domingo, 17 de julho de 2011

Torre de 108 metros desaba e mata jovem no parque eólico gaúcho de Osório

Parque eólico de Osório, no Rio Grande do Sul
O desabamento de uma torre de 108 metros de altura na manhã deste domingo matou um jovem que trabalhava no Parque Eólico de Osório (a 95 quilômetros Porto Alegre, no litoral norte gaúcho). Eziel Rodrigues Betim, de 19 anos, estava no topo da estrutura trabalhando em sua construção. Um cabo de sustentação se rompeu e a torre desabou completamente, quando não chovia nem ventava forte. A estrutura seria usada para medir a força dos ventos na unidade. Eziel Rodrigues Betim sofreu múltiplas fraturas com a queda e morreu ainda no local. Ele era funcionário de uma empresa terceirizada do Paraná. O parque eólico gaúcho é o maior da América Latina.

Arábia Saudita decapita homem por agressão a mulher

A Arábia Saudita executou um homem condenado à morte por ter agredido uma mulher e tirado fotografias dela sem roupa para chantageá-la em troca de sexo. O agressor, cuja identidade não foi revelada, foi decapitado com uma espada na sexta-feira, informou o Ministério de Interior da Arábia Saudita por meio de um comunicado publicado nos jornais do país. De acordo com o comunicado, o homem invadiu o apartamento da vítima e atacou primeiro o marido dela. Depois, ele partiu para cima da mulher, agredindo-a, despindo-a e tirando fotos. A Arábia Saudita segue uma interpretação radical do Islã por meio da qual pessoas condenadas por assassinato, tráfico de drogas, estupro e assalto a mão armada podem acabar executadas. Normalmente, os condenados à morte no país são decapitados com uma espada. A Arábia Saudita já executou 31 pessoas este ano. No ano passado foram 27 execuções.

Companhia aérea Noar anuncia suspensão temporária dos vôos

A companhia Noar Linhas Aéreas, cujo avião caiu em Recife na última quarta-feira, com 16 pessoas, afirmou neste domingo a suspensão temporária de suas operações por ordem da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Segundo a empresa, a Anac "solicitou à companhia que apresente explicação sobre a existência de um documento auxiliar de registro de aeronavegabilidade". O documento, diz a Noar, contém observações dos tripulantes sobre a aeronave do acidente, um bimotor LET-410. A Noar afirma que implantou um sistema auxiliar para ampliar a segurança das aeronaves, e que as observações dos pilotos contidas no documento poderiam, após serem analisadas pela companhia, virar ordens de manutenção. Entretanto, ainda segundo a empresa, o documento foi furtado da empresa nos dias seguintes à tragédia. Muito conveniente....

Moradores da ilha de Marajó sofrem com ataques de piratas

Piratas têm aterrorizado pescadores, ribeirinhos e turistas que circulam pelos extensos rios do norte do Pará. A bordo de "rabetas", pequenos barcos potentes, eles armam emboscadas para roubar tudo o que há nas embarcações. Relatos dão conta de pessoas amarradas e deixadas à deriva, sem motor nem revés (espécie de marcha), e são vítimas até de estupros. Na fuga, os piratas desaparecem nos labirintos formados pela mata fechada. Na região da ilha de Marajó, arquipélago com 487 mil habitantes, mesmo barcos pequenos costumam carregar grandes montantes de dinheiro, já que apenas quatro de seus 16 municípios contam com agências bancárias. O rio Pará, o canal do Carnapijó e os rios próximos ao estreito de Breves são os mais perigosos, segundo a polícia. Os ataques ocorrem na ilha e ao longo do recorte geográfico onde estão Belém, Barcarena e Abaetetuba. Líderes da região relatam ao menos 150 casos neste ano, incluindo assaltos a casas de ribeirinhos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Pará, ao longo do primeiro semestre, foram 19 assaltos a embarcações em Marajó. Duas pessoas foram assassinadas por piratas desde o início do ano, diz a Polícia Civil.

Ex-ditador uruguaio Juan María Bordaberry morre aos 83 anos

O ex-ditador uruguaio Juan María Bordaberry, um dos autores do golpe de Estado de 1973 que deu início a um duro regime militar, morreu neste domingo aos 83 anos. Bordaberry foi condenado a 30 anos de prisão por atentar contra a Constituição, crimes de desaparecimento forçado e homicídio político. Durante a ditadura militar, de 1973 a 1985, desapareceram cerca de 200 uruguaios no país. Ele chegou a ficar em uma prisão, mas, desde janeiro de 2007, foi transferido para prisão domiciliar devido ao seu frágil estado de saúde. O ex-ditador morreu por problemas cardiovasculares. Bordaberry foi presidente eleito entre 1972 e 1973, quando liderou um golpe de Estado que instaurou uma ditadura de 12 anos no Uruguai. Ele, contudo, foi removido do poder em junho de 1976, quando militares assumiram.

Ministério dos Transportes desperdiça R$ 63 bilhões em nove anos

Uma análise do orçamento do Ministério dos Transportes revela sua incapacidade na gestão dos recursos destinados a investimentos. Levantamento da ONG Contas Abertas no Orçamento da União mostra que a pasta deixou de usar, desde 2002, cerca de R$ 63 bilhões destinados a investimentos no setor. O cálculo (ajustado pela inflação e exclui os gastos de custeio) revela que o ministério conseguiu gastar só 57% do valor previsto. Na primeira metade deste ano, por exemplo, o ministério investiu pouco mais de um terço (35%) do orçamento. Foram destinados a investimentos em transportes, em 2011, o equivalente a R$ 17,1 bilhões. Só R$ 6,1 bilhões haviam sido pagos até o início do mês. "Se há dinheiro e há necessidade de investimentos, e se esse investimento não está sendo feito, é porque falta competência. É muita incompetência na gestão do dinheiro público", opina Flávio Benatti, presidente da Associação Nacional de Transportes de Cargas e dirigente na Confederação Nacional dos Transportes. Ano de eleição da presidente Dilma Rousseff, 2010 foi o período em que os transportes mais receberam recursos: 78% (ou R$ 13,7 bilhões) dos recursos previstos foram de fato investidos. Os principais argumentos dados pelo governo para justificar os atrasos nas obras são a fiscalização dos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União, e o rigor da legislação ambiental. Para Benatti, no entanto, as recentes denúncias evidenciam que os mecanismos de controle não podem ser flexibilizados: "Se há essas denúncias mesmo com a fiscalização, imagine como seria sem ela". Manoel Reis, coordenador do curso Master em Logística da Fundação Getúlio Vargas, admite que a fiscalização pode atrasar as obras, mas não é o principal fator. Para ele, "claramente, há um problema de gestão". Se o Ministério dos Transportes não consegue gastar todo o valor reservado para investimentos, não é por falta de obras pendentes. Os R$ 63 bilhões excedentes nos últimos anos são seis vezes o valor estimado pela CNT para resolver os problemas nos aeroportos do País (R$ 9,7 bilhões), apontados como principal gargalo para a Copa de 2014. O dinheiro economizado pela pasta equivale, ainda, a um terço dos investimentos necessários nas estradas (estimado pela CNT em R$ 190,1 bilhões).