domingo, 26 de junho de 2011

Lula consegue eleger Graziano para diretor-geral da FAO

Após vencer a disputa pelo cargo de diretor-geral da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), o brasileiro José Graziano da Silva, de 61 anos, disse neste domingo que sua prioridade à frente do organismo, que tem orçamento de US$ 1 bilhão, será o combate à fome. "Precisamos erradicar a fome e ajudar os países mais pobres", disse o petista professor e agronômo brasileiro em seu primeiro pronunciamento, perante representantes de 177 nações: "A partir de agora, deixo de ser o candidato dos brasileiros para ser o diretor-geral de todos os países". "Estou convencido, com base em minha experiência no Brasil e em outros países, que erradicar a fome é uma meta razoável e alcançável", afirmou ainda Graziano, recebendo muitos aplausos. "Com o passar dos anos aprendi que é preciso caminharmos juntos, obter o consenso, para conquistar os objetivos", acrescentou José Graziano depois de agradecer aos países latino-americanos, africanos, de língua portuguesa e, inclusive, aos países europeus e desenvolvidos. "Foi um exercício democrático e soberano", disse. De acordo com dados da ONU, o mundo tem cerca de 1 bilhão de pessoas famintas. Por 92 votos contra 88, Graziano venceu o ex-ministro das Relações Exteriores da Espanha, Miguel Ángel Moratinos, nas eleições realizadas em Roma neste domingo. No primeiro turno, ele já havia superado Moratinos por 77 a 72 votos. Ou seja, a eleição dele foi absolutamente apertada. E é devida integralmente ao trabalho de cooptação realizado por Lula. Na verdade, será Lula quem mandará nesse orçamento de 1 bilhão de dólares da ONU. Gaziano vai suceder o senegalês Jacques Diouf, diretor-geral da FAO desde 1994. É a primeira vez que um brasileiro ocupa o cargo. Seu mandato vai de 1º de janeiro de 2012 a 31 de julho de 2015. O programa Fome Zero, que Graziano comandou no governo Lula, foi um profundo fracasso, substituído pelo Bolsa Família, que havia sido lançado pelos governos de Fernando Henrique Cardoso.

Hackers invadem site do senador Roberto Requião

A página na internet do senador Roberto Requião (PMDB-PR) também foi alvo da onda de ataques de hackers que atingiu sites do governo e de instituições. A página do senador exibia, no início da noite deste sábado, apenas a mensagem "site em manutenção". No Twitter, o senador comentou: "Desocupados invadiram meu sítio. Genival José, sempre atento, já está providenciando o pleno funcionamento. Polícia Federal nesses canalhas!"

Hackers divulgam dados que permitem acessar servidor da Petrobras

O grupo hacker LulzSecBrazil divulgou, na tarde de sábado, dados de acesso a um servidor de arquivos da Petrobras. No perfil do grupo no Twitter, foram publicados o endereço do servidor, um nome usuário e uma senha de acesso. No servidor foi possível encontrar pastas com conteúdo como relatórios, fotos e dados de funcionários. Por volta das 18 horas o servidor já não estava disponível. Na manhã de sexta-feira, o mesmo grupo de hackers havia divulgado uma série de arquivos com dados pessoais de funcionários da empresa. A Petrobras negou que o servidor tenha sido invadido e informou que iria apurar a origem dos dados. Desde a madrugada da última quarta-feira o grupo LulzSecBrazil tem sido responsabilizado por uma série de ataques a sites governamentais, fazendo com que alguns deles ficassem fora do ar por algumas horas. Após essa série de ataques, a Polícia Federal começou a investigar as ações. O grupo de hackers LulzSec (Lulz Security) chamou a atenção mundial pela primeira vez há dois meses, com a invasão da rede on-line do PlayStation, da Sony, e com o vazamento dos dados de milhões de usuários. O serviço, de alcance global, passou dias fora do ar. Na semana passada, o grupo assumiu um ataque ao site da CIA.

Pais de soldado sequestrado se acorrentam na casa do premiê de Israel

Gilad Shalit

Os pais do soldado israelense Gilad Shalit invadiram no sábado o espaço cercado pela polícia ao redor da residência do primeiro-ministro do país, Binyamin Netanyahu, e se acorrentaram no local, exigindo a libertação imediata do filho. O protesto ocorreu no dia do aniversário de cinco anos da captura de Shalit, então com 19 anos, por terroristas do Hamas. Os pais dizem estar "fartos dessa situação". "Cinco anos é tempo mais do que suficiente para se realizar negociações e trazer Gilad de volta", afirmou a mãe, Aviva. O avô do soldado, Tzvi Shalit, que aderiu ao protesto e também se acorrentou, acusou o premiê de ser "o único que impede a libertação de Gilad e assim o está matando lentamente". Segundo o avô, Netanyahu "sabotou o acordo com o Hamas". O grupo terrorista Hamas, que controla a faixa de Gaza, exige que Israel liberte mil prisioneiros palestinos em troca de Shalit. Entre eles, estão 450 que Israel considera especialmente perigosos, condenados pela realização de atentados que mataram dezenas de civis israelenses, inclusive condenados à prisão perpétua. As negociações sobre a troca de prisioneiros, conduzidas por mediadores egípcios e alemães, chegaram a um impasse. Israel não concorda em libertar todos os prisioneiros mencionados na lista apresentada pelos terroristas do Hamas e exige que vários dos detentos, uma vez soltos, não retornem à Cisjordânia, argumentando que poderiam voltar a cometer atentados. O ministro da Defesa, Ehud Barak, afirmou que o governo deve fazer todos os esforços para libertar o soldado "mas não a qualquer preço". No entanto, vários especialistas em segurança discordam dos argumentos do governo contra a troca dos prisioneiros. Entre eles está o ex-chefe do Estado Maior do Exército israelense Amnon Lipkin Shahak, que declarou que "o Exército é suficientemente forte para enfrentar os terroristas, se tentarem voltar a cometer atentados". Shahak também disse que "um soldado que foi enviado ao serviço militar não pode ser abandonado no cativeiro". O ex-chefe do Mossad, Dany Yatom, e o ex-chefe do serviço de Inteligência interna, Ami Ayalon, também defendem o acordo com o Hamas para libertar Shalit.

Site da Brigada Militar do Rio Grande do Sul sai do ar após invasão

Um ataque de hackers na madrugada de sábado levou a Brigada Militar do Rio Grande do Sul a tirar do ar o site da instituição. A corporação, equivalente à Polícia Militar dos outros Estados, fica sem a página na internet até esta segunda-feira. O coronel Leonel Andrade, do Departamento de Informática da Brigada, diz que o ataque "possivelmente" faz parte da série de ações de hackers contra sites de governos pelo País iniciada nesta semana. Os criminosos aproveitaram uma falha no sistema de publicação de notícias da página do governo gaúcho para invadí-la. Dados como estatísticas de crimes poderiam ter sido apagados pelos invasores. Nenhuma mensagem foi colocada no ar pelos hackers, mas a parte de notícias foi modificada. Técnicos da Brigada estão fazendo uma vistoria no sistema para encontrar outras possíveis falhas. O ataque fará com que a corporação antecipe a estreia de um novo site, que já vinha sendo preparado. "Tiramos do ar justamente para não deixar a porta aberta para novas invasões", disse o coronel Leonel Andrade.

PSDB liga aluguel de Palocci a fraude e pede investigação

O PSDB entrou com uma representação no Ministério Público de São Paulo pedindo para que a Procuradoria-Geral de Justiça investigue a compra do imóvel alugado por Antonio Palocci, ex-ministro da Casa Civil, no bairro de Moema, zona sul da capital paulista. Para os tucanos, há indícios de que o dinheiro usado no negócio tenha sido fruto de lavagem de dinheiro e corrupção em prefeituras. Mas, no documento, assinado pelo presidente do PSDB paulista, deputado estadual Pedro Tobias, a única prefeitura citada é a de Mauá, na Grande São Paulo, cidade onde o proprietário do apartamento, Gesmo Siqueira dos Santos, filiou-se ao PT. Segundo a representação, o PT "possui íntima relação" com a cidade, por se tratar de uma das primeiras prefeituras conquistadas pela legenda. O atual prefeito é o petista Oswaldo Dias. Citando a Polícia Civil e o Ministério Público, o PSDB diz haver indícios de que Gesmo Siqueira dos Santos esteja relacionado a um esquema milionário de lavagem de dinheiro e a uma organização criminosa. Por suspeitar que a empresa Lion Franquia e Participação Ltda, uma das donas do imóvel, seja "de fachada", os tucanos pedem que a procuradoria apure qual a relação de Gesmo Siqueira dos Santos com Palocci, quem é o real proprietário do imóvel e qual a origem do dinheiro usado na compra.

Morre de enfarte Paulo Renato Souza, ex-ministro da Educação

Morreu, aos 65 anos, vítima de enfarte fulminante, no final da noite deste sábado, em São Roque, interior paulista, o ex-ministro da Educação, Paulo Renato Souza. Paulo Renato passava o feriado prolongado de Corpus Christi em um hotel da cidade quando começou a s sentir mal e não resistiu. Economista, Paulo Renato foi ministro da Educação durante o governo Fernando Henrique Cardoso, entre 1º de janeiro de 1995 a 31 de dezembro de 2002. Dentre as suas maiores realizações à frente do ministério da Educação estão o ENEM e o SAEB. Também ocupou outros cargos públicos e executivos no Brasil e no Exterior, incluindo o de gerente de Operações do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington, o de secretário da Educação do Estado de São Paulo, entre 1984 e 1986, no governo Franco Montoro; e o de reitor da Universidade Estadual de Campinas, entre 1987 e 1991, durante o governo de Orestes Quércia.

Filho da repórter da Rede Globo não é de Fernando Henrique Cardoso

Dois testes de DNA, feitos em São Paulo e em Nova York, revelaram que Tomás Dutra Schmidt, filho da jornalista Miriam Dutra, da TV Globo, não é filho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Em 2009, Fernando Henrique Cardoso reconheceu Tomás como filho em um cartório em Madri, na Espanha. O jovem, que hoje tem 18 anos, pode usar o documento a qualquer momento para colocar o nome do ex-presidente em sua certidão. A informação sobre os testes foi publicada na coluna Radar, da revista "Veja". Depois que o documento já estava pronto, os três filhos de Fernando Henrique Cardoso com Ruth Cardoso (Paulo Henrique, Beatriz e Luciana) pediram ao pai que fizesse um exame que comprovasse que Tomás era mesmo filho dele. O ex-presidente concordou, imaginando com isso colocar fim a qualquer possibilidade de desentendimento entre os irmãos e Tomás. O primeiro teste foi feito no fim do ano passado, em São Paulo. A saliva de Fernando Henrique Cardoso foi recolhida em São Paulo, e a de Tomás, em Washington, nos Estados Unidos, onde estuda, por meio do representante do escritório do advogado brasileiro Sergio Bermudes, que cuidou tanto do reconhecimento quanto dos testes feitos. O primeiro exame deu negativo. Fernando Henrique Cardoso decidiu então se encontrar com Tomás em Nova York para um novo teste, que também deu negativo. Fernando Henrique Cardoso estava disposto a manter a história restrita a seus familiares. Fernando Henrique Cardoso acha que o exame é uma mera negativa biológica, e não jurídica. Ele está disposto a manter o reconhecimento de Tomás Dutra Schmidt. Seus herdeiros, no futuro, poderão questionar a paternidade com base nos testes de DNA. O ex-presidente não falará nada sobre o assunto, pois entende que diz respeito apenas à sua vida privada.

Hackers publicam fotomontagem de Dilma em site do governo de MT

Os sites das secretarias da Comunicação e da Administração do governo de Mato Grosso foram alvo de ataques de hackers entre a noite de sexta-feira e a manhã de sábado. As páginas saíram do ar, mas, segundo o governo estadual, os sistemas não foram invadidos. O caso mais grave ocorreu na página inicial da Secretaria da Administração, que foi substituída pelos invasores por uma fotomontagem da presidente Dilma Rousseff com o dedo médio em riste. O papel de parede também foi trocado por uma imagem do rosto de um andróide, meio homem, meio máquina. Os hackers se identificaram como sendo "Venom e LCK". A invasão virtual da Administração foi percebida às 8 horas de sábado, e as páginas foram retiradas do ar 15 minutos depois. Segundo a assessoria da secretaria, nenhum sistema foi afetado porque o site possui apenas links para outros portais, mas ficou foram do ar. O Cepromat (Centro de Processamento de Dados) de Mato Grosso, que investiga o caso, quer descobrir como agiram os invasores. Já o site da Secretaria da Comunicação voltou ao ar no início da madrugada de sábado, cerca de seis horas depois de sofrer um ataque virtual. A tentativa de invasão foi percebida pelo servidor, que está localizado em Maceió (AL), e o acesso aos sistemas foi bloqueado.

Prefeita de Gravataí defende-se no caso do impeachment

Rita Sanco, a prefeita petista de Gravataí, cidade da Grande Porto Alegre onde está instalado o complexo automotivo da GM, protocolou no final da tarde de sexta-feira a sua defesa no processo de impeachment a que responde na Câmara de Vereadores. “É uma peça insubsistente”, disse o secretário de Assuntos Jurídicos do PV, Claudio Ávila, que ajudou a montar as mil páginas de denúncia protocolados pelo seu partido, e que deu origem à investigação formal da Câmara Municipal. Até a próxima sexta-feira, a comissão processante dirá se aceita a defesa da petista Rita Sanco ou se levará adiante o pedido de cassação do seu mandato. A prefeita Rita Sanco corre o risco de ser afastada antes do cargo, preventivamente, porque seu vice-prefeito, Cristiano Kingeski, e o deputado estadual petista Daniel Bordignon, interferem ostensivamente no processo, aliciando votos entre os adversários. O PV tem fita gravada da reunião que seus dois principais líderes (Claudio Ávila e o presidente do partido, Márcio Souza) fizeram no dia 3 de junho, com Kingeski e Bordignon, em reunião realizado no Hotel Intercity, em Gravataí. Na reunião, que durou quatro horas, a Kingeski e Daniel Bordignon ofereceram três secretarias e 30 CCs para que o PV retirasse as acusações. Nos últimos dias, o PV contou detalhes escabrosos do que disseram Kingeski e Bordignon na reunião, inclusive apreciações deploráveis sobre a capacidade política e administrativa da prefeita petista Rita Sanco. Claudio Ávila, secretário do PV, reproduziu o que ouviu de Bordignon. A frase está gravada: "Rita é uma incapaz, mas se ela deixar um esqueleto de pé, já me serve, porque serei eleito prefeito em 2012. Eu sou um mito para o povo de Gravataí". Então, que tal, Daniel Bordignon é um mito para o povo de Gravataí?

Força-tarefa apura crimes ambientais no Vale dos Sinos

O força-tarefa do Ministério Público e a Polícia Civil do Rio Grande do Sul flagraram mais um caso de crime ambiental. Promotores e policiais identificaram colocação de lixo industrial perigoso (com alta capacidade poluidora e de prejuízos à saúde humana) diretamente no solo em uma área de preservação permanente em Igrejinha. O material era despejado por uma central de resíduos industriais de calçados, que foi fiscalizada na última quarta-feira. O responsável pela empresa foi preso em flagrante e encaminhado ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). Participaram da ação o promotor regional de Defesa do Meio Ambiente, Daniel Martini, e os promotores de Justiça Paulo Eduardo de Almeida Vieira, de Igrejinha, Annelise Steigleder, de Defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre, e Daniel Gonçalves, de Três Coroas, além da delegado estadual de Proteção Ambiental (Dema), Elisangela Melo Reghelin. O Gaeco ambiental do Ministério Público também está investigando se uma empresa de cromagem de Sapucaia do Sul causou poluição da água. No local, vistoriado na tarde da última terça-feira, foram encontrados indícios da presença de cromo hexavalente em um poço que capta água do subsolo. A substância, que é utilizada em banhos de cromagem, é cancerígena. Segundo o promotor Daniel Martini, há infiltração nas paredes do poço e a coloração da água estava alterada. Foram colhidas amostras para serem analisadas e os resultados devem sair nos próximos dias. Se for confirmada a contaminação, a empresa terá que fazer um projeto de recuperação de área degradada, para impedir a poluição do lençol freático na região.

Mais duas mortes por gripe A são confirmadas no Rio Grande do Sul

A Secretaria Estadual da Saúde, através do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS), confirmou na sexta-feira cinco novos casos de gripe A (H1N1), sendo dois óbitos, no Rio Grande do Sul. Os óbitos são de uma mulher de 58 anos, residente em Santa Cruz do Sul, e um homem de 54 anos, residente em Cachoeira do Sul. Ambos não haviam sido vacinados. Os outros três casos confirmados na sexta-feira são de uma mulher de 52 anos, uma mulher de 19 anos, e um bebê de 5 meses, todos moradores de Santa Cruz do Sul. Nenhum deles havia sido vacinado. Agora, o Rio Grande do Sul já registra 20 casos da doença, com seis óbitos.

Aeroporto de Cuiabá terá terminal provisório em 150 dias

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informou na sexta-feira que assinou na última quarta-feira a ordem de serviço para a implantação do Módulo Operacional Provisório (MOP) do Aeroporto Internacional de Várzea Grande, em Cuiabá (MT). Ou seja, foi dado o início para a montagem do "puxadinho" de Cuiabá. Agora, a empresa vencedora da licitação, a Engeglobal Construções Ltda, tem 150 dias para o fornecimento, implantação, montagem e instalação do módulo. Os investimentos são da ordem de R$ 2,5 milhões. A ampliação faz parte do cronograma de obras da Infraero em aeroportos relacionados com Copa de 2014. O Módulo Operacional do Aeroporto de Cuiabá ("puxadinho") terá 675 metros quadrados e capacidade para 700 mil passageiros por ano, ampliando para 2,45 milhões a capacidade atual do terminal. O MOP ("puxadinho") cumprirá as funções de um terminal de desembarque, oferecendo as mesmas facilidades de uma sala tradicional, com isolamento termoacústico, climatização, sistema de som, Sistema Informativo de Vôo e novas esteiras de desembarque de bagagens.