da Procuradoria Geral do Estado do Rio Grande do Sul, isso não foi impedimento para o prefeito petista Jairo Jorge ter visto grandes qualidades nessa empresa como especializada na contratação de mão de obra terceirizada e daí ter decidido contratá-la, sem licitação, para prestar serviços ao município. A Gussil, empresa que tem endereços comerciais em Cachoeirinha (o primeiro na rua Beira Rio, nº 200, e o segundo na rua Santa Isabel, nº 45, ambos com o mesmo número de telefone), recebeu contratos para fornecimentos de serventes e merendeiras, os dois na Secretaria da Educação de Canoas. Essas contratações são muito estranhas. Afinal de contas, o prefeito petista Jairo Jorge está em seu terceiro ano de administração, e ainda não foi capaz de programar, planejar, a sua gestão para a realização antecipada das licitações necessárias em cada setor? Contratações de fornecedores de serviços sem licitação são sempre suspeitas. No caso da Gussil, a credencial que deve ter impressionado o prefeito petista Jairo Jorge não é nada abonadora. Esta empresa está envolvida no escândalo dos pedágios comunitários investigado pelo promotor Marcelo Tubino, de Gravataí. Veja o que diz matéria do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 29 de junho deste ano: "Desarticulada quadrilha que desviou R$ 400 mil em pedágio no Rio Grande do Sul - SÃO PAULO - Integrantes de um esquema que desviou, de outubro do ano passado a maio deste ano, pelo menos R$ 400 mil, foram afastados nesta quarta-feira, 29, no Rio Grande do Sul. Os 13 servidores trabalhavam em um empresa terceirizada no pedágio comunitário de Portão para o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer). A Gussil, responsável pela praça de pedágio, será substituída, na próxima sexta-feira, 1º, pela empresa Sinarodo, vencedora do processo de licitação. O Governo do Estado também recadastrará os veículos isentos naquela praça de pedágio. Outras 26 pessoas foram afastadas por crime de peculato e formação de quadrilha e a terceirizada teve os bens bloqueados. O MP ainda ingressou com ação de improbidade contra 25 pessoas. A operação é denominada Operação Passe Livre. Na fraude, os arrecadadores reimprimiam os tíquetes de veículos isentos e os repassavam aos condutores que pagavam a tarifa, conta o promotor Marcelo Tubino Vieira, que coordena o grupo de trabalho no município. De acordo com o MP, o arrecadador simulava operar normalmente no seu terminal, mas aproveitava a operação com veículos de placas diferentes das de Portão (isentos) e reimprimia alguns bilhetes para reutilizá-los. "Não digitavam as placas dos veículos no terminal e ficavam com os comprovantes a mais da mesma operação, de maneira que esses bilhetes funcionavam como uma espécie de coringa para todo e qualquer automóvel que passasse por ali", disse Tubino. Cerca de 130 mil tíquetes foram reimpressos na praça de Portão, disse Tubino. Após recolher o dinheiro, o controlador saía de sua sala localizada na torre e se dirigia até a cabine do arrecadador, contou o promotor. "No final do turno, principalmente, o arrecadador ligava para o controlador, que descia até a cabine e lá mesmo faziam a divisão do dinheiro", acrescentou". O editor de Videversus, jornalista Vitor Vieira, tentou nesta terça-feira falar com o secretário de Educação de Canoas, o petista Paulo Ritter, mas seu celular (51-9230-7500) não atende. Conseguiu falar com a sua chefe de gabinete, Romi, mas esta só informou que qualquer assunto da prefeitura tem que ser tratado com a Secretaria de Comunicações. Foi tentada também ligação com o procurador do município, Aloízio Zimer, mas ninguém atendia o telefone da Procuradoria (3462-1515). O Ministério Público de Contas, do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, não vai investigar estas contratações sem licitações? Deve aproveitar e também verificar a situação dos contratos com o setor público de outra empresa também dos mesmos donos, a Confidencial. Às 16 horas o editor de Videversus, jornalista Vitor Vieira, ligou para o celular da assessora de imprensa do prefeito petista Jairo Jorge, Adriana Paranhos Cardoso, para ter a palavra oficial da prefeitura sobre o caso. Até as 18h13m desta segunda-feira não havia recebido retorno.